P. 1
A Origem Do Natal

A Origem Do Natal

|Views: 10|Likes:
Publicado porRonaldo Farias

More info:

Published by: Ronaldo Farias on Dec 13, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/01/2013

pdf

text

original

A ORIGEM DO NATAL

O SIGNIFICADO DE “NATAL” A palavra “Natal” - tem a ver com nascimento, ou aniversário natalício, especialmente com o dia em que geralmente se comemora o nascimento de Jesus Cristo. Este vocábulo não aparece na Bíblia, e também não foi utilizado pelos primeiros apóstolos. A “festa de Natal” não se inclui entre as festas bíblicas, e não foi instituída por Deus. Teve origem na Igreja Católica Romana a partir do século IV, e daí se expandiu ao protestantismo, e ao resto do mundo. As Enciclopédias de um modo geral contêm informações sobre a origem sob os títulos “natal” e “dia de natal”. Consulte, por exemplo: a) Enciclopédia Católica, edição inglesa; b) Enciclopédia Britânica, edição de 1946; c) Enciclopédia Americana, edição 1944. É fato que o Natal não foi observado pelos primeiros cristãos, durante os primeiros duzentos ou trezentos anos desta era. II - A DATA DO NASCIMENTO DE JESUS Com certeza, Jesus não nasceu em 25 de dezembro! Pelo exame da Palavra de Deus sabemos que Jesus não nasceu em dezembro! Lucas 2:8 diz: “Ora, havia naquela mesma região pastores que estavam no campo, e guardavam os seus rebanhos, durante as vigílias da noite.” Dezembro é tempo de inverno. Costuma chover e nevar na região da Palestina ( Confira na Bíblia em Cantares de Salomão 2:11 - Esdras 10:9-13 ). Conseqüentemente, os pastores não poderiam permanecer ao ar livre nos campos durante as vigílias da noite. Naquela região, as primeiras chuvas costumam chegar nos meses de outubro e novembro. Durante o inverno os pastores recolhem e guardam as ovelhas no aprisco… Eles só permanecem guardando as ovelhas ao ar livre durante o verão! Com certeza, o nosso Senhor não nasceu em 25 de dezembro, quando nenhum rebanho estava no campo! A data exata do nascimento de Jesus é inteiramente desconhecida. O mais plausível é que tenha sido no começo do outono - provavelmente em setembro, aproximadamente seis meses depois da Páscoa. III - A ORIGEM DO 25 DE DEZEMBRO Tem a ver com a festividade da brunária pagã (25 de dezembro), que seguia a Saturnália (17-24 de dezembro) celebrando o dia mais curto do ano e o “Novo Sol”… Essas festividades pagãs eram acompanhadas de bebedices e orgias… Pregadores cristãos do ocidente e do oriente próximo, protestaram contra a frivolidade indecorosa com que se celebrava o nascimento de Cristo, enquanto os cristãos da Mesopotâmia acusavam os irmãos ocidentais de idolatria e de culto ao Sol, por aceitarem como Cristã a festividade pagã. Com a aprovação dada por Constantino para a guarda do domingo, dia em que os pagãos adoravam o Sol, e como a influência do maniqueísmo pagão que identificava o filho de Deus como o Sol físico, proporcionou a esses pagãos do século IV, agora “convertidos” em massa ao “cristianismo” o pretexto necessário para chamar a festa de 25 de dezembro (dia do nascimento do deus-Sol) de dia do nascimento do filho de Deus, assim foi que “o Natal” se enraizou no mundo ocidental! O Natal é, portanto, a mesma velha festividade pagã de adoração ao Sol. A única coisa que mudou foi o nome. A COROA DE AZEVINHO OU GUIRLANDA Às vezes conhecida por “coroa de Natal” ou “Guirlanda” são memoriais de consagração. Em grego é “stephano”, em latim “corona” - podem ser entendidas como:- enfeites, oferendas, ofertas para funerais, celebração memorial aos deuses, celebração memorial à vitalidade do mundo vegetal, celebração das vítimas que eram sacrificadas aos deuses pagãos, celebração nos esportes. Significam um “Adorno de Chamamento” e, conseqüentemente, são porta de entrada de deuses. Razão pela qual, em geral, se colocam as guirlandas nas portas, como sinal de boas vindas! A maior parte dos deuses pagãos do Egito aparecem sempre com a “guirlanda” na cabeça! A Bíblia não faz qualquer menção de uso de “guirlanda” no nascimento de Jesus. Só existe uma guirlanda na Bíblia, e esta foi feita por Roma para colocar na cabeça de Jesus no dia da sua morte. Esta guirlanda de espinhos é símbolo de escárnio! VII - VELAS OU LUZES

A vela acendida está fazendo renascer o ritual dos solstícios.o sentido é o mesmo! VIII – PRESÉPIO O presépio é um altar a Baal. velas à pilha. No Brasil a abertura da comemoração do Natal é feita com uma famosa “Missa do Galo”. nem nas águas debaixo da terra. Não terás outros deuses diante de mim.O Uso de velas é um ritual pagão dedicado aos deuses ancestrais. O Presépio estimula a veneração das imagens e alimenta a idolatria… Em Êxodo 20:1-6. um “altar consagrado”. as luzes . porque eu. da casa da servidão. É um estímulo à idolatria! Os adereços encontrados no chamado presépio são simbologias utilizadas na festa do deus sol. nem as servirás. e não com a realidade do Evangelho. o Senhor teu Deus. consagrado desde a antiga babilônia.“Então falou Deus todas estas palavras. fugi da idolatria. Não te encurvarás diante delas. Não tem nenhuma relação com o candelabro judaico (ou Menorah). cujas figuras estão relacionadas com a Babilônia. . finalmente. em lugar das velas passou-se a adotar velas elétricas. dizendo: Eu sou o Senhor teu Deus. Falo como a entendidos. que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam e uso de misericórdia com milhares dos que me amam e guardam os meus mandamentos.”. Mais recentemente. a qual é celebrada sempre diante de um presépio. meus amados. mantendo vivo o deus sol. julgai vós mesmos o que digo. Não farás para ti imagem esculpida. sou Deus zeloso. nem em baixo na terra. lemos:.”. em I Cor 10:14-15 está escrito: “Portanto. nem figura alguma do que há em cima no céu. que te tirei da terra do Egito. e.

Brilha a estrela da paz. blão. pobrezinho nasceu em Belém. que belo resplendor Ilumina a o Menino Jesus! No presépio. oh Jesus. Anunciam a nova dos céus. Noite de paz! Noite de amor! Tudo dorme em redor. mamãe rezando Para o mundo ser feliz Blim. blim. Lindos anjos mandados por Deus.. O Papai Noel chegou Também trazendo presente Para a vovó e o vovô . blim.Noite Feliz Noite feliz. Sol de eterno fulgor! Natal das Crianças Natal.. Dorme em paz. blim. Nasce o bom Salvador! Noite de paz! Noite de amor! Oh. Noite de paz! Noite de amor! Nas campinas ao pastor. blão. O Senhor.. Natal das crianças Natal da noite de luz Natal da estrela-guia Natal do Menino Jesus Blim. indicando o Menino Jesus. blim. entre os astros que espargem a luz. blão. blão. Dorme em paz. Noite feliz. Deus de amor. blão.. do mundo eis a luz. Bate o sino da matriz Papai. Eis na lapa Jesus. nosso bem. oh Jesus. blão.

que são mais carregadas no tempero e mais saborosas. dependendo da ocasião na roça de candomblé. sem muito tempero. em seu livro "Breviário da Bahia".a sobremesa e a preferência pelos pescados. deve-se muito ao fato de Salvador. muita pimenta benzendo tudo. pimenta de várias qualidades e muitos outros que não são utilizados nos demais estados do Brasil. como ensopados. São roupas simples feitas de morim ou cretone. às sextas-feiras e às comemorações de datas institucionais. Compõem o jogo: saia (axó) de pouca roda para facilitar a movimentação. leite de coco. o baiano alimenta-se dos pratos herdados da vertente portuguesa. da culinária "afro-baiana". e pimenta. através de cozinheiros e cozinheiras mais informados das modernas técnicas gastronômicas. Ambas vertentes da culinária baiana. A predominância. o que confere maior poder de divulgação para o saboroso legado africano da culinária regional. contudo. não chega a representar 30% do que seus habitantes consomem diariamente. ainda são praticadas de forma bastante espontâneas. situar-se no litoral do Recôncavo. que não tinha quase cozinha. Existem roupas para todas ocasiões.o óleo de dendê. Diz Afrânio Peixoto. ainda mantendo fortes ligações com as matrizes portuguesa e africana mas incorporando também bases da culinária de outros países. Existem poucoschefs de cozinha dedicados à culinária da Bahia.Culinária da Bahia A culinária da Bahia mais conhecida (embora não a mais consumida) é aquela produzida no Recôncavoe em todo o litoral da Bahia — praticamente composta de pratos de origem africana. porém. já começam a aparecer. onde as comidas são preparadas e vendidas pela baiana do acarajé e nos restaurantes. historiógrafo. No dia a dia. gengibre. que é feita nos terreiros decandomblé para serem oferecidos aos Orixás. por exemplo). e da Costa da África . Uma mais simples. A roupa de baiana pode tomar um colorido especial quando se trata das baianas de eventos turísticos. Procedimentos mais coerentes com a moderna cozinha. Roupa de ração Roupa de ração é a roupa usada diariamente em uma casa de Candomblé. A primeira consequência dessas poucas iniciativas é o aparecimento de novas receitas. pela tradição e hábitos locais. As roupas de ração podem ser coloridas ou brancas. guisados e várias iguarias encontradas também nos outros estados. A roupa da baiana da Escola de samba é um caso a parte mudam de cor e modelo de acordo com o enredo da escola a cada ano." Baiana (vestuário) O vestuário chamado baiana é uma indumentária tradicional e é a mesma usada nosterreiros de candomblé. As iguarias dessa vertente africana da culinária estão reservadas. no imaginário do brasileiro e nos meios de comunicação. Essa culinária. diferenciados pelo tempero mais forte à base de azeite de dendê. carecendo de procedimentos mais sistemáticos de pesquisa e desenvolvimento. no entanto. Há muita resistência a tentativas de estudos e aprimoramentos da comida legada por portugueses e africanos. fora dos terreiros. englobados no que se costuma chamar de "culinária sertaneja". (…) Pouca coisa do índio. singuê (espécie de faixa amarrada . A roupa de ração é a mais simples e as roupas feitas com bordado Richelieu podem custar por volta de quinze mil reais. e a outra. assim como as do Maracatu no Nordeste. apontando perspectivas mais dinâmicas para a cozinha baiana. São receitas que não levam o dendê e demais ingredientes típicos de origem africana. a capital da Bahia. com outros temperos e condimentos. e nas residências. Na Bahia existem duas maneiras de se preparar os pratos "afros". embora com toques evidentemente regionais (a utilização mais ou menos acentuada de determinados temperos numa dada receita. que " a Bahia é um feliz consórcio do melhor de Portugal . principalmente aqueles banhados pelo Mediterrâneo. religiosas ou familiares. mais elaboradas. de forma esparsa.

criando um efeito hipnótico no dançarino e no espectador.nos seios que substitui o sutian). Foi William John Thoms. um pano que se amarra à cabeça. geralmente branco e enfeitado com rendas e bordados. calçolão (espécie de bermuda amarrada por cordão na cintura. um pouco larga para facilitar a movimentação e proteger o corpo em casos que se é necessário sentar no chão). danças de rituais podem ser realizadas por bailarinos profissionais. Barba Ruiva e a Mula Sem Cabeça. procissões. danças e representações que exteriorizam as crenças e os costumes de um povo alegre e muito místico. A grande maioria dessas manifestações são religiosas ou tiveram origem em práticas de fé católica ou africana. e camisu. de xokotô (espécie de calça. Alguns especialistas dizem ser a palavra folclore. As danças em Marrocos usam normalmente uma repetição e um constante crescimento da música e de movimentos. É bonito se notar a forma e a reverência que estas roupas expressam em sua aparência e jeito: respeito acima de tudo! As mulheres de jeje. São festas religiosas ou não. dança africana A dança originou-se na África como parte essência da vida nas aldeias. As danças chegam a apresentar algumas vezes até seis ritmos ao mesmo tempo e seus dançarinos podem usar máscaras ou enfeitar o corpo com tinta para tornar seus movimentos mais expressivos. Vitória Regia. saia. jogos. camisu ou camisa de mulata. Iara. a resistência contra a escravidão. a palavra folclore. Gralha Azul. a cultura indígena e muito mais. sentir e agir de um povo. especialmente o mahin. Entre elas destacam-se a Ahouach. sem dúvida. Curipira. considera-se folclore como a expressão da maneira de pensar. pano da costa e o ojá. Os participantes geralmente dançam em filas ou em círculos. sob pseudônimo de Ambrose Merton quem sugeriu em artigo publicado na revista Atheneum que o termo folclore substituísse o que se chamava na Inglaterra de Antiguidade Popular ou Literatura Popular. Desde então. Mas. Boitatá. batem palmas ou formam circulos em volta dos bailarinos. Negrinho do Pastoreio. ela acentua a unidade entre seus membros. a palavra folclore recebeu diferentes significados que têm sido modificados e melhorados. Cultura Baiana A Bahia é. ela é a parte mais importante das festas realizadas para agradecer aos deuses uma colheita farta. pela primeira vez. mortem plantio ou colheita. os axós dão para as mulheres posição e postura. Caipora. um dos estados que mais valoriza as manifestações públicas do folclore. em forma impressa. Em sua maioria. todos os homens. A roupa fala de um simbolismo muito especial. Saci-Pererê. Folclore na Bahia A ilustração é de Franciso Soza. Boi da Cara Preta. raramente dançam a sós ou em par. também chamado "cauçulu"). Barba Ruiva. mais a maioria delas tem certas características em comum. revela os mitos e lendas do folclore brasileiro. Todos os acontecimentos da vida africana são comemorados com dança. As danças africanas variam muito de região para região. um dos termos mais utilizados no mundo. que além de ético e moral. . O axó tem uma representação muito grande no Jeje. nascimento. No entanto. compõem seu axó. Foi em 1842 que apareceu. quanto a composição de singuê. existem também aquelas que apresentam os costumes dos escravos. Guedra. por isso é quase sempre uma atividade grupal. Em ocasiões importantes. mulheres e crianças participam da dança.

Se Salvador tem o Carnaval e a Festa do Bomfim. Cachoeira tem as Irmandade da Boa Morte. Uauá tem o Reisado. tornando-as cada vez mais atrativas.As manifestações folclóricas funcionam como berço da arte e cultura baiana. Em contrapartida. pois permitem a criação e recriação das suas formas de representação. enriquece e renova as antigas tradições. Armação tem a Puxada de Rede. Não se pode pensar somente em Salvador quando se fala em manifestações folclóricas baianas pois em todo o estado pode-se encontrar. ao longo do ano. . Sem dúvida. a Bahia é o grande berço brasileiro da cultura popular e o seguro recanto das tradicionais manifestações folclóricas que caracterizam e contam a história deste país. a cultura produzida a cada dia alimenta. São Félix tem o Samba-de-Roda. particulares formas de manifestação da alma do povo baiano. Santo Amaro tem o Maculelê.

6  469.9 :.1..6 6 063.6 1.99606: :.: . 1.69.9 :1.:64 0 9036: 9.34. . /. 4.  1 4645. ..5 ..9. 1.:: 50.41.6:  09.  5.79:5.4 09.:5.. ::9.4 5694.6 1 9 6 7. 7.: .: 4 .16:/..5 .169 5.1.:7.9.: '616: 6: ..9. 09:045.5.  : 1.0.51.9.9 :: 4645..9.5 .1.5 . 4.07.: 0.5 .1.9.956: 7614 :. : 6 064469..90.3.1 97.:4769.9 6 06976 064 .6: 1.3.9 :: 44/96: 769 ::6  8.443.3.: 6 5. 4 :0.:19.9.3. 4.956 56 :70.15..6 75 .476  :: 1..9..:6694. 97.:1:.5 .:4 0644 ":7.90.1.:769/.:045.109.V90.6: 4.0656 1.1.64:46 . 13.::.5 ..: 9.5..5.345.: 1.3.1. 6  4 065:.9.93.: .5 .07.5 .0.9 4 :0.4.4.345.16: 064 1.:7614:99.956:796::65.5.4.0.516 4 ..065.: :647...9.: 3.956:  460.9...4.4 73.69.: .:0.  .045.5..5.06467.47.5.6:1::4.:7.45..3  4 :.: :4769..34.5 . 9 6  4.::..4 4.5 .9. .5.9.:9.31.695.616: 6: 645:  439:09..9.409036:463.1..05.7.46:.5.: :4794.:. .063.: 79::6:  : 1.

 ../0!45:. 70889H3.4703.7.9077.470  :2 /48 907248 2. 14.47.08 5-.. 70.7..7 803970...470  4 . 7. $.8 4: 34  574...070 0 2:94 2J89.#0.84:9.4:. 14.89. 57207..8/01F.482948003/. .31089. F  802 /..9:7.8808  448  /.4  :9:7./039:/.8 7048./48  :38 0850.. :897.894704 . .. 0734/4!.4F/07.3/J03.17.07..2 43 %428  84- 580:/324 /0 2-7480 07943 6:02 8:07: 02 .470 70..70./48 34 2:3/4  4 039.247020257E9. 5.0.394  .0-0: /10703908 831. .  . !0707H  49.. 08.  4.6.!45:.2 .#:... 70... ..703..7.4 .2. 257088...8 2.47.48  .4397.470-7..:9:7.$02.7.8 08902 9.3/0 2.7-. .8. .3.547. 5.3.-0.0.489:208 /48 08.3..7 4:907.6:0./48 6:0 9H2 8/4 24/1.: 4/.424 ... 80 14. /088. 5.4   7.470 .7-.307.0 19.84$4.:.438/07.4708:-899:J88046:080.7  08/0 0394  .8074 :757.  .3. 9030:26:049072414.8 /02 807 .9E .  4 02  6:0 . .8  .5708039.9O.8 6:0 .8 0 48 .02:942./4  .8 2.7/0:254.31089. 0570884/.3.3.  :2 /48 089. '9O7./05038.7.794 5:-.7./48 0 2047. !709..8 0 705708039./48 6:0 2.89.#:.5..08847048.489:208/0 :2 54./.0:  50..2.470  $4 1089..:.8 /4 14./4 3.8/414.. 14.8 :9.08 6:0 090747.2-F2 .2 48 ..8 .0  02 1472.7.

./0#0/0 &. 089.007034. /0 #4/.8 2. 0 .407.:9:7.2039. . . /454.73.3942.:9:7.43..3...2.O7. 902 .:9:7.897.. /..8074 /.J8     ./4 $4F902 4$.8.4-.79/. .439.907.82.97.8.31089.31089.31089...4 2.02.394 /..7081472.:E9024#08..89O7..749024.39. /4 4212  .0814.3/4801.:.8/02.81472.  .!:./.3/4 ./08905.2. 4790  $.4397../47 902 4./0 /.7 .8/0705708039.8.34  $0 $./08 9473..8 72.8 1:3..4434/4.20.79..9.4070..2 .7.O7...  $02 /. -...8  48054/05038.022. F 4 7.08 14.7..3.43./..  548 5072902 .3/0 -074 -7./454/0 8003.8548 0294/44089.2-.7842039002$.574/:/.0814.424 -074 /./.8 97.. 0376:0.34 5..4902..31089.. 4. 545:.8-.. .7.70 4 80:74 70..790 0 ..4/.4397..86:0.5../.88:.4/.:0H 72.3/.O7./476:./.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->