Você está na página 1de 2

Consideraes finais

Um olhar para algo que muitos no querem ou ainda no sabem ver. isto que o referido captulo prope ao navegar, de maneira conseqente e lcida, atravs de uma perspectiva crtica sobre os imbricamentos institudos entre educao e as TIC, ancorando seus pressupostos a partir de um olhar sobre a prxis humana e seus desvelamentos emersos dos contextos scioculturais dos indivduos. Um olhar que tambm nos permite observar para o outro lado do espelho. Afinal, Tecnologias ainda so inseridas e apresentadas em contextos pedaggicos como, exclusivamente, um instrumento, uma ferramenta, conceitos estes legitimados e institudos por uma hegemonia que remonta desde o advento que permitiu o nascimento de uma sociedade industrial. Entender a tecnologia como um processo, que decorre de instncias produtivas criativas e transformativas inerentes ao ser humano, apenas parte de uma complexa cartografia que poder permitir o exerccio de novas prticas pedaggicas e , estas por sua vez, devem habilitar e autorizar educadores para uma postura ousada, talvez at subversiva, na sua prtica instituda enquanto formadores: perceber as TIC enquanto elementos que fornecem condies materiais e simblicas que potencializam o pensar/criar/transformar que existem dentro de cada um de ns. Ser justamente este desvelar sobre uma (nova) prtica pedaggica que assume e defende seus parmetros instituintes, trazendo suas marcas, expondo seus desejos e autenticando as suas crenas, que o educador poder constituir o cerne da prxis: a essncia do ser humano que transforma o meio e a si mesmo. Desse modo, um dos desafios que envolve os diversos olhares pedaggicos o assumir este processo que orienta e legitima o indivduo, enquanto senhor de suas aes humanas e do seu agir tecnolgico, emergindo subjetivaes que torna cada sujeito nico e que vai orientar nossa afirmao frente a diferentes processos tecnolgicos e uso de elementos tcnicos. Portanto, elaborar o mundo e a ns mesmo transceder parmetros institudos, que viabiliza avanos e olhares sobre um saber que possa ser autntico, normatizado via demandas que compe a nossa condio humana e

delimitado por espaos aos quais possamos fazer valer as nossas crenas, diferenas, pensamentos e idias. O que precisamos encontrar agora justamente a certeza de um caminho que autorize a prxis como elemento transformador e constitutivo da prtica pedaggica.,