P. 1
40341004 Dissertacao ControleRuidoIndustrial PGMEC32 Final

40341004 Dissertacao ControleRuidoIndustrial PGMEC32 Final

|Views: 1.948|Likes:
Publicado porMarco Monti

More info:

Published by: Marco Monti on Jan 18, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/02/2013

pdf

text

original

FONTE: OSHA (1970)

De acordo com Jensen et al. (1978), a OSHA estabelece também critérios

que regulamentam e que devem ser observados ao realizar a avaliação do nível de

ruído ocupacional, os quais estão relacionados abaixo:

Parâmetro 1: Dos critérios especificados

1. Não confundir na avaliação o nível de ruído emitido pelas máquinas e

equipamentos com avaliação do nível de ruído que realmente chega ao

trabalhador.

68

2. Na maioria das plantas industriais o nível de ruído varia durante a jornada de

trabalho.

3. Máquinas podem operar em diferentes modos, o que faz variar o nível de

emissão sonora de acordo com estas mudanças.

4. Os trabalhadores podem se deslocar ao redor de suas máquinas ou para

diferentes partes da planta industrial.

5. Deve ser levada em conta a seqüência de produção industrial e sua influência

no resultado da medição durante a jornada de trabalho e mudanças de

atividades.

Em função destes critérios, tem-se a necessidade de levar em conta a

variação do nível de ruído ao longo da jornada laboral para determinar o ruído

ocupacional. Para tanto a regulação da OSHA estabeleceu o conceito da dose para

avaliar a exposição quando há a variação no nível de ruído ocupacional.

Para se obter a dose de ruído a que o trabalhador está exposto em sua

atividade laboral a OSHA estabelece algumas premissas que devem ser

respeitadas:

• A exposição a algum nível de ruído acima de 90 dB contribui para uma fração

parcial da dose do ruído que o trabalhador está exposto.

• Quanto mais intenso for o nível de ruído e maior o tempo de exposição maior

será a dose parcial.

• A soma de todas as doses parciais pode ser calculada para se obter o total da

dose diária, a qual não deve exceder a um valor especificado.

• Cada fração da dose de exposição para um determinado nível de ruído é

igual a:

69

ruído

de

nivel

este

para

permitido

tempo

o

medido

ruído

de

nivel

no

despendido

realmente

tempo

o

• tempo permitido para cada nível de ruído pode ser obtido através da tabela 3

estabelecido pela normatização da OSHA, ou a partir da equação 23:

(min)

2

480

)
90

(

2,
0 −

=

A

L

permitido

tempo

(23)

onde:

A

L= é o nível equivalente do ruído realmente a que o trabalhador está

exposto no posto de trabalho, em decibels;

• A dose diária é obtida pela soma de todas as doses parciais conforme a

equação 24 abaixo:

n

n

T

C

T

C

T

C

T

C

D

+

+

+

+

=

.
..........

..........

3

3

2

2

1

1

(24)

Onde

n

C indica o tempo total a que o trabalhador fica exposto ao nível de

ruído específico e

n

T indica a máxima exposição diária permissível a este nível.

• Como o limite de tolerância estabelecido pela OSHA é de 90 dB(A) para 8

horas diárias, o total da dose não deve ultrapassar a unidade;

• Os níveis de ruído abaixo de 90 dB(A) não são aplicáveis no cômputo parcial

da dose diária. Em outras palavras, qualquer exposição até 89 dB(A) é

permitida e portanto não é contada como contribuição para a dose diária;

Além dos regulamentos acima, a OSHA estipulou outras regras:

• A exposição ao ruído continuo não deve exceder a 115 dB(A);

70

• Nenhuma exposição ocupacional ao ruído de impacto e impulsivo pode

exceder ao pico de 140 dB. Os quais são definidos como aqueles que têm o

tempo de duração menor que 1 s e se repetem em intervalos iguais ou

superiores a 1 s;

• Os níveis sonoros devem ser determinados utilizando um equipamento na

escala de resposta “slow’.

5.5 NORMA INTERNACIONAL - ISO 1999, ACÚSTICA –

DETERMINAÇÃO DA EXPOSIÇÃO AO RUÍDO OCUPACIONAL E

AVALIAÇÃO DA PERDA AUDITIVA PELO RUÍDO INDUZIDO.

Esta Norma especifica um método para calcular o limite do PAIR no ouvido

humano, para avaliar as mudanças dos níveis do limite da audição da população

adulta devido a vários níveis, duração da exposição e freqüência dos sons que

compõe o ruído. Além de fornecer a base para calcular os obstáculos da audição, de

acordo com várias fórmulas, quando os níveis do limite de audição nas freqüências

de audiometria comumente medidos ou quando a combinação de tais freqüências

excederem determinados valores.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->