P. 1
ANÁLISE- ESPERMOGRAMA- CENEP

ANÁLISE- ESPERMOGRAMA- CENEP

|Views: 441|Likes:
Publicado porÉricka Rocha

More info:

Published by: Éricka Rocha on Jan 23, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/05/2013

pdf

text

original

ESPERMOGRAMA - ANÁLISE DO SÊMEN A análise do sêmen é indicada em casos de infertilidade conjugal, avaliação e controle do paciente pós-vasectomizado e avaliação

de doenças testiculares e penianas sobre a espermatogênese. O sêmen normal é uma mistura de espermatozóides e secreções provenientes dos testículos e epidídimos, os quais são misturados durante a ejaculação com secreções oriundas da próstata, vesículas seminais e glândulas bulbouretrais. A composição final é um líquido viscoso que forma o ejaculado. COLETA DO PACIENTE MATERIAL E PREPARAÇÃO DO

analisável, deve-se, portanto, agitar a amostra em um vortéx até a sua liquefação. A amostra de sêmen pode apresentar alterações no TDC: • Ausência de coagulação: ausência de fatores de coagulação: agenesia ou obstrução dos ductos das vesículas seminais; • Ausência de liquefação: ausência de fatores de liquefação: agenesia ou afecções da próstata; • Liquefação parcial: deficiência de fatores de liquefação (próstata). VOLUME O volume seminal final é diretamente proporcional à quantidade de secreção da próstata e das vesículas seminais, já que o volume proveniente dos testículos e epidídimo é reduzido. Procedimento: medir o volume com proveta ou pipeta graduada. Valor Normal: 2,0 a 5,0 ml; - Hipoespermia: vol. < 2,0 ml Insuficiência ou ausência de abstinência sexual; Insuficiência vesicular (Clamydia ou Mycoplasma); Baixos níveis séricos de testosterona; - Hiperespermia: vol. > 5,0 ml Abstinência sexual prolongada; Tumores benignos ou malignos próstato-vesiculares; - Aspermia: ausência de ejaculado Agenesias; Alterações no controle neurológico da ejaculação. ASPECTO Procedimento: o aspecto deve ser analisado após liquefação por simples inspeção à temperatura ambiente. Amostra normal: aparência homogênea e opaca Amostra anormal: aspecto heterogêneo por agregados protéicos de consistência firme e incolor: períodos prolongados de abstinência sexual, diminuição dos níveis de testosterona, alterações nas concentrações de espermolisinas, processos inflamatórios genitais, medicamentos. COR Normalmente o sêmen é branco-opaco. A presença de leucócitos em grande quantidade confere ao esperma uma cor amarelada, enquanto que a presença de hemácias confere uma cor avermelhada. Outras tonalidades (esverdeado) pode se dar devido ao uso de medicamentos. VISCOSIDADE OU CONSISTÊNCIA Procedimento: pode ser estimada através de uma pipeta de 5 ml, deixando o sêmen sair da pipeta pela ação da gravidade e observando como isso se dá. Viscosidade Diminuída: a amostra se desprende da pipeta em gotas; Viscosidade Normal: a amostra se alongará em filetes com menos de 2 cm; Viscosidade Aumentada: a amostra se alongará em filetes com mais de 2 cm de comprimento. pH Procedimento: medir o pH do sêmen através de fita de pH. Valor Normal: 7,2 a 8,0 pH acima de 8,0: deficiência da glândula prostática pH abaixo de 7,2 : deficiência das vesículas seminais Exames Microscópicos: motilidade; vitalidade; contagem dos espermatozóides; contagem de leucócitos e hemácias,

➢ A amostra deve ser coletada após um período de abstinência sexual de 2 a 5 dias. O paciente deve ser instruído para evitar perda de material, principalmente o 1º jato, que contém a maior concentração de espermatozóides. ➢ Se a abstinência sexual for superior a 5 dias, aumenta o número de formas imaturas, o número de espermatozóides mortos e o volume do sêmen; se a abstinência sexual for inferior a 2 dias, diminui o volume do sêmen e o número de espermatozóides. ➢ A amostra deve ser obtida por masturbação e ejaculada dentro de um recipiente de boca larga de vidro ou plástico. Se for de plástico, deve-se analisar os possíveis efeitos tóxicos sobre os espermatozóides. Deve-se evitar temperaturas extremas (-20°C ou +40°C ). ➢ O frasco contendo a amostra deve ser identificado, contendo o nome do paciente, o período de abstinência sexual, data e hora da coleta, o nome do medicamento em uso. ➢ Duas amostras devem ser coletadas num período de 7 dias à 90 dias. Se o resultado dessas duas análises for discrepante, análises adicionais deverão ser realizadas. ➢ O ideal é coletar o material no laboratório, porém, se isso não for possível, a amostra deve ser enviada ao laboratório dentro de no máximo 1 hora após a coleta. ➢ Preservativos não devem ser usados na coleta, pois podem interferir com a viabilidade dos espermatozóides. ➢ No caso da realização de uma avaliação microbiológica, o paciente deve primeiro urinar e depois fazer assepsia das mãos e pênis antes de ejacular num frasco esterilizado. ➢ Quando houver dosagem de frutose no sêmen, o paciente deve fazer um jejum alimentar de 12 horas. Exames macroscópicos: Liquefação ou coagulação, Volume, Aspecto, Cor, Viscosidade, pH. TEMPO DE DURAÇÃO DA COAGULAÇÃO OU TEMPO DE LIQUEFAÇÃO – TDC Imediatamente após a ejaculação, o esperma transforma-se em gel (coagulação) para facilitar a dispersão dos espermatozóides e protegê-los do contato com o pH vaginal ácido, isso se deve às proteínas coagulantes presentes na secreção das vesículas seminais. Em temperatura corpórea, a amostra seminal normal se liquefaz em até 60 minutos devido à ação das espermolisinas contidas na secreção prostática. A liquefação do esperma é importante para a motilidade dos espermatozóides. Procedimento: colocar a amostra em uma estufa a 37°C e verificar de 5 em 5 minutos quando se inicia a liquefação, cronometrando, assim, o tempo que leva para uma amostra se liquefazer totalmente. A OMS estabelece que o tempo de liquefação de uma amostra normal seja de até 60 minutos após a coleta do sêmen. Ocasionalmente, a amostra pode não se liquefazer e, nesse caso, um tratamento adicional é necessário para tornar a amostra

colocar 10mL de sêmen em uma lâmina de vidro limpa e cobrir com uma lamínula. isto indica que a amostra não está homogeneizada.0 ml do líquido diluidor Resultado da contagem multiplica por 500. por isso não é raro encontrar espermatozóides viáveis em pacientes vasectomizados. ➢ Neutrofilia: prostato-vesiculites agudas.000/mm³ ➢ Eosinofilia de até 25%: processos auto-imunes. É um procedimento menos complicado que o da infertilidade. secar rapidamente (secador).000/mm³ Leucospermia: valor de leucócitos acima de 1.morfologia dos espermatozóides. com intervalo de 2 semanas. peça intermediária e flagelo normais.000 Resultado final: média aritmética entre as duas contagens.000. Procedimento: em um tubo de hemólise. Procedimento: confeccionar um esfregaço fino (tipo hemograma). deve-se centrifugar novamente a amostra. MOTILIDADE OU MOTILIDADE DE 1º HORA: Procedimento: homogeneizar a amostra em temperatura ambiente.000/ml A oligozoospermia pode ser permanente (concomitante necrospermia e astenospermia) e periódica (confirmado através de espermogramas seriados. esperar 30 segundos.20 ml de sêmen + 0. alterações hormonais e pouca abstinência sexual. na ocasião da contagem de espermatozóides. B . homogeneizar e preencher a Câmara de Newbauer. multiplica-se o resultado por 50.20 ml de sêmen + 4. Baseia-se no princípio de que a membrana plasmática danificada de uma célula morta permite a passagem de certos corantes. VITALIDADE A vitalidade dos espermatozóides se reflete na proporção de espermatozóides que estão vivos. rastreando 4 a 6 campos para avaliar 100 espermatozóides. obtendo a porcentagem das categorias classificadas abaixo: A – espermatozóides com motilidade rápida e progressiva (para frente). é importante verificar a presença de espermatozóides. neoplasias ou sinal precoce de hipertensão arterial sistêmica. 1:20 . processos infecciosos agudos e crônicos. A análise é multiparamétrica. Fazer a leitura em imersão. Espermatozóides anormais: com defeitos na forma e tamanho da cabeça. Valor Normal: acima de 50% de espermatozóides normais. pois a única avaliação é a presença ou ausência de espermatozóides. O valor é expresso em mm³. o que não ocorre nas células vivas. O tempo necessário para a ocorrência da esterilidade completa pode variar de um paciente para outro. as amostras são examinadas em intervalos mensais que começam aos 2 meses após a vasectomia e continuam até que 2 amostras mensais consecutivas dos .000/mm³ Valor Normal de Hemácias: até 1. A avaliação da motilidade deve ser realizada até 60 minutos após a coleta. contando 100 espermatozóides.espermatozóides com motilidade lenta e progressiva.espermatozóides imóveis. tuberculose. os espermatozóides vivos não se coram (brancos). Procedimento: o procedimento é o mesmo para contar leucócitos/hemácias em Hematologia. Se o número de espermatozóides por campo variar consideravelmente. observando os espermatozóides em objetiva de menor aumento. observar as células da espermatogênese e relatar o resultado em porcentagem. Causas: alterações na temperatura escrotal devido a varicocele e hidrocele. colocar 2 gotas de nigrosina. ➢ Linfócitos e Monócitos: processos crônicos. Fazer 2 lâminas (fazer a média entre as lâminas). Valor Normal de Leucócitos: até 1.70% da região cefálica). cada defeito mesmo que presente em um mesmo espermatozóide deve ser computada separadamente. durante o período de 3 meses) Causas: infecção do trato genital. misturar 20ml de sêmen e 1 gota de eosina. determinados pela exclusão do corante. além de agenesias gonodais. Na diluição 1:20. Procedimento: fazer duas diluições em um tubo de hemólise.000. processos traumáticos. Valor Normal: Espermatócitos até 1% Espermátides até 3% As células germinativas imaturas se desprendem dos tubos seminíferos por processos patológicos como: varicocele. enquanto os mortos coram-se em rósea. sendo o resultado relatado em % de espermatozóides normais e espermatozóides anormais. com cauda. EXAME DO VASECTOMIZADO: SÊMEN DE PACIENTE Nas amostras colhidas pós-vasectomia. anomalias cromossômicas. secar a temperatura ambiente e corar pela técnica de Leishmann ou de Papanicolaou. Normalmente. Valor Normal: acima de 50% de espermatozóides vivos Necrospermia: acima de 50% de espermatozóides mortos.espermatozóides com motilidade não progressiva. Causas: são as mesmas que causam oligozoospermia. MORFOLOGIA IMATURAS DAS CÉLULAS GERMINATIVAS Procedimento: no esfregaço do sêmen corado pela técnica de Leishmann. C . Azoospermia: ausência de espermatozóides no sêmen. defeitos na peça intermediária e com defeitos da cauda. D . Observar em imersão. contando nos 4 quadrantes laterais da câmara. MORFOLOGIA DOS ESPERMATOZÓIDES MADUROS Espermatozóide normal: cabeça oval (o acrossoma ocupa uma área entre 40% . • Astenospermia intrínseca: nível baixo ou ausente de frutose. hidrocele.000/ml Oligozoospermia: quando o número de espermatozóides é menor que 20. Se o número de espermatozóides for muito pequeno. Acima de 25% de espermatozóides em A • Astenospermia: abaixo de 50% das categorias A + B • Astenospermia extrínseca: devido a aumento da viscosidade. CONTAGEM HEMÁCIAS GLOBAL DE LEUCÓCITOS E A contagem de leucócitos e hemácias é realizada nos 4 quadrantes laterais da Câmara de Newbauer. Valor Normal: acima de 20.000 1:200 . Ocorre na deficiência de frutose. O resultado é expresso em % de espermatozóides vivos. seminoma. e contar 200 espermatozóides. Eritrospermia (sem alteração da cor do sêmen) e Espermorragia (sêmen cor hemorrágica): processo infeccioso em atividade. homogeneizar e confeccionar um esfregaço tipo sanguíneo. Teratospermia: acima de 50% de formas anormais. VALOR NORMAL: Acima de 50% de espermatozóides em A + B.4 ml do líquido diluidor Resultado da contagem multiplica por 50. morfologia das células germinativas imaturas. CONTAGEM DOS ESPERMATOZÓIDES São contados apenas os espermatozóides maduros.

Presença e exercicio valendo ponto.espermatozóides no sêmen indiquem a eficácia do método (vasectomia). Daiane Cristiane Vivian Joana . Dia 22/11/11 Losangela.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->