P. 1
Índice de Aldret Kroulik

Índice de Aldret Kroulik

|Views: 59|Likes:
Publicado porIsis Thamara

More info:

Published by: Isis Thamara on Jan 18, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/05/2012

pdf

text

original

Avaliação do paciente na Sala de Recuperação Anestésica

Breve Hitórico A avaliação sistemática dos pacientes na sala de Recuperação Anestésica (RA) constitui uma atividade ainda recente. A utilização de pontos de uma tabela para avaliar o estado físico do paciente teve sua origem em 1953, quando Apgar começou a avaliar recém-nascidos e criou a sua sistemática. Em 1970, Aldrete e Kroulik propuseram um sistema numérico de avaliação pós-anestésica permitindo uma coleta de dados com critério definido realizada pela enfermeira da RA. A partir de então, muitas Salas de Recuperação Pós Anestésicas incorporaram esse sistema de avaliação numérica no exame inicial de admissão do paciente na RA e em intervalos regulares até o momento da alta, sendo o mais utilizado atualmente. O sistema de Aldrete–Kroulik permite avaliação dos seguintes parâmetros: atividade do paciente, respiração, circulação, consciência e saturação de oxigênio. Atribui-se uma pontuação que varia de 0 a 2 para cada parâmetro, na qual o 0 indica condições de maior gravidade, o 1 corresponde a um nível intermediário e o 2 representa a melhor função.

ÍNDICE DE ALDRET-KROULIK
CONSCIÊNCIA RESPIRAÇÃO CIRCULAÇÃO Consciência total Desperta ao chamado Não responde Capaz de respirar profundamente Dispnéia ou movimento respiratório limitado Apnéia PA com variação até 20% do nível pré-anestésico PA com variação entre 20% a 50% do nível pré-anestésico PA com variação superior a 50% do nível pré-anestésico Capaz de movimentar as 4 extremidades voluntariamente ou sob comando Capaz de movimentar 2 extremidades voluntariamente ou sob comando Incapaz de movimentar qualquer extremidade voluntariamente ou sob comando Saturação de oxigênio entre 95 a 100% Saturação de oxigênio entre 92 a 95% Saturação de oxigênio inferior a 92% 2 1 0 2 1 0 2 1 0 2 1 0 2 1 0

ATIVIDADE

SATURAÇÃO

1995. avaliar os resultados das intervenções analgésicas implementadas.INTERPRETAÇÃO DOS ÍNDICES PONTUAÇÃO TOTAL De 8 a 10 De 5 a 7 De 0 a 5 CONDIÇÃO CLÍNICA Paciente em condições de alta da RA Paciente em vigilância relativa Paciente em vigilância restrita AVALIAÇÃO DA DOR A dor é considerada atualmente como 5º sinal vital e sua avaliação é fundamental. Bruce DS. explicando-lhe que 0 é a ausência de dor e 10 é a pior dor que ele pode estar sentindo. 1993. Equipe do Centro Cirúrgico – Hospital Samaritano .Rio de Janeiro:Revinter. Cuidados de Enfermagem ao Paciente Cirúrgico. A escala verbal numérica é uma escala de fácil aplicação a pacientes adultos. Porto Alegre: Artes Médicas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Bibliografia recomendada Jeffery SV. A dor é um fenômeno multifatorial e subjetivo e essa escala permite uma aproximação da experiência dolorosa do paciente servindo como parâmetro para as avaliações da dor inicial e subseqüentes. Alexander.2002 . Bonnet F. bem como possibilita ainda. Solicita-se que o paciente verbalize sua dor classificando-a com uma nota de 0 a 10. Recuperação Pós-Anestésica. A dor no meio cirúrgico.1995.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->