Você está na página 1de 3

MAIS UM ARTIGO SOBR,E O DIA DAS MÃES

Mãe de hoje, tua barra não é mole. Nem dá mais para as palavras sonoras, sempre iguais e sempre novas, para saudar o que representas. É Piaget, é Freud, é BCG, é leite em pó, é o RH, a fumaça, o apartamento, o regime, a hora de mamar, o cachorro e o gato do apartamento. É teu trabalho, teu obesil, teu diurético, teu mestrado, teu PHd, teu salário, teu CPF Oá contribuis?), teu efortil, tensyl e vagostesyl, tua falta de tempo, tua afirmação, tua profissão, tua paixão, teu coração (quando haverá tempo para ele?). Mãe de hoje, teu susto é a tua terapêutica. Qual o mundo que verá teu filho homem? O da bomba? O do plástico? O do controle remoto? O do bebê proveta? O da guerra interplanetá- ri? O do DDT? O da multidão (em trinta anos a população do mundo terá dobrado)? O dos decibéis? E os arrep6is? Ou será o da paz? Das pessoas redescobrindo o simples, a flor, a comunidade, a oração sincera, Vivaldi, mãos dadas, para '

brincar?' Análise transacional. É Kleiniano ou Junguiano? E as estruturas? E o estruturalismo? E o expressionismo? Sua linha é à esquerda da esquerda ou á esquerda do centro? Será centro direita ou a direita da esquerda? Quem sabe a direita da direita? Será a extrema da ultra-esquerda ou a ultra da direita extrema? Já leu os concretistas?, passaram de moda. 'Há a contracultura, a cultura contra. E a favor? Ninguém? Tu és a favor. Mãe de hoje, tua tarefa é bíblica. Levar e conduzir vidas sem o leme de definições, apenas com o instinto maravilhoso que te faz a deusa da intuição.

É OTAN. ONU. BID. ANBID.

BIRD. MCE. PIS. ONU.

i

~

UNESCO. FAO. BBC. CBD. TV. IBDF. CNPq. CELAM. CEPAL. FUNABEM. IBOPE. COMSART. COMBIMED. COMCITEC.

132

MEC. APAE. ABBA. CIA. COMECOM. lATA. POC. ROA. ITI. MPLA. ALALC. IRA. OIT. UNCTAO. UNICEF. ABERT. ABI. FUTREG (AGORA FUTERJ). UEG (AGORA UERJ) BEG (SERÁ EÍERJ?). NASA. SIP. SESCEA. CESCEM. CESGRANRIO. ABERT. ABRAT. E o abraço?

t No mundo do futuro, os meninos decorarão siglas como nós decorávamos taboada. Mãe de hoje, tua barra não é mole. Corrigir, reprimir, deprimir, instar, inalar, modelar, condi-

cionar, se assumir, complexo de édipo, de electra, de inferiori- dade, complexo B, choque vitamínico, a psicóloga do colégio

disse

afirmou, o médico garantiu. Quem está com a razão? As faixas etárias, o behaviorismo, o método Montessori, Skinner, a gestalt, a escola livre, a escola nova, a escola modelo, o método experimental, a expressão corporal, a reu- nião de pais, o padre falou, o surt, a esquina, a moto, o medo, a fome, a noite, a chave da casa, o vício, a liberdade sexual, a frustração sexual, o tédio, o vazio existencial, posso ir de bicicleta para o colégio? a virgindade, a caretice, a moral, a

lucidez, o pinel, o rock, o som, a vida ao ar livre, a prestação da Caixa, a do carro, o condomínio, a emancipação, a prisão, a rotina, a esperança, aquela viagem, aquele suspiro pelo amor impossível, a renúncia, o impasse, o desquite, a babá, a sepa- ração, vou viver a minha vida., mandei tudo pro inferno, minha mãe, meu pai e seu enfisema, minha avó e os seus tempos.

. Mãe de hoje tua barra é muito pesada. E se o fizeres crescer amando a vida e for para a guerra? E se lhe ensinares a ternura e ele tiver que aprender karatê para evitar assaltos? E se buscares dar-lhe amor e ele sair pelo mundo esquecido de ti? Teu trabalho, teu estudo, tua falta de tempo, teu seio do qual mandaste secar o leite, tua pílula, teu cansaço noturno, o do teu marido. E a flacidez? Mãe pobre, mãe empregada, mãe operária, mãe professo- ra, mãe de classe média, mãe rica: a barra de vocês é o desafio 'e um mundo novo, para o qual terão de preparar os homens -jue talvez nem precisem e se preparem sozinhos, pois cada criança que nasce já vem ao mundo com os germens do futuro, tanto quanto os do passado da espécie. Tudo é alucinante mas a tarefa é a mesma. Antes era a

a apendicite, a

peste, a floresta, a cobra, a paralisia infantil,

febre puerperal, a malária, a sifilis, as guerras, as Iiças, as

batalhas, os silêncios, as humilhações, os maridos chamados

133

, o jornal falou, a televisão mostrou, o conferencista

O mistério. É a sério?

j,

I

1.

,

f

I

I

\

(

I

•: I

,C:

"

;,1

.

!

,

1

\

I!.

'.

'""

l ~rh

de senhor, os pigarros, os emplastros, as ventosas, as teúdas

e manteúdas, a tuberculose, as invasões de hordas, a miséria

sem remissão, a fé desordenada e culposa, os gritos abafados

pela irmã, os silêncios, os pecados, os espasmos, as bofeta-

das da humilhação, da subserviência, da dependência. Acabou? Tua barra é pesada como pesada foi a barra das de ontem. Mudam as ameaças mas cada criança é o milagre e cada uma é

a p'ortadora da esperança.

Mãe de hoje, és a mãe do homem do terceiro milênio. Fazendo mestrado e andando de frescão, fusca ou trem suburbano; lavando roupa ou discutindo o estruturalismo entre baforadas; chorando baixinho ou calando a humilhação da rejeição; sendo profissional ou largando tudo para cuidar das crianças; tua barra é pesada. Será diferente?

que gerar é

apenas biológico; que renunciar é fácil; que dar de si é leve; que ter filhos é curtição, nega a essênCia da vida. Que é luta e trabalho.

Por mais que a gente se esforce para não acabar a crônica com um lugar comum.

Pois quem supõe que educar é simples;

134