P. 1
A Linguagem Classica Arquitetura

A Linguagem Classica Arquitetura

|Views: 2.787|Likes:
Publicado porobede_edom

More info:

Published by: obede_edom on Jan 30, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/09/2013

pdf

text

original

A linguagem clássica.

Figura 1: O Partenon na Acrópole de Atenas. A linguagem clássica se destaca pela perfeição nas proporções, no emprego de suas ordens e pelo uso da razão.Esta arquitetura surgiu na antiga Grécia e Roma. Tem-se como ideologia de que uma edificação para ser clássica deve ter apenas uma das ordens da antiguidade, já que sempre ou quase sempre se faz alusão de que tal edificação é clássica devido à existência das tais. Mas vale ressaltar que clássico não é apenas possuir tais características em seus pilares, mas sim reunir uma gama muito maior de informações e fazer usos de todos os elementos clássicos de uma forma racional e harmônica fazendo jus a essência da linguagem clássica. Como já foi mencionado acima a arquitetura clássica tem como um dos elementos mais marcantes as ³ordens´ difundidas primeiramente pelos Gregos

Ele dispôs em uma gravura as cinco ordens uma ao lado da outra alinhadas segundo a razão entre o seu diâmetro inferior e a altura da coluna. Figura 2: Gravura de Sebastiano Serlio. todas em cima de um pedestal. .John Summerson. dórica e a coríntia. Foi Sebastião Serlio que definiu as cinco ordens clássicas em sua verdadeira ordem a qual consideramos correta e também legou uma autoridade canônica as mesmas. e a cornija representa os beirais do telhado´. a mais antiga descrição de uma ordem foi escrita por Vitruvio ao longo de seu terceiro ou quarto livro onde menciona três das ordens que são elas: jônica. Apesar das suas descrições abordarem o contexto histórico ao qual as ordens foram inventadas e serem até mesmo exaustivas ele apenas faz algumas observação sobre a ordem toscana e nem chega a mencionar a quinta ordem que hoje é conhecida como compósita. em seu livro A linguagem Clássica da arquitetura define: ³ Uma ³ordem´ consiste na unidade ³coluna-superestrutura´ que compõe a colunata de um templo. No entanto. Não precisa ter pedestal e muitas vezes não tem ± e precisa ter um entablamento (colunas só têm sentido se suportarem algo). 1540.

Em seus edifícios públicos os romanos empregaram de forma bem visível as ordens junto com abóbadas e arcos eles combinaram uma arquitetura altamente estilizada com uma estrutura bastante primitiva renovando a linguagem arquitetônica pois. O intercolúnio também é de extrema importância os romanos atribuíram cinco tipos-padrão para esse espaçamento. as ³colunas destacadas´ que engastam seu entablamento em uma parede. A ordem Coríntia é uma invenção ateniense do século V a. que sustenta um ábaco quadrado. A quinta ordem a compósita combina elementos da ordem jônica e da coríntia. Por sua vez a ordem Jônica têm alguns exemplares romanos originários da Ásia Menor e suas principais características são: capitel em volutas e a presença de dentículos na cornija. simples e pesada das cinco ordens. Lembrando que sempre deve-se usar os elementos corretos para cada ordem pois.A partir de muitas teorias e análises hoje pode ± se definir que a ordem toscana deriva-se de um templo antigo de etruscos. Já a segunda ordem denominada dórica caracteriza-se por uma coluna acanelada com um capitel sem ornatos e em forma de ³almofada´. as ³colunas três-quartos´ quem possuem um quarto do seu diâmetro embutido em uma parede ou a ³meia-coluna´ que possui a metade do seu diâmetro embutido. O espaçamento mais fechado é . Pode-se introduzir ao projeto ³colunas isoladas´ que geralmente suportam o seu próprio entablamento. quando se altera o relevo de uma ordem o entablamento deve acompanhar a mesma modificação. e um entablamento.C distinguese da ordem jônica apenas pelo seu capitel recoberto por folhas de acanto. possui um caráter primitivo com colunas espaçadas é a mais grosseira. cada caso é um caso. Analisando a atitude dos romanos percebemos que a estrutura e a expressão arquitetônica devem estar integradas por isso ao utilizar as ordens clássicas deve-se ter muita atenção ao introduzi-las ao projeto pois. usaram as ordens como parte do esquema estrutural.

Os arcos triunfais de Roma assim como as ordens e o sistema arquitravados foram muito importantes e instrutivos para a compreensão da linguagem clássica. a relação entre a espécie humana e a natureza havia se transformado. Após a contribuição da linguagem clássica durante a primeira metade do século XX a arquitetura no mundo mudou completamente surgia então o movimento moderno. Os edifícios de Gropius e Behrens projetados após a segunda guerra mundial. estações de trem. Eles são lembrados pelo emprego do aço em seus projetos. são considerados essências para identificar o movimento moderno. . Também houve uma mudança nas relações culturais e sociais por este motivo o neoclassicismo tem suas particularidades em relação ao estilo que o originou. No entanto. O classicismo de origem nas civilizações antigas gregas e romanas dominou a arquitetura durante pelo menos cinco séculos. Durante os estilos que antecederam o século XVIII a linguagem clássica foi repaginada e usada de uma outra forma. Apesar desta diferença entre os tamanhos é importante ressaltar que os três arcos têm a mesma razão entre a altura e a largura seguindo a essencia da arquitetura clássica que requer proporção e harmonia. Havia aumentado a capacidade humana de exercer controle sobre a natureza por meio da técnica. Este movimento teve início na década posterior a 1914 e atingiu seu ápice no fim da década de 1920. o diástilo e por fim com 4 diâmetros o araeóstilo. Nessa época. o êustilo. em oposição ao exagero de ornamentação do barroco e do Rococó surgiu no século XVIII a retomada do classicismo com um movimento chamado neoclássico. escolas dentre outros. Para uma breve análise podemos tomar como exemplo o arco Constantino que trata-se de um volume retangular com três perfurações onde a do meio forma o arco principal e as laterais os arcos subsidiários que são mais baixos e estreitos.chamado de picnostilo e corresponde 1 ½ de diâmetro respectivamente temos o sístilo. apesar de ter sido em menor quantidade ela nunca foi esquecida. Este estilo irá aplicar a linguagem clássica em usos diversos como por exemplo em monumentos. igrejas.

Deve-se também citar o francês Perret.Com o surgimento de Le Corbusier. seu estilo trazia seu conhecimento adquirido na École dês Beaux-Arts. razão e harmonia creio que muitos anos iram se passar e esta arquitetura não perderá o folego e ainda continuará encantando muitas gerações. com seus traços regulares ele acabou com as ornamentações. a arquitetura moderna é completamente reinventada. Por ser uma arquitetura que ostenta poder. Com os fatos anteriormente expostos pode-se concluir que a linguagem clássica na arquitetura apesar de ter sido idealizada por civilizações tão antigas como os Gregos e Romanos ainda não perdeu totalmente sua força. Em exemplo disso é a Ópera de Paris. que era totalmente diferente de Behrens. Esses são exemplos de interpretações possíveis da linguagem clássica utilizando aço. . mas sim deveriam ser belos apenas utilizando seus elementos de construção e função. pois. Ele deu um novo sentido ao modernismo. A idéia do modernismo era a de que os edifícios do futuro deveriam agradar as pessoas não pela sua ornamentação. Podemos notar que apesar de muitos outros estilos terem surgido de lá para cá muitos usaram a linguagem clássica em algum momento.

. São Paulo: Martins Fontes.Referência Bibliográfica. 2006. John. SUMMERSON. A linguagem clássica da arquitetura.

UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL ARQUITETURA E URBANISMO A LINGUAGEM CLÁSSICA DA ARQUITETURA NOME: TATYANE RIBEIRO DO NASCIMENTO RGM: 20649-1 SÃO PAULO 2011 .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->