P. 1
Aula 5. Sinais Vitais

Aula 5. Sinais Vitais

|Views: 982|Likes:
Publicado porJéssica Farias

More info:

Published by: Jéssica Farias on Dec 20, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/01/2013

pdf

text

original

SINAIS VITAIS

Prof. Esp. Lourennkelly Costa Fisioterapeuta
Universidade Federal do Amazonas 2010/2

INTRODUÇÃO
 A

medida correta dos sinais vitais fundamental para a avaliação do paciente.

é

 Através destas medidas, o fisioterapeuta avalia medidas

a gravidade do acometimento e a urgëncia do atendimento a ser prestado, bem como, a viabilidade de determinadas manobras terapeuticas.

Avaliar a regularidade dos batimentos .  Sequência : 1.FREQUÊNCIA CARDÍACA  Objetivo : Avaliar a existência de batimentos cardíacos. Detectar a pulsação 2. Contar os batimentos 3. se o rítmo e a frequência destes estão adequados. *Pulsação – é a sensação causada pela contração cardíaca ao impulsionar o sangue através das artérias. e se presente.

deve-se exercer pressão adequada sobre o trajeto arterial visado e realizar a contagem por 30 seg ou 1 min. . deve-se pesquisar as pulsações em trajetos arteriais de maior intensidade. *Caso o pulso cardíaco não seja captado (dependendo da natureza da emergência o mesmo pode estar fraco e ou o nervosismo pode interferir na percepção). Técnica 1 : Com a polpa digital dos dedos indicador e médio.

a FC pode ser aferida sobre outros trajetos:  Radial – punho  Braquial – face anterior do cotovelo  Carótida – pescoço  Femoral – virilha  Umeral – face interna do braço  Tibial Posterior – face interna do calcanhar  Dorsal do Pé – peito do pé . Trajetos Arteriais : O trajeto de primeira escolha é o da artéria radial. no entanto.

Radial A. Carótida A.A. Braquial A. Poplítea A. Axilar A. temporal superficial A. tibial posterior A. Femoral A. Subclavia A. Dorsal do pé . cubital A.

.

. ritmo e sonoridade dos batimentos cardíacos. Obtem-se diretamente do coração a frequência. A ausculta pode ser realizada na porção esquerda central do tórax. Técnica 2 : Ausculta direta com uso do estetoscópio.

 Valores Normais : Adulto  60 – 80 bpm RN  120 – 140 bpm 2 anos  100 – 120 bpm >2 anos 80 – 100 bpm  Alterações Fisiológicas : As variações dos valores normais podem ser em virtude do sexo (FC na mulher é ligeiramente mais rápida que no homem). diminui com o crescimento e volta a aumentar na terceira idade). idade (FC maior na infância. temperatura (podem ocorrer .

. Erros : 1. 2. Aferir a FC com o dedo errado. Realizar a medida por tempo muito curto.

.  Caso o batimento cardíaco esteja presente. Haverá apoptose e brevemente o batimento cardíaco cessará. mas não houver troca gasosa nos pulmões.FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA  Deve ser realizada paralelamente á verificação da FC...  A respiração é tão essencial quanto o batimento cardíaco e deve ser avaliada nos primeiros instantes.

 Tipos Respiratórios : Torácico  Abdominal  “Recomenda-se não informar o procedimento ao paciente. pois poderá haver alteração da frequência no paciente consciente por razões emocionais... (disfarce e aparente estar .

que pode estar acrescida de batimento de asa de nariz nas crianças e nos pacientes com insuficiência respiratória. Técnica : Inspeção visual da movimentação do tórax ou abdome.  Valores Normais em Repouso : Adulto  12 – 20 rpm RN  40 – 45 rpm Até 6 anos  20 – 25 rpm >6 anos  18 – 20 rpm .

PRESSÃO ARTERIAL  A P.  Afecções cardíacas podem diminuir a pressão. a arteriosclerose pode aumentar. .A. reflete a força e a velocidade com que o coração impulsiona o sangue pelas artérias. a resistência dessas vias e a composição e quantidade de sangue circulante no sistema.

acoplada a um sistema um que de através de uma bolsa de ar medida. registra as alterações de impulsão das artérias de maneira relógio). Deve-se colocar o visual (escala no manômetro de mercúrio ou no . Técnica : A medida é feita utilizando esfigmomanômetro.

de modo a captar o momento em que se iniciam os sons da . Uma vez mmHG atingida a marca desejada. insufla-se o aparelho. até pêra a marca de 180 – 200 mmHG). lentamente atentando para a marcação no relógio. fechando a aparelho saída de ar e bombeando a pêra.Então. deve-se desinsuflar lentamente.

 Valores Normais em Repouso : P.D. esforço físico. 100 – 130 mmHG P. temperatura.S. horário do dia.70 – 85 mmHG  Alterações Fisiológicas : Por influência de emoções.  Erros : Pressa (não obediência ao período de 5 min de repouso) .

com o posicionamento do termômetro na prega axilar por alguns minutos. Usualmente é feita a medida da temperatura axilar.  Valores Normais : Axilar  35.8 – 37.TEMPERATURA  Técnica : A medida é realizada com uso de um termômetro (vários tipos – bulbo de mercúrio. eletrônicos.3 Graus Celsius . tinpânicos. de fita).

.

Diâmetro e Reflexo Pupilar .SINAIS INDIRETOS  Complementam os quatro sinais vitais clássicos. 1. Coloração das mucosas 2.

diminuição da pressão. intoxicação por gases ou anemia. .Coloração das Mucosas  Verificar em especial as mucosas labial e ocular.  Realizar avaliação com boa iluminação. intoxicação.  Alterações na coloração das mucosas podem sugerir perda sanguínea progressiva.

Diâmetro e Reflexo Pupilar  Analisar o diâmetro da pupila: >5mm – dilatada <3mm – contraída  Observar a diferença no diâmetro das duas pupilas e se a alteração se mantém quando um dos olhos é exposto a luz.  Alterações na fotorreatividade das pupilas pode .  Observar se existe reação presente quando em aplicação de estímulo luminoso e o retorno rápido quando ausente o estímulo.

 Miose  Midriase Anisocoria  .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->