P. 1
Aps

Aps

|Views: 5.317|Likes:
Publicado porScarlat Louise

More info:

Published by: Scarlat Louise on Jan 02, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/06/2013

pdf

text

original

Sections

  • 1. Objetivo
  • 2. Introdução
  • 3.1 Posição Anatômica Descritiva
  • 3.1.1 Termos Posicionais
  • 3.1.2 Planos Anatômicos
  • 3.1.3 Eixo Corporal
  • 3.2 Aparelho Locomotor
  • 3.2.1 Sistema Locomotor
  • 3.2.2 O esqueleto humano pode ser dividido em duas partes:
  • 3.2.3 Osteologia
  • 3.2.4 Tipos de Ossos
  • 3.2.5 Classificação dos ossos
  • 3.3 Aparelho Locomotor
  • 3.3.1 Miologia
  • 3.3.2 Tipos de Musculos
  • 3.3.2.1 Classificação dos Músculos:
  • 3.3.2.1.1Quanto a Situação:
  • 3.3.2.1.2Quanto à Forma:
  • 3.3.2.1.3 Quanto à Disposição da Fibra:
  • 3.3.2.1.4 Quanto à Origem e Inserção:
  • 3.3.2.1.4 Quanto à Função:
  • 3.3.3 Quanto à Nomenclatura:
  • 3.4 Artrologia
  • 3.4.1Classificação das Articulações e exemplos
  • 3.4.2 Articulação fibrosa:
  • 3.4.3 Articulação Cartilaginosa
  • 3.4.3.1 Sincondrose
  • 3.4.3.2 Sínfise
  • 3.4.5 Articulações Sinoviais
  • 3.4.6 Principais Movimentos das articulações
  • 3.4.6.1 Movimentos Angulares
  • 3.4.6.2 Adução e Abdução
  • 3.4.8 Circundação
  • 3.4.9 Classificação Morfológica das articulações sinoviais:
  • 3.4.9.1 Plana
  • 3.4.9.2 Gínglimo (dobradiça)
  • 3.4.9.3 Trocóide
  • 3.4.9.4 Condilar
  • 3.4.9.5 Em sela
  • 3.4.9.6 Esferóide
  • 4.1 Organização do Sistema Nervoso
  • 4.2 Divisão Anatômica do Sistema Nervoso
  • 4.2.1 Sistema nervoso Central
  • 4.2.3 Anatomia macroscópica do telencéfalo
  • 4.2.6.1 Sulco lateral
  • 4.2.7.1 Lobos do córtex cerebral
  • 4.2.7.2 Lobo frontal
  • 4.2.7.3 Lobo parietal
  • 4.2.7.4 Lobo occipital
  • 4.2.7.5 Lobo temporal
  • 4.2.8.1 Anatomia Macroscópicas do Cerebelo
  • 4.2.8.2 Anatomia macroscópica do diencéfalo
  • 4.2.8.2.1 III ventrículo
  • 4.2.8.2.2 Tálamo
  • 4.2.8.2.3 Hipotálamo
  • 4.2.8.2.5 Quiasma óptico
  • 4.2.8.2.5 Túber cinéreo
  • 4.2.8.2.6 Infundíbulo
  • 4.2.8.2.7 Epitálamo
  • 4.2.8.2.8 Subtálamo
  • 4.2.8.3 Anatomia macroscópica do tronco encefálico
  • 4.2.8.3.1 Bulbo
  • 4.2.8.3.2 Ponte
  • 4.2.8.3.3 Mesencéfalo
  • 4.2.8.4 Anatomia macroscópica da medula espinhal
  • 4.2.8.4.1Funículo anterior
  • 4.2.8.4.2 Funículo lateral
  • 4.2.8.4.2 Funículo posterior
  • 4.2.9 Conexões com os nervos espinhais
  • 4.2.10 Meninges
  • 4.2.10.1 Dura-máter
  • 4.2.11 As principais pregas são as seguintes:
  • 4.2.11.1 Foice do cérebro
  • 4.2.11.2 Tenda do cerebelo
  • 4.2.11.3 Foice do cerebelo
  • 4.2.11.4 Tenda da hipófise
  • 4.2.12 Seios venosos da dura-máter
  • 4.2.12.1 Seios da calota
  • 4.2.12.2 Seio sagital superior
  • 4.2.12.3 Seio sagital inferior
  • 4.2.12.4 Seio reto
  • 4.2.12.5 Seios transversos
  • 4.2.12.6 Seios da base
  • 4.2.12.7 Seios cavernosos
  • 4.2.12.8 Seios intercavernosos
  • 4.2.12.9 Seio esfenoidal
  • 4.2.12.10 Seios petrosos
  • 4.2.13 Aracnóide
  • 4.2.14 Pia-máter
  • 4.3 MORFOLOGIA DOS NEURÔNIOS
  • 4.3.1 MORFOLOGIA DA NEUROGLIA
  • 4.4 Vias aferentes e eferentes
  • 5.1 Sistema Endócrino
  • 5.1.1 Glândulas Endócrinas
  • 5.1.1.1 Hipotálamo
  • 5.1.1.3 Glândula Tireóide
  • 5.1.1.4 Glândulas Paratireóides
  • 5.1.1.5 Glândulas Supra- Renais
  • 5.1.1.6 Pâncreas
  • 5.1.1.8 Testículo
  • 5.1.1.8 Ovário
  • 5.1.1.9Timo
  • 6.1 Sistema Cardiovascular
  • 6.1.1 Átrios
  • 6.1.2 Ventrículos
  • 6.1.3 Valvas Cardíacas
  • 6.2 Camadas do coração
  • 6.3 Circulação Sistêmica
  • 6.4 Circulação Pulmonar
  • 7.1 Sistema Digestório
  • 7.1.1 Boca
  • 7.1.2 Esôfago
  • 7.1.3 Estômago
  • 7.1.4 Intestino Delgado
  • 7.1.5 Intestino Grosso
  • 7.2.1 Fígado
  • 7.2.2 Pâncreas
  • 8.1 Vias aéreas: porção condutora e respiratória, descrição
  • 8.1.1 Fossas Nasais
  • 8.1.2 Seios paranasais
  • 8.1.3 Faringe
  • 8.1.4 Laringe
  • 8.1.5 Traquéia
  • 8.1.6 Brônquios
  • 8.1.7 Região olfatória
  • 8.1.8 Broquíolos
  • 8.1.9 Ductos Alveolares
  • 8.1.10 Saco Alveolar e Alvéolos
  • 8.1.11 Pleura
  • 8.1.12 Pulmões
  • 8.1.13 Diferenças Morfológicas
  • 9.1.1.1 Anatomia Interna dos Rins
  • 9.1.1.2 Néfrons
  • 9.1.1.3 Funções dos Rins
  • 9.1.1.4 Glândulas Supra-renais
  • 9.1.2 URETER
  • 9.1.3 BEXIGA
  • 9.1.4 URETRA
  • 9.1.4.1 Uretra Masculina
  • 9.1.4.2 Uretra Feminina
  • 9.2 Aparelho reprodutor feminino
  • 9.2.1 A vagina
  • 9.2.2 Vulva
  • 9.2.3 As tubas uterinas
  • 9.2.4 Desenvolvimento no feto e menstruação
  • 10.1 Sistema Tegumentar
  • 10.1.1 Funções
  • 10.1.2Epiderme
  • 10.1.3 Derme
  • 10.1.4 Tecido Subcutâneo
  • 10.1.5 Anexos da Pele
  • 11. Conclusão

CURSO DE FARMÁCIA

“ ATIVIDADES PRATICAS SUPERVISIONADAS”
NOMES:
ALANA PIRELLI NUNES CAMILA CAROLINE S. BRITO RENATA MENDES DE OLIVEIRA ALINE APARECIDA SOARES GIACON NAYARA MARTINS SCARLAT LOUISE CATARINO MARA EDLA COSTA ALBINO DA SILVA REGINA CAMACHO THAIS CAROLINA MARTHO STEPHANNIE BEATRIZ SIQUEIRA ANDREIA DAS NEVES THELÍCIA STEPHANNIE BEATRIZ SIQUEIRA CAMILLE GOMES LUCATELLI AMANDA MARIM PEREZ PRISCILA REBOUÇAS SANTANA BIATRIZ YURI ALVES HANZAWA TAMIRIS MAIZA BONFIM

RA:
A72BCJ-9 A736JJ-0 A961AG-3 706969-3 A78AAC-3 A9439E-0 B150BC-3 B161JC-3 B09471-0 B09EBD-1 B15IJ-3 B156EE-0 B09EBD-1 B15779-8 B16IEF-3

B15504-3
A95768-5 B18680-1

CAMPINAS 2011

Sumário

1. Objetivo ........................................................................................................................................ 9 2. Introdução .................................................................................................................................... 9 3.1 Posição Anatômica Descritiva ................................................................................................11 3.1.1 Termos Posicionais ..............................................................................................................12 3.1.1.1 Anterior. ..............................................................................................................................12 3.1.1.2Posterior. .............................................................................................................................12 3.1.1.3Medial. .................................................................................................................................12 3.1.1.4 Lateral.................................................................................................................................12 3.1.1.5 Superior ..............................................................................................................................13 3.1.1.6 Inferior. ...............................................................................................................................13 3.1.2 Planos Anatômicos ...............................................................................................................13 3.1.2.1 Tipos de Planos .................................................................................................................14 3.1.2.1.1 Plano Sagital. ................................................................................................................14 3.1.2.1.2 Plano Frontal ..................................................................................................................15 3.1.2.1.3 Plano Transversal. .........................................................................................................15 3.1.3 Eixo Corporal ........................................................................................................................16 3.1.3.1 Tipos de Eixo. ....................................................................................................................16 3.1.3.1.1 Eixo Anteroposterior. .....................................................................................................16 3.1.3.1.2 Eixo médio-lateral. .........................................................................................................17 3.1.3.1.3 Eixo Vertical. ...................................................................................................................17 3.2 Aparelho Locomotor ...............................................................................................................17 3.2.1 Sistema Locomotor...............................................................................................................17 3.2.2 O esqueleto humano pode ser dividido em duas partes ...................................................18 3.2.2.1 Esqueleto axial. .................................................................................................................18 2

3.2.2.2. Esqueleto Apendicular. ....................................................................................................19 3.2.3 Osteologia .............................................................................................................................19 3.2.4 Tipos de Ossos .....................................................................................................................19 3.2.4.1 Osso compacto. .................................................................................................................19 3.2.4.2. Osso Esponjoso ...............................................................................................................20 3.2.5 Classificação dos ossos.......................................................................................................21 3.2.5.1 Longos................................................................................................................................21 3.2.5.2 Curto ...................................................................................................................................21 3.2.5.3 Chatos ou Achatados ........................................................................................................21 3.2.5.3 Irregulares ..........................................................................................................................21 3.3 Aparelho Locomotor ...............................................................................................................22 3.3.1 Miologia .................................................................................................................................22 3.3.2 Tipos de Musculos................................................................................................................22 3.3.2.1 Classificação dos Músculo ...............................................................................................24 3.3.2.1.1Quanto a Situação: .........................................................................................................24 3.3.2.1.2Quanto à Forma ..............................................................................................................25 3.3.2.1.3 Quanto à Disposição da Fibra.......................................................................................27 3.3.2.1.4 Quanto à Origem e Inserção .........................................................................................27 3.3.2.1.4 Quanto à Função:...........................................................................................................27 3.3.3 Quanto à Nomenclatura: ......................................................................................................28 3.4 Artrologia .................................................................................................................................28 3.4.1Classificação das Articulações e exemplos ........................................................................29 3.4.2 Articulação fibrosa ................................................................................................................29 3.4.2.1 Sindesmoses ....................................................................................................................30 3.4.2.2 Suturas. ..............................................................................................................................30 3.4.2.3 Gonfose ..............................................................................................................................30 3.4.3 Articulação Cartilaginosa .....................................................................................................30 3.4.3.1 Sincondrose .......................................................................................................................30 3

...................................3 Anatomia macroscópica do telencéfalo ........1................35 4.......9..............................36 4.......................................................................................................32 3............................2 Periférico................9...7.....................................2 Adução e Abdução ..........................................2................................31 3............................................................................................................6................37 4......................4...........................1 Organização do Sistema Nervoso.....6 Principais Movimentos das articulações...............................4.......39 4........................................................................................2 Lobo frontal ...........................3 Lobo parietal .............................................3 Trocóide ............................................................................................................................32 3.....32 3....34 4.9.....31 3.................35 4..........31 3........34 4.......5 Hemisférios cerebrais....................................................2.............................................................33 3..9........................................1 Central ......5 Lobo temporal ...........................................................1 Plana..............................................................................................................1 Sulco lateral .........................................................................................................................36 4...........................2 Sínfise...................................6..........................................................................2............................... .......................................33 3...2............................32 3.....33 3....................................32 3..................................................4...................7......2 Gínglimo (dobradiça).......32 3...................................4.....1..............9 Classificação Morfológica das articulações sinoviais:......................................2 Divisão Anatômica do Sistema Nervoso.......8 Circundação ...................39 4 .............................9...............................................................................................................................................4.........4...................2 Sulco central .4.......................1 Sistema nervoso Central .......................................................................7Rotação ........................2................................................................................38 4.........................7........3........................................................................2..........4............................4..37 4.................4 Lobo occipital ..........................................1 Lobos do córtex cerebral ....4.......6 Esferóide ....................................................7....34 4...........................4.................................................33 4..............................................31 3...............5 Articulações Sinoviais ...1 Movimentos Angulares ........................................................39 4.4..................................................5 Em sela.........................................................................................................................................4...............................................................................................4....3.............7.......6...............6...................2....................4 Condilar .38 4.2..................9..............2............................2..........................

...........................................44 4.............8................2..........5 Túber cinéreo...1 Dura-máter ...44 4........................2...........................................1 Bulbo ...........43 4.......4.......................8..................................1 Anatomia Macroscópicas do Cerebelo ...1Funículo anterior.....2.....8...........11............5 Quiasma óptico.....................9 Conexões com os nervos espinhais .........................2.2..........11........3 Anatomia macroscópica do tronco encefálico ...........2 Anatomia macroscópica do diencéfalo .........................................2.......2 Funículo lateral ...........................................................8 Subtálamo .......................................2...2...........................2.....................................12 Seios venosos da dura-máter .......................8..........50 4..............11......8..............................................8.......................8.........3................8...............48 4..................................................8.....8.......................8..................................2...............47 4.....................48 4................2.2 Funículo posterior...............................................10 Meninges ..............2....44 4............................................2............................................6 Infundíbulo ..................49 4.................2.................2.........................46 4........50 4.....8..................40 4..............43 4...........................................................8....................2......8....50 4.............................................2........2................................3 Foice do cerebelo ..2..50 5 .2......................................................................................................................................................................................................................................................3............................................................................................................44 4..............................2....1 III ventrículo ......2...............................................................2........4...................................................................................11....................................................48 4...........4 Tenda da hipófise .......2 Tálamo .......7 Epitálamo ..........................................................................................................................................................................2...........8..............2...........4...............................2.........................48 4...2........43 4.....................................................41 4.....2....................50 4.............8............................4 Corpos mamilares .................4..................................45 4..........3 Mesencéfalo ....................................................................................45 4................3 Hipotálamo ...............................................................................10.....................8..3.....................................................2.......41 4..............................................50 4.............2.......2............46 4..2.2 Tenda do cerebelo ......2...............................................................................................................8.....2..............2 Ponte ..8...........1 Foice do cérebro....2....11 As principais pregas são as seguintes: .....................................2......2....49 4.................................45 4.................................4 Anatomia macroscópica da medula espinhal .................

............1.......................................................12...................................................2 Seio sagital superior....1 Sistema Endócrino......................3......2...................................................................1 Átrios ...12.....................................................................57 5.....................12........................................................1...2........1............1.....14 Pia-máter ...............................59 5.........................12.....................................................................63 6 ................52 4..................................................................................................................2........................................1..................9 Seio esfenoidal ..1..............1 Sistema Cardiovascular .........53 4....1..........62 5....4 Glândulas Paratireóides.3 MORFOLOGIA DOS NEURÔNIOS .........................................................................................................................................2Hipófise................51 4..................................................................................................1 Glândulas Endócrinas .....2..........................................................50 4.................................................7 Seios cavernosos ....................................1..............................1.......................60 5............................................1............1.............................62 6...............Renais....................................2.1...............4 Vias aferentes e eferentes .........................................................................12..........................................1.....................1............2.......................................51 4.................................6 Seios da base ...................3 Glândula Tireóide .......1..................................................57 5.................................1..........................................2.........................52 4.................................................1 Hipotálamo .........................................................5 Seios transversos ................59 5.........1 Seios da calota ................................................8 Ovário ....2............8 Seios intercavernosos.....................................................................56 5.60 5...51 4..............................................51 4.....12.................................................10 Seios petrosos .....12...........................................................................4............9Timo .............................2.............................................51 4...........2.......52 4.......8 Testículo ...................................................1......................................50 4..3 Seio sagital inferior.................................5 Glândulas Supra.............................1...........2.........................12.....................52 4...................1...................................................................................................................................13 Aracnóide .........................63 6.........................54 4.................52 4................56 5........................................12.............................................2.......................12.........6 Pâncreas .......4 Seio reto ..................................................................................................................61 5..................................................................................................................................1................58 5............................................................................1 MORFOLOGIA DA NEUROGLIA.............

.....2 Esôfago .............................64 6............73 7....................66 7...................................................................................1..........................................................................................1..............................2.................................64 6................................................1...........1.............................65 6..............8 Broquíolos ...................................68 7...............................................................76 8...............................................................2 Ventrículos ..........................1.............................11 Pleura ..........72 7.......................3 Valvas Cardíacas.......................................................2 Seios paranasais ..................................................12 Pulmões.......................................................................76 8..................................................1......................2 Descrição anatômica do fígado e pâncreas e suas participações no processo da digestão............................3 Faringe.....................76 8................................................2 Camadas do coração .............7 Região olfatória ................................1 Fossas Nasais ...............................................................................1 Fígado...............................1...............4 Laringe ...........1.................................................................................................................................3 Estômago ..........................77 8....................................75 8...78 8.................................................78 8..............1..........77 8..2............................................................................................................5 Intestino Grosso ....... .........................................69 7.....................9 Ductos Alveolares ........................................................................................................................71 7...1....................2 Pâncreas ................................................................4 Circulação Pulmonar ............1 Boca ..................................................................................................................................................................................................................10 Saco Alveolar e Alvéolos ............................................64 6....................................70 7..................................3 Circulação Sistêmica ......................1 Sistema Digestório............................................................................5 Traquéia ................................ descrição anatômica de cada porção.....4 Intestino Delgado ........................................................................................79 7 .........................................................................................................1....................................................................................................................68 7...................1...............73 7....................1...................................1..................1................1.......1 Vias aéreas: porção condutora e respiratória........................77 8.................................1...........................79 8..........................................................76 8....1......1...............................................................................................................6...................78 8..................................77 8...............................6 Brônquios ..................................................................................................................................

.................................1....................99 10..1...1....................1..........................................................96 9.........................1.........................................86 9..............................................................................1................88 9...........................................................112 8 .............1......84 9.......................................................88 9......3 Funções dos Rins......1 Sistema Tegumentar ...............................................91 9....2Epiderme ..............................................................2 Aparelho reprodutor feminino .............................97 9..............1 A vagina.....................................93 9.......................................................................97 10...81 9................1...............................................................................4........................1........................4......................................................93 9..........1 Funções ............................................................................................................................................4 Desenvolvimento no feto e menstruação ............................................................................1 Anatomia Interna dos Rins ..........1..............................2 Néfrons .....................4 URETRA ......1.......2.................3 BEXIGA ...........................103 11............................................1.............................3 As tubas uterinas ........................................................97 9.....................................................................8.......................................................89 9.4 Tecido Subcutâneo ...................96 9..........................................................3 Derme ......... Conclusão.........1 Uretra Masculina .............................................2 Uretra Feminina ......................................................................................4 Glândulas Supra-renais .....................................................................94 9........................................................................................................................................................................1.....102 10....................................................5 Anexos da Pele...........2..............2..101 10....................................................1....................................1..........................................1.................................................1...........................................................................................2 Vulva ..................................98 10..................................................................................................1....1..............98 10...............................................................................2..2 URETER...13 Diferenças Morfológicas ...................

disposição e a inter-relação das estruturas que compoem o sistema locomotor nervoso. Esse tipo de estudo é 9 . filogenia e histologia 2.1. mais lata. a divisão mais importante da anatomia é a anatomia humana. Partindo de um ponto de vista utilitarista. biologia evolutiva. mecanismos de defesa. tamanho e relação entre as várias estruturas do corpo humano. Alguns autores usaram este termo incluindo na anatomia igualmente o estudo das funções vitais (respiração. Na anatomia comparada faz-se o estudo comparativo da estrutura de diferentes animais (ou plantas) com o objetivo de verificar as relações entre eles. razão. A anatomia humana. Do ponto vista médico. a anatomia humana é um estudo científico que tem por objetivo descobrir as causas que levaram as estruturas do corpo humano a serem tais como são. "seccionar"). digestório. digestão. circulação sanguínea. Segundo esta definição. enquanto características relacionadas à saúde. Introdução Anatomia (do grego antigo ἀνατομή [anatome]. genito-urinário. a anatomia vegetal e a anatomia comparada são especializações da anatomia. que pode ser abordada sob diferentes pontos de vista. tanto externa quanto internamente. o que pode elucidar sobre aspectos da sua evolução. forma + logos. Do ponto de vista morfológico. posição exata. estudo). a anatomia humana consiste no conhecimento da forma exata. Objetivo Demonstrar o funcionamento. e para tanto solicita ajuda às ciências conhecidas como embriologia. respiratório. cardiovascular. etc) para que o organismo viva em equilíbrio (homeostase) com o meio ambiente. é o ramo da biologia no qual se estudam a estrutura e organização dos seres vivos. a anatomia é de certa forma o equivalente à morfofisiologia (do grego morphe. endócrino.

e para tanto solicita ajuda às ciências conhecidas como embriologia. 10 . A anatomia descritiva não é mais ciência do que prática. C. com o intuito de revelar a sua organização estrutural. anatomia de superfície. recebem nomes como anatomia médica. anatomia cirúrgica. incluindo o homem). Já os ramos da anatomia normal com aplicações específicas. Em termos mais restritos e clássicos.chamado anatomia descritiva ou topográfica. englobando todo o campo da biologia que estuda a forma e a estrutura dos seres vivos. às vezes é chamada também de antropometria. ou restritas a determinados aspectos. A comparação entre as diferentes etnias humanas é parte da ciência conhecida como antropologia. a anatomia humana é um estudo científico que tem por objetivo descobrir as causas que levaram as estruturas do corpo humano a serem tais como são. Ele a chamou de anatomia (em grego. o termo que se generalizou. pelo menos no ser humano). discípulo de Aristóteles. Anatomia patológica é o estudo de órgãos defeituosos ou acometidos por doenças. existentes ou extintos. o que implicava uma vertente predominantemente prática que se concretizava através de métodos precisos de corte e dissecação (ou dissecção) de seres vivos (cadáveres. pois “anna temnein” tem. a anatomia se divide em vegetal e animal (esta. “anna temnein”). um sentido muito restrito: significa apenas “dissecar”. literalmente. A anatomia topográfica é aprendida através de exercícios repetidos de dissecação e inspeção de partes (cadáveres especialmente destinados à pesquisa). filogenia e histologia. a anatomia confunde-se com a morfologia (biologia) interna. precisa ser exata e estar disponível nos momentos de urgência. O nome mais indicado seria morfologia (que hoje indica o conjunto das leis da anatomia). O mais antigo relato conhecido de uma dissecação pertence ao grego Teofrasto (? – 287 a. anatomia artística. com o estudo da organização interna dos seres vivos. e como tal. Do ponto de vista morfológico.). Conforme seu campo de aplicação. isto é. biologia evolutiva.

com os membros superiores pendentes ao lado do corpo. Organizações morfológicas e estruturais do corpo humano – planos e eixos. as palmas das mãos viradas para frente e os dedos e polegares em extensão.html 11 . virada para frente.com/2010/01/5-anatomia-efisiologia-do-corpo-humano. e como patológica ao interessar-se pelo organismo afetado por anomalias ou processos mórbidos.A anatomia humana se define como normal quando estuda o corpo humano em condições de saúde.blogspot. Definição de Morfologia: é a ciência que estuda a arquitetura e posicionamento da estrutura dos seres vivos e não vivos. conceitos e definições de morfologia e anatomia. Fonte:http://primeirossocorros-nunofonseca. 3.1 Posição Anatômica Descritiva É a posição assumida quando a pessoa está ereta.

3. 3.1.1.1.1 Termos Posicionais 3. sinónimo de interno. sinónimo de dorsal. sinónimo de exterior.3Medial: significa mais perto de uma linha imaginária que divide o corpo na metade (esquerda e direita).1.1.1.2Posterior: significa mais afastado para trás.4 Lateral: significa mais longe de uma linha imaginaria que divide o corpo na metade (esquerda e direita).1. Fonte: http://primeirossocorros-nunofonseca.1.blogspot.1 Anterior: significa mais afastado para frente.1. 3. sinónimo de ventral.com/2010/01/5-anatomia-e- fisiologia-do-corpo-humano.html 3. 12 .

13 .Fonte: http://primeirossocorros-nunofonseca. assim tendo quatro planos.1.2 Planos Anatômicos O plano anatômico é mapeado tridimensionalmente. Fonte: http://primeirossocorros-nunofonseca.1.blogspot.1.6 Inferior: significa por baixo.com/2010/01/5-anatomia-e- fisiologia-do-corpo-humano.1. 3. onde é dividido em três dimensões do espaço. sinónimo de proximal.html 3.blogspot. Observação: Termos normalmente utilizados para o esqueleto apendicular. sinónimo de distal.html 3.5 Superior: significa por cima.com/2010/01/5-anatomia-e- fisiologia-do-corpo-humano.1.

pt/introdu%C3%A7%C3%A3o%20a%20a natomia/planos-e-eixos-do-corpo-humano/ 14 .2.3.br/anatomia_2_23. Fonte:http://cienciasmorfologicas. Fonte: http://www.1.1.2.1 Tipos de Planos: Sagital. Frontal.hs-menezes.com.1 Plano Sagital: É uma direção que descreve uma parte do corpo que pode mover de uma posição anterior para uma posterior (ou de pósteros para anterior).1.webnode.html 3. Transverso.

assim também pode ser descrito como uma direção de movimento medial para lateral. 15 .2.3 Plano Transversal: Apresenta uma direção que descreve uma que apresenta uma “rotação”.webnode.1.pt/introdu%C3%A7%C3%A3o%20a%20a natomia/planos-e-eixos-do-corpo-humano/ 3.1.1. pois permanece no lugar e vira interna ou externamente.2.2 Plano Frontal: Apresenta uma direção que descreve uma que uma parte do corpo pode se mover da esquerda para a direita (ou da direita para a esquerda). Fonte:http://cienciasmorfologicas.1.3.

tendo um movimento circular.1.3 Eixo Corporal O eixo é uma linha imaginária.1.3.1.1 Eixo Anteroposterior: É a linha que vai da direção anterior para a posterior (ou posterior para anterior).1 Tipos de Eixo: Eixo médio-lateral. Assim esse eixo possibilita os movimentos de abdução e adução.Fonte:http://cienciasmorfologicas. Assim uma parte do corpo se move em volta de um eixo de modo circular. eixo anteroposterior e eixo vertical.1.com/2010/03/planos-e-eixos-anatomicos. Exemplos: Articulação do ombro.webnode. 3. na qual ocorre o movimento axial em volta do eixo. 16 .3.html 3.blogspot.pt/introdu%C3%A7%C3%A3o%20a%20a natomia/planos-e-eixos-do-corpo-humano/ 3. do quadril e etc.. Fonte:http://profnelsonmrj.

. Os músculos. Apresentando um sentido horizontal. da direita para a esquerda. O conjunto de ossos. 3. do cotovelo e etc.1. Aparelho locomotor osteologia tipos de ossos. O aparelho locomotor é dividido em dois sistemas. Já os músculos são constituídos por fibras musculares.1.1 Sistema Locomotor Apresenta funções como: movimento.. armazenam minerais e íons e produzem células sanguíneas. Assim esse eixo possibilita os movimentos de rotação lateral e rotação medial. são ósseo e muscular.1. 17 . A contração dos músculos provoca o movimento do corpo ou de órgãos internos. locomoção e deslocamento. responsáveis pela contração muscular. tendões e ossos produzem diferentes tipos de movimento através do trabalho que realizam em conjunto nos pontos onde existem articulações. células alongadas ricas em miofibrilas de proteínas. ou seja. músculos e elementos das articulações compreende a locomoção. Exemplos: Articulação do ombro. classificação e nomenclatura dos principais.1.2 Aparelho Locomotor Apresenta varias funções exercidas desde o básico movimento de andar até mesmo como as vitais batidas de um coração. 3. assim possibilita os movimentos de flexão e extensão.2.2 Eixo médio-lateral: É a linha que ocorre na direção medial para a lateral.3.3.3.3 Eixo Vertical: É a linha que vai à direção superior para a inferior. do cotovelo e etc. 3. O esqueleto faz a sustentação. Exemplos: Articulação do ombro. protege os órgãos internos.

2.com.com/2010/02/introducao-ao-estudo-daanatomia. Fonte:http://psicologia2010-2014.blogspot.html 18 .2 O esqueleto humano pode ser dividido em duas partes: 3.1 Esqueleto axial: Porção mediana.esporteblog.2. composto pela caixa craniana. coluna vertebral e caixa torácica.Fonte: http://arnaldo.2.br/r631/ossos-sistema-esqueletico/ 3. formando o eixo do corpo.

3.2.3. A preservação e montagem na lâmina do fragmento desgastado utiliza bálsamo seco que dá a matriz calcificada uma cor acastanhada. formada pelos ossos ilíacos (da bacia) e o esqueleto dos membros (superiores ou anteriores e inferiores ou posteriores).com/salud/anatomia-2/ 3. formado por um conjunto de tecidos distintos e especializados que contribuem para o seu arranjo final. cintura pélvica. complexo e dinâmico.4 Tipos de Ossos 3. o osso é um tecido vivo. Fonte: http://www. formada pelas escápulas e clavículas. métodos especiais na preparação de uma amostra de osso.2. degastado progressivamente até atingir uma espessura que permita a sua observação por meio de luz transmitida é a mais simples e apropriada para o estudo dos componentes mineralizados.2.2.1 Osso compacto: A mineralização da matriz óssea exige.3 Osteologia É definido osteologia como o estudo dos ossos.2. Esqueleto Apendicular: Compreende a cintura escapular.4. para o estudo histológico.2.todomonografias. A preparação por desgaste a qual consiste na utilização de um fragmento de osso seco. Todas as estruturas em preto são espaços com ar aprisionado que 19 . Apesar de sua aparência simples.

pelos osteócitos. Osso Esponjoso: Os ossos esponjosos não se organizam em sistemas de Havers. das quais partem pequenas linhas negras e bem finas denominadas canalículos. as aréolas que “in vivo” são preenchidas por células da medula óssea. 20 . Em sua estrutura apresenta espaços vazios que caracterizam esse tipo de osso. Observe as lacunas as quais representam o espaço na matriz ocupado "in vivo".representam os locais onde estavam estruturas celulares que foram destruídas durante o processo de desgaste. Note que os canais de Havers não têm todos o mesmo diâmetro e que as lacunas delimitam as lamelas. ocupados "in vivo" por prolongamentos citoplasmáticos dos osteócitos. Nos dos canais de Havers ocorrem vasos. 3. Observe que as lacunas e as lamelas dispõem-se concentricamente ao redor do canal de Havers formando os sistemas de Havers ou ósteon. Observe também um sistema intermediário resultante da remodelação óssea.2.4. nervos e endósteo não preservados neste processo.2.

(Exemplo: Ossos do calcanhar e do 3.2.3 Irregulares: (Exemplo: Vértebras e ossos da face).com/site/tudoensinomedio/unifei/calendario-1/biologia3/reinos/fisiologia-animal/sistema-esqueletico/tipos-de-ossos 21 . 3. braço.Fonte: http://sonya82sentidus.2.3 Chatos ou Achatados: São ossos fins. que apresentam aproximadamente o mesmo comprimento e a mesma largura.google.2.blogspot.2.5.2.5 Classificação dos ossos Quase todos os osso do corpo podem ser classificados em 4 tipos.5.html 3. costelas e externo). pulso). 3. (Exemplo: Ossos do crânio.1 Longos: São ossos compridos e pouco largos. Fonte:https://sites.com/2010_06_01_archive. em forma de lâmina.2 Curto: São ossos pequenos. antebraços e dedos).5. de acordo com a sua forma: 3.5. (Exemplo: Ossos da perna.

Número. de diminuir a sua longitude mediante um estímulo. Eles podem ser arredondados (os orbiculares dos olhos. sobrepondo-se nestes campos a demais disciplinas da Anatomia Humana: Anatomia Topográfica. podemos reconhecer três tipos de músculo no corpo humano: Músculo não estriado (músculo liso) Músculo estriado esquelético Músculo estriado cardíaco. Angiologia e Neuro-Anatomia. existem músculos grandes. 3. Direcção. É ainda pretinente para a Miologia o estudo das variações anatómicas dos músculos.1 Miologia Miologia é a área da anatomia que estuda os músculos e seus anexos. Sendo a Miologia uma disciplina da Anatomia Descritiva. Mas. debruça-se sobre os músculos nesta mesma perspectiva. O termo foi cunhado a partir dos termos gregos μυς (músculo) e λογος (estudo). como certos músculos da face. de maneira geral. Em miologia categorizam-se os músculos em três grandes grupos consuante a sua função fisiológica: músculos involuntários de contracção lenta. entre outros).2 Tipos de Musculos No corpo humano. ou fusiformes (como os do braço). ou seja. e músculos pequenos. 22 . a sua inrrigação e a sua inervação. De uma forma muito geral podemos definir um músculo como um órgão com propriedade contráctil.3. planos (os do crânio.3. A milogia estuda também as relções anatómicas dos músculos com outras estruturas anatómicas.3 Aparelho Locomotor 3.3. Tipo de inserção e Mecanismo de inserção. Conformação exterior. músculos involuntários de contracção rápida e músculos voluntários de contracção rápida. como os da coxa. por exemplo). sendo responsável pela sua descrição e tendo ainda criado uma série de parâmetros classificativos como: Situação ou Localização.

Os músculos não estriados têm contração lenta e involuntária, isto é, os movimentos por eles gerados ocorrem independentemente da nossa vontade. Músculo Estriado Esqueléticos: Contraem-se por influência da nossa vontade, ou seja, são voluntários. O tecido muscular esquelético é chamado de estriado porque faixas alternadas claras e escuras (estriações podem ser vistas no microscópio óptico.) Músculos Lisos: Localizado nos vasos sangüíneos, vias aéreas e maioria dos órgãos da cavidade abdômino-pélvica. Ação involuntária controlada pelo sistema nervoso autônomo.

Fonte:http://www.auladeanatomia.com/sistemamuscular/gen-musc.htm Músculo Estriado Cardíaco: Representa a arquitetura cardíaca. É um músculo estriado, porém involuntário – AUTO RITMICIDADE.

23

Fonte:http://www.auladeanatomia.com/sistemamuscular/gen-musc.htm

Classificação e Nomenclatura dos Principais musculos

3.3.2.1 Classificação dos Músculos:

3.3.2.1.1Quanto a Situação: Superficiais ou Cutâneos: Estão logo abaixo da pele e apresentam no mínimo uma de suas inserções na camada profunda da derme. Estão localizados na cabeça (crânio e face), pescoço e na mão (região hipotenar).

Exemplo: Platisma.

24

Fonte:http://www.auladeanatomia.com/sistemamuscular/gen-musc.htm

Profundos ou Subaponeuróticos: São músculos que não apresentam inserções na camada profunda da derme, e na maioria das vezes, se inserem em ossos. Estão localizados abaixo da fascia superficial. Exemplo: Pronador quadrado.

Fonte:http://www.auladeanatomia.com/sistemamuscular/gen-musc.htm

3.3.2.1.2Quanto à Forma: Longos: São encontrados especialmente nos membros. Os mais superficiais são os mais longos, podendo passar duas ou mais articulações.

Exemplo: Bíceps braquial.

25

auladeanatomia.auladeanatomia. Exemplo: Diafragma. Exemplo: Músculos da mão.Fonte:http://www.htm 26 . o que não exclui força nem especialização. São encontrados nas paredes das grandes cavidades (tórax e abdome).com/sistemamuscular/gen-musc.auladeanatomia. Fonte:http://www.htm Largos: Caracterizam-se por serem laminares.com/sistemamuscular/gen-musc.htm Curtos: Encontram-se nas articulações cujos movimentos tem pouca amplitude.com/sistemamuscular/gen-musc. Fonte:http://www.

3. 3. o antagonista relaxa progressivamente. Antagonistas: Músculos que se opõem à ação dos agonistas.2.3.3. Ex: Oblíquo externo. eles se contraem ativamente para produzir um movimento desejado. Inserção: Quando se inserem em mais de um tendão. Estabilizam a parte proximal do membro quando move-se a parte distal. Ex: idem anterior. Ex: Pegar uma chave sobre a mesa.1. cotovelo e ombro. agonistas são os flexores dos dedos. Fixadores: Estabilizam a origem do Agonistas de modo que ele possa agir mais eficientemente.4 Quanto à Origem e Inserção: Origem: Quando se originam de mais de um tendão. Quadríceps.3 Quanto à Disposição da Fibra: Reto: Paralelo à linha média. Bíceps. Transverso: Perpendicular à linha média. Ex. 27 .1.2. porém os antagonistas são os extensores dos dedos.2. Sinergistas: São aqueles que participam estabilizando as articulações para que não ocorram movimentos indesejáveis durante a ação principal.4 Quanto à Função: Agonistas: São os músculos principais que ativam um movimento específico do corpo. Ex: idem anterior. Ex: Flexor Longo dos Dedos. Oblíquo: Diagonal à linha média. quando o Agonistas se contrai. produzindo um movimento suave.1.3. os sinergistas são estabilizadores do punho. Ex: Reto abdominal. 3. Ex: Transverso abdominal.

3. Ação Associada à Localização: Flexor superficial dos dedos.Fonte:http://www. Número de Origem: Bíceps femoral e tríceps braquial. Forma: Músculo Deltóide (letra grega delta). 3. Localização: Tibial anterior.com/sistemamuscular/gen-musc. 28 . Ação Associada à Forma: Pronador redondo e pronador quadrado.4 Artrologia Artrologia é o estudo das articulações ou junturas sendo uniões funcionais entre os diferentes ossos do esqueleto.auladeanatomia.3 Quanto à Nomenclatura: O nome dado aos músculos é derivado de vários fatores.htm 3. entre eles o fisiológico e o topográfico: Ação: Extensor dos dedos.

4. Existem três variedades de articulações fibrosas: 29 . Nas articulações sinoviais. que reforçam a união entre os ossos na juntura. B) Cartilaginosas (anfiartroses) ou com movimentos limitados. tendo como base em sua classificação. os ossos são mantidos por fixações imóveis. embora o tecido fibroso conceda certa elasticidade ao crânio (antes da maturação óssea). Em algumas articulações. sua estrutura e mobilidade: A) Fibrosas (sinartroses) ou imóveis. como as 3. as células que revestem o interior da cápsula fibrosa formam uma membrana incompleta – a membrana sinovial – que secreta um liquido lubrificante.2 Articulação fibrosa: É composta por tecido conjuntivo fibroso. Obviamente a mobilidade dessa juntura é extremamente reduzida. C) Sinoviais (diartroses) ou junturas de movimentos amplos.Essas uniões não são feitas da mesma forma para todos os ossos. A grande maioria é encontrada no crânio. ossos.4.1Classificação das Articulações e exemplos As articulações ou junturas são separadas nos três seguintes grupos. 3. Existem ainda resistentes feixes fibrosos. O critério utilizado para tal classificação é o material que se interpõe às estruturas ósseas articuladas. variando. portanto com maior ou menor possibilidade de movimento e tipo de tecido interposto aos suturas ou as articulações entre praticamente todos os ossos do crânio. chamados ligamentos.

4. 3.3.2 Suturas: São encontradas nos ossos do crânio. 3. Essas articulações são encontradas entre as epífises e os corpos dos ossos longos.3 Articulação Cartilaginosa São as articulações na qual a junção dos ossos é feita por tecido cartilaginoso. entre o occipital e o esfenóide na época do nascimento e por alguns anos depois. 3. A maneira em que as bordas dos ossos se encontram nos permite ainda classificá-las em suturas planas (retilíneas). é observada nas articulações das raízes dos dentes com os alvéolos da mandíbula e da maxila. 30 .1 Sincondrose Forma temporária de articulação.2. mas não ocorre entre os ossos do crânio. Existem duas variedades: a sincondrose e a sínfise.4. o único exemplo descrito de sindesmose é a tíbio-fibular (extremidades distais da tíbia e da fíbula).2. e entre a parte petrosa do temporal e o processo jugularem occipital. suturas serreadas (linha dentada) ou sutura esquindilese (encaixe). suturas escamosas (bisel).4. 3. Na anatomia.3 Gonfose: É a articulação por inserção de um processo cônico em uma cavidade.Sindesmose Sutura Gonfose 3. na qual a cartilagem é convertida em osso antes da idade adulta.1 Sindesmoses: Nestas articulações. o tecido interposto é fibroso.4.2.4.

4. achatados. as superfícies ósseas são recobertas por cartilagem articular e unidas por ligamentos revestidos por membrana sinovial.6.4. Quando diminui há a flexão e quando aumenta há a extensão. 3. como nas articulações entre os corpos das vértebras ou entre os ossos púbicos. cápsula articular. responsável pela lubrificação que reduz o atrito entre as estruturas.4. mas sim a cápsula articular. 3.não utilizamos os termos flexão e extensão. o contato entre as superfícies articulares não é a principal estrutura ou característica. cavidade articular e liquido sinovial (sinóvia) são características de articulações (junturas) sinoviais.e sim.5 Articulações Sinoviais Representam à maioria das junturas do corpo. e o elemento que se interpõe às estruturas ósseas é a sinóvia ou líquido sinovial. Assim.2 Sínfise É a articulação na qual as superfícies ósseas são unidas por discos Fibrocartilagíneos. No caso especifico do pé.3.4.os termos dorsiflexão ou plantiflexão (flexão plantar).3.1 Movimentos Angulares Há diminuição ou aumento do ângulo entre o segmento que se desloca e o que permanece fixo. 3. fixando-se nos ossos que se articulam. Possuem ampla mobilidade. A cápsula articular é uma espécie de manguito que envolve a articulação. Nessas junturas. A cavidade articular é o espaço virtual onde se encontra o liquido sinovial. 31 . Assim. permitindo o deslizamento com o menor desgaste possível.6 Principais Movimentos das articulações Os movimentos de uma articulação se fazem obrigatoriamente sobre o que chamamos de eixo de movimento.

4. extensão.3.4. abdução.9. 3.8 Circundação Podemos dizer que é a combinação de todos os movimentos.4. 3. como. 32 .9.6. as articulações esferóides são as únicas capazes de realizar este movimento. lembrando que sempre considerando a posição anatômica como ponto de partida. 3.4. adução.9 Classificação Morfológica das articulações sinoviais: 3.4. permitindo um suave deslizamento entre elas. Um exemplo característico é a articulação sacra ilíaca. 3. Em geral.2 Adução e Abdução Movimento no qual o segmento é deslocado em direção ao plano mediano (adução) ou opostamente (abdução). levando em conta a região ventral do segmento. Outros exemplos são as articulações dos ossos do carpo e do tarso (que em conjunto. permitem uma mobilidade considerável). Consiste em transcrever um cone imaginário.7 Rotação O segmento gira em torno de um eixo longitudinal.1 Plana As superfícies articulares são planas ou ligeiramente curvas. Podemos diferenciar rotação medial (voltada para o plano mediano.2 Gínglimo (dobradiça) Movimentos de flexão e extensão (cotovelo). linha mediana) e lateral. flexão e rotação. São mono axiais (permitem apenas um grau de movimento).4.

1999.3 Trocóide Neste tipo.4.4. O ombro e o quadril permitem movimentos de rotação. permitindo a rotação em um eixo único de movimento longitudinal ou vertical. extensão. abdução. 269-274 p.4 Condilar Uma das superfícies articulares é elíptica. adução e abdução.A. adução.. Tratado de Anatomia Humana (em espanhol).e um exemplo é a articulação rádio-cárpica e a ATM. 1ª ed.4. Fontes: Testut. 3ª ed. A articulação carpo metacárpica do 1º dedo é um exemplo disto.9.. ISBN 978-972-9018-99-2 33 . Lisboa: Lidel.3. Miologia).9.9. ISBN 84-345-1144-2 Esperança Pina. estas estruturas permitem flexão. 3. não realiza a rotação isoladamente. Este tipo de articulação permite os movimentos tri axiais (três graus de movimento) e. Um exemplo clássico é a articulação rádioulnar proximal. 3. Léo.5 Em sela A estrutura de a superfície articular apresenta uma concavidade num sentido e convexidade em outro.A. São biaxiais (permitem dois graus de movimento). 3.6 Esferóide Apresentam segmentos esferóides que se encaixam em receptáculos ocos.. M.9. 1978. portanto. responsável pelo movimento de pronação e supinação do antebraço. extensão. 736-763 p. mas não a rotação. circundação. Barcelona: Salvat Editores. pois apesar de realizar a circundação. J.4. É considerada biaxial. flexão. Latarjet. vol. S. uma das superfícies articulares é cilíndrica. Anatomia Humana da Locomoção: Anatomia Humana Passiva (Osteologia e Artrologia) e Activa (Miologia) (em português). 4 vol. 1 (Osteologia.. os de maior variação. Artrologia.

J..com/sistemamuscular/gen-musc. 34 . 3ª ed.1.1. e executar as funções mentais mais elevadas tais como pensar e aprender.Esperança Pina. As principais funções do sistema nervoso central são integrar e coordenar os sinais neurais que chegam e saem.A. Lisboa: Lidel..htm FONTE: Material extraído do livro Anatomia Humana.2 Periférico: O sistema nervoso periférico é aquele localizado fora de cavidades ósseas. 2001. Lucio Sleutjes Editora Difusão Modificado por Ana Clara Carvalho. O sistema nervoso periférico conduz impulsos neurais para o sistema nervoso central. a partir dos órgãos dos sentidos e dos receptores sensitivos das várias partes do corpo.auladeanatomia.1 Central : O sistema nervoso central é aquele localizado no esqueleto axial (cavidade craniana e canal cerebral). 4. Anatomia Geral e Dissecção Humana (em português). ISBN 978-972-757-000-3 http://www. 24-26 p. 4.1 Organização do Sistema Nervoso O sistema nervoso é dividido em: 4. Esse sistema também conduz impulsos neurais provenientes do sistema nervoso central para músculos e glândulas.

A ponte separa o bulbo. situado cranialmente. do mesencéfalo. Dorsalmente à ponte e ao bulbo localiza-se o cerebelo.2. 4. O encéfalo é constituído por cérebro.2 Divisão Anatômica do Sistema Nervoso 4. A partir do SNC se ramificam 43 pares de nervos: 12 a partir do encéfalo e 31 a partir da medula espinhal.1 Sistema nervoso Central O sistema nervoso central está no centro da estrutura e do funcionamento do corpo. eles formam a rede do sistema periférico. e infiltram cada minúsculo recanto e abertura. percorrem caminhos sinuosos entre órgãos e tecidos. O encéfalo está localizado dentro do crânio neural e a medula espinhal se localiza dentro do canal vertebral. À medida que se dividem. cerebelo e tronco encefálico.4. O fluido cérebro espinhal e as meninges envolvem o sistema nervoso central e fornecem proteção adicional. situado caudalmente. É formado por encéfalo e medula espinhal. Esse tronco encefálico é composto pelo mesencéfalo.2.2 Sistema nervoso Periférico 35 . que constituem o neuro-eixo. ponte e bulbo.

Em relação com alguns nervos e raízes nervosas. O sistema nervoso periférico é constituído por nervos (espinhais e cranianos). Nervos são cordões esbranquiçados que unem o sistema nervoso central aos órgãos periféricos. que é convexa.. gânglios e terminações nervosas.C. repousando anteriormente nos andares anterior e médio da base do crânio e posteriormente na tenda do cerebelo. os nervos são cranianos. 4.N. Do ponto de vista funcional. existem gânglios sensitivos e gânglios motores viscerais. occipital e temporal.Representa a extensão periférica do S. que comunicam com o terceiro ventrículo pelos forames interventriculares. Esse sistema também conduz impulsos neurais provenientes do sistema nervoso central para músculos e glândulas. direito e esquerdo e uma pequena parte mediana situada na porção anterior do III ventrículo.2.2. 4. Na extremidade das fibras que constituem os nervos situam-se as terminações nervosas. do ponto de vista funcional. cuja o assoalho é formado por uma larga faixa de fibras comissurais. e face inferior. principal meio de união entre os dois hemisférios. que. ou base do cérebro. os ventrículos laterais direito e esquerdo. e três faces: face supero-lateral. O sistema nervoso periférico conduz impulsos neurais para o sistema nervoso central.5 Hemisférios cerebrais 36 . o corpo caloso. que são os gânglios. são de dois tipos: sensitivas ( ou aferentes) e motoras (ou eferentes). se com a medula. que é plana. face medial. muito irregular.3 Anatomia macroscópica do telencéfalo O telencéfalo compreende os dois hemisférios cerebrais. é anatômica e operacionalmente contínuo com o encéfalo e a medula espinhal. Cada hemisférios possuem três pólos: frontal. Se a união se faz com o encéfalo. a partir dos órgãos dos sentidos e dos receptores sensitivos das várias partes do corpo. existem dilatações constituídas principalmente de corpos de neurônios. os nervos são espinhais. Os hemisférios cerebrais possuem cavidades. Os dois hemisférios cerebrais são incompletamente separados pela fissura longitudinal do cérebro.

1 Sulco lateral Inicia-se na base do cérebro lateralmente a substância perfurada anterior. dirige-se para trás e para cima. Em cada hemisfério cerebral. o padrão de sulcos e giros do cérebro varia em cada cérebro. O córtex cerebral. situado abaixo. Os ramos ascendente e anterior são curtos e penetram no lobo frontal.2 Sulco central 37 . amígdala e os núcleos da base. Juntas. localizado na superfície hemisférica. também denominadas giros. dos lobos frontal e parietal.6. anterior e posterior. Na verdade. são separadas por depressões chamadas fissuras ou sulcos.2. por exemplo. como uma fenda profunda que. separando o lobo frontal do lobo temporal. Já os sulcos não são tão profundos como as fissuras e suas formas e localizações não são tão constantes. De qualquer modo. que serão descritos a seguir: 4. situados acima. 4. estas estruturas participam do que há de mais sofisticado no comportamento humano. As fissuras são depressões muito pronunciadas que sistematicamente podem ser encontradas em todos os encéfalos. onde termina dividindo-se em 3 ramos: ascendente. somente ¼ ou 1/3 do córtex cerebral está exposto na superfície hemisférica. constantes. terminando no lobo parietal.Possuem quatro componentes maiores: o córtex cerebral. Muitos sulcos são inconstantes e não recebem qualquer denominação. dirige-se para face súpero-lateral do cérebro. As circunvolunções.6. formação hipocampal. podendo ser diferente nos dois hemisférios do mesmo indivíduo. As circunvolunções representam uma adaptação evolutiva que serve para ajustar uma grande área superficial dentro do espaço restrito da cavidade craniana. o ramo posterior é muito mais longo. é repleto de dobras. A existência dos sulcos permite considerável aumento de superfície sem grande aumento do volume cerebral e sabe-se que 2/3 da área ocupada pelo córtex cerebral estão “escondidos” nos sulcos. recebem denominações especiais e ajudam a delimitar os lobos e as áreas cerebrais. os dois sulcos mais importantes são o sulco lateral e o sulco central. Os hemisférios cerebrais são separados. outros.2. Separa o lobo temporal. em duas metades pela fissura sagital ou inter-hemisférica.

em direção ao ramo posterior do sulco lateral. tais como tato e dor. giro pós-central. O córtex cerebral é dividido em 4 lobos. que parece estar todo. essencial pela visão. importantes no controle motor e na sensibilidade corporal. direta ou indiretamente relacionado com a visão. parietal. restante da maior parte do lobo frontal. com a ponta do sulco parieto-occipital na superfície interna do hemisfério. do qual é separado por uma pequena prega cortical. 4. médio e inferior. são separados entre si pelo sulco central. tais como a força. 4. giro pré-central. Os lobos frontal e parietal. exceto pelo lobo occipital.7. são constituídas pelos giros frontais superior. mas também na decisão de quais movimentos serão executados para alcançar um determinado objetivo. esses lobos são denominados de acordo com os ossos cranianos que os recobrem: frontal. dirige-se para diante a para baixo. na superfície lateral. Estás funções serão realizadas pelo córtex motor que está localizado no giro pré-central e pelas áreas pré-motoras com localização adjacente ao córtex motor. Para integrar as funções dos dois hemisférios. aproximadamente no meio de sua borda dorsal e a partir deste ponto.1 Lobos do córtex cerebral A divisão em lobos. separando os lobos frontal e parietal.É uma sulco profundo e geralmente contínuo. Estas regiões. não correspondem a uma divisão funcional.7. que percorre obliquamente a face súpero-lateral do hemisfério. incluindo a audição. O lobo temporal. é separado dos lobos parietal e temporal por uma linha que liga a incisura préoccipital. O lobo occipital. embora de grande importância clínica. não apenas para regular as ações mecânicas simples dos movimentos. As funções dos diversos lobos são excepcionalmente diferente. Inicia-se na face medial do hemisfério. que coletivamente são denominadas córtex associativo pré-frontal.2. é importante em funções cognitivas e nas emoções.2. importante em várias funções sensoriais. O corpo caloso também pode ser visto na superfície medial do hemisfério. um anterior. É ladeado por dois giros paralelos. é separado dos lobos frontal e parietal pelo sulco lateral. axônios dessa estrutura atravessam-na em cada uma 38 . Na superfície lateral.2 Lobo frontal É essencial para comportamento motor. occipital e temporal. como também são as funções de cada giro dentro dos lobos. e outro posterior.

localizada na superfície lateral do hemisfério. auxiliando na percepção e localização de sons. bem como da memória e o das emoções.7. permitindo-nos perceber o tamanho e a forma de objetos manuseados.2. A região restante do lobo parietal.7. 4. ambas localizadas na superfície ventral do lobo frontal. localizado no giro temporal superior. 4.2. age com áreas vizinhas. O córtex visual está localizado tanto nas paredes quanto nas profundidades do sulco calcarino na superfície medial do hemisfério. Na superfície medial do hemisfério. localizadas na profundidade do sulco temporal e do giro temporal médio. que está localizado no giro pós-central. escondida pelo tronco cerebral e pelo cerebelo. O orgão sensorial do olfato. O lobo parietal inferior está envolvido na integração de diversas informações sensoriais relacionadas a fala e a percepção. O córtex auditivo. O sulco parieto-occipital separa os lobos occipital e parietal e encontra em ângulo agudo o sulco calcarino. estando envolvido na percepção visual.5 Lobo temporal Participa de uma variedade de funções sensoriais.4 Lobo occipital É o mais simples quanto à função. denominada área de Wernicke. O lóbulo parietal superior é fundamental para auto-imagem completa e serve de intermédio para interações comportamentais com o mundo que nos cerca. Essas funções são desempenhadas pelo córtex sensorial somático.7. mas também integra nossas experiências sensoriais provenientes da pele. corpo e esplênio. músculos e articulações.3 Lobo parietal Não desempenha apenas um papel excepcional na percepção do tato. são importantes no processamento de informações olfatórias. está localizada no giro 39 .de suas partes fundamentais: rostro. dor e posição dos membros. O sulco calcarino inicia-se a baixo do esplênio do corpo caloso e tem um trajeto arqueado em direção ao pólo occipital. Regiões dos giros orbitais e do prosencéfalo basal. consiste dos lóbulos superior e inferior. Nos lábios do sulco calcarino localiza-se o centro cortical da visão. que são separados pelo sulco intra-parietal. joelho. o bulbo olfatório. 4.2. está uma parte do lobo occipital. Um centro cortical importante para o reconhecimento da palavra. está localizado na superfícia inferior do lobo frontal.

As emoções são mediadas pelo córtex loacalizada no pólo temporal. as fissuras do cerebelo. quando vistas em cortes sagitais. importante para articulação da palavra. contribuindo para a formação do tecto do IV ventrículo.8. distingue-se no cerebelo uma porção ímpar e mediana. ligada a duas grandes maças laterais. emboliforme. Anatomicamente. que delimitam lóbulos. cada um deles podendo conter várias folhas. onde dois sulcos bem evidentes. que delimitam laminas finas denominadas folhas do cerebelo. o Vérmis. A superfície do cerebelo apresenta sulcos de direção predominantemente transversais.temporal superior. Liga-se à medula e ao bulbo pelo pedúnculo cerebelar inferior e à ponte e mesencéfalo pelos pedúnculos cerebelares médio e superior. Repousa sobre a fossa cerebelar do osso occipital e estar separado do lobo occipital do cérebro por uma prega da dura-máter chamada tenda do cerebelo. que dão também uma idéia de sua organização interna. Essa disposição visível na superfície do cerebelo. recebem o nome de árvore da vida.2. globoso e fastigial. deriva da parte dorsal do metencéfalo e fica situado dorsalmente ao bulbo e a ponte. O giro temporal inferior serve para percepção de formas visuais e da cor. corpo medular do cerebelo. respectivamente. juntamente com porções adjacentes de parte medial do lobo temporal e as regiões inferior e medial do lobo frontal. denominada área de Broca. que são os núcleos centrais do cerebelo: dentiado. O Vérnis é pouco separado dos hemisférios na face superior do cerebelo. revestidas externamente por uma fina camada de substância cinzenta. Existem também sulcos mais pronunciados. de onde irradiam as lâminas brancas do cerebelo. Esta área está conectada com a área frontal da línguagem. juntamente com porções adjacentes de parte medial do lobo temporal. O corpo medular do cerebelo com as lâminas brancas que dele irradiam. o córtex cerebelar. é especialmente evidente em secções do órgão. O cerebelo é constituído de um centro de substância branca. o que não ocorre na face anterior. 4. No interior do corpo medular existem 4 pares de núcleos de substâncias cinzenta. os hemisférios cerebelares.1 Anatomia Macroscópicas do Cerebelo Órgão do sistema nervoso supra-segmentar. 40 .

as paredes laterais do III ventrículo são expostas amplamente. epitálamo e subtálamo. Quando o cerebro é seccionado nno plano sagital mediano.2. É conveniente que estudo de cada uma dessas partes seja presseguido de uma descrição do terceiro ventrículo. O fólium consiste apenas uma folha de vérmis. mesmo macroscopicamente.1 III ventrículo A cavidade do diencéfalo é uma estreita fenda ímpar e mediana denominada III ventrículo. projetando-se medialmente sobre a face dorsal do bulbo. que se estende do aqueduto cerebral até o forame interventrícular.2 Anatomia macroscópica do diencéfalo Compreende as seguintes partes: tálamo. pode se acompanhar até o vérmis a fissura horizontal. pelo pedúnculo do flóculo. e o fólium estará diante dela. Os lóbulos recebem denominações diferentes no Vérmis e nos hemisférios. todas em relação com o terceiro ventrículo e forma a região encefálica central. então. Verifica-se. 4. Para encontrá-lo.2. pelos respectivos forames interventrículares. o sulco hipocalamico. Liga-se ao nódulo.2. O estudo dos lóbulos do cerebelo deve ser feito de preferência em peças em que o Vérmis é seccionado sagitalmente. que se comunica com o IV ventrículo pelo aqueduto cerebral e com os ventrículos laterais.Destes. hipotálamo. a existência de uma depressão. pelo menos o núcleo denteado é facilmente identificável. As tonsilas são bem evidentes na face inferior do cerebelo. sendo envolvido pelos hemisférios cerebrais. 4.8. sempre muito evidente. situado logo abaixo do ponto em que o pedúnculo cerebelar médio penetra no cerebelo. 41 .8. lóbulo do vérmis. A língula está quase sempre aderida ao véu medular superior. proximo ao nervo vestíbulo-coclear. o que permite uma identificação mais fácil das fissuras. A divisão do cerebelo em lóbulos não tem nenhum significado funcional e sua importância é apenas topográfica. Um lóbulo importante é flóculo. em secções horizontais do cerebelo.

Saindo de cada lado do epitálamo e percorrendo a parte mais alta das paredes laterais do ventrículo. a lâmina terminal e as partes adjacentes das paredes laterais do III ventrículo pertencem ao telencéfalo. que se localiza acima do sulco hipotalâmico. invaginam-se na luz ventricular. o terceiro na haste da glândula pineal. A parede posterior do ventrículo. fina lâmina de tecido nervoso que une os dois hemisférios e se dispõe entre o quiasma óptico e a comissura anterior. o recesso suprapineal. as estrias medulares do tálamo. a um feixe de fibras nervosas. pois derivam da parte central não invaginada da vesícula telencéfalica do embrião. é formada pelo epitálamo. onde se insere a tela coróide. A luz do III ventrículo se evagina para formar 4 recessos: na região do infundíbulo. impossível de ser identificado nas peças em que o tecyto do III ventrículo tenha sido removido. recesso do infundíbulo. infundibulo. recesso pineal e. os plexos coróides do III ventrículo. A comissura anterior. pertencentes ao hipotálamo. A partir da tela coróide. que forma o tecto do III ventrículo. recesso óptico. dispõem-se de diante para trás as seguintes formações: quiasma óptico. que se dispõe em duas linhas paralelas e são contínuos através dos respectivos forames interventriculares com os plexos coróides dos ventrículos laterais. tubercinério e corpos mamilares. muito pequena. acima do corpo pineal. outro acima do quiasma óptico. este último.No assoalho do III ventrículo. finalmente. A parede anterior do III ventrículo é formada pela lâmina terminal. 42 .

o lateral. apresenta uma grande eminência. A extremidade anterior de cada tálamo apresenta uma eminência.2. revestido de epitélio ependimário. que participa na delimitação do forame interventricular. A face inferior do tálamo. na porção látero-dorsal do diencéfalo.2.2. além das seguintes informações do assoalho do III ventrículo. relacionadas principalmente com o controle da atividade funcional. 4. A fissura transversa é ocupada por um fundo de saco da pia-máter. que forma o tecto do III ventrículo. Esta tela coróide se insere que marcam o limite entre a face superior e a face medial do tálamo. O hipotálamo compreende estruturas situadas nas paredes laterais do III ventrículo. abaixo do sulco hipotalamico.8. visíveis na base do cérebro. A extremidade posterior consideravelmente maior que a anterior. e ambos são considerados por alguns autores como constituindo uma divisão do diencéfalo denominado metatálamo.4.2. o pulvinar que se projeta sobre os corpos geniculados lateral e medial. de forma ovóide.2 Tálamo Os tálamos são duas maças volumosas de substância cinzenta. por conseguinte.2. com importantes funções. da via óptica. formações telencefálicas. sendo. cujo o tecto é constituido pelo fórnix e pelo corpo caloso.3 Hipotálamo É uma área relativamente pequena do diencéfalo. dispostas uma de cada lado.8. o assoalho da fissura transversa do cérebro. cuja o folheto inferior recobre a parte medial da face superior do tálamo e entra na constituição da tela coróide. a porção medial constitui juntamente com o tecto do III ventrículo. situada abaixo do tálamo.8. compacto feixe de fibras que ligam o córtex cerebral a centros nervosos subcorticais.2. 4. A porção lateral da face superior do tálamo faz parte do assoalho do ventrículo lateral. O corpo geniculado medial faz parte da via auditiva. A face lateral do tálamo é separada do telencéfalo pela capsula interna. continua com o hipotálamo e o subtálamo.4 Corpos mamilares 43 . o tubérculo anterior do tálamo.

2. Em geral. a comissura posterior e a comissura das habênulas.8. mediana. acima do sulco hipotalamico. 4. ou epífise. quando os encéfalos são retirados do crânio. permanecendo com a hipófise na cela túrcica na base do crânio.6 Infundíbulo É uma formação nervosa em forma de funil que se prende ao túber cinéreo. A comissura posterior situa-se no ponto em que o aqueduto cerebral se liga ao III ventrículo e é considerada como limite entre o mesencéfalo e o diencéfalo. A comissura das 44 .2. ímpar e mediana. No túber cinéreo prende-se a hipófise por meio do infundíbulo. já na transição com o mesencéfalo.5 Túber cinéreo Ë uma área ligeiramente cinzenta.7 Epitálamo Limita posteriormente o III ventrículo. o infundíbulo se rompe. 4. depois de contornar os pedúnculos cerebrais. que aí cruzam em parte e continuam nos tractos ópticos que se dirigem aos corpos geniculares laterais. que repousa sobre o tecto mesencefálico. enquanto sua extremidade inferior continua com o processo infundibular. 4.8.2. entre estes e os corpos mamilares.8. 4.2.2. Seu elemento mais evidente é a glândula pineal.2. glândula endócrina de forma piriforme.2.8. II par craniano. A base do corpo pineal prende-se anteriormente a dois feixes transversais de fibras que cruzam o plano mediano. Recebe as fibras mielínicas dos nervos ópticos. contendo um pequeno prolongamento da cavidade ventricular. situada atrás do quiasma e dos tractos ópticos.São duas eminências arredondadas de substância cinzenta evidente na parte anterior da fossa interpendular.5 Quiasma óptico Localiza-se na parte anterior do assoalho ventricular. Na extremidade superior do infundíbulo dilata-se para constituir a eminência mediana do túber cinéreo. o recesso do infundíbulo. o lobo nervoso da neuro-hipófise. o recesso pineal.2. entre as quais penetram na glândula pinel num pequeno prolongamento da cavidade ventricular.

situado cranialmente. 10 fazem conecção no tronco encefálico. É de dificil visualização das peças de rotina. A tela coróide do III ventrículo insere-se. mas a transição é gradual. no foramem magno. então. pois não se relaciona com as paredes do III ventrículo.habênulas interpõe-se entre duas pequenas eminências triangulares. situando-se ventralmente ao cerebelo. por sua vez. Na sua constituição entrão corpos de neurônios que se agrupam em núcleos e em fibras nervosas. podendo ser observada em cortes frontais do cérebro. o limite superior do bulbo se faz em um sulco horizontal visível no contorno ventral do órgão. o tecto do III ventrículo. 4.2.8. situado caudalmente.8 Subtálamo Compreende a zona de transição entre o diencéfalo e o tegmento do mesencéfalo. continua anteriormente. lateralmente. A fissura mediana anterior termina 45 .2. O elemento mais evidente do subtálamo é o núcleo subtalamico. que corresponde a margem inferior da ponte. os trígonos da habênula.2.3 Anatomia macroscópica do tronco encefálico O tronco encefálico interpõe-se entre a medula e o diencéfalo.8. O tronco encefálico se divide em: Bulbo.3. o sulco bulbo-pontino. Os 12 pares de nervos cranianos. de cada lado. assim. e pontesituado entre ambos.8.1 Bulbo O bulbo raquídeo ou medula oblonga tem a forma de um tronco de cone cuja a extremidade menor continua caudalmente com a medula espinhal. sendo limitado lateralmente pela capsula interna e medialmente pelo hipotálamo. com as estrias medulares do tálamo. Muitos dos núcleos do tronco encefálico recebem ou emitem fibras nervosas que entram na constituição dos nervos cranianos. Verifica-se. mesencéfalo. Estes elementos da estrutura interna do tronco encefálico podem estar relacionados com relevos e depressões de sua superfície.2. 4. se agrupam em feixes denominados tractos. situados entre a glândula pineal e o tálamo. que. nas estrias medulares do tálamo e. posteriormente. que ele se localiza abaixo do tálamo. na comissura das habênulas. fechando. 4. fascículos ou lemniscos.

o arqueduto cerebral. pertencentes ao diencéfalo. XII e XIII pares cranianos. o pedúnculo cerebelar médio. e outra 46 . se divide em uma parte dorsal. A cavidade do bulbo forma a parte inferior do IV ventrículo. Percorrendo logitudinalmente a superfície ventral da ponte.2 Ponte É a parte do tronco encefálico interposta entre o bulbo e o mesencéfalo. O bulbo contém os centros cardiovascular e respiratórios para o controle automáticos dos batimentos cardíacos e da respiração. 4. respectivamente. de onde emerge de cada lado a partir da linha mediana o XI. A parte do mesencéfalo situado dorsalmente ao arqueduto é o tecto do mesencéfalo.3. apresenta estriação transversal em virtude da presença de numerosos feixes de fibras transversais que a percorrem.8. que une o III ao IV ventrículo. predominantemente celular. Esta emergência se faz por duas raízes. ventralmente temos os dois pedúnculos cerebrais. 4. que geralmente aloja a artéria basilar. Está situada ventralmente ao cerebelo e repousa sobre a parte basilar do osso occipital e o dorso da sela túrcica do esfenóide.cranialmente em uma depressão denominada foramem cego. ou raiz motora do nervo trigêmio. É atravessado por um estreito canal.3.2. à comissura posterior. que. sulco basilar. do qual é separada por um plano que liga os corpos mamilares. o tegmento. uma maior.8. Estas fibras transversais convergem de cada lado para formar um volumoso feixe. As características marcantes de sua face ventral são as pirâmides alongadas que contém os tractos córticos espinhais proveniente do córtex cerebral. ou raiz sensitiva do nervo trigêmio. que penetra no hemisfério cerebelar correspondente. situada ventralmente. e outra menor. existe um sulco. A parte ventral da ponte é separada do bulbo pelo sulco bulbo-pontino.3 Mesencéfalo O mesencéfalo interpõe-se entre a ponte e o cérebro. por sua vez. A parte dorsal da ponte não apresenta linha de demarcação com a parte dorsal da porção aberta do bulbo. contituindo ambas a porção do IV ventrículo. Considera-se como limite entre a ponte e o braço da ponte o ponto de emergência do nervo trigêmio.2. Sua base.

situado em níveis cervical e lombar. A medula termina afilando-se para formar um cone. sulco medial do pedúnculo cerebral.8. A formação dessas intumescências se deve à maior quantidade de neurônios e de fibras nervosas que entram e saem dessas áreas e que são necessárias para inervação dos membros superiores e inferiores. destinados a inervação dos nervos superiores e inferiores. respectivamente. 4. Em uma secção transversal do mesencéfalo vê-se que o tegmento é separado da base por uma área escura. mede aproximadamente 45 cm. respectivamente. formada de fibras longitudinais.ventral. que continua com um delgado filamento meníngeo. Do sulco medial emerge um nervo oculomotor. sulco lateral anterior e sulco lateral posterior. Estas intumescência correspondem às áreas em que fazem conexão com a medula as grossas raízes nervosas que formam os plexos braquial e lombosacral. e outro medial. O limite caudal da medula tem importância clínica e no adulto situa-se na 2ª vértebra lombar (L2). No homem adulto. III par craniano. a base do pedúnculo. Assim medula espinhal significa dentro do canal vertebral. A medula espinhal é uma maça cilindróide de tecido nervoso dentro do canal vertebral. sendo um pouco menor na mulher. A medula apresenta forma aproximadamente cilindrica. fissura mediana anterior. formada por neurônios que contém melanina. Cranialmente a medula delimita-se com o bulbo. Seu calibre não é uniforme. que percorrem toda extensão: sulco mediano posterior. o filamento terminal. medula significa miolo e indica o que está dentro. aproximadamente a nível do forame magno do osso occipital. sulco lateral do mesencéfalo. Correspondendo à substância negra na superfícia do mesencéfalo. pois apresenta duas dilatações denominadas intumescência cervical e intumescência lombar. o cone medular.2. Estes sulcos marcam na superfície o limite entre a base e tegmento do pedúnculo cerebral. Na medula cervical existe ainda o sulco 47 . sem ocupá-lo completamente. existem dois sulcos longitudinais: um lateral.4 Anatomia macroscópica da medula espinhal Etimologicamente. A superfície da medula apresenta o seguintes sulcos longitudinais. sendo ligeiramente achatada no sentido ántero-posterior. a substância negra.

4.intermédio posterior. respectivamente as raízes ventral e dorsal dos nervos espinhais. que se unem para formar. não é completa. por sua vez. este último ligado à substância cinzenta pelo septo mediano posterior. uma 48 . que sobem e descem da medula e que pode ser agrupadas de cada lado em 3 funículos.8.2. 4. A substância branca é formada por fibras. situado entre mediano posterior e o lateral posterior e que continua em um septo intermédio posterior no interior do funículo posterior. fazem conexão pequenos filamentos nervosos denominados filamentos radiculares.8. a saber: 4. o funículo posterior é dividido pelo sulco intermédio posterior em fascículo Grácil e fascículo Cuneiforme. ocorrendo a união em um ponto situado distalmente ao ângulo espinhal que existe na raiz dorsal. Na parte cervical da medula.2.9 Conexões com os nervos espinhais Nos sulcos lateral anterior e lateral posterior. resquício da luz do tubo neural do embrião. que. 4. A coluna lateral só aparece na medula torácica e parte da medula lombar.2 Funículo posterior Situado entre o sulco lateral posterior e mediano posterior. No centro da substância cinzenta localiza-se o canal central da medula.4. se unem para formar os nervos espinhais. respectivamente. As duas raízes. Nela distinguimos de cada lado 3 colunas que aparecem nos cortes como cornos e que são as colunas anterior.4. as raízes ventrais e dorsais dos nervos espinhais.1Funículo anterior Situado entre a fissura mediana anterior e o sulco lateral anterior. a maioria delas mielínicas. Nos sulcos lateral anterior e lateral posterior fazem conexão. posterior e lateral. Na medula.8. entretanto.2.2.2 Funículo lateral Situado entre os sulcos lateral anterior e lateral posterior 4. a substância cinzenta se localiza por dentro da branca e apresenta forma de uma borboleta ou de um H. A conexão com os nervos espinhais marca a conexão da medula.

5 lombares. contendo vasos e nervos.2. entre ela e o osso occipital. não existe no encéfalo um espaço epidural como na medula. dos quais apenas o interno continua com a dura-máter espinhal. A dura-máter. portanto.10 Meninges O S. A dura-máter ao contrário das outra meníngeas. ramo da artéria maxilar. Em virtude da aderência da dura-máter aos ossos do crânio.2. O folheto externo adere intimamente aos ossos do crânio e comporta-se como periósteo desses ossos. sempre abaixo da vértebra correspondente. Considera-se segmento medular de um determinado nervo a parte da medula onde fazem conexão com os filamentos radiculares que entram na composição deste nervo. formada por tecido conjuntivo muito rico em fibras colágenas.vez que não existe septos ou sulcos transversais separando um segmento do outro. é envolvido por membranas conjuntivas denominadas meninges e são classicamente três: dura-máter. Existem 8 pares de nervos cervicais. o mesmo acontecendo com os nervos espinhais abaixo de C8. pois a formação de um calo ósseo na superfície interna dos ossos do crânio podem constituir grave fator de irritação do sistema nervoso.1 Dura-máter A meninge mais superfícial é a dura-máter. A duramáter do encéfalo difere da dura-máter espinhal por ser formada por 2 folhetos. que emerge. é muito vascularizado. externo e interno. de cada lado. aracnóide e pia-máter. 5 sacrais e 1 coccígeo. 49 . espessa e resistente. é ricamente inervada. 4. mas somente 7 vértebras. toda a sensibilidade intracraniana se localiza na dura-máter. responsável pela maioria das dores de cabeça.N. Como o encéfalo não possue terminações nervosas sensitivas. O primeiro par cervical (C1) emerge acima da primeira vértebra cervical.10. Existe 31 pares de nervos espinhais aos quais correspondem 31 segmentos medulares assim distribuído: 8 cervicais. o que é muito importante. 12 torácicos. No encéfalo. Já o oitavo par (C8) emerge a baixo da sétima vértebra. e em particular seu folheto externo.C. 4. a principal artéria que irriga a dura-máter é a artéria meníngea média.

11. 4. tem uma forma de meia lua.2 Seio sagital superior Corre na margem fixa da foice do cérebro. o folheto interno da dura-máter destaca-se do externo para formar pregas que dividem a cavidade craniana em compartimentos que se comunicam amplamente.2 Tenda do cerebelo É uma expansão transversal no espaço entre o cérebro e o cerebelo 4. pela fissura inter-hemisféricas. 4.Pregas da dura-máter do encéfalo Em algumas áreas.11 As principais pregas são as seguintes: 4. As veias encefálicas drenam para os seios venosos que drenam para veias jugulares internas. O fluxo da corrente no seio 50 . tendo sua borda livre voltada para a fissura inter-hemisférica. 4.2. Dividimos o seio em: 4.2.12.11.2.11.11.12. 4.1 Seios da calota 4.3 Foice do cerebelo Pequeno septo vertical mediano.4 Tenda da hipófise Expansão da dura-máter que protege a hipófise.2.2.12 Seios venosos da dura-máter São os espaços entre as duas lâminas da dura-máter que funcionam como coletores de seios venosos.2.2.1 Foice do cérebro É a expansão da dura-máter que penetra entre os dois hemisférios cerebrais.2. situado abaixo da tenda do cerebelo entre os dois hemisférios cerebelares.

levando sangue para confluência dos seios próximo à crista occipital interna. 4. Este seio é uma cavidade bastante grande e irregular.12.12. e pelas laterais desse osso passam os seios cavernosos. o tubo escavado em cima (cela turca).2. levando sangue para a confluência dos seios.6 Seios da base 4. fazendo uma curvatura.12.3 Seio sagital inferior Corre na margem livre da foice do cérebro passando por cima da tenda do cerebelo.2. Este seio desce até a veia jugular interna.12.5 Seios transversos O sangue é esvaziado da confluência dos seios pelos seios transversos direito e esquerdo que correm pela margem da tenda do cerebelo que está fixada ao osso.2. 4. que recebe o sangue das veias oftálmicas superior e central da retina. Seio sigmóide – quando o seio transverso começa a descer.sagital vai da frente para trás.7 Seios cavernosos Bem no centro do crânio.2. este seio se encontra com a veia de Galeno. 4.12. ele passa a se chamar seio sigmóide.2. No ponto onde a foice do cérebro começa a se inserir na tenda do cerebelo.4 Seio reto Formado pela fusão da veia de galeno com o seio sagital inferior. 4. encontramos o corpo do osso esfenóide. corre pela borda da foice inserida na tenda do cerebelo. 51 .

sem estar colada a esta. 4. Essas franjas lembram um aspecto de patas de aranhas. ponte – atrás 52 . logo existe um espaço virtual entre ela e a dura-máter preenchido por líquido tissular. O seio petroso inferior drena para o seio sigmóide. Ela emite franjas para se prender tanto na dura-máter como na pia-máter.9 Seio esfenoidal Percorre a face interior da pequena asa do esfenóide e desemboca no seio cavernoso.12. bulbo debaixo da cerebelo. encontramos os seios intercavernosos anterior e posterior.8 Seios intercavernosos Ligando os seios cavernosos.14 Pia-máter Ë a membrana mais fina e segue colocada ao tecido nervoso. em determinados trechos.2. ele pode estar estreitados ou dilatado formando cisternas. 4.4. 4.2. Não é uniforme.13 Aracnóide É uma membrana delgada que é ajustada por dentro da dura-máter. Eles se unem antes de penetrar no forame jugular do osso occipital. Entre a piamáter e a aracnóide.10 Seios petrosos O seio cavernoso drena para os seios petrosos superior e inferior. Esse espaço contém o líquido céfalorraquidiano.12.2. 4.2.12.2. daí o seu nome aracnóide. dentre as quais citam-se: Cisterna Cisterna Cisterna Lombar magna – dilatação – dilatação Pontina entre atrás o do fim da medula e e o saco do dural. existe um espaço real chamado subaracnóide. O sei petroso inferior drena direto na veia jugular interna que se inicia depois do forame jugular.

muitos trocam características anatômicas semelhantes.geocities. formando coxin líquido entre este e o estojo ósseo.com 4. Desse modo. Cada neurônio possui apenas um axônio. A parte onde o axônio se une a célula do corpo é chamada de Cone de Implantação. Basicamente o neurônio é composto por um corpo celular ou pericário. o líquor constitui um eficiente mecanismo amortecedor do choque que frequentemente atingem o sistema nervoso central. mas contém em grande quantidade retículo endoplasmático rugoso. Embora os neurônios exibam uma vasta variedade estrutural.. No neurônio isto é chamado de "Corpúsculo de Nissl". o neurônio.C. parte que tem por característica carregar o impulso nervoso do núcleo para longe. O axônio contém microtúbulos.N. particularmente uma alta taxa de incorporação de aminoácidos e de síntese de proteínas. As porções laterais dos axônios são 53 . que envolve todo o sistema nervoso central. Cisterna cerebral – atrás do mesencéfalo. e sua concentração indica a capacidade de grande taxa metabólica. A função primordial do líquor é de proteção mecânica do S. o que reduz o risco de traumatismo do encéfalo resultante do contato com os ossos do crânio. Por outro lado. Liquido céfalorraquidiano ou líquor É um fluido aquoso e incolor que ocupa o espaço subaracnóideo e as cavidades ventriculares.Cisterna Quiasmática – próximo ao quiasma óptico. Fonte: www. A célula do pericário contém o núcleo e as mesmas organelas encontradas nas outras células. este fica totalmente submerso em líquido. axônio e dentritos.3 MORFOLOGIA DOS NEURÔNIOS A unidade fundamental do sistema nervoso é a célula nervosa. em virtude da disposição do espaço subaracnóideo. microfilamentos e um pouco de mitocôndrias.

os astrócitos. distintos quanto à morfologia. e tanto as suas extremidades quanto a do axônio terminam em Placas Motoras.com/sistema-nervoso/neuronios 4. as quais transimitirão os estímulos às fibras musculares estriadas. a origem embrionária e às funções que exercem. 54 .3. proteger. A sua estrutura interna é similar ao corpo celular. entre elas. o que apresenta somente um dentrito é chamado bipolar e o que apresenta mais de dois multipolar. isolar e nutrir os neurônios. Distinguem-se. Fonte:http://www. Um neurônio sem dentritos é chamado unipolar. e possui Corpúsculos de Nissl em sua porção inicial.infoescola. Há diversos tipos celulares.1 MORFOLOGIA DA NEUROGLIA As células da neuróglia cumprem a função de sustentar. Têm formas estreladas e prolongações que envolvem as diferentes estruturas do tecido. oligodendrocitos e micróglia.chamadas de colaterais.

regulam a concentração de diversas substâncias com potencial para interferir nas funções neuronais normais (como por exemplo as concentrações extracelulares de potássio). No SNC. Devem exercer papéis importantes na manutenção dos neurônios. Um único oligodendrócito contribui para a formação de mielina de vários neurônios (no sistema nervoso periférico. análogas aos macrófagos e que participam da defesa do sistema nervoso. uma vez que. A micróglia é constituída por células fagocitárias.Fonte: http://www. Os oligodendrócitos são encontrados apenas no sistema nervoso central (SNC). Preenchem os espaços entre os neurônios. regulam os neurotransmissores (restringem a difusão de neurotransmissores liberados e possuem proteínas especiais em suas membranas que removem os neurotransmissores da fenda sináptica). os neurônios não sobrevivem em meio de cultura. 55 . que fatores de crescimento produzidos pelos astrócitos podem ser críticos na regeneração dos tecidos cerebrais ou espinhais danificados por traumas ou enfermidades. são as células responsáveis pela formação da bainha de mielina.com/sistema-nervoso/neuronios/ Os astrócitos são as maiores células da neuróglia e estão associados à sustentação e à nutrição dos neurônios. Estudos recentes também sugerem que podem ativar a maturação e a proliferação de células-tronco nervosas adultas e ainda. cada célula de Schwann mieliniza apenas um único axônio).infoescola. sem eles.

56 .4 Vias aferentes e eferentes As vias aferentes são vias sensitivas e sensoriais. cardíaco ou glândula. por sua vez.Fonte: http://www. geram impulsos. centrípetas.com/sistema-nervoso/neuronios/ 4. As últimas vão ligar o sistema suprasegmentar a músculos liso.1 Sistema Endócrino O sistema endócrino é constituído por um grupo de órgãos (algumas vezes referidos como glândulas de secreção interna) cuja função principal é produzir e secretar hormônios diretamente no interior da corrente sangüínea. e esses impulsos irão estimular a contração muscular. dividem-se em somáticas e viscerais. Este trabalho vai se limitar às grandes vias eferentes que. e fornecem todos os tipos de informações aos centros receptores. através dos tractos retículoespinhal e hipotálamo-espinhal. As vias eferentes são centrífugas a partir dos centros efetores.infoescola.br/taneutecnervnl.unicamp. Os hormônios atuam como mensageiros para coordenar atividades de várias partes do corpo.html 5. que nascem na periferia. Fonte: http://anatpat.

as paratireóides.1.1 Hipotálamo O hipotálamo é a região do encéfalo (diencéfalo) de vertebrados relativamente pequenos. o equilíbrio das funções internas corporais em ajustamento ao ambiente. a ocitocina (OCT) e o hormônio antidiurético (ADH) que são transportados para a neuro hipófise onde são armazenados. Entre as suas funções. sensação de 57 . os ovários. os testículos. isto é. dentre outras.com/11_23endo.1 Glândulas Endócrinas As glândulas endócrinas incluem a tireóide. as supra-renais. Conforme mostra a figura abaixo: Fontes:http://www. além de liberar fatores que regulam a atividade da adenoipófise.5.webciencia.htm Alguns dos principais órgãos produtores de hormônios: 5.1. principalmente por meio da coordenação entre o sistema nervoso e o sistema endócrino. cuja função é manter a homeostase. O hipotálamo também produz dois hormônios. a hipófise e o hipotálamo.1. localizado sobre o tálamo. auxilia na regulação da temperatura corporal. o pâncreas.

produzidos pela hipófise são denominados trópicos (ou tróficos) porque atuam sobre outras glândulas endócrinas. predispondo ao diabetes). comandando a secreção de outros hormônios. 58 .fome (regulação do apetite). em uma cavidade do osso esfenóide chamada tela túrcica.1.2 Hipófise Situa-se na base do encéfalo. Adrenocorticotrópicos: atuam sobre o córtex da glândula endócrina adrenal (supra-renal).br/endocrino/endocrino1.afh.asp 5.1. A figura abaixo mostra o hipotálamo e a hipófise: Fonte:http://www. estresse emocional e comportamento sexual (estímulo de raiva e prazer) e indutor dos ritmos biológicos (ciclos circadianos). Também aumenta a utilização de gorduras e inibe a captação de glicose plasmática pelas células. Gonadotrópicos: atuam sobre as gônadas masculinas e femininas. promovendo o alongamento dos ossos e estimulando a síntese de proteínas e o desenvolvimento da massa muscular. sede (regulador do teor hídrico). Além de exercerem efeitos sobre órgãos não-endócrinos. São eles: Tireotrópicos atuam sobre a glândula endócrina tireóide. aumentando a concentração de glicose no sangue (inibe a produção de insulina pelo pâncreas. alguns hormônios. Somatotrófico: atua no crescimento.bio. Nos seres humanos tem o tamanho aproximado de um grão de ervilha e possui duas partes: o lobo anterior (ou Adeno-hipofise) e o lobo posterior (ou neurohipófise).

cirurgiaendocrina.google. É uma glândula localizada na parte anterior do pescoço e produz os hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tirosina) que atuam em todo o nosso organismo. Secreta o paratormônio. na coagulação sangüínea e na excitabilidade das células nervosas. o cálcio é importante na contração muscular.br 5. Fonte:http://www. Neste contexto.cirurgiaendocrina.1. aumentando a concentração de cálcio no sangue. que estimula a remoção de cálcio da matriz óssea (o qual passa para o plasma sangüíneo).com.4 Glândulas Paratireóides São pequenas glândulas.3 Glândula Tireóide A tireó ide é uma importante glândula do nosso organismo e produz hormônios que tem como uma das suas principais funções regular o metabolismo.1. localizadas na região posterior da tireóide. digestão e o metabolismo.html 59 .1.br/imgres?Imgurl=http://www.5.com. Quando a tireóide não está funcionando adequadamente pode liberar hormônios em excesso (hipertireoidismo) ou em quantidade insuficiente (hipotireoidismo).br/paranatomia. a absorção de cálcio dos alimentos pelo intestino e a reabsorção de cálcio pelos túbulos renais.1. Imagem da tireóide abaixo: Fonte:http://www. geralmente em número de quatro. regulando o crescimento.com.

1. tais como emoções fortes. Quando o organismo fica muitas horas sem se alimentar. mandando-o para dentro das células ou do fígado. lipídios.Renais Em cada glândula supra-renal há duas partes distintas.Os vários hormônios produzidos pelo córtex . o córtex e a medula. sais e águas. quando a taxa de açúcar sobe no sangue. Isso ocorre. tontura. o pâncreas produz também o suco pancreático.6 Pâncreas O pâncreas produz dois hormônios importantes na regulação da taxa de glicose (açúcar) no sangue: a insulina e o glucagon.controlam o metabolismo do sódio e do potássio e o aproveitamento dos açúcares. choque entre outros. Já o glucagon funciona de maneira oposta à insulina.com/wikipedia/pt. doença caracterizada pelo excesso de glicose no sangue (hiperglicemia).as corticosteronas . A medula produz adrenalina (epinefrina) e noradrenalina (norepinefrina). "stress". que é lançado 60 . Cada parte tem função diferente.php?title=Gl%C3%A2nd ula_supra-renal 5. A insulina facilita a entrada da glicose nas células (onde ela será utilizada para a produção de energia) e o armazenamento no fígado. Além de hormônios. a taxa de açúcar no sangue cai muito e a pessoa pode ter hipoglicemia.1. na forma de glicogênio. Esses hormônios são importantes na ativação dos mecanismos de defesa do organismo diante de condições de emergência. podendo até desmaiar.1.wikipedia.5 Glândulas Supra. preparam o organismo para a fuga ou luta. Ela retira o excesso de glicose do sangue. Fonte:http://www.territorioscuola. que dá a sensação de fraqueza. A falta ou a baixa produção de insulina provoca o diabetes. entre outras funções.5.1. logo após as refeições.

8 Testículo O testículo é a gônada sexual masculina dos animais sexuados produzindo as células de fecundação chamadas de espermatozóides (os gâmetas masculinos). localizada acima do teto do diencéfalo. o hormônio melatonina. sendo conectada com os olhos através de nervos. mede aproximadamente 5 por 8 mm. ao qual se une por um pedúnculo.wikipedia. A glândula pineal fica localizada no centro do cérebro. Fonte:http://pt. despertaram um grande interesse público nesta última década em função da descoberta do papel da melatonina na regulação do sono e do ritmo biológico [ritmo circadiano] em humanos.1.1.br/doencas.doencasendocrinas.org/wiki/Ficheiro:Illu_pancrease_portugu%C3%AAs.jpg 5.7 GLÂNDULA PINEAL Também chamada de corpo pineal ou epífise. Fonte:http://www. é uma glândula cônica e achatada.com.htm 5. Localização da glândula pineal. No homem adulto.1.1.no intestino delgado e desempenha um papel muito importante no processo digestivo. As pesquisas recentes sobre as funções da glândula pineal e de seu principal produto. 61 .

1.portalsaofrancisco. Normalmente a mulher possui dois ovários.afh.php http://www. são ligados pelas trompas de Falópio. e estes. ou linfóide). pertencente ao sistema reprodutor feminino. contribuem com o desenvolvimento das características específicas do sexo feminino. junto com a hipófise. Ele é grande no bebê recém-nascido. em especial a testosterona.afh.Sua função é homóloga a dos ovários das fêmeas.com.bio. um de cada lado do útero.9Timo O timo é uma glândula necessária no início da vida para o desenvolvimento adequado do sistema de defesa do organismo (sistema imune.asp http://www. incluindo os seres humanos. Fonte: http://www. 5.com.php 62 . além disso.bio.8 Ovário O ovário é um órgão. e atinge seu tamanho máximo durante a puberdade. Entre os túbulos seminíferos encontra-se um tecido intersticial.sobiologia. Os hormônios andrógenos desenvolvem e mantém os caracteres sexuais masculinos. 5.br/endocrino/endocrino1. onde se dá a formação dos hormônios andrógenos (hormônios sexuais masculinos).1. presente somente nas fêmeas. São neste órgão que são produzidas as células reprodutivas ou óvulos. hormônios importantes para a maturação da resposta imunológica.1.br/alfa/corpo-humano-sistema-endocrino/sistemaendocrino-1. constituído principalmente pelas células de Leydig. até praticamente desaparecer na vida adulta.asp http://www. também possui a função de regular a menstruação.br/conteudos/Corpo/sistemaendocrino. Os ovários produzem hormônios sexuais que. mas daí em diante o timo vai sendo progressivamente substituído por gordura.br/endocrino/endocrino1.1. O timo secreta fatores humorais.

O átrio esquerdo recebe o sangue oxigenado por quatro veias pulmonares. O átrio direito recebe sangue rico em óxido de carbono (venoso) por três veias: veia cava superior. e na parte superior o átrio esquerdo. a borda direita é voltada ao pulmão direito. a veia cava inferior recebe sangue das partes inferiores do corpo e o seio coronário recebe o sangue que nutriu o miocárdio. para baixo e para esquerda. na parte esquerda se encontra o ventrículo esquerdo. perto da linha média da cavidade torácica. os ventrículos apenas bombeiam o sangue para fora do coração. Os átrios recebem o sangue. septo interventricular (também uma divisória que separa o ventrículo direito do esquerdo). para cima e para direita é a base (parte mais larga do coração).1. a parte inferior é a parte que repousa sobre o diafragma. septo atrioventricular. Assim como qualquer órgão o coração também tem seus limites. e a borda esquerda para o pulmão esquerdo. Cerca de metade do coração fica a esquerda da linha média do corpo. 6. a outra parte a que se dirige para trás. 63 . enquanto. O sangue do átrio direito para o ventrículo direito através de uma válvula chamada tricúspide. O coração apresenta três septos: septo interatrial (uma fina divisória que separa o átrio direito do esquerdo). Na parte direita se encontra o átrio direito.6. O ápice do coração (extremidade pontuda) é dirigido apenas para frente. veia cava inferior e seio coronário. o sangue do átrio esquerdo passa para o ventrículo esquerdo através da válvula bicúspide. como limite superior encontra-se os grandes vasos do coração.1 Átrios Na parte superior a cada átrio existe uma estrutura enrugada. a parte anterior se encontra a baixo do esterno e das costelas.1 Sistema Cardiovascular O Coração se localiza apoiado sobre o diafragma. na parte inferior se encontra o ventrículo direito. chamada aurícula. A veia cava superior recebe sangue da cabeça e das partes superiores do corpo. O coração possui quatro câmaras: dois átrios e dois ventrículos.

do mesmo modo que apresentam trabéculas carnosas existem as cordas tendíneas (filamentos inseridos em músculos papilares). A valva tricúspide serve para poder impedir que o sangue vindo do átrio direito retorne do ventrículo para o átrio. miocárdio e endocárdio. sístole ventricular. Em seu interior são encontrados vários feixes elevados de fibras musculares cardíacas conhecidas como trabéculas carnosas. O ventrículo esquerdo forma o ápice do coração. Sístole é a fase de contração. A passagem de sangue do átrio esquerde para o ventrículo esquerdo é feita pela valva atrioventricular. também apresentam as trabéculas carnosas e as cordas tendíneas.1.2 Ventrículos O ventrículo direito é o que forma a maior parte da superfície anterior do coração. uma camada fina composta por epitélio pavimentoso simples sobre uma camada de tecido conjuntivo. uma posterior e outra septal. diástole é a fase de relaxamento. temos uma cúspide anterior. A valva atrioventricular esquerda apresenta apenas duas lâminas (cúspide anterior e cúspide posterior).2 Camadas do coração O coração apresenta quatro camadas: pericárdio.6. epicárdio. Concluímos então que o ciclo cardíaco se baseia em: sístole atrial. e quando abertas ocorre a diástole ventricular (um relaxamento nas valvas). As valvas e válvulas têm por objetivo sempre evitar um refluxo do sangue. 6. depois de preenchidos os ventrículos se contraem (sístole ventricular) forçando o sangue para fora. De dentro para fora temos primeiro o endocárdio. que passa pela valva aórtica. cada lâmina é denominada cúspide. e do ventrículo esquerdo o sangue vai para a maior artéria do corpo a aorta ascendente. Assim como o ventrículo direito. Em um ciclo cardíaco normal os átrios se contraem e os ventrículos relaxam ou vice e versa.3 Valvas Cardíacas São duas valvas cardíacas: a diástole e a sístole. 64 . diástole ventricular. A principal função do ventrículo esquerdo é bombear o sangue para o corpo.1. 6. Esta valva apresente três lâminas. Ao coração bater os átrios se contrai (sístole atrial) forçando o sangue para os ventrículos.

com o revestimento interno do pericárdio denominado camada visceral do pericárdio seroso. é uma membrana um pouco mais fina e delicada. volta ao coração pelas veias cavas (Veia cava superior e veia cava inferior). No processo. e do organismo até o átrio direito. O pericárdio seroso mais profundo. A Circulação sistêmica tem início no ventrículo esquerdo e término no átrio direito do coração. introduzindo-se 65 .htm http://www.php 6. uma lâmina delgada de tecido seroso.auladeanatomia. uma membrana que reveste e protege o coração. exceto os pulmões. é também onde o oxigênio é consumido. ele pode ser divido em duas partes: pericárdio fibroso e pericárdio seroso. Fonte: http://www. Depois o epicárdio. pela artéria aorta. é a camada mais espessa do coração. pela veia cava.3 Circulação Sistêmica Circulação sistêmica ou Grande circulação são nomes dados a parte da circulação sanguínea na qual o sangue do ventrículo esquerdo vai para todo o organismo. E por último temos o pericárdio. o sangue arterial já oxigenado na pequena circulação. Temos logo em seguida o miocárdio. o fibroso é um tecido conjuntivo irregular denso. é composta por músculo estriado cardíaco. A mesma se divide para os principais órgãos do nosso corpo. é bombeado pela contração do ventrículo esquerdo para a artéria aorta.br/alfa/corpo-humano-sistemacardiovascular/coracao-6.sua superfície lisa e brilhante ajuda que o sangue corra facilmente por ela. onde o sangue realiza trocas de substâncias com os tecidos. O sangue venoso agora pobre em oxigênio. necessárias para a regulagem do ambiente interno e para manter uma condição estável ao organismo. resistente e nem um pouco elástico. esse é o músculo que permite a contração do coração e impulsione o sangue.com. forma uma dupla camada que circunda o coração.portalsaofrancisco.com/cardiovascular/coracao.

ponto de início da circulação sistêmica. No processo. A aorta. que vão aos membros inferiores. Da croça da aorta originam-se as artérias subclávias que vão aos membros superiores e as artérias carótidas que levam o sangue à cabeça. a aorta sofre uma bifurcação originando as duas artérias ilíacas. Da aorta torácica originam-se as artérias bronquiais. eliminando o gás carbônico de si e tornando-se rico em oxigênio. as artérias do esôfago e as artérias intercostais. depois atravessa o diafragma (músculo que separa o peito do abdômen) e penetra na cavidade abdominal. Resumidamente é uma circulação que vai do coração ao pulmão e retorna novamente para o coração. o sangue pobre em oxigênio e rico em gás carbônico. 66 . 6. Segue verticalmente para baixo. seguindo a coluna vertebral. onde existe a válvula tricúspide. parte do ventrículo esquerdo e forma um grande arco que se dirige para trás e para a esquerda denominado croça da aorta. dirigindo-se para os pulmões. As trocas gasosas que o sangue realiza nos pulmões são chamadas de hematose pulmonar. Chegando ao fim do seu trajeto. A Circulação Pulmonar tem início no ventrículo direito e término no átrio esquerdo do coração. o sangue percorre as arteríolas pulmonares e capilares pulmonares onde realiza as trocas gasosas.no átrio direito. Nos pulmões. entra no ventrículo direito e é bombeado para as artérias pulmonares. que vão aos brônquios e aos pulmões. Do átrio direito o sangue passa para o ventrículo direito através do orifício atrioventricular.4 Circulação Pulmonar Circulação pulmonar ou Pequena circulação são nomes dados a parte da circulação sanguínea na qual o sangue é bombeado para os pulmões e retorna rico em oxigênio de volta o coração. Da aorta se destacam vários ramos que levam o sangue a diversas regiões do organismo.

Esquema das Circulações Sistêmica e Pulmonar Fonte: http://www. A partir daí. o sangue já oxigenado passa pelas vênulas pulmonares.org/wiki/Circula%C3%A7%C3%A3o_pulmonar 67 .wikipedia.htm http://pt.auladeanatomia.Saindo dos pulmões. para as veias pulmonares e retorna ao coração entrando no átrio esquerdo. a circulação pulmonar é constituída por: ventrículo direito – artéria pulmonar – pulmão – veias pulmonares – átrio esquerdo – ventrículo esquerdo. o sangue passa para a artéria aorta dando início à circulação sistêmica ou grande circulação. Resumindo.com/cardiovascular/angiologia.

http://pt.wikipedia.com/sistema-digestorio-humano-resumoimagens. estômago. Fonte:http://www.htm http://pt. submandibulares e sublinguais.org/wiki/Circula%C3%A7%C3%A3o_sist%C3%Amica http://www.reidaverdade. intestino delgado.org/wiki/Homeostase 7. ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. é uma cavidade natural forrada por mucosa onde desembocam os ductos dos três pares de glândulas salivares: as parótidas.auladeanatomia. faringe. e a função das três 68 .1.com/cardiovascular/angiologia. intestino grosso e ânus. esôfago. Apresenta as seguintes regiões: boca.1 Boca Sendo o primeiro órgão do Sistema Digestório.1 Sistema Digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso.html 7. A secreção produzida por cada uma delas tem suas características próprias.wikipedia.

php 7. atua na deglutição. É um órgão situado na linha mediana. um órgão musculoso cujas funções são auxiliar na mastigação. os últimos trituram.2 Esôfago O esôfago é um canal muscular mais estreito do sistema digestório.com.portalsaofrancisco.1. na 69 .br/alfa/corpo-humano-sistemadigestivo/corpo-humano-sistema-digestivo-sistema-digestivo-8. os primeiros cortam. Os dentes distribuem-se nos arcos dentais superior e inferior. Fonte:http://www. Desde a origem até a terminação. a cavidade torácica. O céu da boca é o palato duro e ao fundo encontramos a úvula e a Campânia. O assoalho é preenchido pela língua. lubrificar o túbulo digestivo alto e iniciar a digestão do amido. estende-se da faringe ao estômago. o diafragma e a parte superior da cavidade abdominal. o esôfago atravessa necessariamente a parte inferior do pescoço.forma-se a saliva que têm funções de umidificar os alimentos. os segundos perfuram. com cerca de 23 a 25 cm de comprimento e 2 a 3 cm de largura. paladar (papilas linguais) e auxiliar na fala. No adulto são 32 dentes.

1. existem orifícios que possuem glândulas que atuam liberando secreções que são indispensáveis ao processo digestivo. também executados pelo estômago e intestino.frente da coluna vertebral. O bolo alimentar chega ao estômago. De forma geral. empurrado pelas contrações do esôfago. a pepsina e o lab-fermento.com/2011/02/12/alimento-aolongo-do-trato-digestorio/ 7. Assim que é distendido pelo alimento. o estômago permanece contraído apresentando mucosa e submucosa enrugadas. Esta última possui como função principal metabolizar as proteínas e a lactose. muscular e serosa.wordpress. são os chamados movimentos peristálticos. submucosa. em suas paredes encontram-se as túnicas: mucosa.3 Estômago O estômago é uma extensão do tubo digestivo localizado entre o esôfago e o intestino delgado. Fonte:http://alicematheusbioifes. o estado de sua mucosa e submucosa passa de rugoso para liso. 70 . Situado do lado esquerdo do abdômen. sendo eles: o ácido clorídrico. As glândulas de muco (responsáveis pela lubrificação das paredes gástricas) e as glândulas de pepsina (responsáveis pela produção do muco gástrico). é importante entendermos que existem três diferentes princípios ativos encontrados dento do suco gástrico. Quando vazio. Termina lançando-se no estômago ao nível da cárdia. Na parte interna.

4 Intestino Delgado A principal parte da digestão ocorre no intestino delgado. O Jejuno é a parte do intestino delgado que faz continuação ao duodeno. jejuno e íleo. que se estende do piloro até a junção iliocólica (ileocecal).1. chega a cerca de 7 metros de comprimento.blogspot.é a única porção do intestino delgado que é fixa. 71 . A estrutura do intestino delgado é especialmente adaptada. É mais estreito e suas túnicas são mais finas e menos vascularizadas.Fonte:http://biocurioso. o último segmento do intestino delgado. que se reúne com o intestino grosso. a primeira porção do intestino delgado. vilosidades e microvilosidades.html 7. sua parede é mais espessa.com/2010/02/por-que-barriga-ronca-quando-temosfome. Sua extensão fornece grande área de superfície para a digestão e absorção. sendo ainda muito aumentada pelas pregas circulares. O duodeno. Os principais eventos da digestão e absorção ocorrem no intestino delgado. que consiste em duodeno. mais vascular e de cor mais forte que o íleo. Não possui mesentério. podendo variar entre 5 e 8 metros.

Fonte:http://www.br/alfa/corpo-humano-sistema-digestivo/boca1.com/generateexhibit. Mede cerca de 1.5 m de comprimento. Nele. Intestino Grosso Fonte: http://catalog.infoescola.br/biologia/esofago. Divide-se em ceco.br/digest/digest1. cólon sigmóide e reto.html http://www.afh.portalsaofrancisco.com.1. existem bactérias que compõem a flora bacteriana intestinal que são responsáveis pela produção de algumas vitaminas como K e B12. cólon descendente.com/digestorio/sistemadigestorio.bio.colegioweb.nucleusinc.php?ID=29183 http://www.auladeanatomia. cólon ascendente.com.com/anatomia-humana/sistemadigestorio/#intestinodelgado 7.php http://www.5 Intestino Grosso O intestino grosso tem um importante trabalho na absorção da água e sais minerais (o que determina a consistência do bolo alimentar). cólon transverso.htm 72 .asp http://www.

com/11_14intest.5 kg no homem adulto. rodeadas por canais diminutos (canalículos). e é ainda um dos mais importantes.2 e 1.tripod.com/cancerpg7. compostos por colunas de células hepáticas ou hepatócitos.webciencia. Tem cor arroxeada.http://www. secretada pelos 73 .2 Descrição anatômica do fígado e pâncreas e suas participações no processo da digestão. É a mais volumosa de todas as vísceras.com.2.colegioweb. O tecido hepático é constituído por formações diminutas que recebem o nome de lobos. pesa cerca de 1.htm#ixzz1c6PAPjJr 7.br/biologia/absorcao-dos-nutrientes-e-intestinogrosso.1 Fígado FONTE: http://reivax. superfície lisa e recoberta por uma cápsula própria.htm O fígado é o maior órgão interno.4 kg. Está situado no quadrante superior direito da cavidade abdominal. e na mulher adulta entre 1. pelos quais passa a bile.html http://www. 7.

O fígado é um órgão muito versátil. Remover moléculas de glicose no sangue. de fatores imunológicos e de coagulação e de substâncias transportadoras de oxigênio e gorduras. cobre e vitaminas. Produz carboidratos a partir de lipídios ou de proteínas. facilitando. nos momentos de necessidade. líquido que atua no emulsionamento das gorduras ingeridas. reunindo-as quimicamente para formar glicogênio. ferro. Degradar álcool e outras substâncias tóxicas. Armazenar ferro e certas vitaminas em suas células. estrógenos e outros hormônios. Destruir hemácias (glóbulos vermelhos) velhas ou anormais. a ação da lípase. Metabolizar lipídeos. Sintetiza também o colesterol e purifica muitos fármacos e muitas outras substâncias. o pigmento castanho-esverdeado presente na bile. junto com o ducto procedente da vesícula biliar. transformando sua hemoglobina em bilirrubina. que descarrega seu conteúdo no duodeno. Armazena glicogênio. como a cirrose.hepatócitos. assim. Sintetizar diversas proteínas presentes no sangue. Estes canais se unem para formar o ducto hepático que. Funções do fígado: Secretar a bile. 74 . que é armazenado. e lipídios a partir de carboidratos ou de proteínas. o glicogênio é reconvertido em moléculas de glicose. que são relançadas na circulação. forma o ducto comum da bile. bem como esteróides. As células hepáticas ajudam o sangue a assimilar as substâncias nutritivas e a excretar os materiais residuais e as toxinas. auxiliando na desintoxicação do organismo. O termo hepatite é usado para definir qualquer inflamação no fígado.

bio.blogspot.afh.asp 75 . já trabalhados no sistema endócrino. Os ácinos pancreáticos estão ligados através de finos condutos.com/_C3Fp9nZ2mnc/TIgRg4sTWwI/AAAAAAAAA Bc/3bwbDAsJbzA/s1600/dibujo_del_pancreas_y_sus_partes. em estruturas reunidas denominadas ácinos. O pâncreas endócrino secreta os hormônios insulina e glucagon.br/digest/digest1.7.2 Pâncreas FONTE:http://1.2. de um corpo e de uma cauda afilada. de mais ou menos 15 cm de comprimento e de formato triangular. O pâncreas comporta dois órgãos estreitamente imbricados: pâncreas exócrino e o endócrino. na alça formada pelo duodeno. sob o estômago. por onde sua secreção é levada até um condutor maior.jpg O pâncreas é uma glândula mista. O pâncreas é formado por uma cabeça que se encaixa no quadro duodenal. que desemboca no duodeno. localizada transversalmente sobre a parede posterior do abdome.bp. A secreção externa dele é dirigida para o duodeno pelos canais de Wirsung e de Santorini. durante a digestão. O pâncreas exócrino produz enzimas digestivas. O canal de Wirsung desemboca ao lado do canal colédoco na ampola de Vater. FONTES: http://www.

sacos alveolares e alvéolos. transmitem sensações olfativas ao cérebro por nervos especializados 8.1 Fossas Nasais Desempenham três funções importantes: aquecem e tornam úmido o ar que passa a caminho dos pulmões. As vias do trato respiratório dividem-se em: 1) porção condutora: constituída pelas cavidades nasais ( durante a respiração forçada. etmóide. pseudo-estratificado cilíndrico ciliado com células caliciformes. ductos alveolares. que se abrem para a cavidade nasal. esfenóide e o maxilar. As vias aéreas entram nos pulmões e lá se ramificam constituindo a árvore brônquica. brônquios e bronquíolos. descrição anatômica de cada porção.1. A base estrutural para a realização dessa função é a relação de organização estabelecida entre os capilares pulmonares e os alvéolos durante a irrigação pulmonar. finalmente. As secreções se dirigem dos seios para as cavidades nasais através de uma atividade ciliar coordenada. Já a porção respiratória é aquele local onde ocorre a troca gasosa entre o ar e o sangue. chamados alvéolos.2 Seios paranasais São grandes espaços aéreos situados no interior dos ossos frontal. faringe. laringe. A porção condutora tem a função de acondicionar o ar. entram em íntimo contato com os alvéolos.A principal função do sistema respiratório. além disso tem a função de retirar do ar as partículas indesejadas. Pela faringe passa tanto o ar como o 76 .1 Vias aéreas: porção condutora e respiratória. 8. 2) porção respiratória: formada pelos bronquíolos respiratórios. a cavidade oral também faz parte dessa porção). 8.8. é a troca gasosa nos pulmões. Os seios paranasais são revestidos por um epitélio respiratório. essas ramificações atingem espaços aéreos pequenos. retêm partículas de poeira funcionando como um filtro.3 Faringe Estrutura comum ao Sistema Digestório. traquéia. umidificado.1. isto é. fazendo com que ele seja aquecido. A irrigação dos pulmões é feita por vasos sanguineos que entram neles com os brônquios e ramificam-se em vasos cada vez menores que.1.

Estes possuem células epiteliais de sustentação altas. que vibram quando o ar é expelido. responsável pelo olfato. em continuação à faringe.a epiglote . acima da concha nasal superior. 8.que assim que o alimento chega a parte superior da faringe.5 cm de diâmetro por 10-12 centímetros de comprimento.alimento. O tecido conjuntivo periférico não apresenta revestimento mesotelial. na faringe existe uma estrutura . e formam os brônquios segmentares. a partir daí. é um tipo especializado de epitélio localizado no interior da cavidade nasal. Cada um dos brônquios penetra em seu respectivo pulmão e. É caracterizada por apresentar macroscopicamente de 16 a 20 peças de cartilagem inteiras e abertas na região posterior. Localizada na parte superior da traquéia. situado na parte superior do pescoço. A microscopia revela epitélio pseudo-estratificado ciliado. glândulas seromucosas e fibras musculares lisas.7 Região olfatória O epitélio olfatório.4 Laringe Órgão responsável pela voz.5 Traquéia É um tubo de aproximadamente 1.1.1. e que está associado ao sistema respiratório pela captação de odores. 77 . formando o som. cerca de sete vezes. as cordas vocais. Para coordenar a passagem tanto do ar como do alimento. a laringe constitui-se de duas membranas. 8. 8. Estas últimas estão relacionadas à regeneração dos neurônios bipolares.1. a epiglote fecha a passa o ar. O epitélio é classificado como pseudo-estratificado.6 Brônquios Os brônquios são condutos com diâmetro superior a 1 mm com início na primeira segmentação da traquéia. Possuem estrutura semelhante à traquéia. dividi-se em diversos ramos menores. neurônios bipolares que apresentam bulbo e cílios olfatórios e células basais. É um tubo sustentado por peças de cartilagem articuladas. entretanto. deixando o caminho livre do alimento para o esôfago. 8. com cartilagem segmentada. grande quantidade de fibras elásticas.1.

8.1.8 Broquíolos Os bronquíolos são condutos com diâmetro inferior a 1 mm que formam um conjunto de ramificações denominada árvore brônquica. Estes apresentam cerca de 14 gerações de ramificações. Não possuem cartilagem, tampouco células caliciformes, mas apresentam as células de Clara (síntese de surfactante) e uma camada muscular aumentada (sensível às pressões de O2). Os bronquíolos são divididos em propriamente dito (epitélio cúbico alto), terminal (epitélio cúbico baixo) e respiratório (epitélio delgado) que permite trocas gasosas. Os bronquíolos respiratórios abrem-se em alvéolos e constituem a última porção do conduto respiratório. 8.1.9 Ductos Alveolares Esses ductos iniciam efetivamente a porção respiratória. São formados por ramificação dos bronquíolos respiratórios e apresentam-se como condutos longos e tortuosos. A característica principal desse segmento, é apresentar inúmeros alvéolos e sacos alveolares em suas paredes. Devemos observar que entre a abertura de dois alvéolos existem fibras colágenas e elásticas, e células musculares lisas formando feixes musculares. Esses feixes se dispõem ao redor da abertura de um alvéolo, porém não se estendem pelas paredes deste. No entanto, as fibras colágenas e elásticas se continuam com a parede alveolar, constituindo um sistema de sustentação. O revestimento dos ductos alveolares é epitélio do tipo cúbico simples, com células muito baixas. Esses ductos são as últimas porções a apresentar em sua estrutura células musculares lisas. 8.1.10 Saco Alveolar e Alvéolos A definição de alvéolos é, são pequenas evaginações em forma de saco, encontradas nos sacos alveolares, ductos alveolares e bronquíolos respiratórios. O ducto alveolar termina em um alvéolo simples ou em sacos alveolares formados por inúmeros alvéolos. Cada parede alveolar é comum a dois alvéolos vizinhos, por isso denomina-se parede ou septo interalveolar. Este septo consiste em duas camadas
78

de epitélio pavimentoso simples separadas por capilares sangüíneos, fibras reticulares e elásticas, fibroblastos e substância fundamental amorfa do conjuntivo. 8.1.11 Pleura Definimos pleura como sendo a camada serosa que envolve o pulmão. Ela é formada por dois folhetos: o parietal e o visceral, os quais são contínuos no hilo pulmonar. Os folhetos são constituídos por mesotélio e por uma fina camada de tecido conjuntivo com fibras colágenas e elásticas. 8.1.12 Pulmões Órgãos pares, cônicos (apresentam ápice e base), são responsáveis pela hematose no processo de respiração, estão localizados no tórax, laterais ao coração, delimitando o espaço do mediastino. Os pulmões estão envolvidos por uma lâmina de duplo folheto que forma um saco seroso fechado chamado de pleura, onde a lâmina externa é a pleura pulmonar e a interna a pleura parietal. Apresentam lobos (PD lobos: superior, médio e inferior divididos pelas fissuras oblíqua e horizontal. PE lobos: superior e inferior separados pela fissura oblíqua). Faces: Costal, Diafragmática, Mediastinal e Interlobar. Na face mediastinal, localizase o hilo pulmonar que permite a sustentação das estruturas (artérias, veias e brônquios) que formam a raiz dos pulmões. Pulmões Os pulmões são dois órgãos volumosos que ocupam a maior parte da cavidade torácica. Cada pulmão conta com uma base plana apoiada sobre o diafragma, o músculo que separa a cavidade torácica da abdominal, enquanto que a sua extremidade superior, ou vértice, tem uma forma arredondada. A face interna está direcionada para o espaço que ocupa o centro da cavidade torácica, denominado mediastino, e a face externa, convexa, encontra-se por baixo das costelas. Nos adultos, cada pulmão tem em média cerca de 25 cm de altura e 16 cm de profundidade, sensivelmente 10 cm de largura no pulmão direito e cerca de 8 cm no esquerdo. 0 volume do pulmão esquerdo é inferior ao do direito, já que a maior parte
79

do coração situa-se na zona esquerda da cavidade torácica. Os pulmões são percorridos por cesuras que os dividem em lobos. 0 pulmão direito conta com duas cesuras que o dividem em três lobos: inferior, médio e superior. Por outro lado, o esquerdo, ligeiramente mais pequeno, tem uma única cesura e apenas dois lobos: inferior e superior. Cada lobo pulmonar conta com vários segmentos, ventilados por brônquios específicos: dez no pulmão direito e dez no esquerdo, dos quais dois pertencentes ao lobo inferior constituem uma unidade conhecida como língula. Por conseguinte, cada segmento é formado por inúmeros pequenos lóbulos secundários, albergando cada um destes entre três a cinco ácinos, pequenas estruturas que correspondem às unidades funcionais dos pulmões, pois é nelas que se produz a troca de gases entre o ar e o sangue. Em contrapartida, cada pulmão apresenta na sua face interna uma grande fissura, o hilo pulmonar, através do qual os brônquios e vasos sanguíneos penetram no órgão. De facto, é através dos hilos que os respectivos brônquios principais, as artérias pulmonares, que transportam o sangue para o coração, e as veias pulmonares, que transportam o sangue proveniente dos pulmões para o coração, penetram no interior dos pulmões. Uma vez no interior dos pulmões, os brônquios principais ramificam-se em segmentos progressivamente mais pequenos. As últimas ramificações são os bronquíolos terminais, que chegam a todo o tecido pulmonar. Um processo similar ocorre com as artérias pulmonares, pois a partir do momento em que penetram nos pulmões vão-se dividindo em vasos sanguíneos cada vez mais finos até que, sob a forma de capilares, se repartem por todo o tecido destes órgãos. Posteriormente, os capilares confluem entre si, formando pequenos vasos venosos que se vão unindo sucessivamente, de modo a originarem veias com um caudal cada vez mais significativo; por fim, formam as grandes veias pulmonares que saem de cada hilo pulmonar.

80

8.que produzem a urina . Fonte:www. Essas estruturas – ureteres. que transportam a urina para a bexiga (1).br/bio 9. onde fica retida por algum tempo. que separa os dois últimos. diferentes. incumbidos de elaborar a urina e armazená-la temporariamente até a oportunidade de ser eliminada para o exterior.1 SISTEMA URINÁRIO O sistema urinário é constituído pelos órgãos uropoéticos. que produzem a urina. etc. bicarbonato. O pulmão esquerdo é dividido em um lobo superior e um lobo inferior por uma fissura oblíqua.1. potássio. Na urina encontramos ácido úrico. os ureteres (2) ou ductos. Uma fissura obliqua que separa lobo inferior dos lobos médio e superior e uma fissura horizontal. ao contrário. sódio.13 Diferenças Morfológicas Os pulmões apresentam características morfológicas. isto é.biomania.que são encarregados de processar a drenagem da urina para fora do corpo. 81 . bexiga e uretra – não modificam a urina ao longo do caminho. O pulmão direito apresenta-se constituído por três lobos divididos por duas fissuras. e a uretra (1). Anteriormente e inferiormente o lobo superior do pulmão esquerdo apresenta uma estrutura que representa resquícios do desenvolvimento embrionário do lobo médio. Além dos rins.e órgãos excretores . as estruturas restantes do sistema urinário funcionam como um encanamento constituindo as vias do trato urinário.com. uréia. através da qual é expelida do corpo. elas armazenam e conduzem a urina do rim para o meio externo. Este aparelho pode ser dividido em órgãos secretores . a língula do pulmão. Os órgãos urinários compreendem os rins (2).

25cm de comprimento. Os rins estão situados de cada lado da coluna vertebral.5cm de largura e um pouco mais que 2. estendendo-se entre a 11ª costela e o processo transverso da 3ª vértebra lombar. São descritos como órgãos retroperiotoneais. por diante da região superior da parede posterior do abdome.Rim Ureter Bexiga Uretra 9.1 Rim Os rins são órgãos pares. 5 a 7. Os rins são recobertos pelo peritônio e circundados por uma massa de gordura e de tecido areolar frouxo. O esquerdo é um pouco mais 82 . por estarem posicionados por trás do peritônio da cavidade abdominal.5cm de espessura. Sua coloração é vermelhoparda. entre o peritônio e a parede posterior do abdome. Cada rim tem cerca de 11. em forma de grão de feijão.1. localizados logo acima da cintura.

No hilo. Na margem medial côncava de cada rim encontra-se uma fenda vertical – HILO RENAL. Extremidades e Hilo Renal 83 . Bordas. im . duas bordas e duas extremidades. porém a anterior é mais abaulada e a posterior mais plana. O rim direito normalmente situa-se ligeiramente abaixo do rim esquerdo devido ao grande tamanho do lobo direito do fígado.Anterior e Posterior. As duas são lisas. cálices. Faces (2) . O seio renal.comprido e mais estreito do que o direito. O peso do rim do homem adulto varia entre 125 a 170g. Bordas (2) – Medial (côncava) e Lateral (convexa). Cada rim apresenta duas faces. que está anterior à pelve renal. entre 115 a 155g. nervos e vasos sanguíneos e linfáticos e uma variável quantidade de gordura.Faces. a veia renal está anterior à artéria renal. O hilo renal é a entrada para um espaço dentro do rim. na mulher adulta. que é ocupado pela pelve renal. Extremidades (2) – Superior (Glândula Supra-renal) e Inferior (a nível de L3).onde a artéria renal entra e a veia e a pelve renal deixam o seio renal.

ou parênquima do rim. A base (extremidade mais larga) de cada pirâmide olha o córtex. que se estendem ao longo das 84 . o córtex e as pirâmides renais da medula renal constituem a parte funcional. Frank H. são reveladas duas regiões distintas: uma área avermelhada de textura lisa. No parênquima estão as unidades funcionais dos rins – cerca de 1 milhão de estruturas microscópicas chamadas NÉFRONS. as pirâmides renais.1. denominada medula renal. Atlas de Anatomia Humana. As partes do córtex renal que se estendem entre as pirâmides renais são chamadas colunas renais. Juntos.Fonte: NETTER.. 2000. formada pelos néfrons. drena para os grandes ductos papilares. 9. e seu ápice (extremidade mais estreita).1 Anatomia Interna dos Rins Em um corte frontal através do rim. 2ed. Porto Alegre: Artmed. A urina. A medula consiste em 8-18 estruturas cuneiformes.1. aponta para o hilo do rim. chamada papila renal. chamada córtex renal e uma área marron-avermelhada profunda.

chamada seio renal. O hilo renal se expande em uma cavidade. a urina drena para a grande cavidade chamada pelve renal e depois para fora. Cada rim tem 8-18 cálices menores e 2-3 cálices maiores. O cálice renal menor recebe a urina dos ductos papilares de uma papila renal e transporta até um cálice renal maior. pelo ureter. 85 . Os ductos drenam para estruturas chamadas cálices renais menor e maior. no rim. D cálice renal maior. até a bexiga urinária.papilas renais das pirâmides.

Cápsula Glomerular (de Bowman). e admiravelmente adequada para sua função de produzir urina. Atlas de Anatomia Humana. Porto Alegre: Artmed.2 Néfrons O néfron é a unidade morfofuncional ou a unidade produtora de urina do rim. A forma do néfron é peculiar. Cada rim contém cerca de 1 milhão de néfrons. 2ed.1..1. 9. 2000. O néfron é formado por dois componentes principais: Corpúsculo Renal: .Fonte: NETTER. 86 . Frank H. inconfundível.

. . 87 . .Túbulo coletor.Túbulo contorcido proximal.Túbulo contorcido distal..Glomérulo – rede de capilares sangüíneos enovelados dentro da cápsula glomerular Túbulo Renal: .Alça do Néfron (de Henle).

Porto Alegre: Artmed.Fonte: NETTER. principalmente. 9.. 9. 2ed. como vias de passagem e áreas de armazenamento. Regulação da pressão arterial. Regulação do volume sangüíneo. 2000.1.1. Com a filtração do sangue e a formação da urina. com as outras partes do sistema atuando.3 Funções dos Rins Os rins realizam o trabalho principal do sistema urinário. As funções dos rins incluem: Regulação da composição iônica do sangue. Atlas de Anatomia Humana. Regulação do pH do sangue. Excreção de resíduos e substâncias estranhas. Liberação de hormônios.1. Frank H. Regulação do nível de glicose no sangue. os rins contribuem para a homeostasia dos líquidos do corpo de várias maneiras.4 Glândulas Supra-renais As glândulas supra-renais ( adrenais ) estão localizadas entre as faces supero88 .1. Manutenção da osmolaridade do sangue.

O córtex secreta hormônios essenciais à vida. Órgãos pouco calibrosos.mediais dos rins e o diafragma. os ereteres têm menos de 6mm de diâmetro e 25 a 30 cm de comprimento. Já o córtex supra-renal secreta esteróides. penetrando em seguida na cavidade pélvina. A medula da supra-renal pode ser removida. Pelve renal é a extremidade superior do ureter. enquanto que os hormônios medulares não são. Cada glândula supra-renal. possui duas partes: o órtex e a medula supra-renal. localizada no interior do rim. A medula supra-renal secreta dois hormônios: epinefrina (adrenalina) e norepinefrina. envolvida por uma cápsula fibrosa e um coxim de gordura. abrindo-se o 89 . o ureter percorre por diante a parede posterior do abdome.2 URETER São dois tubos que transportam a urina dos rins para a bexiga.1. 9. ambas produzindo diferentes hormônios. Descendo obliquamente para baixo e medialmente. sem causa efeitos que comprometem a vida.

óstio do ureter situado no assoalho da bexiga urinária. 90 . Os ureteres são capazes de realizar contrações rítmicas denominadas peristaltismo. A urina se move ao longo dos ureteres em resposta à gravidade e ao peristaltismo. Em virtude desse seu trajeto. destinguem-se duas partes do ureter: abdominal e pélvica. Os ureteres são capazes de realizar contrações rítmicas denominadas peristaltismo.

ela se eleva para a cavidade abdominal.1. que controlado voluntariamente. prevenindo o esvaziamento. pois as infecções tendem a persistir nessa área. é menor nas mulheres porque o útero ocupa o espaço imediatamente acima da bexiga. envolvendo a parte superior da uretra. Quando a bexiga está cheia. permitindo a resistência à necessidade de urinar. nos homens situa-se diretamente anterior ao reto e. Inferiormente ao músculo esfíncter. sua superfície interna fica lisa. 91 .9.3 BEXIGA A bexiga urinária funciona como um reservatório temporário para o armazenamento da urina. está o esfíncter externo. nas mulheres está à frente da vagina e abaixo do útero. A saída da bexiga urinária contém o músculo esfíncter chamada esfíncter interno. que se contrai involuntariamente. Este trígono é limitado por três vértices: os pontos de entrada dos dois ureteres e o ponto de saída da uretra. Quando vazia. Esta área é chamada trígono da bexiga e é sempre lisa. O trígono é importante clinicamente. É um órgão muscular oco. elástico que. A capacidade média da bexiga urinária é de 700 – 800ml. a bexiga está localizada inferiormente ao peritônio e posteriormente à sínfise púbica: quando cheia. Uma área triangular na superfície posterior da bexiga não exibe rugas.

Bexiga Urinária Masculina rinária Feminina 92 .

1. Frank H.1 Uretra Masculina A uretra masculina estende-se do orifício uretral interno na bexiga urinária até o orifício uretral externa na extremidade do pênis. Apresenta dupla curvatura no estado 93 . 2ed. A uretra é diferente entre os dois sexos.Fonte: NETTER.4. sendo revestida por mucosa que contém grande quantidade de glândulas secretoras de muco..4 URETRA A uretra é um tubo que conduz a urina da bexiga para o meio externo. 9. 2000. 9. A uretra se abre para o exterior através do óstio externo da uretra.1. Atlas de Anatomia Humana. Porto Alegre: Artmed.

1. a membranácea e a esponjosa.4. Frank H. um ducto ejaculatório. Atlas de Anatomia Humana. Porto Alegre: Artmed. 2ed. cujas as estruturas e relações são essencialmente diferentes. Uretra Masculina Fonte: NETTER. É dividida em três porções: a prostática. 2000.comum de relaxamento do pênis. Na uretra masculina existe uma abertura diminuta em forma de fenda.2 Uretra Feminina É um canal membranoso estreito estendendo-se da bexiga ao orifício externa no 94 . 9..

Seu orifício externo fica imediatamente na frente da abertura vaginal e cerca de 2. quando não dilatada. é levemente curva..vestíbulo. Frank H. 2000. e de direção oblíqua para baixo e para frente.5cm dorsalmente à glande do clitóris. 2ed. cujos ductos desembocam exatamente dentro do óstio uretral. com a concavidade dirigida para frente. é de cerca de 6mm. Seu diâmetro. Uretra Feminina Fonte: NETTER. Porto Alegre: Artmed. Está colocada dorsalmente à sínfise púbica. Atlas de Anatomia Humana. Muitas e pequenas glândulas uretrais abrem-se na uretra. incluída na parede anterior da vagina. Fonte: 95 . As maiores destas são as glândulas parauretrais.

É constituído por dois ovários.http://www. a parede da vagina se dilata e se recobre de substâncias lubrificantes produzidas pelas glândulas de Bartolin facilitando a penetração do pênis. possibilita a expulsão da menstruação e. que impede a proliferação da maioria dos microorganismos patogênicos. Durante a fase proliferativa do ciclo menstrual. A entrada da vagina é protegida por uma membrana circular .2.1 A vagina A vagina é um canal de 8 a 10 cm de comprimento. que liga o colo do útero aos genitais externos.auladeanatomia. duas tubas uterinas (trompas de Falópio). Geralmente. Ele está localizado no interior da cavidade pélvica. Bactérias presentes na mucosa vaginal (Lactobacilos)fermentam o glicogênio.br/excret/excret1. formando um tampão que se 96 .que fecha parcialmente o orifício vulvo-vaginal e é quase sempre perfurado no centro. podendo ter formas diversas. produzindo ácido lático que confere ao meio vaginal um pH ácido. um útero. Além de possibilitar a penetração do pênis. Contém de cada lado de sua abertura.asp www.o hímen . o muco é fluido e depois da ovulação ele se torna viscoso.2 Aparelho reprodutor feminino O aparelho reprodutor feminimo ou sistema reprodutor feminino é o sistema de órgãos da mulher envolvidos na reprodução. na hora do parto. A vagina é o local onde o pênis deposita os espermatozóides na relação sexual. A penisite ou pênis constitui um marco ósseo forte que realiza uma função protetora. uma vulva. de paredes elásticas.com 9. Durante a excitação sexual. 9.bio. duas glândulas denominadas glândulas de Bartholin. cujas células liberam glicogênio. que secretam um muco lubrificante. a saída do bebê. porém internamente. A vagina é revestida por uma membrana mucosa. uma vagina.afh. essa membrana se rompe nas primeiras relações sexuais.

os pequenos lábios .os ovócitos primários . ovidutos ou trompas de Falópio: são dois ductos que unem o ovário ao útero. os folículos ovarianos começam a crescer e a desenvolver. os grandes lábios são cobertos por pêlos pubianos.que protegem a abertura da uretra e da vagina. A partir da adolescência. Os batimentos dos cílios microscópicos e os movimentos peristálticos das tubas uterinas impedem o gameta feminino até o útero. Após seu rompimento.2. ela já tem todas as células que irão transformar-se em gametas nos seus dois ovários. Estas células . Mais internamente. outra prega cutâneo-mucosa envolve a abertura da vagina . Os folículos em desenvolvimento secretam o hormônio estrógeno. rompendo-se e liberando o ovócito secundário (gameta feminino): este fenômeno é conhecido como ovulação. 97 .3 As tubas uterinas Tubas uterinas.2. Na mulher em idade pós-puberdade.converte numa barreira protetora.2.os grandes lábios. 9. sob ação hormonal. Na vulva também está o clitóris. Mensalmente.2 Vulva A genitália externa ou vulva é delimitada e protegida por duas pregas cutâneomucosas intensamente irrigadas e inervadas . apenas um folículo geralmente completa o desenvolvimento e a maturação.encontram-se dentro de estruturas denominadas folículos de Graaf ou folículos ovarianos. 9. a massa celular resultante transforma-se em corpo lúteo ou amarelo. que passa a secretar os hormônios progesterona e estrógeno. 9. Seu epitélio de revestimento é formados por células ciliadas.4 Desenvolvimento no feto e menstruação No final do desenvolvimento embrionário de uma menina. As características de fluidez ou viscosidade do muco cervical dependem respectivamente da ação hormonal do estrogênio e da progesterona.

A sua espessura vai de 0. Recepção de sensações ambientais. tato e temperatura. Absorção de radiações ultravioletas.1. Fonte: http://pt. o corpo lúteo regride e converte-se em corpo albicans ou corpo branco. A pele forma um envoltório para as estruturas do corpo e substâncias vitais (líquidos). Regulação da temperatura corporal.org/wiki/Aparelho_reprodutor_feminino 10.wikipedia. constituindo cerca de 16% do peso do organismo. 10.5 a 5mm. formando assim o maior órgão do corpo.Com o tempo.1 Funções Proteção contra microrganismos e lesões. Excreção (ex: suor).as fímbrias.1 Sistema Tegumentar Constitui o revestimento do organismo que o protege do meio exterior. uma pequena cicatriz fibrosa que irá permanecer no ovário. como: dor. Continua-se por uma mucosa ao nível dos organismos naturais. No adulto o seu peso é de cerca de 4 quilogramas. O gâmeta feminino liberado na superfície de um dos ovários é recolhido por finas terminações das tubas uterinas . 98 .

99 . tais como o aspecto das células. O estrato córneo é remanescente das células que contém uma proteína fibrosa. Essas camadas são. textura. a queratina. O epitélio estratificado da epiderme compõe-se de várias camadas denominadas de acordo com diversas categorias. não é vascularizada. ou cutícula. e varia de espessura em diferentes partes.com/tegumentar/tegumentar. consiste de epitélio estratificado. Derme: camada de tecido conectivo profunda.auladeanatomia.1. composição e posição.2Epiderme A epiderme. Em alguns lugares como na palma da mão e planta dos pés. estrato lúcido. ela é espessa. de superficial para profundo: estrato córneo.htm 10.A pele é composta de: Epiderme: camada celular superficial. dura e de textura córnea. estrato granuloso. estrato espinhoso e estrato basal. amolda-se perfeitamente sobre a camada papilar da derme. Fonte: http://www.

Este pigmento é mais distinto nas células da camada basal.blogspot.auladeanatomia.jpg A coloração da pele se deve aos pigmentos nas células da epiderme.htm Fonte:http://4.bp. O pigmento (melanina) 100 .com/_JiGf_KyownY/SSSDRiaXbfI/AAAAAAAAAEg/rpqDCf 9LUlc/s400/Camadas_pele.com/tegumentar/tegumentar.Fonte: http://www.

escroto e pênis é excessivamente fina e delicada.auladeanatomia. composto sobretudo de feixes colágenos. sebáceas. vasos sanguíneos e linfáticos. marron-escuro ou pretos. folículos do pêlo e pequenos acúmulos de células. As células desta camada são principalmente fibroblastos e histiócitos. 10.htm 101 . Nas camadas mais profundas da camada reticular encontram-se glândulas sudoríparas. O tecido conjuntivo se dispõe em duas camadas: uma profunda ou reticular e a outra superficial ou papilar. Fonte : http://www. É mais espessa na superfície dorsal do corpo que na ventral e na parte lateral mais que na medial dos membros. cútis verdadeira ou pele verdadeira é rija. dentro das células.3 Derme A derme. A camada reticular consiste de tecido conjuntivo fibroelástico.1. A pele consiste em um tecido conjuntivo com quantidade variável de fibras elásticas e numerosos nervos. flexível e elástica.com/tegumentar/tegumentar.consiste em grânulos muito pequenos. intimamente agrupados. Nas pálpebras. cório.

jpg A camada papilar consiste em numerosas eminências vasculares altamente sensitivas.bp. 10. Ela desempenha duas funções principais: auxilia a isolar o corpo das variações extremas do meio ambiente e fixa a pele às estruturas subjacentes. A pele das articulações e dos dedos apresenta dobras e é enrugada porque está aderida ao osso. Esta última camada não é considerada como pertencente à pele e por isso é chamada de tela ou tecido subcutâneo ou hipoderme. nestes locais.blogspot.4 Tecido Subcutâneo A derme está situada sobre a tela subcutânea.com/_JiGf_KyownY/SUbeheFoOjI/AAAAAAAAAFw/BTttU1 lF8BU/s400/Camada_derme. Poucas áreas do corpo não possuem esse tecido.1. As papilas são pequenas eminências cônicas de extremidades arredondadas ou dilatadas. as papilas.Fonte:http://2. O tecido subcutâneo é composto principalmente por tecido conjuntivo frouxo e tecido adiposo. 102 . a pele está fixada diretamente no osso.

aplicadas sobre a superfície dorsal das falanges distais.htm 10.Fonte:http://www. Próximo a raiz da unha o tecido não está firmemente aderido ao tecido conjuntivo. os pêlos e as glândulas sudoríparas e sebáceas com seus respectivos ductos. Unhas: são estruturas achatadas. A unha é firmemente aderente ao cório e exatamente moldada sobre a superfície.5 Anexos da Pele Os anexos da pele são as unhas. 103 . mas apenas em contato com o mesmo. por isso esta porção da unha é esbranquiçada e chamada lúnula devido a sua forma. a porção exposta é denominada corpo e a extremidade distal. de textura córnea.com/tegumentar/tegumentar. elásticas. Cada unha está implantada por uma porção chamada raiz em um sulco da pele.auladeanatomia. a parte de baixo do corpo e da raiz da unha é chamada matriz da unha porque é esta que a produz. borda livre.1.

htm Pêlos: são encontrados em quase toda superfície do corpo.auladeanatomia.com/tegumentar/tegumentar. O folículo piloso consiste em duas túnicas: externa e interna ou epidérmica. espessura e cor nas diferentes partes do corpo e nas várias raças humanas. O bulbo piloso é moldado sobre a papila e compõe-se de células epiteliais poliédricas que. Um pêlo consiste em raiz (a parte implantada na pele) e haste (a porção que se projeta da superfície). A raiz do pêlo termina no bulbo do pêlo que é mais esbranquiçado e de textura mais mole do que a haste e está alojado em um canalículo da epiderme que o envolve. se alongam. tornando-se fusiformes. chamado folículo do pêlo. No fundo de cada folículo encontra-se uma pequena eminência cônica vascular ou papila. ao passarem para o interior da raiz do pêlo. Ela é contínua com a camada dérmica do folículo e suprida com fibrilas nervosas. 104 .Fonte:http://www. Variam muito em comprimento.

auladeanatomia. Colocam-se do lado para onde o pêlo se inclina. Cada alvéolo é composto de uma membrana basal transparente contendo um certo número de células epiteliais. de três partes: a medula. e pela sua ação diminuem a obliqüidade do folículo. o córtex e a cutícula. Correlacionado aos folículos pilosos há um conjunto de pequeninos feixes de fibras musculares lisas involuntárias. suas células são alongadas e unidas para formar fibras fusiformes a achatadas contendo grânulos de pigmento em pêlos escuros e ar nos brancos.com/tegumentar/tegumentar. 105 . denominadas eretores dos pêlos.Fonte: http://www. mas em abundância no couro cabeludo e na face. O córtex constitui a parte da haste. A cutícula compõe-se de uma simples camada de escamas achatadas que se sobrepõem da profundidade para a superfície. A medula em geral está ausente em delgados pêlos que cobrem a superfície do corpo e comumente nos da cabeça.htm A haste do pêlo consiste. tornando-o reto. Emergem da camada superficial da derme e se inserem no folículo. de dentro para fora. até vinte. encontradas em muitas partes da pele. em alguns casos. Glândulas Sebáceas: são órgãos glandulares pequenos e saculiformes alojados na derme. podendo chegar. Cada glândula consiste de um simples ducto que emerge de um agrupamento ovalado ou em forma de garrafa – os alvéolos. que são em geral de dois a cinco. Compõe-se de fileiras de células poliédricas contendo grânulos de eleidina e frequentemente espaços aéreos.

com/tegumentar/tegumentar.htm 106 .com/tegumentar/tegumentar.htm Fonte: http://www.auladeanatomia.auladeanatomia.Fonte: http://www.

com/tegumentar/tegumentar. Podem ser polimodais ou unipodais (nociceptores). por sua vez. ambos envolvidos por uma membrana basal. São formadas por um axônio ramificado envolto por células de Schwann sendo. São mielinizadas ou amielínicas. São sensíveis aos estímulos mecânicos.htm Receptores Sensitivos Encontrados na Pele Terminações Nervosas Livres: são encontradas em todos os tecidos conjuntivos.Fonte: http://www. térmicos e especialmente aos dolorosos. mas sempre de diâmetro pequeno e baixa velocidade de condução (Grupo III ou Grupo IV).auladeanatomia. 107 .

de Merkel): Uma fibra aferente costuma estar ramificada com vários discos terminais destas ramificações nervosas. onde se divide e corre paralela com o pêlo na camada folicular externa. logo abaixo do ducto sebáceo. cuja superfície distal se fixa às células epidérmicas por um prolongamento de seu protoplasma e se interdigitam com os ceratinócitos adjacentes. Caracterizam-se como terminações nervosas livres.auladeanatomia.htm Terminações Epidérmicas: Associadas com folículos pilosos (fibras mielinizadas): Terminações em Paliçada: as fibras se aproximam do folículo em diferentes direções.Fonte: http://www.com/tegumentar/tegumentar. Estes discos estão englobados em uma célula especializada. Meniscos Táteis (Céls. 108 .

parte anterior do antebraço. Tem forma cilíndrica e possui uma cápsula de tecido conjuntivo e um cerne central com fibras nervosas mielínicas. . São encontrados nas partes distais das extremidades e na pele dos lábios e genitais externos.Encontrados nas papilas dérmicas da mão e do pé.com/tegumentar/tegumentar.Fonte:http://www. Terminações Nervosas Encapsuladas Corpúsculos Táteis (Meissner) . receptivos à pressão vertical e servidos por grandes aferentes mielinizados (A alfa). fornecendo informações a respeito das forças mecânicas rapidamente flutuantes. São mecanorreceptores (Tipo I) e de adaptação lenta.htm Assim. 109 . pálpebra e língua.auladeanatomia. os movimentos de pressão e tração sobre epiderme desencadeam o estímulo. lábios. São mecanorreceptores de adaptação rápida.

São ovóides. inclusive estímulos nocivos. como corpos brancos ovalados. duas fibras mielinizadas (A alfa).com/tegumentar/tegumentar. pescoço. visíveis a olho nú. braço.htm Arranjos Cutâneos Especiais . Essa fibra perde a bainha de mielina e na junção com a cerne perde a célula de Schwann.htm Grandes Corpúsculos Lamelados de Vater-Paccini . respondendo somente a distúrbios repentinos e especialmente sensíveis à vibração. raramente. Podem chegar a um comprimento de 1 a 4 mm.Arranjos que informam o estado mecânico e térmico da superfície do corpo.Fonte: http://www.auladeanatomia. papila mamária.auladeanatomia. Cada corpúsculo é suprido por uma ou. periósteo e próximos à articulações. Técnica de prata Glees e Marsland Eletromicrografia Fonte: http://www. órgãos genitais. São mecanoceptores de adaptação muito rápida.Encontrados nas faces ventrais da mão e do pé. Ao corte. microscopicamente. uma zona de crescimento intermediária e um cerne central (60 lamelas) que contém um terminal axônico. esféricos e espiralados e cada um possui uma cápsula (30 lamelas). tem o aspecto de uma cebola.com/tegumentar/tegumentar. 110 .

São subdivididos em: mecanoceptores. Fonte: http://www.auladeanatomia. A atividade de fibras nervosas sensitivas isoladas é ativada somente por certos tipos de estímulos aplicados à área da pele que ela inerva. tornando difícil uma correlação estreita entre morfologia e função.htm Esquema resumido dos receptores sensitivos encontrados na pele: 111 . o que mostra o seu alto grau de especificidade. termoceptores e nociceptores.com/tegumentar/tegumentar.

produção de células sanguíneas. Conclusão Através desse trabalho podemos concluir o quão importante o estudo da anatomia humana é.jpg Tabela resumida sobre as terminações nervosas livres: Receptores de Superfície Sensação Percebida Receptores de Ruffini Calor Discos de Merkel Tato e pressão Receptores de Vater-Pacini Pressão Receptores de Meissner Tato Terminações nervosas livres Principalmente dor 11. Com o estudo do Sistema Locomotor foi possível identificar suas funções de sustentação. Devemos então a partir dele lembrar sempre da posição anatômica. reserva de cálcio . proteção dos órgãos. 112 .Fonte:http://www. dos planos e eixos corporais.br/sentidos/img/sentidos%20pele%20tipo%20de%20recept ores.afh. dos termos de relação. movimentação.bio. e associar a função com os diferentes tipos de ossos existentes no corpo.

Por fim.Já no Estudo do Sistema Muscular conhecemos os tipos de tecido existentes (liso. ventrículos e entendemos como funciona a extensa rede de vasos sanguíneos que circulam por todo o corpo. faringe. No Sistema Urinário que é composto por um Par de rins e pelas vias uriníferas (um par de bacinetes. apêndice vermiforme. boca. reto e anus. Conhecemos as diferentes áreas do sistema nervoso (SNC e SNP) onde o Sistema nervoso central compreende pelo encéfalo (cérebro. bem como sua função. funcionamento e composição. através da despolarização e repolarização entre os íons de sódio e potássio. pâncreas. O sistema endócrino por sua vez. No Sistema Digestório compreendido pela língua. faringe. glândula salivar. localização. estriado cardíaco e estriado esquelético). quanto na mulher. suprarrenal. um par de ureteres. No sistema nervoso entendemos como acontece a propagação do impulso nervoso dos dendritos para o axônio. ovários e testículos. cerebelo e bulbo raquidiano) e o Sistema nervoso Periférico compreende os nervos e gânglios nervosos espalhados pelo corpo humano. vimos suas localizações bem como suas funções no sistema em questão. Cartilaginosas e Sinoviais e o porque são classificadas separadamente. paratireoide. laringe. entendemos como é o tecido tegumentar no corpo humano. esôfago. elas são: hipófise (anedoipófise e neuroipófise). traqueia. bexiga urinárias e uretra) entendemos como ocorre a filtração do sangue e a eliminação de urina tanto no homem. Entendemos o que acontece com os órgãos desse sistema durante o processo da respiração. 113 . pâncreas. ceco. é formado pelas glândulas endócrinas que são responsáveis pela produção e secreção de hormônios. brônquios e bronquíolos). vesícula biliar. intestino grosso. tireóide. estomago. Junto á ele entendemos como funcionam as articulações Fibrosas. A respiração humana é composta por sua vez por um par de pulmões e das vias respiratórias (cavidades nasais. válvulas. intestino delgado. e conhecemos a morfologia do mesmo. átrios. No Sistema cardiovascular vimos como é toda anatômica coração: miocárdio. fígado.

A partir desde longo estudo ficou claro o quão importante o estudo da anatomia é para o curso de farmácia. uma vez que é o nosso corpo que absorve todos os fármacos que iremos estudar. 114 .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->