Você está na página 1de 11

Geometria Analítica: Estudos das Cônicas

Temos como base o uso de duas estratégias matemática (mudança de coordenadas):

translação e rotação de eixos.

1)Translação de eixos:

de duas estratégias matemática (mudança de coordenadas): translação e rotação de eixos. 1)Translação de eixos:

Rotação de eixos:

Rotação de eixos: Observe que a mudança de base indica que:

Observe que a mudança de base indica que:

Rotação de eixos: Observe que a mudança de base indica que:
Rotação de eixos: Observe que a mudança de base indica que:
Atenção! Usaremos a formulação genérica: Para estudar as cônicas em nosso curso de Geometria Analitica.

Atenção! Usaremos a formulação genérica:

Atenção! Usaremos a formulação genérica: Para estudar as cônicas em nosso curso de Geometria Analitica. 1)

Para estudar as cônicas em nosso curso de Geometria Analitica.

estudar as cônicas em nosso curso de Geometria Analitica. 1) Por meio de rotação elimina-se os

1)

Por meio de rotação elimina-se os temos de primeiro grau (chamada técnica de completamento de quadrados), a versão tradicional é a seguinte:

os temos de primeiro grau (chamada técnica de completamento de quadrados), a versão tradicional é a
O termo misto Bxy, é eliminado via uma rotação adequada.

O termo misto Bxy, é eliminado via uma rotação adequada.

O termo misto Bxy, é eliminado via uma rotação adequada.
Esboço do gráfico de uma cônica Dada a cônica de equação: esboce o seu gráfico
Esboço do gráfico de uma cônica Dada a cônica de equação: esboce o seu gráfico

Esboço do gráfico de uma cônica

Dada a cônica de equação:

do gráfico de uma cônica Dada a cônica de equação: esboce o seu gráfico no sistema

esboce o seu gráfico no sistema de coordenadas xy .

Solução 1: Esboço do gráfico no sistema de coordenadas originais usando as transformações inversas

1. Obtenção da forma padrão em um novo sistema de coordenadas

O primeiro passo é encontrar um sistema de coordenadas apropriado que nos

permita identificar a cônica que estamos estudando. Para isso, usamos o processo de diagonalização de matrizes para rotacionarmos a cônica e depois,

se for o caso, uma translação.

Primeiro escrevemos a equação da cônica em forma matricial:

escrevemos a equação da cônica em forma matricial: Primeiramente, vamos achar os autovalores da matriz A

Primeiramente, vamos achar os autovalores da matriz A . O seu polinômio característico é

da matriz A . O seu polinômio característico é cujas raízes são ou que são os

cujas raízes são

A . O seu polinômio característico é cujas raízes são ou que são os autovalores de

ou

. O seu polinômio característico é cujas raízes são ou que são os autovalores de A.

que são os autovalores de A.

é cujas raízes são ou que são os autovalores de A. Agora, para cada valor de

Agora, para cada valor de

correspondente, que é solução do sistema:

encontrado, vamos achar o autoespaço

Para

do sistema: encontrado, vamos achar o autoespaço Para obtemos = ~ A matriz acima representa o

obtemos

sistema: encontrado, vamos achar o autoespaço Para obtemos = ~ A matriz acima representa o sistema
sistema: encontrado, vamos achar o autoespaço Para obtemos = ~ A matriz acima representa o sistema

=

encontrado, vamos achar o autoespaço Para obtemos = ~ A matriz acima representa o sistema de

~

encontrado, vamos achar o autoespaço Para obtemos = ~ A matriz acima representa o sistema de

A matriz acima representa o sistema de duas variáveis de somente uma equação:

o sistema de duas variáveis de somente uma equação: de modo é Teremos, portanto, uma variável

de modoo sistema de duas variáveis de somente uma equação: é Teremos, portanto, uma variável livre, por

é

Teremos, portanto, uma variável livre, por exemplo

que

uma equação: de modo é Teremos, portanto, uma variável livre, por exemplo que . Logo, o
uma equação: de modo é Teremos, portanto, uma variável livre, por exemplo que . Logo, o

. Logo, o autoespaço associado a

uma equação: de modo é Teremos, portanto, uma variável livre, por exemplo que . Logo, o

O vetor (1,1) gera este subspaço; para obtermos uma base ortonormal para o subespaço, basta dividi-lo pela sua norma:

para o subespaço, basta dividi-lo pela sua norma: Logo, as matrizes D e P são :

Logo, as matrizes D e P são :

D =

pela sua norma: Logo, as matrizes D e P são : D = e P =

e P =

sua norma: Logo, as matrizes D e P são : D = e P = Portanto,

Portanto, a equação no novo sistema de coordenadas é

Portanto, a equação no novo sistema de coordenadas é

é Portanto, a equação no novo sistema de coordenadas é ou + + 82 = 0

ou

Portanto, a equação no novo sistema de coordenadas é ou + + 82 = 0 Com

+

Portanto, a equação no novo sistema de coordenadas é ou + + 82 = 0 Com

+ 82 = 0

a equação no novo sistema de coordenadas é ou + + 82 = 0 Com a

Com a equação acima, ainda é difícil identificar a cônica. Porém, já sabemos que foi efetuada uma rotação em todo o sistema de coordenadas xy . Assim, essa cônica já está com os seus eixos paralelos aos eixos do plano cartesiano. Falta apenas efetuar uma translação nessa elipse para que seu centro coincida com o centro do sistema de coordenadas e ela se encontre na forma padrão.Para encontrar a translação apropriada, usamos o método de completar quadrados:

2 x' ² - 12 x' + 8 y' ² + 48 y' ² + 82 = 0

2 ( x' ² - 6 x' + 9 ) + 8 ( y' ² + 6 y' ² + 9) + 82 = 0 + 18 + 72

2 ( x' - 3 )² + 8 ( y' + 3 )² = 8

Substituindo

ficamos com a equação

Substituindo ficamos com a equação Achar o novo centro, novo termo independente e novos coeficientes dos
Substituindo ficamos com a equação Achar o novo centro, novo termo independente e novos coeficientes dos

Achar o novo centro, novo termo independente e novos coeficientes dos termos do segundo grau resume o problema de trabalhar com as cônicas.