Você está na página 1de 8

.

1 Exemplo de atividade com texto produzido por terceiros

Pluft, o fantasminha
1 Ao abrir o pano, a Senhora Fantasma faz tricô, balançando-se na
2 cadeira, que range compassadamente. Pluft, o fantasminha, brinca
3 com um barco. Depois larga o barco e pega urna velha boneca de
4 pano. Observa-a por algum tempo.
5 PLUFT − Mamãe!
6 MÃE − O que é, Pluft?
7 PLUFT − (Sempre com a boneca de pano.) Mamãe, gente existe?
8 MÃE − Claro, Pluft, claro que gente existe.
9 PLUFT − Mamãe, eu tenho tanto, medo de gente! (Larga a
10 boneca.)
11 MÃE − Bobagem, Pluft.
12
PLUFT − Ontem passou lá embaixo, perto do mar, e eu vi.
13
MÃE − Viu o quê, Pluft?
14
15 PLUFT − Vi gente, mamãe. Só pode ser. Três.
16 MÃE − E você teve medo?
17 PLUFT − Muito, mamãe.
18 MÃE − Você é bobo, Pluft. Gente é que tem medo de fantasma e
19 não fantasma que tem medo de gente.
20 PLUFT − Mas eu tenho.
21 MÃE − Se seu pai fosse vivo, Pluft, você apanharia uma surra
22 com esse medo bobo. Qualquer dia destes eu vou te levar ao mundo
23 para vê-los de perto.
24 PLUFT − Ao mundo, mamãe?!!
25 MÃE − É, ao mundo. Lá embaixo, na cidade...
26 PLUFT − (Muito agitado vai até a janela. Pausa.) Não, não... não.
27 Eu não acredito em gente, pronto ...
28 MÃE − Vai sim, e acabará com estas bobagens. São histórias
29 demais que o tio Gerúndio conta para você. (Pluft corre até um
30 canto e apanha um chapéu de almirante.)
31 PLUFT − Olha, mamãe, olha o que eu descobri! O que é isto?!
32 MÃE − Seu tio Gerúndio trouxe do mar. (Pluft fora de cena
33
continua a descobrir coisas, que vai jogando em cena: panos,
34
chapéus, roupas, etc.)
35
PLUFT − Por que tio Gerúndio não trabalha mais no mar, hein,
36
mamãe?
37
MÃE − Porque o mar perdeu a graça para ele...
38
39 PLUFT − (Sempre remexendo, descobre um espartilho de mulher.) E
40 isto, mamãe (aparecendo), que é isso? Ele trouxe isto também do mar?
41 (Coloca o espartilho na cabeça e passeia em volta da mãe.)
42 MÃE − Pluft, chega de remexer tanto nas coisas ...
43 PLUFT − (Larga o espartilho no chão e passeia na cena à procura
44 do que fazer.) Vamos brincar, tá bem? Finge que eu sou gente.
45 (Veste-se de fraque e de cartola.)
46 MÃE − (Sem vê-lo.) Chega de fazer desordem, meu filho. Você
47 acaba acordando tio Gerúndio... (Ela olha para o baú.)
48 PLUFT − (Pé ante pé, chega detrás da cadeira da mãe e grita.)
49 Uuuuh! (A mãe leva um grande susto e deixa cair as agulhas e o
50 tricô.) Eu sabia que você também tinha medo de gente. Peguei!
51 Peguei! Peguei mamãe com medo de gente
(MACHADO, Maria Clara. Pluft, o fantasminha. Apud.
PRESTES, 2002: p. 299-303.)
Sugerimos que, num primeiro momento, o professor faça uma leitura oral do
texto e, a seguir, promova uma conversa informal sobre ele, perguntando, por
exemplo, se os alunos gostaram ou não e por quê, se acreditam em fantasmas, etc.
O professor deve questionar também sobre as marcas próprias dos textos de
gênero teatral: as rubricas, ou seja, o nome de cada personagem antes de sua fala,
bem como as observações que são feitas antes de começarem os diálogos e as que
estão entre parênteses. Esse questionamento quanto às rubricas, contudo, nesse
momento, deve ser feito sem o uso da metalinguagem (sem a nomenclatura
específica). O próximo passo pode ser uma leitura dramática feita por três alunos:
um representando Pluft; outro, a mãe; e ainda outro lendo as rubricas (menos as
que indicam o nome do personagem que vai falar).

Para a análise escrita, sugerem-se questões como as que seguem:

1- a) Em especial, a quem o texto se destina?

b) O que leva você a chegar a tal conclusão?

2- O texto foi escrito para quê?

3- a) Onde a cena se desenvolve?

b) Este trecho da peça de teatro mostra detalhadamente qual é o local ou se


pode imaginá-lo a partir de pistas que são dadas ao longo do texto? Comente.

4- a) Quais são os personagens que atuam na cena?

b) Que recurso é utilizado para marcar a vez de cada um falar?

5- Que recursos são utilizados para mostrar as ações que cada personagem
deve desenvolver em cena?

6- Para saber como se chamam esses recursos utilizados em textos feitos para
serem representados, coloque estes números e as letras a eles correspondentes em
ordem.
SBURAICR=
_______________________
83217564

7- Neste trecho que lemos, os personagens estão constantemente dialogando.


Ao conversarem, eles chamam um ao outro. Sublinhe no texto as expressões que
eles utilizam para fazer esse chamamento.

8- a) Em que posição nas frases esses termos usados para fazer um


chamamento aparecem?

b) Que sinais de pontuação são utilizados quando esses termos se encontram


em cada uma das posições?

9- Proceda como você procedeu na questão 6 e descubra como se chama a


expressão utilizada para fazer um chamamento.
TVOIOVCA
= _______________________
5 78 62 13 4

10 - a) Os personagens usam, no seu diálogo, uma linguagem mais formal ou


uma linguagem mais informal, mais solta?

b) No dia-a-dia, convivendo com nossa família, que tipo de linguagem


usamos?

c) Que situação vivem os personagens da história contada neste trecho de


peça teatral?

d) O tipo de linguagem utilizado por eles tem algo a ver com a situação
que estão vivendo? Comente.

11- a) Numere a segunda coluna de acordo com a primeira, dizendo a que(m)


remetem no texto ao pronomes destacados.
(1) Pluft ( ) a (L. 4)
(2) mãe (Senhora ( ) eu (L. 10,
Fantasma) 13,20,27,31,49)
(3) tio Gerúndio ( ) você (L. 16,18,21,46)
(4) uma velha boneca de ( ) eu (L. 22)
pano ( ) ele (L. 37, 39)
(5) um espartilho ( ) isto, isso (L. 39)
( ) lo (L.46)
( ) ela(L. 47)
( ) você, (L. 50)

b) Responda: Por que será que eles foram usados?

12- Os personagens da peça têm suas características invertidas, comparando-


se com a realidade.

a) Que inversões são essas?

b) Que efeito isso busca provocar em quem lê o texto ou assiste à peça?

13- Será que a mãe de Pluft levou um susto porque realmente tem medo de
gente? Comente.

14- E você, acredita em fantasmas? Tem medo deles? Comente.

15- a) Você se interessa por histórias de fantasmas?

h) Se você se interessa, procura entrar em contato com essas histórias que


maneira?

16- a) Você já assistiu a alguma peça de teatro? Qual(is)?

b) Você gostou dela(s)? Por quê?


17- Os textos feitos para serem representados são utilizados só no teatro?
Comente.

Feita tal atividade, o professor pode promover uma dramatização do trecho


lido, agora com cenário, figurino, etc., ampliando a atividade de leitura dramática já
feita anteriormente.

Para completar, ele deve solicitar aos alunos que produzam também uma peça
de teatro, observando as marcas próprias desse tipo de texto, e a dramatizem para
os colegas.

Na seqüência de seu trabalho, o professor deve envolver outros tipos de


textos em que apareçam diálogos (fábulas, contos, histórias em quadrinhos, etc.),
levando os alunos a perceberem não só as diferentes formas de marcar os diálogos
em textos de tipologias diversas, como também a utilização de vocativos. Ele deve
ainda trabalhar com outros tipos de texto em que não aparecem diálogos entre
personagens, mas que têm vocativos, como cartas, bilhetes, propagandas, etc.,
levando os alunos a perceberem a funcionalidade do vocativo em tais textos, em
que o produtor está, de certo modo, dialogando com seu receptor.

3.2 Exemplo de atividade com texto produzido por aluno

Gravidez na adolecência 1[1]


1 Muitas vezes na busca de novas experiências e a falta de
2 maturidade leva adolecêntes, ou pré-adolecentes a se relacionar
3 sexoalmente, sem nenhum tipo de proteção e isso quase sempre,
4 acaba numa gravidez precoce.
5 Quando uma menina fica grávida, a preção da sociedade e
6 muito grande pois a indignação das pessoas, acontece por causa das
7 imensas propagandas e campanhas anunciando os problemas de
8 uma gravidez precose e doenças sexualmente tramissiveis.
9 Essas adolecêntes em vários casos para cuidar de seu filhos,
10 acabam deixando a escola e arranjando empregos de lojista, babá, e
11 outros serviços que as vezes estão fora do seu potencial. Na maioria
12 dos casos os pais reage, com indignação, é por isso acaba
13 acontecendo vários abortos que pode ter a permição dos pais, ou
14 serem feitos as excondidas.
15 E presiso deixar bem claro a importância dos pais nesse caso.
16 Por que criar uma criança exige responsabilidade que exige
17 maturidade. Coisa que a maioria dessas meninas ainda não tem.
18 Muitos pais acham que uma criação aberta acaba prejudicando a
19 criança e adolecente.
20 Mais na verdade esses abortos as excondidas acabam
21 acontecenso pelo medo que essas meninas tem da contar ao seus
22 pais. Por isso e preciso deixar a vergonha de lado e falar

1[1] Transcrição literal de texto em primeira versão produzido em 1996 por uma
aluna de 7a. série do ensino fundamental de uma escola pública de Porto Alegre, no
desenvolvimento de atividades que envolveram a temática “Gravidez na
adolescência”.

Observe-se que há vários outros aspectos que


23 abertamente com os filhos falando alertando e sendo mais que uma
mãe preocupada com os filhos e sim uma amiga.

I- 1-Observe as frases a seguir:

a) As adolescentes, em diversos casos, para tentarem esconder a gravidez,


passam a usar roupas bem largas.

b) As adolescentes, para tentarem esconder a gravidez, passam a usar roupas


bem largas em diversos casos.

c) Em diversos casos, para tentarem esconder a gravidez, as adolescentes


passam a usar roupas bem largas.

d) Em diversos casos, as adolescentes, para tentarem esconder a gravidez,


passam a usar roupas bem largas.

e) Em diversos casos, as adolescentes passam a usar roupas largas para


tentarem esconder a gravidez.

2- Agora responda:

As expressões “muitas vezes” e “para tentarem esconder a gravidez”


exprimem, respectivamente, as idéias de

( ) finalidade e tempo.

( ) tempo e finalidade.

3- Atente para a extensão e a posição dessas expressões e procure


estabelecer relações entre esses aspectos e a pontuação nas frases. O que você
pode perceber?

4- Retome o texto “Gravidez na adolescência” e veja se, entre as linhas 9 e


10, com base no que você concluiu anteriormente, a pontuação está adequada. Se
não estiver, reescreva-a.

5- Tente outras possibilidades de reescritura para a frase.

6- Monte frases com as expressões a seguir, representando diversas


possibilidades de ordem dos elementos e de pontuação.

a) alguns pais/ quando a filha engravida/ fazem de tudo/ para que ela e o
bebê fiquem bem

b) ao saberem da gravidez da namorada/ muitos garotos/ para se verem


livres de responsabilidade/ dizem que o filho não é seu

c) em muitos casos/ para contarem sobre a gravidez para os pais/ as


adolescentes pedem ajuda de uma pessoa amiga.

II- 1- Atente para a frase a seguir, retirada do texto “Gravidez na


adolescência”:

“E presiso deixar bem claro a importancia dos pais nesse caso.”

a) Reescreva-a, colocando os acentos necessários e grafando adequadamente


as palavras (procure auxílio no dicionário).

2- Das frases a seguir, qual está escrita de acordo com o que prescreve a
gramática?

( ) A importância fica bem clara.

( ) A importância fica bem claro.

a) Que palavras precisaram combinar? Por quê?

b) Inverta a ordem da frase que você julgou adequada.

3- Volte para a frase que você reescreveu no item 1, compare-a com a que
você inverteu em 2.b e veja o que precisa ainda ser reescrito para que ela fique
totalmente de acordo com a norma culta.

4- Complete as frases a seguir, usando do quadro os adjetivos que julgar


adequados e fazendo as necessárias combinações.
rotineiro, precário, necessário, claro, esclarecido, agradáve

a) É _______________ a situação de muitas maternidades no Brasil.

b) Fazem-se _______________ exames de pré-natal para as adolescentes


grávidas.

c) É preciso deixar bem ______________ a jovem com relação à gravidez.

d) É _______________ muita compreensão por parte dos pais de


adolescentes grávidas.

e) Faz-se necessário tornar bastante ______________ aos jovens o quanto


transtorna a sua vida uma gravidez indesejada.

f) É preciso tornar _______________ as conversas com os filhos no que se


refere à sexualidade.

4 CONCLUSÃO

As atividades aqui propostas são apenas uma pequena amostra do que, entre
tantas outras coisas, o professor pode fazer em sala de aula com relação ao ensino
de gramática. Ressaltamos a observação já feita de que não se trata de fórmulas
prontas, mas de sugestões de possibilidades de realizar esse trabalho. A idéia é que
o professor elabore atividades que visem a atender a necessidades específicas de
grupos de alunos com características também específicas, em especial quando se
trata de atividades com textos produzidos por eles.
ANEXO

Código de correção de redações (Cf. PRESTES, 2002, p. 13)

(1) Usa-se letra maiúscula ou minúscula?

(2) Olha a pontuação! (-.,; ! ?: . . . ")

(3) Olha o acento! (Pede ajuda ao dicionário.)

(4) Será que é assim que se escreve a palavra? (Pede ajuda ao dicionário.)

(5) Falta ou sobra uma letra ou um termo.

(6) Há algo "desafinando" na frase.

(7) Cuidado com o uso do am (passado) e do ão (futuro ou aumentativo)!

(8) Conserva as margens.

(9) A idéia não está clara.

(10) Cuidado com as repetições (de palavras e de idéias)!

(11) Olha o uso da crase!

(12) Olha a separação de sílabas!

(13) Será que foi usado o tempo verbal adequado?

(14) Será que o pronome foi usado adequadamente?

(15) Será que o nível de linguagem é adequado ao tipo de texto?

(16) Cuidado com a "costura" da frase e/ou do parágrafo.

(17) Será que a frase e/ou o parágrafo está(ão) bem elaborado(a)(s)?

(18) Será esta a expressão mais adequada nesta situação de texto?

(19) Será que o que disseste corresponde à realidade?

(20) Cuidado com a contradição!

? O que quiseste escrever?

// Vamos trocar de parágrafo?

Coloca no parágrafo acima.

Interesses relacionados