P. 1
Barroco no Brasil e em Portugal e Exercícios

Barroco no Brasil e em Portugal e Exercícios

|Views: 1.337|Likes:
Publicado porJuliaLetras

More info:

Published by: JuliaLetras on Dec 03, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/06/2013

pdf

text

original

Barroco no Brasil e em Portugal

Este trabalho fala sobre o barroco no Brasil e em Portugal. O estilo barroco nasceu da crise de valores renascentistas ocasionada pelas lutas religiosas e pela crise econômica vivida em conseqüência da falência do comércio com o Oriente. O homem do Seiscentismo vivia um estado de tensão e desequilíbrio, do qual tentou evadir-se pelo culto exagerado da forma, sobrecarregando a poesia de figuras, como a metáfora, a antítese, a hipérbole e a alegoria. O tempo barroco denomina genericamente todas as manifestações artísticas dos anos 1600 e início dos anos 1700. Além da literatura, estende-se à música, pintura, escultura e arquitetura da época.

Barroco em Portugal
O Barroco desenvolveu-se dentro de um período que alternava momentos de depressão e pessimismo com instantes de euforia e nacionalismo. É uma época de crise, turbulência e incertezas que serviu de inspiração para uma arte dinâmica, violenta, perturbada, diferente da clareza, do racionalismo e da serenidade desejados pelos clássicos. É a arte do conflito, do contraste, do dilema, da contradição e da dúvida. Reflete o conflito entre a herança humanista, renascentista, racionalista e clássica do homem quinhentista (século XVI) e o espírito medieval, místico, religioso, exacerbado pela Contra-Reforma Católica. Expressa, na irregularidade de suas formas contrastantes, o conflito espiritual entre: fé e razão, teocentrismo e antropocentrismo, ceticismo e mundanismo, misticismo e sensualismo, céu e terra, alma e corpo, espírito e carne. É expressão de um homem repartido entre forças e princípios rivais: esta vida e a outra vida; o mundo daqui e o de além; o natural e o sobrenatural. O corpo tenta a alma e quer queimá-la com a paixão; a alma castiga o corpo pecador, castiga-o com fogo porque quer purificá-lo e reduzi-lo a cinzas. Desse espírito dualista decorrem: na Literatura, a sobrecarga de antíteses, paradoxos e oxímoros; na Pintura, o jogo de luz e sombra, de claros e escuros; na Escultura e na Arquitetura, a exacerbação dos contrastes alto-relevo e baixo-relevo, formas côncavas e convexas; na Música, os esquemas polifônicos geradores do contraponto e da fuga. A produção seiscentista da Literatura Portuguesa privilegia como gêneros literários a poesia lírica, a oratória seca, o teatro de costumes, a prosa moralizante, a epistolografia e a historiografia. Apesar dos extremos de preciosismo, de hermetismo, de afetação e de frivolidade que caracterizam a produção das academias poéticas de retórica (Academia dos singulares, Lisboa, 1628-1665; Academia dos Generosos, Lisboa, 1647 - 1717); apesar da esterilidade e do rebuscamento artificial dos poetas reunidos nas célebres antologias Fênix Renascida (Lisboa, 1716 – 1762) e Postilhão de Apolo (Lisboa, 1761 - 1762), o Barroco em Portugal deixou algumas contribuições importantes como o enriquecimento das possibilidades expressivas e impressivas da imagética (imagens, metáforas, símbolos, alegorias), a valorização de analogias sensoriais ainda não exploradas pela

O Barroco tornou-se a verdadeira expressão de liberdade. Consistiu na possibilidade de infringir as regras trazidas pelos europeus e criar soluções inesperadas. que condenava os alicerces sociais da Bahia na segunda metade do século XVII. Antônio Vieira. em Ouro Preto. fica o mérito da literatura. A integração das artes. com nomes como Gregório de Matos Guerra (1633-1696). Envolveu todas as atividades culturais e foi a primeira escola artística que conseguiu formular expressões tipicamente brasileiras. . a partir do ciclo do ouro. um espaço ovulado em forma de decágono irregular. Os aperfeiçoamentos na arte de construir foram sucessivos. pintura ou música. O barroco mineiro acabou por sobrepujar ao da metrópole. Com o Barroco Açucareiro. As irmandades estimulavam o surgimento dos artistas. de Catas Altas. criou em madeira.Arte. por sua poesia satírica. especialmente na região das minas. Criou-se uma consciência profissional e nacional. As torres foram coroadas de abóbadas de pedra. Arquitetos e mestres estipulavam regras e condições. menos rígida e menos preconceituosa com os artistas mulatos e caboclos. Barroco no Brasil Período artístico que. o aprofundamento dramático do sentimento da complexidade e do mundo interior e da análise racional desse mundo. experimentando materiais locais e suas aplicações ideais. O barroco brasileiro caracteriza-se pelo movimento sinuoso das formas. com o chamado Barroco Açucareiro. característica do barroco mineiro. quer seja na escultura. O barroco brasileiro apresenta peculiaridades que o diferenciam do barroco europeu. tio de Aleijadinho. também em Ouro Preto. fundamentando o novo estilo. e Pe. maior representante da oratória sacra em língua portuguesa. na Matriz do Pilar. Antônio Francisco Pombal. símbolos do nascente sentimento nacionalista. O Barroco. As igrejas passaram a ser construídas com duas torres cilíndricas nos flancos dos frontispícios e a decoração interior sugeria a sinuosidade das pedras entalhadas. Este novo estilo foi usado na Matriz de Nossa Senhora da Conceição. especialmente nas obras de Aleijadinho. iniciou-se nos séculos XVII e XVIII. teve em Minas o seu ponto alto como arte. pela luz tangente e pela exuberância dos detalhes e de ornamentos. no Brasil. e na Igreja de Santa Efigênia. em uma fase de dominação e opressão. apesar de ter sido iniciado na Bahia. A sociedade tornou-se mais flexível. Devem ser assinalados o acentuado relevo das figuras dos anjos e a modificação das estruturas dos altares. A arte barroca de Minas Gerais revela grande proximidade com a arte das cidades portuguesas de Braga e do Porto. só foi possível com um trabalho sistemático de equipe. pelo jogo dos opostos. arquitetura. em Congonhas do Campo e Ouro Preto. também conhecido por Boca do Inferno.

ficando preso de 1665 a 1667. uma nova linguagem artística surgiu com características próprias: imagens de santos destacados da formas arquitetônicas e mais leveza nos maiores espaços lisos entre os ornatos. Segundo ele. principalmente a defesa dos cristãos-novos. Vieira tinha contra si a pequena burguesia cristã (por defender o capitalismo judaico e os cristãos-novos). autor da talha dos seis altares laterais da Igreja da Ordem Terceira da Penitência. o barroco diferenciou-se do mineiro. Catas Altas . Antônio Vieira Ninguém angariou tantas críticas e inimizades quanto o "impiedoso" Padre Antônio Vieira. tal fato estaria escrito na Bíblia. inquietantes para os padrões da época. Ligado ao ciclo da cana-deaçúcar. custaram a Vieira uma condenação da Inquisição. Essas posições. No Rio de Janeiro. detentor de um invejável volume de obras literárias.Igreja de Nossa Senhora da Conceição. Esperanças de Portugal e Clavis Prophetarum. Francisco Xavier de Brito. exuberante e pomposa. estilo que se refletiu na riqueza das construções eclesiásticas e nas grandes varandas das casas-grandes e santas casas. o barroco nordestino aproximou-se da aristocracia rural. .MG Nas regiões litorâneas. Cartas e Sermões. os pequenos comerciantes (por defender o monopólio comercial) e os administradores e colonos (por defender os índios). Politicamente. As Profecias constam de três obras: História do Futuro. e Manuel de Brito foram os introdutores das modificações que diferenciam o barroco carioca do barroco mineiro e nordestino. Nelas se notam o sebastianismo e as esperanças de que Portugal se tornaria o "quinto império do Mundo". A obra do Padre Antônio Vieira pode ser dividida em três tipos de trabalhos: Profecias.

com/linux/barroco/antonio. Trecho do Sermão da Sexagésima. no qual o padre critica seus contemporâneos: “Ter nome de pregador. A obra também ficou conhecida como "A palavra de Deus". época em que Portugal passava por momentos de pessimismo. De estilo barroco conceptista. Com ele.Aqui ele demonstra bem seu estilo alegórico de interpretação bíblica (uma característica quase que constante de religiosos brasileiros íntimos da literatura barroca). o exemplo. no qual repreende os pregadores de sua época por usarem o interesse dos homens ao invés da vontade de Deus nas pregações. os gongóricos dominicanos.feranet21. Elas versam sobre o relacionamento entre Portugal e Holanda. sobre a Inquisição e os cristãos novos e sobre a situação da colônia. não importa nada.falalingua. fato que tornou a literatura barroca diferente dos clássicos conhecidos na época. Polêmico. Vieira procurou atingir seus adversários católicos. as ações. ou ser pregador de nome. e foi a primeira escola artística que conseguiu criar expressões tipicamente brasileiras. Além.br/dicas/portugues/literatura_portuguesa/barroco. O melhor de sua obra. as obras.br/barroco_brasileiro.angelfire. O grosso da produção literária do Padre Antônio Vieira está nas cerca de 500 cartas. segundo os ensinamentos de retórica dos jesuítas.ig. é claro. de revelar um nacionalismo megalomaníaco e servidão incomum.htm Questões sobre o Barroco .htm http://www. analisando no sermão "Porque não frutificava a Palavra de Deus na terra".” Conclusão O Barroco desenvolveu-se em um período especial. está nos 200 sermões. no entanto. totalmente oposto ao Gongorismo. este sermão resume a arte de pregar. a vida. um fato muito importante para o começo de um sentimento nacionalista.com. Um dos seus principais trabalhos é o Sermão da Sexagésima. são as que convertem o mundo. o pregador português joga com as idéias e os conceitos. Bibliografia http://www. atribuindo-lhes culpa. Um dos nomes luso-brasileiro mais destacados foi o do padre Antonio Vieira com o seu Sermão da Sexagésima. No Brasil o Barroco iniciou-se a partir do ciclo do ouro.com. em 1655. pregado na capela Real de Lisboa. transformando-se em importantes documentos históricos.hpg.htm http://www.

a antítese. 03. c) objetiva. c) O Barroco apresenta. e) detalhada. simbolista. e) O barroco caracteriza-se pela sintaxe obscura. o espírito de tensão. d) O Barroco apresenta estados de alma expressos através de antíteses. morte e vida. (UNIV. ________ e o registro das impressões sensoriais são recursos lingüísticos presentes na poesia ________. culta. o antropocentrismo renascentista. exceto: a) O Barroco estabelece contradições entre espírito e carne. o teocentrismo medieval e. a) simples. 04. de outro. Com referência ao Barroco. o verso livre. racionalista. d) subjetiva. com base na cultura greco-latina. uso de hipérbole e de metáforas. o paradoxo. encontram-se poesias que seguem a tradição medieval e textos para teatro com clara intenção catequista. CAXIAS DO SUL) Escolha a alternativa que completa de forma correta a frase abaixo: A linguagem ______. interrogações. o subjetivismo. a metáfora. parnasiana. e) O conceptismo caracteriza-se pela linguagem rebuscada. daí ser predominantemente descritiva. romântica. a antítese. b) rebuscada. extravagante. b) A literatura informativa do Quinhentismo brasileiro empenha-se em fazer um levantamento da terra. como característica marcante. alma e corpo. paradoxos. enquanto o cultismo é marcado pelo jogo de idéias. d) A arte barroca é vinculada à Contra-Reforma. (MACKENZIE-SP) Assinale a alternativa incorreta: a) Na obra de José de Anchieta.01. c) A literatura seiscentista reflete um dualismo:o ser humano dividido entre a matéria e o espírito. barroca. conflito entre tendências opostas: de um lado. b) O homem centra suas preocupações em seu próprio ser. seguindo um raciocínio lógico. o pecado e o perdão. (VUNESP) . todas as alternativas são corretas. 02. tendo em mira seu aprimoramento. simbolista.

temática neoclássica. dos anacolutos e das alegorias. b) Sintaxe segundo a ordem lógica do Classicismo. que andou Amor em ti prudente! Pois para temperar a tirania. permitiu parecesse a chama fria. em cristais aprisionado. caráter rancoroso. antíteses claras dispostas em ordem direta. imagens que prenunciam o Romantismo. predomínio de metonímias e de símiles. ignorando-se a busca do perdão divino. d) Temática naturalista. se és fogo. ordem direta predominando sobre a ordem inversa. predomínio figurativo das metáforas e pares antitéticos que tendem para o paradoxo.Ardor em firme coração nascido. o homem não busca o perdão de Deus. em chamas derretido. assinale a alternativa. 05. c) Dualidade temática da sensualidade e do refreamento. Se és fogo. temática da fugacidade do tempo e da vida. . pranto por belos olhos derramado. a qual o autor buscava imitar. construção sintática por simétrica por simetrias sucessivas. esquemas de Gôngora e de Quevedo. assimetria total de construção. tu. como a transitoriedade da vida e das coisas. e) Verificação clássica. que em um rosto corres desatado. como quis que aqui fosse a neve ardente. quando crista. que em um peito abrasas escondido. construção assimétrica. incorreta: a) Alguns de seus sonetos sacros e líricos transpõem. incêndio em mares de água disfarçado. e) A melhor produção literária do autor é constituída de poesias líricas. d) As suas farpas dirigiam-se de preferência contra os fidalgos caramurus. rio de neve em fogo convertido: tu. verte fel em todas as suas sátiras. A respeito de Gregório de Matos.relaxado por temperamento e costumes. c) Na poesia sacra. O texto pertencente a Gregório de Matos e apresenta todas seguintes características: a) Trocadilhos. predomínio das metáforas e das antíteses. sintaxe preciosista evidente no uso das síntese. quando fogo. em que desenvolve temas constantes da estática barroca. não existe o sentimento de culpa. como queimas com porfia? Mas ai. como passas brandamente. b) Alma maligna. a dualidade temática da sensualidade e do refreamento. com brilho.

A idéia central do texto é: a) a duração efêmera de todas as realidades do mundo. Qual é o elemento barroco mais característico da 1ª estrofe? a) disposição antitética da frase. e) estrutura correlativa. e) visuais. d) táteis. por que não dura? Como a beleza assim se transfigura? Como o gosto. 08. c) estrutura bimembre. (SANTA CASA) A preocupação com a brevidade da vida induz o poeta barroco a . Porém. e não dura mais que um dia. sinta-se triste. e) a duração prolongada do sofrimento. d) a falsidade das aparências. Depois da Luz se segue a noite escura. por que nascia? Se é tão formosa a Luz. 07. No texto predominaram as imagens: a) olfativas. b) a grandeza de Deus e a pequenez humana. b) cultismo. c) os contrastes da vida. c) auditivas. disseminativa e recoletiva. se acaba o Sol. 06. Começa o Mundo enfim pela ignorância A firmeza somente na inconstância. E na alegria. 09. b) gustativas. Em tristes sombras morre a formosura. e na Luz falte a firmeza. Em continuas tristezas a alegrias. d) concepção teocênctrica. Na formosura não se dê constância. da pena assim se fia? Mas no Sol.Texto para as questões 06 a 08 À INSTABILIDADE DAS COUSAS DO MUNDO Nasce o Sol.

10. os desmandos do poder local.E 02 .B 06 . d) Teve grande capacidade em fixar num lampejo os vícios. (UEL) Identifique a afirmação que se refere a Gregório de Matos: a) No seu esforço da criação a comédia brasileira. b) desiste de lutar contra o tempo.B 08 . mas combina-os com a paixão das imagens préromânticas. c) se deixa subjugar pelo desânimo e pela apatia dos céticos.E 07 . menosprezando a mocidade e a beleza.E 05 .A 04 . valendo-se para isso do engenho artificioso que caracteriza o estilo da época. enquanto a mocidade dura. realiza um trabalho de crítica que encontra seguidores no Romantismo e mesmo no restante do século XIX. foi sem dúvida o mais liberal. Resolução: 01 . b) Sua obra é uma síntese singular entre o passado e o presente: ainda tem os torneios verbais do Quinhentismo português. e) Sua famosa sátira à autoridade portuguesa na Minas do chamado ciclo do ouro é prova de que seus talento não se restringia ao lirismo amoroso. os ridículos.assumir uma atitude que: a) descrê da misericórdia divina e contesta os valores da religião. e) quer gozar ao máximo seus dias.A 03 . c) Dos poetas arcádicos eminentes.D 10 .D . d) se revolta contra os insondáveis desígnios de Deus.C 09 . o que mais claramente manifestou as idéias da ilustração francesa.

907.9:7.*5479::08.

4 92 995.774.-.

.

30170 .42. .

3:.

4.774.-.

.39434 92 995.

.

42 -7.3:.. 1. 5  .

4*-7.774.8074 92  ":0890884-704.774.-.4 .

./.9F7.907.390  036:.8244807:2..906:89. /.7.4397.39J90805.-./.8.:7..3.0.884.  / 8:-09./420/0.3:.. 097.0784.47709./..4.3944.5708039.80.907J89.424.5708039.839.:5.397454..43.0397.7.9:7.4-7..F8/0.J34O..4.4../4 4904.03989.2.2.43194 03970903/H3.:78483QJ89.     4270107H3.974./0803970085J7940. 8050...039782420/0.9..825708808803847...774.  .790-. 03.47709.:9.4397.4  3:./.-00.807402503.774.8 0. .   ...  .39034..34/.02****** 45.3...97.57247..8      '&$!   .4  7.5408../404507/4   /  .7..9073.485708039083.0.0397824703. 907./48/0.   .7..70-:8.089..080280:57O574807 903/40227.85704.:.0 /04:974 4 .       $! 883.0 909485..9073.774..//403970.7./450444/0/F..4.7.774. 4202.79.774.:9:7.8 80:3/4:27.0270-:8.82482-489.   .48:-09.82-489. 82508.  .09. :84/05F7-400/0209E147. 4-09.8/0:2..  .907.845489.80: ./.39....F.6:0. 17.7.39J90808 5. 8050.907.774.774.4.7.:9824F2.803..3.7.47709...39J9080-.9077.20394 .4.8.9.97. .0....31472...7074239..********   ./44 ********04708974/..J807570/423.4397.2 805408.8.2..8..90.89.9:7.20394/.059824.730 .43. ./448  390774.8:.86:080:02.03989.209E147..390 4085J794/090384 .42.  0 /09.   ..70.93.9073.   &' $ $& 8..04-8.2.701090:2/:.9.05708848.07:2 0.0 4085J794 450.4089. #01472.39020390/08.   / .42509.  ./4":3039824-7.4..   0  -. 80021./048F/03.73.808.4 .4754 247900.094  .08   0  .4 94/./01472.9..884 70.42-.

/44   / %02E9...4:9480/.902507.$39.30.0570.43.883.203940.   .47/023.7.6:14880.9073.8  .94/.  .7../4 3.29.57843.34   / 88:..42-74 086:02.4246:86:0.47.. .17.8209E147.424.394547-048448/077.7. :38/080:884309488.1:.5408.47/02O. 0/0":0.:947-:8./:.2.4897.047.3.88:.43.9.8/0347.002144.882F97.48..4397. 8038:.7.3/./. .9480.88:..8.70.80247/02/709.54782097.0/4   ..4245..774.9.20390  80F8144 .88. %74.0.20394 ..89.8209E147.43897:4 47/02/709.8.4507/4/00:83408904803920394/0 .88E97.425471./4 57./4 74/030.:5.39824   0 '071..481/.805.43//4 9: 6:002:274894..43899:J/.     7085094/070O74/0./00/470170.8/7.3/4.   .789.07901002 94/.882097.2.8. .8 026:0 /0803.20394 ...2.3. ./.-:8..97.47709.399F9.8/07709/4  $0F8144 ....570/423.81.:947F...9:7.0390.  .8.. 6:0.8.7.-.7.2. ././..-7./05408.48.39J90808.079/4 9: 6:002:25094..489:208 ../.7/47021720../48 570/42J34/020943J2.7..39J90808 902E9.949.547 82F97..948 ./4.3/4:24702957:/0390 !485.8.824 .8  .4. 2././81..E88. 902E9.E88.3908/.47484 70.7  570/42J34/.7/0390  50729:5.3/4 80.. 839. 02.0902.0.880:3908.../4./039034:84/.8 .8 8J39080 /48.907J89.4..0./0902E9./4 6:..2.2 80/0570107H3. 3.4246:02.H3/4022.5708039.8.4/. 347.486:0903/025.708 .8 .0386:05703:3.6:.43897:4.4889.8./.4.8/85489.0880..3...080:3/4.089E9. 4420234-:8.8.8   ..7E9077.8-7.304..088.7.808.9.3/4 84-70.8038:.4389.80/08J208 .70O74/0.8 570/42J341:7.45.708/0E:.47708/08./4 6:.88.7.75./.2:7:8   0 2047574/:4907E7..789.././0..   9094507903.97.3./0/4902540/.3/4144 02.078.24#42..7480J7.80/./4507/4/. :.0/.389470/./.3.43897:4839E9./0/.8./4547902507./0902E9.38502 ./00/470170..8J7.

8 .  3.: 5476:034/:7.8/.3.9.506:030:2.2.834$4 03..1.503.:5.:89./0/. 41.4/. 1720./.-202-70 / .7.:9824 ./.43893. 424.07....-. /85484.4.7./:7../.870.  .:8080:0...774.9.4393:.897890. 8097890  420.97. 42444894 /.8   !47F2 80./00:80.038  . .8 .   $%$ &$$ &   .  %0945. /88023.054904..84203903.3.147248:7../:7..8.:/9.7.4770.8.86:0:2/.401H207. 48.070.17.43.0397..42. ...8     /F.381:7./.-00...8 / 9E908 0 .8. / .:7...07..824770.2.5.:1.82.8828097.. 839.9.-.1720.  0548/..      $%$ 5704./08/42:3/4 .3473.  ..4397../49094F  .H3.    49094570/423./.86:08908 . 0897410  .  2..8908/. .8:.457443.409.80 .43893.3/0.882801./0/..F40020394-.147248:7./.8 0 .42.8.9.  2978908842-7.7.907J89.399F9.349008..4$4 5476:03.7H3...4. 0897:9:7. $0F94147248.-70. 0 0897:9:7.774.8./4841720394     ":.04$4 034/:7.3480/H.90..8.3/:45409.. .4:3/4031250./094/.

390/48F..42E2480:8/.:947/.4/0.7./06:080:89.07.7.4.8/F./0/:7.4397.3./.08/08J348/00:8 0 6:074. 485409./4./48.791.24.07-.8J3908083:.4802303908 14802/.80:/470834#42.03/4 805./.48 487/J..7.:297.4/.3/.:4   .7504/08324050.88:27:2.1.48 / 8070..5.8.42F/.4846:0.7.42./05479::08..8E97.08.250448.24..6:0 03.7J9.-7.J.73:2.      & /03916:0.3/0.. 70.3.40894/.   / %0.8:-:.247484  #084:4                       .2807.O7/.$:.907.3/4.03857F 74239..39824020824347089.5./08890/0:9.99:/06:0  .F9. 80/0.8..42-3.48./0021. ./.4-7.8   .70397045.70O74/0..807.5..8-07./.417.7.-./.2. .172.46:080701070..82..902489473048 .4397...8/4.483843/E.49.42.20390 2.439089.8/.704 ..7. 48.884/403034.490254 20348570..7H/...8/4":30398245479::H8 2..E/.:48 48/082...394.4/44:74F 574../40457080390. F54.9.7. 46:02.4708/. 480:081474/./00.948  . /08.3..F:2.:897.248.3.03943480708973.88.8 036:.3/48 /454/074.47824..8.   0 $:.-00.0.310894:.4397.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->