P. 1
Manual de Segurança de Produtos Químicos

Manual de Segurança de Produtos Químicos

4.63

|Views: 31.459|Likes:
Publicado porGORDYN

More info:

Published by: GORDYN on Nov 09, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/22/2013

pdf

text

original

Eis, a seguir, os Rótulos de Risco de Produto Perigoso, referentes a transporte, segundo a classe e
subclasse de risco.

Classe 1

Classe 2

Explosivos

Gases

Classe 3

Classe 4

Classe 5

Líquidos inflamáveis

Classe 6

Classe 7

Materiais radioativos

Classe 8

Classe 9

Corrosivos

Substâncias perigosas diversas

2.1Gases

2.2Gases

2.3Gases

inflamáveis

não inflamáveis

tóxicos

e não tóxicos

4.1Sólidos

4.2Substâncias

4.3Substâncias que,

inflamáveis

sujeitas a

em contato com

combustão

água, emitem

espontânea

gases inflamáveis

5.1Substâncias

5.2Peróxidos

oxidantes

orgânicos

6.1Substâncias

6.2Substâncias

tóxicas

infectantes

(venenosas)

Nota:O Rótulo de Risco é utilizado no transporte
de todo produto químico classificado como
perigoso para transporte. Ver sobre a matéria
no Capítulo 4 deste trabalho - Rótulo de
Risco de Produto Perigoso (referente a
transporte).

Fonte:ABNT.

Capítulo 7

Apêndice 7.9

76

7.9 Substâncias perigosas Sinalização, símbolos e rotulagem

Transcrição parcial da Norma regulamentadora (NR) 26/78 sobre sinalização de segurança
Ministério do Trabalho e Emprego

São reproduzidos, a seguir, na íntegra, os seguintes itens dessa norma, pelo seu amplo interesse para a
matéria destas Recomendações:

Item 26.4-Sinalização para armazenamento de substâncias perigosas;

Item 26.5-Símbolos para identificação dos recipientes na movimentação de materiais;

Item 26.6-Rotulagem preventiva.

“26.4.Sinalização para armazenamento de substâncias perigosas.

26.4.1.O armazenamento de substâncias perigosas deverá seguir padrões internacionais.

a)Para fins do disposto no item anterior, considera-se substância perigosa todo material que seja, isoladamente ou não,
corrosivo, tóxico, radioativo, oxidante, e que, durante o seu manejo, armazenamento, processamento, embalagem,
transporte, possa conduzir efeitos prejudiciais sobre trabalhadores, equipamentos, ambiente de trabalho.

26.5.Símbolos para identificação dos recipientes na movimentação de materiais.

26.5.1. Na movimentação de materiais no transporte terrestre, marítimo, aéreo e intermodal, deverão ser seguidas as normas
técnicas sobre simbologia vigentes no País.

26.6.Rotulagem preventiva.

26.6.1.A rotulagem dos produtos perigosos ou nocivos à saúde deverá ser feita segundo as normas constantes deste item.

26.6.2.Todas as instruções dos rótulos deverão ser breves, precisas, redigidas em termos simples e de fácil compreensão.

26.6.3.A linguagem deverá ser prática, não se baseando somente nas propriedades inerentes a um produto, mas dirigida de
modo a evitar os riscos resultantes do uso, manipulação e armazenagem do produto.

26.6.4.Onde possa ocorrer misturas de 2 (duas) ou mais substâncias químicas, com propriedades que variem em tipo ou grau
daquelas dos componentes considerados isoladamente, o rótulo deverá destacar as propriedades perigosas do produto
final.

26.6.5.Do rótulo deverão constar os seguintes tópicos:
- nome técnico do produto;
- palavra de advertência designando o grau de risco;
- indicações de risco;
- medidas preventivas, abrangendo aquelas a serem tomadas;
- primeiros socorros;
- informações para médicos, em casos de acidentes;
- instruções especiais em caso de fogo, derrame ou vazamento, quando for o caso.

26.6.6.No cumprimento do disposto no item anterior, dever-se-á adotar o seguinte procedimento:
-nome técnico completo, o rótulo especificando a natureza do produto químico. Exemplo: “Ácido Corrosivo”,
“Composto de Chumbo”, etc. Em qualquer situação, a identificação deverá ser adequada, para permitir a escolha do
tratamento médico correto, no caso de acidente.
-Palavra de Advertência - As palavras de advertência que devem ser usadas são:
-“Perigo”, para indicar substâncias que apresentem alto risco;
-“Cuidado”, para substâncias que apresentem risco médio;
-“Atenção”, para substâncias que apresentem risco leve.
-Indicações de Risco - As indicações deverão informar sobre os riscos relacionados ao manuseio de uso habitual ou
razoavelmente previsível do produto.
Exemplos: “Extremamente Inflamáveis”, “Nocivo se Absorvido Através da Pele”, etc.
-Medidas Preventivas - Têm por finalidade estabelecer outras medidas a serem tomadas para evitar lesões ou danos
decorrentes dos riscos indicados.
Exemplos: “Manter Afastado do Calor, Faíscas e Chamas Abertas” e “Evite Inalar a Poeira”.

-Primeiros Socorros - medidas específicas que podem ser tomadas antes da chegada do médico.”

Fonte: Site do Ministério do Trabalho e Emprego, www.mte.gov.br/sit/nrs/nr26/nr26.htm.

Capítulo 7

Apêndice 7.10

77

7.10 Sistema padrão para
identificação de inflamabilidade
de materiais

National Fire Protection Agency (NFPA) -
Agência Nacional de Proteção Contra o Fogo -
Estados Unidos

Eis, a seguir, resumo do standard 704, da NFPA,
sobre identificação de inflamabilidade de
materiais.

Âmbito

Referência para bombeiros.

Substância perigosa

Líquidos inflamáveis, gases e sólidos voláteis.

Rótulo do produto

Deve conter as seguintes informações:

•Identificação de riscos, classificados em à
saúde, de inflamabilidade, de reatividade e
riscos especiais, como, por exemplo,
radioatividade ou reatividade com água;

•Codificação dos tipos de risco, por cores.
Cores e seus respectivos significados de risco
- Azul - saúde
- Vermelho - inflamabilidade
- Amarelo - reatividade
- Branco

Rótulo de risco de acordo com o
standard da NFPA

“Diamante de Hommel”

1

0

2

Capítulo 7

Apêndice 7.10

78

Grau de severidade do risco
distribuído por cinco categorias, de 0 (zero) a 4

GRAU

AZUL (Saúde)

VERMELHO (Fogo)

AMARELO (Reatividade)

Material cuja exposição ao
fogo não oferece risco
especial, exceto aquele de
qualquer material
combustível comum.

Material cuja exposição
pode causar irritação e
pequenas seqüelas, a
menos que ocorra pronta
assistência médica.

Material que, em intensa
ou continuada exposição,
pode provocar incapacidade
temporária ou possível
dano residual, a menos que
ocorra pronta assistência
médica.

Material que, por curta
exposição, pode provocar
sério dano temporário ou
residual, mesmo que ocorra
pronta assistência médica.

Material que, por curta
exposição, pode causar
morte e graves seqüelas,
mesmo que ocorra pronta
assistência médica.

Material que não queima.

Material que deve ser
previamente aquecido antes
que ocorra a queima.

Material que deve ser
moderadamente aquecido
ou exposto à temperatura
ambiente relativamente
alta antes que a queima
tenha início.

Líquido ou sólido que pode
incendiar-se sob quase
todas as condições de
temperatura ambiente.

Material que, veloz e
prontamente, se vaporiza à
pressão atmosférica e à
temperatura ambiente, ou
que rapidamente se
dispersa no ar e queima
prontamente.

Material que, por si só, é
normalmente estável,
mesmo exposto, e que não
reage com água.

Material que, por si só, é
normalmente estável, mas
que pode tornar-se instável
a elevadas temperaturas e
pressões. Inclui também
material que pode reagir
com água, mas não
violentamente.

Material que, por si só, é
normalmente instável e que
rapidamente pode ter
violenta mudança química,
mas não detona. Inclui
também material que pode
reagir violentamente com
água, ou que pode formar
com água misturas
potencialmente explosivas.

Material que, por si só, é
prontamente capaz de
detonar ou reagir por
explosão, mas pede forte
fonte inicial, ou que deve
ser aquecido sob
confinamento antes de
iniciar a queima, ou que
reage explosivamente com
água.

Material que, por si só, é
prontamente capaz de
detonar ou decompor-se
por explosão, ou reagir à
temperatura e pressões
normais.

0

1

2

3

4

Capítulo 7

Apêndice 7.10

79

Critério

O sistema da NFPA é codificação cuja finalidade é
oferecer proteção ao pessoal de atendimento a
emergências; não tem por objetivo fornecer
informações sobre características de substâncias
perigosas.

Sua graduação de risco baseia-se no pressuposto
de que o bombeiro recebe exposições de curta
duração no combate a incêndio.

A norma não se aplica, portanto, a trabalhadores
que manuseiam rotineiramente materiais
perigosos.

A utilização do standard da NFPA exige prévio e
prolongado programa de treinamento, para
assegurar que os envolvidos com a aplicação dos
padrões estão cientes do significado dos riscos
representados por suas cores e números.

Capítulo 7

Apêndice 7.11

80

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->