P. 1
Catalago Ge Curvas a Ac s Dos Disjuntores

Catalago Ge Curvas a Ac s Dos Disjuntores

|Views: 181|Likes:

More info:

Published by: Ediedson Pacheco de Jesus on Feb 01, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/29/2015

pdf

text

original

A General Electric Power Controls Portugal

é um dos principais fornecedores Europeus
de produtos de baixa tensão, incluindo
aparelhagem de manobra, aparelhagem
industrial e residencial de corte, protecção
e gestão de energia, aparelhos de controlo,
invólucros e armários de distribuição.
Os principais clientes dos nossos produtos são
distribuidores de material eléctrico, fabricantes
de máquinas, quadristas e instaladores em todo
o mundo.
www.gepowercontrols.com
GE POWER CONTROLS PORTUGAL
Sede e Fábrica:
Rua Camilo Castelo Branco, 805
Apartado 2770
4401-601 Vila Nova de Gaia
Tel. 22 374 60 00
Fax 22 374 61 59 / 60 29
E-mail: gepc_Portugal@ge.com
Delegação comercial:
Rua Rodrigo da Fonseca, 45/47
1250-190 Lisboa
Tel. 21 371 01 40
Fax 21 386 17 79
GE Consumer & Industrial
Power Protection
Ref. R/2278/P/P 5.0 Ed. 08/07
© Copyright GE Power Controls 2007
4
1
4
7
1
C
a
t
á
l
o
g
o

R
e
s
i
d
e
n
c
i
a
l
G
E

C
o
n
s
u
m
e
r

&

I
n
d
u
s
t
r
i
a
l
GE Consumer & Industrial
Power Protection
Catálogo Residencial
Dados técnicos - Protecção de pessoas
GE imagination at work GE imagination at work
ElfaPlus
TC.1
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
Aparelhagens de instalação
Protecção de linhas
Protecção de pessoas
Auxiliares e Pentes de ligação
Equipamentos de rearme
Gestão de energia
Quadros de distribuição
Protecção de linhas
Protecção de pessoas
Auxiliares eléctricos
Gestão de energia
Índice
Dados técnicos
TC.2 Características técnicas dos interruptores diferenciais - Fixwell™
TC.4 Características técnicas dos dispositivos diferenciais
TC.6 Protecção contra choques eléctricos
TC.6 Consequências da passagem da corrente eléctrica pelo corpo humano
TC.6 Risco de electrocussão (choque eléctrico)
TC.7 Como evitar contactos directos ou indirectos
TC.8 Sistemas de distribuição para instalações
TC.11 O que é um interruptor diferencial?
TC.11 Definições relativas aos interruptores diferenciais
TC.12 Classificação de dispositivos diferenciais conforme as normas EN 61008/61009
TC.12 Tipo AC
TC.12 Tipo A
TC.13 Tipo S
TC.13 Selectividade
TC.13 Selectividade vertical
TC.13 Selectividade horizontal
TC.14 Disparos por perturbações
TC.15 Identificação e utilização de um interruptor diferencial
TC.18 Identificação e utilização de um disjuntor diferencial
TC.20 Identificação e utilização de um bloco diferencial acoplável série Diff-o-Click
TC.24 Utilização de um disjuntor acoplado a um bloco diferencial acoplável
TC.26 Extracção simples da calha DIN
TC.27 Informação relativa ao produto
TC.27 Influência da temperatura ambiente do ar na corrente nominal
TC.28 Corrente de disparo em função da frequência
TC.29 Protecção de RCCBs
TC.30 Potência de perdas
TC.31 Energia de passo I
2
t de um RCBO
TC.32 Curvas de disparo de um RCBO segundo a norma EN 61009
TC.32 Texto para projectistas/entidades homologadoras
TC.1
X
N
o
v
o
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.2
ElfaPlus Fixwell™
Características técnicas dos interruptores diferenciais
Série FPP
Normas EN 61008-1
Classes de disparo diferencial A, S
Tempo de disparo a IΔn Instantâneo (ms) <40
Selectivo (ms) >150
Corrente nominal
(1)
(A) 25, 40, 63
Sensibilidade (IΔn) (mA) 30, 100, 300
Temperatura de referência (°C) 30
Número de pólos por módulo 1
Tensão nominal (Un) 2P CA (V) 240
4P CA (V) 415
Frequência (Hz) 50/60
Tensão de serviço máxima (Ubmax) (V) 2P=265 / 4P=455
Tensão de serviço mínima (V) 2P=110 / 4P=190
Alimentação Superior/Inferior
Capacidade de fecho e de corte nominal (Im) (A) 500 (ou 10xIn)
Capacidade de fecho e de corte diferencial (IΔm) (A) 500 (ou 10xIn)
Capacidade em curto-circuito condicional (Inc) (A) 10000 fusível de 100A
Capacidade em curto-circuito diferencial condicional (IΔc) (A) 10000
Aplicação como seccionador sim
Nível de isolamento Tensão de isolamento (V (CC) 500
Tensão de choque (kV) 8
Resistência de isolamento (MΩ) 1000
Rigidez dieléctrica (V) 2500
Resistência ao choque (direcção x, y, z) (IEC 60077/16.3) 40 g, 18 choques 5 ms
Resistência a vibrações (direcção x, y, z IEC 60068-2-6) 1,5g, 30 min, 0…80Hz
Endurance eléctrical a Un, In 10000
mecânica a Un, In 20000
Grau de protecção (compartimento exterior/interior) IP20 / IP40
Grau de auto-extinção (conforme UL94) V2
Tropicalização (conforme EN 60068-2, DIN 40046) (°C/RH) +55/95%
Grau de poluição (conforme IEC 60947-1) 3
Temperatura de funcionamento
(2)
-25.. +60
Temperatura de armazenamento (°C) -25..+70
Dispositivos adicionais (lateral) Contactos auxiliares CA sim
Tele U
(3)
sim
Tele L
(3)
sim
Tele M
(3)
sim
PBS
(3)
sim
Sistema de pentes inferior Ponteira sim
Forquilha não
Acessórios sim
Dimensões, peso, embalagem
# Pólos 2/4
(AxPxL) 2P/4P (mm) 88x68x36/73,2
Peso (g) 2P=248 / 4P=364
Embalagem 2P=1/6 / 4P=1/3
Certificações VDE-KEMA-CEBEC-IMQ
Marcação CE sim
Página C.10
(1) Limitação de corrente, como habitualmente, em função das condições de instalação.
(2) Com pentes de ponteira: -25/+50°C
(3) Com pentes de ponteira apenas na extremidade direita de cada linha. Não é permitido deixar ponteiras do pente para trás.
X
TC.2
N
o
v
o
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.3
Notas
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.4
FP
EN 61008-1
-
A, AC, S, Ai
< 40
> 150
16, 25, 40, 63, 80, 100, 125
10, 30, 100, 300, 500, 1.000
30
2-4
230
-
230/400
50/60
2P = 265 / 4P = 455
2P = 117 / 4P = 180
cima/baixo
-
500 (ou 10 x In)
500 (ou 10 x In)
10.000 fusível 80A
10.000
-
35
sim
500
8
>1.000
2.500
40g, 18 pulsos 5 ms
10.000
20.000
IP20/IP40
V2
95% de H.R. a 55°C
3
Classe A: -25 a +60 /
Classe AC: -5 a 60
-25 a +70
1,5/50
1,5/35
1,5/50
1,5/35
5/5
sim
sim
sim
sim
sim
sim / sim
sim / sim
sim
36/72
2-4
2P = 250 / 4P = 368
2P = 1/6 / 4P = 1/3
sim
C.6 / C.8
DP60
EN 61009-1
C
A, AC
< 40
> 150
4, 6, 10, 16, 20, 25, 32, 40
10, 30, 300
30
1P+N
230 (1P+N)
-
-
50/60
255
100
cima/baixo
3
500
6.000
-
-
6.000
35
sim
500
6
1.000
2.500
40g, 18 pulsos 5 ms
10.000
20.000
IP20/IP40
V2
95% de H.R. a 55°C
3
Classe A: -25 a +60 /
Classe AC: -5 a 60
-25 a +70
1/25
1/16
1/35
1/25
3/4
sim
sim
sim
sim
sim
- / sim
- / sim
sim
36
1+N
250
1/6
sim
C.12
DP100
EN 61009-1
C
AC
< 40
> 150
4, 6, 10, 16, 20, 25, 3
10, 30, 300
30
1P+N
230 (1P+N)
-
-
50/60
255
100
cima/baixo
3
500
6.000
-
-
10.000
35
sim
500
6
1.000
2.500
40g, 18 pulsos 5 m
10.000
20.000
IP20/IP40
V2
95% de H.R. a 55°
3
Classe A: -25 a +60
Classe AC: -5 a 60
-25 a +70
1/25
1/25
1/35
1/35
3/4
sim
sim
sim
sim
sim
- / sim
- / sim
sim
36
1+N
250
1/6

sim
C.14
Características técnicas dos dispositivos diferenciais
Série
Norma correspondente
Curvas de disparo magnetotérmico
Classe
Tempo de abertura a IΔ n
instantâneo (ms)
selectivo (ms)
Corrente nominal (A)
Sensibilidade IΔ n (mA)
Temperatura de referência (°C)
Pólos
Tensão nominal 2P CA (V)
3P CA (V)
4P CA (V)
Frequência (Hz)
Tensão máxima de utilização Ub max (V)
Tensão mínima de utilização Ub min (V)
Alimentação
Selectividade
Poder de fecho e corte Im (A)
Poder de fecho e corte diferencial IΔ m (A)
Capacidade de curto-circuito condicionada Inc (A)
Capac. de curto-circuito diferencial condicionada IΔ c (A)
Resistência a curto-circuitos Icn (A)
Distância de segurança (mm)
Apto como seccionador
Classe de isolamento
tensão de isolamento (V)
impulso de tensão (1,2/50 μs) (kV)
resistência de isolamento (mΩ)
rígidez dieléctrica (V)
Resistência ao choque ( eixos x, y, z)
Nº máximo de manobras eléctricas
mecânicas
Grau de protecção (sem painel/com painel)
Grau de auto-extinguibilidade (segundo UL 94)
Tropicalização (segundo EN 60068-2, DIN 40046)
Grau de poluição
Temperatura de funcionamento (°C)
Temperatura de armazenamento (°C)
Secções
condutor rígido min/max (cima) (mm
2
)
condutor flexível
(1)
min/max (cima) (mm
2
)
condutor rígido min/max (baixo) (mm
2
)
condutor flexível
(1)
min/max (baixo) (mm
2
)
Binário de aperto cima/baixo (Nm)
Acessórios
contactos auxiliares (CA, CB)
bobine de disparo por mínima tensão (Tele U)
bobine de disparo por emissão de corrente (Tele L)
comando eléctrico (Tele MP)
disparador por abertura de painel (PBS)
Sistema de ligações forquilha (superior/inferior)
(pentes de união) ponteira (superior/inferior)
Acessórios
Dimensões por módulo (A x L x P) 86 x 68 x P (mm)
Pólos
Peso por módulo (g)
Unidades por embalagem
Homologações
Marca CE
Página
(1) condutor flexível 1,5mm
2
com terminal
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.5
2, 40
ms
°C
0 /
0
Diff-o-Click para EP
EN 61009-1
B-C-D
A, AC, S
< 40
> 150
32, 63
30, 100, 300, 500, 1.000
30
2 - 3 - 4
230/400
400
400
50/60
2P=265 / 4P=455
2P=115 / 4P=180
cima
3
-
segundo disj. associado
-
-
segundo disj. associado
35
sim
500
8
1.000
2.500
40g, 18 pulsos 5 ms
10.000
20.000
IP20/IP40
V2
95% de H.R. a 55°C
3
Classe A: -25 a +60 /
Classe AC: -5 a 60
-25 a +70
-
-
1/35
1/25
4,5/4,5
sim (associado com disj.)
sim (associado com disj.)
sim (associado com disj.)
sim (associado com disj.)
sim (associado com disj.)
-
-
não
72-90/108/125/144
2-3-4
2P: 250 / 3P: 320 / 4P: 340
1

sim
C.16
Diff-o-Click para Hti
EN 61009-1
B-C-D
AC-A-S
<40
>150
80,100,125
30,300
30
1,5
230/400
400
400
50/60
2P=265 / 4P=455
2P=115 / 4P=180
cima
-
-
segundo disjuntor Hti
-
-
segundo disjuntor Hti
-
sim
500
6
1.000
2.500
40g, 18 pulsos 5 ms
4.000
10.000
IP20/IP40
V2
95% de H.R. a 55°C
3
Classe A: -25 a +60 /
Classe AC: -5 a 60
-25...+70
1/70
1/70
1/70
1/70
>4,5/4,5
sim (associado com disj.)
-
sim (associado com disj.)
-
-
-
-
não
161/188/215
2-3-4
712/842/1075
1
-
sim
C.20
FIP
EN 61008-1/IEC 60750
-
B, BS
< 200
-
25, 40, 63, 125
30, 100, 300, 500
30
1
230/400
400
400
50/60
4P = 440
4P = 150
cima/baixo
-
10 In
10 In
10 kA fus. 100A
10 kA fus. 80A
-
-
não
500
6
1.000
2.500
20g, 20ms
2.000
5.000
IP20/IP40
V2
95% de H.R. a 55°C
3
-25 a +55°C
90-95% H.R.
-25 a +70
1,5/60
1,5/35
1,5/50
1,5/35
3/3
sim
-
-
-
-
sim/sim
sim/sim
c. aux.
-
4
4P:450
1
CE
sim
C.22
NDP
NFC 62-411
-
G/S
< 40
> 150
-
500
20-25
-
1P+N / 3P+N
-
-
50/60
2P = 250 / 4P = 440
205
-
-
-
-
-
2000 ≤ 45A, 2400 > 45A
-
-
500
6
1000
2500
40g, 18 pulsos 5 ms
500
2000
IP20/IP40
V0
-
3
-
-25 a +70
1,5/50
1,5/35
1,5/35
1,5/50
-

-
-
-
-
-
-
-
-
-
2-4
-
1
sim
C.24
RD5 / RD6
EN 61009-1
B - C - D
A, AC, S
< 40
> 150
80, 100, 125
30, 300
30
1,5
230/400
400
400
50/60
2P = 265 / 4P = 455
2P = 115 / 4P = 180
cima
-
-
ver Hti
-
-
ver Hti
-
sim
500
8
1.000
2.500
40g, 18 pulsos 5 ms
4.000
10.000
IP20/IP40
V0
95% de H.R. a 55°C
3
Clase A: -25 a +60 /
Clase AC: -5 a 60
-25 a +70
2,5
2,5
2,5
2,5
>4,5/4,5
sim
-
sim
-
-
-
-
161 / 188 / 215
2-3-4
2P: 715 / 3P: 842 / 4P: 1075
1
-
sim
C.26
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.6
Protecção contra choques
eléctricos
Consequências da passagem de
corrente eléctrica pelo corpo
humano
Os conhecimentos actuais sobre os efeitos da
passagem da corrente eléctrica pelo corpo humano são
baseados em informações provenientes de diversas
fontes.
- Experiências com animais
- Observação clínica
- Experiências com pessoas já falecidas
- Experiências com seres humanos vivos
De referir que estamos a considerar os efeitos da
corrente resultante de um choque eléctrico. Quando
forem definidos os requisitos de segurança dever-se-ão
ter em conta os seguintes factores:
- Probabilidade de defeito
- Probabilidade de contacto com partes em tensão ou
avariadas
- Experiência
- Possibilidades técnicas
- Economia
O grau de perigo para as pessoas depende
fundamentalmente da magnitude e do tempo da
corrente que circula através do corpo humano. O
principal parâmetro que irá influir no valor da corrente
será a impedância do corpo humano.
Os efeitos da passagem de corrente eléctrica pelo corpo
humano estão especificados na figura 1 (Tabela tempo/
corrente CEI 60479-1).
Zonas Efeitos fisiológicos:
Zona 1 Habitualmente não é observado nenhum tipo de
reacção.
Zona 2 Habitualmente não são observados nenhum tipo
de efeitos fisiológicos que provoquem danos.
Zona 3 Habitualmente não são esperados danos de
ordem orgânica. Há a possibilidade de ocorrência
de contracções musculares e dificuldades
respiratórias, bem como de perturbações
reversíveis ou formação e condução de impulsos
eléctricos no coração, incluindo fibrilação arterial
e paragem cardíaca transitória sem fibrilação
ventricular, aumentando os efeitos com a
intensidade e duração da corrente eléctrica.
Zona 4 Aos efeitos da zona 3 deve ser adicionada a
probabilidade de fibrilação ventricular
aumentando até 5% (Curva C2), até
aproximadamente 50% (Curva C3), e acima de
50% a partir da curva C3. Podem produzir-se
efeitos patofisiológicos tais como paragem
cardíaca, paragem respiratória e graves
queimaduras, aumentando estes efeitos com a
intensidade e duração da corrente eléctrica.
Risco de electrocussão
Há risco de electrocussão quando o corpo humano
entra em contacto com superfícies condutoras a
potenciais diferentes. Existem dois tipos de contacto
que provocam a electrocussão:
- Contacto directo
- Contacto indirecto
As principais causas de ocorrência de electrocussão são:
- Defeito de isolamento no transformador Alta/Baixa
tensão AT/BT
- Sobretensões atmosféricas
- Envelhecimento do isolamento da carga ou dos
condutores
- Partes em tensão cuja protecção não é suficiente
Na norma CEI 61200-413, derivada da CEI 60479, é
explicado como a tensão máxima de segurança é função
das condições ambientais e a tensão de contacto teórica é
função do tempo máximo de disparo.
Tensão máxima de segurança:
- U
L
= 24V (condições húmidas)
- U
L
= 50V (condições secas)
Tensão
de contacto
teórica (V)
< 50
50
75
90
120
150
220
280
350
500
U
L
= 50V
Tempo máximo de disparo (s)
ac
5
5
0,6
0,45
0,34
0,27
0,17
0,12
0,08
0,04
dc
5
5
5
5
5
1
0,4
0,3
0,2
0,1
Zonas tempo/corrente dos efeitos da
corrente alternada (15 Hz até 100 Hz) nas
pessoas (fig. 1)
Tempo de disparo em função da tensão de contacto
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.7
Contacto directo
Ocorre quando uma pessoa toca acidentalmente numa
parte em tensão da instalação que não esteja ligada a um
eléctrodo de terra. Nesta situação, a pessoa torna-se parte
do circuito eléctrico por intermédio da resistência do corpo
e da resistência da terra.
Contacto indirecto
Ocorre quando uma pessoa toca numa parte metálica da
carga, estando essa parte ligada à terra, e acidentalmente
há um contacto com um condutor eléctrico devido a um
defeito de isolamento.
Como evitar contactos directos ou
indirectos
A protecção contra choques eléctricos deverá ficar
assegurada aplicando os seguintes conceitos de
acordo com a norma CEI 60364-4-41:
Protecção contra contactos directos ou indirectos
Protecção utilizando muito baixa tensão:
- SELV (tensão reduzida de segurança)
- PELV (tensão reduzida de protecção)
- FELV (tensão reduzida funcional)
Protecção contra contactos directos
A prevenção contra contactos directos pode ser
resumida da seguinte forma:
- Isolar os condutores com materiais apropriados
- Utilizar barreiras ou invólucros com um IP adequado
- Concepção da instalação tendo em conta
distâncias de segurança adequadas
- Protecção complementar através da utilização de
interruptores diferenciais com sensibilidade ≤30 mA
Protecção contra contactos indirectos
Para evitar o contacto indirecto existem diferentes
métodos de protecção:
Utilização de materiais que assegurem uma protecção
classe II
Protecção em ambientes não condutores
Em circunstâncias normais, todas as partes ou
componentes condutores desprotegidos devem estar
de forma a impedir que qualquer pessoa possa tocar
em qualquer parte ou componente em tensão.
Esta instalação não requer nenhum condutor de
protecção.
As paredes e solos deverão ser isolados com uma
resistência não inferior a:
- 50 kΩ para instalações com tensão nominal <500V
- 100 kΩ para instalações com tensão nominal >500V
Protecção mediante ligações equipotenciais locais em
instalações não ligadas à terra
A ligação equipotencial não deve ser ligada à terra nem
através de partes ou componentes condutores
desprotegidos, nem através dos condutores de
protecção.
Protecção mediante isolamento (galvânico) eléctrico
Utilizando transformadores de isolamento.
Protecção mediante desconexão automática da
instalação
Necessária nos casos em que existe risco de efeitos
fisiológicos nas pessoas devido à magnitude e duração
da tensão de contacto.
Este tipo de protecção requer uma boa coordenação
entre as ligações à terra, as características do condutor
de protecção e o dispositivo de protecção.
- Ligação à terra e condutor de protecção.
Todas as partes ou componentes condutores
desprotegidos devem ligar-se à terra através de
condutores de protecção de acordo com qualquer um dos
diferentes sistemas de distribuição em instalações.
- Dispositivo de protecção.
O dispositivo de protecção deve isolar a instalação
eléctrica da fonte de energia em caso de qualquer
parte ou componente condutor desprotegido ficar em
tensão. Tal dispositivo assegura que a tensão de
segurança (U
L
) não supera os 50V ou 120V sem
ondulação.
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.8
Sistemas de distribuição para
instalações
Sistema TT
Sistema que possui um ponto da fonte de alimentação
directamente ligado à terra, estando as partes ou
componentes condutores desprotegidos da instalação
ligados a eléctrodos de terra de forma electricamente
independente dos eléctrodos de terra da fonte.
· Fonte de alimentação
× Terra da fonte
· Instalação de receptores
÷ Aparelhagem da instalação
I Parte ou componente condutor desprotegido
© Eléctrodo de terra da instalação
I Interruptor diferencial
Caso ocorra um defeito no isolamento, o potencial das
partes ou componentes condutores desprotegidos,
aumentará bruscamente criando uma situação de perigo
de electrocussão. Esta situação pode ser evitada utilizando
interruptores diferenciais com sensibilidade adequada em
função da tensão de contacto.
Para assegurar condições de segurança na instalação, os
valores de terra deverão cumprir o seguinte:
R
A
x I
Δn
≤ 50V
R
A
= Valor da resistência de terra da instalação.
I
Δ n
= Valor da corrente diferencial da actuação do
interruptor diferencial.
L1
L2
L3
N
7
6 6
3
1
2
4
5
Esquema de ligações do sistema TT
Sistema IT

Sistema que não apresenta ligação directa entre as
partes ou componentes em tensão e a terra, estando
as partes ou componentes condutores desprotegidos
da instalação eléctrica ligadas a um eléctrodo de terra.
A fonte encontra-se ligada à terra através de uma
impedância de ligação à terra introduzida deliberada-
mente, ou encontra-se isolada em relação à terra.
Em caso de defeito de isolamento, a intensidade de
corrente não é suficientemente alta para gerar tensões
perigosas. No entanto, deverá assegurar-se uma
protecção contra contactos indirectos mediante um
dispositivo de vigilância do isolamento que permita
activar um alarme óptico e acústico quando se produzir
o primeiro defeito. Em caso de ocorrer um segundo
disparo, deverá realizar-se uma interrupção de serviço
mediante disjuntores com base nas seguintes
condições de disparo:
Para garantir condições de segurança na instalação,
dever-se-à ter em conta o seguinte:
R
A
x Id ≤ 50V
R
A
= Valor da resistência de terra da instalação.
Id = Valor da intensidade de defeito do primeiro
defeito.
L1
L2
L3
7
6
2
8
4
5
3
1
· Fonte de alimentação
× Terra da fonte
· Instalação de receptores
÷ Aparelhagem da instalação
I Parte ou componente condutor desprotegido
© Impedância de ligação à terra
I Dispositivo de vigilância de isolamento
I Dispositivo de protecção para o segundo defeito
Uo/U (V)
Uo= Tensão fase/neutro
U= Tensão entre 2 fases
127/220
230/400
400/690
580/1000
Neutro não
distribuido
0,8
0,4
0,2
0,1
Neutro
distribuido
0,8
0,4
0,2
0,1
Esquema de ligações do sistema IT
Tempo de disparo máximo
Tempo de disparo (s) UL=50V
Tensão
segurança
50V
25V
0.01A
5000Ω
2500Ω
0.03A
1666Ω
833Ω
0.1A
500Ω
250Ω
0.3A
166Ω
83Ω
0.5A
100Ω
50Ω
1A
50Ω
25Ω
0.3A
83Ω
41Ω
Sensibilidade em função dos valores da resistência de terra
Sensibilidade S
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.9
Sistema TN
Sistema que possui um ou mais pontos da fonte de
alimentação ligados directamente à terra, estando a
parte ou componente condutor desprotegido da
instalação ligado a esse(s) ponto(s) mediante condutores
de protecção. Um defeito de isolamento originará um
curto-circuito (fase-neutro) na instalação.
Existem dois tipos de sistemas TN: TN-C e TN-S
TN-C, Sistema no qual as funções do neutro e do
condutor de protecção estão combinadas num só
condutor em todo o sistema.
· Fonte de alimentação
× Terra da fonte
· Instalação de receptores
÷ Aparelhagem da instalação
I Peça ou componente condutor desprotegido
© Terra da fonte adicional
I Condutor de protecção e neutro combinado PEN
I Dispositivo de protecção contra curto-circuitos
TN-S, sistema que possui condutores neutro e de
protecção independentes em todo o sistema.
· Fonte de alimentação
× Terra da fonte
· Instalação de receptores
÷ Aparelhagem da instalação
I Peça ou componente condutor desprotegido
© Condutor de protecção
I Dispositivo de protecção contra curto-circuitos
(disjuntor ou interruptor diferencial)
L1
L2
L3
PEN
8
3
7
6 2
4
5
1
Esquema de ligações do sistema TN-C
7
3
1
2
6
4
5
L1
L2
L3
PE
N
Esquema de ligações do sistema TN-S
Um curto-circuito provocado por um defeito de
isolamento deverá ser interrompido por um dispositivo
de protecção suficientemente rápido segundo
as seguintes condições:
1. Para garantir as condições de segurança da
instalação, o dispositivo de protecção deverá
respeitar a seguinte condição:
Z
S
x Ia ≤ U
0
Z
S
= Impedância total do anel de defeito (incluídas
as impedâncias da fonte de alimentação, do
condutor activo e do condutor de protecção).
Ia= Intensidade de defeito que garante a actuação
do dispositivo de protecção.
(Em caso de um interruptor diferencial: Ia=Idn)
U
0
= Tensão nominal fase-terra
2. A velocidade de interrupção fica assegurada pelo
sistema de disparo magnético do disjuntor ou pelo
fusível de protecção.
3. Em caso de condutores de grandes comprimentos, a
corrente de curto-circuito poderá não alcançar os
valores de disparo do dispositivo de protecção. Por
este motivo é aconselhável a utilização de
interruptores diferenciais (TN-S).
4. Para assegurar que a corrente de defeito gerada é
suficientemente elevada de modo a provocar o
disparo do dispositivo de protecção, dever-se-ão ter
em conta os seguintes parâmetros:
4.1. Curva de disparo do aparelho de protecção:
Disjuntores modulares: Curva B (3-5 x In)
Curva C (5-10 x In)
Curva D (10-20 x In)
Disjuntores compactos:
De acordo com a regulação magnética
Fusíveis:
De acordo com a característica tempo/intensidade:
- gL
- gG
- aM
4.2. Intensidade nominal do dispositivo de protecção (In).
4.3. Impedância da instalação
Comprimento e secção dos condutores.
Ver tabelas em C.6
Tensão
fase/neutro
Uo (V)
127
230
400
>400
Tempo
disparo máximo (s)
ac
0,8
0,4
0,2
0,1
Tempo de disparo máximo
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.10
Característica
disparo
K1
Curva B x 2
Curva D x 0,5
Curva K x 1,6
Curva Gi x 0,8
Curva Im x 10/Im
Tensão
K2
3 x 230V x 0,58
Condutor
K3
Aluminio 0,62
Secção do
condutor
PE(N)
K4
m = Sfase / Spe(n)
m = 0,5 x 2
m = 1 x 1
m = 2 x 0,67
m = 3 x 0,5
m = 4 x 0,4
Coeficientes de correcção Exemplo
Sistema TN trifásico com Un = 230 V, protegido por um
disjuntor compacto de 80A (Im = 8xIn). Condutor de
fase em cobre, 50 mm
2
, e condutor PE em cobre,
25 mm
2
.
Lmax = 257 x
10
8
x 0,58 x 0,67 = 125m
100

25
41
66
103
144
205
287
390
493
536
633
788
947
1026
1140
1166
780
985
1071
1266
1577
1170
1478
1607
1899
125
33
53
82
115
164
230
312
394
428
506
631
758
821
912
933
624
788
857
1013
1261
936
1182
1285
1519
1892
160
41
64
90
128
180
244
308
335
396
493
592
642
713
729
488
616
669
791
985
731
924
1004
1187
1478
250
57
82
115
156
197
214
253
315
379
411
456
467
312
394
428
506
631
468
591
643
760
946
400
72
98
123
134
158
197
237
257
285
292
195
246
268
316
394
293
370
402
475
591
630
78
85
100
125
150
163
181
185
124
156
170
201
250
186
235
255
301
375
800
79
99
118
128
143
146
98
123
134
158
197
146
185
201
237
296
1000
79
95
103
114
117
78
99
107
127
158
117
148
161
190
236
1250
82
91
93
79
86
101
126
94
118
129
152
189
1600
73
79
99
73
92
100
119
148
Comprimento máximo de condutor protegido para protecção de pessoas (contra contactos indirectos)
TN 3 x 400V, UL = 50V, m = 1 mediante fusíveis gL-gG
TN 3 x 400V, UL = 50V, m = 1 mediante disjuntores modulares e disjuntores compactos
In (A)
S mm
2
1,5
2,5
4
6
10
16
25
35
50
70
95
120
150
185
240
300
400
500
625
2x95
2x120
2x150
2x185
2x240
3x95
3x120
3x150
3x185
3x240
0,5
1232
1
616
1026
1642
2
308
513
821
1232
4
154
257
411
616
1026
1642
6
103
171
274
411
684
1095
1711
10
62
103
164
246
411
657
1026
1437
16
38
64
103
154
257
411
642
898
1283
1796
20
31
51
82
123
205
328
513
718
1026
1437
1950
25
25
41
66
99
164
263
411
575
821
1150
1560
1971
32
19
32
51
77
128
205
321
449
642
898
1219
1540
1673
1978
40
15
26
41
62
103
164
257
359
513
718
975
1232
1339
1582
1971
1950
50
21
33
49
82
131
205
287
411
575
780
985
1071
1266
1577
1895
1560
1971
63
16
26
39
65
104
163
228
326
456
619
782
850
1005
1251
1504
1629
1810
1851
1238
1564
1700
1857

80

21
31
51
82
128
180
257
359
488
616
669
791
985
1184
1283
1426
1458
975
1232
1339
1582
1971
1463
1848
Condutor de cobre
Curva C (Im: 10 x In)
In (A)
S mm
2
1,5
2,5
4
6
10
16
25
35
50
70
95
120
150
185
240
16
99
20
86
134
25
40
110
183
32
21
67
139
214
40
13
41
108
165
275
50
7
25
67
139
226
63
13
46
94
172
283
80
8
24
55
130
217
336
100
14
33
90
168
257
367
125
7,3
20
57
128
197
283
379
160
10
30
86
155
220
299
441
200
17,5
53
118
172
229
336
472
250
30
73
134
179
268
367
462
483
315
42
59
136
202
278
346
373
441
400
48
93
134
215
268
283
336
504
500
58
124
172
215
231
273
315
630
55
109
145
151
185
215
800
63
109
124
147
172
1000
52
79
107
126
Fusíveis gG
Condutor de cobre
Comprimento máximo de condutor protegido para protecção de pessoas (contra contactos indirectos)
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.11
O que é um interruptor diferencial?
Um dispositivo diferencial ou RCD (Residual Current
Device) é um dispositivo destinado a proteger as
pessoas contra contactos indirectos, estando as partes ou
componentes condutores desprotegidos da instalação
ligados a um eléctrodo de terra adequado. Pode
empregar-se para assegurar a protecção contra riscos de
incêndio devidos a uma corrente de defeito à terra
persistente que não provoque a actuação do dispositivo
de protecção contra sobrecargas.
Os dispositivos diferenciais com uma corrente
diferencial nominal não superior a 30 mA são utilizados
também como elementos de protecção adicional em
caso de defeito do dispositivo de protecção contra
electrocussão (contactos directos).
PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO
Os principais componentes de um dispositivo
diferencial são os seguintes:
- O transformador de núcleo: que detecta o defeito de
corrente à terra.
- O relé: quando se detecta uma corrente de defeito à
terra, ocorre o disparo do relé, originando a abertura
dos contactos deste.
- O mecanismo: elemento que abre e fecha os
contactos manual ou automaticamente.
- Os contactos: para abrir ou fechar o circuito principal.
O aparelho diferencial monitoriza constantemente a
soma vectorial da corrente que circula através de todos
os condutores. Em condições normais, a soma vectorial
é zero (I1+I2=0), mas em caso de defeito à terra, a
soma vectorial é diferente de zero (I1+I2=Id), que
provoca a actuação do relé e, deste modo, origina a
abertura dos contactos principais.
nas condições de utilização e comportamento
estabelecidas.
Poder de ligação e corte diferencial (IΔm)
Valor da componente c.a. de uma corrente diferencial
teórica que pode ligar um RCCB, conduzir durante o seu
tempo de abertura e interromper nas condições
especificadas de serviço e intervenção.
Corrente de curto-circuito diferencial condicional (IΔc)
Valor da componente c.a. de uma corrente teórica que
pode suportar um RCCB protegido por um SCPD
(dispositivo de protecção contra curto-circuitos)
adequado, ligado em série, em condições específicas
de serviço e intervenção.
Corrente de curto-circuito condicional (Inc)
Valor da componente c.a. de uma corrente diferencial
teórica que pode suportar um RCCB protegido por um
SCPD adequado, ligado em série, em condições
específicas de serviço e intervenção.
Corrente de curto-circuito diferencial admissível
Valor máximo da corrente diferencial para a qual fica
garantida a actuação do RCCB em condições
específicas e acima do qual o dispositivo pode sofrer
alterações irreversíveis.
Corrente teórica
Corrente que circularia no circuito se cada circuito
principal do RCCB e do dispositivo de protecção contra
sobrecargas (caso exista) fossem substítuidos por um
condutor de impedância desprezável.
Poder de ligação
Valor da componente c.a. de uma intensidade teórica
que um RCCB pode ligar a uma tensão especificada em
condições especifícas de serviço e intervenção.
Posição aberta
Posição em que fica assegurada a separação pré-
determinada entre contactos abertos no circuito
principal do RCCB.
Posição fechada
Posição em que fica assegurada a continuidade pré-
determinada do circuito principal do RCCB.
Tempo de disparo
Tempo compreendido entre o instante em que se
alcança bruscamente a corrente diferencial e o
instante de extinção do arco em todos os pólos.
Corrente diferencial (IΔn)
Soma vectorial dos valores instantâneos da corrente
que circula no circuito principal do RCCB.
Corrente diferencial de actuação
Valor da corrente diferencial que provoca a actuação
do RCCB em condições específicas.
Poder nominal de corte (Icn)
Valor do poder de corte máximo em curto-cicuito
nominal do disjuntor. (Apenas aplicável ao RCBO)
Corrente convencional de não disparo (Int)
Valor específico de corrente que o disjuntor suporta
durante um tempo específico sem actuar. (Apenas
aplicável ao RCBO)
Corrente convencional de disparo (It)
Valor específico de corrente que provoca o disparo do
disjuntor num período pré-determinado (Apenas
aplicável ao RCBO)
Resistência de
prova
Enrolamento
secundário
Botão de teste
Contactos

Mecanismo
de disparo

Relé

Núcleo do
transformador
e enrolamento
primário
Definições relativas aos
interruptores diferenciais
RCCB = Interruptor diferencial sem protecção contra
sobrecargas.
RCBO = Disjuntor diferencial com protecção contra
sobrecargas.
Poder de corte
Valor da componente c.a. de uma corrente teórica que
pode interromper um RCCB a uma tensão especificada
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.12
Classificação de dispositivos
diferenciais conforme a EN
61008/61009
Os dispositivos diferenciais podem classificar-se quanto ao:
Comportamento em presença de corrente contínua
(tipos para uso geral).
- Tipo AC
- Tipo A
Atraso de tempo (em presença de correntes de
defeito)
- Dispositivos diferenciais sem atraso: tipo para uso
geral
- Dispositivos diferenciais com atraso: tipo S para
selectividade
Tipo AC
Os dispositivos diferenciais tipo AC foram concebidos
para actuar perante correntes de defeito sinusoidais
que registem um aumento de magnitude brusco ou
lento.
Corrente de defeito
0,5 x lΔ n
1 x lΔ n
2 x lΔ n
5 x lΔ n
Tempo disparo
t = ∞
t = < 300ms
t = < 150ms
t = ≤ 40ms
Curva de disparo para dispositivos tipo AC
Curva de disparo tipo A
Tipo A
Quando ocorrem defeitos, alguns dispositivos podem
originar correntes de fuga à terra não sinusoidais
(componentes de Corrente Contínua) devido à presença
de componentes electrónicos,
p. ex.: díodos, tíristores....
Os dispositivos diferenciais tipo A foram concebidos
para assegurar que, em tais condições, esses
dispositivos actuem com base nos valores da corrente
diferencial sinusoidal e da corrente contínua pulsante
(*), visto que ambas apresentam um aumento de
magnitude lento ou brusco.
(*) Corrente contínua pulsante: corrente com forma de onda pulsante
que assume o valor 0 em cada período à frequência nominal, ou
um valor não superior a 0,006 A c.c. durante cada intervalo de
tempo, expresso como medida angular, de pelo menos 150º.
Corrente de defeito Tempo de disparo


0,5xIΔ n t = ∞
1 xIΔ n t = < 300ms
2 xIΔ n t = < 150ms
5 xIΔ n t = < 40ms


No ponto de onda 0°
0,35xIΔ n t = ∞
1,4 xIΔ n t = < 300ms
2,8 xIΔ n t = < 150ms
7 xIΔ n t = < 40ms
No ponto de onda 90°
0,25xIΔ n t = ∞
1,4 xIΔ n t = < 300ms
2,8 xIΔ n t = < 150ms
7 xIΔ n t = < 40ms
No ponto de onda 135°
0,11xIΔ n t = ∞
1,4 xIΔ n t = < 300ms
2,8 xIΔ n t = < 150ms
7 xIΔ n t = < 40ms

1. Para correntes de defeito sinusoidais




2. Para correntes de defeito contínuas pulsantes

min.150°
min.150°
max.6mA
max.6mA
Tipo A
Tipo AC
t máx.
xlΔ n
t máx.
xlΔ n
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.13
Selectividade
Selectividade vertical
Numa instalação com dispositivos diferenciais instalados
em série devemos prestar especial atenção à selectividade
vertical com o fim de assegurar que, em caso de fuga à
terra, actue unicamente o dispositivo diferencial situado
imediatamente a montante do ponto de defeito.
A selectividade fica garantida quando a característica
tempo/corrente do dispositivo diferencial situado a
montante (A) fica por cima da característica tempo/
corrente do dispositivo diferencial situado a jusante (B).
Para obter selectividade vertical, deveríamos ter presentes
os seguintes parâmetros:
O dispositivo diferencial situado na parte superior da
instalação deverá ser do tipo S. A corrente de defeito de
actuação do RCCB instalado a jusante deverá ser inferior à
correspondente ao dispositivo diferencial instalado a
montante com base na seguinte fórmula:
IΔn jusante < IΔn montante/3
Selectividade horizontal
Para dispôr de selectividade horizontal numa instalação
com dispositivos diferenciais deve-se evitar o uso de
dispositivos diferenciais em cascata. Cada circuito
individual da instalação deve estar provido de um
dispositivo diferencial com uma corrente de defeito de
actuação adequada. A ligação do dispositivo de
protecção de reserva e do dispositivo diferencial deve
realizar-se tendo em conta a protecção contra curto-
circuitos (classe II).
Tipo S S
Os dispositivos diferenciais tipo A ou AC são de disparo
instantâneo. Para assegurar uma total protecção das
pessoas em instalações verticais (diferentes das de
classe II), com mais de um circuito para garantir o
serviço da instalação em caso de defeito à terra num
dos circuitos ou para evitar disparos não desejados
devido à existência de harmónicos, intensidades
transitórias de ligação elevadas devidas ao arranque
de motores, cargas reactivas ou accionamentos de
velocidade variável, devem utilizar-se dispositivos
diferenciais selectivos no nível superior da instalação.
Qualquer dispositivo diferencial tipo S é selectivo em
relação a qualquer outro dispositivo diferencial
instantâneo instalado a jusante com sensibilidade
inferior.
·
RCCB selectivo
×
RCCB instantâneo
Selectividade horizontal
Protegido contra
curto-circuitos
RCCB
30mA
RCCB
30mA
Selectividade vertical
RCCB
300mA
selectivo
RCCB
30mA
RCCB
100mA
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.14
Disparos por perturbações
Tipo AI e ACI (Alta imunidade aos disparos por
perturbações)
Cada vez com maior frequência, os equipamentos
eléctricos incorporam componentes electrónicos que
provocam disparos por perturbações dos dispositivos
diferenciais convencionais de 30mA tipo A ou AC (sempre
nos momentos mais críticos como fins de semana, zonas
sem presença de pessoas…) devido à existência de
sobretensões ou correntes de alta frequência produzidas
por perturbações atmosféricas, equipamentos de
iluminação (balastros electrónicos), computadores,
aparelhos, ligações a condutores de elevado
comprimento que induzem elevadas capacidades à
terra, etc.
Por vezes os filtros incorporados nos dispositivos diferenciais
standard tipo A ou AC que estão protegidos para impedir os
disparos por perturbações até correntes de pico de 250 A
8/20 μs não permitem evitar 100% dos disparos indesejados.
Por este motivo, a GE Power Controls desenvolveu uma nova
geração de dispositivos diferenciais que protegem os
disparos por perturbações para correntes de pico até 5000 A
8/20 μs.
Instalações com equipamentos de iluminação com
balastros electrónicos ou computadores.
O problema mais comum nestas instalações é o disparo do
dispositivo diferencial ao LIGAR/DESLIGAR o equipamento. É
recomendado que, em caso de vários dispositivos instalados
na mesma linha, a soma de todas as correntes de fuga não
supere 1/3 IΔ n, já que qualquer perturbação na linha pode
provocar o disparo do dispositivo diferencial. Para este tipo
de instalação recomenda-se subdividir os circuitos ou utilizar
dispositivos diferenciais tipo AI ou ACI.
Os dispositivos diferenciais tipo AI ou ACI possuem uma
característica de disparo de acordo com a norma EN
61008/61009.
Todos os dispositivos diferenciais possuem um elevado
nível de imunidade às correntes transitórias, aos
impulsos de corrente de 8/20 μs conforme a norma EN
61008/61009 e VDE 0664 parte 1
Tipo A, AC ................................... 250 A 8/20 μs
Tipo S .........................................3000 A 8/20 μs
Tipo AI e ACI ............................5000 A 8/20 μs
0
10%
90%
100%
50%
8us
20us
Curva 8/20 μs
Os dispositivos diferenciais possuem um elevado nível
de imunidade às correntes de onda em anel de alta
frequência conforme a norma EN 61008/61009
Curva 0,5 μs - 100 kHz - 200 A - EN 61008/61009
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.15
Identificação e utilização de um interruptor diferencial RCCB série FP
Informação de produto
Utilização de um RCCB
Manípulo
de comando
Indicador de
posição dos
contactos
Botão de teste
Exemplo: RCCB 2P 25A 30mA Tipo A
Homologações
Tipo
Funcionamento a -25°C
Código
Curva de disparo
Nome comercial
Corrente nominal
Marca comercial
Esquema eléctrico
Indicador ON-OFF
Tensão nominal
Sensibilidade
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.16
BOTÃO DE TESTE
Para assegurar o correcto funcionamento do RCCB,
deverá ser accionado com frequência o botão de teste
T. Quando o botão for accionado, o dispositivo deverá
actuar.
INDICADOR DE POSIÇÃO DOS CONTACTOS
Estampado sobre o manípulo de comando destina-se
a proporcionar informação sobre a posição real dos
contactos.
O-OFF
Contactos em posição
aberta. Assegurada uma
distância entre
contactos > 4mm.
I-ON
Contactos em posição
fechada. Assegurada
uma continuidade no
circuito principal.
MANÍPULO DE COMANDO
Para LIGAR ou DESLIGAR o RCCB
INDICADOR DE DISPARO
Serve para sinalizar o disparo quando ocorre um
defeito.
Indicador branco
O manípulo de comando está na posição ON:
O RCCB funciona normalmente
Manípulo de comando na posição OFF:
O RCCB foi accionado
manualmente
Indicador azul
O RCCB disparou devido a um
defeito à terra ou o disparo
foi originado por uma função
auxiliar.
I-0N
0-0FF
0-0FF
I-0N
INDICADOR DE CIRCUITO
Para identificação do circuito pelo utilizador. É possível identificar o circuito eléctrico colocando uma etiqueta com
pictogramas que pode ser criada utilizando o software adequado da GE Power Controls.
Empurre a janela para
baixo e abra-a.
Coloque a etiqueta na janela.
Feche a janela e
empurre-a para cima.
1 jan, 1 fevr, 1 março,...
TESTE
PREMIR
OFF
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.17
TODOS OS CONDUTORES DEVEM ESTAR LIGADOS AO RCCB
Todos os condutores, de fase ou neutro, que
configurem a alimentação eléctrica da instalação que
se pretenda proteger, devem ligar-se ao RCCB através
dos bornes superiores ou inferiores conforme um dos
seguintes esquemas.
ACESSO AO MECANISMO PARA ACESSÓRIOS
Para acoplar acessórios devemos retirar a tampa do
lado direito para poder aceder ao mecanismo.
É possível adicionar qualquer contacto auxiliar, bobine
de disparo por emissão de corrente, bobine de disparo
por mínima tensão ou comando eléctrico, com base
numa configuração dos módulos de ampliação descrita
no capítulo T.3.
Afaste a tampa para
o lado direito
Feche os bornes
TAPA-BORNES SELÁVEL
Acessório para impedir o acesso aos parafusos com o
fim de evitar a sua manipulação.
Máx. 4 CA
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.18
0
-0
F
F
0
-0
F
F
Utilização de um RCBO
Identificação e utilização de um disjuntor diferencial RCBO série DP
Botão de teste . .
Indicador de posição
dos contactos
Acesso ao mecanismo
para acessórios
Manípulo de comando
Indicador de circuito
Informação de produto
Exemplo: RCBO 1P+N C16 30mA Tipo A
Código
Curvas de disparo
magneto-térmico Classe A
Marca comercial
Tipo
Nome comercial Corrente nominal
Poder de corte
nominal Icu, Ics
Tensão nominal
Sensibilidade
Funcionamento a -25°C
Classe de selectividade
Indicador ON-OFF
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.19
BOTÃO DE TESTE
Para assegurar o correcto funcionamento do RCBO,
deverá ser accionado com frequência o botão de teste
T. Este dispositivo deverá provocar o disparo ao
accionar o botão de prova.
INDICADOR DE POSIÇÃO DOS CONTACTOS
Estampado sobre o manípulo de comando destina-se a
proporcionar informação sobre a posição real dos
contactos.
O-OFF
Contactos em posição
aberta. Assegurada
uma distância entre
contactos > 4mm.
I-ON
Contactos em posição
fechada. Assegurada uma
continuidade no circuito
principal.
MANÍPULO de COMANDO
Para LIGAR ou DESLIGAR o RCBO
ACESSO AO MECANISMO PARA ACESSÓRIOS
É possível adicionar qualquer contacto auxiliar, bobine
de disparo por emissão de corrente, bobine de disparo
por mínima tensão ou comando eléctrico, com base
numa configuração dos módulos de ampliação descrita
no capítulo L3.4 - L3.10.
TODOS OS CONDUTORES DEVEM ESTAR LIGADOS AO RCBO
Todos os condutores, de fase ou neutro, que
configurem a alimentação eléctrica da instalação que
se pretenda proteger, devem ligar-se ao RCBO através
dos bornes superiores ou inferiores conforme um dos
seguintes esquemas.
INDICADOR DE CIRCUITO
Para identificação do circuito pelo utilizador.
É possível identificar o circuito eléctrico colocando uma etiqueta com pictogramas que pode ser criada utilizando o
software adequado da GE Power Controls.
1 jan, 1 fevr, 1 março,...
TESTE
PREMIR
OFF
Máx. 4 CA
Coloque a etiqueta
na janela.
Feche a janela e
empurre-a para cima.
Empurre a janela para
baixo e abra-a.
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.20
Identificação e utilização de um bloco diferencial acoplável
série Diff-o-Click
Informação de produto
Aplicação de um bloco diferencial acoplável
Sistema de montagem
de barramentos
Botão de teste
Manípulo de comando
acoplado ao disjuntor
Tapa-bornes do bloco
diferencial
Sistema de bloqueio do
acoplamento entre o disjuntor e o
bloco diferencial
Condutores de
ligação móveis
Codificação para disjuntor
Exemplo: Bloco diferencial acoplável DOC
Marca comercial
Curva de disparo
Funcionamento a -25°C
Esquema eléctrico
Sensibilidade
Nome comercial
Código
Indicador ON-OFF
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.21
CONDIÇÕES DE MONTAGEM
O Anexo G da norma EN 61009-1 refere:
- Não é permitido acoplar a um disjuntor com uma
determinada corrente nominal um bloco diferencial
acoplável com intensidade máxima inferior.
- Não é permitido acoplar um bloco diferencial
acoplável a um disjuntor que não possa interromper o
neutro associado.
Para cumprir as condições acima assinaladas, foi
implementado no bloco diferencial acoplável com um
sistema de codificação que impede uma montagem
incorrecta.
A montagem correcta deverá realizar-se do seguinte
modo:
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.22
MANÍPULO DE COMANDO
Para LIGAR ou DESLIGAR o bloco diferencial acoplável.
O manípulo de comando sobrepõe-se ao do disjuntor,
permitindo um acoplamento entre ambos os manípulos.
SISTEMA DE PROTECÇÃO CONTRA MANIPULAÇÕES
Para proteger a combinação entre o bloco diferencial e o
disjuntor uma vez terminado a sua montagem. Qualquer
manipulação após a montagem das unidades deixará
danos visíveis na mesma.
TAPA-BORNES
Existem tapa-bornes imperdiveis para os bornes inferiores
do disjuntor bem como para os bornes do bloco diferencial.
LIGAÇÃO MÓVEL
Para tornar possível uma montagem rápida e simples,
os condutores de ligação são biestáveis
COMO ACOPLAR UM BLOCO DIFERENCIAL ACOPLÁVEL E
UM DISJUNTOR
Uma vez completa e testada electricamente a unidade
combinada, proceda ao bloqueio do acoplamento
através do botão de bloqueio.
SISTEMA DE MONTAGEM DE BARRAMENTOS
O bloco diferencial acoplável permite a montagem de pentes
em ponteira ou forquilha nos bornes superiores.
Puxe para baixo o bloco de
ligações.
Verifique se o acoplamento
foi correctamente realizado.
Binário máximo de aperto dos
parafusos
4,5 Nm
Coloque o bloco diferencial e
o disjuntor um ao lado do
outro, estando ambos na
posição OFF (DESLIGADO).
Puxe o bloco de ligações
para cima de modo a este
encaixar perfeitamente no
disjuntor.
Puxe o tapa-bornes do bloco
diferencial para cima de
modo a este encaixar
perfeitamente no disjuntor
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.23
TODOS OS CONDUTORES DEVEM ESTAR LIGADOS AO
RCBO
Para proteger o bloco diferencial de modo adequado, é
aconselhável alimentar a unidade combinada
(disjuntor/bloco diferencial) a partir do disjuntor (bornes
superiores) de modo a que o disjuntor proporcione uma
protecção de reserva ao bloco diferencial.
Todos os condutores, fases e neutro que configurem a
fonte de alimentação da instalação a proteger, devem
ser ligados à combinação disjuntor/bloco diferencial.
ACESSO AO MECANISMO PARA ACESSÓRIOS
É possível adicionar qualquer contacto auxiliar, bobine
de disparo por emissão de corrente, bobine de disparo
por mínima tensão ou comando eléctrico do lado
esquerdo, com base numa configuração dos módulos
de ampliação descrita na cap. L3.
BOTÃO DE TESTE
Para assegurar o correcto funcionamento do RCBO,
deverá ser accionado com frequência o botão de teste
T. Este dispositivo deverá provocar o disparo ao
accionar o botão de prova.
Máx. 4 CA
1 jan, 1 fevr, 1 março,...
TESTE
PRESSIONAR
OFF
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.24 TC.24
Utilização de um disjuntor acoplado a um bloco diferencial acoplável
Informação de produto
Utilização de um disjuntor + um bloco diferencial acoplável
Sistema de montagem de barramentos
Botão de teste
Manípulo de comando
acoplado ao disjuntor
Tapa-bornes do
bloco diferencial
Sistema de bloqueio do
acoplamento entre o disjuntor e
o bloco diferencial
Acesso ao mecanismo
para acessórios
Exemplo: Disjuntor + bloco diferencial acoplável
Exemplo: Disjuntor + bloco diferencial acoplável
Nome comercial
Código
Curvas de disparo
magneto-térmico Classe A
Esquema eléctrico
Funcionamento a -25°C
Sensibilidade
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.25
BOTÃO DE TESTE
Para assegurar o correcto funcionamento do RCBO,
deverá ser accionado com frequência o botão de teste
T. O aparelho deverá disparar ao accionar o botão de
teste.
SISTEMA DE MONTAGEM DE BARRAMENTOS
O bloco diferencial acoplável permite a montagem de
pentes em ponteira ou forquilha nos bornes superiores.
MANÍPULO DE COMANDO
Para LIGAR ou DESLIGAR o disjuntor/bloco diferencial
combinado. O manípulo de comando sobrepõe-se ao
do disjuntor, permitindo um acoplamento entre ambos
os manípulos.
TAPA-BORNES
Estão íncluidos tapa-bornes imperdíveis no bloco
diferencial.
TODOS OS CONDUTORES DEVEM SER LIGADOS AO RCBO
Para proteger o bloco diferencial de modo adequado, é
aconselhável alimentar a unidade combinada
(disjuntor/bloco diferencial) a partir do disjuntor (bornes
superiores) de modo a que o disjuntor proporcione uma
protecção de reserva ao bloco diferencial.
Todos os condutores, fases e neutro, que configurem a
fonte de alimentação da instalação a proteger, devem
ser ligados à combinação disjuntor/bloco diferencial.
ACESSO AO MECANISMO PARA ACESSÓRIOS
O mecanismo para acessórios permite adicionar
qualquer contacto auxiliar, bobine de disparo por
emissão de corrente, bobina de disparo por mínima
tensão ou comando eléctrico do lado esquerdo, com
base numa configuração dos módulos de ampliação
descrita no capítulo TD.4-TD.10.
1 jan, 1 febr, 1 march,... 1 jan, 1 fevr, 1 março,...
TESTE
PRESSIONAR
OFF
Máx. 4 CA
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.26 TC.26
Extracção simples da calha DIN
Os dispositivos diferenciais podem ser facilmente
extraídos da calha DIN quando instalados com pentes,
seguindo as instruções a seguir descritas.
·
Abra totalmente os bornes
×
Desengatilhe o clip da calha DIN
·
Levante o aparelho diferencial e
retire-o da calha DIN
·
Abra totalmente os bornes
×
Desengatilhe o clip da calha DIN
·
Levante o aparelho diferencial e
rode a parte superior para dentro
÷
Rode a parte inferior para dentro
e retire o aparelho diferencial
da calha DIN
Barramentos em pente de ponteira e de forquilha (bornes inferiores)
Barramentos em pente com ponteira: bornes superiores
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.27
Informação relativa ao produto
Influência da temperatura
ambiente do ar na corrente
nominal
Influência da temperatura no interruptor diferencial
O valor máximo da corrente que pode circular através de
um interruptor diferencial RCCB depende da corrente
nominal bem como da temperatura do ar ambiente. O
dispositivo de protecção situado a montante do interruptor
diferencial deverá garantir o disparo para os valores que
figuram na tabela seguinte:
Os valores acima apresentados correspondem a aparelhos
instalados ao ar livre. Para aparelhos instalados junto a
outros dispositivos modulares no mesmo quadro de
distribuição, deverá aplicar-se um coeficiente de correcção
(K) em função do número de circuitos principais da
instalação (EN 60439-1):
Exemplo de cálculo
Dentro de um quadro de distribuição composto por oito
interruptores 2 x 16A e a uma temperatura ambiente
de funcionamento de 45°C, que corresponde à
temperatura mais alta a que pode funcionar o disjuntor
sem disparos indesejados.
Cálculo
O factor de correcção K=0,7, para uso numa instalação
com oito circuitos: 16A x 0,7= 11,2A
Dado que o interruptor trabalha a 45°C, deverá aplicar-
se outro factor (90% = 0,9):
In a 45°C = In a 30°C x 0,9 = 11,2A x 0,9 = 10,1A
Influência da temperatura nos disjuntores RCBOs
A calibração térmica do disjuntor foi feita a uma
temperatura ambiente de 30ºC. Temperaturas ambiente
diferentes de 30°C influenciam o comportamento da tira
bimetálica o que irá originar um disparo térmico em tempo
inferior ou superior ao previsto.
In
16 A
25 A
40 A
63 A
80 A
100 A
125 A
25°C
19
31
48
76
97
121
151
30°C
18
28
44
69
88
110
137
40°C
16
25
40
63
80
100
125
50°C
14
23
36
57
72
90
112
60°C
13
25
32
51
65
81
101
Nr dispositivos
2 ou 3
4 ou 5
6 até 9
> 10
K
0,9
0,8
0,7
0,6
0,5 - 6A
10A
16 - 40A
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.28
Corrente de disparo em função da
frequência
Todos os dispositivos diferenciais foram concebidos
para funcionar a frequências entre 50-60 Hz. Por este
motivo, para funcionar a valores diferentes, devemos
considerar a variação da sensibilidade do disparo em
função das tabelas seguintes. Deve ter-se em conta
que existe o risco de não disparar ao accionar o botão
de teste já que tal acção se realiza mediante uma
resistência interna de valor fixo.
RCCB Série FP
Frequência
10 Hz
3,63
0,75
0,62
0,80

7,57
4,50
3,56
3,24
Frequência
30 Hz
1,50
0,74
0,71
0,72

2,40
1,85
1,55
1,39
Frequência
50 Hz
0,80
0,80
0,80
0,80

0,75
0,75
0,75
0,75
Frequência
100 Hz
1,63
1,18
1,15
1,15

1,63
1,22
1,18
0,95
Frequência
200 Hz
2,40
1,69
1,45
1,52

2,53
2,17
2,10
12,17
Frequência
300 Hz
3,03
2
1,84
1,79

3,70
4,35
4,40
25,40
Frequência
400 Hz
4,63
2,46
2,16
2,12

9,23
10,85
17,10
33,06
Tipo AC
30mA
100mA
300mA
500mA
Tipo A
30mA
100mA
300mA
500mA
RCBO Série DP
Frequência
10 Hz

0,62
0,74
0,80
1,10

8,17
6,81
6,20
4,34
Frequência
30 Hz
0,65
0,71
0,74
0,81
3,13
2,71
2,16
1,53
Frequência
50 Hz

0,80
0,80
0,80
0,80
0,75
0,75
0,75
0,75
Frequência
100 Hz
0,91
0,95
0,97
0,89
1,70
1,43
0,49
0,39
Frequência
200 Hz
1,24
1,16
1,19
1,18
3,10
2,35
0,87
0,59
Frequência
300 Hz
1,55
1,38
1,44
1,38
3,52
2,58
0,74
0,62
Frequência
400 Hz
1,88
1,59
1,64
1,68
3,67
2,71
0,95
0,64
Tipo AC
30mA
100mA
300mA
500mA
Tipo A
30mA
100mA
300mA
500mA
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.29
Protecção de Interruptores
diferenciais (RCCB’s)
Os RCCBs não estão protegidos contra sobrecargas. Por
este motivo, não é preciso considerar protecção contra
curto-circuitos ou contra sobrecargas.
Protecção contra curto-circuitos
COORDENAÇÃO DE RCCBs COM DISJUNTORES OU
FUSÍVEIS, PROTECÇÃO DE RESERVA
Os RCCBs protegidos por um SCPD (dispositivo de
protecção contra curto-circuitos) devem poder
suportar, sem danos, correntes de curto-circuito que
atinjam o seu poder de corte nominal condicional em
curto-circuito.
O SCPD deve ser seleccionado minuciosamente, já que
a associação deste dispositivo com o RCCB interrompe
o curto-circuito da instalação.
O valor da corrente de curto-circuito teórica no ponto
em que se tenha instalado o RCCB deverá ser inferior
aos valores que figuram na tabela seguinte:
O RCCB e o dispositivo de protecção devem instalar-se
no mesmo quadro de distribuição, prestando uma
especial atenção à ligação entre estes dois dispositivos,
já que o SCPD é instalado a jusante do RCCB de modo a
que a ligação seja resistente a curto-circuitos.
SCPD = Dispositivo de protecção contra curto-circuitos.
Protecção de reserva com disjuntores

RCCB
2 pólos
230V
RCCB
4 pólos
400V

16A
25A
40A
63A
80A
100A
25A
40A
63A
80A
100A
EP 30
4,5kA
4,5kA
4,5kA
-
-
-
4,5kA
4,5kA
-
-
-
EP 45
6kA
6kA
6kA
-
-
-
6kA
6kA
-
-
-
CP 60
10kA
10kA
10kA
-
-
-
-
-
-
-
-
EP 60
20kA
20kA
20kA
20kA
-
-
10kA
10kA
10kA
-
-
EP 100
20kA
20kA
20kA
20kA
-
-
10kA
10kA
10kA
-
-
EP 250
20kA
20kA
20kA
20kA
-
-
10kA
10kA
10kA
-
-
Hti
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
Protecção de reserva com fusiveis gG

RCCB
2 pólos
230V
RCCB
4 pólos
400V

16A
25A
40A
63A
80A
100A
25A
40A
63A
80A
100A
16A
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
25A
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
100kA
32A
80kA
80kA
80kA
80kA
80kA
80kA
80kA
80kA
80kA
80kA
80kA
40A
50kA
50kA
50kA
50kA
50kA
50kA
50kA
50kA
50kA
50kA
50kA
50A
40kA
40kA
40kA
40kA
40kA
40kA
40kA
40kA
40kA
40kA
40kA
63A
25kA
25kA
25kA
25kA
25kA
25kA
25kA
25kA
25kA
25kA
25kA
80A
16kA
16kA
16kA
16kA
16kA
16kA
16kA
16kA
16kA
16kA
16kA
100A
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
10kA
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.30
Potência de perdas
A potência de perdas calcula-se medindo a queda de
tensão entre o borne de entrada e o borne de saída do
dispositivo à corrente nominal.
Potência de perdas por pólo:
In (A)
Z (mOhm)
Pw (W)
16
9,95
2,55
25
3,75
2,33
40
2,15
3,43
63
1,30
5,16
80
1,3
8,3
100
0,9
8,7
In (A)
Z (mOhm)
Pw (W)
4
125
2,0
6
53
1,9
10
16,5
1,6
13
11,9
2,0
16
9,8
2,5
20
7,1
2,8
25
5,6
3,5
32
4,7
4,8
40
3,6
5,8
In (A)
Z (mOhm)
Pw (W)
6
45,4
1,6
10
17,4
1,7
13
13,7
2,3
16
11,9
3,0
20
8,7
3,5
25
6,9
4,3
32
4,8
4,9
40
3,6
5,8
50
2,9
7,3
63
2,4
9,6
RCCB-Série FP
RCBO-Série DP
Disjuntor EP + bloco diferencial acoplável
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.31
Energia de passo I
2
t de um RCBO
A limitação de um RCBO em condições de curto-circuito é
a sua capacidade para reduzir a energia de passo que o
curto-circuito iria gerar.
Série DP - Curva C Energia de passo a 230 V
E
n
e
r
g
i
a

d
e

p
a
s
s
o

I
2
t

(
A
2
s
)

¬
Corrente teórica Icc (kA) ¬
10
3
10
4
10
5
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
C32
C20
C13
C6
C40
C25
C16
C10
C4
DP 60
DP 100
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.32
Texto para projectistas/
entidades homologadoras
Interruptor diferencial RCCB
- De acordo com a norma EN 61008.
- Destinado à detecção de correntes de defeito
sinusoidais (tipo AC) ou correntes de defeito contínuas
pulsantes (tipo A).
- Resistência ao disparo por perturbações de acordo
com as normas VDE 0664, parte 1 e EN 61008.
- Temperatura ambiente de funcionamento desde –25°C
até +40°C para tipo A e desde –5° C até +40°C para
tipo AC.
- Homologado por CEBEC, VDE, KEMA, IMQ, …
- O RCCB apresenta-se nas variantes 2P e 3P+N com 2 e
4 módulos de largura.
- O pólo neutro do RCCB com 3P+N fica no lado
esquerdo. O pólo N é o primeiro a fechar e o último a
abrir de todos os pólos.
- As correntes nominais são: 16, 25, 40, 63, 80 ,100, 125 A.
- As correntes de defeito nominais são: 10, 30, 100, 300,
500 mA.
- O circuito de prova está protegido contra sobrecargas.
- Todos os RCCBs possuem uma resistência mínima de
curto-circuito de 10kA quando estão protegidos em
modo de reserva por disjuntores ou fusíveis.
- O poder de fecho e de corte é de 500 A.
- O poder de fecho e de corte diferencial é de 1.500 A.
- A capacidade dos terminais vai desde 1 até 50 mm
2

para um condutor rígido ou 1,5 até 50 mm
2
para um
condutor flexível.
- Os aparelhos de 10, 30, 100 mA tipo A ou AC possuem
sempre uma selectividade vertical com dispositivos de
300 mA tipo S.
- Os aparelhos tipo selectivos possuem um tempo de
disparo retardado comparados com os instantâneos
(tipo A, tipo AC) com uma sensibilidade inferior a
300mA.
- Os bornes de entrada e saída possuem um grau de
protecção IP20 e podem ser selados.
- Função de seccionador graças à gravação
Vermelho/Verde no manípulo de comando.
- Podem ser adicionados contactos auxiliares do lado
direito.
- O disparo dos RCCBs pode produzir-se mediante uma
bobine de disparo por emissão de corrente ou uma
bobine de disparo por mínima tensão.
- Os RCCBs podem ser controlados à distância mediante
um comando eléctrico.
- Os RCCBs possuem um indicador de disparo que se
activa só em caso de ábertura automática. Os RCCBs
possuem um indicador de circuito para uma fácil
identificação do circuito.
Curvas de disparo de um RCBO
segundo a norma EN 61009
Nas tabelas seguintes é possível ver as curvas de disparo
médias dos RCBOs em função da calibração térmica e da
característica magnética.
Curva B
Curva C
x In
x In
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.33
Bloco diferencial acoplável
- De acordo com a norma EN 61009.
- Estão aptos a detectar correntes sinusoidais
diferenciais (tipo AC) ou correntes contínuas pulsantes
diferenciais (tipo A).
- Resistência a disparos por perturbações de acordo
com as normas VDE 0664, parte 1 e EN 61009.
- Temperatura ambiente de funcionamento desde –25°C
até +40°C para o tipo A e desde –5°C até +40°C para o
tipo AC.
- Homologado por CEBEC, VDE, KEMA, IMQ, …
- A largura dos blocos diferenciais acopláveis é:
2P - 2 módulos 32 A & 63 A
3P - 2 módulos 32 A & 4 módulos 63 A
4P – 2 ou 4 módulos 32 A & 4 módulos 63 A
- As intensidades nominais são: 0,5 – 63 A & 80 – 125 A
- As intensidades diferenciais nominais são: 30, 100,
300, 500, 1000 mA.
- O circuito de teste está protegido contra sobrecargas.
- O poder de corte contra curto-circuitos depende do
disjuntor associado:
EP30 ............... 3000 A
EP60 ............... 6000 A
EP100 ............. 10000 A
- O poder de fecho e de corte diferencial depende do
disjuntor associado:
EP30 ............... 3000 A
EP60 ............... 6000 A
EP100 ............. 10000 A
- Secção máxima dos bornes:
2P-2 módulos 32 A & 63 A .................................. 35 mm
2
3P-2 módulos 32 A ................................................ 16 mm
2
3P-4 módulos 63 A ................................................ 35 mm
2
4P-2 módulos 32 A ................................................ 16 mm
2
4P-4 módulos 32 A & 4 módulos 63 A ............ 35 mm
2
- Os dispositivos de 10, 30, 100 mA tipo A ou AC
possuem sempre selectividade vertical com
dispositivos de 300 mA, tipo S.
- Os dispositivos tipo selectivos possuem um tempo de
disparo retardado comparados com os instantâneos
(tipo A, AC) com uma sensibilidade inferior a 300 mA.
- Os bornes de entrada e saída (disjuntor + blocos
diferencial acoplável) possuem um grau de protecção
IP20 e podem ser selados.
- Um sistema de codificação entre o disjuntor e o bloco
diferencial impede uma montagem incorrecta (p. ex.,
um disjuntor de 50 A acoplado a um bloco diferencial
RCD de 32 A).
- Podem adicionar-se contactos auxiliares à esquerda
do disjuntor.
- O disparo pode produzir-se mediante uma bobine de
disparo por emissão de corrente ou uma bobine de
disparo por mínima tensão.
- Pode controlar-se à distância mediante um comando
eléctrico.
O manípulo de comando do disjuntor e do bloco
diferencial são independentes, de modo que é possível
identificar qual a origem do disparo.
Disjuntor diferencial RCBO
De acordo com a norma EN 61009.
- Estão aptos a detectar correntes de defeito
sinusoidais (tipo AC) ou correntes de defeito contínuas
pulsantes (tipo A).
- Resistência a disparos por perturbações conforme as
normas VDE 0664, parte 1 e EN 61009.
- Temperatura ambiente de funcionamento desde –25°C
até +40°C para o tipo A e desde –5°C até +40°C para o
tipo AC. Homologado por CEBEC, VDE , KEMA, IMQ,…
- O Disjuntor com 1P+N tem 2 módulos de largura.
- O pólo neutro encontra-se do lado esquerdo. O pólo N
é o primeiro a fechar e o último a abrir de todos os
pólos.
- As intensidades nominais são: 4 até 40 A.
- Curvas de disparo B e C.
- As correntes de defeito nominais são: 10, 30, 100, 300,
500, 1000 mA.
- O circuito de teste está protegido contra sobrecargas.
- O poder de corte contra curto-circuitos é de 6 ou 10
kA, com selectividade classe 3.
- O poder de fecho e de corte é de 500 A
- O poder de fecho e corte diferencial é de 7500 A.
- A secção máxima dos bornes vai desde 1 até 25 mm
2

para condutores rígidos nos bornes superiores e desde
1 até 35 mm
2
nos bornes inferiores.
- Os dispositivos de 10, 30, 100 mA tipo A ou AC
possuem sempre selectividade vertical com
dispositivos de 300 mA, tipo S.
- Tanto os bornes de entrada como de saída possuem
um grau de protecção IP20.
- Função de seccionador graças à gravação
Vermelho/Verde existente no manípulo de comando.
- Podem adicionar-se contactos auxiliares no lado
direito.
- O disparo dos RCBOs pode produzir-se mediante una
bobine de disparo por emissão de corrente ou uma
bobine de disparo por mínima tensão.
- Os RCBOs podem controlar-se à distância mediante
um comando eléctrico.
- Os RCBOs possuem um indicador de circuito para
uma fácil identificação do circuito.
ElfaPlus
P
r
o
t
e
c
ç
ã
o

d
e

p
e
s
s
o
a
s
A
B
C
D
E
F
G
TB
TC
TD
TF
X
TC.34
Notas
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
@
A General Electric Power Controls Portugal
é um dos principais fornecedores Europeus
de produtos de baixa tensão, incluindo
aparelhagem de manobra, aparelhagem
industrial e residencial de corte, protecção
e gestão de energia, aparelhos de controlo,
invólucros e armários de distribuição.
Os principais clientes dos nossos produtos são
distribuidores de material eléctrico, fabricantes
de máquinas, quadristas e instaladores em todo
o mundo.
www.ge.com/pt/powerprotection
GE POWER CONTROLS PORTUGAL
Sede e Fábrica:
Rua Camilo Castelo Branco, 805
Apartado 2770
4401-601 Vila Nova de Gaia
Tel. 22 374 60 00
Fax 22 374 61 59 / 60 29
E-mail: gepc_Portugal@ge.com
Delegação comercial:
Rua Rodrigo da Fonseca, 45/47
1250-190 Lisboa
Tel. 21 371 01 40
Fax 21 386 17 79
GE Consumer & Industrial
Power Protection
Ref. R/2363/P/P 5.0 Ed. 06/09
© Copyright GE Power Controls 2009
4
7
5
8
6
C
a
t
á
l
o
g
o

R
e
s
i
d
e
n
c
i
a
l

E
d
.

2
0
0
9
G
E

C
o
n
s
u
m
e
r

&

I
n
d
u
s
t
r
i
a
l
GE Consumer & Industrial
Power Protection
Catálogo Residencial
Aparelhagem de instalação, Aparelhagem
modular e Quadros de distribuição Ed. 2009
GE imagination at work GE imagination at work

ElfaPlus

Dados técnicos TC.2 TC.4 TC.6 TC.6 TC.6 TC.7 TC.8 TC.11 TC.11 TC.12 TC.12 TC.12 TC.13 TC.13 TC.13 TC.13 TC.14 TC.15 TC.18 TC.20 TC.24 TC.26 TC.27 TC.27 TC.28 TC.29 TC.30 TC.31 TC.32 TC.32 Características técnicas dos interruptores diferenciais - Fixwell™ Características técnicas dos dispositivos diferenciais Protecção contra choques eléctricos Consequências da passagem da corrente eléctrica pelo corpo humano Risco de electrocussão (choque eléctrico) Como evitar contactos directos ou indirectos Sistemas de distribuição para instalações O que é um interruptor diferencial? Definições relativas aos interruptores diferenciais Classificação de dispositivos diferenciais conforme as normas EN 61008/61009 de Aparelhagens Tipo AC Tipo A Tipo S Selectividade Selectividade vertical Selectividade horizontal Disparos por perturbações Identificação e utilização de um interruptor diferencial Identificação e utilização de um disjuntor diferencial Identificação e utilização de um bloco diferencial acoplável série Diff-o-Click Utilização de um disjuntor acoplado a um bloco diferencial acoplável Extracção simples da calha DIN Informação relativa ao produto Influência da temperatura ambiente do ar na corrente nominal Corrente de disparo em função da frequência Protecção de RCCBs Potência de perdas Energia de passo I2t de um RCBO Curvas de disparo de um RCBO segundo a norma EN 61009 Texto para projectistas/entidades homologadoras

instalação

A B C D E F G TB TC TD TF

Protecção de linhas Protecção de pessoas Auxiliares e Pentes de ligação
Equipamentos de rearme

Gestão de energia Quadros de distribuição
Protecção de linhas Protecção de pessoas Auxiliares eléctricos Gestão de energia

No

Índice

vo

X

TC.1

ElfaPlus Fixwell™
Características técnicas dos interruptores diferenciais
Série Normas Classes de disparo diferencial Tempo de disparo a IΔn Corrente nominal (1) Sensibilidade (IΔn) Temperatura de referência Número de pólos por módulo Tensão nominal (Un) FPP EN 61008-1 A, S <40 >150 25, 40, 63 30, 100, 300 30 1 240 415 50/60 2P=265 / 4P=455 2P=110 / 4P=190 Superior/Inferior 500 (ou 10xIn) 500 (ou 10xIn) 10000 fusível de 100A 10000 sim 500 8 1000 2500 40 g, 18 choques 5 ms 1,5g, 30 min, 0…80Hz 10000 20000 IP20 / IP40 V2 +55/95% 3 -25.. +60 -25..+70 sim sim sim sim sim sim não sim 2/4 88x68x36/73,2 2P=248 / 4P=364 2P=1/6 / 4P=1/3 VDE-KEMA-CEBEC-IMQ sim C.10

Instantâneo Selectivo

(ms) (ms) (A) (mA) (°C) (V) (V) (Hz) (V) (V) (A) (A) (A) (A) (V (CC) (kV) (MΩ) (V)

Protecção de pessoas

2P CA 4P CA

A B C D E F G TB TC TD TF X

Frequência Tensão de serviço máxima (Ubmax) Tensão de serviço mínima Alimentação Capacidade de fecho e de corte nominal (Im) Capacidade de fecho e de corte diferencial (IΔm) Capacidade em curto-circuito condicional (Inc) Capacidade em curto-circuito diferencial condicional (IΔc) Aplicação como seccionador Nível de isolamento Tensão de isolamento Tensão de choque Resistência de isolamento Rigidez dieléctrica Resistência ao choque (direcção x, y, z) (IEC 60077/16.3) Resistência a vibrações (direcção x, y, z IEC 60068-2-6) Endurance eléctrical a Un, In mecânica a Un, In Grau de protecção (compartimento exterior/interior) Grau de auto-extinção (conforme UL94) Tropicalização (conforme EN 60068-2, DIN 40046) Grau de poluição (conforme IEC 60947-1) Temperatura de funcionamento (2) Temperatura de armazenamento Dispositivos adicionais (lateral) Contactos auxiliares CA Tele U (3) Tele L (3) Tele M (3) PBS (3) Sistema de pentes inferior Ponteira Forquilha Acessórios Dimensões, peso, embalagem # Pólos (AxPxL) 2P/4P Peso Embalagem Certificações Marcação CE Página

(°C/RH)

(°C)

(mm) (g)

(1) Limitação de corrente, como habitualmente, em função das condições de instalação. (2) Com pentes de ponteira: -25/+50°C (3) Com pentes de ponteira apenas na extremidade direita de cada linha. Não é permitido deixar ponteiras do pente para trás.

No vo
TC.2

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .ElfaPlus Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Protecção de pessoas A B C D E F G TB TC TD TF X . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . TC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

500 2. 300. 1.000 20. 100. 18 pulsos 5 m 10.5/35 1/25 Binário de aperto cima/baixo (Nm) 3/4 5/5 3/4 Acessórios contactos auxiliares (CA. 18 pulsos 5 ms 40g. 16.8 C.ElfaPlus Características técnicas dos dispositivos diferenciais Série FP DP60 DP100 A B C D E F G TB TC TD TF X TC.000 10.000 Nº máximo de manobras eléctricas 10.5/50 1/25 (mm2) condutor flexível(1) min/max (cima) 1/25 1./ sim Acessórios sim sim sim Dimensões por módulo (A x L x P) 86 x 68 x P (mm) 36 36/72 36 Pólos 1+N 2-4 1+N Peso por módulo (g) 250 2P = 250 / 4P = 368 250 Unidades por embalagem 1/6 2P = 1/6 / 4P = 1/3 1/6 Homologações sim Marca CE sim sim C.000 Capacidade de curto-circuito condicionada Inc (A) 10. 300 10. Ai A.5mm2 com terminal Protecção de pessoas . 25. 18 pulsos 5 ms 40g. 10. 25.500 2.R. y.5/35 1/16 condutor rígido min/max (baixo) (mm2) 1/35 1. 40 4.4 Norma correspondente EN 61008-1 EN 61009-1 EN 61009-1 Curvas de disparo magnetotérmico C C Classe A. 10.000 1./ sim sim / sim . 30.000 20.12 (1) condutor flexível 1.000 rígidez dieléctrica (V) 2. a 55° Tropicalização (segundo EN 60068-2.000 fusível 80A Capac.14 Página C. 300 Sensibilidade IΔ n (mA) 30 30 30 Temperatura de referência (°C) 2-4 1P+N 1P+N Pólos 230 230 (1P+N) 230 (1P+N) Tensão nominal 2P CA (V) 3P CA (V) 230/400 4P CA (V) 50/60 50/60 50/60 Frequência (Hz) (V) 2P = 265 / 4P = 455 255 255 Tensão máxima de utilização Ub max (V) Tensão mínima de utilização Ub min 2P = 117 / 4P = 180 100 100 Alimentação cima/baixo cima/baixo cima/baixo Selectividade 3 3 Poder de fecho e corte Im (A) 500 (ou 10 x In) 500 500 Poder de fecho e corte diferencial IΔ m (A) 500 (ou 10 x In) 6.R. 20. AC AC Tempo de abertura a IΔ n < 40 < 40 < 40 instantâneo (ms) > 150 > 150 > 150 selectivo (ms) 16. 6. S. 25. de curto-circuito diferencial condicionada IΔ c (A) 10./ sim (pentes de união) ponteira (superior/inferior) . CB) sim sim sim bobine de disparo por mínima tensão (Tele U) sim sim sim bobine de disparo por emissão de corrente (Tele L) sim sim sim comando eléctrico (Tele MP) sim sim sim disparador por abertura de painel (PBS) sim sim sim Sistema de ligações forquilha (superior/inferior) . DIN 40046) 95% de H.500 Resistência ao choque ( eixos x. 16. 500.2/50 μs) (kV) 8 6 6 resistência de isolamento (mΩ) >1.R. 100. 6. a 55°C 3 Grau de poluição 3 3 Classe A: -25 a +60 Temperatura de funcionamento (°C) Classe A: -25 a +60 / Classe A: -25 a +60 / Classe AC: -5 a 60 Temperatura de armazenamento (°C) Classe AC: -5 a 60 Classe AC: -5 a 60 -25 a +70 Secções -25 a +70 -25 a +70 1/25 condutor rígido min/max (cima) (mm2) 1. 40. 63.000 Resistência a curto-circuitos Icn (A) 6. 3 Corrente nominal (A) 10. 125 4. z) 40g. 80. AC. 30.5/50 1/35 (mm2) condutor flexível(1) min/max (baixo) 1/35 1. a 55°C 95% de H.000 Distância de segurança (mm) 35 35 35 Apto como seccionador sim sim sim Classe de isolamento tensão de isolamento (V) 500 500 500 impulso de tensão (1.000 10.000 1.000 mecânicas 20. 32. 30.6 / C.000 10.000 IP20/IP40 Grau de protecção (sem painel/com painel) IP20/IP40 IP20/IP40 V2 Grau de auto-extinguibilidade (segundo UL 94) V2 V2 95% de H. 20./ sim sim / sim .000 6.

22 NDP NFC 62-411 G/S < 40 > 150 500 20-25 1P+N / 3P+N 50/60 2P = 250 / 4P = 440 205 2000 ≤ 45A. 500.500 20g.125 30. 100. 300.5/4. 63.000 10. a 55°C 3 Clase A: -25 a +60 / Clase AC: -5 a 60 -25 a +70 2. associado 35 sim 500 8 1.26 Protecção de pessoas 2.5/35 3/3 sim sim/sim sim/sim c.5 >4.5 230/400 400 400 50/60 2P = 265 / 4P = 455 2P = 115 / 4P = 180 cima ver Hti ver Hti sim 500 8 1. 20ms 2.5 FIP EN 61008-1/IEC 60750 B.5/4.5/50 2-4 1 sim RD5 / RD6 EN 61009-1 B-C-D A.500 40g. 300 30 1.5/35 1.24 . a 55°C 3 Classe A: -25 a +60 / Classe AC: -5 a 60 -25. 40 A B C D E F G TB TC TD TF X TC.500 40g..300 30 1.) sim (associado com disj. 2400 > 45A 500 6 1000 2500 40g. S < 40 > 150 80.5 2.000 2. a 55°C 3 Classe A: -25 a +60 / Classe AC: -5 a 60 -25 a +70 1/35 1/25 4. 125 30. aux.5/4. 80A não 500 6 1.R. 300.20 C. -25 a +70 1.5/60 1. 100A 10 kA fus.000 IP20/IP40 V2 95% de H.5 Diff-o-Click para Hti EN 61009-1 B-C-D AC-A-S <40 >150 80. BS < 200 25. a 55°C 3 -25 a +55°C 90-95% H.) sim (associado com disj.000 IP20/IP40 V0 95% de H.000 2.5/35 1. S < 40 > 150 32.16 C.000 2.) não não 72-90/108/125/144 161/188/215 2-3-4 2-3-4 2P: 250 / 3P: 320 / 4P: 340 712/842/1075 1 1 sim sim C.000 2. 100..ElfaPlus Diff-o-Click para EP EN 61009-1 B-C-D A.000 IP20/IP40 V2 95% de H.000 30 2-3-4 230/400 400 400 50/60 2P=265 / 4P=455 2P=115 / 4P=180 cima 3 segundo disj. AC.000 5.5 230/400 400 400 50/60 2P=265 / 4P=455 2P=115 / 4P=180 cima segundo disjuntor Hti segundo disjuntor Hti sim 500 6 1.R.5/35 1.100. 18 pulsos 5 ms 500 2000 IP20/IP40 V0 3 -25 a +70 1. 63 30. 100.5 sim sim 161 / 188 / 215 2-3-4 2P: 715 / 3P: 842 / 4P: 1075 1 sim C. 4 4P:450 1 CE sim C.R. associado segundo disj.) sim (associado com disj. 18 pulsos 5 ms 10. 125 30.000 IP20/IP40 V2 95% de H. 500 30 1 230/400 400 400 50/60 4P = 440 4P = 150 cima/baixo 10 In 10 In 10 kA fus.) sim (associado com disj. 40. AC.) sim (associado com disj.500 40g. 18 pulsos 5 ms 4.+70 1/70 1/70 1/70 1/70 >4. 18 pulsos 5 ms 4.5 2.5 ms °C 0/ 0 sim (associado com disj.R.000 20.) sim (associado com disj.5 2.5/50 1.000 10. 1.R.5/50 1.

Defeito de isolamento no transformador Alta/Baixa tensão AT/BT .12 0.UL= 50V (condições secas) Zonas tempo/corrente dos efeitos da corrente alternada (15 Hz até 100 Hz) nas pessoas (fig.Probabilidade de contacto com partes em tensão ou avariadas .Experiência . e acima de 50% a partir da curva C3.1 Zonas Zona 1 Zona 2 Efeitos fisiológicos: Habitualmente não é observado nenhum tipo de reacção. Podem produzir-se efeitos patofisiológicos tais como paragem cardíaca.34 0.04 dc 5 5 5 5 5 1 0. aumentando os efeitos com a intensidade e duração da corrente eléctrica.6 De referir que estamos a considerar os efeitos da corrente resultante de um choque eléctrico. é explicado como a tensão máxima de segurança é função das condições ambientais e a tensão de contacto teórica é função do tempo máximo de disparo. O principal parâmetro que irá influir no valor da corrente será a impedância do corpo humano. Zona 4 Experiências com animais Observação clínica Experiências com pessoas já falecidas Experiências com seres humanos vivos A B C D E F G TB TC TD TF X TC.2 0.4 0.17 0. Protecção de pessoas Os conhecimentos actuais sobre os efeitos da passagem da corrente eléctrica pelo corpo humano são baseados em informações provenientes de diversas fontes.Economia O grau de perigo para as pessoas depende fundamentalmente da magnitude e do tempo da corrente que circula através do corpo humano.Contacto directo .Partes em tensão cuja protecção não é suficiente Na norma CEI 61200-413.Envelhecimento do isolamento da carga ou dos condutores .UL= 24V (condições húmidas) . paragem respiratória e graves queimaduras. Risco de electrocussão Há risco de electrocussão quando o corpo humano entra em contacto com superfícies condutoras a potenciais diferentes. Aos efeitos da zona 3 deve ser adicionada a probabilidade de fibrilação ventricular aumentando até 5% (Curva C2). Quando forem definidos os requisitos de segurança dever-se-ão ter em conta os seguintes factores: .3 0.Probabilidade de defeito . Há a possibilidade de ocorrência de contracções musculares e dificuldades respiratórias.6 0. .45 0. aumentando estes efeitos com a intensidade e duração da corrente eléctrica. Tensão máxima de segurança: .Possibilidades técnicas .Contacto indirecto As principais causas de ocorrência de electrocussão são: .08 0. derivada da CEI 60479. Habitualmente não são observados nenhum tipo de efeitos fisiológicos que provoquem danos.Sobretensões atmosféricas .27 0. até aproximadamente 50% (Curva C3). bem como de perturbações reversíveis ou formação e condução de impulsos eléctricos no coração. incluindo fibrilação arterial e paragem cardíaca transitória sem fibrilação ventricular.ElfaPlus Protecção contra choques eléctricos Consequências da passagem de corrente eléctrica pelo corpo humano Zona 3 Habitualmente não são esperados danos de ordem orgânica. Existem dois tipos de contacto que provocam a electrocussão: . Os efeitos da passagem de corrente eléctrica pelo corpo humano estão especificados na figura 1 (Tabela tempo/ corrente CEI 60479-1). 1) Tempo de disparo em função da tensão de contacto Tensão de contacto teórica (V) < 50 50 75 90 120 150 220 280 350 500 UL = 50V Tempo máximo de disparo (s) ac 5 5 0.

Protecção contra contactos directos A prevenção contra contactos directos pode ser resumida da seguinte forma: .50 kΩ para instalações com tensão nominal <500V .PELV (tensão reduzida de protecção) . Protecção mediante desconexão automática da instalação Necessária nos casos em que existe risco de efeitos fisiológicos nas pessoas devido à magnitude e duração da tensão de contacto.Protecção complementar através da utilização de interruptores diferenciais com sensibilidade ≤30 mA Protecção de pessoas Protecção contra contactos indirectos Para evitar o contacto indirecto existem diferentes métodos de protecção: Utilização de materiais que assegurem uma protecção classe II Contacto indirecto Ocorre quando uma pessoa toca numa parte metálica da carga. a pessoa torna-se parte do circuito eléctrico por intermédio da resistência do corpo e da resistência da terra. Esta instalação não requer nenhum condutor de protecção.Utilizar barreiras ou invólucros com um IP adequado .100 kΩ para instalações com tensão nominal >500V Protecção mediante ligações equipotenciais locais em instalações não ligadas à terra A ligação equipotencial não deve ser ligada à terra nem através de partes ou componentes condutores desprotegidos. todas as partes ou componentes condutores desprotegidos devem estar de forma a impedir que qualquer pessoa possa tocar em qualquer parte ou componente em tensão. Todas as partes ou componentes condutores desprotegidos devem ligar-se à terra através de condutores de protecção de acordo com qualquer um dos diferentes sistemas de distribuição em instalações. Protecção mediante isolamento (galvânico) eléctrico Utilizando transformadores de isolamento. estando essa parte ligada à terra. .FELV (tensão reduzida funcional) .Ligação à terra e condutor de protecção. As paredes e solos deverão ser isolados com uma resistência não inferior a: . e acidentalmente há um contacto com um condutor eléctrico devido a um defeito de isolamento. . nem através dos condutores de protecção. Nesta situação.Isolar os condutores com materiais apropriados . Este tipo de protecção requer uma boa coordenação entre as ligações à terra.SELV (tensão reduzida de segurança) .Concepção da instalação tendo em conta distâncias de segurança adequadas . A B C D E F G TB TC TD TF X TC. as características do condutor de protecção e o dispositivo de protecção. Tal dispositivo assegura que a tensão de segurança (UL) não supera os 50V ou 120V sem ondulação.7 Como evitar contactos directos ou indirectos A protecção contra choques eléctricos deverá ficar assegurada aplicando os seguintes conceitos de acordo com a norma CEI 60364-4-41: Protecção contra contactos directos ou indirectos Protecção utilizando muito baixa tensão: .ElfaPlus Contacto directo Ocorre quando uma pessoa toca acidentalmente numa parte em tensão da instalação que não esteja ligada a um eléctrodo de terra. O dispositivo de protecção deve isolar a instalação eléctrica da fonte de energia em caso de qualquer parte ou componente condutor desprotegido ficar em tensão. Protecção em ambientes não condutores Em circunstâncias normais.Dispositivo de protecção.

1A 5000 Ω 1666Ω 500Ω 2500 Ω 833Ω 250Ω 0. Id = Valor da intensidade de defeito do primeiro defeito.4 0.2 0.3A 166Ω 83Ω 0. estando as partes ou componentes condutores desprotegidos da instalação eléctrica ligadas a um eléctrodo de terra. Em caso de defeito de isolamento. deverá realizar-se uma interrupção de serviço mediante disjuntores com base nas seguintes condições de disparo: Para garantir condições de segurança na instalação. deverá assegurar-se uma protecção contra contactos indirectos mediante um dispositivo de vigilância do isolamento que permita activar um alarme óptico e acústico quando se produzir o primeiro defeito.1 Neutro distribuido 0. a intensidade de corrente não é suficientemente alta para gerar tensões perigosas. No entanto.4 0. Em caso de ocorrer um segundo disparo. 5 4 6 2 Fonte de alimentação Terra da fonte Instalação de receptores Aparelhagem da instalação Parte ou componente condutor desprotegido Impedância de ligação à terra Dispositivo de vigilância de isolamento Dispositivo de protecção para o segundo defeito Sensibilidade em função dos valores da resistência de terra Tempo de disparo máximo Uo/U (V) Tempo de disparo (s) UL=50V TD TF X TC.8 0.5A 100Ω 50Ω 1A 50Ω 25Ω S 0.2 0. ou encontra-se isolada em relação à terra. dever-se-à ter em conta o seguinte: RA x Id ≤ 50V RA = Valor da resistência de terra da instalação.3A 83Ω 41Ω Uo= Tensão fase/neutro U= Tensão entre 2 fases 127/220 230/400 400/690 580/1000 Neutro não distribuido 0. Para assegurar condições de segurança na instalação.8 0.03A 0. estando as partes ou componentes condutores desprotegidos da instalação ligados a eléctrodos de terra de forma electricamente independente dos eléctrodos de terra da fonte. os valores de terra deverão cumprir o seguinte: RA x IΔn ≤ 50V RA = Valor da resistência de terra da instalação.1 .8 Tensão segurança 50V 25V Sensibilidade 0. o potencial das partes ou componentes condutores desprotegidos.ElfaPlus Sistemas de distribuição para instalações Sistema TT Sistema que possui um ponto da fonte de alimentação directamente ligado à terra. Esta situação pode ser evitada utilizando interruptores diferenciais com sensibilidade adequada em função da tensão de contacto. Sistema IT Sistema que não apresenta ligação directa entre as partes ou componentes em tensão e a terra. Esquema de ligações do sistema IT Protecção de pessoas Esquema de ligações do sistema TT 1 7 3 L1 L2 L3 N 5 4 6 6 A 2 B C D E F G TB TC Fonte de alimentação Terra da fonte Instalação de receptores Aparelhagem da instalação Parte ou componente condutor desprotegido Eléctrodo de terra da instalação Interruptor diferencial L1 L2 L3 1 8 3 7 Caso ocorra um defeito no isolamento. aumentará bruscamente criando uma situação de perigo de electrocussão.01A 0. IΔ n = Valor da corrente diferencial da actuação do interruptor diferencial. A fonte encontra-se ligada à terra através de uma impedância de ligação à terra introduzida deliberadamente.

sistema que possui condutores neutro e de protecção independentes em todo o sistema. a corrente de curto-circuito poderá não alcançar os valores de disparo do dispositivo de protecção.9 2 6 2. A velocidade de interrupção fica assegurada pelo sistema de disparo magnético do disjuntor ou pelo fusível de protecção. Sistema no qual as funções do neutro e do condutor de protecção estão combinadas num só condutor em todo o sistema. 4. Ver tabelas em C.1 5 4 A B C D E F G TB TC TD TF X TC. 3. Curva de disparo do aparelho de protecção: Disjuntores modulares: Curva B (3-5 x In) Curva C (5-10 x In) Curva D (10-20 x In) Disjuntores compactos: De acordo com a regulação magnética Fusíveis: De acordo com a característica tempo/intensidade: .4 0. Existem dois tipos de sistemas TN: TN-C e TN-S TN-C. do condutor activo e do condutor de protecção).1. Esquema de ligações do sistema TN-S L1 L2 L3 N PE 6 7 3 1 5 4 2 Fonte de alimentação Terra da fonte Instalação de receptores Aparelhagem da instalação Peça ou componente condutor desprotegido Condutor de protecção Dispositivo de protecção contra curto-circuitos (disjuntor ou interruptor diferencial) 4.2 0. Intensidade nominal do dispositivo de protecção (In).2.ElfaPlus Sistema TN Sistema que possui um ou mais pontos da fonte de alimentação ligados directamente à terra. Para garantir as condições de segurança da instalação.gL . dever-se-ão ter em conta os seguintes parâmetros: 4. Um defeito de isolamento originará um curto-circuito (fase-neutro) na instalação. Para assegurar que a corrente de defeito gerada é suficientemente elevada de modo a provocar o disparo do dispositivo de protecção. Impedância da instalação Comprimento e secção dos condutores. (Em caso de um interruptor diferencial: Ia=Idn) U0 = Tensão nominal fase-terra 1 Tempo de disparo máximo Tensão fase/neutro Uo (V) 127 230 400 > 400 Tempo disparo máximo (s) ac 0.3.aM 4.gG .8 0.6 . estando a parte ou componente condutor desprotegido da instalação ligado a esse(s) ponto(s) mediante condutores de protecção. Fonte de alimentação Terra da fonte Instalação de receptores Aparelhagem da instalação Peça ou componente condutor desprotegido Terra da fonte adicional Condutor de protecção e neutro combinado PEN Dispositivo de protecção contra curto-circuitos TN-S. Em caso de condutores de grandes comprimentos. o dispositivo de protecção deverá respeitar a seguinte condição: ZS x Ia ≤ U0 Protecção de pessoas ZS = Impedância total do anel de defeito (incluídas as impedâncias da fonte de alimentação. Esquema de ligações do sistema TN-C L1 L2 L3 PEN 7 8 3 Um curto-circuito provocado por um defeito de isolamento deverá ser interrompido por um dispositivo de protecção suficientemente rápido segundo as seguintes condições: 1. Por este motivo é aconselhável a utilização de interruptores diferenciais (TN-S). Ia = Intensidade de defeito que garante a actuação do dispositivo de protecção.

UL = 50V. protegido por um disjuntor compacto de 80A (Im = 8xIn).5 134 4 6 10 16 25 35 50 70 95 120 150 185 240 25 40 110 183 32 21 67 139 214 40 13 41 108 165 275 50 7 25 67 139 226 63 80 100 125 160 200 250 315 400 500 630 800 1000 Protecção de pessoas 13 46 94 172 283 8 24 55 130 217 336 14 33 90 168 257 367 7.5 m=4 x 0.67 = 125m 8 .ElfaPlus Comprimento máximo de condutor protegido para protecção de pessoas (contra contactos indirectos) TN 3 x 400V.4 Curva B Curva D Curva K Curva Gi Curva Im K1 K2 x2 3 x 230V x 0.67 m=3 x 0.5 1026 513 4 1642 821 6 1232 10 16 25 35 50 70 95 120 150 185 240 300 400 500 625 2x95 2x120 2x150 2x185 2x240 3x95 3x120 3x150 3x185 3x240 4 154 257 411 616 1026 1642 6 103 171 274 411 684 1095 1711 10 62 103 164 246 411 657 1026 1437 16 38 64 103 154 257 411 642 898 1283 1796 20 31 51 82 123 205 328 513 718 1026 1437 1950 25 25 41 66 99 164 263 411 575 821 1150 1560 1971 32 19 32 51 77 128 205 321 449 642 898 1219 1540 1673 1978 40 15 26 41 62 103 164 257 359 513 718 975 1232 1339 1582 1971 50 63 80 100 125 160 250 400 630 800 1000 1250 1600 16 26 39 65 104 163 228 326 456 619 782 850 1005 1251 1504 1629 1810 1851 1950 1560 1238 1971 1564 1700 21 33 49 82 131 205 287 411 575 780 985 1071 1266 1577 1895 21 31 51 82 128 180 257 359 488 616 669 791 985 1184 1283 1426 1458 975 1232 1339 1582 1971 1857 1463 1848 25 41 66 103 144 205 287 390 493 536 633 788 947 1026 1140 1166 780 985 1071 1266 1577 1170 1478 1607 1899 33 53 82 115 164 230 312 394 428 506 631 758 821 912 933 624 788 857 1013 1261 936 1182 1285 1519 1892 41 64 90 128 180 244 308 335 396 493 592 642 713 729 488 616 669 791 985 731 924 1004 1187 1478 57 82 115 156 197 214 253 315 379 411 456 467 312 394 428 506 631 468 591 643 760 946 72 98 123 134 158 197 237 257 285 292 195 246 268 316 394 293 370 402 475 591 78 85 100 125 150 163 181 185 124 156 170 201 250 186 235 255 301 375 79 99 118 128 143 146 98 123 134 158 197 146 185 201 237 296 79 95 103 114 117 78 99 107 127 158 117 148 161 190 236 82 91 93 73 79 86 101 79 126 99 73 94 118 92 129 100 152 119 189 148 Coeficientes de correcção Característica disparo Tensão Condutor Secção do condutor PE(N) K4 m = Sfase / Spe(n) m = 0.58 x 0. m = 1 mediante disjuntores modulares e disjuntores compactos A B C D E F G TB TC TD TF X TC.3 20 57 128 197 283 379 10 30 86 155 220 299 441 17.58 x 0. Lmax = 257 x 10 x 0. UL = 50V.5 1 2 S mm2 1. 50 mm2.5 99 86 2.6 x 0. 25 mm2.5 x 2 m=1 x1 m=2 x 0.62 Exemplo Sistema TN trifásico com Un = 230 V.5 1232 616 308 2.10 Curva C (Im: 10 x In) Condutor de cobre In (A) 0. e condutor PE em cobre. m = 1 mediante fusíveis gL-gG Fusíveis gG Condutor de cobre In (A) 16 20 S mm2 1.5 x 1.5 53 118 172 229 336 472 30 73 134 179 268 367 462 483 42 59 136 202 278 346 373 441 48 93 134 215 268 283 336 504 58 124 172 215 231 273 315 55 109 145 151 185 215 63 109 124 147 172 52 79 107 126 Comprimento máximo de condutor protegido para protecção de pessoas (contra contactos indirectos) TN 3 x 400V. Condutor de fase em cobre.8 x 10/Im K3 Aluminio 0.

a.O relé: quando se detecta uma corrente de defeito à terra. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Os principais componentes de um dispositivo diferencial são os seguintes: . O aparelho diferencial monitoriza constantemente a soma vectorial da corrente que circula através de todos os condutores. Corrente diferencial (IΔn) Soma vectorial dos valores instantâneos da corrente que circula no circuito principal do RCCB. Poder de corte Valor da componente c. (Apenas aplicável ao RCBO) Corrente convencional de disparo (It) Valor específico de corrente que provoca o disparo do disjuntor num período pré-determinado (Apenas aplicável ao RCBO) Protecção de pessoas A B C D E F G TB TC TD TF X TC. Posição aberta Posição em que fica assegurada a separação prédeterminada entre contactos abertos no circuito principal do RCCB. conduzir durante o seu tempo de abertura e interromper nas condições especificadas de serviço e intervenção. . de uma corrente teórica que pode interromper um RCCB a uma tensão especificada . Os dispositivos diferenciais com uma corrente diferencial nominal não superior a 30 mA são utilizados também como elementos de protecção adicional em caso de defeito do dispositivo de protecção contra electrocussão (contactos directos). Em condições normais. Corrente teórica Corrente que circularia no circuito se cada circuito principal do RCCB e do dispositivo de protecção contra sobrecargas (caso exista) fossem substítuidos por um condutor de impedância desprezável.ElfaPlus O que é um interruptor diferencial? Um dispositivo diferencial ou RCD (Residual Current Device) é um dispositivo destinado a proteger as pessoas contra contactos indirectos. Corrente de curto-circuito condicional (Inc) Valor da componente c. (Apenas aplicável ao RCBO) Corrente convencional de não disparo (Int) Valor específico de corrente que o disjuntor suporta durante um tempo específico sem actuar. de uma corrente diferencial teórica que pode ligar um RCCB.O mecanismo: elemento que abre e fecha os contactos manual ou automaticamente. RCBO = Disjuntor diferencial com protecção contra sobrecargas. origina a abertura dos contactos principais. ligado em série.Os contactos: para abrir ou fechar o circuito principal.11 Resistência de prova Enrolamento secundário Botão de teste Contactos Mecanismo de disparo Relé Núcleo do transformador e enrolamento primário Definições relativas aos interruptores diferenciais RCCB = Interruptor diferencial sem protecção contra sobrecargas. Poder nominal de corte (Icn) Valor do poder de corte máximo em curto-cicuito nominal do disjuntor. de uma intensidade teórica que um RCCB pode ligar a uma tensão especificada em condições especifícas de serviço e intervenção. a soma vectorial é diferente de zero (I1+I2=Id).a. Corrente diferencial de actuação Valor da corrente diferencial que provoca a actuação do RCCB em condições específicas. que provoca a actuação do relé e. Poder de ligação e corte diferencial (IΔm) Valor da componente c. Corrente de curto-circuito diferencial admissível Valor máximo da corrente diferencial para a qual fica garantida a actuação do RCCB em condições específicas e acima do qual o dispositivo pode sofrer alterações irreversíveis. em condições específicas de serviço e intervenção. a soma vectorial é zero (I1+I2=0). Poder de ligação Valor da componente c. estando as partes ou componentes condutores desprotegidos da instalação ligados a um eléctrodo de terra adequado. Pode empregar-se para assegurar a protecção contra riscos de incêndio devidos a uma corrente de defeito à terra persistente que não provoque a actuação do dispositivo de protecção contra sobrecargas. ligado em série. . originando a abertura dos contactos deste. Posição fechada Posição em que fica assegurada a continuidade prédeterminada do circuito principal do RCCB.a. de uma corrente diferencial teórica que pode suportar um RCCB protegido por um SCPD adequado. em condições específicas de serviço e intervenção.a. ocorre o disparo do relé. deste modo.O transformador de núcleo: que detecta o defeito de corrente à terra. Corrente de curto-circuito diferencial condicional (IΔc) Valor da componente c. . nas condições de utilização e comportamento estabelecidas.a. de uma corrente teórica que pode suportar um RCCB protegido por um SCPD (dispositivo de protecção contra curto-circuitos) adequado. Tempo de disparo Tempo compreendido entre o instante em que se alcança bruscamente a corrente diferencial e o instante de extinção do arco em todos os pólos. mas em caso de defeito à terra.

tíristores. alguns dispositivos podem originar correntes de fuga à terra não sinusoidais (componentes de Corrente Contínua) devido à presença de componentes electrónicos.Dispositivos diferenciais com atraso: tipo S para selectividade Tipo AC Os dispositivos diferenciais tipo AC foram concebidos para actuar perante correntes de defeito sinusoidais que registem um aumento de magnitude brusco ou lento. Protecção de pessoas Corrente de defeito Tempo de disparo 1.4 xIΔ n 2. Tipo A Quando ocorrem defeitos..c.Tipo AC .11xIΔ n 1. .8 xIΔ n 7 xIΔ n max. durante cada intervalo de tempo.150° max.8 xIΔ n 7 xIΔ n t=∞ t = < 300ms t = < 150ms t = < 40ms No ponto de onda 135° 0.. esses dispositivos actuem com base nos valores da corrente diferencial sinusoidal e da corrente contínua pulsante (*).ElfaPlus Classificação de dispositivos diferenciais conforme a EN 61008/61009 Os dispositivos diferenciais podem classificar-se quanto ao: Comportamento em presença de corrente contínua (tipos para uso geral).006 A c. ex.: díodos.Tipo A Atraso de tempo (em presença de correntes de defeito) . visto que ambas apresentam um aumento de magnitude lento ou brusco. Tipo AC xlΔ n t máx.. Os dispositivos diferenciais tipo A foram concebidos para assegurar que. xlΔ n Curva de disparo tipo A .6mA min.25xIΔ n 1.8 xIΔ n 7 xIΔ n t=∞ t = < 300ms t = < 150ms t = < 40ms Tipo A TC TD TF X TC. em tais condições.12 Curva de disparo para dispositivos tipo AC t máx.4 xIΔ n 2. expresso como medida angular. p. Para correntes de defeito sinusoidais 0.35xIΔ n 1.5 x lΔ n 1 x lΔ n 2 x lΔ n 5 x lΔ n t=∞ t = < 300ms t = < 150ms t = ≤ 40ms No ponto de onda 90° 0.6mA min. ou um valor não superior a 0.4 xIΔ n 2. (*) Corrente contínua pulsante: corrente com forma de onda pulsante que assume o valor 0 em cada período à frequência nominal.150° t=∞ t = < 300ms t = < 150ms t = < 40ms 0.5xIΔ 1 xIΔ 2 xIΔ 5 xIΔ n n n n t=∞ t = < 300ms t = < 150ms t = < 40ms A B C D E F G TB Corrente de defeito Tempo disparo 2. Para correntes de defeito contínuas pulsantes No ponto de onda 0° 0.Dispositivos diferenciais sem atraso: tipo para uso geral . de pelo menos 150º.

deveríamos ter presentes os seguintes parâmetros: O dispositivo diferencial situado na parte superior da instalação deverá ser do tipo S. A ligação do dispositivo de protecção de reserva e do dispositivo diferencial deve realizar-se tendo em conta a protecção contra curtocircuitos (classe II). Para assegurar uma total protecção das pessoas em instalações verticais (diferentes das de classe II). A selectividade fica garantida quando a característica tempo/corrente do dispositivo diferencial situado a montante (A) fica por cima da característica tempo/ corrente do dispositivo diferencial situado a jusante (B). E F G TB TC Selectividade horizontal Protegido contra curto-circuitos TD RCCB 30mA RCCB 30mA TF X TC. em caso de fuga à terra. A corrente de defeito de actuação do RCCB instalado a jusante deverá ser inferior à correspondente ao dispositivo diferencial instalado a montante com base na seguinte fórmula: IΔn jusante < IΔn montante/3 Protecção de pessoas Selectividade vertical A B RCCB 100mA RCCB 300mA selectivo RCCB 30mA RCCB selectivo RCCB instantâneo C D Selectividade horizontal Para dispôr de selectividade horizontal numa instalação com dispositivos diferenciais deve-se evitar o uso de dispositivos diferenciais em cascata. Qualquer dispositivo diferencial tipo S é selectivo em relação a qualquer outro dispositivo diferencial instantâneo instalado a jusante com sensibilidade inferior. com mais de um circuito para garantir o serviço da instalação em caso de defeito à terra num dos circuitos ou para evitar disparos não desejados devido à existência de harmónicos. Para obter selectividade vertical.ElfaPlus Tipo S S Os dispositivos diferenciais tipo A ou AC são de disparo instantâneo. Cada circuito individual da instalação deve estar provido de um dispositivo diferencial com uma corrente de defeito de actuação adequada. devem utilizar-se dispositivos diferenciais selectivos no nível superior da instalação. Selectividade Selectividade vertical Numa instalação com dispositivos diferenciais instalados em série devemos prestar especial atenção à selectividade vertical com o fim de assegurar que. intensidades transitórias de ligação elevadas devidas ao arranque de motores. actue unicamente o dispositivo diferencial situado imediatamente a montante do ponto de defeito. cargas reactivas ou accionamentos de velocidade variável.13 .

Instalações com equipamentos de iluminação com balastros electrónicos ou computadores. a soma de todas as correntes de fuga não supere 1/3 IΔ n......ElfaPlus Disparos por perturbações Tipo AI e ACI (Alta imunidade aos disparos por perturbações) Cada vez com maior frequência.........EN 61008/61009 Protecção de pessoas A B C D E F G TB TC O problema mais comum nestas instalações é o disparo do dispositivo diferencial ao LIGAR/DESLIGAR o equipamento......100 kHz . já que qualquer perturbação na linha pode provocar o disparo do dispositivo diferencial. em caso de vários dispositivos instalados na mesma linha..... Todos os dispositivos diferenciais possuem um elevado nível de imunidade às correntes transitórias.... Por este motivo...........5 μs . aos impulsos de corrente de 8/20 μs conforme a norma EN 61008/61009 e VDE 0664 parte 1 Tipo A... computadores... equipamentos de iluminação (balastros electrónicos).... aparelhos..... Por vezes os filtros incorporados nos dispositivos diferenciais standard tipo A ou AC que estão protegidos para impedir os disparos por perturbações até correntes de pico de 250 A 8/20 μs não permitem evitar 100% dos disparos indesejados... etc... a GE Power Controls desenvolveu uma nova geração de dispositivos diferenciais que protegem os disparos por perturbações para correntes de pico até 5000 A 8/20 μs.........14 50% 10% 0 8us 20us ...... Para este tipo de instalação recomenda-se subdividir os circuitos ou utilizar dispositivos diferenciais tipo AI ou ACI..... zonas sem presença de pessoas…) devido à existência de sobretensões ou correntes de alta frequência produzidas por perturbações atmosféricas... Os dispositivos diferenciais tipo AI ou ACI possuem uma característica de disparo de acordo com a norma EN 61008/61009...............3000 A 8/20 μs Tipo AI e ACI . Os dispositivos diferenciais possuem um elevado nível de imunidade às correntes de onda em anel de alta frequência conforme a norma EN 61008/61009 Curva 0. AC ...... ligações a condutores de elevado comprimento que induzem elevadas capacidades à terra....... 250 A 8/20 μs Tipo S .200 A . É recomendado que.. os equipamentos eléctricos incorporam componentes electrónicos que provocam disparos por perturbações dos dispositivos diferenciais convencionais de 30mA tipo A ou AC (sempre nos momentos mais críticos como fins de semana...5000 A 8/20 μs Curva 8/20 μs 100% 90% TD TF X TC.....

15 .ElfaPlus Identificação e utilização de um interruptor diferencial RCCB série FP Informação de produto Exemplo: RCCB 2P 25A 30mA Tipo A Protecção de pessoas Esquema eléctrico Marca comercial Tipo Corrente nominal Homologações Nome comercial Funcionamento a -25°C Código Indicador ON-OFF Sensibilidade Tensão nominal A B C Curva de disparo Utilização de um RCCB D E F Botão de teste G TB Indicador de posição dos contactos Manípulo de comando TC TD TF X TC.

Indicador branco O manípulo de comando está na posição ON: O RCCB funciona normalmente TESTE Protecção de pessoas 1 jan. MANÍPULO DE COMANDO Para LIGAR ou DESLIGAR o RCCB INDICADOR DE DISPARO Serve para sinalizar o disparo quando ocorre um defeito. Feche a janela e empurre-a para cima. .. 0-0FF 0-0FF INDICADOR DE CIRCUITO Para identificação do circuito pelo utilizador. Assegurada uma distância entre contactos > 4mm.16 I-0N I-ON Contactos em posição fechada. Indicador azul O RCCB disparou devido a um defeito à terra ou o disparo foi originado por uma função auxiliar.ElfaPlus BOTÃO DE TESTE Para assegurar o correcto funcionamento do RCCB. 1 março. É possível identificar o circuito eléctrico colocando uma etiqueta com pictogramas que pode ser criada utilizando o software adequado da GE Power Controls. Empurre a janela para baixo e abra-a. PREMIR I-0N OFF INDICADOR DE POSIÇÃO DOS CONTACTOS Estampado sobre o manípulo de comando destina-se a proporcionar informação sobre a posição real dos contactos.. deverá ser accionado com frequência o botão de teste T. Assegurada uma continuidade no circuito principal. O-OFF Contactos em posição aberta. o dispositivo deverá actuar. Coloque a etiqueta na janela. 1 fevr. Quando o botão for accionado. Manípulo de comando na posição OFF: O RCCB foi accionado manualmente A B C D E F G TB TC TD TF X TC..

com base numa configuração dos módulos de ampliação descrita no capítulo T. que configurem a alimentação eléctrica da instalação que se pretenda proteger. 4 CA TODOS OS CONDUTORES DEVEM ESTAR LIGADOS AO RCCB Todos os condutores. de fase ou neutro. A B C D E F G TB TC TD TF X TC.3. Afaste a tampa para o lado direito Feche os bornes ACESSO AO MECANISMO PARA ACESSÓRIOS Para acoplar acessórios devemos retirar a tampa do lado direito para poder aceder ao mecanismo. bobine de disparo por emissão de corrente. bobine de disparo por mínima tensão ou comando eléctrico. É possível adicionar qualquer contacto auxiliar.17 . devem ligar-se ao RCCB através dos bornes superiores ou inferiores conforme um dos seguintes esquemas. Protecção de pessoas Máx.ElfaPlus TAPA-BORNES SELÁVEL Acessório para impedir o acesso aos parafusos com o fim de evitar a sua manipulação.

Ics Classe de selectividade Sensibilidade Código Tensão nominal Indicador ON-OFF Nome comercial Tipo Funcionamento a -25°C Curvas de disparo magneto-térmico Classe A A B C D E F Botão de teste .18 Indicador de posição dos contactos Acesso ao mecanismo para acessórios Manípulo de comando 0-0 FF 0-0 FF Indicador de circuito .ElfaPlus Identificação e utilização de um disjuntor diferencial RCBO série DP Informação de produto Exemplo: RCBO 1P+N C16 30mA Tipo A Protecção de pessoas Marca comercial Corrente nominal Poder de corte nominal Icu. Utilização de um RCBO G TB TC TD TF X TC. .

4 CA TODOS OS CONDUTORES DEVEM ESTAR LIGADOS AO RCBO Todos os condutores. 1 março. D E F INDICADOR DE CIRCUITO Para identificação do circuito pelo utilizador. Assegurada uma distância entre contactos > 4mm.. Este dispositivo deverá provocar o disparo ao accionar o botão de prova. Feche a janela e empurre-a para cima. PREMIR OFF INDICADOR DE POSIÇÃO DOS CONTACTOS Estampado sobre o manípulo de comando destina-se a proporcionar informação sobre a posição real dos contactos. devem ligar-se ao RCBO através dos bornes superiores ou inferiores conforme um dos seguintes esquemas. TESTE Protecção de pessoas 1 jan. A B C I-ON Contactos em posição fechada..10. deverá ser accionado com frequência o botão de teste T.19 . Máx. É possível identificar o circuito eléctrico colocando uma etiqueta com pictogramas que pode ser criada utilizando o software adequado da GE Power Controls. com base numa configuração dos módulos de ampliação descrita no capítulo L3. bobine de disparo por emissão de corrente.L3.. de fase ou neutro. Empurre a janela para baixo e abra-a. O-OFF Contactos em posição aberta. bobine de disparo por mínima tensão ou comando eléctrico. G TB TC TD TF X TC. que configurem a alimentação eléctrica da instalação que se pretenda proteger.4 .ElfaPlus BOTÃO DE TESTE Para assegurar o correcto funcionamento do RCBO. 1 fevr. Coloque a etiqueta na janela. MANÍPULO de COMANDO Para LIGAR ou DESLIGAR o RCBO ACESSO AO MECANISMO PARA ACESSÓRIOS É possível adicionar qualquer contacto auxiliar. Assegurada uma continuidade no circuito principal.

ElfaPlus Identificação e utilização de um bloco diferencial acoplável série Diff-o-Click Informação de produto Exemplo: Bloco diferencial acoplável DOC Protecção de pessoas Marca comercial Nome comercial Sensibilidade Curva de disparo Funcionamento a -25°C Código Esquema eléctrico Indicador ON-OFF A B C D E Codificação para disjuntor Aplicação de um bloco diferencial acoplável Sistema de montagem de barramentos F G TB TC TD TF X TC.20 Botão de teste Manípulo de comando acoplado ao disjuntor Condutores de ligação móveis Tapa-bornes do bloco diferencial Sistema de bloqueio do acoplamento entre o disjuntor e o bloco diferencial .

Para cumprir as condições acima assinaladas. A montagem correcta deverá realizar-se do seguinte modo: TC. foi implementado no bloco diferencial acoplável com um sistema de codificação que impede uma montagem incorrecta.Não é permitido acoplar a um disjuntor com uma determinada corrente nominal um bloco diferencial acoplável com intensidade máxima inferior.Não é permitido acoplar um bloco diferencial acoplável a um disjuntor que não possa interromper o neutro associado.21 Protecção de pessoas A B C D E F G TB TC TD TF X .ElfaPlus CONDIÇÕES DE MONTAGEM O Anexo G da norma EN 61009-1 refere: . .

estando ambos na Puxe para baixo o bloco de posição OFF (DESLIGADO). Binário máximo de aperto dos parafusos 4. O manípulo de comando sobrepõe-se ao do disjuntor. COMO ACOPLAR UM BLOCO DIFERENCIAL ACOPLÁVEL E UM DISJUNTOR Coloque o bloco diferencial e o disjuntor um ao lado do outro. Puxe o bloco de ligações para cima de modo a este encaixar perfeitamente no disjuntor.22 LIGAÇÃO MÓVEL Para tornar possível uma montagem rápida e simples. ligações. os condutores de ligação são biestáveis SISTEMA DE MONTAGEM DE BARRAMENTOS O bloco diferencial acoplável permite a montagem de pentes em ponteira ou forquilha nos bornes superiores.5 Nm Puxe o tapa-bornes do bloco diferencial para cima de modo a este encaixar perfeitamente no disjuntor . A B C D E F G TB TC TD TF X TC. proceda ao bloqueio do acoplamento através do botão de bloqueio.ElfaPlus MANÍPULO DE COMANDO Para LIGAR ou DESLIGAR o bloco diferencial acoplável. Uma vez completa e testada electricamente a unidade combinada. TAPA-BORNES Existem tapa-bornes imperdiveis para os bornes inferiores do disjuntor bem como para os bornes do bloco diferencial. Verifique se o acoplamento foi correctamente realizado. permitindo um acoplamento entre ambos os manípulos. Qualquer manipulação após a montagem das unidades deixará danos visíveis na mesma. Protecção de pessoas SISTEMA DE PROTECÇÃO CONTRA MANIPULAÇÕES Para proteger a combinação entre o bloco diferencial e o disjuntor uma vez terminado a sua montagem.

Protecção de pessoas Máx.. ACESSO AO MECANISMO PARA ACESSÓRIOS É possível adicionar qualquer contacto auxiliar.. 1 fevr. PRESSIONAR OFF C D E F G TB TC TD TF X TC. com base numa configuração dos módulos de ampliação descrita na cap. deverá ser accionado com frequência o botão de teste T.ElfaPlus TODOS OS CONDUTORES DEVEM ESTAR LIGADOS AO RCBO Para proteger o bloco diferencial de modo adequado. Este dispositivo deverá provocar o disparo ao accionar o botão de prova. fases e neutro que configurem a fonte de alimentação da instalação a proteger. 1 março. L3.. devem ser ligados à combinação disjuntor/bloco diferencial. bobine de disparo por mínima tensão ou comando eléctrico do lado esquerdo. é aconselhável alimentar a unidade combinada (disjuntor/bloco diferencial) a partir do disjuntor (bornes superiores) de modo a que o disjuntor proporcione uma protecção de reserva ao bloco diferencial. Todos os condutores. bobine de disparo por emissão de corrente. A B TESTE 1 jan. 4 CA BOTÃO DE TESTE Para assegurar o correcto funcionamento do RCBO.23 .

ElfaPlus Utilização de um disjuntor acoplado a um bloco diferencial acoplável Informação de produto Exemplo: Disjuntor + bloco diferencial acoplável Protecção de pessoas Nome comercial Funcionamento a -25°C Curvas de disparo magneto-térmico Classe A Código Sensibilidade Esquema eléctrico A B C D E F Botão de teste Utilização de um disjuntor + um bloco diferencial acoplável Exemplo: Disjuntor + bloco diferencial acoplável Sistema de montagem de barramentos G TB TC TD TF X TC.24 Acesso ao mecanismo para acessórios Manípulo de comando acoplado ao disjuntor Tapa-bornes do bloco diferencial Sistema de bloqueio do acoplamento entre o disjuntor e o bloco diferencial .

D E F G TB TC TD TF Máx. deverá ser accionado com frequência o botão de teste T. A B C MANÍPULO DE COMANDO Para LIGAR ou DESLIGAR o disjuntor/bloco diferencial combinado.ElfaPlus BOTÃO DE TESTE Para assegurar o correcto funcionamento do RCBO. fases e neutro.25 . é aconselhável alimentar a unidade combinada (disjuntor/bloco diferencial) a partir do disjuntor (bornes superiores) de modo a que o disjuntor proporcione uma protecção de reserva ao bloco diferencial. bobine de disparo por emissão de corrente. 1 jan. bobina de disparo por mínima tensão ou comando eléctrico do lado esquerdo. devem ser ligados à combinação disjuntor/bloco diferencial. com base numa configuração dos módulos de ampliação descrita no capítulo TD. PRESSIONAR OFF SISTEMA DE MONTAGEM DE BARRAMENTOS O bloco diferencial acoplável permite a montagem de pentes em ponteira ou forquilha nos bornes superiores. 1 março. Todos os condutores. ACESSO AO MECANISMO PARA ACESSÓRIOS O mecanismo para acessórios permite adicionar qualquer contacto auxiliar.10. march. O aparelho deverá disparar ao accionar o botão de teste. 4 CA TAPA-BORNES Estão íncluidos tapa-bornes imperdíveis no bloco diferencial.... TESTE Protecção de pessoas febr... permitindo um acoplamento entre ambos os manípulos. 1 fevr.4-TD.. que configurem a fonte de alimentação da instalação a proteger. O manípulo de comando sobrepõe-se ao do disjuntor. X TC. TODOS OS CONDUTORES DEVEM SER LIGADOS AO RCBO Para proteger o bloco diferencial de modo adequado.

Barramentos em pente de ponteira e de forquilha (bornes inferiores) Protecção de pessoas Abra totalmente os bornes Desengatilhe o clip da calha DIN Levante o aparelho diferencial e retire-o da calha DIN A B C D Barramentos em pente com ponteira: bornes superiores E Abra totalmente os bornes Desengatilhe o clip da calha DIN F G TB TC TD TF X TC. seguindo as instruções a seguir descritas.ElfaPlus Extracção simples da calha DIN Os dispositivos diferenciais podem ser facilmente extraídos da calha DIN quando instalados com pentes.26 Levante o aparelho diferencial e rode a parte superior para dentro Rode a parte inferior para dentro e retire o aparelho diferencial da calha DIN .

9 = 10. que corresponde à temperatura mais alta a que pode funcionar o disjuntor sem disparos indesejados. para uso numa instalação com oito circuitos: 16A x 0. Para aparelhos instalados junto a outros dispositivos modulares no mesmo quadro de distribuição.9 = 11. O dispositivo de protecção situado a montante do interruptor diferencial deverá garantir o disparo para os valores que figuram na tabela seguinte: In 16 A 25 A 40 A 63 A 80 A 100 A 125 A 25°C 19 31 48 76 97 121 151 30°C 18 28 44 69 88 110 137 40°C 16 25 40 63 80 100 125 50°C 14 23 36 57 72 90 112 60°C 13 25 32 51 65 81 101 Influência da temperatura nos disjuntores RCBOs A calibração térmica do disjuntor foi feita a uma temperatura ambiente de 30ºC.9 0.9): In a 45°C = In a 30°C x 0. Cálculo O factor de correcção K=0. Temperaturas ambiente diferentes de 30°C influenciam o comportamento da tira bimetálica o que irá originar um disparo térmico em tempo inferior ou superior ao previsto.7= 11.40A G TB TC TD TF X TC.7.8 0. deverá aplicar-se um coeficiente de correcção (K) em função do número de circuitos principais da instalação (EN 60439-1): Nr dispositivos 2 ou 3 4 ou 5 6 até 9 > 10 K 0.ElfaPlus Informação relativa ao produto Influência da temperatura ambiente do ar na corrente nominal Influência da temperatura no interruptor diferencial O valor máximo da corrente que pode circular através de um interruptor diferencial RCCB depende da corrente nominal bem como da temperatura do ar ambiente. 0. deverá aplicarse outro factor (90% = 0.6 B C D E F Exemplo de cálculo Dentro de um quadro de distribuição composto por oito interruptores 2 x 16A e a uma temperatura ambiente de funcionamento de 45°C.6A Protecção de pessoas A 10A Os valores acima apresentados correspondem a aparelhos instalados ao ar livre.5 .2A Dado que o interruptor trabalha a 45°C.1A 16 .2A x 0.27 .7 0.

ElfaPlus Corrente de disparo em função da frequência Todos os dispositivos diferenciais foram concebidos para funcionar a frequências entre 50-60 Hz.59 1.89 Frequência 200 Hz 1. para funcionar a valores diferentes.71 0.80 0.75 0.39 0.10 Frequência 30 Hz 0.80 Frequência 30 Hz 1.10 33.50 0.70 4.49 0.80 0.16 1.74 0.53 0.85 1.28 RCBO Série DP Tipo AC Frequência 10 Hz 0.35 4.63 1.17 6.80 Frequência 100 Hz 0.46 2.63 0.75 0.40 1.39 3.75 0.70 1.52 2. Deve ter-se em conta que existe o risco de não disparar ao accionar o botão de teste já que tal acção se realiza mediante uma resistência interna de valor fixo.22 1.69 1.71 2.67 2.15 Frequência 200 Hz 2.71 0.55 1.34 3.10 2.43 0.13 2.35 0.74 0.06 A B C D E F G TB TC TD TF X TC.75 1.57 4.38 1. devemos considerar a variação da sensibilidade do disparo em função das tabelas seguintes.18 1.40 9.75 0.71 0.55 1.24 2.74 0.23 10. Protecção de pessoas RCCB Série FP Tipo AC Frequência 10 Hz 3.88 1.80 1.18 0.19 1.68 30mA 100mA 300mA 500mA Tipo A 30mA 100mA 300mA 500mA 8.95 2.50 3. Por este motivo.40 25.38 Frequência 400 Hz 1.79 Frequência 400 Hz 4.64 1.95 0.65 0.17 3.80 0.81 Frequência 50 Hz 0.44 1.95 0.74 0.75 0.16 1.84 1.53 2.63 1.80 0.80 Frequência 100 Hz 1.75 1.87 0.75 0.62 0.18 Frequência 300 Hz 1.58 0.16 2.12 30mA 100mA 300mA 500mA Tipo A 30mA 100mA 300mA 500mA 7.10 12.24 1.17 2.20 4.56 3.62 0.80 0.15 1.63 2.62 3.03 2 1.85 17.72 Frequência 50 Hz 0.81 6.52 Frequência 300 Hz 3.45 1.64 .75 0.97 0.59 3.91 0.80 0.40 1.

já que a associação deste dispositivo com o RCCB interrompe o curto-circuito da instalação. O SCPD deve ser seleccionado minuciosamente.5kA 4. prestando uma especial atenção à ligação entre estes dois dispositivos. Protecção contra curto-circuitos COORDENAÇÃO DE RCCBs COM DISJUNTORES OU FUSÍVEIS.5kA - 6kA 6kA 6kA 6kA 6kA - 10kA 10kA 10kA - 20kA 20kA 20kA 20kA 10kA 10kA 10kA - 20kA 20kA 20kA 20kA 10kA 10kA 10kA - 20kA 20kA 20kA 20kA 10kA 10kA 10kA - 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA Protecção de reserva com fusiveis gG 16A 25A 32A 40A 50A 63A 80A 100A F G TB TC TD TF X TC. sem danos. SCPD = Dispositivo de protecção contra curto-circuitos. Protecção de pessoas A Protecção de reserva com disjuntores EP 30 EP 45 CP 60 EP 60 EP 100 EP 250 Hti B C D E RCCB 2 pólos 230V RCCB 4 pólos 400V 16A 25A 40A 63A 80A 100A 25A 40A 63A 80A 100A 4.29 RCCB 2 pólos 230V RCCB 4 pólos 400V 16A 25A 40A 63A 80A 100A 25A 40A 63A 80A 100A 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 100kA 80kA 80kA 80kA 80kA 80kA 80kA 80kA 80kA 80kA 80kA 80kA 50kA 50kA 50kA 50kA 50kA 50kA 50kA 50kA 50kA 50kA 50kA 40kA 40kA 40kA 40kA 40kA 40kA 40kA 40kA 40kA 40kA 40kA 25kA 25kA 25kA 25kA 25kA 25kA 25kA 25kA 25kA 25kA 25kA 16kA 16kA 16kA 16kA 16kA 16kA 16kA 16kA 16kA 16kA 16kA 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA 10kA .5kA 4.5kA 4. correntes de curto-circuito que atinjam o seu poder de corte nominal condicional em curto-circuito. O valor da corrente de curto-circuito teórica no ponto em que se tenha instalado o RCCB deverá ser inferior aos valores que figuram na tabela seguinte: O RCCB e o dispositivo de protecção devem instalar-se no mesmo quadro de distribuição. Por este motivo.5kA 4. não é preciso considerar protecção contra curto-circuitos ou contra sobrecargas. já que o SCPD é instalado a jusante do RCCB de modo a que a ligação seja resistente a curto-circuitos. PROTECÇÃO DE RESERVA Os RCCBs protegidos por um SCPD (dispositivo de protecção contra curto-circuitos) devem poder suportar.ElfaPlus Protecção de Interruptores diferenciais (RCCB’s) Os RCCBs não estão protegidos contra sobrecargas.

33 40 2.7 4.55 25 3.7 13 13.4 1.4 9.15 3.8 Disjuntor EP + bloco diferencial acoplável In (A) Z (mOhm) Pw (W) 6 45.75 2.3 8.6 5.0 16 9.9 10 16.9 3.9 40 3.30 5.95 2.8 25 5.9 7.0 20 8.8 40 3.6 10 17.3 16 11.5 1.ElfaPlus Potência de perdas A potência de perdas calcula-se medindo a queda de tensão entre o borne de entrada e o borne de saída do dispositivo à corrente nominal.16 80 1.4 1.8 2.6 13 11.6 A B C D E F G TB TC TD TF X TC.9 2.5 32 4.5 25 6.3 63 2.8 4.8 50 2.30 .5 20 7.1 2. Potência de perdas por pólo: Protecção de pessoas RCCB-Série FP In (A) Z (mOhm) Pw (W) 16 9.3 32 4.7 3.6 3.0 6 53 1.3 100 0.6 5.7 RCBO-Série DP In (A) Z (mOhm) Pw (W) 4 125 2.43 63 1.7 2.9 4.9 8.

31 . Série DP .ElfaPlus Energia de passo I2t de um RCBO A limitação de um RCBO em condições de curto-circuito é a sua capacidade para reduzir a energia de passo que o curto-circuito iria gerar.Curva C 105 Energia de passo a 230 V Protecção de pessoas Energia de passo I2t (A2s) DP 60 DP 100 C32 C20 C13 C6 104 C40 C25 C16 C10 A B C C4 103 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Corrente teórica Icc (kA) D E F G TB TC TD TF X TC.

.100.ElfaPlus Curvas de disparo de um RCBO segundo a norma EN 61009 Nas tabelas seguintes é possível ver as curvas de disparo médias dos RCBOs em função da calibração térmica e da característica magnética.Destinado à detecção de correntes de defeito sinusoidais (tipo AC) ou correntes de defeito contínuas pulsantes (tipo A). . 25.O RCCB apresenta-se nas variantes 2P e 3P+N com 2 e 4 módulos de largura. 100. . . . .Os aparelhos tipo selectivos possuem um tempo de disparo retardado comparados com os instantâneos (tipo A.Os bornes de entrada e saída possuem um grau de protecção IP20 e podem ser selados.Homologado por CEBEC.As correntes nominais são: 16.Todos os RCCBs possuem uma resistência mínima de curto-circuito de 10kA quando estão protegidos em modo de reserva por disjuntores ou fusíveis. . parte 1 e EN 61008. .Os RCCBs possuem um indicador de disparo que se activa só em caso de ábertura automática. 125 A.De acordo com a norma EN 61008.Os aparelhos de 10. … . . tipo AC) com uma sensibilidade inferior a 300mA.A capacidade dos terminais vai desde 1 até 50 mm2 para um condutor rígido ou 1.Os RCCBs podem ser controlados à distância mediante um comando eléctrico. . . 500 mA. VDE. KEMA.Podem ser adicionados contactos auxiliares do lado direito.O poder de fecho e de corte diferencial é de 1. Texto para projectistas/ entidades homologadoras Interruptor diferencial RCCB .O disparo dos RCCBs pode produzir-se mediante uma bobine de disparo por emissão de corrente ou uma bobine de disparo por mínima tensão. . O pólo N é o primeiro a fechar e o último a abrir de todos os pólos. .Temperatura ambiente de funcionamento desde –25°C até +40°C para tipo A e desde –5° C até +40°C para tipo AC. 30. . .Resistência ao disparo por perturbações de acordo com as normas VDE 0664. 80 . 100 mA tipo A ou AC possuem sempre uma selectividade vertical com dispositivos de 300 mA tipo S.As correntes de defeito nominais são: 10. 40. Os RCCBs possuem um indicador de circuito para uma fácil identificação do circuito. 63.Função de seccionador graças à gravação Vermelho/Verde no manípulo de comando.O circuito de prova está protegido contra sobrecargas.500 A. IMQ.O pólo neutro do RCCB com 3P+N fica no lado esquerdo.O poder de fecho e de corte é de 500 A. 300. . . . Protecção de pessoas Curva B A x In B C D E F G Curva C x In TB TC TD TF X TC. . .32 . 30.5 até 50 mm2 para um condutor flexível.

1000 mA..... com selectividade classe 3....As intensidades nominais são: 4 até 40 A.O disparo dos RCBOs pode produzir-se mediante una bobine de disparo por emissão de corrente ou uma bobine de disparo por mínima tensão.......... .... . um disjuntor de 50 A acoplado a um bloco diferencial RCD de 32 A).. tipo S. de modo que é possível identificar qual a origem do disparo..A largura dos blocos diferenciais acopláveis é: 2P .33 Protecção de pessoas A B C D E F G TB TC TD TF X ..O disparo pode produzir-se mediante uma bobine de disparo por emissão de corrente ou uma bobine de disparo por mínima tensão.O poder de corte contra curto-circuitos depende do disjuntor associado: EP30 . 30. . ...As intensidades nominais são: 0...As intensidades diferenciais nominais são: 30.... Disjuntor diferencial RCBO De acordo com a norma EN 61009.10000 A .......... IMQ.......2 módulos 32 A & 4 módulos 63 A 4P – 2 ou 4 módulos 32 A & 4 módulos 63 A ....... 35 mm2 3P-2 módulos 32 A .. .... … . .... O manípulo de comando do disjuntor e do bloco diferencial são independentes..… .....De acordo com a norma EN 61009........ 16 mm2 3P-4 módulos 63 A .Os RCBOs possuem um indicador de circuito para uma fácil identificação do circuito......Os RCBOs podem controlar-se à distância mediante um comando eléctrico.....A secção máxima dos bornes vai desde 1 até 25 mm2 para condutores rígidos nos bornes superiores e desde 1 até 35 mm2 nos bornes inferiores. . Homologado por CEBEC.. AC) com uma sensibilidade inferior a 300 mA..Tanto os bornes de entrada como de saída possuem um grau de protecção IP20. 300.. ... TC... ...Temperatura ambiente de funcionamento desde –25°C até +40°C para o tipo A e desde –5°C até +40°C para o tipo AC......O poder de fecho e de corte diferencial depende do disjuntor associado: EP30 .. ....Os dispositivos tipo selectivos possuem um tempo de disparo retardado comparados com os instantâneos (tipo A.Os dispositivos de 10...10000 A .. .....Estão aptos a detectar correntes sinusoidais diferenciais (tipo AC) ou correntes contínuas pulsantes diferenciais (tipo A)...... VDE...Os bornes de entrada e saída (disjuntor + blocos diferencial acoplável) possuem um grau de protecção IP20 e podem ser selados. 35 mm2 4P-2 módulos 32 A .Um sistema de codificação entre o disjuntor e o bloco diferencial impede uma montagem incorrecta (p....... ......Curvas de disparo B e C........ .............. ......... .. ..Estão aptos a detectar correntes de defeito sinusoidais (tipo AC) ou correntes de defeito contínuas pulsantes (tipo A)...O Disjuntor com 1P+N tem 2 módulos de largura.Temperatura ambiente de funcionamento desde –25°C até +40°C para o tipo A e desde –5°C até +40°C para o tipo AC.... 500... 35 mm2 . parte 1 e EN 61009... KEMA...Podem adicionar-se contactos auxiliares no lado direito............. .....O circuito de teste está protegido contra sobrecargas. 500..... 30..6000 A EP100 ...... 1000 mA... 100. ........ ... 30... ......... 100 mA tipo A ou AC possuem sempre selectividade vertical com dispositivos de 300 mA.. .3000 A EP60 .Pode controlar-se à distância mediante um comando eléctrico.O circuito de teste está protegido contra sobrecargas. ..6000 A EP100 ... tipo S.. . IMQ....Resistência a disparos por perturbações conforme as normas VDE 0664. 100 mA tipo A ou AC possuem sempre selectividade vertical com dispositivos de 300 mA.O poder de fecho e corte diferencial é de 7500 A..O poder de corte contra curto-circuitos é de 6 ou 10 kA..Secção máxima dos bornes: 2P-2 módulos 32 A & 63 A ...O poder de fecho e de corte é de 500 A .. O pólo N é o primeiro a fechar e o último a abrir de todos os pólos...2 módulos 32 A & 63 A 3P . 100.....ElfaPlus Bloco diferencial acoplável .... .O pólo neutro encontra-se do lado esquerdo. 16 mm2 4P-4 módulos 32 A & 4 módulos 63 A ...Podem adicionar-se contactos auxiliares à esquerda do disjuntor. ...As correntes de defeito nominais são: 10.Função de seccionador graças à gravação Vermelho/Verde existente no manípulo de comando.5 – 63 A & 80 – 125 A .Homologado por CEBEC..Os dispositivos de 10....... .... ex... 300....Resistência a disparos por perturbações de acordo com as normas VDE 0664...... . KEMA. VDE ..... .3000 A EP60 . .... .... parte 1 e EN 61009..

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .34 Protecção de pessoas A B C . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .ElfaPlus Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . D E F G TB TC TD TF X TC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

incluindo aparelhagem de manobra. 45/47 1250-190 Lisboa Tel. 22 374 60 00 Fax 22 374 61 59 / 60 29 E-mail: gepc_Portugal@ge. R/2363/P/P 5. quadristas e instaladores em todo o mundo. aparelhagem industrial e residencial de corte.GE Consumer & Industrial Power Protection A General Electric Power Controls Portugal é um dos principais fornecedores Europeus de produtos de baixa tensão. Os principais clientes dos nossos produtos são distribuidores de material eléctrico.com Delegação comercial: Rua Rodrigo da Fonseca. www. protecção e gestão de energia.com/pt/powerprotection @ GE POWER CONTROLS PORTUGAL Sede e Fábrica: Rua Camilo Castelo Branco.ge. invólucros e armários de distribuição. fabricantes de máquinas. 06/09 © Copyright GE Power Controls 2009 47586 .0 Ed. aparelhos de controlo. 805 Apartado 2770 4401-601 Vila Nova de Gaia Tel. 21 371 01 40 Fax 21 386 17 79 GE imagination at work Ref.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->