P. 1
Fruticultura Fundamentos e Práticas

Fruticultura Fundamentos e Práticas

|Views: 1.461|Likes:
Publicado porPedro Frias

More info:

Published by: Pedro Frias on Feb 11, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/09/2012

pdf

text

original

Fruticultura Fundamentos e Práticas

Apresentação Este livro é destinado a estudantes das ciências agrárias, profissionais de agronomia, produtores e todos aqueles que gostam do cultivo de plantas frutíferas. Quando pensamos em instalar um pomar, devemos responder alguns questionamentos: O que plantar? Onde plantar e como cuidar? Qual será o mercado existente ou potencial? Em quanto tempo teremos o retorno do investimento? A leitura dos diferentes capítulos permitirá que se obtenha respostas às questões formuladas. Hoje, a fruticultura deve ser vista como um negócio e, assim, todas as etapas que envolvam questões técnicas, econômicas e ecológicas devem ser consideradas antes da decisão de plantar um pomar, pois os custos são elevados e os mercados são exigentes em qualidade e muito competitivos. Nos doze capítulos que constituem o livro, é possível encontrar informações sobre situação da fruticultura no Brasil, técnicas para produção de mudas, cuidados na instalação do pomar, manejo do solo e adubação do pomar, raleio e poda das plantas, reguladores vegetais, doenças e pragas, colheita e armazenamento de frutas. Os autores JOSÉ CARLOS FACHINELLO Engenheiro Agrônomo - Doutor em Agronomia Professor Titular do Departamento de Fitotecnia da FAEM/UFPel JAIR COSTA NACHTIGAL Engenheiro Agrônomo - Doutor em Agronomia Pesquisador da Embrapa Clima Temperado ELIO KERSTEN Engenheiro Agrônomo - Doutor em Agronomia Professor Aposentado do Departamento de Fitotecnia da FAEM/UFPel Poda

Introdução à

fruticultura mudas Produção de

Instalação de pomares

Manejo de pomares

Nutrição e adubação

Morfologia e fisiologia

Raleio

Fitorreguladores

Principais pragas

Principais doenças

Colheita

Produção - PIF

Bibliografia

» Tamanho da fonte

http://www.cpact.embrapa.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/[15-01-2012 15:47:53]

Fruticultura Fundamentos e Práticas

http://www.cpact.embrapa.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/[15-01-2012 15:47:53]

Fruticultura Fundamentos e Práticas

Apresentação Este livro é destinado a estudantes das ciências agrárias, profissionais de agronomia, produtores e todos aqueles que gostam do cultivo de plantas frutíferas. Quando pensamos em instalar um pomar, devemos responder alguns questionamentos: O que plantar? Onde plantar e como cuidar? Qual será o mercado existente ou potencial? Em quanto tempo teremos o retorno do investimento? A leitura dos diferentes capítulos permitirá que se obtenha respostas às questões formuladas. Hoje, a fruticultura deve ser vista como um negócio e, assim, todas as etapas que envolvam questões técnicas, econômicas e ecológicas devem ser consideradas antes da decisão de plantar um pomar, pois os custos são elevados e os mercados são exigentes em qualidade e muito competitivos. Nos doze capítulos que constituem o livro, é possível encontrar informações sobre situação da fruticultura no Brasil, técnicas para produção de mudas, cuidados na instalação do pomar, manejo do solo e adubação do pomar, raleio e poda das plantas, reguladores vegetais, doenças e pragas, colheita e armazenamento de frutas. Os autores JOSÉ CARLOS FACHINELLO Engenheiro Agrônomo - Doutor em Agronomia Professor Titular do Departamento de Fitotecnia da FAEM/UFPel JAIR COSTA NACHTIGAL Engenheiro Agrônomo - Doutor em Agronomia Pesquisador da Embrapa Clima Temperado ELIO KERSTEN Engenheiro Agrônomo - Doutor em Agronomia Professor Aposentado do Departamento de Fitotecnia da FAEM/UFPel Poda

Introdução à

fruticultura mudas Produção de

Instalação de pomares

Manejo de pomares

Nutrição e adubação

Morfologia e fisiologia

Raleio

Fitorreguladores

Principais pragas

Principais doenças

Colheita

Produção - PIF

Bibliografia

» Tamanho da fonte

http://www.cpact.embrapa.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/index.htm[15-01-2012 15:47:59]

Fruticultura Fundamentos e Práticas

http://www.cpact.embrapa.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/index.htm[15-01-2012 15:47:59]

entre elas as plantas cítricas.cpact. com sistema radicular e parte aérea.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/2. obtida por qualquer método de propagação. utilizada para a implantação de novos pomares. Muda de pé-franco. as mudas são formadas pela combinação de duas ou mais cultivares diferentes. as quais são tem o sistema radicular e a parte aérea formadas por uma única cultivar. José Carlos Fachinello & Elio Kersten Viveiro é uma área de terreno convenientemente demarcada. como em São Paulo. entende-se toda a planta jovem. é a denominação utilizada para designar aquelas mudas obtidas. Por muda. Para algumas espécies.htm[15-01-2012 15:48:04] .Fruticultura Fundamentos e Práticas Apresentação Viveiro Jair Costa Nachtigal.embrapa. em função de doenças e pragas. com ou sem folhas. Introdução à fruticultura mudas Produção de Instalação de pomares Manejo de pomares Nutrição e adubação Morfologia e fisiologia Poda Raleio Fitorreguladores Principais pragas Principais doenças Colheita Produção . a denominação de pé-franco é utilizada para aquelas mudas oriundas de sementes. todo o processo de obtenção de mudas é realizado em telados a prova de insetos. onde as mudas frutíferas são obtidas e conduzidas até o momento do transplante.PIF Bibliografia » Tamanho da fonte http://www. No caso de mudas obtidas por enxertia. normalmente por estaquias. Em alguns estados.

br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/2.htm[15-01-2012 15:48:04] .Fruticultura Fundamentos e Práticas http://www.cpact.embrapa.

de uma maneira geral. pois os custos são elevados. c) Uso de técnicas apropriadas para o manejo do solo e da planta. ou armazenadas em ambientes apropriados. d) Recursos humanos e financeiros.embrapa.cpact. portanto. são perecíveis e. As frutas.htm[15-01-2012 15:48:08] .br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/3. f) Existência de mercado para o consumo“in natura” ou de indústria. e) Condições de transporte e armazenamento. os mercados são exigentes em qualidade e muito competitivos. todos os riscos devem ser calculados e analisados antes do plantio do pomar. O sucesso no cultivo de qualquer espécie frutífera deve estar fundamentado em: a) Condições adequadas de clima e solo. todas as etapas que envolvem questões técnicas. José Carlos Fachinello & Elio Kersten Antes de implantar um pomar. a fruticultura deve ser vista como um negócio e. Portanto. Introdução à fruticultura mudas Produção de Instalação de pomares Manejo de pomares Nutrição e adubação Morfologia e fisiologia Poda Raleio Fitorreguladores Principais pragas Principais doenças Colheita Produção . b) Plantio de espécies adaptadas. assim. caso contrário as perdas poderão ser totais. econômicas e ecológicas devem ser consideradas antes da decisão de plantar. deve-se responder alguns questionamentos: O que plantar? Onde plantar? Qual será o mercado existente ou potencial? Em quanto tempo teremos o retorno do investimento? Hoje. devem ser consumidas ou industrializadas tão logo sejam colhidas no pomar.Fruticultura Fundamentos e Práticas Apresentação Requisitos básicos Jair Costa Nachtigal.PIF Bibliografia » Tamanho da fonte http://www.

htm[15-01-2012 15:48:08] .Fruticultura Fundamentos e Práticas http://www.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/3.embrapa.cpact.

manutenção da fertilidade do solo. dimensão da área. equipamentos e máquinas disponíveis na propriedade.PIF Bibliografia » Tamanho da fonte http://www. levando em consideração a economicidade.htm[15-01-2012 15:48:13] . Introdução à fruticultura mudas Produção de Instalação de pomares Manejo de pomares Nutrição e adubação Morfologia e fisiologia Poda Raleio Fitorreguladores Principais pragas Principais doenças Colheita Produção . manutenção de um bom nível de matéria orgânica.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/4.cpact. regulação da disponibilidade de água. espécie cultivada. O manejo do solo e a sua execução estão intimamente ligados ao sistema de plantio. Deve ser o mais eficiente possível quanto ao controle da erosão do solo. desde o momento do plantio até a colheita. facilidade no trânsito do homem e máquinas no pomar. José Carlos Fachinello & Elio Kersten O manejo do solo envolve todos os tratos culturais aplicados à camada de solo utilizada pelas plantas frutíferas. redução da competição com ervas daninhas. clima e topografia. espaçamento adotado.embrapa.Fruticultura Fundamentos e Práticas Apresentação Introdução Jair Costa Nachtigal.

cpact.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/4.Fruticultura Fundamentos e Práticas http://www.htm[15-01-2012 15:48:13] .embrapa.

Aproximadamente 95% do peso seco das plantas e ao redor de 98% do peso fresco correspondem ao carbono. hidrogênio (H). Fe. Portanto. Mo.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/5. fósforo (P). As plantas frutíferas exploram grandes volumes de solo e se diferenciam das plantas anuais pois apresentam estruturas que podem armazenar nutrientes de um ano para outro. manganês (Mn).Fruticultura Fundamentos e Práticas Apresentação Introdução José Carlos Fachinello. os demais são chamados de macronutrientes. Introdução à fruticultura mudas Produção de Instalação de pomares Manejo de pomares Nutrição e adubação Morfologia e fisiologia Poda Raleio Fitorreguladores Principais pragas Principais doenças Colheita Produção .htm[15-01-2012 15:48:17] .cpact. ramos e folhas. por isso são chamados de micronutrientes. Jair Costa Nachtigal & Elio Kersten Embora os princípios gerais de disponibilidade de nutrientes no solo sejam bastante conhecidos. cloro (Cl) e sódio (Na). como raízes. procura-se suprir a diferença entre a necessidade da planta e a quantidade dos nutrientes que o solo é capaz de fornecer. nitrogênio (N). enxofre (S).PIF Bibliografia » Tamanho da fonte http://www. potássio (K). caule. boro (B). Mn. os elementos que constituem os restantes 5% do peso seco são os mais importantes na adubação dos pomares. molibdênio (Mo). Na prática de adubação. Além da falta de conhecimento do sistema radicular e de técnicas de aplicação de fertilizantes. O Zn. B. a sua aplicação em fruticultura enfrenta algumas dificuldades. ferro (Fe). zinco (Zn). A análise química das plantas frutíferas mostra que 17 elementos são considerados essenciais: carbono (C). distribuição e absorção dos nutrientes do solo. hidrogênio e oxigênio.embrapa. magnésio (Mg). principalmente devido ao pouco conhecimento do sistema radicular no que diz respeito à morfologia. cálcio (Ca). cobre (Cu). Cu. Cl e Na entram em pequenas quantidades na composição das plantas. oxigênio (O). ainda não existem critérios definidos para a recomendação segura destes insumos em plantas perenes.

htm[15-01-2012 15:48:17] .embrapa.Fruticultura Fundamentos e Práticas http://www.cpact.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/5.

embrapa.PIF Bibliografia » Tamanho da fonte http://www. folhas.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/6.Fruticultura Fundamentos e Práticas Apresentação Introdução José Carlos Fachinello. Jair Costa Nachtigal & Elio Kersten A estrutura de uma planta frutífera é composta pelo sistema radicular e pela parte aérea. ramos. Introdução à fruticultura mudas Produção de Instalação de pomares Manejo de pomares Nutrição e adubação Morfologia e fisiologia Poda Raleio Fitorreguladores Principais pragas Principais doenças Colheita Produção . flores e frutas e. as raízes e pêlos absorventes que garantem a sustentação e a nutrição mineral das plantas.cpact.htm[15-01-2012 15:48:22] . gemas. Na parte aérea nos encontramos o tronco. no sistema radicular.

Fruticultura Fundamentos e Práticas http://www.htm[15-01-2012 15:48:22] .embrapa.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/6.cpact.

br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/7. como fertilização. muito embora seja praticada para dirigir a planta segundo a vontade do homem. Introdução à fruticultura mudas Produção de Instalação de pomares Manejo de pomares Nutrição e adubação Morfologia e fisiologia Poda Raleio Fitorreguladores Principais pragas Principais doenças Colheita Produção .embrapa. em fruticultura. Para que a poda produza resultados satisfatórios é importante que seja executada levando-se em consideração a fisiologia e a biologia da planta e seja aplicada com moderação e oportunidade. A poda é uma das práticas culturais realizadas em fruticultura que.PIF Bibliografia » Tamanho da fonte http://www.htm[15-01-2012 15:48:28] . torna o pomar produtivo. José Carlos Fachinello & Elio Kersten A poda. irrigação e drenagem. afinidade entre enxerto e portaenxerto e condições edafoclimáticas. juntamente com outras atividades.Fruticultura Fundamentos e Práticas Apresentação Introdução Jair Costa Nachtigal. é utilizada com o objetivo de regularizar a produção e melhorar a qualidade das frutas. controle fitossanitário.cpact.

cpact.Fruticultura Fundamentos e Práticas http://www.htm[15-01-2012 15:48:28] .br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/7.embrapa.

1 Introdução Jair Costa Nachtigal & Elio Kersten Por raleio. entende-se a operação que elimina parte das frutas ou até mesmo das flores. Muitas destas características são específicas da cultivar. o que representa uma elevação considerável nos custos de produção. Por sua vez.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/8. principalmente para consumo “in natura”.htm[15-01-2012 15:48:33] . a qualidade é determinada por um conjunto de características.Fruticultura Fundamentos e Práticas Apresentação 8.embrapa. Atualmente. principalmente pelo tamanho. visando melhorar a qualidade das frutas remanescentes e evitar a alternância de produção. estado fitossanitário e sabor. porém algumas delas são afetadas diretamente pela operação do raleio. uma das operações mais delicadas e que exige uma grande quantidade de mão-de-obra. cor. Introdução à fruticultura mudas Produção de Instalação de pomares Manejo de pomares Nutrição e adubação Morfologia e fisiologia Poda Raleio Fitorreguladores Principais pragas Principais doenças Colheita Produção . também. não se pode pensar em comercializar frutas.PIF Bibliografia » Tamanho da fonte http://www.cpact. sem que se disponha de um produto de boa qualidade. O raleio é uma das operações fundamentais para a maioria das espécies frutíferas e é.

br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/8.embrapa.htm[15-01-2012 15:48:33] .Fruticultura Fundamentos e Práticas http://www.cpact.

PIF Bibliografia » Tamanho da fonte http://www. não só os mecanismos de ação destas substâncias. sendo que. nos itens seguintes. Pesquisas sobre a utilização de substâncias reguladoras do crescimento na agricultura têm sido realizadas em todo o mundo.Fruticultura Fundamentos e Práticas Apresentação Introdução José Carlos Fachinello & Elio Kersten Reguladores vegetais são substâncias naturais ou sintéticas que. com as mais variadas finalidades.cpact. como. a emissão de raízes. giberelinas. em pequenas concentrações. abscisão de folhas e frutas. podem alterar qualquer processo fisiológico das plantas. elongação de caules. o efeito fisiológico proporcionado parece estar relacionado com fatores muitas vezes desconhecidos. citocininas. entre outros. como também os diferentes efeitos causados por elas. de forma resumida. que serão abordados. maturação de frutas.embrapa. em muitos casos. Com o avanço dos estudos com substâncias reguladoras do crescimento. Assim sendo. etileno e o ácido abscísico. de modo que cada vez mais se descobrem novos mecanismos de controle hormonal sobre o crescimento e desenvolvimento vegetal. tem-se verificado que existe uma gama muito grande de compostos que podem provocar alterações nas plantas.htm[15-01-2012 15:48:37] . As principais substâncias utilizadas em fruticultura e que exercem algum tipo de influência sobre as plantas pertencem ao grupo das auxinas.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/9. por exemplo. Introdução à fruticultura mudas Produção de Instalação de pomares Manejo de pomares Nutrição e adubação Morfologia e fisiologia Poda Raleio Fitorreguladores Principais pragas Principais doenças Colheita Produção . é necessário que cada vez mais pesquisas sejam realizadas no intuito de tentar desvendar.

Fruticultura Fundamentos e Práticas http://www.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/9.htm[15-01-2012 15:48:37] .cpact.embrapa.

o clima. Com o MIP. devem ser controladas com medidas seguras. procura-se racionalizar o uso de defensivos. tanto maior será o acerto na eliminação econômica da praga. o período mais apropriado para o controle. Muitas vezes.Fruticultura Fundamentos e Práticas Apresentação Introdução Jair Costa Nachtigal & José Carlos Fachinello Nos pomares. técnicas de amostragem. de uma reboleira de 20 plantas. no site Introdução à fruticultura mudas Produção de Instalação de pomares Manejo de pomares Nutrição e adubação Morfologia e fisiologia Poda Raleio Fitorreguladores Principais pragas Principais doenças Colheita Produção . chegando ao extremo de destruir totalmente a cultura. Assim. Uma praga pode comprometer não somente a safra corrente.gov. Também é necessário observar que nem todos os insetos e ácaros. de um hectare de pomar ou de 20. como também as safras futuras. Pragas que podem levar as plantas à morte. O MIP é melhor entendido quando se utiliza o conceito de produção integrada de frutas (PIF). a ocorrência da praga pode estar associado com desequilíbrios biológicos provocados por aplicações inadequadas de defensivos. cobertura verde do solo.br/ » Tamanho da fonte http://www. entre outros). Esta associação interfere de forma permanente e.htm[15-01-2012 15:48:42] . do manejo ambiental (quebra-ventos. adubação orgânica.agricultura. são apresentadas algumas informações básicas sobre as pragas mais comuns que ocorrem nas principais plantas frutíferas. os danos que elas causam. pois considera a existência da praga.PIF Bibliografia http://www. uma ou mais espécies passam a se constituir em praga. em particular nas espécies que possuem folhas permanentes. O manejo integrado de pragas (MIP) ajuda a entender melhor o manejo ecológico das pragas no pomar. o solo e a vegetação associada favorecem a existência de um número significativo de insetos e ácaros. a amostragem assume um papel importante para um levantamento correto da população.cpact. que ocorrem num pomar. do predador. como as moscas-das-frutas. com efeito seletivo negativo ao desejado pelo agricultor.000 plantas. É necessário saber reconhecer as pragas. produzem danos apreciáveis.embrapa. como cochonilhas e coleobrocas. uso de produtos químicos seletivos. A seguir. a intensidade e a freqüência com que as pragas ocorrem depende essencialmente do modo que o pomar está sendo conduzido. Em alguns casos. causando sérios danos no pomar. seja de uma planta. entre outros. Outras. Além disso. o agrotóxico é recomendado como último recurso ou quando a população de insetos atingir o nível de dano econômico. Em todos os conceitos pode-se notar que o principal objetivo é a obtenção de lucros à custa de mecanismos de controle natural. Pecuária e Abastecimento – MAPA. as técnicas mais adequadas e que causam menos riscos ao homem e ao ambiente. como é o caso das plantas frutíferas em geral. num dado momento. a natureza perene das plantas. onde o monitoramento é uma prática que deve ser registrada em caderno de campo.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/10. não só devido aos problemas de custo. os produtores devem seguir as Normas Técnicas Específicas de cada cultura e a relação de agrotóxicos registrados no Ministério da Agricultura. sem afetar as plantas. O custo de controle é calculado de acordo com a dimensão do problema. comprometem apenas a safra do ano. com ênfase aos organismos benéficos presentes na planta frutífera e no ecossistema. como pelo perigo que eles apresentam ao homem e ao desequilíbrio que eles podem causar a favor de determinadas pragas. Neste sistema. quanto mais precisa for essa operação.

br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/10.cpact.embrapa.htm[15-01-2012 15:48:42] .Fruticultura Fundamentos e Práticas http://www.

Um exemplo típico é a bactéria da ameixeira e o cancro cítrico em plantas cítricas. As práticas culturais recomendadas para cada cultura na produção integrada de frutas (PIF) nos sites http://www.agricultura. agindo isoladamente ou em conjunto.ufpel.cpact. h) Técnicas de cultivo no pomar. podem diminuir de forma significativa a incidência de doenças e melhorar a qualidade das frutas para o consumidor. entre outras. o manejo da colheita.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/11.gov.tche. curativos e erradicantes. dependendo da doença e de sua importância econômica para a cultura. se tornarem fatores limitantes da fruticultura.Fruticultura Fundamentos e Práticas Apresentação Introdução José Carlos Fachinello & Jair Costa Nachtigal Assim como acontece com as pragas.br/. c) Utilizar mudas sadias e adaptadas à região. e) Utilizar um sistema de amostragem eficiente para identificar a presença de inóculos no pomar. em determinados circunstâncias.htm[15-01-2012 15:48:46] . pode-se citar: a) Plantio das mudas em locais abrigados de ventos. pois os ventos provocam lesões nos tecidos e favorecem a disseminação de fungos e bactérias. Introdução à fruticultura mudas Produção de Instalação de pomares Manejo de pomares Nutrição e adubação Morfologia e fisiologia Poda Raleio Fitorreguladores Principais pragas Principais doenças Colheita Produção . as doenças fazem parte do complexo frutífera-ecossistema. g) O controle adequado de insetos pode ajudar no controle das doenças.embrapa.PIF Bibliografia » Tamanho da fonte http://www.br/pif/ e relação de agroquímicos registrados no MAPA http://www. f) Empregar tratamentos que possam ser preventivos. podem ajudar a diminuir o aparecimento de doenças. Entre as principais práticas utilizadas para evitar o aparecimento de doenças nos pomares. podem. d) Utilizar cultivares resistentes às doenças mais problemáticas para a região. b) Evitar o plantio das mudas em solos mal drenados ou onde já existiam pomares da mesma espécie. antes e depois da instalação do pomar.

br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/11.htm[15-01-2012 15:48:46] .Fruticultura Fundamentos e Práticas http://www.cpact.embrapa.

as frutas podem ser classificados em dois grupos: a) Frutas Climatéricas . principalmente. aumentam a taxa respiratória.PIF Bibliografia » Tamanho da fonte http://www. A determinação do grau de maturação adequado.htm[15-01-2012 15:48:51] . por ocasião da colheita da fruta. em conseqüência. nas pectinas. enquanto que as destinados à industrialização ou armazenamento podem ser colhidas com um grau de maturação menos avançado. A respiração consiste na decomposição oxidativa de substâncias de estrutura química mais complexa. nos compostos fenólicos.são aquelas que apresentam um período em que ocorre uma elevação na taxa respiratória. aumento na taxa respiratória. mudanças na permeabilidade dos tecidos. produção de substâncias voláteis. em estruturas mais simples. é de grande importância para que o produto atinja o mercado ou a indústria em perfeitas condições. O grau de maturação ideal é bastante variável com a espécie e. formação de ceras na epiderme. na textura. ácido ribonuclêico (RNA) e proteínas. O processo respiratório continua a ocorrer mesmo com a colheita da fruta e está intimamente ligado com a temperatura. tais como alterações na coloração. mudanças nos teores de carboidratos. também. Em geral. tanto antes como após a colheita.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/12.embrapa. As mudanças ocorridas durante a fase da maturação são desencadeadas. juntamente com aumento na taxa respiratória e com a decomposição de certas estruturas celulares. no sabor. De acordo com o modelo de respiração apresentado na figura 85. temperaturas mais elevadas. Esta produção de etileno. açúcares e ácidos orgânicos. Introdução à fruticultura mudas Produção de Instalação de pomares Manejo de pomares Nutrição e adubação Morfologia e fisiologia Poda Raleio Fitorreguladores Principais pragas Principais doenças Colheita Produção . com a cultivar.Fruticultura Fundamentos e Práticas Apresentação Introdução José Carlos Fachinello & Jair Costa Nachtigal A maturação é a fase do desenvolvimento da fruta em que ocorrem diversas mudanças físicas e químicas. nas proteínas. havendo produção de energia. devido à produção autocatalítica de etileno. pela produção de etileno e. assim frutas destinadas ao consumo “in natura” devem ser colhidas maduras ou ligeiramente firmes. reduzindo. como amido.cpact. a longevidade da fruta. como CO2 e água. entre outros. com isso. de ácidos orgânicos. marcam a transição entre a fase de maturação e senescência (Figura 92). Outro fator que determina o ponto de colheita é o destino que será dado à fruta.

Figura 93 . a cereja.Caracterização da respiração em frutas climatéricas As frutas climatéricas podem ser colhidas mesmo que ainda não estejam maduros. melão e tomate. a nêspera e a carambola.são aquelas que não apresentam elevação na taxa respiratória próximo ao final do período de maturação. o morango.embrapa. manga. as frutas não devem ser colhidas muito jovens. goiaba. a romã. Dentre as principais frutas não climatéricas destacam-se os citros em geral. a taxa respiratória apresenta um declínio constante até atingir a fase de senescência (Figura 93). devido a perdas nas qualidades organolépticas. mamão. a uva. o abacaxi. ameixa.Caracterização da respiração em frutas não climatéricas As frutas não climatéricas devem permanecer na planta até atingirem a fase de maturação. pêssego.cpact. visto que não ocorrem modificações nos parâmetros físicos e químicos após a colheita. caqui. pois a maturação é atingida após a colheita. pêra. No entanto.htm[15-01-2012 15:48:51] . http://www. banana. b) Frutas Não Climatéricas . cherimólia. maracujá. damasco. figo.Fruticultura Fundamentos e Práticas Figura 92 . As principais frutas climatéricas são maçã.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/12. abacate. ou seja.

passou a exigir controle e registro sobre todo o sistema de produção. protocolos para produção integrada de frutas.PIF Bibliografia » Tamanho da fonte http://www.embrapa. valores nutricionais e aspectos ambientais) do produto para aquisição da confiança do consumidor. incluindo análise de resíduos de agrotóxicos e estudos sobre impacto ambiental da atividade. ou seja. assegurando transparência do processo produtivo ao consumidor. a Europa criou. Introdução à fruticultura mudas Produção de Instalação de pomares Manejo de pomares Nutrição e adubação Morfologia e fisiologia Poda Raleio Fitorreguladores Principais pragas Principais doenças Colheita Produção . na década de 80. além da qualidade externa das frutas.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/13. De uma forma geral.Fruticultura Fundamentos e Práticas Apresentação Introdução José Carlos Fachinello O mercado mundial.cpact. levando-se em conta seus gostos e preferências Para atender a todas estas demandas. Os aspectos relativos à segurança alimentar e o excesso de oferta de produtos no mercado mostram que a única alternativa é a busca pela distinção qualitativa (estética. a produção integrada de alimentos é praticada em mais de 90% do território europeu e a produção orgânica em 5%. é necessário que se tenha rastreabilidade de toda a cadeia produtiva.htm[15-01-2012 15:48:56] .

br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/13.htm[15-01-2012 15:48:56] .cpact.Fruticultura Fundamentos e Práticas http://www.embrapa.

J. 1993.A. KOSOSKI. Núcleo de Engenheiros Agrônomos do Alto Vale do Rio do Peixe. p. O Biológico. In: SEMINÁRIO BRASILEIRO DE PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS. O cancro cítrico. 114 p. 39 p. 1988. Florianópolis: EMPASC. 1. 1916) (Lepidoptera. Bento Gonçalves. v. 15-39.R.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14. 2001. DF: Ministério da Agricultura.P..embrapa. torticidae). 2000.PIF Bibliografia » Tamanho da fonte http://www. p.. M. formação e cuidados. A. Porto Alegre: Rígel. p.J. M. Fisiologia pós-colheita de frutos. 1957. J.R. BENETI. Frigoconservação contínua e intermitente de pêssegos (Prunus persica (L. 23. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho. 1994. AWAD. J. 2001. 2004. R. A. Universidade Federal de Pelotas. 99 f. Desenvolvimento de bases para o controle integrado da mariposa oriental.safra 1999/2000. 136-141. Pelotas. M. BENDER. Grapholita Molesta (Busck.S. M. Marco legal da produção integrada de frutas do Brasil. KOSOSKI. ANDRIGUETO. 78 f. pragas.R. Avaliação do sistema de produção integrada de pêssego de mesa na serra do RS . In: TREINAMENTO TÉCNICO EM PRODUÇÃO INTEGRADA DE PÊSSEGO. A sarna da macieira.) Batsch). In: MANICA. et al.. cultivares Convênio e REFERÊNCIAS Introdução à fruticultura mudas Produção de Instalação de pomares Manejo de pomares Nutrição e adubação Morfologia e fisiologia Poda Raleio Fitorreguladores Principais pragas Principais doenças Colheita Produção . 2002. Dissertação (Mestrado em Fitossanidade) – Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. Boletim Técnico. 64-67. 1989. 1993. nos sistemas de produção integrada e convencional da cultura do pessegueiro. Pelotas. BRACKMANN. Brasília. Florianópolis: ACARESC. A. ed. Y. Desenvolvimento e conquistas da produção integrada de frutas no Brasil. 41 p. I. Guia para controle de doenças.. 60 p. Universidade Federal de Pelotas. Efeito das épocas de aplicações e de concentrações de thidiazuron na superação da dormência de gemas da macieira. p. plantas invasoras e deficiências nutricionais da macieira. São Paulo: Nobel.R. ANDRIGUETO. AFONSO..Fruticultura Fundamentos e Práticas Apresentação AEASC. Pecuária e Abastecimento/Secretaria de Apoio Rural e Cooperativismo. 2. Pelotas.I. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas. 44) BITANCOURT. 2. Ponto de colheita. 2000. Anais . A. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. et al. (EMPASC. ARAÚJO. São Paulo. 2004.cpact. Fruticultura em pomar doméstico: planejamento... KATSURAYAMA. A. BOTTON. 101-111. Anais .htm[15-01-2012 15:49:01] . 1994.

p. MONTEIRO.embrapa. N. MONDARDO. 2006. 2. 4. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA. 258 p.R.A.C.Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. p. Universidade Federal de Pelotas. Revista Brasileira de Fruticultura.L.R.R.E. p. Recife: SBF. MOTTA.P. Pelotas. Dissertação (Mestrado em Agronomia) . KLUGE... A.. 1969. CAMILO.S. Não paginado. v. p. In: FARIA. L. SILVA. G. A. Jaboticabal. 13. B. Efeito do ethephon. 1975.. n.N. ESALQ. Tomo I.L. MAY-DE MIO. CALBO. C. ed. 391-396. 1993. 2 Ed. Cruz das Almas. Manual de fisiologia vegetal. CHILDERS.R..cpact.A. FORTES. 1984.F. A.. B.. R. Raleio de frutos de macieira.. P.B. PERES.F.P. http://www. cultivar ‘Gala’. Piracicaba: Ceres... P. Montevidéu: Editorial Hemisfério Sur.C. O. F. VIÉGAS. São Paulo. 912 p. 1981. N. Recife. CASTRO.. Elaboração de escala diagramática para furo de bala e avaliação de doenças foliares em dois sistemas de produção de pessegueiro. Tratos culturais. 1984. In: RODRIGUEZ.Fruticultura Fundamentos e Práticas Capdeboscq. de L. CHILDERS.M. 2005. CAMILO.P. Brasília/DF: Editora da Universidade de Brasília. 1995. A. JUSTINIANO. M.G. n. São Paulo: HERBA.P. 650 p. 458 p. et al. L. CUQUEL. Aplicação de reguladores vegetais em fruticultura.R... L. p. 145-152... v. Etileno. 1993. PEREIRA. 431-444. 1991. CASTRO. n. 793. Manual de adubação foliar. 43 p. Cruz das Almas. 1981. CALDAS. CALBO. 95 f. A. CAMILO. Campinas. cv. em atmosfera convencional e modificada. P. M. (USP. CAMARGO. J. 830-844. ed. A. Boletim Técnico. Golden Delicious.E. O. A. F. 2. ANA e Carbaryl aplicados em diferentes épocas no raleio de frutos de macieira (Malus domestica. LEITE. CAETANO. n. v. Guia de estudos para fisiologia vegetal.M.V. Modern Fruit Science. 6..br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14.A. 1983. FACHINELLO. 1980. p. Anais. CERQUEIRA. A. SERRAT. 1982. CHALLIOL.C. CAMILO.htm[15-01-2012 15:49:01] . Piracicaba: USP.. Raleio de frutos da cultivar Golden Delicious. Espaço para qualidade. New Jersey: Horticultural Publications. v. 296 p. L. Borkh). Lisboa: Livraria Popular Francisco Franco. 14. Fruticultura moderna. 28. 13. P. 1992. 2). J. Sinal Verde. G. Revista Brasileira de Fruticultura. 2. Revista Brasileira de Fruticultura. Fruticultura. Citricultura Brasileira. 3.P. M.J..C. ESALQ.. 1. 53-58.

Agronomia Sulriograndense. MAREI. v.. Jaboticabal. Universidade Federal de Pelotas.. p. 2005. CRANE. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA. 1971. 3. Quality of peach fruits produced under integrated fruit production management. Análise da produção integrada de frutas (PIF) de clima temperado na Europa. ed. 51 f. 300 p. J. 1960..Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. 279 p. v. Fruit and vegetable responses of the Mission fig to gibberelin. v. Jaboticabal: Funep. 2. 2.L. 95. 1994. F. 2000. Growth and maturation of fig fruits stimulated by 2-chloroethilphosphonic acid. p. Revista Brasileira de Fruticultura. Jaboticabal. 1994. CHITARRA. 76. Geneva.Fruticultura Fundamentos e Práticas CHITARRA.. CRUZ. M. Passo Fundo: SBCS-Núcleo Regional Sul. Adubação de plantas frutíferas: Princípios e critérios para recomendações.embrapa. 24-28. CUQUEL. Efeito da cianamida hidrogenada no raleio químico de gemas florais de pessegueiro (Prunus persica (L. DORNELLES.htm[15-01-2012 15:49:01] . Pelotas. Bento Gonçalves. 1998. Santiago.. Proceedings American Society Horticultural Science. 224 p. teor foliar e qualidade de frutos do pessegueiro Chimarrita em função da adubação nitrogenada. L.M. E. M. Lavras. L. C. 5. 3. Pelotas: SBF. 27. Dicionário das frutas. 367-370. J. J. p. GROSSI. n. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho.M. n. v. 2007. N..) Batsch) cv. 295-299.. DICKLER. COUTINHO. Pós-colheita de frutos e hortaliças: fisiologia e manuseio. 1990. 2000. 1994. MG: ESAL/FAEPE.C. Geneva. Journal American Society horticultural Science. p. 91-98. Acta Horticulturae. 713. DONADIO. Manejo do solo em pomares de laranjeiras no Rio Grande do Sul.3. 1. v. N. 2006. Frutas exóticas. 7. Dissertação (Mestrado em Fruticultura de Clima Temperado) .C. Produção. 1979. p..F. DONADIO.C. 1970. E. et al. SACRAMENTO. F.B. NELSON. Porto Alegre. p. Pelotas. Anais. C. 139-45. COMISSÃO DE FERTILIDADE DO SOLO/RS/SC.C. M. p. 357-360.K. Recomendações de adubação e calagem para os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A. http://www. n.. CRANE. NACHTIGAL. In: SEMINÁRIO SOBRE PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS DE CLIMA TEMPERADO NO BRASIL.I. na região da Lapa-PR. 1979. Diamante. DOLINSKI.D. 1010-1014. v. 320 p.M.cpact....C.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14. A. et al. Anais.

562 p. 2002. et al. v. 138-142. FACHINELLO. Manual da cultura da macieira. FACHINELLO.. 1. J. 1. Fraiburgo: EPAGRI. Efeito do ácido indolbutírico no enraizamento de estacas lenhosas de pessegueiro cultivar Diamante. v.. Normas técnicas e documentos de http://www. 1984. Guia de rastreabilidade para a cadeia de frutas. 2003. Cruz das Almas. J. n. v.Safra 1999/2000.C. et al.. Florianópolis-SC: EPAGRI. FACHINELLO. Efeito do ácido indolbutírico na percentagem de estacas semilenhosas enraizadas de pessegueiro (Prunus persica (L. p.Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. 1. Avanços com a produção integrada de pêssego. In: ENCONTRO NACIONAL DE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO. EMPRESA CATARINENSE DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. 2002. em condição de nebulização.C.C. 9-14. Madrid: Ediciones Mundi-Prensa. 93 f. 78-84... p.C. Piracicaba.C. Anais.htm[15-01-2012 15:49:01] . 2000. 55 f. 1. 22. J. 2001. 1999. 59-65.. 2. FACHINELLO.. Avaliação agronômica de um pomar de pessegueiro conduzido no sistema de produção integrada. v. FACHINELLO. 4.. v.F. Revista Brasileira de Fruticultura.embrapa. Informe Agropecuário. 3. Pelotas. J. Bento Gonçalves. Fraiburgo. A cultura do pessegueiro. E. J. p. R. In: SEMINÁRIO BRASILEIRO DE PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS. Jaboticabal. 2000. KERSTEN. Circular Técnica. J. 205 p. In: ENCONTRO NACIONAL DE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO. Anais. 61-66. 1986.. 1999.C. FACHINELLO. J. Pelotas. Diamante. et al. 1. v. FACHINELLO. J.C.cpact. Belo Horizonte.C. Anais. 1981. J. Tese (Doutorado em Agronomia) – Escola Superior de Agronomia Luiz de Queiroz. FACHINELLO. Planificación y diseño de plantaciones frutales. Pelotas: Sem Rival. 1986. p. et al. Avanços nos sistemas de densidade de plantio de frutas de caroço. FACHINELLO. (CNPFT.) Bastsh) cv. p. 10). Universidade de São Paulo. 2. Fraiburgo. Florianópolis: EMPASC. Dissertação (Mestrado em Agronomia) .Fruticultura Fundamentos e Práticas EMBRAPA/CNPFT. FACHINELLO. 1988. Efeitos morfo-fisiológicos do anelamento no enraizamento de estacas lenhosas de macieira cultivar MallingMerton 106. 49-50.C. J. p.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14. 156p. 20 p. Avaliação do sistema de produção integrada de pêssegos de conserva na região de Pelotas .C. 2001. 23. ESCOBAR. Universidade Federal de Pelotas. 1986. n. Revista Brasileira de Fruticultura. Avanços no manejo do solo e de plantas em pomares de pessegueiro.. Bento Gonçalves-RS: Embrapa Uva e Vinho. 1984. 1980.

6. 78-84. v.. v. J. Rio de Janeiro.M. Produção integrada de pêssegos no Rio Grande do Sul: Situação atual e perspectivas. L.. 2003.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14.Fruticultura Fundamentos e Práticas acompanhamento da produção integrada de pêssego. 1. et al. Produção integrada de frutas de caroço.C. Produção integrada de pêssego (PIP). 64-67. Fruteiras de caroço: uma visão ecológica. J. Florianópolis: EPAGRI. MOTTA. 93 p. Produção Integrada de pêssego de conserva: Resultados da safra 1999.cpact.. p.. In: PROTAS. 2004. Produção integrada de frutas: um breve histórico. Florianópolis: Epagri. 2134. Belo Horizonte.L. n. Caçador: EPAGRI. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho.C. Jaboticabal. p. In: ENCONTRO NACIONAL DE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO.. 3. Anais.C.. 1.C. J. 2004. Produção integrada de pêssegos. Produção integrada de pêssegos: três anos de experiência na região de Pelotas. 3.C. et al. FACHINELLO. v. J. FACHINELLO. J. 256-258. In: ENCONTRO NACIONAL DE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO.C. Produção integrada de frutas: o caso da maçã no Brasil.. n.C. J. Pêssego com garantia de origem. São Paulo: Fundação Cargill. 2000. J. 27.. Pelotas: Signus.. 15-18. p. 2003. p. n. Revista Brasileira de Fruticultura..C. Rastreabilidade para frutas frescas e para conservas. 3-10. Jaboticabal. n. Fraiburgo. 2. J.C. et al.. p. 4. 1. v. p. et al. L. v.. FACHINELLO. et al. p. FACHINELLO. 2001. Anais. MIO. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho. v. 69-92. J.. SERRAT.V.C. Produtividade e qualidade de pêssegos obtidos nos sistemas de produção integrada e convencional. 2003. Produção integrada de frutas na Europa. 2003. FACHINELLO.C.L. 9. A. Anais.B. 25.embrapa. J..V. J. v. 38-40. CUQUEL. 22. In: SEMINÁRIO BRASILEIRO DE PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS. F.C. 1. J. 6... 2000. FACHINELLO. 24.. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE CITRUS-PRODUÇÃO INTEGRADA. B. Fraiburgo. p.. 2003. FACHINELLO. Produção orgânica de frutas: limitações e oportunidades. 2001. SANHUEZA. Bento Gonçalves.S. FACHINELLO. Anais.. Curitiba: UFPR.F. 2001. v.. FACHINELLO. 2. Revista Brasileira de Fruticultura. http://www. 42-47. 65-72. Bebedouro. v. FACHINELLO.C. FACHINELLO. RS.. J. 363-390. 2001. Anais. 2000. Bento Gonçalves. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho. In: SEMINÁRIO DA PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS. In: MONTEIRO. et al. p. Fraiburgo. Agroanalysis. de. 2000. FACHINELLO.htm[15-01-2012 15:49:01] . Anais. 2000. p. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO. 2005. 2001. p. 1.. 1.. Informe Agropecuário.M.M. R. 2000.

In: SEMINÁRIO BRASILEIRO DE PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS.S.. n. R. MIELKE.505-516. C. HOFFMANN. 2002. Revista Brasileira de Fruticultura. FACHINELLO. GUERRA..C. LOT. p. p. J. 6.. 28-35.cpact. 2003... DF.A. NACHTIGAL. E. Effects of hidrogen cianamide on fruit thinnig. In: ENCONTRO NACIONAL DE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO. 1992. KERSTEN.. 2005. 14.S. NACHTIGAL.htm[15-01-2012 15:49:01] .C. Propagação de plantas frutíferas. 253255. 27. 53-56. D. Florianópolis: Epagri.embrapa. ROSSI. V. Effects of hydrogen cyanamide on apple and plum fruit thinning. LOT. et al.. n.. 1982.122. J.L. Agrianual. Efeito do ácido indolbutírico no enraizamento de estacas lenhosas de pessegueiro cultivar Diamante. Bento Gonçalves. 1. MARODIN. V. 1992.. p. 2002. ZANINI. Cruz das Almas. G. da S.. v. 247-252. Pesquisa Agropecuária Brasileira. 1999. E. J.R. J. Brasília. p. M.. M.C. FARIAS.S. 1. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho.. 202. 10-23. NUNES. Produção convencional x integrada em pessegueiro cv. Revista Brasileira de Fruticultura. São Paulo. E.Fruticultura Fundamentos e Práticas 1.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14. FACHINELLO.C.. FARIAS. Alexandria. Uva: aspecto impecável e sabor acentuado podem conquistar mercado. http://www. p. 8. Propagação vegetativa da goiabeira serrana. FACHINELLO. et al. Vitória..J. DF: Embrapa Informação Tecnológica. L..C. Anais. 2007. Alexandria. Porto Alegre. 2006. v.9..C. p..1. v. J.B.C. J. Goiaba: boas perspectivas para fruta de mesa.340-344. MACHADO. v. 2006. 221 p.C. Fraiburgo. In: SEMINÁRIO SOBRE PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS DE CLIMA TEMPERADO NO BRASIL. Novas alternativas de porta-enxertos para o pessegueiro. A. de. MARTINS. p. Jaboticabal. Anais. FACHINELLO. v. 2007. FALLAHI. 3. p. Proposta de projeto para produção integrada de frutas de caroço... p. 87 f. Marli na depressão central do Rio Grande do Sul. de M. L. Agrianual. 1990. 2005. J. Produção integrada de pêssego. 8. 1. J. C. TIBOLA. Brasília. 25. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. p. 163-164.A. 1. FACHINELLO. R. Vitória: Incaper. n. Anais. São Paulo. FALLAHI. n. HortSience.. FERRAZ. FACHINELLO. A.55.. A. 1999. p. Estudo comparativo dos sistemas de produção convencional x integrado em pessegueiro cv. 233-236. C. HortScience. 17. Marli na Depressão Central do Rio Grande do Sul. J.. v. n. 2005. 2. FERRAZ. v..J. v..

Influência do manejo do solo e da intensidade de raleio de frutas. Qualidade da fruta e do solo em pomares de pessegueiro manejados com aveia preta. Plant response to wind. 1987. GOMES. London: Academic Press. Universidade Federal de Pelotas. GOMES. 325 p. Cerrito e Chimarrita.B. M. (EMBRAPA-CPACT.Viçosa: Sociedade Brasileira de Fisiologia Vegetal/Universidade Federal de Viçosa. The peach enterprise in western New York. GARNER. 60-63. http://www. F. v. 1978. 2003. 2005.. São Paulo: Ceres. 1991. Fisiologia vegetal. GIOVANNINI.G. Viçosa. 1991. et al. 1979. FORTES. 39-48. Documentos. 392 p. 2003. Thidiazuron: uma citocinina potente para superar a dormência de gemas de macieira (Malus domestica. J.de H. GIOLO. 2003.C..htm[15-01-2012 15:49:01] . M.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14. p.embrapa. Manual del injertador. 728 p. 61. 1975. Revista Brasileira de Fruticultura. D. ARAÚJO.2. Doenças do pessegueiro e ameixeira: etiologia e controle. 7-8. Pelotas: EMBRAPA/CPACT. F.Fruticultura Fundamentos e Práticas FERREIRA. v. Tese (Doutorado em Agronomia) . 14 p. J. 1. 204 p. M.J. II . Jaboticabal.. p. 2005. n. 2. n. Gestione integrata e convencionale del pescheto: Influenza sulle caratteristiche vegetoproduttive degli alberi e sulla fertilità del terreno. 710 p.. de L. M. New York: Cornell Bull. Viticoltura generale. GALLO. Anais..R. Jaboticabal. 27. 1879 (Hymenoptera: Trichogrammatidae).. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FISIOLOGIA VEGETAL.F. 1939. Roma: REDA. 3. Compendi didattici e scientifici. 1977. Madrid: Mundi-Prensa.Concentração do produto. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 27.P. 1993. no crescimento e qualidade de pêssegos. MERLI.Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. GRACE. Pelotas. Novo dicionário da língua portuguesa. R. A. p. et al. cvs. 222-225. F. 1985. Seletividade de Agrotóxicos indicados na produção integrada de pêssego a Trichogramma pretiosum riley. de. n.C. p.cpact. 02) FREGONI.M. Borkh). 84 f. GRAAF. Rivista di Frutticoltura. Manual de entomologia agrícola. B. 1517 p. FERRI. FORTES. Bologna. São Paulo: EPU. v. F. 531 p. G. Revista Brasileira de Fruticultura. et al. MARANGONI. D.R.R..

Dissertação (Mestrado em Agronomia) . Solo: manejo e adubação. A. Revista Brasileira de Fruticultura. E. Século XX.br>. Tese (Doutorado em Agronomia) – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. cv. JANICK. 80 f. 1995. KERSTEN.Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2. 315 p.Fruticultura Fundamentos e Práticas GUERRA. Dissertação (Mestrado em Agronomia) . Piracicaba. Dissertação (Mestrado em Fruticultura de Clima Temperado) . Universidade Federal de Pelotas.T. HAERTER.A. D. 1994. JORGE. 1994. 82 f.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14. 533 p. Porto Alegre. Universidade de São Paulo.embrapa. Propagação de mirtilo (Vaccinium ashei Read) através de estacas. HOFFMANN. São Paulo. 2007.E. São Paulo. Pelotas. Pelotas. Efeito da época de colheita e sistemas de embalagem na frigoconservação de pêras asiáticas (Pyrus serotina. Rio de Janeiro: USAID.O.cpact. ed. Agricultura. INSTITUTO FNP. A ciência da horticultura. 302-307. Normas analíticas: métodos químicos e físicos para análises de alimentos. Acesso em: 30 out. 1995. HOFFMANN.sidra. 1990. Propagación de plantas: principios y practicas. 109 f.A. 502 p. zinco e do ácido indolbutírico no enraizamento de estacas de dois cultivares de ameixa (Prunus salicina. 485 p. v. HARTMANN.S. Disponível em: <http://www. http://www. 2007. Dissertação (Mestrado em Fruticultura de Clima Temperado) . São Paulo: Nobel. KESTER. 2004. 1990.) Batsch). D. 1. México: Continental. 85 f. 1985.. Universidade Federal de Pelotas. 100 f. JORGE. 1995. p.). J. 1983.Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. 2004. Diamante e Jade.htm[15-01-2012 15:49:01] . 1990. Agrianual 2008: anuário da agricultura brasileira. Influência do substrato sobre o enraizamento de estacas semilenhosas de figueira e araçazeiro. Pelotas. 1995. Influência do ponto de colheita e da refrigeração no amadurecimento de pêssegos (Prunus persica (L. 16. Efeito do boro. J. n. 1966.Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. H. INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Rehder. 3. Lindl. cvs. 760 p.Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. Universidade Federal de Pelotas. IBGE. J. ed.gov. R. 1994. Cruz das Almas. et al. A.). Análise comparativa entre produção integrada e produção convencional de pessegueiro: três anos de experiência na Depressão Central do RS.ibge.

Universidade Federal de Pelotas. 157 p. MALAVOLTA. 1994. Lindl. 209 p. 2.M. E. 1981. I. LINCH.A. 1994. I. Roxo de valinhos. J. São Paulo: Manole. G. KLUGE.). cv. E.16. S. et al. E. 1987.A. I. G. O. Revista Brasileira de Fruticultura. n. MANICA.. et al.C. Campinas: Rural. Florianópolis: EMPASC. Influência de óleos vegetais no apressamento da maturação de figos (Ficus carica L. (Comunicado Técnico. 1. R.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14. Piracicaba: Ceres. p. Piracicaba: Associação Brasileira da Potassa e do Fosfato. LAVEE. Preparo do solo e seu manejo em pomar de macieira. 16. 1994. LOSSO. J.. M. 1972 MANICA. Ceres. Fisiologia e manejo pós-colheita de frutas de clima temperado. 214 p.C. MANICA.. Viçosa. Dormancy and bud break in warm climates: considerations of growth-regulator involvement. 81) LUCCHESE.A.embrapa. O. 1973.. et al. Hague. ed. Rio de Janeiro: Globo. 3. de. Lindl.A. Cruz das Almas.R. 119-123. 1994. http://www. n. 102. Manual de química agrícola: adubos e adubação. p.B. 288-294. MALAVOLTA. Estádios de maturação e embalagem de polietileno na qualidade de três cultivares de ameixas (Prunus salicina. 225-234.). et al. 2002. 594 p.) frigoconservadas.A. S. MOLINOS. v. Raleio manual e químico em pessegueiro ‘BR-1’ com etefon. TAVARES.htm[15-01-2012 15:49:01] . Revista Brasileira de Fruticultura. ed.C. 1989. MARODIN. formação e cuidados. 34. Pelotas. Porto Alegre: Rígel. v. Avaliação do estado nutricional das plantas: princípios e aplicações. 19. 143 p. Citricultura: laranja. Influência do ácido indolbutírico no enraizamento de estacas de ameixeira (Prunus salicina. limão e tangerina. 201 p. MALAVOLTA.Fruticultura Fundamentos e Práticas KERSTEN.. VITTI. 1986. n. p. 215-222. 13 p. Dissertação (Mestrado em Fruticultura de Clima Temperado) . KLUGE. São Paulo: Ceres. Fruticultura em pomar doméstico: planejamento.cpact. 1994. R. S.1. E.W. 1984. Porto Alegre: Rígel. KOLLER. v. Cruz das Almas. Elementos de nutrição mineral de plantas. 251 p. OLIVEIRA. 446 p. 1980. v. Biotecnologia do solo: fatores microbiológicos na produtividade agrícola. Acta Horticulturae. NACHTIGAL. P.Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. O pomar doméstico. 107 f. 1993. p.

K. MARODIN.B.htm[15-01-2012 15:49:01] ... 1. Classificação e Manejo de agroquímicos em fruteiras de caroço. CRANE. J. 127-133. Porto Alegre. UENO. Revista Brasileira de Fruticultura.Fruticultura Fundamentos e Práticas MARODIN.cpact.) A cultura do pessegueiro. 1987. n. G. 143 p. MIO. (Circular Técnica. L. In: MONTEIRO.. Revista Brasileira de Fruticultura.L. (Ed. Curitiba: UFPR.B. de et al. 14. Curitiba: UFPR. et al. L. 2004. 2001. A. Fruteiras de caroço: uma visão ecológica. formação e cuidados.M. Efeito da poda de ramos e do raleio manual de frutos sobre a produção de tangerineiras ‘Montenegrina’. Porto Alegre: UFRGS-DHS. L. L.B. Revista Brasileira de Fruticultura. Geneva. I. Curitiba: UFPR. PR.L. et al. 2. Universidade Federal de Pelotas. MOREIRA. de. B. Cruz das Almas. Porto Alegre: Rígel.A.) Fruticultura em pomar doméstico: planejamento. n. NECTARINAS E AMEIXAS. p. Pelotas: EMBRAPA/CNPFT. I. Effect of ethylene on growth and maturation of the fig. et al. do C. DF: EMBRAPA-SPI. 1998. v. SARTORI. MONTEIRO. p. MEDEIROS.A.L. MAXIE.B.M. L. GARRIDO..R. 70 f.embrapa.A. MARTINS. MEDEIROS. E. 72-74. L. Fruteiras de caroço: uma visão ecológica.R. Cruz das Almas. B. 20 p. A situação das frutas de caroço no Brasil e no mundo. G.. LUCCHESE. In: MONTEIRO. Doenças de fruteiras de caroço. p. 2001. Anais. B. Jaboticabal. n. 16. A.255-67. 2004. A. v. p. et al. Pelotas. Dissertação (Mestrado em Fruticultura de Clima Temperado) – Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. B.A. RASEIRA. 7-16. Monitoramento de http://www. 13) MIO.M. p. p. A cultura da figueira. 59-63.R. 2000... (Ed. Qualidade pós-colheita de pêssegos em pomar cultivado com aveia. 263-298. In: MANICA. Brasília. p. de. 2004. 1994. C. G. 1. Avaliação de atrativos alimentares utilizados no monitoramento de mosca-das-frutas em pessegueiro na Lapa.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14. MARODIN. L.C. v. MIOZZO. MONTEIRO.C. P.M. 1992. 92.B.M. et al. 169-222.B. Raleio químico de gemas floríferas em pessegueiros ‘Marli’ e ‘Diamante’ com cianamida hidrogenada e óleo mineral.B. L. Ficus carica L. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE FRUTAS DE CAROÇO: PÊSSEGOS. M. 29. Raleio de frutos. MIO. 2007 MONTEIRO. 390 p. MOLINOS. v. Fruteiras de caroço: uma visão ecológica. Pelotas: EMBRAPA-CPACT.. 1993. 2000. L. Proceedings American Society Horticultural Science. 350 p. L. 1968. O.

Cruz das Almas. v. 227-228.C. http://www. 2003.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14. Universidade Estadual Paulista. Síntese estatística. Efeito de fungos antagonistas e produtos químicos no controle da podridão parda em pomares de pessegueiro.S. n. Dissertação (Mestrado em Fruticultura de Clima Temperado) .. 1994. MOREIRA.C. 135-168. 2005. 66 f. SBF. Jaboticabal. In: MONTEIRO. 2000. p.Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. 2004. CAMARGO. Fruteiras de caroço: uma visão ecológica. J. In: RODRIGUEZ.C. Sistemas de Produção. Estudo da distribuição do sistema radicular da laranjeira “Pêra” Citrus sinensis. Anais.htm[15-01-2012 15:49:01] . p. F. 90 p. p. 2.A.C. L.F. Osbeck com diferentes manejos do solo.Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Propagação de araçazeiro (Psidium cattleyanum Sabine) através de estacas semilenhosas. Tese (Doutorado em Produção Vegetal) – Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias. J. CONCEIÇÃO. 2006. U. Sistemas de produção de uvas de mesa sem sementes: BRS Clara. 1993. 165 f. 2005. Obtenção de porta-enxertos 'Okinawa' e de mudas de pessegueiro (Prunus persica (L.Fruticultura Fundamentos e Práticas pragas e avaliação de doenças em fruteiras de caroço. NACHTIGAL. NACHTIGAL.. L. n. NACHTIGAL. Revista Brasileira de Fruticultura. 2001. v. 25. Ilha Solteira: FEIS-UNESP. 32-33. Alternativas para controle integrado da podridão parda do pessegueiro. MONTEIRO.C. Propagação e instalação da cultura da videira. 95-103.L. 2. Jaboticabal. Revista Brasileira de Fruticultura. 2. n. et al. Flutuação populacional e controle da mariposa oriental (Grapholita molesta Busck) em produção convencional e integrada de pessegueiro. Piracicaba. OLIVEIRA.L. 2004. Insetos nocivos aos citros. 113 f. J. v. Universidade Estadual Paulista. p.. Campinas: Fundação Cargill. O. 96 f. 36. 1991. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho. 15. BRS Linda e BRS Morena. L.M.cpact..Universidade Federal do Paraná. MOREIRA. MAY-DE MIO. Universidade Federal de Pelotas. 1999. p. J. MA. et al. C. 1) NAKANO. MOREIRA. Agroanalysis. Curitiba. M. Floresta.J..) Batsch utilizando métodos de propagação vegetativa.embrapa. O. 941 p. 5. 1995. L. 2. 1983. 15. et al. Curitiba: UFPR.M. v. Citricultura brasileira. 1999. de et al. Utilização da escova plástica no desbaste de bagas de uva ‘Itália’ no vale do São Francisco. Tese (Livre docência em agronomia) . Rio de Janeiro. ed. p.S. 291-297. J. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE UVAS DE MESA. 81-106.B. 1994. NUNES. Curitiba. Ilha Solteira. 1. Pelotas. 1983. n.. NACHTIGAL. Tese (Doutorado em Agronomia) . (Embrapa Uva e Vinho.Z.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 91 f. de. Jaboticabal. POTRONIERI. 1992. 2007.. S. Fuji. n. Efeito do tipo e concentração de óleo mineral em combinação com DNOC na quebra de dormência da cultivar de macieira ‘Golden delicious’ Malus domestica Borkh. Tese (Livre Docência em Agronomia) . C.htm[15-01-2012 15:49:01] . Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. 1992.M. Paraná. Brasília. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA. M. N. v. PEREIRA. 130-160.B. produção e qualidade dos frutos da macieira (Malus domestica Borkh) cv. Efeito da poda de ramos e do raleio manual de frutos sobre a produção de tangerineiras ‘Montenegrina’. Cruz das Almas. F. Revista Brasileira de Fruticultura.A.embrapa. et al. Universidade Federal de Pelotas. et al. Campinas: Fundação Cargill. J. 1916) (Lepidoptera: Tortricidae) em pomares de pessegueiro no município de Araucária. em cachos de uva ‘Rubi’.F. 2. In: MEDEIROS.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14.V. PEREIRA..Universidade Federal do Paraná. Faculdade de Agronomia. A. RASEIRA.Fruticultura Fundamentos e Práticas PENTEADO. J.. 73 p. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal) .J. 1977. 114 f. (EMBRAPA.B.C.) Batsch).B. RASEIRA. Cruz das Almas. Observações sobre a época de diferenciação floral e meiose em seis cultivares de pessegueiro (Prunus persica (L. PEREIRA.R. Curitiba. Anais.M. PASQUAL. 1983. F. 1983. 1986. 4.L. 205-211. Pelotas. p. 1979. Bioecologia de Grapholita molesta (busck. 70 f. A. São Paulo: Ceres. M. n. A. 40 f.. Cultura da figueira. 59-63. v. 1979.Faculdade de Ciências Agrária e Veterinária. G. Porto Alegre. 1992.. 3. F. Salvador. Universidade Estadual Paulista. Fruticultura de clima temperado em São Paulo. FORTES. Dissertação (Mestrado em Agronomia). p. PEREIRA.M. 1998.. Pelotas: EMBRAPA. PEREIRA. 18 p. p. Boletim de Pesquisa. Efeitos dos reguladores de crescimento etefon e giberelina. sobre a maturação de frutos da figueira (Ficus carica L. Salvador: SBF. 1983. p.C. Efeitos de concentrações e épocas de aplicação do ácido naftalenoacético na frutificação efetiva. RASEIRA.cpact.R.) Batsch). época de raleio e previsão do tamanho final do fruto em três cultivares de pessegueiro (Prunus persica (L. 1983. DF: Embrapa-SPI. 14.) variedade “Roxo de Valinhos”. Curvas de crescimento. Revista Brasileira de Fruticultura. PETRI. 173 p. 1981. 1977. Efeitos de técnicas de desbaste de bagas utilizando escova plástica. 211-217. 22) http://www. M. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Instalação e manejo do pomar. Pelotas: Embrapa-CPACT. A cultura do pessegueiro. 2007. 14. PENZENHAGEN.

Rivista di Frutticoltura. v. O. L. O. RUFATO. Santa Maria. 1991. Batsch) em produção integrada e orgânica. SCHWARTZ. Doenças do citros. Bologna. Revista Brasileira de Fruticultura. p. 12-24. 373-370. F. Diversidade de afídeos e inimigos naturais em pomares de pessegueiros com diferentes sistemas de produção. Curitiba. v. 146).br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14. 1957. 231-236.F. Campinas. In: RODRIGUEZ. et al. n. Indicadores da qualidade biológica do solo e coberturas vegetais para a cultura do pessegueiro (Prunus persica L.F. Instruções para a cultura da figueira. 527-534. 93 f. 2006. Paraná 2007. (IAC. Campinas: Fundação Cargill. O. 713. Citricultura brasileira. v. 13. 669-941. ed.C. Cruz das Almas. 713. Leuven. O Agronômico. S. ROSSETI. 82 f. 2004. Avaliação de duas safras de tangerineira ‘Montenegrina’ após raleio químico e manual de http://www.B. Leuven. p. p. p. 739 p. SCHUBER. 713. 36. RUFATO. G. RODRIGUES. 9. V. S. et al. 2007. MARODIN. SCHWARTZ.. RUFATO. L. 1991. 5. 41-47. S. Leuven. L. VIÉGAS.. O. Intergrafting to control vigor of ‘Jubileu’ peach. p. v. 814-821.A. et al. 1989. RUFATO. Dissertação (Mestrado em Agronomia) Universidade Federal do Paraná.embrapa. Acta Horticulturae. Verso una frutticoltura integrata. 30 p. O. Boletim. 1. Características de três safras da tangerineira ‘Montenegrina’ após raleio manual dos frutos. Batsch) conduzido no sistema de Produção Integrada. Citricultura Brasileira. Manejo do solo em laranjal.htm[15-01-2012 15:49:01] . O. KOLLER. J. Universidade Federal de Pelotas. Implementation of traceability based on bar coding system ean/ucc to peach supply chain of canning clingstone. Araucária. KOLLER. 2. et al. integrated crop management and organic crop management. RODRIGUEZ. v. Tese (Doutorado em Fruticultura de Clima Temperado) – Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. São Paulo: Fundação Cargill. n. Pelotas.C.cpact. Ciência Rural. 2006. p. 2004. 1980. p. 2006. L. RUFATO. Biological indicators of soil health in peach orchards grown under two management systems.. SANSAVINI. Acta Horticulturae. 2006. Campinas: Instituto Agronômico. Acta Horticulturae.. Plantas de cobertura de solo em pomar de pessegueiro (Prunus persica L. 10. p. L. et al. n.Fruticultura Fundamentos e Práticas RIGITANO. 1964.

1977. TIBOLA. 99-105. TIBOLA. C. 4. v. Curitiba. Tratado de fruticultura. SOUZA.F.. n. The Journal of Horticultural Science. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. C. 2005. Pelotas. C. 1.C. Pelotas. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Universidade Federal de Pelotas. 80 f.Universidade Federal do Paraná. Cruz das Almas.V. SPIEGEL-ROY. n. 87 f.S. et al. 2005. 13.. Efeitos do ácido giberélico no cacho de uva e na qualidade do mosto das cultivares Sémillon (Vitis vinifera L.H.S. 1971. n.. Pelotas: Sem Rival. FACHINELLO. FACHINELLO. 7. SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO.V. TIBOLA. 83 p. ROMBALDI.S. Guia para indicação de procedência para frutas: pêssego em calda da região de Pelotas. 2. J. SCHWARTZ. v. F. P. 1980. 157 f.Fruticultura Fundamentos e Práticas frutos.C. O. S. Barcelona: Gustavo Gili. J. sob sistema de produção integrada. São Paulo: Ceres. Tese (Doutorado em Fruticultura de Clima Temperado) – Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. TIBOLA.R. 1992. 244 p. v. 933 p. 115-120.C. v. Dissertação (Mestrado em Fruticultura de Clima Temperado) – Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel.D.. Nobel. n. ed.cpact. 27. Montenegrina. 145-150. TONIETTO. Porto Alegre.embrapa. Revista Brasileira de Agrociência. D. Manual de fruticultura. 1991. Manejo de pragas e doenças na produção integrada e convencional de pêssegos. P. ed. p. n. 2005. Implementação da rastreabilidade na produção integrada de pêssego. 1. SOUZA. 10. 1936. 65-70. 54.I. C. 1980. 10. 2004. KOLLER. Jaboticabal.. de. 14. Tendências e estratégias de mercado para a fruticultura. S. Revista Brasileira de Fruticultura. p. p. 2005. v. SOUZA. Pelotas. 503 p. p. ALSTON. 2005. 2005. S. J. Chilling and post-dormant heat requirement as selection criteria for late-flowering pears. Universidade Federal de Pelotas. Revista Brasileira de Fruticultura. Efeito do raleamento químico e de pressões de pulverização na qualidade de frutos de tangerinas (Citrus deliciosa Tenore) cv.S. TAMARO. Adubação Nitrogenada no desenvolvimento das doenças do pessegueiro. Ashford.S. Dissertação (Mestrado em Ciências do Solo) . SIMÃO. Revista Brasileira de Fruticultura. Poda das plantas frutíferas..). 215-218.. 2. ed. Cruz das Almas. 400 p. http://www. p. 2. J.) e Isabel (Vitis labrusca L. C. v. 2.htm[15-01-2012 15:49:01] .br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14. 2004. 1979.

p. Pelotas. ed. 3. TUTIDA. F. 369 p. In: RODRIGUEZ. Fruticultura de zonas templadas. ed. S. 1991. M.htm[15-01-2012 15:49:01] . 295p.J. 388 p.B. Madrid: Mundi-Prensa.104 p. Citricultura brasileira. A cultura da maçã. ed. Tratado de arboricultura frutal: técnicas de mantenimiento del suelo en plantaciones frutales.109 p. Avaliação econômica da produção integrada de pêssegos no Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado em Agronomia) . 1976. Madrid: MundiPrensa. VAN RAIJ. TROCME. Universidade Federal de Pelotas. 622 p. Madrid: Mundi-Prensa.Instituto Internacional da Potassa. 89 f.cpact. 248 p. Influência do nitrogênio e do potássio na intensidade de doenças fúngicas e na qualidade dos frutos em ameixeira. 2006. Frigoconservación de la fruta. ed. VELARDE.G-A. O. Suelo y fertilización en fruticultura. 2. D. GRAS. B. et al. N. Reguladores del crescimento de las plantas en la agricultura. 1983.H. 1979. VICENZI. 2006. Tratado de arboricultura frutal: morfología y fisiolgogía del árbol frutal.Fruticultura Fundamentos e Práticas TORRELARDONA. VIEIRA. R.G-A. WEAVER. 2003. F. VELARDE. Barcelona: AEDOS. 1991. http://www. 2. 1991. Campinas: Fundação Cargill.embrapa. USHIROZAWA. Curitiba.G-A..D. Florianópolis: EMPASC. Piracicaba: Instituto da Potassa & Fosfato . S. I. 1978. Irrigação de citros.br/publicacoes/download/livro/fruticultura_fundamentos_pratica/14. WESTWOOD. VELARDE. 519-541. 461 p. Avaliação da fertilidade do solo. Tratado de arboricultura frutal: la ecología del árbol frutal. 2003. México: Trillas. K. Dissertação (Mestrado em Fruticultura) – Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel.Universidade Federal do Paraná. 67 f. 3. Madrid: MundiPrensa. F. 1991. R. 1982. 1981. 142 p. Madrid: Mundi-Prensa.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->