P. 1
Teoria da Ação - Conceito de Conduta (Resumo Nucci) - 20.08

Teoria da Ação - Conceito de Conduta (Resumo Nucci) - 20.08

|Views: 1.219|Likes:
Publicado porDaniel Cortez

More info:

Published by: Daniel Cortez on Nov 17, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/16/2013

pdf

text

original

CONCEITO DE CONDUTA PENALMENTE RELEVANTE

(Nucci, Carlos Guilherme; Manual de Direito Penal, Pág. 204)

1) Conceito Genérico de Conduta Genericamente, podemos utilizar-nos de uma definição etimológica segundo a qual conduta abarca todas as manifestações de comportamento humano guiadas por algo que está fora das mesmas, ou seja, a mente humana. Assim, trata-se de um conceito dualístico, envolvendo a dicotomia Corpo-Mente.

2) Conceitos Jurídicos de Conduta No prisma jurídico, o conceito de conduta adquire diferentes pontos de vista: 2.1- Conceito Finalista de Conduta (Teoria Finalista) “Conduta é a ação ou omissão, voluntária e consciente, implicando em um comando de movimentação ou inércia do corpo humano, voltado para uma finalidade.” Nesse prisma, ação e omissão são espécies do gênero conduta.

AÇÃO CONDUTA OMISSÃO Sob esse prisma, toda conduta está regida pela vontade humana e orientada e consecução de um fim. Vale ressaltar, que há finalistas que não concordam com a analise conjunta de ação e omissão, preferindo analisa-las separadamente. Contudo, é uma corrente minoritária e facilmente questionável. Em ambos os casos, ação e omissão, os comportamentos são frutos da vontade humana voltado a uma finalidade, e esses sim são os pontos de importância prática para o direito penal. 2.2- Conceito Causalista de Conduta (Teoria Clássica) “Conduta é a ação ou omissão voluntária e consciente que determina movimentos corpóreos.”

ou seja. sofreu inúmeras críticas e não encontrou muitos adeptos no Brasil. Assim. 2.TEORIA PERSONALISTA DA AÇÃO “Conduta é a ação ou omissão voluntária e consciente capaz de evidenciar uma autentica manifestação da personalidade . . uma conduta será criminosa se o movimento que originou o fato ou a ausência de ação que originou o fato seja praticada. ou seja. pretendem afastar as teorias causal e finalística de conduta. de modo que considera a conduta como “comportamento voluntário e consciente socialmente relevante.” Nesse diapasão. explicitar a esfera anímico-espiritual do ser humano. Desse modo.4.4. não significa que a finalidade não esteja presente no conceito de crime. Devido ao significado da expressão socialmente relevante ser muito abstrato. por que entendem que ambas se baseiam em critérios não jurídicos.Ou seja. Do mesmo modo. da vontade humana orientada para a obtenção de um fim.3. será caracterizada na culpabilidade. Isso porém.” (Definição de Jakobs) Ambas as teorias se assemelham.TEORIA DA EVITABILIDADE INDIVIDUAL “Conduta é uma ação voluntária e consciente capaz de evitar um resultado.Conceito Social de Conduta Tem por finalidade servir de ponte entre o Finalismo e o Causalismo. o que tem mais importância para a caracterização de uma conduta como penalmente relevante é a seu significado social. O funcionalismo intitula-se um aperfeiçoamento do finalismo.1. essa visão não leva em conta o elemento da finalidade. desde que lhe seja juridicamente exigível que assim o faça.4. A questão da finalidade. um indivíduo pode cometer uma conduta criminosa sem ser considerado um criminoso. ou seja. uma evolução da Teoria Finalista. a ação e a omissão são consideradas espécies do gênero conduta. é analisada junto com a culpabilidade.2.Conceito Funcional de Conduta Engloba duas teorias: 2. contudo. 2. pois se baseiam em critérios normativos. Assim. inadequados.” (Definição de Roxin) 2.

infere-se que não há consciência nos casos de sonambulismo (doença de quem fala ou age durante o sono. Por Consciência entende-se a possibilidade que o ser humano tem de separar o mundo que os cerca dos próprios atos. Importante diferenciar movimentos reflexos de ações semiautomáticas. o permite continuar tendo movimentos e relações com o meio ambiente). depreende-se que não há voluntariedade em: a) Movimentos obtidos por coação física irresistível ou força maior irresistível. em que não há consciência atuante. é indispensável que a conduta apresente a vontade humana e a consciência ao realizar a ação. penalmente relevantes. b) Movimento Reflexos. ainda que prejudique terceiros. nesses casos. que são controláveis e. não se pode enquadrar o comportamento humano como conduta penalmente relevante. portanto. um sono patológico) e narcolepsia (doença que provoca acessos repentinos de sono. Ou seja. . Assim. ou seja. significa ter noção clara da diferença existente entre realidade e ficção. visto não haver consciência ou vontade. contudo. pois é um estado semelhante ao sono. c) Movimentos resultantes da hipnose. Por esse conceito. transmitindo o enfermo a um estado de irrealidade que. apto a desencadear movimentos corpóreos tendentes à realização de seus propósitos. que são as reações motoras involuntárias (ex: tosse. espirro).3) Binômio Vontade e Consciência Percebe-se que em todas as teorias há um elemento comum. Desse modo. realizando um julgamento moral das suas atitudes. Por Vontade entende-se o querer ativo do ser humano.

-@I-@ %-nn .-D@9-.

f°f  9 °f 9h– %  % .f¾ ¯ .

°n  °xn .

° f   ° nf¯ ° ½ ¯¾f °¾ ¯f €°sj ¯–nf¾ –° ff n° ff fnf f¾f¾¯f°€ ¾fsµ ¾ n¯½f¯ °¯f°–f f¾½f–   ¾h€f f¾¯ ¾¯f¾ ¾ ©f f¯ ° ¯f°f ¾¾¯ ff ¾  ¯n°n  f¾n  ° ° f n¯f.

°   % .½ .

°n ¾ n¾ .

° f  -½¾¯f© n n°n  n° ff   €  ° ¾½°¾ ¾f     .

°n °f¾f .

° f%@ f°f¾f%   #.

° fxffsj¯¾¾j °hf n°¾n ° ¯½nf°  ¯¯ n¯f°  ¯¯ °fsj°xnf n½¯f° f ½ff¯f €°f f #  - ¾¾ ½¾¯f fsj ¯¾¾j¾j ¾½xn ¾ –y° n° f           .

-D@       .     ¾¾ ½¾¯f  fn° f ¾h – f½ f°f ¯f°f  °f f  n°¾ nsj ¯€¯   If  ¾¾ff  h€°f¾f¾ °jn°n f¯n¯ff°f¾ n°©°f  fsj ¯¾¾j ½ € ° f°f¾f f¾¾ ½ff f¯ ° .

°  x¯fn °  ¯°hf €fn¯ °  ¾°h  ¯f¯ ¾¾nf¾¾ fsj ¯¾¾j ¾ n¯½f¯ °¾¾j€¾ f°f ¯f°ff f¯f€°f f   ¾¾ ¾¾¯ ¾j¾½°¾ ¯½i°nf½hnf½ff  ½ °f     .

°n .

f¾f¾f .

° f%@ f.

h¾¾nf%   #.

° fxffsj¯¾¾j°hf n°¾n °    ¯°f ¯¯ °¾n½ ¾ # .

 ¾ ©f  ¾¾f¾j°j f ¯n°f  ¯ ° f€°f f ¾¾½x¯  °j¾–°€nf f€°f f °j ¾ ©f½ ¾ ° °n°n  n¯ n°  x f°f¾f f©°n¯fn½f  f  ¾¾ ¯  ¯fn° f¾ hn¯°¾f¾  ¯¯ ° –°€fff¾y°nf fsj –°€f¾ ©f ½fnf f  ¾j f€°f f ¾ ©f  f°f ¯f°f °f f½fff   °sj ¯€¯ ¾ hnffn f f°fn½f  f ¾¾¯ ¯°  ½  n¯  ¯fn° fn¯°¾f¾ ¯¾ n°¾ f ¯n¯°¾   ¯ ¾¯¯  ffsj f¯¾¾j¾jn°¾ f f¾ ¾½xn ¾ –y°  n° f     .

°n nf .

° f   @ ¯½€°f f ¾  ½°  ° °f¾¯ .

f¾f¾¯  ¯   n°¾ ffn° fn¯#n¯½f¯ °°h n°¾n ° ¾nf¯ °    f° #- ¾¾  f½f¾j   ¯¯f¾¯½i°nf½fffnffn fsj ¯f n° fn¯½ °f¯ °   f° xf¾ ¾–°€nf ¾nf     f¾–°€nf  f ½ ¾¾j¾nf¯ °   f° ¾ ¯f ¾f  ¾€ °¯ f¾nnf¾ °j °n°¯¾f ½¾° f¾     .

°n °n°f .

° f   °– f f¾ f¾        @9-@    #.

° fxffsj¯¾¾j°hf n°¾n ° nf½f   °nf¯ff °nf¯f°€ ¾fsj f½ ¾°f f   ¾ ©f  ½nff ¾€ ff°¯n ¾½f ¾ ¯f° # % €°sj °%       @I@ -ID    #.

° fx¯ffsj°hf n°¾n ° nf½f  f ¯ ¾f   ¾   ¾ ©f© nf¯ °  –   f¾¾¯€fsf #% €°sj f ¾%  ¯ f¾f¾ f¾¾ f¾¾ ¯ f¯ ½¾¾  f¾ f¯ ¯nx¾°¯f¾  ¾¾¯ ½  ° ¯f€f¾ff¾ f¾nf¾f €°f¾nf n° f ½  ° ° ¯  f¯ f¾¾  f¾ f¯ ¯nx¾°j© n¾ °f f ¾  €°n°f¾¯°f ¾ ¯f½ € sf¯ ° €°f¾¯ ¾ ©f ¯f sj f@ f°f¾f   .

% °´¯I°f  .

¯ ° € ¾  ¾jf¾ fsµ ¾¯f¾°°hf¾%  ¾¾  ¾½%  ¯½f°  €  °nf¯¯ °¾ € ¾ fsµ ¾¾ ¯f¯hnf¾  ¾j n°h ¾ ½f° ½ °f¯ °   f° ¾  n% .°¾ny°nf  9 n ¾   ¯ f¾f¾ f¾h¯  ¯ °n¯¯ ¾ ©f x° ¾½ °¾h   fn° ff½ ¾ ° f°f ¯f°f fn°¾ny°nff ffffsj  9I°f  ° ° ¾   f ¾ ¯f° f½f ¾ °nf f¯¯ °¾ n½ ¾ ° ° ¾g ffsj ¾ ¾½½¾¾ 9 ¾¾ n°n   ½ ° ¾  °j h°f f  ¯  f% .¯ °¾  ¾½nfsj€¾nf ¾¾ €sf¯f ¾¾   % .¯ °¾ ¾f° ¾ f½°¾ ½¾x¯ ¾f ¾ ¯ f° f¾°  ¯  °jhn°¾ny°nfff°  9.

°¾ny°nf ° ° ¾ f½¾¾  f  ¾ ¯f° ¯ ¾ ½ff¯°   ¾n nf ¾½½¾f¾  ff° ¯©–f¯ °¯f f¾¾f¾f ¾ ¾ ©f  ¾–°€nf °sjnff f €  °sf ¾ °  °  f f  €nsj   ¾¾ ¯  °€  ¾  °jhn°¾ny°nf°¾nf¾¾ ¾°f¯ ¾¯%  °sf   ¯€fff–  f° ¾° ¯¾°½f–n% °fn ½¾f%  °sf ½nf fn ¾¾¾ ½ °°¾ ¾° f°¾¯°  °€ ¯f¯ ¾f   f f  n°   ½ ¯ n°°f ° ¯¯ °¾  fsµ ¾n¯¯ f¯  ° %  ¾¾¯ ° ¾¾ ¾nf¾¾ f° f ½ ©   n ¾ °j¾ ½  °f fn¯½f¯ ° ¯f°n¯n° f½ °f¯ °   f° ¾°jf n°¾ny°nf°f  .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->