Psicologia da Educação

APRESENTAÇÃO Caro (a) Aluno (a), É com satisfação e expectativa que iniciamos esta caminhada pelo mundo de uma das mais atraentes áreas do conhecimento humano, a Psicologia, que nesse caso vem especificamente voltar seu olhar e suas reflexões para a Educação, esperando que este seja o marco de uma frutífera, intensa e verdadeira relação de trabalho, comunicação e produção científica. A Disciplina que se intitula PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO tem por objetivo geral introduzir os principais conceitos e as diferentes teorias psicológicas acerca do desenvolvimento e da aprendizagem do homem, além de marcar a sua importância e aplicabilidade no contexto educacional, bem como sensibilizar e capacitar você para uma prática pedagógica orientada pela relação interdisciplinar entre a Psicologia e a Educação. Partindo de um estudo introdutório da Psicologia, apresentada em seus vários aspectos, em direção a um estudo reflexivo da práxis pedagógica no seio das contribuições que a Psicologia, enquanto Ciência do Comportamento, tem efetivamente podido dar para o desenvolvimento e melhoria das condições de vida e das produções do homem moderno. Essa disciplina está planejada para um estudo de 72 horas e desenvolver-se-á em dois momentos lógicos, aqui identificados como Blocos Temáticos que contemplarão dois temas nucleares, cada um, desenvolvido em seus conteúdos principais, considerando-se os objetivos gerais e específicos da disciplina. Assim: O Bloco Temático I - A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NO ESTUDO DO COMPORTAMENTO HUMANO - pretende levá-lo a conhecer e discutir a Psicologia, enquanto ciência do comportamento as visões sobre o desenvolvimento e a aprendizagem em diversas teorias psicológicas. Ainda neste Bloco, os estudos e reflexões psicológicas estão direcionados para uma compreensão quanto a multideterminação do desenvolvimento e do comportamento humano. O Bloco Temático II

- PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA EM FACE DA APRENDIZAGEM HUMANA – Pretende oferecer uma incursão acerca da Psicologia da Educação, sua
origem, evolução teórica, sua situação no campo do conhecimento, seus objetos e conteúdos de estudo e suas principais abordagens teóricas contemporâneas. A partir disso, busca-se focalizar a atenção nos estudos sobre aprendizagem, a partir das contribuições que a Psicologia vem substancialmente dar à Educação (em suas principais teorias), voltando-se em seguida para a aplicabilidade do conhecimento psicológico à práxis educativa pedagógica. A disciplina foi estruturada para potencializar sua aprendizagem. Leia atentamente o material especialmente elaborado para você. Realize todas as atividades e pesquisas propostas: elas visam auxiliá-lo para que possa realizar uma construção significativa e consistente de conhecimento sobre os temas.

Esperamos contribuir de modo significativo para que venha a repensar sua atuação no mundo, tanto no campo pessoal quanto profissional. Desejamos que você aproveite ao máximo esta disciplina!

Cordialmente, Professores de Psicologia da Educação. A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NO ESTUDO DO COMPORTAMENTO HUMANO INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA* O QUE É PSICOLOGIA? O que é Psicologia? Esta pergunta precisa se ser respondida antes que possamos passar nosso estudo sobre a Psicologia da Educação. Neste texto, a compreensão alcançada sobre algumas teorias da Psicologia poderá contribuir para que o educador perceba que mesmo que não identifique seu saber com os conceitos da desenvolvidos pela Psicologia científica, ele de fato atua sempre tendo por base a construção histórica deste campo. Isto se configura em grande parte pelo fato de que muitas das práticas educacionais já consolidadas foram estabelecidas ao tomar por base as concepções estruturadas nas várias teorias psicológicas. Assim, quando o sistema educacional distribui os alunos por faixa etária e estabelece os conteúdos a serem trabalhados com cada grupo, há nesta prática uma noção de o desenvolvimento inteligência ocorre gradualmente e que as crianças menores, têm uma capacidade apreensão conceitual em função das características que marcam a sua cognição. Diante disso, conhecer a Psicologia e sua explicação sobre o desenvolvimento psicológico do ser humano, bem como as várias formas de explicação sobre como ocorre o processo de aprendizagem, é uma condição prévia para que o professor possa embasar suas propostas é estratégias didáticas, bem como para que possa visualizar quais conteúdos devem ser trabalhados com cada faixa, tendo por base o nível de abstração de cada grupo.

O Senso Comum, a Ciência e a Psicologia
Ao iniciarmos um estudo sobre a Psicologia devemos identificar tudo que é habitualmente denominado Psicologia, mas que efetivamente não pertence a este campo do conhecimento. Isto por que de forma cotidiana as pessoas costumam misturar o conhecimento popular e as concepções que são legitimadas pelo saber científico. Rossetti (2004) afirma que podemos optar por definir ciência por um processo de exclusão, neste sentido para alcançar uma compreensão do que pertence ao escopo da ciência delimitamos inicialmente o que não é ciência. Assim, neste caminho para compreender a delimitação entre ciência e senso comum, este autor sugere que seja imaginado que entre senso comum, ciência e ideologia há um “espaço contínuo” que leva a concepção de que “os limites entre estas categorias não são estanques, pelo contrário, eles se superpõem nas orlas de contato.” (ROSSETTI, p.56).

Tomando por base esta proposta de Rossetti (2004), podemos tentar imaginar este espaço de interseção entre o saber do senso comum e a ciência, como ilustrado na imagem abaixo:

Esta superposição parcial existente entre o conhecimento científico e outros saberes do ser humano, pode facilmente ser ilustrado sempre que um conhecimento ou tradição popular, como o uso de ervas medicinais por exemplo, é ratificado posteriormente por pesquisas científicas ou quando uma informação oriunda da ciência influi no comportamento cotidiano do homem, como temos visto acontecer com as mudanças nos hábitos alimentares das pessoas. Entretanto, de acordo com as afirmações de Rossetti (2004), o que distingue o senso comum e a ciência é o fato de que cada verdade do senso comum se caracteriza por ser um “conhecimento acrítico, imediatista” (ROSSETTI, 2004, p.56), onde os indivíduos crêem na superficialidade do fenômeno. Diferente deste modelo, a construção do conhecimento científico parte de uma proposta de tratar um fenômeno estudado de forma crítica, ou seja, com profundidade e rigor lógico. Nesta perspectiva, vemos que de fato um mesmo fenômeno é analisado de forma completamente distinta, ao compararmos as hipóteses e teorias desenvolvidas pelo sujeito de forma cotidiana e as sistematizadas por cientistas. A história está repleta de interpretações que se baseiam na superficialidade apresentada pelos fenômenos, é provável que o mais conhecido seja sobre a forma do nosso planeta. Durante séculos a humanidade acreditou que a terra fosse plana, em função do fato de que sem recursos tecnológicos, o homem interpretava a realidade do mesmo modo que sua percepção alcançava. Ou seja, vendo a linha do horizonte como uma reta, eles consideravam que após o horizonte seria o fim do mundo. Acreditava-se, inclusive, que após esta “linha”, os navios despencariam em um abismo. Galileu Galilei foi o primeiro a afirmar a circularidade do planeta. Quando se discute esta questão em relação ao campo da Psicologia, efetivamente, é pertinente pensar que uma “mistura” entre o que pertence ao senso comum e o que é sistematizado pela Psicologia científica, favorece que um grande número de pessoas considere tudo como sendo uma expressão da “Psicologia”. Pensamos que a crença de que há verdade científica em um conhecimento do senso comum, está de certa forma atrelada à necessidade das pessoas de acreditar em fórmulas e manuais, especialmente quando estes nomeiam como científico, o que é usual em livros e publicações de auto-ajuda. Sobre a opção das pessoas por manter vivas as suas convicções, mesmo sem embasamento científico, Robinson apud Araújo, nos diz:

[...] poucas pessoas se dão ao trabalho de estudar a origem de suas próprias convicções. Gostamos de continuar

a crer no que nos acostumamos a aceitar como verdade. Por isso, a maior parte de nosso raciocínio consiste em descobrir argumentos, para continuarmos a crer no que cremos. [...] (ROBINSON apud ARAÚJO, 1998, p. 13).

* Os textos produzido para o Bloco Temático 1 e 2 do material AVA são da autoria da professora Maria Estela Araújo Ferreira Santos Bacharel em Psicologia (1992) e mestre em Administração (2005) pela Universidade Federal da Bahia. Em se tratando de equívocos comuns que entrelaçam a Psicologia científica e as idéias do senso comum, pode ser citado que por vezes, o costume de interpretar o saber popular, como se fosse uma verdade científica, acaba por criar a ilusão de que o indivíduo leigo que age com bom senso, ou que tem hábitos de ouvir os outros com atenção, tem uma boa “Psicologia”, chegando a ser visto como se fosse “quase um psicólogo”. Porém, há distinção entre o conhecimento produzido por teorias psicológicas e os mitos, lendas, tradições e (pré) conceitos criados pelo homem em seus grupos culturais. Também o saber e dogmas das religiões não devem ser confundidos com as idéias e explicações da Psicologia científica acerca do homem individualmente e, das relações que ele estabelece. Entretanto, faz-se necessário ressaltar que o conhecimento do senso comum também tem grande importância para o homem em seus grupos sociais, ainda que não pertença ao campo da ciência. Por isso, o fato de não pertencer ao discurso científico não reduz necessariamente a influência dos demais saberes na vida do homem. Neste sentido, se um conhecimento popular, mito ou tradição de uma sociedade não está legitimado por uma pesquisa científica, isto não faz com que este saber deixe de ser valorizado, apenas deve ficar claro que ele pertence a um campo não científico do saber humano e que usa métodos e objetos de estudo distintos daqueles que a ciência reconhece como passíveis de uso em uma investigação científica. A Filosofia também não tem características de ciência, mas pode ser diferenciada do saber criado quotidianamente, pois ao sistematizar suas idéias, os filósofos desde os antigos gregos, empreendem esforços metodológicos ancorados na racionalidade para explicar a realidade em todos os seus aspectos.

As tradições Dizem respeito aos conhecimentos específicos, relacionados muitas vezes às questões práticas da vida cotidiana, construídos por todos os grupos sociais ao longo da história do homem. Percebe-se que em cada região e momento histórico, as tradições variam de forma infinita, e em grande parte das vezes, se comparamos as tradições entre os vários grupos sociais, percebemos que as formas de pensar, entender e interpretar a realidade são completamente divergentes e, inclusive excludentes. Um exemplo interessante diz respeito à comparação entre tradições de culturas muito antigas como os indianos e os chineses, entre ocidentais e orientais, entre povos do hemisfério norte e do hemisfério sul. Obviamente, não devemos valorar se uma ou outra cultura está correta, ou se uma é mais coerente com a realidade contemporânea, inclusive por que o nosso olhar e nossas opiniões sobre culturas distintas da nossa, tendem a ser influenciados por nossos paradigmas e crenças, os quais estão intimamente ligados à cultura em que estamos

Por isso. Heráclito e Demócrito. O olhar filosófico acerca da realidade Conforme dissemos anteriormente. Pode ser dito desse modo que os pré-socráticos romperam com o paradigma vigente até explicações sobre a realidade pautadas em mitos. O surgimento deste método** . alimentando desigualdades sociais e econômicas.) e Aristóteles (384-322 a. carregam e consolidam preconceitos. ao longo da sua história o homem criou vários métodos em sua tentativa de compreender a si e à realidade. dentre eles o método filosófico. que antecedeu ao sistemático processo inerente à atual metodologia científica. Embora as tradições sejam importantes para a construção do tecido social. a matemática pitagórica e o Teorema de Tales. Anaxímenes. e assim como Sócrates. A Filosofia deste período se dedicava especialmente em desvendar a essência do mundo e as causas das transformações na natureza. os pensadores começaram o processo de distanciamento em relação ao . distinguindo-se do conhecimento mitológico e mágico construído no senso comum. Anaximandro. Os primeiros filósofos são chamados pré-socráticos. os pensadores: Tales de Mileto (teria sido o primeiro). lendas e crenças místicas. Entre as contribuições deixadas pelos filósofos naturalistas. Dentre os filósofos mais proeminentes do início da Filosofia estão Sócrates (469-399 a. podendo inclusive dificultar o avanço científico.C. o conhecimento era construído e transmitido verbalmente.). Assim. bem como para estabelecer normas de convivência social. data aproximadamente do início do século VI antes de Cristo. as tradições não estão fundamentadas por idéias cientificamente comprovadas e. não deixaram suas idéias sistematizadas de forma escrita. Ou seja.C. O termo Filosofia significa "amizade ao Saber" ou “amor à sabedoria” e é entendida como sendo uma forma de pensar e apreender a realidade a partir do pensamento racional. Pitágoras. Parmênides. Platão (427-347 a. o que ocorreu durante milhares de anos de forma apenas oral. contava com a memória e transmissão oral ou no máximo com a representação por desenhos. marcando o seu nascimento.C. Porém. não mais dentro de uma proposta de atribuir histórias fantasiosas acerca da realidade.). Este conhecimento elaborado pelos sábios gregos decorria do seu esforço por encontrar explicações para todos os fenômenos que cercavam o ser humano. em grande parte das vezes. O conhecimento tradicional era sempre passado de geração à geração. período que marca os primeiros registros do pensamento Filosófico. estes pensadores criaram o método filosófico a partir da necessidade de compreender o mundo com explicações reais. São conhecidos como pré-socráticos. haja vista que neste discurso. destacam-se a teoria atômica. sem registros escritos.inseridos. tecnológico e social quando estão sobrecarregadas de dogmas resistentes à mudanças. o pensamento filosófico dos antigos gregos representou um avanço na construção do conhecimento pelo homem. os pensadores pré-socráticos são denominados também de naturalistas.

Então podemos entender que originalmente a palavra método teria por significação a expressão: “caminho para” ou “pesquisa para” (LAVILLE. . a exemplo das concepções sobre a razão. a política. todo conhecimento gerado em qualquer das ciências. prima por uma característica evolutiva.) por sua vez . além do discurso filosófico que permanece oferecendo a sua contribuição para que o homem se aproprie das coisas que o cercam. Segundo Rossetti (2004). os filósofos não usavam o método contemplativo para discutir questões das ciências humanas e sociais.399 a.C. ** A palavra método deriva da palavra grega methodos . Embora o conhecimento filosófico não estivesse no mesmo patamar do conhecimento produzido pelo senso comum. existem critérios internos e externos que permitem estabelecer como se dá a sistematização das ciências. a ciência. a moral. pois antes dele. Neste movimento. Assim como inúmeros outros aspectos da evolução da humanidade. a Filosofia cunhou vários conceitos como a moral. Ainda que como foi dito aqui. que faz com que o produto das . dentre outros.1999) O PERCURSO DA PSICOLOGIA NO UNIVERSO CIENTÍFICO Construção do conhecimento na ciência Uma vez entendido que os saberes gerados no senso comum e na Filosofia não devem ser confundidos com o conhecimento produzido pela ciência. é necessário também definir a ciência a partir de critérios de cientificidade. sua metodologia ainda não garantia o alcance de um conhecimento sobre a realidade e o homem prosseguiu aprimorando seus métodos de investigação para alcançar a verdade através da ciência. a qual é composta pelas palavras meta que significa “para”. os quais são identificados hoje como saberes não científicos. Assim. os pré-socráticos sejam reconhecidos como os primeiros da história da Filosofia e Sócrates (469 a.pensamento mágico característico da mitologia e das tradições anteriores. bem como pela peculiaridade de o saber científico comportar verdades sempre inacabadas. E. é importante ressaltar o papel do filósofo René Descartes para que a humanidade saltasse do modelo filosófico de investigação para o modelo da ciência moderna. a política. dentre outros. e para isso priorizam a razão como instrumento para alcançar a verdade. a saber: a tradição. podemos dizer que ao longo da sua história. as lendas e mitos.C. o homem tem utilizado vários métodos para conhecer a realidade que o cerca. também denominados de senso comum. desde a medicina à astronomia. não há como estabelecer precisamente o momento em surgiram o que poderíamos denominar de “primeiros filósofos”. ainda que como foi dito haja interface entre as formas de construção de conhecimento do ser humano (ROSSETTI. seja considerado um “divisor de águas” para o pensamento filosófico. os filósofos gregos sistematizaram as bases e os princípios fundamentais de conceitos utilizados até hoje. 2004). a ética. sendo os últimos uma consequência do seu caráter histórico e social. Ao refletir sobre os vários aspectos da natureza e da essência do homem (metafísica). por isso faz parte da evolução histórica de várias ciências. a ética. Neste sentido. Neste sentido. e hodos que significa caminho”.

este ramo da Filosofia estuda a origem. sendo ainda premissa do processo científico a recusa de produções que encerrem afirmações dogmáticas. desdobramento do tema de forma estruturada. Assim. podemos dizer que a epistemologia se dedica a refletir sobre o que é o conhecimento e como alcançamos este conhecimento. Objetivação: “Tentativa de reproduzir a realidade assim como ela é. Neste sentido. os critérios internos de cientificidade seriam: coerência. Por isso. havendo na história da Filosofia duas vertentes a este respeito. p. mas que já tinha algumas das características necessárias hoje às pesquisas de muitos campos da ciência. comparação crítica e reconhecimento generalizado (ROSSETTI. O que entendemos por Dimensão epistemológica A epistemologia é um ramo da Filosofia que discute especificamente a construção do conhecimento pelo homem. quantificação e repetição dos experimentos para confirmação de resultados.pesquisas e conclusões seja de forma infinita passível de discussão. originalidade e objetivação. a saber: observação dos fenômenos estudados. os estudos de Galileu e seu método de pesquisa experimental eram restritos inicialmente às ciências naturais (ARAÚJO.1) O termo epistemologia se originou das palavras gregas episteme (ciência. medição. conhecimento) e logos (estudo). Porém. 2009. a saber: a empirista que . independente se este o saber se encontra no âmbito do discurso do senso comum.56): Coerência: “Argumentação estruturada. Critérios de Cientificidade em Rossetti (2004. 1998). ele criou um método de investigação experimental. dedução lógica de conclusões”. da Filosofia ou no âmbito da ciência. em todos os seus campos. corpo não contraditório de enunciados. consistência. a natureza. Consistência: “Capacidade de resistir a argumentações contrárias“ Originalidade: “produção não tautológica nem meramente repetitiva. é chamada de “teoria do conhecimento” (WILLIAMS apud OLIVEIRA. Galileu Galilei Em sua busca por conhecer as coisas do mundo. desde o senso comum à ciência. A ciência experimental moderna propriamente dita teve marco fundante nas idéias de uma corrente de pensamento da qual Galileu Galilei foi a figura mais representativa. não como gostaríamos que fosse”. Enquanto os critérios nos externos estão os que são redutíveis à intersubjetividade: divulgação. os limites e a validade do conhecimento produzido pelo homem. Neste contexto. 2004). p. representando uma contribuição ao conhecimento”.

Delimitação do objeto de estudo (o comportamento. Dentre os mais significativos podemos citar os estudos da Psicofísica. 2. a Psicologia acede ao estatuto da ciência. cuja sistematização do conhecimento.considera que o conhecimento deve ser baseado na experiência. A partir deste ponto. através do qual ocorreu a descoberta do reflexo. do materialismo e do empirismo. Sistematização de métodos de estudo. cujas experiências “garantiam” o alcance da verdade. 3. refletindo de forma distante a influência das vertentes racionalista e empirista em conceitos fundamentais de cada uma. por volta de 1860. em cada uma delas. a consciência). e a racionalista que afirma que a fonte do conhecimento se encontra na razão. Neste sentido. Assim. e favorecida também por descobertas realizadas em outros campos do conhecimento. e não na experiência. ainda que os esforços dos teóricos convergiam para alcançar um modelo baseado exclusivamente no empirismo. Também relevante foi a formulação da Lei de Fechner-Weber. Sabemos que o discurso filosófico baseava-se especialmente na vertente racionalista. entendido até então como impossível. Contribuições de outras ciências para a Psicologia Algumas descobertas no campo da Fisiologia. a qual estabeleceu a relação entre um estímulo e uma resposta. a ciência psicológica que se consolidou a partir deste período acabou por se transformar em um campo repleto de teorias. as quais embasavam também outras ciências. inclusive da Fisiologia. O percurso da Psicologia no universo científico Influenciada por idéias filosóficas do positivismo. enquanto as ciências que floresceram no século XIX buscavam a vertente empirista em função da possibilidade de legitimar o conhecimento construído através de pesquisas laboratoriais. . a vida psíquica. Neste período ainda foi estabelecida a possibilidade de mensuração do fenômeno psicológico. a saber: Produção do conhecimento na Psicologia científica 1. ainda que seus teóricos convivessem em um mesmo período da História. Formulação de teorias que compõem o consistente escopo deste ramo de conhecimento. separando-o das demais áreas do saber. é possível afirmar que a Psicologia científica que nasceu neste período comportava em sua natureza as duas vertentes. Psicologia estabeleceu novos padrões para produção de conhecimento. 4. seguiu caminhos distintos e as explicações sobre cada fenômeno humano se configuraram por vezes distantes entre elas. Delimitação do campo de estudos. Neuroanatomia e Neurofisiologia foram relevantes cientificamente para a Psicologia.

Thorndike (1947 – 1949). um dos grandes interesses de seus teóricos era compreender a utilidade dos processos mentais para o organismo. inclusive no desenvolvimento de ideias e paradigmas científicos. a criação do método do introspeccionismo. além da estruturação do 1º laboratório de Psicologia na Universidade de Leipzig. além dele colaboraram para o nascimento desta ciência Fechner. Podemos dizer então que é mérito de Wundt a sistematização de um método de pesquisa em Psicologia dentro das exigências do campo científico de sua época. Além disso. tornam-se gradualmente mais complexas. Abordagem desenvolvida por Titchner. Os teóricos funcionalistas tinham a consciência e sua dinâmica de funcionamento como foco dos seus estudos. Porém. Embora a Psicologia científica tenha nascido na Alemanha. mais precisamente em Leipzig. haja vista os avanços alcançados a partir de seus estudos. a aprendizagem de um conteúdo complexo ocorreria por associação com outras ideias já aprendidas e que estivessem envolvidas ou ligadas ao conteúdo em questão Wilhelm Wundt Wilhelm Wundt exerceu posição diferenciada na história da Psicologia. bem como a primeira delimitação do objeto de estudo da Psicologia. Alemanha. o marco de nascimento da Psicologia moderna é a Alemanha ao final do século XIX. por considerar que o homem usa a consciência para adaptar-se ao meio. 2003) Neste sentido. Abordagem criada nos EUA. Nesta abordagem há uma prevalência por uso do método da observação para construção do conhecimento em Psicologia. que são: Primeiras Escolas em Psicologia • Escola estruturalista Edward Titchner (1867 – 1927). O termo associacionismo refere-se ao fato de que esta abordagem originou-se da concepção da aprendizagem como sendo resultado de um processo de associação de ideias. Ele preconizou também a sistematização de uma Psicologia "sem alma". surgindo as primeiras abordagens ou escolas em Psicologia. • Escola funcionalista de William James (1842-1910). • Escola associacionista de Edward L. sendo resumidamente ilustrada nas questões: "o que fazem os homens" e "por que o fazem". através do trabalho de Wilhelm Wundt considerado inclusive Pai da Psicologia. as quais em um processo de evolução. onde os estados elementares da consciência são entendidos como estruturas do sistema nervoso central. dentre eles: o desenvolvimento da noção do paralelismo psicofísico. Edward B. propõe uma compreensão da consciência em seus aspectos estruturais. pais marcado pelo pragmatismo. na vanguarda do sistema capitalista. o qual seria acessível a partir da experimentação e investigação em laboratórios. Esta abordagem é neste sentido considerada a primeira teoria de aprendizagem em Psicologia (Bock. Tichner e William James.Efetivamente. é nos Estados Unidos que ela encontra campo para um rápido crescimento. Criticava o Estruturalismo buscava construir um saber em relação ao comportamento humano. .

os estudos deste campo seguem critérios e métodos de estudos dentro dos padrões estabelecidos pela comunidade científica. sendo possível com isso encontrarmos teorias. A sistematização do conhecimento na Psicologia é hoje proposto de forma. Além disso. a proposta original da Psicologia científica. mas não se confunde com esta. A disciplina Psicológica se dedica a construir conhecimentos sobre a realidade do ser humano. a estrutura cognitiva. embora as teorias psicológicas tenham hoje variadas formas de pensar a construção de um conhecimento científico aceito acerca do homem. os estudiosos deste campo organizaram concepções distintas que favoreceram o surgimento das primeiras abordagens teóricas ou escolas em Psicologia. bem como das práticas místicas. Os conceitos e princípios destas abordagens acabaram por se constituir em matrizes para o desenvolvimento posterior de outras abordagens teóricas. a exemplo da Psicanálise. podendo ser citada como exemplo os estudos baseados em análise de discurso e nas representações sociais. A Psicologia e seu objeto de estudo Ainda que haja uma gama variada de teorias e de campos de atuação. individualmente ou em relação aos seus fenômenos sociais. desde o início dos tempos. Além disso. bem como sobre todos os fenômenos sociais dos quais o ser humano tem feito parte. a clara delimitação do seu objeto que não comporta retorno à discussões sobre a imortalidade da alma ou sobre a existência do espírito. por isso não realizam pesquisas experimentais. os processos psíquicos e a subjetividade. denominadas: estruturalismo. baseada no empirismo. mas que têm suas explicações e concepções reconhecidas e legitimadas. é importante referir que há outras teorias com grande relevância ao aporte teórico do campo da Psicologia. ordenada e orientada pelo uso da razão e de métodos legitimados pela comunidade científica. dentre outras. o que tem por pretensão garantir o estabelecimento de corpo coerente de informações sobre o ser humano. embora não sejam alvo da nossa discussão. a medicina. Porém. é certo que a Psicologia permanece influenciada pela Filosofia. Hoje. tanto no campo da Psicologia como entre cientistas de outros ramos do saber como a administração. é possível afirmar que o do fundamento da Psicologia. positivismo e no materialismo. as quais estão brevemente descritas no quadro acima. pedagogia. além das relações sociais do ser humano. Assim. que não sistematizam seus conceitos a partir de parâmetros empiristas. enquanto campo legítimo de conhecimento científico relaciona-se ao seu afastamento dos dogmas religiosos. Entretanto. dentre as quais as que têm maior contribuição o campo educacional são: o Behaviorismo. funcionalismo e associacionismo. já não alcança os estudiosos deste campo tão marcadamente. as quais permitem conhecer a rede simbólica de representação dos grupos sociais estudados. dentre as quais podemos citar: o Humanismo e a Teoria analítica de Jung. as Teorias Cognitivistas e a Psicanálise. havendo grande aproximação com algumas propostas metodológicas adotadas em outras ciências sociais e humanas.Gradualmente. o desenvolvimento. a Psicologia pode ser definida como a ciência que estuda o comportamento. .

linguagem. pois é essencial para uma compreensão quanto aos processos da aprendizagem humana. • Os ciclos de vida e os aspectos do processo de desenvolvimento do ser humano. comportamentais e psíquicas características em cada faixa etária. com a caracterização de acontecimentos e preocupações específicas a cada um deles. PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO: CONCEITOS BÁSICOS. em suas diversas vertentes teóricas. como também pela atuação dos profissionais de educação. COGNITIVOS E PSICOSSOCIAIS Uma vez que fizemos uma breve introdução sobre a história da Psicologia e uma reflexão acerca da Psicologia da Educação. Essa noção de períodos do ciclo de vida também acarreta a noção de idade média para a ocorrência de certos . ainda que não necessariamente parâmetros positivistas. percepção). ASPECTOS FÍSICOS. a Psicologia se fundamenta por realizar pesquisas dentro de parâmetros científicos. mas em especial. • Comportamento e suas motivações. Entender este processo evolutivo a partir de olhares distintos encontrados nas teorias psicológicas tem importância para vários campos do conhecimento. toma por objeto de estudo os seguintes fenômenos: • As funções cognitivas (aprendizagem. Inicialmente. e que são denominadas de fases/períodos de acordo com o autor ou teoria. e das formas de vida social do ser humano.Neste sentido. conheceremos a partir deste ponto algumas das principais teorias da Psicologia. O estudo do desenvolvimento humano é fascinante e complexo. sendo influenciado por muitas variáveis psicológicas. vamos a estudar conceitos fundamentais para que se possa compreender o desenvolvimento humano fazendo um breve passeio histórico por esse campo de reflexão da ciência psicológica. Seu objeto de estudo é em última instância o homem e todos os fenômenos do quais ele faz parte. os quais referem-se a divisões aproximadas e arbitrárias do ciclo de vida humano. Ir para Ferramentas da Disciplina VISÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO E A APRENDIZAGEM HUMANA EM DIVERSAS TEORIAS PSICOLÓGICAS. • A saúde e as patologias psíquicas apresentadas pelo homem e por todas as organizações e grupos. Seu estudo é necessário e oferece interesse prático e acadêmico. é possível dizer que tendo o homem no centro do seu foco de estudo. pensamento. haja vista que toda a sistematização do trabalho está diretamente atrelada a um conhecimento acerca das características cognitivas. a Psicologia. • As questões sociais. Objeto de estudo Diante do que vimos até agora. psíquicas e sociais. Os estudos desenvolvimentistas realizados por algumas correntes da Psicologia levaram a descrição sobre o desenvolvimento psicológico a partir de processos evolucionários que ocorrem em períodos ou ciclos de vida. no trabalho em sala de aula. memória.

Maturação Por maturação entenda o desdobramento de uma seqüência definida de mudanças físicas. comportamentais e psíquicas. Então. Assim. pois não fazem parte do que entendemos como um “fazer pedagógico”. envolvendo prontidão para dominar novas habilidades. podemos afirmar que ocorre desde o nascimento um processo de maturação. haja vista que as descrições das fases ou períodos permitem entender que há muita variação no ritmo com que cada indivíduo se desenvolve. o que somente poderá ser afirmado com avaliação diagnóstica a ser realizada por profissional capacitado para esta tarefa. É a partir deste contexto de multiplicidade de fatores e influências que se deve proceder ao estudo do . pensamento e linguagem). Entretanto quando há um desvio extremo. existe a possibilidade de haver um distúrbio no desenvolvimento. mesmo que um indivíduo não apresente todas as características descritas para sua idade. Importante ressaltar que os ciclos de vida e a idade média são simplesmente médias encontradas no contexto geral das pessoas. ou externas quando os fatores influentes são provenientes do meio externo. quando decorrentes de fatores hereditários. mas não obrigatório. As diferenças individuais é que fazem essa média deslizar. devemos entender a noção de maturação e os aspectos inerentes à concepção de desenvolvimento. • Desenvolvimento Cognitivo: mudanças na capacidade mental (aprendizagem.fenômenos. ou seja. ou seja a idéia de períodos de tempo (idade) onde são comuns determinados comportamentos. que podem ser internas. É importante considerar ainda as influências de fatores multideterminados sobre o desenvolvimento humano. Neste sentido. raciocínio. em um processo de constituição do sujeito e de sua identidade. por instabilidade de humor e por crises de identidade. no que diz respeito ao ritmo e aos resultados do desenvolvimento. que é explicado de distintas formas pelas teorias psicológicas. para compreender a concepção que perpassa as teorias do desenvolvimento. • Desenvolvimento Psicossocial: mudanças na personalidade. • Desenvolvimento Moral: evolução da capacidade de julgar sobre o certo e o errado e de considerar as regras sociais para balizar a própria conduta. reagir. memória. e se relacionar. se comportar. Aspectos do desenvolvimento Entendidos como sendo as diferentes esferas da vida humana que são entrelaçadas e influentes entre si. para mais ou para menos. do ambiente. que o período denominado de adolescência* seja caracterizado por comportamento de resistência em aceitar regras. e que podem ser divididas em quatro grandes grupos: • Desenvolvimento Físico: todas as mudanças que envolvam aspectos biológicos. Por exemplo: É comum. não há necessariamente que se pensar em um distúrbio de desenvolvimento. no modo particular do sujeito de sentir.

em sentido amplo. organizados. conhecimento. complexos e eficazes no sentido da sobrevivência do indivíduo... lemos um livro. armazenamento e utilização das informações no plano da cognição. DESENVOLVIMENTO E PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA TEORIA COGNITIVISTA DE JEAN PIAGET Antes de iniciarmos a refletir sobre as perspectivas de Jean Piaget e Lev Vygotsky sobre os processos de aprendizagem e desenvolvimento humano. por conseguinte. a percepção. ao estudar o processo evolutivo. Ato ou processo de conhecer. estão atrelados a ideia de que resultam em comportamentos mais adaptativos. estas teorias acabaram por agrupar as mudanças por categorias. a memória.. Diante disso. cognição é o processo através do qual o mundo de significados tem origem. a fim de chegar às raízes e.20) . cognotione: ato de aprender a conhecer. envolvendo muitos assuntos relevantes para a educação. Preocupa-se com o processo de compreensão.desenvolvimento individual de cada pessoa. As pesquisas no campo da psicologia cognitiva têm demonstrado que a visão tradicional de conhecimento como conteúdo a ser adquirido não corresponde aos dados empíricos. das nossas capacidades. 1979. a iniciar pelo termo cognitivo..] O conhecimento que temos em nossas cabeças sobre as coisas é diferente do conhecimento. o termo desenvolvimento. por exemplo. 1986. ao filme ou a pintura em si.](CARRAHER. crescimento e desenvolvimento se correlacionam? Em Psicologia. pág. conhecer. p.. Maturação. Conhecimento adquirido. “Conhecer significa penetrar através da superfície. o pensamento. Além disso. a linguagem. as teorias psicológicas que estudam o desenvolvimento se dedicam a estudar todos os tipos de mudanças observadas nos seres humanos. podemos afirmar que o conhecimento que temos sobre o filme. por exemplo. num mapa ou num livro. D. transformação. Neste sentido.. assistimos a um filme ou apreciamos uma pintura em tela. de modo ordenado e que se mantêm por um período de tempo razoavelmente longo. tais como a aprendizagem. Nas palavras de Carraher: [. os significados por nós atribuídos a estas obras dependem das nossas experiências prévias. que tem origem no latim cognitus.. às causas. particípio de cognoscere. o livro ou a pintura correspondem à nossa maneira de representá-los e interpretá-los e não ao livro. os quais corroboram a noção de que o conhecimento é construído ativamente na nossa vida cotidiana. é posto em nossos termos. a psicologia cognitiva envolve o estudo das bases do conhecimento humano.W. característica das sociedades ocidentais. Quando. Nosso conhecimento é personalizado. dos nossos interesses. * Importante ressaltar que a concepção de adolescência é uma construção social. Porém.[. conhecer significa "ver" a realidade em sua nudez" (FROMM. dentre outros. faz referência às mudanças que ocorrem no ser vivo entre a concepção e a morte. o raciocínio. gostaria de tecer algumas considerações.56) Partindo da concepção de que cognitivo significa conhecimento e que.

Jean Piaget: A epistemologia genética de Jean Piaget Jean Piaget. Dedica-se. envolvido em um ambiente interessante. num clima democrático e propício às descobertas e à reflexão. Autor de uma vasta obra composta de mais de 70 livros e muitos artigos.Vejamos algumas idéias importantes sobre a abordagem cognitiva da aprendizagem. biólogo de formação. então. as propostas de práticas pedagógicas baseadas nos pressupostos cognitivistas são orientadas no sentido de promover uma relação dialógica entre professor e aluno. 2004. apresentadas por CARRAHER (1986) em seu texto: Educação Tradicional e Educação Moderna: • “O modelo cognitivo de aprendizagem salienta a importância do raciocínio e do pensamento por parte do aluno (cognição refere-se a conhecimento. Vejamos a seguir os pressupostos e contribuições para a prática pedagógica de um dos mais expressivos teóricos da psicologia cognitiva. Suas idéias são representações mentais. As crianças têm o seu próprio modo de pensar. • O conhecimento da criança não equivale ao conhecimento de livros. • “A Aprendizagem ocorre através de descobertas realizadas pela criança” (CARRAHER. tais como: • O que é o conhecimento? • O que conhecemos? • Como conseguimos aprender o que conhecemos? • Como alcançamos o conhecimento válido? Considerado um dos teóricos expoentes e mais expressivos no campo da psicologia. motivado pelo desejo de investigar e responder questões epistemológicas. segundo COLL.1986. Piaget alcançou grande repercussão desde a publicação dos seus primeiros cinco livros: • A Linguagem e o Pensamento na criança – 1923 • O julgamento e o Raciocínio na Criança – 1924 . O conhecimento mais importante é aquele com que o aluno raciocina. este último concebido como sujeito ativo e participante do seu processo de aprendizagem. torna-se psicólogo. • “Nosso ensino é bom na medida em que incentiva a criança a pensar e raciocinar ao invés de imitar”. construído a partir da proposição de atividades diversificadas. Piaget inicia na década de 1920 seu projeto de elaboração de uma teoria psicológica que pudesse fornecer elementos teóricos e empíricos para fundamentar uma epistemologia. no período entre 1921 e 1925 a coletar dados que lhe permitisse a elaboração de uma epistemologia ampla e sistêmica. e do incentivo e estímulo ao questionamento. p.37) A partir dessa perspectiva conceitual. raciocínio e pensamento)”. à introdução de novidades.

Piaget passou a se dedicar a esta temática. tem como característica principal o rigor metodológico e como objetivo não só prever as reações perceptivas em condições específicas.(COLL. se organizam e se combinam entre si formando estruturas. do número deles e da maneira como se combinam e se coordenam entre si.]. 2003. o de sua maior ou menor proximidade com o conhecimento científico [. três volumes são dedicados à Introdução à epistemologia genética e enfocam as implicações que os dados decorrentes da análise do desenvolvimento teriam para os problemas relativos aos campos matemático. Considera-se. requer o estudo a partir da sua gênese e no seu percurso histórico. [. O estudo das percepções..] O nível de competência intelectual de uma pessoa em um determinado momento de seu desenvolvimento depende da natureza de seus esquemas.. segundo Piaget. sejam eles de ação ou conceituais. biológico.. segundo COLL (2004) é descrito por Piaget como uma sucessão de estágios e subestágios. por etapas sucessivas em que as estruturas intelectuais se constróem progressivamente. a teoria de Piaget é denominada genética. psicológico e sociológico no 1º. Piaget identificou três grandes estágios do .. 2003) O desenvolvimento cognitivo. referente ao segundo grupo temático abordado por Piaget e iniciado na década de 1940. o segundo referente ao desenvolvimento da percepção e o terceiro de elaboração de modelos formais. os quais se caracterizam pelo modo particular em que os esquemas.. mas também estabelecer analogias entre as estruturas perceptivas e as intelectuais. (AZENHA. [.. 2003) Em 1955. 1985. elaborando um programa de pesquisas seguindo uma sistemática interdisciplinar e reunindo uma ampla variedade de cientistas para pesquisarem questões epistemológicas. como sendo: [.] (COLL. 2º e 3º volumes respectivamente. A partir da década de 70. de acordo com Azenha. dedicou-se exclusivamente às pesquisas no Centro e em especial à investigação dos “mecanismos de transição que explicam a evolução do desenvolvimento cognitivo de um estado de equilíbrio a outro que o segue”. em função da sua concepção sobre o conhecimento como sendo um processo e.• A Representação do Mundo na Criança – 1926 • La Causalité Physique Chez L’enfant – 1927 • O Julgamento Moral na Criança – 1932 Segundo César Coll.83) Neste sentido. físico.. p. que a obra de Piaget possa ser dividida em três subgrupos. Os resultados destes estudos encontram-se publicados em cerca de 40 artigos e no livro Les mecanismes perceptifs de 1961. sendo critério para julgar se um estado de conhecimento é mais ou menos avançado.]a disciplina que estuda os mecanismos e os processos mediante os quais se passa ‘dos estados de menor conhecimento aos estados de conhecimento mais avançados’..35) O processo de desenvolvimento cognitivo faz-se. portanto. como tal.denominada Epistemologia Genética. (AZENHA. com a fundação do Centro Internacional de Epistemologia Genética.p. sendo o primeiro grupo referente à pesquisa da gênese das noções. Publicados em 1950. Piaget concebia a sua teoria .2004. O terceiro grupo temático reúne resultados empíricos e sistematizações teóricas sobre a epistemologia genética.

no movimento e nas percepções. assimilando o mundo exterior aos seus . vai no sentido de uma melhor adaptação do sujeito ao meio. sendo cada estádio diferente do outro do ponto de vista qualitativo. acomodação e equilibração. Ocorre uma diferenciação progressiva entre o seu Eu e o mundo exterior. as estruturas adquiridas são integradas no estágio seguinte. Os estágios do desenvolvimento descritos por Piaget caracterizam-se por apresentarem estruturas com características próprias (esquemas mentais). haja vista que a criança ainda está centrada em si mesma. A criança substitui a ação pela representação. Por volta dos 5 meses. as trocas entre o sujeito e o mundo estabelecidas em todos os estágios. a criança encontra-se num estado de indiferenciação entre ela e o mundo. cada um. dos objetos que a rodeiam. Observa-se uma mudança tanto nos aspectos intelectuais. O desenvolvimento. isto é. já tem a possibilidade de utilizar dois bonecos ou duas peças de lego para representar duas pessoas. isto é. quanto em uma maior interação e comunicação entre os indivíduos. afetivos e sociais. o momento em que se utiliza de símbolos marca o início do pensamento. Observa-se grande dificuldade do trabalho em grupo. por conseguinte. a criança já utiliza a inteligência prática ou sensório-motora. apresentarem uma evolução integrativa. 2º) Estágio pré-operatório (2 a 7 anos) Este estágio é caracterizado pelo rápido desenvolvimento da linguagem e da função simbólica. ou seja. No final do período. algumas características dos estádios anteriores. Desse modo. A principal característica desse período é a ausência da função semiótica. por dispor de formas próprias de adaptação ao meio. A atividade intelectual da criança neste período é de natureza sensorial e motora. O desenvolvimento físico acelerado facilita o aparecimento de novas habilidades. aumentando sua capacidade de adquirir hábitos novos. marcada por reflexos de fundo hereditário que vão sendo melhorados com o treino. Os estágios do desenvolvimento humano descritos por Piaget são: 1º) Estágio sensório-motor (0 a 2 anos) Este estágio é caracterizado por uma inteligência prática. No início desta fase. vão sendo operadas pelos mecanismos constantes de assimilação. ou seja são apenas orientações teóricas. portanto. caracterizandose. a resolução de problemas é baseada na ação.desenvolvimento cognitivo. de sucessão constante. por exemplo. a criança não representa mentalmente os objetos. nem compreendendo as relações entre os objetos independentemente dela. as idades médias de início de cada estádio de desenvolvimento servem apenas de referência. Assim. O pensamento incipiente é visivelmente egocêntrico. a criança consegue coordenar os movimentos das mãos e olhos e pegar objetos. seguirem uma ordem invariante. envolvendo as percepções e os movimentos organizados em esquemas de ação. uma vez que. as estruturas vão sendo hierarquicamente superiores às precedentes e. É neste período que as aquisições são mais rápidas e mais numerosas. As características acima descritas corroboram a idéia de que os estádios não são completamente estanques e que assim se poderá encontrar em uns. Em uma brincadeira. não se distinguindo. ou seja.

a literatura acerca dos processos de ensino e aprendizagem configura-se. O começo da aquisição da linguagem é característico deste período. além das explicações sobre a aprendizagem apresentadas pelas teorias Behaviorista e cognitivistas de Jean Piaget e Vygotsky. permitindo o desenvolvimento de novas habilidades. Psicologia da Educação: Estudos da Prática Pedagógica em Face da Aprendizagem Humana VISÃO PSICOLÓGICA DA APRENDIZAGEM HUMANA EM DIFERENTES CONCEPÇÕES TEÓRICAS PSICANÁLISE: CONSTITUIÇÃO DO APARELHO PSÍQUICO E CONSTRUÇÃO DO SABER. principalmente em função da construção do raciocínio operacional dar-se inicialmente a partir de objetos concretos e. quanto do ponto de vista que ocorrem como resultado da experiência” e. A criança expressa grande curiosidade por tudo que a rodeia. passando a procurar a razão causal e finalista de tudo. 3º) Estágio Operatório (Concreto e Formal) Piaget subdivide este estágio em operatório concreto e operatório formal. em torno da concepção básica de que: os processos de aprendizagem desempenham um papel central no desenvolvimento do ser humano. há inúmeras definições e concepções acerca da aprendizagem no campo da Psicologia. apenas por volta dos 15 anos. sentimento e pensamentos. Múltiplas e variadas são as teorias psicológicas que se encarregaram de explicar os fenômenos e o processo de aprendizagem. Contudo. as questões que estão atreladas ao professor. a exemplo da Psicanálise e da Teoria cognitivista da Gestalt. Outra característica do pensamento nesta faixa etária é o animismo que está relacionado ao fato de que a criança presume que os objetos (como as bonecas) têm vida. como a coordenação motora fina. o que inclui além dos aspectos relativos aos alunos. bem como todas as questões que têm participação neste processo. o chamado raciocínio hipotético-dedutivo. ao longo de suas investigações e estudos foram formulando leis e princípios explicativos e reguladores dos processos de aprendizagem. outros aportes teóricos da Psicologia oferecem outras formas conceber os processos de construção do conhecimento de cada indivíduo. então ao da representação. Porém. O pensamento simbólico se configura como uma rica aquisição que vai possibilitar a ampliação das ações do sujeito sobre o mundo. a criança ainda não consegue colocar-se no lugar do outro. . em verdade em um campo muito amplo. As teorias que se dedicam a estudar os processos de aprendizagem buscam entendem as mudanças daí decorrentes. O esquema de ação sede lugar. todas elas convergem para um ponto em comum. seus posicionamentos e sua subjetividade. No do ponto de vista do aluno. abrindo um novo mundo para a criança em que os símbolos (as palavras) podem ser usados para substituir os objetos e as situações.desejos. Assim. Completa-se a maturação neurofisiológica. Neste sentido. formulando uma série de perguntas acerca dos “por quês” das coisas. o sujeito tem a possibilidade de construção de raciocínio por meio de hipóteses. ao seu próprio mundo interior.

O ambiente europeu da década de 1880. debatia a questão da mente humana. (Schultz & Schultz. fantasias. das ações. delírios) do sujeito. Embora não esteja embasada nos pressupostos empiristas. a Psicanálise foi influenciada pelas idéias dos pensadores Herbart e Leibintz (séc. a psiquiatria se dividia em duas principais escolas de pensamento: Neste contexto. Freud foi fortemente influenciado por médicos com os quais trabalhou. Entretanto. Freud não foi o primeiro a discutir a idéia de mente inconsciente. mas que a medicina da época não encontrava a gênese orgânica dos sintomas. mas também se interessava por desvendar o que escapava à explicação das idéias que permeavam o pensamento e a racionalidade do homem. Ao elaborar os conceitos desta teoria. interessando-se enquanto neurologista por embates que se passavam em torno da psicopatologia do século XIX. quanto em trabalhos em instituições de saúde. Nesta época. e de acordo com ele próprio. considerados por muitos como um “capricho” das pacientes que os apresentavam. neste sentido. tendo por ponto de partida a concepção de inconsciente. tendo desse modo a noção de inconsciente como um assunto da moda. gradualmente ele tornou possível tratar adoecimentos psíquicos e histerias.XVIII). é marcada por conceber o psiquismo humano a partir do inconsciente. Freud é responsável por sistematizar o conceito como ele é compreendido hoje por psicanalistas e por sistematizar efetivamente uma técnica de estudo e tratamento do psiquismo. E. A Psicanálise influenciada por estudos do campo da Medicina Além de ser médico neurologista de formação. embora não tenha sido o primeiro a fazer alusão ao termo inconsciente. 1992). Assim.História Teoria criada por Sigmund Freud (1856-1939). do ponto de vista da consciência. a Psicanálise se confunde com a Filosofia. a hipnose teve um papel importante no tratamento de adoecimentos sem uma explicação médica satisfatória e alcançou aceitação profissional com o trabalho do médico francês Jean Martin Charcot . Teorias e estudiosos que influenciaram a Psicanálise Filosoficamente. esta nova disciplina tinha em seus primórdios a proposta de investigar e explicitar o significado inconsciente das palavras. das produções imaginárias (sonhos. época em que Freud iniciava sua prática clínica. Freud acabou por sistematizar também uma técnica de análise e tratamento do psiquismo. os quais acreditavam que os eventos mentais tinham diferentes graus de consciência. o que ele descobriu foi um modo de estudar o inconsciente. Neste sentido. A construção dos fundamentos e conceitos da Psicanálise foi realizada por Freud em seu trabalho na clínica médica com pacientes que apresentavam algum adoecimento. pois seus postulados têm sido comprovados através da práxis tanto na clínica.

a significação dos sonhos e o simbolismo dos sintomas. atos falhos. Freud faleceu em 1939. as teorias de Darwin também influenciaram o pensamento freudiano sobre o desenvolvimento infantil (SCHULTZ & SCHULTZ. A sistematização da Psicanálise a partir da prática clínica Influenciado por Dr. e outros estudiosos deram continuidade ao campo psicanalítico. Anna Freud. 1992). Outra influência importante no trabalho de Freud deve ser atribuída à Charles Darwin (1809-1882). Charcot enfatizava os sintomas físicos dos quadros anormais chamados então de histeria e até 1889. Freud entendeu ser este método distinto do método catártico. a partir do qual desenvolveu o método da associação livre-técnica em que o paciente era convidado a falar livremente durante o tratamento sem selecionar os conteúdos que lhe viessem à mente. A partir deste período. haja vista muitos pacientes voltarem a se queixar com novos sintomas. o inconsciente se apresenta através de fenômenos como sonhos. a hipnose como método de tratamento. ainda que possam se expressar. Segundo Freud o material trazido pelo paciente durante a livre associação não estava sujeito à escolha consciente do paciente. Porém. Donald Winnicott.(1825-1893). sendo assim este conteúdo refletiria a natureza dos seus conflitos (SCHULTZ & SCHULTZ. (Schultz & Schultz. Freud passou a chamar de Psicanálise.conceito fundamental da Psicanálise Ao elaborar esta concepção. Desde então. Foi através da sua prática clínica. Sigmund Freud (1856. propôs entender a histeria como um distúrbio mental e não físico. entre outros. sintomas. 1992). mas gradualmente observou que os resultados eram insatisfatórios. Segundo Schultz. tendo no médico Josef Breuer (1842-1925) um parceiro com quem discutia os casos clínicos. Melanie Klein. não podem ser controlados pela vontade do indivíduo. Josef Breuer. importantes autores como Jacques Lacan. Graduado médico.)pesquisou Biologia e fisiologia. Freud apresenta o inconsciente como sendo constituído por conteúdos psíquicos que não têm fácil acesso à consciência e que. Este método de tratamento. 1992). que Freud conseguiu formular a concepção psicanalítica sobre o inconsciente e . que havia levantado questões Freud mais tarde transformou em temas centrais da psicanálise. tendo produzido resultados surpreendentes. pois verificou que a hipnose aliviava os sintomas. como os processos inconscientes. Freud passou a praticar neurologia clínica. passando a enfatizar os sintomas psíquicos. Adotou então. Diante destas constatações. os médicos continuavam a atribuir à histeria causas somáticas. tendo inclusive realizado estudos sobre os benefícios da cocaína – interrompidos com a descoberta de de malefícios decorrentes do uso continuado de cocaína. sem de fato curar. 1992). Considerando que esta nova técnica trazia significativa mudança à proposta do tratamento e. então discípulo de Charcot. deram prosseguimento ao desenvolvimento e difusão da Psicanálise. e sim inconsciente. Inconsciente . por algum tempo Freud atendeu seus pacientes usando os métodos da hipnose e da catarse. Pierre Janet (1859-1947). Tendo formação médica. (SCHULTZ & SCHULTZ. ele se fixou no método catártico.

partindo do racionalismo. pois apesar de nossa inteligência e por mais que tenhamos conhecimento. sempre em falta. mas também pelo inconsciente (que não controlamos)” (FREUD. este conceito representou uma ferida narcísica para o conhecimento científico. 2005) Esta busca incessante do homem por saber relaciona-se à própria constituição do aparelho psíquico e neste sentido. passa a concepção de que não sabemos sobre nosso próprio comportamento e nosso próprio eu. Para propõe esta como sendo uma forma de conhecer e tratar o adoecimento psíquico. Assim. inclusive o adoecimento e a aprendizagem. Ou seja. somos sempre sujeitos em busca do saber. a saber: 1ª ferida narcísica: Comprovação por Copérnico de que a terra não é o centro do universo. somente considerando o inconsciente seria possível compreender as questões individuais que impactam o comportamento. assim como a história da construção do conhecimento humano já teria vivenciado duas outras “feridas narcísicas”. ausentes da consciência. um sentimento de ser sempre incompleto.o homem não mais visto como uma criação divina. a uma posição de não saber tudo.sobre a constituição do aparelho psíquico. tentando sair desta condição de imperfeição e incompletude. o que é oposto da certeza de tudo saber e de tudo poder. O desenvolvimento da Teoria Psicanalítica acerca do Aparelho Psíquico A teorização de Freud sobre a constituição do aparelho psíquico pode ser dividida em dois momentos chamados: Primeira e segunda tópica (O termo é oriundo da palavra grego “topos”. Esta condição impulsiona o homem a buscar conhecimento. passando a vivenciar simbolicamente um incompletude. (MACIEL. a qual significa “lugar”). E todo o trabalho da técnica psicanalítica está atrelada ao inconsciente. à resolução do complexo de Édipo. na Europa de 1880 os estudos psicológicos estavam mais atrelados aos conteúdos conscientes da mente humana. 2ª ferida narcísica: A teoria da evolução das espécies de Charles Darwin . as relações sociais e os processos psíquicos do indivíduo. A sistematização psicanalítica de uma concepção sobre o inconsciente representou um rompimento paradigmático para a ciência. 1901) Esta idéia de que o homem não é determinado unicamente pela razão. ainda que alguns estudiosos se interessassem por entender o que escapava à consciência . Segundo Freud. que esgote o conhecimento sobre qualquer tema ou situação. . mas também pelo inconsciente. o sujeito acede a uma dimensão simbólica e ao mesmo tempo. 3ª ferida narcísica: A sistematização da concepção psicanalítica do inconsciente: “O homem não é determinado/controlado unicamente pela razão. Ele considerava que a técnica psicanalítica permitia conhecer conteúdos inconscientes até então.processos e conteúdos mentais que não se mostravam disponíveis à consciência do indivíduo. haja vista que com o recalcamento que ocorre após a internalização da lei de castração. não há um saber completo.

Para Ehrenfels. do professor e dos pais nos processos de ensino e de aprendizagem. Ehrenfels . podemos ressaltar algumas das maiores contribuições da Psicanálise ao campo educacional: • Entendimento de que todas as questões relativas ao ser humano estão associadas ao inconsciente. para os processos de aprendizagem. "Gestalt" não seria apenas um conceito estético de beleza.. bem como o fracasso não é apenas uma negação do sucesso. Algumas contribuições da Psicanálise ao campo da Educação A Psicanálise não dispõe de um modelo educativo configurado. esta escola forneceu os principais elementos para sistematização do que hoje é chamado de Psicologia Gestaltista. embora a “escola da qualidade gestáltica” do final do século XIX. conforme nos diz Engelmann (2002): [. Sua concepção de aprendizagem está fundamentada na influência das questões individuais e da subjetividade. No início do século XX. TEORIA DA GESTALT E A COMPREENSÃO SOBRE PROCESSOS DE APRENDIZAGEM Evolução histórica da Teoria da Gestalt A Teoria cognitivista da Gestalt como a conhecemos hoje foi desenvolvida na Europa e se configurou em uma das tendências teóricas mais ligadas à Filosofia no século XX. ou em português Das qualidades gestálticas.. A segunda tópica é Estrutural e o aparelho psíquico é apresentado como sendo composto pelas instâncias: Id. em função das proposições teóricas interligando concepções gestaltistas e psicologia publicadas em 1890 por Christian von Ehrenfels. enquanto representação social da lei de interdição para que a criança se posicione adequadamente nas situações coletivas. Além disso. como o era na época. tanto quanto aos conteúdos transmitidos. mas uma expressão também inconsciente da subjetividade do aluno.] Christian von Ehrenfels publicou um artigo famoso. A partir do que pudemos ver sobre a Psicanálise neste texto. que criticavam fortemente a escola de Wundt (1832-1920). e não um método pedagógico. • Possibilidade de reconhecer o erro não mais como simples oposição ao acerto. • Entendimento quanto à importância da subjetividade do aluno.A primeira tópica é chamada de Topográfica e o aparelho psíquico é descrito como sendo dividido em Inconsciente. A Psicologia da Gestalt da Escola de Berlim constituída por Max Wertheimer (1880-1943). Todavia. tanto do aluno quanto do professor. mas também um conceito psicológico. Ego e Superego. Über Gestaltqualitäten. seja considerada a precursora do movimento da Psicologia da Gestalt. a Psicanálise dá ênfase na relação afetiva entre professor/aluno. Kurt Kofka (1886-1940) e Wolfgang Köhler(1887-1967). Pré-consciente e Consciência. assim como fizeram Piaget e Vygostky. E ressalta a importância do limite e das regras. no entanto oferece ao educador um modo de ver e entender a prática educativa. em vez de utilizar o termo antigo e substantivo "Gestalt". fundador da psicologia moderna e responsável pelo primeiro laboratório de psicologia experimental.

p. As palavras forma ou configuração seriam as mais próximas para realizar uma tradução. Os gestaltistas salientavam a necessidade de o homem ser compreendido em sua totalidade. Assim. alguns grupos de psicólogos têm empreendidos estudos a partir das concepções gestaltistas. às quais ainda se pode acrescentar estrutura e configuração. feição. tornando-se as mais fortes referências no estudo desta abordagem (LEEUWEN apud ENGELMANN. p.]. em especial o conceito de percepção. porte. devemos então nos empenhar por entender esta concepção. que posteriormente vai se chamar de Berlim. É o segundo significado que os gestaltistas do grupo. 2002).. apresenta dois significados algo diferentes: (1) a forma. (ENGELMANN. e se dedicaram a investigar os processos de percepção. 2002). A concepção psicológica da Teoria da Gestalt Em seu surgimento. (2) uma entidade( ) concreta que possui entre seus vários atributos a forma. É por isso que a tradução da palavra "Gestalt" não se acha nas outras línguas e a melhor maneira encontrada pelos próprios gestaltistas ao escrever em idiomas diferentes é simplesmente mantê-la. O Dicionário Michaelis apresenta como possibilidades as palavras figura. pesquisador brasileiro.vai exprimir-se através do substantivo qualificador "Gestaltqualität" ou "qualidade gestáltica. forma. o qual agrega conhecimentos importantes para compreensão dos processos de aprendizagem..] (ENGELMANN.[. faz uma discussão para tornar clara esta concepção: [.12). haja vista que o termo deriva do alemão e não tem palavra correlata em português que o traduza de forma precisa. Engelmann (2002). estatura. que é denominada por alguns autores contemporâneos de abordagem “neo-gestáltica” (SPILLMANN apud ENGELMANN. aparência. Annita Cabral. . O termo Gestalt Entender o conceito de Gestalt (plural Gestalten) não é uma tarefa simples. KÖHLER APUD ENGELMANN. a abordagem gestaltista tinha por pressuposto uma explícita discordância em relação às concepções da Psicologia que concebiam a construção de uma ciência psicológica baseada em estudos que fragmentavam o comportamento humano de modo a adequá-lo a estudos experimentais. estes termos não são empregados por cientistas deste campo por não corresponder exatamente ao seu real significado em Psicologia. A partir de 1985.. No Brasil. sendo relidos textos dos seus três principais teóricos.. vulto.03) Diante desta dificuldade proveniente de uma restrição linguística. dentre ele Engelmann cita: Nilton Campos – professor de psicologia no Rio de Janeiro. Walter Hugo de Andrade Cunha. para então podermos entender os conceitos trabalhados pela Teoria da Gestalt. levando em consideração as condições que alteram a percepção do estímulo pelo sujeito.] O que se entende pela palavra "Gestalt?" O substantivo alemão "Gestalt". 2002). nesta teoria é considerado que comportamento deve ser estudado nos seus aspectos mais globais."[. (ENGELMANN. 2002. utilizam. desde a época de Goethe. a psicologia da Gestalt ressurge. conformação. Entretanto. 2002. aluna de Koffka e de Wertheimer nos Estados Unidos...

passando da atividade do experimentador para uma nova atitude que deve ser focada no ato de perceber. Porém cada parte será sempre parte daquela Gestalt que lhe deu inicio e não um elemento constituinte básico. que a Psicologia da Gestalt propõe uma forma particular de sistematizar o estudo e a construção do conhecimento da Psicologia científica e este novo método se distinguia do método experimental da Psicologia Behaviorista. . 13). Ele afirma que em 1924 Kofka propôs uma mudança na atitude dos pesquisadores. bem como os fenômenos sociais. Deve ser citada ainda como escolas gestaltista a “escola da totalidade” (Ganzheitspsychologie) ou Segunda escola de Leipzig.[.01) Wertheimer.] (ENGELMANN.Engelmann (2002) afirma que Wertheimer.também chamada de “escola de Graz” é reconhecida por alguns autores como sendo a precursora de todas as escolas de tradição gestaltista. aponta que podem ser identificadas mais de uma Escola gestaltista. A seguir. p. mas em sua época eram constituíam a chamada “escola de Berlim”. É suposto então. 2002. Porém. p. SANDER apud ENGELMANN. pois “as Gestalten podem ser decompostas em partes. pode-se dividir essas Gestalten em partes. Não há neste sentido. até então sem uma explicação quanto aos mecanismos cognitivos utilizados pelo homem para captar estes fenômenos.” (ENGELMANN.. os primeiros gestaltistas discutiam a necessidade de rever os métodos de investigação da Psicologia. desde que os estudos não fossem sustentados por uma fragmentação dos fenômenos humanos como forma de viabilizar a experimentação. iniciada por Felix Krueger. a “escola da qualidade gestáltica” (Gestaltqualität) . Segundo este autor. 05) Apesar disso. Distintas “Escolas Gestálticas” A literatura sobre a história do movimento gestaltista. Assim. 2002. Este seria o “método fenomenológico”. (ENGELMANN. segundo Engelmann o ser humano: . Koffka e Köhler considerada hoje como gestaltista. Importante ressaltar algumas considerações apresentadas por Engelmann em seu texto. sucessor de Wundt (HERRMANN. alguns autores consideram que os teóricos gestaltistas também valorizavam o conhecimento empírico. * Nota autor do presente texto: A palavra entidade é utilizada aqui no sentido de coisa concreta. A Wertheimer. Kofka e Köhler realizaram experimentos para entender determinados fenômenos perceptuais. p. Mas as partes são sempre partes da Gestalt formadora. 2002.01) Gestalten devem ser entendidas de forma distinta do que constumamos entender como sendo sensações.. Köhler e Koffka se ocuparam em seus estudos de tentar compreender quais os processos psicológicos envolvidos na percepção.] (ao) observar coisas do mundo. aos seres da natureza. 2002. o que inclui desde os objetos inanimados... p. observa-se suas formas ou melhor suas Gestalten.

Assim. porém o que constitui o carro não é a junção (soma) destas partes. que significa a reorganização perceptiva da totalidade (todo) de uma situação problema. da percepção de algo como um todo. não veremos como resultado um carro. vidros. Assim. O processo de aprendizagem na Teoria da Gestalt Na teoria Gestaltista a aprendizagem é concebida como resultante do processo de INSIGHT. Além disso. parafusos. não haverá o objeto carro. Para teóricos deste campo. Um carro é tudo isso. Wertheimer realizou experimentos em sua tentativa de provar a existência de diferentes formas de organização perceptiva: os objetos (do conhecimento) são percebidos de forma organizada. podemos dizer que temos uma imagem símbolo que representa como deve ser um carro. embora sejam partes de um carro. havendo em um mesmo estímulos distintos significados para cada pessoa. Enquanto que se temos estas mesmas peças amontoadas em um depósito. esta abordagem teórica investigou as variáveis ambientais. cognitivas e subjetivas envolvidas no processo de percepção de um indivíduo sobre o mundo. O ensino com base na Gestalt implica criar sempre novas situações e possibilidades que permitam uma aprendizagem repleta de sentido por meio da vivência e da experiência de cada educando. por exemplo um carro é mais do que quatro rodas. podemos organizar as partes de um carro de um modo distinto e como resultado. a inter-relação entre os elementos que compõem um carro garante que possamos ver um carro. a boa forma e a constância perceptiva. A partir desta reorganização se alcança uma compreensão da situação problema. nos quais o termo entidade é correlato de ser espiritual. motor. assentos. figura-fundo. cujas propriedades não resultam da soma das propriedades dos seus elementos. A teoria da Gestalt parte. podemos entender que em um processo de ensino aprendizagem todos os elementos da realidade (o todo) do aluno podem interferir no seu desenvolvimento. Os gestaltistas defenderam de forma veemente a idéia de que o conhecimento sobre as coisas do mundo é obtido através da totalidade de um objeto. Dito de outro modo. . Tomando por base os pressupostos da Teoria da gestalt. etc. a saber: o agrupamento. um objeto é mais do que a soma das partes que o compõe. os estudos gestaltistas influenciaram a compreensão contemporânea sobre a forma como o indivíduo percebe e se apropria de conhecimentos sobre toda realidade em que está inserido. assim. embora cada elemento do objeto se constitua por si só em uma totalidade ou forma organizada. mas da relação entre estes elementos. existem quatro princípios fundamentais que explicam como nossa cognição realiza a tarefa de percepção de objetos e formas. Conforme dito neste texto.nenhuma relação com o uso do termo feito por algumas doutrinas espiritualistas. mas a relação estabelecida entre estas partes. Assim. mas que isto aconteça são importantes a experiência anterior do indivíduo e o estímulo proposto. Neste sentido.

demanda que possamos realizar uma reflexão sobre a articulação teórica-prática. APLICABILIDADE DO CONHECIMENTO PSICOLÓGICO À PRÁXIS EDUCATIVA PEDAGÓGICA OS ÂMBITOS EDUCATIVOS E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS COMO CONTEXTO DE DESENVOLVIMENTO. as experiências educativas podem ser . à história. esperando contribuir para que você reflita sobre o trabalho e papel do educador. principalmente em torno de uma possível articulação entre teoria e prática nesse processo de formação profissional em que tal discussão se situa. A Natureza Social e a Função Socializadora da Educação A Integração dos conhecimentos discutidos neste texto dirigido à disciplina Psicologia da Educação. as práticas pedagógicas. acerca da possível prática educativa que se funde nos conhecimentos psicológicos relativos ao desenvolvimento e à aprendizagem humanos. sem dúvida. • Entendimento de que o processo de percepção não se restringe aos órgãos dos sentidos. sobre uma prática pedagógica que venha a se fundamentar nos conhecimentos psicológicos relativos ao desenvolvimento e à aprendizagem humanos. Durante o curso desta disciplina que se intitula Psicologia da Educação. muitos conceitos foram apresentados e muitas reflexões se quis propiciar. de modo a situar a importância dos conceitos aqui trabalhados para o cotidiano da sala de aula e consequentemente. É inegável reconhecer que nas sociedades modernas desenvolvidas. permite verificar a importância de que os professores se mantenham atentos aos processos de percepção do aluno de modo a otimizar ensino e aprendizagem. estando atrelados ao aparelho cognitivo. à subjetividade e ao meio ambiente natural e social de cada indivíduo. A escola tem sido estruturada. Neste sentido. global e integral do ser humano. para a formação profissional do educador. de forma a não se contrapor aos ideais do sistema em que vivemos e aos objetivos da sociedade que integramos. para não falar das questões éticas que o mesmo mobiliza. o que poderá ser um diferencial norteador da sua prática profissional futura. Neste ponto. não de forma fragmentada. • Entendimento de o comportamento do indivíduo deve ser estudado em sua globalidade e.Algumas contribuições da Teoria da Gestalt ao campo da Educação • Compreensão quanto a importância da percepção nos processos de ensino e aprendizagem. desejamos que você busque apropriar-se de forma crítica dos conteúdos tratados no presente texto. em particular. nos confrontamos com a questão de que nem sempre os valores implícitos nas práticas efetivadas coincidem com uma ação voltada para o desenvolvimento pleno. • A partir de seus conceitos. e junto com ela. Pensamos que é oportuno e necessário que pensemos sobre as práticas educativas e. mormente quando destaca o papel das relações interpessoais no âmbito das práticas educativas e a sua importante função socializadora para o indivíduo. Cabe-nos refletir.

de acordo com a construção pessoal do aprendiz em relação ao seu processo de aprendizagem.compartilhadas em diversos contextos – inclusive. A este respeito o núcleo teórico da Psicologia da Educação. Ressaltamos que o planejamento é uma atividade imprescindível para garantir a concretização dos princípios teóricos e as práticas propriamente falando. a educação é vista como um fenômeno complexo e entrelaçado ao desenvolvimento de cada indivíduos e das suas sociedade. principalmente se tratando de práticas educativas escolares. bem como esta disciplina encontra-se em processo de construção de um conhecimento científico em relação aos âmbitos educativos. o que requer uma reflexão muito mais profunda quanto ao cuidado com a atuação profissional em educação. Em cada prática educativa é imperativo conhecer e reconhecer as formas de manifestação e a natureza das relações que ela comporta. variando por isso o seu grau de elaboração acerca de cada um deles. ou seja. repensá-las e permitindo que sejam pensadas reformulações pelos agentes sociais que estão encarregados de viabilizar cada um destes âmbitos. Podemos considerar que as práticas educativas constituem-se como contextos de desenvolvimento em maior ou menor grau. A formação de adultos Ressaltamos. na recente esfera virtual. Podemos inicialmente falar que quatro grandes âmbitos educativos nas sociedades desenvolvidas. é interessante que possamos refletir sobre como se processa a realidade educacional e para isso. A educação familiar. Em uma perspectiva que prioriza contemplar os aspectos individuais e sociais do processo de ensino e aprendizagem. universo e até mesmo quanto ao nível de impacto que produzem na vida das pessoas. o que abre caminho ao planejamento das intervenções. Sendo assim. A educação profissional. os quais divergem em natureza. é fruto de uma apropriação pessoal quanto a algo que existe objetivamente e que possibilita a reestruturação do conhecimento que o sujeito tem a seu dispor. 2. o que nos remete obrigatoriamente a uma noção quanto a globalidade e diversidade inerentes às práticas educativas. Neste contexto. a saber: 1. vamos conhecer os âmbitos educativos. ao longo do processo histórico. A escolarização formal de crianças e jovens. 4. As práticas educativas ampliam por esta via os horizontes do desenvolvimento psicossocial. tem exercido o vital papel de questioná-las. 3. No seio de cada um destes âmbitos da educação desenvolvem–se as chamadas práticas educativas e estas são analisadas quanto a possibilidade de se constituírem como contextos de desenvolvimento pessoal. em função da . porém que os âmbitos educativos têm níveis variados de importância dentro da perspectiva da Psicologia da Educação. o professor é entendido enquanto um importante agente da construção de uma sociedade civil organizada. à medida em que participa diretamente da formação cidadã e da composição dos valores ético e solidários de cada aluno sob sua responsabilidade.

em prol das particularidades individuais do educando. . eficaz e eficiente. condição necessária a que estas se façam de modo ético. seu interesse. a relação e principalmente. os meios que emprega para apropriar-se dos conhecimentos e superar os obstáculos a essa apropriação. o vínculo afetivo que se estabelece entre a criança e mediador do ensino. uma prática educativa para se constituir em um contexto de desenvolvimento deve ter em vista o desenvolvimento integral do ser. estamos nos referido a ampliação de capacidades e competências através da mediação de um parceiro de aprendizagem. bem como da consciência cidadã. que adquirem ou reafirmam um auto-conceito positivo. com a ajuda e orientação de um indivíduo com competências adequadas a estes objetivos.reestruturação das relações interpessoais. mas. • Possibilita e permite à criança aprendiz envolver-se nas atividades de forma independente. COGNITIVOS E SOCIAIS PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM. ao oportunizar uma melhoria significativa quanto à qualidade. diante das considerações acima. nas esferas do saber científico. Tal entendimento fundamenta e justifica a preocupação da Psicologia da Educação em pensar e promover o repensar das práticas pedagógicas instituídas. • É sempre viável ao educador avaliar e reformular sua prática. INFLUÊNCIA DE ASPECTOS EMOCIONAIS. Então. sua auto-estima. sua motivação. ratificando conceitos positivos da criança/jovem sobre si • Oferece à criança/jovem a possibilidade de conhecer conceitos e atividades progressivamente mais complexos e de incorporá-los. neste caso o professor. natureza e o impacto de satisfação para si (o indivíduo) e para o outro (os grupos e instituições sociais de que faz parte). natureza e impacto de satisfação para o indivíduo e para os grupos e instituições sociais. cabe considerar sua disposição. é potencialmente eficaz quanto a favorecer o desenvolvimento da criança/aprendiz. Assim. cumprindo assim a função de socialização a que a educação se presta. inclusive. a ampliação e a transformação de seus aspectos psicossociais. em respeito às diferenças individuais dos educandos. Estes objetivos podem ser concretizados quando a prática educativa: • Possibilita a reestruturação e ampliação das relações interpessoais que ela vivencia. • É necessário que o educador avalie sua ação. Neste caso. Disso decorre a recusa à idéia de que todo contexto ou prática educativa. dos valores éticos e solidários. Neste sentido. apesar de estar contando com a ajuda de outros. • O compromisso do professor deve priorizar ao desenvolvimento do ser humano. mais do que a ampliação de conhecimentos ou de competências cognitivas. Estas três condições complementares são fundamentais em uma prática ou contexto educativo que pretende se configurar como promotor de desenvolvimento. é possível entender: • É legítimo considerar que há responsabilidade por parte do educador pela qualidade do fazer educativo (a prática do educador). tendo em vista o pressuposto de que o principal agente da aprendizagem é o próprio aprendiz. o que repercute em uma melhoria significativa quanto à qualidade.

torna-se mais fácil identificar o impacto das questões emocionais. compreensão. mas ele – o professor.Tendo conhecido as algumas das principais teorias psicológicas que realizam estudos para compreender o desenvolvimento e a aprendizagem do ser humano. a ansiedade etc. seja no que diz respeito a aspectos comportamentais e/ou ao processo de socialização. devem ser diagnosticadas por um médico especializado ou profissional de Psicologia. alcoolismo na família etc. psicologia. desenvolvem competências e mudam o seu comportamento. auditiva e mental). cabe a sua função apenas levantar possíveis hipóteses e fazer os devidos encaminhamentos para as áreas profissionais já citadas. . percepção. é importante compreender tanto o modo como às pessoas aprendem como as condições necessárias para otimização da aprendizagem. Conforme pudemos refletir neste texto. a realizar diagnósticos que estabeleçam as causas de eventuais dificuldades apresentadas pelos alunos. Importante então registrar que algumas situações como as que envolvem determinados problemas de saúde e as deficiências (visual. observando os possíveis elementos que interferem no seu processo de aprendizagem que podem ser de ordem físico-cognitiva. fonoaudiologia. Em termos sociais. Significa então dizer que o professor deve estar atento a todas as questões que têm impacto para aprendizagem de seu aluno. Mais uma vez é importante salientar que o professor não deve fazer nenhum tipo de diagnóstico. relações interpessoais. condição sócio-econômica. Assim. cultura e outros. síntese e a avaliação são imprescindíveis para que o sujeito tenha seu processo de aprendizagem adequado às suas necessidades e a sua faixa etária. sendo assim um processo complexo. perceber quais as necessidades do seu grupo e de cada aluno e realizar os encaminhamentos para outras áreas de atuação (saúde. o contexto familiar pode ser promotor de problemas para o processo educativo do aluno como: a violência doméstica. seja no tocante à aprendizagem. não deve se sentir responsável ou apto. o que pressupõe refletir sobre o identificar o papel do professor nesse contexto. Entretanto em um processo de aprendizagem. cognitivas e sociais no processo de aprendizagem. a Psicologia da Educação faz um convite ao educador para que este busque compreender o aluno que está em sua sala de aula. análise. são componentes que interferem direta ou indiretamente no desenvolvimento e desempenho alcançado pelo indivíduo. Por isso. interpretação. contexto familiar. dentre outros). além dos aspectos inerentes ao próprio aprendiz. podem impactar na educação do estudante. Neste sentido. mas com um conhecimento de que por vezes se faz necessário contar com o trabalho de outros profissionais para alcançar êxito no processo de ensino aprendizagem. podendo a intervenção do professor se situar na esfera pedagógica. Alguns problemas emocionais como por exemplo: a depressão. É papel do professor. o papel do mediador e elementos ambientais como sistema de educação. social ou emocional. o processo de aprendizagem pode ser definido como o modo como os seres adquirem novos conhecimentos. todos os elementos da cognição como as funções de memorização. e de modo similar conflitos familiares também podem trazer prejuízo ao processo de aprendizagem.

De acordo com Moura (2007). os sentimentos. algumas metas podem colaborar para nortear a sua prática pedagógica. o problema passou a ser debatido de modo mais aprofundado por cada modelo. desde que seja resguardado o cuidado para as especificidades de cada situação e singularidades de cada um dos seus alunos. nem necessidade. éticas. trabalhando nesta linha de pensamento muitas instituições educacionais enfatizam unicamente a razão. Segundo Moura (2007). Porém. Esta herança teórica ainda influência as práticas educativas no âmbito escolar. Jean Piaget traz que é irrefutável que o afeto desempenha um papel essencial no funcionamento da inteligência. Sem afeto não haveria interesse. estando supostamente restritos a provocar atitudes irracionais nos indivíduos. Desse modo. Porém. perguntas ou problemas nunca seriam colocados. 2004). Para ele o afeto é uma importante energia para o desenvolvimento cognitivo e estudos que integram suas pesquisas. o que contribui para uma concepção fragmentada sobre a criança por parte dos professores. de forma claramente equivocada. em saúde ou qualquer outra área das ciências sociais e humanas. Assim. dissociando deste modo a cognição e a afetividade. cristaliza a ideia de que o pensamento calculista e desprovido de sentimentos seria mais apropriado ao aprendizado de disciplinas escolares. seja em educação. Afetividade e aprendizagem Segundo Houaiss & Villar (apud CARVALHO. . vistos como "coisas do coração". Nesta concepção. priorizando tudo o que se relaciona diretamente ao mérito intelectual (VASCONCELOS. afetividade é o conjunto dos fenômenos psíquicos que são experimentados e vivenciados na forma de emoções e de sentimentos. Ainda dentro deste pressuposto. somente o pensamento teria a prerrogativa de conduzir o sujeito á atitudes racionais e inteligentes. Muitas pesquisas da Psicologia separavam o componente afetivo do componente cognitivo. mantiveram uma distinção radical entre cognição e afetividade. nem motivação. a afetividade é necessária na formação de pessoas felizes. especificam que a afetividade influi na construção do conhecimento de forma essencial. com o passar do tempo e com o desenvolvimento de teorias como a Psicanálise. 1996).Neste sentido. seguras e capazes de conviver com o mundo que as cerca. mesmo no campo da Psicologia. cujo expoente máximo seria o pensamento científico e lógico-matemático. não levariam a uma construção de saber. segundo Vasconcelos (2004) teorias. se faz necessário que o professor busque aprimorar sua forma de tratar estas questões com as famílias. ainda hoje persiste a idéia de que cognição e afetividade são instâncias dissociadas (VASCONCELOS. e conseqüentemente. 2004). Aceitar este paradigma como uma verdade. Importante ter clareza que ao trabalharmos com pessoas. inclusive sendo analisadas a relação entre cognição e afetividade. não há uma fórmula ou manual que responda de forma satisfatória a todas as situações. e as de Freud. de modo a beneficiar o aluno nos encaminhamentos feitos sem gerar situação que possa posteriormente estigmatizá-lo ou tornar sua família resistente às questões sinalizadas pelo professor e pela escola. como o behaviorismo.

Aplicabilidade do conhecimento psicológico à práxis educativa. consideram que afetividade na relação aluno-professor se expressa por exemplo. • Refletir sobre o papel da educação frente aos dilemas e desafios da sociedade contemporânea.Moura (2007) refere para Vygotsky a origem do pensamento se encontra no campo da motivação. Portanto. intimamente ligados e influenciados pela socialização. influências e contribuições. • Reconhecer a aprendizagem como resultado da multidimensão entre o sujeito psicológico e o sujeito cognoscente. Desta forma. convergências. • Conhecer e refletir sobre a importância e o papel da educação a partir de sua constituição histórica. impulsos. Descrição Geral Ementa A Psicologia: ciência do comportamento . uma compreensão completa do pensamento humano só é possível quando se compreende sua base afetivo-volitiva. bem como o discurso de cada um destes atores sociais. necessidades. sociológicos e psicológicos e suas contribuições no campo educativo. afeto e emoção. as formas como que professor e aluno se relacionam perpassa por expressões de afetividade inerentes ao ser humano em todas as suas relações sociais. o que tem impacto sobre os pressupostos básicos para o processo da construção do conhecimento e da aprendizagem. e influenciam a dinâmica do comportamento e do entendimento mútuo. quanto ao seu processo de construção do conhecimento. a afetividade e a inteligência devem ser entendidos como aspectos indissociáveis. TEMA TRANSVERSAL DO PERÍODO O PAPEL DA EDUCAÇÃO PERFIL DO EGRESSO . interesses. e quanto ao direito a ter referências e desejos nem sempre iguais aos do professor. Uma visão psicológica do desenvolvimento e da aprendizagem humana. Enquanto o indivíduo se desenvolve no seu espaço social e cultural vai aprendendo a transferir sua afetividade e interesse para outros objetos e situações. Outra expressão de afeto está em reconhecer o aluno como um indivíduo autônomo. com a preocupação do professor com seus alunos no que diz respeito ao seu bem estar e processo de escolarização. • Instrumentalizar o graduando para o uso adequado dos fundamentos científicos e das novas tecnologias de Informação e Comunicação na promoção e construção do conhecimento. Assim. Alguns autores. a qual inclui inclinações.A multideterminação do comportamento humano. COMPETÊNCIAS DO PERÍODO • Identificar as principais correntes e fundamentos filosóficos. Psicologia e Educação. históricos.

• Analisar as principais teorias psicológicas do desenvolvimento e da aprendizagem. estudando seus vários aspectos e contribuições enquanto ciência do comportamento e do desenvolvimento. • Contribuir para ampliação da conscientização dos docentes quanto à influência de aspectos emocionais. • Refletir sobre a necessidade de desenvolvimento de uma prática interdisciplinar e de articulação entre o docente e outros profissionais: psicólogos. médicos. • Compreender a importância de uma relação saudável entre docente. • Contribuir para uma visão crítica do processo ensino-aprendizagem. Assim. no que tange à educação básica.O objetivo do Curso de Letras é formar profissionais interculturalmente competentes. OBjetivos Objetivo Geral: Abordar os principais conceitos e as diferentes teorias psicológicas acerca do desenvolvimento e da aprendizagem do homem. visando o desenvolvimento de pesquisas e investigações científicas no campo literário e linguístico. este deve ter domínio do uso das línguas portuguesa e inglesa e suas respectivas literaturas em termos de estrutura. cognitivos e sociais para o processo de ensino-aprendizagem. bem como a sua importância e aplicabilidade no contexto educacional. atividades realizadas no ambiente de tutoria . Justificativa A disciplina possibilita aos educandos uma prática pedagógica orientada pela Psicologia e sua interface com a educação. assistentes sociais etc. em especial com a verbal. principalmente. escolar e social. MÉTODOS E TÉCNICAS (PROCEDIMENTOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM) O desenvolvimento da disciplina contará com a utilização de diversas mídias que atuarão de modo integrado no sentido de favorecer as diferentes formas de aprendizagem. a fisiologia e a filosofia. • Fomentar o desenvolvimento de uma educação em valores a partir de uma proposta de trabalho cooperativo. O curso será pautado na concepção colaborativa de aprendizagem. Objetivos Específicos: • Caracterizar o campo de estudo da Psicologia e sua interface com outros saberes como a neurologia. funcionamento. família e escola para o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem. • Conhecer as principais teorias psicológicas e suas contribuições para a compreensão do comportamento humano. Deve também aliar à sua formação pedagógica o uso das tecnologias de informação e comunicação. contando com aulas transmitidas por video-streaming. comprometido com a ética profissional. • Refletir sobre as variáveis que interferem no processo de desenvolvimento e de aprendizagem. em suas modalidades oral e escrita. • Refletir sobre as principais contribuições da Psicologia para a formação do educador. bem como um olhar mais reflexivo acerca do indivíduo no contexto afetivo. • Evidenciar a relação da Psicologia com a educação. variedades linguísticas e manifestações culturais. capazes de analisar e atuar criticamente com as linguagens. de modo a promover a inclusão social e prestar serviços especializados à comunidade. • Proporcionar uma reflexão sobre a prática docente considerando a diversidade de formas de abordagens dos conteúdos didáticos. • Incentivar a ampliação e o exercício da auto-observação para avaliação permanente da própria prática docente.

O modelo semipresencial. clipes de músicas e textos. estudos e atividades individuais no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). aliando acompanhamento individualizado e mediação tecnológica. RECURSOS Slides preparados no PowerPoint.presencial. filme (trechos). CONTEÚDO PROGRAMÁTICO . computador e internet. será o cenário para o desenvolvimento da autonomia de aprendizagem e formação da atitude investigativa constante. material impresso.

.

“Psicologia e Educação" é uma introdução à psicologia educacional.sejam as idéias psicológicas. seja a própria formação do psicólogo . seja a psicologia científica. Vygotsky e Bruner. Tendo como foco a aprendizagem do aluno e comprometendo-se com seu desempenho e construção do saber. Susan.br/scielo.pela e através da história dos homens que os construíram. Abrange as teorias da psicologia e suas aplicações práticas na educação. além de avaliar docentes e discentes quanto a aspectos qualitativos. Apontam a importância de se apreender os conhecimentos psicológicos .INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA BENTHAM. contempla também aspectos relacionados à Avaliação Institucional. Loyola.Neste artigo as autoras argumentam sobre a necessidade de alguns subsídios fundamentais para se entender a psicologia como produção humana e. O livro engloba as perspectivas de aprendizado cognitiva. nos valemos de diferentes instrumentos de avaliação. · Avaliação Virtual Qualitativa (AVQ): realizada no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). e descreve a aplicação prática dessas teorias. · Verificação de Aprendizagem composta por até quatro avaliações disponíveis no AVA. 2006. behaviorista e humanista. de modo a assegurar uma avaliação processual assistida pelo tutor. entre outros. BLOCO TEMÁTICO 1 . · Avaliação Presencial realizada no Polo Presencial e corrigida no Centro de Geração. REFLEXÕES SOBRE O ESTUDO DA HISTÓRIA DA PSICOLOGIA Sinopse .scielo. Psicologia e Educação.A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NO ESTUDO DO COMPORTAMENTO HUMANO TEMA 1 . Link de Acesso: http://www. Sinopse . entender suas problemáticas atuais bem como as possibilidades de sua transformação. consequentemente.php?pid=S1413-294X1998000200003&script=sci_arttext&tlng=e .CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Avaliação de cunho formativo que permite à equipe pedagógica acompanhar e favorecer a aprendizagem discente. em Salvador-Ba. a saber: · Atividade Teórico-prática organizada em até 02 (duas) etapas que serão realizadas gradativamente durante os momentos de tutoria. 1ª Edição. incluindo os trabalhos de Piaget.

A PSICOLOGIA NA EDUCAÇÃO: DOS PARADIGMAS CIENTÍFICOS ÀS FINALIDADES EDUCACIONAIS Sinopse .br/psicoeduc/blog/categoria/gestalt/feed/ . Pode ser interessante para obter uma visão geral do conteúdo disponível.ufrgs. originária de Thomas Kuhn.br/scielo.br/psicoeduc/sitemap oferece a relação alfabética de títulos das páginas. Discute estas teorias sob a concepção de paradigma.html BLOG DA PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Sinopse . Link de Acesso: http://www6. Link de Acesso: http://www.A compreensão da história do s psicologia irá ajudá-lo a ganhar uma melhor percepção sobre a forma como os diferentes tópicos em psicologia são estudadas.php?script=sci_arttext&pid=S0102-25551998000200004 BREVE HISTÓRIA DA PSICOLOGIA Sinopse . que também estão classificadas por assunto.com/Portuguese/psychology/Brief-History-Of-Psychology.O mapa do blog http://www.Este artigo analisa algumas teorias psicológicas e suas contribuições para a educação. Link de Acesso: http://www. e propõe que o único critério para aceitá-las ou recusá-las no campo educacional é o estabelecimento de finalidades educacionais.scielo.ufrgs.scumdoctor.

bvs-psi. assim como é impossível ver a linguagem fora dos processos interativos humanos. Vygotsky . O texto instiga o leitor a refletir com a autora e sobre a ação reguladora da linguagem.Este livro traz um diálogo entre os três principais teóricos da psicologia que buscam compreender o funcionamento psicológico à luz de sua gênese e evolução. que é o acesso aberto ao conhecimento. O objetivo é disponibilizar livros fora do mercado editorial. realizar sua própria síntese das várias abordagens em psicologia genética.VISÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO E A APRENDIZAGEM HUMANA EM DIVERSAS TEORIAS PSICOLÓGICAS LA TAILLE.E-BOOKS Sinopse . Linguagem e Cognição: As Reflexoes de L.org.A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NO ESTUDO DO COMPORTAMENTO HUMANO TEMA 2 . Piaget . a partir da possibilidade de consulta de qualquer parte do mundo. surgiu e temos o propósito de democratizar o acesso a este conhecimento.htm BLOCO TEMÁTICO 1 . Permitem assim. Sinopse . em benefício tanto do aprofundamento teórico quanto do aperfeiçoamento da prática pedagógica. um livro que vem para ajudar os profissionais que trabalham com educação e linguagem em geral. .O E-book. 1ª Edição. ao leitor. Yves de. S. 1ª Edição. ou caíram em Domínio Público.Enfim. Summus. Vygotsk. Os textos tratam das relações entre fatores biológicos e sociais no desenvolvimento psicológico e entre aspectos cognitivos e afetivos da psicologia humana. Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussão. 1992. Para Vygotsky é impossível ver conteúdos cognitivos fora da linguagem. MORATO. Sinopse .br/ebooks/DiretorioEbooks. cujos direitos autorais foram cedidos à BVS-Psi. ou livro eletrônico. este espaço é dedicado à publicação de EBooks da área de Psicologia. Considerando o princípio maior da BVS-Psi. Link de Acesso: http://newpsi. Plexus Editora. por vários usuários simultâneos. Edwiges Maria.

pdf TEORIAS PSICOLÓGICAS DA APRENDIZAGEM.Esta reportagem conceitua a aprendizagem.pt/852.blogs.br/_pdf/UNIrev_Neves_e_Damiani.O artigo trata da importância do desenvolvimento da afetividade paralelamente ao desenvolvimento cognitivo nas escolas.unirevista.somaticaeducar. mostrando por meio das teorias de Piaget. através de dois autores pertencentes a duas teorias psicopedagógicas que marcaram o século XX: Neo-behaviorismo (Skinner) e Cognitivismo (Bruner). Link de Acesso: http://www. como estão intimamente relacionados. NEO-BEHAVIORISTAS VERSUS CONSTRUTIVISTAS Sinopse .html .com.Este artigo apresenta um estudo sobre a Teoria Sócio-Histórica de Vygotsky e o seu posicionamento diante das clássicas Teorias da Aprendizagem. Vygotsky e Wallon. Link de Acesso: http://www.br/arquivo/artigo/1-2009-11-30-13-47-27.VYGOTSKY E AS TEORIAS DA APRENDIZAGEM Sinopse .sapo. Link de Acesso: http://ruijorgecgomes.unisinos.pdf A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE PARA O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Sinopse .

Link de Acesso: http://biblioteca. Jorge Zahar Editora.VISÃO PSICOLÓGICA DA APRENDIZAGEM HUMANA EM DIFERENTES CONCEPÇÕES TEÓRICAS LONGO. universitários. Saussure e Jakobson.br/ A BIBLIOTECA VIRTUAL DE TESES E DISSERTAÇÕES EM EDUCAÇÃO Sinopse .fe.A Biblioteca Virtual de Educação (BVE) é uma ferramenta de pesquisa de sítios educacionais. Link de Acesso: http://bve.A Biblioteca Virtual de Teses e Dissertações em Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação tem como objetivo principal divulgar para a sociedade as pesquisas de mestrado e de doutorado de nossos alunos. estudiosos. pós-graduandos e alunos de todas as séries escolares.PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA EM FACE DA APRENDIZAGEM HUMANA TEMA 3 . Para tanto. É voltada a pesquisadores.br/ BLOCO TEMÁTICO 2 . Lacan.gov. Linguagem e Psicanálise. aborda alguns dos conceitos fundamentais de pensadores da área.A linguagem é onipresente na psicanálise. . do Brasil e do exterior.entre os campos da linguagem e da psicanálise e.tão permeáveis! .BIBLIOTECA VIRTUAL DE EDUCAÇÃO (BVE) Sinopse .cibec. professores. portanto. Leila.inep. proporcionando intercâmbios acadêmicos e um conhecimento mais aprofundado da produção de nossas áreas de concentração.unb. Sinopse . como Freud. de seus inúmeros aspectos de dependência recíproca. Essa obra busca estabelecer possíveis fronteiras .

na qual se sobressaem as artimanhas da competitividade. No cotidiano escolar.Wertheimer realizou um experimento que era explicado seguindo-se fatores holísticos gestálticos.php?pid=S0102-37722002000100002&script=sci_arttext&tlng . de maneira autônoma.Psicanálise & Educação. compreender significa ser capaz de aplicar o conhecimento a situações novas. Wolfgang. Orientados pela busca de sucesso e eficiência de seus alunos. A PSICOLOGIA DA GESTALT E A CIÊNCIA EMPÍRICA CONTEMPORÂNEA Sinopse . pode-se dividir essas Gestalt em partes. Psicologia da Gestalt. apenas distribuem a responsabilidade de ensinar entre a escola. não raro se buscam diversas saídas. a educação contemporânea tem se curvado às transformações da lógica de produção capitalista. Sinopse .KOHLER. de maneira autônoma. o aluno deve apropriar-se dele e desenvolver as possibilidades de utilizá-lo na prática. COHEN. Reforço pedagógico.br/scielo. A teoria da Gestalt não é exclusivamente psicológica. A seguir. Link de Acesso: http://www. e isto há mais de noventa anos. mais do que entender o conteúdo apresentado. Por essa razão. como o demonstraram principalmente Wertheimer.scielo. normalmente tida como um distúrbio ou um déficit. Basicamente. muitas das quais dolorosas e infrutíferas. a família e o Estado.No cotidiano escolar. compreender significa ser capaz de aplicar o conhecimento a situações novas. Apesar disso. Contra Capa. Porém cada parte será sempre parte daquela Gestalt que lhe deu inicio e não um elemento constituinte básico. ao se observar coisas do mundo. Sinopse . A Lógica do Fracasso Escolar . o aluno deve apropriar-se dele e desenvolver as possibilidades de utilizá-lo na prática. os educadores de hoje muitas vezes tendem a oferecer soluções que. observa-se suas formas ou melhor suas Gestalten. repetência e evasão escolar são sinais que pouco ou nada esclarecem sobre o que está em jogo nesses casos. Por essa razão. Ruth Helena Pinto. Köhler e Koffka. o fracasso escolar sem dúvida é uma das mais angustiantes. em vez de esclarecerem os impasses encontrados. mais do que entender o conteúdo apresentado. estudos recentes demonstram a vivacidade desse tipo de explicação. Itatiaia Editora. Ante a suposta incapacidade de aprender.Entre as frustrações que os pais enfrentam na criação de seus filhos. 2ª Edição. Como praticamente toda e qualquer esfera da vida social.

Link de Acesso: http://www. o autor destaca depoimentos do professor Goldemberg sobre sua vida estudantil. O referencial teórico utilizado para análise e interpretação dos dados é de orientação psicanalítica. com a aceitação de um aluno que se sentia excluído. algumas características psíquicas presentes na relação professor-aluno na atualidade.Na entrevista realizada. particularmente a Teoria do Vínculo de Pichon-Rivière.scielo.O objetivo deste trabalho consiste em investigar a dinâmica de um grupo de aprendizagem numa aula de ciências.br/pdf/ciedu/v13n2/v13n2a07.. de forma sucinta.. destacamos o vínculo estabelecido entre o grupo e a professora. inclusive. Ao propor essa temática. o professor José Goldemberg relata muitas de suas vivências e de sua participação em momentos importantes da história do país. busca-se ressaltar a importância da relação afetiva.br/. o qual contribuiu para uma organização mais estável entre os membros.educacaoonline. não fosse o fato de que o próprio Freud abordou o assunto da Educação.pdf PSICANALISAR E EDUCAR OU PSICANÁLISE E EDUCAÇÃO Sinopse . .ANÁLISE DO VÍNCULO ENTRE GRUPO E PROFESSORA NUMA AULA DE CIÊNCIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sinopse ./psicanalisar-e-educar-ou-psicanalise-eeducacao&catid=36:especial&Itemid=46 COMENTÁRIO A LA ENTREVISTA DE JOSÉ GOLDEMBERG Sinopse . Entre os principais resultados encontrados. do vínculo entre mestres e estudantes como facilitadores da introjeção de modelos de identificação.Qual o estatuto da educação na obra psicanalítica? Para muitos esta questão nem sequer teria pertinência.pro. com o objetivo de analisar. Dentre esses relatos. Link de Acesso: http://www.

ele é adicionado à Lista de Feeds Comuns.br/scielo.com. segundo o interesse e a necessidade dos acadêmicos. Lúcia. Família e Educação : Olhares da Psicologia .PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA EM FACE DA APRENDIZAGEM HUMANA TEMA 4 . bem como de professores e profissionais de Psicologia.APLICABILIDADE DO CONHECIMENTO PSICOLÓGICO ÀS PRÁXIS EDUCATIVA PEDAGÓGICA CARVALHO. isto para facilitar e acelerar a busca de fontes. Link de Acesso: http://www. Paulinas. na área de Psicologia.bibliopsi. Link de Acesso: http://www6. As informações atualizadas do feed são baixadas automaticamente para o computador e podem ser exibidas no Internet Explorer e em outros programas.ufrgs.php BLOG DA PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Sinopse . publicados em revistas nacionais. MOREIRA.bvs-psi.br/psicoeduc/blog/categoria/gestalt/feed/ BLOCO TEMÁTICO 2 .org.Link de Acesso: http://pepsic.GUIA BIBLIOGRÁFICO PSICOLÓGICO Sinopse -Tem como objetivo geral de desenvolver um banco de dados sobre referências bibliográficas e resumos de artigos. produzidos no Brasil.Recomendamos o Blog da Psicologia da Educação está exibindo um feed que apresenta conteúdo atualizado com freqüência. Ana Maria Almeida. Quando você se inscreve em um feed.php?script=sci_arttext&pid=S0486-641X2009000200004&lng=pt&nrm=iso O BIBLIOPSI .Col. . Família na Sociedade Contemporânea.br/editorial.

a escola ou a família extensa. 2008. raciocínio lógico-matemático. mas também para pais.Contribuições da Psicologia. Questões como a necessidade de estabelecer limites. a família contemporânea enfrenta situações inéditas. família e escola. a mediação da babá e sua relação com a criança no ambiente doméstico. de forma a considerar o novo perfil do educando. Sinopse . O livro pretende auxiliar profissionais e estagiários das áreas de: psicologia. Desta forma surgiu o material. Oferece. induzidas em parte pelos avanços do conhecimento científico. as demandas da atual sociedade quanto às . a educação e a criança à luz das moralidades dominantes na atualidade. com separações e construção de novas famílias. Vera Regina. educadores e pessoas interessadas em compreender. organização e hábitos de estudo. Jurua. modularidade da mente e caixa de trabalho.Este texto visa levar à reflexão sobre a importância de se considerar a relação professor aluno sob uma nova perspectiva.A obra surgiu de um convite da Professora Vera em 2005. para algumas de suas. pedagogia. estagiárias de quarto e quinto ano do curso de Psicologia. valores essenciais para a vida. Porém. tornam esta obra uma leitura proveitosa não apenas para especialistas na área da psicologia. de maneira mais aprofundada. leitura e escrita. entre outros. As estagiárias realizavam intervenções grupais e precisavam elaborar muitas adaptações para que as propostas fossem motivadoras e destinadas à clientela infanto-juvenil. fruto da pesquisa e criatividade deste grupo e de vários colaboradores especialistas em temas afins. a partir de contribuições teóricas da psicologia e do relato de pesquisas empíricas. a diferenciação entre cuidar e educar. a crescente instabilidade do casal parental. a ausência paterna. tais como: as mudanças aceleradas nas concepções sobre a criança e a educação. atenção.A educação dos filhos sempre representou desafios para a família ao longo da história. psicopedagogia e magistério. contribuições teóricas. Educação e Aprendizagem . bem como educadores (professores. Aprendizagem e Psicologia. a realidade da família no mundo contemporâneo MIRANDA. seguidas por sugestões de atividades práticas relacionadas a alguns temas como: emoção e socialização. ENTRE O PROJETO E A PRÁTICA PEDAGÓGICA: UMA REFLEXÃO SOBRE COMO FORMAR O COMUNICADOR PARTICIPANTE Sinopse . a creche. em dez capítulos. o cuidado e a negligência na educação da criança na família. memória e percepção.Sinopse . o ingresso da mulher no mercado de trabalho. forçando compartilhamento do cuidado dos filhos com a babá. os avós. psicomotricidade. Este livro analisa tais desafios e aborda elementos fundamentais da educação da criança e do jovem nos tempos atuais. pais e mães) quanto aos temas: Educação. na época.

mostra a importância da espontaneidade para o processo de construção do conhecimento da criança. a autora sugere alguns passos a serem seguidos em um processo de reflexão sobre o trabalho do educador e sua relação com a criança. cujo resultado seja significativo.Neste texto. porém a prática pedagógica nem sempre acompanha as propostas apresentadas.gov.Este texto fala que o jogo não é simplesmente um “passatempo” para distrair os alunos. a . PARADIGMAS E TENDÊNCIAS: POR UMA PRÁTICA EDUCATIVA ALICERÇADA NA REFLEXÃO Sinopse . a tornar a construção do conhecimento um processo pró-ativo. a coordenação muscular. e. Os projetos pedagógicos dos cursos de comunicação social apresentam um discurso marcado pela interação entre os atores envolvidos no processo ensino aprendizagem.mx/dacs/publicaciones/logos/anteriores/n49/bienal/Mesa%2013/Ponenciamoraes.pdf O JOGO E OS PROCESSOS DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: ASPECTOS COGNITIVOS E AFETIVOS Sinopse . Além disso. Estimula o crescimento e o desenvolvimento.Este texto traz uma reflexão sobre as tendências das práticas educativas Link de Acesso: http://www. as faculdades intelectuais.rieoei. Link de Acesso: http://www.itesm. sobretudo. ao contrário.org/deloslectores/417Soares. corresponde a uma profunda exigência do organismo e ocupa lugar de extraordinária importância na educação escolar.php?t=013 EDUCAÇÃO.cem.sp.br/dea_a.crmariocovas.pdf REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA Sinopse . Link de Acesso: http://www.características do profissional.

asp BLOCO TEMÁTICO 1 – A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NO ESTUDO DO COMPORTAMENTO HUMANO TEMA 1 – INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA FILÓSOFOS E PENSADORES DE VÁRIOS PERÍODOS DA FILOSOFIA. É voltada a pesquisadores. Confira abaixo uma lista com os nomes dos filósofos e pensadores de vários períodos da filosofia.profala.cibec.htm A BIBLIOTECA VIRTUAL DE EDUCAÇÃO (BVE) Sinopse . Link de Acesso: http://bve. favorecendo o advento e o progresso da palavra.br/default.com/artpsico38. pós-graduandos e alunos de todas as séries escolares. universitários. Clique nos nomes para saber mais sobre eles. Estimula a observar e conhecer as pessoas e as coisas do ambiente em que se vive. do Brasil e do exterior.A Biblioteca Virtual de Educação (BVE) é uma ferramenta de pesquisa de sítios educacionais.gov.iniciativa individual. Link de Acesso: http://www. professores. estudiosos. • Aristóteles • Augustus Caesar • Dewey • Immanuel Kant • Epicuro • Leibniz • George Berkeley • Thomas Hobbes • Heidegger • Nietzsche • Cícero • Jean-Jacques Rosseau • Karl Marx .inep.

1939). na Moravia (ou Pribor. Circuncidado ao nascer. Monika Zajic. Nascido em Freiberg.• Spinoza • Kierkegaard • Schopenhauer • Pascal • René Descartes • Santo Agostinho • Durkheim • Santo Anselmo • Nero • Santo Tomás de Aquino • Sigmund Freud • Sócrates • Freud em seu Escritório • William James • Platão FIQUE POR DENTRO. Tinha uma afeição especial por sua governanta tcheca e católica. médico austríaco e fundador da psicanálise. em 6 de maio de 1856. que lhe transmitiu os valores do judaísmo clássico. SOBRE OS PERÍODOS FILOSÓFICOS Clique para saber mais sobre os períodos. que o chamava “meu Sigi de ouro”. Sigmund Freud era filho de Amália Freud e de Jacob Freud. e amado pelo pai.1856 – Londres. e chamado Schlomo (Salomo) Sigismund. . Filosofia Clássica Pensamento Latino Filosofia Cristã Filosofia Moderna Filosofia Contemporânea Mitologia Greco-Romana SAIBA MAIS SOBRE OS PRINCIPAIS ASSUNTOS DOS PERÍODOS DA FILOSOFIA Clique aqui e saiba mais sobre os períodos da filosofia! Trecho da Biografia de Freud Sigmund Freud (Viena. Era adorado pela mãe. na República Tcheca). o jovem Sigmund recebeu uma educação judaica não tradicionalista e aberta à filosofia do Iluminismo. e filho mais velho do terceiro casamento de seu pai.

mas sim um terceiro elemento "C". Freud nasceu em uma família de abastados comerciantes judeus. Anna. existem quatro princípios a ter em conta para a percepção de objectos e formas: a tendência à estruturação. e seu companheiro preferido de brinquedos foi seu sobrinho. Sua curiosidade. casou-se..com SURGIMENTO DA GESTALT .Já segundo o conceito da transponibilidade.. uma ambição precocemente formulada e reconhecida e “o desejo de contribuir com alguma coisa.." FONTE: www.portaldascuriosidades. idade do segundo filho de Jakob. durante sua vida.) "A+B" não é simplesmente "(A+B)". Devem se destacar duas coisas. a pregnância ou boa forma e a constância perceptiva. Do casamento de Jacob e Amália nasceram os seguintes irmãos de Freud: Julius. pois o todo é maior que a soma de suas partes: "(. a segregação figurafundo. Outros conceitos dessa teoria são supersoma e transponibilidade. Débora (Rosa).com. 1914). Jakob Freud. seja ela feita de plástico. pela primeira vez. Freud será o mais velho dos oito filhos do segundo casamento de seu pai. Segundo a Gestalt. “que visava Extraído do site: http://fundamentosfreud. que o levava para visitar igrejas. Seu pai. Freud começou seu estudo de medicina. que tinha um ano a mais do que ele.html BLOCO TEMÁTICO 2 . casa-se novamente com Amália Nathanson. a forma se sobressai.uol. que exercia o ofício de comerciante de lã e têxteis. como Teoria da Forma.PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA EM FACE DA APRENDIZAGEM HUMANA TEMA 3 – VISÃO PSICOLÓGICA DA APRENDIZAGEM HUMANA EM DIFERENTES CONCEPÇÕES TEÓRICAS TEORIA DA FORMA A Teoria da Gestalt também é conhecida. independentemente dos elementos que compõem determinado objeto. Viúvo.) uma cadeira é uma cadeira. Sempre se destaca a complexidade das relações intrafamiliares. falava-lhe do “bomDeus” e lhe revelou outro mundo além do judaísmo e da judeidade. Supersoma refere-se a idéia de que não se pode ter conhecimento de um todo por meio de suas partes. aos 17 anos e teve dois filhos (Emmanuel e Philippe). metal. Talvez ela também tenha desempenhado um papel em sua aprendizagem da sexualidade.br/biografia.vilabol. madeira ou qualquer outra matériaprima. Adolfine). e foi sem uma vocação especial que no outono de 1873.. no Brasil. que possui características próprias". "(. para o conhecimento da humanidade” (“Psicologia dos Estudantes”. de 20 anos. Marie (Mitzi).apelidada Nannie. Foi um aluno muito bom em seus estudos secundários. Pauline (Paula) e Alexander.

Clique nos temas 1 e 2 que você encontrará a descrição destas formas lúdicas de aprendizagem. 19 de setembro de 2008. Com o objetivo de integrar o grupo e proporcionar um clima leve e alegre a cada UP. integração e solidariedade entre você e seus colegas. O processo perceptivo não depende da atividade sensorial. FIQUE POR DENTRO! Você sabia que segundo a Gestalt cada um de nós percebe o mundo de forma distinta? Neste sentido. 15:37:48 | admin ). mas do trabalho mental de percepção de relações. O que o indivíduo percebe e como percebe são fundamentais para entender o comportamento humano. do estímulo propriamente dito. a equipe de professores de Psicologia da Educação propõe uma brincadeira: Um anjo em minha vida . podemos dizer que usamos sempre nossas próprias “lentes” para olhar a realidade.CURIOSIDADES VIRTUAIS Veja fotos da experiência que Köhler realizou com chimpazés( publicado em :sexta-feira. TEMA 3 – APLICABILIDADE DO CONHECIMENTO PSICOLÓGICO À PRÁXIS EDUCATIVA PEDAGÓGICA O JOGO DO RÓTULO E O JOGO ANJO Jogo do Anjo O jogo do Anjo pode contribuir tanto com o conhecimento acerca dos conteúdos da disciplina quanto poderá ser instrumento para aprofundar os laços de amizade.

apenas clica em responder esta mensagem. certo? Vamos a um exemplo: RÓTULO: O BAGUNCEIRO (Um outro aluno responde. após o rótulo do colega. o que este rótulo lhe faz lembrar e deixa um novo rótulo) Desorganizado. um cartaz. etc. vocês devem estabelecer por quanto tempo a brincadeira vai acontecer. cada ANJO deve preparar para o seu protegido uma SURPRESA FINAL. COMO TROCAR MENSAGENS ENTRE ANJOS E PROTEGIDOS? Como o ANJO é secreto. vocês devem determinar um local específico (com embalagens especiais identificadas com o nome do protegido (ENVELOPES. irresponsável. QUANTO TEMPO LEVA A BRINCADEIRA? A brincadeira pode durar semanas ou meses. O jogo funciona assim: • Uma pessoa posta um rótulo • A próxima pessoa escreve todas as palavras que consegue associar a este rótulo e escolhe um novo rótulo para dar continuidade ao jogo. ETC) para que ocorram as trocas entre anjos e protegidos. pode ser um cartão. mas ao iniciar o jogo. COMO CONCLUIMOS A BRINCADEIRA? No momento especificado para o final da brincadeira. O PROTEGIDO deve levar algo que resuma como se sentiu sendo protegido(a) por seu anjo para entregar a ele no momento em que souber quem ele é Jogo do Rótulo Vamos abrir um espaço para fazer um jogo que nos leve a refletir sobre as associações feitas aos rótulos e que podem atingir fortemente crianças e adolescentes.COMO FUNCIONA? Todos colocam seus nomes em papéis dobrados (como acontece no amigo oculto / amigo secreto) e realizam um sorteio. indisciplinado. uma peça de artesanato. Importante ter sempre o cuidado para suas surpresas não serem descobertas. etc . desordeiro. Assim. estigmatizando seu comportamento e sua auto-imagem. (um mês. amizade. etc) QUAL O PAPEL DO ANJO? A brincadeira tem o objetivo de integrar o grupo e tornar o clima leve e saudável. Por isso. Isso fica a cargo de cada grupo. seis meses. brindes e presentes. claro que também podem ser acrescentados bombons. desleixado. • A pessoa seguinte não cria um novo tópico. dando continuidade ao tópico que estamos criando agora. desatencioso. você responde suas associações e deixa um novo rótulo para o próximo participante. força. o ANJO deve sempre surpreender positivamente seu protegido com cartões e mensagens de otimismo e afeto. desagregador. três meses. Você se tornará o ANJO SECRETO da pessoa que você sorteou o nome e não deve dizer quem você tirou. etc. Porém. sujo. CAIXAS. solidariedade. .

(Clique aqui para acessar o texto) LUCITA BRIZA E PRICILA DEL CLARO Clique aqui para acessar o texto de Lucita Briza e Pricila Del Claro.Novo rótulo: O GAIATO INFLUÊNCIA DE ASPECTOS EMOCIONAIS. Um trabalho a quatro mãos. REFLEXÕES PRÁTICAS. COGNITIVOS E SOCIAIS PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM. GALERIA DE FILMES EM EDUCAÇÃO Clique aqui e fique por dentro de sugestões de filmes voltados para a Educação! .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful