P. 1
O Escravismo Colonial

O Escravismo Colonial

|Views: 90|Likes:
Publicado porValdinei Oliveira

More info:

Published by: Valdinei Oliveira on Dec 30, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/01/2012

pdf

text

original

O negro do Brasil Os negros foram introduzidos no Brasil a fim de atender às necessidades de mão-deobra e às atividades mercantis (tráfico negreiro

). O comércio de escravos africanos para o Brasil teve início nos primeiros tempos da colonização. Na África os negros eram trocados por aguardentes de cana, fumo, facões, tecidos, espelhos, etc. Os africanos que vieram para o Brasil pertenciam a uma grande variedade de etnias. De modo geral, podemos classificar os negros entrados no Brasil em três grandes grupos: Sudaneses - oriundos da Nigéria, Daomé, Costa do Ouro. Compreendia os iorubas, jejês, minas, fanti-ashanti e outros. Localizados inicialmente na Bahia, depois se espalharam pelas regiões vizinhas. Bantos - divididos em dois grupos: Congo-angolanos e moçambiques. Os bantos foram traduzidos para o Rio de Janeiro, Maranhão e Pernambuco. Malês - eram os sudaneses islamizados. Os negros possuíam religião politeísta e suas crenças mesclaram-se ao cristianismo (sincretismo religioso). A escravidão negra no Brasil não foi apenas uma questão de preferência do negro ao índio, mas sim uma questão de interesse da burguesia e do governo português, que já se enriqueciam com o tráfico negreiro antes da descoberta do Brasil. Aprisionados ou trocados, os negros eram trazidos para o Brasil nos porões dos navios negreiros (tumbeiros). Durante a viagem, morriam cerca de 40% dos traficados. Marcados com ferro em brasa, os negros eram embarcados em Angola, Moçambique e Guiné e desembarcados em Recife, Salvador e Rio de Janeiro. O negro entrou na sociedade colonial brasileira como cultura dominada; as marcas da escravidão persistem até os dias de hoje.

O escravismo colonial A escravidão, também conhecida como escravismo ou escravatura, foi a forma de relação social de produção adotada, de uma forma geral, no Brasil desde o período colonial até o final do Império. A escravidão no Brasil é marcada principalmente pelo uso de escravos vindos do continente africano, mas é necessário ressaltar que muitos indígenas foram vítimas desse processo. Os escravos foram utilizados principalmente em atividades relacionadas à agricultura – com destaque para a atividade açucareira – e na mineração, sendo assim essenciais para a manutenção da economia. Alguns deles desempenhavam também vários tipos de serviços domésticos e/ou urbanos. A escravidão só foi oficialmente abolida no Brasil com a assinatura da Lei Áurea, em 13 de maio de 1888. No entanto, o trabalho compulsório e o tráfico de pessoas permanecem existindo no Brasil atual, a chamada escravidão moderna, que difere substancialmente da anterior.

Quem eram os africanos trazidos para o Brasil

São Paulo e Rio Grande do Sul a cultura afro-brasileira é particularmente destacada em virtude da migração dos escravos. cujas crenças religiosas deram origem às religiões afro-brasileiras. A escravidão negra no Brasil não foi apenas uma questão de preferência do negro ao índio. religião. Minas Gerais. Na África os negros eram trocados por aguardentes de cana. Largamente distribuída também é a umbanda. os negros eram embarcados em Angola. Localizados inicialmente na Bahia. fanti-ashanti e outros. depois se espalharam pelas regiões vizinhas. espelhos.divididos em dois grupos: Congo-angolanos e moçambiques. minas. Rio de Janeiro. morriam cerca de 40% dos traficados. Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma enormidade de aspectos: dança.oriundos da Nigéria. os escravos aprendiam o português. os negros eram trazidos para o Brasil nos porões dos navios negreiros (tumbeiros). eram batizados com nomes portugueses e obrigados a se converter ao catolicismo. Costa do Ouro. incluindo a associação de santos católicos com os orixás. Maranhão. De modo geral. O comércio de escravos africanos para o Brasil teve início nos primeiros tempos da colonização. Pernambuco. nagôs e jejes. nagôs e jejes no Brasil colonial criaram o candomblé. Compreendia os iorubas. Alagoas. Os africanos trazidos ao Brasil incluíram bantos. Assim como a indígena. jejês. uma religião sincrética que mistura elementos africanos com o catolicismo e o espiritismo. . que já se enriqueciam com o tráfico negreiro antes da descoberta do Brasil. e os hauçás e malês. etc. Os bantos. de religião islâmica e alfabetizados em árabe.O negro do Brasil Os negros foram introduzidos no Brasil a fim de atender às necessidades de mão-deobra e às atividades mercantis (tráfico negreiro). facões. O negro entrou na sociedade colonial brasileira como cultura dominada. Maranhão e Pernambuco. podemos classificar os negros entrados no Brasil em três grandes grupos: Sudaneses . Salvador e Rio de Janeiro. Daomé. Na colônia. a cultura africana foi geralmente suprimida pelos colonizadores. Os africanos que vieram para o Brasil pertenciam a uma grande variedade de etnias. Durante a viagem. as marcas da escravidão persistem até os dias de hoje. Essa influência se faz notar em grande parte do país. em certos estados como Bahia. Aprisionados ou trocados. música. culinária e idioma. Moçambique e Guiné e desembarcados em Recife. Malês .eram os sudaneses islamizados. religião afro-brasileira baseada no culto aos orixás praticada atualmente em todo o território. Os bantos foram traduzidos para o Rio de Janeiro. mas sim uma questão de interesse da burguesia e do governo português. tecidos. Bantos . fumo. Os negros possuíam religião politeísta e suas crenças mesclaram-se ao cristianismo (sincretismo religioso). Marcados com ferro em brasa.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->