Você está na página 1de 42

Será que a sua dicção vai bem? Para testá-la, leia os trechos em voz alta, procurando articular bem os sons e aumentar a velocidade de leitura aos poucos.

1.

O peito do pé de Pedro é preto. É preto o peito do pé de Pedro. Pedro tem o peito do pé preto. Quem tem o pé do peito preto, é Pedro!

2.

A vida é uma sucessiva sucessão de sucessores que se sucedem sucessivamente, sem suceder o sucesso.

3.

O tempo perguntou pro tempo qual é o tempo que o tempo tem.

O tempo respondeu pro tempo que não tem tempo pra dizer pro tempo que o tempo do tempo é o tempo que o tempo tem.

4.

Num ninho de mafagafos, cinco mafagafinhos há! Quem os desmafagafizá-los, um bom desmafagafizador será.

5.

O desinquivincavacador das caravelarias desinquivincavacaria as cavidades que deveriam ser desinquivincavacadas.

6.

Perlustrando patética petição produzida pela postulante, prevemos possibilidade para pervencê-la porquanto perecem pressupostos primários permissíveis para propugnar pelo presente pleito pois prejulgamos pugna pretárita perfeitíssima.

7.

Não confunda ornitorrinco com otorrinolaringologista, ornitorrinco com ornitologista, ornitologista com

otorrinolaringologista, porque ornitorrinco, é ornitorrinco, ornitologista, é ornitologista, e otorrinolaringologista é otorrinolaringologista.

8.

Disseram que na minha rua tem paralelepípedo feito de paralelogramos. Seis paralelogramos tem um

paralelepípedo. Mil paralelepípedos tem uma paralelepipedovia. Uma paralelepipedovia tem mil paralelogramos. Então uma paralelepipedovia é uma paralelogramolândia?

9.

Num jarro há uma aranha. Tanto a aranha arranha o jarro como o jarro arranha a aranha. Se a aranha arranha a rã,

se a rã arranha a aranha, como a aranha arranha a rã? Como a rã arranha a aranha?

10.

O padre Pedro tem um prato de prata, o prato de prata não é de Pedro.

11.

É crocogrilo? É cocodrilo? É cocrodilo? É cocodilho? É corcodilho? É crocrodilo? É crocrodilho? É corcrodilo? É cocordilo? É jacaré? Será que ninguém acerta O nome do crocodilo mané?

12.

Tinha tanta tia tantã. Tinha tanta anta antiga. Tinha tanta anta que era tia. Tinha tanta tia que era anta.

13.

A lontra prendeu a tromba do monstro de pedra e a prenda de prata de Pedro, o pedreiro.

14.

Em cima daquela serra, há um ninho de mafagafos com cinco mafagafinhos. Quem desmafagafar os cinco mafagafinhos, bom desmafagafador será. Quem não desmafagafar os cinco mafagafinhos, bom desmafagafador não será.

PREPARE A SUA VOZ ANTES DE USÁ-LA

Você já ouviu falar que é importante aquecer a voz antes de usá-la com intensidade? Essa é uma expressão muito comum entre os atores e cantores.

Podemos comparar essa situação com a de um atleta ou jogador de futebol. Antes de iniciar a maratona ou o jogo vemos que eles fazem exercícios de aquecimento para “acordar” a musculatura e evitar futuras lesões. Para compreender o motivo de realizar aquecimento, encontramos na literatura as seguintes definições para aquecimento:

1.

Sob aquecimento entendem-se todas as medidas, que antes de uma carga esportiva - seja para treinamento ou

competição -, servem para a preparação de um estado psicofísico e coordenativo-cinestésico ideal, assim como para a

profilaxia de lesões (WEINECK, 1991, p. 434).

  • 2. A capacidade de realizar atividades por um período prolongado depende da ativação de três sistemas: sistema

cardiopulmonar; sistema circulatório e sistema neuromuscular (BOSCO, 1994). "Ao alcançar a temperatura ideal, todas as reações fisiológicas decisivas para a capacidade de desempenho motor transcorrem com o grau de eficiência mais favorável" (ISRAEL citado por WEINECK, 1991, p. 435).

  • 3. Para a eficácia do treinamento é necessária a realização de aquecimento sempre antes do mesmo (SCHMID; ALEJO,

2002).

Mas quais são as vantagens do aquecimento para o nosso corpo?

  • 1. Aumenta a espessura da cartilagem diminuindo o impacto entre as superfícies articulares (BATISTA,

2003)

  • 2. Melhora a coordenação motora facilitando a realização de movimentos explosivos e de habilidades

(POMBO; MORAIS, 1997; SCHMID; ALEJO, 2002; BATISTA, 2003)

  • 3. Melhora a oxigenação muscular porque facilita a liberação de oxigênio (MCARDLE; KATCH;

KATCH, 1992; SCHMID; ALEJO, 2002; BATISTA, 2003; CHIESA, 2003)

  • 4. Menor incidência de lesões (WEINECK, 1991; BOSCO, 1994; POMBO; MORAIS, 1997; SCHMID;

ALEJO, 2002; CHIESA, 2003)

  • 5. Aumento do fluxo sanguíneo (McARDLE; KATCH; KATCH, 1992; BATISTA, 2003).

Falando agora de nossa voz, para ela ser produzida temos uma série de músculos e cartilagens, assim como no corpo todo.

Quando falamos ou cantamos por um tempo extenso é necessário aquecer e preparar a musculatura responsável pela produção da voz.

Para aquecer a voz devemos realizar alguns exercícios vocais antes de usar a voz com intensidade. Por exemplo, no caso de um professor, este deve realizar os exercícios antes de dar as aulas. No caso de um cantor ou ator, antes dos ensaios e apresentações.

Abaixo listamos alguns exercícios básicos de aquecimento vocal:

. Alongamento Gire lentamente a cabeça para os lados, fazendo um movimento de rotação completo. Faça 4 vezes para cada lado.

. Ressonância

Esse exercício tem a finalidade de aquecer a musculatura responsável pelo som da voz. Fale a seqüência: “Ma Na Nhá – Ma Na Nhá” por 1 minuto.

. Articulação

Os exercícios de articulação melhoram a dicção, que também é muito importante para a fala ou canto.

Fale o travalíngua abaixo mantendo os sons claros:

“O prestidigitador prestativo e prestatário está prestes a prestar a prestidigitação prodigiosa e prestigiosa”

. Respiração Inspire pelo nariz e contando os segundos expire pela boca, soltando o ar lentamente. Tente aumentar a quantidade de segundos.

Os exercícios relacionados anteriormente são básicos. Para ter uma seqüência de exercícios personalizada, procure um fonoaudiólogo e lembre-se: cuide de sua voz!

Autora:

Fernanda M. A. Rodrigues Fonoaudióloga e Diretora da Voice Care

tirar a voz " da garganta", rouquidão e falhas na emissão. Construção da coluna de ar para a

 

ressonância.Pequenos golpes de ar com o diafragma com as seguintes consoantes: BU, DU,

FU, GU, JU, LU, MU, NU PU, RU, SU, TU VU, XU, ZU. Utilizar tom médio da voz.

QUE EXERCÍCIOS FAZER? Cada ser é uma unidade e age de acordo com suas necessidades. IMPORTANTE: Não se deve fazer determinado exercício apenas porque "alguém" o faz. O ideal é sentir o quanto ele pode fazer bem, para onde ele orienta e como conduz a um resultado satisfatório.

O "vocalise" ou qualquer outro trabalho vocal a se fazer, sempre deverá estar de acordo com a real necessidade da pessoa naquele momento e com sua capacidade. Buscar o facilitador** ou o professor de canto pode ser benéfico: eles deverão auxiliar no que for necessário.

CUIDADOS NECESSÁRIOS:

Evitar o fumo, droga ou álcool; Alimentação balanceada; Evitar o cansaço físico e mental, compensar com a prática regular de exercícios de relaxamento;

Evitar contato com substâncias alérgicas ou ambientes empoeirados e poluídos; o giz em particular; Evitar falar em ambientes ruidosos ou ao ar livre; Umidecer a mucosa da faringe preferencialmente com água, ou com a própria saliva, caso não seja possível ingerir água, durante urna aula, por exemplo; Dias de clima seco, ingerir maior quantidade de água, durante o dia todo. Evitar mudanças bruscas de temperatura interna (ingestão sucessiva de alimentos quentes e muito gelados), ou mesmo externa, principalmente quando ao ar livre ou em ambientes aquecidos ou resfriados artificialmente; Em vigência de qualquer infeção nas vias aéreas superiores, não mudar a voz para torná-la mais eufônica; Falar sempre na região tonal ótima; Evitar pigarrear ou tossir. Engolir sempre; A respiração deve ser de pouca entrada de ar, pois compromete a postura; Cultivar o repouso vocal, após, e mesmo antes de uma aula, ou um dia de várias aulas; Manter uma postura relaxada ao falar ou cantar; Manter a higiene bocal; Cuidado com os "conselhos milagrosos" de terapia caseira, tais corno: goles de conhaque para esquentar a voz, mascar gengibre, o que é pouco recomendável, chá, café, cigarro, pastilhas entre outros. Uma eventual cura ou melhora com estes métodos está ligado á cura psicológica de auto-sugestão; Alterações hormonais. Durante o período pré-menstrual; costuma aparecer uma disfonia (alteração da voz), o mesmo se dando durante a gravidez e a puberdade; A rouquidão, talvez o problema mais freqüente, é sempre um motivo de alerta, pois indo de uma simples irritação momentânea da mucosa laríngea, passando por calos nas pregas vocais. ulcerações ou ainda coisas mais graves, como um câncer laríngeo. Por isso, a mesma deve ser investida o mais rápido possível, para evitar qualquer tipo de prejuízo vocal

Todos esses cuidados são tidos como básicos para o profissional que trabalha excessivamente com a voz que deve estar sempre bem cuidada, mas não deixar que isso se torne motivo de preocupação exagerada.

TÉCNICAS GERAIS DE CANTO

POSTURA:

Cabeça ereta sem rigidez. Coluna vertebral na posição vertical, peito ligeiramente elevado e os pés firmes e separados de modo que o peso do corpo fique distribuído e confortavelmente apoiado sobre eles.

RESPIRAÇÃO:

Com o peito ligeiramente elevado, respirar utilizando o músculo diafrágma, sem elevar o peito ou ombros. A expansão das costelas circunda todo o peito, especialmente na direção das costelas de baixo, enquanto e diafrágma e paredes abdominais permanecem flexíveis pois são essenciais para o controle da emissão de ar.

RELAXAMENTO:

O relaxamento é a liberdade de ação, estado de balanço e equilíbrio ou prontidão para a execução. Não apenas afrouxamento ou inércia. Deve ser entendido como a habilidade necessária para um bom cantar exigindo uma maior delicadeza, balanço e interação dos

ajustes musculares ao redor da laringe, pescoço, língua e boca. Ajustes que devem sempre estarem prontos a mudar com grande rapidez durante o canto.

RESSONÂNCIA:

A atividade vibratória da voz engloba várias estruturas: músculos, ossos, ligamentos e cavidades de todo o corpo. O corpo deve ser considerado como um ressonador complexo da voz. A ausência de contração de esforços musculares com o sentimento resultante da completa liberdade assegura uma correta coordenação de todas as partes da região vocal com a máxima ressonância e qualidade vocal.

REGISTRO:

O registro no canto refere-se as mudanças ou paradas na qualidade vocal que ocorrem quando as cordas vocais se reajustam para produzir freqüências altas ou baixas (notas altas ou baixas). A maioria dos cantores que não possuem os benefícios de uma técnica vocal apropriada, sentirão uma notável mudança na qualidade quando eles alcançam determinado ponto na tessitura (alcance vocal) da voz enquanto cantam determinada passagem na escala musical. Esse elevador na voz marca o ponto de transição onde a voz de peito termina e a voz de cabeça começa. A sensação de mudança de registro, o qual pode flutuar de acordo com a intensidade do som da vogal usada nos exercícios ou frases musicais, normalmente ocorre em algum lugar na área logo abaixo do tom da voz falada.

DICÇÃO:

Em seu completo sentido, dicção significa não somente a clareza, beleza, sensibilidade e inteligibilidade de comunicação da língua, mas a total técnica e arte da distribuição do texto cantado, por exemplo: ênfase ou fusão numa palavra, cor emotiva, nuança, continuidade da linha melódica, etc. As vogais são os veículos da voz e assim, são

ressonadas através de todas as áreas de ressonância. A posição da língua e forma da boca, são fatores que contribuem para a formação da vogal. As consoantes são formadas na região da boca pelo movimento dos lábios, língua, dentes e palato. Cada movimento não deve perturbar a liberdade da garganta de produzir os sons.

--------------------------------------------

APARELHO RESPIRATÓRIO:

Para uma boa realização no canto e na fala é preciso ter controle da respiração. A respiração e a postura estão intimamente interligados. Para realizar uma respiração correta é preciso estar numa postura adequada. A respiração é uma função vital que, no canto, aprendemos a controlá-la.

ajustes musculares ao redor da laringe, pescoço, língua e boca. Ajustes que devem sempre estarem prontos

A respiração, sempre que possível de ve ser nasal, pois assim o ar é filtrado e aquecido pelas narinas. A respiração usada para o canto recebe às vezes nomes diferentes, dependendo do autor. Alguns a chamam costo-diafragmática, outros abdominal-intercostal. O fato é que devemos encher desde a base do pulmão, suas laterais até às costas, sem levantar os ombros. " Quando se pede aos alunos, no início das aulas de fala ou de canto, para inspirarem profundamente, 80% inspiram com uma elevação forçada das costelas e das clavículas, mantendo os músculos abdominais contraídos, erguendo os ombros, ficando

vermelhos no rosto e pescoço

Esta respiração forçada tem conseqüencias desastrosas,

... em primeiro lugar para a voz.Deve-se também praticar a inspiração rápida, quer dizer, inspirar a maior quantidade de ar em menor tempo possível, após ter dominado esses movimentos corretamente.

As Regras de Ouro da Boa Voz de Um Cantor 1-Nunca cante quando não estiver em boas condições de saúde; cantar é um ato de esforço e de enorme gasto energético. Manter a saúde auxilia a produção da voz, quer seja cantada ou falada. São raros os indivíduos doentes que mantém boa emissão vocal.

2-Use roupas confortáveis, não apertadas, principalmente na garganta, no peito, na cintura ou no abdômen.

3-Mantenha-se sempre hidratado, bebendo, pelo menos, dois litros de água por dia; suas pregas vocais estarão em ótima condição de vibração quando sua urina estiver transparente.

4-Aqueça e desaqueça a voz antes e depois da apresentação, respectivamente. Aqueça a voz através de exercícios de flexibilidade muscular, antes de usá-la para o canto; vocalise com variação de tons, começando pelos médios e depois indo em direção aos extremos da tessitura vocal. Após o término das apresentações ou ensaio, desaqueça a voz através de exercícios para retornar à sua voz falada natural; use bocejos, fala mais grave e mais baixo, para não ficar usando o esquema vocal cantado além do tempo do canto. Um cantor que fala do mesmo jeito que canta submete seu aparelho vocal a um desgaste muito maior.

5-Ensaie o suficiente para ficar seguro quanto ao texto, melodia e controle de voz; assim fazendo, você vai reduzir a interferência de aspectos emocionais negativos, como o medo e ansiedade ante o público. Não ensaie por mais de uma hora sem descanço.

6-Monitore sua voz durante os ensaios e apresentaçãoes: aprenda a ouvir sua qualidade vocal e a reconhecer suas sensações de esforço vocal e tensões desnecessárias, a fim de evitá-las.

7-Lembre-se de que um certo nervosismo mobiliza positivamente a energia para uma apresentação mais rica e envolvente; a adrenalina é positiva e confere emoção ao canto. Além disso, o público espera o sucesso do cantor, confie nesta química!

8-Evite as festas ruidosas, lugares enfumaçados e barulhento, tanto antes como depois das apresentações. Antes das apresentações, os abusos em questão podem limitar seu resultado vocal; após as apresentações seu aparelho fonador foi intensivamente solicitado e está mais sensível para responder a tais agressões.

9-Mantenha uma dieta balanceada, pois o canto é uma função especial e requer grande porte energético. Evite o excesso de gordura e alimentos condimentados, o que lentifica o processo digestivo, limita a excursão respiratória e reduz a energia disponível para o canto. Além disso, se voltar muito tarde para casa e ainda não tiver se alimentado, ingira apenas alimentos leves e de fácil digestão, para evitar o refluxo gastroesofágico.

10-Nunca se auto-medique; não tome remédios sugeridos por leigos, nem chás e infusões de efeito desconhecido ( geralmente irritantes, ressecantes e estimulantes de refluxo gastroesofágico). Também não repita receitas médicas utilizadas nema certa ocasião, mesmo que tenham dado resultado positivo. Procure ajuda especializada quando necessário.

TRABALHANDO VOZ, FALA E LINGUAGEM NO TEATRO

PANTOMIMA Encenação que comunica uma idéia ou ação sem o uso do diálogo. Ex: Atividades Genéricas:

trabalho doméstico, praticar esportes, jardinagem, acampamento, trabalho de escritório, trabalho de hospital, construção de uma casa, diversão na praia, apresentação de circo encenação de uma orquestra ou banda.

Ex: Atividades Adaptadas a um Aprendizado: (ver item de Sugestões de Atividades, a seguir). OBSERVAÇÃO:-Posições no palco.

VOZ :

O ponto fraco dos atores iniciantes é a voz satisfatória. É necessário desenvolver uma voz de palco apropriada. No palco é decisivo o que é dito, quanto o como é dito.

Para se trabalhar isto, são necessárias várias sessões que enfoquem somente a voz, sem movimentos de palco. Além disso, aquecimentos vocais devem fazer parte de todas as atividades. Ex: Ponha cor em sua rima infantil.

O líder do grupo escreve na lousa uma rima infantil curta. Lê então a rima de vários modos, com o grupo repetindo e imitando a cada vez, em coro. Exemplos de modos de leitura:

com suspense,

com raiva,

com tristeza,

nervosamente, alegremente, como um locutor de TV, como em uma propaganda, como uma canção de rock, com voz lírica, com muita suavidade, muito alto, depressa, devagar.

A CARACTERÍSTICAS DE UMA BOA VOZ DE PALCO:

Velocidade- A maioria fala rápido demais. Para exercitar, repetir a frase na velocidade certa. Pedir ao ator que espere o sinal para falar.

Projeção- Incentivar os atores a bocejar e respirar profundamente. No palco, imaginar que a voz se origina na linha da cintura (diafragma), ganha volume e tom conforme passa pelo peito e sai pelo "megafone" (boca).

Clareza- A fala truncada tem sua origem normalmente em dois motivos: má expressão das frases ou má pronunciação. A má expressão das frases é um problema de leitura. Sugere-se marcar com barras ( / ) as pausas nos trechos que lerem em voz alta e não fazer pausa onde não houver barras. Estimular a leitura. A má pronunciação normalmente, é apenas o resultado de maus hábitos de fala. Para estes problemas, o melhor remédio é a interrupção e imitação dos sons corretos.

Expressão- Seja qual for a expressão que tiverem, estimular os atores a exagerar o quanto possível. A princípio ficarão embaraçados, porém, se sentirão gradualmente mais à vontade. Novamente, interromper e dar o exemplo são as melhores condutas. Sempre que necessário, interrompa e repita a frase com a expressão apropriada.

Postura- Os atores devem ficar em pé, eretos, com o peso distribuído em ambos os pés e não com as pernas cruzadas ou os quadris inclinados. Se seguram um manuscrito, devem fazê-lo ligeiramente acima da linha da cintura. Durante a representação, os manuscritos devem ser segurados firmemente, não dobrados, enrolados, apertados ou movimentados para cima e para baixo. Devem evitar trocar os pés de posição, balançar para frente para trás, levantar os calcanhares ou virar os pés. Enfim, devem permanecer firmes no palco. Nas atividades com manuscrito, o ator deve olhar para o público pelo menos a metade do tempo. Para isso praticar a encenação pelo menos 10 a 15 vezes.

Equilíbrio- Os inícios e os finais feitos com pressa enfraquecem a apresentação como um todo. Trabalhe a confiança dos atores. Caso ocorra algo errado e isso sempre acontece evitar fazer caretas, dar risadinhas, virar os olhos, ou cobrir o rosto com o manuscrito.

B - AQUECIMENTOS VOCAIS:

O aquecimento vocal deve durar de três a cinco minutos no mínimo. Inspirar e expirar devagar. Inspirar, contar até dez e expirar. Contar até cem, de cinco em cinco.

Falar, de trás para frente, do 17 ao zero. Começar falando baixo até ficar alto. Começar falando alto até ficar baixo. Distender a boca, para os lados, para cima, para baixo, abrir, fechar, mastigar. Sorrir, encher as bochechas, franzir as sobrancelhas. Fingir que mascam uma grande porção de chiclete. Repetir a seqüência de vogais duas ou três vezes, com as mandíbulas bem soltas e relaxadas. Usar, também, consoantes: F/V, B/P, G/C e D/T. Usar combinações de consoantes e vogais: "art, ort, urt, irt". Usar trava-línguas.

IMPROVISAÇÃO:

Cena executada com pouco ou nenhum ensaio; geralmente inclui um diálogo (palavras ditas no palco). Eis algumas sugestões que podem auxiliar na encenação:

Comece a cena com o máximo de energia possível e inicie tendo em mente um personagem definido, exagerado. Por exemplo, não represente um simples estudante, mas sim um estudante muito nervoso, ou descuidado, ou que ri à toa, etc. Use o corpo para expressar o caráter ou estado de espírito do personagem. Faça opções vocais, isto é, utilize a voz para dar vida à representação. Em improvisação solo, não pare de falar, como se estivesse expressando os pensamentos em voz alta. Evite transformar a cena em pantomima. Em improvisação em grupo, ouça os outros membros do grupo. As improvisações degeneram com muita freqüência em competições de gritos. Durante uma cena, nunca, jamais diga: "O que devemos fazer agora?". Esta conduta revela claramente uma falta de idéias e não ajuda em nada a inspirar uma ação.

V. SUGESTÕES DE ATIVIDADES:

Atividades adaptadas a um aprendizado. Ex: Cena de uma atividade genérica trabalho doméstico, trabalho de escritório, cena de um período de guerra, adaptando ao tema a ser estudado ¿ "Vivência de uma situação doméstica, baseada em exemplos bíblicos", "Pessoas cristãs num trabalho de escritório", "Conflito internacional tratado de forma verdadeiramente cristã".

Sugestões de Oficinas de Teatro para os diversos níveis. INICIANTES

  • 1. Aquecimento Vocal:

Exercício com as músicas:

Brincando, Música do palhaço e Cabeça, ombro, perna e pé.

  • 2. Pantomima:

Caminhar sobre o gelo, sobre espinhos, sobre um piso quente, caminhar sob um vento

forte, caminhar sobre ovos, caminhar como elefante, caminhar sobre um asfalto grudento, caminhar sobre vidros quebrados, caminhar num deserto, procurando por água, caminhar no escuro.

  • 3. Ensaio e Dramatização da Música:

O Caracol. (Viagem Imaginária/ O narrador vai falando, sob o som de uma melodia,

enquanto os participantes deverão imaginar representar com ações as cenas narradas. É

uma vivência em que a proposta deverá levar ao relaxamento, bem como ao desenvolvimento da imaginação. Os participantes poderão estar sentados confortavelmente ou deitados, de forma relaxada. Os participantes poderão interagir ou reagir individualmente. Neste caso, os olhos deverão estar abertos.)

Sugestão: Vamos imaginar que estamos chegando numa floresta. Ouçam o som dos passarinhos. Estamos caminhando (som de galhos secos sendo quebrados). Vamos respirar fundo. Que delícia! Mais à frente, outros passarinhos, macacos. Vamos imaginar outros bichos que estão nesta floresta. Vamos fazer o som deles. Agora devagarinho, vamos voltar a caminhar pela floresta de mãos dadas (som de galhos secos). Estamos chegando! É hora de sentarmos e agradecer por mais um dia, pelo contato com a natureza (enfim, fazer uma breve prece). Devagarinho, vamos abrir os olhos.

  • 5. Exercício de voz:

Ponha cor em sua palavra:

O líder dia uma lista de palavras, com voz neutra. Em seguida, chama cada aluno e pede para repetir a palavra, "colorindo-a", com o máximo de expressão possível.

Palavras:frio, devagar, bravo, feliz, nervoso, rindo, gritando, suave, fino, crocante, medo, chorando, alto.

  • 6. Atividades Genéricas:(Em grupo)

  • 7. Pintores pintando paredes; regando um jardim; olhando a paisagem e tirando fotos;

varrendo o chão; tocando em uma banda; tomando refrigerante.

  • 8. História: "A Nuvenzinha Marli ou a Nuvenzinha Fátima".

Poesia: Resposta de Mãe (João de Deus)

Minha mãe, onde está Deus? Ora esta, minha filha, Deus está na luz que brilha Sobre a Terra, pelos Céus. Permanece na alvorada, No vento que embala os ninhos, No canto dos passarinhos, Na meiga rosa orvalhada. Respira na água cantante Da fonte que se desata, No luar de leite e prata, Está na estrela distante ... Vive no vale e na serra, Onde mais? Como explicar-te? Deus existe em toda a parte, Em todo lugar da Terra ... Ó mamãe! Como senti-lo, Bondoso, sublime e forte? Será preciso que a morte Nos conduza ao céu tranqüilo?

- Não, filhinha! Ouve a lição, Guarda a fé com que te falo, Só podemos encontrá-lo No templo do coração.

INTERMEDIÁRIO Aquecimento Vocal - Os participantes inspiram e expiram devagar. Em seguida, inspiram, contam até dez em voz alta, expirando. Inspirar, contar até vinte, de dois em dois, expirando. Mastigar com exagero. Vibrar língua Vibrar os lábios Estalos de língua Estalos de lábios Protruir (fazer bico com os lábios) e lateralizar a esquerda e direita Mandar beijinhos, fazendo biquinho com os lábios. Dizer /i - u / seguidamente e de modo exagerado

Poesia: (Interpretação em Grupo). Cada participante fala um trecho da poesia, interpretando. CANÇÃO DO EXÍLIO - (Gonçalves Dias - Coimbra / 1843).

Minha Terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá, As aves que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores, Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá, Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar - sozinho, à noite Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá; Sem que desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem que inda aviste as palmeiras, Onde canta o Sabiá.

Cena: Junte-se. Após ser dada a situação, os participantes vivenciarão duas vezes. Sugestão: Encenação em Grupo. Para esta atividade deve haver , no máximo, cinco participantes. Apenas um participante vai ao palco e começa a atividade. Após alguns

minutos, um a um, os participantes juntam-se à cena.

Tema: Trocar o pneu de um carro; servir uma refeição; aprender a nadar; remar em uma canoa, viagem Imaginária. Jogo: Escravos de Jó.

ADOLESCENTES OU JOVENS Aquecimentos Vocais: (Orientar sobre as características de uma boa voz de palco). Exercícios de inspiração e expiração. Exercícios de distensão da boca ¿ direita, esquerda, para cima, para baixo, estendida para fora, enrugada para dentro, esticada em todas as direções.

Repetição de seqüência de vogais (a, o, u, i) os quatro sons básicos de vogais ¿ duas ou três vezes, com as bocas bem abertas, havendo a distância de pelo menos dois dedos entre os dentes superiores e inferiores. Pode-se acrescentar consoantes ou combinações de consoantes ao início ou final desses sons básicos de vogais e repetir a seqüência duas vezes.

Trava-línguas: -Repetir um trava-língua curto seis vezes A aranha arranha a jarra. O pende do padre Pedro é preto. O rato roeu a roupa do rei. O lacaio do cavalo baio leva o balaio de paio.

Viagem Imaginária. Com uma música própria para meditação, de fundo, todos deverão fazer uma viagem imaginária a um Bosque. Nesta viagem, os participantes imaginam, respondem e representam ações, enquanto ouvem o líder descrever os eventos de uma "viagem".

Dança Grega. Todos de mãos dadas, em círculo. Ao som da música, dar dois passos para a direita, dois para dentro do círculo, entrando com o pé direito e dois passos para trás (voltando), com o pé direito primeiro. Em seguida, um passo para a esquerda. Continuar durante toda a música.

Atividades com Parábolas. Cada grupo receberá um texto (Parábola) que deverá ser lida e compreendida pelo grupo. Posteriormente, o grupo a representará.

As Parábolas ou Passagens serão as seguintes:

Do Semeador Do Filho Pródigo Do Bom Samaritano Do Paralítico da Piscina

Jogo:"Cumprir as tarefas" Passar uma caixinha musical. Quando para a música, quem estiver com a caixa na mão, terá de cumprir a tarefa.

Pensamento do liqüidificador. Conversa do sapato com a meia. Robô e o computador. Conselhos do espanador para a poeira. Conversas de uma máquina de lavar roupa.

DESAQUECIMENTO VOCAL:

Massagear sem força, com os dedos, tocando de leve todo o pescoço, movimentando a laringe Permanecer calada durante o desaquecimento Lubrificar as pregas vocais ingerindo um pouco de água / temperatura ambiente

Deixar os braços ao longo do corpo, mover ombros p/ frente, p/ tras e rotação Mover o pescoço p/ cima e p/ baixo lentamente

Mover o pescoço p/ os lados e no mesmo tempo emitir o /ssssss Vibrar a língua em escala descendente

.....

/ contínuo

Bruxismo

...

você pode ter e não sabe que tem ....

BRUXISMO é o hábito extremamente destrutivo adquirido inconscientemente, que consiste em raspar durante o sono as superfícies dos dentes superiores contra os inferiores.É conhecido também como briquismo. Considerado um hábito parafuncional de ranger os dentes; a dificuldade para sua resolução aumenta de acordo com a gravidade do desgaste produzido.

O termo bruxismo é derivado do Francês "la bruxomanie"principalmente utilizado por Marie & Pietkiewicz em 1907, também Frohman (1931), fez a utilização pioneira deste termo para identificar um problema dentário desencadeado pelo movimento anormal da mandíbula.

Sendo uma patologia de ocorrência comum o bruxismo, pode e é encontrado em todas as faixas etárias, com prevalência semelhante em ambos os sexos. Já comprovado anteriormente em estudos, o bruxismo é uma das desordens funcionais dentárias mais prevalentes, destrutivas e complexas existentes, sendo tão antiga quanto o próprio homem.

O bruxismo causa um desgaste excessivo nos dentes, sendo o esmalte a primeira estrutura a ser envolvida por ele. Esta carga parafuncional do bruxismo, que resulta no desgaste anormal dos dentes, é o sinal mais freqüente desta patologia. Mais comumente severo nos dentes anteriores, não sendo um desgaste uniforme, isto quando se trata de dentes naturais. Já com os indivíduos portadores de prótese total, pode ocorrer o inverso, sendo maior o desgaste nos dentes posteriores, as pressões que são maiores na região posterior, permitindo assim uma maior estabilidade dentária.

O bruxismo pode ou não estar diretamente ligado à dor disfuncional muscular da articulação temporomandibular (ATM), dores de cabeça podendo até atingir o ouvido, dor muscular facial relacionados aos músculos mastigatórios, dor generalizada.

A freqüência e a severidade pode variar e aumentar a cada noite, está altamente

associada ao stress emocional e físico. Quando noturno, o bruxismo envolve movimentos rítmicos semelhantes ao da mastigação, com longos períodos de contração dos músculos mandibulares. Esses movimentos, contrações, podem superar os realizados durante o esforço consciente, sendo a causa da dor muscular e fadiga. Até hoje, não se conhece um método de tratamento para eliminar permanentemente o bruxismo.

A terapia mais empregada atualmente para o alívio dos sinais e sintomas de disfunção da articulação temporomandibular associados ao bruxismo, é a utilização de placas interoclusais. Essas placas reduzem a atividade dos músculos durante a noite logo após a sua inserção e protegem os dentes dos desgastes provocado pelo hábito.

A placa pode, e é normal, sofrer desgastes pelo uso constante, mas a sua reabilitação é menos problemática que a estrutura dentária quando afetada. É comum a recidiva do bruxismo após a suspensão de um tratamento a longo prazo com placa interoclusal.

Hábitos como, mascar chicletes, morder ou apertar objetos estranhos, devem ser considerados como um vício concomitante do bruxismo e portanto, devem ser eliminados durante o tratamento.

O indivíduo portador de bruxismo deve constantemente visitar seu dentista para que seja observado pelo profissional. O cirurgião dentista deve escolher a terapia ideal para

o tratamento, de acordo com o paciente. Até o presente momento a cura permanente do bruxismo é desconhecida e sua etiologia ainda não esta suficientemente esclarecida.

Voz -> Prevenção -> Aperfeiçoamento da Comunicação Oral ->Higiene Vocal

APERFEIÇOAMENTO DA COMUNICAÇÃO ORAL * Relaxamento * Aquecimento * Desaquecimento

Higiene vocal Visa alertar para o comportamento vocal inadequado e seus efeitos e implicações na voz, assim como buscar meios para a eliminação de comportamentos negativos através do monitoramento.

Higiene Vocal -> Direcionamento -> Equilíbrio

Emprego da Higiene Vocal nos Principais Profissionais da Voz

ADVOGADO Persuasão e credibilidade Pitch grave e loudness ampliada

Abuso e mau uso Vestimentas Estresse

APRESENTADOR-TV Dinamismo e domínio Pitch grave, loudness aumentada, gama tonal excessiva

Voz impostada Vestimentas Baixas temperaturas

ATOR Equilíbrio voz-personagem Flexibilidade vocal

Abuso e mau uso Acústica e alergias Álcool, drogas e alimentação

CANTOR Domínio e emoção Repertório inadequado Falta de técnica

Mau uso e ambiente Equipamentos e alimentação Álcool, drogas e paliativos

CAMELÔ Firmeza Ressonância faríngica Loudness aumentada

Abuso e mau uso Ambiente Vocalização x peso

FONOAUDIÓLOGO Competência comunicativa Sobrearticulação

Mau uso vocal

GUIA DE TURISMO Bom humor e segurança Loudness aumentada, sobrearticulação

Abuso e mau uso Ambiente e microfone Alimentação e alergias

LOCUTOR ESPORTIVO Dinamismo e agilidade Gama tonal exagerada e velocidade rápida

Mau uso vocal Baixas temperaturas Estresse

MILITAR EM ORDEM UNIDA Autoridade Pitch grave, loudness aumentada, voz tensa

Abuso e mau uso vocal Acústica

OPERADOR DE TELEMARKETING Gentileza, disponibilidade e segurança Sobrearticulação e tensão

Abuso e mau uso Ambiente Estresse

POLÍTICO Credibilidade e persuasão Pitch grave e loudness aumentada

Abuso vocal Ambiente

RELIGIOSO MODERNO (adepto a atividades de louvores c/ música e dança) Segurança e confiabilidade Voz tensa, loudness aumentada, gama tonal exagerada

Abuso e mau uso Microfone

PROFESSOR Autoridade, afetividade, sabedoria Loudness aumentada, pitch agudo ou grave

Abuso, mau uso e ambiente Paliativos e alimentação

ENTÃO:

A Higiene vocal deve ser adotada como prática no dia-a-dia, e não somente uma obediência para o dia de uma apresentação ou uso específico da voz na profissão. Não é

um luxo

...

nem uma regrinha que pode ser adotada ou não

...

É uma necessidade!!!!

AÇÃO FONOAUDIOLÓGICA BÁSICA EM PROFISSIONAIS DA VOZ

Operador de Telemarketing Objetivo: melhorar a voz para aumentar a produtividade Principais queixas: rouquidão e cansaço vocal Características do trabalho: seleção, admissional, treinamento, periódicos, terceirizado, acompanhamento individual ou em grupo Enfoque: qualidade vocal, respiração e articulação adequadas

Ator Objetivo: desenvolver o potencial vocal para as artes cênicas Principais queixas: rouquidão e cansaço vocal Características do trabalho: seleção, treinamento, estabelecer contrato c/ grupo, terceirizado, acompanhamento individual ou em grupo Enfoque: qualidade vocal, resistência e flexibilidade vocal, aumento da intensidade, relação corpo-voz e a amplitude articulatória

Locutor Objetivo: Classificar a qualidade vocal junto aos diversos tipos de locução Principais queixas: distúrbios articulatórios e sotaque Características do trabalho: seleção, treinamento, cursos livres, acompanhamento individual ou em grupo Enfoque: qualidade vocal, articulação e respiração adequadas, inflexões adequadas, flexibilidade vocal e excelente leitura

Cantor Objetivo: Promover resistência e saúde vocal Principais queixas: rouquidão e perda dos agudos Características do trabalho: orientações em corais, seleção, acompanhamento individual Enfoque: qualidade vocal, resistência vocal, controle pneumofônico, tessitura ampla. Avaliar a voz cantada dentro dos parâmetros da voz falada.

Repórter de TV Objetivo: adequar o comportamento vocal para o vídeo Principais queixas: distúrbios articulatórios e sotaques Características do trabalho: seleção, treinamento, acompanhamento individual Enfoque: qualidade vocal, inflexões adequadas, relação corpo-voz desenvolvida, nitidez articulatória

Professor Objetivo: desenvolver as capacidades comunicativas para o magistério Principais queixas: rouquidão, rouquidão e rouquidão Características do trabalho: seleção, orientação, treinamento, terceirizado, acompanhamento individual ou em grupo. Enfoque: qualidade vocal, resistência vocal, respiração e intensidade vocal desenvolvidas.

Proposta para Análise Vocal Perceptual em Profissionais da Voz

Data:

/

/

 

___

_______

A)

Histórico vocal

Nome:

 

Idade ______

Sexo:

____

Grau de instrução:

__________________

 

Profissão:

Outra atividade:

 

___________________

 

_______________

 

Endereço:

_________________________

Te

l:

___________________

Queixa:

_________________________________

___________________

Problemas vocais anteriores:

 
 

_____________________________

__

Distúrbios relacionados à voz

 

Laríngicos. Quais?:

_________________________________

Respiratórios.

Quais?:

_________________________________

Auditivos.

Quais?:

_________________________________

Articulatórios.

 

Quais?:

_________________________________

( )Faringites ( )Amigdalites ( )Rinites

( )Outros: __________________________

Alergias. A quê?

____________________________________

___

 

As emoções repercutem na voz? De que maneira?: _______________

 

Fatores desencadeantes e agravantes: _________________________

Que impressão tem de sua voz? ______________________________

Que impressão os outros têm de sua voz? ______________________

B)

Aspectos corporais

 

Posturas inadequadas:

____________________________

Tensão na região cervical

_______________________________

 

Tensão na face:

 

Movimentos associados à fala:

_________________________________

 

___________________________

 

Gesticulação: ________________________________________

 

C)

Respiração

Modo de respirar em repouso: ( )nasal ( )bucal

 

Tipo:

 

( )predomínio superior ( )inferior ( )misto

 

Teste de contagem: __________________________

 

Coordenação Pneumofônica:

 

( )inspiração sob tensão

( )expiração sob tensão

( )desperdício pré-fonatório

( )desperdício pós-fonatório

( )fonação sem inspiração adequada

( )uso do ar de reserva

D)

Intensidade da voz:

( )fraca ( )mediana ( )forte

E)

Altura tonal:

( )aguda ( )mediana ( )grave

  • F) Inflexão vocal:

( )monótona ( )reduzida ( )adequada ( )excessiva

  • G) No. de notas: ________________

  • H) Registro vocal ( )elevado ( ) modal ( )basal

  • I) Estabilidade tonal: ( )estável ( )bitonal ( )falhada ( )trêmula

  • J) Canto: ( )afinado ( )desafinado ( )disodias

Comparado com a fala: ( )melhor ( )pior

  • K) Tempo máximo de fonação

/e/: __________________

/s/: tempo: ____________

/z/: tempo: ____________

Automatizado: TA

______________

TF

_______________

  • L) Ressonância

( )predomínio nasal

( )predomínio oral

( )predomínio faríngico

( )predomínio laringofaríngico (abafada)

( )equilibrada

  • M) Articulação

( )adequada ( )exagerada ( )reduzida

( )desviada: ______________________________

  • N) Vocabulário

( )satisfatório ( )rebuscado ( )acréscimos

( )suspensões ( )plebeísmo ( )regionalismos

( )estrangeirismos ( )pequenas incorreções

  • O) Velocidade da fala: ( )adequada ( )lenta ( )rápida

  • P) Fluência da fala: ( )adequada ( )escassa ( )disfluente

OBS: ___________________________

  • Q) Leitura oral

Desempenho:

_____________________

Comparada com a fala espontânea:

___________________

Variações grave agudo: ________________________

forte-fraco: _______________________

rápido-lento: ______________________

  • R) SMO

lábios:

___________________________

língua:

____________________________

bochechas: ______________________

mandíbula:

 

_________________________

__________________

gengivas

dentes

________________________

_______________________________________________

palato mole

palato

duro ____________________________________________

frênulos ________________________________________________________________

_______________

solo bucal

comissuras

_______________________

labiais ______________________________________

S) FNV

Sopro __________________________

Sucção _________________________________________

Mordida ________________________

Mastigação ______________________________________

Deglutição ______________________

----------------------------------------------------------------------------------------------------------

--------

PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS EM FONOAUDIOLOGIA

Dinâmica corporal

Equilíbrio postural de pé

Imaginar um fio que o sustente

Leve inclinação em todas as direções

Apoio na ponta dos pés

Levar os joelhos para trás até senti-los enrijecidos e relaxar gradativamente

Ombros alinhados = polegares para frente

Andar com apoio inicial no calcanhar e findando com apoio do corpo na parte anterior

do pé

Exercício de Abastecimento Variável]

I -----P----E----------------------------- -------------- I-----P-----E--------------------

I-----P-----E-----

I-----P-----E----------------------- ------------------- I-----P-----E--------------------

I-----P-----E----------------------- -------------------- I-----P-----E-----

Exercício de pneumofonoarticulação:]

leitura,linguagem automática, linguagem dirigida e espontânea (relato de lugares e de

eventos)

Fonação

Bocejar prolongando uma vogal

...

Realizar uma constrição nos lábios e reduzi-la gradativamente durante a emissão das

vogais:

/a/, /o/ e /u/

Fala salmodiada

Voz soprosa inicial

Uso do H aspirado, iniciando as vogais, palavras

...

Mascaramento

Mastigação

Sons de apoio nasais, fricativos e vibrantes

Articulação

Promover padrão articulatório adequado

Trava-línguas e estudo de cada fonema em palavras e contextualizado

Técnica da sobrearticulação

Articulação sem som

Erguer a voz nas consoantes finais

Ler como se todas as palavras fossem oxítonas

Exercícios com ditongos, tritongos e hiatos

Ex: auau > ma > ma > mau > mau

Leitura de textos com dramatização

Utilizar a palavra de valor, a inflexão

Ex: Advinhem quem vem para o jantar?

O que significa isto?

Realizar leitura com modificação da gama tonal, da intensidade vocal e da velocidade

da fala.

Ritmo

Uso do metrônomo

Uso do mini-órgão

Treino auditivo

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM VOZ PROFISSIONAL

PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

  • 1. Aperfeiçoamento vocal = Melhor desempenho da profissão

  • 2. Cada profissão apresenta características próprias

  • 3. Plano terapêutico = Necessidades profissionais

CONDUTAS TERAPÊUTICAS

POSTURA CORPORAL:

Ângulo de 90º ponta do queixo e o pescoço

Alinhamento corporal

Alongamento e flexibilidade

Pés apoiados

Peso ligeiramente para frente

  • 1. Afaste ligeiramente os pés, deixando-os inteiramente apoiados. Feche os olhos.

Balance o corpo lateralmente como se fosse um pêndulo durante 2 a 3 minutos.

  • 2. Leve os joelhos para trás até senti-los enrijecidos. Em seguida, solte-os, destravando-

os. Posição de relaxamento.

  • 3. Lentamente, comece a descer enrolando primeiramente a cabeça, depois os ombros,

as costas, os quadris, deixando os braços soltos. Sempre respirando e soltando o ar

durante o exercício. Depois, suba lentamente, 1º encaixe o quadril depois as costas, os

ombros e por último, a cabeça. Alinhe o olhar.

RESPIRAÇÃO:

Respirar adequadamente beneficia todo o organismo.

Controle sobre todas as sensações desagradáveis quando estamos em evidência.

Respiração ideal costo-diafragmática e abdominal

Desenvolvimento da consciência para a utilização de ar necessária para atividade vocal.

  • 4. Sentada, curva-se o tronco sobre as pernas, braços relaxados. Respira sempre atento

para a movimentação das

costelas durante a inspiração e expiração.

  • 5. Pés afastados, joelhos flexionados, coluna lombar e costas apoiadas na parede,

quadril encaixado, braços abertos, palmas para cima, ombros relaxados. Inspire pelo

nariz.

  • 6. De pé, inspirar lentamente elevando os braços acima da cabeça, prender a respiração

colocando os braços em posição horizontal, expirar lentamente, abaixando os braços ao

longo do corpo.

  • 7. Inspire lentamente enquanto dá 5 passos. No momento de dar o sexto passo comece a

contar 1-2-3-4-5. Conte um número em cada passo. Repita até que se torne de fácil

execução.

  • 8. Inspiração lenta expiração prolongada

10.

Inspire e expire emitindo:

a . . . e . . . . . i . . . . .
a .
.
.
e .
.
.
.
.
i
.
.
.
.
.
.
.
.
o
.
. u .
s .
.
.
.
.s
.
.
.
. s
.
.
.
s .
.
. s
.
.
.
.
.
z .
.
z .
.
.
.
. z
.
.
.
.
z .
.
.
.
.
.
. z
11.
Inspire e expire emitindo:
Palavras isoladas quantidade de acordo com a condição do cliente
Frases
12.
Leia um texto fazendo pausas breves e longas. Marque com uma barra / as pausas
breves e com / / as pausas longas. Use a pausa breve para destacar uma palavra na frase,
aquela que considera palavra chave. Aproveite esses momentos para pequenas
inspirações. Poderá gravar a voz em diferentes marcações, obtendo uma variação na
interpretação.
AQUECIMENTO VOCAL:
15 minutos
Maior flexibilidade da voz
Alongamento e fortalecimento muscular ajustes dos siste-mas que influenciam na
voz.
13.
Alongamento e fortalecimento de todo corpo
Massagem facial
Rotação de cabeça e ombros
Movimentação de braços ( extensão, balanceios, rotação )
14.
Aquecimento da musculatura respiratória com exercícios de inspiração rápida e
expiração prolongada.
15.
Sons Nasais - associados à rotação de língua no vestíbulo e ao estado de língua
Mastigação sonorizada e selvagem
Escalas ascendentes
Variação de intensidade
Som de sirene
16.
Sons vibrantes escalas ascendentes
Variação de intensidade
17.
Sons hiperagudos sopro
/mini-mini-mini
...
/
18.
Prolongamento de vogais nota por nota em fraca intensidade.
19.
Emissão em stacattos.
20. Exercícios articulatórios: Travalínguas.

boca.

DESAQUECIMENTO VOCAL:

5 minutos

Ajuste fonatório da voz coloquial

Atividades de curto período seguido de alongamento

22.

Continuar cantando, decrescendo a intensidade progressiva-mente.

23.

Sons nasais escalas descendentes.

 

24.

Sons vibrantes escalas descendentes.

25.

Voz salmodiada com estrofes de travalínguas, frases ou seqüências automáticas.

26.

Relaxamento e massagens indicado antes de dormir.

 

RESSONÂNCIA:

 

Equilíbrio da ressonância voz agradável

 

Colocação da voz na máscara / facilidade para projetá-la

 

27.

Emissão do som nasal /m/ com a cabeça abaixada na posição sentada ou em pé.

Quando conseguir produzir o som deverá ir levantando a cabeça lentamente.

28.

Emissão do som nasal /m/ fazendo com que o som vibre nas cavidades de

ressonância.

 

29.

Emitir o som nasal /m/ alongando a cavidade oral como se tivesse uma batata dentro

dela.

30.

Alternar os exercícios 28 e 29, inicialmente de forma lenta, ir aumentando a

velocidade.

 

31.

Emissão da seqüência /minimini

/

32.

Emissão da vogal /o/, procurando preencher toda a cavidade oral.

 

33.

Emissão das seguintes seqüências:

 

/ ãm ã

pã/ /em e

pe/

/im i

pi/ /õm õ

põ/

/um u

pu/

34.

Emissão de palavras iniciadas com o som nasal /m/, prolongando-se no início da

emissão.

 

35.

Emissão da seqüência:

 

/hum

ão

hum

ão

hum

ão

/

PROJEÇÃO VOCAL:

Apoio respiratório, ressonância equilibrada e expansão articulatória condições básicas

36.

Emissão do /u/ de forma prolongada, sentindo a vibração do som na face. Imagine

um ponto a sua frente e focalize a sua voz. Atenta para o padrão respiratório.

  • 37. Emissão das vogais e das notas musicais em escala ascendente. Focalize a voz.

  • 38. Fale os dias da semana com articulação precisa. Focalize sua foz.

ENTONAÇÃO DA VOZ ( INFLEXÃO ):

Estabelece diferentes curvas melódicas no discurso.

Entonação mais pausas adequadas

forte efeito emocional.

  • 39. Treine as palavras em negrito das frases abaixo, variando a voz entre os tons mais

graves e os mais agudos. Mudando a inflexão da voz, enfocando emoções diferentes,

interferindo no seu significado:

Advinhe quem vem para o jantar? (agradável)

Advinhe quem vem para o jantar? (desagradável)

Vamos agora até lá. (alegria)

Vamos agora até lá. (raiva)

  • 40. AGUDO / GRAVE

  • 41. Leia frases mudando a entonação, usando diferentes curvas melódicas: curvas

ascendentes, antes sas pausas e curvas descendentes, nas conclusões.

  • 42. Leia frases mudando a pontuação das mesmas, variando assim o contexto da

mensagem ( ( ! ), ( ? ), (

...

), ( . ) ).

ÊNFASE:

Elemento para dar vida a linguagem falada.

Eleger palavra do enunciado para valorizar seu significado.

  • 43. Repita a frase abaixo de diferentes maneiras colocando ênfase em diferentes

palavras:

Cheguei em casa e não encontrei você me esperando para o jantar.

ARTICULAÇÃO:

Precisão na produção dos sons da fala.

Eficiência na musculatura respiratória.

  • 44. Treine a posição articulatória correta dos sons do Português, iniciando pelas vogais.

Deixe o som fluir naturalmente, estando atento para sua produção.

  • 45. Exercícios de travalíngua iniciar o treino de forma lenta.

fa / sa / cha / fa / sa / cha

...

fe / se / che / fe / se / che ....

um tigre, dois tigres,

....

desenladrilharei, desenladrilharás, ...

46.

Treine articulando as consoantes com bastante energia:

O pato pateta

pintou a caneca

surrou a galinha

bateu no marreco

caiu no muro no pé do cavalo

 

tomou um coice

ganhou um galo ...

47.

Treine as seguintes palavras, evitando pronunciar a consoante que antecede outra

sílaba como se houvesse uma vogal entre elas:

 

op / ção ab / soluto

ad / vogado adep / to

 

RITMO:

Dependerá do ritmo individual e do propósito da mensagem.

Rapidez ou lentidão prejudicam a recepção da mensagem.

48.

Escolha um texto. Destaque as palavras chaves. Leia modificando a entonação. Faça

pausas com tempos diferentes. Você pode fazer o mesmo elegendo a frase de maior

importante. Brincar com o texto, deixando a fala cada vez mais expressiva.

49.

Escolha um texto. Leia variando a velocidade de sua fala, objetivando encontrar o

ritmo ideal para a compreensão da mensagem. Procure pontuar e acentuar corretamente

 

o texto.

ALTURA TONAL:

Impressão digital de sua voz.

Varia o tempo inteiro, dependendo das inflexões.

Desenvolver maior flexibilidade vocal.

50.

Usando palavras: bem, sim, não, pratique inflexões ascendentes.

51.

Usando palavras: ir, porquê, não, pratique inflexões descendentes.

52.

Exercícios de /s/ e /z/ com intensidades variadas.

53.

Vibração de língua variando da intensidade fraca até a forte ou vice-versa.

Disfonia em Quadros Especiais

Paralisia Cerebral

Características dependem do tipo e gravidade da paralisia

Alterações vocais:

Interrupção da sonorização caracterizada por sonorização forçada ou intermitente e

fonação inspiratória

Incoordenação PFA,

Dificuldade no controle e estabilidade do pitch

Paralisia Cerebral

Espástico: voz hipertensa

Atetóide: voz hipotensa

Deficientes Mentais

Incidência grande de disfonia / 47% apresentam problemas vocais (SCHLANGER &

GOTTSLEBEN, 1957)

Características:

voz rouco-áspera ou soprosa

hiper ou hiponasal,

salmodiada,

monótona e

alterações na loudness, pitch e prosódia

quadros de afonia

Crianças com Síndrome de Down

(Voz áspera, soprosa e caracterizada por tensão vocal e, em algumas, características de

fonação vestibular e hipernasalidade)

¿O choro do bebê normal é mais ativo, com maior duração, e contém um número maior

de sons do que o bebê com Síndrome de Down". (FISICHELLI et al., 1966)

Deficientes Auditivos

(Alteração vocal depende: grau e tipo de perda

Problemas associados de voz, fala, motricidade oral e linguagem)

Características vocais:

-Tensão vocal, incoordenação PFA, desequilíbrio ressonancial, alterações no pitch e

loudness, ataque vocal brusco, fala em stacatto, alterações na prosódia

Idade Avançada e Funcionamento Cerebral

Na pequena cidade de Mankato, no estado de Minnesota, nos EUA, existe um convento

com uma história muito diferente. As freiras que ali vivem e morrem parecem atingir

uma longevidade muito maior do que a população em geral: a idade média é de 85 anos,

e entre as 150 freiras aposentadas, 25 tem mais de 90 anos, e 12 tem mais de 100 anos.

Um dos motivos, é claro, é que as freiras em clausura não correm risco de morte

reprodutiva, levam uma vida protegida, não fumam nem bebem. No entanto, ocorrem

coisas surpreendentes: a incidência de doença de Alzheimer é muito baixa entre elas.

Essa é uma doença terrível, que mata as células cerebrais do idoso, e altera radicalmente

sua memória, comportamento e capacidade de viver autonomamente. Está aumentando

muito em todos os países, pois ocorre mais em pessoas com idade superior a 70 anos.

Portanto, com o aumento geral de longevidade trazido pela medicina e pelo bem estar

econômico, tem se transformado em um sério problema de saúde pública em alguns

países, como nos EUA.

Quando esse fato foi descoberto por um cientista da Universidade do Kentucky, Dr.

David Snowdon, ele foi estudá-las e descobriu que a longevidade era maior entre as

freiras que tinham educação superior, ou que tinham alguma atividade mental constante,

como estudo, leitura, música ou pintura, ensino das mais jovens, etc

..

Em outras

palavras, as freiras que exercitavam a sua mente e se mantinham ativas cerebralmente

viviam por mais tempo do que as que se "entregavam" à velhice, por assim dizer, ou que

tinham apenas atividades passivas e restritas do ponto de vista intelectual, como

cozinhar ou arrumar os quartos do convento. Como ele mesmo disse, "a diferença estava

em como elas usam suas cabeças".

A descoberta do Dr. Snowdon deu origem a um grande estudo científico. As freiras

concordaram em doar seus cérebros quando morressem, para que fosse investigado se

havia alguma diferença em relação a cérebros de outras pessoas. Ao longo da última

década e meia, ele e sua equipe examinaram mais de 700 cérebros.

O que os cientistas descobriram? Até recentemente, achava-se que o cérebro era

imutável. Os neurônios, que são as células cerebrais envolvidas em todas as funções

nervosas, desde um simples movimento até o pensamento e a linguagem, não se

reproduzem. Portanto, ao terminar o crescimento do cérebro, na infância, os neurônios

começam a morrer gradativamente, e não são substituídos. Ao chegar a uma idade

avançada, temos 25 a 30% menos neurônios que na adolescência, e em caso de doenças

circulatórias e degenerativas do sistema nervoso central, como na doença de Alzheimer,

essa devastação pode ser maior ainda, levando às alterações de memória, no sistema

sensorial e motor, e na capacidade cognitiva dos idosos.

Entretanto, algumas descobertas revolucionárias alteraram esse conceito. Os neurônios

se caracterizam por ter prolongamentos, ou ramificações, extremamente finas,

chamados dendritos, que são usados para fazer conexões com outras células cerebrais,

formando assim os circuitos responsáveis pelas funções do cérebro.

No córtex cerebral, onde estão as chamadas "funções superiores", como visão, audição,

fala, inteligência, consciência, etc.,os dendritos de um neurônio fazem conexão com até

1.000 outros neurônios. Outras células, como no cerebelo, responsável pela

coordenação dos movimentos e equilíbrio, essa relação pode ser de até 100.000 para

um.

Os cientistas descobriram que os dendritos podem crescer com o aprendizado. Uma

neurocientista de Los Angeles, Dra. Diamond, estudou o cérebro de ratos que viviam

em dois tipos de ambiente: um deles bem rico em sensações e experiências, com muitos

brinquedos, bolas, rampas, escadas, objetos coloridos, etc.; e outro sem nada de

especial. Além disso, testou os ratos que viviam sozinhos, quando comparados com

ratos que viviam com outros companheiros na mesma gaiola. Ela descobriu que os

neurônios do córtex dos ratos que tinham vivido em ambientes ricos ou em companhia

social, tinham muito mais ramificações de segunda e terceira ordem nos dendritos, do

que os ratos que tinham vivido em ambientes pobres.

Aparentemente, portanto, o cérebro funciona como um músculo: quanto mais você usa,

mais ele desenvolve conexões novas e cresce. A inatividade, por sua vez, acelera a

perda de conexões e a diminuição dos dendritos. O Dr. Snowdon descobriu no cérebro

das freiras que eram mais ativas intelectualmente na idade avançada, que algumas delas

tinham sinais patológicos que indicavam que elas deveriam ter Alzheimer (são placas de

uma substância amilóide e novelos de fios dentro das células, que não existem em

neurônios normais, e que são responsáveis pela sua morte). No entanto, elas tinham

poucos sintomas característicos, ou desenvolviam a doença muito mais tarde do que o

usual. O médico diz que como essas freiras tinham muito mais ramificações neuronais e

circuitos cerebrais mais ricos, eles compensavam a morte daqueles afetados pela

Alzheimer.

As freiras de Mankato acham que "cérebro desocupado é morada do diabo", e por isso

se dedicam tanto a ocupá-lo. É um ditado muito verdadeiro, se imaginarmos que o

"diabo", nesse caso, é a doença cerebral e cardiovascular, trazida pela inatividade e

entrega tão características da maior parte dos idosos que vivem no Brasil. É uma grande

tragédia, perfeitamente evitável. Iniciativas como a "Universidade da Terceira Idade",

da PUCCAMP, ou o "Projeto Caminhar" da FEAC (Federação das Entidades

Assistenciais de Campinas), estimulam o idoso a continuar a exercitar intensamente o

seu cérebro, aprendendo e a ensinando. Os idosos têm tanta experiência de vida e

conhecimento, e podem fazer tanto para melhorar nossa sociedade! Infelizmente, muitas

vezes são deixados de lado, "arquivados", abandonados pela mesma sociedade, que,

com falta de sabedoria, valoriza cada vez mais apenas os jovens.

As descobertas da ciência estão mostrando que é perfeitamente possível continuar

saudável e mentalmente ativo na velhice avançada. O aumento da longevidade média da

população exige que os idosos sejam integrados mais intensamente na vida social,

evitando o fantasma da aposentadoria, que mata tanta gente pela brusca mudança para a

inatividade e para a sensação de inutilidade.

A SAÚDE VOCAL DO PROFISSIONAL DA VOZ

A utilização da voz humana como forma principal ou exclusiva de trabalho categoriza

as profissões em dois grandes grupos: vocais e não-vocais.

As áreas da comunicação e artes, em especial os locutores, cantores e atores fazem parte

do grupo dos profissionais vocais. Para estes profissionais, a voz é seu principal

instrumento de trabalho, embora nem sempre eles tenham consciência disso.

É importante ressaltar que para ser um bom profissional desta área é fundamental cuidar

bem da voz, mantendo saúde e estética vocal. A voz para esses profissionais é como um

marketing pessoal

...

é o primeiro produto que esses profissionais expõem à sociedade.

Para tanto deve-se buscar a orientação e acompanhamento vocal com profissionais

habilitados, pois a manutenção saudável e estética da voz garantem a estes permanência

no mercado de trabalho.

Hoje, na era da comunicação, já é mito afirmarmos que somente os vocalmente "bem-

dotados" podem exercer profissões vocais. As práticas fonoaudiológicas, legalmente

reconhecidas na área da saúde, auxiliam no desenvolvimento do potencial vocal

saudável sem recursos medicamentosos ou cirúrgicos. Apesar disso, o desconhecimento

da higiene vocal tem levado muitos a manifestarem doenças laríngeas leves, e as

freqüentes repetições destas afecções chegam até mesmo à agravamentos que culminam

em tratamentos cirúrgicos.

O alto índice de alterações vocais nos profissionais da voz tem merecido especial

atenção dos fonoaudiólogos, pois a utilização da voz inadequada, resulta em uso

abusivo do aparelho fonador.

A exposição aos fatores nocivos como falar/cantar prolongadamente em ambientes

ruidosos, sem tratamento acústico apropriado, ou mesmo o inocente hábito de pigarrear

bruscamente, sempre antes do ato da fala, deixam o falante mais vulnerável.

Alguns profissionais utilizam erradamente como prevenção aos problemas vocais

pastilhas, conhaques, gengibre, sprays, entre outros. É ainda muito comum

encontrarmos locutores, atores e cantores dedicando grande parte do seu tempo em

ensaios e preparos de leituras, sem contudo investir igual atenção na forma saudável de

apresentá-las.

É preciso conhecer e desenvolver medidas preventivas, mudando pequenos hábitos e

comportamentos no nosso cotidiano, não apenas quando a rouquidão aparece.O melhor

seguro que os profissionais vocais podem fazer para preservar seu instrumento de

trabalho é manter a saúde vocal.

A VOZ E A SAÚDE

A voz é o som básico produzido pela laringe, por meio da vibração das cordas

(tecnicamente chamada de pregas) vocais.

A voz expressa as condições individuais (físicas ou emocionais) e, se o indivíduo não

estiver em condições saudáveis, a voz deixará transparecer algum problema,

ocasionando qualidade vocal disfônica, que pode vir a comprometer a fala e a

comunicação.

DOENÇAS PROFISSIONAIS

(aquelas que resultam da própria ação inadequada do profissional da voz)

Estudo realizado em 1989 por M. Calas mostrou que 96% dos Professores entrevistados

sofriam de fadiga vocal, 86% tinham lesões (frequentemente nódulos) e 85% usavam

técnica vocal falha.

Dados de 1995 relativos a licenças de saúde para professores, mostram que as doenças

do aparelho respiratório se destacam como a maior causa de afastamento: "entre as

doenças do aparelho respiratório estão as referentes à laringe e faringe, órgãos estes

responsáveis também pela fala, principal instrumento de trabalho do professor".

Thomé de Souza, em 1997, estudando Professores da Secretaria Municipal de Ensino de

São Paulo, constatou que a maior parte não sabia avaliar se suas vozes necessitavam de

cuidados, embora 75% apresentassem "irritação na garganta", 62% relatassem

rouquidão e cansaço ao falar, 47% pigarro e 37% já tivessem "perdido a voz".

Sala com muitos alunos (como a da foto) exige do professor esforço extra da laringe,

podendo causar disfonias.

A VOZ DO PROFESSOR É VULNERÁVEL AO TEMPO E AO USO

INADEQUADO, SEM CUIDADOS ESPECIAIS, DEVENDO SER TRATADA

COMO VOZ PROFISSIONAL. AS CONDIÇÕES DE SUA ROTINA DE VIDA E

TRABALHO, APRESENTAM SITUAÇÕES ESTRESSANTES E FATORES DE

RISCO PARA A SUA SAÚDE VOCAL E GERAL.

DISTÚRBIOS VOCAIS E DISFONIAS

Existem relações entre a saúde vocal, os distúrbios da voz (disfonias) e as condições de

trabalho.

UMA DISFONIA REPRESENTA QUALQUER DIFICULDADE NA EMISSÃO

VOCAL QUE IMPEÇA A PRODUÇÃO NATURAL DA VOZ.

A DISFONIA é uma dificuldade que pode se manifestar por meio de uma série de

alterações:

-esforço à emissão da voz

-dificuldade em manter a voz

-cansaço ao falar

-variações na frequência habitual

-rouquidão

-falta de volume e projeção

-perda da eficiência vocal

-pouca resistência ao falar

A disfonia é, na verdade, apenas um sintoma presente em vários e diferentes distúrbios,

ora se manifestando como sintoma secundário, ora como principal.

O indivíduo que padece de um distúrbio vocal sofre limitações de ordens física,

emocional e profissional.

A SÍNDROME DE BURNOUT

A ocorrência do estresse ocupacional tem sido observado em todas as partes do mundo,

como fator causal de mortalidade, morbidade e ruptura na saúde mental e bem-estar dos

trabalhadores.

O impacto dos fatores estressantes sobre profissões que requerem grau elevado de

contato com o público, recebe o nome de Síndrome de Burnout. De origem inglesa, este

termo significa: queimar, ferir, estar excitado, ansioso.

Trata-se de uma resposta ao estresse emocional crônico, sentimentos relativos ao

desempenho da profissão, representado por:

-exaustão física e emocional (contrastes entre tensão e tédio)

-diminuição da realização pessoal no trabalho (competência, sucesso, esforços falhos,

depressão)

-despersonalização (distanciamento, separação, coisificação, insensibilidade, cinismo)

-envolvimento (pessoas, proximidade, atenção diferenciada)

BURNOUT É A REAÇÃO FINAL DO INDIVÍDUO EM FACE DAS

EXPERIÊNCIAS ESTRESSANTES QUE SE ACUMULAM AO LONGO DO

TEMPO.

As situações de estresse contribuem para as condições de mau-uso e abuso da voz, que

geram esforços e adaptações do aparelho fonador, deixando o profissional mais

propenso ao desenvolvimento de uma disfonia.

As principais causas da Síndrome de Burnout são:

-Excesso de trabalho

-Sobreesforço (que leva a estados de ansiedade e fadiga)

-Desmoralização e perda de ilusão

-Perda de vocação, decepção com superiores, etc.

PRINCIPAIS SINTOMAS DA SÍNDROME DE BURNOUT

a) Psicossomáticos: fadiga crônica, dor de cabeça, distúrbios do sono, úlceras e

problemas gástricos, dores musculares, perda de peso;

b)Comportamentais: falta ao trabalho, vícios (fumo, álcool, drogas, café);

c)Emocionais: irritabilidade, falta de concentração, distanciamento afetivo; e

d)Relativos ao trabalho: menor capacidade, ações hostis, conflitos, etc.

TIPOS DE LESÕES

Os principais tipos de lesões orgânicas resultantes das disfonias funcionais são: nódulos,

pólipos e edemas das pregas vocais.

Estas 3 alterações da mucosa da prega vocal têm como característica comum, o fato de

representarem uma resposta inflamatória da túnica mucosa a agentes agressivos, quer

sejam de natureza externa, quer sejam decorrentes do próprio comportamento vocal.

Nódulos

Os nódulos resultam de: fatores anatômicos predisponentes (fendas triangulares),

personalidade (ansiedade, agressividade, perfeccionismo) e do comportamento vocal

inadequado (uso excessivo e abusivo da voz).

O tratamento dos nódulos é fonoterápico. A indicação cirúrgica, todavia, pode ser feita

quando os mesmos apresentam característica esbranquiçada, dura e fibrosada, ou ainda

quando existe dúvida diagnóstica.

Pólipos

Os pólipos são inflamações decorrentes de traumas em camadas mais profundas da

lâmina própria da laringe, de aparência vascularizada.

O tratamento é cirúrgico. A voz típica é rouca.

As causas podem ser: abuso da voz ou agentes irritantes, alergias, infecções agudas,

etc.

Edemas das pregas (cordas) vocais

Os edemas relacionam-se com o uso da voz. Normalmente são localizados e agudos.

O tratamento é medicamentoso ou através de repouso vocal.

Os edemas generalizados e bilaterais representam a laringite crônica, denominada

Edema de Reinke. É encontrada em pessoas expostas a fatores irritantes externos,

especialmente o tabagismo (fumo) e o elitismo, sendo o mais importante fator associado

ao uso excessivo e abusivo da voz.

Quando discretos, os edemas podem ser tratados com medicamentos e fonoterapia,

assegurando-se a eliminação de seu fator causal; quando volumosos, necessitam de

remoção cirúrgica, seguida de reabilitação fonoaudiológica.

Infecções

Os fatores infecciosos, incluindo as sinusites, diminuem a ressonância e alteram a

função respirstória, produzindo modificações na voz.

O efeito primário das infecções das vias aéreas superiores têm efeito direto sobre a

faringe e a laringe, podendo provocar irritação e edema das pregas vocais. Estes

processos infecciosos podem gerar atividades danosas, como o pigarro e a tosse que, por

sua vez, podem causar traumatismos nas pregas vocais.

Há também fatores imunológicos, endócrinos, auditivos e emocionais, que podem

causar transtornos na emissão da voz.

LARINGITE CRÔNICA

O agravamento das irritações crônicas da laringe é denominada laringite crônica.

Os sintomas são: rouquidão e tosse, com sensação de corpo estranho na garganta,

aumento de secreção, pigarro e, ocasionalmente, dor de garganta.

O tratamento envolve a eliminação dos fatores que provocam a irritação da laringe

(exposição a produtos químicos e tóxicos, nível elevado de ruídos, maus hábitos

alimentares, refluxo alimentar devido a gorduras, pigarro crônico, etc.), além da

promoção de hábitos que melhoram a higiene vocal, evitando os abusos da voz.

O QUE É BOM PARA A SUA SAÚDE VOCAL

Disciplinar o horário para o uso da voz, de modo que você tenha um período de repouso

vocal

Evitar a ingestão de drogas inalatórias e injetáveis que exerçam ação direta na região

laríngea;

Evitar o uso de álcool, fumo, drogas medicamentosas e maconha

Beber 7 a 8 copos de água por dia

Procurar atendimento especializado se usar a voz na profissão

Pastilhas, sprays ou medicamentos, só indicados por Médicos

Evitar automedicação e soluções caseiras (gengibre, romã, vinagre, água e sal, chás

caseiros,etc.)

Repouso da voz, após cada longa "apresentação" pública

Realizar aquecimento vocal antes do uso profissional da voz e depois do uso, o

desaquecimento

Usar roupas leves e nenhum adereço na região do pescoço e cintura

Evitar refrigerantes, chocolates, gorduras e condimentos

Realizar exercícios regulares de relaxamento, avaliações auditivas e

fonoaudiológicas

periódicas

Ingerir frutas cítricas

Cuidar da almintação e pelo menos 48 horas antes de uma apresentação, manter uma

alimentação leve

Manter a melhor postura da cabeça e do corpo durante a aula, a fala ou o canto.

O QUE É MAU PARA A SUA SAÚDE VOCAL

Fumo, álcool, drogas e poluição

Tossir, gritar muito ou pigarrear

Cantar ou gritar quando gripado

Falar em locais barulhentos (Olha o professor aí, gente

...

)

Mudanças bruscas de temperatura (contrastes térmicos tanto físico, quanto oral/interno)

Ambientes com muita poeira, mofo, cheiros fortes, especialmente se você for alérgico.

Ambiente climatizado com ar condicionado

Falar sussurrado

Permanecer muito tempo na mesma posição

Falar ao telefone com a cabeça inclinada

Fazer uma voz que não é a sua (imitar personagens e atores conhecidos, por exemplo)

QUEM CUIDA DAS SUAS PREGAS (CORDAS) VOCAIS ?

Rouquidão provocada por gripe ou resfriado simples podem ser tratados por um Médico

clínico geral ou até mesmo o Pediatra. No entanto, se ela durar mais de 1 semana ou se

não tiver uma causa evidente, deverá ser avaliada por um especialista em voz: o Médico

otorrinolaringologista (especialista em nariz, ouvidos e garganta).

"Problemas com a voz são melhor conduzidos por um grupo de profissionais que inclua

o Médico otorrinolaringologista e um fonoaudiólogo."

Segunda-feira, Fevereiro 02, 2004

VOCÊ SABE QUE OS TRAVA-LÍNGUAS SÃO IMPORTANTES NA

FONOAUDIOLOGIA?

Quem observa, com atenção, a linguagem de cada momento poderá verificar entre as

palavras uma série de elementos estranhos que a enfeiam e desfiguram o nosso

pensamento. Às vezes se tomam intoleráveis. É o caso, por exemplo, da balbuciância

que consiste em certos defeitos de dicção e forçam a pessoa a ser hesitante, reticente. E

também o caso da gaguez, por vezes enervante.

O FOLCLORE - Atuando em todo o campo da ação humana - poderá prestar à pessoa

que fala mais um de seus benefícios através dos travalínguas. Os travalínguas servem

para corrigir algumas dificuldades de pronúncia. Aos dislálicos (pessoas que têm

dificuldade em articular as palavras) e aos que têm a língua presa, não há melhor

remédio que uma boa dosagem de travalínguas.

Os travalínguas, além de aperfeiçoadores da pronúncia, servem para divertir e provocar

disputa entre amigos. São embaraçosos, provocam risos e caçoadas. 0 emissor na prática

dos primeiros exercícios parece estar com a língua enrolada. Mas rindo e passando o

tempo, prática a boa terapêutica para corrigir seus defeitos.

Geralmente, nos travalínguas, existe uma diferença de força entre as sílabas de uma

palavra; elas tendem a trocar entre si um dos elementos. Num dado momento, um grupo

de sons já não pode pronunciar-se e produz a metátese: "Tire o trigo dos três tigres". Na

articulação desta frase um som pode ser antecipado. Este fenômeno explica-se pelo fato

de os sons da linguagem interior terem valores diferentes: Quando pronunciamos uma

frase qualquer, todos os elementos vizinhos, que têm um valor igual, ressoam ao mesmo

tempo na nossa consciência, tanto os sons que devem ser pronunciados imediatamente,

como os que hão de ser pronunciados mais tarde, de modo que estes elementos troquem

entre si o seu lugar.

Assim, quando pronunciamos uma frase, todos os elementos que a compõem existem na

nossa consciência; mas o pensamento é mais rápido que a palavra. Daqui resulta que os

sons ainda não emitidos podem influenciar as palavras ou os sons já emitidos.

Grande parte dos travalínguas constitui exemplos de aliteração porque é formada pela

repetição da mesma consoante no início de dois ou mais vocábulos: "Um papo de pato

num prato de prata".

Observa-se também que alguns deles formam cacofonia, vício de linguagem que

consiste em formar, com a junção de duas ou mais palavras, uma outra de sentido

ridículo ou obsceno. Em outros exemplos está a onomatopéia, pois há imitação

voluntária de um ruído natural, de modo imperfeito, por ser a nossa audição

aproximada. É o caso dos primeiros elementos deste travalíngua: "Purrutaco-ta-taco, a

mulher do macaco, ela pita, ela fuma, ela toma tabaco". Depois de ouvirmos por algum

tempo o "Purrutaco-ta-taco", da voz de um papagaio, podemos imitá-lo, mas os sons

imitados não podem ser integrados na fala corrente, na qual usamos os sons naturais da

fala humana.

Nota-se em alguns exemplos de travalínguas o jogo de significantes, isto é, há apenas a

mudança de um ou alguns elementos que passam a situar-se em vários pontos do

enunciado: "Pape a papinha, papai, senão o papão papa. E o papai papa prá que não

pape o papão". Os travalínguas ajudam aos que têm defeito de dicção a expressar com

correção e clareza. A pronúncia depende de articulação e esta é que controla o ritmo e a

modulação da palavra. No caso dos travalínguas, como recreação, passatempo, exige-se

da pessoa muita rapidez ao pronunciar as palavras. Esta rapidez é que leva o locutor à

supressão de um som, ao desaparecimento de sílaba ou permuta dos elementos

(apóstrofo, eliSão, sinalefa, sincope, haplologia, etc).

Seguem a seguir alguns trava-línguas pra você se divertir. Caso você tenha interesse em

mais trava-línguas, envie-me pedido através de email ou visite o

site:www.ifolclore.com.br/brinc/travalingua

OS CLÁSSICOS DOS TRAVALÍNGUAS

OS MAFAGAFOS :.

Em cima daquela árvore tem um ninho de mafagato, e quem lá chegar encontrará quatro

mafagatinhos mamando na mafagata o leite mafagatoso. E quem o desmafagatar será

um grande desmafagatador.

Em um ninho de mafagafos haviam sete mafagafinhos; quem amafagafar mais

mafagafinhos, bom amagafanhador será.

Um ninho de mafagafa, com cinco mafagafinhos, quem desmafagar o ninho, bom

desmafagador será.

Um ninho de mafagafas tinha seis mafagafinhos. Tinha também magafaças, maçagafas,

maçafinhos, mafafagos, magaçafas, maçafagas, magafinhos. Isso além dos magafafos e

dos magafafinhos.

Um ninho de manfagafas Com nove manfagafinhos Quando a ifagafa-fala' Falam todos

os manfagafinhos.

TIGRE :

Dê o trigo para os três tigres no prato de prata.

Em três pratos de trigo comem três tristes tigres.

Num prato de trigo três tigres tristes comiam. Um tigre, dois tigres , três tigres.

ARANHA :.

Num jarro há uma aranha.

Tanto a aranha arranha o jarro

como o jarro arranha a aranha.

A aranha arranha a jarra, a jarra arranha a aranha;

nem a aranha arranha a jarra nem a jarra arranha a aranha.

DESCONSTANTINOPLA :.

Se o príncipe de Constantinopla quisesse se desconstantinopolizar, qual seria o

desconstantinopolizador que iria a Constantinopla para desconstantinopolizá-lo?

O arcebispo de Constantinopla será desarcebispoconstantinopolizado; quem o

desarcebispoconstantinopolizará? Quem o desarcebispoconstantinopolizar, bom

desarcebipoconstantinopolizador será.

.: TRAVALÍNGUAS GERAIS

A vaca malhada foi molhada por outra vaca molhada e malhada.

A mulher barbada tem barba boba babada e um barbado bobo todo babado!

A vida é uma sucessiva sucessão de sucessões

que se sucedem sucessivamente, sem suceder o sucesso ...

Atrás da porta torta tem uma porca morta.

Fia, fio a fio , fino fio, frio a frio.

Farofa feita com muita farinha fofa faz uma fofoca feia.

Gato escondido com rabo de fora

tá mais escondido que rabo escondido com gato de fora.

Joguei o jogo no jóquei João.

O júri jurou ante os jurados.

Jurema jogou a jarra no jacaré.

Larga a tia, lagartixa! Lagartixa, larga a tia!

Só no dia que sua tia Chamar lagartixa de lagartinha

Nunca vi um doce tão doce

como este doce de batata-doce.

Não confunda a obra de arte do mestre Picasso

com a pica de aço do mestre de obras.

Não sei se é fato ou se é fita,

Não sei se é fita ou fato.

O fato é que você me fita

E fita mesmo de fato.

Num ninho de maçarico.

Três maçaricozinhos há.

Quem os desmaçariquizar,

Bom desmaçariquizador será.

Exercício para Dicção e Impostação da Voz

PARA RELAXAMENTO DA VOZ

Com os dedos apoiados no nariz, vibrar boca e nariz.

Emitir som de abelha (hummm), por +/- um minuto.

Ficar +/- 30 segundos em silêncio.

Articulando maxilar pronunciar:

Mua, mué, mue, mui,muó, muo, muu,

Repetir três vezes

Ficar em silêncio por 30 segundos.

Articulando com bastante força pronunciar

PRA, TRA, CRA

CHA, NHÁ,, LHA

QUA, GUA.

PRÉ, TRÉ, CRÉ

CHE, NHÉ, LHÉ

QUÉ, GUÉ.

PRE, TRE, CRE

CHE, NHE, LHE

QUE, GUE.

PRI, TRI, CRI

CHI, NHI, LHI

QUI, GUI.

PRÓ, TRÓ, CRÓ

CHÓ, NHÓ, LHÓ

QUÓ, GUÓ.

PRO, TRO, CRO

CHO NHO, LHO

QUO, GUO.

PRU, TRU, CRU

CHU, NHU, LHU

QUU, GUU.

Contar de 1 a 10 em um único fôlego, com pausa entre um número e outro.

1,1, * 1,2, * 1,3, * 1,4, * 1,5, * 1,6, * 1,7, * 1,8, * 1,9, * 1,10*

EXERCÍCIO DE ORTOFONIA

01.

Cabelos cobriam corpos cálidos, caídos em catadupas candentes.

  • 02. Quem casa quer casa.

  • 03. Cumprindo com a concordata ganhamos confiança.

  • 04. A câmara capta o gato que correu contra a correnteza, quebrando

a cabeça.

  • 05. O capenga cangaceiro capengava na capoeira do cangaço.

  • 06. Dagoberto doutor, descreve dezenas de doutrinas e dogmas,

adotando o doutoramento dele editado.

  • 07. O dente dele dói e dá doença.

  • 08. Em Belém a enchente estende-se e ninguém a detém.

  • 09. Em Erechim enderecem este bilhete a Henrique, que tem de

exercer a eleição.

  • 10. Filomena Felícia Fausta Fonseca, famosa flor, farmacêutica fez

formidáveis fórmulas, fabricou formosos fortificantes e famosos fertilizantes, fazendo felizes frenéticos fregueses.

  • 11. O globo glacial conglomerava no Congo.

  • 12. Gaivotas graciosas gabavam galhardia dos gancheiros, gatiando

as garças, o gado e os gaviões.

  • 13. Guido guerreiro guapo.

  • 14. O guloso guri, gulosava gulodices e a gurizada guturalizava nos

gurupás.

  • 15. O gornil dos gomeiros na gonoleira, gotejavam goma.

  • 16. Guias guiaram o guitarrista, guizelando guizos a guiza do guião.

  • 17. Guerreiros guerreavam na guerra dos guetos.

19. A grade da gruta grande de Creta estava crivada de crisântemos crespos.

  • 20. Os gêmeos do general Gilberto, gênios em geologia, gesticulavam

geralmente junto da gente.

  • 21. Gêneros gelados na geladeira geralmente geram geléia.

  • 22. O genovês, jovem gigante, gira e geme no ginásio de ginástica.

  • 23. As jóias de Joana, na jarra jogada da jangada, girando no Jucuí,

cheio de jacarés.

EXERCÍCIO: RESPIRAÇÃO E DICÇÃO

RESPIRAÇÃO

1)

Expirar contando em voz alta: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7

até 60.

2) Inspirar e expirar várias vezes lentamente: P B T D G Q (exercício de

domínio da expiração). Estas são as consoantes “oclusivas”, as que gastam

mais ar na pronúncia.

 

3)

Ginástica Respiratória

  • a) Inspirar profundamente;

    • b) Durante a respiração subsequente, emitir distintamente um verso

de doze sílabas, dos chamados alexandrinos (Ex.: “O sol da perfeição é que

ilumina os gênios”); em seguida, emitir duas vezes esse mesmo verso a fim de

desenvolver a faculdade de economizar o fôlego quando estiver falando.

DICÇÃO

1)

Vogais

I - Rififi de piriquiribi viril chincrin e tiguimirim, inimissíssimos de

pirlimpimpim. Imbiri incio, pirim, quis distinguir piquiritis de chibis miris, timbris

de dissímil piriquiti.

U - O grugru dos murututus, mutuns, tuputus, jutus, juburus e

urutumuns. O lusco-fusco do morundu do sul púrpuro de lux. O zumzum do

fundo do mundo é imundo.

2)

Ditongos, Tritongos e Hiatos

(Ler soletrando cada vogal, antes de juntá-las em palavras)

AI - A gaita do pai de Adelaide está embaixo da caixa.

UI - Fui colher flores ruivas e azuis nos pauis.

AIO - O lacaio do cavalo baio leva o balaio de paio.

OIA - Aribóia via a jibóia que boiava na pitimbóia.

3)

Consoantes

M - O mameluco melancólico meditava e a megera megalocéfala,

macabra e maquiavélica mastigava mostarda na maloca miasmática. Migalhas

minguadas de moagem mitigavam míseras meninas.

R - O rato, a ratazana, o ratinho, roeram as rútilas roupas e rasgaram

as ricas rendas da rainha dona urraca de rombarral.

S - Sófocles soluçante ciciou no Senado suaves censuras sobre a

insensatez de seus filhos insensíveis. Suave viração do Sueste passa

sussurrante sobre sensitivas silenciosas.

4)

Encontros Consonantais

CR

-

O acróstico cravado na cruz de crisólidas da criança

criada na creche é o credo católico.

areana

PR - Um prato de trigo para um tigre, dois pratos de trigo para dois

tigres, três pratos de trigo para três tigres

...

dez pratos de trigo para dez tigres.

(Org. por Sérgio Biagi Gregório)

São Paulo, 19/09/2009