Esquemas de ligações básicas L1, L2, L3 – Condutores Fases N – Condutor Neutro PE – Condutor de proteção ( terra ) DR1 – Dispositivo DR – bipolar DR2 – Dispositivo

DR – tetrapolar R – Carga

Esquemas de aterramento padronizado (norma ABNT NBR 5410 .2.2) Seguem os esquemas de ligações mais utilizados Esquema TN-S As funções do condutor Neutro (N) e do condutor de Proteção (PE) são distintos na rede.item 4. possibilita a verificação do correto funcionamento e instalação do dispositivo DR. No exemplo foi interligado o terminal de conexão 3 ao terminal de conexão N para permitir a operação do botão de teste.2) O botão de teste T. pois é a garantia de funcionamento do Dispositivo DR). gerando uma corrente de fuga interna entre dois terminais de conexão (acionar semestralmente. verifique o diagrama no frontal do dispositivo DR para proporcionar a correta energização dos terminais utilizados por este teste.2. . Portanto. em redes bifásica ou trifásica (L1+L2+N ou L1+L2+L3 sem N).

Esquema TT .Esquema TN-C-S Em parte do sistema as funções do condutor Neutro (N) e do condutor de Proteção (PE) são combinadas em um único condutor (PEN).

b) Para sistemas IT. estando as massas da instalação ligadas a eletrodo(s) de aterramento eletricamente distinto(s) do eletrodo de aterramento da alimentação. Como montar os quadros de distribuição Abaixo segue um exemplo de montagem dos Dispositivos DR nos quadros de distribuição padrão IEC. Notas: a) Em sistemas TN-C o dispositivo DR somente poderá ser instalado se o circuito protegido for transformado em TN-S. .O esquema TT possui um ponto da alimentação diretamente aterrado. caracterizando-se um sistema TN-C-S. consultar ABNT NBR 5410.

Circuitos de saídas protegidos por disjuntores Dispositivo de proteção contra surtos .Barramento para condutores neutro (N) 6 .terra (PE) 5 .Cabos de interligações internas do quadro O exemplo de montagem acima é para uma rede bifásica (2F + N + PE).Terminal para derivação 8 .Circuitos de saída dos cabos terra 11 . instalados entre fase (F) e terra (PE) 3A/3B .Cabos de entrada 13 . b) Para uma rede monofásica (1F + N + PE).Dispositivo de proteção contra surtos . não é necessário aplicação desse módulo.DPS para a fase adicional e barramento trifásico isolado.1 .Isolador terminal (reserva) 10 . para outras possibilidades de redes considerar as seguintes alterações: a) Para uma rede trifásica (3F + N + PE). realizando a entrada diretamente pelo Dispositivo DR. 4 .DPS. foi possível realizar os exemplos de montagem sem a utilização de um disjuntor geral no quadro de distribuição.Dispositivo DR tetrapolar de 30 mA 2 . Utilizar mais um dispositivo de proteção contra surtos . Nos casos onde não houver uma proteção prévia coordenada é recomendável .Barramento para condutores de proteção . o Dispositivo DR será bipolar e desconsiderar um dispositivo de proteção contra surtos . por esta premissa.DPS da fase (F2) e o barramento isolado será monofásico. c) Todos os exemplos acima descritos consideram que junto ao medidor existe uma proteção realizada por meio de disjuntor IEC ou fusível Siemens. o Dispositivo DR permanecerá tetrapolar fazendo a ligação da fase (F3).DPS.Trilho de fixação rápida 9 .Barramento bifásico isolado para alimentação dos circuitos 7 . Nos casos onde a separação do condutor neutro (N) e terra (PE) ocorre dentro do Quadro de Distribuição. instalados entre neutro (N) e terra (PE).Circuitos de saída dos cabos neutro 12 .

a utilização de um disjuntor geral no Quadro de Distribuição. .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful