P. 1
ONICOSES

ONICOSES

|Views: 1.714|Likes:
Publicado porIsadermato
primeira aula de onicoses
primeira aula de onicoses

More info:

Published by: Isadermato on Feb 10, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/18/2013

pdf

text

original

ONICOSES

FUNÇÃO DAS UNHAS
h Anexo cutâneo situado na extremidade dorsal dos dedos sobre as últimas falanges

h Age como proteção da porção distal dos dedos, facilitando certos movimentos finos, sua precisão e a capacidade de preensão de pequenos objetos

EMBRIOLOGIA
h O aparelho ungueal desenvolve-se à partir da epiderme primitiva entre a nona e vigésima semanas de vida intra uterina h A lâmina ungueal já está presente na vigésima semana iniciando o movimento distal que se completa pela 36ª semana atingindo a ponta do dedo

ANATOMIA MACROSCOPICA

ANATOMIA MICROSCOPICA
BORDAS OU SULCOS UNGUEAIS h São desprovidas de glândulas pilosebáceas e sulcos dermatoglíficos h Possuem revestimento granuloso normal h Cutícula: é formada por extrato córneo modificado. Proteção especialmente da matriz germinal de agressões como irritantes, alérgenos e patógenos bacterianos e fúngicos

ANATOMIA MICROSCOPICA
MATRIZ h Produz a maior parte do corpo da unha h As células se diferenciam com expressão de queratina dura tricocítica à medida que se incorporam ao corpo da unha h Podem manter seus núcleos até porções mais distais ± corpos pertinazes ( núcleos retidos)

ANATOMIA MICROSCOPICA
MATRIZ h Melanócitos: 6,5/mm de membrana basal da matriz h Raça branca: não produzem melanina em condições fisiológicas. Doenças inflamatórias, nevos, neoplasias, aparecimento de estrias melanocíticas h Não brancos: estrias melanocíticas são frequentes

ANATOMIA MICROSCOPICA
MATRIZ h Células de Langerhans: detectáveis na matriz

ANATOMIA MICROSCOPICA
LEITO UNGUEAL h Formado por uma porção epidérmica ± a matriz ventral e tecido conectivo subjacente aderido ao periósteo da falange distal h Não existe gordura subcutânea h As células do leito ungueal não apresentam movimento independente

ANATOMIA MICROSCOPICA
LEITO UNGUEAL

h O colágeno dérmico do leito ungueal está orientado em sua maior parte verticalmente, aderido à falange distal e lâmina basal epidérmica. Vasos sanguíneos, linfáticos, células adiposas e glândulas sudoríparas na borda distal percorrem seu interior

ANATOMIA MICROSCOPICA
CORPO DA UNHA h Três camadas horizontais:

ANATOMIA MICROSCOPICA
CORPO DA UNHA (Lâmina ungueal) h Camada dorsal : fina h Camada intermediária mais espessa h Camada ventral proveniente do leito ungueal h Microscopicamente: formada por células escamosas achatadas, com membranas citoplasmáticas tortuosas e entrecruzadas

ANATOMIA MICROSCOPICA
CORPO DA UNHA h Quantidades significativas de fosfolípides, principalmente na camada dorsal e intermediária. Contribuem para sua flexibilidade h Corpo ungueal é rico em cálcio (fosfato) ± dez vezes mais que no cabelo - ligado aos fosfolípides à nível intracelular. Não contribui para a rigidez da unha h Metais: cobre, manganês, zinco, ferro, etc

QUERATINA DA UNHA
Mesmas frações existentes no pêlo h Uma proteína fibrilar pobre em enxofre h Uma proteína globular da matriz, rica em enxofre h Uma proteína da matriz rica em glicina-tirosina h Quantidades maiores de cisteína, ácido glutâmico e serina e menores de tirosina quando comparada com o pêlo

QUERATINA DA UNHA
h ³Queratina dura´ ou tricocítica como no cabelo. Diferente da queratina da pele (branda)

h Alto teor de enxofre confere resistência à queratina h K1/K10 ± par suprabasal localiza-se na borda proximal e em menor grau na matriz. Não é encontrada no leito ungueal

QUERATINA DA UNHA
h K5/K14 ± queratinas da camada basal normal são encontradas no leito ungueal e matriz

h Encontro de K6/K16 no leito ungueal mas não na matriz. Representa estado em repouso do epitélio do leito ungueal

CIRCULAÇÃO SANGUINEA

h h

CIRCULAÇÃO SANGUINEA
h Leito e matriz apresentam irrigação arterial abundante derivada das artérias digitais h Uma artéria digital palmar de grande calibre e uma artéria digital dorsal de pequeno calibre em cada lado. h À nível distal as artérias são tortuosas possibilitando sua deformação sem estrangulamento

CIRCULAÇÃO SANGUINEA
h Existem dois arcos artérias principais ± proximal e distal h Corpos glômicos: anastomoses artériovenosas responsáveis pela regulação térmica. Importantes na manutenção da circulação distal em condições de frio h Estas estruturas situam-se nos tecidos subdérmicos e seu número aumenta em direção ao leito ungueal distal

INERVAÇÃO

CRESCIMENTO E MORFOLOGOA UNGUEAL h Matriz: detecção de antígeno nuclear de células em proliferação e Ki-67

h Matriz: local de incorporação máxima de timidina tritiada quando injetada em simios h Leito ungueal contribui para o crescimento do corpo ungueal?

CRESCIMENTO LINEAR
Fatores fisiológicos e do meio ambiente que afetam o ritmo de crescimento ungueal: Rápido Lento
Diurno Gravidez Traumas, onicofagia Unha da mão direita Jovens Dedos das mãos Verão Dedo médio, anular, indicador Homens Noturno 1°dia de vida Unha da mão esquerda idosos Dedos dos pés Inverno ou frio Polegar e mínimo Mulheres

CRESCIMENTO LINEAR
Fatores patológicos que afetam o ritmo de crescimento ungueal: Mais rápido Mais lento
Imobilização de um dedo Febre, linhas de Beau Metotrexate, azatioprina, etretinato Onicólise idiopática da mulher Denervação Eritrodermia ictiosiforme bolhosa Nutrição deficiente Hipertireoidismo Hipotireoidismo Levodopa Síndrome das unhas amarelas Shunts artério-venosos Policondrite recidvante Psoríase Pitiríase rubra pilar Etretinato (excepcional)

CRESCIMENTO LINEAR
h Unhas das mãos: crescem cerca de 1 cm a cada 3 meses

h Unhas dos pés: 1/3 do ritmo de crescimento das unhas das mãos

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
h Relativas à presença e desenvolvimento da lâmina ungueal:

ƒ Anoníquia ƒ Onicoatrofia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ ANONIQUIA

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ ANONIQUIA

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ ONICOATROFIA

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ ONICOATROFIA

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
h Relativas ao tamanho da lâmina ungueal: ƒ Braquioníquia ƒ Macroníquia ƒ Microníquia ƒ Doliconíquia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Braquioníquia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Doliconíquia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Macroníquia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Microníquia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
h Relativas à consistência da lâmina ungueal: ƒ Hapaloníquia ƒ Onicosquízia ƒ Onicorrexe

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Hapaloníquia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Onicosquízia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Onicorrexe

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
h Relativas à espessura da lâmina ungueal: ƒ Paquioníquia ƒ Onicogrifose

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Paquioníquia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Onicogrifose

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
h Relativas à curvatura da lâmina ungueal: ƒ Platoníquia ƒ Onicogrifose ƒ Coiloníquia ƒ Unha hipocrática ƒ Paquioníquia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Coiloníquia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Unha Hipocrática

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Paquioníquia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Onicogrifose

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
h Relativas à adesão da lâmina ao leito ungueal: ƒ Onicólise ƒ Onicomadese ƒ Hiperqueratose subungueal ƒ Pterígio ungueal

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Onicólise

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Onicomadese

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Hiperqueratose subungueal

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Pterígio Ungueal

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
h Relativas à modificação da superfície da lâmina ungueal: ƒ Traquioníquia ƒ Sulcos de Beau (linhas) ƒ Sulcos longitudinais ƒ Distrofia canalicular mediana da unha ƒ Depressões cupuliformes ƒ Onicorrexe ƒ Helconixe ƒ Unhas de usura

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Traquioníquia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Linha de Beau

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Sulcos longitudinais

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Distrofia Canalicular Mediana da Unha

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Depressões Cupuliformes

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Onicorrexe

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Helconixe

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Unhas de Usura

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
h Relativas à modificação da coloração da lâmina ungueal: ƒ Melanoníquia ƒ Leuconíquia ƒ Unhas azuladas ƒ Unhas avermelhadas ƒ Unhas amareladas

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Leuconíquia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Melanoníquia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Unhas azuladas

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Unhas avermelhadas

ALTERAÇÕES UNGUEAIS
ƒ Unhas amareladas

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Anoníquia = unha que não se desenvolveu ƒ Anomalia congênita pouco frequente ƒ Caráter geralmente recessivo mas há casos descritos de herança ligada ao sexo ƒ Geralmente acompanhada de alterações nos dedos ou outras estruturas

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias ƒ Síndrome DOOR (deafness, onychodystrophy, osteodystrophy, mental retardation)

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Síndrome Ósteo-Onicodisplasia (unguealpatelar) ou síndrome de Fong ƒ Rara ƒ Caráter autossômico dominante com ligação entre o locus que controla a síndrome e aquele dos grupos sanguíneos ABO ƒ Anomalias de estrutura ecto e mesodérmicas

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Síndrome Ósteo-Onicodisplasia (unguealpatelar) ou síndrome de Fong ƒ Unhas dos polegares são as mais afetadas ƒ Anomalias diversas das unhas; lúnulas podem ser triangulares ƒ Patelas hipoplásicas ou ausentes; rudimentares e instáveis ƒ Cornos nos osso ilíacos (Rx); hiperextensão das articulações, flacidez da pele, hiperhidrose, anomalias renais

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Onicodisplasia Congênita dos dedos indicadores, Síndrome de Isso - Kikuchi

ƒ A unha do indicador está ausente ou é pequena ou é representada por duas unhas de tamanho diferente ƒ História familiar sugestiva de herança autossômica dominante, porém frequentemente não é detectado caráter genético, tendo sido descrito comprometimento de outros dedos. ƒ Bifurcação da falange distal é característica. Pode haver sindactilia em alguns casos

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Paquioníquia Congênita

ƒ Genodermatose rara ƒ Hipertrofia das unhas às vezes associada a hiperqueratose do leito ungueal e hiponíquia ƒ Autossômica dominante mas com casos descritos de herança autossômica recessiva

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Paquioníquia Congênita

ƒ Tipo 1: Jadassohn-Lewandowsky: - Unhas normais ao nascimento - Sofrem descoloração e espessamento nas mãos mais que nos pés - Associa-se com hiperqueratose palmo-plantar, lesões verrucosas e hiperhidrose. Raramente disceratose oral e corneana

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Paquioníquia Congênita

ƒ Tipo 2: - Aparecimento de espessamento uniforme das unhas - Associação com candidose mucosa crônica sugere defeito imune

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Paquioníquia Congênita

ƒ Tipo 3: Jackson-Lawler - Hiperqueratose e espessamento mais discreto - Associação com: erupção dentária ao nascimento, cistos epidérmicos múltiplos, sebocistomatose, cabelo seco, cílios em linha reta, hamartomas

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Paquioníquia Congênita

ƒ Tipo 4: - Espessamento e queratose das unhas associados à pigmentação macular disseminada, principalmente flexural

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Paquioníquia Congênita

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Paquioníquia Congênita

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Paquioníquia Congênita

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Paquioníquia Congênita

Alterações Ungueais em Doenças Congênitas e Hereditárias h Paquioníquia Congênita

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h UNHA HIPOCRATICA

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h ONICOSQUIZIA h ONICORREXE

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h ONICORREXE

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h COILONÍQUIA

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h UNHA EM TORQUÊS (PINCER NAIL)

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h BRAQUIONÍQUIA

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h LEUCONIQUIA

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h ONICOLISE

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h TRAQUIONÍQUIA

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h ONICOMADESE

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h HIPERCERATOSE SUBUNGUEAL

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h MELANONÍQUIA

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h DISTROFIA UNGUEAL DEVIDO A HALUX VALGO

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

QUE ALTERAÇÃO UNGUEAL É ESSA?

h PARONÍQUIA

Dermatoses e Onicodistrofias
h PSORÍASE ƒ 50% dos pacientes portadores de psoríase apresentam comprometimento ungueal ƒ Em crianças o comprometimento oscila de 7% a 39% ƒ 5% dos psoriáticos apresenta somente comprometimento ungueal

PSORÍASE
Local
Matriz

Aspecto clínico
Depressões puntiformes Leuconíquia Máculas vermelhas na lúnula Manchas salmão (oil drops) Hiperqueratose Pontos hemorrágicos Onicólise

Leito Ungueal

Prega ungueal proximal Psoríase cutânea Hiponíquio Hiperqueratose

PSORÍASE
h Depressões puntiformes ƒ Originam-se a partir do comprometimento da matriz ungueal ƒ É o comprometimento mais comum da psoríase ƒ Afetam mais as unhas dos quirodáctilos ƒ Desde pequenas depressões até grandes ranhuras (indicam alteração antiga da matriz)

PSORÍASE
h Depressões puntiformes

ƒ Ocorre devido a pequenos focos de paraqueratose na lâmina ungueal que após passar pela cutícula, caem formando uma depressão

PSORÍASE
h Depressões puntiformes

PSORÍASE
h Depressões puntiformes

PSORÍASE
h Depressões puntiformes

PSORÍASE
h Leuconíquia

PSORÍASE
h Máculas vermelhas na lúnula (red spots)

PSORÍASE
h Manchas salmão ou manchas ³oleosas´

ƒ Decorrentes de alterações no leito ungueal e raramente da região distal da matriz ƒ Com o crescimento da unha, a mancha se move distalmente podendo eventualmente se transformar em hiperqueratose do leito ungueal

PSORÍASE
h Manchas salmão ou oleosas

PSORÍASE
h Manchas salmão ou oleosas

PSORÍASE
h Hiperqueratose

PSORÍASE
h Hiperqueratose

PSORÍASE
h Pontos hemorrágicos

PSORÍASE
h Onicólise

PSORÍASE
h Onicólise

PSORÍASE
h Onicólise

PSORÍASE
hPsoríase da prega ungueal proximal

ƒ Semelhante à psoríase cutânea ƒ Pode estar associada à paroníquia crônica e anormalidades da lâmina ungueal

PSORÍASE
h Psoríase da prega ungueal proximal

PSORÍASE
h Psoríase da prega ungueal proximal

PSORÍASE
h Psoríase da prega ungueal proximal

PSORÍASE
h Hiperqueratose do hiponíquio

PSORÍASE
h A psoríase ungueal é geralmente auto-limitada e não resulta em cicatriz

h Fenômeno isomófico de Köebner ƒ Trauma mínimo do aparelho ungueal pode levar à exacerbação da psoríase ungueal

PSORÍASE UNGUEAL DA CRIANÇA

ƒ Pode se apresentar como psoríase clássica ou traquioníquia e paraqueratose ƒ Ocorre em cerca de 40% das crianças com psoríase

PSORÍASE UNGUEAL DA CRIANÇA
hTraquioníquia

PSORÍASE UNGUEAL DA CRIANÇA
hParaqueratose pustular da criança ƒ Forma auto-limitada de psoríase ungueal que afeta meninas e apresenta resolução espontânea

ACRODERMATITE CONTINUA DE HALLOPEAU

ƒ Pode ser de rápida evolução e resultar em cicatrização das unhas

ACRODERMATITE CONTINUA DE HALLOPEAU

PSORÍASE x ONICOMICOSE

PSORÍASE x ONICOMICOSE

PSORÍASE x ONICOMICOSE

PSORÍASE x ONICOMICOSE

PSORÍASE x ONICOMICOSE

PSORÍASE UNGUEAL - TRATAMENTO
hORAL : quando há psoríase disseminada, pustulosa ou eritrodérmica

ƒ Retinóides orais (acitretina): 0,25 a 2 mg/kg/dia ƒ Ciclosporina, metotrexate ƒ PUVA

PSORÍASE UNGUEAL - TRATAMENTO
hTÓPICA: ƒ Corticóides de alta potência em creme ou pomada e oclusão de 8 a 12 horas diárias. ƒ Adesivo de fluorandrenolida ƒ Antralina a 1% por cerca de 30 minutos. Lavar e aplicar etanolamida a 10% para evitar pigmentação pela antralina

PSORÍASE UNGUEAL - TRATAMENTO
hTÓPICA: ƒ Infiltração de corticóides na matriz ungueal:

( Diluir 40 mg (1 ml ) de triancinolona em 9 ml de água destilada ou soro fisiológico. ( Aplicar cerca de 0,5 ml na matriz. É extremamente dolorosa

PSORÍASE UNGUEAL - TRATAMENTO

LÍQUEN PLANO
ƒ Comprometimento ungueal ocorre em 10% dos pacientes portadores de líquen plano

ƒ 25% dos portadores de líquen plano ungueal apresentam lesões cutâneas em outros locais, no couro cabeludo ou mucosas, antes ou depois da lesão ungueal ƒ Biópsia da matriz é conclusiva: infiltrado liquenóide

LÍQUEN PLANO
h Quadro clínico: depende da região do aparelho ungueal comprometido: ƒ Onicorrexe: típica da doença; linhas e fissuras longitudinais

LÍQUEN PLANO
ƒ Pterigio (matriz)

LÍQUEN PLANO
ƒ Anoníquia (matriz)

LÍQUEN PLANO
ƒ Bolhoso

LÍQUEN PLANO
h Tratamento:

ƒ Prednisona oral: 1 a 2 mg/kg/dia decrescendo em 4 a 6 semanas ƒ Triancinolona intralesional 2,5 mg ƒ Triancinolona IM

ALOPECIA AREATA
h Alterações ungueais são mais frequentes em crianças ± cerca de 46% h Em adultos cerca de 20% de portadores de alopecia areata do couro cabeludo

h Se o quadro clínico de AA não é aparente, biópsia da matriz mostra espongiose que é diferenciada do eczema pela ausência de dermatite periungueal

ALOPECIA AREATA
h Alterações ungueais : ƒ Depressões puntiformes

ALOPECIA AREATA
h Alterações ungueais : ƒ Afinamento da lâmina ungueal

ALOPECIA AREATA
h Alterações ungueais : ƒ Máculas vermelhas na lúnula (frequentes)

ALOPECIA AREATA
h Alterações ungueais : ƒ Linha de Beau

ALOPECIA AREATA
h Alterações ungueais : ƒ Onicomadese

ALOPECIA AREATA
h Alterações ungueais : ƒ Traquioníquia

ALOPECIA AREATA
h Tratamento: ƒ Quando não há melhora espontânea, triancinolona tópica em oclusão ou intralesional mensalmente

DOENÇA DE DARIER
h É moléstia hereditária,autossômica dominante, também denominada queratose folicular

ƒ Há 90% de envolvimento ungueal em portadores da moléstia

DOENÇA DE DARIER
ƒ Hiperqueratose do leito ungueal distal com hiperqueratose e entalhes em V na borda livre

DOENÇA DE DARIER
ƒ Unha do tipo usura (defeito na queratinização) e linhas brancas

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h Muitas alterações ungueais são indícios de doenças sistêmicas

h Muitos sinais ungueais são específicos de doenças internas, outros não são específicos mas mesmo assim são indícios importantes que auxiliam na busca do diagnóstico

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h COILONÍQUIA: ƒ Ocorre quando a borda livre da unha é evertida ƒ Pode ser idiopática ƒ Ou associada a: - Anemia - Hipo ou hipertireoidismo - Ocupacional ou trauma - Comum em crianças no 1° pododáctilo

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h COILONÍQUIA:

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h UNHA HIPOCRÁTICA: ƒ Afeta tanto quirodáctilos como pododáctilos

ƒ Há aumento do tecido da ponta da falange distal e aumento da curvatura longitudinal e vertical da lâmina ungueal

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h UNHA HIPOCRÁTICA: ƒ Stone e cols. Classificaram a unha hipocrática em: - Congênita ou hereditária - Adquirida - Idiopática

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h UNHA HIPOCRÁTICA:

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h UNHA HIPOCRÁTICA:

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h UNHA HIPOCRÁTICA:

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h UNHA HIPOCRÁTICA:

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h UNHA HIPOCRÁTICA:

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h UNHA HIPOCRÁTICA: ƒ Unha hipocrática adquirida é a mais importante:  Patologias pulmonares: neoplasias, bronquiectasia, enfisema, pneumonia, linfoma

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h UNHA HIPOCRÁTICA: ƒ Unha hipocrática adquirida é a mais importante:

 Patologias cardiovasculares: ICC, valvulopatias  Cirrose hepática, colite ulcerativa

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h LINHAS DE BEAU: ƒ São depressões transversas em uma ou mais lâminas ungueais ƒ São resultado de parada de crescimento da matriz causado por doença sistêmica ou trauma severo ƒ Estas linhas crescem em direção distal em velocidade constante podendo ± se calcular o tempo em que houve a injúria

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h LINHAS DE BEAU:

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h LINHAS DE BEAU:

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h LINHAS DE BEAU: dermatite de contato

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h LINHAS DE BEAU: 3 sessões de quimioterapia

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h LINHAS DE BEAU: psoríase

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h LINHAS DE BEAU: ƒ Podem ser fisiológicas: aparecimento em cada ciclo menstrual, principalmente na dismenorréia ƒ Sarampo na infância; sem causa aparente em recém-nascidos ƒ Deficiência de zinco (múltiplas) ƒ Síndrome de Steven-Johnson, Lyell, drogas citotóxicas e eventos inespecíficos

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h LINHAS DE BEAU: ƒ Sífilis, hipoparatireoidismo ƒ Doença mão, pé boca ƒ Radiação ƒ Quando poucos dedos são afetados podem ser causadas por trauma, síndrome do túnel do carpo, eczema, paroníquia crônica ƒ Incomum: síndrome de Kawasaki

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h UNHAS MEIO A MEIO ƒ Metade proximal da unha com coloração branca e metade distal vermelho acastanhada ƒ Devido a alteração da coloração do leito ungueal ƒ Sinal de insuficiência renal e uremia ƒ A coloração retorna ao normal após normalização da função renal ou transplante

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h UNHAS MEIO A MEIO

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h LÚNULAS VERMELHAS ƒ Artrite reumatóide ƒ Alopecia areata, ICC ƒ Patologias pulmonares, envenenamento por monóxido de carbono ƒ Mecanismo etiopatogênico desconhecido

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS
hLÚNULAS

VERMELHAS

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h UNHA DE TERRY

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h LINHAS HEMORRÁGICAS ƒ Linhas pequenas, de coloração vermelhoacastanhadas no leito ungueal, orientadas no sentido longitudinal ƒ São assintomáticas e geralmente ocorrem na porção distal da unha ƒ São pequenas quantidades de sangue nos sulcos longitudinais do leito ungueal

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h LINHAS HEMORRÁGICAS ƒ A causa mais comum de seu aparecimento é o trauma ƒ Pode aparecer também na psoríase ƒ Endocardite, eventos embólicos, discrasias sanguíneas e medicamentos

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h LINHAS HEMORRÁGICAS

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h SINDROME DAS UNHAS AMARELAS ƒ Unhas amareladas, de crescimento lento podendo estar espessadas. A lúnula fica obscurecida e pode haver onicólise ƒ Associada com linfedema, bronquiectasia, sinusite, derrame pleural. Sinal de carcinoma do pulmão ƒ Há relatos de casos que obtiveram melhora com vitamina E

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h SINDROME DAS UNHAS AMARELAS

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E COLAGENOSES h Esclerodermia ƒ Produz isquemia periungueal podendo levar à ulcerações na polpa digital dolorosas ƒ Os capilares da prega ungueal mostram áreas avasculares e capilares novelos de capilares tortuosos

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E COLAGENOSES h ESCLERODERMIA

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E COLAGENOSES h ESCLERODERMIA

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E COLAGENOSES h Dermatomiosite ƒ Eritema da prega ungueal ƒ Telangectasia. Pode apresentar hemorragia da cutícula e espessamento desta

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E COLAGENOSES h DERMATOMIOSITE

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E COLAGENOSES h LUPUS ERITEMATOSO SISTEMICO ƒ As alterações ungueais são variáveis - Infarto vascular - Hemorragias na cutícula - Micronecrose da prega ungueal ƒ Casos severos: necrose e gangrena devido à trombose vascular

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E COLAGENOSES h LUPUIS ERITEMATOSO SISTEMICO

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E COLAGENOSES h LUPUIS ERITEMATOSO SISTEMICO

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E COLAGENOSES h SINDROME DE RAYNAUD ƒ As alterações ungueais são variáveis incluindo unhas quebradiças e frágeis ƒ Casos severos: acroesclerose

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E COLAGENOSES h SINDROME DE RAYNAUD

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E COLAGENOSES h SINDROME DE REITER ƒ Semelhantes às alterações da psoríase: hiperqueratose subungueal, onicólise, descoloração acastanhada. Depressões puntiformes também têm sido descritas.

ALTERAÇÕES UNGUEAIS E MOLÉSTIAS SISTÊMICAS h SINDROME DE REITER

PERNIOSE h Intolerância ao frio ƒ Máculas e pápulas eritematosas periungueais pruriginosas ou em queimação.

PERNIOSE

ONICOSES E DROGAS h Muitas medicações são causas potenciais de alterações ungueais como alterações na coloração, irregularidades da lâmina ungueal e anomalias no tecido periungueal ƒ Antibióticos, retinóides, antimaláricos e antineoplásicos são os maiores responsáveis

ONICOSES E DROGAS Minociclina

ONICOSES E DROGAS Hidroxiuréia

ONICOSES E DROGAS Xeloda ± antineoplásico (Ca de mama)

CROMONIQUIA
ƒ Alteração da cor da substância ou superfície da lâmina ungueal ou dos tecidos subjacentes ƒ Pigmento pode se acumular por superprodução (melanina p.ex.) ou por deposição na superfície (hemossiderina, cobre, drogas) ƒ A cor também é afetada pelos vasos cutâneos e pelo estado intravascular como anemia, envenenamento por monóxido de carbono

CROMONIQUIA
h Leuconíquia ƒ Leuconíquia verdadeira ± a lâmina ungueal está comprometida ƒ Leuconíquia aparente: coloração branca da lâmina ungueal devido a onicólise ou hiperqueratose subungueal ou ainda modificação da matriz ou do leito ungueal surgindo macrolúnula ƒ Pseudoleuconíquia: infecção fúngica da lâmina ungueal ou quando esmalte de unha

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Verdadeira ƒ Leuconíquia total é rara. Pode ser hereditária ƒ Envolvimento parcial é mais frequente - Leuconíquia puntata (comum) - Leuconíquia estriada (relativamente comum) - Leuconíquia distal (rara)

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Verdadeira Total ƒ A lâmina ungueal aparece branca e opaca, provavelmente devido à difração da luz nos queratinócitos anormais. À luz polarizada, as estruturas ungueais aparecem rompidas devido à desorganização da fibrilas de queratina

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Verdadeira Total ƒ As unhas são leitosas, com aspecto de porcelana ou marfim ƒ Em pacientes portadores de icterícia colestática há uma transição distal para a cor preta ƒ Crescimento acelerado da lâmina ungueal está associado com leuconíquia

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Verdadeira Total

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Verdadeira Total

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Subtotal ƒ Os 2/3 proximais da unha são brancos e à nível distal observa-se coloração rósea ƒ Parece ser causada por retardo de maturação da queratina

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Transversa ± Linhas de Mee ƒ Reflexo de processo sistêmico : quimioterapia ou intoxicação que afeta a função da matriz ƒ É uma banda transversal de 1 ±2 mm de largura localizada na região arqueada, sendo a lúnula análoga à linha de Beau à qual pode estar associada

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Transversa ƒ Pode afetar o primeiro e segundo pododáctilos. ƒ São faixas múltiplas ƒ Os portadores invariavelmente apresentam estas unhas longas ƒ Provavelmente as unhas longas impingem trauma à lâmina produzindo a leuconíquia ƒ O corte das unhas faz com que o problema desapareça

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Transversa

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Transversa

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Transversa

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Transversa

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Puntata ƒ Manchas esbranquiçadas de 1 ± 3 mm de diâmetro sendo atribuída a traumatismos menores da matriz (manicure) ƒ Descrita na alopecia areata ƒ O padrão e o número de manchas pode modificar-se com o crescimento da unha

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Puntata

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Longitudinal ƒ Foco paraqueratósico na matriz ƒ Descrita na doença de Darier, tumor de pequeno tamanho (isolada) , Hailey-Hailey

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Longitudinal

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Aparente ƒ Causada por alteração do leito ungueal - Hiperqueratose ou onicólise - Anomalias vasculares, anemia

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Aparente ƒ Unha de Terry: na cirrose hepática, ICC e DM ƒ Unha de Morey e Burke: - Variação da unha de Terry. A coloração branca se estende para a região central da unha com uma borda curva

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Aparente ƒ Linha de Muehrcke: na hipoalbuminemia ƒ Paralelas à lúnula no leito ungueal, com coloração rósea entre duas linhas ƒ A correção da hipoalbuminemia reverte estes sinais ƒ Está presente também em indivíduos submetidos à quimioterapia sistêmica

CROMONIQUIA
h Linhas de Muehrcke

CROMONIQUIA
h Linhas de Muehrcke

CROMONIQUIA
h Unha metade ± metade de Lindsay ƒ Uremia

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Aparente ƒ Síndrome de Raynaud

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Aparente ƒ Dermatose que causam onicólise: ex. psoríase ƒ Macrolúnula aparente: um dos primeiros sinais da hanseníase

CROMONIQUIA
h Leuconíquia Aparente

CROMONIQUIA
h Pseudoleuconíquia ƒ Onicomicose branca superficial (leuconíquia tricofítica de Jessner) ƒ Colorações brancas exógenas ƒ Uso contínuo de esmalte sem prévia retirada do anterior pode levar ao amolecimento e à coloração esbranquiçada da lâmina ungueal

CROMONIQUIA
h Pseudoleuconíquia ƒ Onicomicose

CROMONIQUIA
h Melanoníquia ƒ UMA FAIXA ÚNICA, ADQUIRIDA DE PIGMENTAÇÃO ESCURA É MELANOMA ATÉ QUE SE PROVE O CONTRÁRIO

CROMONIQUIA
h Melanoníquia ƒ Quando nenhuma causa aparente é encontrada as seguintes características deverm ser sugestivas de melanoma: $ Somente um digito é comprometido $ Há pigmentação periungueal $ Escurecimento de faixa marrom prévia $ Alargamento de faixa com borramento da borda $ Idade acima dos 50 anos

CROMONIQUIA
h Melanoníquia ƒ Pigmentação linear que não atinge a borda livre da unha pouco provavelmente tem como origem foco melanocítico na matriz ƒ As seguintes condições devem ser excluidas: $ Pigmentação periungueal não ± melanoma (pseudo sinal de Hutchinson) $ Faixa única de melanoníquia devido a metástase de melanoma
$ Hematoma não migratório ou corpo estranho

CROMONIQUIA
h Melanoníquia Problema do diagnóstico errôneo:

ƒ Tratamento apropriado de melanoma pode ser retardado, levando à metastatização ou mesmo à morte ƒ Tratamento para melanoma pode incorrer em tratamento agressivo de uma lesão benigna com cirurgia desnecessária. A biópsia é portanto fundamental

CROMONIQUIA
h Melanoníquia ± Nevo Congênito

CROMONIQUIA
h Melanoníquia Longitudinal Congênita

CROMONIQUIA
h Melanoma in Situ

CROMONIQUIA
h Hematoma subungueal

CROMONIQUIA
h Coloração pela Fuccina

CROMONIQUIA
h Coloração pela Henna

CROMONIQUIA
h Coloração pelo Nitrato de Prata

CROMONIQUIA
h Coloração pelo Permanganato de Potássio

CROMONIQUIA
h Coloração pelo Zidovudine

CROMONIQUIA
h Coloração por Nevo Melanocítico

CROMONIQUIA
h Coloração por Deficiência de B12

CROMONIQUIA
h Síndrome de Laugier-Huntzinger: melanoníquia longitudinal e máculas melanóticas na mucosa oral

CROMONIQUIA
h Síndrome de Laugier-Huntzinger

CROMONIQUIA
h Outras Descolorações ƒ Cosméticos ƒ Medicação tópica e sistêmica ƒ Antissépticos ƒ Doenças comuns

CROMONIQUIA
h Devido a antissépticos

CROMONIQUIA
h Síndrome da Unhas amarelas

CROMONIQUIA
h Devido a Antimaláricos

CROMONIQUIA
h Devido a Pseudomonas aeruginosa

CROMONIQUIA
h Lúnula Vermelha ± Alopecia Areata

CROMONIQUIA
h Unha Amarela - Esmalte

CROMONIQUIA
h Eritroníquia ƒ Baran e Perrin: 16 casos dos quais 14 eram onicopapilomas e 2 doença de Bowen ƒ Clinicamente: faixa vermelha que pode estar associada à queratose subungueal distal e pontos hemorrágicos

CROMONIQUIA
h Eritroníquia

Alterações Ungueais da Forma
h Acropaquia = Unha em vidro de relógio ƒ Doença inflamatória intestinal, cirrose, ca de pulmão

Alterações Ungueais da Forma
h Paquidermoperiostose Osteoartropatia hipertrófica idiopática ƒ Rara. Alterações ungueais tem início na puberdade ƒ A região distal dos dedos das mãos e dos pés tem forma bulbar ƒ Síndrome de Touraine-Solente-Golé: paquidermo ± alterações das extremidades e da face

Alterações Ungueais da Forma
h Paquidermoperiostose

Alterações Ungueais da Forma
h Paquidermoperiostose

Alterações Ungueais da Forma
h Macro e microníquia ƒ Consideradas demasiadamente grandes ou pequenas em comparação com as outras unhas ƒ Geralmente associadas a anomalias ósseas subjascentes tipo gigantismo local que causa macroníquia ou megadactilia. É a base para o polegar em raquete (hereditária benigna dominante)

Alterações Ungueais da Forma
h Macro e microníquia ƒ Neurofibromas plexiformes podem provocar alterações ungueais ± duplicação das falanges terminais ocasionam unha bífida ou pequena

Alterações Ungueais da Forma
h Macroníquia ± Síndrome de Proteus ƒ Hamartose: assimetria ou macrocefalia, hemihipertrofia, gigantismo parcial das mãos ou pés, tumores subcutâneos (lipomas, hemangiomas, linfangiomas, nevo epidérmico e espessamento da pele

Alterações Ungueais da Forma
h Macroníquia ± Síndrome de Proteus

Alterações Ungueais da Forma
h Macroníquia ± Síndrome de Proteus

Alterações Ungueais da Forma
h Unha Bífida ƒ Duplicação do primeiro quirodáctilo é sinal de polidactilia ƒ Há 7 tipos de polidactilia do primeiro quirodáctilo de acordo com a bifurcação óssea ƒ Pode ter ocorrência esporádica ou mais comunmente herança autossômica dominante com expressividade variável. Quadro clínico semelhante pode ser visto no primeiro pododáctilo. Tratamento cirúrgico

Alterações Ungueais da Forma
h Unha Bífida

Alterações Ungueais da Forma
h Unha Bífida

Alterações da Adesividade da Unha
h Queda das Unhas ƒ Queda completa em decorrência da separação proximal : onicomadese ± é a progressão das linhas de Beau ƒ Reflexo de doenças locais ou sistêmicas

Alterações da Adesividade da Unha
h Queda das Unhas ƒ Locais: doenças bolhosas, paroníquia ƒ Sistêmicas: NET, psoríase pustulosa, líquen plano ƒ Traumatismos

Alterações da Adesividade da Unha
h Queda das Unhas ƒ Locais: doenças bolhosas, paroníquia ƒ Sistêmicas: NET, psoríase pustulosa, líquen plano ƒ Traumatismos

Alterações da Adesividade da Unha
h Queda das Unhas ƒ Retinóides: queda temporária ƒ Cloxacilina, cefaloridina em doses altas em pacientes anéfricos

Alterações da Adesividade da Unha
h Onicólise ƒ Separação distal e/ou lateral da lâmina ungueal do leito ƒ As áreas de separação mostram coloração esbranquiçada ou amarelada ƒ Pode ser idiopática ou primária ou secundária (traumatismo, infecção fúngica) eczema e fotoonicólise)

Alterações da Adesividade da Unha
h Onicólise Idiopática ƒ Separação da lâmina ungueal do leito ungueal não dolorosa ƒ Causas: manicure, umidade frequente, pequenos traumas que passam desapercebidos (ocorrem mais em indivíduos que mantém unhas grandes) ƒ Infecções secundárias: Cândida albicans, Pseudomonas pyocyanea

Alterações da Adesividade da Unha
h Onicólise Idiopática ƒ É mais frequente em mulheres ƒ Quanto mais prolongado o processo, menor a probabilidade de adesão da lâmina ao leito devido à queratinização do leito ungueal

Alterações da Adesividade da Unha
h Onicólise Idiopática ƒ Tratamento: - Cortar a unha afetada - Aplicação de formulação tópica a base de esteróides e antibióticos, bem como esmalte de ciclopirox A nova adesividade é lenta. O tratamento visa impedir infecções secundárias que possam contribuir para queratinização do leito ungueal

Alterações da Adesividade da Unha
h Onicólise Secundária ƒ Alterações dermatológicas: - Psoríase, infecções fúngicas = mais comuns - Defeito ectodérmico congênito é raro ƒ Doenças sistêmicas: vasculopatias periféricas, hiper/hipotireoidismo, hiperhidrose, síndrome das unhas amarelas, síndrome da unha em concha

Alterações da Adesividade da Unha
h Onicólise Secundária ƒ Traumatismos ƒ Drogas: dimetilclortetraciclina e doxiciclina: pode ocorrer onicólise e foto-onicólise

Alterações da Adesividade da Unha
h Onicólise

Alterações da Adesividade da Unha
h Onicólise Auto Induzida

Alterações da Adesividade da Unha
h Foto-onicólise

Alterações da Adesividade da Unha
h Onicólise

Alterações da Adesividade da Unha
h Pterígio ƒ Faixa fibrótica central que fragmenta a lãmina em duas partes em nível proximal ƒ Pode estender-se a partir do sulco lateral ou do proximal. Um pterígio extenso que compromete toda a lâmina pode destruí-la totalmente ƒ É precedido de processo inflamatório destrutivo. O sulco ungueal sofre fusão com o leito subjacente.

Alterações da Adesividade da Unha
h Pterígio Ventral (inverso ungueal) ƒ Ocorre na superfície distal da unha com extensão até antes do epitélio ungueal, o qual produz deslocamento do hiponíquio e obscurece o sulco distal ƒ Causas: traumas, esclerose sistêmica, doença de Raynaud, lúpus eritematoso familiar, doenças infecciosas. A unha podes ser normal mas os tecidos moles subjacentes são dolorosos

Alterações da Adesividade da Unha
h Espessamento ou hipertrofia da lâmina ungueal ƒ Pode estar associada a hiperqueratose subungueal ƒ Doença de Darier: hiperqueratose focal. Na sarna norueguesa podem ser encontrados ácaros sob a lâmina ungueal ƒ Causas mais comuns: psoríase, eczema, traumas, micoses. Pododáctilos de idosos, onicogrifose

Alterações da Adesividade da Unha
h Espessamento ou hipertrofia da lâmina ungueal ƒ Tratamento: - Extração da lâmina e destruição da matriz - Destruição química com uréia a 40% - Fenolização da matriz - Destruição com laser de CO2

Alterações da Superfície da Unha
h Sulcos longitudinais ƒ No eixo longitudinal, podem se estender por todo o comprimento ou parte deste. Diferenciar das cristas que fazem relevo na superfície da unha ƒ Os sulcos fisiológicos acentuam-se na artrite reumatóide, vasculopatia periférica, idade avançada e Darier; raramente no líquen plano ƒ Tumores: verrugas, cistos mixóides, que exercem pressão sobre a matriz ou sobre um pterígio do sulco proximal podem ocasionar sulco longitudinal

Alterações da Superfície da Unha
h Sulcos longitudinais ± artrite reumatóide

Alterações da Superfície da Unha
h Sulcos longitudinais - idosa

Alterações da Superfície da Unha
h Sulcos longitudinais ± idoso com alterações arteriais crônicas

Alterações da Superfície da Unha
h Distrofia Canalicular Mediana de Heller Solenoníquia ƒ Localizada na linha média, aspecto esbranquiçado dos sulcos, em ângulos em direção posterior ƒ Afetam geralmente os 1ºs quirodáctilos, sendo que os sulcos podem ser simétricos e a cutícula normal

Alterações da Superfície da Unha
h Distrofia Canalicular Mediana de Heller Solenoníquia ƒ Cura após meses ou anos; recidivas podem ocorrer ƒ Traumas, retinóides orais, casos familiares foram registrados

Alterações da Superfície da Unha
h Distrofia Canalicular Mediana de Heller Solenoníquia

Alterações da Superfície da Unha
h Distrofia Canalicular Mediana de Heller Solenoníquia

Alterações da Superfície da Unha
h Onicotilomania ƒ Provocada por tique nervoso ƒ Trauma na matriz

Alterações da Superfície da Unha
h Onicotilomania

Alterações da Superfície da Unha
h Onicotilomania

Alterações da Superfície da Unha
h Onicotilomania

Alterações da Superfície da Unha
h Traquioníquia ƒ Superfície rugosa, que compromete toda a lâmina ungueal e pode comprometer todas as unhas (Distrofia da 20 unhas) ƒ Relacionada principalmente com a alopecia areata, psoríase, líquen plano ƒ Forma isolada: espongiose e infiltração linfocítica da matriz

Alterações da Superfície da Unha
h Traquioníquia ƒ Pode se apresentar como processo auto limitado na infância e crônico na idade adulta ƒ Pode responder a esteróide potente injetado localmente ou sistêmico, porém a resposta pode ser temporal

Alterações da Superfície da Unha
h Traquioníquia ± Alopecia areata

Alterações da Superfície da Unha
h Traquioníquia ± Idiopática

Alterações da Superfície da Unha
h Traquioníquia ± Uma lâmina

Alterações da Superfície da Unha
h Traquioníquia ± Trabalhador manual

Alterações da Superfície da Unha
h Onicosquízia ƒ Distrofia em camadas ± descolamento transversal em camadas, na borda livre da lâmina ungueal dos quiro e pododáctilos, principalmente em lactentes ƒ Pode acarretar descoloração e acúmulo de detritos entre as camadas

Alterações da Superfície da Unha
h Onicosquízia ƒ Raramente associada a doenças sistêmicas foi descrita com policitemia ƒ M.E.: tendência da estrutura em camadas se separar após imersão repetida em água. Porém, estudos controle não demonstram que a atividade profissional seja determinante importante deste processo

Alterações da Superfície da Unha
h Onicosquízia

Alterações da Superfície da Unha
h Onicosquízia - Retinóides

Alterações da Superfície da Unha
h Onicosquízia ± Amiloidose Sistêmica

Alterações da Superfície da Unha
h Onicosquízia ƒ Tratamento: - Sistêmico: biotina - Tópico: Hidratação: luvas, emolientes, base

Alterações da Superfície da Unha
h Unhas Quebradiças ƒ Frequentemente associadas onicosquízia e imersão frequente em água alcalina ƒ Causas: deficiência de ferro, anemia, alterações na circulação periférica. Causa rara é a alteração do metabolismo da arginina (associada também à alopecia difusa)

Alterações da Superfície da Unha
h Unhas Quebradiças ± Esmalte de unhas

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->