P. 1
FISIO - Fisiologia Do Sistema Cardiovascular

FISIO - Fisiologia Do Sistema Cardiovascular

5.0

|Views: 23.558|Likes:
Publicado porapi-3832431

More info:

Published by: api-3832431 on Oct 18, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/18/2014

pdf

text

original

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Oscar César Pires – MSc Faculdade de Medicina – UNITAU

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Organismos Inferiores ⇒ Utilizam a difusão para troca de substâncias. Vertebrados ⇒ Coração – bomba para propelir sangue aos tecidos. Mamíferos ⇒ Sistema circulatório composto por dois circuitos
separados, de sangue oxigenado e desoxigenado.

⇒ Objetivos: distribuição de substâncias essenciais aos

tecidos, remoção de produtos do metabolismo e controle da homeostase (temperatura corporal).

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

Mamíferos

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Vasos Sangüíneos – Classificação Estrutural

⇒ Grandes artérias – parede rica em tecido elástico. ⇒ Arteríolas – músculo liso (controle da microcirculação). ⇒ Capilares – membrana basal fina e camada de células
endoteliais eventualmente fenestradas.

⇒ Vênulas e veias – paredes com pouca elastina, colágeno
e músculo liso (função de reservatório). vascular ⇒ ↓ a velocidade do fluxo.

⇒ Obs: ↑ ramificação ⇒ ↑ secção transversal do sistema

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Vasos Sangüíneos – Classificação Estrutural
Parede Arterial Estrutura Capilar

Parede Venosa

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Vasos Sangüíneos – Área de secção x fluxo sangüíneo.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Vasos Sangüíneos – Classificação Funcional

⇒ Artérias elásticas (Aorta e Pulmonar) – distensíveis
(elastina) permite a expansão ao receber o volume de ejeção ventricular (sístole) e retorna ao estado original (diástole).

⇒ Artérias musculares (poplítea, radial, cerebral e

coronárias) – parede rica em músculo liso que auxilia a prevenir colapso em ângulo reto e possui inervação autonômica podendo contrair ou relaxar.

⇒ Vasos de Resistência (Artérias menores e Arteríolas) –
torneiras que regulam o fluxo para os tecidos.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Vasos Sangüíneos – Classificação Funcional

⇒ Vasos de trocas (Capilares) – única camada de células
endoteliais que permite trocas entre o sangue e tecidos.

⇒ Anastomoses arterio-venosas – comunicações entre

arteríolas e vênulas sem passar pelos capilares (envolvidas com a regulação térmica).

⇒ Vasos de Capacitância (Vênulas e Veias) – parede fina e

nos membros possuem válvulas. Contém cerca de 2/3 dos sangue circulante e fibras nervosas para controle do volume sangüíneo no reservatório.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Hidráulica – Pressão e Fluxo e Volemia

⇒ Ejeção Ventricular – eleva a pressão na aorta para 120

mmHg, enquanto nas grandes veias está próximo da atmosférica (zero) o que dirige o sangue das artérias para as veias. Obs: PAP = 1/7 (15 mmHg) da PAM (100 mmHg).

⇒ Pressão arterial – entre as ejeções cai de 120 mmHg
para 80 mmHg.

⇒ Volume de sangue no sistema vascular – 7% do peso
corporal: 67% – veias e vênulas; 11% – artérias; 5% – capilares.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

• Pressão e Fluxo e Volemia
Média = 100 Artéria Artéria Pulmonar Média = 15 (sangue venoso) 25/8 120/80 Sistêmica ~12 30 25/0 120/0 VD VE CAPILAR CAPILAR 20 5 PULMONAR 2 SISTÊMICO AD AE ~7 10 Veia Pulmonar (sangue arterial) Veia Sistêmica

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Atividade Elétrica e Sistema de Condução

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

• Sistema de condução do coração

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Nodo Atrioventricular (retardo de condução)
→ Fornece tempo para que os átrios se esvaziem nos ventrículos, antes da forte contração ventricular. → Canais iônicos rápidos de Na+ e Canais de K+.

Sistema de Purkinje
→ Através do Feixe de Hiss → ramos D e E → ventrículos com velocidade de 1,5 a 4,0 m.s-1 (permite transmissão quase instantânea por todo o sistema ventricular).

Músculo Ventricular

→ Conduz o estímulo a velocidade de 0,3 a 0,5 m.s-1 (demora 0,03s do endocárdio ao epicárdio).

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Controle da Auto Excitação e Condução
→ NSA – despolariza 70 a 80 vezes por minuto (controla os batimentos cardíacos). → NAV – despolariza 40 a 60 vezes por minuto (caso não receba estimulação). → Fibras de Purkinje – despolariza 15 a 40 vezes por minuto (caso não receba estimulação). estimulação) → Marcapasso ectópico – outra parte do coração que desenvolve freqüência de descarga rítmica mais rápida que o NSA .

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Controle da Auto Excitação e Condução

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Coração como Bomba Ciclo Cardíaco

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Coração Direito
→ Bombeia sangue através dos pulmões.

Coração Esquerdo
→ Bombeia sangue através dos órgãos.

Átrios
→ Bombas fracas que auxiliam o final do enchimento ventricular, contribuindo com 25% do seu enchimento, antes da potente contração ventricular (primer pumps). Obs: 75% do sangue flui antes da contração atrial.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Ciclo Cardíaco
Eventos que ocorrem desde o início de um batimento até o início do batimento seguinte. → Composição – período de relaxamento cardíaco – Diástole, e de um período de contração – Sístole. → Início – geração espontânea do potencial de ação no Nodo Sinusal. → Propagação – através dos tecidos de condução .

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Diástole Atrial e Ventricular
Período de relaxamento durante o qual o coração de enche de sangue (aproximadamente 110 a 120 ml). → Átrio direito e ventrículo direito – oriundo das veias cavas superior e inferior. → Átrio esquerdo e ventrículo esquerdo – oriundo das veias pulmonares. Obs: 75% do enchimento ventricular é passivo e 25% resultante da contração atrial.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Diástole ventricular – 75% passivo

– 25% da sístole atrial

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Diástole ventricular – Valvas Aórtica e Pulmonar
→ Impedem o retorno do sangue das artérias aorta e pulmonar para os ventrículos. → 2ª bulha (ausculta) – som resultante do fechamento das valvas aórtica e pulmonar (estalido relativamente rápido). → No 2º espaço intercostal direito (borda esternal), representa o fechamento da valva aórtica (Foco Aórtico). → No 2º espaço intercostal esquerdo (borda esternal), representa o fechamento da valva pulmonar (Foco Pulmonar).

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Sístole Atrial e Ventricular
Período de contração durante o qual os ventrículos esvaziam seu sangue para a circulação pulmonar e sistêmica → Fração de Ejeção – fração do volume diastólico final que é ejetado (próximo de 60% do volume – 60 a 75 ml). → Contração isovolúmica – ocorre no início da sístole (após o fechamento das valvas A-V com ↑ da pressão sem haver ↑ do volume).

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

– Contração isovolúmica

– Ejeção ventricular

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Sístole ventricular – Valvas Mitral e Triscúspide
→ Impedem o retorno do sangue dos ventrículos para os átrios durante a sístole. → 1ª bulha (ausculta) – som resultante do fechamento das valvas atrioventriculares (vibração de baixa freqüência). → No 5º espaço intercostal esquerdo (linha hemiclavicular), representa o fechamento da valva mitral (Foco Mitral). → Na base do apêndice xifóide, à direita, representa o fechamento da valva tricúspide (Foco Tricúspide).

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Relaxamento isovulúmico:
• Ocorre após o fechamento das valvas Aórtica e Pulmonar. • Há relaxamento muscular sem alterações do volume.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Análise gráfica do Ciclo Cardíaco:

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Ciclo Cardíaco e ECG:

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Regulação Intrínseca do bombeamento Cardíaco:
• Mecanismo de Frank e Starling – dentro de limites, quanto maior o estiramento do músculo cardíaco no enchimento, maior será a força de contração e o volume ejetado na aorta.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Regulação Autonômica do bombeamento Cardíaco:
∀ → Parassimpático (Vagos) – distribuídos principalmente nos Nodos SA e AV → libera ACh (↑ a permeabilidade ao K+ e com sua saída ocorre hiperpolarização): • • → ↓ a freqüência de descargas do Nodo SA. → ↓ a velocidade de condução na junção AV até ½ do normal ou até a parada completa de condução.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Regulação Autonômica do bombeamento Cardíaco:
→ Simpático (T1 – T4) – libera norepinefrina (NOR) que ↑ a permeabilidade ao Na+ e Ca+ promovendo a entrada de ambos e fazendo com que o potencial de repouso fique menos negativo em direção ao limiar de auto-excitação: → ↑ a freqüência de descargas do Nodo SA. → ↑ a velocidade de condução na junção AV. → ↑ a força de contração cardíaca até 2 vezes.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Regulação Autonômica do bombeamento Cardíaco:

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Resistência à Ejeção Ventricular: Ventricular
→ Hipertensão Arterial – o ↑ da resistência periférica promove ↓ no débito cardíaco.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Débito Sistólico – Ejeção Ventricular: Ventricular É regulado por três grandes variáveis:
→ Retorno venoso; → Contratilidade miocárdica; → Resistência à ejeção.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

• Reflexos cardíacos:
• Barorreceptor – pressão em receptores no seio carotídeo e arco aórtico (glossofaríngeo → vago). • Quimiorreceptor – ↓ da PaO2 e pH ou ↑ da PCO2 → receptores no arco aórtico e corpo carotídeo → X e IX pares → SNC → hiperventilação e ↑ da FC e da PA. • Manobra de Valsalva – ↑ PAP, PVP e ↓ o retorno venoso ao coração → ↓ PA e da FC; • Bezold-Jarish – ↑ pressão em receptores na parede do VE → ↑ tônus do parassimpático → ↓ da FC e do DC;

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

• Reflexos cardíacos:
• Cushing – isquemia cerebral ou ↑ da PIC → ↑ da PA e FC (↑ FSC); • Óculo-cardíaco – estimulação do n. trigêmeo via n. oftálmico → Gânglio de Gasser → ↑ tônus parassimpático (35 a 90% das cirurgias oftalmicas); • Bainbridge – ↑da PVC → receptores de estiramento na parede atrial → inibem o vago → ↑ a FC.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

• Propriedades intrínsecas do tecido cardíaco: • Inotropismo – força de contração • Cronotropismo – freqüência • Batmotropismo – excitabilidade • Dromotropismo – condutibilidade • Lusitropismo – relaxamento

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

• Circulação Coronariana: • Coronárias – recebem 4 a 5% do débito cardíaco e
consome 11% do oxigênio; coronária direita; coronária direita;

• Nó Sino atrial – 60% das vezes tem origem na artéria • Nó AV – 90% das vezes tem origem na artéria • Subendocárdio do Ventrículo Esquerdo – região mais vulnerável à isquemia.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

• Consumo de O2 pelo Miocárdio: • O2 – uma das maiores taxas de metabolismo do organismo: 8 - 10ml.100g-1.min-1. • Subendocárdio – requer 20% a mais de oxigênio que o Epicárdio. • Energia – fornecida por ácidos graxos e ácido láctico.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

• Consumo de O2 pelo Miocárdio: • Pré-carga • Pós-carga • Contratilidade • Freqüência Cardíaca

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Nascimento: • Aumento da resistência vascular sistêmica; • Diminuição da resistência vascular pulmonar; • Fechamento do forame oval e canal arterial.

FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Circulação Perinatal

AUSCULTA CARDÍACA

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Oscar César Pires

AUSCULTA CARDÍACA

• Sístole Atrial e Ventricular
• Período de contração durante o qual os ventrículos esvaziam seu sangue para a circulação pulmonar e sistêmica ∀ → Fração de Ejeção – fração do volume diastólico final que é ejetado (próximo de 60% do volume – 60 a 75 ml). ∀ → Contração isovolúmica – ocorre no início da sístole (após o fechamento das valvas A-V com ↑ da pressão sem haver ↑ do volume).

AUSCULTA CARDÍACA

• Ausculta com estetoscópio
• Abertura fisiológica das valvas – não são audíveis pois tem desenvolvimento lento, não produzindo som • ESTENOSE – quando patologicamente a valva não se abra adequadamente, produz som semelhante a SOPRO. • Fechamento fisiológico das valvas – apresenta vibração dos folhetos gerando sons audíveis no tórax. • INSUFICIÊNCIA – quando patologicamente a valva não se fecha adequadamente, produz som semelhante a um SOPRO.

AUSCULTA CARDÍACA

→1ª BULHA (ausculta) – som resultante do fechamento das valvas atrioventriculares (vibração de baixa freqüência – TUM). → Valvas mitral e tricúspide impedem o retorno do sangue dos ventrículos para os átrios durante a sístole. → Audível no 5º espaço intercostal esquerdo (linha hemiclavicular), representa o fechamento da valva mitral (Foco Mitral). → Na base do apêndice xifóide, à direita, representa o fechamento da valva tricúspide (Foco Tricúspide).

AUSCULTA CARDÍACA

2ª BULHA (ausculta) – som resultante do fechamento das valvas aórtica e pulmonar (estalido relativamente rápido – TÁ). → Valvas Aórtica e Pulmonar impedem o retorno do sangue das artérias aorta e pulmonar para os ventrículos. → No 2º espaço intercostal direito (borda esternal), representa o fechamento da valva aórtica (Foco Aórtico). → No 2º espaço intercostal esquerdo (borda esternal), representa o fechamento da valva pulmonar (Foco Pulmonar).

AUSCULTA CARDÍACA

çreas de Ausculta Cardíaca

Ao

P

T

M

AUSCULTA CARDÍACA

çreas de Ausculta Cardíaca

Ao

P

T

M

AUSCULTA CARDÍACA

• Sopro Sistólico (1ª bulha) mais audível no Foco Mitral corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva mitral c) Provável insuficiência da valva mitral d) Provável estenose aórtica e) Provável insuficiência aórtica

AUSCULTA CARDÍACA

• Sopro Sistólico (1ª bulha) mais audível no Foco Mitral corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva mitral c) Provável insuficiência da valva mitral (regurgitação) d) Provável estenose aórtica e) Provável insuficiência aórtica

AUSCULTA CARDÍACA

2) Sopro Diastólico (2ª bulha) mais audível no Foco Mitral corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva mitral c) Provável insuficiência da valva mitral d) Provável estenose aórtica e) Provável insuficiência aórtica

AUSCULTA CARDÍACA

2) Sopro Diastólico (2ª bulha) mais audível no Foco Mitral corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva mitral (ejeção) c) Provável insuficiência da valva mitral d) Provável estenose aórtica e) Provável insuficiência aórtica

AUSCULTA CARDÍACA

3) Sopro Sistólico mais audível no Foco Aórtico corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva mitral c) Provável insuficiência da valva mitral d) Provável estenose aórtica e) Provável insuficiência aórtica

AUSCULTA CARDÍACA

3) Sopro Sistólico mais audível no Foco Aórtico corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva mitral c) Provável insuficiência da valva mitral d) Provável estenose aórtica (ejeção) e) Provável insuficiência aórtica

AUSCULTA CARDÍACA

4) Sopro Diastólico mais audível no Foco Aórtico corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva mitral c) Provável insuficiência da valva mitral d) Provável estenose aórtica e) Provável insuficiência aórtica

AUSCULTA CARDÍACA

4) Sopro Diastólico mais audível no Foco Aórtico corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva mitral c) Provável insuficiência da valva mitral d) Provável estenose aórtica e) Provável insuficiência aórtica (regurgitação)

AUSCULTA CARDÍACA

5) Sopro Sistólico mais audível no Foco Pulmonar corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva mitral c) Provável insuficiência da valva mitral d) Provável estenose pulmonar e) Provável insuficiência pulmonar

AUSCULTA CARDÍACA

5) Sopro Sistólico mais audível no Foco Pulmonar corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva mitral c) Provável insuficiência da valva mitral d) Provável estenose pulmonar (ejeção) e) Provável insuficiência pulmonar

AUSCULTA CARDÍACA

6) Sopro Diastólico mais audível no Foco Pulmonar corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva mitral c) Provável insuficiência da valva mitral d) Provável estenose pulmonar e) Provável insuficiência pulmonar

AUSCULTA CARDÍACA

6) Sopro Diastólico mais audível no Foco Pulmonar corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva mitral c) Provável insuficiência da valva mitral d) Provável estenose pulmonar e) Provável insuficiência pulmonar (regurgitação)

AUSCULTA CARDÍACA

7) Sopro Sistólico mais audível no Foco Tricúspide corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva tricúspide c) Provável insuficiência da valva tricúspide d) Provável estenose pulmonar e) Provável insuficiência pulmonar

AUSCULTA CARDÍACA

7) Sopro Sistólico mais audível no Foco Tricúspide corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva tricúspide c) Provável insuficiência da valva tricúspide (regurgitação) d) Provável estenose pulmonar e) Provável insuficiência pulmonar

AUSCULTA CARDÍACA

8) Sopro Diastólico mais audível no Foco Tricúspide corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva tricúspide c) Provável insuficiência da valva tricúspide d) Provável estenose pulmonar e) Provável insuficiência pulmonar

AUSCULTA CARDÍACA

8) Sopro Diastólico mais audível no Foco Tricúspide corresponde a: a) Ausculta cardíaca normal b) Provável estenose da valva tricúspide (ejeção) c) Provável insuficiência da valva tricúspide d) Provável estenose pulmonar e) Provável insuficiência pulmonar

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->