P. 1
EXPRESSÕES EM FRANCÊS

EXPRESSÕES EM FRANCÊS

5.0

|Views: 1.349|Likes:

More info:

Published by: Ronivaldo Sales Sales on Jan 04, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/11/2014

pdf

text

original

BEATRIZ FACINCANI CAMACHO

ESTUDO COMPARATIVO DE EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS DO PORTUGUÊS DO BRASIL E DE PORTUGAL E DO FRANCÊS DA FRANÇA E DO CANADÁ

Dissertação apresentada ao Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista, Câmpus de São José do Rio Preto, para obtenção do título de Mestre em Estudos Lingüísticos (Área de Concentração: Análise Lingüística) Orientador: Profa. Dra. Claudia Maria Xatara

São José do Rio Preto 2008

Camacho, Beatriz Facincani. Estudo comparativo de expressões idiomáticas do português do Brasil e de Portugal e do francês da França e do Canadá / Beatriz Facincani Camacho. - São José do Rio Preto : [s.n], 2008 167 f. ; 30 cm. Orientador: Claudia Maria Xatara Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas 1. Expressões idiomáticas. 2. Língua portuguesa - Expressões idiomáticas. 3. Língua francesa - Expressões idiomáticas. 4. Lexicografia. 5. Fraseologia. I. Xatara, Claudia Maria. II. Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas. III. Título. CDU - 81’373.72
Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca do IBILCE Campus de São José do Rio Preto - UNESP

COMISSÃO JULGADORA

Titulares Profa. Dra. Claudia Maria Xatara - Orientadora Profª. Drª. Maria Cristina Parreira da Silva Prof. Dr. Oto Araújo Vale

Suplentes Profª. Drª. Claudia Zavaglia

. Aos meus avós. Augusta.À minha mãe Ivany. Eduardo e Pedro. Neyde.

pelo incentivo à execução deste trabalho desde as aulas da graduação. amigo desde o primeiro trabalho da graduação. Andréia Rui. Oto Araújo Vale pela participação na banca de defesa e pela avaliação criteriosa que contribuiu para a finalização deste trabalho. e ao Deni Kasama. acima de tudo.Agradecimentos Gostaria de deixar meus sinceros agradecimentos a todos que de alguma forma contribuíram com este trabalho: Aos meus pais. Maria Celeste Augusto pela disponibilidade em ajudar sempre que necessário e pelo interesse em nosso trabalho. À minha orientadora Profa. um agradecimento especial à Marina Caproni. À Profa. à minha vó Neyde pelas velinhas acesas e à minha tia Inalda pelas palavras de incentivo. Nelson Luis Ramos por alimentar meu interesse pela cultura quebequense. pela paciência. Em especial. Dra. cumplicidade. pela amizade sincera e pela confiança. pelo carinho e. Marisa Correa e Ricardo Montagnoli pela amizade. Diego Oliveira. pelo exemplo profissional e pessoal que me inspirou a seguir este caminho. Mônica e Luisa. Não há palavras que possam expressar minha gratidão a vocês. Dra. Fernanda Lima. As minhas irmãs. não somente no exame de qualificação. principalmente. Dr. pelo companheirismo e amizade. mas também para o meu crescimento profissional com suas aulas e conversas. Aline Cavalcanti. Dra. Claudia Zavaglia pela valiosa contribuição. Maria Cristina Parreira da Silva pelas observações precisas feitas no exame de qualificação e na defesa. Aos meus familiares pelo carinho. Angélica Cattini. Aos meus amigos Alexandre Sampaio. José Guirão. Claire Martins. Dra. À Profa. Ao Prof. À Profa. À Fapesp pela bolsa de estudo concedida para que esta pesquisa fosse realizada. Dr. ao meu lado em todos os momentos. Bruce Kasama. E. e pelos inúmeros momentos felizes que nunca serão esquecidos. . Ivany e Eduardo. Claudia Xatara pela confiança no meu trabalho. Dentre os amigos. Ao Prof. Bruna Rangel. pelo amor incondicional e apoio desde o início.

. 3................................................................................................................................................................................................................................... 25 Tipologia dos dicionários ....... 19 A cristalização...................................................................................................................................... 35 1.................... 09 Capítulo I .....................................................................................................SUMÁRIO Introdução............................ 24 1.1........... 3........ Tradução e Lexicografia Bilíngüe: a questão da equivalência .................................. 29 3............................. 35 O reconhecimento e a tradução lexicográfica de expressões idiomáticas............................ 31 Capítulo III – Aspectos tradutológicos e freqüenciais na elaboração de um dicionário multilíngüe de expressões idiomáticas...................................................... 2............ Dicionários gerais de língua........... As EIs nos dicionários ....... 28 3......... 12 1......................................... 18 A conotação ............................... 30 3...................................................... 3.............................................................................................................................. A indecomponibilidade ................................Expressão Idiomática e Lexicografia................. 24 Os dicionários na história ..........................................................2......3............................................. 4....... 42 Línguas em contraste........... Dicionários especiais ........................................ Lexicografia e interdisciplinaridade................................ 2....... 38 Os problemas de tradução nos dicionários bilíngües/multilíngües....................... 22 Capítulo II ............................................Expressão Idiomática e Fraseologia................................................ 44 ..... 2................

.................... Expressões semelhantes formalmente........................................................................................................................................................................................... 144 3............. França x Canadá......................... Nomenclatura em português do Brasil e em francês da França...4.................................. 132 1.. ................................. 53 Levantamento de equivalentes em português de Portugal a partir de expressões idiomáticas brasileiras .......................................Materiais e Métodos ........ 147 ...5........................................ 142 3.......................... 138 2............. Freqüência de uso e corpora. Diferenças e paralelismos culturais e lingüísticos .. 59 Capítulo V – Inventário final......... 135 2........... 143 3.. 61 Capítulo VI .............................................................................................Análise do inventário final...... 141 3............. Expressões diferentes: traços não universais ........................2.......... 55 4....................................... Expressões diferentes: traços específicos ........................................................................3.. 135 2................... 139 2..........2............... Organização lexicográfica do inventário final................... 47 Capítulo IV ...................................................... Localização e verificação da freqüência dos equivalentes em português de Portugal e em francês do Quebec ............................................................... 2.......... 132 Brasil x Portugal.................... 2................................................1 Expressões semelhantes: traços quase universais............................................................................................................................ 56 5...... Expressões diferentes: traços não universais .......... Expressões diferentes: traços específicos ................................................... Levantamento de equivalentes em francês do Quebec a partir de expressões idiomáticas francesas ....................1 Expressões semelhantes: traços quase universais.............................................3............................................ 53 1............... mas com sentidos diferentes............................................... 54 3............

................................................................. 154 Referências Bibliográficas . 148 4........................ 164 Corpus para as EIs em francês do Quebec .............................. 166 ..................................................... 152 Considerações Finais.. 150 4. 151 4....................... Expressões semelhantes: traços quase universais................................................................................................................................................................. Expressões diferentes: traços não universais .................................. 157 Bibliografia..................... 149 4.. 163 Corpus para as EIs em português de Portugal .. Francês x Português.4..............................................................2........ Expressões diferentes: estereótipos ..............1..... Expressões semelhantes: traços emprestados de outra cultura...................................................4.....................................................................................................................................3..................................................................

Phraséologie. Lexicografia. Para tanto.RESUMO Esta pesquisa tem como objetivo principal fazer um levantamento de expressões idiomáticas equivalentes em português de Portugal e em francês do Canadá (Quebec) aos idiomatismos em português do Brasil e em francês da França que compõem a nomenclatura do Dictionnaire électronique d’expressions idiomatiques français-portugais / portugais-français (XATARA. Fraseologia. RÉSUMÉ Cette recherche fait l’objet d’un inventaire d’expressions idiomatiques en portugais du Portugal et en français du Canada (Québec). Mots-clé: expression idiomatique. . 2007). considerou-se o conceito de expressão idiomática segundo os estudos fraseológicos e a freqüência de uso das equivalências propostas. Pour cela on a considéré le concept d’expression idiomatique d’après les études phraséologiques et la fréquence d’usage des équivalences proposées. équivalentes aux expressions en portugais du Brésil et en français de France qui composent les entrées du Dictionnaire électronique d’expressions idiomatiques français-portugais / portugais-français (XATARA. Lexicographie. Palavras-chave: expressão idiomática. 2007).

sobretudo. revistas de divulgação científica. As pesquisas mais recentes a respeito são. lexicógrafos ou gramáticos. comprovaram empiricamente que as expressões idiomáticas são tanto ou mais numerosas que as construções livres (GROSS. 1994). Atualmente. não permitindo quase nenhuma operação de substituição. inclusão ou exclusão de elementos componentes. cujo axioma fundamental elege a frase como unidade mínima de significação. quadrinhos. Čermák (2001). fazem parte do nosso dia-a-dia. Vale (2001). estando totalmente inseridas na linguagem comum de registro informal. confiáveis estudos da léxico-gramática. por conseguinte. Gaston Gross (1996). ao passo que seu sentido global conotativo puder ser reconhecido pelos usuários. Entretanto. Podemos observar que as EIs de uma língua ocorrem. Boogards (1997). jornais. Apesar disso. estaremos diante de uma expressão idiomática (EI). em variados tipos de texto: livros. etc. Xatara (1998). Mel’chuk. Odijk (2004). revistas. Tutin (2004). tanto na modalidade oral quanto na escrita. . as de Ranchhod (1990). Clas & Polguère (1995). não se questiona que os idiomatismos devam ser tratados com o devido relevo na pesquisa lingüística ou no ensino/aprendizagem da língua materna e de uma língua estrangeira. e se essa lexia tiver sido cristalizada por determinada comunidade lingüística. Moon (1998). noticiários. Portanto. filmes. com freqüência. se o significado literal dessa lexia não puder ser compreendido ou causar algum estranhamento. por muito tempo elas não contaram com o interesse de especialistas: fraseólogos ou lexicólogos. propagandas. Bárdosi (1992). Cowie (1998).INTRODUÇÃO Se uma lexia complexa for indecomponível.

baseamo-nos em diversas pesquisas sobre . Mesmo no cotejo com o inglês. e a elaboração de dicionários português-francês-português é bem menos representativa ainda. e a seleção tão restritiva dessas unidades como subentradas. Para isso. quase não se encontra material lexicográfico bilíngüe especial em nosso país. O segundo critério. isto é. o que levaria ao dobro de seu volume. dicionários que façam determinados recortes no léxico da língua geral para se ocupar em detalhes das unidades lexicais pertencentes a esses diferentes recortes. determinamos alguns critérios para a seleção dos idiomatismos que comporiam o inventário final. a definição do limiar de freqüência. O principal objetivo deste trabalho foi fazer um levantamento de equivalentes em português europeu e em francês quebequenses aos idiomatismos brasileiros e franceses encontrados no Dictionnaire électronique d’expressions idiomatiques français- portugais/portugais-français [DEEI] (XATARA. acreditamos que nossa pesquisa possa representar uma contribuição importante para os estudos lexicográficos e fraseológicos. 2007). Para tanto. não há uma produção muito significativa de obras de referência em português brasileiro. determinaria a inclusão ou não de um idiomatismo em nosso inventário. já que este ainda não é uma unanimidade entre os lingüistas. adotamos o conceito de EI proposto por Xatara (1998) de que para ser considerada uma EI o fraseologismo deve ser uma lexia complexa indecomponível.10 No que concerne a uma abordagem propriamente lexicográfica das EIs. Por isso. O primeiro critério foi a escolha do conceito de fraseologismo a ser adotado. antes do início das buscas por esses equivalentes. Dessa maneira. destaca-se o paradoxo da necessária inclusão maciça de idiomatismos nos dicionários gerais de língua. segundo uma perspectiva contrastiva. Para deixar a questão ainda mais lacunar. conotativa e cristalizada por uma comunidade lingüística.

no capítulo V. Por fim. procura verificar o espaço que ocupam na práxis lexicográfica. para o capítulo VI. . No capítulo II. seja aos especiais. seja referente aos dicionários de língua geral. a presente dissertação discute a definição e as peculiaridades das EIs no capítulo I. Após a finalização do levantamento de EIs. Em seguida. nas duas línguas pré-estabelecidas e suas duas variantes. apresentamos o inventário final a que chegamos e. a partir dos resultados alcançados. realizamos algumas análises contrastivas que nos trouxeram algumas informações culturais e lingüísticas sobre os 4 países envolvidos na pesquisa. abordamos justamente que o propósito de um dicionário bilíngüe que trate exclusivamente das EIs é um reflexo da importância desse tipo de fraseologismo e. As implicações com a busca por equivalentes em uma língua estrangeira e a com a determinação de idiomatismos de fato usuais encontram-se no capítulo III. culturais) que esse inventário indicou. ao mesmo tempo. trazemos nossas reflexões sobre vários aspectos (lingüísticos. mono ou bilíngües. nas considerações finais. freqüenciais. além de chamar atenção para as particularidades culturais do universo idiomático das línguas em contraste. além de detalhar quais foram as fontes de consulta. Para a execução do inventário de EIs proposto.11 Lingüística de Corpus e sobre o uso da Internet como corpus para chegarmos ao número mínimo de 14 ocorrências na web para que uma EI seja considerada freqüente em Portugal e ao mínimo de 7 ocorrências para que seja considerada freqüente no Canadá (Quebec). Estruturalmente falando. da necessidade de tentar diminuir o déficit deste material no mercado editorial. o capítulo IV aponta as decisões lexicográficas adotadas em relação à escolha da nomenclatura e do modelo microestrutural.

CAPÍTULO I EXPRESSÃO IDIOMÁTICA E FRASEOLOGIA O principal foco de nossa pesquisa são as EIs. e a variação desses elementos faz com que as palavras se diferenciem (LORENTE. dos significados (semântica). mas em outras áreas também. Podemos comparar o léxico a uma intersecção de caminhos. Cada perspectiva refere-se a uma parte de um todo e essa divisão tem sido importante. a relação entre o vocabulário e outras áreas de descrição. não só na Lexicologia. esses elementos estarão presentes. que estuda o léxico das línguas de forma completa e integrada. de uma ideologia. . como geradora e reflexo de sistemas culturais. de um sistema de valores. A partir dessas diferenças. mas nem por isso essas diferenças implicam em contradições. unidades lexicais (ULs) especiais ou fraseológicas que fazem parte do léxico geral. para que possamos nos aprofundar no estudo de uma parte específica e depois relacioná-la ao todo. como seus significados. Se há uma unidade lexical (UL). Este é o campo de estudo da Lexicologia. das combinações sintagmáticas (sintaxe) ou do uso da língua em situações comunicativas (pragmática). Elas vêm dos sons (fonética e fonologia). 2004). um ponto de encontro de diversas informações que chegam de todos os lados. a morfologia e a sintaxe. a relação entre as palavras. o estudo do léxico não é somente o estudo do vocabulário de uma língua. a fonologia. A Lexicologia aborda as palavras como um instrumento de construção e detecção de uma “visão de mundo”. No entanto. comprovamos as diversas perspectivas no estudo do léxico. dos morfemas (morfologia). mas também o estudo de todos os aspectos que o envolvem.

admitiu que é difícil definir limites ente o fato de fala e a marca de uso coletivo. a Fraseologia. uma vez que se aprofundou na delimitação dos objetos de estudos abarcados por esse domínio. Saussure (1969). Entretanto. De acordo com Alvarez (2000). já que são combinações sintagmáticas impostas pelo uso coletivo. confirmando assim a complexidade de delimitação dessas unidades. O termo idiomática era usado pelo autor como um sinônimo de fraseologia. também escreveu sobre os fraseologismos ao mencionar as chamadas frases feitas. Foi ele quem atentou para a existência de expressões fixas e de combinação estável e instituiu a Fraseologia como um dos domínios da Lexicologia. a inseriram como disciplina lingüística. destacando o fato de essas combinações não poderem ser improvisadas nem alteradas. encontramos na Lexicologia uma subárea que trata especificamente desse tipo de léxico especial. mas sim. em seu famoso Curso de Lingüística Geral. já na década de 40. que dependem do exercício livre dos indivíduos. na década de 30. com base nos estudos das combinações estáveis. fatos da língua. Antes disso. com suas características e peculiaridades. Apesar do pioneirismo russo. cujas pesquisas serviram de fundamentação para todas aquelas que vieram posteriormente.13 No caso desta pesquisa. mas representarem frutos de uma tradição. é Charles Bally que é considerado o fundador da Fraseologia. que estabelecem um encadeamento de caráter linear. Polivánov definiu a Fraseologia como uma disciplina especial da área da linguagem que se serviria da expressão dos conceitos individuais (significações lexicais). . os russos foram os primeiros a definirem Fraseologia. compostas por duas ou mais unidades consecutivas. O lingüista suíço ainda acrescentou que essas locuções não eram fatos da fala. E. para a descrição e análise dos idiomatismos.

. vinculando-se entre si e adquirindo sentido somente nessa estruturação. pois este termo ainda causa controvérsias no campo da Lexicologia. Partindo. sendo os mais extremos a saber: (i) combinações livres. 12. 9. presença de arcaísmos e elipses. as palavras devem estar dispostas numa ordem invariável e não podem ser separadas por outras. esquecimento do sentido desses elementos – o falante não pensa em palavras isoladas. e em “Fraseologia técnico-científica”. De acordo com Greimas e Courtés (1979) lexias são: “unidades de conteúdo (. 10. das combinações estáveis. aquelas cujas palavras perdem totalmente sua independência. aquelas que se decompõem imediatamente após terem sido criadas. a recorrência – freqüência com a qual que é utilizada. Este último caso tornou-se o objeto de estudo por excelência da Fraseologia. Ainda de acordo com ele. 11. então.14 Segundo Bally (1951). por sua possibilidade de substituição interior de uma classe de lexemas dados (. que estuda as expressões terminológicas. 7... ou seja. nenhuma palavra pode ser substituída por outra.. 254). 8. em detrimento à palavra. paradigmaticamente.) e sintagmaticamente. que estuda os idiomatismos. a Fraseologia seria uma submacroárea da Lexicologia e se dividiria em “Fraseologia popular”. por sua espécie de recursividade léxica. cujas palavras presentes servem para novas combinatórias e (ii) combinações estáveis.) que poderiam ser definidas. as combinações lexicais apresentariam diferentes graus de coesão. . a equivalência da unidade a uma única palavra denominada de termo de identificação. isto é. unidade formada por várias palavras (termo utilizado pelo autor)1. as gírias. 1 Esclarecemos que em nosso trabalho optamos por utilizar o termo lexia. os provérbios. podendo as unidades de nível hierarquicamente superior ser reproduzidas no nível lexemático (p. os ditados. Bally (1951) propôs características para reconhecermos as locuções fraseológicas: 6.

15

Muitos outros estudiosos tentaram formular uma teoria fraseológica, porém observamos em todos eles uma grande heterogeneidade de critérios. Pottier (1974), na sua classificação, considerou as lexias como unidades lexicais memorizadas e as dividiu em quatro grupos: “lexia simples”, “lexia composta”, “lexia complexa” (onde estão classificadas as EIs) e “lexia textual”. Lyons considerava os fraseologismos um todo indecomponível e os denominava enunciados estereotipados. Fillmore considerava-os convencionais e memorizados. Danlos referia-se a eles como expressões cristalizadas, partindo do significado global de seus componentes. E Fiala baseou-se nas idéias desses autores e propôs uma definição de fraseologismo que representa um avanço em sua análise: formas complexas, figuradas ou não, recorrentes e com diferentes graus de fixação/estabilidade. Ainda acrescentou que os fraseologismos não constituem expressões lexicais isoladas, podendo, portanto, compor um paradigma (RIOS, 2003). Para Dobrovols'kij a “Idiomática” era apenas uma parte da Fraseologia, cujos componentes, de uma maneira muito particular, sofreriam um afastamento de seus significados iniciais. A “Idiomática” estaria ligada aos textos sobre folclore e, por isso, está relacionada a imagens do mundo, da cultura, da vida e das fantasias de uma determinada comunidade (ALVAREZ, 2000). Como vemos, sempre houve dificuldades em definir consensualmente e classificar os fraseologismos e em estabelecer características comuns a tudo o que é considerado uma unidade fraseológica, ora sem qualquer sentido figurado (como as colocações, por exemplo: “recusar categoricamente”, “terminantemente proibido”), ora com o significado todo (como as EIs e também os provérbios, as gírias, etc). No entanto, para Alvarez (2000), dentre esses vários critérios diferentes, pode-se encontrar alguns pontos em comum, a partir das quais resumimos as principais características

16

das unidades fraseológicas: sintagmas indivisíveis semanticamente, compostos por duas ou mais ULs, normalmente muito recorrentes e cristalizados pelo uso, podendo apresentar conotação ou não e aceitando apenas eventualmente a inserção de um elemento quando o sentido da unidade não for afetado. A Fraseologia, portanto, não possui limites claros, pois as ULs que ela abrange apresentam certas características manifestadas em maior ou menor grau, mas dificilmente contêm todas as características definidoras (RUIZ, 1998; COWIE, 1998). Isso explicaria as próprias controvérsias que o termo Fraseologia ainda causa entre os lingüistas. Para alguns, as unidades fraseológicas são apenas as EIs como “burro como uma porta” ou “entortar o caneco”. Já para a maioria deles, os provérbios como “Deus ajuda quem cedo madruga” ou “Quem com ferro fere, com ferro será ferido”, as gírias como “mané”, além das locuções como “desde então” ou “a ponto que” também podem ser considerados tipos de fraseologismos. Neste trabalho entenderemos o conceito de Fraseologia como uma ciência que estuda um conjunto de ULs especiais, sejam lexias simples ou complexas, com particularidades expressivas. Entretanto, somente as EIs, um tipo de construção fraseológica, serão analisadas e começaremos por identificar alguns critérios para sua definição. Em primeiro lugar, devemos observar, se trata-se de uma lexia complexa indecomponível (duas ou mais ULs), pois uma única UL jamais será suficiente para caracterizar um idiomatismo. Assim, selecionaremos somente combinatórias fechadas, nas quais a substituição ou o acréscimo de qualquer UL poderá causar um prejuízo para a interpretação semântica. A questão da conotação é outra característica essencial das EIs, pois há vários outros tipos de fraseologismos que também podem ser lexias complexas indecomponíveis e cristalizadas, mas são denotativos e, por isso, distinguem-se das EIs. Para ilustrar, citamos

17

alguns ditados: “Quanto mais se tem mais se quer”, “A pressa é inimiga da perfeição” e algumas unidades lexicais terminológicas como “sistema solar”, “balão de oxigênio”, “meio ambiente”, que por não prescindirem de nenhum nível de abstração para a compreensão do seu significado global, não podem ser classificados como idiomatismos. Outra característica importante das EIs é a sua cristalização, ou seja, a sua aceitação por parte de uma comunidade lingüística, tornando-a freqüente e seu sentido estável. Em alguns casos, as EIs são cristalizadas de forma que não podem sofrer modificações. De fato, a EI “pôr o dedo na ferida”, por exemplo, não pode transformar-se em “pôr a unha na ferida”. Nem podemos acrescentar elementos, como em “pôr o dedo [indicador] na ferida”. Já em alguns casos, as modificações são feitas de maneira inusitada para se chamar atenção e criar um efeito de linguagem. Analisaremos mais detalhadamente essa questão adiante. Dessa forma, adotamos a seguinte definição de EI: “lexia complexa indecomponível, conotativa e cristalizada em um idioma pela tradição cultural” (XATARA, 1998a). As EIs são indispensáveis para a comunicação entre as pessoas, pois apesar de a língua dispor de meios para se expressar objetivamente sobre qualquer assunto, essas expressões saciam a necessidade do falante de comunicar suas experiências de maneira mais expressiva, lançando mão de combinatórias inusitadas. O falante procura recursos para tornar sua fala mais persuasiva, como em: Não “feche os olhos” para os problemas ambientais. Ou para ficar mais próximo de seu interlocutor: Nós, eleitores brasileiros, estamos todos “no mesmo barco”. Também são utilizadas para despertar sentimentos como emoção: Após conquistar a medalha, estava “feliz como uma criança”; comoção: A situação de sua mãe era de “cortar o coração”; ironia: Era alto como um “pintor de rodapé”; irritação: Durante a reunião saiu “cuspindo fogo” e amor: Como nos contos de fada, foi “amor à primeira vista”, etc. Klare (1989) afirma que a expressividade dos idiomatismos resulta das figuras de linguagem neles contidas. Alvarez (2000) acredita que realmente existam fundamentos

provando aceitar as imagens que lhe foram passadas. por meio das EIs. adequações textuais e também para fins estilísticos. as variações podem ocorrer em diversos níveis. Assim. Isso significa que os idiomatismos ou não aceitam nenhuma inserção ou omissão de qualquer elemento (EIs de distribuição única. então. “menino [homem] de rua”. Ao escolher uma EI o indivíduo revelaria. que determinam a maneira com que o sujeito se relaciona com o extra-lingüístico ao seu redor e que o conjunto de EIs possui os elementos fundamentais das metáforas que regem o cotidiano de um grupo lingüístico. revela seu modo de pensar e o modo de ver o mundo. por exemplo.18 sociais. 1998a). Em algumas EIs. Dessa maneira. A aceitação de variações das EIs dependerá do grau de cristalização. etc. 1. tais como nos modos e tempos verbais. nos advérbios. . subjacentes a cada EI de uma língua. essas variações são necessárias para atender as necessidades sintáticas. ou seja. sua identidade e se mostraria solidário com sua comunidade lingüística. o repertório de EIs empregado por uma pessoa revela muito mais do que apenas o modo de falar ou de uma escolha lexical. A força da tradição seria revelada pelas metáforas repetidas por esse grupo. Abaixo. nas pessoas do verbo. A indecomponibilidade As EIs constituem lexias complexas indecomponíveis porque representam uma combinatória fechada em que qualquer dissociação de suas partes pode acarretar prejuízo para sua interpretação semântica. “cutucar onça [leoa] com vara curta [longa]”) ou apresentam raras possibilidades de substituição por associação paradigmática (EIs de distribuição restrita) (XATARA. detalhamos os três principais elementos caracterizadores das EIs. antes.

“arriscar a [própria. a soma das palavras componentes de uma EI nos leva a uma interpretação totalmente . “bater [logo] as botas”. Essa modificação. porém. dependendo da situação. Essas alterações são muito utilizadas pela imprensa. sua. produzida recentemente. desta vez. A conotação Biderman (2001) define as EIs como combinatórias de lexemas que o uso consagrou numa determinada seqüência e cujo significado não se dá na simples somatória das suas partes. conseguindo dessa forma persuadi-lo. te] aos pés de”. que significa “não resultar em nada”. 2. as alterações propositais que o remetem a uma outra significação. por exemplo. para dar um ar humorístico ou dramático. o sentido literal até pode ajudar no entendimento conotativo da expressão. muitas vezes. Um exemplo de como essas alterações são utilizadas pela mídia para causar um impacto é a EI “acabar em tapioca”. como. Acrescentamos que é muito comum haver uma ruptura da idiomaticidade com fins estilísticos. como exemplo. os casos de EIs com variações pronominais e variações de expressividade. ou seja. uma variação da EI “acabar em pizza”. desconsiderando suas partes como unidades semânticas. que também é passível de compreensão pelos falantes da língua. “atirar-se [me. além do primeiro significado conotativo da EI. tanto falada quanto escrita. em “armar o [maior] barraco”.19 Citamos. minha] pele”. e pela publicidade. remete a mais uma investigação que não chegou a nenhuma conclusão. sempre com o intuito de chamar a atenção do público. Em alguns casos. sobre a compra de tapioca feita por um ministro com um cartão corporativo do governo federal. As variações são bem vindas quando permitem que o interlocutor entenda.

Então. Já em relação à segunda. pois quando uma EI é lexicalizada. diabo ― dessemantizam-se. marca fraseológica restrita a contextos em que significa “discutir assuntos desagradáveis apenas com os que estão envolvidos”. OLIVEIRA. que se situa além do primeiro significado de uma lexia. Uma EI é. Segundo Roncolatto (2001). Como no caso da EI “pagar o pato”. ela deixará de ser aí classificada como EI. mas sim no uso. Deus. Quando uma combinação de ULs de sentido metafórico é lexicalizada. a conotação é uma das características principais das EIs. vela. a conotação pode ser considerada um segundo nível de significação. por exemplo. não sendo original na criação. Quanto à diferença entre a conotação idiomática da linguagem cotidiana e da linguagem literária. sempre que uma EI também puder ser entendida em um sentido denotativo. a metáfora nela contida passa a ter lugar no próprio léxico . essa é normalmente consciente e refletida (XATARA. a conotação não é ocasional. ou sua relação com o objeto que representa em favor do significado global próprio da EI. se considerarmos o plano da expressão da linguagem conotativa como um sistema de significação. portanto. Aliás. percebemos que a primeira já faz parte do sistema lingüístico. cada um de seus componentes perde sua função nominativa. uma representação figurada da realidade e caracteriza de forma pitoresca o que pretende expressar. 2002). todas as ULs componentes ― acender. Segundo Alvarez (2000).20 equivocada. no sentido de “atender dois grupos de interesses contrários”. quando dizemos “lavar a roupa suja” diante uma pilha de roupa suja. pois elas são frutos de um processo metafórico de criação. que significa “sofrer as conseqüências dos atos de outras pessoas” e não comprar um pato e pagar por ele. Na EI “acender uma vela a Deus e outra ao diabo”. perdem o seu significado habitual e passam a significar apenas em conjunto. Esse fenômeno é conhecido como dessemantização.

. como em “aceitar o jogo”. pode-se chegar à lexicalização. a conotação é construída pela soma dos elementos de significação denotativa e dos de significação conotativa. “escolher a dedo”. Xatara (1998a) propôs uma subdivisão entre as fortemente e as fracamente conotativas: a) fortemente conotativas: todos os componentes estão semanticamente ausentes. No caso da EI “pagar um mico”. em que temos elementos de sentido literal (aceitar. Quanto aos graus de conotação de um idiomatismo. de valor denotativo. pois é impossível recuperar ou até mesmo criar as imagens às quais elas se referem. a dedo). a denotação de alguns elementos não anula o sentido conotativo da EI como um todo. de valor conotativo. b) fracamente conotativas: componentes semanticamente presentes. O sentido literal fica bloqueado pela realidade extra-lingüística. enfrentar e escolher) acompanhados de ULs de sentido figurado (jogo. parada. por exemplo. Nesse caso de expressões mais “transparentes” (ALVAREZ. o sentido de cada UL analisada separadamente não nos leva de modo algum a compreender a expressão como “passar vergonha na frente de outras pessoas”.21 (como quando uma expressão idiomática é dicionarizada). 2000). etc. um alto grau de metaforização. estão associados a componentes semanticamente ausentes. por várias pessoas. Quando o uso metafórico de uma frase é repetido várias vezes. “enfrentar a parada”. Percebemos nessas EIs “opacas” (ALVAREZ. tornando a expressão parte do léxico de uma língua. 2000). havendo uma dificuldade em se recuperar a motivação metafórica. Nesse tipo de expressões.

algumas podendo até desaparecer certo tempo após o seu surgimento.. apresentando um significado estável em uma perspectiva sincrônica por ser resultado de uma convenção social e não uma proposição individual. pois a língua está em constante evolução. mas também de seu significado. 22): “a lexicalização das EIs é motivada pela lacuna lexical de uma língua para expressar. as EIs podem mudar de significado.. é imprescindível que ela seja consagrada pela tradição cultural de uma comunidade lingüística. 2000). os significados dos componentes de uma EI podem não ter estabilidade. Deve-se ter em mente. provocando um efeito de sentido (. desse modo. A grande maioria das EIs. A expressão “abrir as portas” é um exemplo de acréscimo de significação. As EIs. o que lhes configura certo caráter efêmero (ALVAREZ. Ela pode significar tanto “iniciar uma atividade comercial em um estabelecimento” quanto “dar uma oportunidade. aceitar a participação de alguém”. pode ocorrer uma cristalização não apenas da forma do idiomatismo. mesmo diacronicamente. porém. A cristalização Para que uma expressão seja considerada idiomática. permanece no léxico e é incorporada de vez pela língua. É o caso de EIs que permaneceram na língua sempre com o mesmo sentido. A freqüência do uso das EIs pelos falantes das comunidades é também o fator responsável pelo seu processo de lexicalização. Apenas na diacronia da língua. que essa estabilidade é relativa. entretanto. perdendo ou acrescentando significações. que as tornam estáveis em suas significações.). refletem o lado dinâmico da língua e podem se adaptar às necessidades comunicacionais do momento. Por outro lado. 2004). Segundo Xatara (1998a. certas nuanças de . ou seja. idiossincrática.22 3. p. na evolução semântica da língua (RIVA.

. Ou seja. ressaltamos ainda que uma EI possui a verdade do discurso idiomático assegurada pelo seu saber implícito. Por fim. 2000). O que permite a compreensão de um idiomatismo é a adequação contextual do uso da EI pelo usuário da língua. indo sempre do individual para o coletivo. mesmo que não representem “verdades universais”. A cristalização de uma EI pela tradição cultural de uma comunidade lingüística garante seu automatismo. as EIs se perpetuam. que retêm tais combinações em sua memória coletiva”.23 pensamento dos falantes. que podemos empregar tanto para dizer que alguém mudou radicalmente de posição (“virou a casaca”) ou para dizer que alguém virou homossexual (“saiu do armário”). papel que cabe aos provérbios. Por esse motivo. para interpretarmos corretamente uma EI devemos levar em conta o contexto em que é utilizada. como no caso da expressão “mudar de time”. mas não garante ao receptor sua interpretação correta. É ele que faz de uma expressão qualquer uma EI e não o contexto ou a situação (ALVAREZ. como modo de dizer tradicional cristalizado.

Porém. Gross (1996). 13. foram ocupando um lugar de relevo nos estudos lingüísticos e. Lexicografia e interdisciplinaridade A Lexicografia é definida grosso modo como uma técnica de elaboração de dicionários. as EIs não contaram com a atenção de especialistas. entre outros.CAPÍTULO II EXPRESSÃO IDIOMÁTICA E LEXICOGRAFIA Durante muito tempo. Porém. aos poucos. a Lexicografia também depende de outras áreas para avançar. essa definição tornou-se muito restritiva. colaboraram com o avanço da Lexicografia e da Fraseologia e. o que contribuiu para melhoras significativas nos produtos lexicográficos contemporâneos. então. uma vez que a Lexicografia dispõe de todos os pressupostos teóricos. sendo relegadas a subentradas e misturados a outros tipos de fraseologismos. 1998). Assim como qualquer outra área do conhecimento. há cerca de 15 anos atrás. já contam com dicionários especiais dedicados exclusivamente a elas. Estudos como os de Xatara (1994. hoje. objeto e metodologia específicos requeridos por uma ciência. com os avanços dessa área da Lingüística nas últimas décadas. pois percebemos uma relação intrínseca e evidente entre essas duas áreas: o lexicólogo é o responsável pelo fornecimento dos . as EIs passaram a receber um tratamento mais adequado e. Boogards (1997). a técnica lexicográfica surgiu da necessidade prática de se fazer dicionários de uma maneira empírica. Moon (1998). essa realidade começou a mudar. De fato. A Lexicologia é uma delas.

Além da Lexicologia. que participam na elaboração de um grande dicionário. Tão velhas quanto a própria escrita. 2006). principal fonte para a constituição de um dicionário. da Morfologia (descrição da classe das palavras). que sempre leva em conta os usos e desusos mais recentes dos falantes. os arcaísmos e os estrangeirismos. E um dos nossos objetivos nesta pesquisa é justamente colaborar para a evolução da Lexicografia. atribui-se aos sumerianos a criação da primeira obra lexicográfica. portanto. basta repararmos na imensa quantidade de colaboradores. das mais diversas áreas. Para o lexicógrafo selecionar o que pretende descrever. da Etimologia (descrição da origem e da evolução das palavras). Esta última é uma das responsáveis pelas novas edições de um dicionário.300 a. 2. Por fim. da Semântica (descrição dos significados) e da Pragmática (descrição do uso). para provar a incontestável interdisciplinaridade da Lexicografia. que exemplificam a entrada e saída de palavras em dado momento da língua.25 instrumentos de análise do léxico. Os dicionários na história De acordo com Rios (2003). essas listas lexicais eram . em 3. Apesar do auxílio de outras áreas e dos avanços já alcançados. para produzirmos um dicionário.C. 2004). existe ainda uma carência em relação aos estudos lexicográficos no Brasil. Incluímos nestes casos os neologismos. ele necessita de uma concepção teórica do conjunto lexical sobre o qual trabalha (RIVA. São modificações que ocorrem tanto na macro quanto na microestrutura de um dicionário e. utilizamos conceitos da Fonética (descrição fonética das palavras). particularmente a Lexicografia fraseológica. são bem significativas (XATARA.

com uma tradução para cada palavra. mas depois de algum tempo eles passaram a desenvolver listas bilíngües. encontraram-se mais trabalhos bilíngües. Com o Iluminismo. encontramos uma Lexicografia bastante desenvolvida. a Lexicografia adaptou-se às diferentes necessidades.26 gravadas com tijolos e separadas pela sua temática. no caso dos on line. Atualmente. na Grécia e no Império Romano. Os egípcios também produziram listas monolíngües e bilíngües. . Além desses. Chegando ao século XX. pois são mais práticos. fazendo surgir dicionários de vários tipos. com a expansão do cristianismo e do latim como a língua oficial da Igreja Cristã. tornando-os mais democráticos e “consumíveis” (de fácil acesso). também foram encontrados trabalhos lexicográficos na Índia. no século XVIII. com a publicação de diversas obras. os dicionários contam com a ajuda da tecnologia para serem desenvolvidos. Os dicionários on line e em cd room ocupam um espaço cada vez maior na preferência dos consumidores. primeiramente quando os mulçumanos começaram a dominar o Ocidente. Com a ampliação do alcance da educação. na Etiópia. vegetais e objetos até economia e profissões. Isso ocorreu entre os séculos IX e XI. mais abrangentes (não tem a preocupação de espaço do impresso) e podem ser acessados de qualquer computador. nas mais variadas línguas. feitos por outros povos que mantinham contato com os árabes. que variava de animais. porém. Uma das principais responsáveis pela produção e pelo avanço das obras lexicográficas foi a religião. desafiando a civilização bizantina e. Essas primeiras listas desenvolvidas pelos sumerianos eram monolíngües. em seguida. as enciclopédias e os grandes dicionários monolíngües tradicionais proliferaram-se. Na cultura árabe.

existe ainda certo preconceito do usuário em relação ao dicionário.27 Portanto. amplia-lhe os recursos para a utilização adequada do vocabulário aprendido. de uma sociedade. jamais. Desse modo. Essa é uma característica naturalmente intrínseca a qualquer obra de referência. pois além de ampliar o vocabulário do indivíduo. somado ao crescente intercâmbio entre os povos. deve ter uma função social e ser obrigatório nas escolas. pode ser medido por meio da qualidade e da quantidade de dicionários produzidos por essa sociedade. Pois. . criado por todas as sociedades humanas atuais e do passado. Nos dias de hoje. fez aumentar a necessidade de dicionários e. o léxico é um tesouro de signos lingüísticos que registram o conhecimento de uma comunidade lingüística sobre o mundo. o dicionário. registrando todos os conceitos lingüísticos e não-lingüísticos. encarado como produto cultural destinado ao consumo. Xatara (2006) afirma que o léxico de uma língua é um patrimônio sociocultural e que o prestígio de uma nação. concluímos que o desenvolvimento científico. vimos os dicionários de língua geral como produtos culturais. quanto mais estudos lexicográficos se desenvolverem em um país. de todos os referentes do mundo físico e do universo cultural. promoveu a evolução da Lexicografia. Infelizmente. Ou seja. Porém. o que encontramos no dicionário elaborado segundo critérios descritivos nada mais é do que o registro do léxico parcial de uma língua. maior a produção de dicionários e maior o prestígio internacional de uma língua. conseqüentemente. que é visto como um ditador de regras lingüísticas e criticado por sua incompletude. De acordo com Biderman (1992). um dicionário conseguirá abarcar o léxico de uma língua na sua totalidade. sendo as unidades lexicais presentes no dicionário um testemunho real de uma dada cultura.

vocabulários estão à nossa disposição justamente para otimizar as buscas. a Lexicografia contemporânea considera o dicionário sob uma ótica distinta daquela que se tinha no passado. minidicionários). termos específicos de uma determinada área e são elaborados por terminólogos. representando na verdade uma tentativa de descrever o léxico de uma língua. Os diversos tipos de dicionários.28 3. que descrevem o léxico de uma língua. A escolha de um dicionário apropriado pode aumentar as chances de se encontrar aquilo que se procura. podendo ser classificados em bilíngües (duas línguas) ou multilíngües (três ou mais línguas) (HAENSCH. documentando a práxis lingüística dessa sociedade. são as necessidades dos consumidores as determinantes na hora de se estabelecer os objetivos da obra. pelo percurso da relação entrada- . É papel do dicionário registrar a norma lingüística e lexical vigente na sociedade para o qual é elaborado. levaremos em conta apenas os dicionários de língua. 1982). Em nosso trabalho. de se obter uma consulta mais satisfatória. Tipologia dos Dicionários Segundo Biderman (1998). E. o tipo de dicionário que será produzido. Os dicionários podem ser divididos em dicionários de língua e dicionários especializados. em que o dicionário ditava o que deveria ser usado. Estes últimos tratam das línguas de especialidade. Esses dicionários tratam basicamente da língua de uso comum e são classificados em monolíngües. elaborados por lexicógrafos e/ou lexicólogos. ou seja. Por isso. ou plurilíngües. Tantos os mono quanto os multilíngües podem ser ainda diferenciados pelo número de entradas (thesaurus. ou seja. os dicionários constituem uma organização sistemática do léxico. que têm como finalidade a comunicação interlingüística e intercultural. glossários. como o dicionário é também um produto comercial por ser normalmente destinado ao consumo do grande público.

de grande utilidade. pelo tipo de microestrutura (enciclopédicos. Evidentemente. A seguir. em particular as conotativas. acabam sendo preteridas. que atendendo a determinações editoriais. os sistemas lingüísticos. existe uma grande dificuldade no estabelecimento desses critérios. o recorte do léxico para a composição de um dicionário é inevitável e muitas vezes as ULs especiais. é preciso estabelecer critérios significativos para a seleção da sua nomenclatura. E mesmo as que são incluídas sofrem com as restrições dos dicionaristas. tradutores). se devemos levar em conta as inevitáveis diferenças socioculturais. No entanto. Os dicionários de língua bilíngües são muitas vezes contestados por lingüistas e teóricos da tradução por tentarem propor equivalentes “perfeitos” entre palavras e expressões de duas línguas. Assim. ainda. dentre as quais as EIs. das suas entradas. lingüísticos) ou. ou seja. as diferentes culturas e visões de mundo causam divergências ao se nomear uma realidade. Dicionários gerais de língua Para todo e qualquer dicionário. pelo público-alvo (escolares. além de nunca as colocarem como entradas. A verificação da cristalização e da freqüência dessas unidades seria. principalmente quando se trata de ULs fraseológicas. onomasiológicos). quando se trata de mais de uma língua. Nos dicionários monolíngües. fazemos uma descrição sobre a tipologia das obras lexicográficas e qual o espaço dedicado às EIs em cada uma delas. um dicionário bilíngüe composto apenas por enumerações sinonímicas é insuficiente. portanto. não as classificam em todas as suas especificidades. 3.1. embora ainda exista a .29 definição (semasiológicos.

no plano funcional ou semântico e suas informações são sempre do mesmo tipo. entre outros. Por esse motivo. por haver .30 crença de que toda tradução possui necessariamente uma equivalência sempre possível (XATARA. Dicionários especiais Tantos os dicionários especiais monolíngües quanto os bilíngües têm como objetivo descrever apenas uma parte do léxico geral. analógicos. ainda não total) de ULs especiais e descrevê-las de modo mais adequado. Os monolíngües trabalham somente com uma língua e estão em maioria no mercado editorial. em que o desconhecido (língua fonte) é levado ao conhecido (tradução). ele substitui os equivalentes desconhecidos da língua de chegada (RÉZEAU. são mais raros e ainda apresentam certa deficiência no mercado editorial. 1989). e tudo o que isso envolve.2. 1998a). podemos elencar dicionários históricos. a Lexicografia ainda tem muito a contribuir. Segundo Boulanger (1995). No caso da codificação (emprego da palavra no contexto apropriado). No caso da decodificação. pois a partir de itens da língua fonte. Quase sempre os dicionários bilíngües recorrem à sinonímia interlingüística. os dicionários especiais podem registrar um número maior (porém. o usuário possui uma atitude passiva em relação à utilização. Já os bilíngües por lidarem com duas línguas. fraseológicos. 3. o usuário possui uma atitude ativa na utilização. E em relação aos dicionários especiais. podendo ser divididos em: unidirecionais (dicionários de decodificação ou codificação) e bidirecionais (dicionários que se valem da decodificação e da codificação). a seleção das ULs aí registradas se baseia em algumas características específicas. Nesse tipo de dicionário.

por exemplo.. o que normalmente gera dúvidas no consulente. S. as traduções das entradas tendem a ser mais minuciosas e precisas. M. 3. Na maioria dos casos constam apenas os significados e são raras as 2 HOUAISS. A. No caso específico dos dicionários bilíngües especiais. proporcionando uma rapidez e uma praticidade à consulta. deveria ter “comer”. o lexicógrafo pode. “conseguir seu lugar ao sol” (lugar). na maioria das vezes.31 princípios e limites definidos. deveria constar como subentrada do primeiro ou do segundo substantivo? “Comer o pão que o diabo amassou”. “A ferro e fogo”. por exemplo. verificamos que a palavra-chave geralmente é o primeiro substantivo do idiomatismo: caso das EIs “fazer ouvidos de mercador/moucos” (ouvido). VILLAR. refletindo sobre as peculiaridades das ULs a serem registradas nesse tipo de obra. avaliar o comportamento. Além disso. 2001. o registro dos idiomatismos realmente freqüentes. o significado e o uso de unidades específicas da língua. 3ª edição. ao invés de simplesmente parafrásicas. As EIs nos dicionários No caso das EIs em dicionários monolíngües de língua geral. Rio de Janeiro: Objetiva. Desse modo. mais que o usuário comum. B. sem imposições de espaço. 3 FERREIRA. seria menos falho e incompleto. os tradutores e os pesquisadores da área. nos dicionários especiais.3. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira. Novo Aurélio século XXI: O dicionário da língua portuguesa. temos de buscá-las pela palavra-chave. H. Ressaltamos também que esse tipo de dicionário auxilia. A. “pedra no sapato” (pedra) e “dar a mão à palmatória” (mão). . “pão” ou “diabo” como palavra-chave? Ao analisar como são tratadas algumas EIs no Houaiss2 e no Aurélio3 (dois dos principais dicionários monolíngües brasileiros). 1999.

3rd ed. isso não ocorre somente em dicionários brasileiros. Le Petit Robert: Dictionnaire de la langue française. 2001. Já as EIs francesas faire la sourde oreille (oreille) – “fazer ouvidos de mercador” e faire amende honorable (amende) – “dar a mão à palmatória”. 2004. de língua inglesa. Longman Dictionary of Contemporary English: the living dictionary. assim como nas EIs brasileiras.32 indicações de nível de linguagem e/ou exemplos (e o Aurélio nos traz mais exemplos que o Houaiss).). Paris: Le Robert. Exemplos e indicações do nível de linguagem são escassos e EIs comuns como lancer des éclairs (“cuspir fogo”) e jouer de pipeau (“passar conversa”) não estão presentes. apesar de comprovadamente freqüentes. portanto. Uma enorme surpresa foi constatar a ausência das EIs “armar um barraco” e “dizer cobras e lagartos” no dicionário Houaiss. só possuem um substantivo na equivalente francesa. como no caso do dicionário francês Le Petit Robert4 e do inglês Longman5. onde pesquisamos as mesmas EIs procuradas nos dicionários brasileiros. London: Longman. este a palavra-chave. .). ombre au tableau (ombre) – “pedra no sapato”. no qual constatamos que a palavra-chave é também. Em nossas buscas. sendo. 5 LONGMAN (ed. Comecemos pelo dicionário francês. Também é raro aparecer antes da EI uma indicação de que aquilo se trata de um fraseologismo (fras. Esses dois exemplos. não é encontrada em nenhum dos dicionários brasileiros consultados). No dicionário Longman. turn a deaf ear to – “fazer ouvidos de mercador/moucos” e to get (find) a place in the sun – “conseguir um lugar ao sol” possuem como palavras-chaves os primeiros 4 LE ROBERT. “olho do dono”. Dicionários reconhecidos internacionalmente também possuem suas imperfeições no que diz respeito ao tratamento das EIs. as expressões a thorn in one’s flesh/side – “pedra no sapato”. geralmente. Porém. encontramos uma EI francesa em que a palavra-chave é o segundo substantivo: oeil du maître (sua tradução em português. o primeiro substantivo do idiomatismo: faire une place au soleil (place) – “conseguir um lugar ao sol”. possuem dois substantivos.

“dar o braço a torcer”. 1998b). como um limiar de . gírias. deve-se incluir uma classificação da natureza de cada unidade descrita. ditados. Seguindo essas orientações. só encontramos uma definição (to admit one's mistake). como provérbios. Atualmente. muitas vezes. para o tratamento lexicográfico adequado dessas unidades. esses dicionários incluem também outros tipos de lexias complexas. embora os idiomatismos se encontrem presentes como subentradas nas obras de referência desde o século XVI (XATARA. como objeto de estudo específico da Fraseologia. ele se vale de diversas fontes: sua competência lingüística. para a busca de uma expressão similar. No entanto. Ou. as inadequações acima mencionadas são semelhantes. procuramos durante a elaboração do nosso dicionário estabelecer alguns critérios que determinaram a seleção das EIs. frases feitas. um dos tipos de dicionários especiais de língua. Entendemos que nesse caso da Lexicografia fraseológica deve-se evitar a heterogeneidade na natureza das entradas. o que para nossa pesquisa não é relevante já que não se trata de uma expressão idiomática. outros dicionários e os corpora.reverso.net/english-portuguese>. Partimos. deaf e place. Das três expressões encontradas somente to get a place in the sun trazia o nível de linguagem (informal) e somente a expressão turn a deaf ear to continha exemplo. Além disso. nos dicionários bilíngües de EIs. a competência lingüística dos informantes. então. pois isso pode confundir o usuário ou informá-lo incorretamente.33 substantivos: thorn. Ao procurar a expressão equivalente à “dar a mão à palmatória” no dicionário eletrônico <http://dictionary. sem oferecer as devidas informações para que o consulente saiba diferenciar cada uma delas. Nos dicionários bilíngües de língua geral. o lexicógrafo deve tentar propor equivalentes tão idiomáticos quanto os da língua de partida. Para isso. e o dicionário trazia como tradução to give in. aponta-se os dicionários fraseológicos. então.

Em relação a cada equivalência apresentada em português de Portugal e em francês do Quebec. . para as EIs do Brasil e da França. apenas não é também idiomática se não tiver sido encontrada tal correspondência em nenhuma fonte ou informante consultado.34 freqüência mínimo.

E elas possuem muito mais em comum do que a própria longevidade. Tradução e Lexicografia Bilíngüe: a questão da equivalência Para esta pesquisa. amplamente intuitivas. em oposição a outras culturas e ideologias que estão na base dos discursos de outro grupo social” (op.CAPÍTULO III ASPECTOS TRADUTOLÓGICOS E FREQÜENCIAIS NA ELABORAÇÃO DE UM DICIONÁRIO MULTILÍNGÜE DE EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS 1. provocadas por finalidades pragmáticas e mantidas por sistemas de valores sócio-históricos. Além de terem surgido antes da própria Lingüística como área de estudo. damos maior destaque aos dicionários bilíngües. p. Segundo a mesma autora. Mas. por tratar-se de uma perspectiva contrastiva entre mais de uma língua. 01). mas que nunca apoiaram-se em modelos teóricos coerentes (XATARA. ambas deparam-se com imagens sociais complexas. as práticas lexicográficas e tradutórias começaram a basear-se em alicerces metalexicográficos e metatradutórios somente após a segunda metade do século XX. 1998a). E toda essa evolução nos permite hoje encontrar teóricos da Lexicografia e da Tradução que se põem a refletir sobre seu objeto e fornecem subsídios para obras de referência e traduções mais bem elaboradas.cit. devemos considerar que tanto a Lexicografia Bilíngüe quanto a Tradução trabalham com culturas e ideologias “que organizam semanticamente os discursos de um grupo social. . outra área da Lingüística que possui estreita relação com a Lexicografia Bilíngüe é a Tradução. De fato.

que devem ser levadas em conta na elaboração dos verbetes dos dicionários bilíngües (DUVAL. levando em consideração cada contexto específico e descrevendo cada diferença e cada semelhança entre duas ou mais línguas. mas. XATARA. Para ele. recortes e denominações que cada língua faz da realidade extra-lingüística. 2005). percebida por todos de modo semelhante ou não. Ainda de acordo com esse autor. 1990). Ou seja. ainda incipientes no mercado. 1970). Apenas os chamados semibílingües. pois geralmente não há superposição das áreas semânticas entre as palavras de línguas diferentes (sobretudo quando uma palavra for mais motivada que a sua pretensa correspondente em outro sistema lingüístico). Para Werner (in: HAENSCH et al.. o usuário seria devidamente avisado de que cada um dos equivalentes propostos equivale à entrada apenas em parte. relativamente fácil. Entretanto. Somente dessa forma. a solução mais viável na elaboração dos DBs seria dar para cada UL os seus respectivos equivalentes de tradução. a tradução proposta normalmente não recobrirá na totalidade o sentido do termo da outra língua (DARBELNET. A tarefa de propor equivalentes idiomáticos pode parecer. 1982) a principal dificuldade encontrada pela Tradução na elaboração de dicionários bilíngües (DBs) está no fato de que as estruturas lexicais de línguas diferentes não são correspondentes. à primeira vista. equivalente é uma . têm essa proposta (DURAN. sabemos que seria impossível enumerar para cada UL todas as possibilidades de tradução.36 Os dicionários de língua bilíngües geralmente procuram estabelecer uma relação idealmente eqüitativa entre corpora lexicográficos de línguas diferentes. são as diferenças de descrições. apresentando essa relação como uma justaposição de formas paralelas sem dar acesso a detalhamentos da significação das entradas e sem organizar o universo semântico do idioma.

explicar esse paradoxo? Por outro lado. na medida em que está vinculado ao comportamento dos usuários e à sociedade (p. Rodrigues (2000) contesta esse conceito apontando a relatividade dos significados e a problemática da significação ao afirmar que: [. podemos relativizar as afirmações de Rodrigues (ibidem). cada vez mais. então. mas que não é o mais indicado.37 lexia da língua que contem pelo menos um semema (traço semântico) em comum com o semema de uma UL da língua de partida. No entanto. a concepção do termo “equivalência” pressupunha que seria possível uma relação perfeita entre elementos de línguas diferentes (RIOS. poderíamos concluir que a prática da Lexicografia Bilíngüe seria inexeqüível.] pois o significado não pode ser uma entidade objetiva. sendo sua interpretação inevitável e produtora de tudo o que consideramos produto. atribuir um mesmo valor a palavras de duas línguas diferentes seria impensável. 175). Ao levar em conta essas afirmações. faz uma ressalva. pois as relações lexicais interlingüísticas não se tratam de relações de equivalência.] seria ilusória a crença de que as referências de termos de línguas diferentes podem ser objetivamente comparadas [. para quem o significado de um texto não está fixo nele. Ainda segundo a autora. pois nada ancora os signos aos referentes e o sistema é quem estabelece os limites entre os signos. Nos estudos sobre tradução mais tradicionais. Devemos ressaltar que o termo “equivalência” não é uma unanimidade entre os lexicógrafos e os teóricos da Tradução. . frisando que esse termo é consagrado pelo uso. Porém. 2003). ela existe e... encontramos pesquisas sobre o assunto. Porém. Não sendo possível. que um sistema lingüístico organize seus componentes de modo a espelhar exatamente a organização de outro sistema. portanto. uma vez que não atribuímos às ULs significados quaisquer.. Como..

uma vez que acreditamos que esta equivalência seja possível. TUKIA. facilitando o trânsito não somente entre duas línguas. no que diz respeito à Lexicografia Bilíngüe. entendido de diferentes maneiras pela Lexicografia Bilíngüe e pelos estudos da Tradução? Rios (2003) propõem o termo “correspondência idiomática interlingüística”. o termo “equivalente” é perfeitamente cabível e amplamente utilizado. os significados são comunitários e convencionais. Esse termo atenderia aos propósitos desta pesquisa. Deparamo-nos. 2. (LOFFLER-LAURIAN. O reconhecimento e a tradução lexicográfica de expressões idiomáticas . então. 1979). estabeleceria e apresentaria uma reciprocidade entre ULs de diferentes línguas. Porém. Por esta razão. mas. entre quatro culturas distintas. pois os usuários de uma língua são todos dependentes de pressuposições institucionalmente determinadas. Visamos com este trabalho elaborar uma obra de referência com equivalentes idiomáticos interlíngüísticos nas línguas portuguesa e/ou francesa. com uma questão terminológica: como chegar a um consenso em relação ao termo “equivalente de tradução”. nossa proposta é um dicionário multilíngüe. Portanto. PINHEIRO-LOBATO. apesar de as línguas poderem possuir imagens diferentes para expressar os mesmos conceitos. a fim de tentar achar um meio termo entre as duas áreas envolvidas. ao mesmo tempo.38 ao contrário. manteremos o termo “equivalente” por se tratar de uma pesquisa que tem como base a Lexicografia. já que. ao analisar suas semelhanças e propor traduções que possuam uma relação harmônica entre elas e não que sejam rigorosamente iguais.

39

A identificação e a tradução de uma EI em língua estrangeira merecem uma atenção especial, pois trabalham com divergências culturais que se acentuam em razão da história de cada língua, ou melhor, de cada povo. Normalmente, as línguas não recortam a mesma realidade extralingüística, por isso é “indiscutível que os sistemas lingüísticos, a cultura e a visão de mundo na nomeação da realidade divirjam” (XATARA, 1998a, p. 04). Segundo Rey-Debove (1998), em um DB, o estabelecimento das relações entre os signos de línguas diferentes não tem a preocupação com o referencial (extralingüístico). Tenta-se conservar aproximadamente o mesmo conteúdo, na passagem de um signo a outro (de línguas diferentes), tendo em vista que não é possível a sinonímia entre línguas diferentes. No DB, então, são apresentadas equivalências lexicais por meio da transcodificação de uma língua para uma UL de outra. De acordo com Blanco (1997), a relação entre unidades de línguas diferentes só interessa se apoiada por outros dados complementares que tornem possível a leitura e a compreensão das relações intersígnicas propostas e evidenciadas nas obras lexicográficas. Assim, o consulente poderá com sua busca realizar tarefas como a decodificação (compreensão), a codificação (produção) e a tradução de formas que pertencem a um discurso e não apenas buscar por uma “equivalência” de uma palavra em outra língua. Lembramos que o objetivo de um dicionário bilíngüe não é estabelecer relações de igualdade entre línguas diferentes e assim neutralizar as suas diferenças. Ao contrário, por meio de comparações interlingüísticas, ele deve apontar semelhanças e diferenças entre as línguas, o que facilita a sua compreensão e nos faz enxergar a sua grandeza. No entanto, sabemos que as línguas não apresentam somente diferenças, visto que todos os seres humanos vivem no mesmo planeta, no qual a realidade fenomênica, na maioria das vezes, comum em parte do mundo, é quem motiva a criação lingüística. Segundo Szende

40

(in: BÉJOINT; THOIRON, 1996), todos nós estamos confrontados com a realidade da terra e do céu, do frio e do calor, com noções de espaço e tempo, entre outras situações. Temas como a morte e o nascimento, por exemplo, são comuns a qualquer pessoa, embora possam ser tratados de maneira distinta pelas diversas culturas e as expressões correspondentes formuladas com imagens bastante diferentes. É o caso das EIs “dar à luz” e “pôr no mundo”, que significam “parir”: com certeza haverá em outra língua uma expressão equivalente, por tratar-se de uma condição vivida por todo ser humano, assim como expressões referentes à morte como “vestir o paletó de madeira”, “ir desta para melhor” e assim por diante. Como sabemos, os valores são construídos em uma cultura pelo sujeito de maneira particular e os significados não são intrínsecos às lexias. Mas, para que a tradução se torne uma possibilidade real, defendemos que os valores lexicais são construídos de modo semelhante por cada sujeito, seja em uma mesma cultura, seja em culturas diferentes. Isso porque dependemos de pressuposições convencionais de nossa sociedade e os fenômenos que motivam a produção lingüística são muito parecidos nas diversas culturas, embora as línguas tenham recortes variados. Dessa forma, são os traços comuns dos significados comunitários e convencionais de lexias de línguas diferentes que estão presentes na correspondência interlingüística. Galisson (1989) acredita que os idiomatismos, por serem lexias conotativas que fazem parte da cultura compartilhada de um povo, apresentam uma certa dificuldade para os tradutores e estudiosos de línguas estrangeiras. De acordo com esse autor, por meio dessa cultura compartilhada, que rege o cotidiano, os indivíduos de um grupo sociocultural se identificam, se reconhecem e aproximam-se uns dos outros. Daí a dificuldade de um estrangeiro em se comunicar com falantes nativos, pois ele não possui essa cultura cotidiana.

41

Os implícitos culturais presentes na linguagem cotidiana, começam a ser considerados mais atentamente pela Lexicografia Bilíngüe atual e pelo ensino de língua estrangeira, já que toda e qualquer UL de uma língua carrega uma carga cultural compartilhada (GALISSON, ibidem). E é nesta carga cultural compartilhada que são encontradas as conotações das palavras, normalmente compreendidas somente pelos nativos. Para podermos traduzir não só as EIs, como também qualquer UL de uma língua para outra, devemos primeiramente identificá-las, tanto em relação ao seu significado, quanto ao seu papel no sistema lingüístico. É imprescindível, portanto, reconhecer a EI na língua como sendo um idiomatismo e não apenas uma expressão similar com sentido conotativo (RIOS; RIVA, 2002). Depois, a equivalência idiomática proposta pela tradução de um idiomatismo deve conter o maior número de elementos que sustentem a nossa escolha, sempre observando se a tradução está “apoiada e cerceada pela cultura da comunidade interpretativa na qual o lexicógrafo/tradutor se insere e para qual ele destina seu trabalho” (RIOS; RIVA, 2002, p. 97). Portanto, para que se possa haver uma proposta de equivalência, seria ideal que as lexias apresentassem, nas diferentes línguas, além do mesmo estatuto no sistema lingüístico, valores estilísticos e situacionais correspondentes. A expressão “comer grama pela raiz”, por exemplo, que significa “morrer”, pode encontrar na expressão francesa manger les pissenlits par la racine sua equivalente, já que as duas referem-se à morte, possuem elementos semânticos correspondentes como “comer / manger” e “raiz / racine” e remetem a uma situação parecida, a de estar embaixo da terra, ou seja, enterrado, e por isso comer grama pela raiz, que também se localiza debaixo da terra.

42

3. Os problemas de tradução nos dicionários bilíngües/multilingües

É inquestionável a importância do uso de dicionário, seja ele bilíngüe, monolíngüe, terminológico, especial ou geral, para um tradutor (iniciante ou experiente), um estudante ou qualquer pessoa que queira aprender mais sobre uma língua. E apesar da preferência por dicionários monolíngües, já que estes conseguem dar conta de um recorte muito maior das línguas que abrangem, nem sempre é possível a sua utilização exclusiva. Principalmente no caso de tradutores aprendizes ou alunos iniciantes em língua estrangeira que ainda não conseguem compreender muito bem a nova língua. Nessas situações é sempre plausível o uso de dicionários bilíngües para complementar a busca. A questão é que se deve ter consciência das imperfeições dos dicionários bilíngües e da insuficiência de muitos modelos que não abarcam convenientemente uma realidade empírica complexa, realidade esta que ultrapassa a própria linguagem e esbarra em problemas semióticos (PICOCHE, 1994). Apesar de contestados, os equivalentes entre ULs e expressões idiomáticas de duas ou mais línguas são buscados a todo momento. Seria inviável que um texto traduzido contivesse somente as definições das palavras ou enumerações sinonímicas, já que, o recurso aos dicionários bilíngües visa assegurar precisão na tradução de termos que melhor designam, na língua de chegada, a noção apresentada na língua de partida. Os usuários, mais precisamente o tradutor, buscam nesses dicionários um equivalente, mas muitas vezes têm de optar, num paradigma sinonímico, entre um estrangeirismo, um empréstimo, um decalque ou um vernáculo (CARVALHO, 1989).

43

Os lexicógrafos devem elaborar materiais de consulta que auxiliem os usuários por meio de indicação das imagens que em línguas diferentes remetem a conceitos semelhantes. E devem estar atentos aos problemas mais comuns de tradução para garantir uma boa qualidade do material. Por isso, Xatara (1998b) afirma que é preciso prestar atenção à questão dos sinônimos justapostos, separados unicamente por vírgulas sem uma indicação de diferenças de significados e usos. Para resolver esse problema, a autora sugere que se coloque no início ou no final de cada tradução uma definição (mesmo que abreviada por questões de espaço) que indique o sentido e o emprego. Essa medida ajudaria o consulente na hora de procurar a melhor tradução para seu texto e o conscientizaria de que aquele termo equivale apenas em parte à entrada, já que não há superposição de áreas semânticas entre palavras de línguas diferentes. Os dicionários semibilíngües, apesar de ainda escassos no mercado, apareceram para preencher essas lacunas e já são vistos como uma alternativa aos dicionários bilíngües atuais. Esse tipo de dicionário utiliza orações-modelo e definições nos verbetes, o que auxilia os consulentes (principalmente os aprendizes) a compreenderem melhor o significado na língua de chegada e as diferenças entre as duas línguas envolvidas no processo. E, principalmente, define com mais clareza o contexto em que são empregados, não apenas listando alternativas tradutórias, sem nenhum critério e fora do contexto, como fazem os bilíngües (DURAN; XATARA, 2005). Xatara (1998b) também propõe que se evite que as definições ocupem o lugar das traduções, mesmo no caso de decalques, pois isso não resolve o problema dos tradutores que, na maioria das vezes, procura uma UL correspondente e não uma explicação, o que ele encontraria no dicionário monolíngüe da língua de chegada.

44

No caso das EIs, particularmente, muitos dicionários bilíngües trazem somente as definições, as quais servem apenas para elucidar o que elas querem dizer, mas não ajudam em nada o tradutor, que deve colocar no seu texto expressões de igual valor idiomático, para que o texto não perca sua característica estilística. No Dicionário escolar francês-português / português-francês6, de Corrêa e Steiberg (1982), a expressão francesa prendre racine possui como definição “enraizar-se”; “arraigar-se”. Porém, não há nenhuma indicação de que se trata de um idiomatismo e não oferece ao consulente uma EI equivalente em português (que seria “criar raízes”), o que garantiria o mesmo nível de expressividade ao texto traduzido. Outras informações como ilustrações, nível de linguagem, freqüência e marcas cronológicas também são de bastante importância, devendo ser inseridas na microestrutura sempre que possível.

4. Línguas em contraste

Quanto às línguas que estão em contraste, a portuguesa de Portugal e do Brasil e a francesa da França e do Canadá, de mesma origem, a latina, sabe-se que são praticadas por civilizações distantes geográfica e culturalmente. Entretanto, ao lado de previsíveis diferenças entre muitas expressões, principalmente aquelas ligadas ao passado sociocultural de cada povo, podemos encontrar formulações idiomáticas quase idênticas. Fenômenos que ocorrem também no interior de uma mesma língua: entre idiomatismos do português europeu e do brasileiro, do francês gaulês ou canadense, do espanhol peninsular ou hispânico, etc. De acordo com Tagnin (1989), as conotações podem ser distintas em culturas diversas, já que, algumas vezes, uma imagem pode possuir significados diferentes em outras culturas.
6 CORRÊA, R. A.; STEIBERG, S. H. Dicionário escolar francês-português / português-francês. 7.ed. Rio de Janeiro: FENAME, 1982.

ainda. mas que também encontramos no Ceará como equivalente a EI “botar catinga”. mas que significam a mesma coisa. à pas mesurés. esperamos que este trabalho comparativo revele a riqueza fraseológica do português de Portugal. para o fato de Tagnin ter usado a palavra cultura e não língua. falada num mesmo país. os outros não – a passos de caracol. como observamos neste trabalho. a passos de lesma e a passo de boi. o mesmo fenômeno ocorre: na França temos as EIs à pas comptés. à pas de fourmi e à pas de tortue. assim como ressalte a importância da língua francesa.porém. pois. . mesmo dentro do francês e do português percebemos diferenças nas EIs. Na língua francesa. Também encontramos diferentes EIs numa mesma língua. sendo que dois deles remetem ao mesmo tipo de animal – a passos de tartaruga e a passos de cágado . au pas de la blanche e (avancer) petit-peta. pois são empregadas em sociedades distintas. em duas culturas diferentes. Observamos também a existência dos falsos cognatos idiomáticos: idiomatismos que. mas que possuem significados distintos. Vejamos o exemplo da EI brasileira “a passos de tartaruga”: em Portugal encontramos 5 equivalentes. o Canadá. enquanto no português europeu significa “piorar de situação”. É o caso da EI brasileira “meter a colher”. ajudando-nos a resgatar um pouco da diversidade lingüísticocultural de nosso idioma. recorrem à mesma imagem. mas também em outro país de bastante relevo na conjuntura mundial. não só em território francês. Desse modo. utilizada em quase todo o país. No francês quebequense encontramos 3 EIs iguais às da França (exceto à pas de fourmi) e três diferentes: au pas de la grise. A EI “passar de pato a (para) ganso” no Brasil quer dizer “mudar de um assunto para outro”.45 Chamamos atenção.

na medida do possível. que parece buscar também por uma padronização mundial da cultura. seja o português. Dessa forma. Na França. apesar das tentativas. é uma grande disposição em aceitar tudo o que vem do exterior. esse país conserva muito bem suas origens francesas e orgulha-se muito delas: isso é confirmado pelo fato de o francês ser uma das línguas oficiais. procuram numa atitude plurilingüista. Pois. por ser vizinho dos Estados Unidos e por fazer parte de um país onde a maioria dos seus habitantes fala o inglês. frente às tentativas de monopolização do inglês. seja o francês. apesar de todos os estímulos aos estudos do fenômeno da francofonia pelo mundo. elas têm sido eficazes. que possa vir a atravancar o relacionamento entre os povos. um movimento contrário à inevitável globalização. No entanto. cada dia mais. ao pesquisar os idiomatismos e ao produzir dicionários especiais que insiram duas variantes da língua portuguesa e duas da língua francesa. apresentamos nossa . mas sim como um aspecto que amplie nossos conhecimentos e que nos faça enxergar novas perspectivas.46 Como sabemos. as variantes de uma língua. a região do Quebec sempre defendeu arduamente sua identidade. Esperamos que com esta pesquisa as diferenças lingüísticas e culturais comecem a ser vistas com outros olhos: não mais como algo negativo. Já no Brasil e em Portugal. e o que notamos. No entanto. também existem medidas para se evitar a invasão da língua inglesa e. ainda há muitas diferenças lingüísticas entre o francês quebequense e o francês da França a serem focalizadas sob diversos aspectos. ainda não vingaram projetos que visem proteger a língua portuguesa. que está intimamente ligada à língua francesa. No Quebec a luta contra o domínio norte-americano talvez seja a mais desleal. sustentar suas identidades. pelo grande incentivo do governo às pesquisas sobre a província de Quebec e também pelo oferecimento de bolsas de estudos e oportunidades de emprego para quem pretende trabalhar na região “francesa” do país.

do corpus Cobuild (em torno de 7 milhões de palavras. A Tecnologia da Linguagem utiliza-se da Lexicografia. a Lexicografia e a Tecnologia da Linguagem beneficiam-se uma da outra e. no início dos anos 80. e de várias outras áreas da Lingüística. mais especificamente na computação da freqüência das EIs consideradas equivalentes. mas ainda nos outros países envolvidos.47 contribuição para o desenvolvimento lexicográfico não só no Brasil. todo grande projeto de dicionário tem como base um corpus. 2002). cada vez mais. Além disso. Freqüência de uso e corpora A tecnologia tem ajudado muito no desenvolvimento da Lexicografia. com a criação de programas computacionais que processam a linguagem humana. podermos entender um pouco melhor nossa história. o número . podemos enxergar a cooperação entre essas duas áreas. E onde melhor encontrar essas informações se não em um dicionário? Por outro lado. assim. Outra importante contribuição desta pesquisa refere-se à atualização dos conhecimentos sobre os instrumentais da Lingüística de Corpus para a análise de dados empíricos. em inglês). Ultimamente. Com efeito. Segundo Kilgarrif (2002). De lá para cá. há mais de 20 anos os corpora têm sido usados para essa função. esperamos colaborar com a conservação de nossas raízes culturais para. 5. pois precisa conhecer a fundo as palavras: desde como são soletradas e a sua freqüência até a sua pronúncia e como se relacionam com outras palavras. que transformou a maneira de se fazer dicionários (KILGARRIF. desde a criação. a Lexicografia utiliza-se das ferramentas da Tecnologia da Linguagem para a análise da língua.

pudemos observar que as bases textuais conhecidas realmente não computam grande quantidade de textos coloquiais e a indicação da freqüência das EIs nesses corpora não revela adequadamente a recorrência de seu emprego. assim como o número de palavras compreendidas por eles (já se estimam centenas de milhões de palavras). De fato. um trecho do quadro de Berber Sardinha (2004. Entretanto.48 de corpora só tem aumentado. (BERBER SARDINHA. ocupa-se da coleta e da exploração de dados lingüísticos textuais. Abaixo. 2004). a descrição da linguagem e a computação da freqüência são duas das áreas de pesquisa privilegiadas pela Lingüística de Corpus. principal fonte de EIs. nas quatro línguas. Como os idiomatismos compreendem características bastante peculiares . p. do que materiais com linguagens informal e coloquial. Como. eles necessitam de um corpus imenso para assegurar evidências suficientes com vistas a um tratamento estatístico. consideramos bastante pertinente para esta pesquisa recorrer aos seus subsídios teórico-práticos e utilizar um corpus representativo e adequado aos nossos propósitos. são raros mesmo em corpora relativamente grandes. então. Segundo Sinclair (1991). 09) sobre as dimensões dos principais corpora eletrônicos do português brasileiro: . portanto. ou mesmo jornalística. é muito mais fácil encontrarmos materiais com linguagens formal e literária. A Lingüística de Corpus. que podem servir para a pesquisa de uma língua ou variedade lingüística e para descrever os mais variados aspectos da linguagem. Por isso. detectamos a inexistência de um corpus escrito.são combinações de palavras situadas no universo lexical da língua geral. apesar de serem muito comuns na linguagem cotidiana. que perderam sua independência e adquiriram um sentido global -. cujo manejo viabiliza-se apenas por meio de ferramentas tecnológicas. que denote privilegiadamente a linguagem coloquial cotidiana.

meter. sendo necessário recorrermos a um outro tipo de corpus que começa a ganhar espaço nos estudos sobre Lingüística de Corpus: a World Wide Web.49 Corpus Banco de Português Usos do Português PB Contemporâneo → Tabela (1) Palavras 240 milhões 200 milhões 100 milhões Composição PB. como o Wordsimth Tools. para o estudo de fraseologismos o único corpus que pode nos oferecer resultados satisfatórios é a Web. no corpus do Laboratório de Lexicografia da Unesp de Araraquara. Colson (2003) afirma que. também não são muito eficazes na identificação de Uls complexas. sua imensidão e característica multilíngüe deverão. escrito e falado Localização PUC/SP UNESP/Araraquara UNESP/Araraquara Só para se ter uma idéia da escassez de EIs em corpora tradicionais. E. . o idiomatismo “botar chifres em (alguém)” não foi encontrado. Além disso. Mesmo alterando o verbo (colocar. na qual podemos encontrar mais de 60 bilhões de palavras escritas nas mais diversas línguas. pôr). o Folio Views ou o Hyperbase. não foi encontrada nenhuma ocorrência (RIVA. 2007). programas de gerenciamento de bases textuais. escrito PB. 2004). atualmente. (COLSON. escrito e falado PB. apesar do autor acreditar que a Web não oferece ainda uma solução perfeita para pesquisar fraseologismos. os tempos verbais e até reduzindo o idiomatismo à palavra “chifre”. transformá-la em um competidor imbatível para os corpora tradicionais. em breve. um dos maiores do país.

p. complementa: A Internet. tornou-se um vasto depósito de textos dos mais variados tipos. preparados. 45) Além da quantidade dos seus dados textuais. visto que . erros ortográficos. inclusive. seja de entrevistas ou de conversas. Porém. podendo ser temporárias. mas sim atestar o quanto uma EI é de fato reincidente para determinada comunidade lingüística. a fim de selecioná-la ou não como idiomatismo freqüente. para quem a dimensão da Web responde mais adequadamente à verificação de hipóteses em uma amostragem da língua que precise ser suficientemente abrangente para validar uma pesquisa. (BERBER SARDINHA. propostas de encarar a www como um corpus em si.50 Berber Sardinha (2004). que pode ser acessado pelo usuário sem necessidade de ter os arquivos gravados em sua máquina. ainda persiste um grande problema entre os lexicógrafos – definir o limiar de freqüência de uma determinada UL para garantir sua presença em um dicionário. codificados e armazenados de acordo com regras predefinidas) e que as informações encontradas na rede não sejam totalmente confiáveis. sobretudo de textos. Todos esses fatores corroboram a utilização da Web como base textual. Já há. a Web também pode nos oferecer uma demonstração do idiomatismo em um contexto real e pode apresentar informações importantes concernentes à significação e ao uso de cada EI: em poucos segundos temos à nossa disposição centenas de exemplos. seja da imprensa ou de propagandas. Ainda que não seja um conjunto controlado de textos (isto é. Entretanto. 2004. conter imprecisões e. que podem ser utilizados como informação metalingüística (COLSON. o que nos interessa não é a precisão gramatical dos textos. um agrupamento sistemático de textos. exploráveis por uma máquina. até mesmo. 2003). mais especificamente a World Wide Web. variado e multilíngüe.

ainda aqui. A Web é. mesmo em grandes corpora. entre outros (MESSELAAR. . felizmente nos esclarece o seguinte: A Lingüística de Corpus oferece um padrão útil para medir a freqüência idiomática: o número de ocorrências por milhão de palavras (PMW. no entanto. Os estudos de Colson (2003). em inglês). Muitos idiomatismos verbais do inglês. para a elaboração do primeiro dicionário de freqüência do português (DUNCAN. entretanto. 2003. sua ocorrência no corpus é inferior a um. 47)!7 Ainda de acordo com Colson (2003). It is worth nothing that a corpus of a one million words roughly corresponds to the text of ten novels”! 8 Tradução nossa de “Idioms as a whole turn out be very frequent in any given text. Vale saber que um corpus de um milhão de palavras corresponde.e. 70% das EIs frasais têm freqüência inferior a 1 PMW e os pesquisadores não conseguem detectar muitos idiomatismos comuns nos bancos de corpora eletrônicos tradicionais. Mas. em um milhão de palavras. o único corpus gigante que pode atingir essa meta. que um idiomatismo específico aparecerá freqüentemente. p. however. Lingüistas ou estudantes que procuram vários contextos do mesmo idiomatismo têm de usar corpora de bilhões de palavras. não de lexias complexas. French and Dutch (and probably of all European languages) correspond to a frequency of less than 1 PMW. Isso não significa. 1988). contextos. aproximadamente. p. retomando proposições de Moon (1998). Há mais de 30 anos. The Web is presently the only gigantic corpus that can stand up to that goal”. do francês e do holandês (e provavelmente de todas as línguas européias) apresentam uma freqüência de menos que 1 PMW. ou seja.51 sua freqüência envolve diversos fatores. their occurrence in a corpus is inferior to one in a million words. Linguists or students looking for many contexts of the same idiom have to use corpora of billions of words. even in large corpora. i. como um todo. tratava-se de lexias simples ou compostas. E conclui: Idiomatismos. 2003. Many verbal idioms of English. como o meio social. This does not mean. 1972). 59). that a specific idiom will appear frequently. costumam ser muito freqüentes em qualquer tipo de texto. 8 7 Tradução nossa de “Corpus linguistics offers a useful standard for measuring idiom frequency: the number of occurrences per million words (PMW). preferências pessoais. ao texto de dez romances (COLSON. atualmente. foi estabelecido como 20 o limiar mínimo de ocorrência para uma palavra ser considerada freqüente. (COLSON.

(2004) e pela União Latina (2006). assim. uma vez que podemos supor que cada resultado (ocorrências por página) apresentado nas buscas por determinada EI corresponda a pelo menos uma ocorrência desta EI no conjunto de textos da página. Portanto. 2003). estabeleceu-se o limiar de freqüência em 56 ocorrências para o português e 157 para o francês. trabalhamos com o buscador Google. visto que. que estimam que exista na Web cerca de 157 milhões de páginas em francês da França e 56 milhões em português brasileiro. 2004). cada EI ocorre pelo menos uma vez em cada página da Web. páginas pessoais. para se obter a computação léxica desejada.52 Então. blogs. agências de notícias on-line. Dessa forma. Esta pesquisa de freqüência observou os dados reunidos por Grefenstette (2000. por Evans et al. aplicando o coeficiente de 1 PMW. normalmente. baseando-nos nos estudos de Moon (1998) e Colson (1999. Esses parâmetros foram utilizados para a composição do DEEI – Dictionnaire électronique d'expressions idiomatiques français-portugais / portugais-français (XATARA. jornais. 2007). o dicionário que nos serviu de base para esta pesquisa. baseados nos estudos de Colson (2003). dentre livros. revistas. pudesse constar em nosso dicionário. 2001. chegamos ao limiar de freqüência exigido para que uma EI fosse considerada freqüente e. Na tabela abaixo. comprovadamente de grande capacidade de pesquisa (mais de 4.28 billhões de páginas indexadas. 2004). etc). ilustramos como. propusemos utilizar como parâmetro para medir a freqüência idiomática o número de ocorrências por milhão de páginas da Web. ultrapassando em muito o número total de palavras de qualquer banco textual (Super Interessante. .

53 País Brasil França Portugal Canadá (Quebec) → Tabela (2) Número de páginas na Web (em milhões) 56 156. os idiomatismos lusitanos com no mínimo 14 resultados e os idiomatismos quebequenses que apresentaram pelo menos 7 ocorrências. . As EIs que não obtiveram esse número mínimo de ocorrências foram descartadas. portanto.1 14 6.6 Limiar de freqüência baseado em PMW 56 157 14 7 Foram considerados freqüentes.

considerando expressões idiomáticas francesas. baseamos-nos na nomenclatura elaborada pelo DEEI (XATARA. Também demonstramos neste capítulo como foi verificada a freqüência dos equivalentes em português de Portugal e em francês do Quebec e como localizamos as EIs. Além disso. relatamos em que condições recorremos a informantes portugueses e quebequenses. 1. e de equivalentes em francês do Quebec. por último. E. doutorado. explicitamos abaixo como determinamos a nomenclatura em português do Brasil e em francês da França. pós-doutorado e publicação on-line de dicionário em site de renome internacional. com base em expressões idiomáticas brasileiras.CAPÍTULO IV MATERIAL E MÉTODOS A fim de melhor detalharmos os procedimentos metodológicos a serem observados. 2007). Nomenclatura em português do Brasil e em francês da França Para estabelecermos a nomenclatura em português do Brasil e em francês da França. assim como nas definições parafrásicas propostas para os verbetes deste dicionário. publicação nacional de dicionário impresso. Avaliamos que se trata de uma fonte confiável por ser fruto de anos de reflexão sobre o assunto. o que otimizou nossa pesquisa em termos de tempo hábil para sua execução. fundamentado em pesquisas de mestrado. apresentamos a microestrutura dos verbetes do inventário final. etapa da pesquisa da qual participamos em estágio de iniciação científica. a nomenclatura apresentada apoiou-se em análise freqüencial também na Web. e . Assim como explicamos como foi feito o levantamento de equivalentes em português de Portugal. Além disso.

Nossa primeira informante contatada foi a búlgara Yovka Batista Valverde. ou seja.Inftur) e Hugo Virgilio Pereira Roupar Leite (mestrando em Engenharia de Comunicações pela Universidade do Minho. filha de portugueses. Através da Profa Margarita Correia (pesquisadora do grupo Léxico e Modelização Computacional do ILTEC – Instituto de Linguística Teórica e Computacional). Ana Matafome e Irene Candeias.Faculdade de Letras / Universidade de Lisboa. 2. diretor do Departamento de Língua e Cultura Portuguesa . pesquisadores. Brigite Martins. em Portugal). leigos ou especialistas (professores. procedimentos que garantem maior cientificidade aos dados obtidos. que desenvolve pesquisa sobre idiomatismos com a orientação do Prof. dicionários de língua geral e dicionários fraseológicos do português de Portugal (v. entramos em contato com informantes nativos: portugueses residentes no Brasil e/ou em Portugal. Corpus para EIs em português de Portugal). nos valemos de fontes secundárias. entramos em contato com alguns alunos do curso de Letras da Universidade de Lisboa: Miguel Filipe Gonçalves Arranhado.55 as definições sugeridas subsidiaram-se em análise pragmática dos contextos que utilizam idiomatismos. em Lisboa. para todas as equivalências dúbias ou não encontradas. . lexicógrafos). Num segundo momento. jovens e adultos. Levantamento de equivalentes em português de Portugal a partir de expressões idiomáticas brasileiras Num primeiro momento. obtivemos a ajuda de mais dois portugueses de outras áreas: Sabrina Correia d'Agostino (formada em Turismo pela Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve . João Malaca Casteleiro. Além desses informantes.

contamos com alguns informantes do Quebec: Sylvie Boudreau. . jovens e adultos. 3. lexicógrafos). diplomata especializado em Desenvolvimento Internacional. Como já explicamos no capítulo anterior. lexicógrafa portuguesa vinculada à Universidade de Utrecht – Holanda. Maria Augusto Celeste. Para a verificação das equivalências em francês quebequense das EIs. Corpus para EIs em francês do Quebec) e posteriormente a informantes nativos. partimos inicialmente para pesquisa em obras lexicográficas (v. Robert Thivierge formado em Administração Pública (École Nationale d’Administration Publique) e. nossa busca limitou-se à província do Quebec ou às expressões quebequenses. além do Prof.56 Contamos ainda com a valiosa colaboração da Profa. Para tanto. pós-doutoranda em Tradução com ênfase em Terminologia e membro do grupo de estudos de Alain Polguère (professor titular do Departamento de Lingüística e Tradução da Université de Montréal). da mesma forma que procedemos para procurar todos os equivalentes em português europeu: quebequenses residentes no Brasil e/ou no Canadá. leigos ou especialistas (professores. fizemos um levantamento das EIs do francês quebequense que correspondem a cada entrada em francês da França. pesquisador do Office québécois de la langue française (OQL) e membro do Trésor de la langue française au Québec. pesquisadores. por tratar-se da região francesa mais representativa do Canadá. Levantamento de equivalentes em francês do Quebec a partir de expressões idiomáticas francesas Também com base na nomenclatura do DEEI. Jacques Leclerc. atualmente. formado em Lingüística (Université de Montréal).

4. contamos também com o auxílio de três brasileiros: Lara Rizzi. Nelson Luís Ramos. formada em Letras pela Universidade Estadual Paulista – UNESP. professor de Língua e Cultura francesas na UNESP e especialista em literatura canadense (formado em Tradução pela Universidade Estadual Paulista – UNESP) e Edvani Brito. item 5. Dr. Localização e verificação da freqüência dos equivalentes em português de Portugal e em francês do Quebec Para verificarmos a freqüência das EIs utilizamos o buscador Google como um gerenciador de texto. Profa. casada com um quebequense. Claudia Xatara. ao Franqus na Université de Sherbrooke (cujas pesquisas são dirigidas pelos professores Hélène Cajolet-Laganière.pt e optando na ferramenta . adaptando a proposta de Colson (2003) de se medir a freqüência de fraseologismos complexos no ambiente da Web por PMW. E além dos informantes quebequenses. A procura das EIs portuguesas foi realizada em sites estritamente portugueses. Claude Poirier e da Profa. Geneviève Joncas). utilizamos o parâmetro ocorrência/páginas da Web. Prof. tomando o cuidado de restringir o domínio a . conforme explicitamos no capítulo III. Chantal-Edith Masson e Pierre Martel) e ao Trésor de la Langue Française au Québec na Université de Laval (sob a supervisão do Prof. Alain Polguère). estudante do curso de Tradução (Universidade Estadual Paulista – UNESP) e morou durante algum tempo no Quebec. E. encontros de discussão acadêmica. pelo <www. em sua visita a três centros lexicográficos: ao Observatoire de Linguistique Sens-Texte na Université de Montréal (discussões coordenadas pelo Prof.57 Também foram realizados por nossa orientadora.pt>. atualmente reside em Montreal.google.

Citamos como exemplo a expressão brasileira “estar atravessado na garganta” (que significa incomodar. o que agiliza o trabalho.ca> e escolhemos na ferramenta Preferências o idioma francês. Mas nem sempre a busca é evidente. não ser admitido): quando digitada.58 Preferências pelo português (Portugal). Já o procedimento para a busca das EIs em si pode ser feito de várias maneiras. para a qual teríamos apenas 147 ocorrências. no mínimo. evitando precisar se conjugar as várias formas de um verbo. escolhemos na ferramenta Pesquisar a opção páginas do Canadá. recorremos ao <www. Para se confirmar a freqüência das EIs portuguesas eram necessárias 14 ocorrências. ao invés de tentar localizar a expressão inteira. e obtemos 346 ocorrências. que consta como entrada do dicionário. além do verbo “estar” também se mostrar freqüente em Portugal quando conjugado e não no infinitivo. até encontrarmos o número mínimo de ocorrências. que localizar as outras 199 ocorrências para se chegar ao número total indicado acima seria um esforço desnecessário e exigiria digitar várias formas flexionadas do mesmo verbo. contudo a mais eficaz é digitar o núcleo da EI entre aspas.google. no Google de Portugal. Sem essas precauções. O limiar de freqüência para as EIs quebequenses era de 7 ocorrências. É evidente. . ao tentarmos procurar somente o núcleo “atravessado na garganta”. no caso das expressões do Quebec. podem aparecer algumas páginas do Brasil e até páginas em espanhol. portanto. apenas a parte nuclear da expressão completa “lutar conta moinhos de vento”. porém. encontramos 1280 ocorrências e percebemos que a EI também é utilizada freqüentemente com dois outros verbos como “ficar” e “ter” (no sentido de ter algo atravessado na garganta). encontramos apenas uma ocorrência. incluindo a forma verbal “lutar” no infinitivo. pode-se digitar “contra moinhos de vento”. Assim. Da mesma forma. exatamente dessa forma. Para precisar ainda mais a busca.

encontramos uma equivalente portuguesa: “voar com suas próprias asas”. por exemplo. neste caso. tivemos uma surpresa: a busca por “ano de vacas magras” com a digitação apenas de “vacas magras” resultou em 663 ocorrências. que seria uma tradução literal da EI francesa. optamos pela busca partindo da EI francesa voler de ses propres ailes e. valemo-nos das variações no plural e/ou no feminino. sendo. E assim percebemos que muitas EIs quebequenses foram assimiladas do inglês (anglicismos): seja a expressão inteira (no caso uma tradução para o francês) ou apenas parte dela (com toda a expressão em francês e uma palavra em inglês ou a palavra em inglês “afrancesada”). quando não encontrávamos equivalentes quebequenses a partir das EIs francesas. que em nossas buscas revelou-se não ser freqüente em Portugal. citamos o caso da expressão brasileira “andar com as próprias pernas”. Por fim. portanto. O mesmo foi feito em relação às EIs do Quebec. assim como para as EIs adjetivas. a expressão coûter un bras – custar um braço – que significa “custar muito caro”. na busca por uma expressão equivalente em português europeu. No Quebec. após verificar que determinada EI brasileira não era usual em Portugal. pois ao contrário das verbais. achamos interessante registrar que. utilizando a mesma figura de linguagem da expressão francesa. Em um dos casos em que pudemos localizar uma EI substantiva.pt> uma “tradução” da expressão em francês.59 No caso de EIs substantivas. quando constatávamos que as EIs da França não eram freqüentes por lá. tentávamos localizar no <google. procurávamos pistas a partir de EIs da língua inglesa. buscando-a pelo núcleo. mas 459 destas se referiam a “tempo de vacas magras” e não a “ano”. Porém. a expressão com a UL “tempo” a mais utilizada pelos lusitanos. aproxima-se da expressão inglesa to cost an arm and a leg – custar um braço e uma perna – ao passo que a equivalente francesa coûter la peau des fesses – custar a pele das nádegas – se aproxima mais da expressão lusitana “custar couro e cabelo”. finalmente. . é mais difícil selecionar um núcleo nestas expressões. Então. Para exemplificar.

Nosso protótipo de dicionário difere-se dos demais por estar disposto em uma tabela (do tipo Tabela em lista 3) dividida em 4 colunas. Abaixo. ou seja. portanto. substantivos e adjetivos. resultados positivos. vem em negrito. baixar a crista. de procurar as equivalentes em outras línguas. courber l’échine. uma outra expressão explicativa que poderia substituir o próprio idiomatismo. Organização lexicográfica do inventário final Segundo Rey-Debove (1971). O inventário de EIs foi organizado de modo que: . aplicadas a todas as outras entradas de um dicionário. courber l’échine. 5.os equivalentes seguem coloridos: verde para as EIs em português de Portugal. meter o rabo entre as pernas baixar a guarda FRANCÊS DA FRANÇA FRANCÊS DO CANADÁ baisser la tête. não reagir abaixar a guarda: parar de se preocupar. porém indicada como . nos trouxe. EI em português do Brasil. courber la baisser la tête. . descuidar-se PORTUGUÊS DE PORTUGAL baixar a cabeça. muitas vezes. courber la tête.60 Este procedimento. azul para as do francês da França e vermelho para as expressões do francês do Quebec. a microestrutura de um dicionário é um conjunto de informações ordenadas que se segue à entrada de um verbete e são. nos levando a crer que a proximidade territorial entre duas línguas pode ocasionar semelhanças entre certo número de idiomatismos. seguida de sua definição parafrásica. cada variante (comprovadamente freqüente) foi considerada uma entrada. plier l’échine l’échine baisser la garde baisser la garde Nas EIs brasileiras em que ocorrem variações de verbos. uma amostra da estrutura proposta para os verbetes: PORTUGUÊS DO BRASIL abaixar a cabeça: aceitar com resignação. plier tête.a entrada.

iniciar uma atividade comercial em um estabelecimento 2. podemos encontrar todas as EI equivalentes de todas as línguas. Como a maior parte dos idiomatismos é coloquial. baixar a bola de baixar a bola. todas as variantes foram colocadas no verbete da variante do português brasileiro indicado pela remissiva. Portanto. e. baixar a crista rabattre le caquet à rabattre le caquet à. preferencialmente. pois as consideramos fundamentais para o uso correto das EIs. para indicar as diferenças. dar uma oportunidade. a entrada é dividida por números. ouvrir la voie ouvrir la (les) porte(s). nossa classificação baseou-se no que seriam desvios dessa marca de uso. rabattre le taquet à As EIs foram ordenadas por ordem alfabética. aceitar a participação de alguém abrir as portas ouvrir ses portes ouvrir ses portes abrir as portas. No caso das outras línguas. optamos por colocar informações sobre o registro.61 uma remissiva da primeira por ordem alfabética ou por ser mais usual (quando uma variante for claramente mais freqüente que a outra). Por exemplo: baixar a bola de: fazer alguém se calar ou diminuir o tom baixar a crista de V. só classificamos as EIs de registro vulgar ou culto. subentendendo-se que as outras seguem a norma da coloquialidade. Nesta EI indicada. por fim. com os verbos no infinitivo nos casos de EIs verbais (exceto quando o verbo da EI tiver sido cristalizado conjugado) e. a indicação da EI a ser consultada (em itálico). no masculino singular no caso das EIs adjetivas e substantivas. em seguida. abrir o caminho ouvrir la (les) porte(s). A remissiva foi feita da seguinte maneira: ao lado da variante (em negrito) colocamos à frente um V. . ouvrir la voie E. Quando uma EI possuir dois significados diferentes. como exemplificamos a seguir: abrir as portas 1.

No entanto. E lembramos uma vez mais que o inventário a que chegamos deverá contar ainda. consome o maior tempo de uma pesquisa. porque acreditamos que a elaboração de dicionários não consiste apenas na execução de técnicas lexicográficas. mesmo após o término da pesquisa. Esclarecemos ainda que não organizamos este capítulo como um anexo. em futura pesquisa de doutorado. além das marcas de registro e de um sistema de remissivas para indicar EIs similares e opostas. . As EIs para as quais não foram encontrados idiomatismos equivalentes estão sinalizadas com o sinal de vazio. com contextos das expressões para todos os equivalentes. então. o que. mas no cumprimento rigoroso de várias premissas cuidadosamente definidas em projeto. segundo a proposta do item 5 do capítulo IV. elas ainda continuarão a ser procuradas para futuros trabalhos.CAPÍTULO V INVENTÁRIO FINAL Neste capítulo apresentamos os resultados obtidos: as equivalências em português de Portugal e em francês do Quebec e os verbetes estruturados. o Dicionário contrastivo de expressões idiomáticas: português do Brasil e de Portugal / francês da França e do Quebec. aliás. O resultado final será.

montrer le jeu. abrir as portas abrir as portas 1. mostrar o jogo ouvrir son coeur [1]. parler à coeur ouvert ouvrir son coeur [2] afficher les couleurs. confiar os seus sentimentos. cracher le morceau. não reagir abaixar a guarda: parar de se preocupar. mettre [se] à table ouvrir son coeur [1].63 Letra A PORTUGUÊS DO BRASIL abaixar a cabeça: aceitar com resignação. baixar a crista. quitter la partie quitter la partie à beira do abismo. montrer les cartes ouvrir les bras abrir os braços: dar acolhida abrir os braços a ouvrir les bras . humilhando-se abaixar o tom: modalizar o discurso abandonar a causa: deixar de lutar por aquilo em que acredita abandonar o barco: desistir de uma empreitada já iniciada à beça V. abrir a boca abrir o caminho V. plier l’échine baisser la garde baisser sa culotte. à beira do abismo abrir a boca: falar o que sente. déclarer forfait. abrir as portas [2] abrir o (seu) coração 1. desabafar 2. aceitar a participação de alguém abrir fogo: começar a atirar abrir o bico V. plier l’échine baisser la garde baisser son froc. baisse pavillon. ouvrir la voie ouvrir le feu ouvrir la (les) porte(s). courber la tête. abrir o (seu) coração abrir o coração. baixar os braços abandonar o barco FRANCÊS DA FRANÇA baisser la tête. meter o rabo entre as pernas baixar a guarda baixar as calças baixar o tom abandonar a causa. ouvrir l’esprit donner à pleines mains abrir as portas ouvrir ses portes ouvrir ses portes abrir as portas. jouer cartes sur table. abrir o caminho abrir fogo ouvrir la (les) porte(s). courber l’échine. o que pensa ou o que sabe abrir a cabeça: aceitar novas idéias abrir a mão: dar com generosidade abrir a porteira V. jouer franc jeu. ser receptivo abrir o jogo: revelar a verdade PORTUGUÊS DE PORTUGAL baixar a cabeça. baisser son froc mettre un bémol tirer l’échelle FRANCÊS DO CANADÁ baisser la tête. parler à coeur ouvert ouvrir son coeur [2] afficher la couleur. tirer l’échelle [derrière soi] abandonner la partie. estar de peito aberto abrir o jogo. courber l’échine. descuidar-se abaixar as calças: ceder. ter a mente aberta ser um mãos-largas ouvrir la bouche ouvrir l’esprit donner à pleines mains donner l'heure [à quelqu'un]. lancer la serviette. ouvrir la voie ouvrir le feu abrir a alma. se mettre à quatre pattes [devant quelqu'un] mettre un bémol baisser les bras. ouvrir la bouche. mettre [se] à table. dar uma oportunidade. abrir o bico abrir a cabeça. a dar com pau à beira do abismo: diante de um perigo iminente à beira do precipício V. à beira do precipício au bord du gouffre au bord du gouffre abrir a boca. ouvrir la trappe être open. courber la tête. jouer franc jeu. iniciar uma atividade comercial em um estabelecimento 2.

à la pelle. às dúzias. o caldo está entornado. jogar o jogo agradar gregos e troianos. à viva força na flor da idade agora a coisa vai par le fer et par le feu dans la fleur de l’âge la mayonnaise prend par le fer et par le feu dans la fleur de l’âge la mayonnaise prend . à la pelle. a pulso. à revendre avocat du diable avocat du diable à bruta. conseguindo atingir seus objetivos acertar na mosca V. frapper de plein fouet. à gogo. acertar em cheio a céu aberto: sem proteção ou disfarce a coisa está feia: a situação está ruim a coisa está preta V. acertar no alvo entrer dans le jeu.64 abrir os horizontes: conhecer coisas novas abrir os olhos: estar bem atento abrir os ouvidos: sensibilizar pela audição abrir um parêntese: introduzir um comentário paralelo em um raciocínio acabou-se o que era doce: não há nada mais a fazer para impedir o fim de um acontecimento ou de uma situação aceitar o jogo: aceitar o que foi acordado por alguém. entrar no jogo. aos molhos. entrar no esquema. toucher de plein fouet a céu aberto. entrer dans le système. l’avoir mauvaise à ciel ouvert ça va mal à shop advogado do diabo: aquele que defende a causa contrária que acaba de escutar a ferro e fogo: brutalmente à flor da idade: na juventude agora a coisa vai: tudo à beça. ajustar as contas acertar em cheio. dar uma no cravo e outra na ferradura acertar as contas. a coisa está preta. pra dar e vender. por um grupo ou uma sociedade acender uma vela a Deus e outra ao diabo: atender dois grupos de interesses contrários acertar as contas: corrigir ou punir alguém que. fez por merecer isso acertar em cheio: acertar total e precisamente. a potes. às pazadas. em barda. a doses homeopáticas a dar com pau: em grande quantidade abrir os horizontes abrir os olhos abrir os ouvidos abrir um parêntese acabou-se a papa doce. ao ar livre. acabou-se a mama ouvrir les horizons ouvrir l’oeil ouvrir l’oreille ouvrir une parenthèse les carottes sont cuites ouvrir les horizons ouvrir l’oeil (les yeux) ouvrir l’oreille (les oreilles) ouvrir une parenthèse les carottes sont cuites aceitar o jogo. jouer le jeu ménager la chèvre et le chou régler son compte entrer dans le jeu. às pencas. acertar em cheio acertar no alvo V. à tripa forra. ao fresco a coisa está feia. mettre dans le mille. a ferro e fogo. entrer dans le système. o caso está mal parado à ciel ouvert la trouver mauvaise. a rodo(s). à revendre au tombereau. a coisa está feia a conta-gotas V. acertar na mosca. à valentona. pra chuchu. a dar com (um) pau. um sem números advogado do diabo à gogo. à lei da bala. mettre dans le mille faire mouche. jouer le jeu ménager la chèvre et le chou régler son compte faire mouche. en titi. à larga (escala). a coisa está feia a coisa está ruça V. a pontapés. na nossa opinião. aos montes.

en un clin d'œil. à tire-d’aile. enquanto o diabo esfrega um olho. num pulo num relâmpago Ø alma gémea il y a (avait) anguille sous roche à fond de train. en deux temps. à fond de train. à toute vapeur. de um pulo. num fósforo. au plus sacrant. de fugida. em dois (três) tempos. agüentar a barra agüentar o tranco V. à tire-d’aile. hora morta altos e baixos: alternâncias de bom e de mau estado (relativo à saúde. num ai. le pied au plancher. num abrir e fechar de olhos. à toutes jambes. à fond la caisse. à tombeau ouvert. à plein gaz. acender uma vela a Deus e outra ao diabo água com açúcar: ingênuo. à pleine pine. como uma flecha. segurar as pontas à l’eau de rose prendre son mal en patience. negócios) amarrar a cara V. (avoir) quelque chose qui cloche âme soeur il y a (avait) anguille sous roche à bride abattue. de roldão. en deux temps (et trois mouvements). à fond les manettes. au plus coupant. que incomoda alma gêmea: pessoa com quem se tem profundas afinidades. num ápice. como um foguete. fechar a cara amarrar cachorro com lingüiça: esbanjar ou facilitar demais para se apoderarem ilicitamente de bens. agüentar o tranco. à toute vapeur. como um raio. tenir bon à l’eau de rose prendre son mal en patience. a marchas forçadas. à plein gaz. (avoir) quelque chose qui cloche âme soeur altas esferas hautes sphères hautes sphères altos e baixos des hauts et des bas des hauts et des bas deixar a raposa a guardar o galinheiro attacher son chien avec des saucisses Ø amigo da onça. dinheiro amigo da onça: aquele (avoir) de l’eau dans le gaz. agüentar a barra agulha no palheiro: algo impossível de encontrar em meio a tantas outras coisas semelhantes aí tem truta: há algo escondido e suspeito a jato: muito rapidamente Ø agüentar a barra. bobo agüentar a barra: suportar as adversidades as dificuldades. au pas de charge. à plein pot. a todo vapor. num pronto. num átimo. geralmente do sexo oposto altas esferas: meio de influência dos poderosos altas horas V. vite comme l'éclair (avoir) de l’eau dans le gaz. humor. en quatrième (vitesse). agüentar a barra agüentar o repuxo V. à fond la caisse. agüentar a barra agüentar o rojão V. a trote. au pas de charge. segurar a onda. en quatrième (vitesse). segurar a barra. à fond les manettes. amigo de faux frère faux frère . agüentar a barra agüentar as pontas V. à fond les baskets. tenir bon agulha no palheiro aiguille dans une botte de foin aiguille dans une botte de foin aqui (aí) há gato a jato. plein pot algo que está pegando: algo que não está bem. en criant lapin. à toutes jambes. à tombeau ouvert. sem fraquejar agüentar a mão V.65 começa a engrenar agradar gregos e troianos V.

à pas de fourmi. a dar com pau ao pé do ouvido: em voz baixa e em segredo aos quatro cantos V. sem a ajuda de equipamentos a olhos vistos: bem mais rápido que o normal ao pé da letra: literalmente aos montes V. au pied de la lettre a olho nu a olhos vistos ao pé da letra.66 que trai os amigos amor à primeira vista: paixão repentina por algo ou alguém andar com as próprias pernas: agir sem a proteção de alguém andar de casa em casa V. a passo de cágado. viver com a cabeça nas nuvens ano de vacas gordas: tempos de fartura. prendre sur le fait arrondir les angles à pas de géant à pas comptés. à tous les vents à bâtons rompus prendre la main dans le sac. a passos de gigante apertar o cerco: seguir ou perseguir a curta distância. à pas de tortue. apertar os cordões à bolsa serrer [se] la ceinture [2] serrer [se] la ceinture [2] . temps de vaches maigres à l'oeil nu à vue d’oeil à la lettre. à pas mesurés aux quatre vents. aos quatro ventos aos quatro ventos: em todas as direções. au pied de la lettre ao pé do ouvido. a céu aberto a olho nu: visto apenas com os olhos. prendre sur le fait arrondir les angles à pas carrés à pas comptés. à pas de fourmi. a passo de caracol. aos quatro ventos aos bochechos apanhar com a boca na botija limar as arestas a passos largos a passo de boi. ao ouvido dans le tuyau de l’oreille dans le tuyau de l’oreille aos quatro cantos. à tous les vents à bâtons rompus prendre la main dans le sac. à letra. (avancer) comme un escargot apertar o cerco serrer de près [2] serrer de près [2] apertar o cinto. exercendo uma pressão física ou moral apertar o cinto: privar-se de algo para fazer economia Peniche amor à primeira vista voar com as (suas) próprias asas coup de foudre voler de ses propres ailes coup de foudre voler de ses propres ailes tempo de vacas gordas année de vaches grasses année de vaches maigres année de vaches grasses. bater em todas as portas andar nas nuvens V. de todos os lados aos soquinhos: pouco a pouco e de modo irregular apanhar com a boca na botija: surpreender alguém em flagrante num ato ilícito aparar as arestas: solucionar as diferenças a passos de gigante: rapidamente a passos de tartaruga: lentamente a passos largos V. à pas de tortue. viver com a cabeça nas nuvens andar no mundo da lua V. de prosperidade ano de vacas magras: tempos difíceis ao ar livre V. a passo de lesma aux quatre vents. à risca à l’oeil nu à vue d’oeil à la lettre. période de vaches maigres. à pas mesurés. période vaches grasses de tempo de vacas magras année de vaches maigres.

(chaussure) à son pied aux prises avec tirer dans les dos .67 apertar o coração: provocar tristeza e angústia em alguém a peso de ouro: muito caro a portas fechadas: sem acesso do público a preço de bananas: bem barato a preço de ouro V. à vil prix. à prix d’or à huis clos à bon compte. pour une bouchée de pain. resta apenas esperar os resultados as paredes têm ouvidos: alguém pode ouvir o que deve permanecer em segredo assistir de camarote: poder apreciar um acontecimento. enterrado à sombra de: sob a proteção a sorte está lançada: tudo o que podia ser feito já foi feito. plier bagage. dez réis de mel coado serrer le coeur à prix d’or à huis clos pour une bouchée de pain serrer le coeur (c’est) pas donné. ao pé da letra a rodo V. pour une chanson armar a (uma) barraca. armar o barraco à risca V. pour trois fois rien. sua) pele: expor-se a um risco arrumar a casa: colocar as coisas em ordem arrumar a trouxa: preparar-se para ir embora a sete chaves: muito bem guardado a sete palmos (debaixo da terra): no túmulo. a preço de ouro a portas fechadas. acompanhando-o de perto à sua altura: de seu mesmo nível às voltas com: em luta contra atacar pelas costas: apertar-[se] o coração a peso de ouro. faire du suif botte secrète brasser de la marde. sous l’aile de le sort en est jeté a sete chaves a sete palmos de terra à sombra de a sorte está lançada à double tour à six pieds sous terre à l’ombre de. pôr a casa e ordem arrumar a trouxa. entre quatro paredes a preço de banana. fazer a trouxa retrousser ses manches risquer sa peau serrer les boulons plier bagage retrousser ses manches risquer sa peau serrer la vis paqueter ses petits (p’tits). sous l’aile de le sort en est jeté as paredes têm ouvidos les murs ont des oreilles être aux premières loges les murs ont des oreilles assistir de camarote être aux premières loges à sua altura às voltas com apunhalar pelas costas à sa taille aux prises avec tirer dans les dos à sa taille. ao preço da uva mijona. fazer uma peixeirada arma secreta faire du foin. prendre se cliques et ses claques. ramasser ses affaires à double tour à six pieds sous terre à l’ombre de. cair matando arregaçar as mangas: preparar-se para trabalhar com afinco arriscar a (própria. a dar com o pau arrastar a asa V. atacar pelas costas armar o barraco: fazer um escândalo arma secreta: meio astucioso de se sair bem de uma situação armar um circo V. a peso de ouro apunhalar pelas costas V. faire de la marde botte secrète arregaçar as mangas arriscar a pele arrumar a casa.

até a última gota até os ossos V. jusqu’à la moelle jusqu’à la garde. suplicar-lhe a toda V. descendre en flammes. jusqu’à la dernière goutte. até o osso até às orelhas. déchirer à belles dents. jusqu’au cou. renvoyer dans les cordes toilette de chat casser du sucre sur le dos. até a última gota até o pescoço V. baixar a crista rabattre le caquet à rabattre le caquet à.68 trair alguém covardemente até a raiz dos cabelos: totalmente. baixar o pau banho de gato: banho tomado de modo muito superficial baixar a bola. rabattre le taquet à dizer bocas. jusqu’au trognon. déchirer à belles dents. até os ossos jusqu’au bout des doigts. jusqu’au trognon até a última gota. jusqu’aux yeux jusqu’à la corde. enterrado até ao pescoço. jusqu’au cou jusqu’au bout des doigts. jusqu’au bout des ongles. jusqu’aux yeux jusqu’à la corde. jusqu’au trognon. exasperado) até o caroço V. descendre en flammes. inteiramente (referente a alguma característica de uma pessoa que se apresenta muito acentuada) até a última gota: ao esgotamento até as tampas: completamente (totalmente aborrecido. mandar bocas casser du sucre sur le dos. jusqu’à la dernière goutte. até o pescoço atirar-se aos pés jeter [se] aux pieds jeter [se] aux pieds com a corda no pescoço. a jato a todo vapor V. être dans le trouble dans les fers. parler dans les dos [de quelq’un] toilette de chat banho à gato . até a raiz dos cabelos atirar-se aos pés: submeter-se a alguém. derrière les barreaux franchir le Rubicon avis aux amateur Letra B baixar a bola de: fazer alguém se calar ou diminuir o tom baixar a crista de V. comprometedora atrás das grades: na cadeia atravessar o Rubicão: tomar uma decisão irreversível aviso aos navegantes: aviso amigável par alertar alguém em relação a algo até a raiz dos cabelos. jusqu’à la moelle jusqu’à la garde. na merda (vulgar) atrás das grades atravessar o Rubicão aviso aos navegantes dans la merde jusqu’au cou dans les fers. jusqu’au bout des ongles. a jato atolado até o pescoço: em situação desfavorável. até a última gota até o osso V. até as tampas até o sabugo V. derrière les barreaux franchir le Rubicon avis aux amateur dans la merde jusqu’au cou. até a ponta dos cabelos. baixar a bola de baixar o pau: falar mal de alguém ou de alguma coisa baixar o sarrafo V.

passer l’arme à gauche. ir desta para melhor. boca de siri boca do lobo bode expiatório. plein comme une huître. bater a todas as portas. ir para os anjinhos.69 barril de pólvora: perigo eminente bate boca V. jogar conversa fora batismo de fogo: prova difícil que se passa pela primeira vez bêbado como um gambá: muito bêbado beijar a lona: sair derrotado em uma luta. ir para o céu. ir para o maneta. dar o berro. soûl comme un boudin aller au tapis. bête comme ses pieds dindon de la farce bouche cousue. dar o último suspiro. perder a vida bater com o nariz na porta. avoir la . muet comme une carpe gueule du loup bouc émissaire boule de neige fausse note beau parleur [2] apanhar um cagaço avoir chaud aux fesses (vulgaire). bateção de boca bateção de boca: discussão. aquilo que destoa do conjunto a que se refere bom de bico: que só diz futilidades e tem quase sempre segundas intenções borrar as calças: ter muito medo casser [se] le nez à la porte de andar de casa em casa. bater de porta em porta bater na mesma tecla frapper à toutes les portes enfoncer le clou frapper à toutes les portes enfoncer le clou batismo de fogo bêbado como um cacho. mordre la poussière baiser de Judas bête à manger du foin. saco de pancada bola de neve pé na argola bom de bico baptême du feu bourré un coing. passer l’arme à gauche prise de bec casser sa pipe. dar com o nariz na porta prise de bec casser sa pipe. saoul comme un cochon. podre de bêbado. bombo da festa. peter au frette cogner [se] le nez à la porte de bater com a cara na porta: não encontrar a pessoa com quem se quer falar bater com o nariz na porta V. faire dans sa avoir chaud aux fesses (vulgaire). descendre au tombeau. sem revelar nada boca do lobo: local perigoso para se freqüentar bode expiatório: pessoa sobre quem recaem os erros de outrem bola de neve: problema que se agrava progressivamente bola fora: gafe. em uma disputa beijo de Judas: gesto de falsidade besta quadrada: ingênuo e muito pouco inteligente bobo da corte: vítima em algum caso ou negociação que é motivo de chacota boca de siri: sem dizer nada. esticar o pernil. altercação bater as botas: morrer barril de pólvora soupe au lait soupe au lait bate boca bater a bota. plein comme un boudin aller au tapis. podre de bêbedo ir ao tapete beijo de Judas besta quadrada bobo da corte bico calado. bouché à l’émeri dindon de la farce bouche cousue gueule du loup bouc émissaire boule de neige fausse note beau parleur [2] baptême du feu saoul comme une botte. bater com a cara na porta bater em todas as portas: recorrer a muitas pessoas bater na mesma tecla: recomeçar sempre uma explicação para se fazer entender ou para convencer alguém bater um papo V. plein comme une barrique. descendre au tombeau. partir les pieds devant. mordre la poussière baiser de Judas bête à manger du foin. manger les pissenlits par la racine.

cabeça de alho chocho. tête de linotte. tête de linotte. ignorante botar a boca no mundo crier sur les toits chienne. cabeça de vento. battre [se] comme un lion jouer au chat et à la souris jouer au docteur bête comme um âne. tête en l’air cervelle de moineau. faire dans son froc. tête carrée. ficar de boca aberta. chier dans son forc. bête comme ses pieds mener en bateau bras droit jouer avec le feu faire des pieds et des mains jouer au chat et à la souris jouer au docteur bête comme um âne. sem juízo cabeça de abóbora. tomber de la lune. tête à Papineau. pipi de chat tête brûlée chasse aux sorcières chasseur de têtes petite bière. tête creuse. bête comme ses pieds Letra C cabeça de melão V. cervelle d’oiseau. tête en l’air cabeça oca V. cabeça de burro cervelle de moineau. cair das nuvens. serrer les fesses crier sur les toits colocar na cabeça. lutar com unhas e dentes brincar ao gato e ao rato brincar de médico burro como uma porta mener en bateau bras droit jouer avec le feu faire des pieds et des mains. tête creuse. tomber de haut. donner la chair de poule. tomber des nues . ficar de olhos em tomber du lit tomber à la renverse. botar a boca no mundo botar na cabeça: fazer alguém compreender algo.70 culotte. tête folle. sem valor cair como uma luva V. cabeça de vento cabeça quente: nervoso. irritação caça às bruxas: procura de culpados pelo problema caçador de talentos: pessoa que procura por pessoas talentosas café pequeno: pessoa ou coisa sem importância. meter na cabeça. cabeça de vento cabeça de vento: muito distraído. cervelle d’oiseau. pipi de chat cair da cama apanhar um susto. influenciá-lo braço direito: pessoa de confiança que ajuda em vários assuntos brincar com fogo: meterse com algo perigoso brigar com unhas e dentes: esforça-se tenazmente para conseguir seus objetivos brincar de gato e rato: fazer com que seja procurado brincar de médico: tocar e se deixar tocar partes mais íntimas burro como uma porta: muito pouco inteligente. pôr na cabeça braço direito brincar com fogo lutar como um leão. tomber de la lune. tomber des nues. tomber du se jeter au bas du lit tomber à la renverse. persuadi-lo. faire dans son froc botar a boca no mundo: falar algo para todo mundo botar a boca no trombone V. servir como uma luva cair da cama: acordar inabitualmente muito cedo cair das nuvens: ficar estupefato cabeça quente caça às bruxas caçador de talentos café pequeno tête brûlée chasse aux sorcières chasseur de têtes petite bière.

ficher le camp. s’ aller [en] la queue sur les fesses (dos) cair matando 1. ir na conversa cair no mundo V. ficher le camp. paquerar cair na ratoeira V. dar de frosques. ir por água abaixo calcanhar de Aquiles. mettre les bouts. não servir para mais nada calar a boca V. ficar de queixo caído. retomber sur ses pieds tomber du ciel [1] tirer à boulets rouges. face d’enterrement. estar de cama. ir na conversa cair nas costas: atribuir algo a alguém cair no laço V. chegar às mãos lançar sobre as costas tomber sous la main tomber sous la main tomber sur le dos tomber sur le dos cair por terra. andar com as próprias pernas canoa furada: empreendimento arriscado cantar de galo V. dar ao slide. mettre les voiles. cair das nuvens cair fora: ir embora rapidamente bico. lado fraco. ficar em águas de bacalhau. fugir a sete pés. dar com os burros n’água. V. se faire chanter la pomme cair nas mãos. point faible talon d’Achille canoa furada planche pourrie planche pourrie cantar vitória cara de enterro crier victoire gueule d’enterrement crier victoire fale basse. falar grosso cantar vitória: comemorar precipitadamente cara de enterro: semblante triste cara de velório V. prendre la clef des champs. taquet bas dur à cuire Ø carne de pescoço. ir na conversa cair na mão: ficar à disposição cair na rede V. tomar um susto cair de cama. cair das nuvens cair de pau: criticar duramente cair de pé: sair-se bem de uma situação difícil cair do céu: chegar de repente e a propósito cair duro V. dar o fora [1]. parte vulnerável de alguma coisa caminhar com as próprias pernas V. tomber à l’eau talon d’Achille. ser duro cair de pé cair do céu ciel [2] être sur le flanc être sur le flanc tirer à boulets rouges. tomber dans le lac être à l’eau. ponto fraco. telhado de vidro être à l’eau. tomber à bras raccourcis retomber sur ses pattes. tapar a boca calcanhar de Aquiles: ponto fraco de alguém. tourner les talons. de superar carne de vaca: lugararrastar a asa Ø draguer chanter la pomme. estar de molho entrar a matar. dar corda aos sapatos faire [se] malle. ir a pique. deitar por terra. pôr por terra. foutre le camp. retomber sur ses pieds tomber du ciel [1] cair fora. osso duro de roer vulgar de Lineu dur à cuire tarte à la crème . tourner les talons sacrer son camp. foutre le camp. cair de pau 2. prendre la clef des champs. cair fora cair por terra: fracassar. tomber à bras raccourcis retomber sur ses pattes. cara de enterro carne de pescoço: pessoa difícil de tolerar. tomber à l’eau.71 cair de cama: estar muito doente cair de costas V.

72 comum carregar sua cruz: enfrentar dificuldades carregar um peso (nas costas): suportar uma carga da qual não se pode desvencilha carta aberta: carta dirigida a todos carta branca: liberdade de ação. passer un savon. castelo de vidro. chover a potes. remonter les bretelles. maison de rendezvous. pregar um sermão chegar ao fundo do poço cheio de altos e baixos cheio de cor cheirar a esturro chorar miséria cerise sur le gâteau hurler à la mort apprendre à vivre. faire une scène. parecer suspeito chorar as pitangas: reclamar chorar miséria V. chamar [alguém] à ordem. maison de tolérance mariage blanc écorché vif château de cartes châteaux en Espagne point de mire cereja em cima do bolo chamar a morte dar uma descasca. maison de passe. sentir le roussi crier misère. prendre à partie. pleurer misère chegar ao fundo do poço: ficar numa situação muito ruim cheio de altos e baixos: instável cheio de cor: pitoresco. castelo na areia castelo no ar centro das atenções comme dans un moulin comme dans un moulin maison close. sonhos quiméricos centro das atenções: objeto ou pessoa visado pelo público cercar por todos os lados V. faire une scène. casa da mãe Joana casa de passe. sentir le roussi crier misère. pleuvoir à boire debout. pleurer misère cerise sur le gâteau hurler à la mort dire deux mots. remonter les bretelles toucher le fond en dents de scie haut en couleur sentir le brûlé. chover canivetes pleuvoir à seau. puxar as orelhas. maison de tolérance mariage blanc écorché vif château de cartes châteaux en Espagne point de mire maison close. prendre à partie. maison de passe. pleuvoir à seaux. pleuvoir comme une vache mouiller à boire debout. pleuvoir à verse. maison de rendez-vous. vivaz cheirar mal: despertar a desconfiança. dire deux mots. que se sente ofendida facilmente castelo de cartas: projeto frágil e efêmero castelo no ar: projetos. passer un savon. apertar o cerco cereja do bolo: detalhe que coroa alguma atividade chamar a morte: desejar a morte e chamar por ela chamar na chincha: dar uma lição em alguém levar a (sua) cruz ao calvário carregar nas costas porter sa croix traîner comme un boulet lettre ouverte carte blanche cartes sur table porter sa croix traîner comme un boulet lettre ouverte carte blanche cartes sur table carta aberta carta branca cartas na mesa casa da Joana. sonner les cloches toucher le fond en dents de scie haut en couleur sentir le brûlé. chorar as pitangas chover a cântaros: chover muito forte chover a cântaros. dar um raspanete. casa da mãe Joana casa de tolerância: casa de prostituição casamento branco: união não consumada casca de ferida: pessoa sensível demais. . plenos poderes cartas na mesa: condições prédeterminadas para se jogar com lealdade e sinceridade casa da mãe Joana: local sem ordem casa da sogra V. casa de tolerância casamento branco flor de cheiro castelo de cartas.

pôr no mesmo saco mettre au pas mettre sur le tapis mettre dans le même panier. meter lenha na fogueira.73 qui pisse (vulgaire). mettre l’épaule à la roue mettre au pied du mur mettre en jeu deitar achas na fogueira. encurralar colocar em jogo: comprometer algo importante em determinada situação colocar gasolina no fogo V. uma determinada ordem colocar na mesa: colocar um assunto em discussão colocar no mesmo saco: considerar. pôr lenha na fogueira ajouter de l’huile sur le feu. pôr a carroça à frente dos bois coincer la bulle la mer à boire de bric et de broc mettre la charrue avant les boeufs coincer la bulle la mer à boire de bric et de broc mettre la charrue avant (devant) les boeufs pôr a mão na massa mettre la main à la pâte encostar à parede colocar em jogo mettre au pied du mur mettre en jeu mettre la main à la charrue. mettre dans le même sac . tomber des cordes faire double emploi coup fourré sucer le sang taille de guêpe chover canivete(s) V. mettre le feu aux poudres ajouter de l’huile sur le feu. tomber des cordes pleuvoir à verse. jeter de l’huile sur le feu. cintura de pilão círculo vicioso: situação interminável. de primeira linha coçar o saco: ficar à toa (vulgar) coisa de outro mundo: coisa muito difícil de se fazer colcha de retalhos: algo constituído por elementos de natureza diversa colocar a carroça na frente dos bois: antecipar inconvenientemente algumas etapas colocar a casa em ordem V. raciocínio circular classe A V. botar na cabeça colocar na linha: obrigar a seguir uma disciplina. mettre dans le même sac mettre au pas mettre sur le tapis mettre dans le même panier. pôr na mesa meter no mesmo saco. chover a cântaros chover no molhado: repetir algo que todos já sabem chumbo trocado: troca de ofensas chupar o sangue: aproveitar-se cintura de pilão: cintura muito fina cintura de vespa V. deitar lenha na fogueira. pleuvoir comme une vache qui pisse (vulgaire). mettre la main à la pâte. colocar lenha na fogueira colocar lenha na fogueira: inflamar conflitos já existentes ou complicar umasituação já tensa colocar na cabeça V. mettre de l’huile sur le feu. arrumar a casa colocar a mão na massa: intervir num trabalho colocar contra a parede: acuar. julgar uns e outros do mesmo modo chover no molhado chumbo trocado sugar até ao tutano cintura de vespa faire double emploi coup fourré sucer le sang taille de guêpe círculo vicioso cercle vicieux cercle vicieux coçar os tomates coisa de outro mundo colcha de retalhos pôr o carro à frente dos bois. mettre de l’huile sur le feu. pleuvoir des cordes. jeter de l’huile sur le feu. mettre le feu aux poudres pôr na linha colocar na mesa.

à bout de souffle être à la barre. de cabeça levantada ao abrigo de com a corda na garganta. pieds et poings liés les mains liées. de mãos vazias com as mãos atadas. de cabeça alta. de mãos a abanar. pieds et poings liés . não fazer conta de alguma coisa colocar um ponto final: concluir. morto de fome com a cabeça erguida. mettre [se] dans la peau de mettre tous les œufs dans le même panier calmer le jeu être dans la peau. com uma mão à frente e outra atrás. tenir les rênes les mains vides com as mãos atadas: impossibilitado de agir les mains liées. à la peine être à la barre. retourner le couteau dans la plaie faire boullir la marmite colocar o pão na mesa assegurar a subsistência da família colocar o rabo entre as pernas (vulgar) V. tenir les ficelles. de cabeça erguida. com a corda no pescoço com água na boca com a língua de fora governar o barco. mener la danse. pôr água na fervura colocar-se na pele de. tenir les rênes les mains vides sous le couvert de [1] la corde au cou l’eau à la bouche à bout de course. pôr o dedo na ferida mettre du coeur (à l’ouvrage) enfoncer le couteau dans la plaie. mettre le doigt sur la plaie. colocar na linha colocar o carro na frente dos bois V. abaixar a cabeça colocar panos quentes: acalmar os ânimos. contemporizar colocar-se na pele de: estar no lugar de alguém colocar todos os ovos na mesma cesta: investir todos os recursos em uma só empresa. mettre [se] dans la peau de mettre tous ses (les) œufs dans le même panier mettre une croix pôr uma pedra em cima mettre une croix pôr (um) ponto final com a barriga a dar horas. correndo o risco de perder tudo colocar uma pedra em cima: deixar algo de lado. dar fim a alguma coisa com a barriga roncando: com muita fome com a cabeça erguida: com orgulho ganhar o pão de cada dia deitar água na fervura. de pés e mão atadas mettre um point final claquer du bec bille en tête mettre um point final crever la dalle bille en tête com a cobertura de: protegido por alguém com a corda no pescoço: com dificuldades financeiras com água na boca: com muita vontade com a língua de fora: muito cansado. retourner le couteau dans la plaie faire boullir la marmite mettre du coeur (à l’ouvrage) enfoncer le couteau dans la plaie. tenir la barre. com a cabeça levantada. mener la danse. tenir les ficelles. estar na pele de pôr todos os ovos no mesmo cesto calmer le jeu être dans la peau. exausto comandar o barco: ter o comando da situação com as mãos abanando: sem nada para oferecer sous le couvert de [1] la corde au cou l’eau à la bouche à bout de course. remuer le couteau dans la plaie. mettre le doigt sur la plaie.74 colocar nos trilhos V. de mãos atadas. remuer le couteau dans la plaie. à bout de souffle. tenir la barre. ter as rédeas com as mãos a abanar. colocar a carroça na frente dos bois colocar o coração: dedicar-se a algo com entusiasmo colocar o dedo na ferida: indicar a causa precisa de um problema complicado colocar o coração colocar o dedo na ferida.

du pied droit du mauvais pied. les nerfs à vif. les nerfs en boule entre deux eaux les nerfs à fleur de peau. les nerfs à vif. com os olhos fechados. la queue entre les jambes com os nervos à flor da pele entre duas águas les nerfs à fleur de peau. de privações com fogo no rabo: muito agitado com letras de fogo 1. sem se engajar de fato nem em um nem em outro com os pés nas costas: com facilidade como um peixe fora d’água: bem constrangido. em letras de ouro com mão de mestre com meias palavras com o cantar do galo como cão e gato com o pé direito com o pé esquerdo en lettres de feu en lettres d’or de main de maître à demi-mot heure du laitier comme chien et chat du bon pied. passar (por) maus bocados com fogo no rabo manger de la vache enragée agité du bocal manger de la vache enragée agité du bocal com letras de fogo com letras de ouro. a jato com o próprio bolso: com o próprio dinheiro com o rabo entre as pernas: sentindo vergonha por ter fracassado com os bofes de fora V. de olhos fechados como peixe fora d´água haut la main. V.75 comer capim pela raiz V. les deux doigts dans le nez comme un poisson hors de l’eau como um peixe na água comme un poisson dans l’eau comme un poisson dans l’eau . bater as botas comer o pão que o diabo amassou: levar uma vida miserável.: com palavras duras (culto) com letras de ouro: para ficar sempre presente na memória (culto) com mão de mestre: com grande habilidade e perfeição com meias palavras: expressar a própria opinião com o cantar do galo: de manhã bem cedo como cão e gato: como inimigos com o pé direito: com sorte com o pé esquerdo: com azar com o pé na tábua V. du pied gauche en lettres de feu en lettres d’or de main de maître à demi-mot heure du laitier comme chien et chat du bon pied. les nerfs en boule entre deux eaux com uma perna às costas. du pied droit du mauvais pied. nada à vontade em alguma atividade como um peixe na água: bem à vontade em alguma comer com os olhos comer gato por lebre. bater as botas comer com os olhos: olhar com cobiça comer gato por lebre: ser enganado. frustrando suas expectativas comer grama pela raiz V. com letras de ouro com letras de fogo 2. les doigts dans le nez comme un poisson hors de l’eau haut la main. du pied gauche do próprio bolso com o rabo entre as pernas. de rabo entre as pernas de ses propres deniers la queue basse. la queue entre les jambes de ses propres deniers la queue basse. comprar gato por lebre manger des yeux prendre des vessies pour des lanternes manger des yeux prendre des vessies pour des lanternes comer o pão que diabo amassou. com a língua de fora com os nervos à flor da pele: muito nervoso com os pés em duas canoas: entre dois partidos opostos. passar as passas do Algarve.

deitar foguetes antes da festa bâtir sur le roc vendre la peau de l’ours avant de l’avoir tué bâtir sur le roc vendre la peau de l’ours avant de l’avoir tué conversa de surdos contos da carochinha. histoire à dormir debout dialogue de sourds conte à dormir debout. histoire à dormir debout 2. a jato comprar gato por lebre V. conversa mole [2]. histórias da carochinha. bem fundamentada contar com o ovo antes da galinha botar: dar por certo um resultado esperado. os sentimentos. en bon français en toutes lettres. conversa pra boi dormir. contar com o ovo antes da galinha botar conversa de surdos: conversa onde ninguém se entende conversa fiada 1. os hábitos com que se age com todas as letras: explicitamente conduzir o barco V. superficial conversa mole 1. história ilógica. conversa de chacha dialogue de sourds conte à dormir debout. trinta e um de boca conversa fiada. comandar o barco confiar no seu taco: sentir-se competente.76 atividade como um raio V. conversa fiada. conversa fiada 2. conhecer de ginjeira conhecer o terreno toucher sa bille connaître comme sa poche connaître le terrain toucher sa bille connaître comme sa poche connaître le terrain conseguir um lugar ao sol arranjar uma cunha faire [se] une place au soleil faire son trou faire [se] une place au soleil faire son trou construída em pedra e cal contar com ovo no cu da galinha. mas ainda hipotético contar com o ovo dentro da galinha V. confiante conhecer como a palma da mão: conhecer algo ou alguém nos detalhes conhecer o terreno: conhecer bem tudo o que envolve um assunto ou as intenções de uma pessoa conseguir um (seu) lugar ao sol: conseguir uma posição estável conseguir uma boquinha: conseguir uma oportunidade na sociedade construir sobre a rocha: ter uma formação sólida. em português claro en toutes lettres. conversa mole. comer gato por lebre com quantos paus se faz uma canoa: (mostrar. conversa fiada [2] conversa pra boi dormir V. sem papas na língua. V. conversa fiada [1] cor local: conjunto de detalhes característicos de um local ou de uma época langue de bois langue de bois cor local couleur locale couleur locale . en bon québecois ser o senhor de si conhecer como a palma da mão. esperar por sapatos de defunto. conversa banal. falaciosa ou inverossímil na qual não dá para acreditar com quantos paus se faz uma canoa de quel bois je me chauffe de quel bois je me chauffe com todas as letras. conversa de chacha. V. saber) as qualidades.

déchirer le coeur couper le cordon crever l’abcès (culto). mordre la main qui nourrit cracher en l’air coûter cher tenter le diable . vider l’abcès (culto) couper les ponts. cortar o coração. tomar um aspecto real criar raízes: passar a ter vínculos emocionais geralmente com lugar ou cultura em que se nasceu ou viveu criar um clima: favorecer certo tipo de atmosfera moral cruzar os braços: não fazer nada cuidar da (sua) vida: só se preocupar com o que lhe diz respeito cuspido e escarrado: muito parecido cuspir fogo V. rompre les ponts faire boule de neige prendre corps prendre racine cortar os laços crescer como uma bola de neve ganhar corpo. rompre les ponts faire boule de neige prendre corps prendre racine coeur déchiré corde sensible courir après course contre la montre course d’obstacles couper la parole à (qqn). coração de gelo coração partido: grande desolação corda sensível: ponto. vider l’abcès (culto) couper les ponts. déchirer le coeur couper le cordon crever l’abcès (culto). autônomo cortar o mal pela raiz: acabar com as principais causas do problema cortar os laços: interromper qualquer relação com alguém ou alguma coisa crescer como bola de neve: complicar-se progressivamente criar corpo: desenvolverse. assunto delicado (culto) correr atrás: procurar obter algo por todos os meios corrida contra o relógio: atividade obstinada contra o tempo corrida de obstáculos: uma série de dificuldades cortar a palavra: interromper cortar o coração: deixar triste cortar o cordão (umbilical): tornar-se adulto. coração de ouro. sair caro a (alguém). tourner [se] les pouces occuper [s’] de ses oignons tout craché créer un climat croiser [se] les bras. sem tirar nem pôr cuspir no prato que comeu cuspir para cima custar caro. occuper [s’] de ses oignons tout craché cracher dans la soupe cracher en l’air coûter cher tenter le diable cracher dans la soupe. prendre le mal à la racine. tourner [se] les pouces mêler [se] de ses oignons. tomar corpo criar raízes criar um clima cruzar os braços cuidar da (sua) vida cuspido e escarrado. coração de pomba coração partido corda sensível correr atrás corrida contra o relógio corrida de obstáculos cortar a palavra. como duas gotas de água. estar fulo da vida cuspir no prato que comeu: ser ingrato cuspir pra cima: falar algo que pode vir acontecer futuramente custar caro: trazer graves conseqüências para alguém cutucar a onça com vara coração de gelo. prendre le mal à la racine. couper le sifflet à fendre le coeur. partir o coração. quebrar o coração cortar o cordão umbilical cortar o mal pela raiz coeur de glace coeur d’or coeur de glacê coeur d’or coeur déchiré corde sensible courir après course contre la montre course d’obstacles couper la chique (la parole) à (qqn) fendre le coeur. pagar caro cutucar onça com vara créer un climat croiser [se] les bras. coração de pedra alma de ouro.77 coração de gelo: insensível coração de ouro: bondade coração de pedra V. tomar a palavra cortar a alma.

faire les yeux doux avoir tout faux donner matière. apporter sur um plateau. concretizá-lo dar crepe V. offrir en pâture hausser les épaules faire recette faire recette . dar bode dar com a cara na porta: não ser atendido em algum lugar dar com o nariz na porta V. dar de bandeija dar dinheiro: ter sucesso e render dar (um) duro V. ceder facilmente dar de ombros: mostrar indiferença dar de mão beijada V. encolher os ombros dar dinheiro apporter (porter) sur un plat d’argent. dar com a cara na porta dar com os burros n’água V. trazer ao mundo dar a outra face donner le jour. sem embasamento ou verdade da mesma laia V. materializá-lo. donner prise. dar bode dar de bandeja: facilitar ao máximo. dar com o nariz na porta casser [se] le nez à la porte cogner [se] le nez à la porte da boca pra fora du bout des lèvres du bout des lèvres dar à luz. donner prise. offrir en pâture hausser les épaules offrir sur un plat d’argent. faire les yeux doux avoir tout faux donner matière. reprendre du poil de la bête porter le drapeau faire long feu faire de l’oeil.78 curta: abusar da situação. prêter le flanc dar corpo donner corps donner corps dar de bandeja. cair por terra dar corda V. dar nas vistas dar bode. dar bola dar corpo: dar forma ou consistência a algo. apporter sur um plateau. dar de mão beijada dar de ombros. estar em perigo iminente curta Letra D da boca pra fora: falar por falar. virar as costas dar a última cartada: fazer uma última tentativa para conseguir algo dar a volta por cima: recuperar-se dar bandeira: deixar transparecer algo que deveria ficar oculto dar bode: haver problema dar bola: dar confiança a alguém dar bola fora: cometer gafes dar brecha: dar oportunidade para ocorrer comentários. pôr no mundo. reprendre du poil de la bête porter le drapeau faire long feu faire de l’oeil. ligar importância meter o pé na argola abrir brecha. ataques dar chabu V. fazer caso de. dar margem jouer sa dernière carte remettre [se] en selle. dar o céu dar à luz: gerar dar a outra face: expor-se a novo ultraje sem reagir dar as costas V. mettre au monde tendre la joue gauche jogar a última cartada dar a volta por cima dar bandeira. prêter le flanc jouer sa dernière carte remettre [se] en selle. mettre au monde tendre la joue gauche. abrir margem. suar bater com a cara na porta. dar corda. dar raia dar bola. farinha do mesmo saco dar a lua V. tendre l’autre face donner le jour.

dar a ão à palmatória dar o céu: querer fazer até o impossível por quem se ama dar o chute inicial: tomar uma atitude que desencadeia alguns fatos dar o exemplo: servir de modelo dar o fora V. porter sur les nerfs. mâcher le travail mâcher la besogne. dar bode dar lado V. porter sur le système. dar um arzinho da sua graça dar uma (a) tampa. moer o juízo faire tourner en bourrique. mâcher le travail dar mole ne pas faire de cadeau ne pas faire de cadeau dar bandeira. cair fora dar nos nervos: exasperar alguém dar em cima dar um frio na espinha faire du rentre-dedans donner froid dans le dos faire du rentre-dedans donner froid dans le dos dar a mão à palmatória. dar o pontapé de saída dar o exemplo décrocher la lune lancer le bal décrocher la lune lancer le bal donner l’exemple donner l’exemple dar o que tinha que dar dar o tom dar o troco. dar mole dar na cara: deixar transparecer dar na vista V. medo dar galho V. cair fora dar o pontapé inicial V. dar o chute inicial dar o que tinha dar: estar no final de sua atividade ou de sua vida dar o tom: determinar a conduta a ser seguida dar o troco [fazer para dar um ar da sua graça. pagar com a avoir fait son temps donner le la. dar nas vistas saber levar a água ao seu moinho accuser le coup accuser le coup avoir plus d’un tour dans son sac avoir plus d’un tour dans son sac dar cabo nos nervos. dar na cara dar nó em pingo d’água: ter muita habilidade e dar um jeitinho em tudo dar no pé V. porter sur le système. taper sur le système refaire surface faire faux bond. dar brecha dar mão à palmatória: reconhecer seu erro. mettre à bout (de nerfs). donner le ton rendre la monnaie (de avoir fait son temps donner le la rendre la monnaie (de sa . taper sur les nerfs. pousser à bout. poser un lapin dar a lua dar o pontapé inicial. mexer com os nervos. cair por terra dar em cima: paquerar com insinuações freqüentes dar frio na espinha: causar assombro. pousser à bout taper sur les nerfs. moer a paciência a (de) [alguém]. dar o braço a torcer faire amende honorable faire amende honorable dar a papinha feita mâcher la besogne. mettre à bout. dar brecha dar mastigadinho: explicar algo detalhadamente para facilitar a alguém a compreensão e a assimilação dar mole: facilitar (muito usual na negativa) dar moleza V.79 sangue dar em água de barrela V. taper sur le système dar o ar da graça: reaparecer em público após um tempo ausente dar o bolo: não comparecer a um compromisso dar o braço a torcer V. deixar [alguém] pendurado refaire surface faire faux bond [1] faire tourner en bourrique. sua culpa dar margem V. porter sur les nerfs.

fourrer son nez pièce). dar uma descasca. mettre son grain de sel. sair-se bem dar-se mal. meter a colherada. dar um raspanete dar um salto dar um tempo dar um toque dar uma banana. responder à letra dar ouvidos. rendre la pareille prêter l’oreille ajouter son grain de sel. meter o nariz (onde não é chamado). mettre son grain de sel. meter a colher. fazer um manguito dar abébias mettre en sommeil donner l’éveil payer en monnaie de singe faire une fleur mettre en sommeil donner l’éveil payer en monnaie de singe faire une fleur . pousser à la roue dire deux mots faire le saut dar uma desanda. ter êxito dar-se mal: fracassar dar sinal de vida: dar notícias dar sopa pro azar: facilitar que um problema aconteça dar sua palavra: prometer dar tempo ao tempo: esperar sem pressa dar um baile em: fazer algo muito melhor que alguém dar um banho V. a conseguir fazer algo dar um pito: repreender dar um salto: tomar uma decisão importante. mettre le pied à l’étrier. ter uma atitude decisiva que implica uma mudança brusca dar um tempo: interromper algo temporariamente dar um toque: dar uma sugestão dar uma banana: deixar de se importar com alguém após ter feito falsas promessas dar uma canja: dar uma facilitada para alguém faire faux bond [2] faire faux bond [2] dar para o gasto dar (-se) as mãos dar-se bem. pousser à la roue dire deux mots faire le saut prendre à bras-le corps. tenir [se] les coudes sortir [se] bien faire chou blanc donner signe de vie Ø donner sa parole donner du temps au temps faire la pige à prendre à bras-le corps. meter o bico. sair-se mal dar sinal de vida. meter o bedelho. meter a foice em seara alheia. dar um baile em. dar um bigode dar um basta dar um empurrãozinho nourrir son homme serrer [se] les coudes. de fazer o que havia sido confirmado anteriormente dar pro gasto: assegurar alguma renda suficiente para viver dar-se as mãos: ajudar-se mutuamente em uma tarefa comum dar-se bem: ser favorecido. prestar ouvidos. meter-se onde não é chamado roer a corda sa pièce). dar um banho em.80 alguém o mesmo lhe fizeram] (geralmente: sentido negativo) dar ouvidos: levar em conta dar pitaco: intrometer se mesma moeda. saisir à bras-le corps mettre le pied à l’étrier. dar crédito dar (um) pitaco. rendre la pareille prêter l’oreille ajouter son grain de sel. saisir à bras-le corps mettre en selle. dar um baile dar um basta: impedir firmemente a continuação de um problema dar um empurrãozinho: ajudar alguém a se estabelecer. dar sinal de si desafiar a sorte dar a sua palavra dar tempo ao tempo dar uma abada. fourrer son nez dar pra trás: desistir. tenir [se] les coudes sortir [se] bien faire chou blanc donner signe de vie laisser la porte ouverte donner sa parole donner du temps au temps faire la pige à nourrir son homme serrer [se] les coudes. no último momento.

l’oreille aux aguets en peau de lapin à tout casser. dar uma canja dar uma dura V. sem convicção de arrasar: fantástico. falar. à sombra de debaixo do nariz: muito perto de boca aberta: surpreso ou admirado de bom coração: generoso de braço dado: de acordo com de cabeça: de cor (depois de verbos como dizer. savonner la planche donner [se] de l’air donner libre cours tourner autour du pot faire échec l’oeil aux aguets. du feu de Dieu.81 dar uma cartada V. formidável de arrebentar (a boca do balão) V. de pôr os cabelos em pé. de mar a mar de cara limpa de carne e osso de fond en comble de fond en comble à visage découvert de chair et de sang. du tonnerre (de Dieu) couper l’herbe sous le pied. de bom coração 2. de ponta a ponta. de antenas ligadas de araque de arrasar. de arrasar de arrepiar os cabelos: de provocar medo debaixo da asa V. de tout coeur de bon coeur. dar a última cartada dar uma colher de chá V. do fundo do coração de bon coeur. du feu de Dieu. chamar na chincha dar uma geral: abordar brevemente todas as questões sobre um assunto dar uma rasteira: utilizar procedimentos desleais para conseguir algo dar uma respirada: estar temporariamente livre de pressões dar vazão: extravasar dar voltas: fazer rodeios dar xeque-mate: impedir alguém de continuar fazendo algo de antenas ligadas: prestando atenção em tudo que está ao redor de araque: fajuta. de arrebentar faire un tour d’horizon faire un tour d’horizon couper l’herbe sous le pied. de queixo caído de bom coração. com a cabeça erguida de cabo a rabo: do início ao fim de cara limpa: sem vergonha de carne e osso: real. V. de coração aberto. de fio a pavio. de grand coeur. dizer por alto dar uma rasteira. saber) de cabeça erguida V. de chair et d’os de coração. du tonnerre (de Dieu) à faire dresser les cheveux sur la tête de arrepiar os cabelos. de coração (bom) de braço(s) dado(s) de cabeça. savonner la planche donner [se] de l’air donner libre cours tourner autour du pot faire échec l’oeil aux aguets. de cabeça de coração 1. de grand coeur. l’oreille aux aguets en peau de lapin à tout casser. passar uma rasteira apanhar ar dar vazão dar voltas dar xeque-mate com as antenas ligadas. de deixar o(s) cabelo(s) em pé debaixo do (seu) nariz de boca aberta. passar a perna. sinceramente de coração aberto V. de chair et d’os à visage découvert de chair et de sang. de cor à faire dresser les cheveux sur la tête sous le nez bouche bée de coeur bras dessus bras dessous par coeur sous le nez bouche bée de coeur bras dessus bras dessous par coeur de cabo a rabo. sensível de cor V. de todo coração. de tout coeur . de fora a fora. de abordar pela rama.

laisser en plan. defensor dos fracos e orpimidos de fininho V. pôr de parte meter na gaveta. V. decepcionar. laisser en plan. laisser en rade deixar de lado. laisser en rade . de arrepiar os cabelos de dois gumes: argumento ou modo de agir que pode produzir um efeito contrário ao esperado de encher os olhos V. não demonstrar interesse por (muito usual na negativa) deixar cair a máscara V. bem considerada defensor dos fracos e oprimidos: defensor das minorias defensor dos pobres e oprimidos V. deixar de parte. pôr de lado. dar sopa pro azar deixar barato: não se importar. deixar a poeira abaixar deixar a porta aberta V. tirar a máscara deixar com a pulga atrás da orelha: deixar alguém desconfiado deixar de cabelo em pé: deixar estupefato deixar de fora: desconsiderar como integrante de alguma coisa deixar de lado: abandonar. de primeira linha de fachada: que só mantém a aparência da realidade de família: de família honesta. defensor dos pobres e oprimidos de façade fils de bonne famille défenseur de la veuve et de l’orphelin de façade fils de bonne famille défenseur de la veuve et de l’orphelin de fôlego deixar a poeira baixar de longue haleine laisser pisser (lês mérinos) de longue haleine laisser pisser (lês mérinos) dar de barato faire bon marché faire bon marché deixar com a pulga atrás da orelha de pôr o cabelo em pé deixar de fora mettre la puce à l’oreille faire dresser lês cheveux sur la tête mettre sur la touche mettre la puce à l’oreille faire dresser les cheveux sur la tête mettre sur la tablette. desconsiderar deixar na gaveta: não utilizar algo por certo tempo deixar na mão 1. dar pra trás de coração pra coração de corpo e alma coeur à coeur corps et âme coeur à coeur corps et âme de dois gumes à double tranchant à double tranchant de fachada de família defensor dos fracos e oprimidos. mettre sur la touche laisser de côté laisser au vestiaire faire faux bond [2]. pé ante pé de fôlego: de muita perseverança e esforço deixar a poeira abaixar: esperar a situação melhorar deixar a poeira baixar: V.82 coração [2] de coração para coração: com sinceridade de corpo e alma: completamente. inteiramente de deixar o cabelo em pé V. desprezar. desistir no último momento de fazer o que havia sido confirmado anteriormente 2. pôr na prateleira deixar na mão laisser de côté laisser au vestiaire faire faux bond [2].

au rabais. fajuto de molho 1. de alto coturno de meia idade. com a mãos abanando de mãos amarradas: impossibilitado de agir de mãos atadas V. sem ter verificado de ressuscitar (um) morto de mala e cuia à réveiller un mort avec armes et bagages à réveiller un mort avec armes et bagages com as mãos atadas. sem ser utilizado por um certo período. em estado latente 2.83 deixar na(s) mão(s) de deixar algo ou alguém sob a responsabilidade de alguém deixar o barco correr: deixar acontecer deixar o campo livre: eliminar os obstáculos deixar por conta da sorte V. à la mords-moi le noeud. de quatre sous en sommeil de molho denominador comum au chaud dénominateur commun au chaud dénominateur commun com os olhos fechados. sem sair de casa denominador comum: elemento. de quatre sous en sommeil à la mords-moi le noeud. deixar na(s) mão(s) de deixar por menos V. V. pé ante pé de marca: de qualidade garantida de meia idade: entre os 30 e os 50 anos de meia-pataca V. laisser entre les mains laisser couler laisser le champ libre deixar correr o marfim deixar o campo livre atirar para trás das costas. de meia pataca. deixar pra lá. pessoas de olhos fechados 1. deitar para trás das costas. de certa idade de marque [1] entre deux âges de marque [1] entre deux âges de meia tigela. sem conquistas 2. com as mãos abanando de mansinho V. laisser entre les mains laisser couler laisser le champ libre laisser aux mains de. de tuta e meia de molho à la graisse de hérisson. ir na conversa deixar uma pilha (de nervos) V. de mãos amarradas de mãos vazias 1. quietinho. deixar para trás das costas laisser tomber laisser tomber deixar-se levar V. dar nos nervos de levantar defunto: de animar. desprezar. de mãos atadas les mains liées les mains liées de mãos vazias les mains vides [1] les mains vides [1] de marca. de meia tigela de meia-tigela: de pouco valor. em total confiança. desconsiderar deixar na(s) mão(s) laisser aux mains de. deixar barato deixar pra lá: abandonar. de alto gabarito. de bouts de ficelle. de bouts de ficelle. deixar o barco correr deixar por conta de V. de olhos fechados les yeux fermés les yeux fermés . à la flan. aspecto comum a duas ou mais coisas. de fazer sair de um estado de apatia de mala e cuia: com tudo o que se precisa de mãos abanando V. au rabais.

com os pés nas costas de outro mundo V. de taille de premier plan. de primeira linha de pulso: decidido.84 2. de primeira linha. haut de gamme de marque [2]. de mão cheia. autoritário de queixo caído V. de boca aberta de rabo de olho: com desconfiança desaparecer no ar: estar em local desconhecido. sem qualquer prestigio descer ao túmulo V. em primeira mão de primeira ordem de marque [2]. resoluto. inventer le fil à couper le beurre desde que o mundo é mundo desenferrujar as pernas de se tirar o chapéu de segunda ordem. V. de primeiro nível. de taille de premier plan. baixar o pau descobrir a América: propor algo já conhecido como se fosse uma novidade descobrir a pólvora V. com as mãos atadas de peso: de renome de primeira linha: de ótima qualidade de pai para filho de palavra à pé firme de pernas esticadas de pernas pro ar de père en fils de parole de pied ferme les doigts de pieds en éventail sens dessus dessous de père en fils de parole de pied ferme les doigts de pieds en éventail sens dessus dessous de primeira mão: adquirido diretamente.: bagunçado. bater as botas descer o pau V. descobrir a América desde que o mundo é mundo: desde sempre desenferrujar as pernas: fazer exercícios de se tirar o chapéu: admirável de segunda categoria: de importância ou de de peso de encher as medidas. haut de gamme de première main [2] de premier ordre de première main [2] de premier ordre de pulso à poigne à poigne de rabo de olho desaparecer no ar desatar o nó du coin de l’oeil être dans la nature [1]. de primeira apanha. de pernas pro alto de pés e mãos atados V. disparaître dans la nature démêler l’écheveau du coin de l’oeil disparaître dans la nature démêler l’écheveau chegar ao fundo do poço descendre la pente descendre la pente descobrir a pólvora. baixar o pau descer ao fundo do poço: ficar em uma situação muito ruim. inventer le fil à couper le beurre inventer la poudre. oitava maravilha do mundo de pai para filho: de uma geração a outra de palavra: que honra seus compromissos de pé firme: sem receio de pernas pro alto: sem fazer nada. de segunda categoria depuis que le monde est monde dégourdir [se] les jambes de derrière les fagots de second ordre depuis que le monde est monde dégourdir [se] les jambes de derrière les fagots de second ordre . na ociosidade de pernas pro alto 2. de primeira água. desorganizado de pernas pro ar 1. deixar de existir desatar o nó: resolver o problema descer a lenha V. inventar a roda inventer la poudre. de trás da orelha de primeira mão. relevante de primeiro nível V. sem intermediários de primeira ordem: importante. V. de encher o olho.

de um dia para o outro comer com os olhos. do mesmo calibre dono do cofre: responsável pelo dinheiro dono do dinheiro V. d’une minute à l’autre dévorer de yeux de tous les diables. cobiça ou indignação dia D: dia decisivo dicionário ambulante: pessoa que usa palavras complicadas. dormir com um olho aberto e outro fechado dormir a sono solto: dormir longa e desfiar o rosário de sol a sol deitar (o) veneno de tirar o fôlego vider son sac d’arrache-pied cracher son venin à couper le souffle vider son sac d’arrache-pied cracher son venin à couper le souffle dos diabos de tous les diables. mais doce que o mel jour J encyclopédie vivante dire amen engueuler comme du poisson pourri dire son fait jour J encyclopédie vivante dire amen engueuler comme du poisson pourri dire son fait doux comme le miel doux comme le miel dois pesos e duas medidas deux poids et deux mesures deux poids et deux mesures do mesmo calibre de même acabit.85 qualidade inferior de segunda ordem V. excessivo de um dia para o outro V. farinha do mesmo saco do mesmo naipe V. com grande interesse. du diable du jour au lendemain. consentir dizer cobras e lagartos: dizer coisas muito ofensivas ou injuriosas à (ou sobre) alguém dizer umas verdades: dizer francamente a alguém o que se pensa dele e de sua má conduta doce como mel: suave. atirar às bochecha. dormir comme un dormir comme une marmotte. dormir . dizer horrores de [alguém] dizer as verdades. com o próprio bolso dormir acordado V. obsoletas dizer amém: concordar. farinha do mesmo saco do mesmo calibre: do mesmo valor do mesmo estofo V. d’une minute à l’autre dévorer de yeux de uma hora para outra. de acordo com a ocasião do mesmo barro V. enciclopédia viva dizer amém a dizer cobras e lagartos. de coração [2] dois pesos e duas medidas: duas formas de julgamento. du diable du jour au lendemain. dono do cofre do próprio bolso V. de coração [2] de todos os diabos: extrema. de segunda categoria desfiar o rosário: falar tudo o que pensa e estava guardado de sol a sol: continuamente destilar seu veneno: criticar de tirar o fôlego: deixar surpreso de todo o coração V. devorar com os olhos dia D dicionário ambulante. atirar à cara. même calibre dono do dinheiro grand argentier grand argentier dormir a sono solto dormir comme une marmotte. de uma hora para outra de uma hora para outra: repentinamente devorar com os olhos: olhar fixamente. de même calibre de même acabit. dizer do bom e do bonito doce como mel. meigo do fundo do coração V.

em poucas palavras em forma: em boas condições físicas eminência parda: indivíduo com muita é canja. é fichinha.86 profundamente dormir com um olho aberto e outro fechado: manter um sono bem leve para continuar atento ao que acontece dormir como uma pedra: dormir muito profundamente dormir no ponto: estar desatento e perder oportunidades dormir sobre os louros: descansar após ser bemsucedido dourar a pílula: tentar melhorar a aparência de algo duro de engolir: difícil de aceitar duro de ouvido: um pouco surdo duro de roer V. marquer le pas. en un mot bon pied bon oeil. marcar passo dormir à sombra da bananeira adoçar a pílula. tiré par les cheveux dur de la feuille duro na queda dur de dur. sem se definir em dois tempos V. duro de roer duro de ouvido dormir à poings fermés louper le coche. c’est du gâteau économie de bouts de chandelle c’est du gâteau économie de bouts de chandelle em boas mãos em campo aberto em carne e osso em cheio em cima do muro en (de) bonnes mains en rase campagne en chair et en os de plein fouet entre deux chaises en (de) bonnes mains en rase campagne en chair et en os de plein fouet entre deux chaises em doses homeopáticas. duro de engolir duro na queda: difícil de ser convencido. rater le coche endormir [s’]sur ses lauriers. a jato em doses homeopáticas: em pequenas quantidades em duas palavras: resumidamente. manquer le coche. é canja em boas mãos: aos cuidados de alguém competente em campo aberto: sem esconderijo nem proteção em carne e osso: em pessoa em cheio: com precisão em cima do muro: entre duas exigências opostas. de interesses contraditórios. quatre) mots. marquer le pas. manquer le coche. derrotado (dormir) com um olho aberto e outro fechado loir ne dormir que d’un oeil comme un loir ne dormir que d’un oeil dormir como uma pedra dormir acordado. trois. tiré par les cheveux dur de la feuille dormir à poings fermés. en forme éminence grise . solide au poste dur de dur Letra E é canja: é extremamente fácil economia de palitos: economia sórdida e irrisória é fichinha V. é moleza Ø c’est du billard. dormir na forma. en forme éminence grise au compte-gouttes en deux (trois. a conta gotas em duas (quatro) palavras em forma eminência parda au compte-gouttes en quatre mots. dourar a pílula difícil de engolir. é sopa. rater le coche endormir [s’]sur ses lauriers. reposer [se] sur ses lauriers dorer la pilule dur à avaler. un. deux bon pied bon oeil. reposer [se] sur ses lauriers dorer la pilule dur à avaler. dormir sur ses deux oreilles louper le coche. marcar bobeira.

pomper l’air. prendre la tête en cause casser la tête. encher a cara. peler le jonc. casser les burnes. mas que permanece anônimo. foutre les boules. casser les oreilles. molhar os pés. casser les pieds. casser les couilles (vulgar). em tempo útil sur le pied de guerre dans le plus simple appareil pousser [se] du col de première main [1] en temps utile sur le pied de guerre dans le plus simple appareil péter de la broue. chauffer les oreilles. péter plus haut que le trou de première main [1] en temps utile em xeque encher a paciência encher o saco. é canja em pé de guerra: prestes a reagir com hostilidade em pêlo: sem qualquer roupa. importunar insistentemente em linha directa em maus lençóis em odor de santidade en droite ligne dans de beaux draps en odeur de sainteté en droite ligne dans de beaux draps en odeur de sainteté em pé de guerra em pelota. pegar no pé en cause casser la tête. prendre la tête 2. prendre une brosse encher lingüiça enfiler des perles enfiler des perles . casser les oreilles. casser les couilles (vulgar). péter la balloune. foutre les boules. prendre une cuite bourrer le crâne boire comme un trou. encher a cabeça [1] encher a cabeça apanhar a (uma) puta (vulgar). moer a paciência. no dia de São Nunca em uma palavra V. em duas palavras em xeque: em dúvida encher a cabeça 1.87 influência. chier dans les bottes (vulgar). que não se mostra nem age claramente (culto) em letras de ouro V. é canja é moleza V. com letras de ouro em linha direta: sem intermediário ou desvio em maus lençóis: em situação embaraçosa em odor de santidade: como se fosse santo (culto) é mole V. encher a cara encher as vistas V. encher a cabeça [1] encher lingüiça: fazer algo que não serve para nada encher o saco V. tentar enganar alguém com idéias ou histórias falsas encher a cara: beber muito encher a lata V. encher os olhos encher a paciência V. casser les pieds. em pelote empinar o nariz em primeira mão em tempo hábil. em tempo hábil em 31 de fevereiro V. lever le coude. completamente nu empinar o nariz: adotar postura de arrogância ou superioridade em primeira mão: antes de todos em tempo hábil: período que atende ao estabelecido pela lei em tempo útil V. tomar um porre bourrer le crâne boire comme un trou. lever le coude. pomper l’air.

encher o olho taper dans l’œil taper dans l’œil endireitar a vida. encher a lata entrar areia V. connaître [en] un rayon avaler des couleuvres grossir les rangs. entrar na dança entrar no casulo: ficar encimesmado entrar no esquema V. mettre la gomme. atrair a atenção encostar na parede V. peser sur le gaz enfiar o rabo entre as pernas (vulgar) V. sauter à pieds joints entrer en jeu. entrer en piste foncer tête baissée. sauter à pieds joints entrer en jeu. connaître [en] un rayon entrar de cabeça entrar em cena foncer tête baissée. entrar pela porta do cavalo entrer par la petite porte entrer par la petite porte . mettre la gomme. baixar a cabeça enfrentar a parada V. entrar em cena entrar na dança: adequar-se a algo já em curso entrar na faca: submeter-se a uma cirurgia entrar na roda V. mettre les gaz. entrer en piste entrer dans la danse. colocar contra a parede endireitar a vida: sair de uma situação moralmente lamentável ou financeiramente difícil enfiar a mão no bolso: dar dinheiro a contragosto enfiar o pé: acelerar ao máximo encher a vista. entrer dans la ronde passer sur le billard entrar na dança ir à faca entrer dans la danse. aceitar o jogo entrar pela janela: começar uma atividade guardar silêncio. serrer les rangs connaître [en] un bout. agüentar a barra engolir a língua: ficar obstinadamente silencioso engolir goela abaixo: receber uma informação desagradável sem reclamar engolir sapo: tolerar situações desagradáveis sem reclamar engrossar as fileiras: agrupar-se para enfrentar as dificuldades entender do riscado: ser competente em certo domínio entortar o caneco V. mudar de vida remettre [se] à flot remettre [se] à flot abrir os cordões à bolsa. mettre les gaz cracher au bassinet appuyer sur le champignon. mettre la pédale au plancher. fechar o bico. aceitar o jogo entrar no jogo V. entrer dans la ronde passer sur le billard fechar [se] em copas rentrer dans sa coquille rentrer dans sa coquille entrar pela janela.88 encher os olhos: agradar. atuar. alargar os cordões à bolsa pisar fundo cracher au bassinet appuyer sur le champignon. serrer les rangs connaître [en] un bout. intervir entrar em jogo V. perder o pio engolir goela abaixo avaler sa langue avaler la pilule avaler sa langue avaler la pilule engolir sapos cerrar fileiras saber da poda avaler des couleuvres grossir les rangs. dar bode entrar de cabeça: empreender algo com empenho ou sem refletir entrar em cena: participar.

passer sous le nez trier sur le volet cacher son jeu faire du vent [1] enterrer la hache de guerre relever la tête couler entre les doigts. entregue às traças entre l’arbre et l’écorce. em fogo cruzado. entre a espada e a parede. lever le bras ravitaillé par les corbeaux entre deux feux vendre la mèche donner sa langue au chat. entre le marteau et l’enclume entre guillemets entre la vie et la mort entre deux feux vendre la mèche donner sa langue au chat. sem mais se deixar intimidar escapar pelos dedos: perder algo que se tinha por certo escolher a dedo: escolher cuidadosamente esconder o jogo: ocultar as verdadeiras entrar pela porta grande entrer par la bonne porte. na intimidade enxergar longe: prever com perspicácia as conseqüências de uma situação. em artigo de morte. entrar pela janela entrar por um ouvido e sair pelo outro: não ser levado em consideração entre a cruz e a caldeirinha V. escorrer entre os dedos escolher a dedo esconder o jogo faire du vent [1] enterrer la hache de guerre relever la tête couler entre les doigts. levantar a cabeça escapar pelos dedos. excluído entre quatro paredes: dentro de casa. filer entre les doigts. entre a vida e a morte entre dois fogos. entrer par la grande porte entrer par la bonne porte. entrer par la grande porte entrar por um ouvido e sair pelo (por) outro tomber dans l’oreille d’un sourd tomber dans l’oreille d’un sourd entre a cruz e a espada. jeter l’éponge. jeter l’éponge. passer sous le nez trier sur le volet cacher son jeu . esquecido entregue às traças V. com os pés para a cova. filer entre les doigts. lever le bras coin mort ravitaillé par les corbeaux entre parênteses entre (quatro) paredes enxergar longe. corretamente entrar pela porta dos fundos V. de um acontecimento enxugar gelo: aplicar-se em algo que não resultará em nada erguer a bandeira branca: pôr fim às hostilidades erguer a cabeça: agir com coragem. entre a cruz e a espada entre a cruz e a espada: entre dois lados opostos e ambos prejudiciais entre aspas: hipoteticamente entre a vida e a morte: em iminente risco de perder a vida entre dois fogos: entre dois perigos entregar o ouro: revelar um segredo. entregue às moscas entre o martelo e a bigorna V. entre Cila e Caríbdis entre aspas a dar nas últimas. entre a cruz e a espada entre parênteses: de lado. às portas da morte. denunciar uma combinação entregar os pontos: desistir no meio de uma atividade difícil entregue às moscas: abandonado. sob fogo cruzado entregar o ouro entregar os pontos entregue às moscas.89 de modo irregular entrar pela porta da frente: começar uma atividade dignamente. entre le marteau et l’enclume entre guillemets entre la vie et la mort entre l’arbre et l’écorce. ver longe entre parenthèses entre quatre murs voir loin entre parenthèses entre quatre murs voir loin enxugar gelo hastear a bandeira branca erguer a cabeça.

que gosta de contestar. de contrariar espírito de corpo V. avoir le gosier en pente. avoir les dents longues. ficar atravessado na garganta estar bem de vida esprit de suite faire [se] de la bile. c’est du tout cuit avoir la dalle en pente. deixar a poeira abaixar esperar a poeira assentar V. estar com tudo estar com a corda toda estar entre a espada e a avoir la dent. deixar a poeira abaixar espírito de contradição: pessoa que está sempre em desacordo.: objetar algo a alguém esfregar na cara 2. com energia estar com a espada na atirar à cara.: fazer algo de propósito para mostrar a alguém que se é capaz esperar a poeira abaixar V. avoir les crocs. faire [se] du mauvais sang c’est dans la poche. espírito de grupo esprit de corps. avoir l’estomac dans les talons avoir la cote avoir la frite avoir le couteau sous la avoir les crocs. espírito de equipe. espírito de equipe espírito de seqüência: seqüência em uma idéia. c’est du tout cuit être chaud. être pacté (paquete). jogar na cara esfregar na cara jeter à la face [1] jeter à la face [2] jeter à la face [1] jeter à la face [2] espírito de contradição esprit de contradiction esprit de contradiction espírito de corpo. avoir la pêche avoir le couteau sous la . estar alto estar com a barriga roncando: estar faminto estar com a bola toda: estar com prestígio estar com a corda toda: estar disposto. esprit d’équipe esprit de corps. avoir son plein rester en travers (de la gorge) avoir pignon sur rue esprit de suite faire [se] de la bile. aceito estar bem de vida: ter uma boa situação financeira estar cagando e andando V. avoir l'estomac dans les talons avoir la cote avoir la frite. deixar a poeira abaixar esperar a poeira baixar V. não estar nem aí (vulgar) estar caidinho por V. ter a barriga a dar horas estar com moral.90 intenções escorrer entre os dedos V. espírito de equipe espírito de equipe: desejo de colaborar em um trabalho que se realiza coletivamente espírito de grupo V. escapar pelos dedos esfregar na cara 1. atitude ou ação esquentar a cabeça: preocupar-se demasiado está no papo: é muito fácil vencer estar alto: estar bêbado estar atravessado na garganta: incomodar. être saoul mort rester en travers (de la gorge) avoir pignon sur rue estar com a barriga a dar horas. não ser admitido. esprit d’équipe fio da meada esquentar a cabeça está no papo estar bezano estar atravessado na garganta. estar de quatro por estar chumbado V. faire [se] du mauvais sang c’est dans la poche.

être coiffé de estar de saco cheio avoir [en] assez. estar com os pés para a cova. estar de cara nova estar de saco cheio: não suportar mais algo que incomoda parede ter a faca e o queijo na mão estar com a pica toda. avoir [en] plein le dos. cair de cama estar de cara nova: ser reformado. estar triste com algo estar de cabeça virada: só pensar em alguém ou em alguma coisa estar de cama V. social ou ideológica estar duro: estar sem estar do mesmo lado avoir [en] assez. cair de cama estar de pé atrás: manifestar uma prevenção contra algo ou alguém estar de quatro por: sentir-se muito atraído por alguém estar de roupa nova V. être à sec. estar eléctrico gorge tenir le bon bout bouffer du lion gorge tenir le bon bout bouffer du lion ter o diabo no corpo estar como peixe na água. estar de tanga. avoir [en] plein son casque. estar com a bola toda estar com um nó na garganta: não conseguir expressar-se. sentir le sapin avoir le diable au corps être bien dans ses baskets avoir un pied dans la tombe. reformulado estar de fora: ter sido impedido de participar de algum negócio estar de molho V. ficar de fora habiller(s’) de neuf être sur la touche habiller(s’) de neuf être sur la touche estar de pé atrás prendre en grippe prendre en grippe estar caidinho por être coiffé de avoir un kick. avoir [en] plein le dos. avoir [en] marre. avoir [en] marre. avoir [en] plein les bottes. avoir les boules. avoir ras la casquette être du même bord estar do mesmo lado: compartilhar das opiniões de alguém. avoir [en] plein les couilles. sentir-se como peixe n’água estar a dar o berro. estar bem de vida estar com moral V. estar com a corda toda estar com tudo V. estar entre a vida e a morte. sentir le sapin ter um nó na garganta. avoir [en] pardessus la tête. avoir [en] ras la casquette. de alguma entidade política. être à fond de avoir de la misere à . avoir [en] ras le bol être du même bord andar teso. estar com a bola toda estar com o diabo no corpo: estar com muita energia estar como peixe n’água: estar bem à vontade estar com o pé na cova: estar prestes a morrer estar com todo o gás V. avoir [en] plein les bottes. estar na últimas avoir le diable au corps être bien dans ses baskets avoir un pied dans la tombe.91 cabeça: estar sob forte pressão estar com a faca e o queijo na mão: estar com todas as vantagens estar com a macaca: estar muito excitado. alterado estar com a vida feita V. sentir um nó na garganta Ø avoir la gorge serrée avoir la gorge serrée mettre [se] la tête è l’envers mettre [se] la tête è l’envers estar de cara nova estar de fora.

estar com o pé na cova estar no mesmo barco: estar na mesma situação delicada que outrem. être en pétard. estar com o pé na cova estar no ar: estar sendo cogitado estar no céu V. être logé à la même enseigne être dans le même bateau. fâcher [se] tout rouge não estar muito católico avoir du plomb dans l’aile. realizar algo estar na direção errada: enganar-se nos métodos para se conseguir realizar algo estar na fossa: estar muito triste. être sur un petit nuage estar nas nuvens. estar duro estar louco da vida V. não ter um tostão estar em jogo estar escrito estar fulo cale être en jeu être écrit être à cran. être logé à la même enseigne estar na massa do sangue. estar no céu. être à sec. estar nas nuvens estar no escuro: não saber o que está acontecendo estar no fim V. Y en mène pas large estar na cara. deprimido estar na pele de V. être en pétard. avoir le cafard. colocar-se na pele de estar nas nuvens: estar muito feliz estar nas últimas V. não estar nos seus dias avoir dans le sang être dans le rouge être dans un bon jour être dans un mauvais jour avoir dans le sang être dans le rouge être dans un bon jour être dans un mauvais jour . não ter cheta. broyer du noir être au ciel. estar nas nuvens estar no sangue: ser inato estar no vermelho: estar sem fundos estar num bom dia: estar num período em que tudo dá certo estar num mau dia: estar num período em estar liso. battre de l’aile.92 dinheiro estar em jogo: correr riscos estar escrito: estar fixado pelo destino estar fulo da vida: estar furioso estar liso V. broyer du noir avoir les bleus. estar no paraíso être au ciel. fâcher [se] tout rouge joindre les deux bouts. evidente estar na direção certa: saber como conseguir. être vert de rage. estar alto estar na cara: ser óbvio. être au septième ciel. estar fulo da vida estar mal das pernas: ir mal estar mamado V. battre de l’aile. être aux oiseaux. être sur un petit nuage estar no ar être dans l’air être dans l’air estar às escuras être dans le noir être dans le noir estar no mesmo barco être dans le même bateau. estar teso. ser claro como água estar na direcção certa estar no caminho errado tomber sous le sens être sur la bonne route faire la fausse route tomber sous le sens être sur la bonne route être dans les patates estar na fossa avoir le bourdon. ter no sangue estar no vermelho estar num dia bom estar num dia mau. estar no sangue. être aux anges. être cassé: ne pas avoir un radis être en jeu être écrit être à cran. être au septième ciel. avoir le cafard. avoir le bourdon. ser companheiro estar no paraíso V. être aux anges. être enragé noir. branler dans le manche avoir du plomb dans l’aile.

: ter uma atitude cordial e conciliadora estender a mão 2. estar otimista estar redondo: funcionar direito estar sem moral V. estar de bem com a vida. falar direto ao coração falar grosso: expressar-se de modo grosseiro. tâter le terrain examen de conscience Letra F falar ao coração: emocionar falar como uma matraca V. parler à un sourd cantar de galo. dar uma mãozinha.: oferecer ajuda esticar as canelas V. sondar o terreno exame de consciência tendre la main [1] tendre la main [2]. tendre les bras faire [se] sauter la cervelle tâter le pouls.93 que tudo sai errado estar por conta V. ne pas avoir sa langue dans sa poche avoir la langue bien pendue. être au parfum tenir à un fil avoir le moral tourner rond estar num beco sem saída estar murcho être fait (comme un rat). tendre la perche. tendre les bras tendre la main [1] tendre la main [2]. être sur les nerfs être fait (comme un rat). tâter le terrain examen de conscience faire [se] sauter la cervelle tâter le pouls. bater as botas estourar os miolos: matar(-se) estudar o terreno: procurar conhecer bem um assunto a tratar ou as intenções de alguém exame de consciência: análise da própria conduta estar por dentro estar por uma unha negra. falar para o boneco parler à son bonnet parler à un mur. falar mais do que a boca falar com seus botões: falar consigo mesmo falar com uma porta: falar em vão falar direto ao coração V. estar só o pó estender a mão 1. estar fulo da vida estar por dentro: estar a par das novidades estar por um fio: faltar pouco tempo para que algo aconteça estar pra cima: ter confiança. estudar o terreno. parler au cœur aller droit au coeur. fazer-se de valente falar mais do que a boca: falar muito falar ao coração aller droit au coeur. tendre la perche. être au parfum tenir à un fil avoir le moral tourner rond être à la page. sem forças estar um caco V. parler à un sourd parler à son bonnet parler à un mur. ser por uma unha negra estar com a pica toda. estar por um fio. estender a mão estourar os miolos apalpar o terreno. estar só o pó estar um trapo V. ne pas avoir sa langue dans sa poche . être sans issue être à plat. être sur les nerfs estender a mão dar a mão. explorar o terreno. falar grosso avoir le verbe haut avoir le verbe haut falar pelos cotovelos avoir la langue bien pendue. être sans issue être à plat. estar com nada estar sem saída: não ter outras perspectivas estar só o pó: sem energia. dar uma mão. parler au cœur pensar com seus botões falar para as paredes. estar de alto astral estar redondo être à la page.

parler en l’air da mesma laia. juntar se a elas fazer corpo mole: esquivar-se às suas obrigações fazer cortesia com (o) chapéu alheio V. faire époque faire école faire face. fechar a cara fazer caridade com (o) chapéu alheio: procurar tirar proveito das vantagens e méritos que cabem a outrem fazer cera V. faire [en] une maladie. du même tabac. faire [en] une montagne. faire front fazer fé fazer feio fazer frente fazer furor faire foi tomber à plat tenir tête faire fureur faire foi tomber à plat tenir tête faire fureur . faire front faire date.94 falar no vazio: falar sem efeito falar para as paredes V. do mesmo barro. du même tonneau travailler au corps faire des étincelles Ø parer [se] des plumes du paon parer [se] des plumes du paon fazer coro faire chorus faire chorus fazer cera. falar mais do que a boca farinha do mesmo saco: da mesma natureza (pejorativo) fazer a cabeça: persuadir alguém de alguma coisa fazer bonito: ter um ótimo desempenho fazer cara feia V. agradar extraordinariamente falar ao ar parler dans le vide. falar com uma porta falar pelos cotovelos V. fazer caridade com (o) chapéu alheio fazer disso um cavalo de batalha: exagerar as dificuldade de algo fazer (cu) doce: bancar o difícil frente a algo que normalmente é apreciado (vulgar) fazer época: ser marcante na história ou na vida fazer escola: ter discípulos ou imitadores (culto) fazer face: estar em condições de responder. de la même étoffe. defender-se. fazer frente faire date. enfrentar algo ou alguém fazer furor: obter grande sucesso. faire [en] une montagne. de la même étoffe. faire [en] un fromage faire la fine bouche fazer época. parler en l’air parler dans le vide. faire [en] une maladie. faire époque faire école faire face. marcar época fazer escola fazer face. farinha do mesmo saco fazer a cabeça fazer bonito de la même eau. du même tonneau travailler au corps faire des étincelles de la même eau. fazer corpo mole fazer coro: manifestar se verbalmente com outras pessoas. de se sustentar diante um problema fazer fé: testemunhar como verdadeiro fazer feio: ter um péssimo desempenho fazer frente: opor-se. fazer corpo mole tirer au flanc tirer au flanc fazer disso um cavalo de batalha faire [en] des (dix) caisses. faire [en] un fromage faire la fine bouche fazer cú doce (vulgar) faire [en] des (dix) caisses.

mostrar apenas uma parte da verdade fazer número: servir simplesmente para aumentar o número de pessoas fazer o jogo de: compactuar com fazer o jogo do contente: procurar ver algo bom mesmo nos momentos de infortúnio fazer onda: provocar alvoroço. fazer tipo faire du genre faire du genre fazer jogo duplo jouer double jeu jouer double jeu fazer figura de corpo presente. fazer número fazer o jogo de fazer o jogo do contente faire nombre faire nombre faire le jeu de faire contre mauvaise fortune bon coeur faire des vagues faire la sourde oreille faire le jeu de faire contre mauvaise fortune bon coeur faire des vagues faire la sourde oreille fazer ondas fazer orelhas moucas. fazer ouvidos de mercador. um mesmo pensamento fazer uma limpeza: retirar o que não é correto fazer uma ponte: conciliar fazer uma salada: fazer gênero. pomper le nœud. criar caso fazer ouvidos de mercador: ignorar o que dizem. fazer-se de morto fazer-se de rogado fazer nome fazer sombra fazer suas necessidades fazer tábua rasa Ø fazer uma corrente faire le mort faire [se] tirer l’oreille faire [se] un nom porter ombrage faire ses besoins (naturelles) faire table rase pomper le dard. fazer ouvidos moucos fazer pender a balança fazer pouco de fazer propaganda faire pencher la balance payer [se] la poire de faire étalage de faire pencher la balance (se faire) rire dans la face de faire étalage de fazer-se de desentendido. pomper le nœud. fazer ouvidos de mercador fazer pender a balança: inclinar para uma determinada escolha fazer pouco de: menosprezar alguém fazer propaganda de: mostrar algo com ostentação para provocar admiração dos outros fazer-se de morto: fingir que não sabe de nada para não intervir fazer-se de rogado: fingir não estar disposto fazer seu nome: obter fama fazer sombra: inspirar despeito em alguém por diminuir sua importância fazer suas necessidades: urinar e/ou defecar fazer tábua rasa: rejeitar algo que antes era aceito fazer uma chupeta: praticar felação em um homem fazer uma corrente: unir-se para manifestar um mesmo sentimento. afetando personalidade ou hábitos que não se têm fazer jogo duplo: falar uma coisa e fazer outra. tirer une pipe faire la (une) chaîne fazer uma limpeza fazer uma ponte Ø faire place nette jeter un pont faire une salade faire place nette jeter un pont faire une salade . tirer une pipe faire la chaîne faire le mort faire [se] tirer l’oreille faire [se] un nom porter ombrage faire ses besoins faire table rase pomper le dard. recusar atender um pedido fazer ouvidos moucos V. pomper le gland.95 fazer gênero: procurar distinguir-se.

ne pas être dans le coup. heureux comme un roi avoir une peur bleue avoir la puce à (derrière) l’oreille rester bête mettre des gants (blancs) garder la chambre heureux comme un pape. faire la moue. mettre sur la tablette. feio que dói feliz como criança garder le silence monnaie parlée laid comme un pou garder le silence monnaie courante laid comme un singe. faire la moue. laid comme un pou heureux comme un enfant. avoir l’œil dessus. garder à l’oeil . fechar os olhos a fechar a boca fazer cara feia. heureux comme un roi avoir une peur bleue avoir la puce à (derrière) l’oreille rester [en] comme deux ronds de flan mettre des gants garder la chambre ficar branco de medo: estar com muito medo ficar com a pulga atrás da orelha: preocuparse. fechar a cara fermer les yeux serrer [se] la ceinture [1] faire la gueule. heureux comme un poisson (dans l’eau). tapar os ouvidos fechar-se em copas: calar-se por conveniência feijão com arroz: algo comum. heureux comme un poisson (dans l’eau). engolir a língua fechar o parêntese: pôr fim a uma digressão fechar os olhos V. rester sur la touche avoir à l’oeil.96 confundir as coisas e provocar mal entendidos fazer vista grossa: procurar ignorar fechar a boca: diminuir a quantidade de alimentos ingerida fechar a cara: emburrar. faire la tête fermer boutique. avoir l’œil dessus. ficar de sobreaviso ficar com cara de parvo Ø estar de molho. faire la baboune. falir 2. fechar a cara ficar de fora: não fazer parte de algo. faire du boudin faire la gueule. ne pas être dans le coup. ficar de cama ficar de fora être sur la touche. fermer les portes [1] fermer les portes [2] fermer les yeux serrer [se] la ceinture [1] chiquer la guenille. heureux comme un pape. fermer les portes [1] fermer les portes [2] fechar as portas fechar as portas fechar o parêntese fermer la parenthèse fermer la parenthèse fechar-se em copas feijão com arroz feio como (que nem) um bode. rester sur la touche avoir à l’oeil. ficar com a pulga atrás da orelha. negar uma oportunidade fechar o bico V. fazer vista grossa fechar os ouvidos V. être sur la touche. fechar a cara ficar de cara virada V. faire la tête fermer boutique. manifestar seu mau humor ou seu descontentamento fechar as portas 1. veiller au grain ficar de olho rester sur la tablette. ficar desconfiado ficar com cara de tacho: ficar estupefato ficar com dedos: agir com cuidados para se relacionar com alguém ficar de cama: ficar em repouso quando doente ficar de cara amarrada V. não ser incluído ficar de olho: vigiar constantemente morrer de medo deixar com a pulga atrás da orelha. rotineiro feio de doer: muito feio feio que dói V. feio de doer feliz como uma criança: muito feliz fazer vista grossa. fechar a cara ficar de cara feia V. fechar a cara ficar de cara fechada V.

prendre le meilleur coiffer sainte Catherine avoir les chevilles qui enflent.97 ficar de orelha em pé: ficar atento ficar elas por elas: tem-se a contrapartida ficar em segundo plano: ser deixado pra depois ficar entalado na garganta V. sol de pouca feu croisé feu de paille feu croisé feu de paille . avoir le meilleur. emporter le morceau. fil d’Ariane fil conducteur. intelectual ficar por cima: ter vantagem sobre alguém ficar de orelha em pé andar elas por elas. no mesmo lugar. para nunca ficar para trás: ficar em desvantagem. por um bom tempo ficar por baixo: ser derrotado. fio de Ariadne fil conducteur. muito contente de si mesmo ficar uma pilha: ficar muito nervoso fila indiana: fila em que um se coloca atrás do outro filhinho(a) de (da) mamãe: jovem ou adulto mimado. ser elas por elas ficar em segundo plano dresser l’oreille c’est un prêté pour un rendu rester en plan (dessus). veiller au grain dresser l’oreille c’est un prêté pour un rendu rester en plan adiar para as calendas gregas. não progredir como os outros do grupo ficar plantado: esperar em pé. enlever le morceau. responder na mesma moeda. emporter le morceau. boire du petit lait mettre [se] en boule file indienne gosse de riche. fils à papa ficar uma pilha fila indiana Ø fio condutor. prendre le meilleur coiffer sainte Catherine avoir les chevilles qui enflent. fio condutor fogo cruzado: situação conflituosa entre lados opostos fogo de palha: algo que dura pouco ficar para tio(a) estar cheio de si avoir le dessus. renvoyer aux calendes grecques rester à la traîne ficar plantado levar a pior faire le pied de grue. fogo de de vista. fils à papa avoir le dessus. avoir les chevilles qui gonflent. enlever le morceau. avoir le meilleur. uma busca fio de Ariadne V. filhinho(a) de (do) mamãe fio condutor: princípio que orienta uma conduta. vencido em um combate físico. faire le poireau avoir le dessous faire le pied de grue. estar atravessado na garganta ficar para as calendas gregas V. avoir les chevilles qui gonflent. renvoyer aux calendes grecques remettre aux calendes grecques. boire du petit lait mettre [se] en boule file indienne gosse de riche. renvoyer aux calendes grecques rester à la traîne remettre aux calendes grecques. faire le poireau avoir le dessous ficar por cima. levar a melhor ficar pra titia: ficar solteira ficar todo cheio (de si): ficar muito satisfeito. ficar para o dia de São Nunca ficar para o dia de São Nunca: adiar para uma data indeterminada. que não trabalha e tem tudo o que quer filhinho(a) de (do) papai V. atirar para as calendas gregas. fil d’Ariane fogo cruzado fogo de palha. ficar para as calendas gregas ficar para trás remettre aux calendes grecques.

fome de leão fora de acção appétit de loup. creuser [se] la tête fond de tiroir passer à travers les mailles du filet creuser [se] la cervelle. fora de ação fora de órbita: em estado anormal. tirer sur la ficelle froid de canard fruit défendu fugir da raia passer à travers les mailles du filet creuser [se] la cervelle. fora de órbita forçar a barra: exagerar. golpe sujo coup bas. faim de loup hors de combat fora do alcance hors de portée hors de portée fora de órbita.98 fome de leão: fome exagerada fora de ação: sem condições de fazer qualquer coisa. hors pair. sem conseguir se controlar fora do ar V. tirer sur la ficelle froid de canard fruit défendu tirer sur la corde. forçar a mão. de pequeno valor dura fome canina. hors série [1] hors de soi à cote de ses pompes hors concours. hors pair. faim de loup hors de combat appétit de loup. sem poder fazer nada fora de alcance: impossível de realizar fora de combate V. creuser [se] la tête fond de tiroir puxar pela cabeça. forçar a nota frio de rachar fruto proibido tirer sur la corde. vache à lait gagner sa vie gagner sa croûte gagner du terrain battre la semelle gagner du terrain battre la semelle golpe baixo. alheio à realidade fora de série: excepcional fora de si: transtornado. ganhar terreno correr Seca e Meca assiette au beurre. de algo ou de uma solução golpe baixo: ato desonesto galinha dos ovos de ouro ganhar a vida ganhar o pão de cada dia conquistar terreno. mauvais coup coup bas. passar dos limites frio de rachar: frio intenso fruto proibido: qualquer coisa que. se mostra mais cobiçada e tentadora fugir da raia: evitar enfrentar ou escapar de situação adversa ou compromisso fundir a cuca: pensar muito para procurar resolver um problema fundo do baú: onde estão coisas antigas. por ser proibida. vache à lait gagner sa vie gagner sa croûte assiette au beurre. appétit d’ogre. hors série [1] hors de soi forçar a barra. appétit d’ogre. quebrar a cabeça fundo do baú Letra G galinha dos ovos de ouro: aquilo que proporciona riqueza ganhar a vida: viver de seu trabalho ganhar o pão (de cada dia): trabalhar duro para ganhar o suficiente para sua subsistência ganhar terreno: avançar enquanto se espera por algo gastar sola de sapato: andar muito à procura de alguém. mauvais coup . fora do ar fora de série fora de si à cote de ses pompes hors concours.

sale coup (pour la fanfare) coup de vache.99 golpe de mestre: ação que denota grande habilidade golpe de misericórdia: ação feita para acabar com algo que já estava em decadência golpe duro: situação difícil. tiro de misericórdia golpe duro coup de maître. decepcionante golpe sujo V. golpe baixo gostar de sombra e água fresca: ser preguiçoso. tour de force coup de grâce coup de maître. gosto de cabo de guarda-chuva na boca gota (de água) que faz transbordar avoir un poil dans la main gueule de bois goutte d’eau qui déborder (le vase) fait goutte d’eau qui déborder (le vase) fait grão de loucura grain de folie grain de folie guerra de nervos guerre de nerf guerre de nerf(s) Letra H história da carochinha V. homem de palavra. homem direito homem de branco homem de cor homme de la rue homme de la rue homme du monde homme de bien homme en blanc homme de couleur homme du monde homme de bien homme en blanc homme de couleur . conversa fiada [1] homem da rua: indivíduo que pertence à camada popular da sociedade homem da sociedade: indivíduo que pertence à elite social homem de bem: indivíduo honesto homem de branco: médicos e enfermeiros homem de cor: histórias do arco da velha histoire de brigand histoire à dormir debout homem da rua. tour de force coup de grâce coup dur. botar a boca no mundo guerra de nervos: disputa em que se pretende fazer o adversário perder o auto-controle golpe de mestre golpe de misericórdia. conversa fiada [1] história do arco-davelha: histórias interessantes e fantásticas história pra boi dormir V. gostar só do que é fácil gosto de cabo de guarda-chuva na boca: gosto ruim na boca (seco e amargo) após uma bebedeira gota d’água que faz transbordar: acontecimento que torna uma situação insustentável grão de loucura: um pouco de irresponsabilidade e atrevimento (culto) gritar aos quatro cantos V. coup dur. homem do povo homem de sociedade homem de bem. sale coup (pour la fanfare) avoir un poil dans la main gueule de bois gostar de sombra e água fresca com a boca a saber a papéis de música.

mas principalmente os negros homem de letras: homem dedicado à literatura e à filosofia (culto) homem de pulso: indivíduo firme. cair por idade do lobo démon de midi démon de midi idéia fixa ilustre desconhecido inimigo público número 1 idée fixe illustre inconnu ennemi public numéro 1 idée fixe illustre inconnu ennemi public numéro 1 meter (a) foice em seara alheia marcher sur les plate bandes marcher sur les plate bandes ir (a) fundo donner [se] à fond donner [se] à fond . fora de horas. homem da rua homem feito: jovem que se torna adulto homem reto V. hora(s) morta(s) humor de cão heures creuses humeur de chien heures creuses humeur de chien Letra I idade do lobo: idade em que se manifesta certa exacerbação sentimental e sexual (masculino) idéia fixa: idéia que vem sempre ao pensamento. descobrir a América ir a fundo: ir até as últimas conseqüências ir a pique V. homem de bem homem do povo V. enérgico e que se impõe por sua autoridade homem direito V. como uma obsessão ilustre desconhecido: completamente desconhecido inimigo público número 1: aquele que constitui ameaça à ordem social invadir seara alheia: entrar abusivamente no domínio de competência de outrem inventar a roda V.100 indivíduo de outra raça que não a branca. homem de bem hora da verdade: momento decisivo quando a verdade será revelada hora do rush: período de trânsito intenso hora H: momento exato em que algo acontece e em que se é colocado à prova hora morta: durante a madrugada humor de cão: grande mau humor homem de letras homme de lettres homme de lettres homem de pulso homme à poigne homme à poigne homem feito homme fait homme fait hora da verdade heure de vérité heure de vérité hora de ponta. hora do rush hora H heure de pointe heure H heure de pointe heure H altas horas.

ir na conversa ironia do destino: fato tão incongruente que parece brincadeira ir para a cidade dos pés juntos V. marcher comme sur des roulettes. bater as botas ir direto ao ponto: não fazer rodeios ir fundo V. mordre à l’hameçon. pousser le bouchon un peu loin frère de lait ir longe ir longe demais.101 terra ir às mil maravilhas: estar muito bem ir às ruas: protestar ir com a cara de: ter simpatiza por ir de cabeça V. ir pra(s) cucuias ir pro brejo V. cair no logro. tomber dans le panneau. cair por terra isso é grego: isso é muito difícil. cair no conto-do-vigário. funcionar às mil maravilhas ir às ruas ir com a cara baigner dans l’huile battre le pavé. ir na cantiga. c’est du chinois c’est de l’hébreu. aller trop loin. complicado ironia do destino ironie du sort ir para as cucuias partir en couille partir en couille isto é chinês c’est de l’hébreu. aller trop loin. c’est du chinois Letra J janela aberta: ocasião janela aberta fenêtre ouverte fenêtre ouverte . cair por terra ir pra(s) cucuia(s): não ter êxito. tomber dans le filet. ne pas y aller par quatre chemins aller loin aller [y] fort. pousser le bouchon un peu loin frère de lait irmão de sangue. ultrapassar o que é conveniente irmão de leite: criança alimentada pelo leite da mesma mãe sem ser seu irmão legítimo irmão de sangue: aquele que tem os mesmos progenitores ir na conversa: deixarse enganar correr às mil maravilhas. cair por terra ir pro buraco V. entrar de cabeça ir desta para melhor V. bater as botas ir por água abaixo V. se faire passer un Québec. descendre dans la rue avoir à la bonne baigner dans l’huile. irmão germano cair na ratoeira. passar da conta irmão colaço. não virar nada ir pro beleléu V. ir a fundo ir longe: progredir. deixar-se levar. descendre dans la rue avoir à la bonne ir direto ao ponto. bater as botas ir para o céu V. cair no laço. se faire passer un sapin ironie du sort ir na onda V. rouler dans l’huile battre le pavé. prosperar ir longe demais: exagerar. tomber dans le panneau frère de sang laisser [s’en] conter. tomber dans le filet. irmão de leite aller loin aller [y] fort. não fazer cerimônia(s) ne pas y aller par quatre chemins arrêter de tataouiner. ir na conversa. mordre à l’hameçon. ir na onda frère de sang laisser [s’en] conter.

entregue às traças jogar água na fervura V.102 de compreender. jogar pela janela jogar-se aos pés V. parler de la pluie et du beau temps faire des fleurs discuter de la pluie et du beau temps. bater um papo faire des fleurs causer de la pluie et du beau temps. não aproveitar algo jogar poeira nos olhos: desviar a atenção do que realmente tem importância jogar por terra V. o mais íntimo de sua personalidade jogado às traças V. jogar poeira nos olhos jogar a toalha V. difamar jogar nas costas: atribuir injustamente a responsabilidade de algo a alguém jogar no lixo V. esfregar na cara [1] 2. aceitar o jogo jogar pela janela: ignorar. desperdiçar. parler de la pluie et du beau temps arrastar pela lama lançar às costas traîner dans la boue mettre sur le dos traîner dans la boue mettre sur le dos jogar pela janela. entregar os pontos jogar confete(s): exaltar algo ou alguém jogar conversa fora: conversar sobre assuntos corriqueiros jogar gasolina no fogo V. de descobrir jardim secreto 1. mettre des grains de sable dans les rouages jeter aux lions mettre des bâtons dans les roues jogar confete jogar conversa fora. esfregar na cara [2] jogar na lama: denegrir. V. jogar pela janela jogar o jogo V. jogar no lixo jogar areia nos olhos jeter par les fenêtres jeter de la poudre aux yeux jeter par les fenêtres jeter de la poudre aux yeux lançar-se nos braços puxar pela língua jeter [se] au cou prêcher le faux pour savoir le vrai jeter [se] au cou prêcher le faux pour savoir le vrai . V. lugar ou atividade preferida que se busca sempre 2. colocar panos quentes jogar aos leões: deixar alguém numa situação difícil jogar areia: dificultar o andamento de algum negócio jogar areia nos olhos V. atirar-se aos pés jogar-se nos braços: confiar-se a alguém jogar verde para colher maduro: dar dissimuladamente elementos para levar alguém a dizer a verdade jardim secreto jardin secret [1] jardin secret [1] jardim secreto jardin secret [2] jardin secret [2] atirar ao leões jogar areia jeter aux lions mettre des bâtons dans les roues. colocar lenha na fogueira jogar na cara 1.

mettre en lumière [2] jeter [se] à l’eau lâcher pied. passer de la pommade. tas de ferraille. puxar o saco larmes de crocodile cirer les bottes. lâcher prise lata velha lavar as mãos lavar roupa suja tas de boue.103 jogo de forças: disputa entre dois pólos antagônicos e poderosos jóia rara: alguém ou alguma coisa admirável e incomum jovem de espírito: disposto apesar da idade jogo de forças jeu de force jeu de force jóia rara jovem de espírito oiseau rare jeune dans sa tête oiseau rare jeune dans sa tête Letra L lágrimas de crocodilo: choro hipócrita lamber as botas: bajular alguém para ter alguma vantagem lamber os pés V. lécher les bottes. lamber os pés. cirer les pompes. lâcher prise lançar âncora fazer luz sobre. mettre en lumière [2] jeter [se] à l’eau lâcher pied. passer la main dans le dos jeter l’ancre faire la lumière sur. tas de ferraille laver [s’en] les mains laver son linge sale (en famille) loi de la jungle loi du silence lei da selva lei do silêncio ler nas entrelinhas letra de médico letra morta lire entre les lignes écrire comme un chat. passer la main dans le dos larmes de crocodile cirer les bottes. erguer a cabeça lágrimas de crocodilo dar graxa. engraxar as botas. arriscar (culto) largar de mão: desistir. lançar luz sobre. largar de mão lata velha: carro velho lavar as mãos: eximir se de qualquer responsabilidade lavar roupa suja (em casa): discutir certos assuntos apenas com os que envolvidos lei da selva: situações em que os mais fortes são favorecidos lei do silêncio: decisão de não denunciar crimes ou criminosos por medo de repressão ou vingança ler nas entrelinhas: saber interpretar o que é dito ou está escrito letra de médico: letra ininteligível letra morta: leis ou regras que não são levadas em conta (culto) levantar a cabeça V. parar de tentar algo largar mão V. fixar-se lançar luz sobre: elucidar o que está confuso ou enigmático (culto) lançar-se ao mar: ousar. écrire comme un porc lettre morte lire entre les lignes écrire comme un chat lettre morte . trazer luz à jogar-se ao mar largar mão jeter l’ancre faire la lumière sur. lamber as botas lançar âncora: estabelecer-se. lamber as botas. tas de merde laver [s’en] les mains laver son linge sale (en famille) loi de la jungle loi du silence tas de boue. cirer les pompes. écrire comme un cochon. lécher les bottes. passer de la pommade.

completamente disparatadas louco varrido V. botar na cabeça levar no papo V.104 levantar acampamento: preparar-se para ir embora levantar a mão: ameaçar bater levantar âncora V. foutre [se] dedans sauver la face. prendre une veste prendre [en] pour son grade faire [se] avoir. prendre une pelle. limpar a barra livre como um pássaro: sem restrições nem controle louco de pedra: aquele que tem um comportamento ou idéias muito extravagantes. ficar por baixo levar na cara: ser prejudicado levar na conversa V. botar na cabeça levar no bico V. língua solta linha de fogo lista negra moulin à paroles ligne de mire liste noire moulin à paroles ligne de mire liste noire livre como um pássaro. livre como um passarinho louco varrido libre comme l’air fou à lier libre comme l’air fou à lier lugar ao sol place au soleil place au soleil . sauver la mine língua ferina. levantar âncora levantar a mão lever le camp lever la main lever le camp lever la main Ø prendre [en] plein la gueule prendre [en] plein la gueule Ø prendre une gamelle. mauvaise langue langue de vipère. sauver la mine levar uma dura: ser repreendido levar uma rasteira: ser enganado. traído. faire [se] entuber. ficar por cima levar a pior V. mauvaise langue língua de palmo. faire [se] entuber. prendre une veste prendre [en] pour son grade faire [se] avoir. foutre [se] dedans sauver la face. levar nas orelhas levar uma rasteira salvar a face prendre une débarque. língua viperina langue de vipère. botar na cabeça levar tinta: fracassar levantar acampamento. foco lista negra: lista de nomes suspeitos ou a serem observados de perto livrar a cara V. levantar acampamento levar a melhor V. prejudicado limpar a barra: salvaguardar a dignidade após exposição a uma situação comprometedora língua de cobra: comentários sempre maledicentes sobre os outros língua ferina V. língua de cobra língua solta: pessoa que fala demais e a torto e a direito linha de fogo: centro das atenções. prendre une pelle. louco de pedra lugar ao sol: ter oportunidade de lutar como um leão V. prendre une gamelle.

envoyer paître. mandar às favas. envoyer valse envoyer balader. mandar [alguém] abaixo de Braga. mandar às favas mandar chupar prego V. vieux routier écorcher les oreilles écorcher les oreilles mal do século mal du siècle mal du siècle (mandar) ir chatear Camões: mandar lamber sabão. mandar às favas mandar passear V. mandar às favas mandar lamber sabão V. brigar com unhas e dentes lutar contra moinhos de vento: tentar algo inutilmente (culto) luz no fim do túnel: possibilidade de resolver um problema. mandar passear. mandar bugiar. fazer época manter a linha mão de ferro garder la ligne bras de fer [2]. mandar pastar. envoyer sur les roses. peau de vache . envoyer sur les roses.105 brigar com unhas e dentes lutar com unhas e dentes V. mandar pentear macacos envoyer balader. últimos momentos mal do século: melancolia profunda que a juventude romântica sente (culto) mandar às favas: livrar-se rispidamente de alguém importuno macaco velho. envoyer promener. mandar às favas manter a linha: manterse magro e elegante mão de ferro: poder exercido com rigor e inflexibilidade marcar bobeira V. velho de guerra Ø vieux routier il a déjà vu neiger. ofender aquele que escuta mais pra lá do que pra cá V. peau de vache garder la ligne bras de fer [2]. dormir no ponto marcar época V. mandar às favas (vulgar) mandar pentear macacos V. envoyer valse mandar catar coquinho V. mandar às favas mandar tomar banho (na soda (cáustica) V. mandar às favas mandar pastar V. saída de uma situação complicada lutar contra moinho de vento luz no fim do túnel battre [se] contre les moulins à vent (lumière au) bout du tunnel battre [se] contre les moulins à vent (lumière au) bout du tunnel Letra M macaco velho: aquele que possui grande experiência em determinado domínio machucar os ouvidos: incomodar. envoyer promener. envoyer paître. raposa velha.

contando os eventos funestos meter a boca V. na mó de baixo. dormir no ponto marcar pontos: sair-se bem. tuer le temps manger du lion mauvais quart d’heure tuer dans l’oeuf passer le temps.106 marcar passo V. passas do Algarve medir as palavras. faire d’une pierre deux coups Ø matar o tempo. pesar as palavras com os copos memória de elefante tuer dans l’oeuf passer le temps. baixar o pau meter a mão V. dar pitaco meter a lenha V. dar pitaco marcar pontos maré de azar marinheiro de primeira viagem martelar nos ouvidos matar as galinhas dos ovos de ouro faire un carton série noire premier communiant rebattre les oreilles tuer la poule aux œufs d’or faire un carton série noire premier communiant rebattre les oreilles tuer la poule aux œufs d’or matar dois coelhos com uma cajadada (só) faire coup doublé. faire d’une pierre deux coups faire coup doublé. maus pedaços. passar a mão meter o bedelho V. tuer le temps être comme une queue de veau mauvais quart d’heure peser ses mots en goguette mémoire d’éléphant peser ses mots en goguette mémoire d’éléphant menino de rua gamin des rues gamin des rues Ø prophète de malheur prophète de malheur . passar o tempo. irreversível marinheiro de primeira viagem: aquele que faz algo pela primeira vez martelar nos ouvidos: aborrecer repetindo sempre a mesma coisa matar a galinha dos ovos de ouro: acabar com uma fonte de lucros por ganância ou impaciência matar dois coelhos (com uma cajadada só): resolver dois problemas diferentes de uma só vez matar no ninho: impedir que algo se desenvolva matar o tempo: ocupar o tempo para que ele passe mais facilmente matar um leão: ser combativo e cheio de energia mau pedaço: maus momentos maus bocados V. mau pedaço medir as palavras: ponderar o que dizer meio alto: levemente alcoolizado memória de elefante: extraordinária capacidade de se lembrar de tudo menino de rua: criança que não tem família ou que foge para viver nas ruas mensageiro do apocalipse: aquele que está sempre anunciando a infelicidade. ter mérito reconhecido maré de azar: definitivo. queimar o tempo matar um leão maus bocados. botar a boca no mundo meter a colher V. baixar o pau meter a boca no trombone V.

prendre [se] les pieds dans le taspis Ø donner un coup de pied dans la fourmilière donner un coup de pied dans la fourmilière mexer os pauzinhos tirer les ficelles tirer les ficelles mina de ouro untar as mãos monstro sagrado mine d’or graisser la patte monstre sacré mine d’or graisser la patte monstre sacré dobrar a língua. meter os pés pelas mãos mettre les pieds dans les plats. baixar o pau meter os pés pelas mãos: abordar sem sutileza um assunto delicado. sortir les griffes arreganhar os dentes. com a barriga roncando mostrar as garras: mostrar agressividade mostrar as unhas V. dar nos nervos mexer em casa de marimbondo: provocar propositalmente grande agitação. chamar na chincha mostrar os dentes 1. ficar branco de medo morto de fome V. mostrar os dentes montrer les dents [1]. mostrar as garras 2. prendre [se] les pieds dans le taspis mettre les pieds dans les plats. morder a língua mordre [se] la langue [2] mordre [se] la langue [2] mostrar as garras. mover mundos e fundos remuer ciel et terre remuer ciel et terre mudança de cenário mudar da água para o vinho changement de décor passer du noir au blanc changement de décor passer du noir au blanc .107 meter o bico V. tomar atitudes intempestivas mexer com os nervos V. mostrar as garras mostrar com quantos paus se faz uma canoa V. dar pitaco meter o nariz V. sorrir abertamente mostrar serviço: fazer até mais do que é necessário para aparecer (pejorativo) mover céus e terra: fazer todo o possível para conseguir algo mover mundos e fundos V. V. dar pitaco meter o pau V. grande inquietude mexer os pauzinhos: recorrer a influências e manobras para conseguir o que se pretende mina de ouro: negócio vantajoso com o qual se pode ter lucro molhar a mão: dar dinheiro para alguém em troca de favores escusos monstro sagrado: grande artista de renome morder a isca V. mostrar os dentes mostrar serviço montrer les dents [2] faire du zèle montrer les dents [2] faire du zèle mover céus e terra. mover céus e terra mudança de cenário: mudança mudar da água pro meter o pé na argola. sortir les griffes montrer les dents [1]. ir na conversa morder a língua: arrepender-se de ter falado o que não devia morrer de medo V.

mulher da zona.108 vinho: mudar completamente. remar contra a maré remonter le coloquial aller à contre-courant . nas barbas de. sauter du coq à l'âne passer par toutes les couleurs (de l’arc-en-ciel passer du coq à l'âne. endireitar a vida mudar o disco: mudar odiscurso. fille de joie. ir contra a maré. na berlinda. já por muitas vezes repetido mudar o tom: mudar o modo de falar mula manca: pessoa muito ignorante mulher da rua V. virar o disco mudar o tom Ø changer de disque changer de ton âne bâté changer de disque changer de ton âne bâté mulher da sociedade mulher da rua. nadar contra a maré. nas ventas de. fille soumise femme du monde femme de mauvaise vie. fille de mauvaise vie. remar contra a corrente. em busca de melhores condições de vida mudar de cor: ficar pálido ou ruborizado devido a uma forte emoção mudar de pato para ganso: mudar de assunto mudar de vida V. nadar contra a corrente. passando por uma reanálise na cara de: na presença de na cola de V. nos calcanhares de na corda bamba: em situação difícil. fille de mauvaise vie. fille soumise femme fatale coup d’épée dans l’eau mulher fatal murro em ponta de faca femme fatale coup d’épée dans l’eau Letra N na berlinda: em uma situação delicada. fille de joie. mulher da vida mulher fatal: mulher muito atraente e sedutora murro em ponta de faca: esforço inútil mudar de ares changer d’air changer d’air mudar de cor passer par toutes les couleurs (de l’arc-en-ciel) passer du coq à l'âne. na corda bamba au nez et à la barbe de au nez et à la barbe de sur la corde raide sur la corde raide ir contra a corrente. fille publique. nadar contra a corrente nadar contra a corrente: opor-se à maioria nadar contra a maré V. mulher da vida. delicada e instável nadar contra a correnteza V. sauter du coq à l'âne Ø mudar o disco. mulher de má vida mulher pública femme du monde femme de mauvaise vie. na corda bamba sur la sellette sur la sellette na cara de. mulher da vida mulher da sociedade: mulher criada no luxo da alta sociedade mulher da vida: prostituta mulher de vida fácil V. passar de um extremo a outro mudar de ares: mudar de um lugar para outro.

être tombé sur la tête. sans bourse délier dans la boue. n’en avoir rien à branler (vulgar). être tombé sur la tête. travailler du chapeau não caber em si V. não dar a mínima não dar um pio: não dizer nada. ter pancada (na bola). n’en avoir rien à foutre. na surdina não bater bem (da cabeça): ser meio maluco de borla na lama. não regular bem (da cabeça). não perceber patavina. não ligar a mínima. ter um parafuso a menos não chegar aos calcanhares. n’en avoir rien à secouer ne souffler mot n’y voir que du bleu. n’en avoir rien à cirer. na marra não bater bem (da cabeça). sem muito esforço ou dificuldades na maior folga V. n’en avoir rien à cirer. não se importar ne pas arriver à la cheville ne pas arriver à la cheville não dar a mínima. não ver um boi não entrar a cabeça não ver um palmo diante do nariz não estar com nada ne souffler mot n’y voir que du bleu. na pior na maciota: tranqüilamente. n’en avoir rien à branler. estar nas nuvens não chegar aos pés: ser inferior a alguém não cheirar bem V. n’y voir que du feu ne pas entrer dans la tête ne pas voir plus loin que le bout de son nez Ø ne pas avoir de prestige n’en avoir rien à battre. não responder nada não entender patavina: não entender nada de um assunto. no fundo do poço nas calmas pour pas un rond. cheirar mal não dar a mínima: não se preocupar. não ser bom da cabeça. travailler du chapeau du bout des dents avoir une araignée au (dans le) plafond. n’en avoir rien à secouer não dar bola V. ne pas quitter d’une semelle Ø ne pas faire de mal à une mouche ne pas lâcher d’une semelle. não ligar a peva n’en avoir rien à battre. não chegar aos pés du bout des dents avoir une araignée au (dans le) plafond.109 nadar contra a corrente na faixa: gratuitamente na lama: em má situação na lona V. avoir une case en moins. sans bourse délier dans la boue. de uma situação não entrar na cabeça: não parecer lógico. não largar a labita . na bruta. n’en avoir rien à foutre. avoir une case en moins. na sarjeta. dans la mélasse en père peinard à viva força. não ligar patavina. aceitável não enxergar um palmo diante do nariz: não ser capaz de ter um bom discernimento não estar com nada: estar sem prestígio não estar nem aí V. não estar nem aí. de pernas pro alto na marra: à força na moita V. não dar bola. n’y voir que du feu ne pas entrer dans la tête ne pas voir plus loin que le bout de son nez Ø ne pas avoir de prestige não é grande coisa não fazer mal a uma mosca ce n‘est pas du caviar ne pas faire de mal à une mouche ne pas lâcher d’une semelle. não dar a mínima não estar nos seus dias V. ne pas quitter d’une semelle não largar a braguilha. ter miolo mole. estar num mal dia não é uma Brastemp: não é nada de extraordinário não fazer mal a uma mosca: ser incapaz de prejudicar quem quer que seja não largar do pé: seguir alguém por todo lado não abrir a boca não entender patavina. não pescar nada. dans la mélasse en (père) peinard pour pas un rond.

ne pas lever le petit doigt ne pas bouger le petit doigt. au trente-sixième dessous. ce n'est pas son trip. ser considerável.110 não levantar um dedo: não fazer absolutamente nada para ajudar alguém ou em prol de alguma coisa não ligar a mínima V. não bater bem não ser a sua praia: não interessar. aux abois. ce n'est pas son truc ce n'est pas sa tasse de thé. estar sem saída não ter saída V. não levantar um dedo não nascer ontem: não ser ingênuo não pregar o olho: não dormir não redondo: recusa veemente não regular bem V. na mó de baixo na sarjeta. ter certa beleza. aux abois. estar duro não valer o pão que come: não ter valor. não valer um peido (vulgar). dans la mouise. dans la dèche. dans la panade. no fundo do poço. dans la mouise. não valer puto. no sufoco à la nage. não dar a mínima não medir as palavras: expressar-se claramente e sem reservas não mexer nem um dedo V. na pior na pior: em situação precária não mexer um dedo. não mover uma palha ne pas bouger le petit doigt. não levantar um dedo não mexer uma palha V. dans la panade. não ser para deitar-se ne pas être de la roupie de sansonnet ne pas être de la roupie de sansonnet não ser flor que se cheire não ter palavra ne pas être en odeur de sainteté avoir deux paroles ne pas être en odeur de sainteté ne pas avoir de parole não valer a ponta de um corno. seus engajamentos não ter pra onde correr V. dans le au bout du rouleau. au trente-sixième dessous. ser indigno na pele de: estar no lugar de na pindaíba V. ne pas lever le petit doigt não medir (as) palavras ne pas mâcher ses mots ne pas mâcher ses mots não nascer ontem não pregar o olho não redondo n’ être pas né (tombé) de la dernière pluie ne pas fermer l’oeil fin de non recevoir n’ être pas né (tombé) de la dernière pluie ne pas fermer l’oeil (de la nuit) fin de non recevoir não interessar nem ao menino Jesus ce n'est pas sa tasse de thé. sur la paille . estar sem saída não ter um tostão V. importante não ser deste mundo V. dans la dèche. au bout du rouleau. não levantar um dedo não mover uma palha V. viver num outro mundo não ser flor que se cheire: não inspirar confiança não ter palavra: não cumprir suas promessas. ce n'est pas son truc não ser de deitar-se fora ne pas être pas de bois ne pas être pas de bois não ser de deitar -se (fora). não ser a sua praia (culto) não ser de se jogar fora 1. não convir não ser a sua seara V. sensualidade 2. dans le pétrin. não valer um tostão na pele de être à la mie de pain Ø dans la peau dans la peau na rua da amargura.

com o rabo) virado para lua (vulgar) pelas costas avoir une chance de cocu. ninho de víboras ninho de ratos nid de vipères. blague dans le . em surdina. na pior na sarjeta V. nascer (com a bunda. sur la paille dans la dernière ligne droite nez au bec d’aigle dans la dernière ligne droite nez (au bec) d’aigle nascer sob uma (boa) estrela. bom nem tudo são rosas V. ninho de ratos. V. negócio de ocasião não (nem) aquecer. sob a responsabilidade de nas coxas: com desleixo nas garras de: sob o poder de na surdina: discreta ou dissimuladamente na reta final nariz de papagaio pétrin. nem uma letra ninho de cobras: grupo de pessoas que procuram se prejudicar umas às outras ninho de ratos 1. no dia de São nunca (à tarde). na pior nas barbas de V. às escondidas. na moita. secretamente ou hipocritamente 2. tous les trente-six du mois blague à part. às ocultas. ninho de cobras ninho de víboras V. naître sous une bonne (heureuse) étoile derrière les dos de avoir une chance de cocu. à socapa. en tapinois sur le dos de par-dessous la jambe sous la griffe de en douce. naître coiffé. à sorrelfa. nem tudo são flores nem uma letra: absolutamente nada nem uma vírgula V. naître coiffé. panier de crabes Ø bicoque nid de vipères. ruim nem tudo são flores: nem tudo é fácil. naître sous une bonne étoile dans le dos de às costas de em cima do joelho. blague dans le feu de l’action (culto) tous les trente-six du mois blague à part. ninho de cobras no calor do momento: no momento em que as emoções são intensas no dia de São Nunca: jamais no duro: falando sério foncer dans le brouillard affaire en or ne faire ni chaud ni froid tout n’est pas noir tout n’est pas rose conduire dans le brouillard affaire en or ne faire ni chaud ni froid tout n’est pas noir (et blanc) tout n’est pas rose nem uma letra. nem uma vírgula pas un iota pas un iota ninho de cobras. na cara de nascer virado pra lua: ter muita sorte nas costas de 1. lugar sujo e miserável 2. en tapinois navegar no escuro: não saber mais exatamente o que faz negócio da China: aquilo que dá muito lucro nem feder nem cheirar: ser indiferente a alguém nem tudo são espinhos: nem tudo é difícil. nem arrefecer nem tudo são espinhos nem tudo são flores sur le dos de par-dessous la jambe sous la griffe de en douce. à surdina. na sombra andar à nora negócio da china.111 na reta final: na parte final de uma tarefa nariz de tucano: nariz pontudo e recurvado na rua da amargura V. em segredo. com o cú. panier de crabes Ø no calor do momento quando as galinhas tiverem dentes. sobre o joelho nas garras de à calada. a furto. semana dos nove dias no duro dans le feu de l’action (culto) la semaine de quatre jeudis.

na esteira de. sans déconner au bout du monde. sans fard numa fria dans le bain dans le bain Letra O o alfa e o ômega: aquilo que é mais relevante em um assunto (culto) ocupar a primeira fila: o ABC (de algum assunto) botar figura. num brinquinho nos trinques no sufoco. fazer um l’alpha et l’oméga l’alpha et l’oméga tenir le haut du pavé tenir le haut du pavé . em dois tempos no cabo do mundo. numa camisa de onze varas nuit blanche nom de guerre de pair avec dans les bras de Morphée sur les talons de Ø en très bon état sur son trente-et-un. a jato num piscar de olhos V. cuidadosamente vestido no sufoco: passando por dificuldade nota 10 V.112 no fim do mundo: em local muito distante. au diable vauvert dans le fond dans le fond noite em branco. para lá do sol posto no fundo. de difícil acesso no fundo: considerando bem. tiré à quatre épingles au bout du rouleau nuit blanche. em ótimo estado 2. na mesma como a lesma. no meio do mundo. em última análise no fundo do poço V. na pior noite em branco V. nos braços de Morfeu (culto) na cola de. noite em claro noite em claro: noite passada sem dormir nome de guerra: pseudônimo no mesmo pé: na mesma situação nos braços de Morfeu: no sono (culto) nos calcanhares de: bem atrás nos trinques 1. na peugada de nos trinques. onde Judas perdeu as botas. sans déconner au bout du monde. sem dissimulação num abrir e fechar de olhos V. em dois tempos numa fria: situação adversa. no mesmo pé. exato. tiré à quatre épingles au bout du rouleau no vácuo nu e cru dans la foulée pur et dur. nos confins do mundo. au diable vauvert coin. sans fard dans la foulée pur et dur. no íntimo dans le coin. classe A nota fora V. bola fora no vácuo: imediatamente após nu e cru: autêntico. nos confins do inferno. no fim do mundo. noite em claro nome de guerra em banho-maria. novo em folha. embaraçosa num pau só V. no calcanhar do mundo. em dois tempos num pulo V. nuit sur la corde à linge nom de guerre de pair avec dans les bras de Morphée sur les talons de Ø en très bon état sur son trente-six.

113 ocupar em um grupo. trabalho etc figurão conquistar terreno. oeil de lynx la roue tourne o mundo dá voltas la roue tourne onde o sapato (lhe) aperta où le bât le blesse où le bât le blesse ossos do ofício aléas du métier aléas du métier . oitava maravilha do mundo olhar atravessado. as posições se invertem onde Judas perdeu as botas V. olhar por cima do ombro olhar para o umbigo occuper le terrain huitième merveille du monde regarder de travers occuper le terrain huitième merveille du monde regarder de travers prendre de haut prendre de haut balayer devant sa porte balayer devant sa porte olhar para o próprio umbigo regarder [se] le nombril regarder [se] le nombril olhar por cima do ombro a voz do dono regarde par-dessus l’épaule oeil du maître regarde par-dessus l’épaule oeil du maître olhos nos olhos olho vivo. olho(s) de lince entre quatre yeux yeux de lynx en tête à tête. olhar de banda. julgar-se a si mesmo em vez de julgar o próximo olhar para o próprio umbigo: dar muita importância para si próprio olhar para si mesmo V. a sorte está lançada osso duro de roer V. olhar para o próprio rabo olhar por cima dos ombros: olhar com desdém. com desprezo olho do dono: as atenções do patrão. olhos de lince o mundo dá voltas: a situação muda. olhar de esguelha olhar de cima. onde o calo (lhe) dói os dados estão lançados V. entre quatre yeux oeil d’aigle. no fim do mundo onde o calo (lhe) dói: problema que mais incomoda onde o sapato (lhe) aperta V. aquilo que dificulta algum tipo de função. seu engajamento pessoal olho no olho: encontro direto com quem se deseja falar olhos de lince: visão perspicaz olho vivo V. carne de pescoço ossos do ofício: obrigações que cabem a uma determinada função ou profissão. desaprovação olhar de cima: ostentar superioridade sobre outrem ou sobre algo olhar para o próprio: rabo cuidar da própria vida. um lugar ou posição de destaque ocupar o terreno: fazer parte oitava maravilha do mundo: algo de extraordinário olhar (de) atravessado: olhar com hostilidade. ocupar terreno do outro mundo. atividade. oeil de faucon.

pagar o pato pagar mico. fazer figura de urso. ovelha ranhosa brebis galeuse brebis galeuse. fazer figura de parvo palavra de honra. a pão e laranjas pão e circo payer les pots cassés passer un sale moment parole d’honneur payer les pots cassés passer un sale moment parole d’honneur foire d’empoigne pied à pied fond de tableau portion congrue du pain et des jeux foire d’empoigne pied à pied fond de tableau portion congrue du pain et des jeux . de rivalidades palmo a palmo: acirradamente pano de fundo: conjunto dos acontecimentos vividos pão e água: o mínimo para o tratamento ou a sobrevivência de alguém pão e circo: símbolos dos dois apetites primários do povo: alimentar-se e se divertir paciência de Jó.114 o tempo fechou: havia um clima de desentendimento e as brigas começaram o último dos moicanos: o último representante ouro em pó: alguém ou alguma coisa de muito valor ouvir o bom senso: deixar-se convencer por conselhos razoáveis ovelha desgarrada: aquele que se desviou de certa linha de conduta ovelha negra: pessoa diferente das outras que a cercam por alguma qualidade considerada prejudicial (culto) ovo de Colombo: solução de um problema óbvia e inovadora ao mesmo tempo (culto) ovo frito: seio muito pouco volumoso saltou a tampa il y a (avait) de l’orage dans l’air le dernier des mohicans or en barre entendre raison il y a (avait) de l’orage dans l’air le dernier des mohicans or en barre entendre raison o último dos moicanos de ouro. paciência de Job. dar o troco pagar o pato: sofrer as conseqüências dos atos de outra pessoa pagar um mico: passar vergonha na frente de outras pessoas palavra de honra: declaração verbal de compromisso para com alguém palco de batalha: lugar de lutas. ouro sobre azul ouvir a voz da razão ovelha desgarrada brebis égarée brebis égarée ovelha negra. paciência de santo patience d’ange patience d’ange pagar as favas. mounton noir ovo de Colombo oeuf de Colomb oeuf de Colomb ovos estrelados oeuf sur le plat Ø Letra P paciência de Jô: resignação extrema pagar com a mesma moeda V. palavra de rei palco de batalha palmo a palmo pano de fundo a pão e água.

tirer un trait .115 (culto) pão nosso de cada dia: o mínimo que mantém a existência de alguém para dar e vender V. roubar passar a perna V. ir longe demais passar da medida V. matar o tempo passar por cima: derrotar inescrupulosamente uma pessoa que seria um obstáculo passar por poucas e boas: passar por momentos difíceis passar pra trá V. tirer un trait prendre ses jambes à son cou passer l’éponge. a dar com pau para inglês ver: apenas aparentemente parte do bolo: parte dos lucros parte do leão: a parte melhor e/ou mais significativa em uma partilha partir o coração V. refiler le bébé passer le flambeau. cortar o coração passar a bandeira: passar para outrem a responsabilidade de dar continuidade a algo passar a bola V. passar maus bocados dar à(s) canela(s). dar uma rasteira passar sebo nas canelas: apressar-se passar uma borracha: esquecer algo ou alguém. para salvar as aparências parte do bolo parte do leão pour la frime part du gâteau part du lion pour la frime part du gâteau part du lion passar a batata quente (quando é algo negativo). passar a pasta. passar a bola passer le flambeau. dar uma rasteira o pão nosso de cada dia pain quotidien pain quotidien para inglês ver. dar uma rasteira passar da conta V. enganar com histórias passar a mão: apoderar-se de algo. transmettre le flambeau. transmettre le flambeau. ir longe demais passar desta para melhor V. dar corda aos sapatos passar uma borracha passer un mauvais quart d’heure passer un mauvais quart d’heure prendre ses jambes à son cou passer l’éponge. bater as botas passar fogo: dar uma rajada de tiros em alguém passar o chapéu: pedir ajuda financeira. passar o pente fino em balancer la purée faire la manche passer au peigne fin balancer la purée faire la manche passer au peigne fin passar por cima passer sur le ventre passer sur le ventre passar as passas do Algarve. refiler le bébé atirar poeira nos olhos. passar a bandeira passar a conversa: mentir. comer as papas da cabeça meter a mão. doações passar o pente fino: analisar minuciosamente para averiguar se não há irregularidades passar o tempo V. não mais considerado importante passar uma rasteira V. fazer mão baixa jouer du pipeau faire main basse jouer du pipeau faire main basse abrir fogo passar o chapéu passar [alguma coisa] a pente fino.

apanhar com a boca na botija pegar com a mão na cumbuca V. tocar no ponto fraco piquer au vif piquer au vif apanhar o comboio em andamento prendre le train en marche prendre le train en marche pegar o touro pelos cornos prendre le taureau par les cornes prendre le taureau par les cornes . pegar o touro passo em falso patinar na lama faux pas pédaler dans la choucroute. apanhar com a boca na botija pegar o bonde andando: associar-se oportunamente a uma ação já em curso avançado pegar o touro à unha: enfrentar com coragem as situações difíceis pegar o touro pelos chifres V. erro patinar na lama: fazer esforços em vão patinho feio: algo ou alguém em desarmonia com um determinado conjunto pé ante pé: vagarosamente. de manso. entregar os pontos pedir as contas: pedir demissão do emprego pedra angular: essência e um dado pensamento que o legitima (culto) pedra de toque: critério utilizado para determinar a qualidade ou a genuinidade de algo (culto) pedra no meio do caminho: obstáculo para a execução de uma tarefa pedra no sapato: obstáculo que importuna incessantemente pegar com a boca na botija V. pédaler dans le yaourt vilain petit canard faux pas pédaler dans la choucroute. pédaler dans la semoule vilain petit canard patinho feio com pés (pezinhos) de lã. de mansinho. de modo a não ser percebido pedir água V.116 passo em falso: deslize. entregar os pontos pedir a mão de: pedir alguém em casamento pedir a palavra: solicitar oportunidade para falar pedir arrego V. apanhar com a boca na botija pegar fogo: causar grande entusiasmo pegar no pé V. pédaler dans la semoule. pé ante pé à pas de loup à pas de loup pedir a mão de pedir a palavra demander la main de demander la parole demander la main de demander la parole pedir a conta pedra angular rendre son tablier pierre angulaire rendre son tablier pierre angulaire pedra de toque pierre de touche pierre de touche pedra (no meio) do caminho pedra no sapato pierre d’achoppement’ (culto) ombre au tableau pierre d’achoppement’ (culto) ombre au tableau pegar fogo péter le feu péter le feu tocar na corda sensível. encher a cabeça [1] pegar no ponto fraco: falar algo para magoar. ofender alguém pegar no pulo V. de fininho.

perder o chão perder o pé (da situação): não dominar mais a situação. imoderadamente pé na tábua: pisando fundo no acelerador ao dirigir ou agilizando ao máximo uma atividade pensamentos negros: pensamentos negativos. nas suas ações perder o norte V. péter les plombs. virer su' le top pogner les nerfs.117 à unha pegar pesado: agir com certa brutalidade. perder uma posição de prestígio perna de saracura: perna magra e longa pesar na balança: ponderar e ver se vale a pena pescador de homens: aquele que converte as pessoas para a doutrina cristã pescar em águas turvas: tentar obter vantagem de uma situação desfavorável peso morto: aquele que é inútil pilha de nervos: pessoa muito estressada ou nervosa pintor de rodapé: pegar pesado pé na tábua ne pas y aller avec le dos de la cuiller. perder terreno perna de canivete pesar na balança pescador de homens perdre son temps. ne pas y aller de main morte pied au plancher idéias negras. sem boa reputação (culto) perder a linha V. perdre la carte. perdre la tête. haut . pensamentos negros perder a cabeça. subir o sangue a cabeça chegar a mostarda ao nariz. pessimistas perder a cabeça: agir irrefletidamente por estar muito nervoso perder a esportiva: irritar-se ao extremo perder a face: estar com a imagem denegrida. perder tempo ceder terreno. perdre son latin perdre du terrain jambe de coq peser dans la balance pêcheur d’hommes perdre son temps. perder o fio à meada perdre la boussole. poids mort paquet de nerfs bout d’homme. perdre son latin perdre le fil. ficar fulo. perder as estribeiras perder a face idées noires perdre la boule. ir aos arames. os acontecimentos perder o rumo V. ne pas y aller de main morte pied au plancher ne pas y aller avec le dos de la cuiller. taco de pia bouche inutile. perdre la tête. sortir de ses gonds perdre la face perdre la face perder o chão. perdre la carte. perdre le Nord perdre le fil. perder o chão perder tempo: desperdiçar tempo perder terreno: recuar forçadamente. perdre son latin perdre du terrain grandes cannes peser dans la balance pêcheur d’hommes Ø pêcher en eau trouble pêcher en eau trouble peso morto pilha de nervos rodas baixas. perder a esportiva perder o chão: não saber o que fazer. perdre le Nord. poids mort paquet de nerfs bout d’homme bouche inutile. perder o norte perder o fio da meada. perdre les pédales perder o pé perdre pied perdre pied perder o latim. ficar desorientado perder o fio (da meada): atrapalhar-se num raciocínio. péter les plombs sortir de ses gonds idées noires perdre la boule. perdre les pédales perdre la boussole. perder a esportiva perder as estribeiras V.

desventurada poço de sabedoria: pessoa que conhece a fundo vários assuntos política do avestruz: atitude de quem prefere não enfrentar um problema pomo de discórdia: causa de dissenções. apoderar-se de algo por baixo da mesa: secretamente. por baixo da mesa por debaixo do pano V. por baixo da mesa por desencargo de consciência: para não ter arrependimento ou dar um passo em falso porter à faux comme trois pomme porter à faux pisar ovos jouer serré jouer serré pobre de espírito pobre diabo poço de sabedoria política de avestruz pauvre d’ esprit. pauvre en esprit pauvre diable puits de science politique de l’autruche pauvre d’ esprit. por baixo da mesa por debaixo da mesa V. pontapé inicial ponto de interrogação partie cachée de l’iceberg coup d’envoi point d’interrogation partie cachée de l’iceberg coup d’envoi point d’interrogation ponto assente. ponto pacífico beco sem saída. colocar a mão na massa pôr as cartas na mesa V. por baixo do pano mettre le grappin [1] mettre le grappin [2] sous le manteau mettre le grappin [1] mettre le grappin [2] sous le manteau por descargo de consciência par acquit de conscience par acquit de conscience . ilicitamente por baixo do pano V. duvidoso ponto fraco V. enfiar o pé pobre de espírito: que tem valores pouco louváveis pobre diabo: pessoa infeliz. desacordos ponta de lança: o que é mais dinâmico e importante em um conjunto (culto) ponta do iceberg: o começo de algo pontapé inicial: ato que estimula o início de algo ponto de interrogação: aquilo que é incerto. pauvre en esprit pauvre diable puits de science politique de l’autruche pomo da discórdia ferro de lança pomme de discorde fer de lance pomme de discorde fer de lance ponta do iceberg pontapé de saída.118 pessoa de estatura baixa pisar em falso: não se basear em bons argumentos ou fazer algo que possa acarretar conseqüências desagradáveis pisar em ovos: agir com bastante cautela pisar fundo V. abrir o jogo pôr as mãos 1. calcanhar de Aquiles ponto pacífico: o que pode ser facilmente verificado ponto sem volta: situação ou lugar de que não se pode mais desistir pôr a mão na massa V. nó cego fait acquis point de non-retour fait acquis point de non-retour pôr as mãos pôr as mãos por baixo da mesa. capturar alguém 2.

levar na conversa pôr na linha V. pregar aos peixes. a dar com pau preparar o terreno: agir pôr na rua. mettre à la rue [2] sair do ninho pôr os pingos nos is. prêcher dans le désert à un poil pres. jeter sur le pavé [1]. colocar na linha pôr na rua 1. tenir à un fil] à un fil [v. de justesse crier dans le désert . pôr em dia mettre à jour mettre à jour colocar na balança mettre dans la balance mettre dans la balance pôr na rua. colocar o dedo na ferida pôr o dedo na ferida V. dar um basta pôr um ponto V. a quem não quer ouvir pra chuchu V. pregar no deserto à un poil près. jeter sur le pavé [1]. pôr os pontos nos is mettre le nez dehors. mettre à la rue [2] jeter à la porte [1]. colocar nos trilhos pôr o dedo na chaga V. mettre à la rue [1] jeter à la porte [2]. colocar um ponto final por um triz: por muito pouco pregar no deserto: falar em vão. mettre à la porte [2]. de justesse crier dans le désert. colocar o dedo na ferida pôr o nariz pra fora: sair de dentro de casa. colocar lenha na fogueira pôr na balança: colocar duas coisas em comparação pôr na cabeça V. pôr no olho da rua ficher à la porte. provocar melancolia pôr pra correr: expulsar porta dos fundos: ânus pôr uma pedra em cima V. jeter sur le pavé [2]. jeter à la rue [1]. jeter à la rue [1]. prêcher dans le désert preparar o terreno poser des jalons poser des jalons . aparecer pôr os pingos nos is: deixar claro um ponto confuso pôr panos quentes V. montrer (le bout de) son nez mettre les points sur les i mettre le nez dehors. pôr na rua o sim.119 remorso futuro pôr em dia: atualizar pôr lenha na fogueira V. donner le cafard botter le train porte de derrière por um fio à un fil [v. mettre à la porte [1]. mettre à la porte [2]. Senhor donner le bourdon botter le train oeil de bronze. tenir à un fil] por uma unha negra.: expulsar alguém pôr a escrita em dia. por um fio. jogar pela janela pôr no mundo V. montrer (le bout de) son nez mettre les points sur les i deitar abaixo mandar pôr ao fresco. a dar com pau pra dar e vender V. jeter à la rue [2]. colocar uma pedra em cima por um fio: quase sem conseguir pôr um paradeiro V. por um triz bradar no deserto. dar à luz pôr nos trilhos V. colocar panos quentes pôr pra baixo: desanimar. jeter à la rue [2]. mettre à la porte [1]. porte de derrière donner le bourdon.: despedir do emprego pôr no lixo V. pôr no olho da rua pôr na rua 2. mettre à la rue [1] jeter à la porte [2]. jeter à la porte [1]. jeter sur le pavé [2].

cair fora puxar o saco V. um) último cartucho V. lamber as botas puxar o tapete V. provar por A + B agarrar o pescoço punhalada nas costas chegar a brasa à sua sardinha. dar uma rasteira presença de espírito présence d’esprit présence d’esprit preto no branco primeiros passos prometer a lua. brigar com alguém 2. ir às fuças de. precaução presença de espírito: capacidade de agir de maneira inteligente frente a uma adversidade ou situação inesperada preto no branco: de uma maneira incontestável primeiro passo: primeira providência para se obter algo prometer a lua: fazer promessa de dar o que não se pode dar prometer mundos e fundos: fazer promessa de dar muitas coisas e não cumprir prometer o céu e a terra V. fundir a cuca quebrar a cara: não conseguir atingir seus propósitos quebrar a cara de: bater violentamente em alguém quebrar o gelo: acabar com um mal-estar entre duas pessoas quebrar o pau: brigar verbal ou fisicamente queimar o (seu. puxar a brasa à sua sardinha démontrer par A + B sauter au cou [1] coup de poignard dans le dos prêcher pour sa paroisse démontrer par A + B sauter au cou [1] coup de poignard dans le dos prêcher pour sa paroisse Letra Q quebrar a cabeça V. prometer a lua provar por A mais B: apresentar provas para uma afirmação pular no pescoço 1. V. dar a última cartada partir a cara . jogar-se nos braços punhalada nas costas: traição por parte de alguém de confiança puxar a brasa para sua sardinha: falar em interesse próprio puxar as orelhas V. prometer mundos e fundos. prometer tudo e mais alguma coisa noir sur blanc premier pas promettre la lune promettre monts et merveilles noir sur blanc premier pas promettre la lune promettre monts et merveilles demonstrar por A + B. quebrar a cara partir a cara (à) quebrar o gelo ir à cara (à). prometer o céu e a terra prometer este mundo e o outro. ir às trombas a (de) casser [se] la gueule casser la gueule à rompre la glace foutre [se] sur la gueule casser [se] la gueule casser la gueule à rompre la glace foutre [se] sur la gueule . chamar na chincha puxar o carro V.120 com cuidado.

réduire en poussière réduire en bouillie. faire flèche de tout bois. réduire en poussière refrescar a cabeça. rir como um perdido rodar bolsinha des mille et des cents rire jaune rire à gorge déployée. imagem viva reverso da medalha renaître de ses cendres partager [se] le gâteau portrait vivant revers de la médaille renaître de ses cendres partager [se] le gâteau portrait vivant revers de la médaille rios de dinheiro sorrir amarelo morrer de riso. reduzir a cinzas refrescar a cabeça: espairecer remar contra a maré V. torre de marfim (culto) reduzir à cinzas. rire aux éclats faire la rue. destruir. faire le trottoir rolo compressor rouleau compresseur rouleau compresseur . rebetar a rir. Letra R raposa no galinheiro: alguém que pode facilmente ser desonesto num determinado lugar ou cargo reatar o fio da meada: reencontrar o ponto a partir do qual a situação ficou confusa recarregar as baterias: recuperar suas forças recomeçar da estaca zero: recomeçar do início redoma de vidro: local onde se isola alguém que quer evitar contatos e engajamentos reduzir a cinzas: aniquilar. faire le tapin. revenir à la case départ tour d’ivoire réduire en bouillie. voltar ao ponto de partida redoma de vidro. réduire en cendres. réduire en cendres. faire le trottoir faire la rue.121 queimar todos os cartuchos: utilizar todos os recursos para conseguir algo queimar todos os cartuchos faire feu de tout bois. voltar a se manifestar repartir o bolo: repartir os lucros retrato vivo: reprodução fiel de algo ou de alguém reverso da medalha: o lado desagradável e inconveniente de algo que só havia mostrado seu aspecto positivo rio(s) de dinheiro: muito dinheiro rir amarelo: sorrir a contra-gosto rir às bandeiras despregadas: rir muito sem parar (culto) rodar a bolsinha: trabalhar na rua como prostituta roer a corda V. ressurgir das cinzas repartir o bolo retrato vivo. dar pra tràs rolo compressor: aquele que revela raposa no galinheiro loup dans la bergerie loup dans la bergerie retomar o fio à meada raccrocher les wagon raccrocher les wagon recarregar as baterias voltar à estaca zero. tomar ar prendre un bol d’air prendre un bol d’air renascer das cinzas. ruinar reduzir a pó V. rire aux éclats des mille et des cents rire jaune rire à gorge déployée. revenir à la case départ tour d’ivoire recharger les batteries remettre les compteurs à zero. rebolar(-se) de riso. nadar contra a corrente renascer das cinzas: reaparecer. repartir à zero. recharger les batteries remettre les compteurs à zéro. reduzir à pó recharger les accrus. faire le tapin. faire flèche de tout bois faire feu de tout bois. rir à(s) bandeiras despregadas.

a elite moral saltar aos olhos: ser fácil de ser compreendido. saber em que ponto está saco de batata(s) saco de gatos saia justa sair de fininho faire le point [2] faire le point [2] pot à tabac sac d’embrouilles. ir às fuças farto até os olhos sortir du ton sortir du rouge jouer des poings sortir par les trous de nez. sair da lama sair do sufoco V.122 grande dinamismo. sortir par les yeux sortir du ton sortir du rouge jouer des poings sortir par les trous de nez. sair à francesa sair do armário: assumir sua preferência homossexual sair do atoleiro V. sair do sufoco remonter la pente remonter la pente sair do armário sortir du placard sortir du placard não bater a bota com a perdigota sair do vermelho dar uma arraial de porrada. saltar aos olhos salvar a face (culto) V. dar-se mal sal da terra: o que há de mais puro e íntegro. sair do atoleiro. sair da lama sair do tom: estar em desarmonia com um conjunto sair do vermelho: cobrir o déficit sair no braço: bater em alguém em uma briga sair pelos olhos: ser muito excessivo sair-se bem V. saltar às vistas sel de la terre sauter aux yeux sel de la terre sauter aux yeux salvar a pele salvar as aparências sauver sa peau sauver les apparences sauver sa peau sauver les apparences . de uma situação saco de batata: pessoa gorda e de má aparência saco de gatos: confusão. sortir par les yeux sal da terra saltar aos olhos. desordem saia justa: situação embaraçosa sair à francesa: retirar-se discreta e rapidamente para fugir de alguém ou escapar a alguma coisa sair da lama: sair de uma situação deplorável sair de fininho V. sair da lama sair do fundo do poço V. notado saltar às vistas V. dar-se bem sair-se mal V. de noeuds petits souliers filer à l’anglaise sair da lama. limpar a barra salvar a pele: evitar uma situação perigosa ou embaraçosa salvar as aparências: saber em que pé está. sac de noeuds petits souliers filer à l’anglaise pot à tabac sac d’embrouilles. sem se deter frente a qualquer dificuldade Letra S saber em que pé está: determinar o andamento de uma questão.

de repente 2. seguir as pisadas. suivre les traces suivre son cours. sem mais nem menos. suivre son train de vie suivre sa pente idée derrière la tête segurar a língua segurar vela mordre [se] la langue [1] tenir la chandelle mordre [se] la langue [1] tenir la chandelle sem coração sem eira nem beira sem freio de rastos sem mais nem menos sem dizer água vai. agüentar a barra segurar a língua: conter-se para não falar segurar vela: pessoa que acompanha um casal enamorado.123 esconder tudo o que possa prejudicar a reputação salvo pelo gongo: livre de uma situação desagradável no último minuto sangue azul: nobre ascendência são e salvo: ileso fisicamente. sem explicação plausível sem mais nem porquê salvo pelo gongo sauvé par le gong sauvé par le gong sangue azul são e salvo são outros quinhentos saúde de ferro segredo(s) de alcova segredo de polichinelo sang bleu sain et sauf c’est une autre paire de manches santé de fer secret d’alcôve secret de polichinelle sang bleu sain et sauf c’est une autre paire de manches santé de fer secret d’alcôve secret de polichinelle seguir as passadas. a maneira de viver de alguém seguir seu curso: prosseguir em seu destino seguir suas inclinações: entregar-se às suas tendências segunda intenção: verdadeira intenção que se dissimula segurar a barra V. seguir os passos seguir seu curso seguir suas inclinações segunda intenção marcher sur les pas. agüentar a barra segurar a onda V. seguir as pegadas. sem mais nem porquê sans coeur sans aveu. suivre son train de vie suivre sa pente idée derrière la tête marcher sur les pas. tout à trac sans rime ni raison sans coeur sans aveu. sans feu ni lieu en roue libre [être] à plat. sem forças sem mais nem menos 1. marcher sur les traces. suivre les pas. maldoso sem eira nem beira: sem domicílio fixo e sem origem social definida sem freio: sem controle sem gás: sem energia. sem mais aquelas. marcher sur les traces. fora de perigo são outros quinhentos: trata-se de um outro assunto saúde de ferro: saúde perfeita e boa resistência física segredo de alcova: segredo íntimo segredo de polichinelo: falso segredo pois todo mundo sabe a respeito seguir os passos: seguir o exemplo. tout à trac sans rime ni raison . agüentar a barra segurar as pontas V. sans feu ni lieu en roue libre [être] à plat. seguir a trilha. obrigada ou fortuitamente sem coração: insensível. suivre les pas. [être] sur les nerfs sans crier gare. [être] sur les nerfs sans crier gare. suivre les traces suivre son cours.

queijo: ser certo. ter a cara de ser a sombra de: acompanhar fielmente algo ou alguém ser cabeça dura: ser teimoso ser colocado contra a parede: ser pressionado a tomar uma decisão. sem dúvidas ser santinha do pau oco: agir como se tivesse medo do amor carnal (pejorativo. ça n’a pas d’allure sans sourciller toujours la même chanson sans prix sans débander. o verdadeiro do falso ser a cara de V. ser um deus-nos-acuda ser pão. mulher) ser só pele e osso: estar muito magro sem eira nem beira. estudar o terreno sentir-se em casa: estar completamente à vontade em um lugar ou atividade bastante conveniente separar o joio do trigo: distinguir o bem do mal. irreversível sentir o terreno V. sans désemparer sans queue ni tête. separar o trigo do joio séparer le bon grain de l’ivraie séparer le bon grain de l’ivraie ser a sombra de ser cabeça dura ser encostado à parede être l’ombre de avoir la tête dure être au pied du mur être l’ombre de avoir la tête dure être au pied du mur ser como São Tomé ser curto e grosso ser tehudo. pão. queijo. pão. a bater no ceguinho sans queue ni tête sans sourciller toujours la même chanson sans prix sans débander.124 V. appeler un chat un chat être une sainte nitouche appeler les choses par leur nom. sem pé nem cabeça sem pestanejar sempre a mesma história sem preço a martelar. queijo queijo santo do pau oco appeler les choses par leur nom. nu e cru sem pé nem cabeça: idéias sem uma seqüência lógica sem pestanejar: sem hesitar sempre a mesma história: sempre as mesmas desculpas sem preço: de um valor inestimável sem sair de cima: continuamente. sem parar sem tirar nem pôr V. ter venetas ter nascido (com o rabo) virado para a lua ser mais papista que o papa être comme Saint Thomas couper court avoir ses têtes avoir de la veine être plus royaliste que le roi être comme Saint Thomas couper court avoir ses têtes avoir de la veine être plus royaliste que le roi ser pão. sem mais nem menos [2] sem máscara V. sans désemparer sem volta sans retour sans retour sentir-se em casa être dans son élément être dans son élément separar o joio do trigo. . cuspido e escarrado sem volta: definitivo. a agir ser como são Tomé: não acreditar em algo antes de ver as provas ser curto e grosso: ser direto ser de lua: ser de humor inconstante ser largo: ter muita sorte ser mais realista que o rei: seguir uma doutrina com um rigor excessivo ser o fim do mundo V. appeler un chat un chat être une sainte nitouche ser só pele e osso n’avoir que la peau sur les os gros comme un manche à balai.

ser o fim do mundo ser um monte de merda (vulgar) ser Maria-vai-com-asoutras. ser marionete assentar como uma luva. tomar tino sourire Colgate ranger [se] des voitures sourire Colgate ranger [se] des voitures sossegar o facho dar (um) duro. cair como uma luva. último sono sommeil de plomb dernier sommeil. indício profético do fim do mundo sinal verde: permissão para se fazer algo sob o cajado de V. ser muito apropriado servir de ponte: ser um intermediário entre pessoas ou coisas silêncio de morte: silêncio absoluto que provoca certo mal-estar sinal dos tempos 1. aquietar-se. levar uma vida menos agitada e mais regular que antes 2. sob todos os pontos de vista soltar as rédeas: deixar alguém livre. acalmarse suar sangue: esforçar- ser de pedra ser um Deus nos acuda. não ficar controlando os atos de ninguém sondar o terreno V. soltar a(s) rédea(s) laisser la bride sur le cou laisser la bride sur le cou sono pesado sono eterno. servir como uma luva servir de ponte silêncio de morte. sem questionar nada servir como uma luva: adaptar-se exatamente a alguma coisa. traço característico de uma época 2. suar sangue mettre [se] en veilleuse suer sang et eau mettre [se] en veilleuse suer sang et eau . estudar o terreno sono de pedra: sono profundo sono eterno: a morte considerada fim também para o espírito sono pesado V. sommeil éternel sorriso Colgate tomar rumo. deixando à mostra belos dentes sossegar o facho 1. nas garras de sob o mesmo teto: na mesma casa sob o signo de: num ambiente criado por sob todos os ângulos: em todos os sentidos. sono de pedra sorriso Colgate: sorriso perfeito. sommeil éternel sommeil de plomb dernier sommeil.125 ser uma geladeira: ser extremamente insensível ser um deus-nosacuda: ser muito confuso. encaixar como uma luva. complicado ser um monte de merda: ser insignificante ou covarde (vulgar) ser vaquinha de presépio: estar sempre de acordo. silêncio sepulcral sinal dos tempos être de glace être la croix et la bannière prendre [s’y] comme un manche opiner du bonnet n’avoir que la peau sur les os être de glace être la croix et la bannière prendre [s’y] comme un manche opiner du bonnet aller comme un gant aller comme un gant servir de pont silence de mort signe des temps servir de pont silence de mort signe des temps [1] sinal dos tempos luz verde signes des temps feu vert signe des temps [2] feu vert sob o mesmo teto sob o signo de sob todos os ângulos sous le même toit sous le signe de sur toutes les coutures sous le même toit sous le signe de sur toutes les coutures dar rédea larga.

tapar a boca.126 se ao máximo subir nas tamancas: encolarizar-se e falar alto subir pelas paredes: ficar muito excitado sexualmente sujar a barra V. bouée de sauvetage. tapar os ouvidos tempestade num copo de água. planche de salut calar a boca. ano de vacas gordas tempo de vacas magras V. ser sensível para a música ter cara para V. bouée de sauvetage. planche de salut ballon d’oxygène. ter cara de temps mort avoir la tête sur les épaules avoir la tête de [quelqun]. à sua disposição ter as rédeas (na mão) V. reduzir ao silêncio (culto) fechar os ouvidos. ser realista. da família etc e poder dispor-se como bem entender ter à mão: ter ao seu alcance. grimper aux rideaux sujar as mãos salir [se] les mains salir [se] les mains Letra T tábua de salvação: último recurso em uma situação de desespero taco a taco V. equilibrado ter a cara de: ter características que remetem a algo ou alguém ter a chave do cofre: ter acesso ao dinheiro do país. palmo a palmo tapar a boca: apresentar provas irrefutáveis para alguém tapar os ouvidos: não querer ouvir tempestade em um copo d’água: reação exagerada para algo sem importância tempo de vacas gordas V. ter tábua de salvação ballon d’oxygène. comandar o barco ter a última palavra: dizer algo que põe fim ao debate ter bom ouvido (musical): distinguir com facilidade os sons. ferver em pouca água couper le sifflet fermer l’oreille tempête dans un verre d’eau couper le sifflet fermer l’oreille tempête dans un verre d’eau tempo morto ter cabeça no seu lugar ser a cara de. ano de vacas magras tempo morto: período de inatividade ter a cabeça no lugar: ter bom senso. avoir l’air et la chanson de [quelque chose] tenir les cordons de la bourse temps mort avoir la tête sur les épaules avoir la tête de [quelqu'un] ser o dono da bola tenir les cordons de la bourse ter à mão avoir sous la main avoir sous la main ter a última palavra ter bom ouvido avoir le dernier mot avoir de l’oreille (musicale) avoir le dernier mot avoir de l’oreille (musicale) . perder a face (culto) sujar as mãos: comprometer-se com algum ato ilícito chegar a mostarda ao nariz subir pelas paredes monter surs ses grands chevaux grimper aux rideaux monter surs ses grands chevaux avoir de la mine dans le crayon.

avoir l’estomac bien accroché ter as costas largas ter duas caras ter estômago ter na mão ter olho clínico jogar com pau de dois bicos avoir dans sa poche avoir le compas dans l’oeil jouer sur les deux tableaux avoir dans sa poche avoir le compas dans l’oeil jouer sur les deux tableaux ter os pés (assentes) na terra avoir les deux pieds sur terre avoir les deux pieds sur terre ter pavio curto. prendre pour du cash avoir bon dos avoir deux faces. firmeza ter pra quem puxar: ter algo em comum com algum parente ter pulso (firme. ter sangue na guelra. ne pas manquer d’air. ter topete ter uma só palavra ne pas avoir froid aux yeux [1]. prendre pour argent comptant avoir bon dos avoir deux faces avoir le coeur bien accroché. ter sangue nas veias ter o peito. ter pavio curto ter topete: ser muito audacioso ter uma só palavra: manter escrupulosamente aquilo que foi dito ter um estalo: ocorrer (a alguém) uma idéia repentina ter [alguma coisa] na manga ser certo e sabido avoir plusieurs cordes à son arc accepter pour argent comptant. não bater bem ter na palma da mão: estar assegurado de algo ter olho clínico: ser muito perspicaz na análise ter os pés em duas canoas: garantir um interesse em dois lados opostos para não perder nada ter os pés no chão: desejar algo dentro das possibilidades verdadeiramente existentes ter pavio curt:oirritar-se muito por pouco ter peito: ter coragem. avoir l’estomac bien accroché avoir plusieurs cordes à son arc prendre pour argent comptant. avoir du cran avoir de qui tenir trancher dans le vif prendre la mouche avoir du coffre. avoir du cran avoir de qui tenir trancher dans le vif terreno escorregadio terrain glissant terrain glissant ter cara para. ter raça ter a quem sair ter pulso prendre la mouche avoir du coffre. ne pas manquer de souffle n’avoir qu’une parole ne pas avoir froid aux yeux [1] n’avoir qu’une parole cair a moeda faire tilt faire tilt . forte): ser enérgico. repugnante ter macaquinhos no sótão V. ter pavio curto ter sangue quente V.127 topete ter cartas na manga: ter outros meios para conseguir seu objetivo ter como líquido e certo: acreditar ingenuamente em alguma coisa ter costas largas: suportar muitas adversidades ter duas caras: ter duas atitudes contraditórias ter estômago: suportar o que é repulsivo. ter peito terreno escorregadio: situação delicada em que se corre o risco de não ser imparcial ter sangue nas veias V. audácia. rigoroso ter raça V. avoir un visage à deux faces avoir le coeur bien accroché. não bater bem ter miolo mole V.

mulher) toma lá. refrescar a cabeça tomar um chá de ter voz (activa) deixar cair a máscara. continuer son bonhomme de chemin. tocar o barco tocar siririca: masturbar-se (vulgar. tirer son aiguille du jeu tirar sarro passar pelas brasas faire des gorges chaudes. tocar o barco tocar para (para) frente V. dá cá: ação de dar algo esperando retorno tomar chá de sumiço: desaparecer tomar o bonde errado: enganar-se quanto ao encaminhamento dado a um assunto tomar outro rumo: mudar seu modo de agir tomar todas V. pegar no ponto fraco tocar o barco: continuar a fazer algo. prendre la poudre d’escampette faire fausse route se rouler la bille donnant donnant disparaître dans la nature. foutre [se] de la gueule piquer un roupillon faire des gorges chaudes. dar prosseguimento tocar o bonde V. (pour)suivre son bonhomme de chemin tourner la boutique tocar o barco bater uma pívia toma lá dá cá levar sumiço sair o tiro pela culatra taquiner [se] le bouton donnant donnant disparaître dans la nature. tirar a máscara tirar a sorte (grande) tirar do sério tirar a água do capote avoir voix au chapitre faire tomber le masque gagner le gros lot chauffer à blanc tirer son épingle du jeu avoir voix au chapitre faire tomber le masque gagner le gros lot chauffer à blanc tirer son épingle du jeu. faire son bonhomme de chemin. foutre [se] de la gueule piquer un roupillon tocar a vida. sair da lama tirar o pé do acelerador V. estar com um nó na garganta ter um parafuso a menos V. tirar o corpo fora tirar sarro: zombar tirar uma pestana: tirar uma soneca titica de galinha V. prendre la poudre d’escampette faire fausse route tomar outro rumo renverser la vapeur renverser la vapeur tomar um chá de cadeira faire tapisserie faire tapisserie .128 ter um nó na garganta V. tratar da vida aller son bonhomme de chemin. não bater bem ter voz: expressar a própria opinião tirar a máscara: mostrar a verdade tirar a sorte grande: ter uma boa razão para se sentir privilegiado tirar do sério: inflamar alguém tirar o corpo fora: livrarse de ser envolvido em uma situação delicada tirar o pé da lama V. suivre son bonhomme de chemin tourner la boutique continuer son bonhomme de chemin. café pequeno tocar a vida (pra frente): seguir seus objetivos sem muita ansiedade tocar no ponto fraco V. sossegar o facho tirar o seu da reta (vulgar) V. encher a cara tomar um ar V.

lançar luz sobre (culto) 3. encher a lata torcer o nariz: desaprovar torre de marfim: local ou situação afastada das coisas práticas e concretas tortura chinesa: tortura física ou moral com requintes de crueldade trabalho de formiga: trabalho longo e minucioso trabalho de Hércules: trabalho que exige grandes esforços tratar da vida V. última tentativa última moda: o que há de mais moderno última morada: o túmulo última palavra 1. V. trazer à baila (culto) 2. a opinião que prevalece sobre todas 2. V. mettre en lumière être aux premières loges mettre au jour. V. trazer à baila. tocar a vida (pra frente) tratar na palma da mão: cuidar de alguém com diligência trazer à baila: dar a conhecer trazer à luz 1. dar à luz trazer ao mundo V. mettre en lumière [1] troca de gentilezas meter os pés pelas mãos. última palavra última morada última palavra dernière carte. o que há de mais novo sobre algo última cartada na berra. dernière cartouche dernier cri dernière demeure dernier mot última palavra dernier cri dernier cri . trazer à colação être aux premières loges mettre au jour.129 cadeira: não ser chamado a participar de uma atividade ou discussão coletiva e ficar esperando por isso tomar um porre V. última moda. não dominar uma tarefa complexa torcer o nariz torre de marfim tordre le nez tour d’ivoire tordre le nez tour d’ivoire tortura chinesa trabalho de formiga trabalho de Hércules supplice chinois travail de fourmi travail d’Hercule supplice chinois travail de fourmi travail d’Hercule tratar [alguém] nas palminhas chamar à baila. misturar alhos com bugalhos échange de bons procédés mélanger les pétales. dar à luz trazer à tona V. mélanger les pinceaux échange de bons procédés mélanger les pinceaux Letra U última cartada: útimo recurso. dernière cartouche dernier cri dernière demeure dernier mot dernière carte. trazer à baila troca de gentilezas: serviços prestados em relação mútua trocar as bolas: confundir-se. em voga.

tourner casaque tourner la page être un vire-capot. em artigo de morte. tourner casaque. voir tout rose voir trente-six chandelles avoir à l’usure la sentir passer voir la vie en rose voir trente-six chandelles viga mestra clé de voûte clé de voûte dar a volta ao miolo faire tourner la tête faire tourner la tête virar a casaca. macaco velho 2. mais para lá do que para cá. virer son capot de bord tourner la page . renegando suas idéias por oportunismo virar a página: mudar ou vai ou racha valer quanto pesa ça passe ou ça casse valoir son pesant d’or ça passe ou ça casse valoir son pesant d’or verdade nua e crua. amigo de longa data verdade nua e crua: a pura realidade verdade verdadeira V. bater as botas viga mestra: aquilo de que depende a existência. de opinião. ou se acaba mal valer quanto pesa: ter o seu devido valor velho de guerra 1. farinha do mesmo saco virar a cabeça de: influenciar o comportamento de alguém virar (a) casaca: mudar de partido. o equilíbrio de algo ou de alguém vinho da mesma pipa V. retourner sa veste.130 último cartucho V. verdade pura. sentir muita dor vestir o pijama de madeira V. ser um viracasacas virar a página retourner sa veste. verdade nua e crua vencer pelo cansaço: conseguir convencer alguém por insistência ver o que é bom pra tosse: sofrer algo penoso ou doloroso ver tudo azul: ver apenas os aspectos positivos das coisas ver estrelas: estar atordoado por um golpe. verdade verdadeira. sono eterno últimos momentos: momentos antes da morte utilizar as mesmas armas: ter as mesmas condições que os adversários às portas da morte. últimos momentos utilizar as mesmas armas dernière heure dernière(s) heure(s) battre [se] à armes égales battre [se] à armes égales Letra V vai ou racha: ou se acaba bem. V. verdade verdadinha vencer pelo cansaço ver como elas lhe mordem ver tudo cor-de-rosa ver estrelas vérité toute nue vérité toute nue avoir à l’usure la sentir passer voir la vie en rose. última cartada último sono V.

bater as botas vir à tona: manifestarse. voltar as costas tourner les dos à tourner les dos à virar o jogo virar pó renverser le jeu tomber en poussière renverser le jeu tomber en poussière vir à tona vitória suada andar na lua. avoir la tête dans les nuages. andar com a cabeça na lua. viver longe da realidade dar as costas. recomeçar da estaca zero voltar atrás: desistir de continuar e voltar à situação anterior voltar de mãos abanando: voltar sem viver de ar vivre de l’air du temps vivre de l’air du temps não ser deste mundo vivre dans un autre monde vivre dans un autre monde voltar à baila. andar com as próprias pernas voltar à baila: ser novamente comentado nas rodas voltar à cena V. viver noutro mundo venir au jour victoire à la Pyrrhus avoir la tête ailleurs.voltar à cena revenir sur le tapis revenir sur le tapis voltar à vaca fria retourner à ses moutons. andar com a cabeça no ar. viver de brisa viver de brisa: não se preocupar com nada material para garantir sua subsistência viver na lua V. cair no mundo virar as costas para: deixar de dar atenção a algo ou alguém virar o bicho V. viver com a cabeça nas nuvens viver nas nuvens V. distraído. viver na lua. voltar à baila voltar à vaca fria: retomar o assunto inicial após uma digressão voltar ao ponto de partida V. incomum voar com as próprias asas V. mudar o disco virar o jogo:tornar favorável uma situação ruim virar pó: desaparecer completamente virar presunto V. viver com a cabeça nas nuvens viver no mundo da lua V. aparecer vitória suada: vitória difícil de se conseguir viver com a cabeça nas nuvens: ser sonhador. être dans la lune. de situação virar as costas V. andar nas nuvens. voltar com uma faire machine arrière revenir bredouille faire machine arrière revenir bredouille . perder a esportiva virar o disco V. estranho. avoir la tête dans les nuages. andar com a cabeça nas nuvens. viver com a cabeça nas nuvens viver num outro mundo: parecer muito diferente. être dans les nuages viver de ar V.131 de assunto. virar as costas. viver nas nuvens. revenir à ses moutons revenir à ses moutons voltar atrás voltar com as mãos a abanar. être dans la lune. être dans les nuages venir au jour victoire à la Pyrrhus avoir la tête ailleurs.

132 ter conseguido nada do que se queria voz da consciência: diretrizes da consciência relativas às ações de cada um voz do coração: os sentimentos mais íntimos mão à frente e outra atrás. voltar de mãos vazias voz da consciência voix de la conscience voix de la conscience voz do coração cri du coeur cri du coeur Letra X Letra Z zero à esquerda: alguém que não faz diferença alguma em seu meio. voltar de mãos a abanar. que não serve para nada zero à esquerda cinquième roue du carrosse cinquième roue du carrosse. un gros zéro .

aparecem sempre com uma remissiva. acrescentamos 98 EIs brasileiras. Por isso. Além disso. Diferenças e paralelismos culturais e lingüísticos As expressões idiomáticas refletem e determinam pensamentos. 1. o francês da França e o do Quebec. podemos explicar as diferenças entre línguas faladas em países diferentes ou. entre uma mesma língua falada em países diferentes. detalhamos algumas características observadas e fazemos considerações importantes acerca do resultado final do trabalho. Partindo desse pressuposto. todas equivalentes de alguma entrada já inclusa. como no caso do português do Brasil e o de Portugal. Além dessas entradas. o inglês da América e o da Inglaterra e assim por diante. comprovadamente freqüentes na Web. mais explicitamente. . representam o retrato vivo da evolução das línguas. valores e posturas de grupos socioculturais e são umas das responsáveis pela sustentação da identidade e da diversidade léxico-cultural. e com base nelas iniciamos a procura por equivalentes lusitanas e quebequenses.CAPÍTULO VI ANÁLISE DO INVENTÁRIO FINAL Nossa busca por equivalentes teve como ponto de partida as 1451 expressões brasileiras (que serviram de entrada para nosso dicionário) e as 2456 expressões francesas presentes no DEEI. pois se atualizam no discurso. A seguir.

arbitrária a escolha do elemento de comparação. por isso que. que se escolhe o elemento a ser usado nas expressões. É com base na maneira como uma comunidade conceitualiza a realidade. reais e quase universais: no caso de EIs que se referem a um mesmo conceito apresentando elementos lexicais constitutivos semelhantes em mais de uma língua. E para melhor observarmos alguns traços comparativos. ela assimila características próprias do lugar em que é falada e adapta-se. em relação ao binômio língua-cultura. o adjetivo/substantivo usado parece estranho aos falantes de outras comunidades. damos como exemplo a expressão brasileira “dormir sobre os louros”. permite constatar como é. mas também dividem entre eles um conjunto de conceitos. A escolha dos elementos utilizados nas expressões é uma indicação de que língua e cultura estão intimamente ligadas entre si. Todos os sistemas lingüísticos apresentam traços específicos e exclusivos.134 E mesmo tratando-se de uma só língua. como se constroem as diferenças e semelhanças entre as EIs e. o elemento utilizado é outro: “dormir à sombra da bananeira”. fundamentamo-nos em uma lista de evidências: a . Para ilustrar essa condição. assim. Já na expressão portuguesa equivalente. mais nítida será essa percepção. porém a existência de um elo entre o modo de viver de uma sociedade e a língua que ela fala é freqüentemente ignorada. Os idiomatismos confirmam a preexistência de um universo de representações mentais únicas e específicas a cada comunidade lingüística. onde o elemento para se caracterizar onde se descansa é o “louro”. pois o léxico precisa retratar o mundo daquela língua. observamos diferenças notáveis nas expressões idiomáticas e até mesmo no léxico geral.traços objetivos. E quanto mais distantes forem as línguas comparadas. explicar de maneira mais clara os resultados. porque. às vezes. Esse tipo de comparação entre expressões. mais ou menos. com o tempo. .

geografia ou à cultura de uma determinada comunidade. a sua língua e as suas diversas formas de expressividade. reais. como por exemplo a Bíblia. c – traços específicos a uma comunidade lingüística: quando os traços usados referemse à história. e . não podemos negar que a maioria das expressões equivalentes em português europeu é semelhante às expressões brasileiras. e as EIs ilustram essas diferenças. assim como as da França são semelhantes às do Quebec. ao conhecê-los também identificamos melhor o seu povo. que encontramos muitas diferenças entre os idiomatismos. Em tempos de globalização e. nos mais diferentes continentes. O mesmo ocorre com o francês.traços emprestados de um outro tipo universal: tendem a se manter parecidos. tendo ligação direta com a percepção de uma comunidade e que se torna um estereótipo: geralmente. quando estes descrevem as experiências cotidianas. A identidade de uma língua é construída nas diferenças. utilizam elementos lexicais diversos em línguas diferentes.generalização específica de uma língua. Se referentes a um povo. Isso porque a língua portuguesa é uma só. Ressaltamos. Portanto. apesar das singularidades encontradas em cada país em que ela é falada e que a torna mais rica. De um modo geral. que também é falado em diversos países. apesar de referirem-se a um mesmo conceito. mas não universais: quando as EIs. essas idéias são baseadas em uma realidade antiga e que não mais representam a atualidade. porém. conseqüentemente.traços objetivos. d . pois se trata de uma realidade específica. possui uma estrutura única. no entanto. de esvaziamento das . Outro tipo universal muito utilizado para compor expressões idiomáticas é a Mitologia. essas idéias podem tornar-se preconceitos. os lugares. cujas múltiplas formas de expressão e variações a enriquecem. não sendo encontrados em nenhum outro lugar. a identidade de uma nação.135 b . a sua cultura.

Além disso. a seguir. Dessa maneira. E somente uma pequena parte das expressões brasileiras possuía equivalentes portugueses totalmente diferentes. Expressões semelhantes: traços quase universais Começamos nossas considerações pelas expressões semelhantes. observamos que dessa maioria semelhante. 2. pois. utilizamos os termos “expressões brasileiras” e “expressões lusitanas” para nos referirmos à expressões que são usadas nesses países e não que tenham. origem neles. percebemos que a maior parte dos idiomatismos brasileiros também é falada em Portugal. elas podem nos ilustrar alguns aspectos em relação à grafia. Brasil x Portugal Primeiramente. ilustramos.1.136 fronteiras. em nosso trabalho. . essa afirmação da identidade torna-se necessária para resgatar o passado. algumas características encontradas que julgamos interessantes. apesar de parecer que não há muito a ser dito. São essas diferenças que iremos abordar abaixo. necessariamente. uma parte considerável possuía outros equivalentes diferentes nas duas variantes. durante nossa busca pelos equivalentes. gostaríamos de esclarecer que. já que são praticamente iguais. Grosso modo. 2. utilizando os critérios de traços comparativos acima mencionados. à fonética e à gramática dessas duas variantes do português. a história e os valores culturais de um país.

A expressão brasileira “de mãos abanando”. Assim como em expressões que utilizam a preposição a indicando movimento: os brasileiros geralmente usam a preposição em + a/o. Essa diferenciação da grafia entre as variantes do português acabará quando passar a vigorar a proposta da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) de “padronizar” o português escrito. uma vez que no português europeu a letra c ainda permanece em algumas seqüências consonantais interiores. em detrimento ao gerúndio. tem como equivalente em Portugal a EI “de mãos a abanar” ou “com as mãos a abanar”. como em “cair nas costas”. Deve-se ressaltar que as mudanças serão apenas gráficas. Diferenças na acentuação de algumas palavras também são bastante comuns. mais presente na escrita. apesar de não ser sempre pronunciada. Já os . descrevemos EIs semelhantes nos dois países que apresentam pequenas diferenças na grafia e que. das letras p e c nas palavras em que não são pronunciadas (caso das palavras exemplificadas acima). as expressões brasileiras “linha direta” e “fora de ação” encontram em Portugal os equivalentes “linha directa” e “fora de acção”. elas podem ser observadas em expressões que contém o gerúndio. nesta pesquisa. Em segundo lugar. o som é sempre aberto. onde nas sílabas tônicas seguidas de m e n. Entre as mudanças estão a exclusão. Por exemplo. a regra do acento agudo continua valendo em Portugal. no português europeu. Os portugueses preferem o uso do verbo no infinitivo precedido pela preposição a. por exemplo. levam a diferenças fonéticas.137 Em primeiro lugar. assim como a do circunflexo no Brasil. e as pronúncias continuarão as mesmas em cada país. menos utilizado no português europeu do que no brasileiro. que deverá ser totalmente implantada até 2014. quanto às diferenças gramaticais. encontramos somente um caso: “alma gêmea” escreve-se “alma gémea” em Portugal. porém. Em relação aos acentos. conseqüentemente.

deparamo-nos com EIs quase idênticas. Quando procurávamos as EIs brasileiras. . foram feitas várias conjugações para conseguirmos o número mínimo de freqüência e também para observarmos a utilização desses pronomes em vários contextos. colocando o pronome depois como em “atirei-me aos pés de”. mais comum no Brasil (“puxar brasa para sua sardinha”). colocávamos os pronome antes. ainda no campo das expressões semelhantes. se colocou na pele”. mais freqüente no Brasil. porém com uma variação de número. utilizam a preposição a: “pôr às costas”. utiliza o substantivo no plural.780 de “engolir sapos”. e o pronome sempre na 3ª pessoa. como no caso da EI “engolir sapo”. no singular. enquanto em Portugal é mais freqüente usar essa EI com o substantivo no singular “bater a bota”. no plural. especialmente na fala. “encher o olho”. Para as buscas. Porém. são 436 ocorrências para o substantivo no plural contra 686 no singular. o que confirmou os diferentes usos nas duas variantes. pois todos os verbos pronominais do dicionário estão no infinitivo. A expressão “bater as botas”. encontramos a clássica diferença da colocação dos pronomes oblíquos átonos: os brasileiros. que também é mais comum com o substantivo no singular em Portugal. enquanto em Portugal é mais freqüente o uso da preposição a (“puxar brasa à sua sardinha”). nas expressões “atirar-se aos pés de”. os colocam antes do verbo e os portugueses sempre depois. no Brasil. neste trabalho essa diferença não é tão visível.138 lusitanos. colocou-se na pele. por exemplo. O contrário também ocorre. como. já em Portugal a ocorrência é de 835 páginas para “engolir sapo” contra 1. A mesma variação ocorre com a EI brasileira “encher os olhos”. no entanto. Em terceiro lugar. O mesmo ocorre com a preposição para. já para a pesquisa das EIs portuguesas fizemos o contrário. como em “me atirei aos pés de”. “colocar-se na pele” e “dar-se bem”. Além disso.

mas com sentidos diferentes Trata-se de expressões idiomáticas semelhantes. a mudança no verbo não modificou a imagem da expressão ou seu conteúdo conotativo. mas com verbos diferentes. além dessa forma encontrada no Brasil. eles também utilizam a EI “atirar à cara”. em todas as EIs brasileiras que contêm o verbo “botar”. diferenciando-se das EIs faladas em outros países de mesma língua. esses verbos são sinônimos. com certas características específicas no que diz respeito aos traços comparativos e aos universais comparados.2. portanto. Na seqüência abordamos ainda as expressões semelhantes. o seu conceito e os traços permanecem os mesmos. Em Portugal. que significa “objetar algo a alguém”. o que importa para a nossa pesquisa são os significados atuais das EIs e não o seus históricos de mudanças e/ou manutenção dos sentidos. . O mesmo processo de substituição acontece com a expressão brasileira “jogar na cara”.139 Por fim. Geralmente. Por exemplo. a equivalente lusitana da EI brasileira “brigar com unhas e dentes” é “lutar com unhas e dentes”. por isso. ainda em relação aos verbos. Porém. Isso ocorre devido à evolução das EIs juntamente com a língua e. porém. 2. o que não modifica o conteúdo da expressão. encontramos idiomatismos semelhantes. Expressões semelhantes formalmente. podem ser consideradas EIs semelhantes. por terem sofrido outros tipos de influências. E. mas que possuem um sentido diferente em cada continente. podem mudar de sentido no decorrer do tempo. na variante lusitana esse verbo é substituído pelo verbo “colocar” ou “meter”. Nesse caso.

Expressões diferentes: traços não universais Neste subitem demonstramos algumas EIs diferentes no Brasil e em Portugal. o que. inegavelmente. por exemplo. descer de categoria”. pois não há nenhuma EI brasileira equivalente) significa “piorar de situação. e a lusitana (que não é encontrada no nosso inventário. ao contrário do Brasil onde ele significa “aquilo que é mais relevante em um assunto”. 2. Os brasileiros utilizam-na com o sentido de “deixar transparecer algo” e também de “esbofetear alguém”. ele traduz mais fielmente o conceito bíblico de ser “o início e o fim de algo”. trouxe mudanças à língua portuguesa. Portugal. Em Portugal. E para finalizar. deveria ter um significado semelhante. que já era habitado antes dos portugueses . Cada nação teve a sua história e sofreu influências diversas. Já a EI “passar de pato para ganso” possui apenas um significado em cada variante: expressão brasileira significa “mudar de um assunto para outro”.140 A EI “dar na cara” exemplifica bem um idiomatismo com mais de um significado. mas os lusitanos só a utilizam com o sentido de “esbofetear”. que indicam a “ruptura” da língua portuguesa em duas variantes: a variante brasileira e a variante lusa. Essa divisão é totalmente compreensível. mas que não ocorre neste caso. O Brasil. o caso do idiomatismo “o alfa e o ômega”. por ter sido uma grande potência marítima no século XVI e porta de saída da Europa para as Américas. teve contato com as mais diferentes culturas. que nem sempre são os mesmos nas duas variantes.3. que remete a uma passagem da Bíblia e. portanto. como perder um cargo numa empresa. se levarmos em consideração a predisposição de transformação da língua e o trajeto percorrido por ela nesses dois países.

e que não são utilizadas no Brasil: “dar o berro”. E. Porém. o verbo “dar” e o substantivo “horas” constroem a imagem em cima do tempo que uma pessoa já está sem comer. “ir para o maneta” e “ir para os anjinhos”. No caso da EI brasileira. a EI brasileira “entender do riscado”. é “estar com a barriga a dar horas”. atentamos para a ocorrência de EIs que mantêm um léxico parcialmente parecido. e que em português europeu fala-se “saber da poda”. pois as outras lexias que a acompanham ajudam a causar uma divergência de imagens. o verbo “roncar” faz alusão a uma reação do organismo à fome. . recebeu. e. para indicar um mesmo conceito. Esta última parece relacionar-se com a expressão brasileira “ir para o céu”. geralmente usada para explicar a morte para uma criança. uma imensa quantidade de imigrantes dos mais variados países. nos dois países falantes do português. Nas EIs referentes à morte. por exemplo. Como. também observamos a existência de algumas diferenças: em Portugal encontramos três expressões que significam “morrer”. Desse modo. mas isso não é o suficiente para que criem uma mesma imagem. Os dois possuem a lexia “barriga”. Portanto. o equivalente lusitano do idiomatismo brasileiro “estar com a barriga roncando”. durante quase três séculos. que significa “ser competente em certo domínio”. é compreensível que haja idiomatismos diferentes. “esticar o pernil” e “ir desta para melhor”. Por exemplo. que indica “estar com muita fome”. na EI portuguesa. para finalizar. existem três equivalentes iguais nas duas variantes do português: “bater as botas”. mas que expressam imagens diferentes sobre o mesmo conceito.141 chegarem. seria impossível uma língua resistir a essas influências sem nenhuma mudança.

Por isso. que seria o mesmo que “passar grandes dificuldades” ou. geográficos. ou seja. “comer o pão que o diabo amassou”. quando alguma coisa saiu errada. para os lusitanos é “amigo de Peniche”. aquele que trai os amigos. os portugueses “estão com os azeites”. Durante esta pesquisa. . muito bem representada pelos idiomatismos. preservam e ilustram uma história que vai além do sentido idiomático. Esses exemplos nos mostram a riqueza da língua portuguesa e da cultura lusitana. deparamo-nos com expressões bastante curiosas que remetem à cultura portuguesa e que se utilizam de fatos históricos. Elas carregam consigo as características de uma comunidade lingüística que as diferem das outras. valem-se de referências geográficas e históricas lusitanas. as expressões idiomáticas de uma língua refletem a identidade de um povo. que. usam-se as EIs “ser mais velho que a Sé de Braga” ou “ser do tempo dos Afonsinhos”. E a EI brasileira “amigo da onça”. como se diz no Brasil. Expressões diferentes: traços específicos Como já dito anteriormente.4. quando não estão para brincadeira vão logo dizendo para “ir chatear Camões” ou mandam “ir abaixo de Braga”. somente em Portugal iremos escutar a expressão “passar as passas do Algarve”. assim como. mas em Portugal ela “ficou em águas de bacalhau”. Esses elementos são fundamentais para a construção de uma imagem e para a identificação da população com o idiomatismo em questão. ela “deu com os burros n’água”. E quando estão chateados.142 2. enquanto utilizamos no Brasil os equivalentes “ir catar coquinho” e “mandar às favas”. Para caracterizar algo muito antigo. claramente. No Brasil. em Portugal. políticos e sociais de Portugal para tomarem forma.

já que cada um deles vinha de uma província francesa diferente e. desde 1977.143 3. . Contudo. em detrimento ao francês dos escritores e filósofos. escolheu-se o dialeto mais prestigiado. o Quebec encontrou-se privado do contato com a França e deparou-se com a sua língua tendo de evoluir por ela mesma. França x Canadá A França e o Quebec possuem muitas características em comum: dividem a mesma língua. E então. E para entender melhor o caminho percorrido pelo francês falado no Quebec descrevemos um pouco de sua história. que foi decisiva para moldá-lo. O francês. Quando os primeiros colonos franceses chegaram ao Canadá (nomeado inicialmente de Nouvelle-France. após a conquista britânica em 1759. Porém. ou seja. sem influência da matriz e alimentada somente pelo falar dos colonos franceses. “Nova-França”). defendem a francofonia e a diversidade cultural. o francês quebequense começou a criar uma identidade própria e a acrescentar diversas particularidades ao seu modo de se expressar. no Canadá. além de ambos terem sido terras de imigração e caracterizarem-se pela diversidade étnica. aquele falado pelo rei (o françois). é considerado a língua oficial do Canadá. falavam dialetos diferentes. por ser a maioria dos colonos da região da Normandia. somente o francês é considerado a língua oficial na região do Quebec. sendo que 5 milhões deles vivem na região do Quebec. portanto. logo perceberam a necessidade de se comunicarem em uma língua comum. juntamente com o inglês. Além disso. Existem hoje. cerca de 6 milhões de francófonos. mesmo em regiões onde não é maioria. Desse modo. o dialeto falado por lá também teve muita influência na composição do “novo” francês.

da mesma forma como fizemos com o português europeu e o brasileiro. na época. Lembramos também que quando nos referimos a expressões quebequenses. Entretanto. 3.144 Houve. retrato do francês que continuou sendo utilizado por aquela região e que não acompanhou as evoluções do francês da França. Por um lado. com o tempo. observamos que a maioria das EIs do Quebec é a mesma utilizada na França. principalmente) e a sua língua. uma resistência muito grande ao contato com os ingleses e. considerando os resultados obtidos na pesquisa das variantes portuguesas. essa tentativa foi bem sucedida. descrevemos abaixo algumas características dessas duas variantes do francês. ao fato de serem utilizadas no Quebec. que trata exclusivamente da questão lingüística do Quebec. além de terem permanecido muitos arcaísmos e regionalismos. e que a quantidade de EIs semelhantes entre as variantes do francês é maior do que entre as variantes do português. conseqüentemente. os colonos franceses fecharam-se entre si na tentativa de proteger seus costumes (a religião. por outro lado. não estamos nos referindo às suas origens. que é uma tendência mundial. e mantém-se firme no propósito de proteger e expandir sua identidade lingüística e. o Quebec luta contra a dominação da anglofonia. Conhecida a formação do francês quebequense. sim. pois conseguiram manter o francês como uma das línguas faladas no Canadá. Ainda hoje. foi inevitável a influência do inglês em seu vocabulário. para atingir esse propósito. mas. criou até uma comissão (Commission Gendron).1. . Expressões semelhantes: traços quase universais Como já era esperado.

A região francesa. Outra pequena diferença encontrada nas EIs semelhantes é o uso de verbos sinônimos. “só se preocupar com o que lhe diz respeito”.2. que significa “não encontrar a pessoa com quem se quer falar” (“bater com a cara na porta”). e que no Quebec é mais freqüente cogner [se] le nez à la porte. Entre as EIs semelhantes. os franceses da região do Quebec foram obrigados a lutar pela sobrevivência de sua cultura no país. Acrescentamos ainda a EI francesa occuper [s’] de ses oignons. o francês quebequense permaneceu fechado as influências de outras línguas e culturas. a variação de número. os costumes e a religião. como na expressão francesa casser [se] le nez à la porte. . existem as que apresentam apenas uma pequena diferença entre si. o que incluía a língua. por exemplo.145 Talvez isso se deva as inúmeras medidas de proteção ao francês no Quebec e ao fato de que. Caso da EI francesa afficher la couleur (equivalente à “abrir o jogo”. pois os ingleses eram em sua maioria protestantes e os franceses católicos. durante muito tempo. 3. em português). então encurralada por uma cultura em franca ascensão. após a conquista do Canadá pelos ingleses. tentou fechar-se em si mesma para evitar o seu desaparecimento. que no francês quebequense também diz-se mêler [se] de ses oignons e que equivale à EI brasileira “cuidar de sua vida”. como. ou seja. O mesmo ocorre com a EI francesa ouvrir l’oeil (“abrir os olhos” no português brasileiro). Expressões diferentes: traços não universais Como explicamos anteriormente. mas que não alteram o conceito e a imagem dos idiomatismos. também mais freqüente no plural na variante quebequense ouvrir les yeux. e que no Quebec é muito mais freqüente no plural: afficher les couleurs.

pois a cultura e língua francesas resistiram bravamente ao domínio anglófono. na manutenção de palavras arcaicas e na pronúncia de alguns fonemas. como a quebequense avoir les bleus. o domínio lingüístico vem acompanhado.146 Essa medida de “isolamento” conseguiu atingir seu objetivo principal. o francês falado no Quebec teve de evoluir sozinho por mais de 250 anos. Em contrapartida. Além disso. que são empréstimos de locuções fixas ou de imagens próprias do inglês. Dessa maneira. traduzida da inglesa to have the blues (equivalentes à “estar na fossa”). onde a palavra cash substitui a palavra argent comptant. São considerados anglicismos fraseológicos desde expressões inteiras. tratamos apenas dos anglicismos fraseológicos. a palavra inglesa trap transformou-se em trappe no francês . Esses empréstimos lingüísticos são bastante comuns quando duas línguas estão em contato. longe da França. a língua que empresta mais (no caso. Por exemplo. utilizada na expressão francesa prendre pour argent comptant. o desligamento forçado com a França e a inevitável influência inglesa deixaram suas marcas no francês quebequense. Também são consideradas anglicismos expressões em que uma palavra inglesa é adaptada ao francês. emprestada do francês antigo. de um domínio cultural. geralmente. longe de Paris. é absolutamente normal que tenha percorrido um caminho diferente do francês europeu. expressão ou construção própria da língua inglesa emprestada à outra língua. traduzidas literalmente. a inglesa) é aquela que possui um domínio maior do que a língua que toma emprestado. até expressões com apenas uma palavra inglesa: a EI quebequense prendre pour du cash (“ter como líquido e certo”). Portanto. lutando pela sua sobrevivência. O anglicismo é uma palavra. porém. na maioria das vezes. Nesta dissertação. que podem ser notadas no grande número de anglicismos incorporado pela língua. econômico e político.

ainda no campo dos idiomatismos completamente diferentes nas duas variantes francesas. E. Durante o século XIX. que no Quebec é nuit sur la corde à linge. que significa “estar muito bem”. Outro exemplo é a EI francesa nuit blanche. o verbo mouiller ainda é utilizado como sinônimo de pleuvoir (chover. equivalente à ouvrir la bouche no francês da França. considerados revolucionários demais. seja no tempo (arcaísmos) ou no espaço (regionalismos) e fizeram com que a região do Quebec guardasse algumas palavras que desapareceram completamente na França ou que conservaram seu uso apenas em algumas regiões. A EI quebequense equivalente à brasileira “chover a cântaros” (que significa “chover muito”) pode ser tanto mouiller à boire debout quanto pleuvoir à boire debout. impediam a divulgação de uma literatura não-religiosa ou mais “avançada”. Na França. no Quebec. Os arcaísmos e regionalismos remanescentes no francês quebequense são resultado do isolamento canadense. em português). que não se parece em nada com sua equivalente francesa baigner dans l’huile. As duas são equivalentes da EI brasileira “ir às mil maravilhas”. Do mesmo modo que as EIs francesas equivalentes à EI brasileira “ir direto ao ponto” também são diferentes nos dois países: diferem a francesa ne pas aller par quatre chemins da quebequense arrêter de tataouiner . Essas particularidades chamam atenção para o afastamento em relação ao francês comum. que acabou por fixar palavras e construções que caíram em desuso ou que eram muito provincianas para os locutores parisienses. assim. Assim. e é utilizada na expressão ouvrir la trappe (“abrir a boca”. ambas são freqüentes. e. passar a noite acordado. em português).147 do Quebec. equivalente da brasileira “noite em claro”. no entanto. a chegada maciça de religiosos determinou uma conduta diferente da dos franceses. utilizase somente o verbo pleuvoir: pleuvoir à seau ou pleuvoir à verse. ou seja. citamos a EI quebequense marcher comme sur des roulettes.

já que a sua nomenclatura parte do português do Brasil para as demais línguas. exemplificadas logo abaixo. eles dizem tomber des peaux de lièvre (algo como “cair peles de lebre”). Se ocorrer de uma pessoa estar mal vestida para enfrentar o frio rigoroso.148 3. o quebequense a aconselha: baisse ta jupe les gambes te gèlent (“abaixe tua saia que tuas . formando uma camada branca no chão. No entanto. Ilustrando uma situação bastante comum para os canadenses. utilizada para qualificar alguém com grande experiência em um assunto. história ou à cultura local. consideramos importante mencioná-las. não possuem equivalentes no português (e talvez em nenhuma outra língua). E para uma melhor compreensão desses idiomatismos. Iniciamos pelas expressões sobre a neve. E quando a neve está escorregadia a EI é la glace est coulant (“a neve está derretendo”). pois refletem uma realidade única do Canadá. Esses exemplos. também encontramos nas EIs quebequenses. “ele já viu nevar”). todavia. entre parênteses. muitas EIs do Quebec fazem referência ao frio. Quando a neve cai em flocos grossos. Essas EIs. para que se tenha uma noção da imagem pretendida pela EI. presente durante boa parte do ano na vida dos canadenses. E da mesma maneira que observamos nas EIs lusitanas idiomatismos exclusivos referentes à geografia. à neve e à chuva. não são encontrados em nosso inventário. explicamos os seus significados e os traduzimos literalmente.3. Dentre as EIs referentes à neve. Expressões diferentes: traços específicos A combinação vocabulário arcaico e regional. observamos uma bem peculiar: il a déjà vu neiger (traduzindo literalmente. Essa EI teria como equivalente brasileira a EI “macaco velho”. anglicismos e a prática comum de inventar termos novos para não utilizar palavras inglesas contribuíram para a criação de uma identidade própria do francês do Quebec.

No quesito embriaguês. ele poder estar saoul comme une botte. ou seja. notamos que o coelho é um animal presente nas quebequenses. Quando um quebequense está muito bêbado. No Quebec. E para dizer que algo foi feito rapidamente ou “em dois tempos”. ou “bêbado como um gambá”. uma raça próxima ao coelho. uma crença popular do Canadá diz para mettre le chapelet sur la corde à linge ou “colocar o terço num varal”.149 pernas estão congelando”). E no caso de esperar que faça um tempo bom. saoul comme un cochon ou plein comme un boudin. Além dessa citada. também utiliza o coelho: poser un lapin (sendo essa EI também utilizada na França). E para completar os exemplos de EIs do Quebec. inclusive já tendo aparecido em um exemplo acima. é “levado no bico”. em que citamos a lebre. 4. Francês x Português Se é possível encontrar diferenças em uma mesma língua falada em dois países distintos. a EI do Quebec equivalente à brasileira “dar o bolo”. faltar a um compromisso já marcado. Para caracterizar um quebequense por “estar mamado” (estar bêbado) existem ainda três opções: être pacté. As EIs se fait passer un Québec ou se fait passer un sapin são utilizadas quando um quebequense deixa-se enganar por alguém. faladas em quatro . os equivalentes de “encher a cara” (beber muito) são prendre une brosse e péter la balloune. être chaud ou être saoul mort. No campo da moda. ou seja. no Quebec. diz-se no Quebec en criant lapin. ele está habillé comme la chienne à Jacques (“vestido como a cachorra de Jacques”). se alguém está mal vestido. são vários os idiomatismos para indicar o estado alcoólico de uma pessoa. não é de se admirar o contraste que existe entre duas línguas.

normalmente. não possui uma EI semelhante no francês tanto da França quanto do Canadá. A expressão “fruto proibido”. e nos remete à tentação sofrida por Adão no Éden. por exemplo. se mostra mais cobiçada e tentadora”. são traduzidos. As EIs do português do Brasil e de Portugal. Neste subcapítulo. pois envolvem um outro tipo universal definido e que é passado de geração para geração. por ser proibida. discutimos não apenas as diferenças entre as EIs do português e do francês e suas quatro culturas envolvidas. o contato com outras civilizações. que significa “resignação extrema”. 4. No entanto. adaptando-se à fonética de cada língua. As equivalentes à essa EI no . Já a expressão “paciência de Jó”. a miscigenação cultural e a história de cada país acabam as afastando. o que dificilmente as farão mudar de significado ou desaparecer completamente. Lembrando que os nomes bíblicos. Especificamente. Expressões semelhantes: traços emprestados de outra cultura Os idiomatismos relacionados à Bíblia tendem a permanecer iguais (mesmo traço comparativo). em relação a essas línguas.1. significa “qualquer coisa que. mas também as suas semelhanças. O mesmo ocorre com a EI “ser como São Tomé”. então. Essa EI mantém a imagem do fruto nas duas línguas: “fruto proibido” nas duas variantes do português e fruit défendu nas duas variantes do francês. criando as previsíveis diferenças.150 países. a origem (o latim) é o principal fator que as aproxima e promove as semelhanças. que quer dizer “não acreditar em algo antes de ver as provas”. pois na Bíblia está escrito que São Tomé só acreditaria na existência de Deus se visse Jesus. seguem iguais e as francesas também: être comme Saint Thomas.

essa EI possui mais duas variantes: “paciência de Jó”. uma busca”. vulnerável”. possuem a mesma imagem. portanto podemos dizer que algumas EIs são quase que traduções literais do latim. A EI “abrir fogo”. muitas delas base para a cultura grega. que em várias línguas representa “aquilo que orienta uma conduta. que logo chegaremos a uma resposta: refere-se a um “ponto fraco. o que podemos deduzir que seja uma das traduções do nome Jó. outro tipo de universal presente nas EIs é a mitologia. por exemplo. ainda hoje. como no Brasil. em francês. ou seja. Com suas histórias peculiares. etc. No próximo item.151 francês é patience d’ange (“paciência de anjo” seria a tradução literal) e aproximam-se apenas de uma das equivalentes lusitanas: “paciência de santo”. assim como as histórias da Bíblia. nunca serão esquecidas. A título de curiosidade o nome Job também é utilizado na expressão espanhola (paciência de Job) e na inglesa (patience of Job). 4. a mitologia é um campo que. estruturas gramaticais e sintáticas parecidas. o francês e o português possuem muitas características em comum: radicais de palavras. Assim como o “fio de Ariadne”. no francês fil d’Ariane. Expressões semelhantes: traços quase universais Por serem heranças do latim. além de partilharem várias expressões idiomáticas. Em Portugal. Pergunte a qualquer pessoa sobre o “calcanhar de Aquiles” ou talon d’Achille. desperta interesse e que. utilizam os mesmos elementos de comparação. que . continuamos com as comparações das semelhanças das duas línguas e suas variantes. Muitos idiomatismos vieram da língua latina e se adaptaram às novas línguas que foram surgindo a partir dela. e “paciência de Job”. Além da Bíblia.2.

notamos uma relação muito interessante entre as EIs de Portugal e as da França. e que em Portugal fala-se “entre duas águas”. que foi encontrada a partir da tradução da EI francesa naître sous une (bonne) étoile. sem se engajar de fato nem em um nem em outro. Também resaltamos o caso da EI do Brasil “com os pés em duas canoas”. no francês é ouvrir le feu. São inúmeros os casos de EIs semelhantes nessas duas línguas. que utilizam a mesma imagem (a de uma parede com ouvidos) para remeter à possibilidade de alguém ouvir um segredo. Em algumas ocasiões. Expressões diferentes: traços não universais Em capítulos anteriores. Durante nossas buscas por equivalentes lusitanos. detalhamos alguns dos motivos para as diferenças entre as EIs das duas línguas e o por que das visões de mundo de cada país e suas variantes .152 significa “começar a atirar”. assim como na França diz-se entre deux eaux. esse procedimento mostrou-se muito útil. traduzíamos literalmente a EI francesa e procurávamos no site português.3. afinal possuem uma relação de “parentesco” que não pode ser ignorada. estar entre dois partidos opostos. ou seja. que em Portugal diz-se “voar com a próprias asas”. muito mais próxima da EI francesa voler de ses propres ailes. Assim como “as paredes têm ouvidos” e sua equivalente em francês les murs ont des oreilles. Além disso. como no caso da EI brasileira “andar com as próprias pernas”. quando não os encontrávamos partindo das EIs brasileiras. provavelmente devido à proximidade geográfica entre os dois países. equivalente lusitana da EI brasileira “nascer virado para lua”. 4. O mesmo foi feito com a EI “nascer sob uma boa estrela”.

alguns exemplos dessas EIs. e na França. que acabam utilizando a imagem que um país tem de outro para caracterizar algo. a cor escolhida é o rosa. 4. Expressões diferentes: estereótipos É comum encontrarmos estereótipos na construção das EIs. no Quebec. voir tout rose. Quando retomamos um assunto inicial após uma digressão. que significa “pessoa muito feia”. brasileiros e lusitanos dizem “voltar à vaca fria”. Como na EI brasileira e lusitana “sair à francesa”. Ainda no campo dos animais. que significa “retirar-se discreta e rapidamente para fugir de alguém ou escapar a alguma coisa”. “ver tudo cor-de-rosa”. porém. Porém. Apresentamos.153 determinarem as imagens e os traços comparativos diferentes.4. Essa EI. ela adquiriu um sentido negativo. é “feio como um bode”. os equivalentes da EI brasileira “feio de doer”. . quando uma pessoa saía de uma reunião ou festa sem incomodar os outros. com o tempo. utilizam-se da imagem de diversos animais para a caracterização: em Portugal. a mesma cor utilizada em Portugal. sem ter que fazer alguma cerimônia. “feio como um macaco”). Já no francês. laid comme un singe (literalmente. que na França e no Quebec é filer à l’anglaise (a tradução literal seria “sair à inglesa”). A EI brasileira para caracterizar uma pessoa que vê apenas os aspectos positivos das coisas é “ver tudo azul”. então. para representar essa imagem: retourner (revenir) à ses moutons. anteriormente possuía um sentido positivo. os franceses e os quebequenses valem-se de outro animal. o carneiro. laid comme un pou (“feio como um piolho”).

principalmente. descrever com mais detalhes o que foi observado durante toda a pesquisa. por meio de alguns exemplos. Passemos adiante às considerações finais. além de demonstrar os resultados a que chegamos. sobre o que é difícil ou complicado. então. Esse capítulo teve. é chinês (“isso é chinês” / c'est chinois) e para os quebequenses é hebreu (c'est hebreu). No francês mantém-se a mesma imagem e o equivalente é praticamente uma tradução quase literal: perdre son (le) latin. . e que significa “desperdiçar tempo”. já para os portugueses. assim como para os franceses. como principal objetivo. encontrada em Portugal.154 Observamos também que cada língua projeta uma imagem sobre um conceito abstrato. por exemplo. E um exemplo de que os estereótipos também podem ser compartilhados por mais de uma língua é o da EI “perder seu latim”. Para os brasileiros algo muito complexo parece grego (“isso é grego”). nas buscas por equivalentes.

No entanto. no ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras (e também da materna). Acrescentamos também que a produção de dicionários por uma comunidade lingüística reflete o prestígio de uma nação: quanto mais dicionários. as EIs ainda não contam com muita exclusividade quando o assunto é dicionários. ou em traduções. mas de dispensar a elas um tratamento mais cuidadoso e abrangente. todo estudo sobre a civilização de um povo. apesar de toda a importância que exercem na identidade lingüística de um país. elas estão perdidas em dicionários gerais ou têm de dividir espaços com outros fraseologismos em dicionários (especiais) de ”expressões” ou “gírias”. o que nos dicionários de língua gerais já é inviável pelo número de idiomatismos existentes. Geralmente. Por esses motivos. Os modelos sociais e culturais refletem-se nas estruturas das línguas. nossa pesquisa procurou trazer uma colaboração para a Lexicografia e chamou a atenção para a necessidade de não somente incluir as EIs nos dicionários. o que é possível somente em dicionários especiais. é também um estudo sobre a linguagem humana e o sistema lingüístico.CONSIDERAÇÕES FINAIS As EIs podem ser utilizadas como forma de reconhecimento de visões de mundo de grupos lingüísticos diferentes. pois expressam as experiências pessoais de uma maneira peculiar. termos utilizados sem critérios científicos. maior o prestígio. Os idiomatismos são indispensáveis para a comunicação entre as pessoas. o modo de pensar e de ver o mundo dos indivíduos. em qualquer forma. por isso. Portanto. devem ser tratados com a devida relevância em pesquisas lingüísticas. além de revelar as identidades. Isso .

Situação um tanto diversa ocorre em relação aos dicionários específicos quebequenses. atentamos ainda para o fato de que se os dicionários monolíngües especiais são escassos. há uma mistura (algumas vezes conscientes. Desse modo. demonstrando mais uma vez a importância dos estudos lexicográficos. Seria.15 156 6 acontece. quanto os de pessoas comuns interessadas no assunto). feitos com extremo rigor. pois requerem um trabalho muito maior. o que reforça a importância desta nossa pesquisa. pode esclarecer nossa dificuldade em encontrar dicionários especiais de idiomatismos lusitanos e brasileiros. não só . em ambos os contextos de produção lexicográfica especial. de extrema valia que mais estudos sobres as EIs do português do Brasil e de Portugal fossem realizados e mais dicionários produzidos. Entretanto. além de serem raros os estudos sobre as diferenças das EIs nas duas variantes do português. sem um critério muito claro para as escolhas. assim como os sites quebequenses sobre EIs (tanto os de universidades. Por outro lado. os bilíngües são bem mais. sem distingüi-los. idiomatismo. Nos dicionários bilíngües especiais as entradas precisam ser mais precisas e explicativas e não somente parafrásicas. que é o maior patrimônio cultural de um povo. E a respeito dos dicionários contrastivos entre os dois franceses. colocando-os de forma aleatória. outras não) de diversos tipos de fraseologismos. pois. Em relação especificamente à perspectiva contrastiva. ainda são poucos. gíria. um grande interesse por parte dos falantes em relação a esse assunto foi observado por meio de sites que tratam das diferenças entre os vocabulários dos dois países. portanto. Essa afirmação. mas sem uma distinção clara entre palavra. os dicionários especiais bilíngües impressos deveriam aproveitar a menor restrição que têm para o espaço dos verbetes. que são muito numerosos. então. os dicionários englobam o léxico.

15 157 7 para incluir os significados das entradas, mas também os níveis de linguagem e os contextos em que as EIs são utilizadas, por meio de exemplos, para facilitar o uso. Acreditamos, por fim, que o uso de dicionários fraseológicos tornou-se indispensável no aprendizado da língua materna e/ou estrangeira para iniciantes e até para falantes nativos, assim como é uma ferramenta de trabalho muito importante para tradutores e especialistas da língua, pois as EIs estão presentes em grande quantidade, e ao conseguir assimilá-las, conseguimos também aprender um pouco mais sobre a cultura, sobre a história e sobre o modo de viver de uma comunidade lingüística. Por isso acreditamos que uma das contribuições dessa pesquisa tenha sido o estudo sobre as línguas e culturas pesquisadas, ao enfatizar que as diferenças entre países e culturas devem ser cada vez mais valorizadas, reforçando suas identidades e particularidades e evitando o efeito padronizador da globalização.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALVAREZ, M. L. O. Expressões idiomáticas do português do Brasil e do espanhol de Cuba: estudo contrastivo e implicações para o ensino do português como língua estrangeira. Campinas: 2000. Tese (Doutorado em Lingüística Aplicada: Ensino e Aprendizagem de segunda língua e Língua Estrangeira) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. BALLY, C. Traité de stylistique française. Genève: Librairie George, 1951. BÁRDOSI, N. Problèmes posés par le traitement lexicographique des figés dans les dictionnaires français. Fremdsprachen Lehren und Lernen, n. 21, p. 104-116, 1992. BÉJOINT, H.; THOIRON, P. (Org.). Les dictionnaires bilingues. Louvain: Duculot, 1996. BERBER SARDINHA, T. Lingüística de corpus. Barueri, SP: Manole, 2004. BERNET, C.; RÉZEAU, P. Dictionnaire du français parlé. Le monde des expressions familières. Paris: Seuil, 1989. BERTRÁN, A. P.; MENA, E. M. I. Fraseología y Metáfora: aspectos tipológicos y cognitivos. Ed. Gramada Lingüística, 2002. BIDERMAN, M. T. C. O vocabulário da língua e dicionários. [s.l.: s.n.], 1992. BIDERMAN, M. T. C. Os dicionários na contemporaneidade: arquitetura, métodos e técnicas. In: ISQUERDO, A. P.; OLIVEIRA, A. M. P. (eds.) As ciências do léxico – Lexicologia, Lexicografia e Terminologia. Campo Grande, ed. UFMS, 1998, p. 129- 143. BIDERMAN, M. T. C. Teoria lingüística: teoria lexical e lingüística computacional. 2. ed. São Paulo, Martins Fontes, 2001. BLANCO, X. Lexicographie bilingue (français – espagnol) et traduction: l'exemplo. Meta. Montréal, v. 42, n. 2, p. 134-141, 1997.

15 159 9 BOOGARDS, P. Les informations collocationnelles dans les dictionnaires. Revue de Linguistique Appliqué, v. 2, p. 31-42, 1997. BOULANGER, J-C. Lexicographie générale: Notes de cours. Brasília, UnB, 1995. CARVALHO, N. Empréstimos Lingüísticos. São Paulo: Ática, 1989. ČERMÁK, F. Substance of idioms: perennial problems, lack of data or theory? International Journal of Lexicography, n. 14, p. 1-20, 2001. COLSON, J.-P.; GRANGER, S.; BEHEYDT, L. (eds.). Linguistique contrastive et traduction / Constrastive linguistics and translation. Le Langage et l’Homme (Numéro spécial), v. 34, n.1. Leuven: Peeters, 1999, 178p. COLSON, J.-P. Het is wanneer je doet waarvan je houdt dat je leert: Over het nut van contrastieve fraseologie in het vreemdetalenonderwijs. In: L. Beheydt, P. Godin, A. Neven, B. Lamiroy, W. Van Belle, J. van der Horst & W. Van Langendonck (red.), Contrastief onderzoek Nederlands-Frans / Recherches contrastives néerlandais-français. Bibliothèque des Cahiers de l'Institut de Linguistique de Louvain 108. Louvain-la-Neuve: Peeters, 2001, p. 35-49. COLSON, J-P. Corpus linguistics and phraseological statistics: a few hypotheses and examples. In: BURGER, H., HÄCHI BUHOFER, A., GRÉCIANO, G. (eds.). Flut von texten - vielfalt der kulturen. Ascona 2001 zu Methodologie und kulturspezifik der phraseologie. Baltmannsweiler: Schneider Verlag Hohengehren, p. 47-59, 2003. COLSON, J-P. The World Wide Web as a corpus for set phrases. In: BURGER, H., DOBROVOL’SKIJ, D., KÜHN, P., NORRICK, N. (eds.). Phraseologie / Phraseology. Berlin, New York: Mouton de Gruyter, p. 1071-1077, 2007. COWIE, A. P. Phraseology: theory, analysis and applications. Oxford: Clarenton, 1998. DARBELNET, J. Dictionnaires bilingues et lexicologie différentielle. Langages, v.19, p. 92102, 1970.

13. G. Les expressions figées en français: noms composés et autres locutions. Nature et valeur de la traduction dans les dictionnaires bilingues. VAN GENT.com/searchengines/sh04/slides/greffen. Acesso em 01/03/2007. EVANS. H. Proc. Paris: Hachette. La culture partagée: une monnaie d’échange interculturelle. A frequency dictionary of Portuguese words. p. São Paulo: Cultrix. GREIMAS. A. 56-57. n..pdf>. 2005.Disponível em: <http://funredes.246. D. Revista de Estudos da Linguagem. P. C. p. GREFENSTETTE. et al. Cahiers de Lexicologie. J. XATARA. RIAO 2000. J. Content-Based Multimedia Information Access.. VOSSEN. Paris: Ophrys. R. 1996. Dissertation. <http://www. pages 237. J. GROSS. Dicionário de Semiótica. La lexicografía: de la lexicografía teórica a la lexicografia práctica.infonortics. p.infonortics.htm>. G. DUVAL. DURAN. C. GALISSON. . Estimation of the volume of English and non English words available on the www. Observatorio de diversidad lingüistica y cultural en la Internet. Dicionários semibilíngües: uma inovação?. 1979. A. FUNREDES. HAENSCH. GREFENSTETTE. 1972.. 2004. J. Acesso em: 01/01/2004. Le français dans le monde: recherches et applications. v. 113117. 1989. A. GREFENSTETTE. 45-57. NIOCHE. M. In: IBRAHIM.. G. 27-33. Madri: Gredos.. & COURTÉS.org/lc/espanol/medidas/sintesis. G.. 1982. S.16 160 0 DUNCAN JR. Stanford University. 2000. M.com/searchengines/sh04/04/pro. The multi-lingual web. Estimation of english and non-english language use on the www. 1990. Disponível em: <http://www.html>. J. G.

M. 1994. ed. Actes du XVIIIe Congrès International de Linguistique et de Philologie Romanes. RENOUF. p. LOFFLER-LAURIAN. A. Volume 29.). Oxford: Clarendon.61-75. ODIJK.. A.L.. 18. Tentative de systématisation en lexicographie bilingue malgré les limites de la sémantique. L. Trier.. Number 3. J. portugais et finnois. M.. A proposed Standard for the lexical representation of idioms.T. A. Lexicografia e Terminologia. KRIEGER. KLARE. Proceedings of 11th EURALEX International Congress. A. A Lexicologia como ponto de encontro entre a Gramática e a Semântica. A. I.1. 1995. 2004. J.: review of applied linguistics. . 19-30. Introduction à la lexicologie explicative et combinatoire. L. P. G. In: ATKINS. Campo Grande. n. Louvain-la-Neuve: Ducolot. (eds. GREFENSTETTE. R. TUKIA.) As ciências do léxico – Lexicologia. MESSELAAR.. Leuven. 1989. In: Proceedings of the WWW 2002. 1979.. Honolulu. Computational approaches to the lexicon. KEHOE. 113-33. Tübigen: Niemeyer. In: Computational Linguistics. ZAMPOLLI. Lorient: Université Bretagne-Sud..16 161 1 GROSS. MEL’CHUK. T.. PINHEIRO LOBATO. MOON. UFMS. POLGUÈRE. A. WebCorp: Applying the Web to Linguistics and Linguistics to the Web. Cahiers de Lexicologie.. Le statut des phraséolexemes dans le cadre d'une lexicologie et d'une lexicographie moderne. 1986. n. p.34..79-80. Pour un étude contrastive des lexies complexes: cas particulier des lexies à chiffres en français. 2004. G. CLAS. 153-164. A. (eds. Fixed expressions and idioms in English. M. LORENTE. Constructing Lexicon-grammars. I. p. S. 2004. v. 2002.333-348. p . M. p. 1988. In: ISQUERDO. 1998. p. M. Oxford: Oxford Université Press. n. volume II. B. A.178-187. P. In: International Congress of Romance Linguistics and Philology. Web as Corpus. KILGARIFF. A.

Intérêt et ses dérivés au croisement de divers réseaux lexico-sémantiques..16 162 2 PICOCHE. J. RIVA. 1971. RODRIGUES. Évora: Universidade de Évora. n. C. Revista Brasileira de Lingüística Aplicada. B. Lingüistique générale: théorie et description. C. RIOS. p.2. 1998.103. REY-DEBOVE. v. J. M. Idiomatismos português-francês-espanhol com nomes de partes do corpo humano. São José do Rio Preto. 1994. Paris: Klincksteck. RONCOLATTO. RIOS. p. RIVA. São José do Rio Preto. M. C. São Paulo: Editora UNESP. 187f. classificação e equivalências. 2. 2000. E. C. H. 2002.Instituto de Biociência. Mouton. Paris: Colin. n. Tese (Doutorado em Letras: Filologia e Lingüística Portuguesa). Expressões idiomáticas do português do Brasil e do espanhol da Colômbia: análise. . 187f. Faculdade de Ciências e Letras. 1990. Étude linguistique et sémiotique des dictionnaires français contemporains. H. Encontro da Associação das Universidades de Língua Portuguesa. Análise sintáctica de expressões idiomáticas: formas comparativas. Proposta de dicionário onomasiológico de expressões idiomáticas. Universidade Estadual Paulista. REY-DEBOVE. J. The Hague/Paris. São José do Rio Preto: 2004. p. RANCHHOD. C. H. Dissertação (Mestrado em Estudos Lingüísticos: Análise Lingüística) – Instituto de Biociência. T. Letras e Ciências Exatas – Universidade Estadual Paulista.91-114. C. E. 2001. Actas. H.2.23-31. 1974. São José do Rio Preto: 2003. 1990. Tradução e Diferença. Dissertação (Mestrado em Estudos Lingüísticos: Análise Lingüística) . La Linguistique du signe: Une approche sémiotique du langage. Letras e Ciências Exatas – Universidade Estadual Paulista. Assis. T. Langue Française. 93-107. Évora. POTTIER. Correspondência idiomática intra e interlínguas.

p. 1991. C. Universidade Estadual Paulista. M. Valencia: Universitat de València. Faculdade de Ciências e Letras. José P. Trad de A. 201. Anejo XXIV. O. M. OLIVEIRA. Expressões cristalizadas do português do Brasil: uma proposta de tipologia. São Paulo: Cultura. J. P. A. XATARA. collocation. A tradução para o português de expressões idiomáticas em francês. 253f. S. R. SINCLAIR. 179-187. 54-63. Araraquara: 1998a. In: ISQUERDO.) Os fatos da linguagem. TAGNIN. USP. XATARA. P. A interdisciplinaridade na lexicologia e lexicografia. Oxford: Oxford University Press. Cuadernos de Filología. 97-107. C. Universidade Estadual Paulista.UNESP Laboratório Editorial. SAUSSURE. n.Faculdade de Ciências e Letras. F. A. Campo Grande.. TUTIN.. MARCHEZAN. A. Pour une modélisation dynamique des collocations dans les textes. C. Araraquara: FCL . Paes e I.) As ciências do léxico – Lexicologia. Expressões idiomáticas e convencionais. (eds. G. OLIVEIRA. Os dicionários bilíngües e o problema da tradução. 207-220. M. Araraquara. VALE. São Paulo. UFMS. M. 1998b. Corpus. ed. São Paulo: Ática. 1989. Lorient: Université Bretagne-Sud. A. 1969. M. São Paulo: Cultrix. A. XATARA. idiomatismos e palavrões francês-português/português-francês. Proceedings of 11th EURALEX International Congress.. Araraquara: 2001. 2002. A. . C. Blikstein. Curso de lingüística geral. W. Tese (Doutorado em Lingüística e Língua Portuguesa). Tese (Doutorado em Lingüística e Língua Portuguesa) . Aspectos de fraseología teórica española. (eds. p. L. 2006 p. 1998. concordance. SUPER Interessante. Araraquara. C. E. esse conjunto heteróclito. Lexicografia e Terminologia. 2004. O. XATARA. p.16 163 3 RUIZ. L. Chelini . In: CORTINA. Dicionário de provérbios. 2004.

(eds. Centre National de Ressources Textuelles et Lexicales. Campo Grande. C. Lexicografia e Terminologia. M. Les dictionnaires bilingues. Os dicionários na contemporaneidade: arquitetura.. J. 81-97.cnrtl. A. Organização de dicionários: uma introdução à lexicografia. Araraquara: FCL .. Volume II. 2003. BORBA. P. A. p. p. . M. 10.. THOIRON. F. In: ISQUERDO. métodos e técnicas. In: BÉJOINT. Acesso em: 01/06/2007. S. 159-169. KRIEGER.) As ciências do léxico – Lexicologia. 1998.UNESP Laboratório Editorial. P. P. p. R. A problemática dos dicionários bilíngües. ROBERTS. A. P. O dicionário e suas disciplinas. 1996. LARA. (eds. UNESP. In: ISQUERDO.143. A. OLIVEIRA. S. H.) Os fatos da linguagem. 129. C. In: CORTINA. ed. R. Campo Grande. Lexicografia e Terminologia. M.. UFMS. cap. Le traitement des collocations et des expressions idiomatiques dans les dictionnaires bilingues. Léxico e herança social. G. A. esse conjunto heteróclito. 1998. P. 133-152. UFMS. Disponível em: <http://www. P. (eds.) As ciências do léxico – Lexicologia. Lexicografia e Terminologia. In: ISQUERDO. R. p. BORBA. L. UFMS. OLIVEIRA. M. São Paulo: Ed. SCHMITZ.) As ciências do léxico – Lexicologia. T. C. MARCHEZAN. ed. BIBLIOGRAFIA BIDERMAN. ed.fr/dictionnaires/modernes>. P. Louvain-la-Neuve: Duculot. Dictionnaire électronique d’expressions idiomatiques français-portugais / portugais-français. 2004.16 164 4 XATARA.. (eds. M. Campo Grande. A. 2006. F. F.

S. v. Cahiers de l'Institut de linguistique de Louvain.. SUCCI.. A. G. Uberlândia: EDUFU. 1980. P.V. (eds. FALCÃO. E. 195p. Lisboa: Bertrand. n. XATARA. Lexicografia e Terminologia. Sourd comme une porte ou sourd comme une caille? . G. Matraga: Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras/Universidade do Estado do Rio de Janeiro.19. 140 p. S. 125-140. ano 3. C. p. M. Frankfurt: Peter. at al. P. As unidades fraseológicas e terminológicas em dicionários bilíngües. 2006. A. Universidade Estadual Paulista. 2004. M. Habana: Editorial de Ciencias Sociales. 2006. . Fraseología y contexto. In: MARTINS. T. 2003. T. Lang.une approche contrastive des expressions phraséologiques de type comparatif en portugais et en néerlandais. Feixes lexicais e visões de mundo: um estudo sobre corpus. Actes du colloque Phraséologie 2005. TRISTÁ. 1988. M. Introducción al estudio de las expresiones fijas. Araraquara: 1994. As expressões idiomáticas de matriz comparativa. Nº 2-4. AZEVEDO. C. Corpus para EIs em português de Portugal AUGUSTO. 275-283. UFMS. 2005. M. 267-273. Grande dicionário de francês-português. A. C. M. Léxico e morfofonologia: perspectivas e análises. S. Rio de Janeiro. p. XATARA. 31.. Araraquara. ZULUAGA.Faculdade de Ciências e Letras. p. Dissertação (Mestrado em Lingüística e Língua Portuguesa) . C. La Phraséologie dans tous ses états.. Volume II. M. VIANA. M. A web como base de dados textuais.. ed.16 165 5 SHEPHERD. In: ISQUERDO. 275-286. KRIEGER. p. XATARA. Campo Grande. ZYNGIER. C. D.) As ciências do léxico – Lexicologia. M.

1997. JORGE. Lisboa: Edições Colibri. LOUCEIRO.di. Aproximações. G. Acesso em 20/04/06. JORGE. ISLA. Les expressions idiomatiques correspondantes: une analyse comparative.16 166 6 BARATA. NOGUEIRA. E. 1997.pt/jjbin/dac>. 1991.. 1991. G. Expressões peculiares. Lisboa: Edições Cosmos. S. Braga: Livraria Apostolado da Imprensa. Disponível em <http://natura. A. Universidade de Genebra. Sete Vozes. JORGE. C. FERREIRA. Um dicionário bilingue de expressões idiomáticas: alguns elementos para a sua construção. Coimbra.. Dicionário Prático da Língua Portuguesa. JORGE. Actes du Colloque. Dar à Língua . G. Léxico Coloquial do Português Luso Afro . 1989.. Lisboa: J. Actas do 2º Encontro sobre o Ensino das Línguas Vivas na Universidade. JORGE. Actas do 3º Encontro sobre o Ensino das Línguas Vivas na Universidade. JORGE. E. 1993. VERA CRUZ.Brasileiro. Uma Análise comparativa. Da língua materna à língua estrangeira. 1990. Reflexões em torno da tradutologia das construções fraseológicas na perspectiva interlínguas. . As expressões idiomáticas.da comunicação às expressões idiomáticas.. G. 1991. 1991. O. M.uminho. 1. C. Novos Dicionários de expressões idiomáticas. Une lecture interdisciplinaire: la phraséologie. FLUL. NEVES. Dicionário aberto de calão e expressões idiomáticas. FLUL. 1997. Dicionário Popular de Frases Feitas. Phraséologie et Terminologie en Traduction et en Interprétation. Porto: Lello & Irmão. S. A. Sá da Costa. Polifonia. G. JORGE. Dissertação de Mestrado. Lisboa: Lidel. G.

(eds). p. Trésor des expressions populaires: petit dictionnaire de la langue imagée dans la littérature québécoise. Les idiomatics français-portugais / português-francês. M. G. Acesso em: 01/09/2007. Disponível em: <http://66. 1990. e GRANGER. Monaco: Éditions du Rocher. P. BERGERON.cdeacf. Expressions populaires québécoises. Dictionnaire de la langue québécoise.html>. propuestas y proyectos. P.79/bdl/presentation.org/cousture/index. 2004. In: MORÁN. F. BV. Lexicografías iberorrománicas: problemas. Acesso em: 01/09/007. COUTURE. R. DES RUISSEAUX.ca/documents/HTML/24165. DES RUISSEAUX. 1997. Montréal: Bibliothèque Québécoise. DES RUISSEAUX. La Banque de Dépannage Linguistique. 2002. .. Corpus para EIs em francês do Quebec BDL. J. Disponível em: <http://www. BLUM. Chez Couture: Histoire et BD.htm>. T. 1995.16 167 7 NUNES. BOULANGER. 121-138. WERNER. Montréal : Bibliothèque Québécoise.htm>. Dictionnaire Québécois d’aujourd’hui. L. CÔTÉ. 2005. Bibliothèque Virtuelle du Patrimoine Documentaire Communautaire Canadien Francophone. 1998. Paris: Le Robert. Paris: Seuil. Savoureuses expressions québécoises. Disponível em: <http://bv. A lexicografia fraseológica do português: monolíngüe e bilíngüe portuguêsalemão.republiquelibre. 1993. Le petit proverbier: proverbes français. M. Dictionnaire des expressions québécoises. J-C. québécois et anglais. Montréal: Bibliothéque Québécoise. 1980. M. S. Montréal : Vlb Éditeur.46. P. BÉLIVEAU. Outremont: Québecor. P. Acesso em 01/08/2007.185.

LAFLEUR.radiocanada. Acesso em 01/08/2007. Acesso em 01/08/2007. G. Acesso em: 01/05/2007. CHANTREAU.html>.videotron.16 168 8 DUGAS.org/LI/2002/fr/index. Québec: Larousse Canada. Dissertação (Mestrado em Semiótica e Lingüística Geral) . Dictionnaire des canadismes. Disponível em: <http://dtil. RADIO-CANADA. D. Paris: Le Robert. Acesso em: 01/09/2007. Disponível em: <http://pages. São Paulo: 1999. A. Expressões idiomáticas da língua francesa e respectivas formas equivalentes em língua portuguesa: tratamento léxico-semântico. A. Revue Québécoise de Linguistique. B. Dictionnaire Pratique de Expressions Québécoises. La place du français dans l’internet. REY. S. FORNICOLA. 1994.ca/radio/francaismicro>. p. LEMOINE. M. PRENOVOST. GROSS. Disponível em: <http://www. V. M. Le Français Micro. UNIÃO LATINA.htm>. M.unilat. . Une classification des phrases "figées" du français. 2. Disponível em: <http://www. Montréal: Éditions du renouveau pédagogique.dicocf.Faculdade de Filosofia. M. Letras e Ciências Humanas. Dictionnaire de locutions idiomatiques françaises. 2002. Universidade de São Paulo. Dictionnaire du français du Canada. 151-185. n.ca/clapinnp10.com/micpreno/>. Montréal: Logiques Éditions. 1982. 1984. DULON. Dictionnaire des difficultés de la langue française au Canada. 254 p. 1989. Boucherville: Éditions Françaises. 11. Expressions québecoises. GERARD. Dictionnaire des expressions et locutions. v. 1991.

4 de agosto de 2008 BEATRIZ FACINCANI CAMACHO . São José do Rio Preto.Autorizo a reprodução deste trabalho.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->