RESUMO DE DIREITO ECONÔMICO

As Necessidades Humanas As necessidades humanas são ilimitadas. Exacerbam em decorrência dos meios de comunicação de massa, gerando o consumismo ou sociedade de consumo. Não se constituem fenômeno atual; o homem, desde o início da humanidade experimenta novas necessidades, embora inicialmente num ritmo bem mais lento. As inovações eram tão lentas que quase não se percebia, principalmente nas pequenas comunidades, que somente experimentavam algum impulso nas suas necessidades quando em contato com outras comunidades, muitas vezes por razões bélicas. Assim passavam a se conhecer, oportunidade em que se verificava uma explosão de novas necessidades ou a diversificação de meios para satisfazer aquelas já existentes. Depois de absorvidas as inovações, estas se consolidavam até que novas guerras ou práticas comerciais provocassem um novo surto. Essas absorções não se limitavam aos bens materiais, mas também à alimentação, vestuário e até mesmo no campo espiritual. A Lei da Escassez Contrariamente com o que ocorre com as necessidades humanas, os recursos disponíveis para satisfazê-las são severamente limitados. Mesmo com os avanços tecnológicos, tal limitação é insuperável. Em maior ou menor grau os recursos são sempre escassos. Os elevados padrões de consumo atuais referem-se a uma parcela bastante reduzida da população mundial: 20%, não chegando a 2% em alguns países mais pobres. A escassez de recursos é preocupação antiga do homem; em 1.798, Malthus lança a chamada Teoria da População, segundo a qual o crescimento demográfico seguiria uma progressão geométrica, enquanto que os recursos aumentariam em progressão aritmética. Para fugir desse inevitável colapso propunha um rígido controle da natalidade. Suas previsões ainda não se confirmaram, mas seu raciocínio ainda hoje é visto como plausível. Na década de 70 do século passado, foi encomendado um estudo ao MIT sobre a possibilidade de se esgotar os recursos naturais do planeta. Concluiu-se que os recursos naturais, a se manter o ritmo de sua utilização se esgotariam entre 70 e 150 anos.

Conceito de Economia O conceito de economia surge de duas observações: as necessidades que se expandem indefinidamente e a escassez de recursos para seu atendimento. A atividade econômica é aquela aplicada na escolha dos recursos para o atendimento das necessidades

1

humanas. Economia é o estudo científico dessa atividade, ou seja, do comportamento humano e das relações e fenômenos dele decorrentes que se estabelecem em sociedade. A economia existe porque os recursos são sempre escassos frente à multiplicidade das necessidades humanas. Economia e Direito são indissociáveis, pois as relações básicas estabelecidas pela sociedade para o emprego dos recursos escassos são de caráter institucional, vale dizer, jurídico. Por outro lado, as necessidades econômicas influenciam a organização institucional e a elaboração de leis. Não existe fenômeno econômico não inserido em um nicho institucional. Bens Econômicos São aqueles úteis e escassos ao mesmo tempo. Somente aquilo que é útil pode ser escasso, mas existem bens úteis e não escassos, aos quais se dá o nome de bens livres. Utilidade marginal é o acréscimo de utilidade trazido por uma unidade adicional de um bem, e é da maior importância para se chegar ao conceito de valor econômico, pois combina as noções de utilidade e escassez. Significa também que cada unidade sucessiva de um bem adiciona menos satisfação que aquela proporcionada pela unidade anterior. Essa assertiva fica mais clara quando se compara a utilidade marginal da água e do diamante. Como a água é essencial à vida, a utilidade marginal total recebida da água é maior que a utilidade marginal total recebida dos diamantes. Entretanto, o preço que desejamos pagar pela água não depende da utilidade total, mas da marginal – como consumimos muita água a utilidade marginal da última unidade consumida é baixa. Assim, desejamos pagar um pequeno preço por essa última unidade consumida. Como todas as unidades de água são idênticas, pagamos o mesmo preço baixo por todas as unidades. Os diamantes, que compramos pouco, têm utilidade marginal alta no último diamante, assim, estamos dispostos a pagar um alto preço por esse último diamante e por todos os outros comprados. Classificação dos Bens Econômicos Os bens econômicos podem ser classificados segundo o seguinte critério: 1) Quanto à materialidade: a) Bens propriamente ditos – são aqueles que possuem materialidade. Ex. máquinas, equipamentos, imóveis. b) Serviços – são imateriais. Ex. consulta a um advogado. 2) Quanto à finalidade: a) Bens de consumo: tendem a suprir diretamente a uma necessidade. Ex. alimentos, artigo de vestuário. b) Bens de produção: têm o fim de produzir bens de consumo. Ex. equipamentos industriais.

2

3) De acordo com as relações entre si: a) Bens complementares: aqueles cujo emprego se dá complementarmente, seja como bem de produção, ou como bem de consumo. Ex: semente + terra. b) Bens sucedâneos: bens passíveis de substituírem no atendimento de uma necessidade. 4) Conforme o âmbito de necessidade: a) Bens exclusivos: atendem a cada momento a necessidade de um único indivíduo. Ex. alimentos. b) Bens coletivos: podem atender as necessidades simultaneamente de um grupo mais ou menos amplo de pessoas. Ex: ar. O valor dos bens econômicos podem ser classificados em valor de uso e valor de troca. O valor de uso é a análise valorativa dos bens econômicos no âmbito íntimo de cada um. O valor de troca é a análise valorativa dos bens econômicos no âmbito social. ASPECTOS DO DIREITO ECONÔMICO A ordem econômica adquiriu importância jurídica a partir do momento em que as constituições passaram a discipliná-la. A Constituição Mexicana de 1917 foi pioneira nessa matéria. No Brasil, a primeira Constituição a estabelecer princípios e regras sobre a ordem econômica foi a de 1934. A Constituição atual dedica o Título VII – compreendendo os arts. 170 a 192 – à Ordem Econômica e Financeira Política Econômica Consiste no conjunto de medidas adotadas pelo Estado tendo em vista um determinado objetivo, como o progresso, o desenvolvimento, o crescimento, a estabilidade econômica, melhor distribuição de renda, busca do pleno emprego, justiça social, controle da inflação, etc. Por meio da Política Econômica é que são traçadas as diretrizes a serem adotadas pelo Estado e pela sociedade na área econômica. A Política Econômica se insere no campo da economia normativa, pois prescreve formas de comportamento e atitudes a serem tomadas pelo Estado e pela iniciativa privada na atividade econômica. A Política Econômica é decorrente da necessidade do Estado e da sociedade em traçar diretrizes fundamentais de economia com vistas à realização de insuficiências do mercado. A Política Econômica é o reflexo do contexto social que lhe deu origem. Para se implementar uma Política Econômica, são necessárias adaptações no ordenamento jurídico, isso, todavia, não significa que o ordenamento jurídico esteja submetido à Política Econômica. O que ocorre é uma reciprocidade entre o Direito e a Economia. Para conduzir a Política Econômica o Estado se utiliza de meios como incentivos fiscais, monetário e cambial, além de outros meios, visando alcançar seus

3

o crédito e o câmbio. que os Princípios Específicos se distinguem dos Princípios Gerais. os princípios serão separados em dois grupos. Também o Direito Econômico é definido como um ramo autônomo da Direito que se destina a normatizar as medidas adotadas pela Política Econômica através de uma ordenação jurídica. Também são consideradas fontes do Direito Econômico as convenções coletivas. 24. os contratos-tipo (aqueles cujas cláusulas são impostas por uma parte à outra sem discussão individual das mesmas). isolá-lo da ordem jurídica. a distribuição. 8. Diz-se que um ramo é autônomo em relação ao Direito quando é informado por princípios próprios. aplicam-se a um determinado ramo do Direito. da Constituição da República. econômico e urbanístico. os primeiros têm abrangência mais restrita. penitenciário. resultando do Direito Econômico. Trata-se do estudo das leis econômicas que regem os preços. resoluções. Constitucional e Administrativo. quanto internacionalmente. a moeda. etc) Autonomia O Direito Econômico guarda estreita relação com outros ramos do Direito. ou seja. avisos.Direito tributário. tanto nacional. financeiro.objetivos com êxito. enquanto que os Gerais são pertinentes à toda Ciência Jurídica. os acordos e os ajustes. circulares. sem. destacar-se-ão os princípios que regem o Direito Econômico. Quando o Estado passa a intervir na economia. 8. não passíveis de aplicação nas demais áreas. contudo. É um ramo do Direito Público. Princípios Para os fins aqui almejados. Fontes do Direito Econômico As principais fontes do Direito Econômico são a Constituição da República. Primeiramente. as condições gerais dos contratos e os diplomas infralegais (portarias. é necessário que esta se cumpra na forma ditada pelo Direito. como o Direito Financeiro. que é o conjunto de normas jurídicas que versam sobre a atividade econômica. ou seja. após. a Lei Antitruste (Lei n. De se lembrar. todavia.137/90 (normas penais de repressão ao abuso do poder econômico). aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: I. mas é da legislação que determinada Política Econômica ganhará coercitividade. Seu objetivo é o estudo das normas que dispõem sobre a organização econômica de um País. 4 . A autonomia do Direito Econômico está consagrada no art.884/94) e a Lei n. as leis que regem a produção. I. que dispõe: Compete à União. a circulação e o consumo de riquezas. Relação entre Direito e Economia Direito e Economia são áreas que se interpenetram. Tributário.

Cumpre. não se desvinculando um do outro. por sua vez. portanto. Ao se elaborar uma norma econômica é imperativo atentar-se ao Princípio da Maleabilidade. Em resumo. tanto o Estado como o mercado. vez que o Direito Econômico sofre ingerências das orientações políticas e do contexto social que o País vive. devem tomar para obterem os melhores resultados e vantagens com o menor custo social. é necessária uma breve consideração sobre os fundamentos da ordem econômica nacional. no sentido de dar viabilidade plena à Política Econômica e seus objetivos. Consiste na observância. da eficiência das medidas propostas. a satisfação humana. no desempenho de suas funções como reguladores da atividade econômica. 5 . para sua viabilidade e para sua força de aplicação com vistas à obtenção de um resultado de interesse público. alcance o nível máximo. Princípios da Ordem Econômica Antes de se referir propriamente aos princípios constitucionais. visando uma melhora no nível de vida dos cidadãos. A Economia não é estática. Princípio da Maleabilidade . através da maximização da diferença entre os custos e as vantagens”. citado por Celso Ribeiro Bastos (Curso de Direito Econômico. é fundamental que ao se elaborar as normas de Direito Econômico atenda-se aos critérios da qualidade e quantidade. pois. ao Estado verificar as posturas que a ele serão incumbidas em razão das medidas da Política Econômica. não podem ser dotadas de uma rigidez excessiva.analisar-se-ão os princípios que informam nossa ordem econômica e que estão dispostos no art. Este princípio também deve ser aplicado nas empresas públicas.considerando a grande multiplicidade dos organismos econômicos e a diversidade de regimes jurídicos da intervenção estatal. em confronto com a vontade de pagar por produtos ou serviços. enfatiza que a eficiência é a utilização dos recursos econômicos de modo que o valor. 2003: 57). têm de se adaptarem às variações da economia para não se tornarem obsoletas em pouco tempo. POSNER. com vistas a enfrentarem com sucesso as adversidades do mercado. ou seja. 170 da Constituição da República. é necessário que as normas de Direito Econômico sejam genéricas e abstratas para que sejam passíveis de aplicação em diversas situações. Não se trata apenas de se obter uma maior quantidade de bens ou aumento da riqueza. as normas econômicas. Nesse sentido. mas também se deve dispensar especial atenção à qualidade dos bens. pelo Estado ao adotar determinada Política Econômica. Princípio da Eficiência – é inerente à própria atividade econômica e guarda estreita relação com o princípio da economicidade. Os princípios que regem o Direito Econômico são: Princípio da Economicidade – implica no condicionamento das decisões de que. o Princípio da Eficiência preconiza a adoção de medidas eficazes e posturas firmes pelo Estado.

2Livre Iniciativa – a liberdade de iniciativa tem conotação econômica.R. 170. tem por fim assegurar a todos uma existência digna. o empresário é quem deve decidir o que produzir.. Qualquer restrição nesse sentido só pode ser derivada da própria Constituição. entretanto. mas uma fonte de realização material. X. quer dizer. A própria Constituição cuida de assegurar a participação dela no mercado em seus arts. Também exclui a possibilidade de um planejamento vinculante. O Exercício da liberdade de mercado significa dizer que são proibidos o tabelamento de preços ou de exigir que se venda em condições que não sejam resultantes do mercado. isso não elimina as micro e pequenas empresas. e quando necessário aos imperativos da segurança nacional ou relevante interesse coletivo. não se constituindo apenas um ideal filosófico. 6 . 177). Onde vigora a liberdade de empresa é possível que em determinados setores da economia haja domínio pelas grandes empresas. X e 179. fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa.Existência Digna – Significa dizer que a erradicação da pobreza é uma meta que se procura atingir. Infere-se. pois. podem tornar possível a chegada a esse objetivo em tempo não excessivamente longo. quanto produzir e por que preço vender. Decorre desse fundamento que a atuação do Poder Público na exploração de atividades econômicas somente se justifica quando os particulares não possam ou não queiram intervir. ainda que para coibir possíveis abusos.O caput do art. O piso salarial deve ser o do salário mínimo. ou de leis editadas com fundamento nela. conforme os ditames da justiça social. Equivale ao direito que todos têm de se lançarem no mercado de produção de bens e serviços por sua conta e risco. conjugados com medidas de desenvolvimento econômico aceleradas e ações voltadas à redistribuição da riqueza. que a ordem econômica se assenta em quatro fundamentos: 1Valorização do Trabalho Humano – o trabalho deve fazer jus a uma contrapartida monetária que o torne materialmente digno. As exceções estão apontadas no próprio Texto Constitucional (art. O aviltamento dos valores pagos pelo trabalho não é compatível com o estágio sócio-econômico dos dias atuais. conforme definidos em lei. 170 do Texto Constitucional estabelece: A ordem econômica. que sempre encontrarão um nicho para desenvolverem suas atividades. todavia. De se ressaltar.. que sempre haverá alguma intervenção do Estado nessa área. diretamente ou por meio de concessões ou permissões. do equipamento industrial. da C. como produzir. O estágio atual de desenvolvimento tecnológico. O trabalho não deve ser considerado um mero fator produtivo. prevê-se que. caput. Ressalte-se que a hipótese que estabelece a competência da União para manter o serviço postal e o correio aéreo nacional (art. 21.) não proíbe que particulares exerçam uma atividade concorrencial e até mesmo suplementar. 3. agrícola e de serviços. moral e espiritual do trabalhador. Também o Estado assume a titularidade da prestação de serviços públicos. entretanto. em virtude das privatizações é possível que dentro de um certo tempo o Estado abandone de vez a prestação de atividade econômica.

meramente. 1º da CR – soberania política – e no art. roupas. A justiça social consiste na possibilidade de todos contarem com o mínimo para satisfazerem suas necessidades fundamentais. em princípio. vocacionada à apropriação privada. Quer dizer.. embora apenas isso não baste para se ter o socialismo.Função Social da Propriedade – Impõe ao proprietário ou a quem detém o poder de controle na empresa.625 da ONU. da C.Justiça Social – Reforça a idéia da existência digna (art. prescreve: Nenhum Estado nem grupo de Estado tem o direito de intervir direta ou indiretamente. à preservação dos recursos naturais. o dever de exercê-la em benefício de outrem e não. todavia. de apropriação privada. apenas. É difícil precisar quais os parâmetros de um Estado justo ou injusto.R. I – independência nacional. são reais (e execráveis) as disparidades profundas de renda ou de riqueza. Isso significa que a função social da propriedade atua como fonte da imposição de comportamentos positivos – prestação de fazer.Livre Concorrência – Garante aos agentes econômicos a oportunidade de competirem de forma justa no mercado. No atual ordenamento jurídico a função social não se constitui um simples limite do direito de propriedade. complementando o disposto no art. nos negócios internos ou externos de um outro Estado”. autoriza até que se imponha ao proprietário comportamentos positivos no exercício do seu direito. enquanto que no sistema socialista os meios de produção não são susceptíveis.). em prejuízo de outrem. isenta de práticas anticoncorrenciais e da utilização abusiva do poder econômico.4. Cabe ao Estado garantir a competição leal. Princípios Constitucionais Econômicos 1. cada Estado é livre para implementar sua política econômica. A soberania econômica contribui decisivamente para a independência de um Estado em relação aos demais Estados. para que sua propriedade concretamente adeqüe-se à preservação do meio ambiente. alojamentos. atuando tanto preventivamente como corretivamente. Ex: Alimentos. de forma a alcançar o equilíbrio entre os grandes grupos e o direito de estar 7 . fazer tudo que não prejudique a coletividade e o meio ambiente. ele vai além. 2. e não. 4. A resolução n. tanto físicas quanto espirituais.Propriedade Privada – Princípio típico das economias capitalistas – que se caracterizam pela propriedade privada dos meios de produção. No Brasil. 2. sob qualquer pretexto.. A grande questão a ser respondida. as agências reguladoras e o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) têm a função de assegurar a obediência a este princípio. caput. 170. A propriedade privada de bens de consumo e de uso pessoal é. no exercício do seu direito. pois servem diretamente ao sustento dos trabalhadores.Soberania Nacional – Aqui se trata da soberania econômica. 4°. etc. na qual se permite ao proprietário. pois são imprescindíveis à existência digna das pessoas e não podem se constituir em instrumentos de opressão. 3. é se é possível organizar a justiça social dentro de um regime de liberdade de iniciativa. essencialmente. de não fazer – ao detentor do poder que deflui da sociedade. morais e artísticas. Significa que a nação não sendo soberana no campo econômico dificilmente conseguirá exercer a plenitude de sua soberania no campo político.

XXXII. previdenciárias e creditícias. O art. por ex. como os incentivos fiscais. de assegurar a defesa do consumidor. para que assim se proteja um interesse maior da coletividade. Também pode ser interpretado como uma forma de o Estado assegurar condições mínimas ao pequeno estabelecimento empresarial de competir no mercado com concorrentes maiores e mais aptos à disputa. Limitar. para que a exploração econômica preserve a ecologia. 2002. mas também de forma ampliada por meio da livre concorrência. Trata-se de uma obrigação imposta ao Estado pela Constituição. 9. origem.Tratamento Favorecido às Empresas de Pequeno Porte – Esse princípio pode ser interpretado como uma forma do Estado intervir na liberdade econômica.Busca do Pleno Emprego – A busca do pleno emprego como princípio da ordem econômica está ligada ao desenvolvimento e aproveitamento das potencialidades do Estado. quando necessário. São Paulo: Atlas. tributárias. VII. ou pela eliminação ou redução dessas obrigações por meio de lei. de Vicente Bagnoli. 7.Defesa do Consumidor – A Constituição prevê em diversos dispositivos a defesa do consumidor: arts.Defesa do Meio Ambiente – Implica na limitação da propriedade privada. O tratamento favorecido é destinado tão-somente às empresas de pequeno porte (englobando as microempresas) constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sua sede e administração no País. 5. principalmente a industrial e a agrícola. bem de uso comum do povo. cor idade e qualquer outra forma de discriminação. sexo. responsabilizando a economia de mercado pela garantia de uma existência digna a todos. 225 da CR assegura que todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. como a proteção do consumidor mediante a edição de leis como o CDC. que assim é prestigiado com produtos e serviços de maior qualidade e preços mais vantajosos. em contrapartida.Redução das Desigualdades Regionais e Sociais – A obediência a este princípio visa a construção de uma sociedade livre. 8. A CR/88 ao optar pela economia de mercado teve. também. 6. 8 .no mercado também para as pequenas empresas. da marginalização e a redução das desigualdades sociais e regionais. Ordem Econômica Internacional1 1 Este título trata-se de um resumo baseado em sua maior parte no Capítulo 6 da obra intitulada Direito Administrativo. 5º. § 5°. Visa incentivá-las pela simplificação de suas obrigações administrativas. a erradicação da pobreza. Busca. visando o desenvolvimento de uma determinada região ou a instituição de programas sociais de duração continuada (fome zero. objetivando a garantia do desenvolvimento nacional. promover o bem comum. falsear ou de qualquer forma prejudicar a livre concorrência constitui infração à ordem econômica. justa e solidária.) resultam da aplicação deste princípio. Esse princípio possibilita ao Poder Público interferir drasticamente. A adoção de mecanismos tributários. privilegiando o empresário disposto a investir no desenvolvimento da sua região e viabilizar o pleno emprego. 24. Garantir a livre concorrência no mercado significa defender o bem-estar econômico do consumidor. 150. Esta se faz de forma direta. sem preconceitos de raça.

estabilidade de troca e arranjos de troca em ordem a nutrir o crescimento econômico e níveis altos de emprego. Com essa finalidade. criado em 1945 e com sede em Washington. As práticas predatórias de comércio que devem ser combatidas são o dumping e subsídios. aproveitando a estrutura do GATT. Dumping significa “colocar num país mercadoria com preço inferior ao praticado no mercado do país de origem”. o Banco Internacional de Recuperação e Desenvolvimento (BIRD) – que em conjunto com Associação Internacional de Desenvolvimento (AID) forma o Banco Mundial – e o Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT). Ainda hoje o trabalho de reconstrução do BIRD é um enfoque importante. nos Estados Unidos. expôs o mercado nacional à práticas desleais de comércio. em grande parte. emergências humanitárias e necessidades de reabilitação pós-conflitos. em Marrakech (Marrocos). com as alterações introduzidas na Rodada Uruguai que iniciara em julho de 1986. que podem levar à bancarrota setores econômicas dos países que não combaterem tais abusos. que tornam irreal o preço final da mercadoria destinada ao mercado externo”. Subsídios são “aplicações de formas de ajuda à produção ou exportação. sendo necessário que a legislação possa assegurar a defesa comercial. O BIRD concede empréstimos a países com rendas médias e bons antecedentes de crédito. O GATT foi atualizado e seu foco de incidência ampliado nas sucessivas rodadas de negociação. bem como prover ajuda financeira temporária a países para promoção do ajuste da balança de pagamentos”. No entanto. mas voltado aos desastres naturais. O Banco Mundial. mas suas operações sofreram ajustes de forma a corresponder as necessidades atuais. Os seus propósitos iniciais permanecem inalterados. O Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT) foi assinado em 1947. concebido em Bretton Woods nos Estados Unidos. seu objetivo principal atualmente é a redução da pobreza nos países em desenvolvimento. ante a ocorrência de dano à indústria nacional do produto semelhante ao importado causado por 9 . por meio da venda de títulos nos mercados internacionais de capital. As práticas predatórias de comércio são detectadas quando ocorre a existência de dano à indústria nacional do produto ou similar ao importado em razão de dumping. tinha como finalidade inicial a ajuda na reconstrução da Europa pós-guerra.A Ordem Econômica Internacional foi constituída por iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU) e elaborada por meio de projetos de economistas de renome internacional com o objetivo de corrigir as desigualdades entre países desenvolvidos e países em desenvolvimento. A criação de um organismo internacional que mediasse as relações comerciais entre os países e a abertura comercial traduziram-se em oportunidades para as empresas. designadas de práticas predatórias de comércio. em face do insucesso na criação de uma Organização Internacional do Comércio. mas por outro lado. sem reduzir a soberania política dos Países-Membros. e procurando conter os arbítrios dos países mais poderosos. culminando com a criação da Organização Mundial do Comércio (OMC) pelo acordo assinado em abril de 1994. O FMI. foi montada uma estrutura global com a criação de organismos internacionais como o Fundo Monetário Internacional (FMI). Seus fundos são levantados. foi fundado com a finalidade de promover “a cooperação monetária internacional.

com inclusão de todos nos benefícios proporcionados pelo progresso. ex-economista chefe e ex-vice-presidente do Banco Mundial. e quem mantém a obsessão pela redução de custos a qualquer preço. as nações devem ter como objetivo imediato o desenvolvimento das suas economias e não apenas lutar por seu desenvolvimento. são os direitos antidumping e os direitos compensatórios. num fenômeno cultural devido as influências recíprocas entre habitantes de diversos países. a globalização também consiste num “fenômeno político. sua crítica é direcionada à forma de adesão ao sistema que. não vê alternativa ao processo de globalização. em decorrência. deve ser feita a partir de negociações que assegurem contrapartidas equivalentes às concessões a serem feitas para o acesso de outros países ao mercado consumidor nacional. no entanto. em face das restrições à soberania dos Estados. Os instrumentos de defesa comercial. num fenômeno social pelo frequente deslocamento e fixação de residência de habitantes de um país em outros países. a sociedade. que as escolhas políticas devem ser tomadas independentemente da opinião que sobre elas tenham outros países ou instituições não têm mais pleno curso na sociedade contemporânea”. em face da crescente interdependência dos países. Para enfrentar os desafios do capitalismo que recobrou o expansionismo. continua o mestre. A globalização influencia drasticamente na elaboração e a execução de projetos nacionais. que o território nacional define a jurisdição da ação estatal. “limita a capacidade dos governantes. que a integração a uma economia internacionalizada se tornou inevitável e até mesmo um dever do administrador. em tais casos. De se ressaltar. Globalização Segundo Fernando Herren Aguillar. A grande crítica que se faz ao fenômeno da globalização é que ela provoca restrições à soberania dos Estados. Tem-se verificado uma contínua perda de força da política para a economia. globalização é “o fenômeno econômico de busca de conquista de mercados sem restrições às fronteiras nacionais”. com demissões em massa de trabalhadores e redução de salários e benefícios trabalhistas. Herren Aguillar salienta que “ as ideias de que um país deve ser governado por seus representantes nacionais.subsídio. Mesmo os críticos mais contundentes como Joseph E. Desenvolver a economia deve significar desenvolver o país. num fenômeno tecnológico pela revolução da informática e das telecomunicações e também um fenômeno financeiro em razão dos investimentos especulativos planetários. ou na ocorrência de grave prejuízo à industria nacional de produto semelhante ou diretamente concorrente devido a um surto de importações causado pelos preços artificialmente reduzidos de determinados bens. de forma que somente se tornem viáveis se contemplarem interesses globais. modelam as ações empresariais. influi na vida de cada cidadão e transforma os países em províncias da economia global”. que se traduzem na imposição de taxas às importações de produtos realizadas a preço de dumping ou a produtos que tenham sido beneficiados com subsídios. entretanto. uma das suas mais peculiares características. Stiglitz. Uma resposta que poderia ser dada a esse revés poderia vir por meio do reforço das instituições supranacionais ou agências globais dotadas de poderes que poderiam impedir que organismos como o FMI e o Banco Mundial 1 . segundo ele.

além de estabelecerem uma coordenação de políticas comuns nos âmbitos setoriais e macroeconômicos. juntamente com os demais elementos do Mercado Comum. que visa o enfrentamento da concorrência internacional mediante a integração entre países vizinhos. de forma que se constitua em benefício para todos são: . portanto.continuassem ditando a política dos Estados. que também adotam uma política comercial comum. e. segundo Bangoli. adota-se uma Tarifa Externa Comum na importação de mercadorias de países que não integram o mercado regional. para atuarem em conjunto. compreende diversas fases até atingir sua plenitude. Vicente Bagnoli defende a criação de um Conselho de Segurança da ONU. São fases de um processo de integração econômica.redução das desigualdades sociais. sem vínculos com o Estado nacional. União Econômica – As características dessa última fase de um processo de integração econômica são a adoção de políticas macroeconômicas. pela ordem: Área de Preferência Tributária – Nessa fase inicial os países-membros tributam o comércio recíproco parcial ou totalmente com alíquotas de importação menores que as alíquotas impostas às mercadorias importadas de países que não fazem parte do bloco econômico. apto a intervir em crises e cita a União Europeia como exemplo do que seria governar a globalização. . e a adoção de uma moeda única. Os benefícios que um processo de globalização deve trazer. livre de qualquer controle. A formação de blocos econômicos. Também pode ocorrer a harmonização das legislações. União Aduaneira – É a fase em que se encontra o Mercosul. por se tratar de um processo. Um fenômeno bastante comum no cenário da globalização e que interfere diretamente na soberania dos Estados é a integração econômica. Mercado Comum – Nesse estágio é livre a movimentação de fatores produtivos (capital e trabalho) entre os países-membros. pode impor seu domínio. . Somente a União Europeia até o momento atingiu esse estágio. 1 . setoriais e sociais comum. Zona de Livre Comércio – Aqui ocorre a eliminação de barreiras tarifárias e não tarifárias nas operações de comércio recíprocas entre os países-membros.harmonia no convívio entre diferentes povos. além do livre comércio entre os países-membros. de forma a terem mais força e. Significa que. respeitando reciprocamente valores e tradições. É a posição em que se encontra o NAFTA. assim. obterem melhores resultados nas negociações.defesa da democracia num momento em que o capitalismo.

Além de se constituir a principal instância de decisões da EU. Após vários estudos nos setores político-econômicos concretizava-se a criação da Comunidade Econômica Europeia (CEE). constituíram algumas das suas atuações para alcançar o intento desejado. lançou mão de todos os meios possíveis. . União Europeia A União Europeia teve sua origem na Comunidade Europeia do Carvão de do Aço (CECA).Parlamento Europeu – Tem função legislativa e orçamentária. Polônia. .Conselho da União – Reúne os governos dos Estados-membros. Em 1967 foi criada a Comunidade Europeia (CE).. Atualmente. aprova decisões da política externa e de segurança comum e coordena as ações comunitárias relativas à matéria penal. zelar pelo direito comunitário. organização que concentrava países da Europa Ocidental e que deveria promover a integração econômica e política estabelecida no Tratado de Roma. . de 1957. no entanto está prevista a adesão à moeda nos próximos anos da maioria desses países. Romênia e Suécia. 1 . instituições comunitárias. a CE é chamada de União Europeia (UE). Abertura de mercados. Itália.Tribunal de Justiça – Garante a interpretação e o cumprimento da legislação comunitária e aprecia as disputas jurídicas que envolvam os Estados-membros. mas nem tudo que tem ocorrido de mudança nas práticas comerciais deve ser atribuído à globalização. também partilha com o Parlamento funções legislativas e orçamentárias e coordena as políticas econômicas gerais. moeda única para a 17 dos 27 países que atualmente compõem a UE. fim da soberania. em conjunto com o Tribunal de Justiça. empresas e particulares. Lituânia. Dinamarca. liberdade alfandegária. de forma até então sem precedentes. instituída em abril de 1951. Luxemburgo e Países Baixos assinaram o Tratado de Paris.O capitalismo. Letônia. Já atingiu o último estágio do processo de integração econômica com a união econômica e monetária. Seus parlamentares são eleitos pelos cidadãos dos Estados-membros. na sua incessante busca da rentabilidade econômica. ainda que porventura limitado na sua soberania. iniciando o processo de integração europeu. Alemanha. que desempenham atribuições específicas: . Seus membros são aprovados pelo Parlamento Europeu e nomeados pelos Estados-membros. eliminação do xenofobismo. em janeiro de 1958. nos moldes da CEE. Entre outras atribuições cabe à Comissão representar a UE internacionalmente e. cabe intervir quando o direito de livre empreender se verificar ameaçado. O euro não foi adotado como moeda por Bulgária.Comissão Europeia – Defende os interesses gerais da UE. Hungria. valendo-se da regulação econômica e do princípio da livre concorrência. quando a Bélgica. França. celebra acordos internacionais. Reino Unido. República Tcheca. A União Europeia é administrada por cinco instituições. com a entrada em vigor do euro. Ao Estado. incidência de capitais flutuantes e voláteis em diferentes mercados financeiros.

responsável pela aplicação dos instrumentos de política comercial estabelecida pelos Estados-Parte. Colômbia. são Estados-Associados ao Mercosul a Bolívia. responsável pela uniformização das legislações.. bem como do acompanhamento e revisão dos temas e matérias relacionados às políticas comerciais comum. O Mercosul possui ainda os seguintes órgãos: Comissão Parlamentar Conjunta. responsável pela prestação de serviços aos demais órgãos do Mercosul.Tribunal de Contas – É o responsável pela gestão do orçamento da UE e fiscaliza a legalidade e a regularidade das receitas e despesas da Comunidade. alguns outros acordos de integração econômica se desenvolvem nas Américas. integrado por igual número de representantes de cada Estado-Parte e a Secretaria Administrativa do Mercosul. órgão de apoio operacional. . Suas decisões são obrigatórias para os Estados-Parte. para reafirmar os princípios e objetivos do Tratado de Assunção e implementar a construção do mercado comum. representando os setores econômicos e sociais. Primeiramente foi assinado entre os Estados-Parte o Tratado de Assunção. Seus principais órgãos decisórios são: . dos Estados-Parte. Argentina e Paraguai. Foro Consultivo Econômico-Social. depende da aprovação do Parlamento de todos os Estados-Parte para se efetivar como integrante do Mercosul. Os mais conhecidos são: Acordo de Livre Comércio Norte- 1 .Grupo Mercado Comum – É o órgão executivo do Mercosul. Mercosul O Mercado Comum do Sul é um processo de integração que envolve Brasil. composta por parlamentares indicados pelos países. Atualmente. que no entanto. O sistema administrativo. além dessas instituições. é completado por agências e organismos com áreas específicas de atuação. dentre os quais devem constar representante dos Ministérios das Relações Exteriores. É composto por quatro membros titulares e quatro alternos por Estado-Parte. Uruguai. Em julho de 2006 foi assinado o Protocolo de adesão ao Mercosul da República Bolivariana da Venezuela. em março de 1991. Equador e Peru. com vistas a estabelecer uma união aduaneira e intensificar os vínculos comerciais recíprocos. É integrado pelos Ministros das Relações Exteriores e pelos Ministros da Economia (ou equivalentes).Conselho do Mercado Comum – responsável pela condução da política do processo de integração econômica. Comissão de Comércio do Mercosul – É um órgão auxiliar do Grupo Mercado Comum. Em dezembro de 1994 foi assinado o Protocolo de Ouro Preto. da Economia (ou equivalente) e dos Bancos Centrais.É constituída por quatro membros titulares e quatro suplentes por Estado-Parte e coordenada pelo Ministério das Relações Exteriores. Chile. Outros Processos de Integração Econômica Além do Mercosul.

dá origem à economia de empresa e de mercado. com isso. composto pelos Estados Unidos. aumentam as despesas públicas. e o comercialismo ou mercantilismo britânico. através de uma organização permanente e racional. existiu sempre. o poder central se desenvolve e. c) político – significa uma ideologia e um regime de livre empresa. integrada pela Colômbia. sob variadas formas. Como o produto manufaturada era mais caro que as matérias primas ou gêneros agrícolas. a França e a Espanha. Incentivo às manufaturas . Capitalismo – é um sistema econômico baseado na propriedade privada dos meios de produção.quando se manifesta como um sistema que. O capitalismo pode ser visto sob três aspectos: a) jurídico – quando o estatuto jurídico adota o princípio da propriedade privada dos meios de produção. a Comunidade Andina de Nações (CAN). que ainda não foi definitivamente estruturada.Americano (NAFTA – North American Free Trade Agreement). em particular. assim definido. que vê no comércio exterior a fonte de riqueza de um país. em meados do século XIII. O capitalismo. estabelecendo. Os princípios mais relevantes do mercantilismo são: Metalismo ou Ditalionismo . despertando o espírito capitalista. A partir da unificação desses reinos começam a delinear-se as diversas formas de atuação do Estado no que diz respeito à condução de políticas econômicas. dando ênfase metais preciosos como instrumentos de troca. b) econômico . barreiras tarifárias e medidas de apoio à exportação. Intervenção do Estado no Domínio Econômico Os Estados modernos começam a se formar com a unidade nacional de alguns países europeus mais evoluídos. em todos os períodos da história. Mercantilismo . Canadá e México. Caracterizou-se por uma forte ingerência do Estado na economia e consistia numa série de medidas tendentes a unificar o mercado interno com a adoção de políticas protecionistas.o governo estimulava o desenvolvimento de manufaturas. adotando a apropriação privada dos bens de produção. a ALCA – Aliança de Livre Comércio das Américas.o capital é representado pelos metais preciosos que o Estado tem no seu poder.é um conjunto de idéias econômicas desenvolvido na Europa na Idade Moderna. que considera a prosperidade de uma nação ou Estado dependente do capital que possui. Procurava-se com essa crença evitar a saída de metais preciosos do país. que incentivava a industrialização. O mercantilismo surge como reflexo das concepções ideológicas daquele momento. o Acordo de Livre Comércio da América Central e Estados Unidos (CAFTA) e o Mercado Comum Centro-Americano (MCCA). como a Inglaterra. dentro de uma organização de livre mercado. O Estado se propõe a solidificar seu poder perante as nações estrangeiras. a Comunidade dos Países Caribenhos (CARICON). sua exportação era certeza de grandes lucros. Equador. o comércio internacional se desenvolve em busca de riquezas. propiciadora de acúmulo de poupança com finalidade de investimento de grandes massas monetárias. Outras escolas surgiram mais tarde como o colbertismo ou mercantilismo francês. 1 . Peru e Bolívia.

Que sejam proibidas todas as exportações de ouro e prata e que todo o dinheiro nacional seja mantido em circulação. Que na medida do possível. como forma de estimular a indústria e manufaturas nacionais e também evitar a saída de divisas para outros países. Que cada polegada do chão de um país seja utilizada para agricultura. O objetivo era maximizar a produção. 8. como forma de fortalecer o próprio comércio. porque os bens acabados têm valor superior ao das matérias–primas. que exalta os princípios de liberdade. 3. 6. Sistema colonial – as colônias européias deveriam comercializar apenas com suas metrópoles. a mineração ou as manufaturas. no qual a ganância de uma das partes supunha a perda para a outra. comprometendo a economia do país. e não de ouro e prata. em troca de outros bens nacionais. O mercantilismo pode ser sintetizado por meio das nove regras de Von Hornick: 1. Era uma garantia de vender caro e comprar barato. Soma zero – acreditava-se que o volume global do comércio era inalterável.Protecionismo alfandegário . Balança comercial favorável – o esforço era para exportar mais que importar. 7. Nesse contexto ocorreu o ciclo da cana de açúcar no Brasil. de valorização do indivíduo. dessa forma entraria mais divisas que sairia. obtendo ainda produtos não encontrados na Europa. sem nenhum tipo de atenção sobre o consumo. Os assalariados e os granjeiros deveriam viver nas “margens de subsistência”. estas devam ser obtidas de primeira mão. Um dos elementos nos quais os mercantilistas estavam de acordo era a opressão econômica dos trabalhadores. ao mesmo tempo. 9. Que não seja permitida nenhuma importação se os bens que se importam existirem suficiente e adequadamente no país. Que seja fomentada uma população grande e trabalhadora. O liberalismo pode assumir variadas formas. de revolta contra os privilégios e contra o poder absoluto dos reis. 2. incentivando assim as rivalidades internacionais. as importações sejam limitadas às primeiras matérias que possam acabar-se no país. A teoria mercantilista é suplantada pela idéia do liberalismo econômico. vinculou os próprios mercadores através de concessões de licenças para o exercício da atividade. Que todas as matérias que se encontrem num país sejam utilizadas nas manufaturas nacionais. 5. Que sejam procuradas constantemente as oportunidades para vender o excedente de manufaturas de um país aos estrangeiros. Os mercantilistas viam o sistema econômico como um jogo de soma zero. em troca de ouro e prata. tempo de lazer ou educação. Que sejam dificultadas ao máximo todas as importações de bens estrangeiros. era visto como um problema que degeneraria em falta de vontade de trabalhar. 4. deixando o país em situação financeira favorável. Que onde sejam indispensáveis determinadas importações. O mercantilismo utilizou de forma agressiva a xenofobia. na medida necessária. mas o que sucedeu o mercantilismo caracterizou-se pela defesa do princípio segundo o qual o desenvolvimento econômico deveria fazer-se em conformidade com as leis naturais do 1 . A possibilidade de as classes econômicas mais baixas terem mais dinheiro.Criavam-se impostos e taxas para evitar ao máximo a entrada de produtos vindos do exterior. Procurou afastar os mercadores estrangeiros e.

salvando a liberdade de iniciativa. As Constituições brasileiras de 1824 e 1891 basearam-se no princípio básico do liberalismo econômico: o princípio da propriedade individual dos bens de produção. criadas com a finalidade de executar a regulamentação. mediante concessão. Para atingir esse objetivo o Governo condiciona. Pela primeira vez uma Constituição brasileira (a de 1934) introduzia um título configurador da nova postura do Estado dentro da ordem liberal. impondo-lhe o dever de promover o fomento da economia popular. surgem os primeiros questionamentos sobre a plena liberdade de comércio. Daí surgiu a necessidade de elaboração de leis destinadas à proteção dos direitos fundamentais garantidos ao homem. com a proteção das classes que poderiam vir a ser desfavorecidas com uma nova feição das empresas. influir na concretização do fenômeno econômico. através de lei. A crise se instaura e provoca. O fenômeno da concentração empresarial foi decisivo para o surgimento do Direito Econômico. no mercado. altera os parâmetros naturais e espontâneos do mercado. por meio de normas. surgiu a necessidade de o Estado intervir. segundo Hely Lopes Meirelles. Agências Reguladoras A transferência ao setor privado da execução de alguns serviços públicos antes exercidos pelo Estado fez surgir no ordenamento brasileiro as agências reguladoras. pois a partir de então. interferir no funcionamento do mercado. corrige. A partir de meados do século XIX o capitalismo se transforma. A decisão que leva à concentração tem sua origem em dois princípios fundamentais: o da maximização dos lucros e o da segurança. Com os grupos econômicos. quer também pela eliminação da concorrência.as formas ou modalidades pelas quais o Estado pode intervir no setor econômico são diversas: i) regulação econômica – a atividade do Governo nesse campo pode se dar sob o enfoque da edição de normas destinadas a. Modalidades da Atuação Governamental . Ao Estado atribuiu-se duas novas e importantes funções: a de atuar no mercado. não deveria. sem os grilhões impostos pelo Estado. são autarquias sob regime especial. portanto. o surgimento de um novo Direito e a imperiosidade da atuação do Estado no domínio econômico. quer pela ampliação de sua extensão setorial e geográfica. no período entre as duas grandes guerras. de alguma forma. Agências reguladoras. e a de influir no mercado. permissão ou autorização. podendo monopolizar determinada indústria ou atividade econômica. 1 . o controle e a fiscalização dos serviços públicos executados pelo setor privado.mercado. Como conseqüência. sob dois enforques: o da fiscalização administrativa da atuação dos agentes econômicos e o de uma influência mais determinante. as unidades se unem formando grupos. A concentração econômica é o fenômeno pelo qual as empresas tendem a aumentar a sua dimensão. para garantir efetivamente sua liberdade. A concentração empresarial provocou dois fenômenos importantes: a grave situação da questão social e a necessidade de o Estado intervir para sanar a crise do liberalismo econômico. quer sob o de apoio da atividade econômica. a Ordem Econômica e Social. dando origem ao Estado industrial. o Estado não deve interferir na atividade econômica e tem como função fundamental garantir a liberdade de mercado. quer sob o aspecto de estímulo. O Estado.

por indicação do Ministro a qual a agência estiver vinculada.O regime especial conferido a essas autarquias caracterizam-se basicamente pela independência administrativa (mandato fixo dos seus dirigentes). 1 . f). A legalidade e a efetividade das atividades funcionais dos servidores e das unidades das agências serão fiscalizadas por uma Corregedoria que sugerirá as medidas corretivas necessárias. após aprovação pelo Senado Federal (CR. A representação judicial da agência será exercida por uma Procuradoria. ao Presidente da República. Os dirigentes são nomeados para um mandato de cinco anos. conforme disposições de normas internas. art. Secretaria Executiva. por concurso público ( de provas ou de provas e títulos) para os cargos efetivos. cabendo ao Diretor-Presidente. que decidirão por maioria absoluta. as agências reguladoras executam serviços próprios do Estado. Sendo um prolongamento do Estado. com os mesmos privilégios da Administração–matriz e passíveis dos mesmos controles dos atos constitucionais. em condições idênticas às do Estado. bem como representar a agência perante órgãos de defesa do consumidor. Os mandatos dos dirigentes não são coincidentes e os seus titulares somente perderão o cargo em virtude de condenação judicial transitada em julgado. A agência terá um Ouvidor. com prerrogativas processuais de Fazenda Pública. Assim. Câmaras Técnicas especializadas e Ouvidoria. condenação em processo administrativo disciplinar. cabendo-lhe receber pedidos de informações. As agências reguladoras têm uma Diretoria colegiada. autonomia financeira (renda própria e liberdade de aplicação) e poder normativo (regulamentação das matérias de sua competência). o de qualidade. nomeado pelo Diretor-Presidente. O que os diferenciam são os métodos operacionais. descumprimento das políticas estabelecidas para o setor pelo Poder Executivo. em regime de emprego público. por período superior a 60 dias – consecutivos ou não – sem autorização da Diretoria. ex vi da Constituição da República. 52. afastamento do cargo. mas submetida à fiscalização técnica da AGU. os dirigentes só devem perder seus cargos pelo cometimento de falta grave. Os cargos públicos são providos. que permitem maior flexibilidade de atuação com possibilidade de decisões rápidas e ações imediatas. III. Em relação à nomeação dos dirigentes das agências reguladoras não se aplica nenhuma das duas formas de provimento. e de livre nomeação para os cargos de confiança e função gratificada. esclarecimentos e reclamações. para mandato fixo. A Diretoria é composta por um Diretor-Presidente e quatro Diretores. inobservância dos deveres e proibições inerentes ao cargo. respondendo diretamente aos interessados. O quadro de apoio será regido pela CLT e legislação trabalhista correlata. no decurso de exercício financeiro. além do voto ordinário. apurada em processo administrativo ou judicial em que sejam assegurados a ampla defesa e o contraditório.

até um ano depois de deixar o cargo. mas o ressarcimento das despesas com a fiscalização do cumprimento das normas contratuais ou legais pertinentes.595/64) 1 . quando surgirem fatos novos ou circunstâncias relevantes suscetíveis de justificar a inadequação da sanção aplicada. A Lei n. conforme dispõe a Lei n. por representar juízo técnico de ponderação. 4. mas podem adotar procedimento licitatório distinto (modalidades de “consulta” e “pregão”) para os contratos que não se refiram a obras e serviços de engenharia. substituí-la. Quando a concessionária de serviços públicos deixa de cumprir normas regulatórias ou contratuais. A arbitragem deve se constituir num instrumento de prevenção de litígio e não de substituição do Poder Judiciário. Também é vedado ao ex-dirigente. a indicação do dispositivo legal ou contratual pertinente e a informação sobre o prazo e forma de defesa.É vedado a todo o quadro funcional das agências. não representa a fiscalização – poder de polícia – nem um serviço público prestado pelo Estado às concessionárias. A decisão regulatória adotada ao final do procedimento é obrigatória para as partes e para o próprio órgão regulador. ou de prestar serviços a empresas sob sua regulamentação. O órgão regulador deve. conferindo à agência reguladora do setor o direito de aplicar sanções e reclamar danos. A aplicação de sanções somente será cabível se não houver alternativa mais eficiente para a coletividade e será graduada segundo a gravidade da infração. no entanto. 10. de representar qualquer interesse perante a agência. As agências reguladoras têm sua autonomia financeira garantida por meio da cobrança de “taxa de regulação” da pessoa que exerce atividade econômica no segmento regulado. autuando a falta. as agências reguladoras celebram contratos administrativos. A aplicação de sanções poderá ser revista a qualquer tempo. 2º da C. instaurar procedimento administrativo formal.666/93. atos de atribuição de direitos a particulares. incluindo seus dirigentes. Tais contratos devem ser precedidos de licitação.871/2004 dispõe sobre a carreira e a organização dos cargos efetivos nas agências reguladoras. o exercício de qualquer outra atividade profissional. tutelado pelo art. 8. ou. Deve haver uma etapa de conciliação e mediação. tendo como base de cálculo a receita auferida pela concessionária. responde pelas conseqüências de sua inobservância.R. Não se deve descartar a previsão de arbitragem nos contratos de concessão. notificando o autuado coma descrição do fato. que poderá ser chamado a se manifestar acerca da observância dos requisitos de validade da decisão arbitral – não podendo. para dirimir conflitos patrimoniais que envolvam direitos do Estado e das demais pessoas administrativas. Como autarquias que são. que deverá torná-la efetiva. antes de aplicar qualquer sanção. que pode antecipar a solução da controvérsia. ainda. Atualmente já estão criadas as seguintes agências reguladoras: Banco Central do Brasil – BACEN (Lei n. Essa “taxa” não tem natureza jurídica de tributo. a pedido ou de ofício.

Tem como missão a promoção e o desenvolvimento das telecomunicações no Brasil. a fim de construir uma moderna e eficiente infra-estrutura de telecomunicações. em sua maioria. diversificados e a preços justos.854/94) Agência Nacional de Telecomunicações – ANATEL ( Lei n. além do quadro terceirizado para atividades de consultoria e de apoio técnico e administrativo.961/00) Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA (Lei n. A ANATEL não se subordina hierarquicamente a nenhum órgão do Governo. a composição administrativa dos interesses entre prestadoras de serviços de telecomunicações. o controle. exceto em casos cuja ampla publicidade possa comprometer segredo protegido ou intimidade pessoal. Suas decisões somente podem ser contestadas judicialmente. Sua sede é em Brasília. a proposição da instituição ou eliminação da prestação de modalidade de serviço no regime público. 8. a proposição do plano geral de metas para universalização dos serviços de telecomunicações.- Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL (Lei n.984/00) Agência Nacional de Desenvolvimento da Amazônia – ADA (MP n. O Conselho Consultivo. 2. ao Ministério das Comunicações. 2. das entidades prestadoras de serviços. que é formado por representantes do Congresso. 9. 9. As principais atribuições da ANATEL são: a implementação de política nacional de telecomunicações. a proposição do Plano Geral de Outorgas. a defesa e a proteção dos direitos dos usuários. O quadro de funcionários. constitui-se de servidores e empregados transferidos do Ministério das Comunicações e de outros órgãos de governo. a administração do espectro de radiofreqüência e o uso de órbitas. 9.427/96) Agência Espacial Brasileira – AEB ( Lei n.782/99) Agência Nacional de Águas – ANA (Lei n.228/01) Agência Nacional de Transportes Aquaviários – ANTAQ (Lei n. 9.478/97) Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS (Lei n.472/97) Agência Nacional de Petróleo – ANP (Lei n. 10. 9. O Ouvidor da ANATEL deve apresentar periodicamente avaliações críticas acerca dos trabalhos da Agência. Os seus diretores têm mandato fixo e estabilidade. prevenção e repressão das infrações de ordem 1 . mas sem subordinação hierárquica. As sessões da Diretoria (Conselho Diretor) são públicas. acompanha e fiscaliza as iniciativas da Agência. apta a oferecer à sociedade em todo o território nacional serviços adequados. dos usuários e da sociedade em geral. 9.1575/01) Agência Nacional do Cinema – ANCINE ( MP n.233/01) Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT “ “ Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes – DNIT “ “ AGÊNCIAS REGULADORAS EM ESPÉCIE ANATEL A Agência Nacional de Telecomunicações – ANATEL – é um autarquia especial vinculada.

de recursos provenientes de convênios. 2 .478/97 define as alíquotas e o Decreto n. São atribuições da ANP: ♦A promoção estudos geológicos e geofísicos para identificação de potencial petrolífero. solventes e lubrificantes. As decisões da ANP sobre normas que possam afetar direitos somente são tomadas após a realização de audiências públicas sobre essas normas. Nos casos de campos de grande produção e rentabilidade.705/98 estabelece os critérios para cálculo e cobrança. permissões e autorizações. GLP. pagam também participações especiais. Os recursos da Agência advêm de verbas previstas no Orçamento da União e também dos bônus de assinatura (pagos pelas empresas que têm concessões de áreas). A ANP atua nos segmentos de exploração e produção de petróleo e gás natural (upstream). 2. imposição de restrições. doações e legados. ♦ o cálculo do valor dos royalties e participações especiais (parcela da receita dos campos de grande produção ou rentabilidade) a serem pagos a municípios. gás natural e biodiesel e fiscalizar todas essas atividades. limites ou condições a grupos empresariais para obtenção e transferência de concessões. de forma a garantir a competição e impedir a concentração econômica no mercado e o estabelecimento da estrutura tarifária para cada modalidade de serviços prestados em regime público. ♦ a realização de licitações de áreas para exploração. e na distribuição e revenda (downstream) de combustíveis líquidos. de valores cobrados a título de taxas e multas e da venda de dados geológicos e geofísicos e do valor total do pagamento pela ocupação ou retenção de área. devido pelas concessionárias de campos de óleo ou gás. As empresas que produzem petróleo e gás natural. além dos impostos convencionais. processamento. Também fiscaliza e toma medidas para coibir infrações ou irregularidades na comercialização de combustíveis. A Lei n. gás natural e dos biocombustíveis no Brasil. organiza e mantém o acervo de informações e dados técnicos. ressalvadas as competências legais do CADE. no refino. sendo também responsável pela execução da política nacional para o setor energético derivado desses produtos. Estados e à União. contratação dos concessionários e fiscalização do cumprimento dos contratos. a estados e à União. transporte e armazenamento (midstream). ANP A Agência Nacional de Petróleo – ANP – é o órgão regulador das atividades que integram a indústria do petróleo. 9. É vinculada ao Ministério da Minas e Energia. Os concessionários de blocos terrestres pagam também uma participação aos proprietários da terra.econômica. pagam royalties a municípios. além de autorizar a importação e exportação de petróleo. desenvolvimento e produção de óleo e gás. regula a execução desses trabalhos.

gás natural e dos biocombustíveis e a realização de permanente monitoramento da qualidade desses produtos nos pontos-de-venda. É uma autarquia sob regime especial vinculada ao Ministério da Saúde. incluindo ambientes. Autarquia especial vinculada ao Ministério da Saúde e tem por finalidade a promoção da defesa do interesse público quanto à assistência suplementar de saúde. insumos e tecnologias a ela relacionados. importação e exportação do biodiesel. ANS A Agência Nacional de Saúde Suplementar. estocagem. processos. A ANVISA tem por finalidade institucional a promoção da proteção da saúde da população pelo controle sanitário da produção e comercialização de produtos e serviços submetidos à vigilância sanitária.961. ♦ a autorização e fiscalização das operações das empresas que distribuem e revendem derivados de petróleo. além de contribuir para o desenvolvimento das ações de saúde no território nacional. bem como a interlocução com o Ministério das Relações Exteriores e instituições estrangeiras para tratar de assuntos internacionais na área de vigilância sanitária. ANVISA A Agência Nacional de Vigilância Sanitária foi instituída pela Lei n. admitida uma única recondução. processamento. de 26 de janeiro de 1. 9. aeroportos e fronteiras. de 28 de janeiro de 2000. A Ouvidoria é o meio pelo qual a população se manifesta e a ANVISA responde.782. Corregedoria ou com a Procuradoria. informa e educa. ♦ o estabelecimento das especificações técnicas (características físicoquímicas) dos derivados de petróleo. Também é competência da ANVISA o controle de portos. Conselho Consultivo. Não há vinculação hierárquica com a Diretoria. transporte. O Ouvidor é nomeado pelo Presidente da República para mandato de dois anos.999. foi instituída pela Lei n. 9. inclusive no que se refere às suas relações com prestadores e consumidores. álcool e biodiesel. com sede no Rio de Janeiro. 2 . ♦ o acompanhamento da evolução dos preços dos combustíveis e a comunicação aos órgãos de defesa da concorrência dos indícios de infrações contra a ordem econômica.♦ a autorização e fiscalização das atividades de refino. importação e exportação de petróleo e gás natural. ♦ a autorização e fiscalização das atividades de produção. A gestão da Agência é responsabilidade de uma Diretoria Colegiada composta por cinco membros. por meio da regulação das operadoras setoriais.

objetivando harmonizar os interesses dos agentes do setor. exploração de terminais e vias. transporte internacional de cargas. a ANTAQ objetiva garantir a movimentação de pessoas e bens com eficiência. e também regular. c) dutoviário: cadastramento de dutovias. permissão do transporte coletivo regular de passageiros pelos meios rodoviário e ferroviário não associados à exploração da infra-estrutura. transporte multimodal e terminais. harmonizar os interesses dos usuários com os das empresas concessionárias. Toda essa rede de serviços de saúde atende mais de 37 milhões de consumidores que utilizam planos privados de assistência à saúde para realizar consultas. vinculada ao Ministério dos Transportes. e ainda arbitrar conflitos de interesse e impedir situações que configurem competição imperfeita ou infração contra a ordem econômica. Atua nas seguintes áreas: a) ferroviária: exploração da infra-estrutura ferroviária. médicos. Tem como missão regular e fiscalizar a prestação de serviços de transporte terrestre. conforto. criou a Agência Nacional de Transportes Aquaviários – autarquia sob regime especial. podendo instalar unidades administrativas regionais. de 5 de junho de 2001. prestação do serviço público de transporte rodoviários de passageiros e de cargas. e de entidades delegadas. preservando o interesse público. 2 . A atuação da Agência busca promover o equilíbrio nas relações entre esses segmentos com o fim de construir. d) multimodal: habilitação do Operador de Transportes Multimodal. ANTT A Agência Nacional de Transportes Terrestres foi instituída pela Lei n. pontualidade e modicidade nos fretes e tarifas. e hospitais laboratórios e clínicas.O setor de saúde complementar reúne empresas operadoras de planos de saúde. exames ou internações. prestação do serviço público de transporte ferroviário de cargas e de passageiros. rodovias e transporte ferroviário associado à exploração da infra-estrutura. juntamente com a sociedade. equilibrado e socialmente justo. permissionárias. na sua esfera de atuação. São competências da ANTT: concessão de ferrovias. b) rodoviária: exploração da infra-estrutura rodoviária. autorização de transporte de passageiros por empresa de turismo e sob regime de fretamento. segurança.233.233. autorizadas e arrendatárias. de 5 de junho de 2001. 10. dentre outros profissionais. supervisionar e fiscalizar as atividades de prestação de serviços de transporte aquaviário e de exploração da infra-estrutura portuária e aquaviária exercida por terceiros. um mercado sólido. Nesses casos. com sede e foro no Distrito Federal. A ANTAQ tem por finalidade a implementação de políticas formuladas pelo Ministério dos Transportes e pelo Conselho Nacional de Integração de Políticas de Transporte (CONIT). dentistas. ANTAQ A Lei n. 10. regularidade. com eficiência e imparcialidade.

ANEEL A Agência Nacional de Energia Elétrica é uma autarquia sob regime especial vinculada ao Ministério de Minas e Energia. A implementação. a transmissão. conceder. prevenção e repressão das infrações à ordem econômica no setor de energia elétrica. assegurando quantidade e qualidade para usos múltiplos. São atribuições da ANEEL: regular e fiscalizar a geração. estaduais e sociedade civil. podendo instalar unidades administrativas regionais. 11. regras. a fiscalização do cumprimento da legislação pertinente. instituída pela Lei n. foi criada pela Medida Provisória n.182. conhecida como “Lei das Águas” também é uma das finalidades da ANA. Secretaria de Direito Econômico (SDE) e Secretaria de Acompanhamento Econômico (SEAE). com sede no Rio de Janeiro. objetivando o planejamento racional da água com a participação de governos municipais. estimular a competição entre os operadores e assegurar a universalização dos serviços. além de fixar. exigir investimentos. destacam-se a execução da política nacional de fomento ao cinema. a promoção do combate à pirataria de obras audiovisuais. cabe à ANEEL fornecer suporte técnico ao CADE. que ainda mantém unidades em atividade.219/2001. 9. com sede e foro no Distrito Federal. ANAC A Agência Nacional de Aviação Civil surgiu com o advento da Lei n. Entre suas atribuições. É um órgão de fomento. zelar pela qualidade do serviço.984. é vinculada ao Ministério da Defesa e tem sede e foro em Brasília. regulação e fiscalização das indústrias cinematográfica e videofonográficas e de promoção da auto-sustentabilidade da indústria nacional do setor. na sua esfera de atribuições. buscando uma atuação harmônica e integrada no controle. Compete à ANA a regulação do uso da água dos rios e lagos de domínio da União. a ANEEL firmou convênio com os órgãos que integram o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência. 2. Foi criada para substituir o Departamento de Aviação Civil (DAC). especialmente no Nordeste. de 7 de setembro de 2005. de 17 de julho de 2000. e a poluição dos rios. atendendo reclamações de agentes e consumidores com equilíbrio entre as partes e em benefício da sociedade. 9. de 8 de janeiro de 1997. 2 .433. a distribuição e a comercialização da energia elétrica. na busca de solução para dois graves problemas do país: as secas prolongadas. ANA A Agência Nacional de Águas foi criada pela Lei n. No campo da defesa da concorrência. permitir e autorizar instalações e serviços de energia. Dessa forma. garantir tarifas justas. da Política Nacional de Recursos Hídricos. está vinculada ao Ministério do Meio Ambiente e tem sede e foro em Brasília.ANCINE A Agência Nacional do Cinema. aplicação de multas e sanções na forma da lei. mediar conflitos de interesses entre agentes do setor elétrico e entre estes e os consumidores.

regulação. reprimir e sancionar infrações quanto ao direito dos usuários. segurança interna etc. 4. acordos. 4. compor. a Lei Geral das Agências Reguladoras e a lei de criação da ANAC. O BACEN detém com exclusividade o exercício da emissão de moeda no País. que deverá substituir a Lei n. BACEN O Banco Central do Brasil – BACEN – foi criado pela Lei n. Atuam no setor onde predominam atividades que por sua natureza não podem ser delegadas à instituições não estatais. Um exemplo de tratamento diferenciado é o aumento de 10% para 20% do percentual incidente sobre o limite do convite.595/64 e redefinir as atribuições e estrutura do Banco Central do Brasil. aprovar o plano diretor dos aeroportos. são previamente aprovados pelo Senado Federal em sessão secreta. a lei de Concessões. representar o Brasil em convenções. zelar pelos interesses dos usuários e cumprir a legislação pertinente ao sistema por ela regulado.964. São atribuições e competências da ANAC: outorgar concessões de serviços aéreos e de infra-estrutura aeronáutica e aeroportuária e regular essas concessões. Agências Executivas Agência executiva é a qualificação dada à autarquia.Como agência reguladora independente. de 31 de dezembro de 1. 2 . considerados. Os nomes indicados pelo Presidente da República para ocupar os cargos de presidente e diretores do Banco. ampliar suas atividades na atuação em defesa do consumidor e regular as atividades de administração e exploração de aeródromos exercida pela Infraero.595. mas lhe é vedada a possibilidade de concessão direta ou indireta de empréstimos ao Tesouro Nacional. tratados e atos de transporte aéreo internacional com outros países ou organizações internacionais de aviação civil. fundação pública ou órgão da administração direta que celebre contrato de gestão com o próprio ente político com o qual está vinculado. estabelecer o regime tarifário da exploração da infra-estrutura aeroportuária e contribuir para a preservação do patrimônio histórico e de memória da aviação civil. preservar o equilíbrio econômico-financeiro dos agentes públicos e privados responsáveis pelos diversos segmentos do sistema de aviação civil. fomento. conflitos de interesse entre prestadores de serviços aéreos e de infra-estrutura aeronáutica e aeroportuária (arbitragem administrativa). em especial. o Código Brasileiro de Aeronáutica. como fiscalização. O art. na dispensa de licitação dos contratos celebrados pela Agências Executivas. A qualificação com o Agência Executiva confere um tratamento diferenciado. principalmente em relação à autonomia de gestão. administrativamente. exercício do poder de polícia. 192 da Constituição prevê a elaboração de Lei Complementar do Sistema Financeiro nacional. por meio dos seus atos administrativos a: manter a continuidade da prestação de um serviço público de âmbito nacional. a ANAC visa. O Banco Central é uma espécie de banco dos bancos.

notório saber jurídico e econômico e reputação ilibada. 9. II. para um mandato de dois anos (podendo serem reconduzidos por igual período). O Plenário do CADE é formado por um presidente e seis conselheiros. Tem o papel de julgar sobrer matéria concorrencial os processos encaminhados pela Secretaria de Direito Economico do Ministério da Justiça e pela Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda. • Repressivo: repressão às práticas infrativas à ordem econômica. A CADE foi criado em 1962.Conforme dispõe a Lei n. em decorrência. CADE O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) é uma autarquia federal que tem como objetivo orientar. impor obrigações de fazer. A Lei n. Cabe ao Presidente. apurar e reprimir abusos de poder econômico. ou seja. práticas de vendas casadas.Ter um plano estratégico de reestruturação e de desenvolvimento institucional em andamento. possa estabelecer indicadores e metas de qualidade e de redução de custo. com palestras. • Educativo: papel pedagógico. não-fazer e determinar alienações e alteração nos contratos dos agentes. A desqualificação como Agência Executiva ocorrerá se não atender os requisitos legais da entidade preexistente. de preços predatórios. cujo Procurador-Geral é nomeado consoante os mesmos critério do Presidente e Conselheiros. 8884/94. tais como a formação de cartéis. sabatinados e aprovados pelo Senado. cisão e associação) entre agentes econômicos. Também se manifesta sobre consultas sobre essa mesma matéria. cursos. além do voto ordinário. incorporação. indicados pelo Presidente da República. prevenir. O CADE possui ainda uma Procuradoria.ter celebrado contrato de gestão com o respectivo Ministério supervisor. que dispõe sobre a prevenção e a repressão às infrações contra a ordem econômica. O contrato de gestão tem como finalidade assegurar maior autonomia gerencial que. permanecendo praticamente inativo até 1991 quando foi utilizado pelo Estado como instrumento de repressão ao crime contra a economia popular. órgão da adminsitração direta ou fundação que tenha cumprido os seguintes requisitos: I. Presidente e Conselheiros devem ter mais de 30 anos. de acordos de exclusividade. voto de qualidade. 2 . transformou o Conselho Administrativo de Defesa Econômica em Autarquia. para igual período de mandato. nessa ordem. Cabem ao CADE a execução de três papeis: • Preventivo: análise dos atos de concentração (fusão. que devem ser submetidos ao controle da próprio Poder Executivo. seminários. poderão ser qualificadas pelo Poder Executivo Federal como Agências Executivas autarquia. fiscalizar. A qualificação e a desqualificação como Agência Executiva ocorrem por ato do Presidente da República. Na sua ausência será substituído pelo Conselhiro mais antigo ou mais idoso.649/98. dentre outras.

Características da empresa pública: 2 . no Brasil. ou em regime monopolístico. o Estado o faz por meio de normas. cabe à Petrobrás. sujeita a estatuto jurídico próprio. 174 da Constituição. f) redução da alíquota e redução da base de cálculo – visa incentivar a produção e o consumo de determinado bem ou serviço. c) remissão . No Brasil. b) anistia – promove a exclusão do crédito tributário.são subvenções econômicas que o governo concede a empresas públicas ou privadas. É concedido em casos de débitos de diminuto valor. o Estado permanece fora da atividade econômica. Alcança apenas os fatos futuros em relação à vigência da lei. intervenção direta e indireta – o Estado pode atuar diretamente no domínio econômico. Alcança somente infrações cometidas antes da vigência da lei que a instituiu e excluem os atos qualificados como crimes ou contravenções. nome genérico que compreende no sistema jurídico brasileiro as empresas públicas propriamente ditas e as sociedades de economia mista.é a pessoa jurídica de direito privado. quanto serviço de interesse público. mas edita normas de conteúdo financeiro ou fiscal. sob a forma de empresa pública ou sob a forma de sociedade de economia mista. d) subsídios . Esta forma de atuação do Estado está prevista no art. Somente se justifica quando a iniciativa privada não atende ou atende deficitariamente as necessidades da sociedade. Empresa pública . ou em face da verdadeira situação econômica do contribuinte. É o caso da exploração de petróleo. o Estado estimula determinadas atividades econômicas ou desestimula outras. assume a forma de empresas públicas. Concedendo benefícios fiscais ou impondo cargas tributárias mais pesadas ou mais brandas. incentivar ou planejar. de forma exclusiva. No primeiro caso. e que pode explorar tanto atividade econômico-privada. como medida estimuladora de determinada atividade. iii) iniciativa pública – aqui o Estado cria empresas concorrenciais nas mesmas condições de mercado. cujo monopólio. Na atuação indireta. e) crédito presumido – ressarcimento da carga tributária em favor do contribuinte.dispensa do pagamento do crédito tributário.ii) atuação fiscal e financeira – nesse caso. Os benefícios fiscais são sempre instituídos por lei e podem ser concedidos sob a forma de: a) isenção . negando à iniciativa privada a liberdade de empreender em tais campos. e pode atuar indiretamente. as empresas públicas são comumente chamadas de Estatais. iv) reservas ao setor público – podem ser reservadas ao setor público.perdão total ou parcial do crédito tributário ou renúncia do direito de usar da ação para exigi-lo. Por meio da atuação direta o Estado passa a atuar como empresário. que têm como finalidade fiscalizar. com a finalidade de baratear o preço de determinados produtos ao consumidor. alguns setores da economia. Sob essas duas formas ele pode atuar em regime concorrencial. em que se equipara com as empresas privadas.

a partir da concretização de projetos tidos como necessários e de interesse da coletividade. a coletividade. com a aferição de lucros e.criação mediante lei .personalidade jurídica de direito privado . sendo assim. Os contratos de parcerias público-privadas podem ser estabelecidos nas seguintes modalidades: .pode se revestir de qualquer das formas de personalidade jurídica admitidas em lei. ferrovias. todos os envolvidos no projeto teriam retornos positivos. presídios. . A sociedade anônima pode ser aberta ou fechada. sendo-lhe obrigatório revestir-se da forma de sociedade anônima. A sociedade de economia mista é constituída por lei. com ganhos econômicos. sujeita-se às normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários. Com as PPP.patrocinada . portos. Exemplos de empresa pública: Caixa Econômica Federal. Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.participação ativa do poder público na gestão da sociedade . 2 . Não importa o Estado ser sócio majoritário ou minoritário.tem como finalidade o interesse público .administrativa – contrato de prestação de prestação de serviços de que a Administração Pública seja a usuária direta ou indireta. a Petrobrás e a SABESP. sejam as empresas. energia).constituída por força de contingência ou pela conveniência da Administração Pública . A sociedade de economia mista aberta caracteriza-se por captar recursos junto ao público (com a venda de ações) e. Sociedades de economia mista – pessoa jurídica de direito privado. adicionalmente à tarifa cobrada dos usuários. normalmente se revestindo de sociedade anônima. São exemplos de sociedade de economia mista: o Banco do Brasil. ainda que envolva execução de obra ou fornecimento e instalação de bens (construção e administração de hospitais. de cujo capital social participam o Estado e agentes privados (particulares).criação mediante lei específica. com o serviço que está sendo prestado.participação conjunta do Estado e de particulares no capital social . Já a sociedade de economia mista fechada obtém seus recursos dentre os próprios acionistas ou terceiros subscritores (não há venda de ações na Bolsa de Valores). Parcerias Público-Privadas (PPP) Trata-se da articulação entre o setor público e privado. Características da sociedade de economia mista: ..possui patrimônio próprio e exclusivo do Estado . escolas). sociais e até políticos.concessão de serviços públicos ou de obras públicas quando envolver. contraprestação pecuniária do parceiro privado (rodovias.destina-se à exploração de atividade econômico-privada ou à prestação de serviço de manifesto interesse público . INFRAERO. seja o Estado.

ou que tenham como objeto único o fornecimento de mão-de-obra. Os contratos de PPP não poderão ser celebrados caso o valor do contrato seja inferior a R$ 20 milhões. portanto. Para a contratação de PPP. obedecendo o certame aos procedimentos previstos na legislação vigente. Tem a finalidade de disciplinar a atividade produtiva para promover o desenvolvimento econômico global. já que a avaliação econômica se refere a estimativas futuras. o período de prestação do serviço seja inferior a cinco anos nem superior a 35 anos. Planejamento Econômico É o estabelecimento de objetivos globais a serem alcançados pela economia em períodos previamente fixados. devem-se observar as seguintes diretrizes: eficiência no cumprimento das missões de Estado e no emprego dos recursos da sociedade. jurisdicional. A expressão se aplica principalmente à atividade governamental destinada a dar aos setores econômicos a orientação que julgar adequada aos objetivos que fixou em sua política econômica. estabelecer metas econômicas a serem atingidas. incluindo a adoção do controle de preços e salários e de incentivos a políticas setoriais. repartição objetiva de riscos entre as partes. Não se trata. incluindo eventual prorrogação. é tida como concessão comum. de PPP. respeito aos interesses e direitos dos destinatários dos serviços e dos entes privados incumbidos da sua execução. ou ser mais abrangentes e incluir a orientação ao conjunto global da economia. 11. pode ser simples. transparência dos procedimentos e das decisões. e sustentabilidade financeira e vantagens socioeconômicas dos projetos de parceria. é apenas um instrumento cuja utilização pode resultar negativa ou positiva para esta ou aquela classe social. que exigem a aplicação de mecanismos de ajustes. licitação na modalidade de concorrência.Importante observa que se a concessão de serviços públicos ou de obras públicas não envolver contraprestação pecuniária do parceiro público ao parceiro privado. Para a celebração do contrato de PPP é necessária a constituição de sociedade de propósito específico. do exercício do poder de polícia e de outras atividades exclusivas do Estado. ou para o conjunto da sociedade. 2 . indelegabilidade das funções de regulação. segundo a orientação e a eficiência com que for manejado. O planejamento econômico não é comunista nem capitalista. responsabilidade fiscal na celebração e execução das parcerias. sujeita a erros. incumbida de implantar e gerir o objeto da parceria. conforme dispõe a Lei n. os meios de alcançá-las e os mecanismos de correção que se fizerem necessários. a partir daí. impedir a depressão nos negócios e adotar medidas que amenizem ou anulem seus efeitos. Nas economias capitalistas o primeiro passo consiste em realizar um diagnóstico preciso da situação real do país e. A sociedade de propósito específico poderá revestir-se da forma de companhia aberta. com valores mobiliários admitidos a negociação no mercado. O planejamento econômico pode variar conforme o país.079/2004. Precederá à contratação de PPP. estando vedado à Administração Pública ser titular da maioria do capital votante da sociedade. o fornecimento e instalação de equipamentos ou a execução de obra pública. No regime capitalista o planejamento é indicativo para as empresas privadas e impositivo para o Poder Público.

especialmente nos setores da educação. em alguns casos. garantindo a satisfação do consumidor e participa do desenvolvimento social do meio em que está inserida. o planejamento em nosso País foi estruturado em torno de grandes objetivos econômicos e. depreende-se que a função social é alcançada quando a empresa observa a solidariedade. o Plano de Metas. em quase sua totalidade. Há uma certa imprecisão terminológica no conceito de planejamento. 2 . como o Plano SALTE. valor social do trabalho. Paulo Roberto de Almeida. mas que também cumpre sua missão empresarial (dar lucro aos acionistas). entretanto. passando por alguns planos. Função Social da Empresa Com a promulgação do Novo Código Civil e da Constituição de 1988. além disso. conseguiu atingir algumas das metas propostas. dignidade da pessoa humana. pois cuidam de normas pragmáticas e. Essa idéia da função social da propriedade se estendeu à empresa. não são normas inúteis. formando-se a concepção de que esta empresa não pode mais ser vista apenas como a organização dos fatores de produção.988. formulado para atender as necessidades de estabilização econômica ou de desenvolvimento regional. planos ou projetos. os Planos Nacionais de Desenvolvimento (PND) e. busca do pleno emprego. saúde e demais condições de vida dos estratos mais desfavorecidos da população. mas não obteve êxito em relação à situação social da nação. econômico e ideológico introduzida por estes novos estatutos jurídicos. em razão de toda a alteração do perfil político. Com frequência. que continua a padecer de diversas iniquidades. Assim. em um breve resumo baseado no trabalho intitulado A experiência brasileira em planejamento econômico: uma síntese histórica (versão de 14 de junho de 2004). mas que deve se submeter ao interesse social. cujo caráter subsidiário abastece os demais ramos do Direito. promove a justiça social. observe os valores ambientais. ainda que de forma tímida. redução das desigualdades sociais. com a Constituição de 1. livre iniciativa. somente com objetivo de dar lucro ao empreendedor ou aos acionistas. Com base no art. sendo-lhe atribuída uma função social. os Planos Plurianuais (PPA). destaca-se a obtenção de uma taxa sustentada de crescimento do produto nacional bruto (PNB). gerando limitações e obrigações ao proprietário. sendo utilizado tanto para programas. a função social da empresa assumiu importante status jurídico. A ressalva a ser feita é em relação à norma que não traz uma sanção específica para o caso de descumprimento do princípio da função social da empresa. a harmonização das diferentes metas econômicas e a correção de desequilíbrios regionais. que autorizou sua utilização exclusivamente em sala de aula. do Diplomata e Doutor em Ciências Sociais pela Universidade de Bruxelas e Mestre em Planejamento Econômico pela Universidade de Antuérpia. 2 Esta parte do trabalho se constitui. são cláusulas gerais de aplicação compulsória pelo magistrado perante o caso concreto.Entre os objetivos do planejamento econômico. por volta da década de 1940. bem como sua respectiva relevância para o ordenamento jurídico brasileiro. 170 da Constituição de 1988 artigo e em outras disposições legais/constitucionais. Planejamento Econômico no Brasil2 O planejamento governamental no Brasil tem início. Mas já há algum tempo se desenvolveu a idéia de que a propriedade privada não constitui um direito sagrado e inviolável do qual o titular possa desfrutar e dispor livremente.

uma transição entre tentativas de implantação de um órgão central de planejamento e uma intensa fase de de reorganização administrativa. 4º. portanto. – de 1. as principais dificuldades institucionais e estruturais. continuado depois pelos PND I e II. Roberto Campos relacionou. além de algumas comissões criadas sobretudo durante a Segunda Guerra Mundial.987 – engloba o período militar. II. – de 1. – de 1. III. mais que de planejamento.Declarações de política – simples enunciação de uma estratégia e metas de desenvolvimento.abrangendo o Estado Novo e tendo como órgão central o DASP. o investimento do setor privado e as relações interindustriais.945 . o planejamento no Brasil.956 – esse período representa.956 a 1. estabelecer um quinto período na história do planejamento econômico no Brasil. o Plano Plurianual é a lei que define as prioridades do Governo pelo período de quatro anos. cuja execução vá além de um exercício. 3º. com o Plano de Ação Econômica do Governo (PAEG). de certa forma. marcado pela determinação da Constituição de 1. Pode-se.Programa de desenvolvimento – compreende a definição de metas. após 1. Conforme estabelece a Constituição.963 – caracteriza-se pela criação de órgãos centrais estabelecidos em função de planos. O PPA deve conter as diretrizes. – de 1. 2º.946 a 1. poderá ser iniciado sem que se tenha sido previamente incluído no Plano Plurianual.934 a 1. objetivos e metas da administração pública federal para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para as relativas aos programas de duração continuada. A execução do PPA tem início.Roberto Campos propunha a seguinte terminologia: I. O projeto de lei do PPA deve ser enviado pelo Presidente da República ao Congresso Nacional até o dia 31 de agosto do primeiro ano do seu mandato. Nenhum investimento. ou sem lei que tenha autorizado essa inclusão nesse orçamento.Plano de desenvolvimento – compreende a especificação de um cronograma de implementação.930. a atribuição de prioridades setoriais e regionais e a formulação de incentivos e desincentivos relacionados com essas prioridades. entre o segundo ano de uma administração e o início da administração seguinte. citado por Paulo Roberto de Almeida. IV-Projeto – seria o detalhamento operacional de planos ou programas. Segundo José Truda Palazzo. enfrentadas na elaboração de um planejamento no Brasil: IDeficiências estatísticas relacionadas a dados fundamentais como o emprego de mão-de-obra.964 a 1. somente no segundo ano do mandato e é encerrada no primeiro ano do mandato seguinte. ainda. a designação do agente econômico (público ou privado) e pela alocação dos recursos financeiros e materiais. que representa um esforço inédito de planejamento global.988 em implementar os planos plurianuais3 como forma de abalizar a alocação de gastos públicos no decorrer do prazo de quatro anos. II3 Escassez de planejadores experimentados. pode ser dividido em quatro segmentos: 1º. 3 . no início dos anos 1970.

Diversificação ainda insuficiente da pauta exportadora. ainda que de grande alcance para e época. esse plano. 2002. São Paulo: Atlas. do que um instrumento abrangente de planejamento 4 Elasticidade-renda é a medida de quanto a quantidade demandada de um bem varia em relação às variações na renda dos consumidores. característica indissociável da democracia contemporânea. mas excessivamente diversificadas para séries relativas ao custo de vida e ao desemprego. como a criação do DASP (Departamento Administrativo do Serviço Público). Importante desenvolvimento dos três setores básicos da economia. tratava-se mais de uma organização dos gastos públicos. fazendo-se necessária a negociação com o Poder Legislativo. além de gastador incontrolável. o planejamento governamental no Brasil somente teve alguma relevância com a formulação do Plano SALTE (Saúde. Economia: micro e macro. 3ª Ed. regulador excessivo da atividade empresarial privada. já no governo Gaspar Dutra. Transporte e Energia). n o qual o planejamento é difícil pela proliferação de pequenas unidades decisórias e pelos fatores climáticos. com concentração em produtos de baixo dinamismo e pequena elasticidade-renda4. Alimentos. Experiências brasileiras de planejamento governamental A despeito de algumas ações durante o regime Vargas. IIIII- Provimento relativamente satisfatório de planejadores governamentais. IV- A diferença mais notória.III- Importância do setor agrícola na economia. 3 . Marco Antonio Sandoval de. entre as condições atuais de elaboração ou execução de qualquer exercício de planejamento econômico governamental em relação ao planejamento da era militar são os meios operacionais ( e legais) à disposição do Estado. modesto em suas pretensões. sujeitos a agudas flutuações. seguido de deteriorização parcial da infraestrutura e da crise fiscal do Estado. assim como a própria sociedade civil. Atualmente já não se dispõe do instituto do Decreto-Lei. no entanto. conforme VASCONCELLOS. Importância do setor externo (exportações e ingressos de capitais). IV- As dificuldades enunciadas por Roberto Campos comparadas com a época atual revelariam as seguintes características: IAbundância de estatísticas para dados fundamentais da economia e da área social. a despeito de alguns produtos de alta tecnologia (aviões). mesmo assim.

transportes. contudo. quando atingiu 65. como resultado d busca de uma soluço ao problema da escassez de petróleo e em consequência do estabelecimento do monopólio da União nessa área. consequência da emissão de moeda destinada a cobrir os investimentos do Governo e a falta de uma contrapartida fiscal para sustentação financeira do Plano. Em 1. o governo lançou em 1. mas. Compreendia um conjunto de 30 metas. A educação recebeu alguma atenção nesse Plano. que sustentou a tolerância inflacionária que o País passou a viver desde então. o surgimento de um surto inflacionário se constituiu numa das suas menos desejadas heranças. que atuou basicamente no nível da política econômica e seus instrumentos básicos. mas em percentuais bem aquém àqueles que ele próprio tinha estabelecido como limites anuais: 25% em 1. instituiu importantes mudanças. Instituiu também a correção monetária. não deixou de alcançar um nível razoável de estabilização econômica e preparou o País. O amplo programa de reformas institucionais. O Governo JK tentou conter a inflação com o Programa de Estabilização Monetária.967) instituiu o PAEG – Plano de Ação Econômica do Governo. em termos de planejamento.966. cujo governo foi de 1.7% em 1. indústrias de base e educação. com reformas nas áreas gerencial e orçamentária. cujo objetivo era realizar estudos para o desenvolvimento de planos para governos futuros.965 e 10% em 1. substituindo os velhos impostos sobre a produção e consumo – como o Selo e Vendas e Consignações – pelo IPI e pelo ICM. por falta de um esquema adequado de financiamento. alimentação. que previa a expansão da rede ferroviária para a interiorização do processo de desenvolvimento. em parte devido à relativa carência de financiamento externo. O regime militar instaurado em abril de 1. disseminação de novas técnicas de produção e a formação de cooperativas agrícolas.estratégico do governo.964 o Estatuto da Terra. para o crescimento no período subsequente. Também não conseguiu realizar altas metas de crescimento. No âmbito das reformas de base. Também nessa época foi fundado o BNDES.965 e 41. não se caracterizava um planejamento global. A construção de Brasília não fazia parte da concepção original do Plano. que tentou reduzir as despesas públicas e aumentar as receitas.964 começou a atuar em clima de estagnação econômica e aceleração inflacionária. que se constituiu num grande avanço em relação à uma coordenação racional da ação do Estado no fomento a setores da economia. Juscelino Kubitschek.966.960 lançou o “Programa de Metas”. o que mais recebeu incentivos foi o automobilístico. Foi criada a SUDENE . Entre os setores industriais. que acabou por provocar um pesado suro inflacionário.953 ocorreu a criação da Petrobrás. mas não obteve sucesso. órgão fundamental para a consecução de financiamentos de novos projetos. 3 . como a política monetária. tendo Celso Furtado assumido sua direção. tanto. organizado nos seguintes setores: energia. mas também atacou as causas estruturais da inflação.964-l. mostra-se digna de registro apenas a criação da Associação Nacional de Programação Econômica e Social (ANPES). No Governo João Goulart. sobretudo em relação à formação de pessoal técnico destinado a operar as indústrias de base e outros setores de infraestrutura. cuja ênfase recaía no desenvolvimento da infraestrutura da indústria de base. Não foi implementado integralmente em função de dificuldades financeiras. O Plano. prevendo a desapropriação e o acesso à propriedade improdutiva. O governo do marechal Castelo Branco (1. A despeito do sucesso alcançado pelo Plano.956 a 1. O PAEG conseguiu reduzira inflação.3% em 1. no campo tributário.

974-1. telecomunicações).6 Nessa época vivia-se um momento de crise do petróleo e o Brasil impostava mais de 2/3 do combustível consumido. fertilizantes e defensivos agrícolas. O I PND (1. para o período 1. O PED complementava-se com diversos planos setoriais e regionais como o Programa de Integração Nacional (voltado para a Amazônia e o Nordeste). II) educação saúde e saneamento. Plano Nacional de Desenvolvimento I e II Em outubro de 1.977 um PIB superior a 100 bilhões de dólares.972-1.976. com destaque para a indústria nuclear. substituição dos derivados de petróleo por energia elétrica e pelo álcool. desaceleração da inflação. minérios.008 o PIB per capita do Brasil foi de US$ 10. IV) fortalecimento do poder de competição da indústria nacional.974-1.008 foi de R$ 2. O Decreto-Lei n. direcionou ações voltadas à área da energia.Ainda em 1.970 – 1. que acompanhava as medidas propostas no plano do governo e logo depois se converteu no IPEA. Cabe uma breve referência ao Plano Decenal e ao PED (Plano Estratégico de Desenvolvimento).979).ferrosos. bens de capital (incentivos fiscais e creditícios.967 – 1. ampliação da capacidade elétrica. O Plano Decenal que seria posto em prática no governo Costa e Silva (1.968 – 1. infraestrutura e energia (ampliação da produção de petróleo.000. elevação do investimento e expansão das exportações. reservas de mercado (lei de informática) e política de preços). traçou o perfil do Brasil como grande potência emergente e fixava a renda per capita acima de mil dólares em 1. expansão das ferrovias e a utilização do carvão). A primeira grande crise do petróleo. como a ponte Rio-Niteroi.100 . operou grande reforma gerencial nos modos de gestão do setor público.969) constituía-se num roteiro de desenvolvimento para o período 1. o Proterra (reforma agrária). 3 . Prodoeste (incentivos para o centro-oeste). III) desenvolvimento científico e tecnológico. O II PND (1.974) esteve mais voltado para os grandes projetos de integração nacional (transportes. foi criado o Escritório de Pesquisa Econômica Aplicada.970 o Ministério do Planejamento divulgou o chamado Programa de Metas e Bases para Ação do Governo para o período 1.970. 5 6 Em 2. 200. o Prorural (benefícios da previdência social aos trabalhadores do campo e PIS – Programa de Integração Social. petroquímica.9795 (o dobro da média dos primeiros anos da década anterior) e previa para 1. no plano econômico. já no governo Geisel. Previa.964.967 – 1. aumento do emprego.967.973. O PIB do Brasil em 2. pesquisa de petróleo. No âmbito do I PND foram elaboradas ou empreendidas as obras para grandes projetos na área de infraestrutura. de 1. O II PND contemplava grandes investimentos nas áreas de insumos básicos (metais não. as hidrelétricas de Três Marias e Itaipu e a construção da primeira central nuclear em Angra dos Reis.970. assegurar uma taxa de crescimento de até 10%.00. foi dedicado ao investimento em indústrias de base. cujo objetivo básico era o ingresso do Brasil no mundo desenvolvido até o final do século. Embora não chegando a ser posto em execução. enquanto que o II PND (1.889.979). programa do álcool e construção de Itaipu. no início dos anos 1. serviu de base para a elaboração do Programa Estratégico de Desenvolvimento (PED). a Rodovia Transamazônica.000. energia nuclear. definindo 4 áreas prioritárias: I) agricultura e abastecimento. correspondendo a 48% da energia consumida. papel e celulose).

990). A inflação cai a 3% ao mês. ficando os anos 1.990.992. mas em seis meses retorna ao patamar mensal de 20%. acionada cada vez que a inflação superasse 20%.994 o Brasil conheceu seis planos de estabilização com grande surto inflacionário após cada um deles: I) Plano Cruzado – entrou em vigor em fevereiro de l.986.998 e de 1. o Brasil foi atingido por crises econômicas internacionais. convertendo-o em cruzado novo.985 a 1. devido à concorrência do exterior.993.002). No governo Fernando Henrique Cardoso (1.988 instituiu o Plano Plurianual (PPA) como principal instrumento de planejamento de médio prazo no sistema governamental brasileiro e deveria estabelecer de forma regionalizada. assume seu vice. estabelecendo limites para a folha de pagamento de pessoal. Trouxe. bem como aos investimentos e despesas extraordinárias. VI) Plano Collor II (fevereiro de 1. III) Plano Bresser (junho de 1. atingindo um patamar de 40% ao mês. II) Plano Cruzado II (outubro de 1. A Constituição de 1. IV) Plano Verão (janeiro de 1. com congelamento de preços. Implementou o choque mais brutal já conhecido na história econômica do Brasil: confisco de todas as aplicações financeiras e um limite de saques das contas à vista.1. estabilidade econômica e condições para retomada do planejamento governamental.750% ao ano.979 acarretou a redução do alto desempenho econômico observado até então e a crise da dívida externa mergulhou o País numa longa fase de baixo crescimento e inflação elevada. tarifa e câmbio e pela troca da moeda. a inflação permanece elevada até a primeira metade dos anos 1.987) – novo choque cambial e tarifário.980 conhecidos como a “década perdida.990. Em 2. no governo Sarney (1.” De 1. obrigando o País a recorrer ao FMI para financiar um plano de sustentação da economia. com o cruzado substituindo o cruzeiro.980 foi desarticulado e a economia brasileira atravessou um longo período de estagnação.989) – mais um congelamento de salários e tarifas. Contudo. o que foi frequente.A segunda crise do petróleo em 1. objetivos e metas da administração pública federal para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para as relativas aos programas de duração continuada.995-1. as diretrizes. como o deficit público em vez de se tentar simplesmente minimizar seus efeitos. criou um gatilho salarial. Pela primeira vez atacou-se as causas da inflação. V) Plano Collor – em 15.000 a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal deu nova ênfase ao sistema de controle das despesas públicas. finalmente. em parte favorecida por um programa de reforma tarifária que reduziu os preços nas importações. Itamar Franco. até a introdução do Plano Real em 1. para as despesas correntes.994. A abertura da economia brasileira permite abaixar os preços dos produtos industriais.985-1. salários e alugueis. corte de três zeros do cruzado. Com o impeachment de Collor em setembro de 1. Plano Real – implementado progressivamente a partir de dezembro de 1.03. O III PND que entraria em vigor em 1. 3 . toma posse Fernando Collor de Mello com uma inflação de 2.991) – novo tabelamento e congelamento de preços. Caracterizou-se pelo congelamento de preços.986) – aumentou as tarifas e os preços em geral.999-2.

4. . 32. .697. que tratava do gerenciamento de grandes empreendimentos estratégicos.00. entretanto.Decreto-Lei n. CR$ 2.984 aboliu os centavos.Decreto-Lei n. . 1.214. de 5 de outubro de 1.Decreto n. A crise que assolou os Estados Unidos. de 31 de janeiro de 1. sobretudo em relação ao comércio exterior. Reformas no Sistema Monetário Brasileiro .010). que entrou em vigor a partir de 13 de fevereiro de 1. Cr$ 1. 168.986. transformou o Cruzado Novo em Cruzeiro. Europa e Ásia. despontando o País como potência econômica em vias de concretização.00 = NCz$ 1. 336.75 = Cr$ 1. que após um período de dificuldades. de 15 de janeiro de 1.283.967.993. de 15 de agosto de 1.00 = Cr$ 1. . 2.989. restituindo os centavos. principalmente com a descoberta de extensas reservas petrolíferas na chamada camada do pré-sal.989. de 28 de julho de 1. .003-2. transformou o Cruzeiro Real em Real. NCz$ 1. Cr$ 1. de 27 de fevereiro de 1.000 = Cz$ 1. 8.730.00.00.000. retornando os centavos.942 transformou Réis em Cruzeiro. de 15 de março de 1. .00 = R$ 1. de 30 de junho de 1. .791. Nos governos Lula da Silva (2. Cz$ 1. Cr$ 1. 452. transformou Cruzeiro em Cruzado. em 2.511.993.MP n.006 e 2.000 = NCr$ 1. de 1 de dezembro de 1.750.000. transformou Cruzeiro em Cruzeiro Real.990. cuja produção. convertida na Lei n.MP n. NCr$ 1.Lei n.MP n.Foi lançado o programa “Avança Brasil”. . Cr$ 1.00 = CR$ 1.964 aboliu os centavos.007-2.990. convertida na Lei n. transformou o Cruzado em Cruzado Novo.00. de 27 de agosto de 1.Lei n. de 12 de abril de 1.965. retomou o crescimento estimulado pelas medidas adotadas em meio à crise. transformou Cruzeiro em Cruzeiro Novo. convertida na Lei n. 7. 4. 1$000 (mil réis) = Cr$ 1.009 não causou impacto de grandes proporções no Brasil. 3 . passando novamente à denominação de cruzeiro.994. em fins de 2.00.024. de 13 de novembro de 1. 8. não ocorreram situações que pudessem abalar a estrutura econômica brasileira. mantendo-se mesma denominação.010 ainda não se iniciou.00.00.00 = Cr$ 1. 7.MP n.

3 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful