MEMBROS SUPERIORES -- POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO

-

As radiografias dos Membros Superiores são geralmente realizadas com o paciente sentado ou em ortostática. Em casos de pacientes traumatizados ou que apresente dificuldades ou limitações em permanecer estático devemos usar uma posição de Decúbito Dorsal com a intenção de realizar o melhor exame, sem borramentos ou distorções. Qualquer que seja a posição escolhida é de obrigação do técnico manter a qualidade radiográfica observando sempre os seguintes dados técnicos. Usar mesa convencional ou telecomandada. Solicitar ao paciente que retire qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame. Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima, oferecendo-lhe um avental da unidade. Usar acessórios de proteção sempre que possível (Avental, saiote de chumbo, protetor de tireóide). D.F.F: 100 cm. Filme Fatores de exposição R.C., Posição do Paciente Posição da Parte examinada Limitadores de campo ( Cilindros, cones e colimadores)

DEDOS DA MÃO FRENTE Usar mesa convencional ou telecomandada. Solicitar ao paciente que retire qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame. Usar acessórios de proteção sempre que possível (Avental, saiote de chumbo, protetor de tireóide). D.F.F: 100 cm. Filme: 18x24 ÷ transversalmente sobre a mesa. Fatores de exposições: (média de 40 a 45kvp, e 100mA). R.C., ⊥ orientado para articulação interfalangeana proximal. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa, cotovelo fletido à 90º, mão em pronação, centrar o dedo de interesse sobre a metade do chassi. Dedo Radiográfico: Falanges, e parte média dos metacarpos. Comentários: Posição válida para o 2º ao 5º dedo. Dicas: Os dedos deverão estar estendidos ao máximo a fim de que possamos estudar com clareza as articulações.

DEDOS DA MÃO OBLÍQUA Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa, cotovelo fletido à 90º, mão em pronação apoiada sobre uma cunha de material radiotransparente à 45º, centrar o dedo de interesse sobre a metade do chassi. Dedo Radiográfico: Falanges, e parte média dos metacarpos. Comentários: Posição válida para o 2º ao 5º dedos. Dicas: Os dedos deverão estar estendidos a fim de que possamos estudar com clareza as articulações.

DEDOS DA MÃO PERFIL Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa, cotovelo fletido à 90º. centrar o dedo de interesse sobre a metade do chassi. Radiografias: 5º dedo, fletir os outros dedos, deixando apenas o 5º estendido. 4º dedo, fletir o 1º, 2º e 3º dedos, deixando o 4º e 5º estendidos. 3º fletir os outros dedos, deixando apenas o 3º estendido. 2ºfletir os outros dedos, deixando apenas o 2º estendido. Dedo Radiográfico: Falanges. Comentários: Posição válida para o 2º ao 5º dedos. Dicas: 1º os dedos deverão estar estendidos a fim de que possamos estudar com clareza as articulações. 2º usar cubo de isopor sob o 2º e 3º dedo. 3º o segundo dedo poderá ser radiografado com rotação lateromedial do braço, deixando assim o dedo em contato com o chassi. deixando apenas o 3º estendido.

⊥ orientado para articulação metacarpo falangeana. metacarpo e trapézio. . Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa. e parte média dos metacarpos.POLEGAR FRENTE R. Dedo Radiográfico: Falange distal. polegar em repouso centrado sobre a metade do chassi. 2º quando em AP. deixando assim o polegar em contato com o chassi. ⊥ orientado para articulação metacarpo falangeana.C. proximal. POLEGAR OBLÍQUA R. fazer extensão e rotação lateromedial do braço. Dicas: Os dedos deverão estar estendidos ao máximo a fim de que possamos estudar com clareza as articulações. Comentários: 1º este exame poderá ser realizada em AP ou PA. cotovelo fletido à 90º.C. mão em pronação.. partindo da pronação fazer rotação médio lateral até que o antebraço esteja em perfil verdadeiro. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa. polegar centrado na metade do chassi. cotovelo fletido à 90º. Dedo Radiográfico: Falanges. Dicas: Os dedos deverão estar estendidos ao máximo a fim de que possamos estudar com clareza as articulações..

• Posição do Paciente: Sentado junto à extremidades da mesa. ⊥ orientado para articulação metacarpo falangeana.C. metacarpos e falanges.POLEGAR PERFIL R. cotovelo fletido à 90º. trapézio.. MÃO FRENTE Filme: 24x30 ÷ transversalmente sobre a mesa. Dicas: Fletir os outros dedos colabora no posicionamento. 100 mA. cotovelo fletido à 90º. Mão Radiográfica: Ossos do carpo.C. sobre a metade do chassi. Fatores de exposições: (média de 43 a 45kvp . . mão em pronação. Dedo Radiográfico: Falanges. Dicas: Os dedos deverão estar estendidos ao máximo a fim de que possamos estudar com clareza as articulações.) R. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidades da mesa.. partindo da pronação fazer rotação latero-medial até que o polegar esteja em perfil verdadeiro e centrado sobre a metade do chassi. Comentários: 1º Este exame poderá ser realizada em AP ou PA. ⊥ orientado para articulação metacarpofalangeana do 3º dedo. metacarpo.

metacarpos e carpo sobrepostos. cotovelo fletido à 90º.C. Dicas: Os dedos deverão estar estendidos ao máximo. metacarpos e falang Dicas: Os dedos deverão estar estendidos ao máximo a fim de que possamos estudar com clareza as articulações. ⊥ orientado para articulação metacarpo falangeana do 2º dedo. Mão Radiográfica: Ossos do carpo. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidades da mesa.. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidades da mesa. ⊥ orientado para articulação interfalangeana proximal. mão em pronação apoiada sobre uma cunha de material radiotransparente à 45º sobre a metade do chassi. cotovelo fletido à 90º. .C. Manter o polegar estendido e afastado dos outros dedos. partindo da pronação fazer rotação médiolateral até que o antebraço e mão estejam em perfil verdadeiro sobre a metade do chassi. MÃO PERFIL R.MÃO OBLÍQUA R.. Mão Radiográfica: Falanges.

Idade óssea Radiográfica: Falanges.MÃOS E PUNHOS PARA IDADE ÓSSEA R. eqüidistante as mãos.. 100 mA. Dicas: Os dedos deverão estar estendidos ao máximo a fim de que possamos estudar com clareza as articulações. ⊥ orientado para as articulações metacarpo falangeana. Comentários: 1º este exame poderá ser realizada em AP ou PA. parte distal de rádio e ulna e parte média dos metacarpos. Filme: 18x24 / 24x30 transversalmente sobre a mesa.C. mão em pronação.Dicas: Fletir os dedos é um detalhe do posicionamento que trás benefício no estudo articular.) R. mãos em pronação sobre o chassi. . quando unilateral realizar sempre mão esquerda.C. Fatores de exposições: (média de 43 a 45kvp . Poderá ser realizada incidência comparativa ou unilateral. PUNHO FRENTE Filme: 18x24 ÷ transversalmente sobre a mesa. até parte distal do rádio e ulna. Fatores de exposições: (média de 43 a 45kvp . articulação do punho sobre a metade do chassi. cotovelo fletido à 90º. Punho Radiográfico: Ossos do carpo. ⊥ orientado para articulação do punho Posição do Paciente: Sentado junto à extremidades da mesa..) Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa. 100 mA.

partindo da pronação fazer rotação médiolateral até que o antebraço e o punho estejam em perfil verdadeiro. PUNHO PERFIL EM FLEXÃO MÁXIMA R. cotovelo fletido à 90º.C.. Comentários: O perfil deverá ser absoluto. Punho Radiográfico: Ossos do carpo. Fatores de exposições: (média de 45 a 50kvp. partindo da pronação fazer rotação mediolateral até que o antebraço e o punho estejam em perfil verdadeiro sobre a metade do chassi. . parte distal de rádio e ulna e parte média dos metacarpos sobrepostos. cotovelo fletido à 90º. Dicas: Os dedos deverão estar estendidos. ⊥ orientado para articulação do punho.. Manter o polegar estendido e paralelo aos outros dedos. R. Dicas: Os dedos deverão estar estendidos. Comentários: O perfil deverá ser absoluto. Punho Radiográfico: Ossos do carpo. parte distal de rádio e ulna e parte média dos metacarpos sobrepostos. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa. 100 mA). ⊥ orientado para articulação do punho.PUNHO PERFIL Filme: : 18x24 ÷ transversalmente sobre a mesa. fazer flexão e centrar sobre a metade do chassi.C. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa.

PUNHO (FRENTE DESVIO ULNAR) Fatores de exposições: (média de 43 a 45kvp . cotovelo fletido à 90º. parte distal de rádio e ulna e parte média dos metacarpos sobrepostos. cotovelo fletido à 90º. mão em pronação e desvio ulnar sobre a metade do chassi.) R.. Punho Radiográfico: Ossos do carpo. Dicas: Fletir os dedos é um detalhe do posicionamento que trás benefício no estudo articular. fazer extensão do punho e centrar sobre a metade do chassi. Comentários: O perfil deverá ser absoluto.Manter o polegar estendido e paralelo ao outros dedos.C.. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa. Dicas: Os dedos deverão estar estendidos. 100 mA. parte distal de rádio e ulna e parte média dos metacarpos.C. partindo da pronação fazer rotação médiolateral até que o antebraço e o punho estejam em perfil verdadeiro. ⊥ orientado para articulação do punho. . Punho Radiográfico: Ossos do carpo. ⊥ orientado para articulação do punho.PUNHO PERFIL EM EXTENSÃO MÁXIMA R. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidades da mesa. Manter o polegar estendido e paralelo ao outros dedos.

C.. Fatores de exposições: (média de 43 a 45kvp . Comentários: Manter o dedo polegar alinhado com o rádio. cotovelo fletido à 90º..PUNHO FRENTE DESVIO RADIAL Fatores de exposições: (média de 43 a 45kvp .C. mão em pronação e desvio radial sobre a metade do chassi. ⊥ orientado para articulação do punho. Dicas: Fletir os dedos é um detalhe do posicionamento que trás benefício no estudo articular.) R. 100 mA. cotovelo fletido à 90º. Dicas: Fletir os dedos é um detalhe do posicionamento que trás benefício no estudo articular. . Utilizar cilindro ou colimação adequada. mão em pronação e desvio ulnar sobre uma parte do chassi. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidades da mesa. 100 mA. ⊥ orientado para o osso escafóide. parte distal de rádio e ulna e parte média dos metacarpos. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidades da mesa. Punho Radiográfico: Ossos do carpo.) R. ROTINA PARA ESCAFÓIDE PUNHO PARA ESCAFÓIDE FRENTE Filme: 18x24 ÷ quatro partes iguais. Punho Radiográfico: Osso escafóide.

Comentários: O perfil deverá ser absoluto. Manter o polegar estendido e paralelo ao outros dedos. centrar o osso escafóide sobre uma parte do chassi. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa. cotovelo fletido à 90º. e 100mA). Utilizar cilindro ou colimação adequada. ⊥ orientado para o osso escafóide. cotovelo fletido à 90º. PUNHO PARA ESCAFÓIDE PERFIL Fatores de exposições: (média de 45 a 50kvp. Dicas: Os dedos deverão estar estendidos. Punho Radiográfico: Osso escafóide..C. Punho Radiográfico: Osso escafóide. 100 mA). partindo da pronação fazer rotação médiolateral até que o antebraço e o punho estejam em perfil verdadeiro sobre uma parte do chassi. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa.C. 2º Rotação lateromedial a 45º.. mão em pronação e rotação . Dicas: Fletir os outros dedos colabora no posicionamento. ⊥ orientado para o osso escafóide. 1º Rotação mediolateral a 45º. R.PUNHO PARA ESCAFÓIDE OBLÍQUA Fatores de exposições: (média de 43 a 45kvp. Utilizar cilindro ou colimação adequada. R. .

) R.F: 100 cm. Punho Radiográfico: Osso escafóide.C.F.. Filme: 18x24 ÷ quatro partes iguais. saiote de chumbo.). Dicas: Todo o membro superior do paciente deverá estar apoiado em elevação. Comentários: Manter o dedo polegar alinhado com o rádio. 100 mA. D. mão em pronação e desvio ulnar sobre uma parte do chassi. Usar acessórios de proteção sempre que possível (Avental. protetor de tireóide etc. Solicitar ao paciente que retire qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame. Fatores de exposições: (média de 43 a 45kvp . . ⊥ orientado para o osso escafóide.PUNHO PARA ESCAFÓIDE FRENTE COM MAGNIFICAÇÃO Usar mesa convencional ou telecomandada. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidades da mesa. cotovelo fletido à 90º. Utilizar cilindro ou colimação adequada. sendo que nesse caso o paciente deverá apoiar a mão sobre um material radiotransparente elevando o punho em ± 25cm.

). R. em seguida fazer a dorsiflexão. 100 mA. com um ângulo de 20 à 30º caudal orientado para um ponto acima da articulação do punho. com o cotovelo estendido em pronação. Fatores de exposições: (média de 45 à 50kvp.).C. Utilizar cilindro ou colimação adequada. Posição do Paciente: Sentado ou em ortostático junto à extremidade da mesa. Utilizar cilindro ou colimação adequada. de costas para o tubo. R. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidades da mesa. apoiar a mão sobre a metade do chassi.. 100 mA. TÚNEL DO CARPO SÚPERO INFERIOR Fatores de exposições: (média de 45 à 50 kvp. . Dicas: o paciente deve ajudar com a outra mão no movimento de dorsiflexão.. Punho Radiográfico: Túnel do carpo.C. com um ângulo de 20 à 30º cranial orientado para o centro da palma da mão. fazer dorsiflexão máxima.TÚNEL DO CARPO ÍNFERO SUPERIOR Filme: 18x24 ÷ transversalmente. Dicas: Esta incidência é mais bem indicada. Punho Radiográfico: Túnel do carpo. Todo o membro deverá estar apoiado sobre a mesa. apoiar o punho sobre a metade do chassi.

cotovelo fletido à 90º.ANTEBRAÇO FRENTE AP Filme:24x30 ou 30x40 ÷ longitudinalmente sobre a mesa. . Antebraço Radiográfico: Rádio .ulna inteiros. Fatores de exposições: (média de 45 à 50kvp. Dicas: Fletir os dedos é um detalhe do posicionamento que trás benefício no estudo articular.. R.. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidades da mesa. ⊥ orientado para a diáfise do antebraço. centralizar o antebraço sobre a metade do chassi.C. 100 mA. Antebraço Radiográfico: Rádio . ANTEBRAÇO FRENTE PA Filme: 24x30 ou 30x40 ÷ longitudinalmente sobre a mesa.) R. centrar o antebraço sobre a metade do chassi. mão em pronação. ⊥ orientado para a diáfise do antebraço. Comentários: Incidência alternativa.ulna inteiros Dicas: Fletir os dedos é um detalhe do posicionamento que trás benefício no estudo articular.C. cotovelo estendido em supinação. Fatores de exposições: (média de 45 à 50kvp e 100mA).

Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa. 100 mA. COTOVELO FRENTE Filme: 24x30 ÷transversalmente sobre a mesa. ⊥ orientado para a diáfise do antebraço.ANTEBRAÇO PERFIL Filme: 24x30 ou 30x40 ÷ longitudinalmente sobre a mesa. partindo da pronação fazer rotação médiolateral até que o antebraço e o punho estejam em perfil verdadeiro. centralizar o cotovelo sobre a metade do chassi. rádio e ulna proximal Dicas: Para melhor incidência rodar o antebraço até que o paciente toque o polegar na mesaz . Fatores de exposições: (média de 45 à 50kvp e 100mA). Fatores de exposições: (média 50kvp.C. R. Comentários: O perfil deverá ser absoluto. cotovelo estendido em supinação.ulna inteiros. Cotovelo Radiográfico: Úmero distal. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa. ⊥ orientado para articulação do cotovelo. cotovelo fletido à 90º.C. R. centrar o antebraço sobre a metade do chassi...). Dicas: Os dedos deverão estar estendidos. Antebraço Radiográfico: Rádio .

R. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa. Comentários: O perfil deverá ser absoluto.C..centrar o cotovelo sobre a metade do chassi. centrar o cotovelo sobre a metade do chassi. ⊥ orientado para a dobra do cotovelo. partindo da pronação fazer rotação médiolateral até que o antebraço e o punho estejam em perfil verdadeiro. cotovelo fletido à 90º. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa. . ⊥ orientado para a articulação do cotovelo. mão em supinação. Cotovelo Radiográfico: Úmero distal rádio e ulna proximal. R. TÚNEL DO COTOVELO Fatores de exposições: (média 50kv e 100 mA.). cotovelo fletido formando um ( V aberto)..COTOVELO (PERFIL) Fatores de exposições: (média 50kvp e 100 mA.C. Cotovelo Radiográfico: Túnel do cotovelo Dicas: Usar suporte sob a mão do paciente a fim manter o membro sem movimento.).

rádio e ulna proximal.C. . cabeça e colo do rádio. processo coronóide..COTOVELO OBLÍQUA INTERNA Filme:24x30 ÷ transversalmente sobre a mesa. Fatores de exposições: (média de 45 à 50kvp e 100mA). Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa.. cotovelo estendido e em supinação. Cotovelo Radiográfico: Úmero distal. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa. R. centralizar o cotovelo sobre a metade do chassi. Cotovelo Radiográfico: Úmero distal. rádio e ulna proximal. ⊥ orientado para articulação do cotovelo. cotovelo estendido e em pronação. R. Fatores de exposições: (média de 45 à 50kvp e 100mA). Comentários: Para esta incidência basta pronar a mão Dicas: COTOVELO OBLÍQUA EXTERNA Filme:24x30 ÷ transversalmente sobre a mesa. Dicas: Solicitar ao paciente que movimente o corpo em direção ao membro radiografado. fazer uma rotação médio-lateral forçada.C. centralizar o cotovelo sobre a metade do chassi. ⊥ orientado para articulação do cotovelo.

Braço Radiográfico: Úmero inteiro: cabeça colo e epicôndilos. Dicas: 1º A posição ortostático é mais bem indicada. R..C. R.centralizar o úmero sobre a LCM ou LCE. ⊥ orientado para diáfise umeral. . Fatores de exposições: (média de 50 a 55kv e 100mA).COTOVELO AXIAL Fatores de exposições: (média de 50kv e 100mA). 2º Abduzir o braço do corpo a fim de que não haja sobreposição dos tecidos moles do braço e tórax..C. 1º ⊥ orientado para o olecrano. Cotovelo Radiográfico: Cabeça do rádio Olécrano e sulco cubital. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa. com o cotovelo em supinação fazer a flexão de modo que o antebraço fique apoiado sobre o braço. Comentários: BRAÇO (FRENTE) Filme: 30x40 ÷ longitudinalmente no bucky. Posição do Paciente: Em decúbito dorsal ou ortostático braço estendido em supinação. 2º com um ângulo de 20º cranial orientado para um ponto acima do olécrano. centralizar o cotovelo sobre a metade do chassi.

. Perfil opcional para úmero distal .centralizar o úmero sobre a LCM ou LCE. cotovelo fletido à 90º.BRAÇO PERFIL Filme: 30x40 ÷ longitudinalmente no bucky. Posição do Paciente: Em decúbito dorsal ou ortostático. Dicas: A posição ortostático é mais bem indicada.C. ⊥ orientado para diáfise umeral. Fatores de exposições: (média de 50 a 55kvp e 100mA). com a mão em supinação. Braço Radiográfico: Úmero inteiro: cabeça colo e olecrano. braço em abdução formando um ângulo de 90º com o corpo. R.

Posição do Paciente: Em decúbito dorsal ou ortostático. Fatores de exposições: (média 55kv e 100mA). protetor de tireóide). oferecendo-lhe um avental da unidade. com um ângulo de 10º a 15º cranial.F: 100 cm.CLAVÍCULA E CINTURA ESCAPULAR CLAVÍCULA FRENTE Usar mesa convencional ou telecomandada. Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima. saiote de chumbo. D. Filme: 24x30 colocado transversalmente no bucky. centralizar a clavícula sobre a LCM ou LCE. . R. Usar acessórios de proteção sempre que possível (Avental. Solicitar ao paciente que retire qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame.F. Clavícula Radiográfica: Porção esternal. Dicas: Este exame poderá ser realizado em PA. corpo e porção acromial da clavícula. braço estendido na posição neutra. sofre uma inclinação caudal. orientado para a diáfise da clavícula.C.C.. sendo que neste caso o R.

Usar acessórios de proteção sempre que possível (Avental.ESCÁPULA FRENTE Usar mesa convencional ou telecomandada.. . Fatores de exposições: (média 55kv e 100mA). 2º Rodar o corpo do paciente em direção ao lado a ser radiografado aproximando o ombro da estativa é importante para se conseguir um bom posicionamento. R. oferecendo-lhe um avental da unidade. protetor de tireóide).F. braço estendido na posição neutra. centralizar a escápula sobre a LCM ou LCE. Escápula Radiográfica: Acrômio .C. ⊥ orientado para o centro da escápula.base e ápice da escápula. Posição do Paciente: Em decúbito dorsal ou ortostático. Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima. D. Dicas: 1º Colocar a mão na cintura e abduzir o braço colabora na incidência. Solicitar ao paciente que retire qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame. saiote de chumbo. Filme: 18x24 colocado longitudinalmente no bucky.F: 100 cm.

D. saiote de chumbo.F: 100 cm. . R..F.C. braço do lado a ser radiografado estendido em posição neutra .centralizar a escápula sobre a LCM ou LCE. Fatores de exposições: (média 60kvp e 100mA). com um ângulo de 15º caudal orientado para o centro da escápula. base e ápice da scápula. Dicas: 1º Colocar a mão na cintura e abduzir o braço colabora para o bom posicionamento. Usar acessórios de proteção sempre que possível (Avental. Posição do Paciente: Em decúbito ventral ou ortostático em PA. braço oposto elevado. protetor de tireóide). Filme: 18x24 colocado longitudinalmente no bucky. Solicitar ao paciente que retire qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame. PMS obliquado à 45º. oferecendo-lhe um avental da unidade. 2º Paciente deve manter apnéia expiratória.ESCÁPULA PERFIL Usar mesa convencional ou telecomandada.. Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima. Escápula Radiográfica: Acrômio.

Dicas: 1º O R. Ombro Radiografico: Úmero proximal. 3º. cabeça.colo e acrômio. poderá sofrer angulação no sentido caudal de até 15º. Dicas: 1º Rodar o corpo do paciente em direção ao lado a ser radiografado aproximando o ombro da estativa é importante para conseguir um bom posicionamento. R. OMBRO AP ROTAÇÃO INTERNA E ROTAÇÃO EXTERNA (RI/RE) Filme: 18x24 colocado longitudinalmente no bucky. Fatores de exposições: (média 60kv e 100mA). centralizar o ombro sobre a LCM ou LCE. Incidência realizada com cilindro de extensão fechado.C.OMBRO AP NEUTRO Filme: 18x24 colocado longitudinalmente no bucky.. tendo seu centro no ponto de saída do R. R.C. Ombro Radiográfico: Úmero proximal.C. braço estendido na posição neutra. tendo seu centro no ponto de saída do R. 3º Paciente deve manter apnéia expiratória. ⊥ orientado para articulação glenoumeral. Posição do Paciente: Em decúbito dorsal ou ortostático. centralizar o ombro sobre a LCM ou LCE. 2º. com um ângulo de 15º caudal orientado para articulação glenoumeral. Indicação: Estudo das calcificações. Posição do Paciente: Em decúbito dorsal ou ortostático. Paciente deve manter apnéia expiratória. . acrômio. 2º Utilizar cilindro de extensão ou colimação adequada. braço estendido em pronação para RI e supinação para RE.C.. Fatores de exposições: (média 60kv e 100mA).C.

Ombro Radiográfico: Úmero proximal.OMBRO AP VERDADEIRO Filme: 18x24 colocado longitudinalmente ou 24x30 ÷ transversalmente no bucky tendo seu centro no ponto de saída do R. braço estendido em posição neutra.. corpo obliquado à 40º. ⊥ orientado para articulação glenoumeral. . Fatores de exposições: (média 60kvp e 100mA). Posição do Paciente: Em decúbito dorsal ou ortostático. Fatores de exposições: (média 60kvp e 100mA).C. centralizar o ombro sobre a LCM ou LCE. cotovelo fletido mão em supinação.colo e cavidade glenóide. tendo seu centro no ponto de saída do R. Dicas : 1º Incidência realizada com cilindro de extensão fechado.colo e cavidade glenóide. cabeça. membro superior abduzido formando um ângulo de 90º com o corpo. Ombro Radiográfico: Úmero proximal.C. Dicas :Incidência realizada com cilindro de extensão fechado. R. centralizar o ombro sobre a LCM ou LCE. R. 2º Paciente deve manter apnéia expiratória. Posição do Paciente: Em decúbito dorsal ou ortostático. 2º Paciente deve manter apnéia expiratória. Indicação: Estudo de fraturas de pequena tuberosidade. OMBRO AP EM ABDUÇÃO Filme: 18x24 colocado transversalmente no bucky.C. cabeça. com um ângulo de 15º caudal orientado para articulação glenoumeral.C. Indicação: Estudo da cavidade glenóide..

co um ângulo de 10º cranial..C. centralizar o ombro sobre a LCE. tendo seu centro no ponto de saída do R.. braço do lado a ser radiografado em supinação e abduzido à 90º com o corpo. OMBRO PERFIL AXILAR ÍNFERO SUPERIOR Filme: 18x24 colocado longitudinalmente sobre a mesa. paralelo e distanciado do corpo em ± 20º orientado para região axilar. lesão na cabaça do úmero. cabeça.OMBRO PERFIL TRANSTORÁCICO Filme: 18x24 colocado longitudinalmente no bucky. Fatores de exposições: (média 50kvp e 100mA). 2º Paciente deve manter apnéia expiratória. Indicação: Estudo de fraturas do colo do úmero.C. membro superior do lado a ser radiografado estendido em posição neutra.colo e cavidade glenóide.colo . Ombro Radiográfico: Úmero proximal. Fatores de exposições: (média 70kvp e 100mA). 2º Paciente deve manter apnéia expiratória. R. cabeça. Posição do Paciente: Em decúbito dorsal. Indicação: Luxação. orientado para região axilar do lado oposto. cavidade glenóide. tendo seu centro no ponto de saída do R. R. Dicas : 1º Incidência realizada com colimação adequada. . grande e pequena tuberosidade.C. Posição do Paciente: Em ortostático com o PMS paralelo. Ombro Radiográfico: Úmero proximal. pequena e grande tuberosidade.C. Dicas : 1º Incidência realizada com colimação adequada. MMSS do lado oposto elevado sobre a cabeça.

OMBRO PERFIL AXIAL SUPERIOR INFERIOR Filme: 18x24 colocado longitudinalmente sob a axila. lesão na cabaça do úmero. Posição do Paciente: Em ortostático. centralizar o ombro a ser radiografado sobre a LCE. com um ângulo de 20º caudal.C. Dicas : 1º Incidência realizada com colimação adequada. Exposições: (média 50kvp e 100mA). R.C. obliquado à 55ºcom a estativa.colo e acrômio clavicular. Dicas :1º Incidência realizada com colimação adequada. OMBRO ( TÚNEL SUPRA ESPINHOSO) Filme: 18x24 longitudinalmente. tendo seu centro no ponto de saída do R. Indicação: Luxação. R.C. 2º Paciente deve manter apnéia expiratória. orientado para articulação do ombro. Exposições: (média 60kvp e 100mA). com um ângulo de 15º caudal. 2º Paciente deve manter apnéia expiratória. Posição do Paciente: Sentado junto à extremidade da mesa.com a mão apoiada na cintura.abduzir o braço e apoiá-lo sobre a mesa. orientado para articulação do ombro. mmss oposto segurando a estativa. grande e pequena tuberosidade. ... Ombro Radiográfico: Cabeça. cotovelo fletido a 90º. Indicação: Túnel livre do ombro.

antebraço à frente do tórax. tendo seu centro no ponto de saída do R..cotovelo fletido. orientado para o espaço acrômio. centralizar o ombro a ser radiografado sobre a LCE. Posição do Paciente: Em ortostático. MMII estendido em posição neutra. . R.C. Posição do Paciente: Em ortostático. 2º Paciente deve manter apnéia expiratória. com um ângulo de15 a 20º cranial. 2º Paciente deve manter apnéia expiratória. Indicação: Estudo da articulação acrômio --clavicular.C.OMBRO OBLÍQUA APICAL Filme: 18x24 longitudinalmente.umeral..C. OMBRO AP ZANCA (ACRÔMIO CLAVICULAR) Filme: 18x24 transversal. R. Exposições: (média 55kvp e 100mA). orientado para articulação do ombro. com um ângulo de 45º caudal. inferiores ou superiores da cavidade glenóide). Exposições: (média 60kvp e 100mA). Indicação: Visualização da síndrome de Bancarte (desgaste dos bordos laterais. tendo seu centro no ponto de saída do R.C. centralizar o ombro a ser radiografado sobre a LCE. Dicas : 1º Incidência realizada com cilindro de extensão fechado. Dicas : 1º Incidência realizada com cilindro de extensão fechado. obliquado à 45ºcom a estativa. 3º Poderá ser realizada incidência comparativa a critério médico.

OMBRO APICAL ROCKWOOD Filme: 18x24 longitudinalmente. antebraço à frente do tórax. centralizar o ombro a ser radiografado sobre a LCE.C. Indicação: Desgaste da borda superior e posterior da cabeça do úmero. elevar o MMSS. com um ângulo de 30º caudal. OMBRO (STRIKER / TÚNEL DO OMBRO) Filme: 18x24 longitudinalmente. R. Dicas : 1º Incidência realizada com cilindro de extensão fechado. estudo da articulação acrômio clavicular. orientado para cabeça do úmero. pequena e grande tuberosidade. Posição do Paciente: Em ortostático ou em decúbito dorsal. tendo seu centro no ponto de saída do R. 2ª Paciente deve manter apnéia expiratória. Posição do Paciente: Em ortostático.C.cotovelo fletido.C. orientado para processo coracóide. Indicação: Lesão da cabeça do úmero. com um ângulo de 10º cranial. R.. apoiar a mão sobre a cabeça. 2º Paciente deve manter apnéia expiratória. tendo seu centro no ponto de saída do R. calcificações..C. determinam a possibilidade e a razão para luxação recidivante. . Exposições: (média 60kvp e 100mA). Exposições: (média 60kvp e 100mA). centralizar o ombro a ser radiografado sobre a LCE/ LCM. Dicas: 1ª Incidência realizada com cilindro de extensão fechado.

2ª Paciente deve manter apnéia expiratória.. Posição do Paciente: Em decúbito ventral. Indicação: Visualização do bordo inferior e posterior da cavidade glenóide. o mmss do lado a ser radiografado deve estar pendente na lateral da em posição neutra.OMBRO WEST-POINT Filme: 18x24 longitudinalmente e perpendicular sobre a mesa. R. elevar o tórax do plano da mesa.C. Exposições: (média 60kvp e 100mA).CLAVICULAR: Axilar Zanca SÉRIE PARA TRAUMA: Túnel Supra Espinhoso Axilar Frente Ap Neutro Perfil Transtorácico SÉRIE PARA INSTABILIDADE OU RECIDIVANTE: Frente Verdadeiro Oblíqua Apical West-Point . SÉRIE PARA PINÇAMENTO: Frente Verdadeiro Túnel Supra Espinhoso SÉRIE PARA ACRÔMIO -.. Dicas : 1ª Incidência realizada com cilindro de extensão fechado. orientado para articulação glenoumeral posterior. com um ângulo de 25º médio-lateral em relação ao PMS e 25º em relação à mesa.

kenneth L. Usar acessórios de proteção sempre que possível (Avental.F: 100 cm.Jorge Nascimento 3ª Edição - As radiografias dos Membros Superiores são geralmente realizadas com o paciente sentado ou em ortostática. sem borramentos ou distorções.Paul -.Temas de Técnicas Radiológicas -. Solicitar ao paciente que retire qualquer objeto radiopaco que venha comprometer a realização do exame.Referências bibliográficas . Usar mesa convencional ou telecomandada. Em casos de pacientes traumatizados ou que apresente dificuldades ou limitações em permanecer estático devemos usar uma posição de Decúbito Dorsal com a intenção de realizar o melhor exame. Filme Fatores de exposição R.C. cones e colimadores) .F. saiote de chumbo.Interpretação radiológica 6ª Edição . Qualquer que seja a posição escolhida é de obrigação do técnico manter a qualidade radiográfica observando sempre os seguintes dados técnicos. Solicitar ao paciente que retire a roupa da cintura para cima. oferecendo-lhe um avental da unidade.Adam Greenspan 3ª Edição .Radiologia Ortopédica . D. protetor de tireóide). Bontrager 4ª Edição .Juhl -. Posição do Paciente Posição da Parte examinada Limitadores de campo ( Cilindros.Diagnóstico Diferencial por Imagens 3ª Edição ..

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful