Você está na página 1de 37

Protocolos coluna

Protocolos coluna Profº. Claudio Souza
Protocolos coluna Profº. Claudio Souza
Protocolos coluna Profº. Claudio Souza

Profº. Claudio Souza

Protocolos coluna Profº. Claudio Souza
Protocolos coluna Profº. Claudio Souza

Coluna vertebral

A coluna vertebral é composta por 33 vértebras, e eventualmente

por 32 ou 34, estas são classificadas como ossos irregulares. A

coluna vertebral sustenta a cabeça e nos possibilita a sermos

bípedes, ela também é responsável por proteger a medula espinal

ou espinhal.

a cabeça e nos possibilita a sermos bípedes, ela também é responsável por proteger a medula
a cabeça e nos possibilita a sermos bípedes, ela também é responsável por proteger a medula
a cabeça e nos possibilita a sermos bípedes, ela também é responsável por proteger a medula
a cabeça e nos possibilita a sermos bípedes, ela também é responsável por proteger a medula

Coluna vertebral

Em tomografia computadorizada os protocolos voltados ao estudo da

coluna vertebral devem sempre ser montados de acordo com a

hipótese diagnóstica (HD), pois é a partir dela que iremos determinar

o início e término da varredura, algoritmos de reconstrução, e os tipos

de reformatações a serem empregadas pós aquisição.

e término da varredura, algoritmos de reconstrução, e os tipos de reformatações a serem empregadas pós
e término da varredura, algoritmos de reconstrução, e os tipos de reformatações a serem empregadas pós
e término da varredura, algoritmos de reconstrução, e os tipos de reformatações a serem empregadas pós

Indicações

No estudo da coluna vertebral por tomografia computadorizada

temos varias indicações, entre elas:

Traumas, hérnias discais, osteófitos de corpo vertebral (bico de

papagaio), escolioses entre outras.

entre elas: Traumas, hérnias discais, osteófitos de corpo vertebral (bico de papagaio), escolioses entre outras.
entre elas: Traumas, hérnias discais, osteófitos de corpo vertebral (bico de papagaio), escolioses entre outras.
entre elas: Traumas, hérnias discais, osteófitos de corpo vertebral (bico de papagaio), escolioses entre outras.
entre elas: Traumas, hérnias discais, osteófitos de corpo vertebral (bico de papagaio), escolioses entre outras.

Coluna cervical

Composta por 7 vértebras, faz a junção crânio vertebral

através da articulação atlantoccipital, tem algumas peculiaridades em sua formação, como por exemplo o unco, que é uma massa lateral em seu corpo vertebral.

tem algumas peculiaridades em sua formação, como por exemplo o unco, que é uma massa lateral

Revisão de anatomia básica

Revisão de anatomia básica Arco anterior de atlas Processo odontóide (Dente). Corpo vertebral de C2 Corpo

Arco anterior de atlas

Processo odontóide (Dente). Corpo vertebral de C2

Corpo vertebral de C4

Espaço discal C6, C7.

vertebral de C2 Corpo vertebral de C4 Espaço discal C6, C7. Arco posterior de atlas Processo
vertebral de C2 Corpo vertebral de C4 Espaço discal C6, C7. Arco posterior de atlas Processo

Arco posterior de atlas

Processo espinhoso de C7 ( Vértebra proeminente)

Revisão de anatomia básica

Pedículo de C2

Processo uncinado

de anatomia básica Pedículo de C2 Processo uncinado Processo odontóide (dente do axis) Articulação

Processo odontóide (dente do axis)

Articulação

atlantoaxial

Corpo vertebral de

C3.

Aplicação de protocolo

*Suporte para crânio

*Orientação do paciente em head first

(cabeça primeiro em relação ao gantry), em

supino.

*Posicionar as linhas de referencias alinhada a

em supino. * Posicionar as linhas de referencias alinhada a LIOM (Linha inferior orbito meatal) e

LIOM (Linha inferior orbito meatal) e a nível do

CAE (conduto auditivo externo), e zerar no ponto

de referência anatômica pré configurado no

protocolo do aparelho para, coluna cervical

utilizamos o mesmo de crânio temos a OM (orbito

meatal) como referência.

*Obs: Tracionar ao máximo MMSS

cervical utilizamos o mesmo de crânio temos a OM (orbito meatal) como referência. *Obs: Tracionar ao

Aplicação de protocolo

Coluna cervical multidetector avaliação de trauma

Scout lateral 90º e anterior 0º Inicio dos cortes: forame magno Fim dos cortes: Primeira vértebra torácica (T1).

Espessura de corte: de 1 a 2 mm

Incremento: < ou igual a espessura

NUNCA maior.

F.O. V: 18 cm

kV: 120

mA: 200 Numero de cortes: +- 150 Algoritmo de reconstrução: Bone e Standard para tridimensional

Obs: Quando o HD indicar fratura em uma

determinada vértebra, montar o bloco uma

antes e depois da indicada.

Obs: Quando o HD indicar fratura em uma determinada vértebra, montar o bloco uma antes e

Aplicação de protocolo

Coluna cervical multidetector avaliação de trauma Scout lateral 90º e anterior 0º

Inicio dos cortes: forame magno

Fim dos cortes: Primeira vértebra

torácica (T1).

Espessura de corte: de 1 a 2 mm Incremento: < ou igual a espessura

NUNCA maior.

F.O. V: 18 cm

kV: 120

mA: 200 Numero de cortes: +- 150

Algoritmo de reconstrução: Bone

e Standard para tridimensional Obs: Quando o HD indicar fratura em uma determinada vértebra, montar o bloco uma antes e depois da indicada.

Imagens

Primeira

Imagens Primeira Ultima

Ultima

Imagens Primeira Ultima

Reformatações

Reformatação coronal de coluna cervical com alojamento de projétil

a nível de C3.

Reformatações Reformatação coronal de coluna cervical com alojamento de projétil a nível de C3.
Reformatações Reformatação coronal de coluna cervical com alojamento de projétil a nível de C3.
Reformatações Reformatação coronal de coluna cervical com alojamento de projétil a nível de C3.
Reformatações Reformatação coronal de coluna cervical com alojamento de projétil a nível de C3.
Reformatações Sagital

Reformatações

Sagital

Reformatações Sagital
Reformatações Sagital
Reformatações Sagital

Reformatações

Reformatações Tridimensional Com o auxílio de softwares é possível mensurar as dimensões de diversas estruturas.

Tridimensional

Reformatações Tridimensional Com o auxílio de softwares é possível mensurar as dimensões de diversas estruturas.
Reformatações Tridimensional Com o auxílio de softwares é possível mensurar as dimensões de diversas estruturas.

Com o auxílio de softwares é possível

mensurar as dimensões de diversas estruturas.

Coluna Torácica

Composta por 12 vértebras, seus processos espinhosos

pontiagudos apontam para baixo, e elas fazem parte da caixa

torácica, juntamente com o esterno e as costelas.

espinhosos pontiagudos apontam para baixo, e elas fazem parte da caixa torácica, juntamente com o esterno
espinhosos pontiagudos apontam para baixo, e elas fazem parte da caixa torácica, juntamente com o esterno
espinhosos pontiagudos apontam para baixo, e elas fazem parte da caixa torácica, juntamente com o esterno
espinhosos pontiagudos apontam para baixo, e elas fazem parte da caixa torácica, juntamente com o esterno

Revisão de anatomia básica

Clavícula ERevisão de anatomia básica T07 Processos espinhosos de vértebras torácicas Corpo vertebral de T5. Pedículo vertebral

Revisão de anatomia básica Clavícula E T07 Processos espinhosos de vértebras torácicas Corpo vertebral de T5.
Revisão de anatomia básica Clavícula E T07 Processos espinhosos de vértebras torácicas Corpo vertebral de T5.

T07

Processos espinhosos de vértebras

torácicas Corpo vertebral de T5.

espinhosos de vértebras torácicas Corpo vertebral de T5. Pedículo vertebral de T7. Corpo vertebral de T8
espinhosos de vértebras torácicas Corpo vertebral de T5. Pedículo vertebral de T7. Corpo vertebral de T8
espinhosos de vértebras torácicas Corpo vertebral de T5. Pedículo vertebral de T7. Corpo vertebral de T8
espinhosos de vértebras torácicas Corpo vertebral de T5. Pedículo vertebral de T7. Corpo vertebral de T8
espinhosos de vértebras torácicas Corpo vertebral de T5. Pedículo vertebral de T7. Corpo vertebral de T8

Pedículo vertebral de T7.

Corpo vertebral de T8

de T5. Pedículo vertebral de T7. Corpo vertebral de T8 L1 Processo transverso de T10. Flutuantes

L1

Processo transverso de T10.Corpo vertebral de T5. Pedículo vertebral de T7. Corpo vertebral de T8 L1 Flutuantes Espaços discais

vertebral de T7. Corpo vertebral de T8 L1 Processo transverso de T10. Flutuantes Espaços discais Forame

Flutuantes

Espaços discais

Forame

vertebral

Aplicação de protocolo

Protocolo para aparelho Multidetector Coluna rotina

Orientação do paciente

A orientação do paciente em relação ao gantry pode ser em head first (cabeças primeiro), ou feet first (pés primeiro), tudo vai

depender de como foi montado o protocolo e as condições do cliente , isso em casos de politraumatizados, porém usualmente

se utiliza em feet first, com MMSS abduzidos acima da cabeça. Referência anatômica

Tanto com o paciente em head first ou feet first utilizamos SN

como ponto de referência anatômica, e a linha lateral no meio

da estrutura.

em head first ou feet first utilizamos SN como ponto de referência anatômica, e a linha
em head first ou feet first utilizamos SN como ponto de referência anatômica, e a linha
em head first ou feet first utilizamos SN como ponto de referência anatômica, e a linha

Aplicação de protocolo

Coluna torácica ou dorsal multidetector avaliação de trauma

Scout anterior 0º e lateral 90º

Inicio dos cortes: a nível de C7

Fim dos cortes: L1

Espessura de corte: 2.5 mm

Incremento: < ou igual a espessura,

NUNCA maior. Recon: 1mm

F.O. V: 20 cm kV: 140

mA: 260

Numero de cortes: 300

Algoritmo de reconstrução: Bone

e Standard para tridimensional

L1

V: 20 cm kV: 140 mA: 260 Numero de cortes: 300 Algoritmo de reconstrução: Bone e

Aplicação de protocolo

Coluna torácica ou dorsal multidetector avaliação de trauma

Scout anterior 0º e lateral 90º

Inicio dos cortes: a nível de C7

Fim dos cortes: L1

Espessura de corte: 2.5 mm

Incremento: < ou igual a espessura,

NUNCA maior. Recon: 1mm

F.O. V: 20 cm kV: 140

mA: 260

Numero de cortes: 300

Algoritmo de reconstrução: Bone

e Standard para tridimensional

F.O. V: 20 cm kV: 140 mA: 260 Numero de cortes: 300 Algoritmo de reconstrução: Bone

Imagens

Primeira

Imagens Primeira Ultima

Ultima

Imagens Primeira Ultima

Reformatações

Reformatações
Reformatações

Coluna lombosacra

LOMBAR: Composta por 5 vértebras, com corpos vertebrais maiores em relação as demais, possui processos espinhosos mais largos, apresenta

processos transversos bem desenvolvidos que são denominados apêndice costiforme, não apresenta forames transversais. SACRO: Se articula com a última vértebra lombar formando a “coluna” lombosacra, composta de 4 a 5 vértebras que com o crescimento se fundem em

uma única peça em formato triangular.

lombosacra, composta de 4 a 5 vértebras que com o crescimento se fundem em uma única
lombosacra, composta de 4 a 5 vértebras que com o crescimento se fundem em uma única
lombosacra, composta de 4 a 5 vértebras que com o crescimento se fundem em uma única
lombosacra, composta de 4 a 5 vértebras que com o crescimento se fundem em uma única

Revisão de anatomia básica

AP

Pedículos vertebrais de L1

T12
T12

12ª Costela

Corpo vertebral de L3

vertebrais de L1 T12 12ª Costela Corpo vertebral de L3 Processo transverso de L3 Processo espinhoso

Processo transverso de L3

Processo espinhoso de L4

Corpo vertebral de L3 Processo transverso de L3 Processo espinhoso de L4 Ílio L5 Sacro Articulação

Ílio

Corpo vertebral de L3 Processo transverso de L3 Processo espinhoso de L4 Ílio L5 Sacro Articulação

L5

Sacro

Corpo vertebral de L3 Processo transverso de L3 Processo espinhoso de L4 Ílio L5 Sacro Articulação

Articulação sacro ilíaca

Revisão de anatomia básica

Perfil

Revisão de anatomia básica Perfil Espaços discais Corpo vertebral de T12 Forame vertebral Processo espinhoso Sacro
Revisão de anatomia básica Perfil Espaços discais Corpo vertebral de T12 Forame vertebral Processo espinhoso Sacro

Espaços discais

Revisão de anatomia básica Perfil Espaços discais Corpo vertebral de T12 Forame vertebral Processo espinhoso Sacro
Revisão de anatomia básica Perfil Espaços discais Corpo vertebral de T12 Forame vertebral Processo espinhoso Sacro
Revisão de anatomia básica Perfil Espaços discais Corpo vertebral de T12 Forame vertebral Processo espinhoso Sacro

Corpo vertebral de T12

Forame vertebral

Processo espinhoso

Sacro

Aplicação de protocolo

Protocolo para aparelho Multidetector Coluna rotina

Orientação do paciente

A orientação do paciente em relação ao gantry pode ser em head first (cabeças primeiro), ou feet first (pés primeiro), tudo vai

depender de como foi montado o protocolo e as condições do cliente , isso em casos de politraumatizados, porém usualmente

se utiliza em feet first, com MMSS abduzidos acima da cabeça. Referência anatômica

Tanto com o paciente em head first ou feet first utilizamos IC

como ponto de referência , e a linha lateral no meio da

estrutura.

o paciente em head first ou feet first utilizamos IC como ponto de referência , e
o paciente em head first ou feet first utilizamos IC como ponto de referência , e
o paciente em head first ou feet first utilizamos IC como ponto de referência , e

Aplicação de protocolo

Coluna lombosacra multidetector avaliação de trauma e lombalgias

Scout anterior 0º e lateral 90º

Inicio dos cortes: a nível de T12.

Fim dos cortes: S2.

Espessura de corte: 2.5 mm. Incremento: < ou igual a espessura,

NUNCA maior.

Recon: 1mm

F.O. V: 20 cm , sempre incluir a articulação

sacro ilíaca. kV: 140

mA: 260

Numero de cortes: 300 Algoritmo de reconstrução: Bone e Standard para tridimensional e reformatação de espaço discal.

de cortes: 300 Algoritmo de reconstrução: Bone e Standard para tridimensional e reformatação de espaço discal.

Aplicação de protocolo

Coluna lombosacra multidetector avaliação de trauma e lombalgias

Scout anterior 0º e lateral 90º

Inicio dos cortes: a nível de T12.

Fim dos cortes: S2.

Espessura de corte: 2.5 mm. Incremento: < ou igual a espessura,

NUNCA maior.

Recon: 1mm

F.O. V: 20 cm , sempre incluir a articulação

sacro ilíaca. kV: 140

mA: 260

Numero de cortes: 300 Algoritmo de reconstrução: Bone e Standard para tridimensional e reformatação de espaço discal.

de cortes: 300 Algoritmo de reconstrução: Bone e Standard para tridimensional e reformatação de espaço discal.

Imagens

Primeira

Imagens Primeira Ultima

Ultima

Imagens Primeira Ultima

Reformatações

Reformatações
Reformatações
Reformatações

Reformatações

Avaliação de espaço discal na pesquisa de hérnias em clientes com lombalgia.

Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos

segmentos.

com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.

Reformatações

Avaliação de espaço discal na pesquisa de hérnias em clientes com lombalgia.

Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos

segmentos.

com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.

Reformatações

Avaliação de espaço discal na pesquisa de hérnias em clientes com lombalgia.

Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos

segmentos.

com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.

Reformatações

Avaliação de espaço discal na pesquisa de hérnias em clientes com lombalgia.

Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos

segmentos.

com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.

Reformatações

Avaliação de espaço discal na pesquisa de hérnias em clientes com lombalgia.

Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos

segmentos.

com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
com lombalgia. Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.

Reformatações

SAGITAL

Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos

segmentos.

SAGITAL Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
SAGITAL Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
SAGITAL Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
SAGITAL Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
SAGITAL Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
SAGITAL Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
SAGITAL Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
SAGITAL Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.
SAGITAL Por uma questão de economia alguns serviços fazem apenas aquisição dos três últimos segmentos.

Perguntas

1- O que é o unco ou processo uncinado?

2- Qual a referência anatômica numa TC de coluna dorsal?

3- HD de fratura de L4, qual o inicio e o término do exame?

4- O que é o processo costiforme?

5- Qual o inicio e término dos cortes numa TC de coluna

cervical?

6- O que forma a caixa torácica?

7- Qual a orientação do cliente em relação ao gantry em um protocolo de coluna lomboscra?

8- Quais MPRs em TC de coluna Lombosacra?

9- A articulação atlantoaxial articula quais ossos?

10- O que difere as vértebras cervicais das demais?

Lombosacra? 9- A articulação atlantoaxial articula quais ossos? 10- O que difere as vértebras cervicais das

Obrigado!

Profº Claudio A. R de Souza

Obrigado! Profº Claudio A. R de Souza Acesse: www.claudiosouza.spaceblog.com.br