Você está na página 1de 153

Eletroeletrônica

Eletroeletrônica Climatizadores

Climatizadores

Eletroeletrônica Climatizadores
Climatizadores

Climatizadores

ÍNDICE

Introdução

07

Histórico

08

Generalidades

11

 

O calor

12

A temperatura

15

A pressão

16

Estudo teórico dos gases

19

A

refrigeração

20

Ciclo de funcionamento

22

Fluido refrigerante

25

Componentes do sistema

28

Compressor

28

Condensador

30

Filtro acumulador secador

33

Válvula de expansão

34

Evaporador

35

Pressostato de três níveis

37

Sensor de pressão linear

38

Termostato e pressostato anticongelamento

39

Central de comando auxiliar

40

Relé temporizador

42

Inter-relação com o sistema de injeção/ignição eletrônica

44

Funcionamento do condicionador

45

Operações com fluido refrigerante R-134a

47

Verificação do sistema com manômetros (R-134a)

55

Dicas importantes

59

Esquemas elétricos do ar-condicionado manual

64

Generalidades/Instrumentos de diagnose

75

História do ar-condicionado

77

Objetivo do ar-condicionado

79

Pressão e temperatura de ebulição

81

Refrigeração

82

Sistema de ar-condicionado automotivo

83

Conceitos do ar-condicionado e seus componentes

83

Localização dos componentes do sistema de A/C

83

Ciclo de A/C com válvula de expansão (TVX)

84

Ciclo de ar-condicionado com tubo de orifício(OT)

84

HVAC - Modo aquecimento

85

HVAC - Modo A/C

85

Aquecedor

85

Eletroventilador da caixa de ar

86

Ventilador de arrefecimento

86

Evaporador de placa

87

Condensador de ar

88

Compressor de ar

90

Compressor-componentes

90

Tipos de compressores

91

Compressor - mecanismo interno

91

Compressor - componentes internos

92

Deslocamento volumétrico

92

Compressor Delphi com deslocamento variável

93

Válvula de controle

94

Modulação do deslocamento volumétrico

95

Válvula TXV

96

Filtro secador

97

Tubo de orifício (OT)

99

Acumulador de sucção

99

Mangueiras e dutos de gás refrigerante

100

Muflas

101

Componentes de vedação

102

Dispositivos de proteção contra congelamento

103

Dispositivos de controle e proteção

104

Fluxograma de diagnose do sistema A/C

106

Diagnose do sistema de climatização

107

Objetivo

107

Análise da eficácia do sistema de ar-condicionado

107

Ineficiência do sistema de ar-condicionado

109

Controle das pressões do sistema de ar-condicionado

110

Conjunto condicionador de ar (caixa de ar do sistema de funcionamento automático)

111

Diagnósticos

112

Rastreamento de falhas com manômetro

113

Verificar conjunto condicionador de ar (caixa do ar-condicionado)

121

Anexos

128

IT - Tubulação do compressor do ar-condicionado - novo

128

IT - Caixa de ar - novo posicionamento do termostato anticongelamento

129

IT - Placa do circuito de comando do ar-condicionado - modificada

129

IT - Ar-condicionado - controle do volume de óleo do sistema

130

IT - Polia do compressor do ar-condicionado - nova operação 5040 A 32

131

IT - Análise do resistor e do eletroventilador da caixa de ar

132

IT - Condensador do ar-condicionado - aplicação de peças anteriores

134

Análise do termostato anticongelamento - diagnose para falha de campo

134

Tabela de torques de aperto - sistema de climatização - aplicação: FIAT T.T.

137

Ficha de reparação

139

Caderno de exercícios

141

Climatizadores

Climatizadores

Introdução

Apresentamos aqui o Sistema de climatização, que equipa diversos veículos FIAT. Nesta apos- tila não pretendemos esgotar totalmente o assunto, mas abordar os pontos principais para sua compreensão, de forma que sirvam de embasamento para que você possa se aprofundar nos temas. Procuramos tornar a leitura agradável, através de ilustrações que complementam o texto. O objetivo é que você tire o máximo de proveito para seu aprimoramento profissional.

Então vamos lá!

o texto. O objetivo é que você tire o máximo de proveito para seu aprimoramento profissional.

07

Climatizadores

Histórico

O homem sempre buscou formas de adaptar-se às variações climáticas, ao frio ou ao calor ex- cessivo que lhe causam desconforto.

ao frio ou ao calor ex- cessivo que lhe causam desconforto. Com os avanços tecnológicos, foram

Com os avanços tecnológicos, foram se desenvolvendo equipamentos e sistemas cada vez mais eficazes no controle dos fatores que influem no condicionamento do ar.

controle dos fatores que influem no condicionamento do ar. Primeiro vieram sistemas mais simples de ventilação

Primeiro vieram sistemas mais simples de ventilação e aquecimento, depois foram desenvolvidos sistemas de condicionamento de ar propriamente dito.

simples de ventilação e aquecimento, depois foram desenvolvidos sistemas de condicionamento de ar propriamente dito. 08

08

Climatizadores

Os construtores de automóveis também tiveram esta preocupação, e já em 1952 foi instalado o primeiro sistema de condicionamento de ar em um veículo de fábrica.

sistema de condicionamento de ar em um veículo de fábrica. Hoje em dia os veículos podem

Hoje em dia os veículos podem vir equipados com sistema de climatização, visando oferecer maior conforto e bem-estar aos ocupantes, além de melhorar as condições de segurança da direção.

além de melhorar as condições de segurança da direção. Nos países tropicais como o nosso, de

Nos países tropicais como o nosso, de clima quente e úmido, sistemas de climatização equipan- do os veículos são ainda mais necessários.

o nosso, de clima quente e úmido, sistemas de climatização equipan- do os veículos são ainda

09

Climatizadores

Um sistema de climatização eficiente em um veículo deve controlar, além da temperatura, a velo- cidade e a pureza do ar no habitáculo. Isto criará condições de conforto mais satisfatórias.

Isto criará condições de conforto mais satisfatórias. A. ar ambiente (impuro, úmido e quente) B. condicionador

A. ar ambiente (impuro, úmido e quente)

B. condicionador de ar

C. ar-condicionado (mais puro, fresco, menos úmido e ventilado)

Nos países tropicais, uma temperatura em torno dos 23°C é considerada agradável.

Portanto, com o sistema estabilizado, a temperatura no interior do habitáculo não deve variar mais que 2 ou 3°C por hora, para que o usuário não perceba a variação e venha intervir nos

comandos.

deve variar mais que 2 ou 3°C por hora, para que o usuário não perceba a

10

Climatizadores

Generalidades

A umidade relativa do ar permanece entre 15 e 30%, devido ao fato de não haver um mecanis-

mo de controle desta umidade.

fato de não haver um mecanis- mo de controle desta umidade. Neste caso, é aconselhável que

Neste caso, é aconselhável que de tempos em tempos seja aberta a portinhola de recírculo do ar para tornar o ambiente mais agradável. A velocidade do ar que circula no habitáculo também é importante, pois reforça as trocas de calor. Porém, se a velocidade for mantida muito alta, pode- rá produzir uma sensação de incômodo.

muito alta, pode- rá produzir uma sensação de incômodo. O organismo humano altera o ar à

O

organismo humano altera o ar à sua volta. Eleva a taxa de dióxido de carbono (CO2)e reduz

o

percentual de oxigênio, aumentando a concentração de bactérias patogênicas e produzindo

odores. Por isso, é necessário renovar o ar do habitáculo. Um filtro antipólen equipa alguns siste- mas, tornando mais puro o ar que entra no habitáculo.

mas, tornando mais puro o ar que entra no habitáculo. Agora vejamos algumas importantes noções preliminares,

Agora vejamos algumas importantes noções preliminares, que facilitarão a compreensão dos sistemas de condicionamento de ar.

11

Climatizadores

O calor

Através do tato, as pessoas percebem as condições de temperatura. Quando tocamos um objeto

e dizemos que está “frio” ou “quente”, nos referimos a uma sensação térmica.

ou “quente”, nos referimos a uma sensação térmica. O calor é a forma de energia que

O calor é a forma de energia que se transfere de um corpo a outro, ou de uma parte deste a outra, desde que ambos os corpos tenham temperaturas distintas.

desde que ambos os corpos tenham temperaturas distintas. De acordo com o 2º Princípio da Termodinâmica,

De acordo com o 2º Princípio da Termodinâmica, o calor é transmitido espontaneamente de um

corpo com maior temperatura para outro com menor temperatura. O contrário só é possível com

a introdução de trabalho.

com maior temperatura para outro com menor temperatura. O contrário só é possível com a introdução

12

Climatizadores

As unidades de medida de calor mais usuais são a “caloria” e o “BTU” (British Thermal Unit /

Unidade Térmica Britânica). No sistema métrico, a unidade adotada é a caloria, que representa

a quantidade de calor necessária para aquecer 1°C (um grau Celsius), de 15,5 até 16,5°C, um

grama de água. O “BTU” é a unidade utilizada no Sistema Inglês de Unidades, e representa a quantidade de calor necessária para variar de 1°F (um grau Fahrenheit), de 39,5 até 40,5°F, uma libra de água.

grau Fahrenheit), de 39,5 até 40,5°F, uma libra de água. O processo de transmissão de calor

O processo de transmissão de calor pode ocorrer de três formas. São elas: a condução, a con- vecção e a irradiação.

São elas: a condução, a con- vecção e a irradiação. A condução acontece nos corpos em

A condução acontece nos corpos em estado sólido que apresentam temperaturas diferentes em

sua extensão. O calor se transfere de molécula a molécula até que todo o corpo esteja na mes- ma temperatura.

em sua extensão. O calor se transfere de molécula a molécula até que todo o corpo

13

Climatizadores

Nos fluidos, ou seja, líquidos e gases, o calor se transmite por convecção. Convecção é o movimento que um fluido adquire quando há diferença de pressão entre partes desse fluido que estejam a temperaturas diferentes.

Vejamos o exemplo de uma panela com água sendo aquecida por baixo. Nesse caso, uma determinada parte do fluido, constituída por um grupo de moléculas que esteja mais próximo à fonte de calor se aquece mais rapidamente; sua densidade se torna menor que a do restante da água e por isso sobe. A porção de água que estava acima descerá, e o processo continua até que toda a água se aqueça.

e o processo continua até que toda a água se aqueça. Outra forma de transmissão de

Outra forma de transmissão de calor é a radiação, que ocorre mesmo que não haja nenhum meio material entre os corpos.

mesmo que não haja nenhum meio material entre os corpos. O corpo de maior temperatura irradia

O corpo de maior temperatura irradia calor a outro, emitindo radiação térmica, que é um tipo de onda eletromagnética que se propaga inclusive no vácuo. Assim é que o calor do sol aquece a Terra.

que é um tipo de onda eletromagnética que se propaga inclusive no vácuo. Assim é que

14

Climatizadores

A temperatura

As moléculas de um corpo estão em constante movimento de vibração. Para que elas realizem este movimento, é preciso que possuam uma forma de energia, chamada de energia cinética.

possuam uma forma de energia, chamada de energia cinética. Quando se aumenta a temperatura, as moléculas

Quando se aumenta a temperatura, as moléculas passam a oscilar com maior energia. Se a temperatura diminuir, também a energia será menor. Assim, temperatura é a medida da energia cinética média das moléculas de um corpo.

da energia cinética média das moléculas de um corpo. O instrumento utilizado para medir a temperatura

O instrumento utilizado para medir a temperatura é o termômetro. O tipo mais comum é o termô- metro clínico, constituído de um tubo de vidro muito fino ligado a um bulbo, com mercúrio. Na parte externa está gravada uma escala graduada.

de um tubo de vidro muito fino ligado a um bulbo, com mercúrio. Na parte externa

15

Climatizadores

A unidade de medida de temperatura mais usada em nosso país é o grau Celsius (°C), também

chamado centígrado. Nos países de língua inglesa utiliza-se o grau Fahrenheit (°F).

de língua inglesa utiliza-se o grau Fahrenheit (°F). Existe uma correspondência entre essas unidades de medidas.

Existe uma correspondência entre essas unidades de medidas. Aqui trataremos das relações entre as escalas Celsius e Fahrenheit, que são as mais comuns.

Ambas as escalas têm dois pontos fixos, que são as temperaturas em que a água passa do estado sólido ao líquido (ponto de fusão) e do líquido ao gasoso (ponto de ebulição). O ponto de fusão da água é zero grau na escala Celsius e 32 graus na escala Fahrenheit. O ponto de ebulição da água é 100 °C e 212 °F, sob pressão atmosférica normal. Se a pressão variar, estas temperaturas também variam.

Se a pressão variar, estas temperaturas também variam. A escala Celsius é dividida em cem partes

A escala Celsius é dividida em cem partes iguais, cada uma correspondendo a um grau. Para

fazer a conversão de grau Celsius para Fahrenheit e vice-versa, basta usar as fórmulas:

°C = (°F - 32) 1,8 °F = (°C x 1,8)+32
°C = (°F - 32)
1,8
°F = (°C x 1,8)+32

A pressão

Chamamos de pressão a relação existente entre uma força aplicada perpendicularmente sobre uma determinada área. Sendo assim, quanto maior for a área, menor será a pressão, se manti- vermos a força constante.

determinada área. Sendo assim, quanto maior for a área, menor será a pressão, se manti- vermos
determinada área. Sendo assim, quanto maior for a área, menor será a pressão, se manti- vermos

16

Climatizadores

Temos várias unidades para medidas de pressão, e essas são as relações entre elas:

1 atm = 1 bar = 14,23 lb/pol 2 (psi) = 1 kgf/cm 2 = 29,92 polHg = 760 mmHg

Dessas unidades, as mais utilizadas nas publicações sobre climatização são o “bar” e o “psi”.

sobre climatização são o “bar” e o “psi”. Para medir a pressão, o instrumento usado é

Para medir a pressão, o instrumento usado é o manômetro.

Para medir a pressão, o instrumento usado é o manômetro. A superfície da Terra está envolvida

A superfície da Terra está envolvida por uma camada de ar, chamada atmosfera, e esta também está sujeita à ação da força da gravidade. Como o ar possui massa, conseqüentemente, ele terá peso, e exercerá uma pressão sobre a superfície do planeta e todas as coisas aí existentes, inclusive sobre nós.

peso, e exercerá uma pressão sobre a superfície do planeta e todas as coisas aí existentes,

17

Climatizadores

Essa pressão é chamada de pressão atmosférica, e varia de acordo com a altitude. No alto de uma montanha, a pressão é menor que ao nível do mar, pois a coluna de ar acima da montanha também é menor.

mar, pois a coluna de ar acima da montanha também é menor. É comum ouvirmos os

É comum ouvirmos os termos pressão absoluta, pressão atmosférica, depressão etc. Veja as relações entre eles:

Pressão acima

da atmosférica

as relações entre eles: Pressão acima da atmosférica Manômetro normal lê a diferença entre a pressão

Manômetro normal lê a diferença entre a pressão absoluta e atmosférica

Pressão absoluta superior à atmosférica

Pressão atmosférica

O

manômetro de vácuo

a diferença entre

a

pressão atmosférica

e

absoluta

Pressão inferior à atmosférica (depressão)

Pressão absoluta inferior

à atmosférica

O barômetro lê a pressão atmosférica

Zero absoluto (nível do mar)

18

Climatizadores

Estudo teórico dos gases

A pressão, a temperatura e o volume são as variáveis que controlam as transformações dos gases. Dizemos que houve transformação quando pelo menos uma destas variáveis mudou de valor.

quando pelo menos uma destas variáveis mudou de valor. Essas transformações obedecem à equação geral dos

Essas transformações obedecem à equação geral dos gases:

(P1.V1) = (P2.V2)

T1

T2

Onde P é a pressão, V é o volume e T é a temperatura.

T2 Onde P é a pressão, V é o volume e T é a temperatura. As

As transformações nas quais o volume não se altera, são chamadas de isométricas. Nesse caso, para cada pressão, existe uma determinada temperatura. Quando se eleva a pressão, a tempe- ratura também se eleva.

G H Linha de fusão Fase líquida Ponto crítico E F Fase sólida Fase gasosa
G
H
Linha de fusão
Fase líquida
Ponto crítico
E
F
Fase sólida
Fase gasosa
C
D
Ponto triplo
A
B
Temperatura
19
Linha
de
sublimação
Linha de
vaporização
Pressão

Diagrama pressão-temperatura para uma substância de comportamento semelhante ao da água.

Climatizadores

A refrigeração

Geralmente a temperatura no interior do veículo é mais alta que a externa. O conjunto de con- dicionamento do ar atua retirando calor do habitáculo do veículo para transferi-lo ao ambiente externo.

do veículo para transferi-lo ao ambiente externo. Assim como todos os outros sistemas refrigerantes, trabalha

Assim como todos os outros sistemas refrigerantes, trabalha removendo o calor do ar que passa sobre os tubos e aletas da unidade de evaporação. À medida que o calor é retirado, é provoca- da uma queda gradual da temperatura no interior do veículo.

da uma queda gradual da temperatura no interior do veículo. Mesmo após as temperaturas do interior

Mesmo após as temperaturas do interior e do exterior se igualarem, o ar-condicionado continua- rá retirando calor do habitáculo para manter uma temperatura confortável. Isso só é possível com a realização de trabalho.

calor do habitáculo para manter uma temperatura confortável. Isso só é possível com a realização de

20

Climatizadores

Para que você entenda melhor o funcionamento de um sistema de condicionamento de ar, é importante observar dois fenômenos básicos:

- quando um líquido se evapora, passando ao estado gasoso, absorve calor do ambiente

- quando um vapor se condensa, passando ao estado líquido, libera calor para o ambiente

passando ao estado líquido, libera calor para o ambiente O sistema de condicionamento de ar utiliza

O sistema de condicionamento de ar utiliza um fluido refrigerante para realizar as trocas de calor. O refrigerante atua como agente transportador de energia térmica de um corpo a outro.

transportador de energia térmica de um corpo a outro. Em um sistema de condicionamento de ar,

Em um sistema de condicionamento de ar, existem duas pressões distintas para controlar a trans- ferência de calor. À pressão alta corresponde temperatura alta e à pressão baixa corresponde temperatura baixa.

ferência de calor. À pressão alta corresponde temperatura alta e à pressão baixa corresponde temperatura baixa.

21

Climatizadores

Ciclo de funcionamento

O sistema funciona de modo inverso ao ciclo de Carnot.

O sistema funciona de modo inverso ao ciclo de Carnot. No início do século passado, um

No início do século passado, um engenheiro francês chamado Sadi Carnot desenvolveu uma teoria sobre o fluxo de energia das máquinas térmicas. O ciclo reversível que ele apresentou ganhou o mesmo nome e funciona da seguinte maneira:

Fonte quente Trabalho Fonte fria Fonte fria Fonte quente
Fonte quente
Trabalho
Fonte fria
Fonte fria
Fonte quente

Trabalho

No início da fase de expansão, o gás recebe calor (Q1) de uma fonte quente, que está a uma temperatura T1. O volume começa a aumentar.

Q1 T1
Q1
T1

22

Climatizadores

Continuando a fase de expansão, retira-se a fonte quente. O gás passa a se expandir sem trocar calor com o exterior (adiabaticamente). A pressão cai e a temperatura também, até chegar à temperatura da fonte fria (T2), quando cessa a expansão.

à temperatura da fonte fria (T2), quando cessa a expansão. Neste ponto, o êmbolo começa a

Neste ponto, o êmbolo começa a voltar. Utiliza-se a fonte fria para retirar calor do sistema, então o sistema cede calor (Q2).

T2
T2

Q2

Continuando a volta do êmbolo, retira-se a fonte fria. O gás passa a se contrair adiabaticamen- te, por isso se aquece, até chegar novamente à temperatura T1, quando o ciclo recomeça.

a se contrair adiabaticamen- te, por isso se aquece, até chegar novamente à temperatura T1, quando

23

Climatizadores

No sistema de condicionamento de ar o ciclo ocorre da seguinte maneira:

P 3 Q1 4 T 1 2 Q2 V
P
3
Q1 4
T
1
2
Q2
V

1-4. Início da compressão do fluido refrigerante em estado gasoso, provocando um rápido aumento da temperatura e da pressão do mesmo, através do compressor

4-3. Continuação da compressão, o fluido cede calor (Q1) ao exterior, através do condensador

3-2. Início da fase de expansão rápida, através da válvula de expansão

2-1. Continuação da expansão. Para que a temperatura seja mantida constante, o fluido absorve calor (Q2) do interior do habitáculo, através do evaporador.

Com o fluido percorrendo esse ciclo, o sistema pode absorver calor com baixa temperatura e restituí-lo com uma temperatura alta. Utilizando uma certa força de trabalho, consegue passar o calor de um corpo frio (interior do habitáculo) para outro mais quente (exterior).

de trabalho, consegue passar o calor de um corpo frio (interior do habitáculo) para outro mais

24

Climatizadores

Fluido refrigerante

Para serem usados em circuitos de condicionamento de ar, os fluidos refrigerantes devem ter baixo ponto de ebulição, passando ao estado gasoso com temperatura baixa, e baixo ponto de congelamento para evitar a solidificação. Deve ainda absorver muito calor com pequena quantidade de refrigerante e possuir baixa temperatura crítica (acima da qual o gás não pode ser liquefeito, independentemente da pressão). Esta não pode ser atingida durante o ciclo.

da pressão). Esta não pode ser atingida durante o ciclo. Além disso o fluido não deve

Além disso o fluido não deve ser explosivo, inflamável, tóxico, nocivo, oxidante nem corrosivo.

inflamável, tóxico, nocivo, oxidante nem corrosivo. O fluido ideal em termos de estabilidade, miscível* com

O fluido ideal em termos de estabilidade, miscível* com lubrificantes e inerte à maior parte dos metais é o diclorodifluormetano (CCl 2 F 2 ), também chamado R-12 ou Freon 12.

• miscibilidade: é a capacidade do lubrificante e fluido refrigerante se misturarem. É um fator muito importante para o retorno do óleo lubrificante ao compressor.

e fluido refrigerante se misturarem. É um fator muito importante para o retorno do óleo lubrificante

25

Climatizadores

Esse refrigerante era amplamente usado nos sistemas de condicionamento de ar. Hoje em dia, porém, sabe-se que o Freon 12 e os outros clorofluorcarbonetos (CFC) são prejudiciais à camada de ozônio que protege a Terra das radiações ultravioletas.

ozônio que protege a Terra das radiações ultravioletas. Devido a esse problema os produtores de fluidos

Devido a esse problema os produtores de fluidos refrigerantes estão substituindo os compostos que contêm CFC pelos hidrofluorcarbonetos (HFC), que são inofensivos à camada de ozônio.

(HFC), que são inofensivos à camada de ozônio. Nos sistemas mais recentes de condicionamento de ar

Nos sistemas mais recentes de condicionamento de ar para veículos, o fluido mais usado é o tetrafluoretano, chamado de R-134a.

fluido mais usado é o tetrafluoretano, chamado de R-134a. Lembre-se que nos sistemas em que se

Lembre-se que nos sistemas em que se usa Freon 12 não se pode usar o R-134a. Assim, os com- ponentes dos dois sistemas não são intercambiáveis.

que se usa Freon 12 não se pode usar o R-134a. Assim, os com- ponentes dos

26

Climatizadores

A pressão e a temperatura de trabalho do R-134a são maiores. Por isso o condensador não será o mesmo, a válvula de expansão terá outra calibragem e o óleo de lubrificação do compres- sor terá uma especificação diferente.

T.(°C) 60 B 50 40 R 134 a ■ 20 0 R 134 a ●
T.(°C)
60
B
50
40 R 134 a ■
20
0
R 134 a ●
-20
A
-26
-40
-60
-80
-10
2
4
6
8
10
C
12
14
16
P.(bar)

Diagrama do estado líquido-gasoso em função da temperatura e da pressão.

134a no estado gasosolíquido-gasoso em função da temperatura e da pressão. R 134a no estado líquido R Existem equipamentos

R

134a no estado líquidoda temperatura e da pressão. 134a no estado gasoso R R Existem equipamentos próprios para efetuar

R

Existem equipamentos próprios para efetuar a carga e descarga dos sistemas de climatização que contêm o R-134a. Atualmente utiliza-se o Ecotechnnics ECK 3000.

a carga e descarga dos sistemas de climatização que contêm o R-134a. Atualmente utiliza-se o Ecotechnnics

27

Climatizadores

Componentes do sistema

Agora estudaremos os principais componentes que fazem parte do sistema de condicionamento de ar:

Compressor

É o principal componente do sistema. Tem a função de receber o fluido refrigerante em estado gasoso e comprimi-lo, aumentando rapidamente sua pressão e temperatura para enviá-lo ao condensador, sob a forma gasosa.

para enviá-lo ao condensador, sob a forma gasosa. É escolhido com base na capacidade, cilindrada e

É escolhido com base na capacidade, cilindrada e no número de rotações. A relação entre a

capacidade do compressor e a calibragem da válvula de expansão deve ser tal que mantenha as pressões equilibradas

deve ser tal que mantenha as pressões equilibradas não permitindo pressões muito altas no circuito de

não

permitindo pressões muito altas no circuito de alta pressão nem pressões muito baixas no

circuito de baixa pressão.

permitindo pressões muito altas no circuito de alta pressão nem pressões muito baixas no circuito de

28

Climatizadores

O compressor é acoplado ao motor por meio de uma correia, que liga a polia do eixo de mani- velas à polia da embreagem de engate eletromagnético, que é montado no eixo do compressor.

eletromagnético, que é montado no eixo do compressor. Quando o compressor está funcionando, o movimento do

Quando o compressor está funcionando, o movimento do pistão na fase de aspiração abre as válvulas de sucção tipo palheta e o fluido em estado gasoso é sugado continuamente, passando através do evaporador. Assim, é mantida a pressão baixa neste lado do sistema.

Assim, é mantida a pressão baixa neste lado do sistema. Na fase de compressão, o fluido

Na fase de compressão, o fluido é comprimido e são abertas as válvulas de descarga.

baixa neste lado do sistema. Na fase de compressão, o fluido é comprimido e são abertas

29

Climatizadores

A compressão provoca aumento de temperatura e, conseqüentemente, o aumento da pressão,

mantendo a pressão alta neste lado do sistema.

da pressão, mantendo a pressão alta neste lado do sistema. Uma dica: com um simples toque

Uma dica: com um simples toque podemos detectar qual é a saída de alta e qual a de baixa pressão. A tubulação de alta pressão fica muito mais quente que a de baixa pressão.

Condensador

fica muito mais quente que a de baixa pressão. Condensador É um trocador de calor, montado

É um trocador de calor, montado na frente do radiador, na parte frontal do veículo.

a de baixa pressão. Condensador É um trocador de calor, montado na frente do radiador, na

30

Climatizadores

Sua função é fazer com que o refrigerante em estado gasoso passe ao estado líquido a uma temperatura aproximada de 60°C, cedendo calor para o exterior.

aproximada de 60°C, cedendo calor para o exterior. É composto por tubos de cobre ou alumínio

É composto por tubos de cobre ou alumínio formando serpentinas, com aletas de alumínio para aumentar a superfície de troca de calor.

10 a 20 bar 80 a 100°C 10 a 20 bar 50 a 60°C
10 a 20 bar
80 a 100°C
10 a 20 bar
50 a 60°C

As aletas do condensador são refrigeradas pelo fluxo do ar gerado quando o veículo está em movimento, ou pelo eletroventilador do radiador, se o veículo estiver parado ou em um conges- tionamento.

está em movimento, ou pelo eletroventilador do radiador, se o veículo estiver parado ou em um

31

Climatizadores

Uma troca térmica insuficiente no condensador poderá causar aumento na pressão do sistema, além da condensação incompleta do fluido. Se o fluido estiver com temperatura e pressão supe- riores às de condensação, tenderá a sair antes de estar totalmente líquido.

tenderá a sair antes de estar totalmente líquido. A fim de evitar que isso ocorra, o

A fim de evitar que isso ocorra, o eletroventilador é acionado pelo 2º nível do pressostato de três níveis. Assim, a temperatura do fluido diminui e, conseqüentemente, sua pressão também.

fluido diminui e, conseqüentemente, sua pressão também. Caso o fluido chegue à válvula de expansão ainda

Caso o fluido chegue à válvula de expansão ainda no estado gasoso, haverá redução da ca- pacidade de refrigeração do sistema. Por este motivo, deve-se manter as aletas do condensador sempre limpas e sem deformações, para conseguir eficiência máxima.

motivo, deve-se manter as aletas do condensador sempre limpas e sem deformações, para conseguir eficiência máxima.

32

Climatizadores

Filtro acumulador secador

Tem três diferentes funções. A primeira é acumular uma grande parte do fluido refrigerante utili- zado no abastecimento do sistema, funcionando como um tanque de reserva.

do sistema, funcionando como um tanque de reserva. Também atua como secador, pois tem em seu
do sistema, funcionando como um tanque de reserva. Também atua como secador, pois tem em seu

Também atua como secador, pois tem em seu interior sílica gel para sistemas com Freon 12 ou Zeolite para sistemas com R-134a, que absorvem as partículas de água, evitando que congelem na entrada da válvula de expansão, o que prejudicaria o funcionamento do sistema.

de expansão, o que prejudicaria o funcionamento do sistema. Eventuais partículas sólidas contidas no sistema são

Eventuais partículas sólidas contidas no sistema são retiradas pelas camadas filtrantes. No topo do filtro há um visor, para inspeção do estado do refrigerante do sistema. O filtro acumulador secador pode ser montado antes ou depois do evaporador. Se for montado após o evaporador, o mesmo funcionará apenas como filtro e secador.

antes ou depois do evaporador. Se for montado após o evaporador, o mesmo funcionará apenas como

33

Climatizadores

Válvula de expansão

É montada na entrada do evaporador e regula o fluxo e a expansão do fluido, provocando uma pulverização parcial e uma forte queda em sua pressão e temperatura, antes que entre no evapo- rador.

do evaporador

para o evaporador

que entre no evapo- rador. do evaporador para o evaporador saída do fluido entrada do fluido

saída do fluido

entrada do fluido

O compressor é acoplado ao motor térmico, que sofre variações constantes nas suas rotações. Por isso, a válvula necessita de uma regulagem automática da vazão do fluido que vai para o evaporador, para que estabilize o sistema contra essas variações.

para que estabilize o sistema contra essas variações. Nos sistemas que utilizam o fluido R-12, a

Nos sistemas que utilizam o fluido R-12, a regulagem é feita por um tubo capilar ligado à válvula e com a extremidade ligada nas proximidades do evaporador; e nos que usam o R-134a, por um bulbo sensível, o qual monitora a temperatura da tubulação de retorno do evaporador. Estes elementos percebem variações na temperatura e controlam a abertura da válvula, aumentando ou diminuindo a vazão do fluido.

tubo capilar

da válvula, aumentando ou diminuindo a vazão do fluido. tubo capilar saída (baixa pressão) 34 entrada

saída (baixa pressão)

34

entrada (alta pressão)

Climatizadores

Há, em alguns veículos, sistemas condicionadores que utilizam no lugar da válvula de expansão o tubo expansor.

utilizam no lugar da válvula de expansão o tubo expansor. O tubo expansor possui a mesma

O tubo expansor possui a mesma função da válvula, porém não é sensível às variações de tem- peratura do evaporador. Portanto, sua vazão é fixa.

tem- peratura do evaporador. Portanto, sua vazão é fixa. Evaporador Está localizado na caixa de ar,

Evaporador

Está localizado na caixa de ar, com o eletroventilador de climatização. Ambos fazem parte do chamado grupo condicionador, junto com os comandos para regulagem do sistema.

de climatização. Ambos fazem parte do chamado grupo condicionador, junto com os comandos para regulagem do

35

Climatizadores

É o segundo trocador de calor do sistema, composto de tubos de cobre em forma de serpentinas

e aletas de alumínio para aumentar a área de troca de calor. Está ligado à válvula de expansão, por meio dos tubos de entrada e saída.

2,5 a 3 bar -10 a -15ºC 2,5 a 3 bar 6 a 12ºC
2,5 a 3 bar
-10 a -15ºC
2,5 a 3 bar
6 a 12ºC

O eletroventilador aspira o ar do habitáculo ou o externo e sopra esse ar em direção às aletas

do evaporador. No evaporador estará circulando o fluido refrigerante, com uma temperatura mais baixa que a do ar aspirado.

O fluido se aquece e passa do estado líquido ao gasoso, com temperatura entre 6 e 12°C. As-

sim, o ar aspirado cede calor ao evaporador, tornando-se mais frio, além de perder umidade.

entre 6 e 12°C. As- sim, o ar aspirado cede calor ao evaporador, tornando-se mais frio,

36

Climatizadores

Essa umidade torna-se líquida em contato com as aletas frias do evaporador, escoa para o fundo da caixa de ar e é levada para fora do veículo através de uma mangueira.

e é levada para fora do veículo através de uma mangueira. Pressostato de três níveis Está

Pressostato de três níveis

Está localizado junto ao filtro secador, na linha de alta pressão. Tem a função de proteger o compressor e manter as pressões dentro da faixa de trabalho.

Contato A: corresponde ao 2º nível

Contato B: corresponde ao 1º e 3º níveis

Assim atuam os contatos:

1 23 4 B A
1
23
4
B
A

1º nível - se a pressão do fluido, no lado de alta pressão, cair a um valor abaixo de 2,5 bar (35,6 psi) aproximadamente, o contato desliga a bobina eletromagnética do compressor. Isso pode acontecer em caso de vazamentos ou se a temperatura externa estiver abaixo de 10°C. Nesse caso não haveria a evaporação do fluido.

de vazamentos ou se a temperatura externa estiver abaixo de 10°C. Nesse caso não haveria a

37

Climatizadores

2º nível - fecha o contato ligando o eletroventilador para resfriar o condensador quando a pres- são atinge 15 bar (213,5 psi) aproximadamente. Ocorre quando o fluxo de ar é insuficiente, com o veículo parado ou em congestionamento, tornando necessária a ventilação forçada para

o fluido se condensar.

a ventilação forçada para o fluido se condensar. 3º nível - se a pressão do fluido,

3º nível - se a pressão do fluido, no lado de alta pressão, subir a um valor acima de 25 bar

(356 psi) aproximadamente, mesmo com o eletroventilador ligado ou em caso de defeito deste,

a embreagem eletromagnética do compressor é desligada.

a embreagem eletromagnética do compressor é desligada. Sensor de pressão linear 38 Atua como o pressostato,

Sensor de pressão linear

do compressor é desligada. Sensor de pressão linear 38 Atua como o pressostato, porém, em vez

38

Atua como o pressostato, porém, em vez de abrir e fechar contatos, o sensor envia sinais elétricos lineares para ECM, e esta por sua vez comanda o acionamento do eletroventilador e da embreagem eletromagnética do compressor, proporcionando a mesma lógica de funcionamento que o pressostato.

Climatizadores

Termostato e pressostato anticongelamento

Em alguns veículos, como o Palio e o Ducato, o sistema condicionador de ar utiliza um termosta-

to anticongelamento. Nesse caso o termostato é fixado na saída do evaporador, na caixa de
to
anticongelamento. Nesse caso o termostato é fixado na saída do evaporador, na caixa de ar.
O
termostato tem a função de desligar a embreagem eletromagnética do compressor, através

da abertura de seu contato quando a temperatura no evaporador estiver muito baixa, a fim de evitar que a umidade condensada nas aletas do evaporador se congele, obstruindo a passagem do ar para o habitáculo. Um capilar ou um sensor eletrônico é ligado ao termostato e inserido no evaporador para sentir as variações de temperatura.

no evaporador para sentir as variações de temperatura. Para o Palio, a temperatura para a qual

Para o Palio, a temperatura para a qual o contato abre é de aproximadamente 3,5°C, o que cor- responde a uma pressão próxima de 1,72 bar. Com o compressor desligado, o fluxo do fluido pára e o evaporador cessa o resfriamento. Então, a temperatura sobe e o contato volta a fechar quando os valores atingirem 5°C (3,17 bar ou 45,2 psi) aproximadamente.

a temperatura sobe e o contato volta a fechar quando os valores atingirem 5°C (3,17 bar

39

Climatizadores

Há veículos, como o Tempra por exemplo, que utilizam pressostato anticongelamento no sistema. Este é instalado na linha de baixa pressão, na saída do evaporador, e ligado eletricamente em série com o 1º e 3º níveis do pressostato de 3 níveis. Se a temperatura do fluido ficar próxima à de formação de névoa, o pressostato abre seu contato e interrompe a alimentação da embrea- gem eletromagnética do compressor, cortando o ciclo por alguns instantes.

do compressor, cortando o ciclo por alguns instantes. Central de comando auxiliar Cabe ao usuário controlar

Central de comando auxiliar

Cabe ao usuário controlar a climatização do veículo. Através de seus comandos, inicia ou cessa o funcionamento do compressor. Porém, ativar o eletroventilador para resfriar o condensador e inserir a embreagem eletromagnética do compressor em algumas situações típicas do sistema, não dependem do usuário. Um sistema auxiliar controla estas funções em alguns veículos. A escolha da central é feita de acordo com a motorização do veículo.

controla estas funções em alguns veículos. A escolha da central é feita de acordo com a

40

Climatizadores

Alguns componentes do sistema de climatização com relação às funções de comando da central:

A. Eletroventilador de resfriamento do condensador

B. Compressor

C. Central de comando auxiliar

D. Pressostato de três níveis

E. Interruptor termostático

F. Termostato/pressostato

E. Interruptor termostático F. Termostato/pressostato Em geral se compõem de 2 fusíveis de proteção e 4

Em geral se compõem de 2 fusíveis de proteção e 4 relés. Um dos relés serve para inserir a pri- meira velocidade do eletroventilador do condensador. Outro para inserir a segunda velocidade do eletroventilador do condensador. Um terceiro irá acionar a embreagem eletromagnética do compressor. Há ainda um relé temporizador que retarda o acionamento da segunda velocidade do eletroventilador do condensador.

Há ainda um relé temporizador que retarda o acionamento da segunda velocidade do eletroventilador do condensador.

41

Climatizadores

NOTA: em alguns veículos, existe também um outro relé auxiliar que também atua no acionamen- to da embreagem eletromagnética do compressor.

Nos veículos Palio estas funções são controladas por quatro relés, instalados em um suporte no vão do motor, que realizam as mesmas funções citadas acima.

do motor, que realizam as mesmas funções citadas acima. Relé temporizador Tem função de comandar o

Relé temporizador

Tem função de comandar o funcionamento do eletroventilador do condensador.

O comando do relé temporizador é feito pelo contato “A” do pressostato de três níveis, que corresponde ao 2º nível.

Quando a pressão do fluido chegar a valores entre 14 e 16 bar (199 a 228 psi) na saída do condensador, o contato do 2º nível do pressostato de 3 níveis se fecha, e energiza com um sinal de massa o relé temporizador através do terminal “P”.

pressostato de 3 níveis se fecha, e energiza com um sinal de massa o relé temporizador

42

Climatizadores

O relé envia o sinal pelo terminal “30” à bobina do relé da primeira velocidade do eletroventila- dor do condensador, colocando-o em funcionamento.

Caso a pressão do fluido não caia a 12 bar (171 psi) após 8 a 12 segundos, o relé envia um sinal pelo terminal “86”, que vai à bobina do relé da segunda velocidade do eletroventilador, colocando-o em funcionamento.

Logo que a pressão do fluido cai a 12 bar (171 psi) aproximadamente, o segundo nível do pres- sostato de 3 níveis se abre, desenergizando o relé temporizador, que após 0,01 a 1 segundo desenergiza o eletroventilador.

v

P 30 I 86 II 8÷12 s t1 t2 0,01÷ 1 s
P
30
I
86
II
8÷12
s
t1
t2 0,01÷ 1 s
v P 85 87 85 30 87 86 86 30 P
v
P
85
87
85
30
87 86
86
30
P

43

Climatizadores

Inter-relação com injeção/ignição eletrônica

Quando o condicionador de ar é colocado em funcionamento, o motor perde potência, diminuin- do o número de rotações, principalmente em marcha lenta, devido à entrada do compressor no sistema.

em marcha lenta, devido à entrada do compressor no sistema. A central de injeção/ignição recebe um

A central de injeção/ignição recebe um sinal informando que o condicionador foi ativado e faz aumentar o número de rotações em marcha lenta, antes que o compressor seja inserido. No caso de aumento na demanda de potência do motor, ou queda de rotações de marcha lenta abaixo de um limite, a central atua interrompendo o funcionamento do compressor.

ou queda de rotações de marcha lenta abaixo de um limite, a central atua interrompendo o

44

Climatizadores

Funcionamento do condicionador

Aqui descreveremos o funcionamento do condicionador do Palio, que utiliza o fluido refrigerante R-134a. Iniciando o ciclo, o compressor abre as válvulas de sucção e aspira o fluido em estado gasoso para o interior do cilindro. Então as válvulas se fecham e é iniciada a compressão.

Quando comprimido, o fluido sofre um rápido aumento de pressão e temperatura, que chega a cerca de 80 a 100°C. As válvulas de descarga se abrem e o fluido é impulsionado para dentro do condensador, com pressão e temperatura altas. Ali será resfriado, até aproximadamente 60°C, passando ao estado líquido e cedendo calor para o ambiente.

11 c 14 9 10 8 6 13 5 12 7 2 1 3 4
11
c
14
9
10
8
6
13
5
12
7
2
1
3
4
a
b

Circuito de baixa pressão11 c 14 9 10 8 6 13 5 12 7 2 1 3 4 a

Circuito de alta pressão6 13 5 12 7 2 1 3 4 a b Circuito de baixa pressão a)

a) Fluxo de ar dinâmico que atravessa a grade dianteira e passa nas aletas do condensador e do radiador quando o veículo está em movimento.

b) Fluxo de ar criado pelo eletroventilador (5) quando o veículo está parado ou em movimento num congestionamento.

c) Fluxo de ar criado pelo eletroventilador (11) que passa nas aletas do evaporador.

45

Climatizadores

1. Compressor

2. Polia com a bobina eletromagnética

3. Tubulação de ligação do compressor ao condensador

4. Condensador

5. Eletroventilador de arrefecimento do radiador e do condensador

6. Tubulação de ligação do condensador ao filtro secador

7. Filtro secador

8. Tubulação de ligação do filtro secador ao evaporador

9. Válvula de expansão

10. Evaporador

11. Eletroventilador do evaporador (na caixa de ar)

12. Tubulação de ligação do evaporador ao compressor

13. Pressostato de 3 níveis

14. Termostato anticongelamento

Na saída do condensador o fluido passa pelo filtro acumulador secador, onde é desumidificado e filtrado. Após ser liquefeito e comprimido, vai até a válvula de expansão. Esta irá regular a ex- pansão do fluido, provocando queda de pressão e temperatura, que chega até -15°C. O fluido então entra no evaporador, que estará sendo atravessado pelo fluxo de ar que vem do interior do habitáculo (ou externo), enviado pelo eletroventilador do evaporador. O fluido absorve calor desse fluxo de ar, aquecendo-se até uma temperatura entre 6 a 12°C, quando então se evapora. O ar cedeu calor ao fluido, tornando-se mais frio. Além disso, se condensa em contato com as aletas do evaporador, perdendo umidade. Agora o fluido que sai do evaporador, frio e a baixa pressão, vai ser aspirado pelo compressor. Então, começa um novo ciclo.

46

Climatizadores

Operações com fluido refrigerante R-134a

Quando necessário fazer a descarga do fluido R-134a (procedimento de absorção e purifica- ção), deve-se desapertar os tampões das válvulas de serviço de engate rápido e conectar nestas válvulas as mangueiras de alta pressão (high) e baixa pressão (low).

mangueiras de alta pressão (high) e baixa pressão (low). Então comece o procedimento de descarga, de

Então comece o procedimento de descarga, de acordo com as instruções do manual de utiliza- ção do equipamento próprio, o CLEANER 134.

de utiliza- ção do equipamento próprio, o CLEANER 134. Respeite as normas de segurança, trabalhando longe

Respeite as normas de segurança, trabalhando longe do fogo e em local arejado. Use luvas de couro, uma vez que o fluido chega a -26,5°C e pode causar queimaduras. Proteja os olhos e utilize somente equipamento de descarga apropriado.

chega a -26,5°C e pode causar queimaduras. Proteja os olhos e utilize somente equipamento de descarga

47

Climatizadores

Antes de recarregar o sistema ou após a manutenção, deve ser feito o procedimento de vácuo. Conecte as mangueiras de alta e baixa pressão nas respectivas válvulas de engate rápido e inicie o procedimento, seguindo as instruções do manual de utilização do equipamento. Depois do procedimento de vácuo, recarregue o sistema com fluido R-134a, na quantidade prevista nos “Dados Técnicos do Veículo” e seguindo as instruções do manual.

do Veículo” e seguindo as instruções do manual. Ao manusear os bujões de metal contendo R-134a,

Ao manusear os bujões de metal contendo R-134a, é necessário ter alguns cuidados. Não expo- nha os bujões ao sol por muito tempo, para não aumentar a pressão interna.

Não vire o bujão para transferir fluido. Se nos meses frios for difícil passá-lo do bujão para a estação de carga, por causa de sua baixa pressão, leve-o a um local aquecido a 35°C no máxi- mo, por 20 minutos. Nunca use fogo.

a 35°C no máxi- mo, por 20 minutos. Nunca use fogo. Para procurar vazamentos no sistema,

Para procurar vazamentos no sistema, coloque uma carga de aproximadamente 200 g de R 134a. Usando o aparelho caça-fugas (nº A-60205/1), siga o circuito das mangueiras, tubu- lações e conexões do sistema. Após localizar o ponto de vazamento, descarregue o fluido e corrija o problema. Também é possível verificar se há vazamentos pelo procedimento de vácuo. Depois do procedimento, desligue as chaves de controle e feche todos os registros. Apenas serão usados os manômetros de alta e baixa pressão.

as chaves de controle e feche todos os registros. Apenas serão usados os manômetros de alta

48

Climatizadores

Nessa condição, os manômetros devem marcar um valor constante de depressão. Se a pressão estiver aumentando, existe vazamento. Verifique cuidadosamente o sistema para localizar o local de vazamento.

o sistema para localizar o local de vazamento. Quando a descarga é feita com o CLEANER

Quando a descarga é feita com o CLEANER 134, o óleo vai para o recipiente específico (A) e será escoado pelo registro (B), do próprio equipamento. Complete o sistema com a quantidade de óleo retirada do veículo usando a bomba de recuperação de óleo que o acompanha.

usando a bomba de recuperação de óleo que o acompanha. Se for necessário substituir os componentes

Se for necessário substituir os componentes do sistema, acrescente as quantidades de óleo reco- mendadas para cada componente substituído.

Componente

Quantidade

Filtro secador

15

cm 3 (ml)

Tubulações

5 cm 3 /m (ml/m)

Evaporador

40

cm 3 (ml)

Condensador

40

cm 3 (ml)

49

Climatizadores

Para substituir o compressor, que já vem com a quantidade de óleo necessária, remova a mesma quantidade que ficou no sistema. Recupere o óleo retirado em um recipiente adequado (A). Colo- que o óleo do novo compressor em outro recipiente (B).

Coloque no compressor novo a mesma quantidade retirada do velho.

Depois monte o compressor no veículo.

retirada do velho. Depois monte o compressor no veículo. Se o óleo extraído do compressor substituído

Se o óleo extraído do compressor substituído não chegar a 70 ml, coloque no compressor novo 50 ml de óleo e instale-o no veículo. Faça os procedimentos de vácuo e recarga. Depois coloque o veículo para funcionar entre 800 e 1200 rpm com o compressor ligado.

para funcionar entre 800 e 1200 rpm com o compressor ligado. Então, descarregue o fluido, retire

Então, descarregue o fluido, retire o compressor e verifique a quantidade do óleo. Se necessá- rio, completar o óleo conforme tabela ao lado. Refazer os procedimentos de vácuo e recarga de sistema.

Quantidade coletada

Quantidade a colocar

mais de 70 ml

70

ml

menos de 70 ml

90

ml

50

Climatizadores

Caso necessite fazer uma descarga rápida do sistema, complete com 50 ml de óleo. Este proce- dimento é feito em caso de quebras acidentais, quando fica impossível saber a exata quantidade de óleo vazado.

fica impossível saber a exata quantidade de óleo vazado. O sistema deve ser lavado cuidadosamente, em

O sistema deve ser lavado cuidadosamente, em caso de danos, quebra do compressor ou outros componentes, ou ainda se as tubulações ficarem abertas por mais de 6 horas durante uma revi- são.

ficarem abertas por mais de 6 horas durante uma revi- são. Usando o CLEANER 134, abasteça

Usando o CLEANER 134, abasteça o sistema com a quantidade de fluido indicada para recarga pelo lado de alta pressão. Depois, faça sua recuperação, carregue-o novamente com o fluido e recupere-o como foi feito anteriormente.

Depois, faça sua recuperação, carregue-o novamente com o fluido e recupere-o como foi feito anteriormente. 51

51

Climatizadores

Após a lavagem, substitua o filtro secador e faça os procedimentos de vácuo e recarga do siste- ma.

e faça os procedimentos de vácuo e recarga do siste- ma. Para controlar as pressões do

Para controlar as pressões do condicionador, use a estação de recarga, com o veículo ligado com rotação em torno de 1500 rpm e temperatura externa entre 20 e 28°C.

O manômetro do circuito de baixa pressão deverá indicar de 1,5 a 3,0 bar (21 a 43 psi) e o

manômetro de alta pressão, deverá indicar de 11 a 16 bar (156 a 228 psi).

pressão, deverá indicar de 11 a 16 bar (156 a 228 psi). O eletroventilador do radiador/condensador

O eletroventilador do radiador/condensador é ativado com pressão próxima a 16 bar (228 psi)

e desativado a aproximadamente 11 bar (156 psi). Quando utilizar o CLEANER 134, deve-se tomar algumas precauções de segurança.

1º. Para introduzir o fluido no CLEANER não vire o bujão, para que o aparelho não aspire fluido em estado líquido. Em casos extremos poderá ocorrer “calço hidráulico” no compressor.

não aspire fluido em estado líquido. Em casos extremos poderá ocorrer “calço hidráulico” no compressor. 52

52

Climatizadores

2º. Antes dos procedimentos de absorção e purificação (descarga) deixe o veículo funcionar por mais ou menos 10 minutos, para aquecer o vão do motor. Assim, a temperatura das tubulações também aumentará, o que proporcionará um aumento da pressão do fluido refrigerante, favore- cendo a absorção do mesmo, devido ao aumento da diferença de pressão.

do mesmo, devido ao aumento da diferença de pressão. 3º - A operação de “limpeza e

3º - A operação de “limpeza e substituição dos filtros” deve ser realizada antes e depois da operação de “absorção e purificação”, assim como o esvaziamento do recipiente recuperador de óleo.

como o esvaziamento do recipiente recuperador de óleo. 4º. Observe a relação entre pressão e quantidade

4º. Observe a relação entre pressão e quantidade de fluido R-134a existente no cilindro dosa- dor. Essa quantidade é indicada numa escala inscrita no cilindro, em que cada valor correspon- de a uma determinada pressão, dada no manômetro.

53
53

manômetro

escala

cilindro dosador

Climatizadores

5º. Atuando no termostato do cilindro, selecione a temperatura que forneça a pressão desejada, usando como referência as escalas de pressão e temperatura dos manômetros do CLEANER.

de pressão e temperatura dos manômetros do CLEANER. No caso de sistemas que utilizam o gás

No caso de sistemas que utilizam o gás R-12, lembre-se que os procedimentos de descarga, vácuo e recarga são específicos.

54

Climatizadores

Verificação do sistema com manômetros (R-134a)

Sistemas de condicionamento que utilizam o fluido R-134a poderão ser verificados por meio do uso de manômetros, a fim de detectar problemas ou falhas. Para iniciar a verificação, o veículo deverá estar ligado e dentro das condições previstas para o rastreamento com manômetros.

condições previstas para o rastreamento com manômetros. Com funcionamento normal e compressor desligado por longo

Com funcionamento normal e compressor desligado por longo tempo, ambos os manômetros deverão marcar entre 5 e 6 bar (71 a 85 psi). Com o compressor ligado, o manômetro de baixa pressão deverá marcar 1,5 a 3 bar (21 a 43 psi) e o de alta pressão deverá indicar 11 a 16 bar (156 a 228 psi).

alta pressão deverá indicar 11 a 16 bar (156 a 228 psi). Quando entra umidade, por

Quando entra umidade, por causa de saturação do dessecante do filtro secador, o sistema interrompe o ciclo e depois volta a funcionar. O manômetro de baixa pressão indica vácuo e, às vezes, pressão normal.

o ciclo e depois volta a funcionar. O manômetro de baixa pressão indica vácuo e, às

55

Climatizadores

Caso falte fluido refrigerante, os dois manômetros marcarão pressão baixa e aparecerão bolhas no visor do filtro secador.

baixa e aparecerão bolhas no visor do filtro secador. Quando houver pouca circulação do fluido, o

Quando houver pouca circulação do fluido, o resfriamento ficará deficiente. Os manômetros marcarão pressão abaixo do normal e poderá ser visto gelo ou condensação próxima ao filtro secador ou na válvula de expansão.

próxima ao filtro secador ou na válvula de expansão. Com ausência de circulação do refrigerante, o

Com ausência de circulação do refrigerante, o sistema não refrigera na maioria dos casos. O manômetro do lado de baixa pressão indica vácuo e o do lado de alta marca pressão muito baixa. Pode-se ver condensação ou gelo antes ou depois do filtro secador ou da válvula de expansão.

pressão muito baixa. Pode-se ver condensação ou gelo antes ou depois do filtro secador ou da

56

Climatizadores

Com excesso de fluido ou deficiência na troca de calor com o condensador, o sistema não refrigera normalmente. Os dois manômetros indicam pressão muito alta e, com baixa rotação do motor, não se vêem bolhas de ar no visor do filtro secador.

não se vêem bolhas de ar no visor do filtro secador. Com presença de ar no

Com presença de ar no sistema, os dois manômetros indicam pressão muito alta, os tubos do lado de baixa pressão se aquecem e aparecem bolhas no visor do filtro secador.

se aquecem e aparecem bolhas no visor do filtro secador. Se a válvula de expansão estiver

Se a válvula de expansão estiver montada de maneira incorreta ou se o tubo expansor apresen- tar defeito, irá aparecer gelo ou condensação sobre os tubos de baixa pressão e os dois manô- metros marcarão uma pressão muito alta.

gelo ou condensação sobre os tubos de baixa pressão e os dois manô- metros marcarão uma

57

Climatizadores

Quando há deficiência no compressor, o sistema não refrigera. O manômetro de baixa acusa pressão muito alta e o manômetro de alta pressão acusa pressão muito baixa.

refrigera. O manômetro de baixa acusa pressão muito alta e o manômetro de alta pressão acusa

58

Climatizadores

Dicas importantes

Dicas importantes para utilização do aparelho de descarga/carga de fluido refrige- rante cleaner 134

1. Na operação “aspiração do recipiente”, nunca vire o bujão do fluido refrigerante para

introduzi-lo no CLEANER, pois o fluido poderia ser absorvido no estado líquido e danificar o compressor interno do CLEANER.

líquido e danificar o compressor interno do CLEANER. 2. Antes da operação “absorção e purificação” em

2. Antes da operação “absorção e purificação” em um veículo, caso a temperatura ambiente

esteja baixa, deixe o veículo funcionar em regime de marcha lenta por aproximadamente 10 minutos. Assim, a temperatura do vão motor ficará mais elevada, elevando também a temperatu- ra e a pressão da instalação do sistema de condicionamento do ar. Este aumento de pressão irá facilitar o fluxo de fluido refrigerante do veículo para o CLEANER (maior diferença de pressão), diminuindo o tempo da operação.

diferença de pressão), diminuindo o tempo da operação. 3. Escoe todo o óleo existente no reservatório

3. Escoe todo o óleo existente no reservatório do CLEANER. Desta maneira, após a realização

da operação, ficará armazenado no reservatório de óleo do CLEANER, apenas o óleo retirado do veículo, cuja quantidade deverá ser recolocada no veículo antes do procedimento “abasteci- mento do aparelho”.

veículo, cuja quantidade deverá ser recolocada no veículo antes do procedimento “abasteci- mento do aparelho”. 59

59

Climatizadores

Obs.: para retirar o óleo do reservatório do CLEANER, deve-se despressurizar o aparelho. Para isto, realize a operação “absorção e purificação” com os registros das mangueiras de alta e baixa pressão fechados, até que os manômetros indiquem uma pressão em torno de 0 bar, o que é confirmado com o desligamento do compressor do aparelho.

Observe a relação entre a pressão e a quantidade de fluido no cilindro dosador, controlando o termostato do CLEANER, para se obter a pressão desejada e realizar uma leitura correta da quantidade de fluido do cilindro dosador. Para saber qual o valor da temperatura a ajustar no termostato, basta verificar na escala do cilindro dosador qual valor de pressão é associado ao mesmo e, em seguida, utilizar os manômetros, do CLEANER para relacionar a temperatura ne- cessária para se obter a referida pressão. Logo depois, atuar no termostato colocando a tempe- ratura desejada;

atuar no termostato colocando a tempe- ratura desejada; 4. Após a operação “absorção e purificação” no

4. Após a operação “absorção e purificação” no veículo, realize o procedimento “vácuo no aparelho”, por cerca de 30 minutos. Este procedimento somente poderá ser realizado se o siste- ma estiver despressurizado (manômetros com indicação em torno de 0 bar). Se o sistema estiver pressurizado, realize o procedimento de despressurização, através da operação “absorção e purificação”, com os registros das mangueiras de alta e baixa pressão fechados, até que os manômetros indiquem uma pressão em torno de 0 bar, o que se percebe com o desligamento do compressor do aparelho.

os manômetros indiquem uma pressão em torno de 0 bar, o que se percebe com o

60

Climatizadores

Após medir a quantidade de óleo retirada, retorne o óleo retirado do sistema através do apare- lho injetor de óleo. Para isto, realize o procedimento de “vácuo no aparelho”. Em seguida, abra lentamente o registro “OIL” do injetor de óleo até que seja enviada uma quantidade de óleo correspondente à retirada na operação “absorção e purificação”. Depois, feche o registro “OIL” do injetor de óleo. Lembre-se que o óleo recolocado deverá ser novo.

de óleo. Lembre-se que o óleo recolocado deverá ser novo. Em seguida, realize o procedimento de

Em seguida, realize o procedimento de “abastecimento do aparelho”, colocando no veículo a quantidade de fluido refrigerante prescrita.

procedimento de “abastecimento do aparelho”, colocando no veículo a quantidade de fluido refrigerante prescrita. 61

61

Climatizadores

5. Quando a quantidade de refrigerante absorvida for importante para análises e diagnósticos,

realize a operação “substituição dos filtros”, antes da operação “absorção e purificação”, ano- tando após a mesma a quantidade de fluido existente dentro do cilindro dosador (filtros vazios). Em seguida, realize a operação “absorção e purificação” (filtros retêm o fluido refrigerante) e depois novamente a operação “substituição dos filtros” (filtros vazios). Após esta última opera- ção, meça a quantidade de fluido existente no cilindro dosador. A quantidade real de fluido existente no veículo será a diferença entre as duas medidas realizadas anteriormente, com os filtros vazios.

medidas realizadas anteriormente, com os filtros vazios. Quantidade real = medida após 2ª substituição - medida

Quantidade real = medida após 2ª substituição - medida após 1ª substituição dos filtros

6. Para abastecer o injetor de óleo, realize o seguinte procedimento:

a) Despressurize o injetor de óleo.

Realize a operação “absorção e purificação”, com os registros das mangueiras de alta e baixa pressão fechados. Abra lentamente o registro “REF” do injetor de óleo, até que seu manômetro indique uma pressão em torno de 3 bar;

lentamente o registro “REF” do injetor de óleo, até que seu manômetro indique uma pressão em

62

Climatizadores

b) Abasteça, com óleo, o injetor de óleo.

Com as mangueiras do CLEANER desconectadas, realize a operação de “vácuo no aparelho”. Terminada a operação, conecte uma das extremidades da mangueira de sucção de óleo na par- te superior do injetor de óleo, e a outra num recipiente com o óleo a ser abastecido. Em seguida, abra lentamente o registro “REF” do injetor de óleo. Terminada a operação, retire a mangueira de sucção e feche bem o recipiente de óleo.

a mangueira de sucção e feche bem o recipiente de óleo. c) Pressurize o injetor de

c) Pressurize o injetor de óleo.

Realize a operação “abastecimento do aparelho”, com os registros das mangueiras de alta e baixa pressão fechados, até que o manômetro indicador de alta pressão indique uma pressão de aproximadamente 10 bar. Abra lentamente o registro “OIL” do injetor de óleo, até que seu manômetro indique uma pressão em torno de 7 bar. Terminada a operação, feche o registro “OIL” do injetor de óleo.

Operações do aparelho

em torno de 7 bar. Terminada a operação, feche o registro “OIL” do injetor de óleo.

Climatizadores

Esquemas elétricos do ar-condicionado manual

Climatizadores Esquemas elétricos do ar-condicionado manual 64

64

Climatizadores

Climatizadores 65

65

Climatizadores

Climatizadores 66

66

Climatizadores

Climatizadores 67

67

Climatizadores

Climatizadores 68

68

Climatizadores

Climatizadores 69

69

Climatizadores

Climatizadores 70

70

Climatizadores

Climatizadores 71

71

Climatizadores

Climatizadores 72

72

Climatizadores

Climatizadores 73

73

Climatizadores

Climatizadores Generalidades/Instrumentos de diagnose

Generalidades/Instrumentos de diagnose

Climatizadores

Climatizadores

História do ar-condicionado

Um dos mais importantes elementos da chamada vida moderna, com mais de um centenário:

o ar-condicionado. A invenção, que revolucionou o conceito de conforto ambiental, ao longo

desses cem primeiros anos incorporou e continua incorporando inúmeras inovações tecnológicas

e de aplicações e se projeta para fazer cada vez mais parte da vida das pessoas em todos os continentes.

A invenção do ar-condicionado tem um aspecto inusitado. Em 1902, o jovem engenheiro Willis

Carrier, então com 25 anos, analisando os problemas específicos de uma indústria gráfica de Nova York, em seus processos de impressão, inventou um processo mecânico para condiciona- mento de ar. A gráfica constantemente enfrentava problemas com a variação da qualidade de impressão nos dias quentes, em função da absorção de umidade pelo papel. Mais tarde, o in- vento se tornaria precursor de toda a indústria da climatização e controle do conforto ambiental.

Segundo dados do Ashrae Journal, de janeiro de 1993, o invento tornou-se público em 1904 na St. Louis Worldsfair. Na esteira do sucesso alcançado pelo engenheiro Carrier na solução do problema da gráfica, outras indústrias que também necessitavam controlar as condições ambien- tais apostaram na idéia, notadamente a indústria têxtil da época. Não tardou para que outros segmentos também passassem a adotar o condicionamento de ar, como indústrias de papel, laboratórios farmacêuticos e indústrias de fumo, por exemplo.

Só em 1914 o uso do controle do clima é usado para fins de conforto. Um equipamento de ar-condicionado foi usado pela primeira vez numa residência, no estado norte-americano de Minnesota. No mesmo ano foi instalado também o primeiro ar- condicionado num hospital em Pittsburgh. O sistema supria com umidade extra o berçário de bebês prematuros, contribuindo para reduzir a mortalidade infantil por desidratração e problemas respiratórios.

Assim, percebe-se como o invento iria contribuir decisivamente para a melhoria das condições de vida da Humanidade.

Os anos 20 foram marcantes na relação entre o mercado e o advento do ar-condicionado. Em 1922, o primeiro local público a ter um sistema de ar-condicionado foi o Grauman´s Metropoli- tan Teatre, em Los Angeles. Igualmente a indústria cinematográfica se beneficiou com o aumento da arrecadação das bilheterias: quanto mais conforto, mais público nas salas de cinemas. Nos anos 30, a Câmara dos Deputados e o Senado dos Estados Unidos, a exemplo dos escritórios da Casa Branca, instalam equipamentos de ar-condicionado. Todo esse impulso deu-se principal- mente graças à máquina de refrigeração centrífuga com uso do refrigerante “Dielene”, ambos criados pelo Engenheiro Carrier, em substituição à amônia. O maior entrave, entretanto, ainda era o tamanho das máquinas, que ocupavam muito espaço.

77

Climatizadores

Na área dos transportes, os vagões da ferrovia B&O são os primeiros a oferecer o conforto do ar-condicionado. Nessa mesma época, começa a tornar-se viável a introdução no mercado de equipamentos compactos destinados ao condicionamento de ar em comércios e residências, em função do uso de um novo gás refrigerante não inflamável, o freon, mais apropriado para uso em sistemas de menor capacidade, além de mais seguro e barato.

Ainda assim o custo do equipamento doméstico não era muito acessível, ficando quase que limi- tado ao uso em pequenos estabelecimentos comerciais. A adoção do ar-condicionado residen- cial só pôde ser disseminada, com mais ênfase, a partir dos anos 50, com a produção em série de unidades em formato de caixas de aço para instalações suspensas, os hoje considerados ultrapassados equipamentos do tipo “janela”. A partir daí começam também a ser produzidas em escala as centrais de ar- condicionado para residências, que passam a ganhar cada vez mais espaço.

Sistemas de refrigeração não utilizados para promover conforto tem seus estudos e patentes antes de 1750.

O

primeiro sistema automotivo foi testado em 1939.

O

primeiro veículo de montadora com ar-condicionado foi um Pontiac em 1954.

Sistema de condicionamento de ar por gelo

primeiro veículo de montadora com ar-condicionado foi um Pontiac em 1954. Sistema de condicionamento de ar

78

Climatizadores

Objetivo do ar-condicionado

O objetivo é proporcionar conforto térmico aos passageiros, através de:

• Controle da temperatura

• Controle da umidade

• Redução dos poluentes

Não só a temperatura, como a umidade relativa e o fluxo de ar influenciam diretamente na sensação de conforto.

Pode-se ter a mesma sensação de conforto térmico em diferentes temperaturas devido a diferen- tes umidades relativas.

Em locais onde a umidade relativa está alta, torna-se mais difícil a evaporação da sudorese das pessoas, dando uma sensação de “corpo melado” e quente devido a não evaporação da umida- de do corpo que também, é responsável por retirada de calor.

Por outro lado, em locais mais quentes com umidade relativa baixa podem propiciar maior con- forto térmico devido a retirada de calor do corpo durante a evaporação da sudorese do mesmo.

Além das cargas externas (temperatura ambiente, irradiação solar, calor do motor, o A/C deve retirar as próprias cargas que os passageiros dissipam para o ambiente.

Por exemplo:

A. 1 Pessoa dirigindo no trânsito de cidade ~ 190 W

B. 1 Pessoa dirigindo na estrada ~ 120W

Na próxima página pode-se observar a região de conforto humano.

79

Climatizadores

humanoconfortodeZona 120 125 130 135 140 145 0.36 35 40 45 50 55 0,033 Sistema
humanoconfortodeZona
120
125
130
135
140
145
0.36
35
40
45
50
55
0,033
Sistema métrico internacional
0,40
0,032
0,031
0,030
Carta Psicrométrica
0,45
0,029
30
0,028
0,027
Baseada na pressão barométrica de
0,026
0,50
0,025
101,325 KPg
Ao nível do mar
0,024
0,023
0,55
0,022
25
0,021
0,60
0,020
0,019
0,65
0,018
0,017
0,95
0,70
0,016
20
10505--10
0,015
0,75
0,014
0,80
0,013
0,85
0,012
0,90
15
25201510
0,011
0
9, 5
0,010
1
0, 0
0,009
10
0,008
0,007
40350325
5
0,006
0,005
0
0,004
secoarkg/kJsaturaçãonacificaespeEntalpia
- 5
0,003
115110105100959085087570656055504540
0,002
0,3-
0,001
°C(BU)saturaçãodeouúmidoBulbodeTemperatura
90%
0,000
- 10
-5
0
5
10
15
20
25
30
35
40
45
50
55
80%
0,4-
0 7, 5
0 8, 0
Temperatura do Bulbo sec
(BS) °Co
5 0,9080.
V lume específicoo
(m³/kg) de ar seco
70%
0,5-
60%
0,6-
50%
0,7-
,80-
40%
aivtaleredaidmU
0,9-
30%
1,0-
20%
,11-
21,-
%10
ocseargkJ/klpiaatnedeiosveD
secoarkgkg/ficaecíespdadeUni
)(
QS
sensívelalorcderFato
QT

80

Climatizadores

Pressão e temperatura de ebulição

Influência da pressão na temperatura de ebulição

A pressão exercida sobre o líquido influencia seu ponto de ebulição.

Quanto mais alta for a pressão, maior será o ponto de ebulição.

Exemplos de aplicação:

• Panela de pressão (água ferve ~ 120°C)

• Tampa de radiadores (água ferve ~ 125°C)

~ 120°C) • Tampa de radiadores (água ferve ~ 125°C) As mudanças de estados e alterações

As mudanças de estados e alterações de temperaturas:

1. Líquido antes de começar a ebulir é classificado como “sub-resfriado”. (ex.: água gelada na temperatura ambiente ganhando calor até antes de ferver) – Processo de alteração de temperatura

2. Quando o líquido começa a ebulir, está em processo de evaporação. (ex.: água fervendo)- Processo de mudança de estado – líquido para vapor – não altera a temperatura

3. Após totalmente evaporado (somente vapor), começa a aquecer – é classificado como superaquecido (ex. vapor de caldeira) - Processo de alteração de temperatura

4. Quando o vapor começa a esfriar antes de começar a condensar é classificado como desuperaquecido (ex.: vapor da caldeira resfriando) – Processo de alteração de temperatura

5. Quando começa a se condensar – está em processo de condensação (ex.: água formada no evaporador) - Processo de mudança de estado – vapor para líquido – não altera a temperatura

Correlação de unidades de pressão:

1 atm = 14,7 psi = 14,7 lbf/pol 2 = 1,01325 bar = 101,325 kPa = 760 mmHg = 1,033 kgf/cm 2 = 29,92 pol Hg

81

Climatizadores

Refrigeração

A refrigeração é possível graças às mudanças de estado do refrigerante, ora em estado líquido,

ora gasoso, ora uma mistura dos dois estados.

O refrigerante absorve calor ao mudar do estado líquido ao gasoso, processo chamado de

evaporação.

De modo inverso, ao passar do estado gasoso ao líquido, o refrigerante perde calor, processo chamado de condensação.

Os refrigerantes são fluidos de alto calor latente e baixo ponto de ebulição, ou seja, utilizam grande energia para a mudança de estado.

O

R134a entra em ebulição a -26,2°C sob a pressão atmosférica.

O

fenômeno da refrigeração está baseado nos processos de:

fenômeno da refrigeração está baseado nos processos de: Evaporação e absorção de calor Expansão Compressão

Evaporação e absorção de calor

Expansão

Compressão

Liberação de calor, condensação e sub-resfriamento

82

Climatizadores

Sistema de ar-condicionado automotivo

Conceitos do ar-condicionado e seus componentes

Componentes do ciclo refrigerante

Evaporador Condensador Filtro secador Componentes Compressor de A/C
Evaporador
Condensador
Filtro secador
Componentes
Compressor
de A/C

Válvula de expansão

Acumulador de sucção

Tubo de orifício

Localização dos componentes do sistema de A/C

Ventilador

de arrefecimento • Acumulador • Condensador de sucção secador • Mangueiras de água quente •
de arrefecimento
• Acumulador
• Condensador
de sucção secador
• Mangueiras de
água quente
• Evaporador
• Compressor
• Mangueiras de
ar-condicionado
• Painel de controle
• Dutos de
distribuição de ar
• Difusores de ar
• Aquecedor
Localizados na entrada de gás do evaporador
• Tubo de orifício
• Válvula de expansão
Normalmente no lado de fora da caixa
(comportamento do motor)

Radiador

Caixa de distribuição de ar + blower (vent.)

Reservatório

filtro secador

83

Climatizadores

Ciclo de A/C com válvula de expansão (TXV)

Climatizadores Ciclo de A/C com válvula de expansão (TXV) Vapor de alta pressão Líquido de alta

Vapor de alta pressãoClimatizadores Ciclo de A/C com válvula de expansão (TXV) Líquido de alta pressão Líquido + vapor

Líquido de alta pressãoA/C com válvula de expansão (TXV) Vapor de alta pressão Líquido + vapor de baixa pressão

Líquido + vapor de baixa pressão(TXV) Vapor de alta pressão Líquido de alta pressão Vapor de baixa pressão 1 Válvula de

Vapor de baixa pressãoLíquido de alta pressão Líquido + vapor de baixa pressão 1 Válvula de expansão 2 Evaporador

1 Válvula de expansão

2 Evaporador

3 Ventilador

4 Compressor

5 Condensador

6 Filtro secador/reservatório

Ciclo de ar-condicionado com tubo de orifício (OT)

4 Compressor 5 Condensador 6 Filtro secador/reservatório Ciclo de ar-condicionado com tubo de orifício (OT) 84

84

Climatizadores

HVAC - Modo aquecimento

A caixa de ar-condicionado é conhecida por HVAC (Heating Ventilation & Air Conditioning),

composta por evaporador, aquecedor e ventilador.

composta por evaporador, aquecedor e ventilador. HVAC - Modo A/C A caixa de ar-condicionado é conhecida

HVAC - Modo A/C

A caixa de ar-condicionado é conhecida por HVAC (Heating Ventilation & Air Conditioning),

composta por evaporador, aquecedor e ventilador, podendo ainda conter um filtro antipólen.

e ventilador, podendo ainda conter um filtro antipólen. Aquecedor O aquecedor é o responsável pelo aquecimento

Aquecedor

O aquecedor é o responsável pelo aquecimento do compartimento. Ele é posicionado após o

evaporador o que ajuda a reduzir a umidade relativa. Tornando o ar com maior potencial de absorção de umidade do compartimento.

Utilizando-se este ar quente, através de válvulas (flaps) comandados pelo painel de controle, faz-se a mistura com o ar que vem do evaporador, permitindo o ajuste de tempe-ratura do ar na saída dos difusores.

85

Climatizadores

O seu aquecimento é provido pelo sistema de arrefecimento do motor, através de uma derivação das mangueiras de água do sistema de arrefecimento.

Em alguns modelos, existem válvula de fechamento da água que passa pelo aquecedor, para garantir a máxima performance de ar-condicionado nas condições de verão.

performance de ar-condicionado nas condições de verão. Eletroventilador da caixa de ar Responsável pela

Eletroventilador da caixa de ar

Responsável pela movimentação do ar através do filtro, evaporador e aquecedor e, com o auxílio de dutos nas saídas da caixa, distribui-se o ar até os difusores, saídas para os pés, saída para o vidro, etc).

Eles têm diversas velocidades que são moduladas através de resistores (comandos mecânicos/ manuais) ou PWM (comando eletrônicos ECC).

mecânicos/ manuais) ou PWM (comando eletrônicos ECC). Ventilador de arrefecimento Normalmente, o ventilador de

Ventilador de arrefecimento

Normalmente, o ventilador de arrefecimento é montado no conjunto radiador/condensador.

Ele é o responsável no auxílio de troca de calor nos trocadores através da ventilação forçada.

Os maiores impactos dos ventiladores são nas baixas velocidades, onde a contribuição do vento frontal é muito pequena.

Normalmente eles têm mais de uma velocidade, as quais podem ser ajustadas por resistores ou por PWM´s.

86

Climatizadores

Existem diversos tipos de aplicações: “dual puller” , “single puller”, “pusher-puller” e, também diversos tipos de montagens: frontal (pusher), traseira (puller) e central – entre radiador e conden- sador (CMF – center mounted fan).

Existem também os chamados “visco fan”. Este é um ventilador acoplado diretamente ao eixo motor.

Ele possui uma embreagem que pode acoplar aumentando a velocidade da hélice ou apenas mantê-la deslizando a uma velocidade mínima. Esta embreagem é acionada mecanicamente através de termostato mecânico bimetálico espiral. Este termostato é acionado recebendo a tem- peratura do ar que sai do radiador.

recebendo a tem- peratura do ar que sai do radiador. Evaporador de placa O evaporador é

Evaporador de placa

O evaporador é o responsável pelo resfriamento do ar, através do fluxo que passa por sua col- méia, condicionando o compartimento do passageiro. Quando o ar resfria, perde calor (energia) para o gás refrigerante (mais frio que o ar) que passa por dentro do evaporador, evaporando o mesmo.

calor (energia) para o gás refrigerante (mais frio que o ar) que passa por dentro do

87

calor (energia) para o gás refrigerante (mais frio que o ar) que passa por dentro do

Climatizadores

Condensador de ar

O condensador é o responsável por rejeitar o calor (energia) absorvido no evaporador a energia absorvida no trabalho do compressor através da correia. Estes calores (energias) são transferidos para o ar (mais frio que o gás) que passa pelas aletas aquecendo o ar e resfriando e condensando o gás.

Existem opções de condensadores com filtro secador integrado.

Gás

Líquido

condensadores com filtro secador integrado. Gás Líquido Tipos construtivos de condensador: A) Brasado B) Serpentina

Tipos construtivos de condensador:

A) Brasado

B) Serpentina

C) Expandido mecanicamente (T&F)

D) Mecânico brasado

C) Expandido mecanicamente (T&F) D) Mecânico brasado Condensador brasado convencional. Filtro secador remoto
C) Expandido mecanicamente (T&F) D) Mecânico brasado Condensador brasado convencional. Filtro secador remoto
C) Expandido mecanicamente (T&F) D) Mecânico brasado Condensador brasado convencional. Filtro secador remoto

Condensador brasado convencional. Filtro secador remoto

Detalhe do tubo

Condensador brasa- do com filtro secador integrado

88

Climatizadores

Condensador

Condensador brasado convencional. Filtro secador remoto.

Filtro remoto

brasado convencional. Filtro secador remoto. Filtro remoto Condensador brasado com filtro secador integrado. Filtro

Condensador brasado com filtro secador integrado.

Filtro integrado
Filtro integrado
convencional. Filtro secador remoto. Filtro remoto Condensador brasado com filtro secador integrado. Filtro integrado 89

89

Climatizadores

Compressor

O compressor pode ser chamado de “coração” do sistema.

A função do compressor é a de comprimir o refrigerante, onde o mesmo succiona refrigerante

gasoso a baixa pressão, comprimindo-o em alta pressão.

A elevação da pressão é fundamental para o processo de expansão e refrigeração e também

para que possa ocorrer a rejeição de calor no condensador.

Compressor Harrisson Compressor Sanden Compressor Nippodenso Compressor Zexel
Compressor Harrisson
Compressor Sanden
Compressor Nippodenso
Compressor Zexel

Compressor - componentes

Pistão

Polia

Embreagem

eletromagnética

Acoplador Bobina Corpo do
Acoplador
Bobina
Corpo do

compressor

Placa oscilante

90

Climatizadores

Tipos de compressores

Conceito do mecanismo interno

Pistão Scroll - Espiral Rotary Vane - Rotativo

Capacidade volumétrica de bombeamento

Deslocamento FIXO Deslocamento VARIÁVEL

Acionamento

Através da Embreagem Eletromagnética (E/M) Clutchless - SEM embreagem eletromagnética

Compressor - mecanismo interno

Sistema a pistões

Pistões movimentados por uma placa oscilante (Swash Plate) ou articulada (Wobble Plate).

Swash Plate

Pistões movimentados por uma placa oscilante (Swash Plate) ou articulada (Wobble Plate). Swash Plate 91 Wobble

91

Wobble Plate

Pistões movimentados por uma placa oscilante (Swash Plate) ou articulada (Wobble Plate). Swash Plate 91 Wobble

Climatizadores

Compressor - componentes internos

Climatizadores Compressor - componentes internos Scroll - espiral rotativa Deslocamento volumétrico Deslocamento FIXO

Scroll - espiral rotativa

Deslocamento volumétrico

Deslocamento FIXO

espiral rotativa Deslocamento volumétrico Deslocamento FIXO Rotary Vane - pás rotativas - Após acionado, o compressor

Rotary Vane - pás rotativas

- Após acionado, o compressor trabalha na máxima capacidade de deslocamento volumétrico.

- Com a diminuição da carga térmica, o compressor é gerenciado por termostato ou pressostato, ligando-o ou desligando-o.

Deslocamento variável

- Após acionado, o compressor trabalha de maneira contínua, de acordo com a necessidade do sistema.

- Volume de compressão gerenciado por uma válvula de controle.

- Evita o choque liga/desliga (on/off chock).

- Otimiza a estabilidade da temperatura.

Fixo

de controle. - Evita o choque liga/desliga (on/off chock). - Otimiza a estabilidade da temperatura. Fixo

92

Variável

de controle. - Evita o choque liga/desliga (on/off chock). - Otimiza a estabilidade da temperatura. Fixo

Climatizadores

Compressor Delphi com deslocamento variável

Climatizadores Compressor Delphi com deslocamento variável Modulação do deslocamento volumétrico A modulação do

Modulação do deslocamento volumétrico

A modulação do deslocamento volumétrico depende da pressão interna do corpo do compres-

sor.

- Menor pressão interna significa maior deslocamento e maior refrigeração

- Maior pressão interna significa menor deslocamento e menor refrigeração

A variação da pressão interna é gerenciada pela válvula de controle que, através da leitura da

pressão de sucção do compressor, entende se a temperatura na saída do evaporador está alta ou baixa.

- Alta temperatura (alta pressão) na saída do evaporador significa demanda por refrigeração e, portanto, necessidade de aumento do deslocamento volumétrico

- Baixa temperatura (baixa pressão) na saída do evaporador significa diminuição do desloca- mento volumétrico do compressor

- A diminuição e o aumento do deslocamento do compressor são dados com a mudança de inclinação do prato giratório

93

Climatizadores

Válvula de controle

Aumentando o deslocamento do compressor

Válvula de controle Aumentando o deslocamento do compressor Se a temperatura do ar que passa pelo

Se a temperatura do ar que passa pelo evaporador aumenta (maior necessidade de refrigera- ção), a pressão na entrada do compressor (sucção) também aumenta.

O diafragma (3) contrai-se, a válvula (1) se fecha e libera a passagem (2) entre o interior do compressor (carcaça) e a sucção do compressor.

Assim a pressão da carcaça diminui, causando menor contrapressão nas traseiras dos pistões, permitindo que estes aumentem seus cursos e conseqüente aumento da capacidade do compres- sor.

94

Climatizadores

Reduzindo o deslocamento do compressor

Climatizadores Reduzindo o deslocamento do compressor Se a temperatura do ar que passa pelo evaporador diminui

Se a temperatura do ar que passa pelo evaporador diminui (menor necessidade de refrigera- ção), a pressão na entrada do compressor (sucção) também diminui.

O diafragma (3) expande-se e fecha a passagem (2) entre o interior do compressor (carcaça) e

a sucção do compressor. Por outro lado a válvula (1) se abre, permitindo a comunicação entre o interior do compressor e a descarga.

Assim a pressão da carcaça aumenta, causando maior contrapressão nas traseiras dos pistões, resistindo ao recuo dos pistões reduzindo o curso dos mesmos e conseqüente redução da capaci- dade do compressor.

Modulação do deslocamento volumétrico

O sistema de ar-condicionado contém uma determinada quantidade de óleo para lubrificar as

partes móveis dos compressores.

O óleo mistura-se com o refrigerante e este o arrasta ao longo do sistema através dos componen-

tes e mangueiras.

95

Climatizadores

As mangueiras e componentes devem ser dimensionados com velocidades mínimas de escoamen-

to do gás para que possa promover o retorno do óleo circulante no sistema para o compressor.

Cada modelo de compressor exige que seja retida uma certa quantidade mínima de óleo em seu interior para sua perfeita lubrificação.

“O óleo é desenvolvido para cada tipo de refrigerante e tipo de compressor, devendo-se sempre seguir a recomendação do fabricante. Caso contrário o compressor sofrerá danos permanentes, comprometendo sua durabilidade”.

danos permanentes, comprometendo sua durabilidade”. Válvula de expansão (TXV) A expansão do refrigerante

Válvula de expansão (TXV)

A expansão do refrigerante acontece nesse dispositivo.

Ao se expandir, o refrigerante líquido à alta pressão se transforma em mistura de líquido + vapor

à baixa pressão. Para a evaporação deste líquido restante, o refrigerante absorve energia do ar que passa pelo evaporador resfriando o mesmo e conseqüentemente reduzindo a temperatura do compartimento de passageiro. A válvula é também a responsável por garantir o superaquecimen-

to do gás e modular a quantidade de refrigerante no evaporador.

também a responsável por garantir o superaquecimen- to do gás e modular a quantidade de refrigerante
também a responsável por garantir o superaquecimen- to do gás e modular a quantidade de refrigerante

96

Climatizadores

Válvula TXV - Funcionamento

Além da expansão do gás a outra função importante é garantir o superaquecimento do fluido de gás, protegendo o compressor contra possibilidade de “golpes de líquido” e ainda ajustar o fluxo de refrigerante para o evaporador conforme a demanda requerida.

A TXV sente a temperatura do gás que vem do evaporador e ao mesmo tempo a pressão com

que este está passando pela válvula.

Com isto, o eixo de atuação do diafragma é levantado ou abaixado contra a mola de ajuste, fechando ou abrindo respectivamente, a passagem do líquido para o evaporador.

Esta variação de pressão e temperatura na saída da TXV é em função da carga térmica requeri- da. Se a temperatura do ar que passa pelo evaporador aumenta, também aumenta a temperatu- ra do gás que passa pela TXV, com isto há uma dilatação da cabeça da TXV empurrando o eixo de atuação para baixo e abrindo mais a TXV e permitindo ir mais gás para o evaporador.

De forma inversa ocorre o fechamento da TXV reduzindo o fluxo de gás no evaporador.

fechamento da TXV reduzindo o fluxo de gás no evaporador. Filtro secador O filtro secador desempenha

Filtro secador

O filtro secador desempenha as seguintes funções no sistema de ar-condicionado;

- Filtra impurezas

- Absorve a umidade remanescente no sistema

- Reserva refrigerante líquido

Ele garante que a TXV sempre seja alimentada com refrigerante na forma líquida.

97

Climatizadores

Ele armazena o excesso de refrigerante, quando a TXV reduz o fluxo de gás para o evapora- dor devido a redução de carga térmica, sem que esta carga seja acumulada no condensador, elevando a pressão do sistema.

De forma contrária, quando a TXV aumenta o fluxo de gás no evaporador, devido ao aumento de carga térmica, ele reduz seu volume de líquido armazenado, suprindo o evaporador com este aumento de demanda de gás e ainda garantindo líquido na entrava da TXV.

Ele é projetado para ter um volume mínimo que, mesmo nas condições de alta carga térmica (alto fluxo de gás no evaporador), ele garanta que a TXV seja alimentada somente com refri- gerante líquido. Com isto, ele balanceia a demanda de refrigerante em função da variação de carga térmica do sistema.

líquido. Com isto, ele balanceia a demanda de refrigerante em função da variação de carga térmica

98

Climatizadores

Tubo de orifício (OT)

Igualmente como na TXV, a expansão do refrigerante acontece nesse dispositivo.

Ao se expandir, o refrigerante líquido a alta pressão se transforma em mistura de líquido + vapor

a baixa pressão. Para a evaporação deste líquido restante, o refrigerante absorve energia do ar que passa pelo evaporador resfriando o mesmo e conseqüentemente reduzindo a temperatura do

compartimento de passageiros. Diferente da TXV, este dispositivo não garante o superaquecimen-

to do gás que retorna ao compressor. Necessita-se, neste caso, da utilização de um acumulador

de sucção como proteção do compressor contra possíveis “golpes de líquido”. Existe um limitado

controle de fluxo de refrigerante devido a ter orifício fixo. Seu controle de fluxo de refrigerante

é feito através da perda de carga ao longo de seu comprimento. Daí a necessidade de ser um

tubo e não apenas um orifício. Quando a demanda de carga aumenta, o volume de refrigerante reservado no acumulador é deslocado para o compressor, o qual o desloca para o condensador aumentando a pressão e o sub-resfriamento, desta forma, o refrigerante que entra no tubo de orifício só começa a ebulir no final deste, ocasionando menor perda de carga no tubo e por final permitindo maior fluxo de refrigerante para o evaporador. De forma contrária, quando a carga térmica diminui, aumenta novamente a reserva de refrigerante no acumulador e conseqüente re- dução do sub-resfriamento na entrada do tubo, fazendo com que o refrigerante comece a ebulir no início do tubo de orifício (aumentando o volume específico) e assim continuando ao longo dele, fazendo com que a perda de pressão aumente no tubo, reduzindo o fluxo de refrigerante para o evaporador.

tubo, reduzindo o fluxo de refrigerante para o evaporador. Acumulador de sucção O acumulador desempenha as

Acumulador de sucção

O acumulador desempenha as seguintes funções no sistema de ar-condicionado:

A. Dissecante – absorve a umidade do sistema

B. Acumula refrigerante líquido nas condições de baixa carga térmica, quando o evaporador reduz sua capacidade de evaporação do gás

C. Protege o compressor contra “golpes de líquido”

99

Climatizadores

Quando a temperatura do ar que passa pelo evaporador diminui com a redução da carga tér- mica, a capacidade de evaporação do gás também é reduzida. Assim, a quantidade de refrige- rante em forma líquida que sai do evaporador é aumentada. Nestas condições de baixa carga,

o refrigerante líquido se acumula no acumulador. Quando o refrigerante encontra a carcaça do acumulador, o mesmo perde velocidade devido às diferenças de áreas, fazendo decantar o

refrigerante líquido e parte do óleo, indo somente refrigerante na forma gasosa para o compres- sor. O pequeno furo na parte inferior do acumulador dosa o retorno de óleo e refrigerante para

o compressor, evitando assim falhas de lubrificação no mesmo. De forma contrária, quando a

carga térmica está alta, ele acumula o mínimo líquido possível, balanceando assim a demanda de refrigerante nas variações de carga térmica.

a demanda de refrigerante nas variações de carga térmica. Mangueiras e dutos de gás refrigerante Normalmente,
a demanda de refrigerante nas variações de carga térmica. Mangueiras e dutos de gás refrigerante Normalmente,

Mangueiras e dutos de gás refrigerante

Normalmente, os componentes são interligados com tubos de alumínio e mangueiras de borra-

cha. As partes solidárias que não requerem liberdade de movimento, normalmente são totalmen-

te em alumínio. Porém, quando necessitam de um certo grau de liberdade, devido às movimenta-

ções, como: de bloco motores (suspensos em coxins), “front end” com os trocadores normalmente presos por coxins, etc; são requeridas mangueiras. Além dos requisitos de vibração e ruído, elas devem prover velocidades mínimas suficientes de condução do gás, para que o óleo seja arrasta- do e retorne ao compressor. Por outro lado elas não podem proporcionar velocidades muito altas ao gás, para não ocasionarem altas perdas de pressão nas linhas, levando à redução de performance e aumento de consumo. Outros critérios são considerados para o dimensionamento estrutural, como pressão, etc.

Linhas em mangueira flexível Compressor Condensador Linhas em alumínio TXV Evaporador Filtro secador
Linhas em mangueira
flexível
Compressor
Condensador
Linhas em alumínio
TXV
Evaporador
Filtro secador

100

Climatizadores

Muflas

Muflas são atenuadores de ruídos, normalmente utilizadas em compressores tipo alternativos (pistão), com o objetivo de reduzir ruídos provenientes de pulsos de pressão.

São dimensionados em função da freqüência e amplitude do ruído.

Através de mudança brusca de geometria (aumento da secção transversal), atenua as pulsações provenientes do compressor.

Suas aplicações devem ser as mais próximas possíveis do compressor, o qual é a fonte geradora do mesmo.

Suas aplicações devem ser as mais próximas possíveis do compressor, o qual é a fonte geradora
Suas aplicações devem ser as mais próximas possíveis do compressor, o qual é a fonte geradora

101

Climatizadores

Componentes de vedação

Atualmente são dois os tipos básicos de vedação utilizados nas conexões ao longo do sistema de ar-condicionado.

O’rings:

São anéis de borracha em diferentes secções e diâmetros. Para aplicações com R134a são encontrados normalmente em materiais tipo HNBR, EDM e EPDM. Recomenda-se lubrificar os mesmos antes das montagens, evitando danos e facilitando a montagem.

das montagens, evitando danos e facilitando a montagem. Sealing Washer: São arruelas metálicas com insertos de

Sealing Washer:

São arruelas metálicas com insertos de borracha vulcanizada.

O assentamento do bloco de conexão é simples.

Não exigem “oleamento” na aplicação.

de borracha vulcanizada. O assentamento do bloco de conexão é simples. Não exigem “oleamento” na aplicação.

102

Climatizadores

Dispositivos de proteção contra congelamento

Termostato:

O termostato é um interruptor acoplado a um sensor térmico. Com o aumento ou redução da tem-

peratura no bulbo sensor, por onde passa o ar de saída do evaporador, ocorre uma dilatação ou contração, respectivamente, do gás no interior do bulbo sensor, pressionando um diafragma e conseqüentemente a chave eletro-mecânica que pode conectar ou desconectar os contatos. Quando a temperatura abaixa (aprox. 1,5°C – depende da montadora) os contatos se abrem e desligam a embreagem do compressor, protegendo o evaporador contra congelamento.

do compressor, protegendo o evaporador contra congelamento. Termistor: O termistor tem a mesma função do termostato,

Termistor:

O termistor tem a mesma função do termostato, porém seu elemento sensor é a variação da

resistência elétrica do sensor, com esta variação de resistência o sinal é amplificado podendo conectar ou desconectar os contatos do termistor.

podendo conectar ou desconectar os contatos do termistor. Pressostato de baixa: Da mesma forma que o

Pressostato de baixa:

Da mesma forma que o termostato, também tem a função de proteger o evaporador contra congelamento. Porém, a medição é de forma indireta, ou seja, em vez de medir a temperatura diretamente, mede a pressão referente à temperatura de evaporação. Quando a pressão diminui (temperatura diminui), o pressostato desliga a embreagem do compressor. São calibrados aproxi- madamente para desligar o compressor quando a pressão cair perto dos 1,4 bar e religar perto dos 2,8 bar (depende da montadora). Em sistema com acumulador, é comum vê-los instalados no corpo do acumulador.

dos 2,8 bar (depende da montadora). Em sistema com acumulador, é comum vê-los instalados no corpo

103

Climatizadores

Dispositivos de controle e proteção

Pressostato de alta:

Pressostato é um dispositivo eletro-mecânico acionado através de um diafragma que sente a pres- são e atua em microchaves, abrindo e fechando contatos. Normalmente tem 3 funções. Desliga quando a pressão de alta atingir níveis altos (28 bar – depende da montadora). Liga a segunda velocidade do ventilador de arrefecimento (15 bar – depende da montadora). Desliga quando apresenta baixa carga de refrigerante (vazamento) (2,5 bar – depende da montadora).

refrigerante (vazamento) (2,5 bar – depende da montadora). Transdutor de pressão: Atua como o pressostato, porém,

Transdutor de pressão:

Atua como o pressostato, porém, em vez de abrir e fechar contatos, o transdutor envia sinais elétricos lineares para a ECM, e esta por sua vez se encarrega dos fechamentos e aberturas de chaves, proporcionando a mesma lógica de funcionamento que o pressostato.

Dispositivos de controle

de funcionamento que o pressostato. Dispositivos de controle Sensores de temperatura: Os sensores de temperatura são

Sensores de temperatura:

Os sensores de temperatura são normalmente tipo termistor. Comumente são utilizados para medições de temperatura externa (tanto como informativo, quanto para auxílio nos controladores eletrônicos automáticos) e temperatura interna, normalmente para auxílio nos controles eletrôni- cos automáticos.

eletrônicos automáticos) e temperatura interna, normalmente para auxílio nos controles eletrôni- cos automáticos. 104

104

Climatizadores

Sensores de temperatura:

Responsável por comandar as funções de ar-condicionado do veículo.

- Liga/desliga o A/C

- Ar recirculado/externo

- Velocidades do ventilador

- Modo de distribuição do ar (vidros, pés, rosto, etc.)

- Temperatura

Sistemas de acionamento:

Podem ser mecânicos (através de bowden cable ou rotary cable) ou elétricos, através de moto- atuadores.

Podem ser mecânicos (através de bowden cable ou rotary cable) ou elétricos, através de moto- atuadores.

105

Climatizadores

Fluxograma de diagnose do sistema A/C

Analisar ineficiência do sistema A/C. Verificar controle de pressões do sistema
Analisar
ineficiência
do sistema
A/C.
Verificar controle de
pressões do sistema
Verificar ausência de circula- ção ou pouca circulação de fluido refrigerante Verificar a presença de
Verificar ausência de circula-
ção ou pouca circulação de
fluido refrigerante
Verificar a presença de umi-
dade ou defeito nos compo-
nentes do sistema
Não
Verificar excesso de fluido
refrigerante no sistema de
A/C

INÍCIO

Falta funcionamento do Eletroventilador? (ventilação ruim) ou apresenta mau funcionamento
Falta funcionamento do
Eletroventilador? (ventilação
ruim) ou apresenta mau
funcionamento
O sistema apresenta vazamento?
O sistema apresenta
vazamento?
Sim O vazamento é no conj. Condicionado? Sim Fazer a substituição da peça anômala. Não
Sim
Sim

O vazamento é no conj. Condicionado?

Sim

Sim O vazamento é no conj. Condicionado? Sim Fazer a substituição da peça anômala. Não Fazer

Fazer a substituição da

peça anômala.

Não
Não
Sim Fazer a substituição da peça anômala. Não Fazer teste de estanqueida- de no conjunto evaporador
Sim Fazer a substituição da peça anômala. Não Fazer teste de estanqueida- de no conjunto evaporador
Sim Fazer a substituição da peça anômala. Não Fazer teste de estanqueida- de no conjunto evaporador
Sim Fazer a substituição da peça anômala. Não Fazer teste de estanqueida- de no conjunto evaporador

Fazer teste de estanqueida- de no conjunto evaporador e separar peça anômala.

de no conjunto evaporador e separar peça anômala. Sim Verificar se o resis- tor não está
de no conjunto evaporador e separar peça anômala. Sim Verificar se o resis- tor não está

Sim

Verificar se o resis- tor não está com o termofusíivel aberto

Sim Verificar se o resis- tor não está com o termofusíivel aberto
Sim Verificar se o resis- tor não está com o termofusíivel aberto
no conjunto evaporador e separar peça anômala. Sim Verificar se o resis- tor não está com
no conjunto evaporador e separar peça anômala. Sim Verificar se o resis- tor não está com

Completar carga de fluido dentro do especificado e ve- rificar em qual conjunto ou peça apresenta vazamento

Completar carga de fluido dentro do especificado e ve- rificar em qual conjunto ou peça apresenta
Completar carga de fluido dentro do especificado e ve- rificar em qual conjunto ou peça apresenta
Completar carga de fluido dentro do especificado e ve- rificar em qual conjunto ou peça apresenta
Não
Não

Verificar vazamento de ar quente no sistema

Sim
Sim

Sim

Sim
Não Verificar vazamento de ar quente no sistema Sim Verificar comando distribui- ção/portinhola com funcio-
Verificar comando distribui- ção/portinhola com funcio- namento irregular permitindo a vazão de ar. Em seguida,

Verificar comando distribui- ção/portinhola com funcio- namento irregular permitindo a vazão de ar. Em seguida, trocar a peça anômala desse conjunto

com funcio- namento irregular permitindo a vazão de ar. Em seguida, trocar a peça anômala desse
com funcio- namento irregular permitindo a vazão de ar. Em seguida, trocar a peça anômala desse
de ar. Em seguida, trocar a peça anômala desse conjunto Abastecer o sistema de ar- con-

Abastecer o sistema de ar- con- dicionado com fluido refrigeran- te e liberar veículo

FIM

A caixa de ar apre- senta vazamento de ar quente? Não
A caixa de ar apre-
senta vazamento de
ar quente?
Não

Analisar outras variáveis que possam causar o inconveniente, como portas com os vidros abertos, recirculador de ar aberto em regiões muito quentes, vedação da carroceria do veículo deficiente, etc

106

Climatizadores

Diagnose do sistema de climatização

Objetivo

Esta instrução estabelece conhecimento básico do sistema de ar-condicionado utilizado nos veícu- los Fiat, bem como o correto procedimento para análise, com foco na causa raiz do problema, minimizando com isto as substituições indevidas de peças consideradas sem defeitos.

Análise da eficácia do sistema de ar-condicionado

Tem como objetivo diagnosticar, no veículo, possíveis reclamações referentes ao mau funciona- mento ou à baixa eficiência do sistema de ar- condicionado. Portanto, para a diagnose, deve-se seguir as etapas abaixo:

• Utilizar o aparelho de carga e recarga de gás refrigerante para verificação do sistema de ar-condicionado, eliminando todas as hipóteses quanto a vazamento, excesso ou falta de gás

• Avaliar se o filtro de carvão ativado (ou antipólen) encontra-se obstruído ou com presença de folhas, impedindo o fluxo de ar para o interior do veículo

folhas, impedindo o fluxo de ar para o interior do veículo • Posicionar os botões de

• Posicionar os botões de controle do ar no veículo conforme indicação abaixo:

- Controle C de ventilação na posição 4

- Controle B de distribuição do ar na posição ar frontal

- Cursor A de recirculação totalmente à esquerda (admissão de ar externo)

- Controle D de temperatura na posição Frio (faixa azul)

- Ar-condicionado desligado (comando E)

• Ligar o veículo e abrir os vidros das portas dianteiras e traseiras, até a diminuição da temperatura do habitáculo. Em seguida, fechar os vidros e deixar o veículo funcionando.

107

Climatizadores

OBS.: É importante que o teste seja efetuado em ambiente coberto, sem a exposição direta do sol sobre o veículo, e a temperatura externa esteja variando entre 18ºC e 30ºC.

Se o teste ocorrer em um ambiente em que a temperatura externa está menor que 18°C e maior que 30°C, é necessário estabilizar a temperatura do habitáculo.

C D B A E desligado
C
D
B
A
E desligado

• Instalar um termômetro de bulbo seco no difusor central de saída do ar

• Com o auxílio de um cronômetro, observar que após 1 minuto, a temperatura T0 indicada no termômetro (saída dos difusores centrais) não poderá ser superior a 5ºC da temperatura externa

• Posicionar o cursor A de recirculação do ar totalmente à direita (recirculação), e acionar o ar-condicionado (comando E)

• Verificar se:

- Depois de 30 segundos do acionamento do compressor, o valor indicado no manômetro de baixa pressão alcance valores menores que 3 bar (43 psi)

- Depois de 2 minutos do acionamento do compressor, a temperatura indicada no termômetro seja reduzida pelo menos 8 C da temperatura T0

- Depois de 5 minutos do acionamento do compressor, a temperatura indicada no termômetro seja reduzida pelo menos 12 C da temperatura T0

- O eletroventilador do radiador entrará em funcionamento quando o valor indicado no manômetro de alta pressão estiver entre 15 e 16 bar (215 a 228 psi)

- No instante de desacionamento do eletroventilador do radiador, o valor indicado no manômetro de alta pressão esteja entre 11 e 12 bar (156 a 170 psi)

108

Climatizadores

Climatizadores • Caso o funcionamento do sistema não esteja compreendido conforme as indicações acima, consultar a
Climatizadores • Caso o funcionamento do sistema não esteja compreendido conforme as indicações acima, consultar a

• Caso o funcionamento do sistema não esteja compreendido conforme as indicações acima, consultar a seguinte tabela das principais anormalidades e suas prováveis causas:

das principais anormalidades e suas prováveis causas: Item   Anormalidade   Provável causa 1

Item

 

Anormalidade

 

Provável causa

1

A pressão não sai do valor inicial

O

compressor não funciona

 

A pressão de envio não sai de 15 bar

Existência de pouco gás no circuito. Recarregar o sistema

2

(215 psi), a pressão de aspiração fica abaixo de 1 bar e a temperatura do bocal abaixa

lentamente

 
 

A

pressão de envio sai de repente a 15 bar,

Se a pressão de aspiração é mais alta que 2,5 a 3 bar (35 a 43 psi), existe muito gás no sistema. Se a pressão de aspiração é baixa, provavelmente a válvula de aspira- ção está travada.

mas com o eletroventilador ligado a pressão

3

continua a sair

 

A

pressão de envio é correta. A pressão de

O

termostato anticongelamento ou o

4

aspiração vai abaixo de 1 bar e o sistema não desliga.

pressostato não funcionam (estão sempre fechados).

Ineficiência do sistema de ar-condicionado

Pontos a serem analizados

• Verificar se a carga de gás do sistema está dentro do especificado, conforme tabela Fiat.

• Conectar a máquina de carga de gás no engate da tubulação dos sistemas de ar- condicionado do veículo, localizado no vão do motor, conforme indicado na foto.

• Conferir nos manômetros se os parâmetros de baixa (azul) e de alta pressão (vermelho) estão conforme especificado pela Engenharia Fiat.

109

Climatizadores

NOTA: Se os valores encontrados estiverem fora do especificado, deve-se colocar nova carga de gás conforme tabela Fiat e conferir se a performance de refrigeração está atendendo à exigência do cliente.

de refrigeração está atendendo à exigência do cliente. Controle das pressões do sistema de ar-condicionado
de refrigeração está atendendo à exigência do cliente. Controle das pressões do sistema de ar-condicionado
de refrigeração está atendendo à exigência do cliente. Controle das pressões do sistema de ar-condicionado

Controle das pressões do sistema de ar-condicionado

Monitorar o funcionamento do sistema da seguinte forma:

• Com o ar-condicionado desligado por aproximadamente 10 minutos, ambos os manômetros deverão indicar entre 5 e 6 bar (71 a 85 psi), e a temperatura junto ao difusor deverá manter-se entre 30° e 35°C.

• Com o ar-condicionado ligado, as indicações dos manômetros deverão indicar respectivamente:

- Circuito de baixa pressão (sucção): 1,5 a 3,0 bar (21 a 43 psi)

- Circuito de alta pressão (descarga ): 11 a 16 bar (156 a 228 psi)

OBS: A ativação do eletroventilador do radiador deverá ocorrer quando a pressão do circuito de alta pressão estiver entre 15 e 16 bar (213 a 228 psi).

110

Climatizadores

Conjunto condicionador de ar (caixa de ar do sistema de funcionamento automático)

Componentes externos da caixa de ar

Eletroventilador

Componentes externos da caixa de ar Eletroventilador Comando automático de funções da caixa de ar Servomotor
Componentes externos da caixa de ar Eletroventilador Comando automático de funções da caixa de ar Servomotor

Comando automático de funções da caixa de ar

Comando automático de funções da caixa de ar Servomotor do comando ar quente Servomotor de distribuição

Servomotor do

comando ar

quente

Servomotor de distribuição do ar. Nota: responsável pela mo- vimentação das portinholas

ar. Nota: responsável pela mo- vimentação das portinholas Engrenagens de sin- cronização de aber- tura e

Engrenagens de sin- cronização de aber- tura e fechamento das portinholas

Principais componentes que integram o sistema automático

• Comando automático de funções

Tecla de seleção automática de funções

Tecla de seleção manual das funções

Comando automático de funções Tecla de seleção automática de funções Tecla de seleção manual das funções
Comando automático de funções Tecla de seleção automática de funções Tecla de seleção manual das funções

111

Climatizadores

• Eletroventilador com comando de acionamento automático

Placa do comando automático do eletroventilador

automático Placa do comando automático do eletroventilador • Servomotor: componente responsável pela movimentação
automático Placa do comando automático do eletroventilador • Servomotor: componente responsável pela movimentação

• Servomotor: componente responsável pela movimentação das engrenagens de sincronização das portinholas

das engrenagens de sincronização das portinholas Diagnósticos Anormalidade: deficiência de ventilação e

Diagnósticos

Anormalidade: deficiência de ventilação e distribuição de ar.

Causas:

 

-

Circuito impresso do comando com falha de solda e programação errônea

-

Servomotor travado ou com problema de funcionamento (não completa curso)

-

Botão de acionamento do aquecedor com irregularidade de funcionamento

-

Eletroventilador com componente da placa queimado ou com funcionamento irregular

-

Engrenagem das portinholas fora de posição

112

Climatizadores

Diagnóstico:

 

Checar se o funcionamento da caixa atende todos os comandos previstos para o modelo

-

Remover o servomotor e verificar se não está danificado ou se a movimentação da haste está funcionando corretamente

-

Com o A/C desligado, ligar a ventilação e verificar se há aumento na temperatura interna do veículo

-

- Checar se o eletroventilador está funcionando nas velocidades mínima e máxima

- Se os servomotores estiverem com funcionamento O.K. e a distribuição do ar

estiver irregular, deve-se checar o correto posicionamento das engrenagens da caixa de ar

-

Checar as condições gerais da bateria (carga abaixo do especificado)

Solução:

- Corrigir a falha diagnosticada ou substituir o componente defeituoso

Rastreamento de falhas com manômetro

Presença de umidade no sistema

Condição: periodicamente resfria e às vezes resfria com deficiência.

Anormalidade:

 

- Resfriamento intermitente

- Perda de pressão quando a temperatura externa sobe

Pressão de sucção (baixa) se altera quando aplicado um pano molhado em água quente sobre a válvula de expansão

-

Causa:

- Presença de umidade no sistema, congelando no orifício da válvula de expansão, interrompendo temporariamente o ciclo e voltando a funcionar após o gelo derreter

113

Climatizadores

Diagnóstico:

- Verificar se existe diferença de temperatura entre a entrada e saída do filtro secador

Saturação do dessecante do filtro secador, devido a:

- vácuo insuficiente

- vazamento por alguma conexão

- componente contaminado internamente por água

- sistema aberto por muito tempo, contaminando o óleo com umidade

Solução:

- Trocar o filtro secador

- Remover a umidade do sistema, através da operação de vácuo adequada

- Carregar o sistema com novo refrigerante

Falta de fluido refrigerante (vazamento de fluido)

É provocada por vazamento de gás do sistema. Este vazamento é causado por:

- Conexões com baixo torque;

- O-ring’s de vedação esmagados ou rompidos

- Orifício nos tubos provocado por interferência com alguma parte do veículo

- Falha mecânica de algum componente do sistema de ar-condicionado

Condição:

- Ar-condicionado não esfria ou tem baixa eficiência

Anormalidade:

- Pouca ou nenhuma refrigeração

- Linhas de sucção e descarga com pressão muito baixa

- Possibilidade de causar superaquecimento interno do compressor

114

Climatizadores

Causa:

- Vazamento de gás em algum lugar do sistema

Diagnóstico:

 

- Falta de refrigerante no sistema

- Vazamento de refrigerante

Solução:

 

-

Se não houver mais gás no sistema, carregue-o com um pouco de gás

- Checar vazamento com detector e efetuar o reparo ou a substituição do componente que apresentar vazamento

- Após o reparo, realizar a operação de vácuo do sistema, completando com óleo necessário

- Carregar o sistema com volume adequado de refrigerante

Nota: caso não seja encontrado nenhum vazamento, é bem provável que a carga inserida no sistema tenha sido insuficiente. Neste caso, complete a carga de gás

Pouca circulação do fluido refrigerante (fluido refrigerante obstruido por sujeira no filtro secador)

Ocorre quando existe algum impedimento à passagem do gás no sistema.

O impedimento é provocado pela saturação do filtro secador, provocando o rompimento da grade interna, fazendo a sílica gel ir para o sistema, entupindo a válvula de expansão.

Condição:

- Ar-condicionado não esfria ou tem baixa eficiência

Anormalidade:

- Resfriamento deficiente

- Pressão baixa nas linhas de sucção e descarga, podendo a sucção indicar vácuo

- Aderência de gelo ou gotículas d’água nas tubulações próximas à válvula de expansão ou ao filtro secador

- Possibilidade de causar superaquecimento interno do compressor

115

Climatizadores

Causa:

- Fluxo de refrigerante obstruído por sujeira ou saturação no filtro secador, algum tubo ou mangueira obstruído ou entupimento da válvula de expansão

Diagnóstico:

 

- Filtro secador saturado ou entupido

- Tubo/mangueira obstruídos

- Válvula de expansão obstruída

Verificar se existe diferença de temperatura entre a entrada e a saída do filtro secador

-

Solução:

- Verificar se a causa é umidade ou sujeira, deixando o ar-condicionado desligado durante alguns minutos e tornando a ligá-lo

- Se for umidade, substitua o filtro secador e verifique o estado da válvula

- Se o defeito persistir ou se o problema for na válvula, substitua a válvula defeituosa, realize a evacuação do sistema e carregue o sistema com volume adequado de refrigerante

Ausência de circulação do fluido refrigerante (sistema não refrigera)

Condição:

- Ar-condicionado não refrigera suficientemente

Anormalidade:

- Resfriamento deficiente

- Pressão baixa nas linhas de sucção e descarga, podendo a sucção indicar vácuo

- Aderência de gelo ou gotículas d’água nas tubulações próximas à válvula de expansão ou ao filtro secador

- Possibilidade de causar superaquecimento interno do compressor

116

Climatizadores

Diagnóstico:

 

- Filtro secador saturado ou entupido

- Tubo/mangueira obstruídos

Verificar se existe diferença de temperatura entre a entrada e a saída do filtro secador

-

Solução:

- Verificar se a causa é umidade ou sujeira, deixando o ar-condicionado desligado durante alguns minutos e tornando a ligá-lo

- Se for umidade, substitua o filtro secador e verifique o estado da válvula

- Se o defeito persistir ou se o problema for na válvula, substitua a válvula e carregue o sistema com volume adequado de refrigerante

Excesso de fluido refrigerante ou deficiência de troca de calor do condensador

Condição:

- Ar-condicionado não refrigera suficientemente

Anormalidade:

 

Embreagem magnética com cubo/rotor desgastados por atrito ou superaquecimento da embreagem magnética

-

- Não resfria suficientemente

- Pressão muito alta tanto no lado de sucção quanto na descarga

- Bolhas de ar desaparecem do visor enquanto a rotação do motor é baixa

- Lado de sucção fica quente

Causa:

 

-

Excesso de refrigerante no sistema durante a carga ou através de recarga indevida

-

Troca de calor insuficiente no condensador

117

Climatizadores

Diagnóstico:

 
 

-

Excesso de refrigerante no sistema

Condensador com aletas obstruídas por sujeiras ou eletroventilador do condensador inoperante

-

Solução:

 

-

Limpar o condensador

-

Checar o funcionamento do eletroventilador

- Se ambos estiverem normais, checar a quantidade de refrigerante deixando escapar um pouco de refrigerante até normalizar as pressões

Presença de ar no sistema (tubos de baixa pressão se aquecem)

Condição:

- Ar-condicionado não refrigera suficientemente

Anormalidade:

 

- Não refrigera suficientemente

- Bolhas de ar ocasionais no visor

- Sucção e descarga com alta pressão

- Temperatura elevada na tubulação de baixa pressão

Causa:

- Infiltração de ar no sistema

Diagnóstico:

- Evacuação insuficiente

- Processo de evacuação inadequado

118

Climatizadores

Solução:

- Checar o volume de óleo do compressor, observando a existência de contaminação (sujeira). Completar o volume se necessário

- Substituir o filtro secador

- Efetuar a evacuação adequadamente e carregar o sistema com o novo refrigerante

Nota: Esta falha ocorre quando o sistema de ar-condicionado foi aberto para manutenção e o refrigerante foi carregado sem fazer a operação de vácuo adequada. O sistema de vácuo e carga de gás pode estar com problema.

Válvula de expansão com funcionamento irregular

Condição:

- Ar-condicionado não refrigera (refrigerante intermitente em alguns casos)

Anormalidade:

 

- Refrigerante insuficiente

- Pressão muito alta tanto no lado da sucção quanto na descarga

Congelamento ou presença de gotículas d’água na tubulação do lado de baixa pressão

-

-

Possibilidade de causar superaquecimento interno do compressor

Causa:

- Defeito na válvula de expansão (não controla corretamente o fluido)

Diagnóstico:

 

- Excesso de gás refrigerante nos tubos de baixa pressão

- Excesso de abertura da válvula de expansão

Solução:

- Checar a válvula de expansão. Se estiver defeituosa, substituí-la

- Efetuar a operação de vácuo adequadamente e carregar o sistema com o novo refrigerante

119

Climatizadores

Deficiência no compressor - sistema não refrigera

Condição:

- Ar-condicionado não refrigera

Anormalidade:

 

- Pressões tendem a se igualar

- Lado de alta pressão com pressão baixa

- Lado de baixa pressão com pressão alta

Causa:

- Vazamento interno no compressor

Diagnóstico: compressor com defeito, podendo ser:

- Palheta quebrada;

- Placa oscilante solta no eixo

- Cavaco sob palheta

Falhas dimensionais, possibilitando interligação entre as câmaras:

- Desgaste de alguma peça

Solução:

- Substituir o compressor

- Substituir o filtro secador

- Efetuar a operação de vácuo adequadamente e carregar o sistema com o novo refrigerante

120

Climatizadores

Verificar conjunto condicionador de ar (caixa do ar-condicionado)

Verificar integridade e posicionamento do sensor termostato

• Para os veículos que utilizam compressor SC 06, deve ser observada a posição do sensor do termostato e a integridade do mesmo conforme layout mostrado na foto.

e a integridade do mesmo conforme layout mostrado na foto. • Para os veículos que utilizam

• Para os veículos que utilizam compressor SC 08, deve ser observada a posição do sensor do termostato e a integridade do mesmo conforme layout mostrado na foto.

e a integridade do mesmo conforme layout mostrado na foto. Nota: Efetuar o teste de leitura

Nota: Efetuar o teste de leitura da temperatura do termostato anticongelamento, imergindo-o em um recipiente com 30% de água e 70% de álcool, forçando a temperatura a chegar até sua faixa de funcionamento.

Teste de leitura de temperatura do termostato.

OBS: Utilizar um termômetro para controle de temperatura do banho.

Característica de temperatura.

Off 3,5 ± 0,5 ºC On 1,5 ± 0,3 ºC

• Certificar que o comutador do comando da caixa de ar está acionando o compressor, conforme mostrado na foto. O led deve estar aceso, indicando que o compressor foi acionado.

deve estar aceso, indicando que o compressor foi acionado. Nota: caso o botão não esteja acionando,

Nota: caso o botão não esteja acionando, conferir todo o circuito elétrico da caixa de ar.

121

Climatizadores

Em caso de vazamento de gás, certificar em qual etapa do conjunto/peça ocorreu a falha

• Com o equipamento caça-fuga de gás é possível apontar em qual parte do sistema o vazamento destaca.

Caso seja indicada a região de acoplamento da caixa de ar, fazer a retirada da mesma e analisar o conjunto evaporador sem desmontá-lo, fazendo o teste de estanqueidade, utilizando gás nitrogênio para não contaminar o sistema e visualizar em qual ponto do conjunto/peça manifesta o vazamento.

em qual ponto do conjunto/peça manifesta o vazamento. • O conjunto evaporador é composto de: -

• O conjunto evaporador é composto de:

- Evaporador

- Tubo de entrada e saída de gás

- Válvula de expansão

- Anéis O-ring

e saída de gás - Válvula de expansão - Anéis O-ring • Se constatado que o

• Se constatado que o vazamento é nas conexões do conjunto evaporador/tubo/válvula de

expansão, verificar integridade dos anéis o-ring, se não estão deformados ou danificados.

de expansão, verificar integridade dos anéis o-ring, se não estão deformados ou danificados. 122

122

Climatizadores

Verificar possível vazamento de ar quente para dentro do habitáculo

• Verificar se a portinhola de vedação do ar quente não está quebrada no encaixe do link (parte externa da caixa no lado direito) conforme mostrado na foto.

externa da caixa no lado direito) conforme mostrado na foto. • Verificar se o botão do

• Verificar se o botão do comando do ar quente da caixa está completando curso ou se não está aberto.

- Foto 01: Situação o.k., todo fechado, não permite a passagem de ar quente

- Foto 02: Sistema de ar quente aberto, não permite que o ar-condicionado refrigere, pois ocorre a mistura de ar quente com frio

1

refrigere, pois ocorre a mistura de ar quente com frio 1 2 • Verificar se a

2

refrigere, pois ocorre a mistura de ar quente com frio 1 2 • Verificar se a

• Verificar se a entrada de ar externo (recirculador) não está aberta, permitindo que o eletroventilador da caixa de ar sugue o ar quente dispersado pelo eletroventilador do sistema de arrefecimento do motor.

Nota: para uma boa performance do ar-condicionado, o botão do recirculador deve estar na posição fechado, recirculando apenas o ar dentro do habitáculo, não permitindo que o ar externo entre, conforme mostrado na foto 02.

1

apenas o ar dentro do habitáculo, não permitindo que o ar externo entre, conforme mostrado na

123

2

apenas o ar dentro do habitáculo, não permitindo que o ar externo entre, conforme mostrado na

Climatizadores

• Verificar se o cabo do comando do ar quente não está solto, danificado ou fora da posição de montagem original na base do comando, ou na presilha de fixação da carcaça da caixa de ar.

ou na presilha de fixação da carcaça da caixa de ar. Verificação do sistema de ventilação