MINISTÉRIO DA DEFESA

ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

OPERAÇÕES DO MINISTÉRIO DA DEFESA NAS REGIÕES DE FRONTEIRA (intensificação da presença das FA nas áreas fronteiriças )

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

INTENSIFICAÇÃO DA PRESENÇA DAS FORÇAS ARMADAS NAS ÁREAS FRONTEIRIÇAS
- OBJETIVOS - AMPARO LEGAL - OPERAÇÕES SINGULARES (conduzidas diretamente pelas

Forças)
- OPERAÇÕES CONJUNTAS (conduzidas pelo MD)

- AÇÕES E PROJETOS

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

OBJETIVOS
Intensificação da presença das Forças Armadas nas áreas fronteiriças e integração com outros órgãos federais, estaduais e municipais e organizações não-governamentais, otimizando as ações contra os ilícitos transfronteiriços e ambientais e buscando incrementar o atendimento de saúde dos habitantes locais, além de reforçar o sentimento de nacionalismo e de defesa da Pátria.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

AMPARO LEGAL

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem. § 1º - Lei complementar estabelecerá as normas gerais a serem adotadas na organização, no preparo e no emprego das Forças Armadas.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

AMPARO LEGAL
LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 modificada pela lei complementar 117/2004 e 136/2010
Art. 17. Cabe à Marinha, como atribuições subsidiárias particulares: ......................................................... V – cooperar com os órgãos federais, quando se fizer necessário, na repressão aos delitos de repercussão nacional ou internacional, quanto ao uso do mar, águas interiores e de áreas portuárias, na forma de apoio logístico, de inteligência, de comunicações e de instrução.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

AMPARO LEGAL
LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 modificada pela lei complementar 117/2004 e 136/2010
....... Art. 17A. Cabe ao Exército, além de outras ações pertinentes, como atribuições subsidiárias particulares: .... IV – atuar, por meio de ações preventivas e repressivas, na faixa de fronteira terrestre, contra delitos transfronteiriços e ambientais, isoladamente ou em coordenação com outros órgãos do Poder Executivo, executando, dentre outras, as ações de: a) patrulhamento; b) revista de pessoas, de veículos terrestres, de embarcações e de aeronaves; e c) prisões em flagrante delito.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

AMPARO LEGAL
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 § 2º do Art 20 - A faixa de até cento e cinqüenta quilômetros de largura, ao longo das fronteiras terrestres, designada como faixa de fronteira, é considerada fundamental para defesa do território nacional, e sua ocupação e utilização serão reguladas em lei. DECRETO No 85.064, DE 26 DE AGOSTO DE 1980. Regulamenta a Lei nº 6.634, de 2 de maio de 1979, que dispõe sobre a Faixa de Fronteira

Art 1º - Este regulamento estabelece procedimentos a serem seguidos para a prática de atos que necessitem de assentimento prévio do Conselho de Defesa Nacional (CDN), na Faixa de Fronteira, considerada área indispensável à segurança nacional e definida pela Lei nº 6.634, de 2 de maio de 1979, como a faixa interna de cento e cinqüenta (150) quilômetros de largura, paralela à linha divisória terrestre do território nacional.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

AMPARO LEGAL
LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 modificada pela lei complementar 117/2004 e 136/2010
Art. 18. Cabe à Aeronáutica, como atribuições subsidiárias particulares: .... VII – atuar, de maneira contínua e permanente, por meio das ações de controle do espaço aéreo brasileiro, contra todos os tipos de tráfego aéreo ilícito, com ênfase nos envolvidos no tráfico de drogas, armas, munições e passageiros ilegais, agindo em operação combinada com organismos de fiscalização competentes, aos quais caberá a tarefa de agir após a aterragem das aeronaves envolvidas em tráfego aéreo ilícito.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

AMPARO LEGAL
Decreto Presidencial Nº 5.484, de 30 de junho de 2005 .................................................................................. Aprimorar a vigilância, o controle e a defesa das fronteiras, das águas jurisdicionais e do espaço aéreo do Brasil.

Decreto Presidencial nº 6.703, de 18 de dezembro de 2008 ....................................................... Dissuadir a concentração de forças hostis nas fronteiras terrestres, nos limites das águas jurisdicionais brasileiras, e impedir-lhes o uso do espaço aéreo nacional. ....................................................... Adensar a presença de unidades do Exército, da Marinha e da Força Aérea nas fronteiras.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

AÇÕES PRINCIPAIS
 Vigilância na faixa de fronteira por meio de patrulhamentos aéreos, terrestres e fluviais.  Estabelecimento de postos de bloqueio na calha dos rios e nas principais rodovias para a realização de revistas em embarcações, automóveis, ônibus e caminhões.

 Operações especiais.
 Atividades logísticas e de comunicações.  Ações Cívico-Sociais

 Integração e coordenação com outros OSP, agentes de saúde dos estados e Organizações Não-Governamentais em apoio às populações residentes nas áreas de fronteiras.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

OPERAÇÕES SINGULARES – 2011 (conduzidas diretamente pelas Forças)

OPERAÇÕES DE INTENSIFICAÇÃO DA ÁREA DE FRONTEIRA-2011

Marinha do Brasil
9º DN - Patrulha Naval Tabatinga 16 Operações em 2011
Região Norte do Brasil, nas calhas do Rio Solimões próximo à TABATINGA-AM.

Emprego de Navios Patrulhas e Navio Hospital, com aproximadamente 100 militares em cada uma das ações planejadas em 2011.

OPERAÇÕES DE INTENSIFICAÇÃO DA ÁREA DE FRONTEIRA-2011

Marinha do Brasil
6º DN - Patrulha Naval /IN 12 Operações em 2011
Região Centro-Oeste do Brasil, na calha do Rio Paraguai, entre as cidade de Corumbá e Porto Murtinho-MS.

Emprego de Navios Patrulhas, com aproximadamente 50 militares em cada uma das ações planejadas em 2011.

OPERAÇÕES DE INTENSIFICAÇÃO DA ÁREA DE FRONTEIRA-2011

Marinha do Brasil
5º DN - Patrulha Naval Atlântico 06 Operações em 2011
Região Sul do Brasil, no litoral do Rio Grande do Sul, entre as cidade de Rio Grande e ChuíRS.

Emprego de Navios Patrulhas, com aproximadamente 80 militares em cada uma das ações planejadas em 2011.

OPERAÇÕES DE INTENSIFICAÇÃO DA ÁREA DE FRONTEIRA-2011

Op CURARE 2011 (I a V) – CMA
05 Operações em 2011
Região Norte do Brasil, nas fronteiras com Bolívia, Peru, Colômbia e Venezuela. Possibilidade de participação da Polícia Federal, do IBAMA, da Receita Federal, da FUNAI e da Secretaria de Saúde do Amazonas. Emprego de militares das Organizações Militares da área de fronteira, com efetivos de valor Companhia de Fuzileiros (120 militares) até Batalhões de Selva.

OPERAÇÕES DE INTENSIFICAÇÃO DA ÁREA DE FRONTEIRA-2011

Op ESCUDO 2011 (I a V) – CMA
05 Operações em 2011
Região Norte do Brasil, nas fronteiras com Colômbia, Venezuela, Guiana, Suriname e Guiana Francesa. Possibilidade de participação da Polícia Federal, do IBAMA, da Receita Federal, da FUNAI e da Secretaria de Saúde do Amazonas. Emprego de militares das Organizações Militares da área de fronteira, com efetivos de valor Companhia de Fuzileiros (120 militares) até Batalhões de Selva.

OPERAÇÕES DE INTENSIFICAÇÃO DA ÁREA DE FRONTEIRA-2011

Op CADEADO 2011 - CMO 03 Operações em 2011
Região Centro-Oeste do Brasil, fronteiras com Bolívia e Paraguai. nas

Possibilidade de participação da ABIN, Polícia Federal, do IBAMA, da Receita Federal, da FUNAI, da Polícia Militar do MS e MT, IAGRO e da Secretaria de Saúde do Mato Grosso do Sul. Emprego de militares das Organizações Militares da área de fronteira, com efetivos de valor Companhia de Fuzileiros (120 militares) até RC Mec.

OPERAÇÕES DE INTENSIFICAÇÃO DA ÁREA DE FRONTEIRA-2011

Op ATALAIA 2011 - CMO 02 Operações em 2011
Região Centro-Oeste do Brasil, fronteiras com Bolívia e Paraguai. nas

Possibilidade de participação da ABIN, Polícia Federal, do IBAMA, da Receita Federal, da FUNAI, da Polícia Militar do MS e MT, IAGRO e da Secretaria de Saúde do Mato Grosso do Sul. Emprego de militares das Organizações Militares da área de fronteira, com efetivos de valor Companhia de Fuzileiros (120 militares) até RC Mec.

OPERAÇÕES DE INTENSIFICAÇÃO DA ÁREA DE FRONTEIRA-2011

Op FRONTEIRA SUL 2011 - CMS 02 Operações em 2011
Região Sul do Brasil, nas fronteiras com Argentina, Uruguai e Paraguai. Possibilidade de participação da ABIN, Polícia Federal, do IBAMA, da Receita Federal, da Polícia Rodoviária Federal, da Brigada Militar do RS e de outros órgãos Federais e Estaduais em coordenação com o Comando Militar do Sul. Emprego de militares de todas as Organizações Militares da área de fronteira, com efetivos de valor RC Mec até Brigadas C Mec, com coordenação do CMS.

OPERAÇÕES DE INTENSIFICAÇÃO DA ÁREA DE FRONTEIRA-2011

Força Aérea Brasileira
Op PORTEIRA FECHADA 2011
Ações de policiamento aéreo e interceptação aérea

Todo o espaço aéreo da Faixa de Fronteira do Brasil. Possibilidade de acionamento e/ou participação da Polícia Federal e OSP estaduais. Emprego de aeronaves F-5M, F-2000, A29 e E-99 com o auxílio de aeronaves de REVO, quando necessário, além de 15 militares (pilotos, mecânicos, auxiliares e Btl Inf Aeronáutica) e controladores de vôo de todo o Brasil.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

OPERAÇÕES CONJUNTAS NA FAIXA DE FRONTEIRA (a cargo do MD)

OPERAÇÃO ÁGATA

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

AMPARO LEGAL
DECRETO PRESIDENCIAL No 7.496, de 08 de junho de 2011.

Art. 1º Fica instituído o Plano Estratégico de Fronteiras para o fortalecimento da prevenção, controle, fiscalização e repressão dos delitos transfronteiriços e dos delitos praticados na faixa de fronteira brasileira. Art. 2º O Plano Estratégico de Fronteiras terá como diretrizes: I - a atuação integrada dos órgãos de segurança pública e das Forças Armadas; e II - a integração com os países vizinhos.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

• 27% do território • 2.357.850 km2
• 16.886 Km de extensão 150 Km de largura 7.363 Km em linha seca • 9.523 Km de rios, lagos e canais

• 11 estados: • 710 municípios:
• 122 limítrofes • 588 não limítrofes

• 23.415 Km de rodovias federais • 10 paises fronteiriços

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS CRIMES FRONTEIRIÇOS
TIPOS  TRÁFICO - drogas, armas e pessoas  FISCAL/FINANCEIRO - contrabando e descaminho sonegação e exportação ilegal de veículos  AMBIENTAIS  HOMICÍDIOS MODOS DE OPERAÇÃO:  Aéreo  Fluvial  Terrestre

AÇÕES

• OPERAÇÃO SENTINELA – MJ (APOIO MD)
Foco de inteligência/permanência

• OPERAÇÃO ÁGATA – MD (APOIO MJ) Foco pontual de impacto/temporalidade

MD MRE

MJ

COC
MMA MAPA

MF

GSI/PR

EXÉRCITO

MARINHA

FORÇA AÉREA

SENASP ESTADOS

DPF DPRF FNSP

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

AGÊNCIAS GOVERNAMENTAIS PARTICIPANTES

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

OBJETIVOS ESTRATÉGICOS
1) Redução dos índices de criminalidade; 2) Coordenação do planejamento e execução de operações militares e policiais; 3) Cooperação com os países fronteiriços; 4) Intensificação da presença das Forças Armadas; e 5) Apoio à população.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

CONDICIONANTES POLÍTICOS E MILITARES  Direitos e garantias individuais (C.F./1988).  Respeito à soberania dos países fronteiriços.  Regras de engajamento (MJ-MD).

 Coordenação do MD.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

OBJETIVOS POLÍTICOS
 Integração de esforços entre os Ministérios da Justiça, da Defesa, das Relações Exteriores, da Fazenda, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, do Meio Ambiente e do Gabinete de Segurança Institucional/PR;  Legitimidade das ações (nacional e internacional);  Integração com os Estados e os Países vizinhos; e  Presença estatal.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS ÁGATA 1 ÁGATA - 2011  1.644 Km de extensão  246.600 Km²  10.860 Km de extensão ÁGATA 2,9% do  1.629.070 Km² 3 território → 5.718  1  20,1%Km de extensão Estado do território → 857.770 Km² 1 País  710,2% do território → Estados 8 Municípios → Estados  65Países fronteiriços → 3 Países fronteiriços  494 Municípios → ÁGATA 2 55 Municípios 3.498 Km de extensão de extensão  6.860 Km 524.700 Km²  1.029.000 Km² 7% do território  12,1% do território 4 Estados 3  3 Países fronteiriços Estados  431 Municípios  4 Países fronteiriços

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

Participação efetiva e eficaz da presença do “Estado Brasileiro” na Faixa de Fronteira; Potencialização do poder de atuação das Forças Armadas e dos OSP na fronteira Norte, Sul e Oeste – recursos e meios disponíveis; Dissuasão, inibindo a ação das organizações criminosas que atuam na área – crimes transfronteiriços, descaminho e ambientais; Integração e conhecimento mútuo entre as Forças Armadas e os demais órgãos do Estado Brasileiro envolvidos na operação – MAPA, MP, GSI/PR, DPF, SENASP, DPRF, IBAMA, SRF, ANAC; Integração dos Órgãos de Inteligência; e Forte diminuição dos crimes fronteiriços, aumentando a percepção de segurança da população local.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

Ações interagências nas localidades fronteiriças...

PBCVU em Tabatinga (EB e FNS)

Fiscalização integrada com a Receita Federal e FNS

Fiscalização integrada com a Receita Federal

Posto de Controle do Trânsito

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

Patrulhas binacionais Bra-Col...

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

Ações interagências nas localidades fronteiriças...

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

AÇÕES

PROJETOS

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

CENSIPAM

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS
Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia

Missão

(Censipam)

O Sistema de Proteção da Amazônia (SIPAM) é vinculado ao MD, gerenciado pelo Censipam. O SIPAM é uma organização sistêmica de produção e veiculação de informações técnicas, formado por uma complexa base tecnológica e uma rede institucional, encarregado de integrar informações e gerar conhecimentos para articulação, planejamento e coordenação de ações globais de governo na Amazônia, visando a proteção, a inclusão social e o desenvolvimento sustentável.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA

Legenda
Detectores de raios Estações Meteorológicas

radares

Antenas VSATs

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

FUNDAMENTOS
CAPACIDADES BÁSICAS (END)

Monitoramento / Vigilância. Mobilidade. Presença.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS
FRONTEIRA TERRESTRE DOS EUA: 8.891 Km

FRONTEIRAS TERRESTRES

FRONTEIRA MÉXICO-EUA: 2.500 Km

FRONTEIRA TERRESTRE DO BRASIL: 16.886 Km

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

Pouca presença do estado

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

Fronteira Norte (CMA)
Área: 3.800.600 Km² (=42%) 06 Estados: AP-PA-AM-RR-ACRO (-TO) Fx Fron: 9.767 Km

Fronteira Centro-Oeste (CMO) Área: 1.606.000 Km²
2135 Km

03 Estados: MT-MS-GO (+ DF) Fx Fron: 4.788 Km

Fronteira Sul (CMS) Área: 576.409 Km²
03 Estados: PR-SC-RS Fx Fron: 2.329 Km

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras SISFRON.

O SisFron é um sistema de vigilância e monitoramento que vai dotar a força terrestre de meios para uma efetiva presença em todo o território nacional, particularmente na faixa de fronteira.

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

É um grande sistema de sensoriamento que integrado ao C2FTer, por meio de seus subsistemas, estará capacitado a produzir conhecimento em tempo real, permitindo a tomada de decisão de forma oportuna e, assim, possibilitando otimizar planejamentos e reduzir o tempo de resposta dos atuadores entre a detecção de um ilícito transfronteiriço ou ambiental e a ação legal do Estado. 47/65

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO

Cmdo Fron Companhia Pelotão Destacamento Existente Transformação Criação

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

Cmdo Mil Amz Cmdo Bda Cmdo Fron Companhia Pelotão Destacamento
BRASÍLIA

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS
SIPAM Aeronáutica

Interações

Marinha

MD
SRF

DPF / FUNAI
Exército IBAMA ABIN

INMet / CPTEC - INPE Defesa Civil / Organizações Estaduais e Municipais

Outros

SISFRON ESTADO-MAIOR
Bda Fron-PEF-Cia-Btl Dst DEMil A C COTER/CIE

MINISTÉRIO DA DEFESA
CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

CMA

CMO

COTER/CIE

CMS

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS
Manaus

CMA
CMNE
CMP

DESAFIOS
Diversidades regionais

850 Km
Campo Grande

Brasília

CML

CMO

Distâncias continentais
Afastamento dos centros Deficiência das infraestruturas Permeabilidade fronteiriça
CMS
Porto Alegre

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS
CAPACIDADE DE DETECÇÃO AUMENTADA (Pel/Cia/Btl)
Alcance Vigilância - 20 Km Optrônicos individuais e de frações Meios de deslocamento fluvial e terrestre Radar Saber M 60 VANT VT 15

MATURACÁ

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS
- Até 200 Km - Vigilância eletrônica - VANT táticos - Lanchas potentes - Radares de Vigilância Terrestre - Sensores de VHF

CAPACIDADE DE DETECÇÃO AUMENTADA (Btl/Bda/DE)

MATURACÁ

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

OBJETIVO FORTALECIMENTO DA PRESENÇA MILITAR NA AMAZÔNIA. PRINCIPAIS AÇÕES - Instalação e Modernização de PEF. - Aumento da capacidade de Monitoramento de Fronteiras. - Completamento da Estrutura Operacional e Logística.

PROGRAMA

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

PEF EXISTENTES (21) PEF PROPOSTOS (28)

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

Cmdo Mil Amz Cmdo Bda Cmdo Fron Companhia Pelotão Destacamento Existente Transformação Criação
BRASÍLIA

MINISTÉRIO DA DEFESA
COMUNICAÇÕES

SISTEMA DE SATÉLITES DE DEFESA

ESTADO-MAIORVIGILÂNCIA CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

SISDABRA

SisGAAz

MINISTÉRIO DA DEFESA
ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS

CONCLUSÃO

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful