Você está na página 1de 8

FICHA DE LEITURA

Autor: José Saramago


Título: “ O Conto da Ilha Desconhecida
Editor: Editorial Caminho
Ano da publicação: 1997
Resumo:
Um homem foi bater a uma das portas do rei, à porta
das petições, para lhe fazer um pedido. Porém este homem
não era como tantos outros, este fez questão de não se ir
embora sem resposta.
Só no final de três dias, o homem conseguiu falar com
o rei, o que provocou grande alarido por parte da vizinhança,
pois estava a acontecer ali uma raridade: o rei sair do seu
trono para ir até à rua.
A assistir “na primeira fila” com muita atenção a toda aquela
conversa estava a empregada da limpeza. [comenta]
Depois do homem dizer o que desejava (um barco para ir à
procura da ilha desconhecida), e de os aspirantes que estavam à
porta das petições intervirem a favor do homem que queria o barco, o
rei resolveu dar-lho. [comenta]
Assim, foi dada ao homem a indicação para que fosse até ao
porto/ doca para que lhe fosse dado o barco. E sem saber, o homem
já tinha uma futura encarregada da limpeza do barco, pois a mulher
da limpeza foi atrás, deixando o rei e o seu trabalho no palácio.
Quando lá chego, o homem pediu o seu
barco e o capitão, duvidando no início da rota deste
homem, deu-lhe uma caravela achando ser o
indicado.
Foi então que o homem descobriu que a senhora das limpezas
queria segui-lo e passar a lavar, apenas, barcos.
As chaves foram dadas à mulher e quando ela ainda mal tinha
entrado no barco já as gaivotas a estavam a “atacar”. Estas aves, já
tinham feito do barco a sua casa e daí não quererem sair.
Enquanto o homem foi à procura de tripulação, a mulher fez as
limpezas e ao anoitecer o homem chegou, sem tripulação pois esta não
estava para aventuras.
Sem se aperceberem, ao trocar palavras sobre o mar, as
ilhas… o homem e a mulher já tinham dado a volta à caravela.

Depois de terem discutido cada um a sua opinião


sobre o problema que estavam a ter (a falta de tripula-
ção), “acalmaram-se” os dois, e enquanto jantavam o
homem reparou, devidamente, na mulher da limpeza e
viu o quão bonita era.
Entretanto, acharam que estaria na altura de ir para dentro e
assim aconteceu. Cada um desejou uma boa noite e foram-se deitar.
Durante essa noite de sono, o homem não parou de sonhar.
Sonhou que estava em alto mar à procura da ilha desconhecida, que
já tinha tripulantes, animais a bordo, terrenos com plantas… porém
faltava a mulher da limpeza que resolvera ficar em terra.
Passado um pouco, ainda no sonho, avistou uma terra (que não era a
ilha desconhecida), e os seus tripulantes quiseram sair, levando
consigo os animais e as mulheres, deixando apenas no barco as
plantas que serviriam para a agricultura. Quando o homem do leme
desceu para ir tratar das terras agrícolas, que mais pareciam uma
floresta (a navegar), o homem viu uma sombra ao
lado da sua e acordou.
Ao seu lado estava a mulher da limpeza. Sem saberem
como, estavam os dois agarrados no mesmo beliche.
Por fim, resolveram dar o nome à caravela que se
passou a chamar “A Ilha Desconhecida” e fizeram-se ao mar.

Comentário:
Após a leitura deste conto, de José Saramago, pude
verificar que é um conto com muita simbologia. Em diversas
alturas há uma “ligação” a outras obras e outros acontecimentos.
Para começar, o próprio nome do conto: “A Ilha Desconhecida”,
que interfere com os descobrimentos (descobrir o que não é
conhecido). Outra dessas alturas ocorreu quando o capitão do
porto deu ao homem uma caravela, assim é mais um factor
ligado aos descobrimentos, o barco.
Também relacionado a outro acontecimento, foi durante o sonho do
homem, em que foram levados para o seu barco animais, homens,
mulheres… Esta acção faz recordar “A Arca de Noé” que foi o fim
de uma época e o início de outra. De certa forma, poderá ter o
mesmo significado neste conto.
Porém, José Saramago, também transmitiu “mensagens”
para nós (leitores), dizendo como somos hoje-em-dia. É o caso de
quando a mulher da limpeza pensa que o homem só pensa na ilha
desconhecida, quando está a pensar nela (muitas vezes as
mulheres são assim…), outra destas situações, que acabam por se
“transformar em realidade” estão escritos em frases como: “gostar é
provavelmente a melhor maneira de ter, ter deve ser a pior maneira
de gostar.”; “se não sais de ti, não chegas a saber quem és.”.
Assim, posso concluir que esta foi uma obra
que me agradou muito pelo seu significado.
TRABALHO NAVEGADO
POR:
Marta Santos
9ºA
Nº 18
4,5