P. 1
Ap Port 9 Ano Mod II

Ap Port 9 Ano Mod II

|Views: 1.196|Likes:
Publicado porcons_eguir

More info:

Published by: cons_eguir on Nov 29, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/01/2013

pdf

text

original

(Caulos, Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 1978, in http://www.inep.gov.br/download/enem/2001/prova/amarela_2001.pdf)

Os quadrinhos do texto anterior falam de
(A) desmatamento.
(B) seca.
(C) enchente.
(D) descaso das autoridades.

TÓPICO II – Implicações do suporte, do gênero e/ou enunciador na compreensão do texto
DESCRITOR D5 – Interpretar texto com auxílio de material gráfico diverso (propagandas, quadrinhos, foto, etc.)

GABARITO: A

DISTRATORES

No último quadrinho, a imagem da palmeira cortada sugere que houve desmatamento. Portanto, os distratores (B),
(C) e (D) não seriam respostas adequadas.

ORIENTAÇÕES

Caro monitor, apresente sucintamente ao aluno o poema original escrito por Gonçalves Dias. Se possível, use
dicionários para que consultem os vocábulos desconhecidos. Ressalte o amor do poeta pela terra natal, cheia de belezas
naturais e a sua atual devastação.
Veja abaixo o poema e uma breve biografia do autor:

Canção do exílio

"Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

MÓDULO II

Orientações Pedagógicas
LÍNGUA PORTUGUESA
9º ANO (2011)

PROJETO (CON)SEGUIR – MÓDULO 2 – 9º ANO

22 LÍNGUA PORTUGUESA - 2011

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar - sozinho, à noite –
Mais prazer encontro eu lá;

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;

Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá."

Canção do exílio é o poema de Gonçalves Dias que abre o livro contos literários e marca a obra do autor como um
dos mais conhecidos poemas da língua portuguesa no Brasil. Foi escrita em julho de 1843, em Coimbra, Portugal. O
poema, por conta de sua contenção e de sua alusão à pátria distante, tema tão próximo do ideário do Romantismo, tornou-
se emblemático na cultura brasileira. Tal caráter é percebido por sua frequente aparição nas antologias escolares, bem
como pelas inúmeras citações do texto presentes na obra dos mais diversos autores brasileiros. Sua temática é própria da
primeira fase do Romantismo brasileiro, em sua mescla de nostalgia e nacionalismo. Gonçalves Dias compôs o poema
cinco anos depois de partir para Portugal, onde fora cursar Direito na Universidade de Coimbra. O texto é estruturado a
partir do contraste entre a paisagem europeia e a terra natal - jamais nominada, sempre vista com o olhar exagerado de
quem está distante e, em sua saudade, exalta os valores que não encontra no local de exílio.

(com adaptações)

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->