Você está na página 1de 25

O Grupo Fluxus foi um movimento que marcou as artes das décadas de 1960 e 1970, opondo-se aos valores burgueses, às galerias e ao individualismo. O nome Fluxus, (do latim flux, significa modificação, escoamento, catarse) era, em princípio, o título de uma revista, mas se estendeu posteriormente para designar as performances organizadas por George Maciunas, criador do grupo.

Valorizando a criação coletiva, esses artistas integravam diferentes linguagens como música, cinema e dança, se manifestando principalmente através de performances, happenings, instalações, entre outros suportes inovadores para a época. O Fluxus foi criado em 1961, em

Wiesbaden, na Alemanha, durante o Festival Internacional de Música, sob a liderança de George

Maciunas. Era integrado por artistas de várias partes do mundo, como os alemães Joseph Beuys e Wolf Vostell, o coreano Nam June Paik, o francês Bem Vautier, e japonesa Yoko Ono, além de outros representantes destes países ou dos países nórdicos.

A origem do Fluxus situa-se em torno das aulas de música experimental ministradas por John Cage na New School for Social Research. O músico, na tentativa de criar composições não- narrativas e aleatórias, incorporando ruídos e interferências do meio, inspirou os artistas na

tentativa de dialogar com o cotidiano em seus trabalhos.

A principal referência foi o movimento Dadaísta e a obra de Marcel Duchamp, que influenciaram a contestação dos valores estabelecidos e o espírito anárquico do grupo. No entanto, enquanto Duchamp havia com seus ready-mades, elementos apropriados do cotidiano e sendo-lhes

atribuído status de arte, mas posto ao do objeto artístico consagrado, criando um novo conceito

de arte , a que chamava anti-arte.

Diferentemente , os artistas do Fluxus buscavam inserir a arte no cotidiano das pessoas, defendendo a idéia de que todos deveriam compreendê-la. Nesse sentido, há também uma influência do Construtivismo Russo, na medida em que o grupo refletia sobre sua função social e sobre a participação política dos artistas.

Daisy Peccinini http://www.mac.usp.br

Pôster do Colóquio com Joseph Beuys, Estados Unidos, 1974 Joseph Beuys 1921, Krefeld 1986, Düsseldorf

Pôster do Colóquio com Joseph Beuys, Estados Unidos, 1974

Joseph Beuys

1921, Krefeld 1986, Düsseldorf

Pôster do Colóquio com Joseph Beuys, Estados Unidos, 1974 Joseph Beuys 1921, Krefeld 1986, Düsseldorf

Eu quero criar um palácio real. Não para glorificar os

velhos reis, mas para dizer que todos os seres

humanos são reis. A dignidade de cada pessoa reside no fato de estar viva. Eu não estou satisfeito com a interpretação simples e materialista da vida.

Na nossa época materialista, os elementos do

e é por isso

que eu embarquei neste conceito antropológico, para

tentar fazer com que as pessoas se conscientizem

de que elas são uma grande forma de vida e a expressão de suas almas.”

mistério e da alma foram destruídos (

)

Joseph Beuys

Citado em Portugal, Ana Catarina Marques da Cunha Martins. ”O pensamento de Joseph Beuys e seus aspectos rituais em ação”, dissertação de mestrado, PUC RJ, 2006

Criatividade = capital

Postulados da reversão

Presença do artista

Perda de Sentido e dos sentidos (na

contemporaneidade)

Ensino (toda pessoa é um artista)

Inventário (materiais)

Feltro

Gordura

Cobre

Inventário (materiais) • Feltro • Gordura • Cobre
I like America and America likes me (1974)

I like America and America likes me (1974)

I like America and America likes me (1974)
Como Explicar Desenhos a uma Lebre Morta (1965)

Como Explicar Desenhos a uma Lebre Morta (1965)

Infiltração homogênea para piano de cauda, 1966 Piano de cauda e duas cruzes vermelhas para

Infiltração homogênea para piano de cauda, 1966 Piano de cauda e duas cruzes vermelhas para pano, 100x152x240 cm Musée National d´Art Moderne, Centro Georges Pompidou, Paris

Eurasia Siberia Symphony, 1963-66

Eurasia Siberia Symphony, 1963-66

Joseph Beuys, A matilha, 1969. Perua Volkswagen com 24 trenós, rolos de feltro, gordura e

Joseph Beuys, A matilha, 1969.

Perua Volkswagen com 24 trenós, rolos de feltro, gordura e laternas Photo Tate Modern

Bateria de Capri, 1985

Bateria de Capri, 1985