P. 1
IntroduÇÃo bÍblica

IntroduÇÃo bÍblica

5.0

|Views: 3.020|Likes:
Publicado porJoelson Gomes
Estudo básico sobre as Escrituras e sua formação.
Estudo básico sobre as Escrituras e sua formação.

More info:

Published by: Joelson Gomes on Oct 25, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/10/2013

pdf

text

original

INTRODUÇÃO BÍBLICA.

Joelson Gomes

O que significa a palavra bíblia, você já fez esta pergunta? Então lá vai a resposta. Bíblia: Esta palavra vem do grego βίβλος (bíblos), isto por causa da cidade fenícia chamada Biblos, que era um importante centro de produção dos rolos de papiros usados para fazer os livros na antiguidade. A palavra significava a fibra interna do papiro, depois passou a significar o livro em si. Ela aparece em Lc. 3:4, significando um livro sagrado determinado; em Ap. 3:5 significando o livro da vida; em At. 19:9, livros de magia; e em Mt. 1:1, significando a lista da genealogia. Bíblia é a forma plural da palavra biblos, pois as Escrituras Sagradas não é um livro só, mas uma coleção de livros.1 I-A TRADIÇÃO ORAL. a) Os primeiros fatos da história da relação de Deus com a humanidade não foram registrados por um sistema de escrita, já que o primeiro sistema assim conhecido começou por volta de 3.200 a.C.
2

Antes disso as histórias

eram passadas de boca em boca, era a chamada Tradição Oral. O escritor do
1

* Joelson Gomes é pastor reformado, formado em Teologia (Th.B.) pelo Seminário Teológico Congregacional do Nordeste (órgão filiado a ASTE e a AETAL), pós graduado em História, faz parte do quadro de Ministros da ALIANÇA das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil, e do corpo de liderança da Igreja Evangélica Congregacional da Vitória- PE. Vd.: RUSCONI, Carlo. Dicionário do grego do Novo Testamento (São Paulo: Paulus, 2003), pp.98-99. MILLER, Stephen M. e HUBER, Robert V. A Bíblia e Sua História (São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006), p.238. 2 MILLER, Stephen M. e HUBER, Robert V. p.14.

1

Salmo 44 nos informa do uso desta prática pelo povo de Israel, passando adiante sua tradição:

que ia

Com nossos próprios ouvidos ouvimos, ó Deus; os nossos antepassados nos contaram os feitos que realizaste no tempo deles, nos dias da antiguidade (Sl. 44:1 NVI). Muitas palavras faladas por Deus a pessoas como: Adão, Enoque (que andou com Deus, Gn.5:18-24), Noé, Abraão, Melquesedeque ( que era sacerdote de Deus em Salém, Gn.14: 18-20), não fora, colocadas por escrito, e nós não as conhecemos. Só mais tarde é que Deus comissionou pessoas para colocarem por escrito Suas palavras. 3

II-REVELAÇÃO GERAL E REVELAÇÃO ESPECIAL. O ser humano, por causa de sua finitude, não poderia conhecer a Deus sem que Este permitisse. Assim, Deus resolveu se revelar, e esta revelação se deu de duas formas: Geral e Especial. a) Revelação Geral – Chama-se assim a revelação de Deus por meio de sua criação, o universo, a natureza que nos rodeia (Sl.19:1-2; Rm.1:19-20). Mas, o ser humano, que teve o seu entendimento obscurecido pela Queda no pecado (1Co.2:14-15), é incapaz de ler corretamente o livro da natureza, assim, o Senhor lançou mão de outro tipo de revelação. b) Revelação Especial - Chama-se assim a revelação feita por Deus aos seus servos profetas na história do povo de Israel, e nos últimos dias pelo Seu Filho Jesus Cristo (2Rs.17:13; Sl.103:7; Mt.11:27; Jo.1:18; 5:19; Hb.1:1-2).

3

HARRIS, R. Laird. Introdução Bíblica (São Paulo: Vida Nova, 2005), p.45.

2

L. Berkhof escreve:
Costuma-se falar de revelação natural e revelação sobrenatural... a revelação natural quando Deus se comunica por meio da natureza, a saber, por meio da criação visível com suas leis e poderes ordinários. E é sobrenatural quando Ele se comunica com o homem de forma superior e extraordinária, como quando Deus lhe fala, seja diretamente ou por meio de mensageiros capacitados sobrenaturalmente. 4

No âmbito desta revelação especial Deus nos proporcionou a Bíblia, sua palavra escrita. III-PREPARO, DIVISÕES E CLASSIFICAÇÃO DA BÍBLIA. a) O material de preparo-A forma primitiva dos livros bíblicos era a de rolos (vd. Jr.36:2; Ap.5:1). Estes rolos eram feitos de papiro ou pergaminho. O que é isso?

1- Papiro - é uma espécie de junco (planta aquática) que crescia nos rios e lagos de pouca profundidade, no Egito e Síria. As tiras da entrecasca eram colocadas lado a lado e coladas umas as outras, formando assim uma página para a escrita, de vários tamanhos (Jó 8:11; Is.18:2). 2- Pergaminho – é o nome dado às peles de ovelhas, cabras e outros animais, especialmente preparadas para a escrita.

b) As Divisões da Bíblia - A nossa Bíblia se divide em duas partes: Antigo e Novo Testamento. A origem destes nomes é tomada de 2 Co.3:6,14 onde se fala do Antigo Testamento (pacto/ aliança) e do Novo, referindo4

BERKHOF, L. Teologia Sistematica 3ª ed. (Grand Rapids: T.E.E.L., 1976), pp. 39-40. (Tradução minha)

3

se as duas alianças feitas por Deus, uma com o povo israelita, por meio de Moisés, e outra com Jesus e a Igreja. b.1) O Antigo Testamento (A.T)- Esta é a primeira parte da Bíblia. Nela está relatada a antiga aliança feita com o povo israelita no monte Sinai (Êx. 20-24). Esta antiga aliança apontava para o futuro, para a obra do Messias (o Cristo/Ungido) que traria a salvação eterna. O A.T. aceito pelos protestantes contém 39 livros assim classificados:  Lei ou Pentatêuco: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio.  Históricos: Josué, Juízes, Rute, 1Samuel, 2Samuel, 1Reis, 2Reis, 1Crõnicas, 2Crônicas, Esdras, Neemias, Ester. Poéticos: Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes, Cantares.  Proféticos: Isaias, Jeremias, Lamentações, Ezequiel, Daniel, Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias, Malaquias. Observação: Entre os profetas temos uma subdivisão: de Isaías a Daniel, são os profetas maiores; de Oséias a Malaquias, são os profetas menores. São assim chamados pelos tamanhos dos livros que escreveram. b.2) O Novo Testamento (N.T)- Esta é a segunda parte da Bíblia. Aqui se destaca a nova aliança. A antiga era um condutor, um caminho, para esta nova, que foi selada em Cristo com todos os cristãos (Lc.22:19-20; Gl.3; Hb.8). Podemos classificá-lo assim:  Evangelhos: Mateus, Marcos, Lucas e João.  História: Atos.  Cartas de Paulo: Romanos, 1 Coríntios, 2 Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, 1Tessalonicenses, 2 Tessalonicenses, 1Timóteo, 2 Timóteo, Tito, Filemom. 4

 Outras cartas: Hebreus, Tiago, 1Pedro, 2 Pedro, 1 João, 2 João, 3 João, Judas.  Profecia: Apocalipse.

IV-AS LÍNGUAS DA BÍBLIA. a) As línguas do A.T.: o Hebraico e o Aramaico. 1- Os livros do cânon
5

do Antigo Testamento foram escritos quase

totalmente na língua hebraica, as exceções são um versículo de Jeremias (Jr.10:11), e trechos em Esdras (Ed.4:8-6: 18;7:12-26), e Daniel (Dn.2:47,28), que foram escritos em aramaico. Pelo fato de o A.T. não ser só um livro, mas, uma literatura, que foi composta durante um longo tempo, o seu texto apresenta-se variado em razão das diferentes épocas em que foi escrito. 2No período em que o povo judeu passou exilado na Babilônia6 (Sécs. IV-V a.C,) a sua língua, o hebraico, sofreu influência do aramaico e da língua persa ( isso aconteceu com a subida do império persa ao poder derrubando o império babilônico, séc. VI a.C). 3- O hebraico bíblico como o temos hoje no nosso Antigo Testamento chama-se: Texto Massorético. A codificação massorética (massorá = tradição), aconteceu entre os séculos VII e X d. C., quando um grupo de sábios judeus chamados massorétas fixaram o texto bíblico consonantal ( o hebraico é uma língua que só tem consoantes, sem vogais) e o enriqueceram com um sistema de pontuação para os sons das vogais facilitando a leitura para os não-

5 6

Para o significado desta palavrinha veja a seção VII, letra b. Para saber o que foi o Exílio veja seção VII, letra e.

5

iniciados.7 Os massoretas substituíram os escribas (Sopherins) por volta mais ou menos do ano 500 d.C. até 1.000 d.C.. O principal interesse dos massoretas era a transcrição exata de cada palavra, e até de cada letra, do texto da Bíblia. Para garantir exatidão, os massoretas utilizavam as margens laterais de cada página para registrar informações que indicassem quaisquer possíveis mudanças do texto que tivessem sido feitas inadvertida ou deliberadamente por copistas anteriores. Nas margens, os massoretas também anotavam formas e combinações incomuns de palavras, indicando a freqüência com que ocorriam em determinado livro ou nas Escrituras Hebraicas como um todo. Esses comentários eram registrados por meio de um código superabreviado, por falta de espaço. Como um recurso a mais para checagem, eles marcavam a palavra e a letra que ficavam no meio de determinados livros. Chegavam a ponto de contar todas as letras da Bíblia a fim de garantir a exatidão da cópia. Nas margens superior e inferior da página, os massoretas registravam comentários mais extensos sobre algumas das notas abreviadas feitas nas margens laterais. Esses comentários eram úteis na checagem do trabalho. Uma vez que na época os versículos não eram numerados e não havia concordâncias bíblicas, como é que os massoretas consultavam outras partes da Bíblia para fazer a checagem? Nas margens superior e inferior, eles anotavam parte de um versículo paralelo para lembrar onde a palavra ou palavras indicadas se encontravam em outras partes da Bíblia. Por falta de espaço, muitas vezes eles escreviam apenas uma palavra-chave para lembrar de cada versículo paralelo. Para que as notas marginais fossem úteis, esses copistas precisavam, a bem dizer, conhecer de cor toda a Bíblia em hebraico.8
7

Para detalhes Vademecum para o Estudo da Bíblia 2ª ed. (São Paulo: Paulinas, 2005), pp.143-154. Conforme <http://pt.wikipedia.org/wiki/Massoreta> Acesso em 09/03/08. Para mais detalhes ver: http://www.jewishencyclopedia.com/view.jsp?letter=M&artid=246
8

6

b) A língua do N.T.: Grego Koiné. O grego que conhecemos hoje tem pelo menos 3.000 anos de história. A fase antiga da língua vai de aproximadamente 1.000 a 330. a.C.; o período clássico é por volta do século V a.C.; e o período Koiné de 330 a.C, a aproximadamente 330.d.C.; depois vem o grego moderno desta data até nossos dias. O grego Koiné ( koiné é a forma feminina do adjetivo Koinos, que se usa aqui com o sentido de comum), foi a língua na qual foi escrito o N.T. Esta língua é o resultado do processo de helenização (helênico=grego) iniciado pelo imperador Alexandre o Grande, por volta de 330 a.C. Comparando-se com o grego clássico, este tipo de fala é muito simplificada. Ela era a língua do povo que não teve escola, e que não possuía dotes literários. Não tinha padrão e variava de indivíduo para indivíduo. 9

V-A INSPIRAÇÃO DA BÍBLIA. “As Escrituras Sagradas foram escritas por homens santos, inspirados por Deus, de maneira que as palavras que escreveram são as palavras de Deus. Seu valor é incalculável e devem ser lidas por todos os homens.” 10

a) Teorias quanto à inspiração. Como aconteceu a inspiração da bíblia por Deus? Para responder a esta pergunta muitos têm criado teorias quanto a inspiração. Veja:

9

Ibid., pp.155-167; BITTENCOURT, P. B. O Novo Testamento, 3ª ed. (Rio de Janeiro: JUERP, 1993), pp. 45-56. 10 Artigo 3° da Breve Exposição das Doutrinas Fundamentais do Cristianismo (confissão de Fé dos Congregacionais brasileiros).

7

1)Teoria da Intuição – Os adeptos desta teoria dizem que a inspiração é um grau mais alto de desenvolvimento da percepção humana. Assim como os filósofos deram origem a grandes obras de filosofia na área secular, grandes homens deram origem a grandes livros religiosos. O elemento divino é descartado nesta compreensão, ela é, pois uma teoria racionalista. 2)Teoria da Iluminação – Seus adeptos dizem que a inspiração é uma elevação e intensificação das percepções religiosas do cristão. A bíblia não é a palavra de Deus, mas contém suas palavras; e a inspiração atinge a pessoa e não os próprios escritos. Entretanto, esta iluminação dada pelo Espírito não comunica nenhuma verdade objetiva sobrenatural, além da capacidade humana de entendimento, mas somente a que o homem tem na posse de seus poderes normais. 3)Teoria do ditado - Nesta teoria o Espírito Santo toma posse completa dos corpos dos escritores bíblicos. Eles seriam meros instrumentos passivos nas mãos de Deus. 4)Teoria dinâmica - Em contraste com a teoria da iluminação, esta diz que a inspiração é propriedade dos escritos e não dos escritores. De maneira que seus escritos se tornam o registro fiel e suficiente da revelação divina. Contra a teoria do ditado, esta teoria diz que as Escrituras contém tanto o elemento humano, como o divino, as verdades reveladas foram postas em moldes humanos, e adaptados a inteligência humana. Cada autor teve suas características preservadas, e escreveram em suas individualidades: culturais, intelectuais, estilísticas e circunstanciais. Isso é muito importante para o interprete. Em contraste com a teoria da intuição, esta teoria diz que o elemento sobrenatural estar presente na

8

inspiração. Assim, a inspiração não seria natural, nem parcial, nem mecânica, mas sobrenatural, plenária e dinâmica. OBS: Para um melhor entendimento pode-se colocar assim:  Teoria da Intuição, nada foi inspirado;  Teoria da Iluminação, os escritores e não os escritos é que foram inspirados;  Teoria do Ditado, as palavras do texto foram inspiradas;  Teoria Dinâmica, os pensamentos captados no texto foram inspirados.11 Os evangélicos reformados crêem na inspiração verbal e plenária da Bíblia. 1- Por inspiração verbal entende-se o conceito de que as palavras da bíblia foram dadas pelo Espírito Santo aos seus escritores. 2- Por inspiração plenária entende-se o conceito de que a Bíblia é plena e igualmente inspirada por Deus em todas as suas partes. Observe como uma antiga Confissão de Fé protestante fala sobre o assunto. a) Confissão de Fé Belga (1561):
Confessamos que esta Palavra de Deus não foi enviada nem produzida pela vontade de homem algum, senão pelos santos homens de Deus, sendo guiados pelo Espírito Santo, falaram conforme disse o apóstolo Pedro. Depois, Deus, por um cuidado especial que Ele tem conosco e com nossa salvação, mandou a seus servos, profetas e apóstolos consignar por escrito Sua Palavra revelada; e Ele mesmo escreveu com Seu dedo as duas tábuas da Lei. Por esta razão, a tais escritos o denominamos: santas e divinas Escrituras (art. 3°).

11

FERREIRA, Júlio Andrade (org). Antologia Teológica (São Paulo: Novo Século, 2003), pp. 39-41.

9

b) A Bíblia reinvidica a inspiração. Vamos comprovar o que dissemos com a própria Bíblia destacando alguns textos bíblicos. Observe o que diz Paulo sobre o A.T. em 2Tm.3:16: “Toda Escritura é inspirada por Deus e útil...” (NVI). Aqui, a palavra “inspirada” é a tradução da expressão grega: theopneustos, que significa literalmente: “soprado para dentro por Deus”. Assim, era como se Paulo estivesse dizendo que Deus soprou as palavras do A.T. aos seus escritores.12 O apóstolo Pedro também diz palavras importantes esclarecedoras sobre o assunto: “porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo”(2Pd.1:21). A expressão: movidos é a tradução da palavra grega pherómenoi13 que significa: “ser levado, ser guiado”, no caso aqui, pelo Espírito Santo. Assim, Pedro diz que o Espírito Santo foi o grande orientador das Escrituras Sagradas, guiando e movendo seus autores. c)Como a Bíblia fala de sua inspiração. *O Antigo Testamento (A.T.) e a inspiração. 1- O Pentateuco (Lei) - Gn.15:6; cf.Gl.3:8; Ex.6:1ss; Lv.1:1ss; Nm.1:1ss; Dt.10:1ss. Note-se que em todas estas citações, a Bíblia afirma que é o próprio Deus quem está falando;
12

Para uma útil discussão desse versículo veja: KELLY, J. N. D. I e II Timóteo e Tito – Introdução e Comentário (São Paulo: Vida Nova, 1999), pp. 185-187. 13 Para o verbo φερω vd. RUSCONI, Carlo. pp. 479-480.

10

2- Históricos- Js.1:1ss; Jz.1:2ss; 2Sm.2:1; 3- Poéticos- Jó 38:1ss; Sl.2:1-2; cf. At.4:24-26; 4- Proféticos- Is.1:1-2ss; Jr.1:2ss; Zc.7:7,12; Ml.1:1ss. Nesta pequena amostragem das divisões principais do A.T. encontramos declarações de que ali temos a voz divina. Para realçar este fato os profetas usavam fórmulas como: “assim diz o Senhor”(Jr.24:5), “Ouvi a palavra do Senhor”(Is.1:10); “Veio a mim a palavra do Senhor”(Ez.3:16), mostrando com isso, que eles tinha, consciência da origem divina de suas mensagens. Pedro é claro ao afirmar que os profetas do A.T. receberam do próprio Deus.(I Pd.1:10-12). c) O Novo Testamento (N.T) e a Inspiração. 1-Os evangelhos - Estes escritos claramente demonstram que estão relatando as palavras do próprio Filho de Deus. E a Igreja Primitiva já entendia que o N.T. era Escritura (grego: graphê) inspirada como o A.T. A palavra graphê (“escritura”) era um termo técnico para os escritores do N.T. Quando eles usavam esta palavra estavam se referindo a Palavra de Deus (Mt. 21:42; Mc. 12:24;Lc. 24:45; Jo. 10:35). Portanto, quando em 1Tm.5:18, Paulo faz uma citação de Lc.10:7, e chama este texto de Escritura (graphê), ele está mostrando que estes escritos de Lucas tinham a autoridade de verdadeiras palavras de Deus.14 2-Os escritos dos apóstolos-Estes também estavam certos de transmitir as palavras exatas de Deus. É assim que Paulo fala em 1Co.14:37; 1Ts.2:13, dando autoridade divina as suas palavras. E Pedro reconheceu as palavras de Paulo como divinas comparando-as com outras Escrituras (graphê) (2Pd.3:15-16). 3-O Apocalipse-Este livro desde o seu começo se mostra como a revelação do próprio Jesus (Ap.1:1-3).
14

GRUDEM, Wayne. Teologia Sistemática (São Paulo: Vida Nova, 1999), pp.45-47.

11

Portanto toda a Bíblia, A.T. e N.T. reinvidica para si a qualidade de palavra inspirada por Deus. VI-O PROCESSO DA INSPIRAÇÃO. Salienta-se aqui, que o processo da inspiração não foi mecânico, como já se disse (veja tópico V), mas algo dinâmico. Deus usou métodos nesse processo. Quais foram estes métodos? São os seguintes: 1- Revelação-Aconteceu quando Deus revelou verdades desconhecidas dos homens, por exemplo: quando Deus revelou a doutrina da justificação pela fé; do pecado; o mistério da encarnação de Cristo; Os escritores por si só nunca descobririam, estas verdades. Pedro afirma que muitos escritores bíblicos, escreveram sobre coisas que eles mesmos nem entendiam (1Pd.1:10-12). 2- Pesquisa-Foi o que aconteceu quando os escritores, guiados pelo Espírito de Deus, empreenderam um processo coletando de pesquisa, para interpretando acontecimentos passados, dados,

formarem seus escritos (Lc.1:1-3). Os escritores dos livros históricos do A.T. fizeram muitas pesquisas em livros hoje perdidos, mas que os mesmos citam. Observe lista de livros que os autores bíblicos fazem referência, mas que se perderam: 1- Livro das batalhas de SENHOR (Nm. 21:4); 2- Livro do Justo (Js. 10:13; 2Sm. 1:18); 3- História de Salomão (1Rs. 11:41); 4- História dos Reis de Israel (1Rs. 14:19); 5- História dos reis de Judá (1Rs.14:29); 6- Livro dos Reis de Israel (1Cr. 9:1; 2Cr. 20:34); 7- Crônicas do Profeta Samuel (1Cr.29:29);

12

8- Crônicas do Profeta Natã (1Cr. 29:29); 9- Crônicas do Profeta Gade (1Cr. 29:29); 10- História do Profeta Natã (2Cr.9:29); 11- Profecias de Aias, de Siló (2Cr. 9:29); 12- Visões do Profeta Ido (2Cr. 9:29); 13- História do Profeta Semaías e História do Profeta Ido (2Cr. 12:15); 14- História do Profeta Ido (2Cr. 13:22); 15- História dos Reis de Judá e de Israel (2Cr. 16:11); 16- História de Jeú, Filho de Hanani (escrita na “História dos Reis de Israel”, 2Cr. 20:34); 17- Comentário Sobre o Livro dos Reis (2Cr. 24:27); 18- Atos de Uzias (escritos “pelo profeta Isaias”( 2Cr. 26:22); 19- História dos Reis de Israel e de Judá (2Cr. 27:7); 20- Visão do Profeta Isaias (escrita na “História dos Reis de Judá e de Israel”(2Cr. 32:32). 21- História dos Profetas (2Cr. 33:19); 22- Livro de Registro ou das Crônicas (Ne. 12:23).15

VII- A FORMAÇÃO DA BÍBLIA. a)O Antigo (Testamento (A.T.) – a) A Bíblia não surgiu completa como a temos hoje, ela foi crescendo devagar. Quando será que surgiu a idéia de colecionar escritos sagrados como tendo autoridade, como sendo palavras diferenciadas e de Deus? Wayne Grudem coloca os 10 mandamentos, que segundo Ex.31:18, foram escritos pelo dedo do próprio Deus, e colocados na Arca da Aliança (Dt.10:5), como o começo de um cânon, regular do A.T.16 Agora vamos explicar esta palavrinha estranha. Preste atenção.
15 16

MILLER, Stephen M. e HUBER, Robert V. p. 43. Vd.: Teologia Sistemática, pp. 28-43, para o assunto.

13

b) A palavra cânon vem do grego κανων (em hebraico qaneh) que significava primitivamente vara ou régua, especialmente usada para manter algo em linha reta (uma espécie de prumo), como a linha ou a régua dos pedreiros e carpinteiros. Os clássicos gregos usavam esta palavra no sentido figurado de regra, norma, padrão. No N.T., a palavra aparece em Gl.6:14, no sentido da regra moral, ou lei, e em 2Co.10:13,15,16, no sentido de medida, limite. Com o passar do tempo a palavra passou a significar o cânon da Igreja, as regras de doutrina e prática. No 4º séc.d.C. os autores patrísticos (primeiros escritores cristãos) aplicam o termo pela primeira vez para a Bíblia, para diferenciá-la como coleção de escritos reconhecidos como autorizados pela Igreja.17 c) Estas palavras dos dez mandamentos logo receberam o acréscimo de outras, escritas pelo próprio Moisés, que são todos os cinco primeiros livros da Bíblia, chamados de Pentateuco, Lei ou Torá. Pode-se obter a informação de Moisés, como o escritor do Pentateuco em textos como: Ex. 17:14; 24:4; 34:24-27; Nm.33:2; Dt.31:22-26. Além do que autores de outros livros bíblicos testemunham que a Lei foi escrita por Moisés (1Rs.2:3; 2Cr.23:18; Ne.8:1; Lc.2:22; Jo.1:17; 1Co.9:9; Hb.9:19-22). Além desses, temos o importante testemunho de Jesus, Ele assevera a autoria mosaica do Pentateuco em Mc.12:26; Lc.5:14; Jo.7:23.18 É claro que existiram editores que escreveram também, pois Moisés não relatou sua própria morte, alguém escreveu esse fato (Dt 34). Mas, o autor geral foi Moisés. d) Logo após Moisés, Josué amplia a coleção das palavras divinas (Js.24:26). Temos também o registro de que Samuel escreveu (1Sm.10:25; ICr.29:29); os sábios de Israel escreveram (Pv.30:30); Isaías (2Cr.26:22; 32:32); Jeremias (Jr.30:2); e muitos outros deram sua contribuição para o crescimento do cânon do A.T.. Muitas Leis das quais temos conhecimento hoje podem ter se
17 18

BITTENCOURT, P. B. pp.23-24. Sobre o testemunho da própria Bíblia sobre sua autoria veja: BOYCE, James Montgomery (ed.) O Alicerce da Autoridade Bíblica (São Paulo: Vida Nova, 1997), pp. 101-117.

14

originado como a que está registrada em Nm.27:1-11, isto é, na própria vivência do povo. e) Por volta do séc.XIII a.C.19, o povo de Israel se estabeleceu em Canaã (cf.o livro de Josué), e logo após instituiu a monarquia (cf. os livros de Samuel). No séc.X a.C., após a morte de Salomão, a monarquia israelense ruiu, o reino foi dividido (1Rs.12:1-10), e o país de Israel seguiu sua história como dois reinos: Judá (Sul) e Israel (Norte), até Israel ser conquistado pelos Assírios em 732 a.C., e Judá obrigado a ir para o exílio na Babilônia em 582 a.C. ( Leia isso em 2Rs.17:1-23; 24:10; 25:22). É deste período conturbado da história de Israel a maioria dos livros históricos, poéticos e proféticos. f) Deus fez o povo Israelita voltar do seu cativeiro. Ed.1-6 relata o retorno do primeiro grupo, em 538/37 a.C., período em que Esdras e Neemias escreveram seus livros. Por este tempo já se tinha quase todo o A.T. concluído, faltando talvez: Ageu, Zacarias, talvez Joel, e também Malaquias. Estes livros teriam sido escritos justamente durante esta volta do povo de Israel, do cativeiro, para a reestruturação de Jerusalém. g) Segundo os historiadores Esdras foi para Jerusalém em 458 a.C., e Neemias esteve ali entre 495-433 a.C20. Desse modo, desde aproximadamente 435 a.C. não houve mais acréscimos ao A.T., estando ele concluído. Ainda deve-se notar que por volta desta época, séc. V a.C., o povo judeu desenvolveu a crença de que o Espírito Santo não estava mais na terra, e assim não haviam mais profetas21. Os livros religiosos que surgiram neste período são chamados

19

Vale salientar que toda cronologia desta época é aproximada, aqui eu sigo as datas do Vademecum para o Estudo da Bíblia já citado. 20 Para as datas referentes a Esdras e Neemias ver: Bíblia de Estudo de Genebra (A.T.) (São Paulo: Cultura Cristã, 1999), pp. 538, 547, 551. 21 Sobre isso veja: GRUDEM, Wayne. pp. 28-32; ROST, L. Introdução aos Livros Apócrifos e Pseudepígrafos e aos Manuscritos de Qunrã (São Paulo: Paulinas, 1980), p. 17; LADD, George Eldon. Teologia do Novo Testamento, 2ª ed (Rio de Janeiro: JUERP, 1984), p. 324.

15

de Apócrifos. Um destes textos apócrifos testemunha claramente esta crença de que no seu tempo o período dos profetas já havia acabado. Reinou então em Israel uma opressão como não houvera outra desde o final dos tempos dos profetas (Imacabeus 9:27, destaque meu). h) Vários autores têm colocado que o cânon do A.T. foi oficialmente fechado em Tel-Aviv, num sínodo (concílio) de sábios judeus realizado na cidade Jâmnia, cerca de 90-100 d.C.22 Neste sínodo os livros que já eram aceitos pelos judeus como sagrados, foram oficializados, tornou-se lei não aceitar mais nada além dos mesmos. Estes são os 39 livros que compõem o Antigo Testamento como o lemos hoje. Salientamos que não foi nesta data que estes escritos passaram a se considerados inspirados, pois o Novo Testamento já indicava que o Antigo era a palavra de Deus (Mt.1:22; 4:4; 19:5; Mc.7:9-13; Lc.24:25,27,44; At.1:16; 2:16-17; 3:18; 24:14; Rm.15:4). Este concílio teria apenas ratificado os mesmos. a)O Novo Testamento (N.T.) O N.T. começa a ser formado juntamente com a formação da Igreja. Ele vai sendo escrito pelos discípulos de Jesus. A Bíblia da Igreja Primitiva ainda era o A.T. (Mc. 12:36; Rm. 9:25-29; Hb. 3:7-11). Era do A.T. que eles tiravam sua doutrina. Na expectativa da época, quando viesse, o Messias, Filho de Deus seria aquele que traria de volta o Espírito de profecia, e Cristo quando apareceu, foi entendido como o Profeta, anunciado por Moisés para aparecer no final dos tempos (Dt.18:15; Jo.6:14). A profecia bíblica anunciava um derramar do Espírito Santo para a época do Messias (Ez.36:2527; Jl.2:28-30), e isso se cumpriu em Cristo que batizava com o Espírito (Mt.3:11). O tempo da inspiração estava de volta com a chegada de Jesus, o Messias e homens usados por Deus começavam a registrar a revelação do
22

MILLER, Stephen M. e HUBER, Robert V. p.56; SCHREINER, J. (ed.) Palavra e Mensagem (São Paulo: Paulinas, 1987), pp. 31-33; Vademecum para o Estudo da Bíblia, p. 308; BITTENCOURT, P. B. p. 28.

16

Evangelho da Graça, começando com a revelação direta de Jesus (Mt, Mc, Lc, Jo), que veio a terra tornar Deus conhecido (Jo.1:18). b) Outros homens foram usados para registrar a revelação de Deus, a Nova Aliança (Lc.22:20; Ef.3:1-13), e tinham a consciência de estarem transmitindo palavras divinas (Gl.1:7-9; 1Co.7:10ss; 14:37; 2Co.13:3; 1Ts.2:13; 4:8,15; 1Pd.3:2,15-16). Paulo chama o texto de Lc.10:7 de Escritura em 1Tm.5:18, e o Apocalipse, último escrito do N.T., cerca de 95 d.C.23, se apresenta com autoridade (1:3;22:19), e como revelação do próprio Cristo (1:1-2).

2.1- A formação do Cânon do Novo Testamento. IA era apostólica e sub apostólica-A igreja nascente, que usava o A.T. como Escritura Sagrada, começou a ler os livros que continham o ensino de Jesus (evangelhos) e o ensino dos apóstolos (Atos e as Cartas) lado a lado com ele. Grandes líderes da Igreja Primitiva também começam a citar estes escritos como faziam com o A.T. e com isso lhes dão alto prestígio. O primeiro a fazer isso que temos registro é Clemente Romano (cerca de 96 d.C.). Na sua carta escrita aos Coríntios, conhecida como 2 Clemente, ele atribui autoridade divina aos escritos de Paulo igual ao A.T., e chama os evangelhos de Escritura: “A bíblia, além disso, e os Apóstolos dizem que a Igreja não está limitada ao presente, mas que existiu desde o princípio... E outro texto da Escritura diz: Eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores (2 Clemente 14:2)”.24

23 24

HENDRIKSEN, William. Mais Que Vencedores (São Paulo: Cultura Cristã, 2001), pp. 24-25. Citado em MILLER, Stephen M. e HUBER, Robert V. p.81.

17

Ele ainda faz citações diretas de Mt. 26:24 e Lc.17:2.25 Fazem assim também outros autores primitivos como Inácio, martirizado entre 107 e 117 d.C., Justino Mártir, que compôs suas Apologias cerca de 151-153 d.C., e Papias, cuja obra se situa por volta de 140 d.C. Este último já testemunha a existência do Evangelho de Marcos.26 a) Por volta de 150 d.C., um homem chamado Marcion deixou a Igreja de Roma, dizendo ter recebido uma nova revelação, fez sua própria coleção de livros sagrados. Para ele deveria ficar de fora de sua Escritura todo o A.T. Ele aceitava só 10 cartas de Paulo e o evangelho de Lucas modificado. Observe que os escritos do N.T. já demonstram com isso ter uma grande autoridade. IIDo ano 170 ao fechamento do Cânon-Por volta de 170 apareceu o Cânon Muratoriano, esta lista de livros sagrados leva este nome porque foi descoberta pelo bibliotecário Muratori (+ 1750), na biblioteca Ambrosiana de Milão. Este Cânon revela que nesta época o N.T., na sua maior parte já havia tomado corpo. A lista não menciona as cartas de Pedro, Tiago, 3 João, e questiona o Apocalipse de Pedro. Mas vale notar que o texto está faltando uma parte. O seu conteúdo é o seguinte:
Mateus, Marcos, Lucas, quem aquele autor identifica como o médico e companheiro de Paulo; o quarto evangelho, cujo autor é, para Hipólito, João, “um dos seus discípulos”; Atos, cujo autor é Lucas, ao qual o autor do cânon acrescenta estas interessantes observações em seu prefácio: “Mas os Atos de todos os apóstolos foram escritos em um volume. Lucas compilou para o excelentíssimo Teófilo as coisas que foram feitas com pormenores em sua presença como demonstra plenamente quando omite tanto a morte de Pedro como também a partida de Paulo daquela cidade, quando rumou para a Espanha”; as epistolas de Paulo em número
25 26

BITTENCOURT, P. B. p.30. Ibid, p. 32.

18

de sete: 1e2 Coríntios , Efésios, Filipenses, Colossenses, Gálatas, 1e2 Tessalonicenses e Romanos. Filemon e as três pastorais são consideradas cartas particulares com esta observação: “Mas ele escreveu uma carta a Filemon, uma a Tito, duas a Timóteo com afeição e amor. Elas têm sido santificadas pelas ordenanças da disciplina eclesiástica, em honra à Igreja Católica27”. O autor do cânon considera espúrias as epístolas aos laodicenses e aos alexandrinos, que eram atribuídas a Paulo, e que recusa com estas palavras: “Há muitas outras que não podem ser recebidas na Igreja Católica, pois o fel não pode ser misturado com mel”. A epístola de Judas, as duas epistolas de João, o Livro da Sabedoria, os Apocalipses de João e de Pedro são aceitos, mas o autor reconhece que o último é rejeitado por alguns. Embora recomendado, o Pastor de Hermas não é recebido como possuindo autoridade. 28

 Também surge nesta época (séc. II) o Diatessarão de Taciano, uma síntese dos 4 evangelhos como se fosse um único, mostrando que estes escritos já tinham alto prestígio neste tempo.29  E em 185 d.C., Irineu de Lyon, demonstra que a idéia de 4 evangelhos já havia se estabelecido.
Pois assim como há quatro quadrantes no mundo em que vivemos, e quatro ventos universais, e como está a Igreja disseminada sôbre (sic) a terra inteira, e o Evangelho é o pilar e fundamento da Igreja e o sôpro (sic) da vida, assim é natural que tivesse quatro pilares, infundindo imortalidade de cada quadrante e comunicando nova vida às humanas criaturas. Donde é manifesto que a Palavra, o arquiteto de todas as coisas, que se assenta sôbre (sic) os querubins e a tudo sustém e unifica, havendo-se manifestado aos homens, nos outorgou o Evangelho em forma quadrúpla mas integrado por um só Espírito.30

27

O adjetivo Católico não tem nada a ver com a Igreja de Roma que ainda iria surgir no séc. IV, Católico significa Universal. 28 BITTENCOURT, P. B. pp. 35-36. 29 MILLER, Stephen M. e HUBER, Robert V. p. 93; BITTENCOURT, P. B. p. 36. 30 BRUCE, F. F. Merece Confiança o Novo Testamento? 2ª ed. (São Paulo: Vida Nova, 1999), pp. 32-33.

19

 Já em Orígenes (185-254) encontra-se a citação de que os 4 evangelhos, Atos, 13 cartas de Paulo, 1 Pedro,1 João, e o Apocalipse são aceitos por todos. E diz que Hebreus, 2 Pedro, 2 e 3 João, Tiago e Judas, juntamente com a Epístola de Barnabé, o Evangelho segundo os Hebreus, o Pastor de Hermas e o Didaquê, são rejeitados, mas por alguns.  Luciano de Antioquia (250-312) achava que o

Apocalipse deveria ser excluído, mas reconhecia Tiago, Pedro e 1 João.  Eusébio (cerca 265-340), diz que são igualmente reconhecidos todos os livros do N.T., com exceção de Tiago, Judas, 2 Pedro, 2 e 3 João e o Apocalipse, que eram contestados por alguns, mas reconhecidos pela maioria dos cristãos.  Chegando-se em 367 d.C., o bispo Atanásio, em sua carta de páscoa, mostrou que os 27 livros do N.T. como o temos hoje, eram os únicos a serem reconhecidos como canônicos no Ocidente.  No Oriente, houve mais discussão, mas por volta de 508 d.C., 2 e 3 João, 2 Pedro, Judas e o Apocalipse foram aceitos na versão da Bíblia Siríaca.31 Vale salientar aqui as palavras de C.F.D. Moule:
Quando se fez a primeira declaração oficial da canonicidade, não se tratou senão de um reconhecimento, feito coletivamente pela Igreja, baseado numa convicção que, há muito, vinha amadurecendo silenciosamente na consciência dos cristãos.32
31

Para todo este assunto do cânon do N.T., ver: BITTENCOURT, P. B. pp. 23-37; BRUCE, F. F. pp. 2938. 32 MOULE, C. F. D. As Origens do Novo Testamento (São Paulo: Paulinas, 1979), p. 213.

20

2.2. Critérios Canônicos. Existem muitas razões pelas quais a Igreja que estava sendo formada deveria reconhecer exatamente quais os livros cristãos que possuíam autoridade divina, como o A.T. Algumas delas são: a) O Ofício Litúrgico – Precisavam definir quais escritos deveriam ser lidos nos ofícios na Igreja? b) Questões Doutrinárias - quais livros deveriam ser reconhecidos como Palavra de Deus nas questões de doutrina? c) As perseguições - por quais livros deveriam sacrificar até a própria vida, sem negar seus ensinamentos? d) Escritos Heréticos e de Pais da Igreja – além do mais muitos grupos religiosos surgiam nos primeiros séculos e tinham também seus escritos sagrados, como também surgiam outros livros de autores da Igreja Cristã. Veja esta lista de livros da época como exemplo: 1) Evangelhos: Evangelho Segundo os Hebreus; Evangelho dos Egípcios; Evangelho dos Ebionitas; Evangelho de Pedro, Protoevangelho de Tiago; Evangelho de Tomé; Evangelho de Filipe; Evangelho de Bartolomeu; Evangelho de Nicodemos; Evangelho de Gamaliel; Evangelho da Verdade. 2) Epístolas: 1Clemente; as sete Epístolas de Inácio: aos Magnésios. Aos Trpalios, aos Romanos, aos Filadélfios, aos Esmirnenses e a Policarpo; a Epístola de Policarpo aos Filipenses; a Epístola de Barnabé. 3) Atos: Atos de Paulo (e Tecla); Atos de Pedro; Atos de João; Atos de André; Atos de Tomé. 4) Apocalipses: Apocalipse de Pedro; o Pastor de Hermas; Apocalipse de Paulo; Apocalipse de Tomé; Apocalipse de Estevão.

21

5) Manuais de Instrução: Didaquê ou Ensino dos Doze Apóstolos; 2Clemente; Pregação de Pedro.33 A Igreja deveria saber que livros aceitar como inspirado por Deus e quais recusar. Assim, para se chegar ao Cânon que temos hoje, P.B. Bittencourt nos diz que foram usados os seguintes critérios: 1- Apostolicidade - o livro para ser aceito como divino deveria ter sido escrito por um apóstolo ou ter se originado diretamente deles; 2- Circulação - o livro deveria ter circulado e sido aceito pela maioria das Igrejas; 3- O caráter concreto – o livro não poderia ser obra de ficção, invenção, fantasia;34 4- Ortodoxia – o livro deveria estar de acordo com o ensino de toda Igreja; 5- Autoridade - o livro deveria ter o reconhecimento da Igreja como inspirado por Deus; 6- Leitura em Público - o livro deveria estar sendo usado para leitura em público nas reuniões das igrejas (cf. 1 Ts.5:27; Cl.4:16).

Com esses critérios de seleção, em 367 d.C. o Concílio de Cartago declarou os 27 livros do N.T. que temos hoje como as Escrituras da Igreja Cristã. A esses livros nada mais poderia ser acrescentado.
33 34

BITTENCOURT, P. B. p. 39. C. F. D. Moule afirma que a Igreja Primitiva não aceitava obras de ficção como se fossem obras históricas e divinas. As Origens do Novo Testamento, p. 215.

22

VIII- A PRESERVAÇÃO DA BÍBLIA ( manuscritos e códigos importantes). Muitos perguntam: será que a Bíblia como a temos hoje merece confiança? E esses que dizem que a Bíblia passou muito tempo no poder da Igreja Romana, que mutilou seus textos, deixando só o que lhe interessava? E os que dizem que durante o passar dos anos muitos acrescentaram coisas a Bíblia e também tiraram partes? Eles não têm razão? Podemos provar que a Bíblia é confiável? A resposta a esta questão deve ser um sonoro sim. Hoje, temos muitos testemunhos diretos e indiretos que demonstram as Escrituras como o documento antigo mais bem atestado do mundo. Nenhum escrito antigo tem mais testemunhos preservados do que a Bíblia. Se a Bíblia for posta em dúvida nenhum outro documento antigo tem autoridade, pois nenhum se compara a ela em provas.

a)O Antigo Testamento 1) Testemunhos diretos. a) A Geniza do Cairo - Até o fim do século XIX, os mais antigos manuscritos hebraicos conhecidos não eram mais antigos que o século X d.C., mas, em 1896, na Geniza (depósito de livros fora de uso) da sinagoga do velho Cairo (Egito), foram descobertos mais de duzentos mil fragmentos, e dentre eles, dezenas de milhares referem-se ao texto bíblico. Estes documentos remontam ao século IX.35 b)O texto massorético- Até o século I a.C. o texto hebraico do A.T. ainda não tinha sido fixado de forma unitária. Então, desde este tempo havia a exigência de uma unificação e fixação do mesmo. Assim, entre
35

Para este e outros assuntos sobre manuscritos bíblicos vd.: MAINVILLE, Odette. A Bíblia à Luz da História (São Paulo: Paulinas, 1999), pp.24-35. Vademecum para o Estudo da Bíblia, p. 171.

23

os séculos VIII- X d.C., formou-se o que hoje se chama de Texto Massorético (TM). Chamou-se assim por causa dos Massoretas, nome dado aos sábios judeus que fixaram este texto (Veja. Tópico IV, 3). Os manuscritos mais importantes deste texto e as datas são:  O códice do Cairo (c.895).  O códice Aleppo (c.900).  O códice de São Petersburgo (c.1008).  O códice nº 3 de Erfurt (séc.XI).  O códice de Reuchlin (c.1015).36 c) Os manuscritos de Qunrã- A partir de 1947, foram encontrados em onze cavernas de uma localidade chamada Qunrã, na Palestina, cerca de 800 manuscritos bíblicos. Todos os livros bíblicos, com exceção de Éster estão representados, pelo menos em fragmentos. Mas, existem várias cópias de alguns livros completos: Habacuque, Deuteronômio, Isaías e Salmos. As datas destes textos remontam ao século II a.C. Especial atenção merece uma cópia completa do livro de Isaías, que data de 150 a.C.37 d) O papiro de Nash- Foi descoberto, no Egito em 1902 por W.L. Nash. Este papiro data do primeiro ou segundo sécs. a.C., e contém os dez mandamentos e uma oração judaica.38 2) Testemunhos Indiretos. a) A Septuaginta (LXX), tradução do A.T. para a língua grega, desta tradução temos os códices sinaítico (séc.IV); vaticano (séc.IV); e Alexandrino (séc.V).
36

Vademecum para o Estudo da Bíblia, p. 172; MAINVILLE, Odette. pp. 17-22; RIENECKER, Fritz. Evangelho de Mateus (Curitiba: Editora Evangélica Esperança), pp.13-14. 37 MAINVILLE, Odette. pp. 23-24. 38 Ibid., p. 24.

24

b)A Hexapla de Orígenes- Em meados do séc.III (aproximadamente 245 d.C.) Orígenes fez uma edição em seis colunas paralelas apresentando várias traduções da Bíblia na seguinte ordem: 1) o texto hebraico; 2) a transliteração em caracteres gregos do texto hebraico; 3)Versão de Áquila; 4) Versão de Símaco; 5) a Septuaginta; 6) o Teodoçião ( versão de Teodócio). Existem fragmentos de seu texto.39 c) A Vulgata- Foi uma tradução do grego para o latim feita por Jerônimo entre os anos de 390 e 405.40 b)O Novo Testamento (N.T.) O N.T. que possuímos hoje é um dos textos antigos mais preservados da história. Diante de outros escritos antigos o Novo Testamento leva vantagem de longe. B. P. Bittencourt diz o seguinte:
O Novo Testamento leva grande vantagem quanto ao tempo que separa suas primeiras cópias manuscritas dos respectivos autógrafos. Possui o Novo Testamento cópias completas dentro do quarto século, menos de 300 anos de seus originais. Os papiros descobertos por Chester Beatty (P45, P46 e P47), estão dentro da primeira metade do terceiro século. Recuando mais, temos a coleção de papirus Bodmer (P66, P72 e P74), sendo que P66 recua o estudante a cerca do ano 200. O P52, na John Rylands Library, de Manchester, Inglaterra, leva-o ao ano 125 e, como se trata do texto do Evangelho de João, representa cópia dentro dos trinta anos próximos da produção dos autógrafos. Não se dá o mesmo com os clássicos gregos e latinos, embora estes últimos estejam em melhor situação que aqueles. A cópia mais antiga que existe de Sófocles foi escrita 1.400 anos depois da morte do poeta. Ésquilo e Tulcídides estão nas mesmas condições. O intervalo entre a obra de Eurípedes e o manuscrito mais antigo existente é de 1.600 anos. Para o grande Platão o intervalo é de 1.300 anos. Entre os latinos, enquanto em Catulo o intervalo é de 1.600 anos e para Lucrécio de 1.000, Terêncio e Lívio reduzem-no para 700 e 500 anos respectivamente. Só Virgílio se aproxima do Novo Testamento, pois há um manuscrito seu do quarto século, quando o autor faleceu em 8 a.C.41

Testemunhos diretos
39 40

Veja para o assunto: MILLER, Stephen M. e HUBER, Robert V. pp.90-91. MAINVILLE, Odette. p. 27. 41 O Novo Testamento, pp. 61-62.

25

Os manuscritos existentes do N.T. são mais de 2.500, dos quais 266 são unciais (maiúsculos). Acrescenta-se ainda a estes manuscritos 84 papiros. Vamos olhar os mais importantes.

1) Códices (era o livro primitivo, parecido como o conhecemos hoje) maiúsculos (unciais) mais importantes.

 Códice Vaticano- Está na biblioteca do vaticano, contém A.T. (versão LXX), e o N.T. com lacunas; é do séc.IV.  Códice Sinaítico- Está no British Museum de Londres contém o A.T. e o N.T.; é do séc.IV.  Códice Alexandrino- Está no British Museum , contém o A.T. e o N.T.; é do séc.V.  Códice Palimpsesto- Está na Biblioteca Nacional de Paris, contém o A.T. com lacunas; é do séc.V.  Códice Beza- Está na Universidade de Combridge,

contém os Evangelhos e Atos; é do séc.V.  Códice Cleromontano- Está na Biblioteca Nacional de Paris, contém as cartas de Paulo; é do séc.V.42

2-Papiros mais importantes.

42

Vd.: Vademecum para o Estudo da Bíblia, pp. 173-174.

26

P 52. É o mais antigo manuscrito conhecido do N.T. descoberto no Egito, é da primeira metade do século II. Contém João 18:31-33, 37-38. Está na John Rylands Library, de Manchester.

P 45, P46, P47. São chamados papiros Chester Beatty. O P46 é composto de 46 folhas e reproduz as cartas de Paulo. O P47 com 10 folhas contém Ap.9:10-17: 2. São da metade do século II, ou talvez antes.

• •

P 66, chamado papiro Bodmer II. Escrito em torno do ano 200, contém quase a totalidade de Jo.1-14, e fragmentos dos capítulos seguintes P 75. Chamado papiro Bodmer XIV, XV. Escrito no início do séc.III, contém grande parte de Lucas e dos primeiros 15 capítulos de João.

P 72. Chamado papiro Bodmer VI-VIII. Escrito nos séculos III e IV, contém o texto mais antigo encontrado até hoje da carta de Judas, e das duas cartas de Pedro.43

Estes papiros encontram-se na Biblioteca de Literatura Mundial de Cologny, Genebra.

Por aqui você vê que essa história de que os manuscritos bíblicos foram alterados, que não se pode confiar na Bíblia, que os manuscritos bíblicos estão escondidos no Vaticano, é tudo invenção. O Museu do Vaticano não tem quase nada, essa é a grande verdade, os mais importantes manuscritos estão em vários museus, e em vários lugares. São abertos a qualquer estudioso que quiser comprovar a realidade dos mesmos. A Palavra de Deus é fiél, confiável, verdadeira.
43

Para todo este assunto veja: Vademecum para o Estudo da Bíbia, pp. 174-175; Para todo este assunto da confiabilidade da Bíblia veja o já citado BRUCE, F. F. Merece confiança o Novo Testamento?; McDOWELL, Josh. Evidência Que Exige um Veredito v.2, 2ª ed. (São Paulo: Candeia, 1997). E para uma extensa lista de manuscritos e Códices, com sua localidade e datas veja: BITTENCOURT, P. B. pp. 70-92.

27

IX- A DIVISÃO EM CAPÍTULOS E VERSÍCULOS. A atual divisão da Bíblia em capítulos foi feita por Stephen Langton, aproximadamente no ano de 1214 d. C. A divisão em versículos tem duas origens diferentes. Quanto a Bíblia hebraica ela remonta as escolas de escribas que atuavam nos primeiros séculos de nossa era; e quanto ao N.T. sua origem se encontra na edição preparada por Robert Estienne em 1551.44 Pois bem, depois desta caminhada, que não muito longa não, não é? Você conhece um pouco mais da sua Bíblia. Esta que é a Palavra de Deus, aquele livro que dá vida e ao qual nada pode ser acrescentado. Ela é maior profecia, fora da qual nenhuma outra profecia pode ser aceita (1 Co. 14: 29), e fora da qual nenhum ensino ou ensinador deve ser ouvido e seguido (Dt. 13: 14; Gl. 1:8-9) A Igreja Protestante ao nascer tinha entre seus principais lemas: Só as Escrituras, em sinal de respeito e submissão somente a Bíblia. Hoje as Igrejas que se dizem Protestantes devem proclamar esta mesma verdade. E você, é Protestante, que lugar tem a autoridade da bíblia em sua vida, qual seu apego e respeito por ela? Nesse aspecto não tem meio termo, ou somos, ou não somos. “Guardo no coração as tuas palavras para eu não pecar contra ti.” (Sl. 119: 11).

Endereço do autor joelsonfgomes62@hotmail.com

44

Vademecum para o Estudo da Bíblia, p 180.

28

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->