P. 1
FISICA_BOYLE

FISICA_BOYLE

|Views: 148|Likes:
Publicado porJéssica Soares

More info:

Published by: Jéssica Soares on Nov 04, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/04/2011

pdf

text

original

Resumo

A Lei de Boyle – Mariotte foi averiguada com o auxílio deste experimento. Consistiu basicamente na observação do comportamento de um gás submetido à determinada pressão, em uma transformação isotérmica. Através dos valores obtidos no manômetro foram construídos gráficos relacionando pressão total e volume, pressão total e o inverso do volume e pressão manométrica e volume. Dessa maneira comprovou-se a obediência dos gases è Lei de Boyle – Maryotte.

1.

Intr oduç ão

1.1 Lei de Boyle- Mariotte Os estudos aprofundados do comportamento de gases ideais remontam ao século XVII. Robert Boyle (1627-1691) observou que fixando a temperatura (T) de um gás, existia uma proporcionalidade inversa entre a pressão (P) e o volume (V) ocupado pelo mesmo:

Ou seja, se fizermos variar o volume ocupado por uma certa quantidade de gás perfeito,mantendo constante a sua temperatura, o produto da pressão a que o gás está submetido,pelo seu volume, permanece constante: PV= constante (para T=constante) A lei de Boyle explica vários fenômenos cotidianos envolvendo o produto pV. A respiração, a sucção, entre outros, são possíveis graças a esta forte interdependência de p e V para os gases. Edme Mariotte fez estudos semelhantes aos de Boyle se bem que só tenha publicado os seus resultados cerca de dez anos mais tarde. Em grande parte da literatura, a lei referida é conhecida por Lei de Boyle-Mariotte. A lei de Boyle-Mariotte num diagrama P-V representa-se por uma família de hipérboles eqüiláteras, uma para cada valor de T (isotermas). A figura abaixo ilustra, O conjunto de todos os pontos experimentais dá uma curva que indica um decréscimo exponencial da pressão com o aumento do volume. A curva demonstrada é conhecida como isoterma de Boyle para o gás ideal.

sendo que a nova pressão será calculada por: P1 = p0 + ∆p (3) A soma da equação 2 e 3 resulta na equação 1 que determina o volume inicial do gás. de tal forma que o novo volume será: V1 = V0 . válvula e seringa) é dado por : (1) Essa fórmula é obtida da seguinte forma. 2.∆V (2) Nessa operação ocorre também um acréscimo de pressão (∆p).1 Materiais utilizados Tripé com aste e sapatas niveladoras Aste metálica com 300 mm Painel posicionador Parafuso micrométrico com escala espelhada e manípulo Câmera de vidro resistente com escala volumétrica Válvula de três vias de desvio de fluxo Tubo de conexão Manômetro com fundo de escala . determinando-se o volume inicial de V0 e ao girar o manípulo determinar a redução ∆V no volume.DEFI-NRM-1021 1. Pr oce di me nto E xper i me ntal 2.2 Determinação do volume incial O cálculo do volume inicial de gás (referente ao ar contido no interior do manômetro. tubo de conexão.

45 mL no volume do gás.00 0.05 v0-5.39 1.1: Medidas Experimentais Após a montagem do sistema de prova como já descrito. a válvula foi aberta elevando o embolo ao máximo.1. de forma a introduzir determinada quantidade de ar à siringa.39 0.48 Com o auxílio da expressão (1) foi calculado o volume inicial: .2 Métodos utilizados O equipamento foi montado.mantendo sua vedação.45 Pressão manométrica p`(kgf/cm2) 0. com isso foi obtido a variação de volume em relação ao volume inicial.00 1.10 v0-9.23 1.12 1. ou seja. deu-se inicio as etapas experimentais. Cada volta no manípulo possui ma variação de 0. efetuaram-se três voltas no manípulo.05 1.70 v0-4. Para que houvesse variação de volume o manípulo foi girado 3 vezes ( voltas completas. Medida (n) 0 1 2 3 4 5 6 7 Volume V (ml) v0 v0-1. conforme a figura que ilustrava o experimento.40 v0-6. Os resultados foram anotados na tabela que segue abaixo: Tabela 3.18 0. cada uma produzindo uma variação de 0.35 v0-2.05 0.45 mL). Em um primeiro momento.75 v0-8.35 mL.30 1. os volumes foram anotados na tabela.48 Pressão total 1.Para determinação do volume inicial de gás o manípulo foi girado um determinado numero de voltas(3 ou 4). considerando o valor de aproximadamente 1 kgf/cm2 para a pressão atmosférica. a válvula foi fechada de forma a comprimir o ar o gás gradualmente.2. a variação ∆V = 1. um processo que foi repetido 7 vezes sucessivamente.12 0.23 0. Para verificar a Lei de Boyle-Mariotte.30 0.18 1. 3 Re sul tados e Di sc ussõe s 3. como foram utilizadas três a cada leitura.1: Medidas experimentais para o estudo da lei de BoyleMariotte.

05)/0. Este é praticamente o enunciado da Lei de Boyle.01 ml A partir da tabela 3. considerado ideal. 3. A construção da tabela 3.1 comprovou tais observações.Vo = 1.1 mostrado abaixo: Gráfico 3.2. Quando um gás.35(1+0.1. há uma redução na pressão.2.1. da mesma forma que quando este gás é expandido à temperatura constante.1.2.1 Tabela 3.35±0.1 e do valor de volume inicial foi construído o gráfico 3.2: Análise do produto PV = Constante. é comprimido à temperatura constante.1 – Valores calculados a partir da medida experimental de verificação da lei de Boyle-Mariotte (parte I) . é possível observar que ocorre um aumento de pressão.1: Curva relacionando a pressão manométrica e o volume. facilitando a construção do gráfico 3.05 =28.

65±0.12 1.39 1.73±0.01 20.01 28.01 21.01 28.01 28.48 pN. Os valores para a construção do gráfico foram obtidos a partir da seguinte tabela: .01 24.97±0.67±0.01 27.35±0. uma vez que à medida que o volume aumenta a pressão é reduzida proporcionalmente.ml/cm2) 28.01 28.23±0.35±0.18 1.01 27.30±0.23 1. 3.00 1.01 28.3.3: Análise de p x 1/V Foi construído um gráfico (3.2.08±0.95±0.15±0.01 18.01 28.35±0.30 1.00±0.Vn (kgf.60±0.25±0.Medida (n) 0 1 2 3 4 5 6 7 Volume V (ml) 28.01 22.90±0.05 1.01 25.01 Gráfico 3.1: Curva pressão total versus volume A observação desse gráfico mostra que PV = constante.1) relacionando pressão total e o inverso do volume.01 Pressão total (kgf/cm2) 1.

sendo ela a total ou a exclusivamente manométrica.035 0. .1: Valores da pressão total e o inverso do volume. já que para valores muito elevado de v.037 0.01 27.05 1. já que o aumento de volume é acompanhado pela redução do valor da pressão.39 1.1.01 21.48 Inverso do volume 1/Vn (ml1 ) 0.01 20.01 24.049 0.00±0.35±0. para valores pequenos de v.01 Pressão manométrica p(kgf/cm2) 1.65±0.3.1: curva relacionando pressão e inverso do volume. A diferença entre os gráficos está no ângulo de inclinação da curva.053 Tabela 3.90±0.043 0.01 25.039 0.041 0. a pressão tende a ser pequena. a pressão tende a ser elevada.00 1. A observação do gráfico confirma novamente a relação PV=cte.4 Comparação entre o gráfico 3.18 1.046 0.01 22.12 1.30 1.Medida (n) 0 1 2 3 4 5 6 7 Volume V (ml) 28.95±0.01 18.3. Gráfico 3.1 e 3. 3.30±0.2.60±0.25±0.23 1.1 Ambos os gráficos comprovam a lei de Boyle Maryotte.

quando aplicada a um gás em condições ideiais. Acesso em: 09/novembro/2008. O estado gasoso. Infere-se então que a equação PV=nRT pode ser simplificada para PV=constante. Ou seja. 5ª Ed. 2005. 5.ufsc.html>.gmc. V1. ondas e termodinâmica. [2] Universidade Federal de Santa Catarina. . B i bli ogr afi a: [1] Tipler. o aumento de volume acarreta uma redução na pressão. Santa Catarina: 2008. Rio de Janeiro: LTC. o aumento ou redução no volume deve ser mantido pela redução ou aumento da pressão respectivamente. Conc l usão: Efetuando-se tal experimento foi possível comprovar a Lei de Boyle – Mariotte. Física para Cientistas e Engenheiros : mecânica. para que o produto pressão e volume seja mantido constante. P. Disponível em: < http://www. G. oscilação.4. e Mosca.br/quimica/pages/aulas/gas_page2. Foi possível observar que ao manter-se a temperatura e a massa do gás constante.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->