P. 1
REDAÇÃO DISSERTATIVA PRONTA

REDAÇÃO DISSERTATIVA PRONTA

1.0

|Views: 53.069|Likes:
Publicado pord-fbuser-114594371

More info:

Published by: d-fbuser-114594371 on Feb 07, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/06/2015

pdf

text

original

REDAÇÃO DISSERTATIVA PRONTA y (Temas relacionados: política, corrupção, crise moral) FICHA MAIS LIMPA Mais uma vez

, a Justiça acabou se revelando mais rigorosa em relação às exigências de moralidade na política do que o próprio Congresso. Na última semana, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu que a chamada Lei da Ficha Limpa valerá para todos os candidatos condenados por crimes graves em órgãos colegiados, incluindo casos nos quais a condenação seja anterior à sanção da lei, em 4 de junho. Prevaleceu, portanto, a tese de que o Direito Eleitoral deve proteger a moralidade, e evitou-se assim o risco de o novo instrumento se tornar inócuo. Com essa manifestação da Justiça, perdem alguns políticos que, a partir da ampliação do alcance da lei, ficarão impedidos de concorrer em outubro e deverão, por isso, tentar derrubar a norma. Em compensação, ganham os eleitores, pois assim correrão menos riscos de eleger quem tem contas a acertar com a Justiça. Mesmo levado a agir de alguma forma por um projeto de iniciativa popular apresentado em setembro do ano passado com o respaldo de 1,3 milhão de assinaturas, o Congresso vinha desde então hesitando em atender ao clamor popular. A aprovação só ocorreu depois do abrandamento do texto, que limitou o impedimento do registro de candidatura apenas para condenados em última instância. Mesmo assim, o Senado ainda tentou um recurso semântico para abrandar as exigências, mudando o tempo verbal ³os que tenham sido´, como saiu da Câmara, para ³os que forem´ condenados. Felizmente, na interpretação do TSE, prevaleceu a tese do relator da consulta sobre o projeto Ficha Limpa, ministro Cláudio Versiani, de que a causa da inelegibilidade incide sobre a situação do candidato no momento do registro, com prazo até 5 de julho. Não se trata, como argumentou o relator, de perda de direito político, de punição, pois inelegibilidade não constitui pena. A condenação é que, por si só, sob esse ponto de vista, impede alguém de sair em busca de voto. Só o corporativismo dos políticos é capaz de justificar a necessidade de a Justiça Eleitoral se pronunciar, impedindo o registro de candidaturas que os próprios partidos deveriam vetar, em respeito aos eleitores. Confrontada com a exposição de sucessivos descalabros na política e na administração pública de maneira geral, a sociedade brasileira tem razões de sobra para se mostrar cada vez menos tolerante com práticas do gênero. Esse é o tipo de deformação que só se mantinha pelo fato de ter sido associada a políticos a ideia de impunidade e pela insistência de muitos deles em buscar votos para garantir imunidade ou tratamento privilegiado. O projeto que o TSE se encarregou de tornar um pouco mais rigoroso pode não ser abrangente o suficiente para as necessidades do país e não confere 100% de garantia ao eleitor de estar optando por um candidato ético. Mas, diante da falta de disposição dos parlamentares em se mostrarem mais rigorosos, constitui um alento na luta pela moralização.

na minha frente (na minha mão. na balada. volte a entrar. no trabalho. mas já já está por aqui. saiba.que é virtual. opine. por enquanto. planetária e absolutamente real . todo o mundo: com o indicador. o smartphone como prolongamento da mão. da mente e da fala é um caminho sem volta.). os laptops e os net books também (ainda?) cumprem satisfatoriamente essa função. pelo "velho e bom" e-mail. seja por meio dos textos que aqui aparecem. nos escravizemos criando/fantasiando/inventando novas necessidades desnecessárias.. e não. . dessa nossa aldeia globalizada em que todos falam ou podem falar com todos o tempo todo.. que nossas vidas se enriqueçam e cada vez nos libertemos mais nesse mundo sem fronteiras. e a dúvida agora é uma só: indicador ou polegar? Como vou falar com o mundo. o dedo mais exigido pelo manuseio do cobiçado Iphone ou similares touchscreen? Ou com o polegar. seja pelo cri-cri do Twitter. Na fila. seja por conta da mais nova e fantástica possibilidade tecnológica que vai pintar logo logo. nesta nova Folha.com. por exemplo. mas nunca vi tamanha revolução tecnológica em curso. as palavras surgiam do chumbo derretido e eram praticamente carimbadas no papel. tec tec. Olhe agora para o seu lado e você muito provavelmente verá alguém teclando. escolha um dedo e fale com sua aldeia . interfira.. elas fluem exatamente como o pensamento que as gerou. a imensidão de possibilidades que a tecnologia coloca literalmente na sua mão. no bar. seja pelo Ipad que para mim ainda não chegou. ao contrário. acontecendo agora. na cozinha. "ferramenta" indispensável para o pessoal mais pragmático do BlackBerry e congêneres? Porque não existe outra maneira de fazer parte dessa imensa e sensacional comunidade. seja pela incrível convivência socio-antropológica proporcionada pelo Facebook. Agora. 33 anos atrás. Você que está navegando no seu aparelhinho agora.ou cale-se para sempre. na rua.) POLEGAR OU INDICADOR O futuro já chegou. e aproveite: viaje.. Mas. que esse caminho seja o mais suave possível. saia. futurística. banalizando e/ou tornando supérflua aquela que é a mais revolucionária forma de comunicação pessoal da história. as expressões máximas.y (Temas relacionados: Revolução tecnológica. E é fascinante fazer parte dela. até em velório vi outro dia um cara de olhos vermelhos ali. senão por intermédio dos instrumentos móveis de comunicação dos quais Iphones e BlackBerrys são. Vamos lá. Então. aldeia virtual planetária. no metrô. tecnologia. veja aqui. conheça. entre. Quando me tornei jornalista. Ok. na cama. duvide. na escola. certamente dando uma má notícia. conclua. Muita coisa incrível aconteceu de lá para cá.

em um de seus escritos. celular ou qualquer outro produto. televisão. uma sociedade em que o consumo desenfreado parece ser a cada dia mais comum. Autor: Natalia Yumi Yamamoto (adaptado do original) y A Busca Jonh Locke. disse que. As pessoas são levadas a acreditar que só poderão ser plenamente felizes se consumirem cada vez mais e mais. como a amizade. o que é comumente buscado no consumo de bens concretos e superficiais. A partir das idéias discutidas. Talvez seja isso que nos diferencie tanto. o companheirismo. não percebem que felicidade e realização pessoal nada tem a ver com dinheiro ou com o próprio consumo. As pessoas perderam sua individualidade. calçado. Divulga-se constantemente a idéia da felicidade comprada. jornais. Dentro desse contexto. revistas. o amor e o respeito. Não há como afirmar que tais bens são dispensáveis à felicidade. podemos concluir que uma das melhores maneiras de garantir a realização pessoal é combatendo o consumismo incitado pela mídia ± uma vez que este proporciona uma felicidade maquiada e momentânea que não caracteriza uma realização pessoal plena e sólida ± e educando nossas crianças com base em valores como a solidariedade. a dignidade. como individuos. entre outros. ao vivermos em sociedade. há um importante fator que deve ser levado em consideração: a mídia como um mecanismo de manipulação das massas. o respeito. O individuo que nasce nesse ambiente consumista dificilmente aprende valores interiores e subjetivos. Até hoje nenhum cientista conseguiu desvendar os mistérios que cercam os sentimentos humanos. A troca de idéias e mercadorias entre os mais distantes lugares tornou-se ainda mais freqüente e rápida após o advento da internet. internet. e acreditando que a felicidade possa ser encontrada quando se adquire determinada marca de roupa. Através de inúmeros meios de comunicação como rádio. a honestidade que o edificam como ser pensante e emotivo. Decorre disso a dificuldade de se preencher o vazio interior. O ser humano nasce e cresce vivenciando esse mundo manipulado pela mídia. Para isso utiliza-se de algumas artimanhas. outdoors. carro. com aquilo que somos . somos de certa forma obrigados a nos moldar a seus contornos. seguindo uma lógica como: "compro. Vivemos em uma sociedade capitalista. O sentimento de realização pessoal está ligado ao fato de nos sentirmos felizes como pessoas. jóia. são tratadas agora simplesmente como consumidores. Esse fato é muito preocupante. o amor ao próximo. como artistas famosos e queridos que incitam o público a comprar os produtos divulgados. porém estes não estão capacitados a trazer a realização pessoal buscada pelo homem. no qual a dinâmica de informações é intensa e constante. logo existo".y Consumismo: felicidade maquiada Vivemos em um mundo cada vez mais globalizado. a mídia tem realizado o seu trabalho de convencer as pessoas a consumir.

são frutos de equilíbrio emocional. Características que são alcançadas. A felicidade e a realização pessoal não vêm embaladas e prontas para o consumo. pessoas que acreditam que a felicidade está relacionada às posses materiais. não podemos nos alienar. ao contrário. esse é utilizado na maioria das vezes para tapar as carências internas. Essa fragilidade é fruto da exclusão social e da concepção de homem como ser descartável. o homem também sofre em seu tempo livre. representada pela cultura de massa. a população fica emocionalmente fragilizada. e. O grande erro das pessoas que se entregam ao consumismo desenfreado sem refletir é que. Temos que ter a idéia clara de que a realização pessoal é algo que vem de dentro para fora. Além de sofrer com estressantes jornadas de trabalho. Seria verdadeira essa relação? Com as altas taxas de desemprego e a coisificação do homem. o remédio representa a paz. A sociedade atual parece viver um escurecimento progressivo de suas idéias. Em uma sociedade com uma cultura descartável. O consumismo não faz com que nos sintamos realizados pessoalmente. autoconhecimento e desenvolvimento pessoal. numa jornada inversa à da busca da Humanidade pela luz. descrita no mito da caverna de Platão. porém boa capacidade econômica: a valorização da posse em detrimento do valor humano. No quotidiano. o consumismo é estimulado e vendido como felicidade. Agora. . As campanhas padronizam os sentimentos e os oferecem personificados em produtos. na era da informática. e tudo isso não está ligado ao consumo. investindo sua energia em conceitos que exigem pouquíssimo esforço intelectual. por outros melhores e mais modernos. transporte longo e demorado.por dentro. ainda. crenças e valores. apesar de inúmeras tentativas. a cerveja representa a alegria. Autor: Anderson Ramos Sousa (adaptado do original) y Felicidade à Venda Há. o homem passa horas na frente da TV. com nossas potencialidades. não pode ser aliviado pelos produtos consumidos. gradualmente. não iremos encontrá-la se o único caminho em que a procurarmos for o do consumismo. Mesmo nos moldando. o mal-estar causado pela exclusão social. através da internet. Esse é o momento oportuno para as campanhas de marketing. o homem também o é. pouco tempo depois. no decorrer da vida. esse consumo foi até facilitado. mas não sabe o que fazer com ele ± até o seu tempo livre é alienado. o carro representa a liberdade. Impossibilitado (financeiramente) de se desenvolver pessoalmente através de estudo ou com o uso qualificado de seu tempo livre. com nossa capacidade transformadora. sendo assim. pela alienação do tempo. seja de forma consciente ou de forma inconsciente. nos dias de hoje. Ele anseia por tempo livre. às características de nossa sociedade. As pessoas parecem distanciar-se dela cada vez mais. Autor: Michelle Cavalari Camargo (adaptado do original) A Venda da Felicidade A era industrial aumentou consideravelmente a produção de bens de consumo. E ainda estimulam a troca desses mesmos produtos. Assim. não podemos perder nosso senso crítico.

Porém. se acabam. II.. e a falsa felicidade não dura muito mais que as suas representações físicas. moreno. já cantava nos anos 70 (seria mera coincidência ser essa a época dos "milagres econômicos" anunciados de peito estufado pela ditadura militar?): "(.. por questão de praticidade. em especial entre as camadas mais simples e pobres da população. portanto nada conecta e produz relação absurda. Escrever com clareza é muito importante. temos o consumo como sinônimo de felicidade.. levando-nos a crer que o que existe na verdade são momentos de consumismo. os objetos se quebram."Ainda brincava de boneca quando conheci Davi.) A felicidade não existe. Odair José."Hoje ao receber alguns presentes no qual completo vinte anos tenho muitas novidades para contar.é aos dezoito anos que se começa a procurar o caminho do amanhã e encontrar as perspectiva que nos acompanham para sempre na estrada da vida. construir um texto sem erros. Facilidades do mundo moderno devem ser aproveitadas. Temos aí um exemplo de uso inadequado do pronome relativo. se você reproduz sem nenhuma crítica ou reflexão expressões gastas. a adaptação a novas condições é essencial para a continuidade da vida. Tema . Três décadas depois do lançamento dessa música.. III. E. mas. Ele provoca falta de coesão pois não consegue perceber a que antecedente ele se refere. assim como a felicidade da música citada. se desgastam. com olhos cor de mel. Muito em breve o guarda-roupa estará ultrapassado e a tecnologia defasada. para ajudá-lo nessa importantíssima atividade do vestibular." Você pode ter conhecimento do vocabulário e das regras gramaticais e.Um artista popular de grande sucesso. Entretanto. I. A boa qualidade do texto fica comprometida. piloto de cart. o que existe na vida são momentos felizes (.)". trabalho e dedicação. "Tudo começou naquele baile de quinze anos" ". a tecnologia de ponta e a moda mais atual. assim. e não como meios ordinários de preencher o espaço da insatisfação pessoal ou da vaidade do ser humano. Exige conhecimento.. necessidade. aprendemos que a mudança é algo positivo. vulgarizadas pelo uso contínuo."Tenho uma prima que trabalha num circo como mágica e uma das mágicas mais engraçadas era uma caneta com tinta invisível que em vez de tinta havia saído suco de lima. Selecionar as frases e organizar as idéias é necessário. Autor: Aline Regina Canhassi Hernandes (adaptado do original) O Que Você Não Deve Fazer Numa Redação Escrever bem não é fácil. O dinheiro se vai. 20 anos. ao observarmos a Natureza. diremos o que você não deve fazer em um texto nestes dez fragmentos selecionados. tudo é efêmero." Você percebe aí a incapacidade do vestibulando organizar sintaticamente o período. conforto. Podemos possuir o último modelo..

mas eu era apenas uma criança. Eles empobrecem a redação. Antes de começar o seu texto leia atentamente todos os elementos que o examinador apresentou para você utilizar. "Estou sem inspiração para fazer em redação. "Entretanto. para ele entender a decisão. Após longo suplício. posições extremistas. V. acho que ele não vai concordar com a decisão que você tomou. "Uma biópsia do tumor retirado do fígado do meu primo(. assim. Para se evitar a ambigüidade." É importante você escrever atendendo ao que foi proposto no tema." Não utilize provérbios ou ditos populares. pois não se sabe se o pronome ele refere-se ao fígado ou ao primo." Esta frase está ambígua. . você deve observar se a relação entre cada palavra do seu texto está correta. acho que . Para você.) mostrou que ele não era maligno. X.não é fácil dizer essas coisas. de idéia contrária a.. meu coração apaziguava as tormentas e a sensatez me mostrava que só estaríamos separadas carnalmente. veja se não há falta de correspondência entre o tema proposto e o texto criado. mas você sabe .." Você não deve falar de sua redação dentro do próprio texto. IX. mas na vida tudo tem o seu valor e os homens a todo momento necessitam de descobrir todos os mistérios da vida que nos cerca a todo instante. como já diziam os sábios: depois da tempestade sempre vem a bonança. as experiências genéticas de clonagem põem em xeque todos os conceitos humanos sobre Deus e a vida? "Bem a clonagem não é tudo. enfim. "Bem.todos sabem . Escrever sobre a situação dos sem-terra? Bem que o professor poderia propor outro tema." Evite pensamentos radicais. É bom a gente pensar como vai fazer para.ele pensa diferente. quero dizer. É recomendável não generalizar e evitar. Esquematize suas idéias. "Todos os deputados são corruptos. VI. pois fazer parecer que seu autor não tem criatividade ao lançar mão de formas já gastas pelo uso freqüente. os fatos levam você a isso.você sabe . a relação adversativa introduzida pelo "mas" no fragmento acima produz uma idéia absurda. VIII. "Ele me tratava como uma criança." Não se esqueça que o ato de escrever é diferente do ato de falar. Olhe.IV." O conectivo mas indica uma circunstância de oposição. Portanto. VII. O texto escrito deve se apresentar desprovido de marcas de oralidade.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->