Resumo:Prazo de prescrição para cobrança de FGTS E INSS?

- Todo trabalhador tem direito de sacar o dinheiro referente a sua conta quando é demitido sem justa causa, aposenta-se, quer comprar uma casa ou apartamento ou em caso de doença grave, como câncer e Aids; - Tem que ser controlado pela CLT, ele é ? - Sumula 206 do TST; - Caso tenha sido descontado, possui comprovantes? FGTS: - Caso o patrão interrompa o recolhimento antes do término do contrato de trabalho, vai se tornar inadimplente perante o FGTS. Assim, o empregado poderá pedir esses recolhimentos na Justiça do Trabalho. O FGTS é pago pelo patrão, o trabalhador não pode pagar por conta própria; - O direito de reclamar o recolhimento de FGTS prescreve em dois anos, contados da data da extinção do contrato de trabalho, podendo o empregado buscar os depósitos que deveriam ter sido feitos nos 30 anos anteriores, de acordo com o Enunciado nº 95, do TST, não havendo falar em prescrição qüinqüenal. (TRT 19ª R. – RO 01222.2000.003.19.00.3 – Rel. Juiz João Batista – J. 10.01.2002) - No entender de inúmeros juristas e juízes, a prescrição do prazo para reclamar o pagamento do FGTS foi consagrada em trinta anos.A discussão agora está entre o TST e o STJ: o TST afirma no Enunciado 362 “que é trintenária a prescrição do direito de reclamar contra o não-recolhimento para o FGTS, observado o prazo de dois anos após o término do contrato de trabalho”. O STJ, por sua vez determinou, através da Súmula 210, “que a ação de cobrança das contribuições para o FGTS prescreve em trinta anos.” - O artigo 144 da Lei Orgânica da Previdência Social (Lei n. 3.087, de 26 de agosto de 1960), por sua vez diz: “O direito de receber ou cobrar as importâncias que lhes sejam devidas, prescreverá, para as instituições de previdência social, em trinta anos”. Assim, como a lei que criou o FGTS (Lei 5.107/66) revogada com o advento da nova lei do Fundo, nos artigos 19 e 20, conferia os mesmos privilégios das contribuições devidas à Previdência Social ao Fundo de Garantia, conforme vemos no art.144, bem como na súmula 210, do STJ, o FGTS deverá ter a prescrição trintenária, pela lógica e amparado na lei. - FGTS. PRESCRIÇÃO TRINTENÁRIA. A prescrição trintenária, mencionada no art. 23, §5o, da Lei 8.036/90, refere-se à pretensão de cobrança dos depósitos de fundo de garantia não realizados sobre verbas remuneratórias regularmente pagas ao obreiro. Por sua vez, quanto aos depósitos relativos às verbas não quitadas na duração do contrato de trabalho, a prescrição aplicável é a quinquenal (art. 7o, XXIX, da CF), vez que a prescrição da pretensão ao valor principal também atinge as parcelas que dependem diretamente dele. (TRT/SP - 02057200506902006 - RO - Ac. 12aT 20090286388 - Rel. Benedito Valentini - DOE 15/05/2009) - A Constituição Federal fixa em dois anos o direito de pleitear a reparação de qualquer ato infringente de dispositivo nela contida (CF art.7º,XXII)

- Em síntese, possui divergência, entre 30 e 2 anos; - Telefone de duvidas do FGTS – 0800-7260101. INSS: - Aplica-se o prazo de 5 + 5 anos, ou seja, o tributo tem prazo de 5 anos para seu lançamento (o que ao meu ver ocorreu com a homologação do acordo na JT) e mais 05 anos para cobrar judicialmente o tributo; - O Estado tem 30 dias para fazer o lançamento do débito e o prazo prescricional de 5 anos para cobrálo. Se houve o lançamento após trinta dias cabe recurso e se não houve cobrança também; - STF decidiu que o INSS só pode cobrar dívida até 5 anos.

.

. e segundo noticias desta semana. Com a Constituição de 1988 as contribuições passaram a ser consideradas tributos. e neste caso não entendo haver prescrição uma vez que na justiça trabalhista a prescrição é trintenária tanto para os casos previdenciários como fundiários. De forma que passados mais de dois anos da saída da empresa não cabe ação alguma nem previdenciária. ENTÃO ELA PODE COBRAR DO SEU EX-EMPREGADOR? EXISTE PRESCRIÇÃO? A resposta é no sentido de não poder cobrar de seu ex-empregador por ter havido rescisão de contrato de trabalho há mais de dois anos. Mas foi este prazo há pouco menos de um mes considerado inconstitucional pelo STF que fez sumula vinculante. Mesmo que se considere que até hoje está válido o prazo trintenário da lei 3807 a prescrição bienal já operou para ela. 144 da lei 3807. EXISTE PRESCRIÇÃO PARA COBRAR DO EMPREGADOR QUE RECOLHA OU PAGUE AS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS NÃO REALIZADAS DURANTE O CONTRATO DE TRABALHO? A EMPREGADA TRABALHOU DURANTE 15 ANOS ( 1990A 2005) E AO SER DEMITIDA VERIFICOU NO EXTRATO QUE SOMENTE HAVIAM UMAS 12 CONTRIBUIÇÕES. Por enquanto a única lei complementar considerada sobre prescrição e decadencia tributária é o CTN que fala em 5 anos.. ocorrendo assim a prescrição. E quem gozava deste prazo eram as instituições de previdência social (a última o INSS) e não segurados ou trabalhadores. E foi feita a lei 8212 que baixou o prazo para 10 anos. o STJ está para publicar uma Súmula estabelecendo como prazo prescricional 5 (cinco) anos. a empregada poderá ingressar judicialmente para que o empregador comprove o efetivo recolhimento das contribuições previdenciárias. ausência de comprovação de recolhimentos previdenciários. Porém cabe salientar que no caso em tela. NOS SEUS POUCOS CONTRA-CHEQUES QUE ENCONTROU NÃO TEM DESCONTO A TITULO DE INSS. Já houve diversas discussões sobre o tema em Direito do Trabalho. Infelizmente mesmo no caso de FGTS a jurisprudencia dominante do TST vem entendendo que após 2 anos do término do contrato de trabalho ocorre a prescrição trabalhista na forma do que prevê a Constituição. -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------A cobrança das contribuições não pagas é de responsabilidade do órgão previdenciário. Se negado por faltar contribuição aí cabe entrar na Justiça contra o INSS para que este conceda o benefício. Há uma discussão sobre se a lei 3807 teria sido recepcionada como lei complementar sobre prazo decadencial e prescricional tributário. Mas isto é duvidoso.. Então só resta a ela esperar completar tempo de contribuição para aposentadoria e tentar provar este tempo ao INSS. ou seja o INSS tem prazo de cinco anos para cobrar do empregador eventuais recolhimentos em atraso. Quanto ao prazo de trinta anos para acões previdenciárias era previsto no art.

é sabido que. É fato que com a emenda 45 foi ampliada a competência da Justiça do Trabalho para permitir que o trabalhador possa promover a execução na Justiça do Trabalho. Inclusive em recurso. Note que por enquanto nem foi feito pedido ao INSS. 3/2005. genero e grau. Ressalto ainda que recentemente o STJ declarou a inconstitucionalidade da prescrição previdenciaria de 10 anos. bem como. INSS. considerando-se que sua CTPS esteja com todas suas anotações em ordem. Quanto a execução de contribuições previdenciárias nota-se que nenhuma lei permite que o trabalhador promova a execução. considerado-se o disposto na Súmula 206 do TST Mas quanto ao caso dos recolhimentos previdenciários. não reteve consequentemente não recolheu. e pacificando a jurisprudencia. Ministério Público. o que está sendo discutido é se ela pode executar as contribuições previdenciárias não pagas. fato que argui tendo em conta acreditar que nenhum empregador assumiria o risco de se obrigar a recolher o que não foi descontado. "em alguns recibos de pagamento não constavam os decontos previdenciários". reduzindo para 5 anos. ou seja. o empregador pretenderia se abster de responder pelo crime de apropriação indébita. neste caso. É a primeira coisa que deveria ser feita.Lembro ainda que em sede trabalhista a prescrição não se dá de oficio. visto que. O restante é secundário. Neste ponto vale o estatuído na Constituição e os cinco anos não podem mais ser reclamados quando passados mais de dois anos após a rescisão do contrato de trabalho. O trabalhador tem de se preocupar em provar o vínculo e o valor dos salários. etc para que sejam promovidos os procedimentos para execução das importancias devidas.ilustre coleta tem razão sobre a prscrição bienal. Mas o trabalhador não goza do mesmo prazo do governo para execução. Isto para os órgãos da previdencia social e não para os empregados. Mas endossar a tese principal de execução direta pelo trabalhador no caso é dar falsas esperanças e fazer este se concentrar em algo que não garante o seu direito e não tem a utilidade que se pretende. Fora isto é representar para a Receita. Quanto ao último parágrafo concordo em número. conforme estabelecido a Instrução Normativa n. Observo ainda que o mero fato de não reter não o exime de pagar as importancias correspondentes ao empregado. regulamentando as contribuição previdenciárias. especialmente no que tange as parcelas fundiárias. Entretanto. Ao contrário da lei 8036 do FGTS que tem dispositivo que o prevê. Então o caso é de legitimidade ativa para propor a execução. Jamais ela poderia intentar tal procedimento. especialmente . entendo que a pretensão da reclamante será unica e exclusivamente comprovar tais recolhimentos. segundo a hipótese ventilada pela consulente. Seria contar demais com a sorte. a empregada não poderá ser prejudicada pelo evento do não recolhimento das verbas previdenciárias. Quanto a não ser pronunciada de ofício a prescrição dificilmente o empregador deixará de alegá-la. Concordo com sua posição em relação à execução da empresa pela trabalhadora no que tange as contribuições previdenciárias. O INSS não pode deixar de conceder o benefício.

PESCRIÇÃO INTERCORRENTE NA EXECUÇÃO FISCAL. pertencem ao patrimonio da previdencia social. 45 e 46 da lei 8212. LEI 6. Este tipo de extrato é emitido para contribuintes autonomos. que não é do meu conhecimento que os órgãos previdenciários emitam tais extratos demonstrando o quantum recolhido por cada empregado. Desde o início. Mas. tais como a questão dos extratos. A lei 8212. de 1960. algumas informações estavam truncadas. existem casos que não versam sobre valores e sim sobre situações próprias. De forma que não estando revogada ainda valeria o prazo de 30 anos. de 1960. E todo o Judiciário e a administração são obrigados a seguir esta súmula. PRAZO: 05 ANOS A CONTAR DA DATA DO ARQUIVAMENTO (ART. A Constituição de 1988 colocou as contribuições previdenciárias como tributos. Não se poderia cobrar 30 anos retroativos. A SV 8 não entrou neste detalhe. é a exigencia de que o empregador comprove judicialmente os recolhimentos previdenciários. de forma a oferecer garantias por meio de uma decisão judicial. Na Constituição de 1967 o art. 144 da lei 3807. com inscrição própria. Mas por esta Constituição as contribuições previdenciárias não eram considerados tributos não se sujeitando a disposições da lei 5172 de 1966 (conhecida como Código Tributário Nacional ou CTN). Os art. Sempre foram contestados estes prazos pelo fato de a doutrina e a jurisprudencia entenderem que deveria ser aplicado o art. a qual é competência do . jamais poderia ser revogada pela lei 8212 ordinária. do STF. saldo a hipótese de ausencia de registro. principalmente as verbas retidas. Abraços. o que vale é o prazo de 5 anos. É ordinária. portanto. Mas na improvável hipótese de isto ocorrer por certo a decisão só terá validade para fatos geradores após esta. Logo. e as verbas inerentes às contribuições previdenciárias não podem figurar no patrimonio da empregada. o que se tem é uma execução fiscal. Outro fato que também me causou dúvida é sua declaração de que nos contra-cheques não constavam descontos para o INSS.porque seria ilegítima para figurar no polo ativo. falava em prazo de 30 anos. Nos presentes autos. A lei 8212 não é complementar. 173 e 174 do CTN que falam em prazo de 5 anos. mas não impossível. 40. revogou a lei 3807 inclusive seu art. Observo que nem sempre no judiciário trabalhista as discussões envolvem valores a receber. 144 que tratava do prazo de 30 anos. O CTN é considerado lei complementar. Não acredito que um empregador remunere seus empregados sem consignar os descontos tabelares para o INSS. Se algum dia (acho quase impossível isto ocorrer) o Judiciário decidir que são 30 anos serão 30. por enquanto. de 1991. seria materialmente complementar como o CTN e constitucional o prazo de 30 anos. A Constituição exige lei complementar para normas gerais sobre decadencia e prescrição tributária. propus um procedimento que não é comum na seara trabalhista. Há um entendimento minoritário de que a lei 3807. Tal procedimento possibilitaria inclusive responsabilizar o empregador pelos efetivos recolhimentos não comprovados. aplica-se a contribuições previdenciárias o prazo de 5 anos após a súmula vinculante 8. 45 e 46 da lei 8212 estatuíram prazos decadencial e prescricional de 10 anos. que neste caso não ocorre a prescrição. E.830/80). No ano passado o STF decidiu que são inconstitucionais os art. Lembro ainda que pelas dúvidas da consulente. Fez súmula vinculante para tal.

DOE 24/03/2009) Diferenças de complementação de aposentadoria. (TRT/SP 00388200606302004 . conforme art. 40. A decisão agravada está em sintonia com a Súmula 314 do STJ: "Em execução fiscal. extraímos: a) a obrigatoriedade da suspensão da execução por um. Bastam à análise das datas entre o despacho de fls. que dispõe que "o termo inicial do prazo prescricional na ação de indenização. Rejeito. uma vez que a regra do parágrafo 1o do art.Judiciário Trabalhista após o advento da EC 45. 219 do CPC e parágrafo único do art. A reparação de dano moral ou material decorrente de acidente do trabalho ou doença profissional é crédito de natureza trabalhista. TST.DOE 09/06/2009) RECURSO ORDINÁRIO. não localizados bens penhoráveis. Francisco Ferreira Jorge Neto . findo o qual se inicia o prazo da prescrição qüinqüenal intercorrente".01393200646602006 . Sergio José Bueno Junqueira Machado .DOE 11/09/2009) Recurso Ordinário. nesses casos. formalmente.01646200807402005 . 3aT 20090445095 Rel. não afetando o direito de ação.830. STJ. no caput do art. INTERRUPÇÃO DA PRESCRIÇÃO. A contar do arquivamento. 202 do Código Civil.RO . não houve. pode-se afirmar que o prazo de um ano estará sendo observado em uma visão teleológica. a prescrição a ser observada é a qüinqüenal. 15. consoante os termos da Súmula no 327 do C. Vamos inferi-la pelo exame concreto dos autos. o juiz determinará o arquivamento.Ac. 202 do Código Civil) e não da propositura da ação anterior. 13 ea data de fls. Aplicável também a Súmula 278 do C.responsabilidade civil. contudo. b) o prazo máximo é de um ano para a suspensão (cotejamento do parágrafo 1o com o parágrafo 2o). Em outras palavras. Pela interpretação literal do artigo 40. O início da contagem da prescrição bienal para propositura de nova ação com as mesmas partes. Pode-se dizer que. suspende-se o processo por um ano. sem que se tenha a fluência da prescrição (art.Rel. Prescrição . 12aT 20090694206 .TST não se restringem à prescrição bienal. parágrafo 1o).Rel. não correrá o prazo da prescrição. Marcelo Freire Gonçalves . A Lei 6. A interrupção também alcança a prescrição qüinqüenal. a determinação da suspensão. enquanto não houver a localização localizado o devedor ou encontrados bens sobre os quais possa recair a penhora e. 2aT 20090114331 . Entre o arquivamento e a manifestação do exeqüente houve o transcurso de mais de mais de cinco anos. mas fundado na responsabilidade civil. 40. é a data em que o segurado teve ciência . 219 do CPC e inciso I do art. pedido e causa de pedir dá-se a partir da data do arquivamento que é o último ato praticado no processo para a interromper (parágrafo único do art. houve quase o decurso de um ano. d) da decisão que ordenar o arquivamento. (TRT/SP .AP . Os autos foram para o arquivo em 30 de agosto de 2002. 11. O desencadeamento do processo tem o condão de interromper a prescrição em relação aos pedidos que foram formulados na referida ação. c) após o prazo de um ano.RO . A doutrina indica que a melhor técnica de interpretação é a teleológica. o juiz ouvirá a fazenda pública e poderá decretar a prescrição. a fazenda pública há de ser intimada da decretação da suspensão.Ação de indenização por dano moral e material acidente trabalho ou doença profissional . começará o termo inicial para fins da fluência do prazo da prescrição. determina que o juiz suspenderá o curso da execução. tem-se o início da prescrição. simplesmente. e) decorrido o prazo. a manifestação de fls. AÇÃO COM PEDIDOS IDÊNTICOS EXTINTA SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO. (TRT/SP .Ac. consoante o teor do cotejamento dos parágrafo 3o e 4o. 202 do Código Civil e o entendimento consubstanciado na Súmula no 268 do C.Ac.

Considerando que esta ação indenizatória foi ajuizada em 27. como tal. seu contrato encontrava-se suspenso. Objetivando o recebimento de seus haveres trabalhistas. de modo que as correspondentes indenizações estão amparadas no Direito Civil e não na legislação trabalhista. a prescrição desta modalidade de direito. se o fato lesivo foi praticado na vigência da EC 45 de 31.06. Rita Maria Silvestre . AÇÃO INDENIZATÓRIA DECORRENTE DE ACIDENTE DE TRABALHO.DOE 02/10/2009) PRESCRIÇÃO.00-1.2007 como data do término do vínculo empregatício. mas se trata de um dano à personalidade humana.2004. Tal situação implicava na suspensão de quase todos os efeitos do contrato de trabalho. Sendo assim. Ainda que se adotasse entendimento filiativo à corrente que defende a aplicação do prazo prescricional trabalhista. se na data da entrada em vigor do novo Código Civil. I. 205 no Novo Código Civil. b) prescrição de três anos. 9ªT 20090701938 . seu prazo prescricional também deve ser aquele previsto na legislação civil. c) prescrição qüinqüenal do artigo 7º. artigo 206. por exclusão. nem constitui simples reparação civil. Recurso ao qual se dá provimento para afastar a prescrição pronunciada e determinar o retorno dos autos à origem. inclusive na esfera prescricional.23. tem-se que o direito do Obreiro não estaria fulminado pela prescrição qüinqüenal ou bienal trabalhista.12. 476 da CLT. do Código Civil.00662200607002003 . do CC/2002. bem assim que o acidente ocorreu em 29. para os casos em que a ofensa tenha ocorrido na vigência do Código Civil de 2002 ou que a este se submeta por força da regra de transição.2007. durante estes lapsos. havendo que se aplicar à espécie. permaneceu recebendo auxílio previdenciário. não pode ser definida apenas pela competência do Órgão Jurisdicional. conforme estabelece o art. pendendo. até a data do término do vínculo declarada judicialmente. para distribuição da demanda: a)prescrição de 20 anos. assim. parágrafo 3º. Logo. por intermédio da qual obteve pronunciamento judicial que fixou o dia 18. o prazo de prescrição de três anos para o ajuizamento da ação. se o fato lesivo ocorreu na vigência do Código Civil revogado.2004 até a data do ajuizamento da ação. o Reclamante ajuizou a ação 00618. tornando-se incontroverso que tal situação permanecia inalterada no momento em que ocorreu a paralisação das atividades da Reclamada. o que importa concluir que. § 3º. o direito de ação do Reclamante não estaria encoberto pelo manto da prescrição.RO . 199.06. com a particularidade de que o ilícito é perpetrado no curso de um contrato de emprego. inciso V.02. impenderia considerar que o Reclamante alegou que.2004.2004. possibilitando a reabertura da instrução processual. não deve ser nem a trabalhista nem a civil.03. o prazo previsto no art. A indenização por danos decorrentes de acidente de trabalho não é crédito trabalhista.. 206.inequívoca da incapacidade laboral". (TRT/SP . Mesmo para aqueles que defendem a prescrição civil de três anos.Ac.regra de transição. a reclamar. o prazo geral de 10 (dez) anos estabelecido no art. de toda sorte. de 16. não havia transcorrido mais da metade do tempo estabelecido na lei revogada . que tramitou pela egrégia 2ª Vara do Trabalho desta capital.2007. da Constituição Federal. A prescrição é instituto de direito material e. em conformidade com o disposto no art.002. pois restou demonstrado nos autos que o Reclamante teve seu contrato de trabalho suspenso em razão de afastamento para percebimento de benefício previdenciário desde 16. .Rel. pois está jungida à natureza da pretensão de direito material que constitui o objeto da lide. Código atual.04. Portanto. durante o período de recebimento do benefício previdenciário não fluía. inciso XXIX. artigo 2028 . de condição suspensiva.

APOSENTADORIA POROVISÓRIA POR INVALIDEZ. RO . eis que não se trata de parcela devida em razão da extinção do . Recurso Ordinário a que se nega provimento. impõe a condenação do empregador ao pagamento em dobro do salário referente aos períodos não usufruídos. DEDUÇÃO. Dessa forma. SUPENSÃO DO CONTRATO DE TRABALHO. PRECLUSÃO. 198. Desta forma. HERDEIROS MENORES IMPÚBERES. contados da data da lesão. RO . Publicado em: 28/05/08. ACIDENTGE DE TRABALHO. Tratando-se de parcelas de natureza diversa não se há falar em dedução.00-8.23. XXIX. RO . enquanto não alcançada a idade limite da capacidade plena para exercer por si seus próprios direitos. Relator: DESEMBARGADORA MARIA BERENICE) PRESCRIÇÃO. 7º. na forma constitucional.2007. devendo a pessoa. PRESCRIÇÃO QÜINQÜENAL. encontram-se prescritos os direitos exigidos na ação quando o ajuizamento desta se deu após o prazo de cinco anos previsto no art. XXIX da CF/88. ser considerada totalmente ou relativamente incapaz. Havendo menor de dezesseis anos absolutamente incapaz . além. INOCORRÊNCIA. Relator: DESEMBARGADOR LUIZ ALCÂNTARA) PRESCRIÇÃO QÜINQÜENAL. 2ª Turma. em face da prova e de forma mais benéfica à Recorrente. PROVA.00828. Relator: DESEMBARGADOR TARCÍSIO VALENTE) PRESCRIÇÃO BIENAL. da Constituição da República). para tanto.23. HORAS EXTRAS. não corre a prescrição. em período menor que o permitido em lei. não corre qualquer prazo prescricional para o ajuizamento da ação.00710. CONTAGEM. A suspensão do contrato de trabalho em decorrência de o empregado estar recebendo benefício previdenciário não interfere na fluência do prazo prescricional qüinqüenal quanto à pretensão indenizatória em razão de acidente de trabalho. Publicado em: 04/04/08. AUXÍLIO-DOENÇA. o prazo para o exercício da pretensão começa a fluir a partir do momento em que se torna exigível a obrigação ou do conhecimento da lesão do direito.003.2007.00613. valendo registrar. I C/C ART. com o acréscimo de um terço. DO CCB. Os direitos decorrentes do contrato de trabalho e transmissíveis aos herdeiros são apenas aqueles ainda não atingidos pela prescrição qüinqüenal na data do falecimento do empregado (Art. é defeso ao magistrado 'proferir sentença. TODOS DO CC/2002. 1ª Turma. de natureza diversa da pedida. ART. A lei previu as hipóteses de suspensão e interrupção da prescrição em decorrência de problemas de saúde. não se havendo falar em nulidade decorrente de julgamento extra petita. a favor do autor. 2ª Turma. regulando.008.2007. Restando a condenação em salário menor ao pleiteado pelo Autor na inicial. incensurável a decisão que reconhece o direito ao pagamento das horas extras. Pelo princípio da actio nata. INOCORRÊNCIA.inclusive para que seja apreciado o pedido de produção de perícia médica. I.dentre os herdeiros do empregado falecido. (TRT23. IMPOSSIBILIDADE. 460.00-9. Exsurgindo do acervo probatório elementos suficientes à caracterização de jornada extraordinária. bem como condenar o réu em quantidade superior ou em objeto diverso do que lhe foi demandado'. 3º E 4º. (TRT23. (TRT23. a relação com o ex-empregador do de cujus. FÉRIAS. que sequer foi pedida opportuno tempore. PARCELAS DE NATUREZA DIVERSAS.00-8. INDENIZAÇÃO POR DANOS MORIAIS E MATERIAIS. JULGAMENTO EXTRA PETITA. A concessão irregular das férias. já que há pleito que depende da aferição da extensão da perda da capacidade laborativa noticiada pelo Obreiro.051. 7º. do CPC. Publicado em: 23/06/08. 198. ART. Nos termos do art.23. a norma do direito comum.

02. 95.00. inciso XXIX.00.8 – Rel. Relator: DESEMBARGADORA LEILA CALVO) MARCO PRESCRICIONAL – INTERPOSIÇÃO DA ACTIO – O prazo da prescrição qüinqüenal é contado da data do ajuizamento da ação. Publicado em: 30/04/08. tem contra si o manto da prescrição nuclear. pois considera indevidamente como decadencial o lapso do biênio após a rescisão contratual. alínea a".02. somente em 28.02.19. Juiz Antônio Catão – J. – RO 00478.05.2002 – p. nos termos do que orienta o En. ditada pela Constituição da República. como instituto de direito material. 7º. Esse prazo é nitidamente prescricional. Recurso ordinário parcialmente provido. desde que esta se verifique no biênio instituído pelo legislador como prazo máximo para o ingresso em juízo.00-0. – RO 01. e não da data do rompimento do contrato.2002) INAPLICABILIDADE DA PRESCRIÇÃO QÜINQÜENAL – CONTRATO INICIADO ANTES E FINDO APÓS A VIGÊNCIA DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 28/2001 – Iniciado o contrato de trabalho antes e findo depois da publicação da Emenda 28/2000. e na Súmula 20. 06.1932-50 – (482/02) – 4ª T.2002) FGTS – PRESCRIÇÃO NUCLEAR – OCORRÊNCIA – A prescrição trintenária para o FGTS. – Rel.99.00790. ainda que pretenda reclamar. TST. parte final. Entendimento consubstanciado nos Enunciados 206 e 362. assim como a qüinqüenal para os demais créditos dos trabalhadores urbanos e rurais.2007. – Rel. 16) FGTS – PRESCRIÇÃO TRINTENÁRIA – CONSEQÜÊNCIA – Tendo. artigo 7º. Devem ser respeitados os cinco anos posteriores a emenda.01. são asseguradas a partir da propositura da reclamação. 24.08. diferenças decorrentes do não-recolhimento da contribuição para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. nos termos do art. (TRT 19ª R. 2ª Turma. Assim.055. impõe-se modificá-la.022. – RO 013726/2000 – Rel. a fim de que seja declarada a prescrição trintenária. (TRT 19ª R.contrato e nem existe causa interruptiva ou suspensiva da prescrição das pretensões que não decorram do rompimento do contrato de trabalho. da jurisprudência dominante deste Regional. não deve ser aplicada a nova regra prescricional.056. podendo o empregado buscar os depósitos que deveriam ter sido feitos nos 30 anos .2001.2001. Juiz Raymundo Figueirôa – DOBA 22. Juiz Luiz Antônio Lazarim – DOESP 28. Juiz José Abílio – J. – RO 00295. da Constituição da República. aquele que não ajuíza a ação nos dois anos seguintes à extinção do seu contrato de trabalho. inciso XXIX.01.2002) FGTS / PRESCRIÇÃO – É qüinqüenal a prescrição incidente sobre os depósitos judiciais resultantes de parcelas deferidas em sentença judicial. mais precisamente em 26. tendo em vista que é destinado ao exercício da postulação em juízo e que a decadência. aplicado a prescrição qüinqüenal ao FGTS. pressupõe a efetivação de algum ato independentemente da interposição da actio. (TRT 5ª R. tão-somente.2005 pode ser aplicada integralmente a prescrição qüinqüenal. a decisão a quo".2002 FGTS – PRESCRIÇÃO – O direito de reclamar o recolhimento de FGTS prescreve em dois anos. do C.02. (TRT23. Juiz Gerson Paulo Taboada Conrado – J. (TRT 12ª R. (TRT 15ª R. – RO-V .2001. 6944/2001 – (1605/2002) – Florianópolis – 1ª T.0 – Red. TST.23. do C. 19. Interpretação em contrário é inaceitável. contados da data da extinção do contrato de trabalho. RO .19. ou seja.

A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ..00...003.. RESP 170475/RS....... Rel. 48): "CIVIL ...N..G. cuja natureza jurídica..... 2 – A prescrição para cobrar qualquer parcela relativa ao FGTS... O Superior Tribunal de Justiça negou seguimento ao Agravo de Instrumento nº 147.....97..FUNDO DE GARANTIA DE TEMPO DE SERVIÇO ..08. decidiu: E o Egrégio Superior Tribunal de Justiça. Posição jurisprudencial assentada n alinha dessa . fugidia dos tributos...S. nº 146 de 01. do TST........759). não estão sujeitas aos prazos de decadência e prescrição estabelecidos nos artigos 173 e 174 do C. Recursos Especial ( 98/0024890-0 ).048-DF (D. Ministro Milton Luiz Pereira)....PRESCRIÇÃO TRINTENÁRIA... em situação análoga... em acórdão de lavra do Juíz Relator Oliveira Lima. para a prescrição e decadência. conforme verifica-se abaixo (Doc.T.. também vem ressaltando que o prazo de cobrança é trintenário. pág. 37): "DECISÃO Visto.. Ambas as Turmas que compõem a Segunda Seção deste Tribunal têm entendido ser trintenária a prescrição da ação para cobrança de diferença de correção monetária nas contas vinculadas do FGTS... não havendo falar em prescrição qüinqüenal. DJ. 33..... Juiz João Batista – J.. etc..EXPURGOS INFLACIONÁRIOS ....... – RO 01222.. 96.. espelhando a contribuição social. 31. é de 30 (trinta) anos....( STJ.T... sujeita-se ao prazo trintenário..anteriores..01..C. como decidiu o julgado que segue: . de acordo com o Enunciado nº 95....2000." A 1ª Turma do TRF da 3ª Região.......... (TRT 19ª R.J.. por não serem contribuições de natureza tributária e nem previdenciária e sim sociais....... assim ementado (fl. 1ª T.. pág.. 10.03. por parte do empregado. na Apelação Civil nº 342559/SP.2002) PRESCRIÇÃO A prescrição das contribuições para o F. nº 8/77.CEF interpõe agravo de instrumento com o escopo de atacar decisão que negou seguimento a recurso especial aforado contra acórdão da 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região...U.... 1.. Reg. mesmo antes da L..19...0808873)...... O FGTS..." .. de 24/08/98.3 – Rel...CORREÇÃO MONETÁRIA .

PRAZO PRESCRICIONAL .236.98.00. senão vejamos: " 1. É farta a jurisprudência de nossos tribunais em reconhecer que os trabalhadores têm direito à atualização de suas contas vinculadas ao FGTS. pág.01. 50810). I – O Supremo Tribunal entende inaplicável ao FGTS a prescrição qüinqüenal do artigo 174 do CTN. o SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA publicou no DJU de 5.MG DJ de 01/07/1998. não qüinquenal.A ação de cobrança das contribuições para o FGTS prescreve em 30 (trinta) anos.APELAÇÃO CIVIL RELATOR JUÍZ MÁRIO CÉSAR RIBEIRO.01. Dentre muitas colhe-se: " 3 .pág.Apelação Civil 0130104 . ( AC . a correção monetária dos saldos das contas vinculadas ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. ( TRF 1 . Os TRIBUNAIS REGIONAIS FEDERAIS. nos índices de 26.007554-0 . DJ 16.87% ( fevereiro/91).00.1998 -01. 178 do Código Civil e 174 do Código Tributário Nacional.03.688/SP: " FUNDO DE GARANTIA POR TEMPO DE SE4RVIÇO . sendo sua prescrição trintenária e. na espécie. Precedentes da Excelsa Corte ( RE 100. DJ 01/07/1998 . Min. Colocando ponto final no questionamento sobre a espécie. DJ 09/04/1997 .1997 . 96. Não se aplicam à espécie os arts.A contribuição para o FGTS não tem natureza tributária.80% ( abril/90). 42. NATUREZA DE CONTRIBUIÇÃO SOCIAL.1996 .87% ( maio/90) e 21. ( Resp. 70. 70970)".1998 . 7.P.12. 246) " O prazo prescricional para o ajuizamento de ação que objetiva atualizar contas fundiárias é trintenário".DJ 09.6. a SÚMULA 210.MG .1997 .005841/0 .APELAÇÃO CIVIL RELATOR JUÍZ CÂNDIDO RIBEIRO. Assim já decidiu a Excelsa Corte.96. nº 0106964.970) TRF 3ª REGIÃO – APELAÇÃO CIVEL Nº 342559/SP ( REG. Rel. ( AC . ( AC . no Recurso Extraordinário nº 113.249-2/SP)".06% ( junho/87).É devida. verbis: " 210 .DF .30104 . .ambas a Turmas que compõe a Segunda Seção deste Tribunal têm entendido ser trintenária a prescrição da ação para cobrança de diferenças de correção monetária nas contas vinculadas do FGTS".72 (janeiro/89).compreensão. quando dos expurgos inflacionários.04.Turma 4 . 1ª Turma. José Delgado. 44. Relator Juíz Osmar Tognolo) " IX . têm decidido ser trintenária a prescrição da ação para cobrança de diferenças de correção monetária nas contas vinculadas do FGTS.080887-3 – Relator Juíz OLIVEIRA LIMA. adotando posturas idênticas. p. CORREÇÃO DAS CONTAS VINCULADAS A correção monetária não se constitui em um "plus".P.DF .8 e 9. sendo tão-somente a reposição do valor real da moeda.

.07. Os saldos das contas vinculadas do FGTS. 38) "D E C I S Ã O" 1. conclue: " Acumulando-se todos os expurgos.80% ( abril/90). sendo tão-somente a reposição do valor real da moeda. (D. são unânimes em decidir favoravelmente em favor do trabalhador. ressalvando-se. somente para débitos de janeiro/89 e anteriores...U.01. após brilhante dissertação sobre os índices expurgados nos diversos planos econômicos..87%.." XI . em suas decisões.1998 .3898 = 1..00.87% (junho/90).... inclusive o STJ. A correção monetária não se constitui em um plus..97. Nesse sentido. " X .87% ( junho/90).... embora os tribunais.. 2..1998 .1997 .. ( TRF 1 .06% (junho/87). 174)"... o ..... como antes dito. 44...08.80% e 21..Apelação Civil . temos um multiplicador de 3... 44.. março e abril de 1.06% ( junho/87).... objeto do presente litígio.. 3ª Turma ..90% ( março/91). O IPC é o índice que melhor reflete a realidade inflacionária.80% ( abril/90). Sendo pacifico o entendimento no Superior Tribunal de Justiça de que são devidos aos titulares de contas vinculadas de FGTS os reais índices de atualização..Apelação Civil . 7. Ministro Milton Luiz Pereira.1998 . quando dos expurgados inflacionários..32% (março/90). não tenham aplicado com uniformidade os percentuais das diferenças a serem lançadas nos depósitos das contas vinculadas ao FGTS do trabalhador. ser imperioso descontar os percentuais já aplicados a título de correção monetária incidente sobre as contas vinculadas.... o que se pode aplicar..991.. quando dos expurgados inflacionários. 84. o Agravo de Instrumento nº 150....21% ( fevereiro/91) e 13..92% ( julho/90).5173 ( expurgos de janeiro e fevereiro/89) x 2...32% ( março/90)... in casu. 33. respectivamente.DJ 01.00...72% (janeiro/89).. .. 84. correspondentes aos IPC’s dos meses de janeiro de 1989.01..AC . 3.990 e fevereiro de 1.92% ( julho/90). 42..pág. não resta a menor dúvida...90% ( março/91). 3ª Turma DJ 01.... devem ser corrigidos pelos percentuais de 42..Os trabalhadores tinham direito adquirido à atualização dos saldos de suas contas vinculadas ao FGTS..685.07.21% (fevereiro/91) e 13. 42.AC ... 12. 44. como abaixo: (Doc.. em trabalho intitulado "Os Expurgos Inflacionários nos Débitos Judiciais" veiculado pela Rede Mundial de Computadores ... ( TRF 1 .007554-0/ MG...0055747-1/MG.. nº 146 de 01. 84.Os trabalhadores tinham direito adquirido dos saldos de suas contas vinculadas ao FGTS..72% (janeiro/89).. notamos que..." Pelo exposto.. Os índices são: 26. 12.J. Gilberto da Silva Melo... Os índices são: 26. 20.pág. tendo como relator o Sr....72%....32%. 246)"..2341 ( expurgos de março/90 a fevereiro/91).. pág.Internet. que esses mesmos tribunais. 7.830).... 20.

que.98". .98%. Isto significa. para débitos de janeiro de janeiro/89 e anteriores.que significa um percentual de 238. em termos práticos.00 resultaria numa condenação não expurgada de R$338. uma condenação expurgada de R$100.

f°f  nsj n° sµ ¾½  °nhf¾°f ¾   ° °¯f ½ ¯  f ff ½¯ff  nsj n°h f  @   ¯ ¾½¾ ½ y °jnf¾x  –¯ f ff½ff½½f  nsj  €f n¯f ¯ ° f€f¯½f ffn¯½ y°nf f¾sf @f f½ff½ ¯  f ff ½¾¾f½¯ f  nsj°f¾sf @f f .@9 ¾ ©fn¯ f¾¾f¾f°fsµ ¾ ¯  ¯      ¾h¾ °  ¾n x¾  f½   nff¾n° sµ ¾½  °nhf¾°j½f–f¾   ¾f° x¾ n° h .f¾f ff °j –f ¯ ¾¯½f – °½ff  nsj - ¾ ½°f  ¾f °f.

°¾sj ¾n°nf°¾°j½ ¯¯f¾¾  nf¯f ¾f° ½f¾¾f ¾¯f¾  ¾f°¾f½¾f  ¾n¾j n°f f f .f°f¯½fh–f€n°n  ¯°¯  – °  –f .f¾ ° ¾¾ff ¾  ½°n½f   nsj  f½ f ff °nf¾x f€f¾f¾ ¾½ f°sf¾ €f  ¾ ¾  n°n °f ¯f– °j–ff° ¾    °j ¯f f  ¾ ½  °  f ff  ¯ ¾ ½ n½f ¯½f°n f ¾¾fh¾ -°j½  f n°n  ° €n -  ½ °f°° ¯€€ ½  f- f ½¯ fn¾f   f¾ € f f¾x ½ ¾ °f½fff n f - .°¾x 9 n  n½ff ¾ ©f¯½¯ ¾¾½n ¯ °¾½ff  nsj f¾¯½f°nf¾  f¾  .f°f°j¾ ½°°nf f €nf½ ¾nsj €n¯ °  ¯½ –f  fh f –h f °n¾  ¯ n¾  fn°f ¯f¾n¯ f¾  .

°n n¯¾f½¾sj ¯ fsjg  nsj f ¯½ ¾f½ ff ff f° f°–  f¾n° sµ ¾½  °nhf¾ f¯f¾ f½ f° °ff½n ¯ °  ¾½ nf¯ °  .

½ ¾ f –¯f½ff€–f°½f  f¾  f¾°  ° ¾g¾n° sµ ¾ ½  °nhf¾°j½ ¯€–f°½f¯° f ¯½ –f f ½  °n ¯f½f¯° f ½  °nf¾nf   ¾ °n  €¯ff€  n –ff°f¾½¯  ¯f n¾j© nf ½½¾¯ ½n ¯ ° °jxn¯¯°f¾ fff f¾f ¯f¾°j¯½¾¾  xf – °nf    ¯½ –f n¯½ © nf¯ ° ¾ n¯ °¾½  °nh¾ ½°n½f¯ °  f¾  f¾  f¾ @f½n ¯ °½¾¾ ff°n¾  ¾½°¾f f ¯½ –f ½ ¾ € ¾ n¯ °¾°jn¯½f ¾   ¾  ° ¯¾ ¯½ °© nhf f¾ff¾ ¾n¾¾µ ¾ ° ¯f ¾f n   ¾ ¯nf¾¾ °j ¾f¯¾  f ¾ ¾¯¾  ¾fsµ ¾½½f¾   ¯ f° f ½ f¾  f¾ fn°¾ ° f–¯f¾°€¯fsµ ¾ ¾ff¯°nf f¾ f¾ n¯f ¾j ¾ f¾  °jx ¯ n° n¯ ° ¾–j¾½  °nh¾ ¯f¯f¾ f¾ ¯°¾f° f°¯ n ½nf f ¯½ –f  ¾ ½  fx ¯ ½ffn° ° ¾f°¯¾ n¯°¾nsj½½f  €f f¯ x¯¯ nf¾  fx¾f nffsj  °¾n°f n  ¾°j n°¾ff¯ ¾n°¾½ff- -jfn  ¯ ¯½ –f  ¯°  ¾ ¾ ¯½ –f ¾¾ ¯n°¾–°f¾ ¾n°¾f f ¾½ff- ¾f f½ ¾  f¾ °nf  –¾  ° ¾ nf¾°jn f½ ¾nsj   fs¾  -f.

°¾sj f  f    €fff ¯½f f°¾ .f¾½ ¾f.

°¾sjf¾n° sµ ¾½  °nhf¾°j f¯n°¾ f ¾ ¾°j¾  ¾© f° f ¾½¾sµ ¾ f  %n° n fn¯.

 –@ h-fn°f .

@-% .

°¾sj nnf¾n° sµ ¾½  °nhf¾n¯ ¾       –f °n¾ ¾ f  fff ½f f°¾ ¾ f   f  ¾ff¯½f¾ nf °nf ½ ¾nn°f f°¾  ¯½  €f¯n° ¾f ¾ ¾ ¾½f¾½ €f f °f f©¾½ °nf ° °  ¯   f¾ f½nf f   .

@- €ff¯ ¯½f f°¾ .

°¾sj –  n¯½ ¯ °f½ff°¯f¾– f¾¾   nf °nf ½ ¾nsj hf .

@-x n°¾ f  n¯½ ¯ °f  °jxn¯½ ¯ °f  °hf  -f°½f¾¾f @ n  ¾j°n°¾n°f¾¾f   f   ¾¯f °nf° ½fff   nh ff ¯°¾fsj¾j –f ¾f¾ – ¾f¾¯f  – f½nf ¾ fn° sµ ¾½  °nhf¾½f f°¾f½¾f¾¯f°nf°   @  h¯ ° ° ¯ °¯°h  f    ¾ f¯f f¯ °  n¯½ ¯ °fn¯.

f¾ ½ °f°  f x½f f°¾   f–¯ f%fnf¾ ¯½¾¾ ¾n % nh n  ¾jf°¾¾ j  .@- n°¾n°f½f f°¾  ½f° ©f¯f¾½ f¾   –f f½ f  °hf  €¯f °j ¾f°  –f ff° ff f½f  f°¾ I°j °° ¾  f .f¾°f¯½h ½ ¾  ¾n ½n f n¾j¾ hf f ½ff€f¾ – f  ¾f½¾ ¾f -j¾ ½ fn ff°¾ f¾  !$#@ %# ##%&@ $ !#   $  %#% #"&'%  #%    .

 48 570803908.6:.:948 46:080902F:2.F.42509H3.:418.00.. ./4 ..

138/.4F.79   /090723.4.85488..4/018 0..804/0. 1.7E4.794 097.89..J248.846:047/03.42..172..:784/...7E803/44-807.74 . .:948 !4/0 80/076:0 1472.4245.4/. 8:850384 .3/.3904 9047/4.7E7.8 4:.394344:.5708...746Q36Q03.402 /0. '.$2:.20394  .20394/ /.:784 /0:2./..1./48-03884-70486:..25.39075709.74 !0..7E4907243.4-7.00.144 .8:850384/.4384.2.43. 50347.144.1:H3.2483107 ..8/02.457.. 0  34. 4.1:H3.4 4:4:.6:0.7.0394/.4/018  .8:850384.709./.42E24F/0:2.5708.../457.439./0.8039704/085.439:/4 54/0 80.457.89.4907./090723. .054/07E/0.5040.8/0. .74.9.420.0 308808.E/0 807392..20394/485.79  5.34 4:/090723./.5O8457.07.0884547:2.7.5708.8/..5:9/4.5-.84.9004O. 8:850384 ...E74%7..4.3907.345. 5708.4/.06:.7/4 .7.144 .34  8.4894/0  .76:...:4 036:.76:0457.490.7094/48 .5-..20394/45.76:.70.74 .03/./4 02:2.4/./039075709.9470/./.47707E457.4770390 #0094  %#%.348 /0.34 13/446:.4/0:2..4/0:2 .3E80/.44.20390 344:.2.7..74 39704.709.4/.00.3.31089./48-038 50347E./.803..4/.4 /4006Q03904:./4$%200. 344..-.0497.20.5.849004O..490.477/4457.20394 902 8043J.7E7.0/474:03.38.:784/02./0/.08 8:8503/0 804574.5708.76:.5O84.76:.. 089E0283943.144040 /0.74 /4:973.848 34.:418.5708../44/0.:4547:2 802 6:080903.9./.6:04:8:8503/07E4..31089./018  24:97.85..7E../0.7.2047 9F.203940.03/.:948147. 2.7.:/..7.4397. /4.4/.34089.3.0 8250820390 .7E7.76:.7E7.

407707.%   #0 7.470094  .8.$!      ! .3. .

.

42502039.. 6Q36Q03.74./.5708.39048907248/.3/44/7094/0. 34./47. .109.8/0.      10703.548039.4384.8074-807.34 /4 %$%  %#%.$2:.4 .4/0.F.

..$!       #  ..%     #0 $07448F:034:36:07../4   .

.

439.79 /4 !03.5.4/4.5.143.7.3.7E7./434 574.4 .2-F2..3907742507 5..14 3.43/4/03907742507..7908 50//40.08845.   #&#$  # # %##&!@ !#$#@ @   ! $ % $%%$#$ &@  A#%   /0803.0403903/20394.203946:0F4924.79  /4O/4.797/.85.:8.79 /4!05.82082.9457.08849024.84/4./0./43.707.9.  3J.3. :2.79  /4O/4.7.02/.70107/.74 -03.../45. 5745489:7./..74-03.438:-89..9.  %#%.144/4..76:.74 6Q36Q03./483. 034/..06:0./4.34 /4 %$%3480708973025708..4/.7402 70.5708.7E7..390747 39077:549.4850//486:0147./.21472:.4/4.4.4314720.5708.$2:../034./0 50/7/E 80.20394/4574.7E7..79  /4O/4..5708.4..42.4.5745489:7.

7. .%    #0 .047070 43.08  .$!       #  ..

.

4:2./457../4 $% 6:0/8506:04907243.-/.$2:.34247.E..2-F2.907.81:3/..4547/..-.-/.4/0 /.0.34247.9. ./.4 5708.4/03/03. 2./0.0 9.89.7085438.907. 7085438.-.43.F . 705.026:0480:7./0.9:70.7F/94/03.4 F.4770390/0.H3./490..97.44:/403..        #0.-.7.  ./43.3./0.02./039097./0390/497.:784 7/3E74 !708..7. 5.74 4/03/03.57418843.44:/403.57418843.

/897-:4/.-47.9.306:J.9408..8/. 34./0     %#%./43.74/097H8. .4770:3./.746Q36Q03. 5708..4.794  5.44..5708.070.74/0 .384 .2..38.02./4./.7 5.70. . 707.794   .4O/4./.47/434..84 ' 803. 70./43.7.H3./0./.4.5../02./. 8041.H3.9.209.. 5708.9408./097././4.794 3.9:..7E7.84 /.348 O/4.477/4 2.3/..348 8041.-00.97.41457.3.14 3.0397./4O/4../..4./0/490254089.43899:4 0/07. .

$!       #  .  %    #0 #9..7.08970   . $.

 .

97.74 54870894: /0243897. /:7.79   V /4O/4.14.1.746Q36Q03..9F.6:.43.74. .-.5848 /0.43.#0. !479./49F7234/4. 5708.:/.74/089.8:850384/06:.8.0 5470.7/.-./0:2/.J3.0343.7.43899:44-094/. 3..94/097.88003903/203941.384 34/0..4397./..42509H3.41038.6:080.394/..-.30.850./0/06:04J.E74 46:025479.9.4/089.7.. 3/.04:6:0  /0   .4       6:097. /./0/0/7094 5.9F..3./../.4397.20394/.4/457./03904.47708543/039083/03. $03/4.97.43899:82508705.3.9O7.0-20394/0-0301J.0807302.7..5.4 5072.4770: 02    902 806:04/7094/4 -707434089.4314720089.05743:3.9:70. '.0-20394/080:8.2.203945.-00.4 3.08./434. 548089E:3/.89.42..6:0././03.74F3899:94/0/70942.431472/.34507843.43.2.9..7..9. 808:850384 02..907./0 4:6:0.89.9.    .348 2503/07.4-90./.9403.5708.4 438/07.6:014:4/. 2..20394:/.7.3/46:0089.7../4%7./0  3/03.5.94/0025704 /024/46:0.03/46:080 .7.:4:.59.89. .:784/0:2 .07846:09.02    -02.25.390.3.94F5075097.2-F2/0.438/07..     !#$#@ @ % # ##%% %# 5708.390.43.43/48:85038.H3.-00../0390/097.0-03/4.294:50..394 80:57.348089.89434./450.7.348/0.43/03. 3454/0807 /013/. .497.424/85489434..39008908 .89. 54739072F/4/./.9J./0  /0 .302.4397. . 5708.882 .48:850384 027.4./434.0:70../0 :2.507..:4 /0.:84 457.89.:.882 457.424/.5708.08.03.080:..9. .9.:402570.:../.8347094.4770:.070897.7..5.57090384/0/70942.89.7..43.503.0890808:-209.4.80 94/4848010948/4.4/0./4.477/43.30.5.89:.79   344./097H8./08/.4 5708./4 74:78/.:.79 /.2..8 4#0.  503/03/4 ..:9486:04#0.2.707...8943.-.0807./4348. 4.94/097.6:0086:0/0103/02.7085F.79   /4.6:00570.43974../. 5708.4770390 6:0/0103/0.-.97.907.4570.-..-.47703908/0..:8.E74/08/0     9473./4O/4.7./49F7234/4./097.89:./.07F.79.39034089.J3./03.4547/.7..547147.45072.4-07945042.:J4 570.48.7.-...20390 80:.03.8826:04.4O/4.080894 .  -09.1:23.4397. 08245...  302.08107../.848026:0.89.2.8././49. 4/7094/0.:76:0 .903.-.8.4397./0 .3/4 803.3/4 470.4570.4249.45708.0 .434F.7F/9497.4/.407.9.4.34 2420394026:04.-.24/.88097.39090...04.4:-03.907.425..% %.76:04#0.4/4 #0.

088:.1.20394/.3/4.  ..80/E574.74 7094734/48.3485.7.203945.:.4 #0.4570.89./.46:.74/097H8.3897:4574.84790 457.745743:3.:784 .3904507J4/4/070.0-20394/4-0301J.70.7.-079:7../03.0/090723./. /0 94/.4/05708.   44 /:7.7.E74341:J.5708.4..:9484702 5488-9.

E6:0 E50946:0/0503/0/.5..504 -7074  %#% #         !:-.090384/.../4450//4/0574/:4/0507J.570..6:080../0.3. 349.-47.:8.../...9../.2F/.7.507/./402 ..05.1074/./.

.

084/4/7094 089.2 805708.J.3/44.0J.79  /..0.4-7.   %:72.J54/.4.4/.80 /0:.89434.5.947$# #& %#    !#$#@ "D"D  % !04573.797/42420394026:080 9473.420. #0..794848/709480/483.1472.20394/..57090384.430.3.1:7.7.46:.348570..5O8457.44:/4.20394/089.4397.  03..4/0.:.45.4007. 4 57.943.9.

 ./402. /./48/../.439.084  %#% #         !:-.9.

.

0.846:0 70.3/.70...8/03.847.5.8-03F1.6:0 8030..-./0/0..574.1.4/4 02570.8 02507J4/4203476:0450729/4020 250.. 036:. /039704807/0748/402570.6:0757..5.. 5099.5. 3.3/4 .0/.43..007.4770./08:507474:024-094 /.43/03.7023:/./0290/..746Q36Q03. 021.E74701070390.4..8 A#$ ./4 5741077803903./4 34.897.43/03.  &% %#!%%   ##  48907248/4.20394/402570..42:2 .79  /4 ! F/01084./4 #089.2..4/0473. #0.43..7 .08.3472.4 5090.07.038:7E.702/0/:4 .94/097.2039402/4-74/48..348  .04/7094.24/0:29074 3./47 /4/0.    %:72. 5708...4770390 3480.0.9.8097.42.::8 088.4028.47706:./41..34.50//.8./././4/7094.503.3/4.1472.20394  %#% #         !:-.03/4 70897.9:70.43.424../4 79   /. /.947$# #%# $ '%    !#$#@  ## $ #$! #$    ##  #%     .574.  #$%#$ !# ' 8:73/4/4.:947 /03..1472.430.424.4 !#$#@ "D"D  8 /70948/0..43899:..3/.203903.7.097.39434.6:008.48507J4/4834 :8:17:J/48 .9.747F:026:.3.03/420347/0/008808./0.43/03.4397.5708./4 1...3/4 80/05.-84:9.07547880:857O5748/70948 34.9:70.3.3./0 503.F2 6:0806:071450//.078.0.7.4574-.4770390/0:.81F7. .:.38288J../402 . #0.0784/46:0014/02../47././../.20394/.4.4240 02570.3480E1.47/4.0/01472..03/41.7. &@  !#$%&#'#$$ ! $$ !#&$  %7..#05-.20394/.93/4850.907.03908.7F8.0884770:.:784 7/3E74. -02.7 /.45.7.4807/074884 .455479:349025470 #0./.74 70:.5.9O7400203948 8:1.E7420347.43899:4/.39/.20394097.7.0.4097.45./4504:9473.47/3E7./..4 5708.078.47703908/4.

.

947$# ###    !#$#@ @ ! # $ #$%#$  %%# $&!$   %#%  %# &   @ ! $% #! # '$ #! # ' #%  . #0.   %:72.

#%   %  $ .

0934/4 .7.45708./04 02570.6Q36Q03.-..5708./0 574-02.9.438/07.402/0.394570903843/03.6:./4089.: ./0./05.94/097.03/4.027./.9.  0570.770.9O7.203904: 70.477H3../0390/097./.5.949.4 086:0348097.7402/0.8/08.7.E7434390710703.0-03/4-0301J./4 57.4/0 .43.-. 5.4/.85O90808/08:850384039077:54/.394 807.4570..9. 8:850384/4.50884.1:H3../03.203903.4397.477H3.0.027../0 /0..7.

74/.8 5709038086:034/0.4:8:85038..94/097.4  %#% #        !:-.-.../402 .2/4742520394/4.4397.4397./.477...5708.9403020890.39077:59.:8.

.

20390.4./0.94 348907248/4.43.89.5O8../.   %:72... 880 57.4007./4 742520394/4.9.39075484/.0109.  57088:50.9.424/0.4/.708.9:.947 $# #'    # !#$#  %#! $@ %   57.09E.402:J406:0.584/4-H34. 43899:4/.:2.J30.4397.402.F. 903/402. 5489:. #0. 5708.79  3..907..#05-. /.438/07. .746Q36Q03.84 ./4...4/0..7. 39075709.20394/./..84.4397E74F3.6:0F/0893.943/0503/039020390/..4/./H3./..203905708.4 034/.4397. 3/0.94  %#% #  # ' .0 548.4243899:94/0/70942.4F39/./4.439.:./4/./03.J.

    .

-4./4          !!#$#@ "D"D  %#%   %$ ! $'   $%%&  .:4%.   47.437.3O548  %  #0 : 07843!./.

4397./44..4/.  3.5:-.3908013/4 /0548/.4..94/097.203/..-.

8570.20390.5708.707.5.0807../4848.. 842039002   54/0807.3./.746Q36Q03.  %#% #  #        #0/ :3934. 4:80.8.7. 3907. 0.5708.43.5.2039002    34 /0.34. 2.02807708509./.4..94          %$.348 5489074708..0203/.

/039084-7048/05O8948 :/.:/.8708:9.7.3908/05.8/0107/...802803903.0..  %#% #  #         .5708.743.!#$#@  A6Q36Q03.

#05-.4 3  /4 %$% #0.0.-.  ./423.7.4397. /0.746Q36Q03.4 902.7.4397./.8.5.80. .8/0.5708./.7F/948/4897.6Q36Q03.-./4708 :7-.39../4%0254/0$07.6:4 .880:7.7.797/.$2:.:7857:/H3./43483:3.E ..5708.7.70.4 37088402:J4 882 .3/..4348/48.47703908/434 70.7  /9. 5.438:-89./4  %#% #  #        #0 :48F-J4          %$ !#$#@ &#   ##  5708.390/0890#043.42E245.743:.12/06:080. 348907248/46:047039.3./0.4%$ 250 8024/1.424.6:0570903/.842.7.48/02.882...34807:7.20390574.50.8.79013../47..8 84...7 94 8420390  /10703.6:006:034.420394/.43899:4/./48 0 /4 %$% 03.4 .5.    %  #0 :#.94/097.4 /08/06:0 089.  3903/20394.:J.  /.4%$ ..74973903E7.5...42457.       5   %$ !#$#@ %#% #  $"D  %03/4 ...34880:3908 0934/480:.4397-:45.  %#% #  #  .5745489:7.84./.84 5./.7.2.74973903E7.794 3./4.7.70.2:3/4:07.0716:034-H343899:J/450408.2.394/.:78447/3E745.5708..4:3/4/0 .

002/48.72  $!      %$ !#$#@   /7094/070.0934/4.94/097.420394/0%$ 5708./.348 .29078/410948348 .-.2./48/.   #0 ::3934./../4-:8.4  54/03/4402570.4397.439..748/05O89486:0/0.07.9.70.348 .7470..

.  %#% #  #       #0 : 44..47/4..  3 .4243:3./43  /4%$% 34.4397-:085..7.746Q36Q03.8.03/41.702 5708.989.         !#$#@   5708.3908/.39074708 /0.4  % $ 20824.74/..

.-00.4397-:08/03..48/0/0..5708. 1:/..08284./4897-:948 0850.:7J/.7.9:70./48348./H3.:.3.0302570../03.457.74089...740/0.05708.3/4..4857. 8:09.8./H3.  5.. 80.97-:9E7. 54734 80702.4973903E74 $%  % #$!  .8 340894 8:09.E7.79480/4  %    %$ .4397-:484.9:70.

:7848850.#$ #0. ..

   /0.

.

.47.8.4 4. %:72.70./.O7/4/..424 08../.8/4%$     %:72.4/03897:20394.4314720...5708.:.74/.8./4%7-:3..4.88202039.071.45.86:0.#043.:7840850./4.4/03897:203943       & 3 /0    5E   ...47704 24309E7.. 80.     # 390750. #04 3.$04/0890%7-:3.0/07. .304:80:20394.    $   '894 09.454/0.9. 5E   #0 38974943:!0707.7./4%#/./0.7.8.42502./4 1    ' & #%%! $#'@   ##@   % # !&# $  # $ !#$#@  %#% #    2-.50.-..8%:72.439.4-7.3 .   $:50747%7-:3.147.9H203903//4 807973903E7./0/10703.3.846:0304:80:20394. #04 .$0:3/.7/0.4397..3.3./0:89.

7.07.4%$ 5475.$! #0      02.0./088.9. /0./.2-F2.7.F973903E74 .2.4-7.9. 9./46:0 80:0   5708.02 7088./:  47F4$:50747%7-:3.. 0289:.790/4 02570. .88039.6:075.947 ..348 !484:7857:/03.3.4/0.3.O7/4/0.76:. .4.3/46:0457.70...7..3E4.3...4-7./0:89.424/0./:4:.745./4:J#0./4 F/0  9739.

439.8/H39.4-7.3/45489:7.439.8/4%$ 8034.:.$0:3/./..4770424309E7.8/4%$      .8. #0 3 48F0.45.8.2-. 3.47704 24309E7./49.74/.3./0/10703.7.425700384  #085 3     %:72.8 9H2/0.3.3..74/.9H203903//4 807973903E7.86:0.45.5708.3.248   .8..4250.8/0.%:72.8.$04/0890%7-:3...8.3..5708.//4 807973903E7../4    5E     8%#&$# $#$ .4-7.8/0./../0/10703.0.:.7.

   /0 .

.

803/48:.048..74973903E7. 480.4397-:45. 5708.0/4O/4%7-:9E74.4790  #  .43.97-:9E7.798 /4 O/4.7.2085F.08. 5  #0.9:70.. !70.0/03908/.7%4344    .5.4%$349023.947:J 82.0 346Q36:03..

$!         !@ '  #% #&   ##  .

.

9:..439.43.20394/0.46:04-09.7.4..8F973903E74          !@ '  #% #&  # A$###  .5.7.8 1:3/E7.45708.. !     57.:.7.

.

 !     %# #  !@ ' .

47/3E743  .$! #       #0./:.4790 34#0.947:J '#   882E/0.08..:78497.

4%$5708.E.3/45439413./.07-8    .346:08943.03903/03./.4770.79.085F./.076:048 97.0..4:3/4/0.:.8.8.3.4/0.:.348    ##@ $ %$'&$  ./034884897-:3.40 80   A/0.5708.439..:7857:/H3.0 4$&!# #%#& &$%@5:-./488..39..3.43899:02:25:8 803/494 8420390.3/4/48 05:74831./.7.240/.439.8.80270.8./.70.43E748 039702:9.8..4-7.430.4/08:.4%$ 6:. A1.705484/4 ..4770424309E7.3.2039484-70.08/0  :34.4770424309E7.4%$./47089H2/7094.4 348J3/. ./4 .4397-:085.9:.$ & .8 ./48/.8..002  9739..4:34&/0 0   .-.3480.547%0254/0$07. 3.746Q36Q03.5.794/4%   44.$!  & #%! #%! $#'@  %&#  %#&@ $  !# !#$#     $:57024%7-:3.7.085F.0 .8.

    .3074.

    .-7.

   2.4.

07074. 0  10.

       %:72.4.   %# 50.     5E     .

:.3/4/4805:7./4831.43E748  8J3/.   897..-./6:7/4/488./48/08:.0884   :34.8.4%$ 6:.8 ..2/7094.439./470893.3./.8.

3074.   .

74.   2.

-7.    .

    :34.

   :4.

   10.07074.

74. 0    2.

      .  %# 50.4.

/4831.8./.  %:72.4/488..9:./6:7/4.0884   :34.3/4/4805:7.43E748  8J3/.4%$ 6:.8 .8./48/08:.      5E       897./470893.3.439..2/7094.:.-..

   .3074.

   2.74.

    .-7.

    :34.

   :4.

07074.   10.

 0   2.74.

  %# 50.      .4.

 705484/4.7 .3.740.8/0./.:.3./0:89..47.70..42470.439.8/.3.078485.424.3..:./48/.9:.3.8/4%$ 3.    $     .8 .708/0./47 347089..5O8-7./4 .80702.8.9J9:4/0.439.8 3.-.-7/0  010.48 .8J3/..3480.42:31472/.  %:72.43.439.424.039:.4%$/497.039:.2.8348/05O8948/.3908/94 84203905.4399:.3/4 8094/484805:748 46:08054/0.0805:7./06:084/0.3480.-.-.3/4 80 8072507484/08.43E748348F-948 :/./031.240/.039:.4770.808 84:3320802/0..4/03897:203943   903/4..8 028:.8.432./4 85:74831..    88.439.4770424309E7.43899:02:25:8 803/494 8420390./47   -0794/..3074/0 2.8/0%$4870./71.4403903/2039434$:50747%7-:3.47708543/03908.-./.5..8./48.4897-:3./0425:9./../.    !F4J3/.$./.8/0      0  .:2:.484-7048J3/.2486:0 02-47.:.439.48 99:.. /F-948/0.06:02047701090./..8.7.:.9.8.8.9474$7 38974943: !0707..08/0./450.8.     5E     $03/45.:..:8./048507. 6:008808208248 97-:3.#0/0:3/.04$% 34903.390 /88079./48348/.8.020390021.4 08808039/4 4 7.8/10703..477/485048 507.4 4.8E ./039084-70.20390 7088./4708 3907309 .04 0297.8././.43E7.3.1.02807..48! 8/48 20808/0.20347/.5.5.8: /0.3074.07074/0   70850..748507.8  4-094/4570803909J4    !04054894 349.0.47/4 97.    & 3 /0    5E   ./48.:0 ...4770424309E7..

.3074010.0.39074708 90248:22:95./47/0    05:748/0.07074.

   05:748/02.74.

 .07074.10.

 4 .

.7.3074/0.:2507.48 6:0 5./0  894831.039:.3074. /F-948/0..6:0831. 0290724857E9.

3:2..0./0#  708:9.405:7.43/03.39074708 :2./.7.43405:7./0#    .43/03../.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful