P. 1
Durkheim, Weber e Marx (Resumo)

Durkheim, Weber e Marx (Resumo)

|Views: 9.217|Likes:
Publicado porRafael Marques

More info:

Published by: Rafael Marques on Dec 05, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/23/2013

pdf

text

original

As abordagens sociológicas clássicas: Durkheim, Weber e Marx (Resumo

)
Émile Durkheim - Inaugura o uso da estatística em sociologia, criador da Escola sociológica francesa, com ele tem início a sociologia científica. Fatos sociais →Crenças, tendências, práticas do grupo tomadas coletivamente é que constituem os fatos sociais. Fatos sociais são maneiras de agir, pensar e sentir que apresentam a característica marcante de existir fora da consciência individual. Estes tipos de conduta ou de pensamento não são apenas exteriores aos indivíduos, são também gerais na extensão de toda sociedade conhecida e dada, são dotados de um poder imperativo e coercitivo que constitui 2 características intrínsecas de tais fatos. Para Durkheim a sociedade, como todo organismo, apresenta estados normais e patológicos (saudáveis e doentios). Como ele define o que é um fenômeno normal? É normal o fato que não extrapola os limites dos acontecimentos mais gerais de uma determinada sociedade e que refletem os valores e as condutas aceitas pela maior parte da população. A este sistema Durkheim chama: “consciência coletiva”. Consciência coletiva: é o conjunto de crenças, sentimentos e valores aceitos pela média dos membros de uma sociedade. O que é patológico? É tudo que extrapola, isto é, são os fatos que extrapolam os limites aceitos pela consciência coletiva vigente em uma sociedade. O que é normal, varia de sociedade para sociedade. O que é anomia? É um conceito importante, a anomia é a ausência, desintegração ou inversão das normas vigentes em uma sociedade, neste caso, a consciência “perde” os parâmetros de julgamento da realidade. Ela vai acontecer em momentos extremos, tais como: guerras, desastres ecológicos, econômicos, etc... Divisão do trabalho social – é a organização da sociedade em diferentes funções, exercidas pelos indivíduos ou grupos de indivíduos Nas sociedades mais simples predomina a divisão social do trabalho baseada principalmente em critérios biológicos de sexo e idade. Essa divisão parece decorrer de uma extensão analógica das diferenças naturais de funções entre membros de um grupo. Durkheim classifica a forma de solidariedade social deste tipo de sociedade como solidariedade mecânica. Nas sociedades mais complexas em especial quando tem início o desenvolvimento da agricultura, a sedentarização e o sistema de propriedade privada, surge uma divisão social mais complexa, com a criação de novas funções sociais. A indústria foi o sistema produtivo que mais desenvolveu a divisão social do trabalho, criando uma imensa gama de funções e atribuições diferenciadas. Durkheim classifica a forma de solidariedade social deste tipo de sociedade como solidariedade orgânica. Observação: A divisão social do trabalho implica sempre uma divisão não só de funções mas também de privilégios, regalias e poder.

Como cada individuo tem 2 sua própria visão parcial do mundo.32 O método em ciências sociais. ele procura mostrar que não há apenas uma causa dos fenômenos sociais. possui uma peculiaridade decisiva. religiosos. não podendo ser reduzido ao estabelecimento de leis gerais. que deve ser buscado pela apreensão da totalidade de significados e valores atribuídos pelos indivíduos. Por isso Weber propõe a reconstrução do sentido subjetivo original da ação e o reconhecimento da parcialidade da visão do observador. Ao negar essa tese positivista. Guiada por uma conduta emocional Ação Tradicional Ação Afetiva Extraído do texto de LOCHE. o objeto da sociologia para Weber. Weber a compreendia como um conjunto de ações parciais que precariamente se totalizavam. a religiosa. procurou elaborar uma tipologia para compreender as características particulares. Weber mostra a convergência da ação em duas ou mais esferas que compõem o todo social ( a economia. nem consegue abarcá-la totalmente. isto é. preocupado com o valor que cada individuo atribui à sua ação.). Weber. Para criar uma imagem. nas disciplinas que aspiram a conhecer os fenômenos da vida segundo a sua significação cultural. Porto Alegre. costumes. ou seja. . segundo a qual a realidade é um fenômeno compósito. 1999 p. . há um conflito permanente entre os indivíduos que compõem a sociedade. definindo quatro tipos de ação: Tipos de Ação Social: Ação Racional com relação a fins (burocracia moderna) Ação Racional com relação a valores Motivada por fins objetivos Motivada por crenças em valores morais. a política. Sociologia Jurídica. é preciso entender as redes de significações estabelecidas pelos indivíduos em suas ações e relações sociais . Nesse sentido. Toda análise sociológica é parcial. políticos etc. etc. Ao mesmo tempo. Assim. sendo que cada causa tem importância variada sobre a determinada ação.Síntese. Para compreender a sociedade. Weber procura compreender a sociedade como um agregado de indivíduos que possuem suas motivações próprias.A sociologia compreensiva de Max Weber Segundo Weber a Sociedade não pode ser vista como uma realidade material independente dos indivíduos. ao passo que Durkheim via a sociedade como uma coisa. por isso. através da idéia de “adequação de sentido” . o estatuto de realidade objetiva é mudado para uma concepção menos determinista de sociedade. o cientista não conhece a sociedade de antemão. a ação social é determinada por mais de uma causa. é o sentido da ação social. Adriana et al. somente podemos compreender pequenos “pedaços” dessa realidade. Portanto. emocional Guiada pela tradição.

A partir do modo de produção é possível identificar as diferenças históricas e as relações sociais presentes em cada época determinada. O que é Dialética? 2 Dialética é o modo de pensarmos as contradições da realidade. Condicionada pela inserção de classe e seu papel histórico Sempre parcial. È através da práxis que se dá o combate à alienação. servidão (feudal) e a capitalista. o regime asiático. podemos distinguir pelo menos cinco grandes modos de produção: Primitivo. Marx estabelece o conceito de dialética materialista: no conceito Marxista o termo materialismo refere-se à teoria filosófica preocupada em destacar a importância dos seres objetivos (os homens) como elementos constitutivos da realidade do mundo. A Práxis é a união da interpretação da realidade (teoria – conhecimento científico) à prática (realização efetiva. atividade). embora a objetividade deva ser perseguida (método compreensivo) Objetividade nas Ciências O mesmo modelo das Sociais ciências naturais . várias possibilidades de trajetórias Indivíduo Condicionado pela consciência coletiva As ações sociais dos indivíduos interagindo dão a dinâmica da vida social Avanço do processo de racionalização por todos os campos da vida social Sociedade Moderna Passagem da solidariedade mecânica para solidariedade orgânica Os fatos Sociais Objeto de estudo Os modos de produção e Estudar o sentido das suas relações sociais ações sociais. de pensarmos as diferenças sociais e. à transformação permanente da realidade – a realidade dialética.Karl Marx: O Materialismo Dialético Para Marx. Na história. consequentemente. QUADRO COMPARATIVO História Durkheim Evolucionista Marx Movida pela dinâmica entre as relações de produção e forças produtivas Condicionado pelo pertencimento a uma dada classe social Crítica e superação do modo de produção capitalista Weber Multilinear. luta dos contrários – tudo cíclico: A aplicação das teses fundamentais do materialismo dialético à realidade social deu origem à concepção materialista da história. não basta interpretar o mundo. tudo se transforma. Princípios básicos da dialética: Tudo se relaciona. o entendimento da realidade da vida só é possível a medida que conheçamos o modo de produção da sociedade – modo de produção é aqui entendido como a maneira pela qual os homens obtêm seus meios de existência material. A Práxis é um conceito central no pensamento de Marx. A Práxis não se confunde com a prática. Partindo desta visão. é preciso transformá-lo através da práxis. É através do modo de produção que conhecemos uma sociedade em sua especificidade histórica e social. Não é a consciência que determina a vida material. em outras palavras. escravatura. é a ação consciente do sujeito na transformação de si mesmo e do mundo que o cerca. Segundo esta concepção. mudanças qualitativas. mas a vida material que determina a consciência.

) 2 . Sociologia. 1997 (capítulos 5.Texto para consulta: COSTA. Moderna. Cristina.6 e 7. Uma introdução à ciência da sociedade. SP.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->