P. 1
Parasitologia - Ciclos Biologicos

Parasitologia - Ciclos Biologicos

4.25

|Views: 25.751|Likes:
Publicado porapi-3814824
.PPS con muchas fotos e imagenes de los ciclos de parasitos en humanos y animales domesticos
.PPS con muchas fotos e imagenes de los ciclos de parasitos en humanos y animales domesticos

More info:

Published by: api-3814824 on Oct 18, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/18/2014

pdf

text

original

Ciclo biológico de um Ixodídeo

Ciclo do Rhipicephalus sanguineus

Ciclo do Argas

Ciclo do Boophilus microplus

Ciclo de carrapato monoxeno

Ciclo evolutivo de Hemimetabólico

Ciclo do Ctenocephalides felis

Ciclo do Piolho
1o instar Ninfal 2o instar Ninfal

Ovo

3o instar Ninfal

Fêmea

Macho

Ciclo de vida de Hypoderma sp

Ciclo de Tabanidae

Ciclo do Simulium
Adulto

Larvas

Posturas

Pupa

Adulto

Ciclo de Simulium sp

Ovos

Larvas Pupas

Ciclo de Nematocera

Adulto

Emergência do adulto
Ovos

Larva

Pupa

CICLO DE CALLIPHORIDAE

Pupa

Ovo

Larva

Ciclo da Dermatobia hominis

Vetor biológico

Eclosão de L1

L1

L2

L3

Ciclo da Dermatobia hominis
Adulto postura no vetor biológico em pleno vôo Vetor biológico com ovos no abdomem

Eclosão de L1

L1

L2

L3

Adulto

Emergência do adulto Saco ptilineal

Pupa

L3 solo

Haematobia

Ciclo do Gasterophilus intestinalis

L1

L2

L3 Larva fixada na porção agladular do estômago

Fêmea pronta para postura após fecundada

Fezes com larvas

Ovos nos pelos do eqüídeo

Larva nas fezes Emergência do adulto Saco ptilineal Larva saem das fezes

Postura do G. intestinalis

Ciclo da Haematobia irritans
Adulto Hematófago

Adulto fazendo a postura em fezes fresca

Ovos, L1, L2 e L3 dentro do bolo fecal

Pupa

Emergência do adulto

Larviposição do Oestrus

Adulto fazendo larviposição nas narinas de ovinos
tro en o 3 d in e L o ov 2 d ,L L1 nariz do

L3 sai do sistema respiratório para o solo

Ciclo do Oestrus ovis
Adulto fazendo a larviposição nas narinas do ovino

L3 indo para terra após sua alimentação

Pupa

Emergência do adulto

Ciclo da Lucilia cuprina

Emergência do adulto

Pupa

Ciclo do Gasterophilus intestinalis

Ciclo da Alaria marcianae

Ciclo da Fasciola

Wuchereria bancrofti

Ciclo da Taenia pisiformis

Ciclo da Taenia solium

Diphyllobotrium latum

Ciclo da Taenia solium
CISTICERCO (LARVA) (HOMEM) HOSPEDEIRO DEFINITIVO

Taenia Solium (NO INTESTINO) (PORCO) HOSPEDEIRO INTERMEDIÁRIO

OVO

Ciclo do Dypilidium caninum

Proglote da Taenia com ovos

O cão ingere a Taenia

Larva da Pulga comendo os ovos

Pulga adulta

Ciclo da Spirometra mansonoides

Ciclo do Haemonchus contortus

Ciclo da Dirofilaria immitis

Schistosoma mansoni

Ciclo do Filaroides hirthi

Ciclo do Ascaris lumbricoides

Onchocerca volvulus

Ciclo do Ancylostoma caninum
Adult hookworm egg

Arrested L3

Migrating L3

Infective L3

Ciclo do Toxocara canis

Ciclo do Toxoplasma gondii

Toxoplasmose

Ciclo biológico da Eimeria

Ciclo da Eimeria bovis

Ciclo do Sarcocystis cruzi

Ciclo da Babesia canis

Leishmania sp (Inoculação)

Ciclo de Leishmania sp

Ciclo da Leishmania

Ciclo do Trypanosoma

Ciclo do Trypanosoma cruzi

Ciclo Biológico de Babesia no hospedeiro definitivo

Ciclo do Isospora

Ciclo da Leishmania

Ciclo biológico de Sarcocystis

Ciclo biológico de Acanthamoeba

Alfortia edentata

Larva penetra na parede intestinal

Larva sai dos nódulos e se desenvolve para adulto

Larva atinge o fígado muda para L IV

Larva em nódulos na parede do ceco

Ceco e cólon

Larva infectante é ingerida com o alimento

Ovos nas fezes

Ovo em desenvolvimento embrionário

Larva III

Larva II

Larva I

Eclosão da larva I

Ovo com larva I

Ancylostoma caninum

Adultos no intestino delgado

10. Larva, pela circulação, atinge o coração direito 11. Larva atinge os pulmões; pela traquéia cai no canal alimentar e muda para o estádio adulto 12. Larva, pela circulação, volta ao coração esquerdo 13. Larva, pela circulação atinge o feto

Ovos no lume intestinal

Larva infectante é ingerida; desenvolve para adultos

Larva infectante penetra na pele

Ovos saem nas fezes

Ovos Embrionados

Larva III

Larva II

Larva I

Ascaris suum
8. Larva chega ao fígado pela circulação portal 9. Larva é carregada para o coração direito 10. Larva chega aos pulmões, de onde atinge as vias aéreas 11. Larva na luz intestinal se desenvolve para adultos Larva penetra na parede intestinal

Adultos no lume do intestino delgado

Eclosão da larva Ovo no intestino

Ovo contendo larva infectante é ingerido

Ovo em desenvolvimento no exterior

Ovo sai nas fezes

Ascarops strongylina

10. Larva regressa à luz do estômago e se desenvolve para adulto

Adultos aderidos à mucosa gástrica

Coleóptero é ingerido pelo suíno

9. Larva libertada dos tecidos do coleópteros penetra na parede gástrica

Ovo no tubo digestivo

Ovo embrionado saí nas fezes

4, Ovo é ingerido por coleóptero 5. Eclosão no tubo digestivo do coleóptero 6. Larva II 7. Larva II (infectante) encistada

Capillaria obsignata

Larva penetra na mucosa intestinal e se desenvolve para o estádio adulto

Adultos embebidos na mucosa do intestino delgado

Ovos no lume intestinal

Larva eclode no lume do tubo digestivo

Ovos saem nas fezes

Ovo contendo larva infectante é ingerido

Minhocas podem ingerir ovos embrionados; aves se infectam ingerindo minhocas infectadas

Ovo embrionado

Ciclo Coccídio

Toxoplasma gondii

Toxoplasma gondii

Ciclo epidemiológico do Calazar

Ciclo epidemiológico Isospora hominis (belli)

Ciclo evolutivo dos Parasitos

Echinococcus granulosus

Strongyloides stercoralis

Davainea proglotina

7. Cisticercóide é liberado dos tecidos da lesma 8. Cisticercóide no lume intestinal Cisticercóide everte o escólice e se desenvolve para adulto

1. Adultos aderidos à mucosa duodenal 2. Proglotes grávidas saem nas fezes

6. Lesma é ingerida pela ave

3. Proglotes grávida no solo

4. Ovo livre no solo

5. Lesma ingere ovos; oncosfera escapa do embrióforo; oncosfera origina cisticercóide nos tecidos da lesma

Defondia vulgaris
11. Larva penetra na parede intestinal 12. Larva atinge o fígado 13. Larva nos pulmões - via coração 14. Larva, via traquéia, passa para o canal alimentar; atinge o estádio adulto no intestino grosso 15. Algumas larvas atingem o coração esquerdo

Larva no tubo digestivo

Adultos no ceco e colo

Ovos saem nas fezes Larva infectante é ingerida com alimentos

Ovo em desenvolvimento embrionário

Eclosão da larva I

Ovo com larva I

Larva III infectante)

Larva II

Larva I

Dioctophyma renale

8. Crustáceo ou oligoqueta é ingerido pelo cão 9. Larva se livra dos tecidos do peixe ou do oligoqueta 10. Larva atravessa a parede intestinal, cai na cavidade abdominal e atinge o estádio adulto nos rins
Peixe, contendo larva infectante encistada, é ingerido pelo cão Adultos nos rins

Ovo na uretra

Ovo sai na urina desenvolve para Larva I

6. Peixe ingere o crustáceo

5. Crustáceo transportando o oligoqueta

4. Ovo é ingerido por um oligoqueta, parasito de um crustáceo

Dirofilaria immitis
1. Adulto no coração 2. Microfilária nos pulmões 3. Microfilária no coração esquerdo 4. Microfilária na circulação arterial 5. Microfilária no sangue periférico 6. Mosquito ingere microfilárias 7. Larva se desenvolve para estádio infectante no mosquito 8. Larva sai pelo lábio do mosquito e penetra no ferimento provocado pelo inseto 9. Larva atinge o coração direito e se desenvolve para adulto

Dipylidium caninum
1. Adulto no intestino delgado 2. Proglote grávida no intestino 3. Proglote grávida sai nas fezes 4. Ovo liberado pela ruptura da proglote

10. Cisticercóide everte o escólice e se desenvolve para adulto

9. Cães ingerem os hospedeiros intermediários com cisticercóides

Pulga adulta com cisticercóides

Trichodectes ingere ovos - cisticercóides

Larva de pulga ingere ovos Pupa da pulga com cisticercóides

Eurytrema coelomaticum

8. Esporocisto é ingerido por gafanhotos. Cercárias se desenvolvem para metacercárias no inseto 9. Gafanhoto é ingerido pelo hospedeiro vertebrado 10. Metacercárias livres no lume do tubo alimentar do hospedeiro 10. Metacercárias livres no lume do tubo alimentar do hospedeiro 11. Metacercária libertada da parede cística atinge os canais pancreáticos por uma via desconhecida

1. Adultos nos canais pancreáticos 2. Ovo no lume intestinal 3. Ovo contendo miracídio sai nas fezes

4. Ovo é ingerido pelo caramujo 5. Miracídio eclode no intestino do caramujo 6. Caramujo infectado

7.Esporocisto emerge do caramujo para a vegetação

Echinostoma revolutum
5. Miracídio penetra no caramujo, onde se desenvolve até cercária 6. Cercária emerge do caramujo, onde se desenvolve até cercária 7. Cercária penetra no 2o hospedeiro intermediário, onde se transforma em metacercária

Adulto no lume do intestino

8. Patos ingerem os hospedeiros intermediários. As metacercárias de envolvem para adultos

Ovo sai nas fezes

Miracídio eclode na água

Miracídio na água

Fasciola hepatica

Fasciola hepatica
12. Forma juvenil desencistada no intestino 13. Forma juvenil atravessa a parede intestinal e cai na cavidade abdominal 14. Forma juvenil penetra no fígado, migra pelo parênquima hepático até os ductos hepáticos, onde se torna adulto

Ovo passa para o intestino

Metacercárias no canal alimentar

Adultos nos ductos biliares

Ovo sai nas fezes

Ovo em desenvolvimento embrionário
Vegetais com metacercárias são ingeridos pelos ruminantes

Miracídio eclode na água

Miraçidio na água
9. Metacercária nas folhas submersas

8. Cercária emerge do caramujo 7. Miracídio penetra no caramujo - Lymnaiedae, onde se desenvolve até cercária

Habronema muscae
11. Larva no tubo digestivo 12. Larva penetra na parede gástrica; regressa ao lume do estômago e se desenvolve para adulto

Adultos em contato com a mucosa gástrica Mosca é ingerida e liberta a larva infectante

Ovo no tubo digestivo

Larva depositada nos lábios de equídeos

Ovo embrionado sai nas fezes
Mosca adulta com larva infectante Eclosão da larva

Pupa da mosca com larva de habronema

Larva de mosca com larva de Habronema,a

Larva é ingerida por larvas de moscas

Haemonchus contortus

Adultos no abomaso

Ovo no lume do tubo digestivo

Larva III é ingerida com as forrageiras e se desenvolve para adulto

Ovo sai nas fezes

Ovo contendo Larva I

Larva II

Larva I

Eclosão da larva

Larva III (infectante)

Metastrongylus salmi
1. Adultos nos brônquios 2. Ovo nas vias aéreas

7. Larva infectante livre no lume intestinal 8. Larva penetra na parede intestinal e pelos linfáticos atinge os linfonodos 9. Larva chega ao coração e pelo sangue é carreada para os pulmões, onde se desenvolve para adulto.

Ovo embrionado passa da traquéia para o tubo digestivo

Minhoca é ingerida; larva infectante é libertada Ovo sai nas fezes

Ovo é ingerido por minhocas

Moniezia expansa

Escólice evagina-se e se desenvolve para verme adulto

Adulto no intestino delgado

Ruminantes ingerem os oribatídeos junto com as forrageiras
Proglotes grávidas saem nas fezes

4. Ovo ingerido por ácaro oribatídeo 5. Cisticercóide no oribatídeo

Ovo liberado pela desintegração da proglote

Ciclo do Mosquito

Oesophagostomum columbianum

9. Larva penetra na parede do intestino 10. Nódulo na parede do intestino contendo a larva 11. Larva regressa ao lume intestinal e se desenvolve para adulto Adultos no lume do ceco e do colo

Larva III é ingerida com alimentos

Ovo sai nas fezes
Ovo contendo embrião

Larva II

Larva I

Eclosão da larva

Larva III (infectante)

Prosthogonimus cuneatus
6. Cercárias penetram no orifício anal de naiades, perdem a cauda e dão metacercárias 7.Libélulas com metacercárias 8.Libélulas são ingeridas pelas aves 9. Metacercárias são liberadas no canal alimentar 10. Forma juvenil do trematódeo escapa das paredes císticas e penetra na bolsa de Fabricius e mais tarde pode atingir o oviduto

Adultos no oviduto ou bolsa de Fabricius

Ovos saem nas fezes

4. Caramujos ingerem ovos; miracídios se libertam do ovo, no caramujo ocorrem duas gerações de esporocistos

Ovos, contendo miracídio, são arrastados par a água

5. Cercárias emergem dos caramujos, na água

Raillietina

Cisticecóide everte o escólice e se desenvolve para adulto

Cisticercóides se libertam dos tecidos dos hospedeiros intermediários

Adultos no intestino delgado

9. Hospedeiro intermediários são ingeridos pelas aves

Proglotes saem nas fezes

Ovos no solo

5,6,7 e 8. Artrópodes hospedeiros intermediários com cisticercóides

Ovo é ingerido por artrópodes

Schistosoma mansoni
13. Esquistossômulo no coração direito 14. Esquistossômulo nos pulmões 15. Esquistossômulo no coração esquerdo 16. Esquistossômulo atinge o estádio adulto no fígado 1. Adultos no sistema portal intra-hepático 2. Adultos acasalados nas vênulas intestinais 3. Ovos na luz intestinal

Ovo sai nas fezes

Cercária penetrando na pele

Eclosão do miracídio, na água

7. Miracídio penetra no Caramujo 8. Esporocisto I 9. Esporocisto II

Miracídio na água

11. Cercária na água 10. Cercárias emergindo do caramujo

Spirometra mansonoides

Adulto no intestino delgado
9. Larva plerocercóide livre no lume do tubo digestivo se desenvolve para o estádio adulto

Peixe é ingerido pelo cão

Ovo sai nas fezes

Ovo com coracídio na água

Crustáceo ingere o coracídio que se desenvolve para larva procercóide Peixe ingere o crustáceo; larva procercóide se desenvolve par a larva plerocercóide

Cápsula do ovo, após eclosão do coracídio

Coracídio na água

Stephanurus dentatus
9. Larva, pelo sangue, chega ao coração 10. Larva atinge os pulmões 11. Larva passa pelo coração esquerdo 12. Larva chega ao fígado 13. Larva cai na cavidade abdominal e migra para a região perirrenal 14. Larva é ingerida pelos suínos 15. Larva penetra nas paredes intestinais, cai na circulação e chega ao fígado 17. Minhoca é ingerida pelos suínos, libertando a larva infectante 18. Larva pode infectar o feto

1. Adultos em cistos, na região perirrenal

Larva penetra na pele

Ovos na urina

Larva é ingerida por minhocas

Larva II

Larva I

3. Ovo em desenvolvimento 4. Larva em eclosão Larva III - infectante

Strongyloides

1. Forma partenogenética no lume do intestino delgado

9. Larva atinge a circulação 10. Larva nos pulmões 11. Larva, pela traquéia, atinge o tubo digestivo e se desenvolve para fêmea partenogenética 12. Larva filarióide penetrando na boca 13. Larva se desenvolve para forma partenogenética, diretamente

Larva filarióide penetrando na pele

Ovo - eliminado nas fezes

Larva filarióide

Larva rabditóide

Macho de vida livre

Ovo - de geração livre
Larva rabditóide

Fêmea de vida livre

Strongylus equinus
10. Larva penetra na parede intestinal 11. Larva em nódulos na sub -serosa do ceco e colo 12. Larva na cavidade peritonial - Larva IV 13. Larva no fígado 14. Larva volta ao lume intestinal

1. Adultos no ceco e colo

Larva infectante é ingerida com alimentos

2. Ovos saem nas fezes

3. Ovo em desenvolvimento embrionário

Larva II

Larva I

5. Eclosão da larva I

4. Ovo com larva I

Larva III (infectante))

Syngamus trachea

9. Minhocas, moscas e lesmas podem ingerir os ovos embrionados ou as larvas 10. Aves ingerem ovos embrionado ou larva infectante ou os hospedeiros transportadores 11. Larva infectante no lume intestinal 12. Larva penetra na parede intestinal 13. Larva, pelo sangue, chega ao fígado 14. Larva, pelo sangue, atinge o coração 15. Larva chega aos pulmões, de onde passa para a traquéia e atinge o estádio adulto

Adultos na traquéia 2. Ovos são arrastados para o canal alimentar 3 e 4. Ovos passam pelo canal alimentar

6. Ovo em desenvolvimento embrionário

5. Ovos são eliminados nas fezes

Eclosão da larva

Ovo com larva

Taenia solium
10. Carne de suíno com cisticerco é ingerida pelo homem 11. Cisticerco, no canal alimentar do homem, evagina-se e se desenvolve para adulto 12. Proglote, por anti-peristaltismo, chega ao estômago 13. Ovo é libertado da proglote 14. Oncosfera emerge do embrióforo e penetra na parede intestinal
15. Oncosfera, pela circulação, atinge o fígado 16. Oncosfera, pela circulação, atinge os tecidos do homem, onde se desenvolve para cisticerco

Adulto no intestino delgado

3. Ovos são libertados pela desintegração da proglote

Proglote grávida sai nas fezes

4. Ovo é ingerido pelo suíno

5. Oncosfera emerge do embrióforo 6. Oncosfera penetra na

7. Oncosfera no fígado 8. Oncosferas, pela circulação, são distribuídas pelos tecidos dos suíno, nos quais se desenvolvem para cisticercos 9. Cisticercos encistados nos tecidos

parede intestinal do suíno

Toxocara canis

13. Larva ultrapassa os pulmões; pelas vias aéreas chega ao intestino e se desenvolve para adulto 14. Larva nos tecido somáticos 15. Larva atinge o feto
Adultos no lume intestinal

8. Eclosão com liberação da larva 9. Larva penetra na parede intestinal 10. Larva, pelo sangue, atinge o fígado 11. Larva atinge o coração direito 12. Larva nos pulmões; pelas vias aéreas chega ao intestino e se desenvolve para adulto

Ovo no intestino

Ovo ou rato é ingerido pelo cão

Ovo sai nas fezes

Rato - hospedeiro paratênico

Ovo com larva infectante

Ovo em desenvolvimento

Wuchereria bancrofti
1. Adultos nos vasos linfáticos 2. Microfilárias na circulação venosa 3. Microfilária no coração direito 4. Microfilária nos pulmões 5. Microfilárias no coração esquerdo 6. Microfilárias na circulação periférica 7. Mosquitos ingerem microfilárias 8. Desenvolvimento até larva III (infectante), no mosquito 9. Larvas infectantes saem pelo lábio do mosquito 10. Larvas infectantes penetram no ferimento provocado pelo mosquito 11. Larvas atingem os linfáticos e se desenvolvem para adultos

Vampirolepis nana

1. Adultos no intestino delgado

7. Cisticercóide 8. Coleóptero com cisticercóide é ingerido pelo rato 9. Cisticercóide livre dos tecidos do coleóptero 10. Escólice se evagina 11. Forma jovem se desenvolve para adulto 12. Ovo ingerido diretamente pelo rato 13. Oncosfera, livre do embrióforo, penetra na mucosa intestinal 14. Cisticercóide nas vilosidades intestinais

2. Proglote grávida

3. Ovo sai nas fezes

Coleóptero adulto com cisticeróide

Ovo é ingerido por larva de coleóptero do gênero Tenebrio

Ovo no meio exterior 15. Escólice se evagina e se desenvolve para verme adulto 16. Oncosfera, livre do embrióforo, penetra na mucosa intestinal 17. Cisticecóide nas vilosidades intestinais - desenvolvimento continua pelo no 15

Typhlocoelum cucumerinum

11. Larva, por via desconhecida, atinge as vias aéreas da ave

1. Ovos passam da traquéia para canal alimentar Ovo no intestino

Adultos na traquéia de patos Caramujos são ingeridos pelos patos

6. Miracídio adere a um caramujo do gênero Biomphalaria; a rédia penetra nos tecidos moles do caramujo 7. Rédia na cavidade pericárdica do caramujo

Ovo, contendo Miracídio, sai nas fezes

8. Cercária nos tecidos do caramujo 9. Metacercária no caramujo

Miracídio, contendo rédia, emerge do ovo, na água

Trichuris discolor

Eclosão da larva

5.Larva penetra na parede intestinal 6. Larva na parede intestinal 7. Larva regressa ao lume intestinal para se desenvolver para adulto

Adultos no ceco

Ovo com larva infectante é ingerido com alimentos

Ovo é eliminado nas fezes

Ciclo do Toxoplasma gondii

Ascaris suum

Dioctophyma renale

Parascaris equorum

Ascaris suum

Ambyomma variegatum

Boophilus microplus

Haemonchus contortus

Ciclo Biológico da Eimeria

Piolhos sugadores e mastigadores

Ciclo do Carrapato heteroxeno
(três hospedeiros)

Otodectes cynotis

Ciclo biológico do Cryptosporidium

Ciclo evolutivo do Sarcoptes scabiei

Demodex Desenvolvimento e evolução no folículo piloso

Ciclo biológico do Sarcocystis

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->