P. 1
A Arte Do Origami Aplicada Ao Design de Produtos

A Arte Do Origami Aplicada Ao Design de Produtos

|Views: 255|Likes:

More info:

Published by: João Fernandes Guimarães on Nov 16, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/16/2011

pdf

text

original

A Arte do Origami Aplicada ao Design de Produtos

The Art of Origami Applied to the Design of Products

TANURE, Raffaela Leane Zenni; graduanda em Design; UFPR. raffaelat@gmail.com OKIMOTO, Claudia; graduanda em Design; UFPR. akk_okimoto@yahoo.com

Resumo
O presente artigo mostra a possibilidade de uso do Origami, arte japonesa de dobraduras, como uma valiosíssima fonte de pesquisa no desenvolvimento de produtos. Utiliza-se do conceito dessa arte, adaptando-a do artesanal para o industrial, na produção de uma linha de embalagens para bombons. Valoriza a embalagem, buscando atribuir outras funções utilitárias após o seu uso principal, evitando seu descarte, visando a sustentabilidade, ou seja, deve-se poupar os recursos para que as gerações futuras tenham as mesmas oportunidades que as atuais. Palavras Chave: origami, design, sustentabilidade,

Abstract
The present artichle shows the possibility of the use of Origami, japanese art of folding, as a much valuable research source in the developing of products. The concept of this art is used, adapting it form craft to the industrial in the production of a package line for candies. The package gains more value seeking to find other functions after its main use, avoiding its disposal, aiming the sustainability meaning, one should spare natural resources in order that next generations share the same opportunities that the present one. Keywords: origami, design, sustainability

7° Congresso de Pesquisa & Desenvolvimento em Design

concentrou-se cerca de 38. Pensando nisso. O produto não pode ser planejado separado da embalagem.Introdução O design é um campo muito amplo. As embalagens apresentam uma ampla variedade de formas.591 bilhões. todas. foi formulado pelo Professores Akao e Mizuno há mais de trinta anos.36% desse valor (ABRE. papelão e outros tipos de chapa. particularmente na produção. tabelas de garantia de qualidade. Conforme estudo realizado pela FGV�RJ a indústria de embalagem no Brasil apresentou uma receita líquida de vendas em 2004 de R$ 28. todos os produtos vendidos são embalados.317 bilhões a mais do que em 2003. de forma a consolidar uma estrutura conceitual e metodológica para apoio ao processo projetual. QFD O método de Desdobramento da Função Qualidade. b) Pesquisa-ação: desenvolvimento de uma linha de embalagens. Nos segmentos de papel e papelão. Porém. a partir do estudo de origamis (confecção e intervenção). Dessa forma. que por sua vez. marketing. o QFD tem sido direcionado à etapa inicial do 7° Congresso de Pesquisa & Desenvolvimento em Design . em relação a encaixes de papel. proporcionando benefícios que justificam a sua existência. deve ser definida com base na engenharia. o projeto procura desenvolver uma embalagem com um diferencial que começa já no conceito. 2005). algumas reconhecidas facilmente. arte oriental. Praticamente. Método de Pesquisa No desenvolvimento do projeto em questão. seja na sua forma final. O produto e a embalagem estão tão inter-relacionados que não podem ser considerados um sem o outro. mas que considere todas as outras etapas de desenvolvimento do produto. comunicação. outras de influência bem sutil. modelos e materiais e fazem parte de nossa vida diária de diversas maneiras. economia e inovação. Dessa forma. que está sempre em busca de inovação. aplicando e adaptando-o ao processo industrial. ampliando as opções de pesquisa e novas idéias. mais conhecido como QFD. é muito difícil de encontrar fontes de pesquisa a respeito. irá utilizar do conceito do origami. Vivemos em um mundo de produtos embalados. Nos últimos anos. legislação. A aplicação do método QFD no Japão originou-se do uso do diagrama de causa-e-efeito para definição dos pontos de controle. e posteriormente. o conceito de outra arte. R$ 4. seja nas fases intermediárias de fabricação e transporte. porém. utilizou-se o programa WinQFD a fim de posicionar os requisitos de projeto. foram abordados como métodos de pesquisa: a) Revisão bibliográfica: referiu-se à busca de dados na literatura e em meios digitais. o artigo busca trazer ao design de produto. Ainda.

de preceptores europeus. Os chineses foram os primeiros a produzir papel. As crianças devem receber uma boa educação pois se não têm uma boa estrutura não conseguem parar em pé” (HORIUCHI.ciclo de vida do desenvolvimento de produto e planejamento do produto dentro de uma empresa.2000) Utilizou-se o software WinQFD.0. Os brasileiros foram mais beneficiados na aprendizagem do origami pela grande contribuição trazida pelos imigrantes japoneses. e também à vinda. O processo de fabricação do papel permaneceu em segredo até que a China invadiu a Coréia. 1990). até mesmo. A palavra vem da língua japonesa em que “ori” significa dobrar e “kami”. Essa influência se mantém viva atualmente através das promoções da Aliança Cultural Brasil-Japão. Com materiais simples e baratos pode-se criar objetos encantadores. os japoneses rapidamente refinaram e estenderam o processo de fabricação do papel até que o material tornou-se parte integrante de seu cotidiano. Segundo Jackson (1994). de 1999. para que o papel possa ficar em pé. trazendo. o que fez com que o conhecimento se espalhasse através da Ásia e Oriente Médio. é um momento mágico do origami. versão 1. Há algumas regras simples na 7° Congresso de Pesquisa & Desenvolvimento em Design . não pode mais ser desfeita.C. balão ou qualquer outro objeto de forma tridimensional. O papel tornou-se e permanece mais importante e mais reverenciado do que jamais foi no Ocidente. e talvez antes. papel. O primeiro encanto do origami é o poder de transformar. para convertê-las em parâmetros técnicos. alcançando a Europa por volta de 1150. certamente durante o século II d. que gratifica quem faz e quem vê. A dobra deve ser feita com responsabilidade. A seguir tem-se: Histórico A arte das dobraduras começou com a invenção do papel. Assim também é na vida. pois uma vez feita. o origami traz em sua essência uma grande filosofia de vida. durante o Império. “No origami a primeira dobra deve ser muito bem feita. Filosofia Transformar uma simples folha de papel numa flor. porém nenhuma dobradura sobreviveu desses tempos. No Brasil. os primeiros chegaram ao país em 1908. a introdução da arte da dobradura devese aos colonizadores portugueses.. Origami Origami é a arte japonesa ou processo de dobrar papel em formas representativas. especialistas japoneses (ASCHENBACH. em 610 d. e depois o Japão. animal. principalmente nos estados de São Paulo e Paraná.C. que regularmente realiza cursos de origami. 1995). Mas além da beleza do trabalho. (BAXTER. (CHENG) O QFD parte das necessidades do consumidor.

vender e transportar o produto acabado até os pontos de venda e utilização. proteger. Existem dois tipos básicos de embalagens: de consumo. durante e após o uso do produto não agredindo o meio ambiente. origami arquitetônico. c) proporcionar opções racionais de tamanhos variados. d) valores e conceitos irreais. Há alguns modelos que. O que não deve acontecer: a) mensagens não identificáveis e/ou não inteligíveis. composto de várias peças que quando encaixadas formam uma forma. • a forma do modelo deve ser facilmente reconhecida sem necessidade de colorir ou acrescentar marcações especiais. Tipos O tradicional. armazenamento e comercialização. Porém. O presente projeto trata da embalagem de consumo. f) persuadir e cativar o consumidor no ponto de venda. e a de transporte. seja de animal ou objeto. kirigami. ficam com uma aparência tão perfeita que os fins justificam os meios. e) economia e correta adaptação aos processos produtivos e comerciais. c) falsas utilizações do produto ou serviço. que mantém o contato com o consumidor. origami modular. comercialização e na utilização pelos usuários. d) otimizar o armazenamento durante a industrialização. Suas principais funções básicas: a) proteção durante embalagem. g) observar aspectos ecológicos antes. agregar valores. feito com uma folha. sem a ajuda de tesoura ou cola. b) mensagens sobre falsas qualidades ou qualidades inexistentes. buscando uma forma conhecida. equipamentos e mão-de-obra utilizada com a finalidade de acondicionar. materiais. A embalagem deve conter a mensagem do fabricante dos produtos que contêm. com um pequeno corte de tesoura. como em todas as regras. geralmente geométrica. e) ausência de informações básicas. facilitar o uso. que usa de cortes para formar desenhos. onde aparecem os cartões tridimensionais. b) facilitar a utilização parcelada e/ou descontínua dos produtos. Embalagem De uma forma mais ampla podemos dizer que a embalagem é um conjunto de operações/processos. há exceções. que protege as embalagens de consumo. entre outros. 7° Congresso de Pesquisa & Desenvolvimento em Design . transporte.arte do origami: • o modelo de papel deve ser executado unicamente através de dobragem. informar. atendendo às necessidades dos consumidores e/ou clientes a um custo adequado.

2005). Para isso. p. como a aparência. vidro. como a incineração. considerar seu ciclo de vida) e armazenagem. Para tanto. Apresenta baixo custo. higiene. 2003). dos recursos além dos processos de transformação para a sucessiva produção. montagem. transporte dos recursos. funcionalidade. buscando. 1998. • Descarte: apresenta algumas possibilidades. reparos ou substituição de partes defasadas. também. O mercado entende como bom design todos os aspectos relacionados à performance das embalagens desde a produção até o cliente final. respeitando o meio ambiente e preservando os recursos. A eqüidade entre gerações está no centro do desenvolvimento humano sustentável (PNUD. toda a ação produtiva deve ser realizada de maneira consciente. possibilitando assim a recuperação do equilíbrio ambiental.37). segundo MANZINI. O papel é um dos mais econômicos e versáteis materiais de embalagem. para que sejam consideradas as possíveis implicações ambientais. O designer. deve-se gerir de maneira coordenada todos os instrumentos disponíveis como: produtos. Sustentabilidade A sustentabilidade é definida como a expansão das escolhas e das oportunidades da geração presente. VEZZOLI (2002. manutenção. assim. econômico e social. como exemplos. reciclagem ou a re-fabricação 7° Congresso de Pesquisa & Desenvolvimento em Design . etc. Propor o desenvolvimento do design para a sustentabilidade. baixo peso e facilidade de processamento o que faz que seja amplamente usado neste setor (BANZATO. o material escolhido foi o papel.f) informações que não interessam aos consumidores. 2002): • Pré-produção: aquisição. serviços e comunicações. mas sem desconsiderar aquelas das gerações futuras. desmontagem. • Uso do produto: fase onde se considera todo o consumo necessário para seu funcionamento. segurança. Uma vez que o produto a ser desenvolvido usa o conceito do origami. VEZZOLI. acabamento. plástico. • Produção: existem três momentos fundamentais na produção dos produtos: transformação dos materiais. a) “Life Cycle Design”: tem como objetivo reduzir a carga ambiental associada a todo ciclo de vida de um produto. conservação. Vários são os materiais utilizados na confecção de embalagem. embalagem (deve-se. minimizar todos os efeitos negativos possíveis. As fases são as seguintes.23) significa promover a capacidade do sistema produtivo de responder à procura social de bem-estar utilizando uma quantidade de recursos ambientais drasticamente inferiores aos níveis atuais. p. MOURA. • Distribuição: transporte. formato. leveza. como papel. acompanhadas dos momentos fundamentais que caracterizam cada uma (MANZINI. facilidade de manuseio e de transporte (MESTRINER. ao desenvolver produtos deve preocupar-se com todas as fases do projeto. metal.

expor a marca. trazendo aos brasileiros um aspecto muito significativo da cultura oriental. resgata um pouco da cultura brasileira apresentando lendas e mitos do folclore nacional. consegue-se otimizar o uso da folha base. mudanças na sua forma. Dia das Mães. sob a visão de MANZINI. porta-cartão. os processos e as fontes energéticas de maior ecocompatibilidade. Permite. elimina-se o uso de adesivos. apresenta a surpresa de um presente. E foi adaptando essa arte artesanal. Resultado: Linha de Embalagens Ori Utilizando como fonte de pesquisa o origami. para o processo industrial. conseguindo com que não seja descartada logo após o consumo de seu conteúdo. porta-canetas. A linha. reduzindo o desperdício e. porta-recados e calendário. VEZZOLI (2002. desenvolveu-se uma linha de embalagens presenteáveis para chocolates. são apresentadas estratégias para integrar os requisitos ambientais no desenvolvimento de produtos. Agrega. é composta por embalagens para algumas das principais datas comemorativas: Natal. Apresenta também um modelo para o intervalo entre essas comemorações. e que permite várias transformações utilizando a mesma faca em seu processo de produção. • Extensão da vida dos materiais: projetar em função da valorização (reaplicação) dos materiais descartados. que estará sempre disponível para presentear nas diversas ocasiões. e através da progamação visual. têm-se as caixas e seus respectivos produtos: 7° Congresso de Pesquisa & Desenvolvimento em Design . 105 e 106): • Minimização dos recursos: reduzir o uso de materiais e de energia.e reuso (parcial ou total) b) Estratégias do “Life Cycle Design”: a seguir. a arte das dobraduras japonesas. que transforma a simples folha de papel. Dia dos Namorados e Dia dos Pais. • Escolha de recursos e processos de baixo impacto ambiental: selecionar os materiais. p. inicialmente. ainda. • Otimização da vida dos produtos: projetar artefato que perdurem. que se obteve essa embalagem com fechamento e abertura diferente. através das dobras e encaixes. em fantásticos objetos tridimensionais. pois possibilita transformá-la em seis produtos diferentes: porta-retrato. a arte de dobradura japonesa. porta-jóias. valores culturais. assim como o próprio origami. que só é descoberta ao abrí-la. Páscoa. tendo como principal característica sua valorização como produto. ainda. A seguir. Sendo uma folha quadrada e utilizando conceitos do origami. • Facilidade de desmontagem: projetar em função da facilidade de separação das partes e dos materiais. facilitar o transporte. Além de proteger seu conteúdo.

Caixa básica Tema: Mula-sem-cabeça Produto: porta-retrato Caixa para a páscoa Tema: Curupira Produto: porta-canetas Caixa para o Dia das Mães Tema: Iara Produto: porta-jóias Caixa para o Dia dos Namorados Tema: Vitória-régia Produto: porta-recados 7° Congresso de Pesquisa & Desenvolvimento em Design .

na forma e no grafismo. Pode-se constatar. ELIAS. foi o fator que possibilitou que se desenvolvesse um produto tão versátil. surpreende por permitir ao usuário descobrir um aspecto não esperado. Z. São Paulo: Paulinas. Utilizar o conceito permitiu que se desenvolvesse uma embalagem que usa apenas de uma chapa quadrada. como um origami..Caixa para o Dia dos Pais Tema: Boto Produto: porta-cartão Caixa para o Natal Tema: Saci-pererê Produto: calendário Conclusão A arte do origami aplicada ao desenvolvimento da embalagem. 1990 AYTÜRE-SCHEELE. que este é um campo amplo possibilitando estudos para outros produtos. A Arte-Magia das Dobraduras: histórias e atividades pedagógicas com origami. M. São Paulo: Edições siciliano. I. O conceito de aproveitamento da embalagem como produto foi muito bem aceito.. Referências ASCHENBACH. em um produto que se desdobra e dobra em outro tão diferente. e é essa que proporciona toda a transformação do produto. M. Dobraduras Divertidas: origami em cores. L. 2005 7° Congresso de Pesquisa & Desenvolvimento em Design . ainda. 13 Lendas Brasileiras.O produto. São Paulo: Editora Scipione.. mostrando a real preocupação com a sustentabilidade atualmente. FAZENDA. 1991 BAG.

L. Embalagem.org. São Paulo: Aliança Cultural Brasil-Japão.. SÁ. 2000. Köln: Benedikt Taschen. Projeto de Produto: Guia prático para o design de novos produtos.. 2002 MESTRINER. VEZZOLI. Origami: arte japonesa em dobras de papel. F. IMAMURA. Carlo. ABRE . 2003 PNUD / IPEA / FJP / IBGE. M. D. BAXTER.Associação Brasileira de Embalagens. R. OLIVEIRA. D. F. L. 4 ª edição. Desenvolvimento Humano e Condições de Vida: Indicadores Brasileiros. São Paulo: Edusp Editora da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia. Mike.abre. MOURA.A. 2ª edição. 2ª edição. 2003 BASTA. Brasília: PNUD. 2ª edição. último acesso em 15/06/2005 7° Congresso de Pesquisa & Desenvolvimento em Design .BANZATO. Lin Chih. Curitiba: Champagnat. CHENG. Design de Embalagens: curso básico.. 1995 KANEGAE. Design de Embalagens: curso avançado. J. QFD em Desenvolvimento de Produto: Características metodológicas e um guia para intervenção.A. Ezio. 2003. 1987 ______. Tradução: Astrid de Carvalho. São Paulo: Editora Edgard Blücher. 2004 MESTRINER. MARCHESINI. J. São Paulo: Makron Books. Rio de Janeiro: Editora FGV. F. 2ª edição. 3ª edição.. Origami: arte e técnica da dobradura de papel. 1998 SÁ. Fundamentos de marketing.M. J.C. 1993 PEREIRA. P. 2005 Package Design in Japan. 1989 MANZINI. Rio de Janeiro: 2AB Editora Ltda. Tradução: Itiro Iida. Rio de Janeiro: Ediouro. Planejamento de embalagens de papel. Origami em Calendário. K. Universidade Federal de Minas Gerais HORIUCHI.br. Unitização e Conteinerização. São Paulo: Makron Books. São Paulo: Instituto IMAM. Disponível em http://www. O Desenvolvimento de Produtos Sustentáveis.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->