P. 1
Peritonite Meconial

Peritonite Meconial

|Views: 46|Likes:
Publicado porTais Santana

More info:

Published by: Tais Santana on Jan 02, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/28/2012

pdf

text

original

Peritonite Meconial

A peritonite meconial constitui uma reação exsudativa inflamatória peritoneal de origem química, secundária a uma perfuração intestinal, sendo o íleo o local mais freqüente. Incide em 1 de cada 30.000-35.000 nascimentos, descrevendo-se, em geral, uma relação sexo masculino/feminino de 1,5/1. As perfurações intestinais intra-útero podem ser decorrentes de obstruções intestinais (atresias, má-rotação intestinal com vólvulo, íleo meconial, hérnia interna, bridas e acidentes vasculares mesenteriais) e, também, de perfurações espontâneas (apêndice cecal, divertículo de Meckel, duplicação intestinal, úlcera duodenal, ou perfuração iatrogênica devido a amniocentese). Nos últimos anos o diagnóstico pré-natal da peritonite meconial tem sido mais comum, devido à presença de achados ultrassonográficos de polidrâmnio, ascite fetal, dilatação de alças intestinais e calcificações. O diagnóstico diferencial deve ser feito com hidropisia fetal, linfangioma cístico, ascite urinosa, teratoma e tumores vasculares. A peritonite meconial pode ser generalizada quando a perfuração ocorre poucos dias antes do nascimento, causando reação inflamatória recente na cavidade abdominal, com ascite volumosa misturada ao mecônio extravasado das alças perfuradas, aderências frouxas e, raramente, calcificações finas e escassas; pode ser fibroadesiva, a mais comum, quando a perfuração ocorre em uma fase precoce da vida intrauterina e, portanto, a reação peritonial é mais intensa, apresentando alças intestinais aglutinadas, com aderências fibrosas, formando carapaças com calcificações grosseiras e volumosas, sendo o local da perfuração dificilmente identificado; finalmente, pode ser cística quando o orifício da perfuração intraútero não é bloqueado ou cicatrizado e, portanto, o mecônio continua sendo extravasado da alça para a cavidade. Formam-se pseudocístos ao redor da coleção de mecônio, sendo suas paredes formadas por alças intestinais aderidas, revestidas por densa fibrose, delimitando uma área cistica e deixando o restante da cavidade livre. O quadro clínico varia, conforme o tipo de peritonite meconial. É freqüente o diagnóstico passar despercebido, pois, em alguns casos, o orifício da perfuração se cicatriza e a mãe auxilia a criança a resolver, adequadamente, a peritonite causada intra-útero e, portanto, não existe reação peritonial importante envolvendo alças ou mesmo o trânsito intestinal. Tardiamente, os sintomas podem aparecer quando aderências ou bridas obstruem o trânsito intestinal, ou mesmo em achado ocasional, quando da realização de exame radiológico de abdome, mostrando calcificações finas depositadas nas bordas hepáticas ou seguindo as paredes abdominais. Ao nascer, o RN pode apresentar estado geral satisfatório, principalmente quando a perfuração é mais precoce, embora apresente distensão abdominal muito grande, especialmente, nos casos de ascite peritonial e pseudocisto. Pode haver eritema e edema de parede abdominal, dependendo do comprometimento das alças e da reação inflamatória provocada. Geralmente, nos casos de perfuração tardia, próximo ao parto, o estado geral pode estar seriamente comprometido, principalmente, quando há contaminação da peritonite estéril, nas primeiras horas de vida. O diagnóstico precoce da perfuração intra-útero é de fundamental importância e pode evitar a formação de peritonite plástica.

São causas frequentes as perfurações do estômago. a primeira medida é a cirurgia exploratória de urgência. . na bexiga ou no intestino. Podem formar-se um ou mais abcessos e a infecção pode deixar cicatrizes em forma de faixas de tecido (aderências) que podem acabar por provocar uma obstrução intestinal. Tratamento Normalmente. durante uma intervenção. a pessoa vomita. O peritoneu é bastante resistente à infecção. O peritoneu. ou peritónio é uma membrana fina e transparente que reveste todos os órgãos intra-abdominais e a face interna das paredes do abdómen. A causa habitual é uma infecção que abre passagem através dos drenos colocados no abdómen. Por vezes. não se desenvolve peritonite. Uma infecção do útero e das trompas de Falópio (que pode ser causada por vários tipos de bactérias. o que indica uma perfuração. pode disseminar bactérias pelo abdómen. como insuficiência respiratória. do intestino. Para isso. Na insuficiência hepática ou cardíaca. a cirurgia exploratória é o método diagnóstico mais fiável. rapidamente se desenvolvem complicações. uma perfuração duma úlcera péptica ou uma diverticulite. Desenvolve-se uma grave desidratação e perdemse electrólitos. obtêm-se radiografias com o paciente deitado e de pé. normalmente não se faz uma intervenção cirúrgica urgente. Se se tratar duma crise de inflamação do pâncreas (pancreatite aguda) ou duma doença inflamatória pélvica (nas mulheres). Nas operações em que se ligam dois segmentos intestinais. podem aparecer complicações graves. pode-se escapar conteúdo intestinal através dos pontos de sutura. podem acumular-se líquidos no abdómen (ascite) e produzir-se uma infecção. A peritonite é normalmente provocada por uma infecção propagada a partir dum órgão do abdómen. como as que provocam a gonorreia e as infecções por clamídias) estende-se pelo interior da cavidade abdominal. renal ou hepática e uma coagulação intravascular disseminada. da vesícula biliar ou do apêndice. No entanto. Da mesma forma. com o fim de enviar uma amostra para o laboratório para identificar os microrganismos infecciosos e analisar a sua sensibilidade a diversos antibióticos.Peritonite A peritonite é a inflamação do revestimento da cavidade abdominal (peritoneu) provocada geralmente por uma infecção. A diálise peritoneal (um tratamento para a insuficiência renal) (Ver secção 11. A menos que a peritonite seja tratada de imediato. sobretudo quando parece provável uma apendicite. o peritoneu tem tendência para se curar com o tratamento. Nelas pode observar-se a presença de gás livre no abdómen (fora do intestino). Diagnóstico É fundamental estabelecer um diagnóstico rápido. é utilizada uma agulha para extrair líquido da cavidade abdominal. a inflamação do pâncreas (pancreatite aguda) pode provocar peritonite. A peritonite também pode dever-se a uma irritação sem que exista infecção. tem febre alta e um abdómen doloroso. A doença inflamatória pélvica em mulheres sexualmente activas é uma causa frequente de peritonite. Em consequência. Por exemplo. Desaparece o peristaltismo (os movimentos intestinais) e os líquidos ficam retidos no intestino delgado e no grosso. Normalmente. Em consequência duma intervenção cirúrgica pode-se desenvolver uma peritonite por várias razões. A menos que a contaminação seja muito persistente. Uma lesão na vesícula biliar. Do fluxo sanguíneo também passa líquido para a cavidade peritoneal. Sintomas Os sintomas duma infecção do peritoneu dependem em parte do tipo e da extensão da infecção. no ureter. capítulo 123) favorece com frequência o desenvolvimento duma peritonite. o talco ou o amido das luvas do cirurgião podem provocar uma peritonite sem infecção.

Também podem ser administrados líquidos e electrólitos por via endovenosa para repor os que se tenham perdido.São administrados antibióticos imediatamente. em geral vários de cada vez. . Também se pode colocar uma sonda pelo nariz até ao estômago ou ao intestino para drenar líquidos e gases.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->