P. 1
Defesa Pessoal Policial

Defesa Pessoal Policial

|Views: 372|Likes:
Publicado porRoberto Silveira

More info:

Published by: Roberto Silveira on Feb 05, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/11/2014

pdf

text

original

Defesa Pessoal Policial

Sumário  Excludentes de Ilicitude  CCEAL Resolução 34/169 - ONU  Uso Legal da Força  Pirâmide do escalonamento do uso da força  Modelos do Uso progressivo da força  Princípios Básicos do treinamento  Lemas  Doutrina a ser adotada  Pontos Vulneráveis Objetivo Geral Capacitar os policiais à execução, com qualidade, de técnicas de defesa pessoal básica com movimentos de fácil aprendizado e melhor eficiência. Objetivos Específicos Padronizar técnicas e movimentos motores na execução da defesa pessoal básica que visem a consciência corporal. Exercitar a evolução da mecânica dos movimentos, mediante os fundamentos da visão holística. Possibilitar o uso de estratégias de avaliação da hora e momento exato para execução consciente, eficaz e segura da técnica a ser aplicada. O conceito de Defesa Pessoal, de um modo geral e bastante abrangente, pois pode envolver tanto diversas técnicas de defesa, como também de ataque. Em alguns casos se aplica a máxima popular de que a melhor defesa é o ataque . A denominação Defesa Pessoal Policial, surgiu justamente desse entendimento comum e da necessidade de se impor algumas regras para os agentes de Segurança Pública, no uso legal da força através das técnicas de Defesa Pessoal.

Ou seja. combinando suas potencialidades físicas. É de suma importância que todo Policial esteja preparado para enfrentar situações adversas de todos os tipos mesmo sem o uso de sua arma de fogo (último recurso). para defesa própria ou de outrem. Nasce assim uma nova denominação que abrange somente técnicas que se encontrem em consonância com os princípios de: LEGALIDADE. Caso não a possua sente se desprotegido (Perde sua armadura Despreparo Técnico Profissional). NECESSIDADE. e não atacar antes de ser agredido. cognitivas e emocionais.necessidade. (SGT PM NASCIMENTO) Porque praticar Defesa Pessoal Treinamento condicionado para o uso da arma de fogo (Cria Relação de dependência). respeitando os princípios da legalidade. Coloca em perigo a vida de pessoas inocentes e traz conseqüências extremamente danosas para si (Legítima Defesa) e para a Instituição. Conjunto de Técnicas oriundas de diversas artes marciais. exigem do policial habilidade para usar de meus moderados para conter o agressor (princípio da proporcionalidade da defesa em relação ao ataque) . enfatizando a preocupação com o uso não letal da força e o respeito aos Direitos Humanos na abordagem e captura de infratores . PROPORCIONALIDADE e CONVENIÊNCIA.Não se pode aceitar que um policial agente de Segurança Pública e elemento chave no cumprimento das leis e manutenção da ordem pública. usando de meios moderados para impedir sua agressão. executadas pelo agente de Segurança Pública no cumprimento da Lei. proporcionalidade e conveniência. ainda que se encontre em situação de agressão iminente. Bem como atendam os preceitos de DIREITOS HUMANOS. A Legítima Defesa e o estrito cumprimento do dever legal. nota-se que nem todas as técnicas de Defesa Pessoal existentes são adequadas ao uso por agentes de Segurança Pública. aceite como verdadeira esta máxima popular. Esta antecipação é alcançada através de técnicas de imobilização e controle do agressor. A este agente é permitido a antecipação àquela possível agressão.

mantenham e defendam os direitos humanos de todas as pessoas. (Art. Código de Conduta para Encarregados da Aplicação da Lei CCEAL adotado pela Assembléia Geral das Nações Unidas. Código de Conduta para Encarregados da Aplicação da Lei Artigos O artigo 1º estipula que os encarregados da aplicação da lei devem sempre cumprir o dever que a lei lhes impõe. Consiste em oito artigos. repele injusta agressão.. Não é um tratado. atual ou iminente. mas pertence à categoria dos instrumentos que proporcionam normas orientadoras aos governos sobre questões relacionadas com direitos humanos e justiça criminal. O artigo 2º requer que os encarregados da aplicação da lei. .A importância do Treinamento Para que possamos ter confiança nas Técnicas aprendidas e para que as mesmas sejam eficientes e adequadas a situação. em sua resolução 34/169 de 17 de dezembro de 1979. Em legítima defesa. 23 do CPB e Art. é necessário praticar constantemente a fim de que os movimentos. . pelas suas excessivas repetições. se tornem reflexos automáticos do Policial. respeitem e protejam a dignidade humana. O artigo 3º limita o emprego da força pelos encarregados da aplicação da lei a situações em que seja estritamente necessária e na medida exigida para o cumprimento de seu dever. a direito seu ou de outrem. Excludentes de Ilicitude Não há crime quando o agente pratica o fato: Em estado de necessidade. 42 do CPM) No Art. no cumprimento do dever.. usando moderadamente dos meios necessários. Em estrito cumprimento do dever legal Em exercício regular do direito. 44 do CPM encontramos o entendimento legal para situação de Legítima defesa Entende-se quem.

reduzindo ou eliminando sua capacidade de autodecisão e auto-relação. a) Força: É toda intervenção compulsória sobre o individuo ou grupos de indivíduos. Apesar de não ser um tratado. c) Ética: É o conjunto de princípios morais ou valores que governam a conduta de um individuo ou de membros de uma mesma profissão PRINCIPIOS BASICOS PARA O USO LEGAL DA FORÇA Os princípios Básicos sobre o uso legal da força e arma de fogo foram adotados no 8º (oitavo) Congresso das Nações Unidas sobre a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Infratores. em seu uso extremo (uso letal). Código de Conduta para Encarregados da Aplicação da Lei Artigos O artigo 7º proíbe os encarregados da aplicação da lei de cometer qualquer ato de corrupção.Código de Conduta para Encarregados da Aplicação da Lei O artigo 4º estipula que os assuntos de natureza confidencial em poder dos encarregados da aplicação da lei devem ser mantidos confidenciais. proporcionar normas orientadoras aos Estados-Membros. . de 27 de Agosto a 07 de Setembro de 1990. O artigo 8º trata da disposição final exortando os encarregados da aplicação da lei (mais uma vez) a respeitar a lei (e a este Código). o instrumento tem como objetivo. realizado em Havana. Também devem opor-se e combater rigorosamente esses atos. O artigo 6º diz respeito ao dever de cuidar e proteger a saúde das pessoas privadas de sua liberdade. a não ser que o cumprimento do dever ou a necessidade de justiça exijam estritamente o contrário. Cuba. O artigo 5º reitera a proibição da tortura ou outro tratamento ou pena cruel. na tarefa de assegurar e promover o papel adequado dos Profissionais de Segurança Publica na aplicação da lei. b) Nível do Uso da Força: É entendido desde a simples presença policial em uma intervenção até a utilização da arma de fogo. sendo o Brasil um deles. desumano ou degradante.

não seria possível ao policiai desempenhar sua missão constitucional. onde destacamos seu papel de vital importância na proteção da vida. treinamento e conduta desses Profissionais. procurando ainda disponibilizar armas incapacitantes não letais e equipamentos de autodefesa que possam diminuir a necessidade do uso de armas de fogo de qualquer espécie. tal como aquele de privar as pessoas de sua liberdade. o uso da força deve ser excepcional e nunca ultrapassar o nível razoável necessário para se atingir os objetivos legítimos de aplicação da lei. tendo em vista seu contato direto com a sociedade quando das suas intervenções operacionais As organizações Policiais recebem uma serie de meios legais que as capacitam a cumprir seus deveres de aplicação da lei e preservação da ordem. Acrescenta-se que ênfase especial deve ser dada à qualificação. permitindo um uso diferenciado da força. não nos resta a menor dúvida quanto à importância e complexidade do trabalho do Profissional de Segurança. . o uso letal intencional destas armas. liberdade e segurança de todas as pessoas. Neste sentido. Sem este e outros poderes. só poderá ser feito quando estritamente necessário para a proteção da vida. Enfatizamos novamente que. entende-se que o uso da arma de fogo é uma medida máxima e colocada em pratica tão somente quando outros meios menos extremos se revelem insuficientes para se atingir os objetivos legítimos. As organizações policiais devem equipar e treinar seus integrantes com vários tipos de armas e munições.Como já vimos. cabendo lembrar ainda que.

RESPONDA SEMPRE AOS QUESTIONAMENTOS: O emprego da força é legal? (LEGALIDADE) Neste primeiro questionamento. estará caracterizado o abuso de poder. Como exemplo podemos citar a ilegitimidade da ação policial quando esse não sabe a hora de parar. Cabe ressaltar que vários são os casos em que ocorrem ações legitimas decorrentes de atos ilegais. tendo em vista o risco que sua reação ocasionaria naquela circunstância. Este questionamento ainda sugere verificar se todas as opções estão sendo consideradas e se existem outros meios menos danosos pra se atingir o objetivo desejado. o suspeito já se encontra dominado e ainda é submetido ao uso da força que naquele momento passará a ser considerada desproporcional. . O uso da força é conveniente? (CONVENIENCIA OPORTUNIDADE) O aspecto referente à conveniência do uso da força diz respeito ao momento e ao local da intervenção policial. proporcional e necessário. posto ela própria provocou a situação. portanto o uso da força pelo policial é questionável. e caso não haja. ela ocorreu em virtude de um ato ilegal. Como exemplo. Para responder. contudo. através da sua formação e do treinamento recebidos. ainda que fosse legal. e em virtude disto este policial é desacatado. ou seja. A ação atende aos limites considerados mínimos para que se torne justa e legal intervenção. PROPORCIONALIDADE) Está se verificando a proporcionalidade do uso da força. devendo ter conhecimento da lei e estar preparado tecnicamente. se você estivesse em um local de grande movimentação de pessoas. A prisão por desacato é uma ação legítima. Por exemplo. o policial deve buscar amparar legalmente sua ação. podemos citar o caso do policial que durante uma abordagem tenta conseguir uma confissão do suspeito à força.ANTES DE FAZER O USO DA FORÇA EM UMA INTERVENÇÃO POLICIAL. o policial precisa identificar o objetivo a ser atingido. não seria conveniente reagir a uma agressão por arma de fogo.

verifica-se a força a ser empregada será por motivos sádicos ou maléficos. principalmente. LEGALIDADE. dotados de questões discriminatórias. ética e técnica. Embora você tenha a autoridade para usar a força. deverá pautar-se pelos princípios da legalidade. o seu uso extremo para a defesa da vida. CONVENIENCIA.Como ultimo questionamento. proporcionalidade e necessidade. incluindo. Preocupa-se em verificar ainda a boa fé do policial e sua adequação aos princípios éticos do serviço policial. sempre de maneira progressiva. seja sua ou de terceiros. NECESSIDADE. PROPORCIONALIDADE. .

Nada há para provar. sem jamais perde tempo em provas inúteis de força. mas aprender as técnicas.Modelo de uso progressivo da Força SENASP Princípios Básicos do treinamento Da Prática : O Objetivo não é lutar contra o seu parceiro. há apenas que aprender e descobrir. . A prática deve ser sempre prazerosa e desenrolar se inicialmente lentamente aumentando o ritmo dos exercícios gradativamente. O ensinamento de seu Instrutor constitui uma fração mínima do seu aprendizado. a fim de evitar acidentes. Seu domínio de cada movimento depende quase que inteiramente de seus esforços sérios e individuais.

O seu treinamento é de sua inteira responsabilidade. Não discuta sobre a maneira de execução da técnica apresentada. Princípios Básicos do treinamento Do Treinamento: A única maneira de progredir na Defesa Pessoal é através do treinamento regular e contínuo. Faça o cumprimento tradicional ao entrar e ao sair do tatame. observe e pratique. Não discuta pratique. partilhe seus conhecimentos.. Lembre se que podemos aprender muito até pela observação dos companheiros. . É deselegante e perda de tempo fazer observações incertas e sem base técnica como. oriente quando a técnica não foi bem aplicada e deixe-o saber quando foi bem aplicada.Princípios Básicos do treinamento Da Disciplina e Etiqueta : Durante o Treinamento. Mantenha sempre um bom entrosamento com seu parceiro. Do Treinamento: Se você já tem algum conhecimento da matéria deve ajudar seus companheiros a assimilar melhor a matéria.. cumprimente o seu parceiro. ... e se o infrator já souber disso. No início e ao fim de cada técnica. Esteja atento para a sua higiene pessoal e para que seu uniforme esteja sempre limpo e correto. Não crie polêmicas. Tente praticar com tantos parceiros diferentes quanto possível. o que aconteceria se. esteja sempre alerta e numa postura conveniente. Pratique bastante para alcançar segurança e controle emocional na aplicação das técnicas. Ensinar também faz parte de seu treinamento.

Criar intuito de esforço.Esforça se para formação do caráter. ..Conter o espírito de agressão. lembre se o tempo é curto e praticar constantemente é fundamental para alcançarmos o objetivo final. Nunca se esqueça que as técnicas desenvolvida durante seu treinamento somente devem ser empregadas para sua auto defesa ou de outrem.Deixe as conversa paralelas para depois do treino. Lembre se de relaxar durante os treinamento. Pontos Vulneráveis do Corpo Humano Fundamentos e Projeções Filme . concentre-se no que foi ensinado e acima de tudo tenha confiança em você mesmo.. Então não haverá luta. então por que brigar? Se o adversário é superior a ti.Fidelidade para com o verdadeiro caminho da razão. DOUTRINA DE DEFESA PESSOAL Se o adversário é inferior a ti . não fique tenso ou com medo de praticas as técnicas.Respeito acima de tudo. compreenderá. . Honra não é orgulho. o que tu compreendes. então por que brigar? Se o adversário é igual a ti. LEMAS DO DOJÔ . é consciência real do que se possui. . .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->