P. 1
Com base no círculo trigonométrico

Com base no círculo trigonométrico

|Views: 94|Likes:
Publicado porcon_seguir

More info:

Published by: con_seguir on Dec 03, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/28/2013

pdf

text

original

IFSC / Cálculo I Prof.

Júlio César TOMIO


Página 1 de 17
Funções Trigonométricas [ou Circulares]

● Introdução:

A trigonometria originou-se com parte do estudo dos triângulos. O nome tri-gono-metria significa, de certa forma, medida de
figuras com três ângulos [lados] e as primeiras definições de funções trigonométricas foram em ternos de triângulos. No
entanto, as funções trigonométricas podem ser definidas usando-se o círculo unitário [trigonométrico], uma definição que as
faz periódicas. Muitos processos que ocorrem naturalmente são periódicos também. O nível da água em uma bacia sujeita às
mares, a pressão sanguínea em um coração, uma corrente alternada e a posição de moléculas de ar transmitindo uma nota
musical variam regularmente. Tais fenômenos, entre outros, são representados por funções trigonométricas, também
conhecidas como funções circulares.

Baseado no texto da p. 24 do livro: HUGHES-HALLETT, Deborah et al. Cálculo de uma Variável. 3 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2004.


● Conceito Inicial: O Círculo Trigonométrico:

O Círculo Trigonométrico, também conhecido como circunferência ou ciclo trigonométrico, é uma circunferência de raio
unitário, centrada na origem dum sistema de coordenadas cartesianas bidimensional. Nele, foi convencionado que a
orientação no sentido anti-horário nos dará a contagem positiva dos ângulos [ou arcos], e conseqüentemente, no sentido
horário, os ângulos serão dados como negativos.


● Unidades Angulares:

As unidades para ângulo são: o grau [ º ], o radiano [ rad ] e o grado [ gr ]. Vale observar que, no SI [Sistema
Internacional de Unidades], a unidade para ângulo plano é o radiano. Das unidades em questão, o radiano é a única que
dispensa a utilização de seu símbolo, neste caso “rad”. Assim, no ciclo trigonométrico abaixo, temos as extremidades dos
quadrantes indicadas com as 3 unidades angulares mencionadas:



90º
0
360º
270º
180º
100gr
400gr
300gr
200gr 0gr
t/2
t
3t/2
2t





Em nosso estudo, as unidades angulares mais utilizadas serão o radiano e o grau. Assim, a conversão entre elas pode ser
feita através de uma regra de três, usando-se a relação:

180º ÷ t rad

Observação: A partir do exposto até aqui, é possível indicarmos um ângulo maior que 360º ou mesmo um ângulo negativo;
e isso implicará no comportamento periódico das funções trigonométricas que veremos a seguir.
Arcos côngruos [ou congruentes]

São arcos [ou ângulos] de mesma origem e de mesma extremidade, que
diferem um do outro apenas pelo número de voltas no ciclo
trigonométrico, independente do sentido da orientação. Veja:

... º 710 º 350 º 1090 º 730 º 370 º 10 = ÷ = ÷ = = = =

Note que: º 360 º 10 º 370 + = º 360 ). 1 ( º 10 + ÷
º 360 º 360 º 10 º 730 + + = º 360 ). 2 ( º 10 + ÷
º 360 º 360 º 360 º 10 º 1090 + + + = º 360 ). 3 ( º 10 + ÷
º 360 º 10 º 350 ÷ = ÷ º 360 ). 1 ( º 10 ÷ + ÷
º 360 º 360 º 10 º 710 ÷ ÷ = ÷ º 360 ). 2 ( º 10 ÷ + ÷

Assim, todo ângulo o tem uma expressão geral do tipo:

º 360 .
0
k + = o o , com Z e k
Sendo k o número de voltas e
0
o a “1ª determinação positiva”.
Para o caso acima, temos: º 360 . º 10 k + = o , com Z e k .

IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 2 de 17
Definição de Radiano: um ângulo de 1 radiano é definido com sendo o ângulo no centro do círculo unitário que limita
[determina] um arco de comprimento 1 nesse círculo, medido no sentido anti-horário [Figura 1].

















Figura 1 Figura 2 [Fonte: Wikipédia]


Isso implica que 1 radiano corresponde ao arco com o mesmo comprimento do raio da circunferência em questão [Figura 2].

Notas: a palavra “radiano” remete a palavra raio [radius]. Quando temos a particularidade do raio ser unitário, será
indiferente falar em arco ou ângulo.

Decorrente disso, podemos calcular o comprimento de qualquer arco  de uma circunferência através do ângulo central o ,
dado em radianos.


Assim:
R · =o 



Definimos como Perímetro ou Comprimento C , uma volta completa
na circunferência. A relação acima fica assim adaptada:


R C · = t 2





● As Relações Trigonométricas no Círculo Trigonométrico Unitário

Os valores de u sen serão medidos no “eixo x” do sistema cartesiano ortogonal associado e os valores de u cos serão
medidos no “eixo y”. Os valores de u tg serão medidos num eixo vertical tangente à circunferência trigonométrica na
origem os arcos.

tg
sen
cosec
cotg
cos
sec


Os valores de secante [sec] e cossecante [cosec] de um ângulo serão medidos nos eixos “x” e “y”, respectivamente, e os
valores da cotangente [cotg] de um ângulo serão medidos num eixo horizontal tangente à circunferência trigonométrica.
Comprimento AP = 1
R = 1
o = 1 rad
R
Comprimento do arco = raio
IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 3 de 17
Seno de um Ângulo u:

O seno de um ângulo u é a medida do segmento de reta que liga a origem do sistema cartesiano [ponto O] com a projeção
ortogonal da extremidade “P” do arco de u sobre o eixo “y” [ponto M]. Veja os quatros possíveis casos a seguir com arcos
em cada um dos quadrantes.

1º Quadrante 2º Quadrante







θ sen OM=






Note que:

θ) ( sen θ sen ÷ ÷ =

3º Quadrante 4º Quadrante







θ sen OM=








Observação: É importante verificar que o seno de um ângulo u qualquer estará sempre compreendido no intervalo:

1 sen 1 s u s ÷

Cosseno de um Ângulo u:

O cosseno de um ângulo u é a medida do segmento de reta que liga a origem do sistema cartesiano [ponto O] com a
projeção ortogonal da extremidade “P” do arco de u sobre o eixo “x” [ponto M]. Veja os quatros possíveis casos a seguir com
arcos em cada um dos quadrantes.

1º Quadrante 2º Quadrante







θ cos ON=






Note que:

θ) cos( θ cos ÷ =
IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 4 de 17

3º Quadrante 4º Quadrante








θ cos ON=








Observação: É importante verificar que o cosseno de um ângulo u qualquer estará sempre compreendido no intervalo:

1 cos 1 s u s ÷


Tangente de um Ângulo u:

A tangente de um ângulo u é a medida do segmento de reta que liga a origem do ciclo trigonométrico [ponto A] com a
intersecção [ponto T] da reta que passa pela origem do sistema cartesiano e pela extremidade “P” do arco de u. Veja os
quatros possíveis casos a seguir com arcos em cada um dos quadrantes.

1º Quadrante 2º Quadrante







AT = tgθ







Note que:

θ) ( tg θ tg ÷ ÷ =

3º Quadrante 4º Quadrante







AT = tgθ








Observação: É importante notar que a tangente de um ângulo u só existirá se: º 180 . º 90 k + = u com Z k e .

Considerando o exposto acima, a θ tg pode assumir qualquer valor real, ou seja: · + < < · ÷ θ tg

IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 5 de 17
A Relação Fundamental da Trigonometria: 1 cos
2 2
= + u u sen

Podemos deduzi-la facilmente através do círculo trigonométrico. Veja:









Aplicando o teorema de Pitágoras no triângulo acima, temos:

2 2 2
) ( ) ( ) ( cat cat hip + =

2 2 2
) (cos ) ( ) 1 ( u u + = sen

1 cos
2 2
= + u u sen


Alguns Valores Trigonométricos:

Para sua observação, na tabela abaixo apresentamos alguns valores trigonométricos, além dos já vistos anteriormente.

0º 30º 45º 60º 90º 120º 135º 150º 180º 270º 360º

sen

0
2
1

2
2

2
3


1
2
3

2
2

2
1


0

1 ÷

0

sen

cos

1
2
3

2
2

2
1


0
2
1
÷
2
2
÷
2
3
÷

1 ÷

0

1

cos

tg

0
3
3


1

3



3 ÷

1 ÷
3
3
÷

0



0

tg


Nota: experimente encontrar alguns dos valores trigonométricos em sua calculadora científica!

Uma Animação na Web!

Em http://mat.absolutamente.net/ra_c_tri.html você poderá “interagir” com um círculo trigonométrico para observar
a variação dos valores de seno, cosseno e tangente de um ângulo qualquer.


Secante, Cossecante e Cotangente de um Ângulo u:

Veja abaixo as relações para um ângulo no 1º quadrante. A interpretação para os demais quadrantes fica a cargo do leitor.













OS = sec θ OC = cosec θ BQ = cotg θ

+ É importante notar que a secante de um ângulo u só existirá se: º 180 . º 90 k + = u com Z k e .
Considerando o exposto acima, a θ sec terá variação: 1 θ sec ÷ s ou 1 θ sec >

+ É importante notar que a cossecante de um ângulo u só existirá se: º 180 . º 0 k + = u com Z k e .
Considerando o exposto acima, a θ cosec terá variação: 1 θ cosec ÷ s ou 1 θ cosec >

+ É importante notar que a cotangente de um ângulo u só existirá se: º 180 . º 0 k + = u com Z k e .
Considerando o exposto acima, a θ cotg pode assumir qualquer valor real, ou seja: · + < < · ÷ θ cotg
cos u
sen u
-
1
u
IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 6 de 17

Resumo das variações dos sinais das funções nos quadrantes


1
o
Q 2
o
Q 3
o
Q 4
o
Q
Seno + + – –
Cosseno + – – +
Tangente + – + –
Cotangente + – + –
Secante + – – +
Cossecante + + – –


Funções com Sinais Positivos nos Quadrantes!














- Mais Relações:

Podemos relacionar algumas funções trigonométricas entre si. Então segue abaixo, outras relações trigonométricas para um
arco qualquer x . Incluímos nessa lista, a relação fundamental da trigonometria [vista anteriormente] como lembrete.

1 cos
2 2
= + x x sen
x
x sen
x tg
cos
=
x
x
cos
1
sec =
x sen
x
1
cosec =
x sen
x
x tg
x
cos 1
cotg = =

x tg x
2 2
1 sec + = x x
2 2
cotg 1 cosec + =


● Algumas Aplicações de Funções Trigonométricas

Variação Angular de Movimento:

A variação do ângulo “Y” em relação ao tempo “t” (em segundos) de uma corrida “leve” pode ser dada por:





(
¸
(

¸

|
.
|

\
|
÷ · · =
4
3
3
8
9
t sen Y
t t




Fonte: GIOVANNI, J. R.; BONJORNO, J. R. Matemática:
uma nova abordagem. Vol. 2. 1. ed. São Paulo: FTD, 2000.




Insolação Diária:

O modelo matemático que indica o número de horas do dia, com luz solar “L”, de uma determinada cidade norte americana,
“t” dias após 1º de Janeiro é:


Fonte: J. Stewart – Cálculo Vol. 1 – p. 34
(
¸
(

¸

÷
t
+ = ) 80 t (
365
2
sen 8 , 2 12 ) t ( L
sen
cosec

todas
cos
sec

tg
cotg

IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 7 de 17
O Processo Respiratório:

Em um modelo para descrever o processo respiratório, considera-se que o fluxo de ar “F” na traquéia, em ambos os
sentidos (inspiração e expiração), e a pressão interpleural “P” (pressão existente na caixa torácica produzida pelo diafragma
e por músculos intercostais) são funções periódicas do tempo “t”, havendo entre elas uma diferença de fase. Essas funções
são descritas, para t > 0, em que “k”, “A”, “B” e “C” são constantes reais positivas e “ß” é a freqüência respiratória, por:

F(t) = A.sen (ß.t) com P(t)= C – B.F(t + k/ß)


Densidade do Ar:

O modelo matemático desenvolvido pelo pesquisador brasileiro Prof. César Monteiro de Barros, determina a densidade do ar
µ (em kg/m
3
) em função da altitude H , em metros, para um limite de até 30.000 m de altitude.

| |
876 , 0
29349
) 000131914 , 1 ( 58 , 1
H
sen
÷
· = µ



● Funções Trigonométricas – Definições

Funções Trigonométricas [ou Circulares] são funções que possuem pelo menos uma das relações trigonométricas estudas
anteriormente. Nosso estudo ficará concentrado em modelos específicos de funções que envolvem somente o seno ou o
cosseno de um ângulo.

FUNÇÃO SENO

Definição: É uma função do tipo 9 ÷ D f : , tal que: x sen x f = ) ( .

Representação Gráfica:




Características:

Domínio:

9 = D Conjunto Imagem: | | { } 1 1 | 1 , 1 Im s s ÷ 9 e = ÷ = y y



Alguns Conceitos Associados:

Amplitude [ A] é a metade da distância entre o valor máximo e mínimo da função (se existirem).

Período [ p ] é o espaço [ou menor tempo] necessário para que a função execute um ciclo completo.



Assim, na função x sen x f = ) (

temos que a Amplitude é: 1 = A e o período é: t = 2 p .

Nota: Funções que possuem período [e que por isso formam ciclos repetidos] são chamadas de funções periódicas.

t = 2 p
IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 8 de 17
FUNÇÃO COSSENO

Definição: É uma função do tipo 9 ÷ D f : , tal que: x x f cos ) ( = .

Representação Gráfica:





Características:

Domínio:

9 = D Conjunto Imagem: | | { } 1 1 | 1 , 1 Im s s ÷ 9 e = ÷ = y y

Amplitude: 1 = A Período: t = 2 p

Note que, se “deslocarmos horizontalmente” o gráfico da função x y cos =

em rad 2 / t , esse novo gráfico ficará
idêntico ao gráfico da função x sen y = . Por esse motivo, gráficos que têm a forma de uma curva seno ou cosseno são
chamados de senoidais. Podemos ainda dizer que a DIFERENÇA DE FASE entre x sen y =

e x y cos = é 2 / t .


FUNÇÃO TANGENTE

Definição: É uma função do tipo 9 ÷ D f : , tal que: x tg x f = ) ( .

Representação Gráfica:




Características:
Domínio:
)
`
¹
¹
´
¦
e + = 9 e = Z k com k x x D ,
2
/ t
t

Conjunto Imagem: 9 = Im

Amplitude: . tem não Período: t = p

A função x tg x f = ) ( tem assíntotas verticais em
)
`
¹
¹
´
¦
e + = Z k com k x ,
2
t
t
.
t = 2 p
x
p = t
5t/2
9t/4
Assíntota Vertical
IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 9 de 17

Observações:

+ Pesquise e reflita sobre a representação gráfica das funções x y sec = , x y cosec = e x y cotg = .

+ As funções trigonométricas, considerando certas restrições, possuem inversa. As funções x sen y = e x y cos = , por
exemplo, têm como inversas: x y sen arc = e x y cos arc = , respectivamente. [Procure saber mais!]

+ Nas calculadoras científicas mais comuns encontraremos as funções inversas sen arc e cos arc , por exemplo,
representadas por
-1
sen e
-1
cos , respectivamente. Esta última representação [com expoente (–1)] é apenas um padrão
de simplificação, muito provavelmente de origem norte-americana.


● Variando Parâmetros das Funções Circulares

Vamos estudar o comportamento gráfico da função circular SENO, através da variação dos parâmetros: Amplitude, Período,
Deslocamento Vertical e Descolamento Horizontal (fase). O raciocínio é análogo para o comportamento da função COSSENO.


Variação da Amplitude:















Representando esses mesmos gráficos, porém agora, apresentando-os em um único período, temos:




Variação do Período:













IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 10 de 17
Representando esses mesmos gráficos, porém agora, apresentando-os em um único período, temos:





Deslocamento Vertical:















Representando esses mesmos gráficos, porém agora, apresentando-os em um único período, temos:

















Deslocamento Horizontal (diferença de fase):















Fique Ligado!

Observe as notações abaixo:

2 ) 2 ( + = + x sen x sen

pois

x sen x sen + = + 2 2
IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 11 de 17
a tg
a tg
a tg
2
1
2
2
÷
·
=
tgb tga
tgb tga
b a tg
·
±
= ±
 1
) (
Representando esses mesmos gráficos, porém agora, apresentando-os em um único período, temos:



Observação:
|
.
|

\
|
+ =
2
cos
t
x sen x













● Função Periódica Genérica [ou Generalizada]:

Agora, podemos escrever uma função periódica generalizada:

) ( ) ( d cx sen b a x f + · + = ou ) ( cos ) ( d cx b a x f + · + =

Sendo que:

Amplitude: | | b A = Período:
| |
2
c
p
t
= Desloc. Horizontal:
c
d
DH
÷
= Desloc. Vertical: a DV =


Transformações Trigonométricas para Arcos:

Tais transformações apresentadas abaixo, não farão parte de nosso estudo neste momento. Entretanto, torna-se oportuno
apresentá-las agora. Procure relembrar e aprender um pouco mais!

a senb b sena b a sen cos cos ) ( · ± · = ±

senb sena b a b a · · = ±  cos cos ) ( cos



a sena a sen cos 2 2 · · =

a sen a a
2 2
cos 2 cos ÷ =



2
cos 1
2
a a
sen
÷
± =
|
|
.
|

\
|

2
cos 1
2
cos
a a +
± =
|
|
.
|

\
|

a
a a
tg
cos 1
cos 1
2 +
÷
± =
|
|
.
|

\
|



|
|
.
|

\
|
|
|
.
|

\
| ÷
·
+
· = +
2
cos
2
2
b a b a
sen b sen a sen


|
|
.
|

\
|
|
|
.
|

\
| +
·
÷
· = ÷
2
cos
2
2
b a b a
sen b sen a sen


|
|
.
|

\
|
|
|
.
|

\
| ÷
·
+
· = +
2
cos
2
cos 2 cos cos
b a b a
b a


|
|
.
|

\
|
|
|
.
|

\
| ÷
·
+
· ÷ = ÷
2 2
2 cos cos
b a
sen
b a
sen b a




Agora, para refletir...

Não se pode transformar o que não se aceita. (Jung)
Nota: Os gráficos das “variações”
aqui apresentados foram retirados
do artigo: Função Trigonométrica:
Um Enfoque Aplicado ao Ensino
Técnico, de autoria das Professoras
Maristela de Quadros Albé e Rosane
Maria Jardim Filippsen.
Para Descontrair!


IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 12 de 17
EXERCÍCIOS – Funções Trigonométricas [ou Circulares]

1) Esboce o gráfico das funções dadas a seguir, indicando para cada caso, a amplitude, o período, os deslocamentos e
também o conjunto Imagem. [Obs.: não é necessário representar mais que um período da função dada]

a) f(x) = 3.sen(x)
b) f(x) = –3.sen(x)
c) f(t) = 5.cos(t)
d) f(t) = –5.cos(t)
e) y = 1 + sen(x)
f) y = cos(x/2)
g) y = sen(5x) + 1
h) y = sen(x + t)


2) Com base no círculo trigonométrico ao lado,
determine os valores pedidos a seguir.

a) sen 30º = _________ i) sen 270º = _________
b) cos 60º = _________ j) cos 270º = _________
c) sen 150º = _________ k) sen (–90º) = _________
d) cos 150º = _________ l) cos (–90º) = _________
e) sen 90º = _________ m) sen 315º = _________
f) cos 90º = _________ n) sen (–45º) = _________
g) sen 210º = _________ o) cos 315º = _________
h) cos 210º = _________ p) cos (–45º) = _________


Observação: Confira as respostas em sua calculadora científica!


3) Em 10 de fevereiro de 1990, a maré alta numa determinada cidade foi à meia noite. A altura de água no porto é uma
função periódica, pois oscila regularmente entre maré alta e baixa. A altura (em pés) é aproximada pela fórmula:
|
.
|

\
|
+ = t y
6
cos 9 , 4 5
t
, onde “t” é o tempo em horas desde a meia noite de 10 de fevereiro de 1990.

a) Esboce um gráfico dessa função em 10 de fevereiro de 1990 [de t = 0 até t = 24h]
b) Qual era a altura da água à maré alta?
c) Quando foi a maré baixa e qual era a altura da água nesse momento?
d) Qual é o período desta função e o que ele representa em termos das marés?
e) Qual é a amplitude desta função e o que ela representa em termos das marés?


4) (UCS) Nossa respiração é um fenômeno cíclico, com períodos alternados de inspiração e expiração. Em um determinado
adulto, a velocidade do ar nos pulmões em função do tempo, em segundos, decorrido a partir do início de uma inspiração é
dada pela equação
|
.
|

\
|
· =
5
2
5 , 0 ) (
t
sen t v
t
. Determine o tempo do ciclo respiratório completo desse adulto [em segundos].


5) Num certo lugar, as marés altas ocorrem à 0 h e às 12 h com altitude de 0,9 m , enquanto que as marés baixas ocorrem
às 6 h e às 18 h com altitude de 0,1 m . Nessas condições, qual a função que descreve a altitude do mar [em metros] em
relação ao horário “t”, em horas?


i) y = 2.sen(x + t)
j) y = ½(cos 3x) + 1
k) y = – 2 + cos(t/4)
l) y = – 2 + 2.sen(4x)
m) y = 3.cos(x + t) – 1
n) y = 1+ 2.sen(x + t/2)
o) y = – cos(2t) – 2
p) y = 1 – 3.cos(x + t)
IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 13 de 17
6) Quando uma onda senoidal se propaga em uma corda, sua fonte realiza, na vertical, um movimento harmônico simples e
tem sua posição y , em função do tempo t , dada pela lei ) . cos( ) ( t A t y e o + · = , em que A é a amplitude, o é a fase
inicial e e é a pulsação do movimento. Sabendo que uma onda se propaga de acordo com a equação
(
¸
(

¸

|
.
|

\
|
+ · = t t y
4
2 cos 3 ) (
t
, analise as sentenças abaixo assinalando [V] para as afirmações verdadeiras e [F] para as falsas.

( ) A amplitude é igual a 3.
( ) A fase inicial é igual a t/4.
( ) A pulsação da onda é igual a 2.
( ) A posição da vertical da onda é 2, para o tempo decorrido de 3t/2.


7) Determine a função geradora de cada um dos gráficos dados a seguir:


IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 14 de 17
8) Utilizando como referência o triângulo ao lado, mostre que a tangente de
um ângulo pode ser calculada através da divisão do seno pelo cosseno do
mesmo ângulo, ou seja:
x
x
x
cos
sen
tg = .





RESPOSTAS – RESPOSTAS – RESPOSTAS – RESPOSTAS – RESPOSTAS – RESPOSTAS – RESPOSTAS

NOTA: Alguns dos gráficos apresentados a seguir contêm “deformidades” na sua curvatura!

1a)
Amplitude: 3 = A

Período: t 2 = p

Deslocamento Vertical: zero DV =

Deslocamento Horizontal: zero DH =

Conjunto Imagem: } 3 3 { Im s s ÷ e = y / R y


1b)
Amplitude: 3 = A

Período: t 2 = p

Deslocamento Vertical: zero DV =

Deslocamento Horizontal: zero DH =

Conjunto Imagem: } 3 3 { Im s s ÷ e = y / R y



1c)
Amplitude: 5 = A

Período: t 2 = p

Deslocamento Vertical: zero DV =

Deslocamento Horizontal: zero DH =

Conjunto Imagem: } 5 5 { Im s s ÷ e = y / R y



1d)
Amplitude: 5 = A

Período: t 2 = p

Deslocamento Vertical: zero DV =

Deslocamento Horizontal: zero DH =

Conjunto Imagem: } 5 5 { Im s s ÷ e = y / R y
-
a
c
b
|
y = 3 sen x
-3
-2
-1
0
1
2
3
0 90 180 270 360
y = -3 sen x
-3
-2
-1
0
1
2
3
0 90 180 270 360
y = 5 cos t
-5
-4
-3
-2
-1
0
1
2
3
4
5
0 90 180 270 360
y = -5 cos t
-5
-4
-3
-2
-1
0
1
2
3
4
5
0 90 180 270 360
IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 15 de 17

1e)
Amplitude: 1 = A

Período: t 2 = p

Deslocamento Vertical: 1 = DV

Deslocamento Horizontal: zero DH =

Conjunto Imagem: } 2 0 { Im s s e = y / R y



1f)
Amplitude: 1 = A

Período: t 4 = p

Deslocamento Vertical: zero DV =

Deslocamento Horizontal: zero DH =

Conjunto Imagem: } 1 1 { Im s s ÷ e = y / R y



1g)
Amplitude: 1 = A

Período: 5 / 2t = p

Deslocamento Vertical: 1 = DV

Deslocamento Horizontal: zero DH =

Conjunto Imagem: } 2 0 { Im s s e = y / R y



1h)
Amplitude: 1 = A

Período: t 2 = p

Deslocamento Vertical: zero DV =

Deslocamento Horizontal: t ÷ = DH

Conjunto Imagem: } 1 1 { Im s s ÷ e = y / R y



1i)
Amplitude: 2 = A

Período: t 2 = p

Deslocamento Vertical: zero DV =

Deslocamento Horizontal: t ÷ = DH

Conjunto Imagem: } 2 2 { Im s s ÷ e = y / R y
y = sen (x) + 1
-2
-1
0
1
2
0 90 180 270 360
y = cos(x/2)
-1
-0,5
0
0,5
1
0 180 360 540 720
y=sen(5x)+1
-1
-0,5
0
0,5
1
1,5
2
0 18 36 54 72
y=sen(x+p)
-1
-0,5
0
0,5
1
-270 -180 -90 0 90 180 270 360
y=2 sen(x+p)
-2
-1
0
1
2
-270 -180 -90 0 90 180 270 360
IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 16 de 17
1j)
Amplitude: 2 / 1 = A

Período: 3 / 2t = p

Deslocamento Vertical: 1 = DV

Deslocamento Horizontal: zero DH =

Conjunto Imagem: } 2 / 3 2 / 1 { Im s s e = y / R y



1k)
Amplitude: 1 = A

Período: t 8 = p

Deslocamento Vertical: 2 ÷ = DV

Deslocamento Horizontal: zero DH =

Conjunto Imagem: } 1 3 { Im ÷ s s ÷ e = y / R y



1l)
Amplitude: 2 = A

Período: 2 / t = p

Deslocamento Vertical: 2 ÷ = DV

Deslocamento Horizontal: zero DH =

Conjunto Imagem: } 0 4 { Im s s ÷ e = y / R y




1m)
Amplitude: 3 = A

Período: t 2 = p

Deslocamento Vertical: 1 ÷ = DV

Deslocamento Horizontal: t ÷ = DH

Conjunto Imagem: } 2 4 { Im s s ÷ e = y / R y


1n)
Amplitude: 2 = A

Período: t 2 = p

Deslocamento Vertical: 1 = DV

Deslocamento Horizontal: 2 / t ÷ = DH

Conjunto Imagem: } 3 1 { Im s s ÷ e = y / R y

y=0,5(cos3x)+1
-1,5
-1
-0,5
0
0,5
1
1,5
0 30 60 90 120
y=(cosx/4)-2
-3
-2,5
-2
-1,5
-1
-0,5
0
0 360 720 1080 1440
y=2sen(4x)-2
-4
-3
-2
-1
0
0 22,5 45 67,5 90
y=3cos(x+p)-1
-4
-3
-2
-1
0
1
2
-270 -180 -90 0 90 180 270 360
y=2sen(x+p/2)+1
-2
-1
0
1
2
3
-180 -90 0 90 180 270 360
IFSC / Cálculo I Prof. Júlio César TOMIO


Página 17 de 17
1o)
Amplitude: 1 = A

Período: t = p

Deslocamento Vertical: 2 ÷ = DV

Deslocamento Horizontal: zero DH =

Conjunto Imagem: } 1 3 { Im ÷ s s ÷ e = y / R y



1p)
Amplitude: 3 = A

Período: t 2 = p

Deslocamento Vertical: 1 = DV

Deslocamento Horizontal: t ÷ = DH

Conjunto Imagem: } 4 2 { Im s s ÷ e = y / R y




3a)























3b) 9,9pés 3c) Às 6h e às 18h com altura de 0,1pé 3d) 12h [discutir significado] 3e) 4,9pés [discutir significado]

4) 5 segundos 5)
|
.
|

\
|
+ = t y
6
cos 4 , 0 5 , 0
t
6) V – F – V – F

7a)

) 2 ( 2 3 ) ( x sen x f + = 7b)

|
.
|

\
|
+ + = t x x f
4
3
cos 9 , 0 1 , 0 ) ( 7c)

|
.
|

\
|
+ =
2
2
1
) (
t
x sen x f

7d)

|
.
|

\
|
+ =
2
3
2
1
cos ) (
t
x x f 7e)
|
.
|

\
|
+ ÷ =
2
) (
t
x sen x f 7f)
|
.
|

\
|
÷ + =
2
cos 3 5 ) (
t
x x f


Para refletir: É costume de um tolo, quando erra, queixar-se dos outros. (Sócrates)
y=-cos(2x)-2
-3
-2,5
-2
-1,5
-1
0 45 90 135 180
y=-3cos(x+p)+1
-2
-1
0
1
2
3
4
-270 -180 -90 0 90 180 270 360
9,90
7,45
2,55
0,10
2,55
7,45
9,90
7,45
2,55
0,10
2,55
7,45
9,90
0,0
2,0
4,0
6,0
8,0
10,0
12,0
-2 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26
A
l
t
u
r
a

d
a

m
a
r
é

(
p
é
s
)
t (horas)
10 de fevereiro de 1990

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->