P. 1
Revolucao Feminina as Conquistas Da Mulher No Seculo XX

Revolucao Feminina as Conquistas Da Mulher No Seculo XX

|Views: 781|Likes:
Publicado porTony Man

More info:

Published by: Tony Man on Nov 06, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/18/2013

pdf

text

original

Sections

  • Introdução
  • 1. A mulher na linha do tempo
  • 1.1. Mulher: Mãe, Deusa, Terra
  • 1.2. Mulher: O Outro – Deusa decaída
  • 2. Ingresso da Mulher no Mercado de Trabalho
  • 2.1. Século XIX: mulher operária e marxismo
  • 2.2 História da reivindicação feminina
  • 2.3. A figura da mulher emancipada
  • 3. A Mulher no Mundo Moderno
  • 3.1. O Dia Internacional da mulher
  • 3.2 Repercussão dessa Data no Brasil
  • 3.3 Ascensão da mulher nos dias atuais
  • 3.4 A educação e a ascensão profissional da mulher brasileira
  • 3.5 Participação da Mulher no Mercado de Trabalho
  • 3.6 Desigualdades em decorrência do gênero
  • Conclusão
  • Bibliografia

CRISTINA NAVARRO ALTTIMAN SIMONE DE GÓES COSTA

REVOLUÇÃO FEMININA: AS CONQUISTAS DA MULHER NO SÉCULO XX.

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS JANDIRA- SP- 2009

1

CRISTINA NAVARRO ALTTIMAN SIMONE DE GÓES COSTA

REVOLUÇÃO FEMININA: AS CONQUISTAS DA MULHER NO SÉCULO XX.

Trabalho apresentado ao curso de Administração de Empresa da Faculdade Eça de Queirós, como requisito parcial para aprovação na disciplina Trabalho de Conclusão de Curso ministrada pelo prof. Ms. Ariovaldo Emídio.

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS JANDIRA- SP- 2009

2

CRISTINA NAVARRO ALTTIMAN SIMONE DE GÓES COSTA
GRADUAÇÃO

Monografia apresentada para obtenção do Título de bacharel, pelo curso de Administração Geral da Faculdade Eça de Queirós Orientador Prof° Ms. Ariovaldo Emídio. Data : 30/10/2009

Resultado: 9,5 BANCA EXAMINADORA Prof. Ms. Ariovaldo Emídio Faculdade Eça de Queirós

Assinatura _________________________ Prof. Ms. Petrônio Pereira da Silva Faculdade Eça de Queirós

Assinatura _________________________

3

AGRADECIMENTO A realização deste trabalho contou com diversas colaborações, sem as quais esta tarefa não teria sido concretizada. Primeiramente, agradeço a Deus não só por esse dia, mais sim por todos os dias, e por todas as conquistas que tive na minha vida, e por ter colocado pessoas boas no meu caminho: pessoas que fazem parte da minha vida, que me apoiaram e fizeram à diferença. A Simone que me deu a oportunidade de fazer esse trabalho com ela, por ter acreditado na minha pessoa, e por ter sido quem me estendeu a mão nas horas difíceis, e dando todo seu apoio para que eu pudesse continuar nessa batalha. Ao seu esposo Agnaldo, pela sua paciência, dedicação e esforço, que nos acompanhou toda essa trajetória, a sua filha, por ter cedido todo seu espaço e suas horas, que foram utilizadas para essa conquista. A minha mãe por ter me dado uma boa educação, e ensinado o caminho certo da vida. Ao orientador, professor Ariovaldo, e aos professores Daré e Rogério que sempre se mostraram dispostos a nos ajudar e explicar nossas dúvidas o quanto fosse necessário, a professora Hani pelas suas sugestões que foram muito úteis para o melhoramento do trabalho. A todos da turma de Administração que, muitas vezes sem saber, me incentivavam a continuar em frente. Especialmente aos amigos (a) Kátia, Anne, Marcelo, Davi, Sidnei, Pedro por esses quatro anos de luta, que estiveram ao meu lado, apoiando e me dando bons conselhos, e a todas as pessoas que me ajudaram direta e indiretamente.

Cristina Navarro

4

As dificuldades não foram poucas, foram muitos, os obstáculos, muitas vezes, pareciam impossíveis. O desânimo quis contagiar, porém, a garra e a persistência foram maiores, sobrepondo esse sentimento, fazendo-nos seguir a caminhada, apesar da dificuldade do caminho. Agora, ao olharmos para trás, a sensação de dever cumprido se faz presente, podemos constatar que as noites de sono em claro, o cansaço dos encontros, os longos tempos de leitura, digitação, discussão, a ansiedade em querer fazer e a angústia de muitas vezes não o conseguir, não foram em vão. Aqui estamos, como sobreviventes de uma longa batalha, porém, muito mais fortes e hábeis, com coragem suficiente para mudar a nossa postura, apesar de todos os percalços. Agradeço em primeiro lugar a Deus que iluminou nosso caminho durante este longo percurso acadêmico. Ao meu esposo, Adnaldo Costa que de forma especial e carinhosa me deu força e coragem, me apoiando nos momentos de dificuldades, a minha filha Andressa, meus irmãos, minha sogra Dona Idalice e meus pais, Edson e Aparecida por estarem participando e torcendo pelo nosso sucesso, e de forma grata e grandiosa. E aos grandes amigos Pedro, Sidnei, Shirley e Kátia. Também ao orientador professor Ms. Ariovaldo Emídio, em especial a professora Dr. Liem Hani de Alcântara, Ms. Rogério de Souza e Geraldo Daré, por nos orientar e estimular, com dedicação e paciência, para que pudéssemos desenvolver este trabalho.

Simone Góes

Muitos séculos se passaram para que ela pudesse na fissura da sociedade burguês-capitalista. mãe-terra. Neste mesmo século. ou seja. Mercado de Trabalho. atualmente a ascensão da mulher . pensar e agir. com o compromisso de manter o equilíbrio sem perder a sua feminilidade. Elas apontaram caminhos. entretanto. esposa. sociedade e no trabalho. mais um ciclo se abriu a favor de melhores condições e direito ao voto.Chave: Mulher. perante uma nova forma de viver. guerreira. ganhando cada vez mais espaço na política. ela passou a gerar renda e tomar frente a sua decisão. com o seu ingresso no mercado de trabalho em meados do século XX. independente financeiramente. Na origem dos tempos. dona-de-casa. Homem. Palavras .5 RESUMO Tudo se inicia com a mulher na linha do tempo. demonstra uma identidade que se expande para todos os lados no ambiente corporativo brasileiro e angaria um ritmo acelerado de evolução. com o advento da cristandade deixou de ser cultuada para ser vista como o Outro. o “Dia Internacional da Mulher”. encontrar uma possibilidade de resgatar a sua condição de sujeito. O pós-guerra foi outro fator que a legitimou a ocupar espaço apropriado e respeitoso. criaram novos conceitos e provaram que poderiam ser tão bem-sucedidas quanto os homens.mãe. Sociedade . inverso do SujeitoHomem. lutadora. Por fim. há de se constatar que com todo avanço citado no decorrer do trabalho. agora também trabalhadora profissional. posteriormente sua busca ao fortalecimento da essência feminina na sociedade e o conhecimento dos aspectos históricos que permearam a evolução. ela era confundida com a Natureza na sua totalidade: deusa.

6 ABSTRACT Everything starts with the woman in the timeline. with its entrance in the labor market in the mid-twentieth century. it would appear that with every advance cited in this work. wife. is a new form of live. gaining more space. that is. the Subject antithetical-Man. mistress of the house. fighter-show an identity that expands to all sides in the Brazilian corporate environment and raises an accelerated pace of evolution. Finally. earth mother. The postwar period was another factor that legitimized take appropriate space and respect. At the beginning of time. politics and society with a commitment to maintain a balance without losing her femininity. however with the advent of Christianity was no longer a cult to be seen as the Other. then your search to strengthen the essence of women in society and the knowledge of the historical developments that permeated. find a chance to redeem his status as a subject. it began to generate income and take forward its decision. now also working professional.mother. now the rise of women . financially independent. Keywords . think and act. Many centuries have passed so she could in the cleft of the bourgeoiscapitalist society. she was confused with nature as a whole: goddess." They pointed out paths. another cycle opened in favor of better conditions and the right to vote the "International Women's Day. In the same century. created new concepts and proved it could be as successful as men.Key: Male. Labor Market and Society . a fighter.

Quando sonhamos juntos. . é apenas um sonho. é o começo da realidade. Quixote).7 Quando se sonha sozinho. (D.

.........................Deusa decaída....................................................Participação cargos eletivos ....8 ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 1 . 19 Ilustração 5.......................................... 32 Ilustração 11........Mulheres candidatas a prefeita .............................Mulher 1997 ...................................................................................................... 29 Ilustração 9....... 16 Ilustração 4 ..........................Mulheres chefes de família ......................................Reprodução do quadro de Jean-Baptiste De Breat .............................Mulheres candidatas a vereadora.......... 40 Ilustração 19 ...................................... 38 Ilustração 18........................... 51 ...............................Mulheres assumem despesas ................. 36 Ilustração 16..........Rendimento Homem / 03 e 08 .............................................................................. 35 Ilustração 15........................Deusa Gaia .................................... 33 Ilustração 13.. 35 Ilustração 14 .............................Revolução Industrial ........................................................................ 27 Ilustração 8............................................................................ 37 Ilustração 17....................................................................................................... 23 Ilustração 7....................................... 13 Ilustração 2 ..................... 31 Ilustração 10......................Sociedade econômica ......Deusa Lilith .....Brasil iguladade de gênero ........................................................Força de trabalho França...... 15 Ilustração 3......................................... 33 Ilustração 12.........População economicamente ativa .......................................................................................Século XIX .................................... 20 Ilustração 6........Mulher mercado de trabalho .......................................................................A mulher moderna .............

...........1......... 53 ............................9 SUMÁRIO Introdução.... Terra............................ 33 3....3 Ascensão da mulher nos dias atuais ....................................................... 44 Conclusão ....................................................................................... 17 2.... Mulher: O Outro – Deusa decaída ....................5 Participação da Mulher no Mercado de Trabalho ................................. A mulher na linha do tempo............................................................ O Dia Internacional da mulher ......................2 Repercussão dessa Data no Brasil ............ 29 3................................................................................................ Mulher: Mãe.......................................................4 A educação e a ascensão profissional da mulher brasileira........................................................................................................... 16 2..........3.................... 36 3...................... 34 3.. 18 2............ 30 3....................... 23 2........................................................ A Mulher no Mundo Moderno ........................................................................ 27 3............. Ingresso da Mulher no Mercado de Trabalho ......... Deusa.......2 História da reivindicação feminina ........................................1.................................... Século XIX: mulher operária e marxismo ........................ 11 1... 12 1..................2................................................................................................................................ 10 1...................1...........................6 Desigualdades em decorrência do gênero ....................................... 52 Bibliografia.......... 29 3................................... A figura da mulher emancipada.....................

Como critério quanto à análise da trajetória realizada pela mulher no espaço empresarial e sua competência profissional será relevante a questão da melhoria educacional. Basicamente. . Entretanto. a titulo de contextualização. mas sim nos processos coletivos. a atuação dela na liderança vem desencadeando influência na transformação cultural das organizações e ampliando as possibilidades existentes em conquistas.10 Introdução O desenvolvimento do tema proposto apresenta-se de forma a demonstrar a crescente transformação do papel da mulher na economia. A partir de uma nova visão. cultural e social que tiveram grande impacto sobre o trabalho da mulher. atitude. sociedade e liderança nas últimas décadas. antes de tratarmos de sua participação no mercado propriamente dito. a mulher e sua relação com o Outro. Dentre os estudos relacionados à inserção da mulher no mercado de trabalho. essa elaboração monográfica constitui-se de três capítulos: no primeiro. faremos uma abordagem histórica da árdua e paulatina inserção da mulher na sociedade. Este estudo visa desvendar um novo olhar sobre a figura feminina e a sua capacidade de transformação. converter a insegurança em criatividade. no segundo. o Brasil passou por transformações. será enfocado o início da reviravolta de sua história em termos de liberdade. será realizado. Sob este prisma serão abordados aspectos sobre o papel e função da mulher na sociedade econômica. sua efetiva colocação no competitivo e discriminativo mercado de trabalho no Brasil. ou seja. uma breve pesquisa. transição democrática. e os fatores determinantes que possibilitaram essa conquista. estratégia e de ação em vista da transformação de sua vida pessoal e social. autonomia e luta pela defesa dos direitos humanos. uma mulher que se dispõe a liderar não apenas em determinada área de sua vida. gera uma mudança de percepção. Nas últimas décadas do século XX. por fim. que por sua vez. isto é. e a sensibilidade em produção. seus primeiros e significativos passos à transformação e.

p. Apesar de tudo. a mulher submissa e inferiorizada pela sua fragilidade e condição fisiológica. as descrições relativas às amazonas do Dome e muitos outros testemunhos antigos e modernos. Segundo as narrativas de Heródoto. Os estudos acerca das formas primitivas da sociedade humana são terrivelmente contraditórios. vem conferindo na sociedade o modelo criado pelos homens. então como hoje. o mais perigoso e o que exigia mais vigor. é provável que. indivíduos ou animais. atendo uma posição marginalizada no que se diz respeito à hierarquia social tendo como principais funções: cuidar do lar. Duros trabalhos eram confiados ao público feminino e. Remetendo àquele período histórico e claro a angústia vivida pela mulher serviçal de uma propriedade rural. este último fato é isolado. Seu papel era. portanto. Citam-se algumas que mordiam ferozmente o fígado de seus inimigos.11 1. aconteceu mulheres tomarem parte em guerras sangrentas. carregava os fardos. ao longo do tempo. Já que acaba exercendo para si um papel que não escolheu. Mostravam nessas ocasiões a mesma coragem e a mesma crueldade que os homens. a mulher. (BEAUVOIR. em particular. A mulher na linha do tempo Na busca do fortalecimento da essência feminina na sociedade e no conhecimento aos aspectos históricos que permearam a evolução. nos comboios. Entretanto. .82). assim. o homem conservasse as mãos livres a fim de defenderem-se contra os agressores ocasionais. trabalhar com a terra tanto em seu cultivo como na coleta de produtos agrícolas. vítima de seu corpo no período que precedeu o da agricultura. é possível que essa função lhe fosse determinada para que. os homens tivessem o privilégio da força física. 1980.

o homem também se encontra em situação igual sendo afligido a uma posição hierárquica marginalizada na sociedade. A mãe é evidentemente necessária ao nascimento do filho. . Quanto às mulheres normais. Deusa. a mulher é assegurada pelos membros do clã. Elas têm o domínio em tempo religioso e legal sobre a terra e seus frutos. tornando uma divisão ilusória no mundo de forma bipolar. É ela que conserva e nutre o germe em seu seio. já que suportava passivamente seu destino biológico. a menstruação diminuíam sua capacidade de trabalho e condenavam-nas a longos períodos de impotência. misticamente. papel de primordial importância.1. considerar que. 1. Pode-se. são por suas mães que esses são destinados a tal ou qual propriedade. desempenha assim. onde em uma região de acesso difícil. A propriedade comunitária transmite-se pelas mulheres. dos campos e das colheitas e inversamente. Mulher: Mãe. pois. a terra pertence às mulheres. Terra. assim. a gravidez o parto.12 Sendo que tais crenças poderiam não passar de uma estratégia para possibilitar aceitação e submissão imposta pelo homem. A Natureza na sua totalidade apresenta-se como divindade força obscura sobre a terra. Deste modo ela não encontra motivo para uma afirmação existencial. através dela que no mundo visível a vida do clã se propaga.

na riqueza e na beleza da terra. não de uma operação criadora e sim de uma conjuração mágica. Mãe Terra (Gaia) foi à principal divindade primordial para a criação e manutenção da vida. as larvas dos antepassados. das águas. venerada no ciclo das estações.Deusa Gaia (fonte: Portalcot) A Deusa. Trata-se. criar. do céu. por essa razão que lhe é confiado o trabalho agrícola. . em ambos os casos. a seu seio. das estrelas. em parte. É. nutrir. capaz de atrair. o poder de fazer jorrar dos campos semeados os frutos e as espigas. das montanhas. proteger e sustentar todos os seres. a energia da vida e a morte do planeta. A Deusa era a própria Mãe Terra. das plantas e dos animais. reverenciada por seu poder de gerar. nos fenômenos da Natureza.13 Ilustração 1 .

permanece o senhor. possuída. e seu domínio se afirmava além do reino humano. era para o homem semelhante. recusando-se a situação inferior. ela destina-se a ser dominada. Na modernidade. como sendo maléficos ou pecaminosos. P. nos tempos primitivos.1). Lilith rebelou-se. da Austrália. há um belo poema sobre Lilith. 2009. ele retrucou que essa era a ordem natural. Deusa. da Polinésia. suprimiu os símbolos do poder divino da Deusa. (NOSPHERATT.14 Crenças similares são vivas ainda hoje entre numerosas tribos de índios. da Natureza. (MARASHINSKY. da Mulher. ele a põe como o essencial e se realiza. quando. reconhecendo que havia sido fora criada por Deus com a mesma matéria prima. que expressa bem suas características. um verdadeiro reinado das mulheres. Esses fatos induzem a supor que existia. como o é também a Natureza. que adveio da relação de Eva nas antigas escritas considerou a mulher a origem do pecado e de todos os males. e assumem uma importância tanto maior quanto se harmonizam com os interesses práticos da coletividade. Dizer que a mulher era o outro equivale a dizer que não existia entre os sexos uma relação de reciprocidade: Mãe terra. isso levou a popularização da noção de que Lilith foi à primeira mulher a rebelar-se contra o sistema patriarcal. cuja magia e a fertilidade ela encarnava. Mas é importante ressaltar que mesmo nas épocas em que ainda se sentia confundido ante os mistérios da Vida. De acordo com certas interpretações da criação humana em Gênesis. como é o senhor da terra fértil. assustado ante a perigosa magia da mulher. o monoteísmo judaico-cristão. 2009) . Quando reclamou de sua condição a Deus. dessa forma abandonou o Éden. “Contudo. Infelizmente. o homem. eu também fui feita de pó e por isso sou tua igual”. no Antigo Testamento. No livro “O Oráculo da Deusa”. o domínio do homem sobre ela. nunca abdicou seu poder. explorada.

Deusa Lilith (fonte: Wikipédia. Ilustração 2 .) . a enciclopédia livre.15 Eu danço a minha vida para mim mesma Sou inteira Sou completa Digo o que penso E penso o que digo Eu danço a escuridão e a luz O consciente e o inconsciente O sadio e o insano E falo por mim mesma Autenticamente Com total convicção Sem me importar com as aparências Todas as partes de mim Fluem para o todo Todos os meus aspectos divergentes tornam-se um Eu ouço O que é preciso ouvir Nunca peço desculpas Sinto os meus sentimentos Eu nunca me escondo Vivo a minha sexualidade Para agradar a mim mesma E agradar aos outros Expresso-a como deve ser expressa Do âmago do meu ser Da totalidade da minha dança Eu sou fêmea Sou sexual Sou o poder E era muito temida.

que é também o mesmo. em publicação ao livro “O segundo sexo” em análise da condição da mulher e precursora da famosa frase: "Não se nasce mulher torna-se mulher. desta forma ele não partilhava sua maneira de trabalhar e de pensar. com quem se estabelecem relações recíprocas. ou seja. moldando-lhe sua existência conforme estas possibilidades apresentadas.Deusa decaída Fonte: Nuevorden Segundo a escritora francesa Simone de Beauvoir (1970). o outro. a um tempo de macho e fêmea. . Mulher: O Outro – Deusa decaída Ilustração 3. assim ela continuava escravizada aos mistérios da vida. A mulher sempre esteve destinada a ter dependência do homem. Dizer que a mulher era o Outro equivale a dizer que não existia entre os sexos uma relação de reciprocidade estava. o que era refletido na educação das moças. é sempre para o homem um indivíduo do sexo masculino.16 1. a sociedade exaltava a superioridade masculina. as pacíficas civilizações matrifocais entraram em declínio.2. uma encarnação. e jamais ser seu semelhante. Nas antigas criações do mundo um mesmo elemento tem se tornado freqüente. e o poder político sempre esteve nas mãos dos homens. A sociedade sempre foi masculina. O semelhante. fora desse reino. portanto. já que qualquer ato que fosse de desagrado ou servisse de ameaça à paz social era visto por todos com maus olhos. Esta compreensão acorrentou culturalmente a mulher. Com o advento das propriedades privadas e a idade de bronze e do ferro.

essa inferioridade não é suficiente em si para explicar a opressão que suportou. Simone Beauvoir (1970) relata a mulher e sua relação com o Outro: As épocas que encaram a mulher como o Outro são as que se recusam mais asperamente a integrá-la na sociedade a título de ser humano. uma vez atingido este objetivo. faz-se precisamente impossível encará-la como sujeito. Foi a esse equívoco que sempre se apegaram os antifeministas. de forma que a superação de ambas só . em qualquer que seja sua magia.91). iniciando-se a perseguição da antiga religião e respectivas representantes. haveria uma relação fundamental entre a dominação de classe e a dominação de gênero. Em um contexto neoliberal. irredutível e a recusar-lhe acesso ao mistério humano. De acordo com Marx e Engels (2000). Na medida em que ela é considerada o Outro. A necessidade de trabalhar e de colaborar no sustento da família levou a figura feminina a enfrentar duras horas desprovidas de qualquer recurso. Ingresso da Mulher no Mercado de Trabalho O ingresso da mulher no mercado de trabalho teve início apenas na metade do século XX. Hoje ela só se torna outro semelhante perdendo sua aura mística. Uma nova civilização baseada em modelos de dominação e autoritarismo foi imposta. 2. passou a obter a capacidade de gerar renda com o fruto de seu trabalho e de competir no respectivo mercado. 1970. no âmbito da família.17 Não basta dizer que a invenção do bronze e do ferro modificou profundamente o equilíbrio das forças produtoras e que com isso se verificou a inferioridade da mulher. De bom grado concordam em exaltar a mulher como o Outro de maneira a constituir sua alteridade como absoluta. a mulher em busca de melhores condições introduziu-se em padrões vigentes de desigualdade. (BEAUVOIR. p.

As mulheres eram exaltadas como boa mãe e esposa. transparente ou dissimulada. pelo menos nas classes possuidoras. o homem é o burguês e a mulher representa o proletariado.) 2.1. uma vez restrita aos seus deveres familiares.. p. De acordo Alambert (1986). já que as operárias eram vistas como uma decadência moral. 2000.18 poderia ocorrer a partir da profunda e radical transformação social. Século XIX: mulher operária e marxismo A mulher trabalhadora não tinha tempo para resultados incertos e arriscados. já que era importante que houvesse emancipação econômica da mulher e direito a igualdade. devoção. tem de ser o suporte. O casamento asseguraria melhores condições de vida e aos maridos seriam seguradas facilitações para sustentar sua família. (ENGELS. no trecho Marxismo e as Mulheres Cabet. Assim. ficava excluída do trabalho social e da condição de assalariamento. proteção dado considerações ao laço da fraternidade significativo para as . da mulher (.80. o papel dela na sociedade era diferente das demais. Na família. quando viram que as mulheres estavam ganhando espaço e poderiam entrar no mercado de trabalho.. e isso lhe dá uma posição de dominador que não precisa de nenhum privilégio legal específico. O socialismo dizia defender os direitos das operárias e a sua igualdade. mediante a socialização dos meios de produção.) é o homem que. na maioria dos casos. entretanto citada filosofia não abraçava a causa feminista. o que tornava preciso o combate. O feminismo liberal era visto com falta de apreço. o que tornava a vida do homem mais precioso. o sustento da família. A família individual moderna está baseada na escravidão doméstica. porém era recíproco. houve um confronto entre os idealistas. Ele definia como respeito. O socialismo daria melhores condições de vida a esse público segmentado de modo a garantir lugares apropriados e respeitosos. A defesa da família como modelo de instituição universal fazia parte do feixe de idéias patriarcal. defende o coletivismo feminino e lamentava a triste sorte dessas mulheres.

busca companheirismo. porém como auxiliares dos homens com salários reduzidos. um completando o outro.Século XIX (fonte: redalyc) . dado que alguém tem a palavra final. além do mais. ou seja. o homem deve dar condições para que ela possa ser feminina e consequentemente feliz. no casamento. As mulheres terão iguais direitos legais e igual educação. p. será necessário dar ao homem o maior peso da autoridade. Em uma relação ela. deixando as funções exigentes para os homens.19 mulheres. Cada uma escolherá depois uma profissão que não seja cansativa. outro tipo de feminismo surgiu à mulher que trabalhava em indústrias em geral em serviços braçal. Estes são os princípios que fizeram a aliança revolucionária. deve-se cultivar o amor entre ambos e assim. proteção e um amigo para todos os momentos.52). (ALAMBERT. Toda moça casará. 1986. Ilustração 4 . Em meados do século XIX.

Já na França eles eram condicionados . o Partido Socialista Alemão aceitou a orientação marxista. o Congresso Sindical na Inglaterra aprovou uma revolução que o homem deveria sustentar sua parceira. Ampliando o significado do trabalho. a proposta em que a mulher deveria ter os mesmos direitos foi negado. Na França em 1900. 30% Ilustração 5. pois pressupunham que elas não estavam prontas. 50% Sindicalistas 6. Os meios de trabalho servem para medir o desenvolvimento da força humana de trabalho e. França 1900 Trabalho feminino 34. como mãe zeladora do lar para os homens. No ano de 1877. 235). 34. p. 1976. no Congresso de Gotha. o que e como se produz caracterizam o próprio homem: a sua natureza e a sua época dependem das condições materiais. mas uma organização de trabalhadoras.20 A estratégia para que houvesse uma mudança não era legislativo. porém o movimento adotado foi decepcionante. quer dizer. Em 1875. mas apenas 6. “O que distingue as diferentes épocas econômicas não é o que se faz.5% da força de trabalho era feminina. que determinam a produção. já que essas idealistas não foram proeminentes nem nos sindicatos nem nos partidos socialistas. p. com que meio de trabalho se faz. Association Internationale des Travailleurs. indicam as condições sociais em que se realiza o trabalho” (MARX. só desse modo os homens podiam ter ordem e moralidade em suas vidas. Para destruir estas desigualdades. mas como.Força de trabalho França (fonte – criação própria) Em 1866.3% dos sindicalistas eram constituídos de mulheres. 204). (MILLS. condenou o trabalho feminino como perda das boas qualidades próprias ou herdadas da raça. além disso. Ver gráfico abaixo. para Marx a essência do homem está no modo em como ele realiza o seu trabalho. afirmando que o lugar que lhes cabia era em casa.

o partido Alemão finalmente aceitou os direitos feministas e filiaram-se aos partidos com algumas limitações.21 a pensar que. uma teoria . em 1891. a sociedade expressa os direitos e deveres de um povo. que proporcionaria condições da mulher sair para o trabalho. Para Engels (2000). Já o marxismo propunha algumas estratégias “as feministas podem voltar-se das estreitas preocupações com o voto do casamento para a revolução socialista”. com vistas à libertação de todas elas e sua participação na luta de classes. dos idosos e doentes receberem direito a assistência médica. bem como a sua forma de governo. O marxismo aplicado a elas contribuiu com a teoria econômica. (MITCHELL. eles passaram a temer. não há opinião. haveria desemprego e diminuição de salário. era possível também perceber a dimensão feminina. Nesse plano econômico havia um duplo padrão onde o homem está em uma posição diferente. para valorizar suas lutas e apresentarem-se como um grupo político inciso e digno de confiança. Engels diz. Com a revolução socialista. com fundamento incerto. Através da linguagem marxista-masculina. Nesse contexto. caso as mulheres fossem incentivadas a trabalhar. No capitulo Marxismo e as Mulheres do livro Teoria Feminina (1986). em cada uma das questões levantadas pelos líderes e partidos políticos. procurou estabelecer uma linguagem predominante na esquerda do país. Porém. o estado passaria a exercer algumas funções. 99). procurando provar como. “a situação das mulheres é diferente da de outros grupos sociais oprimidos elas são a metade da humanidade à mulher é oferecido um mundo próprio a família. A indignação burguesa em cima deste fato era apenas uma falácia. as feministas esforçaram-se para dar credibilidade às suas reivindicações. Deste modo as idéias socialistas deveriam penetrar em toda classe da sociedade. as mulheres deveriam ser tratadas com seres humanos e não objeto. eles viam a mulher como propriedade particular. Também temiam que a inserção delas no mercado de trabalho rompesse os laços familiares. das crianças obterem cuidado diurno (creche). Marx e Engels (2000) diziam que a burguesia usava as mulheres como uma espécie de propriedade privada. O feminismo liberal defendia a reforma legal de igualdade. O caráter de um indivíduo e sempre pela função social. relegadas á casa estas duas posição compõem sua opressão”. uma espécie que depende da economia. 1971 p. Exploradas no trabalho.

Segundo Singer (1998). de um lado. . no livro Teoria Feminina. onde surgem no início do século XIX as primeiras 16 iniciativas da formação de complexos cooperativos.22 de mudança. mas que tenha um valor superior ao que foi necessário para produzir inicialmente. oferecia uma via de integração à produção social aos excluídos pelas políticas restritivas das classes dominantes” (SINGER. uma mercadoria destinada à venda. a produção capitalista. que compra a força de trabalho e meios de produção. frente à pobreza gerada no início da Revolução Industrial. de outro. se voltam à luta pela legislação fabril. Desenvolvendo modos próprios de organização social. busca produzir um valor que tenha um valor-de-troca. os trabalhadores reagiram de três formas distintas com o avanço do modo de produção capitalista: 1. “No capitalismo a família diminuiu de tamanho à medida que a quantidade de trabalhadores na indústria decresceu. buscando uma sociedade baseada na cooperação. e com os resultados negativos dessa resistência. oferecia vantagens aos consumidores e. parcelas em cada vez dos maiores dos ocupando mercados detrimento monopolistas tradicionais porque. p. A questão do marxista destinado à obtenção econômica era identificar as contradições e desestabilizar. Os aspectos abrangentes do marxismo representavam um ponto de partida coerente com o feminismo e colaborou para a análise econômica. ou seja. com o aumento da Mecanização. p. e por fim. 1998. Bebel empenhava em mostrar que as mulheres deveriam ter plena igualdade entre os homens no estado socialista. assim a mulher e sua relação com o outro. O capitalista. Ver imagem abaixo. 2. 99). 29). 1971. a luta pelo direito universal e pela extensão dos direitos políticos seria um caminho importante para sua educação política e sua adesão ao socialismo. 3. Opondo-se a ele devido ao fim do domínio dos mestres quanto ao antigo modo de produção. Unindo-se à luta pela democracia. a favor de uma demanda de poucos trabalhadores qualificados” (MITCHELL. Segundo Alambert (1986).

tentava resgatar uma história perdida. assegurou seu direito à cidadania. Dona Francisca Senhorinha da Motta Diniz. a história de lutas e conquistas de tantas mulheres.Brasil . legitimando seu papel enquanto agente transformador. Para darmos ênfase ao papel da mulher na sociedade.Publicado em Campanha da Princesa. .Brasil . no decorrer de quase dois séculos.Revolução Industrial Fonte: Flogão 2. 1873 Brasil . mas as jovens que seguiam esse caminho eram sujeitas a pressões e à desaprovação social. MG o jornal O Sexo Feminino. 1880 . leva a humanidade a iniciar um novo milênio diante da constatação de que ela buscou e conquistou seu lugar.23 Ilustração 6. faremos uma pequena abordagem sobre a evolução e conquista ao longo do século com algumas datas marcantes.O Governo Brasileiro abriu as instituições de ensino superior do país às mulheres. Advogava o sufrágio feminino. A editora. a história das mulheres brasileiras. 1879 . muitas delas mártires de seu ideal.As primeiras mulheres graduadas em direito encontram dificuldades em exercer a profissão.2 História da reivindicação feminina Em artigo publicado pelo Conselho Estadual da Mulher Cedim (2005). Mais que isso.

Sufrágio feminino.Brasil . Myrthes de Campos.Inglaterra . no Brasil. Propõe a formação de uma associação de mulheres. iniciando a carreira profissional como bióloga.Com a Proclamação da República. 1948 .A professora Deolinda Daltro lidera uma passeata exigindo a extensão do voto às mulheres.O Governo de Getúlio Vargas promulgou o novo Código Eleitoral pelo Decreto nº 21.Brasil .Brasil . primeiro país a conceder o direito de voto às mulheres. 1918 . As pioneiras encontraram muitas dificuldades para se afirmar profissionalmente e três estiveram sujeitas ao ridículo 1889 . 1899 .Brasil . 1920 EUA . Francisca Senhorinha da Motta Diniz mudou o título do jornal "O sexo feminino" para "O Quinze de Novembro do Sexo Feminino". foi admitida no Tribunal de Justiça Brasileiro.Rita Lobato Velho Lopes tornou-se a primeira mulher a receber o grau de médica. 1910 .Depois de 12 anos sem a presença feminina.Nova Zelândia . 1917 . 1898 .Uma mulher. 1932 .076.Brasil .A jovem Bertha Lutz. para defender um cliente. 1893 . garantindo finalmente o direito de voto às mulheres brasileiras.Brasil . . visando a "canalizar todos esses esforços isolados. a delegação brasileira às Olimpíadas segue para Londres com 11 mulheres e 68 homens. publica na "Revista da Semana "uma carta denunciando o tratamento dado ao sexo feminino.Sufrágio feminino.Inglaterra e Escócia jogam em Londres a primeira partida de futebol feminino.24 1887 .A professora Deolinda Daltro funda o Partido Republicano Feminina.Brasil .

1960 .Instituído.A escritora francesa Simone de Beauvoir (1908-86) publica o livro "O segundo sexo". no Rio de Janeiro.EUA . Sugeriram a criação do dia 30 de abril.Surge o novo feminismo. 1970 .Aprovada a igualdade salarial. É famosa sua frase: "Não se nasce mulher: torna-se mulher".Betty Fridan (nascida em 1921) escreve "A mística feminina" que.Brasil . . 1974. 1971 Brasil . a Convenção de Igualdade de Remuneração entre trabalho masculino e trabalho feminino para função igual. Sri Lank (Antigo Ceilão) .Argentina . 1965.Germaine Green (nascida em 1939) apresenta uma crítica feminista do papel subordino da mulher na sociedade. 1980 . pela Lei nº6. ganham as ruas difundindo as idéias: "o privado é político. uma análise da condição da mulher. 1951. nosso corpo nos pertence". mineira de Leopoldina (MG) que chegou a servir na 1º Guerra Mundial. para estudar uma estratégia visando comemorar um dia das mulheres.25 1949 .Izabel Perón nascida em 1931 torna-se a primeira mulher presidente da América Latina (Portugal). juntamente com o "Eunuco feminino" -1970 . criado no Estado Novo. 1963 . em paralelo com a luta dos negros norte-americanos pelos direitos civis e com os movimentos contra a Guerra do Vietnã.OIT . a 19 de junho. o Dia Nacional da Mulher: 30 de abril. 971.Regulamentação do Decreto 3199.Brasil . data de nascimento da pioneira Gerônima Mesquita.França . inglesas. Mulheres norte-americanas. já que o Governo militar da época proibia a comemoração do 8 de março. A data passou a ser comemorada em 1980. de 9 de junho de 1980. italianas.Sirimavo Bandaransike (nascida em 1916) torna-se a primeira chefe de Estado.Aprovada pela Organização Internacional do Trabalho.Reino Unido .Um grupo de mulheres liderado por Romy Medeiros se reúne no Restaurante da Mesbla.

art. com a atribuição de assessorar.Visando às eleições para prefeitos e vereadores. o movimento de mulheres voltou à luta e criou o Fórum Nacional de Presidente de Conselhos da Condição e Direitos da Mulher. obrigando os partidos políticos a inscreverem.Brasil . 1989 . tendo à frente diversas feministas e as 26 deputadas federais constituintes. de 6 de maio de 1987. encaminhou propostas de políticas públicas. formular e fomentar políticas públicas voltadas para a valorização e a promoção feminina. rapidamente. na Constituição Federal. através do Decreto nº 9906.Brasil .O Fórum Nacional de Presidente de Conselhos da Condição e Direitos da Mulher conseguiu diversos avanços acompanhando as ações do Congresso Nacional.Brasil . em São Paulo e.26 1985 .Criado o Conselho Estadual dos Direitos da Mulher do Rio de Janeiro CEDIM/RJ. Mantinha contatos formais com agências especializadas. através do movimento “Mulher Sem Medo do Poder”. logo reconhecida e legitimada. as mulheres se organizam em todo o País e.Brasil . obtêm importantes e significativos avanços. Atualmente é vinculado ao Gabinete Civil da Governadoria. 1987 Brasil . as mulheres brasileiras. 1996 . 1988 . sem distinção de qualquer natureza e assegurando que "homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações". Brasil . no mínimo 20% de mulheres em suas chapas proporcionais (Lei nº 9. organismos e fundos das Nações Unidas. estando articulado com os movimentos de mulheres para encaminhamento de projetos de lei. 1990 . Junto aos Ministérios. aumentam o número de vereadoras e prefeitas em todo o território nacional. uma instância de articulação política. 11).Através do Lobby do Batom.100/95 . várias outras são implantadas em outros estados brasileiros. na Legislação Eleitoral.Brasil .§ 3º. garantindo igualdade a todos os brasileiros. esvaziando o órgão. perante a lei. .Surge à primeira Delegacia de Atendimento Especializado à Mulher DEAM. a partir da reivindicação dos movimentos de mulheres.Em resposta ao desmantelamento do CNDM pelo Governo Collor. O Congresso Nacional incluiu o sistema de cotas.O Governo Collor tira a autonomia financeira e administrativa do CNDM.

enfrenta a rejeição sem sofrimento e humilhação. entre as distinções de classe do direito dela e do homem. no decorrer de quase dois séculos. acreditando na força de trabalho. leva a humanidade a iniciar um novo milênio. o movimento feminista tem sido responsável por diversas conquistas na vida da mulher.4% do Senado Federal.4% 7% Senado Federal Câm ara dos Deputados Ilustração 7.5%.3. Não é sentimental. em 96. mas um indivíduo. Essa história de luta e conquista.As mulheres já ocupam 7% das cadeiras da Câmara dos Deputados. não adora homens. No Estado do Rio de Janeiro. para 12%. A figura da mulher emancipada Nos últimos 150 anos. Ver gráfico abaixo. 1997 Mulher X Política Câm aras de Vereadores RJ 12% prefeituras brasileiras 6% 7. independente de quem está à frente. mas decidida. no entanto.Mulher 1997 (fonte – criação própria) 2. 7. as mulheres ocupam 12% das vagas nas Câmaras de Vereadores. a mulher emancipada age entre os grupos da raça humana. ainda há busca por melhores condições e respostas eficazes. mas espera alguma coisa deles. assegurando o direito à cidadania. reconhecendo seu papel enquanto agente transformador. 6% das prefeituras brasileiras (302). Kollontai (1972) descobriu e revelou seus traços. mas com alívio de que pode retornar ao trabalho sem o desvio da paixão. O índice de vereadoras eleitas aumentou de 5. . Mas. a bancada passou de quatro para cinco vereadoras. em 92. Livre de todas as teorias econômicas e políticas. não é ciumenta. Na capital.Brasil .27 1997 .

e assim considerar os desejos e aquisições importantes da mulher. p. .69). diz “deve-se descobrir como sermos nós mesmos e ainda achar unidade com outrem. além de oferecer apoio. Goldman (1986). (ALAMBERT. A liberdade teve um significado ainda maior para elas e trouxe o direito de amar. graças a sua influência ela vive nos dias atuais frente ao seu tempo. levando em conta sua posição. o modo como cada uma se coloca frente à sociedade se distância cada vez mais do papel feminino exercido no século XIX. namorada e mãe. algo que seja significativo e estável. cheia de vida e paixão deva dominar sua ânsia mais intensa.68) A emancipação permitiu o amor sem fronteiras e o êxtase contido na profunda emoção da verdadeira mulher. e pode provar que sua influência teria um efeito purificador sobre todas as instituições da sociedade. Poderá haver alguma coisa mais ultrajante que a idéia de que uma mulher crescida. p. 1986. 1986. saudável. O homem deve estar atento as necessidades. Hoje. No livro Teoria Feminina. prejudicar sua saúde e perturbar seu espírito. expondose às críticas e lutando para conquistar o espaço quase sempre acirrado. (ALAMBERT. mas plena de auto-afirmação. De certo modo elas buscam autonomia frente as suas escolhas.28 Não é vergonha. abster-se da profundidade e glória da experiência sexual até que apareça um homem bom para tomá-la para si esposa. tolher sua visão. como sentir-se em profunda comunicação com todos os seres humanos e conservar intactas as qualidades características de cada um”. Ela está livre e independente. que proporcione melhoria em seu ambiente de trabalho e ligação afetiva para vivencia a sexualidade.

por mais de um milhão de pessoas. na Europa e nos Estados Unidos.000 mulheres marcharam sobre a cidade de Nova Iorque. exigindo a redução de horário. 3. A idéia da criação dessa data foi proposta na virada do século XIX a XX. fixa e intolerante. transformando a idéia de que a identidade humana deva ser única. guerreira. Muitos outros protestos ocorreram nos anos seguintes. melhores salários e direito ao voto. dona-de-casa. lutadora.A mulher moderna Fonte: horahnews A mulher neste mundo moderno. o Dia Internacional da Mulher foi celebrado em19 de Março.3. esposa. no início do século XX. demonstra uma identidade que se expande por todo lado.1. independente financeiramente. também trabalhadora profissional. no contexto da Segunda Revolução Industrial. apontando para a necessidade de abrirmos o imaginário de cada um para algo novo. Dinamarca. na Áustria. A data foi adotada pelas Nações Unidas em 1975. políticas e econômicas das mulheres como as discriminações e as violências a que muitas delas ainda estão sujeitas em todo o mundo. destacando-se o de 1908. No ano seguinte. que antes já era composta mãe. Alemanha e Suíça. quando ocorre a incorporação em grande escala da mão-de-obra feminina na indústria. Situa-se nas extensões. . celebrado em 8 de Março tem origem nas manifestações feministas por melhores condições de trabalho e direito ao voto. para lembrar tanto as conquistas sociais. A Mulher no Mundo Moderno Ilustração 8. quando 15. O Dia Internacional da mulher O Dia Internacional da Mulher. agora.

Pode-se dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira. é provável que a morte das trabalhadoras da Triangle tenha incorporado ao imaginário coletivo como sendo o fato que deu origem ao Dia Internacional da Mulher. já que é um longo caminho a percorrer. realizada no ano de 1995 em Pequim. Esse número aumentou 5% desde a conferência mundial. e a data passou a ser reconhecida como marco da luta feminina pela defesa dos direitos humanos. Não obstante as discriminações. criaram novos conceitos e provaram que podem ser tão bem-sucedidas quanto aos homens. conquistas pessoais e profissionais. até 11 de setembro de 2001. Algumas mulheres no mercado de trabalho apontaram caminhos. Segundo dado sobre a situação da mulher da revista Veja (2001). a constituição Federal de 1988 simboliza um marco fundamental na instituição da cidadania e dos direitos humanos das mulheres.7% dos assentos parlamentares no mundo.30 Poucos dias depois. mas muito há para ser modificado nesta história. jornada excessiva de trabalho. elas ocupam 12. portanto nesta data foi instituído o voto feminino. a ONU incluiu o dia 8 de março em seu calendário oficial de comemorações.2 Repercussão dessa Data no Brasil O Dia Internacional da Mulher faz pensar sobre o seu papel na sociedade e rever conceitos. de credibilidade e desvantagens na carreira profissional. No Brasil. Mesmo com todos os avanços ainda ocorrem as desigualdades. a mulher alcançaria uma representatividade equilibrada somente em 75 anos. . socióloga e ex-senadora e militante dos direitos das mulheres. O número elevado de mortes foi atribuído às más condições de segurança do edifício. caso siga este ritmo. Este foi considerado como o pior incêndio da história de Nova Iorque. Para Daniela Diniz editora da revista “Você RH”. Elas conquistavam. Finalmente em 1975. em 25 de Março de 1911. os avanços foram sentidos no Brasil. 3. o direito de votar e serem eleitas para cargos no Executivo e Legislativo. seja de salários. Para Eva Altermam Blay. depois de muitos anos de reivindicações e discussões. ainda é pequena a participação efetiva da mulher na política. um incêndio na fábrica da Triangle Shirtwaist mataria 146 trabalhadores a maioria costureiras.

os cidadãos têm a opção de votar ou não.31 Entretanto. seguido de Suécia (47%). De acordo. O Brasil ficou na 142ª colocação no ranking mundial de participação feminina em cargos eletivos.Participação cargos eletivos (fonte – criação própria) As mulheres e os trabalhadores não podem ser senão cidadãos de segunda classe enquanto estas instituições continuarem a definir e estruturar nossa política “Com a pequena representação. Cuba (43. 1% 40% 41 % 9% Ruanda Suécia Cuba Argentina Finlândia Brasil Ilustração 9. o Brasil tem a menor representação no Congresso e na vida política da América Latina. . na melhor das hipóteses. 255).1%). ou seja. (Martha Ackelsberg. Finlândia (41%) e Argentina (40%). pág. mas [nós mulheres] temos um papel pequeno na definição ou no consentimento ao regime enquanto tal”. o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no seu último relatório sobre o desenvolvimento humano no mundo. com o estudo Ruanda com 53% é o país onde as mulheres têm conquistado maior espaço na política. Participação feminina em cargos eletivos 53% 47 % 43. mostrou que apenas 9% dos assentos da Câmara e do Senado são ocupados por parlamentares do sexo feminino.

sendo eleitas 6. revelou-se que a maioria dos brasileiros considera que a presença das mulheres no poder poderia melhorar a política. sendo eleitas 407.77%. o que representa 9. . o que representa 8. Mulheres candidatas a vereadora 76. nessas eleições de 2008. sendo eleitas 6.32 De acordo com a pesquisa realizada pelo Ibope (2009).555 6.341. representando 30. elas somaram 1.83%. Veja o percentual de candidatas e de eleitas nas eleições de 2000.641. Nas eleições de 2004. as mulheres candidatam as vereadoras somaram 76.321. as mulheres candidatas à prefeita somaram 1. Em 2000.139. Os dados e a avaliação são do Centro Feminista de Estudos e Assessoria (2008). sendo eleitos 317 que representa 27.762.Mulheres candidatas a vereadora (fonte – criação própria) Nas eleições para prefeita.001 6.762 70.001.494. Nesse mesmo ano.512.555. 2004 e 2008.53% das candidatas.39% das candidatas.321 69. 95% 2000 2004 2008 8. as mulheres candidatas somaram 1.24%. como a Presidência e os governos estaduais.512 9.95% das candidatas. organização não-governamental que acompanha o desempenho feminino nas eleições desde 2000. Finalmente. Nas eleições para prefeita. sendo eleitas 505. as mulheres candidatas à vereadora somaram 70. sendo eleitas 7. representando 27. 39% Candidatas Eleitas Representa Ilustração 10. o que representa 9. Grande parte dos entrevistados ainda se mostrou dispostos a votar em uma mulher para os cargos executivos. 53% 9. as candidatas a vereadoras somaram 69.341 7.

641 1.83% Candidatas 27. primam por liberdade e melhores condições de vida. vem ganhando cada vez mais espaço. A mulher do século XXI. perante uma nova forma de viver. na política.494 1. Ela passou a conduzir suas ações e se tornou multifuncional.3 Ascensão da mulher nos dias atuais A mulher da atualidade não se parece em nada com a mulher do passado.33 Mulheres candidatas a vereadora 1. sem deixar de lado sua feminilidade. espontaneidade e criatividade. na sociedade. pensar e agir.Mulheres candidatas a prefeita (fonte – criação própria) 3.77% 2000 2004 2008 Ilustração 11. de manter o equilíbrio sem perder a sua feminilidade.24% 30.Brasil iguladade de gênero (fonte – criação própria) . e na economia com o compromisso. bem resolvida. Ilustração 12. no trabalho.139 317 407 505 27.

As mulheres têm o perfil característico para o empreendedorismo. de modo a encontrar diversas maneiras para resolver os problemas e executar ações. a edição especial ”Veja Mulher” (2001). É importante avaliar o crescimento dela. o homem à sua animalidade. mantendo o aprendizado continuo e a capacidade de adaptação. o rumo da mulher na sociedade econômica brasileira vem mudando com o passar dos anos. ela teve acesso à educação formal há pouco mais de 120 anos. compreender como a situação biológica e econômica das hordas primitivas devia acarretar a supremacia dos machos. com o propósito de conseguir lucro e crescimento. através da identificação de oportunidades de mercado e do agrupamento de recursos necessários para capitalizar sobre estas oportunidades” (PEREIRA. mas dentro do contexto de democracia. E há mais de vinte conseguiu ser reconhecida pela Constituição quanto á igualdade plena de seus direitos e deveres em relação aos dos homens. Uma perspectiva existencial permitiunos. O que elas reivindicam hoje é serem reconhecidas como existentes ao mesmo título que os homens e não de sujeitar a existência à vida. elas fazem a administração de casa e dos conflitos que lá acontecem. afirma o gerente da unidade de atendimento individual do SEBRAE nacional. pois. Enio Duarte pinto. Há apenas 77 anos pode votar.4 A educação e a ascensão profissional da mulher brasileira Como se constatou.34 A mulher da atualidade se preocupa com os impactos de sua decisão e estabelece um diálogo aberto entre os colegas de trabalho.86). . e transformando as possibilidades existentes em conquistas. A atuação da mulher na liderança vem desencadeando influência na transformação cultural das organizações. 1995). não apenas no âmbito profissional. segundo o informe. (BEAUVOIR. p. “O empreendedor é uma pessoa que cria um novo negócio em face a risco e incerteza. 1970. 3.

O período pós-1988 é marcado.Sociedade econômica (fonte – criação própria) A estatística. estabelece igualdade entre homens e mulheres na sociedade. Esse processo de democratização reivindicou e conquistou espaço governamental. o movimento levou o debate público questões como a reprodução. . 21 anos a mulher conseguiu igualdade de seus direitos e deveres em relação ao homem Educação formal há pouco mais de 120 anos Há apenas 77 anos a mulher pode votar. no fim dos anos 70 e início dos anos 80. coincidindo com o processo de transição democrática. portanto. Ilustração 13. Ilustração 14 . pela adesão brasileira aos mais importantes Tratados Internacionais de Direitos Humanos. na qual os movimentos e Conselhos de Mulheres tiveram papel fundamental.35 A mulher na sociedade econômica Há aprox. sexualidade e igualdade de direitos entre homens e mulheres.Reprodução do quadro de Jean-Baptiste De Breat (fonte – Reprodução Biblioteca Municipal de SP) A Constituição de 1988. segundo Jacqueline Pitanguy ex-presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher prova que.

Ver gráfico abaixo. È a única em que não existe diferença salarial entre gêneros. Conforme artigo publicado pelo Estado de São Paulo (2009). desse total. O aumento da proporção de mulheres em relação a homens é uma tendência demográfica no Brasil. a cada nova pesquisa. 55% dos matriculados no ensino superior são do sexo feminino. a população brasileira em 2006 era de 187. 76% dos profissionais de economia do Brasil são mulheres e 32% dos homens ganham a mais quando se compara salários dos profissionais de medicina. “As mulheres têm apresentado nos últimos anos várias mudanças no seu comportamento social. 76% 53% 33% 10% 55% Profissionais econonomia As 10 melhores empresas Famílias chefiadas mulher Ensino Superior Profissionais engenharia Ilustração 15. basta saber que elas representam mais da metade da população brasileira. Conforme Síntese de Indicadores Sociais (2007). 96 milhões eram mulheres.2 milhões de habitantes. 3. os resultados mostram que a população feminina tem aumentado cada vez mais em relação à masculina. 33% das famílias brasileiras é chefiadas por mulheres. 10% dos profissionais de Engenharia no Brasil são mulheres. 53% dos postos de liderança nas 10 empresas consideradas as melhores para se trabalhar no país são ocupadas por mulheres.36 Só para se ter idéia da importância das mulheres.5 Participação da Mulher no Mercado de Trabalho A presença da mulher na economia brasileira se deve a confiança para assumir sua força e lidar com as diversas situações profissionais a fim de obter credibilidade e sucesso na sua vida profissional. ou seja.Mulher mercado de trabalho (fonte – criação própria) .

5 milhões em 2006. inclusive de caráter sexista como se observa do trecho abaixo. apesar dos fatores ainda discriminativos. A. no Brasil. e são responsáveis pelo sustento de aproximadamente 33% das famílias no Brasil. O estudo Mulheres do Brasil conduzido pela socióloga Oriana White (2004). passando de 10. 5% 1996 2006 Crescimento Ilustração 16. 2008: p 231). Entre os brasileiros que trabalham. o Globo Online (2007) o número de mulheres chefes de família cresceu 79% em dez anos. com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio 2006 (PNAD). Segundo.Mulheres chefes de família (fonte – criação própria) . pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) e diretora da CPM Research. a contribuição no rendimento familiar e a elevação da escolaridade são aspectos considerados fundamentais para dimensionar seu papel na sociedade brasileira” (SABOIA. para 18. 3% 18. Ver gráfico abaixo Mulheres chefes de família 79% 10. que impedem a plenitude da igualdade de direitos. as mulheres já são quase a metade da força de trabalho. LUCIA. Sua participação nos últimas seis décadas tem sido um dos fatos mais marcantes ocorridos na sociedade brasileira. representou uma virada no mercado em relação ao Mapeamento dos desejos da mulher deste século. as mulheres são quase a metade. em 1996. Pelo tratar da caminhada. O que mostra a Síntese dos Indicadores Sociais. a crescente participação no mercado de trabalho.3 milhões.37 “A redução da fecundidade. divulgada pelo IBGE.

e internacional. 1% Mulheres que assumem despesas familiares. que as impedem de exercer. É bom ressaltar que. apesar dos significativos avanços os obtidos na esfera constitucional femininos.2% recebem até 50% do total obtido pelo companheiro. os quais refletem as reivindicações e anseios contemporâneos ainda persistem no imaginário social brasileiro elementos sexistas e discriminatórios com relação às mulheres. Ver gráfico abaixo 2009 33% 2005 2000 1996 1995 1990 1985 9. . 73% das mulheres no papel de cônjuge ganham menos que o marido. seja na posição de pessoa de referência ou cônjuge. os homens.Mulheres assumem despesas (fonte – criação própria) Porém. Quando a mulher é a chefe da família em 70% dos casos o homem também tem rendimento superior.1% em 1996 para 33% em 13 anos. houve um crescimento acentuado no número de mulheres casadas que assumem as rédeas da família. sendo que 37. com plena autonomia e dignidade. De acordo com a pesquisa. crescimento Mulheres que assumem despesas familiares Ilustração 17. Esse percentual saltou de 9. seus direitos mais fundamentais. ainda têm taxas de ocupação superiores a das mulheres.38 De acordo com o instituto.

Jacqueline e MIRANDA. . Esse ritmo diferenciado ampliou a participação feminina no total de ocupados de 44. Ver gráfico abaixo.39 (PITANGUY. a População feminina passou de 22. metade do contingente de trabalhadores já era formada por mulheres no início deste século. As mulheres são uma parcela expressiva da força de trabalho no Brasil: 31 milhões de trabalhadoras.8% foi à maior dos últimos cinco anos. o que corresponde a 41% da População Economicamente Ativa.9 milhões para 31. em 2008. Já edição Especial do SENAI (2007).1%. O Progresso das Mulheres no Brasil. Entre os brasileiros que trabalham.7%. Para os homens. Em pesquisa realizada pela Fundação Estadual de Análise de Dados e da Secretaria de Economia e Planejamento.3 milhões. tal variação foi a mais intensa desse período. em 2007. Embora o movimento tenha sido observado. maior centro empregador do País. e são responsáveis pelo sustento de aproximadamente 33% das famílias no Brasil. o crescimento de 3. 23-297). Brasília: Unifem. em 2008. a importância da mulher na força de trabalho pode ser medida em crescente participação (PEA).6%. ao contrário do ano anterior. Em São Paulo. As estatísticas apontam que no Brasil. para 45. o nível de ocupação feminino aumentou 5. no período 1990-1998. Sua participação nos últimas seis décadas tem sido um dos fatos mais marcantes ocorridos na sociedade brasileira. nos últimos dez anos. as mulheres são quase a metade. em 2002 ela atingiu 43%. 2006 p. Dayse. continuamente.

De acordo a Fundação Seade (2007) a proporção entre mulheres com nível de ensino evoluiu de 33% para 41%.80%. o grau de instrução cresceu de 27% para 33%. em . Em 2005. total de 48.401. 48.367. já no ano de 2006. No Ensino Médio. verifica . proporção que cresceu 61%.População economicamente ativa (fonte – criação própria) Em recente “Boletim Regional Mulher” 2009. estes percentuais correspondiam a 46% e 54%. Já os homens. elas representam 53. em 1994. as mulheres matriculadas no ensino fundamental representam 16. 53% das mulheres tinham concluído pelo menos o ensino fundamental. 1% 44. Porém vale a pena destacar o crescimento da participação da mulher por níveis de instrução. O Ministério da Educação.40 População economicamente ativa 2008 2007 2002 1976 45. entre os homens. 7% 43% 29% Ilustração 18. a proporção de matrículas aumentou nesse período. O crescimento da participação da mulher no mercado de trabalho provavelmente está relacionado com o aumento da importância dada à carreira profissional. entre 1994 e 1998. em levantamento realizado anualmente pelo Inep (2005).se uma elevação do nível de escolaridade para ambos os sexos na PEA do Estado de São Paulo. em 1998.99% e.66%.

do total de 31. Representando 54. matemática e computação (306 mil contra 240 mil) e saúde e bem-estar social (537 mil contra 352 mil).816 alunos.000 61. Veja gráfico abaixo. Mulher X Homens na área de educação 352.41 2006. matemática computação Saúde e bemestar social Ilustração 20.000 Educação Artes.Nível de Ensino (fonte – criação própria) De acordo com Folha Online (2003) há mais mulheres graduadas que homens nas áreas de educação (598 mil contra 61mil) artes.000 240.000 306.51% eram mulheres.000 537.000 Homens Mulher 598. ou 48. Sendo que.000 510. Ver gráfico abaixo. humanidades e letras Ciências.198 estudantes do Ensino Fundamental. o percentual delas supera o de homens.733.Área de educação (fonte – criação própria) . Nível de Ensino 2010 2005 2000 30% 1995 20% 1990 1985 10% 0% Nível de Ensino Mulheres 60% 50% 40% Nível de Ensino Ano Ilustração 19. No ano 2007. no Ensino Médio.7% do total de 8.06%. 54. humanidades e letras (510 mil contra 149 mil) ciências.000 149.264.

42 Os homens se destacam em ciências sociais. enquanto que para os homens esse valor foi de R$ 3.000 31. Administração e Direito Engenharia.2 milhões contra 1 milhão). agricultura e veterinária (101 mil contra 24 mil) e Serviços (31 mil contra 23 mil).841.40. o rendimento médio habitual foi de R$ 2.000 461.000 24.000 Mulheres 12000.80 em janeiro de 2008. engenharia.291. Ainda comparando trabalhadores que possui nível superior.000 101.000 23. para quem possui nível superior completo.000 Homens Ciências sociais. . administração e direito (1.000 105. produção e construção (461 mil contra 105 mil). Produção e Construção Agricultura e Veterinária Serviços Ilustração 21-OS Homens se destacam (fonte – criação própria) Em estudo especial sobre a Mulher realizado pelo IBGE (2008). indicando que mesmo com grau de escolaridade mais elevado as discrepâncias salariais entre homens e mulheres não diminuem. Os Homens se destacam em: 1000. o rendimento das mulheres é cerca de 60% inferior.

43 Ilustração 22-mulheres com nível superior completo No mesmo estudo verificou que a escolaridade delas permanece alta em relação aos homens. Entre elas 51. Ilustração 23-mulheres com nível superior . contra 59.9% em janeiro de 2008.3% possuíam 11 anos ou mais de estudo em janeiro de 2003.

403). ainda há a falta de oportunidade no mercado de trabalho. se explicaria. “É preciso planejamento financeira especificamente para a mulher brasileira. menor expectativa de permanência no trabalho devido à primazia da vida doméstica e familiar). 1994: pg.53). especialmente nos rendimentos” (William 2003.9%) em relação ao ano anterior.76. o que equivale a 76. Porém estas desigualdades vão além.4% do atribuído aos homens (R$ 7. para que elas possam se posicionar em relação ao futuro e possam vir a desfrutar com plenitude os benefícios trazidos nos novos modelos culturais” (Eliana Bussinger.230).44 3. houve ligeiro aumento (1. p188). por exemplo.0%). p. Argumenta-se que o sistema econômico não teria nenhum interesse direto nessas práticas. passou a corresponder a R$ 5. mas ainda está longe de igualarse ao masculino. Tais indicadores mostram as diferenças e semelhanças. A baixa remuneração das mulheres. Para estes. e que a sua eliminação melhoraria de fato sua eficiência (Humphries e Rubery. por uma mobilidade imperfeita ou por discriminação que distorcem o processo de maximização do lucro. instabilidade. relação à situação do trabalhador do gênero masculino. salário baixo. O rendimento médio real por hora das mulheres ocupadas apresentou pequena variação negativa (-0. por sua suposta menor produtividade (seja devido a um menor investimento em capital humano seja devido à característica quase “inata” tais como menor compromisso com a empresa. Os dois têm maneiras diferentes de encarar situações. informalidade na contratação.6 Desigualdades em decorrência do gênero Além dos problemas enfrentados. o . já que a busca por melhores resultados são características dos homens e mulheres em igual proporção. na teoria neoclássica. A mulher acredita e utiliza a intuição. extensa jornada de trabalho. “O trabalho feminino aumenta a cada ano. ampliando a diferença entre os sexos.

publicado na revista eletrônica “O Globo” as brasileiras estão apontando para uma participação histórica nos níveis hierárquicos mais elevados das empresas (presidentes e CEOs): 20. se for competente. As mulheres costumam tomar decisões. p. Ver gráfico abaixo.199). Crescimento na alta direção 10. (Rago.56%. As mulheres têm denunciado o alto custo que elas pagam por competir no espaço dos homens: Enquanto estes contam.56% Ilustração 24-Crescimento na alta liderança Fonte – criação própria . sejam apenas psicológicas. 1996. seja financeira. A ela está mudando a atitude e vendo que não precisa competir com o homem.45 homem ação. os homens planejam suas carreiras em longo prazo. O talento profissional e a disciplina são decorrentes na busca cessante de conhecimento e aprimoramento.39 Ano 2000 Ano 2009 20. Para Kanbour (2009).39% dos altos cargos executivos. as mulheres devem provar duas vezes mais do que são capazes. A mulher entra agora numa fase de igualdade crescente. de certo modo. a mulher passou a enxergar o homem não só como concorrente. mas sim como aliado nas organizações. vice . com uma infra-estrutura de apoio. há dez anos elas representavam apenas 10. As mulheres tendem a construir suas carreiras etapa por etapa. mesmo que isso lhe custe o emprego em certos casos. além de continuar a desempenhar as funções de mãe e de rainha do lar.presidente do Instituto Claro. Segundo uma pesquisa realizada pelo Grupo Catho. empresa de recrutamento e seleção de executivos. para competir no mercado de trabalho. quanto pelos filhos e familiares”. exigidas tanto pelos maridos. já o homem têm uma maior capacidade de arriscar em novos empreendimentos.

7% 15% 11. o sucesso na carreira está relacionado ao desenvolvimento pessoal.8%).8%). juntas. mas representa coisas diferentes para cada grupo. aos 36 anos de idade. Mulher no mercado de trabalho 30. serviços administrativos (11. Destaque classe social Classe AA Classe AB Classe C Desenvolvimento intelectual e destaque profissional Desenvolvimento pessoal Ajuda financeira Ilustração 26. Ver gráfico abaixo. e comércio (11. trabalho corresponde a desenvolvimento intelectual.8% 11. compreendem cerca de 70% da mão de obra feminina: serviços em geral (30.7%).8% Serviços em geral Trabalho agrícola Serviços adm inistrativos Com ércio Ilustração 25. trabalho agrícola (15%). A última Síntese de Indicadores Sociais do IBGE. além de destaque como profissional. já os homens por volta dos 40 anos de idade.Classe social (fonte – criação própria) . a maior participação das mulheres no mercado de trabalho tem se concentrado em quatro grandes categorias ocupacionais que.46 Observou-se que as mulheres conquistam cargos de chefia em média.Categoria ocupacional (fonte – criação própria) A revista eletrônica IG destaca que o trabalho tem peso importante em todas as classes. Já as mulheres da classe C reconhecem o trabalho como ajuda financeira. Para as entrevistadas da classe AB. Para as mulheres AA.

Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. o crescimento do nível ocupacional das mulheres .7% 2007. o nível de ocupação feminina aumentou 4. mantendo a trajetória de crescimento pelo sétimo ano consecutivo e repetindo o bom desempenho de 2004. 2% 5. que foi de 4. o nível ocupacional também se elevou.1%.6%.2% em 2004 para 44. 1% 4.6% 2.2% em 2008). 2.47 De acordo com Seade (2007).Nível de ocupação feminina (fonte – criação própria) Entre os homens.Entre os homens (fonte – criação própria) Isso implicou o aumento da participação feminina no total de ocupados de 44. Entre os homens 2.4% 2005 3.2% 2008 2004 0 Ilustração 28.2%. Já em 2008. Nível de ocupação feminina 4. 6% 2004 0 2005 2008 Ilustração 27. mas em ritmo inferior ao das mulheres (2. em 2005. A Secretaria de Economia e Planejamento (SEADE) destaca que em 2005.6% em 2004.4% 2005 e 3. o crescimento apresenta de 5.

Devido ao crescimento mais acentuado do nível ocupacional. do Comércio (4.1% em 2008. em menor medida.7% em 2007. para 45. Ver gráfico abaixo. as mulheres ampliaram sua participação no total de 44.48 deveu-se ao desempenho positivo da Indústria (8. dos Serviços Domésticos (2. 1% 2004 44. sobretudo nas áreas de comércio e serviços.8%). em praticamente todos os setores de atividades analisados.0%) e.8% 4. 7% Ilustração 30-Nível de ocupação feminina (fonte – criação própria) .8%). Crescimento do nível Ocupacional 8.8% 4. 2% 2007 44.1% Indústria Comércio Serviços Serviços Domésticos Ilustração 29-Nível ocupacional (fonte – criação própria) Segundo UOL Economia (2009).1%). dos Serviços (4.0% 2. Nível de ocupação feminina 2008 45. Tendência que vem sendo observada continuamente ao longo da série da pesquisa. o nível de ocupação feminina teve um significativo aumento.

7% 2.80. A partir desses valores.49 Entre os homens.5%). enquanto que o dos homens foi de R$ 1. 1% 1.342. 9% Indústria Serviços Comércio Construção Civil Serviços Domésticos Ilustração 31.342.Entre os homens (fonte – criação própria) O estudo realizado pelo IBGE (2008) demonstra que o rendimento médio habitual das mulheres em janeiro de 2008 foi de R$ 956.3%).9%) e nos Serviços Domésticos (10. no Comércio (1.7%). na Construção Civil (1. Ver gráfico abaixo.00 R $ 956.7% a menos. houve acréscimo na Indústria (3. aproximadamente 28.Rendimento médio (fonte – criação própria) . 3% 3.1%). nos Serviços (2.70 para o conjunto das seis regiões metropolitanas investigadas pela Pesquisa Mensal de Emprego. verifica-se que as mulheres recebem 71.7% Mulher Homem Mulheres recebem menos Ilustração 32. Entre os Homens 10.3% do rendimento dos homens. Rendimento médio (salário 2008) R $ 1.80 28. 5% 1.

2% (de R$ 1.2% em Salvador. Ver tabela abaixo. 70. onde houve redução de 2.2% em Belo Horizonte.86 1.90) e menor em São Paulo.criação própria) A partir dos dados da tabela abaixo.100.9 Belo Horizonte 705. Rendimento médio mulher/Jan03 e 08 Recife 2003 2008 647.100.09 816.40 Porto Alegre 782.4% em São Paulo e 69.90% Ilustração 33. Ver gráfico abaixo.9% em Recife.40% 69.9 São Paulo 1. Análise da região metropolitana o ul Pa e o r S ã le g A e rto n t P o r iz o o H o e ir lo J a n o B e de ad io S a lv fe R ci Re 70. observa-se que entre 2003 e 2008.Rendimento Mulher / 03 e 08 (fonte – criação própria) .1 Rio de Janeiro 817.2 Ilustração 34. 74.076.60% 74.88 703 Salvador 793.3% em Porto Alegre.20% 75.20% 75. 16.40).86 para R$ 1076.5% (de R$ 817. esse percentual foi de 75.73 897. o crescimento do rendimento da mulher foi maior no Rio de Janeiro.6% no Rio de Janeiro.50 Na análise de cada região metropolitana. 75.Análise região metropolitana (fonte .20 para R$ 952.30% 65.82 952.54 793. 65.

80 Porto Alegre 1.24 1. em Recife.2 Salvador Belo Horizonte Rio de Janeiro São Paulo 1.40 1.295.24 1.10 1. ainda.90 Ilustração 35.Rendimento Homem /03 e 08 (fonte – criação própria) .100.070.51 Nota-se. ambos têm os menores rendimentos. Rendimento médio homem /Jan03 e 08 Recife 2003 2008 834.088.80 1.67 1.250. tanto para os homens quanto para as mulheres.78 Ilustração 19 . Por outro lado.94 1.528. que na região metropolitana de São Paulo ocorreram os maiores rendimentos médios habituais.260.Rendimento Homem / 03 e 08 (fonte – criação própria) 1.529.91 926.102.199.

reconhecimento e igualdade foram árdua. Porém. Essa trajetória vitoriosa se deve principalmente a sua capacidade de transformar a insegurança em oportunidades e responde pelos seus atos de forma a agregar valores pessoais. mostra-se promissor. constitucional. De sua vida tribal. lento. mas também muito conquistou na seara pessoal civil. social e econômica. mas ao final. organizar dirigir. habilidades e principalmente um caráter que lhe é inerente. a sensibilidades. prima por liberdade e melhores condições de vida. defensora de ações e argumentos em defesa de sua postura: planejar. passa pela Revolução Industrial. Constatamos através desta pesquisa monográfica que ela deixou de ser uma personagem passiva na sociedade familiar e social para ser um agente ativo. a movimentos feministas nos EUA até desembocar nas terras brasileiras ela muito lutou.52 Conclusão Da leitura que se expôs sobre a mulher nesses três singelos capítulos. bem resolvida. Revolução Comunista na Europa. O caminho percorrido pela figura feminina em busca de oportunidade. compartilhando suas experiências. . Entretanto. a mulher era submissa e inferiorizada por sua fragilidade e condição fisiológica. espontaneidade e criatividade. já na atualidade passou a conduzir suas ações e tornou-se multifuncional. sem deixar de lado sua feminilidade. na Idade média ela foi à busca de melhores condições e direito a igualdade. sedentária em tempos imemoriais. uma idéia pode ser alinhavada nesse tecido histórico: a mulher tornou-se sujeito de si. controlar e realizar.

As leis do Dinheiro para Mulheres. São Paulo. F. BUSSIINGER. 1977. Mercado de trabalho. BRUSCHINI. RJ: Petrópolis: Ed. DINIZ. V. São Paulo: Difusão Européia do Livro. Onde estão as mulheres? Revista VOCÊRH. 1986. Elsevier. R. Mulheres no mercado de trabalho. Simone. Cristina. Branca.br/mulher/series_historicas/mmt. Disponível: http://oglobo. ALAMBERT. ENGELS.gov. HUMPHRIES. 2005. P.br/produtos/mulher. M.globo. ALVES MOREIRA. 28 de julho de 2009. Ideologia e Feminismo_ A luta da mulher pelo voto no Brasil. LOMBARDI. CERRONI. (2007) Mulheres chefes de família (On-line). Vozes. Jill. p. p. Umberto. Disponível: http://www. História e Feminismo. hoje? Vida política. 2009. 4º Ed. São Paulo: Escala 2000. Ed. Estadão de S.53 Bibliografia ACKELSBERG. R. Hilda. BADENES. FONTANESI. São Paulo: revista Veja Mulher. Publicidade. A origem da Família. Feminismo: O Ponto de Vista Marxista. F.2001. In: BORDE .seade. Disponível: http://www. Mulheres. RUBERY. Paulo. Tendências da força de trabalho feminina brasileira nos anos setenta e oitenta: algumas comparações regionais. BEAUVOIR. (02 de maio 2009). Dados sobre a situação da mulher. 1980.org.(2004). O Segundo Sexo. Eliana. La autonomia relativa de La reproducción social: su relación com el sistema de producción.com/pais/mat/2007/09/28/297924970. (30 de setembro 2009).A. Lisboa: Iniciativa Ed. 1970. 8-9. Marcus. Souza. BRUSCHINI. Zuleika. São Paulo: Nosel. 1996. C. (2007).html. Ampliando o estudo sobre a participação das mulheres. A relação homem/mulher na civilização burguesa. BIZZOTTO. da propriedade e do Estado. Martha.80. o futuro é delas. Ana. Nov.fcc. Jane. Daniela.asp(24 de outubro de 2009) BIAGIONI.

br/cadastros/noticias(24 de outubro de 2009). Vivian e RIBEIRO. 1995/1996 Feminismo e (pós) Modernidade no Brasil.com/2009/03/serie-deusas-lilith-a-deusa-escura. H.(On-line). Silvio Aparecido. 2006. Na política. MELO. K. Jacqueline e Miranda.br/temasedados/detalhes. (On-line). Paris.pdf. PEREIRA. LUQUES. Patrícia.dieese. Woman’s Estate.asp (29 de outubro de 2009). Disponível: (30 de http://clippingmp. Disponível: http://deusario. Brasília: Editora SEBRAE. . Editions Sociales. F.Série Deusas – Lilith. SANTOS. REDAÇÃO. (On-line).gov. n.. (28 de julho de 2009). Dayse. N.(2009). A imaginação sociológica. (On- line).br/folha/educacao. nov. Auto Biografia de uma mulher sexualmente emancipada. Ione. C. Margareth. P. (2008).br/ped/bhz pedbhz_Mulher2009. 1996. O Progresso das Mulheres no Brasil.54 KOLLANTAI. L’ idéologie allemande. England: Penguin Books. .uol. Zahar.planejamento. (2003). 1979.com. Disponível:http://www. T. 1972. Edição 1ª. REDAÇÃO.org. (On-line). setembro de 2009). INTERCOM. RANGEL. Nospheratt. Heitor José. Boletim Regional Mulher Pesquisa de Emprego e Desemprego. 1995.Disponível:http://www.html. W. MILLS. a Deusa Escura.2005. Fabiana (2009). 1971. Londres. Brasília: Unifem. PITANGUY. mar. (26 de junho de 2009). Disponível: http://oglobo MARX. Adeus ao Feminismo? Cadernos AEL.as brasileiras que ousaram? . Mulheres conquistam cada vez mais espaço na área executiva das empresas. (2008) Dados Estatísticos. Alexandra. e ENGELS.folha. MARQUES.cfemea. A luta pela emancipação da mulher? Rio de Janeiro: Conselho Estadual da Mulher. 1975. ¾. RAGO. Mulheres concluem mais os cursos superiores. (2009).2001. Disponível: http://www1. OSWALD. São Paulo: revista Veja Mulher. Criando seu próprio negócio.org. Juliet. MITCHELL. pouca presença das brasileiras (On-line). REDAÇÂO.

(24 de outubro de 2009) .com.uol. O Dia Internacional da Mulher (On-line).br/imprensa/noticias/censo/escolar/news09_04.br/planodecarreira.htm (24 de outubro de 2009) REDAÇÃO. (18 de agosto de 2009).55 REDAÇÃO.wikipedia. Disponível: http://www. Mulheres na Educação Básica (On-line). Disponível: http://economia. (2009) Participação das mulheres no mercado de trabalho cresce em 2008 (On line).gov. (2009). REDAÇÃO.org/wiki/Dia_Internacional_da_Mulher. Disponível: http://pt. (2009).inep.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->