P. 1
Riscos Ocupacionais - identificação e controle

Riscos Ocupacionais - identificação e controle

|Views: 242|Likes:
Publicado poroliveirasa497

More info:

Published by: oliveirasa497 on Jan 13, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/26/2013

pdf

text

original

Sections

  • PREVENÇÃO:
  • DEFINIÇÃO:
  • OUTROS CASOS:
  • Observações:
  • VIAS DE EXPOSIÇÃO
  • UMIDADE
  • PRESSÕES ANORMAIS

UNESP

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “JÚLIO DE MESQUITA FILHO”
CÂMPUS DE ILHA SOLTEIRA

FEIS

I Seminário de Segurança em Laboratório

Simone Aparecida de Oliveira
Assistente de Suporte Acadêmico II Vice-Presidente da CIPA

O QUE É MAIS IMPORTANTE NA VIDA?

O QUE É MAIS IMPORTANTE NA VIDA?

Espetaculo-Nilton Pinto e Tom Carvalho - A morte.wmv

IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA NO TRABALHO PREVENÇÃO: *Acidentes de Trabalho *Doenças Ocupacionais .

ou a perda ou redução permanente ou temporária da capacidade para o trabalho.ACIDENTE DE TRABALHO SEGUNDO A LEI DEFINIÇÃO: *Acidente de trabalho: É aquele que ocorre pelo exercício do trabalho. perturbação funcional ou doença que cause a morte. a serviço da empresa. provocando lesão corporal. 2011 . Fonte: SILVEIRA & GARRETT.

Exemplos: Saturnismo –provocado pelo chumbo. 2011 . Surdez profissional –causada por máquinas ruidosas. Pneumoconiose –provocada por minério de carvão.ACIDENTE DE TRABALHO SEGUNDO A LEI DEFINIÇÃO: *Doença Profissional: São desencadeadas pelo exercício do trabalho e peculiares a determinados ramos de atividades. Silicose – provocado pela poeira da sílica. Dermatoses profissionais –causadas por substâncias químicas. Bissinose –causada pela fibra de algodão. conforme regulamentadas pelo Ministério da Previdência Social. Fonte: SILVEIRA & GARRETT.

ACIDENTE DE TRABALHO SEGUNDO A LEI DEFINIÇÃO: *Doença do Trabalho: São desencadeadas devido. É necessário portanto. Ex: LER/DORT/Escoliose. as condições especiais que são relacionadas com o trabalho que está sendo executado. 2011 . Fonte: SILVEIRA & GARRETT. estabelecer ou comprovar o nexo causal entre a doença e o tipo de trabalho que a originou. etc.

Fonte: SILVEIRA & GARRETT.ACIDENTE DE TRABALHO SEGUNDO A LEI OUTROS CASOS: * Acidente causado durante a * Acidente de Trajeto – prestação espontânea de um serviço para a empresa. 2011 . * Acidente em viagem a serviço da empresa. ocorrido no percurso da residência para o trabalho ou vice-versa.

Fonte: SILVEIRA & GARRETT. * Acidente sofrido nos horários de refeição e descanso durante o horário de trabalho.ACIDENTE DE TRABALHO SEGUNDO A LEI OUTROS CASOS: * Acidente causado por caso fortuito ou força maior. * Acidente durante a execução de ordem fora do local da empresa. 2011 .

* As Doenças onde não é possível estabelecer o “nexo regiões.. etc. * A auto-lesão provocada pelo trabalhador com o fim de colher vantagens pessoais. Fonte: SILVEIRA & GARRETT.ACIDENTE DE TRABALHO SEGUNDO A LEI Observações: Não é considerado “Acidente de Trabalho”: * Aquele que provoca somente danos materiais. 2011 . causal”entre a doença e o tipo de trabalho executado.. malária.cardiopatias. diabetes. * Doenças degenerativas e as doenças típicas de determinadas Exemplos: miopia.

2011 .CONCEITOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO E NOÇÕES DE RISCO Higiene e Segurança no Trabalho ?????? Fonte: SILVEIRA & GARRETT.

SEGURANÇA DO TRABALHO E NOÇÕES DE RISCO SEGURANÇA DO TRABALHO Tem como finalidade Conjunto de ações e Medidas preventivas Adotadas no trabalho • Evitar acidentes • Prevenir doenças PROMOVER MELHOR QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE LABORATIVO Fonte: SILVEIRA & GARRETT. 2011 .

educativas. administrativas. etc. 2011 . de * Quem é responsável pelas ações de Segurança do Trabalho? * É responsabilidade de todos e depende: da efetiva participação da empresa.TIPOS DE AÇÕES E MEDIDAS PREVENTIVAS * As ações ou medidas preventivas adotadas podem ser: de caráter técnico. do envolvimento de todas as chefias ou lideranças e da cooperação de cada trabalhador. ambientais. organizacionais. engenharia. Fonte: SILVEIRA & GARRETT.

caso este evento venha a ocorrer. 2011 . Risco = exposição ao perigo x gravidade do dano Fonte: SILVEIRA & GARRETT.DEFINIÇÕES EM SEGURANÇA DO TRABALHO * PERIGO:  É qualquer situação que tenha potencial de causar um dano. * RISCO: É a combinação da probabilidade da ocorrência de um evento perigoso e da gravidade do dano ou prejuízos que poderão resultar. lesão ou doença ou avaria.

Fonte: SILVEIRA & GARRETT. Estimar o grau de potencialidade ou criticidade: Parâmetros: Pequeno – Médio – Grande Tolerável – Leve –Moderado – Grave .DEFINIÇÕES EM SEGURANÇA DO TRABALHO Avaliação de Riscos: *É um processo de estimativa da magnitude do risco.Crítico * Assim. cuja metodologia pode ser qualitativa ou quantitativa. identificar e estimar todas as situações de “Não conformidades” referentes ao processo de trabalho. 2011 . avaliar riscos é portanto.

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Processo de análise ou avaliação de riscos envolve as seguintes etapas: 1.O tempo de exposição frente ao risco: • Eventual / Esporádico /Ocasional • Habitual • Intermitente • Permanente 5. Fonte: SILVEIRA & GARRETT.A forma de exposição do trabalhador.SST .Estimar o grau de potencialidade dos riscos. 2. 2011 .Verificar a intensidade ou concentração. 4. 7.Eficácia das medidas de controle.Identificar o agente nocivo de risco. 3. 6. Possíveis danos ou conseqüências para a saúde.

2011 .HIGIENE DO TRABALHO . Fonte: SILVEIRA & GARRETT. Daí ser muito comum a expressão: * “Segurança e Higiene Ocupacional” ou também “Segurança e Higiene do Trabalho”.CONCEITO * Utilizado para expressar um conjunto de fatores que visam a preservação da saúde no ambiente de trabalho. * HIGIENE: Utilizado no sentido de evitar doenças.

Avaliação Controle Diagnóstico Tratamento Cura Ambiente Salubre Trabalhador Saudável Fonte: Janaína Conrado Lyra da Fonseca .COMO AGE O HIGIENISTA Ambiente insalubre Exposição Trabalhador Doente Reconhecim.

maior confiabilidade operacional e um conseqüente aumento de produção. * Cumprir as obrigações legais. * Permitir * Proporcionar certificações para a Fonte: SILVEIRA & GARRETT.IMPORTÂNCIA DAS AÇÕES DE PREVENÇÃO * Prevenir acidentes e doenças do trabalho.). evitando ações punitivas e até mesmo indenizatórias. * Evitar prejuízos financeiros. 2011 . sociais e humanos decorrentes dos acidentes. empresa(OHSAS18001.etc.

.vida saudável). 2011 .. * Proporcionar bem-estar físico e mental aos trabalhadores (ginástica.IMPORTÂNCIA DAS AÇÕES DE PREVENÇÃO * Buscar melhor aceitação do produto fabricado no mercado internacional. melhoria da de vida no de trabalho. * Elevar a auto-estima dos trabalhadores e a boa imagem da empresa (empresa social): qualidade ambiente etc. * Proporcionar Fonte: SILVEIRA & GARRETT. * Enfocar o conceito de empresa cidadã ou empresa social.

2011 . c)Os acidentes são previsíveis (teoria dos quase-acidentes). Fonte: SILVEIRA & GARRETT. b)O acidente não é fruto da fatalidade. d)Os acidentes são perfeitamente evitáveis. e)O trabalhador não é infalível ao erro.Alguns desafios a serem vencidos nas questões relacionadas à PREVENÇÃO a)O acidente não acontece por acaso.

2011 .Alguns desafios a serem vencidos nas questões relacionadas à PREVENÇÃO Os acidentes são perfeitamente evitáveis Fonte: SILVEIRA & GARRETT.

3. 5. 2. Fonte: SILVEIRA & GARRETT. Idealizar um “Cronograma de Planejamento das Ações de Segurança”. Avaliar os riscos com potencial de causar acidentes ou doenças relacionadas ao trabalho. Registrar (Documentar) / Informar / Monitorar. 4. Propor medidas de controle para os riscos que tenham potencial de danos. Identificar (mapear ou diagnosticar) as fontes de riscos no ambiente de trabalho.FASES DA ANÁLISE DE SEGURANÇA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA 1. 2011 .

instrumentos e ferramentas de trabalho. N. Identificar (mapear ou diagnosticar) as fontes de riscos no ambiente de trabalho: Inventariar as máquinas. Os tipos de tarefas realizadas. Pesquisar os acidentes já ocorridos.O que é necessário para desenvolver Segurança do Trabalho em uma empresa? 1. Fonte: SILVEIRA & GARRETT. As fontes geradoras ou causadoras dos riscos.. A forma como o trabalho é realizado.º de trabalhadores expostos (por sexo). 2011 ... Queixas em relação ao serviço.

Permanente Verificar a eficácia das medidas de proteção existentes. Verificar os possíveis danos para a saúde conforme literaturas especializadas. Médio. 2011 . Estimar o grau de criticidade ou potencialidade dos riscos identificados: a)Pequeno. Fonte: SILVEIRA & GARRETT.O que é necessário para desenvolver Segurança do Trabalho em uma empresa? 2. Eventual/Ocasional – Habitual – Intermitente . Avaliar os riscos com potencial de danos: Determinar a forma e o tempo de exposição aos riscos. Grande b)Trivial/Tolerável – Leve – Moderado – Grave –Crítico/Intolerável (conforme BS-8800).

: As avaliações podem ser qualitativas ou quantitativas a)Avaliação qualitativa: Tem como referência as literaturas técnicas especializadas no assunto. Neste caso. deve-se verificar a concentração ou intensidade do agente agressor (Limite de Exposição Ocupacional ou Limite de Tolerância – LT). 2011 . b)Avaliação quantitativa: Compara valores medidos em campo com dados préestabelecidos em normas específicas nacionais ou internacionais. Fonte: SILVEIRA & GARRETT.O que é necessário para desenvolver Segurança do Trabalho em uma empresa? *Obs.

administrativas e organizacionais no lugar de medidas individuais buscando sempre eliminar. É necessário: Privilegiar medidas coletivas. Propor ações ou medidas de controle dos riscos que tenham potencial de danos. 2011 . Fonte: SILVEIRA & GARRETT. apenas controlar os riscos.O que é necessário para desenvolver Segurança do Trabalho em uma empresa? 3. Não adotar medidas de controle dos riscos que sejam consideradas paliativas e atuem apenas no sintoma e não na causa. reduzir e por último.

O que é necessário para desenvolver Segurança do Trabalho em uma empresa? 4. indicando os responsáveis para cada medida idealizada e. Registrar (Documentar) / Informar / Monitorar Todas as análises pertinentes ao processo de investigação e avaliação devem ser monitoradas para verificar sua eficácia. 2011 . 5. Fonte: SILVEIRA & GARRETT. se necessário elaborar uma planilha contendo uma estimativa dos recursos (Investimentos financeiros) para cada ação de segurança que está sendo proposta. Idealizar um “Cronograma de Planejamento das Ações de Segurança” De acordo com o grau de potencialidade dos riscos avaliados.

RISCOS OCUPACIONAIS *FÍSICOS *QUÍMICOS *BIOLÓGICOS *ERGONÔMICOS *DE ACIDENTES Fonte: SILVEIRA & GARRETT. 2011 .

durante um processo ou a uma prática específica de sua atividade de trabalho. * Dose – quantidade de um agente potencialmente perigoso que pode ser absorvida ou retida pelo corpo. físico ou químico). * Exposição Ocupacional – condição na qual um trabalhador pode estar sujeito a um agente de risco (biológico. Fonte: Janaína Conrado Lyra da Fonseca .CARACTERIZAÇÃO DOS RISCOS OCUPACIONAIS DEFINIÇÕES: * Exposição – é a possibilidade de contato entre o homem e um agente potencial de risco.

CARACTERIZAÇÃO DOS RISCOS OCUPACIONAIS VIAS DE EXPOSIÇÃO * * * Via dérmica Via inalatória Via digestiva Vias de exposição ocupacionais – dérmica e inalatória Fonte: Janaína Conrado Lyra da Fonseca .

mas também é a mais fácil de ser protegida. * A absorção pela pele é mais fácil para substâncias lipo-solúveis e quando a pele não está intacta. * Efeitos locais como irritação e alergias são os mais comuns.EXPOSIÇÃO DÉRMICA * É a mais comum. embora possam ocorrer efeitos sistêmicos. Fonte: Janaína Conrado Lyra da Fonseca .

EXPOSIÇÃO POR INGESTÃO * Em ambientes ocupacionais a ingestão ocorre acidentalmente. Ex: mãos contaminadas.EXPOSIÇÃO INALATÓRIA * Substâncias na forma de aerodispersóides. SOx – diminuição da função pulmonar. Sistêmicos: CO. Fonte: Janaína Conrado Lyra da Fonseca contaminação por . HPAs. pesticidas. NOx. benzeno. gases e vapores podem ingressar no organismo. Hg. Ex: Locais: partículas. * Causando danos locais ou sistêmicos.

aditivos. Fonte: Janaína Conrado Lyra da Fonseca . alimentos. água) do indivíduo. * Existem pouquíssimas informações sobre os efeitos combinados da exposição a substâncias químicas entre si ou com outros agentes.EXPOSIÇÃO MÚLTIPLA * Além da exposição ocupacional é preciso considerar a exposição ambiental (ar. * Os efeitos da exposição concomitante a substâncias químicas podem levar a efeitos independentes. sinérgicos ou antagônicos.

* Antagônico . * Sinérgico . ou agem de forma diferente. Fonte: Janaína Conrado Lyra da Fonseca . não interferindo uns com os outros.efeitos são diferentes.EXPOSIÇÃO COMBINADOS * Independente .efeito combinado é a soma dos efeitos individuais. * Aditivo .efeito combinado é maior que a soma dos efeitos individuais.efeito combinado é menor que a soma dos efeitos individuais.

2011 .O que são e quais são os riscos ocupacionais existentes em uma empresa? *RISCOS OCUPACIONAIS São condições inerentes ao ambiente de trabalho ou aos processos de trabalho e que podem ser causas de acidentes ou doenças ocupacionais. Risco ocupacional = Exposição x Gravidade dos efeitos à saúde Fonte: SILVEIRA & GARRETT.

RISCOS FÍSICOS *São as diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores em seu ambiente de trabalho. ultra-violeta). • Vibração. São eles: • Ruído. microondas. • Radiações Ionizantes. extremas ou excessivas causadas pelo calor ou Fonte: SILVEIRA & GARRETT. (laser. 2011 . • Radiações não-ionizantes • Temperaturas frio. • Pressões anormais. umidade.

RISCOS FÍSICOS RUÍDO Ruídos encontrados no ambiente Fonte: Adalton Roma .

Deve ser feita utilizando-se medidores integradores de uso pessoal. Exemplo: Dosímetro de Ruído Fonte: Adalton Roma . fixados no trabalhador. durante a jornada trabalho.RISCOS FÍSICOS RUÍDO MEIOS DE AVALIAÇÃO: PESSOAL Deverá ser feita por meio da determinação da dose diária de ruído ou do nível de exposição.

utilizase o medidor de leitura instantânea. Exemplo: Decibelímetro Fonte: Adalton Roma .RISCOS FÍSICOS RUÍDO MEIOS DE AVALIAÇÃO: MEIOS DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO: Na impossibilidade de medição com este equipamento. não fixados no trabalhador que poderão ser utilizados na avaliação de determinadas situações de exposição ocupacional.

sobre o aparelho auditivo.  Dores de cabeça.  Gastrite.RISCOS FÍSICOS RUÍDO EFEITOS NA SAÚDE: a) FISIOLÓGICOS: Compreendem efeitos otológicos .  Loucura. Fonte: Adalton Roma .  Alergias.  Distúrbios hormonais.  Contração dos vasos sangüíneos.  Disfunções digestivas. e os extra-otológicos:  Perda auditiva até a surdez permanente.  Aumento da freqüência cardíaca e.  Fadiga.  Distúrbios cardiovasculares.

Impotência Sexual. Perda dos reflexos. Perda da Inteligibilidade das palavras e.RISCOS FÍSICOS RUÍDO EFEITOS NA SAÚDE: b) PSICOLÓGICOS: Perda da concentração. Irritação permanente. Fonte: Adalton Roma . Insegurança quanto a eficiência dos atos. Embaraço nas conversações.

Manganês. Mercúrio e Arsênio. Além de outros agentes ainda em estudo para efeitos Oto-tóxicos: Tricloroetileno. Chumbo.RISCOS FÍSICOS RUÍDO EFEITOS NA SAÚDE: O ruído combinado com agentes químicos de efeitos ototóxicos pode causar perda auditiva. Exemplo: Monóxido de Carbono. Fonte: Adalton Roma . Estireno. Tolueno e Xileno. Dissulfeto de Carbono.

RISCOS FÍSICOS VIBRAÇÕES VIBRAÇÕES LOCALIZADAS São transmitidas aos membros superiores. a longo prazo. doenças articulares. Fonte: Adalton Roma . Tipos: motoserras. britadeiras e martelos pneumáticos. politrizes. serras. Podem produzir. furadeiras. portáteis ou não. alterações neurovasculares. perda de substância óssea. ocorre principalmente em atividades com ferramentas manuais elétricas ou pneumáticas. geralmente em mãos e braços.

Fonte: Adalton Roma . Geram lesões em coluna vertebral e problemas renais. por máquinas ou equipamentos aos quais está associado movimento.RISCOS FÍSICOS VIBRAÇÕES VIBRAÇÕES DE CORPO INTEIRO São transmitidas. ao corpo por inteiro ou a partes do corpo. Ocorre geralmente em operadores de grandes máquinas e motoristas. como por exemplo a operação de tratores agrícolas.

RISCOS FÍSICOS VIBRAÇÕES EFEITOS Fonte: Adalton Roma .

simula uma labirintite. • sistema gastrointestinal .“dedo branco” .perda da capacidade manipulativa e o tato nas mãos e dedos. • mal do movimento (cinetose) .desde enjôo até gastrites e ulcerações. • comprometimento permanente . vômitos e mal estar geral.determinados órgãos do corpo. dificultando o controle motor.náuseas.no mar. • degeneração gradativa do tecido muscular e nervoso . • visão turva. • aumento da freqüência de batimento do coração. Fonte: Adalton Roma . em aeronaves ou veículos terrestres .RISCOS FÍSICOS VIBRAÇÕES CONSEQUÊNCIAS • perda do equilíbrio . • falta de concentração para o trabalho. lentidão de reflexos.

constitui-se em perigo potencial para o organismo. raio gama e partículas alfa e beta.RISCOS FÍSICOS RADIAÇÃO IONIZANTE São emissões de energia em diversos níveis. Fontes: Materiais Radioativos: Naturais e Artificiais Equipamentos: Raio-X. Síncrotons. Qualquer radiação ionizante destrói os tecidos. provocando a ionização dos mesmos. etc. desde a fixa do visível. capazes de contato com elétrons de um átomo. passando pelo ultravioleta. Fonte: UFRN / PEP / CEST . portanto. retirando-as. raio-X.

Tendência de redução do tempo de vida. Fonte: UFRN / PEP / CEST . Queda de cabelos. Efeitos biológicos retardados:  Efeitos  Efeitos somáticos: Leucemia e outros tipos de câncer. Catarata. Câncer Esterelidade. Outros sintomas complexos . Úlceras crônica. Mudanças na composição do sangue. genéticos: Mutações recessivas de gens.radiação aguda.RISCOS FÍSICOS RADIAÇÃO IONIZANTE EFEITOS NA SAÚDE Queimaduras na pele.

1) MICROONDAS • Efeitos crônicos (exposição a baixa potência): Inibição do ritmo cardíaco. Diminuição do sentido de olfato. Intensificação da atividade da glândula tireóide. Morte Fonte: COMSAT . Aumento do conteúdo de histamina no sangue • Efeitos agudos (exposições acidentais): Catarata. Hipertensão e hipotensão sangüínea. São classificadas pelo comprimento de onda de nanômetros a quilômetros. Debilitação do sistema nervoso central. Apenas podem ativar todo o conjunto de átomos que recebem esta carga de energia.RISCOS FÍSICOS RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE Não tem poder de ionização.

• Tratamentos fisioterápicos. • Aquecedor solar (efeito estufa).RISCOS FÍSICOS RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE 2) RADIAÇÃO INFRAVERMELHO Aplicações: • Fotografias. Fonte: UNI-A . • Vidros especiais. • Aquecimento de ambientes frios (efeito estufa).

temperatura variável . Aumento de pigmentação Fonte: UNI-A . fraqueza.pele pálida e úmida. inconsciência iii) Outras Manifestações: Catarata e lesões da retina. Vasodilatação. delírios. tremores. Queimaduras ou erupções da pele ( l < 1.Sintomas: dor de cabeça. quente e avermelhada .5 m ). tonturas.RISCOS FÍSICOS RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE 2) RADIAÇÃO INFRAVERMELHO Efeitos sobre o organismo i) Intermação: pele seca.Sintomas: tonturas. vertigens. convulsões => podem levar a morte ou deixar sequelas. ii) Prostação Térmica: distúrbio circulatório .

RISCOS FÍSICOS RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE 3) RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA Aplicações: • Iluminação de diais fosforecentes • Análise e síntese industrial química • Esterilização de alimentos. água e ar • Produção de vitaminas • Tratamentos médicos Fonte: UNI-A .

ex.: ozônio. p. Fonte: UNI-A .RISCOS FÍSICOS RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE 3) RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA Efeitos sobre o organismo: Limitados a pele e olhos: • Carcinogênicos (câncer de pele) • Eritêmicos (queimaduras da pele) • Conjuntivite e queratite (inflamação córnea) da conjuntiva e da • Bactericidas • Moléculas gasosas (dissociação) > formação de outros compostos.

observações de zonas de tensões em vigas. levantamento telemétricos. • Comunicações: fibras óticas • Construção civil: abertura Fonte: UNI-A . etc. soldagem. etc. perfuração. de túneis. etc.RISCOS FÍSICOS RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE 4) LASERS Aplicações: • Indústria: corte de alinhamento ótico. varizes. chapas. • Medicina: microcirurgia. oftalmologia. tratamento de pele.

Fonte: UNI-A . “O olho é o órgão mais sujeito a lesões. devido a propriedade que possui a retina de concentrar a radiação”.RISCOS FÍSICOS RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE 4) LASERS Efeitos sobre o organismo: • Olhos e pele: “Radiação direta ou refletida pode afetar os olhos ou a pele”.

Aciaria. fundições. Caldeira. etc. Usina de energia solar. como por exemplo: siderúrgicas. Forno de Indústria de Vidro.RISCOS FÍSICOS TEMPERATURAS EXTREMAS 1. Fonte: Adalton Roma . padarias. Fontes de calor no trabalho: Estufas. oficinas. CALOR É um agente físico presente na maior parte das atividades profissionais. Solda oxiacetilênica e Solda elétrica. indústrias do vidro. Forno de padaria.

CALOR AVALIAÇÃO DO CALOR NO TRABALHO: 1) Identificação da Exposição ao Calor: .Conforto Térmico: Agente Ergonômico NR 17 Fonte: Adalton Roma .Sobrecarga Térmica: Agente Físico NR 15.RISCOS FÍSICOS TEMPERATURAS EXTREMAS 1. .

RISCOS FÍSICOS TEMPERATURAS EXTREMAS 1. CALOR AVALIAÇÃO DO CALOR NO TRABALHO: 2) Instrumentos de Avaliação Termômetro de Globo Anemômetro Fonte: Adalton Roma .

irritação. perturbação das funções digestivas. hipertensão etc. fadiga térmica. Hipertemia – aumento da temperatura interna do corpo. Fonte: Adalton Roma . câimbras de calor e choque térmico. CALOR EFEITOS DA EXPOSIÇÃO AO CALOR Taquicardia. intermação. prostração térmica. desidratação. conseqüências: queda de pressão arterial. cansaço. choque térmico.RISCOS FÍSICOS TEMPERATURAS EXTREMAS 1. aumento da pulsação.

fundições. Aciaria. padarias. Solda oxiacetilênica e Solda elétrica. Fonte: Adalton Roma / UNI-A . como por exemplo: siderúrgicas. Fontes de calor no trabalho: Estufas. Caldeira. Forno de padaria. Usina de energia solar. etc. oficinas. CALOR É um agente físico presente na maior parte das atividades profissionais. indústrias do vidro. Forno de Indústria de Vidro.RISCOS FÍSICOS TEMPERATURAS EXTREMAS 1.

exemplos: Frigoríficos.RISCOS FÍSICOS TEMPERATURAS EXTREMAS 2. Indústria Alimentícia. Câmara frigoríficas e frias. FRIO Alguns segmentos necessitam da baixa temperatura. Fonte: UNI-A . Armazenagem de Alimentos. Indústria do Pescado. Fabricação de gelo e sorvetes. para o desempenho de suas atividades afins.

incomum. inconsciência. FRIO Danos à Saúde  confusão. fala enrolada. coordenação letargia (sonolência) e  problemas circulatórios.  Hipotermia: . resfriados. pneumonias e queimaduras do frio. comportamento deteriorada.RISCOS FÍSICOS TEMPERATURAS EXTREMAS 2. congelamento nos pés e mãos. incapacidade do corpo em repor a perda de calor para o ambiente.

temperatura de 22 a 26ºC e umidade relativa do ar entre 45 e 50 %. DANOS À SAÚDE Doenças do aparelho respiratório. quedas. Fonte: UNI-A . doenças circulatórias. doenças da pele.RISCOS FÍSICOS UMIDADE Faixa de conforto .

Estas situações ocorrem a elevadas altitudes. Consequências: coceira na pele.RISCOS FÍSICOS PRESSÕES ANORMAIS 1) Hipobárica: quando o homem está sujeito a pressões menores que a pressão atmosférica. Fonte: UNI-A . 2) Hiperbárica: quando o homem fica sujeito a pressões maiores que a atmosférica (mergulho e uso de ar comprimido). hemorragias pelo ouvido e ruptura do tímpano. vômitos. dores musculares.

• vapores.RISCOS QUÍMICOS * São substâncias. produtos ou compostos químicos de natureza tóxica que devido ao contato ou forma de exposição dos trabalhadores possam penetrar no organismo pela via respiratória. através da pele ou por ingestão. • poeiras. São eles: • Gases. • neblinas. • névoas. • Produtos compostos ou substâncias químicas tóxicas em geral. • fumos. Fonte: SILVEIRA & GARRETT. 2011 .

Danos à Saúde: minerais . vegetais .bissinose. alcalinas . Poeira em geral.RISCOS QUÍMICOS AEROSÓIS 1) Poeiras Aerosóis sólidos formados por desagregação mecânica de corpos sólidos. bagaçose.silicose. Poeiras de madeira. Ex: Poeiras minerais. incômodas .enfizema pulmonar. Fonte: FUNDACENTRO . asbestose.potencializa nocividade.

Ex: Fumos de solda. Fonte: FUNDACENTRO . doença pulmonar obstrutiva. febre dos fumos metálicos. geralmente metálicos. Danos à Saúde: Intoxicação específica de acordo com o metal.RISCOS QUÍMICOS AEROSÓIS 2) Fumos Aerosóis sólidos formados por condensação de vapores.

RISCOS QUÍMICOS
AEROSÓIS
3) Névoas
Partículas líquidas formadas por desagregação mecânica de corpos líquidos. Ex: Névoa de tinta.

4) Neblina
Condensação de vapores.

5) Vapores
Substâncias no estado gasoso - alteração no seu estado normal e temperatura ambiente.

6) Gases
Não possuem formas e volumes próprios e tendem a se expandir indefinidamente. Ex: GLP, oxigênio.

Fonte: FUNDACENTRO

RISCOS QUÍMICOS
AEROSÓIS
Névoas; Neblina; Vapores; Gases Danos à Saúde:
Irritantes: irritação das vias aéreas superiores.
Ex:. Ácido Clorídrico, Soda Cáustica, Ácido Sulfúrico etc.

Asfixiantes: dor de cabeça, náuseas, sonolência, convulsões, coma e morte.
Ex.: Hidrogênio, Nitrogênio, Hélio, Acetileno, Metano, Dióxido de Carbono, Monóxido de Carbono etc.

Anestésicos: ação depressiva sobre o sistema nervoso, danos aos diversos órgãos, ao sistema formador do sangue.
Ex.: Butano, Propano, Aldeídos, Cetonas, Cloreto de Carbono, Tricloroetileno, Benzeno, Tolueno, Álcoois, Percloroetileno, Xileno, etc.

Fonte: FUNDACENTRO

RISCOS QUÍMICOS
CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE
A. CANCERÍGENOS

A1 – Comprovadamente cancerígeno para humanos
Alcatrão de hulha (solução de benzeno), 4-Aminodifenil, Arsênico, Asbesto, Benzeno, Benzidina, Berílio, Cloreto de vinila,Cromato de zinco, Cromita, Cromo VI, Eter bisclorometílico, beta Naftilamina, Níquel (composto inorgânico insolúvel), Subsulfeto de níquel, Urânio natural, Talco com asbesto. Poeiras de madeira: Carvalho e Faia.

Fonte: FUNDACENTRO

brometo de vinila.RISCOS QUÍMICOS CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE A. benzo(b)fluoranteno. quartzo. teca e nogueira. óxido de etileno. cloreto de dimetilcarbamoila (79-44-7). Pb.4’ metilenobis(2cloroanilina) (MOCA e MBOCA). CANCERÍGENOS A2 – Cancerígeno suspeito para humanos Ácido sulfúrico. cádmio e compostos. tetracloreto de carbono. 1. tricloroetileno. formaldeido. éter metílico de clorometila. benzo(a)pireno. Fonte: FUNDACENTRO . e tríoxido de antimônio. 4-nitrodifenila. mogno. cromatos de (Ca. Sr). fibras cerâmicas refratárias. triclorometil benzeno.3 butadieno. benzo(a)antraceno. 4. carbureto de silício (fibroso). Poeiras de madeira: bétula.4 dicloro-2-buteno. diazometano. 1. fluoreto de vinila.

RISCOS QUÍMICOS
CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE
B. SENSIBILIZANTES Reação de sensibilização Uma resposta imunológica a um químico. O mecanismo de imunização envolve os seguintes eventos:

a) exposição inicial de uma substância química ou animal;
b) um período de indução no animal; c) e a produção de uma nova proteína chamada de anticorpo.

Fonte: FUNDACENTRO

RISCOS QUÍMICOS
CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE B. SENSIBILIZANTES Substâncias sensibilizantes: Ácido pícrico; Acrilato de etila; Anidrido ftálico; Captafol; 2Cloroacetofenona; Dietileno triamina; Dihidrocloreto de piperazina; Diisocianato de isoforona; Éter alil glicidílico; Éter n butil glicidílico; Etileno diamina; m e p- fenilenodiamina; Glutaraldeído; Hexametileno diisocianato(HDI); Metileno bis- 4 ciclohexilisocianato; Resina de fluxo de solda (Pb/Sn); Sais solúveis de Platina; Tetril; Tolueno 2,4-diisocianato (TDI)

Fonte: FUNDACENTRO

RISCOS QUÍMICOS
CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE B. SENSIBILIZANTES
INDÚSTRIA - a) borracha; b) corantes; c) fotografia. METAIS: Níquel, Cromo, Cobalto, Mercúrio ADITIVOS DE BORRACHA: Mercaptobenzotiazol, Thiuram, Carbamato, Tiuréias. CORANTES: Parafenilenodiamina, Corantes para texteis. Produtos p/fotografia colorida,

PLÁSTICOS: Monômero epoxi, Monômero acrílico, Resinas fenólicas, Catalisadores amínicos. BIOCIDAS: Formaldeído, Kathon CG, Thimerosal PLANTAS: Toxidendron, Alstroemeria Compositae, Prímula obconica, Tulipa,

Fonte: FUNDACENTRO

borracha colofônica. antibióticos. Níquel. glutaraldeído. eugenol. fenotiazinas e benzodiazepinas. desinfetantes. sabões e detergentes anestésicos locais. níquel. colofônia. colofônia. formaldeído. monômeros epoxi e acrílicos. fibra de vidro. glutaraldeído Plantas. tinta e monômero hidroquinona. Floristas e Jardineiros Pessoal médico IRRITANTES Terebentina. parafenilenodiamina e azo corantes. e madeiras Borracha. fungicidas e inseticidas Impressores e Fotógrafos Borracha. álcool. anestésicos locais. formaldeído. mercúrio. thinner. terebentina. catalisadores. acrílico catalisadores amínicos. colas Detergentes e desinfetantes Fertilizantes. Desinfetantes. resina epoxi e fenólicas. cobalto. desinfetantes. Fonte: FUNDACENTRO . formaldeído.A exposição ocupacional a irritantes e sensibilizantes OCUPAÇÃO Construção civil Dentistas e Protéticos Fazendeiros. monômero epoxi e acrílico. produtos para P&B e cor. cromo. Solventes. ouro. madeiras. ácido acético. sabões e detergentes SENSIBILIZANTES Cromatos.

carbono.7. envolvendo: cloro.8 -TCDF (Tetracloro Dibenzo Furano).8 .2. Cl + C + O + Calor Exemplos: Dioxinas Policloradas: PCDDs . oxigênio e calor.3. em temperaturas entre 200 e 400°C° ou mais.RISCOS QUÍMICOS CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE C. DIOXINAS E FURANOS São produtos secundários não intencionais. Fonte: FUNDACENTRO .7.TCDD (Tetracloro Dibenzo Para Dioxina) (Seveso) Furanos Policlorados: PCDFs 2.3.

.Indústria química (Cl ou Organoclorados). . . Pentaclorofenol).Combustível automotivo (Aditivos Clorados) Fonte: FUNDACENTRO . DIOXINAS E FURANOS Fontes de Dioxinas e Cloro (Processos Geradores) . Incêndios (prédios. Solventes Clorados). Fabricação de papel e polpa (branqueadores clorados).Incineração de lixo urbano (PVC). Pentaclorofenol. Incineração de lodo de esgoto (Subprodutos de Cloração). . PCBs.RISCOS QUÍMICOS CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE C.Incineração de resíduos perigosos. .(PVC.Fundição de ferro (PVC.Incineração hospitalar (PVC). residências e veículos) . Queima de madeira (PVC. Solventes Clorados).

Diabetes Fonte: FUNDACENTRO .Impacto no Desenvolvimento .RISCOS QUÍMICOS CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE C.Descontrole Hormonal e Crescimento .Alteração Sexual . DIOXINAS E FURANOS Efeitos à saúde .Alteração do Metabolismo de Glucose e Gordura .Endometriose .Câncer .Efeitos no Fígado. Vesícula e Pele .Impacto no Sistema Imunológico .

Fonte: FUNDACENTRO . Os Disruptores Endócrinos podem imitar esses hormônios sexuais ou bloquear suas atividades. Eles podem ser moduladores estrógenos ou andrógenos. que são hormônios sexuais. DISRUPTORES ENDÓCRINOS São produtos químicos sintéticos e naturais que afetam o balanço das funções hormonais nos animais. bloqueando os químicos chamados anti-estrógenos e antiandrógenos.RISCOS QUÍMICOS CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE D.

Danos no sistema imunológico.Hiperplasia prostática nos idosos (HPB) .Redução da produção de espermatozóides .Diminuição e atrofia do pênis . Fonte: FUNDACENTRO .Dificuldades da mulher engravidar .Aumento da incidência de câncer de testículos nos jovens .Redução da habilidade do esperma fecundar o óvulo .RISCOS QUÍMICOS CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE D.Aumento da incidência de câncer de mama . DISRUPTORES ENDÓCRINOS Efeitos dos disruptores endócrinos .

Herbicidas. Produtos químicos: solventes. Metais: mercúrio. etc. DISRUPTORES ENDÓCRINOS Substâncias químicas suspeitas de serem disruptores endócrinos: Biocidas.RISCOS QUÍMICOS CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE D. Inseticidas. Fungicidas. PCBs (Ascarel) Dioxinas e Furanos Fonte: FUNDACENTRO . estanho e cromo. tintas. plásticos. arsênico.

....RISCOS QUÍMICOS CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE E. Classificação Não persistente................ PRODUTOS ORGÂNICOS PERSISTENTES .1 a 3 semanas Persistente moderado..... não como depósitos.POP`s Persistência: É o tempo necessário para um produto químico perder pelo menos 95% de sua atividade sob condições ambientais e usos habituais.........2 ou mais anos Fonte: FUNDACENTRO ....................1 a 18 meses Persistente....

...........312 dias Hexaclorobenzeno........530 dias Dieldrin.RISCOS QUÍMICOS CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE E..........................................208 dias Fonte: FUNDACENTRO ...................POP`s Persistência Lindano......546 dias Aldrin.....................624 dias DDT............................... PRODUTOS ORGÂNICOS PERSISTENTES .........................728dias Endrin.......

mp4 Fonte: FUNDACENTRO . Toxafeno. Dioxinas. Heptacloro. Endrin. Furanos.RISCOS QUÍMICOS CLASSIFICAÇÃO SUBSTÂNCIAS QUANTO AOS DANOS À SAÚDE E. DDT.Principais Potenciais e Riscos. Clordano. Aldrin.12 POP`S considerados: Lindano. NANOTECNOLOGIA Nanotecnologia .POP`s Convenção de Estocolmo (ratificada pelo Brasil em 23/05/2001) . Hexaclorobenzeno. Dieldrin. Mirex. F. PRODUTOS ORGÂNICOS PERSISTENTES .

fungos e outros microorganismos causadores de contaminações. ou comprometimentos para a saúde. protozoários. * São encontrados em atividades executadas em contato com pacientes. parasitas. bacilos. bactérias. secreções orgânicas ou material infecto-contagiante.RISCOS BIOLÓGICOS *Consideram-se agentes biológicos os vírus. 2011 . doenças. animais. material biológico. Fonte: SILVEIRA & GARRETT.

disenterias. mal de chagas. . meningite. tétano. raiva (hidrofobia). pneumonia. febre amarela. herpes. toxoplasmose. leptospirose. dengue.RISCOS BIOLÓGICOS Danos à Saúde: • Vírus . Fonte: COMSAT . cólera. varíola.Hanseniese.Hepatite. disenterias. • Bactérias • Protozoários • Fungos – Alergias. poliomielite. rubéola. febre tifóide. micoses. difteria.Malária. tuberculose. aids. / Bacilos .

Trabalho físico pesado.Ritmo excessivo de trabalho. .Monotonia e Repetitividade.Exigência de produtividade. . Fonte: SILVEIRA & GARRETT. . . 2011 à organização do trabalho. a forma de execução das atividades ou ao modo como o serviço é realizado.Outras situações causadoras de stress físico ou psíquico. . .Postura incorreta.RISCOS ERGONÔMICOS * Relacionados * São eles: . . .Jornada prolongada de trabalho.Levantamento e transporte manual de pesos.Trabalho em turno / noturno. .

RISCOS ERGONÔMICOS Danos à Saúde • Lesões: calor localizado. infarto). da vida social com reflexos na saúde e no comportamento. taquicardia. agravamento do diabetes. acidentes. hipertensão arterial. problemas na coluna vertebral. e perda de força muscular. choques. devendo haver uma análise mais detalhada. da libido. dores musculares. tensão. tais riscos podem causar: • cansaço. caso a caso. De um modo geral. formigamentos. cardiopatia (angina. fisgadas. pele avermelhada. medo. dormência. comportamentos estereotipados. inchaços. Fonte: COMSAT . úlceras. fraquezas. agravamento da asma. doenças nervosas. alterações do sono. ansiedade. dores.

Outras situações de risco que podem contribuir para a ocorrência de acidentes. . .Ausência de sinalização.Máquinas e equipamentos sem proteção.E. . 2011 . . .Arranjo físico inadequado.P.Ligações elétricas deficientes. .RISCOS DE ACIDENTES * São condições deficientes e inadequadas das instalações ou do ambiente de trabalho que poderão gerar acidentes de trabalho.Queda devido a altura. .Armazenamento impróprio. . * São eles: .Incêndio ou explosões. Fonte: SILVEIRA & GARRETT.Ferramentas defeituosas. Inadequado. .I.

Fonte: COMSAT .  desgaste físico e  doenças profissionais.RISCOS DE ACIDENTES Danos à Saúde  acidentes.

Estado de saúde debilitado. Falta de lazer. Imprudência. Transporte difícil e demorado. Imperícia. 2011 Alcoolismo. Estrutura familiar conflitante. .OUTROS FATORES PREOCUPANTES DURANTE O TRABALHO • • • • • Más condições de moradia. Alimentação precária ou deficiente. • • • • • Fonte: SILVEIRA & GARRETT. Negligência.

Falta de treinamento e conscientização. Baixos salários. • • • • Fonte: SILVEIRA & GARRETT. Precarização da mão de obra. Pressões por produção. Instabilidade no emprego.OUTROS FATORES PREOCUPANTES DURANTE O TRABALHO • • • Jornada de trabalho prolongada / horas extras. 2011 Desqualificação profissional. .

• Improvisos e gambiarras. • Automação de processos • Linha de produção (medo da perda de emprego). Fonte: SILVEIRA & GARRETT. • Ausência de manutenção preventiva. 2011 . (tempo ritmado para realização de cada tarefa). • Excesso de confiança.OUTROS FATORES PREOCUPANTES DURANTE O TRABALHO • Falta de perspectiva de crescimento e realização.

 tempo de reação aos estímulos. do tipo:  sexo.  coordenação motora. • Desrespeito e não cumprimento das Normas de Segurança. etc.OUTROS FATORES PREOCUPANTES DURANTE O TRABALHO • Ausência de planejamento do processo produtivo.  impulsividade.  nível de inteligência compatível com a tarefa. 2011 .  coordenação viso-motora. • Fatores psico-sociais (neuroses. Fonte: SILVEIRA & GARRETT.  exibicionismo.) e componentes da personalidade.stress.  idade.  agressividade.

CAUSAS DOS ACIDENTES DE TRABALHO E CONTROLE DOS RISCOS Fonte: SILVEIRA & GARRETT. 2011 .

de utilizar E. Neste caso.CAUSAS DOS ACIDENTES DE TRABALHO ATO INSEGURO: Procedimento praticado pelo trabalhador que contraria as boas práticas ou Normas de Segurança. ferramenta de forma imprópria.  Utilização Fonte: SILVEIRA & GARRETT.  Utilizar  Aumentar  Deixar a velocidade de uma máquina. de máquina ou equipamento sem autorização.  Exibicionismo.I. de confiança. Alguns exemplos:  Brincadeiras no ambiente de trabalho. com negligência ou com imperícia. o trabalhador é o único responsável.. 2011 .  Desviar  Excesso  Agir a atenção do colega de trabalho.P .

P.  Pisos escorregadios. Fonte: SILVEIRA & GARRETT.  Ferramentas defeituosas.I.  Improvisos e gambiarras. Alguns exemplos:  Falta de E.CAUSAS DOS ACIDENTES DE TRABALHO CONDIÇÕES INSEGURAS: São as condições inadequadas à realização do trabalho.  Ausência de proteção em máquinas.  Iluminação deficitária. A empresa é a única responsável.  Mobiliário e arranjo físico inadequado. ao processo de trabalho ou à forma de execução do trabalho. Podem se referir às condições ambientais.. 2011 .  Instalações elétricas deficientes.  Falta de treinamento e capacitação.  Ambiente inadequado ao trabalho.  Falta de ordem e limpeza.

 Fadiga.  Distúrbio emocional.  Uso de medicação controlada. Fonte: SILVEIRA & GARRETT.CAUSAS DOS ACIDENTES DE TRABALHO FATOR PESSOAL DE INSEGURANÇA: É a causa relativa ao comportamento humano que propicia a ocorrência de acidentes.  Problemas financeiros. 2011 . Alguns exemplos:  Alcoolismo.  Stress.

CONTROLAR o agente perigoso e que existe no ambiente de trabalho. REDUZIR. Inicialmente devemos fazer o controle na FONTE. NEUTRALIZAR e por último. Fonte: SILVEIRA & GARRETT.FORMA DE CONTROLE DOS RISCOS Controle na Fonte Controle na Trajetória Controle no Trabalhador A tecnologia de controle dos riscos segundo a Segurança e Higiene do Trabalho de contemplar ações que visem. ELIMINAR. depois na TRAJETÓRIA e por último no TRABALHADOR. 2011 .

FORMA DE CONTROLE DOS RISCOS Controle na FONTE (atua-se no processo de produção visando eliminar ou reduzir a formação de agentes prejudiciais para a saúde). 2011 . tóxicos. mecanismos de proteção para as partes girantes das máquinas. o modo operatório ou forma de execução de um serviço ou tarefa.  Substituir  Criar materiais ou equipamentos (querosene por aguarrás. álcool líquido por gel.  Modificar  Capela para manipulação de agentes químicos Fonte: SILVEIRA & GARRETT.

 Revestimento Fonte: SILVEIRA & GARRETT. acústico em paredes para diminuir o ruído para os ambientes adjacentes. 2011 .  Melhoria das condições de ventilação.FORMA DE CONTROLE DOS RISCOS Controle na TRAJETÓRIA (atua-se no meio-ambiente de trabalho). operatório ou forma de execução de um serviço ou tarefa. biombos do tipo meia  Promover exaustão.  Modificar o modo  Instalar parede.

dosímetro)  Programa de treinamento capacitação e reciclagem) (Palestras.  Equipamentos de proteção individual (EPIs) Fonte: SILVEIRA & GARRETT.  Monitoramento do ruído (ex.  PCMSO – Exames clínicos complementares Controle médico.FORMA DE CONTROLE DOS RISCOS Controle no TRABALHADOR (Ações aplicadas diretamente sobre o trabalhador). 2011 .

“O MINISTÉRIO DO TRABALHO ADVERTE: SEGURANÇA FAZ BEM À SAÚDE” .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->