P. 1
EXERCÍCIO..

EXERCÍCIO..

|Views: 16.251|Likes:
Publicado porElenice Mesquita

More info:

Published by: Elenice Mesquita on Nov 04, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/10/2014

pdf

text

original

EXERCÍCOS ED

UNIDADE I

EXERCÍCIO 1
Quadrilha João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém. João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história. ANDRADE, Carlos Drummond de. Antologia poética. Rio de Janeiro: Record, 1980.
Quadrilha da sujeira João joga um palitinho de sorvete na rua de Teresa que joga uma latinha de refrigerante na rua de Raimundo que joga um saquinho plástico na rua de Joaquim que joga uma garrafinha velha na rua de Lili. Lili joga um pedacinho de isopor na rua de João que joga uma embalagenzinha de não sei o que na rua de Teresa que joga um lencinho de papel na rua de Raimundo que joga uma tampinha de refrigerante na rua de Joaquim que joga um papelzinho de bala na rua de J. Pinto Fernandes que ainda nem tinha entrado na história. AZEVEDO, Ricardo. Você diz que sabe muito, borboleta sabe mais! São Paulo: Moderna, 2007.

Apesar do título e dos nomes semelhantes, não existe intertextualidade na relação entre os dois poemas, uma vez que o texto de Azevedo não recupera tematicamente o poema de Drummond. II. Azevedo trata de uma problemática da nossa sociedade: a falta de cuidado com o planeta ao criarmos muito lixo. III. Ambos os poemas têm a mesma estrutura na distribuição das frases.
A. B. C. D. E. Apenas I está correta. Apenas II está correta. Apenas III está correta. I e II estão corretas. II e III estão corretas.

EXERCÍCIO 1
Quadrilha João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém. João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história. ANDRADE, Carlos Drummond de. Antologia poética. Rio de Janeiro: Record, 1980.
Quadrilha da sujeira João joga um palitinho de sorvete na rua de Teresa que joga uma latinha de refrigerante na rua de Raimundo que joga um saquinho plástico na rua de Joaquim que joga uma garrafinha velha na rua de Lili. Lili joga um pedacinho de isopor na rua de João que joga uma embalagenzinha de não sei o que na rua de Teresa que joga um lencinho de papel na rua de Raimundo que joga uma tampinha de refrigerante na rua de Joaquim que joga um papelzinho de bala na rua de J. Pinto Fernandes que ainda nem tinha entrado na história. AZEVEDO, Ricardo. Você diz que sabe muito, borboleta sabe mais! São Paulo: Moderna, 2007.

I.Apesar do título e dos nomes semelhantes, não existe intertextualidade na relação entre os dois poemas, uma vez que o texto de Azevedo não recupera tematicamente o poema de Drummond. II. Azevedo trata de uma problemática da nossa sociedade: a falta de cuidado com o planeta ao criarmos muito lixo. III. Ambos os poemas têm a mesma estrutura na distribuição das frases.
A. B. C. D. E. Apenas I está correta. Apenas II está correta. Apenas III está correta. I e II estão corretas. II e III estão corretas.

Exercício 2
Analise a figura abaixo e assinale a alternativa correta:

A. B. C. D. E.

A figura não pode ser considerada um texto por não se constituir de palavras distribuídas em orações e em parágrafos. Trata-se de um texto, porque é uma unidade de sentido com linguagem e permite aos indivíduos a comunicação. É um texto apesar de seu contexto econômico. A figura não é um texto, porque não possui informação suficiente; tem apenas o valor, o nome da moeda corrente e o país de origem. A mistura de imagens, palavras e números não cria um texto, tornando a figura, na verdade, confusa.

D. porque não possui informação suficiente. A figura não pode ser considerada um texto por não se constituir de palavras distribuídas em orações e em parágrafos. o nome da moeda corrente e o país de origem. tornando a figura. tem apenas o valor. B. A figura não é um texto. A mistura de imagens. porque é uma unidade de sentido com linguagem e permite aos indivíduos a comunicação. . C.Exercício 2 Analise a figura abaixo e assinale a alternativa correta: A. palavras e números não cria um texto. Trata-se de um texto. E. na verdade. É um texto apesar de seu contexto econômico. confusa.

A. D. são necessários alguns conhecimentos. . que consiste em saber como e em que situação um texto pode ser veiculado. que é saber ouvir/falar. conhecimento linguístico. III. Todas as afirmações estão corretas. tais como: I. Apenas II está correta. ler/escrever com base em uma língua. II. E. C. conhecimento de mundo. que consiste em saber assuntos que nos rodeiam. I e II estão corretas. conhecimento interacional. Apenas I está correta. Apenas III está correta. B.Exercício 3 Para ler e produzir um texto.

que consiste em saber assuntos que nos rodeiam. A. conhecimento linguístico.Exercício 3 Para ler e produzir um texto. tais como: I. D. conhecimento interacional. Apenas III está correta. C. I e II estão corretas. são necessários alguns conhecimentos. que é saber ouvir/falar. ler/escrever com base em uma língua. III. Apenas I está correta. B. . Todas as afirmações estão corretas. conhecimento de mundo. que consiste em saber como e em que situação um texto pode ser veiculado. II. Apenas II está correta. E.

E. C. oralmente ou por escrito . Indique a expressão em que o numeral indica quantidade. há o conhecimento do léxico¹. A. B. D. Revólver trinta e oito Gol mil dois litros Ouro dezoito Álcool noventa 1 Léxico pode ser definido como o acervo de palavras de um determinado idioma: todo o universo de palavras que as pessoas de uma determinada língua têm à sua disposição para expressarse.Exercício 4 Dentro do conhecimento da língua.

há o conhecimento do léxico¹. B. Indique a expressão em que o numeral indica quantidade.Exercício 4 Dentro do conhecimento da língua. A. Revólver trinta e oito Gol mil dois litros Ouro dezoito Álcool noventa 1 Léxico pode ser definido como o acervo de palavras de um determinado idioma: todo o universo de palavras que as pessoas de uma determinada língua têm à sua disposição para expressarse. E. oralmente ou por escrito . D. C.

As minuta estão pronta. o colorido é fundamental para as crianças. C. qual das expressões abaixo o nível morfológico² atende ao padrão culto da língua? A. E. D. A reunião comecará. Os relatórios estão complexos e completos. B.Exercício 5 Em uma situação formal de comunicação. Já é três horas. o conhecimento linguístico estabelece-se pela padronização culta da língua. 2 Morfologia é o estudo da estrutura. Assim. Na fabricação dos pipas. Abundamento de vendas de pipas. da formação e da classificação das palavras .

Os relatórios estão complexos e completos. Na fabricação dos pipas. Já é três horas. o colorido é fundamental para as crianças. o conhecimento linguístico estabelece-se pela padronização culta da língua. E. . D. B. As minuta estão pronta. Assim. C. qual das expressões abaixo o nível morfológico atende ao padrão culto da língua? A. A reunião comecará.Exercício 5 Em uma situação formal de comunicação. Abundamento de vendas de pipas.

Exercício 6 O início do Hino Nacional encontra-se na versão original e na ordem direta: • A versão no original... o sol da Liberdade brilhou. Sobre as duas versões acima podemos considerar: A. Na versão original. E. B. Brilhou no céu da Pátria nesse instante. . E o sol da Liberdade.. Não é possível identificar o sujeito das orações na ordem indireta. no céu da Pátria.. e. Ouviram do Ipiranga as margens plácidas De um povo heroico o brado retumbante. em raios fúlgidos. em raios fúlgidos. o sujeito da primeira oração é “um povo heroico”. D. e na ordem direta As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heroico. nesse instante. • . A ordem indireta é um recurso poético e causa dificuldade para o entendimento do texto. A ordem direta da segunda versão do HN não facilita o entendimento do texto. Os sujeitos (as margens plácidas/ o sol da Liberdade) das orações são facilmente identificáveis em ambas as versões. C.

no céu da Pátria. B. nesse instante. D. Não é possível identificar o sujeito das orações na ordem indireta. Sobre as duas versões acima podemos considerar: A.. em raios fúlgidos. E o sol da Liberdade. A ordem indireta é um recurso poético e causa dificuldade para o entendimento do texto. em raios fúlgidos. o sujeito da primeira oração é “um povo heroico”. e.. Os sujeitos (as margens plácidas/ o sol da Liberdade) das orações são facilmente identificáveis em ambas as versões. E. C. Brilhou no céu da Pátria nesse instante.. e na ordem direta As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heroico.Exercício 6 O início do Hino Nacional encontra-se na versão original e na ordem direta: • A versão no original. o sol da Liberdade brilhou. Ouviram do Ipiranga as margens plácidas De um povo heroico o brado retumbante.. • . . A ordem direta da segunda versão do HN não facilita o entendimento do texto. Na versão original.

E. A repetição sintática é apenas para mostrar os diferentes sujeitos (homem/ burro/ cachorro) do texto. Um homem vai devagar. A estrutura sintática é repetida três vezes (Um homem vai devagar/ um cachorro vai devagar/ Um burro vai devagar) mostrando a mesmice da cidade. C. ANDRADE. Devagar. Eta vida besta. Ou seja. um burro e um cachorro vão devagar.Exercício 7 Leia o poema: Cidadezinha qualquer Casas entre bananeiras mulheres entre laranjeiras pomar amor cantar.. Carlos Drummond de. Sobre a segunda estrofe do poema. Um burro vai devagar. 1980. Antologia poética. A descrição da cidade monótona e a estrutura sintática do poema não têm relação. meu Deus. B. consideramos correta a seguinte afirmação: A. A repetição sintática é desvinculada do conteúdo do poema. Um cachorro vai devagar. O efeito seria o mesmo se as três orações se tornassem uma só: um homem. D. as janelas olham. . Rio de Janeiro: Record.. o assunto é independente da estrutura no texto.

Um cachorro vai devagar. 1980. A repetição sintática é desvinculada do conteúdo do poema. . Ou seja. Devagar. Rio de Janeiro: Record. D. um burro e um cachorro vão devagar.Exercício 7 Leia o poema: Cidadezinha qualquer Casas entre bananeiras mulheres entre laranjeiras pomar amor cantar. C. as janelas olham.. A descrição da cidade monótona e a estrutura sintática do poema não têm relação.. o assunto é independente da estrutura no texto. A estrutura sintática é repetida três vezes (Um homem vai devagar/ um cachorro vai devagar/ Um burro vai devagar) mostrando a mesmice da cidade. Um homem vai devagar. Antologia poética. E. consideramos correta a seguinte afirmação: A. A repetição sintática é apenas para mostrar os diferentes sujeitos (homem/ burro/ cachorro) do texto. meu Deus. ANDRADE. Eta vida besta. B. O efeito seria o mesmo se as três orações se tornassem uma só: um homem. Um burro vai devagar. Sobre a segunda estrofe do poema. Carlos Drummond de.

O texto é polissêmico. II. D. E. Apenas II é correta. Não existe polissemia no texto devido ao emprego do termo específico “Aol” em relação ao termo rede. Sobre ela afirmamos: I. II e III estão corretas. Polissemia" é o nome que se dá quando uma palavra pode ter mais de uma significação . Apenas III é correta. Todas as afirmações estão corretas. C. Apenas I é correta.Exercício 8 A tirinha abaixo é de autoria do paulistano Salvador. III. B. uma vez que a palavra rede assume dois significados no texto: lugar de descanso e ferramenta virtual. Trata-se de um texto claro sem nenhum tipo de dupla interpretação. A.

uma vez que a palavra rede assume dois significados no texto: lugar de descanso e ferramenta virtual. O texto é polissêmico. Apenas II é correta. Sobre ela afirmamos: I. B. Polissemia" é o nome que se dá quando uma palavra pode ter mais de uma significação . Trata-se de um texto claro sem nenhum tipo de dupla interpretação. Todas as afirmações estão corretas. II e III estão corretas. II. E. Apenas III é correta. D. A. III. C. Apenas I é correta. Não existe polissemia no texto devido ao emprego do termo específico “Aol” em relação ao termo rede.Exercício 8 A tirinha abaixo é de autoria do paulistano Salvador.

E. Diante dessa concepção. não existe referência à religiosidade do povo local. C. Os nomes de ruas no entorno da estação ferroviária Lapa são uma mistura de várias línguas. Entre os nomes de ruas da Lapa. É interessante como alguns nomes de ruas da Lapa recuperam a história da Antiguidade. de alguma forma. o motorista deve seguir em frente depois de sair do viaduto Cdor Elias Nagib Breim. Para chegar à rua Roma. nós sabemos em que situações a sentença seria verdadeira. B.Exercício 9 Para a semântica. quando alguém enuncia uma sentença. ligados ao mundo. D. . Há uma rua perto da estação ferroviária com o nome Engenheiro Aubertin. Essa relação da referência a situações externas à língua sugere que os significados estão. identifique a sentença falsa com base no mapa: A.

Exercício 9 Para a semântica. quando alguém enuncia uma sentença. Entre os nomes de ruas da Lapa. o motorista deve seguir em frente depois de sair do viaduto Cdor Elias Nagib Breim. C. nós sabemos em que situações a sentença seria verdadeira. não existe referência à religiosidade do povo local. E. identifique a sentença falsa com base no mapa: A. Os nomes de ruas no entorno da estação ferroviária Lapa são uma mistura de várias línguas. Diante dessa concepção. Há uma rua perto da estação ferroviária com o nome Engenheiro Aubertin. ligados ao mundo. D. . de alguma forma. Essa relação da referência a situações externas à língua sugere que os significados estão. B. Para chegar à rua Roma. É interessante como alguns nomes de ruas da Lapa recuperam a história da Antiguidade.

Exercício 10 Assinale a alternativa em que não ocorre polissemia: .

Exercício 10 Assinale a alternativa em que não ocorre polissemia: .

Informações Implícitas 4a .

temos: A . E .O pressuposto de que o mensalão não era praticado.O pressuposto de que o mensalão era uma estratégia de política social C . . B .Exercício 1 Na frase: “O caso do mensalão tornou-se público”.Não há pressuposto. D .O pressuposto de que o mensalão não era do conhecimento público até então.O pressuposto de que o mensalão era uma estratégia de distribuição de renda.

O pressuposto de que o mensalão era uma estratégia de política social C . .O pressuposto de que o mensalão não era praticado.O pressuposto de que o mensalão era uma estratégia de distribuição de renda.Não há pressuposto.Exercício 1 Na frase: “O caso do mensalão tornou-se público”.O pressuposto de que o mensalão não era do conhecimento público até então. D . B . temos: A . E .

. em 1991.Exercício 2 Observe atentamente o cartaz vencedor. do I Grande Prêmio Central de Outdoor.

C .o autor indica para o leitor o surgimento de mais uma rosquinha com buraco na cidade. pois a rosquinha não tem nada a ver com os buracos da cidade. E.Nele observamos que o autor trabalha utilizando como marcador de pressuposição: a palavra “mais”.o autor marca com a palavra um conhecimento que o leitor já possui: há muitos buracos na cidade e apareceu mais um. D . A partir dessa informação você diria que: A .o autor subentende que já há muitas rosquinhas esburacadas na cidade. B . . pois o autor deve sempre dizer tudo para facilitar a compreensão do leitor.o autor exagerou no uso do marcador.nos textos de modo geral não há necessidade de trabalhar com pressuposição.

A partir dessa informação você diria que: A . pois a rosquinha não tem nada a ver com os buracos da cidade.o autor subentende que já há muitas rosquinhas esburacadas na cidade. E.nos textos de modo geral não há necessidade de trabalhar com pressuposição.Nele observamos que o autor trabalha utilizando como marcador de pressuposição: a palavra “mais”. B .o autor exagerou no uso do marcador.o autor indica para o leitor o surgimento de mais uma rosquinha com buraco na cidade. D .o autor marca com a palavra um conhecimento que o leitor já possui: há muitos buracos na cidade e apareceu mais um. . pois o autor deve sempre dizer tudo para facilitar a compreensão do leitor. C .

vírgula ( . opção de tributação. antes. e o veiculador da pressuposição é a palavra “Mais”.) e. no Banco do Brasil. há mais de um Plano Brasilprev. antes. A . . havia. D -há um erro no emprego da pontuação. nos Planos Brasilprev. além de vantagem.Exercício 3 Com relação ao cartaz abaixo. Planos.há um erro de concordância. ). C . em desacordo com a palavra determinante. já havia. E .há o subentendido de que. pois entre frases nominais não se deve usar ponto (.há o pressuposto de que. e o veiculador do subentendido é a palavra “uma”. B .há o pressuposto de que. várias opções de tributação e outras vantagens. que está no plural. sim. quanto ao aspecto verbal. bem como mais de uma vantagem. nos Planos Brasilprev. pois a palavra Brasilprev está no singular.

quanto ao aspecto verbal. . no Banco do Brasil. antes. vírgula ( . opção de tributação.há o pressuposto de que. B . nos Planos Brasilprev. nos Planos Brasilprev. e o veiculador do subentendido é a palavra “uma”. várias opções de tributação e outras vantagens. C . Planos.há um erro de concordância. antes. já havia. e o veiculador da pressuposição é a palavra “Mais”. há mais de um Plano Brasilprev. pois a palavra Brasilprev está no singular. havia. ).Exercício 3 Com relação ao cartaz abaixo. além de vantagem.) e. sim. pois entre frases nominais não se deve usar ponto (.há o pressuposto de que. A . E . D -há um erro no emprego da pontuação. que está no plural. bem como mais de uma vantagem.há o subentendido de que. em desacordo com a palavra determinante.

o autor indica para o leitor a responsabilidade que a mulher sempre teve com a beleza. E.a palavra "agora" indica que antes as mulheres não se preocupavam com a beleza das mãos.o autor subentende que antes a beleza não estava nas mãos das mulheres. você diria que: A. por isso a escolha da palavra "agora" não interfere na argumentatividade do referido texto. C .a palavra "agora" indica que antes não havia um produto que proporcionava beleza para as mãos.Exercício 4 Faça uma leitura da seguinte peça publicitária: Nela observamos que o autor trabalha utilizando como marcador de pressuposição: a palavra “agora”. A partir dessa informação e sua relação com o produto anunciado.o autor deve sempre dizer tudo para facilitar a compreensão do leitor. . B . D .

o autor deve sempre dizer tudo para facilitar a compreensão do leitor.a palavra "agora" indica que antes as mulheres não se preocupavam com a beleza das mãos. B .o autor subentende que antes a beleza não estava nas mãos das mulheres. por isso a escolha da palavra "agora" não interfere na argumentatividade do referido texto. A partir dessa informação e sua relação com o produto anunciado.o autor indica para o leitor a responsabilidade que a mulher sempre teve com a beleza. .Exercício 4 Faça uma leitura da seguinte peça publicitária: Nela observamos que o autor trabalha utilizando como marcador de pressuposição: a palavra “agora”.a palavra "agora" indica que antes não havia um produto que proporcionava beleza para as mãos. C . E. D . você diria que: A.

Exercício 5 A frase: “Pedro deixou de fumar”.um nome. que serve como marcador de um pressuposto: “fumar” C. que serve como marcador de um pressuposto: “deixou” E .um advérbio.um adjetivo que serve como marcador de um pressuposto: “deixou” B .um verbo. apresenta: A. . que serve como marcador de um pressuposto: “Pedro”. que serve como marcador de um pressuposto: “deixou” D .um verbo.

um verbo. apresenta: A.um adjetivo que serve como marcador de um pressuposto: “deixou” B . que serve como marcador de um pressuposto: “deixou” E .Exercício 5 A frase: “Pedro deixou de fumar”.um advérbio.um nome. que serve como marcador de um pressuposto: “fumar” C.um verbo. . que serve como marcador de um pressuposto: “Pedro”. que serve como marcador de um pressuposto: “deixou” D .

Informações Implícitas 4b .

você pode escolher entre usar Sundown ou ficar como um pimentão: vermelho e ardido. tem-se o outdoor vencedor do II Grande Prêmio Central de Outdoor. em 1992.se você não usar Sundown vai ficar vermelho e ardido como um pimentão. E . D .Sundown. Qual é esse subentendido. Pode-se detectar no enunciado dessa peça publicitária uma associação texto-imagem que leva o interlocutor a um subentendido. considerando que esse é um anúncio publicitário? A .Exercício 1 Na figura a seguir.se você quer se parecer com um pimentão.os pimentões devem usar Sundown quando vão à praia. . praia e pimentão são combinações ideais. B. deve usar Sundown. C.

os pimentões devem usar Sundown quando vão à praia. Pode-se detectar no enunciado dessa peça publicitária uma associação texto-imagem que leva o interlocutor a um subentendido. em 1992.Sundown. tem-se o outdoor vencedor do II Grande Prêmio Central de Outdoor. Qual é esse subentendido.você pode escolher entre usar Sundown ou ficar como um pimentão: vermelho e ardido. . considerando que esse é um anúncio publicitário? A . C. E .se você quer se parecer com um pimentão.se você não usar Sundown vai ficar vermelho e ardido como um pimentão.Exercício 1 Na figura a seguir. B. praia e pimentão são combinações ideais. deve usar Sundown. D .

B . E . . o leitor pode subentender que: A -o presidente Lula é um homem calmo e que realiza tudo sem pressa. inseridas num contexto marcado preferencialmente pela atualidade.O presidente Lula não está tendo um desempenho satisfatório em suas ações governamentais.O presidente Lula possui uma tartaruga como animal de estimação. pois não está fazendo o que prometeu ao povo brasileiro. C . da autoria de Paixão. ativado pelas imagens da charge.o autor da charge faz uma crítica às viagens realizadas pelo presidente Lula. D . Combinando-se as informações novas (visuais) com o contexto de informações mentais.até uma tartaruga é mais rápida do que o presidente Lula. Tratase de uma peça comunicativa que geralmente apresenta um fato cotidiano com pinceladas de humor ou ironia e forte dependência de informações.Exercício 2 O texto que segue é uma charge publicada no jornal Gazeta do Povo (PR). em 12 de abril de 2004.

B . D . Combinando-se as informações novas (visuais) com o contexto de informações mentais. inseridas num contexto marcado preferencialmente pela atualidade. . da autoria de Paixão. E .O presidente Lula não está tendo um desempenho satisfatório em suas ações governamentais.Exercício 2 O texto que segue é uma charge publicada no jornal Gazeta do Povo (PR). pois não está fazendo o que prometeu ao povo brasileiro. ativado pelas imagens da charge. em 12 de abril de 2004. C . o leitor pode subentender que: A -o presidente Lula é um homem calmo e que realiza tudo sem pressa.o autor da charge faz uma crítica às viagens realizadas pelo presidente Lula.até uma tartaruga é mais rápida do que o presidente Lula.O presidente Lula possui uma tartaruga como animal de estimação. Tratase de uma peça comunicativa que geralmente apresenta um fato cotidiano com pinceladas de humor ou ironia e forte dependência de informações.

D. em decorrência disso.um subentendido: a atividade médica deve encarar a saúde e a doença como fenômenos apenas biológicos. .um pressuposto: a atitude psicológica pode desempenhar um papel relevante para enfrentar a moléstia.Exercício 3 No relato: “Ela diz ter certeza da relação do seu câncer com problemas emocionais que enfrentou durante a vida. principalmente em decorrência da depressão e seus efeitos”. a importância da inclusão dos psicólogos nos grupos terapêuticos. B .um pressuposto: a importância do psicólogo no tratamento do câncer.um subentendido: somente conflitos conjugais interferem na saúde. E .um subentendido: a influência das emoções na saúde humana. é possível identificar: A . C.

Exercício 3 No relato: “Ela diz ter certeza da relação do seu câncer com problemas emocionais que enfrentou durante a vida.um subentendido: a atividade médica deve encarar a saúde e a doença como fenômenos apenas biológicos. a importância da inclusão dos psicólogos nos grupos terapêuticos.um subentendido: a influência das emoções na saúde humana. C. em decorrência disso.um subentendido: somente conflitos conjugais interferem na saúde. B . é possível identificar: A . D.um pressuposto: a importância do psicólogo no tratamento do câncer. .um pressuposto: a atitude psicológica pode desempenhar um papel relevante para enfrentar a moléstia. E . principalmente em decorrência da depressão e seus efeitos”.

Apenas as afirmações I. orações adjetivas.Os pressupostos são aquelas idéias não expressas de maneira explícita.Apenas a afirmação II não está correta. II e III estão corretas. -Todas as afirmações estão incorretas. IV – Os pressupostos são marcados por meio de vários indicadores lingüísticos.A interpretação do subentendido é de responsabilidade do falante.Exercício 4 Sobre informações implícitas. tais como: certos advérbios. II . . . considere: I . mas que o leitor pode perceber a partir de certas palavras ou expressões contidas nas frases. -Todas as afirmações estão corretas. certos verbos. A B C D E . -Apenas a afirmação III não está correta. V – Os subentendidos são as insinuações escondidas por trás de uma afirmação. III – A interpretação do subentendido é de responsabilidade do ouvinte.

orações adjetivas. A B C D E . II e III estão corretas.Exercício 4 Sobre informações implícitas. IV – Os pressupostos são marcados por meio de vários indicadores lingüísticos.A interpretação do subentendido é de responsabilidade do falante. considere: I . III – A interpretação do subentendido é de responsabilidade do ouvinte. -Todas as afirmações estão incorretas. tais como: certos advérbios. certos verbos. mas que o leitor pode perceber a partir de certas palavras ou expressões contidas nas frases.Apenas as afirmações I. -Todas as afirmações estão corretas. V – Os subentendidos são as insinuações escondidas por trás de uma afirmação.Os pressupostos são aquelas idéias não expressas de maneira explícita. II . -Apenas a afirmação III não está correta.Apenas a afirmação II não está correta. . .

sugere. mas não utilizando-se de recursos argumentativos que levam o leitor a aceitar determinadas ideias.estes elementos são marcados linguisticamente e utilizam-se de recursos argumentativos que levam o leitor a aceitar certas ideias.Exercício 5 Entendemos como elementos implícitos subtendidos numa frase ou num conjunto de frases quando: A. transformando o ouvinte em cúmplice. B . O falante esconde-se atrás do sentido literal (real) das palavras. O subtendido diz sem dizer.o falante não pode esconder-se atrás do sentido literal (real) das palavras e negar o que o ouvinte depreendeu de suas palavras. mas não diz. D.estes elementos são marcados linguísticamente.estes elementos não são marcados linguisticamente mas sugerem alguma coisa de modo sutil.uma informação é estabelecida como indiscutível tanto para o falante quanto para o ouvinte. . Decorre de algum elemento linguístico (marcador). E . uma ideia implícita nunca é posta em discussão. C.

C.uma informação é estabelecida como indiscutível tanto para o falante quanto para o ouvinte.o falante não pode esconder-se atrás do sentido literal (real) das palavras e negar o que o ouvinte depreendeu de suas palavras.estes elementos não são marcados linguisticamente mas sugerem alguma coisa de modo sutil. O subtendido diz sem dizer. D. . B . mas não utilizando-se de recursos argumentativos que levam o leitor a aceitar determinadas ideias. Decorre de algum elemento linguístico (marcador).Exercício 5 Entendemos como elementos implícitos subtendidos numa frase ou num conjunto de frases quando: A. transformando o ouvinte em cúmplice. O falante esconde-se atrás do sentido literal (real) das palavras. E . mas não diz. sugere.estes elementos são marcados linguisticamente e utilizam-se de recursos argumentativos que levam o leitor a aceitar certas ideias. uma ideia implícita nunca é posta em discussão.estes elementos são marcados linguísticamente.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->