A enxaqueca é uma doença crônica caracterizada por crises de dor de cabeça auto-limitadas devido a uma disfunção transitória

do cérebro. A dor é geralmente do tipo pulsátil, latejante; tipicamente em um lado da cabeça, acompanhada de náusea, às vezes vômitos, e sensibilidade à luz e sons. É uma das cefaléias mais comuns na população geral, presente de 10 a 20% dos indivíduos. É uma das cefaléias mais incapacitantes, responsável por uma média de 4 dias de trabalho perdidos por ano nas pessoas acometidas. Não existe cura para a enxaqueca, mas tratamentos modernos levam a um ótimo controle da doença, bem como rápido alívio das crises de enxaqueca.

Apoio:

A enxaqueca é uma doença bastante comum na população geral. São acometidas aproximadamente 20% das mulheres e 10% dos homens, mas em determinadas faixas etárias, principalmente na fase mais produtiva, entre 30 e 50 anos, pode acometer ate cerca de 30% das mulheres. A enxaqueca é mais comum em pessoas da raça branca, seguida pela raça negra, e menos comum em orientais. A enxaqueca é responsável por uma perda média de 4 dias de trabalho por ano nas pessoas acometidas, sendo uma das principais causas de falta ao trabalho. O impacto da enxaqueca também atinge atividades familiares, sociais e escolares. O seu custo indireto é estimado em 13 bilhões de dólares por ano nos estados unidos. Apesar do grande impacto na sociedade, a enxaqueca é ainda uma doença pouco diagnosticada, muitas pessoas são acometidas mas não sabem. Por isso, a maioria dos enxaquecosos não recebem tratamento adequado para as suas dores de cabeça. Enxaqueca é uma doença multifatorial. Fatores genéticos, ambientais (stress, poluição, barulho, mudanças climáticas, odores), dietéticos (glutamato monossódico (aji-no-moto), nitratos (presente em salsichas, salames), aspartame, cafeína (café, cha, coca-cola), álcool (vinho tinto) e jejum); hormonais (ovulação, menstruação, pílula anticoncepcional) e irregularidade dos padrões de sono são implicados como mecanismos causadores da enxaqueca. Vários tipos de enxaqueca existem. Enxaqueca com aura, enxaqueca sem aura, enxaqueca basilar, enxaqueca oftalmoplégica, enxaqueca hemiplégica familial, enxaqueca retiniana, status enxaquecoso, enxaqueca complicada e enxaqueca transformada (cefaléia crônica diária) são os tipos descritos. Enxaqueca sem aura é a forma mais comum de enxaqueca, é na maioria das vezes o que popularmente se chama enxaqueca. A duração das crises é de 4 a 72 horas, e são necessárias 5 crises para considerarmos o diagnóstico de enxaqueca Os sintomas presentes na enxaqueca sem aura incluem a dor do tipo pulsátil, de moderada a forte intensidade, tipicamente em um lado da cabeça. A cefaléia piora com atividades habituais e é acompanhada de sensibilidade a luz, barulho e cheiros, enjôo, e por vezes vômitos. Enxaqueca com aura. Apresenta as mesmas características da enxaqueca sem aura, porém, fenômenos visuais como luzes, pontos escuros, figuras geométricas e até a perda de uma parte do campo visual são descritas. A enxaqueca apresenta quatro fases distintas: pródromo, aura, cefaléia e resolução/pósdromo. Pródromo, ou fase premonitória, consiste no Apoio:

e são estes diagnosticados como enxaqueca com aura. sons e cheiros associados a dor. A Sociedade Internacional de Cefaléia publicou em 1988 critérios diagnósticos para enxaqueca e revisou recentemente (2004). pontos escuros.Pelo menos 5 crises preenchendo critérios B-D Apoio: . A aura geralmente precede a crise de enxaqueca. pacientes podem apresentar auras sem cefaléia. O seu médico baseia-se nestas informações para fazer o diagnóstico de enxaqueca. Mais de 50% dos pacientes apresentam sintomas premonitórios como fadiga. desejo para determinadas comidas (chocolates. como as auras motoras (perda de força) ou sensitivas (formigamento ou perda da sensibilidade) geralmente em um braço. perna. área de controle de funções vitais do organismo). retenção de fluido. face ou todo lado do corpo. pontos luminosos. mas acredita-se que ela resulta da recuperação do organismo posterior a dor de cabeça. cansaço. e a crise causa grande impacto na vida do paciente. mas pode ser prolongada (mais que 60 minutos) ou curta (menos que 5 minutos). Acredita-se que boa parte destes sintomas são mediados pelo sistema dopaminérgico. associada a um exame físico e neurológico realizado pelo seu médico. mas também pode acompanhá-la. Apresenta náusea. Diminuição da serotonina também ocorre na fase prodrômica. dificuldade em concentração. A enxaqueca é diagnosticada através das suas características clínicas. esta fase é pouco estudada no campo da cefaléia. vômitos. linhas em zig-zag.período anterior a cefaléia. dor muscular. ou seja. A fase posterior à cefaléia. carbohidratos). A Aura é na maioria das vezes visual. A duração da aura e geralmente de 5 a 60 minutos. sensibilidade a luz. Não há ate o momento nenhum teste para diagnosticar a enxaqueca. bocejos. Auras ocorrem em cerca de 15% dos pacientes com enxaqueca. localização em apenas um lado da cabeça (unilateral). podendo ser de dias precedendo a crise de enxaqueca. A fase da cefaléia é certamente a que mais incapacita o sofredor de enxaqueca. A crise típica apresenta a característica dor pulsátil (latejante). dura de 4 a 72 horas. para descartar a presença de doenças outras que podem causá-la. piora da dor com esforço físico. e dolorimento muscular. A intensidade da dor é moderada para forte. a fase de resolução ou posdrômica é caracterizada por intolerância a alimentos. com perda da capacidade para atividades habituais. Em raras ocasiões. Podem ocorre outros tipos de aura. Enxaqueca sem aura A . A aura enxaquecosa é definida por uma disfunção neurológica transitória originada no córtex cerebral (camada mais externa do cérebro) ou no tronco cerebral (base do cérebro. alteração de humor. e que medicações antidopaminérgicas podem evitar a crise de enxaqueca.

estrógeno e progesterona. Pelo menos um sintoma de aura que se desenvolva gradualmente em mais de 4 minutos. Enxaquecas pré-menstruais podem também fazer parte da síndrome pré-menstrual. Agravada por atividade física rotineira D . As crises de enxaqueca estão ligadas ao período menstrual em 60% das vezes. em crianças na fase pré-puberal.B . gravidez. Nenhum sintoma da aura que dure mais de 60 minutos 4. A enxaqueca na mulher é influenciada por diversas mudanças hormonais ao longo da vida.Pelo menos 2 crises que satisfaçam o critério B B . Enxaqueca com aura A . há no mínimo um dos seguintes sintomas: 1. Qualidade pulsátil 3. Náuseas e/ou vômitos 2. puerpério. tais como.Durante a cefaléia. embora a maioria das gestantes fiquem livres de dor de cabeça nos segundo e terceiro trimestres. durante o primeiro trimestre. e os hormônios sexuais femininos. A cefaléia segue a aura com um intervalo livre inferior a 60 minutos Uma série de evidências ligam as cefaléias. Sensibilidade à luz e barulho E . A enxaqueca pode piorar na gravidez. A enxaqueca é mais freqüente nas mulheres (18%) do que em homens (6%). particularmente a enxaqueca. esta diferença não existe.A cefaléia tem no mínimo duas das seguintes características: 1.Não ha evidência no exame físico ou história clínica que sugira outra doença clínica ou neurológica. Intensidade moderada ou severa 4. ou dois ou mais sintomas que ocorram em sucessão 3. numa razão de 3:1. e ocorrem exclusivamente neste período em 14% dos casos. 25% . porém.Pelo menos 3 das 4 características seguintes: 1. Localização unilateral 2. uso de contraceptivos orais. e. menstruação. Um ou mais sintomas de aura totalmente reversíveis que indicam disfunção focal cortical e/ou do tronco cerebral 2. a menarca.Crise de cefaléia durando 4 a 72 horas (não tratadas ou tratadas sem sucesso) C . menopausa e terapia de reposição hormonal.

são medicamentos que geralmente não precisam de receita médica. mas na menopausa pode ocorrer uma piora. A terapia de reposição hormonal pode exacerbar as crises de enxaqueca. NAPROXENO. tais como DICLOFENACO. Muitos analgésicos apresentam também em suas fórmulas a cafeína. cefaléia da tosse. a dor de cabeça pode voltar no dia seguinte. efeitos colaterais podem ocorrer. via oral. injetável). Doril. São eficazes no tratamento das crises de cefaléia. NOVOS ANTIINFLAMATÓRIOS (INIBIDORES DA COX-2) Etoricoxib (ARCOXIA) e Celecoxib (CELEBRA) são novos antiinflamatórios cuja . diminuindo a inflamação. O tratamento das cefaléias em geral é dividido em dois tipos: o tratamento agudo (para aliviar a crise de dor de cabeça) e o tratamento preventivo (para evitar o aparecimento das cefaléias). são as cefaléias indometacino-responsivas (Hemicrania continua. apresentam poucos efeitos colaterais. Os mais comuns são o ACETOMINOFENO ou PARACETAMOL. Há um grande potencial de cefaléia rebote com o uso excessivo de analgésicos (mais que 3 vezes por semana). Vários antiinflamatórios são usados para cefaléias. são úteis para crises de intensidade leve a moderada. No entanto. INDOMETACINA. cefaléia em pontadas). assim como o uso de contraceptivos orais. e o custo do tratamento.das mulheres não apresentam qualquer mudança nas crises durante a gravidez. ASPIRINA. não há nenhuma medicação perfeita. cefaléia da atividade sexual. Alguns tipos de cefaléias apresentam uma resposta imediata e duradoura a indometacina. cefaléia do esforço. A prevalência da enxaqueca diminui com a idade. mas apresentam efeitos colaterais indesejáveis na mucosa do estomago e rins. A INDOMETACINA é uma medicação especial para dores de cabeça. com várias formulações comerciais. Tanto o tratamento agudo quanto o preventivo pode envolver remédios (medicamentoso / farmacológico) ou não (não medicamentoso / farmacológico A meta do tratamento agudo é promover o alívio da dor o mais rápido possível. a taxa de recorrência (retorno da dor de cabeça em 24 horas). via retal. e o custo dos remédios pode ser alto. Cibalena. Analgésicos comuns Analgésicos comuns ou simples. Por isso. bares e lanchonetes. A enxaqueca menstrual tipicamente melhora durante a gravidez. Eles agem em uma substância chamada prostaglandina. potencialmente por causa dos altos níveis mantidos de estrógeno. O custo destes medicamentos é baixo. cujo nome comercial é tylenol. hemicrania paroxística crônica. Alívio imediato pode não acontecer. Outras questões importantes no tratamento da crise é a comodidade da via de administração do remédio (sublingual. sem efeitos colaterais. e a DIPIRONA. Antiinflamatórios São medicamentos usados para dor em geral. pacientes e médicos devem se preparar para escolher qual a melhor estratégia para o tratamento da crise de dor de cabeça. mas não são eficazes para crises de enxaqueca mais intensas. e que são encontrados facilmente em supermercados. por vezes é necessário o uso de medicações injetáveis. Anador.

Agudo não medicamentoso Além dos remédios. cujos principais efeitos colaterais são sonolência (útil para pacientes com insônia). redução das crises em 50% acontecem na maioria dos casos. porém. torná-las menos intensas. menos freqüentes. divididos em várias classes (tricíclicos. Apesar de eficazes. É uma medicação utilizada para depressão. o que causa piora dos sintomas da crise de cefaléia. ERGOTAMINAS Ergotaminas são medicações antigas para cefaléias. Exemplos desta classe de medicações são: Cefalium. hiperventilando (respirando aceleradamente). cuja resposta é muito boa em alguns casos. outros novos triptans como o RIZATRIPTAN. é preciso um esforço pessoal do paciente maior. também conhecido como profilático. causa menos úlcera gástrica e sangramento. O primeiro remédio lançado foi o SUMATRIPTANO. O preço. Expectativas realistas para o tratamento são necessárias. É o principal tratamento das dores de cabeça. Recente polêmica quanto à segurança deste anti-inflamatórios fez com que duas substâncias desta mesma classe fossem retiradas do mercado. inibidores da MAO. ANTIDEPRESSIVOS Mais de 20 diferentes tipos de antidepressivos existem. acabam entrando em desespero. o preço dos triptans é considerado ainda alto. Recentemente. inibidores da recaptação de serotonina.ação e mais específica para dor. Cefaliv. no entanto. algumas outras estratégias podem ser usadas para o alívio mais efetivo da crise de dor de cabeça. ZOLMITRIPTAN e NARATRIPTAN estão disponíveis. ou gelo na região cervical e/ou frontal pode ajudar no alívio da dor. Migrane. ormigrein. o treinamento de técnicas de relaxamento pode reduzir e até abolir um número considerável de crises. o valdecoxib (BEXTRA) e Rofecoxib (VIOXX). TRIPTANS Os triptans são medicações criadas especificamente para o tratamento das enxaquecas. vários tipos de dor. São medicações com grande potencial de causar cefaléia rebote. com menos efeitos colaterais que as ergotaminas. é maior que outros antiinflamatórios convencionais. Elas agem nos receptores de serotonina. o tratamento preventivo. Apresenta efeitos colaterais indesejáveis como vasoconstrição arterial e náusea. Tonopan e dihydergot. Para tais condições. chorando. e boca seca. serotonina e dopamina) porém poucos são sabidamente eficazes no tratamento das cefaléias. A medicação mais usada e com comprovação científica mais ampla é a AMITRIPTILINA. A aplicação de uma compressa fria. melhorando a crise de enxaqueca mais rapidamente. Parcel. visa evitar as crises. um antidepressivo tricíclico. Algumas ergotaminas apresentam preparações com cafeína. particularmente enxaquecas. e mais responsivas ao tratamento agudo. Apoio: . serotonina e noradrenalina. Pessoas com intensa ansiedade na hora da crise.

os resultados são promissores. Novos anticonvulsiovantes como o LEVATIRACETAM e a ZONIZAMIDA tem o potencial de também agirem no controle da dor. com ação equilibrada de dois neurotransmissores: a serotonina e a noradrenalina. Outros antidepressivos são usados para o tratamento da enxaqueca. CITALOPRAM. O PROPRANOLOL e o ATENOLOL são os mais usados. PINDOLOL e METOPROLOL podem também ser usados. A mais usada é a FLUNARIZINA. IMIPRAMINA. TOPIRAMATO também vem sendo usado com eficácia para o tratamento da enxaqueca. especialmente no tratamento de . SERTRALINA. Efeitos colaterais são cansaço e depressão. porém podem apresentar distúrbios cognitivos e formigamentos como efeitos colaterais. Medicações que bloqueiam este sistema atuam bem na prevenção da enxaqueca. com boa eficácia. NEFAZODONE. Recentemente foi lançada a medicação antidepressiva DULOXETINA. O primeiro e mais usado é o ÁCIDO VALPRÓICO. Efeitos colaterais mais comuns são tremores e aumento de peso. Outros betabloqueadores como o NADOLOL. DOXEPINA (classe dos tricíclicos). São também usados no tratamento da hipertensão arterial. cefaléia do tipo tensional e cefaléia crônica diária. FLUVOXAMINA (classe dos inibidores da recaptação da serotonina). BUPROPRION. A GABAPENTINA também pode ser eficaz na prevenção da enxaqueca. mas outras medicações como o VERAPAMIL também são utilizadas. Betabloqueadores são contraindicados em pacientes com asma. CARBAMAZEPINA E HIDANTOÍNA são eficazes para dores do tipo nevrálgicas (dores faciais. AMINEPTINA (inibidores da noradrenalina e dopamina). FLUOXETINA. porém apenas os tricíclicos tem sabida eficácia. ROLIPRAM (inibidores da recaptação da noradrenalina) FENELZINE. neuralgia do trigêmeo). BLOQUEADORES DO CANAL DE CÁLCIO Uma das teorias para as causas da enxaqueca é a de que ocorre um distúrbio dos canais de cálcio (parte da célula nervosa). VENLAFAXINA. mas que são ótimos preventivos para enxaqueca. insônia.ansiedade. Outros anticonvulsivantes como a LAMOTRIGINA. OS antidepressivos são : NORTRIPTILINA. TRANILCIPRAMINE (inibidores da MAO). PAROXETINA. MIRTAZAPINA. BETABLOQUEADORES São uma das classes de medicações mais antigas no tratamento da enxaqueca e também eficazes. síndrome do cólon irritável e fibromialgia. medicações originalmente usadas para epilepsia. e é uma das únicas medicações que podem induzir a perda de peso. NEUROMODULADORES São também conhecidas como anticonvulsivantes.

serotonina e noradrenalina. PAROXETINA. evitar o stress. DOXEPINA (classe dos tricíclicos). Identificar e evitar os fatores desencadeantes. ansiedade. Acupuntura pode ajudar. e mais responsivas ao tratamento agudo. a psicoterapia cognitiva aumenta o grau de controle das cefaléias. Apoio: . Expectativas realistas para o tratamento são necessárias. não ficar longos períodos sem alimentação. MELATONINA pode também ser muito eficaz na enxaqueca quando há tipos específicos de distúrbio do sono envolvidos. serotonina e dopamina) porém poucos são sabidamente eficazes no tratamento das cefaléias. ANTIDEPRESSIVOS Mais de 20 diferentes tipos de antidepressivos existem. Outras estratégias como o biofeedback. não fumar. Fazer exercícios regularmente pode também reduzir sensivelmente o número de crises. É o principal tratamento das dores de cabeça. também conhecido como profilático. ou depressão. FLUOXETINA. a hipnose são também úteis em alguns casos. PREVENTIVO NÃO FARMACOLÓGICO Várias estratégias não medicamentosas sabidamente melhoram o controle das cefaléias. vários tipos de dor. e na maioria dos pacientes com cefaléia em salvas. síndrome do cólon irritável e fibromialgia. porém apenas os tricíclicos tem sabida eficácia. visa evitar as crises. CITALOPRAM. um antidepressivo tricíclico. OS antidepressivos são : NORTRIPTILINA. cefaléia do tipo tensional e cefaléia crônica diária. redução das crises em 50% acontecem na maioria dos casos. A toxina botulínica pode ser também utilizada.enxaquecas hemiplégicas (com perda de força em um dos lados do corpo) e nas cefaléias em salvas. torná-las menos intensas. A medicação mais usada e com comprovação científica mais ampla é a AMITRIPTILINA. Quando ansiedade. ter um sono regular são úteis no controle das crises de dor de cabeça. cujos principais efeitos colaterais são sonolência (útil para pacientes com insônia). É uma medicação utilizada para depressão. inibidores da MAO. inibidores da recaptação de serotonina. Outros antidepressivos são usados para o tratamento da enxaqueca. OUTROS RIBOFLAVINA (vitamina B2) e MAGNÉSIO tem sido usados também com sucesso na profilaxia da enxaqueca. FLUVOXAMINA (classe dos inibidores da recaptação da serotonina). e o uso de fitoterápicos e outros tratamentos não estão ainda bem estudados. divididos em várias classes (tricíclicos. ou crises de pânico. insônia. menos freqüentes. e boca seca. SERTRALINA. o tratamento preventivo. IMIPRAMINA. ou fases de mania estão presentes.

MIRTAZAPINA. os resultados são promissores. TRANILCIPRAMINE (inibidores da MAO). VENLAFAXINA. A mais usada é a FLUNARIZINA. NEUROMODULADORES São também conhecidas como anticonvulsivantes. Recentemente foi lançada a medicação antidepressiva DULOXETINA. Efeitos colaterais são cansaço e depressão. BETABLOQUEADORES São uma das classes de medicações mais antigas no tratamento da enxaqueca e também eficazes. mas outras medicações como o VERAPAMIL também são utilizadas. com ação equilibrada de dois neurotransmissores: a serotonina e a noradrenalina. A GABAPENTINA também pode ser eficaz na prevenção da enxaqueca. ROLIPRAM (inibidores da recaptação da noradrenalina) FENELZINE. PINDOLOL e METOPROLOL podem também ser usados. Betabloqueadores são contraindicados em pacientes com asma. porém podem apresentar distúrbios cognitivos e formigamentos como efeitos colaterais. O PROPRANOLOL e o ATENOLOL são os mais usados. com boa eficácia. Medicações que bloqueiam este sistema atuam bem na prevenção da enxaqueca. AMINEPTINA (inibidores da noradrenalina e dopamina). São também usados no tratamento da hipertensão arterial. e é uma das únicas medicações que podem induzir a perda de peso. MELATONINA pode também ser muito eficaz na enxaqueca quando há tipos específicos de .BUPROPRION. O primeiro e mais usado é o ÁCIDO VALPRÓICO. Efeitos colaterais mais comuns são tremores e aumento de peso. Outros anticonvulsivantes como a LAMOTRIGINA. NEFAZODONE. Novos anticonvulsiovantes como o LEVATIRACETAM e a ZONIZAMIDA tem o potencial de também agirem no controle da dor. OUTROS RIBOFLAVINA (vitamina B2) e MAGNÉSIO tem sido usados também com sucesso na profilaxia da enxaqueca. Outros betabloqueadores como o NADOLOL. CARBAMAZEPINA E HIDANTOÍNA são eficazes para dores do tipo nevrálgicas (dores faciais. mas que são ótimos preventivos para enxaqueca. neuralgia do trigêmeo). especialmente no tratamento de enxaquecas hemiplégicas (com perda de força em um dos lados do corpo) e nas cefaléias em salvas. medicações originalmente usadas para epilepsia. TOPIRAMATO também vem sendo usado com eficácia para o tratamento da enxaqueca. BLOQUEADORES DO CANAL DE CÁLCIO Uma das teorias para as causas da enxaqueca é a de que ocorre um distúrbio dos canais de cálcio (parte da célula nervosa).

a hipnose são também úteis em alguns casos. mas muito mais frequentes são os mitos relacionados a eles. não ficar longos períodos sem alimentação. evitar o stress. ou cefaléia secundária a ingesta de glutamato monossódico. Vamos abordar as diferentes tipos de cefaléias que são originadas ao se consumir determinados alimentos. muito usada na culinária chinesa. A Cefaléia do Sorvete.distúrbio do sono envolvidos. e na maioria dos pacientes com cefaléia em salvas. ou depressão. Tipos curiosos de cefaléias ligadas a alimentação são descritos. ter um sono regular são úteis no controle das crises de dor de cabeça. a psicoterapia cognitiva aumenta o grau de controle das cefaléias. Quando ansiedade. os diversos fatores desencadeantes alimentares em enxaqueca. Outras estratégias como o biofeedback. Fazer exercícios regularmente pode também reduzir sensivelmente o número de crises. cujo tratamento consiste na retirada do estímulo frio. Se a cefaléia é uma experiência de quase todo ser humano e a nutrição elemento crucial na vida de todo ser vivo. A Cefaléia do Restaurante Chinês. é originada após o Apoio: consumo de sorvetes. ou crises de pânico. as bebidas alcoólicas e a alta ingesta de cafeína . ou cefaléia por estímulo frio. não fumar. ou fases de mania estão presentes. Mitos e verdades circundam estes tópicos. Podemos dizer que existem três grandes fatores alimentares que causam enxaquecas: o jejum. também conhecido como agi-no-moto. PREVENTIVO NÃO FARMACOLÓGICO Várias estratégias não medicamentosas sabidamente melhoram o controle das cefaléias. havendo um estímulo das estruturas da boca e garganta levando à dor de cabeça. A toxina botulínica pode ser também utilizada. Vários são os fatores desencadeantes alimentares de crises de enxaqueca. Acupuntura pode ajudar. e os recentes achados de suplementações vitamínicas como tratamento para a enxaqueca. também é descrita. a interação dos dois temas é naturalmente ampla e complexa. Identificar e evitar os fatores desencadeantes. Ocorre uma cefaléia após o consumo desta substância. vamos esclarecer a seguir. O glutamato é um aminoácido excitatório do sistema nervoso central que faz com que o sistema de dor esteja mais excitável e propenso a crises. é uma cefaléia benigna. e o uso de fitoterápicos e outros tratamentos não estão ainda bem estudados. da ingesta sorvete.

Bebidas alcoólicas todas causam cefaléia. ou cerca de cinco xícaras de café coado. queijos fortes. Uma lista grande de outros alimentos provocadores de cefaléia existem. o que também pode causar enxaqueca. juntamente com o stress. Da mesma forma. Por último vamos comentar sobre os produtos nutricionais que podem ser usados na prevenção da enxaqueca. porém os vinhos tintos são mais prováveis de provocar a dor devido ao seu conteúdo de taninos. Uma outra síndrome é a cefaléia da retirada da cafeína. que acontece quando no final de semana a tomada de café em grandes quantidades durante a semana é parada. leite. em altas doses é significativamente eficaz na profilaxia da enxaqueca. banana. feijão. condimentos. mas não há evidência científica que dietas ou mesmo que a busca ativa de desencadeantes quando eles não são relatados pelo paciente resulte em algum benefício clínico. como adoçantes. frutas cítricas. Admite-se que um consumo de mais de 200 mg de cafeína por dia torna um indivíduo mais susceptível para ter crises de enxaqueca.MITOS E VERDADES. . ou cinco latas de cocacola. a vitamina B2. A relação álcool – enxaqueca é dose dependente. isto significa o uso de três cafés expressos por dia. Outra substância que age favoravelmente na enxaqueca é a MELATONINA. salsicha. Jejum é um dos mais frequentes desencadeadores de enxaqueca. O mecanismo pelo qual estes produtos agem na enxaqueca é incerto mas é possível que ocorra estabilização de membrana celular e melhora da função mitocondrial. pimenta. se a bebida for consumida em grande quantidade as chances são maiores da conhecida “ressaca”. Recentemente alguns estudos controlados com placebo mostram que a RIBOFLAVINA. Estudos mostram que seus níveis estão diminuídos na enxaqueca e que sua suplementação é eficaz na prevenção da enxaqueca. Além disso o uso de cafeína após as 18 hs desestrutura o ritmo normal de sono. doces. nozes. o Magnésio e a Coenzima Q 10 também se mostraram eficazes.