P. 1
Tecido ósseo

Tecido ósseo

4.67

|Views: 56.073|Likes:
Publicado poranon-805716

More info:

Published by: anon-805716 on Oct 20, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/15/2013

pdf

text

original

Tecido ósseo

O tecido ósseo é o principal constituinte do esqueleto, serve de suporte para partes moles e protege órgãos vitais como os contidos nas caixas torácica e craniana. Aloja e protege a medula óssea, formadora de células do sangue.

É um tipo especializado de tecido conjuntivo formado por células e material extracelular calcificado, a matriz óssea. As células são: os osteócitos, que situam em cavidades ou lacunas no interior da matriz; os osteoblastos, produtores da parte orgânica da matriz; e os osteoclastos, células gigantes, móveis e multinucleadas, que reabsorvem o tecido ósseo, participando dos processos de remodelação dos ossos.

Todos os ossos são revestidos em suas superfícies externas e internas por membranas conjuntivas que possuem respectivamente. células osteogênicas, o periósteo e o endóstio,

Os osteócitos são as células encontradas no interior da matriz óssea, ocupando as lacunas das quais partem canalículos. Cada lacuna contém apenas um osteócito.São células achatadas, com forma de amêndoa, que exibem pequena quantidade de retículo endoplasmatico rugoso, aparelho de Golgi pequeno e núcleo com cromatina condensada.

Foto retirada do livro: Histologia Básica

Os osteoblastos são as células que sintetizam a parte orgânica da matriz óssea. São capazes de concentrar fosfato de cálcio. Dispõem-se sempre nas superfícies ósseas, lado a lado, num arranjo que lembra o epitélio simples.

Foto retirada do livro: histologia Básica

http://articulacaovet.blogspot.com/2007/05/tecido-sseo.html

Tecido ósseo O tecido ósseo é o principal componente dos ossos. É bem mais resistente que o cartilaginoso, pois é constituído de uma matriz rígida - formada basicamente por fibras colágenas e sais inorgânicos -, e composto por vários tipos de células: osteoblastos, osteócitos e oesteoclastos. Os osteoblastos são células ósseas jovens em regiões onde o tecido ósseo encontra-se em processo de formação. Têm forma cúbica, lembrando um epitélio. Citoplasma do osteoblasto contém inúmeros grânulos ribossômicos e um retículo endoplasmático bastante desenvolvido. De fato, tais células apresentam grande atividade na produção de proteínas, principalmente o colágeno, fundamental na organização da matriz óssea.

Os esteoblastos originam os osteócitos, células ósseas presentes em cavidades da matriz óssea, denominadas osteoplastos. Os esteócitos têm forma de amêndoa e armazenam cálcio. Os osteoblastos, por sua vez, são células gigantes multinucleadas, que promovem a destruição da matriz óssea através da ação de enzimas e posteriormente reabsorvem a matriz digerida. Dessa maneira, agem "modelando" a peça óssea. Após uma fratura, os osteoclastos tornam-se muito ativos, participando de forma marcante no processo de regeneração do tecido ósseo.

O processo de ossificação O tecido ósseo pode se formar a partir de um tecido conjuntivo denso ou a partir de um "molde" de cartilagem hialina. No primeiro caso, a ossificação é chamada de intramembranosa ou conjuntiva e ocorre nos ossos chatos da caixa craniana. No segundo, o "molde" cartilaginoso é substituído pelo tecido ósseo; a ossificação, nesse caso, é denominada endocondral ou intracartilaginosa. Esse tipo de ossificação é o mais freqüente no organismo, ocorrendo em ossos como o fêmur (osso da coxa), tíbia (osso da canela), úmero (osso longo do braço e outros). Nos dois tipos de ossificação mencionados, a formação do tecido ósseo depende da atividade dos osteoblastos que resultam da diferenciação de células mesenquimatosas. Os osteoblastos são células que sintetizam grandes quantidades de colágeno, organizando uma matriz descalcificada chamada osteóide. Em seguida, promove na matriz uma forte deposição de sais de cálcio, originando a matriz óssea. Os osteoblastos são dotados de inúmeros prolongamentos; isso permite que haja intercâmbio entre eles, apesar de se acharem bem separados. Após a formação da matriz óssea calcificada, os prolongamentos citoplasmáticos retraem-se. Os osteoblastos,

então, tornam-se relativamente inertes, passando, como vimos, a ser chamados de osteócitos. Os locais anteriormente ocupados pelos prolongamentos citoplasmáticos dos osteoblastos servem de "molde" para a formação de pequenos canais que promovem a comunicação entre os osteócitos.

A estrutura óssea Analisando a estrutura de um osso longo como o fêmur, verifica-se a presença de uma bainha de tecido conjuntivo fibroso denominado periósteo. A microscopia revela, no interior do osso, inúmeros canalículos, chamados canais de Havers, comunicam-se através de outros canalículos dispostos paralelamente denominados canais de Volkmann. Os canais de Havers e de Volkmann contêm vasos sanguíneos e fibras nervosas. Ao redor de cada canal de Havers existem lamelas ósseas concêntricas e, entre elas, contata-se a presença de inúmeros osteócitos. Ao conjunto formado por um canal de Havers e às lamelas que os circundam denomina-se sistema de Havers. http://aafronio.vilabol.uol.com.br/conj.html

Histologia - Tecido Ósseo OSSO COMPACTO DESGASTADO

Nesta lâmina podemos observar o tipo de osso mais encontrado no adulto. O osso secundário, também chamado delamelar ou haversiano, apresenta-se formado pelos mesmos componentes do tecido ósseo primário. A diferença para o tecido ósseo primário é a organização das fibras colágenas em lamelas, cuja espessura varia de 3 a 7 µm e que se orientam concentricamente ao redor de canais com vasos, formando os sistemas de Havers (osteons).

Os canais de Havers comunicam-se entre si, com a cavidade medular e com a superfície externa do osso por meio de canais transversais ou oblíquos, denominados canais de Volkmann, que atravessam as lamelas ósseas. Todos esses canais se formam quando a matriz óssea se forma ao redor de canais preexistentes.

Na diáfise óssea, as lamelas arranjam-se de modo a formar quatro sistemas distintos. Um deles é o sistema de Havers, já apresentado anteriormente. Os outros são: sistema circunferencial externo, sistema circunferencial interno e sistema intermediário. Os sistemas circunferenciais interno e externo são formados por lamelas paralelas entre si.. Localizam-se, respectivamente, em torno do canal medular do osso e próximo do periósteo.

OSSO CHATO DESCALCIFICADO

A descalcificação é um dos métodos específicos para a visualização do tecido ósseo. O tecido é primeiramente fixado com um fixador histológico comum e depois mergulhado em solução diluída de ácido nítrico. Com a descalcificação, o osso amolece e, se for comprido suficiente, é possível até mesmo se dar um nó nele. Depois, são preparados em lâminas da mesma forma que são preparados os outros tecidos moles.

Na foto podem ser observados os osteoclastos, células multinucleadas que fazem a reabsorção do tecido ósseo, e os osteócitos, células adultas do tecido ósseo.

EPÍFISE ÓSSEA HE

A cartilagem epifisária localiza-se entre o tecido ósseo das epífises e o da diáfise. Distinguem-se na epífise óssea 5 zonas, que são, a partir da porção epifisária:

Zona de cartilagem em repouso: existe a cartilagem hialina sem qualquer alteração morfológica.

Zona de cartilagem seriada ou de multiplicação: formam-se fileiras ou colunas paralelas resultantes da divisão acelerada dos condrócitos.

Zona de cartilagem hipertrófica: nesta zona os condrócitos estão muito volumosos, com citoplasma rico em glicogênio.

Zona de cartilagem calcificada: ocorre a mineralização dos delgados tabiques de matriz cartilaginosa e a morte dos condrócitos.

Zona de ossificação: nesta zona, os capilares sangüíneos e células indiferenciadas originadas por divisão mitótica de células provenientes do periósteo invadem as

cavidades deixadas pelos condrócitos mortos. Destas células indiferenciadas formam-se os osteoblastos. Eles localizam-se sobre os restos da matriz cartilaginosa calcificada e sobre os tabiques desta, depositam a matriz óssea. Alguns destes osteoblastos são aprisionados pela matriz óssea, transformando-se em osteócitos. Denominam-se espículas ósseas as estruturas formadas por uma parte central cartilaginosa e uma parte periférica de tecido ósseo primário.

Tecido

Ósseo

Características: Funções: Armazenamento de sais de cálcio (ex.: fosfato de Sustentação. Proteção. cálcio). TrataPossui Apresenta se de vasos boa um tecido sangüíneos capacidade de muito e rígido. nervos. regeneração.

- Função hematopoiética: produção de células sangüíneas na medula óssea vermelha. Armazenamento de lipídio (gordura) na medula óssea amarela.

Constituição: Material intercelular Fibras impregnado com fosfato de colágenas. cálcio. Células:

- OSTEOBLASTOS - Células ósseas jovens, produtoras de fibras e substância intercelular.

- OSTEÓCITOS - Células adultas que se originam dos osteoblastos - OSTEOCLASTOS - Células ósseas que atuam na destruição de uma matriz óssea danificada modelando-a favorecendo assim a regeneração.

Nutrição e Inervação do Tecido Ósseo: - Anutrição e a inervação do tecido ósseo ocorrem através dos canais de Havers (longitudinais) e dos canais de Volkmann (transversais), por onde passam vasos sangüíneos e nervos. -PERIÓSTEO - Membrana que reveste o osso externamente, formada por tecido conjuntivo denso não - modelado. http://vetanimal.blogspot.com/2007/07/histologia-tecido-sseo.html

A estrutura do tecido ósseo. O tecido ósseo é um tipo de tecido conjuntivo formado por células e substâncias que promovem a sustentação com corporal 15% dos do animais peso vertebrados, do contribuindo corpo.

aproximadamente

Sua função, associada à conformação anatômica do esqueleto, viabiliza aos organismos

algumas vantagens fisiológicas correlacionadas ao hábito de cada espécie, como por exemplo: ponto de inserção dos nervos, apoio aos músculos, adaptações locomotoras, produção de células do sangue, bem como proteção a alguns órgãos vitais (pulmão, coração, cérebro).

Entre os principais componentes estão os elementos fundamentais que constituem a fração inorgânica (sais de cálcio, fósforo e magnésio), conferindo resistência através da formação de cristais responsáveis pela rigidez. E também por uma fração orgânica (a matriz), possuindo substâncias intercelulares com abundante presença de fibras colágenas e glicoproteínas, fornecendo considerável flexibilidade às unidades ósseas.

Na organização macroscópica de um osso é possível observar duas regiões bem distintas: uma camada compacta mais externa e outra esponjosa interna. Contudo, microscopicamente contendo a mesma composição histológica.

Esse tecido é formado por células vivas dispostas em lacunas longitudinais paralelas (perfil vertical) ou lamelas concêntricas com camadas circunscritas a partir de um eixo central, denominado de canal de Havers (perfil horizontal).

As células que integram esse tecido podem ser: os osteoblastos, produzindo a matriz; e os osteócitos, células com baixo potencial metabólico, inseridas na matriz, atuando na manutenção e reposição dos componentes orgânicos.

O

PROCESSO

DE

OSSIFICAÇÃO

PODE

SER:

Ossificação intramenbranosa – originando os ossos chatos durante o período embrionário, crescimento dos ossos curtos e gradativo espessamento dos ossos longos.

Ossificação endocondral – mecanismos de ossificação que ocorre durante a formação do embrião, a partir da formação primária de um molde cartilaginoso, posteriormente mineralizado com a deposição de fosfato de cálcio. http://www.brasilescola.com/biologia/tecido-osseo.htm

TECIDO ÓSSEO Características e funções O tecido ósseo (TO) é formado por células e matriz mineralizadas. É rígido e resistente para suportar pressões e para exercer a função de proteção de órgãos internos, principalmente os órgãos vitais, como fazem as caixas craniana e torácica. Exerce importante função de armazenamento de Cálcio para contração muscular, secreções, impulsos nervosos e outros mecanismos. Forma um sistema de alavancas para aumentar a força muscular. Células ósseas OSTEOBLASTOS: células jovens com núcleo grande e claro e com prolongamentos que formam canalículos. Possuem grande quantidade de RER e Golgi, pois são responsáveis pela síntese da matriz óssea orgânica. Localizam-se na superfície óssea. OSTEÓCITOS: são os osteoblastos envoltos totalmente por matriz. Ocupam lacunas de onde partem canalículos, que nada mais são que junções comunicantes. São responsáveis pela manutenção da matriz orgânica e por não serem sintetizadores ativos

de matriz, possuem pouca quantidade de RER e Golgi, além de possuírem a cromatina condensada. OSTEOCLASTOS: são células móveis e gigantes com 6 a 50 núcleos. Estão localizadas nas lacunas de Howship, depressões formadas por enzimas após digerirem o TO, formando os sítios de reabsorção óssea. São originários de monócitos sangüíneos, fundidos pela membrana de vasos. Apresentam muitos lisossomos, pois são responsáveis pela reabsorção do TO para que possa ser renovado. Secretam vários ácidos e enzimas (colagenase), que atacam a matriz e liberam Ca; para esta tarefa contam ainda com receptores para calcitonona. Matriz óssea PARTE INORGÂNICA: são formados por citrato, Mg, K, Na e principalmente de cristais de Hidroxiapatita ao longo das fibras colágenas. Estes cristais têm fórmula C10(PO4)6(OH)2 e possuem uma capa de hidratação ao seu redor, formados por íons hidratados. PARTE ORGÂNICA: 95% é colágeno do tipo I. O restante é SFA, formada por glicoproteínas e proteoglicanas (condroitin e queratan sulfato). Tipo Macroscopicamente, dividem-se em osso compacto, que não possui cavidades visíveis, e osso esponjoso, com cavidades intercomunicantes. Microscopicamente, dividem-se em primário e secundário. PRIMÁRIO: é caracterizado pela desorganização das fibrilas colágenas. É altamente permeável aos raios X e são encontrados em suturas do crânio, alvéolos dentários e pontos de inserção de tendões. Normalmente passa a ser substituído por osso secundário.

SECUNDÁRIO: a organização em lamelas é a característica marcante deste tipo de osso, localizado principalmente nas diáfises de ossos longos de adultos. Possui o sistema de Havers e os de circunferência interna a externa. Sistema de Havers Sistema cilíndrico paralelo à diáfise, formado por 4 a 20 lamelas concêntricas, cujo canal central é o canal de Havers, por onde passam vasos e nervos. A comunicação entre estes canais é feita pelos canais de Volkman. Quando o osso é jovem, a luz do canal é mais ampla e suas paredes, menos calcificadas. Entre os sistemas de havers encontramse grupos irregulares de lamelas, os Sistemas Intermediários, originados de restos de sistemas de havers parcialmente destruídos durante o crescimento ósseo. Ossificação INTRAMEMBRANOSA: ocorrem a partir de TC, como os ossos da face. As células mesenquimatosas indiferenciadas do TC são diferenciadas em osteoblastos, que produzem matriz. Há formação de osteócitos para a manutenção da matriz. Vasos sangüíneos e linfáticos invadem o interior da matriz e formam-se as traves ósseas entre os centros de ossificação. Com isto, preenche-se totalmente os espaços, formando-se o periósteo. ENDOCONDRAL: ocorre a partir de um modelo cartilaginoso hialino preexistente, sobre o qual a matriz óssea vai se depositar. Há uma modificação dos condrócitos e degeneração da matriz cartilaginosa. Células mesenquimatosas indiferenciadas acompanham a invasão de vasos sangüíneos e a partir delas há formação de osteoblastos -> matriz -> osteócito -> periósteo. A ossificação de ossos longos ocorre primeiramente no pericôndrio e é do tipo intermembranosa. Após, passa a ser endocondral, primeiro na diáfise e depois nas epífises, porém não simultaneamente.

A formação do canal da medula óssea, responsável pela formação de células sangüíneas, ocorre a partir de monócitos, que deixam os vasos para diferenciarem-se em osteoclastos. Estes fazem a degradação óssea, formando o canal. Mobilização do Cálcio O osso possui 99% da concentração do cálcio corpóreo, enquanto o sangue e os tecidos concentram-no apenas 1%. Esta pequena concentração, no entanto, deve permanecer constante para que a contração muscular, secreções, transmissão de impulsos nervosos, adesão celular e outros fenômenos possam ocorrer normalmente. A entrada de cálcio ocorre primeiramente na alimentação, passando ao sangue até chegar aos ossos e demais tecidos. Há, no entanto, dois mecanismos de mobilização do Ca entre ossos e os outros tecidos. * Pode ocorrer transferência direta de íons Ca da hidroxiapatita para o sangue (v.v.) por causa da forte ligação desta molécula com as lamelas. Este processo ocorre mais facilamente em ossos esponjosos.

* A paratireóide produz o paratormônio e a tireóide produz a calcitonina. Quando a concentração de Ca no sangue está baixa, o paratormônio é produzido e faz com que o número de o número de osteoclastos aumente, para que a absorção óssea também aumente. Esta absorção faz com que seja liberado o fosfato de Ca antes armazenado no osso. O fosfato vai para os rins, enquanto o Ca vai para o sangue, onde a calcemia, então, aumenta. Entra em ação a calcitonina produzida na tireóide para abaixar a calcemia sangüínea. Ambos os mecanismos servem para deixar a concentração de Ca constante no organismo. Durante o crescimento

Os ossos crescem longitudinalmente a partir do disco epifisário. Diversas substâncias fazem-se necessárias para um crescimento normal e a falta delas acarreta doenças de malformação óssea. * A falta de proteínas pode dificultar a atividade dos osteoblastos, pois necessitam delas para a formação da matriz orgânica do osso. * A falta de Ca pode levar a uma mineralização incompleta, o que causaria fragilidade do osso. A falta de vitamina D leva a uma dificuldade da absorção de Ca no intestino. O RAQUITISMO é uma doença fruto de uma alimentação pobre em Ca ou vitamina D. Ocorre em crianças, pois ainda possuem o disco epifisário. Como o disco não pode calcificar-se normalmente, o osso não consegue sustentar pressões, causando deformações. A OSTEOMALACIA é o "raquitismo" em adultos, pois também advém de alimentação pobre destas substâncias. No entanto, a principal conseqüência é a fragilidade óssea. * A OSTEOPOROSE é uma doença hormonal, fruto de uma paratireóide hiperativa, que produz muito paratormônio, causando aumento do número de osteoclastos, que degeneram o osso. A concentração de Ca, no entanto, é normal; portanto, a fragilidade óssea característica da doença vem da menor quantidade de osso, devido a absorção pelos osteoclastos em excesso. A osteoporose pode ser causada também por uma disfunção na síntese de matriz óssea ou ainda por carência de vitamina A, que equilibra a atividade entre osteoblastos e osteoclastos. * A carência de vitamina C pode levar a uma má formação óssea, pois o colágeno não será sintetizado corretamente. Esta vitamina auxilia na hidroxilação da prolina, na síntese do colágeno.

* O hormônio GH atua no fígado, estimulando a síntese de somatomedina, que influi no

crescimento do disco epifisário. A falta deste hormônio leva ao NANISMO, enquanto o excesso leva ao GIGANTISMO em crianças e ACROMEGALIA em adultos. * Os hormônios sexuais atuam na produção óssea. A falta leva a uma demora na ossificação, gerando indivíduos mais altos. O excesso, ao contrário, induz a uma rapidez na ossificação, originado indivíduos com estatura mais baixa. Fraturas Primeiramente, uma hemorragia ocorre devido à obstrução de vasos sangüíneos do periósteo. No local, há pedaços de matriz e células mortas e lesadas. Do TC vêm os macrófagos para fazer a limpeza. As células mesenquimatosas indiferenciadas do TC podem sintetizar condroblastos para que depois sejam gerados condrócitos e ocorra a ossificação (muito lento) ou formar diretamente os osteoblastos para a imediata transformação em osteócitos. Com isto, ocorre a formação de osso primário (calo ósseo) para a subseqüente substituição por osso secundário. Fonte: www.biologianarede.bio.br Histologia Animal É a parte da Biologia que estuda os tecidos (do grego, hydton, tecido + logos, estudos). Mas o que é Tecido? "Tecido é uma especialização morfológica, físico-químico e fisiológica de células” (GRASSE). "Tecido é um conjunto de células da mesma natureza, diferenciadas em determinado sentido para poderem realizar a sua função própria"(SCHUMACHER). "Tecido é um grupo de células que apresentam a mesma função própria” (MENEGOTTO). Todos estão corretos. Os tecidos do corpo dos animais vertebrados desempenham variadas funções que por sua vez são formados por células especializadas. No corpo dos animais pluricelulares, exceto espongiários, e constituído

por

células

agrupadas

e

organizadas,

formando

os

tecidos.

Precisa-se de requisito para termos um tecido que seja composto de um grupo de células, que devera apresentar a mesma função. Os tecidos fundamentais nos animais são estes: Epitelial, Muscular, Nervoso, Sangüíneo e Conjuntivo. Nos invertebrados estes tipos de tecido são basicamente os mesmos, porem com organizações mais simples. A maioria dos tecidos além de serem compostos de células, apresentam entre elas substâncias intracelulares (intersticiais). http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/histologia-animal/histologia-animal-1.php

O

que

é

Histologia?

É a parte da Biologia que estuda os tecidos (do grego, hydton, tecido + logos, estudos).

Mas

o

que

é

Tecido?

"Tecido é uma especialização morfológica, físico-químico e fisiológica de células” (GRASSE).

"Tecido é um conjunto de células da mesma natureza, diferenciadas em determinado sentido para poderem realizar a sua função própria"(SCHUMACHER).

"Tecido

é

um

grupo

de

células

que

apresentam

a

mesma

função

própria"(MENEGOTTO). Todos estão corretos. Os tecidos do corpo dos animais vertebrados desempenham variadas funções que por sua vez são formados por células especializadas. No corpo dos animais pluricelulares, exceto espongiários, e constituído

por

células

agrupadas

e

organizadas,

formando

os

tecidos.

Precisa-se de requisito para termos um tecido que seja composto de um grupo de células, que devera apresentar a mesma função.

Os tecidos fundamentais nos animais são estes: Epitelial, Muscular, Nervoso, Sangüíneo e Conjuntivo.

Nos invertebrados estes tipos de tecido são basicamente os mesmos, porem com organizações mais simples. A maioria dos tecidos além de serem compostos de células, apresentam entre elas substâncias intracelulares (intersticiais). Tecido ósseo O tecido é o tecido se sustentação que apresenta maior rigidez forma os ossos dos esqueletos dos vertebrados. São constituídos pelas células ósseas, os osteócitos e por uma matriz compacta e resistente. Os osteócitos são dispostos ao redor de canais formam os sistemas de Havers, dispõe-se em círculos concêntricos ao redor de um canal, por onde passam vasos sangüíneos e nervos. As células se acham alojados em cavidades na matriz e se comunicam umas com as outras por meio de prolongamentos finos. A matriz é constituída por grande quantidade de fibras colágenas, dispostas em feixes, entre os quais se depositam cristais, principalmente de fosfato de cálcio. A grande resistência do tecido ósseo resulta dessa associação de fibras colágenas com o fosfato de cálcio.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->