Você está na página 1de 36

Planeje-se: avalanche de despesas

Nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro há uma série de


despesas extras, para as quais
você precisa se preparar.
Veja os principais extras dos próximos meses:
Dezembro: natal, ano novo, férias escolares
Janeiro: férias escolares, matrícula escolar, IPTU, IPVA
Fevereiro: carnaval, material e uniforme escolar
Faça as contas, some: de um lado, as despesas estimadas para esses
meses - não esqueça
de conferir se você terá outras além das listadas acima - considere-as
pelo valor total para
pagamento à vista; do outro lado, as rendas do mesmo período.
Se você não tem idéia dos valores atuais para essas despesas, pegue
as do ano passado e
acrescente 10%, que deverá ser o aumento médio desses itens, para
este ano.
Não esqueça das despesas normais do dia-a-dia.
O resultado provável é que sobrou despesa, ou faltou renda.
O que fazer?
Orçamento:
Dica: utilize nosso simulador de Orçamento Familiar, você poderá
utilizá-lo online ou fazer o
download para seu equipamento.
• 1º passo: confira: certifique-se que está tudo certo, os itens, os
valores.
• 2º passo: corte e espiche: veja o que dá para reduzir nessas
despesas e também
naquelas normais do dia-a-dia, analise a possibilidade de aumentar as
rendas.
• 3º passo: recalcular.
Conseguiu enquadrar suas despesas dentro das receitas? Parabéns,
processo
terminado.
Sobrou despesa?
Vamos à próxima etapa
Planejamento das alternativas para adequar o fluxo de caixa:
• 1ª - Verifique o que pode ser parcelado, sem pagar juros. Utilize
preferencialmente esta
alternativa para adequar seu fluxo de caixa. Considere a utilização do
Cartão de Crédito,
apenas para "ganhar" um mês de fôlego.
• 2ª - Verifique se dispõe de reservas - aplicações financeiras que
podem ser utilizadas.
• 3ª - Verifique as taxas de juros embutidas nos financiamentos,
compare com os juros
que seu banco lhe cobra no Crédito Pessoal, ou no Cheque Especial,
evite o
financiamento do Cartão de Crédito.
Escolha a melhor alternativa dentre as da escala de prioridades
acima.
Se você utilizou uma alternativa de financiamento, lembre-se de
incluir no seu
orçamento para os próximos meses a parcela relativa a esse
pagamento.
Importante:
Os pontos abordados referem-se ao planejamento de uma situação
emergencial, relativa a 3
dos 12 meses do ano.
Utilize esta experiência e faça seu planejamento financeiro para 2002.
Você não está a fim de fazer nada disso?
Vale lembrar que a estatística de inadimplência atinge seu pico nos
meses de março e abril,
originado por dívidas contraídas naquele período.
Sair da inadimplência dará muito mais trabalho, e despesa.
Benigno Ares, economista.
Planeje, utilize nossas ferramentas e serviços, veja os links abaixo.
Orçamento Familiar
Por que fazer um orçamento ? É um erro muito comum a associação
que existe entre
orçamento e privação. Não se esqueça que quem administra o seu
orçamento é você mesmo
e, portanto, pode fazê-lo do modo que mais lhe agradar. Em suma,
fazer um orçamento força-o
a examinar como você realmente gasta o dinheiro.
Uma desculpa muito comum usada pelas pessoas para não fazer um
orçamento é: “Tenho de
gastar tudo o que ganho para continuar vivendo; portanto, um
orçamento não terá utilidade
nenhuma para mim.”
O benefício principal de aprender a administrar o seu dinheiro com
um orçamento é que ele lhe
proporciona uma experiência de como viver dentro das suas reais
condições financeiras.
O primeiro passo é você relacionar todos os seus gastos utilizando a
nossa planilha para
orçamento. Dessa forma, você vai poder identificar os seus gastos
reais. Não se esqueça de
acrescentar todas as despesas do mês, até mesmo as pequenas. A
seguir faça uma
comparação com os gastos médios de uma família, fruto de uma
pesquisa realizada pela Fipe.
Gastos médios de uma família
A tabela abaixo mostra os resultados da Pesquisa de Orçamento
Familiar ( POF ), realizada
pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas ( Fipe ). Esta
pesquisa demonstra as
mudanças na estrutura de consumo de produtos e serviços das
famílias.
É importante observar que, embora os estudos sejam referência para
a cidade de São Paulo,
onde a condição alimentar é uma das melhores do País, é bastante
provável que essa
tendência seja semelhante em outras regiões.
Essa primeira fase é muito importante, pois permite a você:
• agrupar todas as suas despesas e suas fontes de renda;
• comparar as suas despesas com a média de uma família e avaliar a
sua realidade;
• facilitar a preparação de um orçamento, baseado nas suas metas e
objetivos.
Itens 1936/37 1990/91 1998/99
Habitação 24,5% 26,7% 32,8%
Alimentação 56,2% 30,8% 22,7%
Transporte 1,96% 13,0% 16,0%
Desp. Pessoal 3,7% 12,4% 12,3%
Saúde 2,3% 4,6% 7,1%
Vestuário 11,3% 8,7% 5,3%
Educação 0,3% 3,9% 3,8%
Fonte: FIPE
GUIA SERASA DE ORIENTAÇÃO AO CIDADÃO
Primeiros passos para não cair na armadilha da inadimplência
1. O primeiro passo é se conscientizar que o dinheiro não é elástico,
por isso é
importante saber o que é imprescindível e guardar uma parte. Nós
somos os
responsáveis pelo nosso futuro.
2. O segundo é reunir a família. Faça um levantamento de todos os
gastos,
inclusive com o cafezinho. O casal deve sempre decidir em conjunto
onde
cortar gastos, quanto guardar e onde pôr o dinheiro.
3. O terceiro é traçar objetivos: metas de curto, médio e longo
prazos.
4. O quarto é abandonar a onda de consumismo (saia de casa com
apenas uma
folha de cheque na carteira e adquira o hábito de sair de casa com o
dinheiro
contado).
5. O quinto é começar a economizar nas pequenas coisas (dar valor
ao dinheiro
que ganha com muito suor):
- Utilizar racionalmente o telefone celular;
- Trazer o sanduíche de casa;
- Comprar um aditivo para o carro e abastecê-lo com gasolina
comum;
- Habituar-se a apagar a luz toda vez que sair de um recinto e usar
lâmpadas
menos potentes em certos ambientes;
- Fechar bem a torneira para que ela não fique pingando;
- Diminuir a chama do fogão quando os alimentos começarem a
ferver;
- No verão, colocar o chuveiro elétrico na posição "Verão";
- Pesquisar preços antes de comprar qualquer produto. Não ter
vergonha de
sair da loja e comprar no vizinho que é mais barato;
- Ficar atento aos preços das tarifas públicas, como água e luz, que
têm
sofrido reajustes elevados.
6. O sexto é não avançar no limite do cheque especial – já que as
taxas de juros
são elevadas. É bom não esquecer que esse limite não é um salário a
mais.
Tentar diminuir gradativamente o endividamento e só comprar à
vista.
- Cheque pré-datado: ao utilizá-lo, faça constar do pedido ou da nota
fiscal os
números dos cheques pré-datados e as datas previstas para os
descontos.
- Os valores deverão fazer parte do orçamento do consumidor.
7. O sétimo é não parcelar as compras no cartão de crédito, para não
arcar com
juros de cerca de 8% e 9% ao mês, respectivamente, ou taxas de
152% a
181% ao ano. Cartão de crédito: o controle das despesas realizadas
com
cartão exige cuidados. O consumidor deve verificar a conveniência de
ter
mais de um cartão (alguns consultores são contra ter mais de um),
não se
esquecendo de incluir, nas despesas, as anuidades. Convém o
pagamento
integral da fatura. Os juros cobrados no parcelamento são elevados.
8. O oitavo é cortar supérfluos.
9. O nono é elaborar um orçamento doméstico.
10.O décimo é fazer uma pequena reserva no fim do mês, que irá se
multiplicar
nos meses seguintes, se você tomar gosto pelo hábito da poupança.
Um
cofrinho em casa é um começo. Tenha sempre como reserva o valor
equivalente ao de um salário na conta corrente. Poupar vai aumentar
sua
auto-estima.
Não há fórmula mágica para melhorar de vida. As pessoas de baixa
renda devem
buscar serviços extras, aproveitando seu tempo livre ao máximo.
Dez dicas para quem perdeu o controle
1 Seguir as dicas do quadro "Primeiros passos para não cair na
armadilha
da inadimplência"
2 Se desfaça de um bem, o carro, por exemplo, para eliminar uma
dívida.
3 Pratique a avareza. Neste caso não é pecado.
4 Corte a TV a cabo e o celular, prefira um pré-pago.
5 Passe um ano sem comprar roupas novas.
6 Volte a freqüentar o sapateiro da esquina, tire do baú os modelitos
que
aposentou na última estação.
7 Passe longe dos shopping centers.
8 Renegocie dívidas, quando nem o corte de despesas não-essenciais
resolver o problema. Cuidado para não cair num golpe e não trocar
uma
dívida por outra (leia o texto "Renegociação de dívida").
9 Saia do cheque especial e busque um empréstimo pessoal, mas
antes
confirme se os juros e as condições são favoráveis. A mesma dica é
dada
para quem está com dívida no cartão de crédito. Ou procure um
empréstimo familiar. Mantenha sempre uma "ficha limpa" com seus
familiares e amigos, pagando rigorosamente em dia seus
empréstimos.
Essa costuma ser a mais barata fonte de crédito.
10 Adquira o hábito de comprar à vista e adie a compra enquanto não
tiver o
dinheiro todo. Uma interessante alternativa é buscar comprar bens
usados que, geralmente, são muito mais baratos. Livros,
eletrodomésticos e móveis podem muito bem ser adquiridos em
"segunda-mão". Nos EUA isso é muito comum até para a classe
média.
Como os juros multiplicam-se
A disparidade entre as taxas das aplicações e o custo do
crédito
Trocar o automóvel. Adquirir um imóvel. Abrir o próprio negócio. Para
atingir tais objetivos, o
melhor é formar uma poupança através de aplicações financeiras, ou
partir direto para um
financiamento? Os números comprovam que sempre sai mais em
conta optar pela aplicação.
Afinal, os juros de um financiamento crescem em progressão
geométrica, enquanto os
rendimentos da maioria dos ativos financeiros evoluem em
progressão aritmética. Isso, sem
falar na desproporção dos números. Por mais que a rentabilidade da
aplicação seja sempre
multiplicada pela anterior, em progressão geométrica, a taxa é
sempre bem menor. Mais que
isso, os analistas deixam claro que as instituições financeiras seguem
a lógica de que, para ter
lucro, não se pode emprestar por um custo inferior ao do custo de
captação de recursos.
A partir de dados disponibilizados pelas instituições financeiras no
site do Banco Central
(www.bcb.gov.br), é possível verificar a evolução galopante dos juros
no crédito. Uma taxa mês
de 0,5% ao mês salta para 3,04% em seis meses, 6,17% em um ano,
12,71% em dois anos e
19,67% em três anos. Uma diferença de 19,17 ponto percentual
desde a primeira até a última
taxa. Se a taxa mês inicial for de 12%, o custo subiria muito mais em
três anos: 5.801.56
pontos percentuais, para uma taxa de 5.813,56%.
Aplicação em um fundo
Projeções da Associação Nacional dos Executivos de Finanças,
Administração e Contabilidade
(Anefac), apontam que um investimento de R$ 10 mil em um fundo
de renda fixa tradicional
renderia 15,38% em um ano, 33,14% em dois anos e chegaria ao fim
de três anos com
rendimento de 53,63%. Pelos cálculos da entidade, um empréstimo
pessoal de igual valor já
superaria o rendimento de três anos em apenas um: 81,02%. No
segundo ano, os juros iriam
para 227,7%, e para 493,24% em três anos. Se a dívida fosse no
cheque especial, a situação
seria bem pior em três anos, com juros de 2.901,5%.
Mas apesar de saber que o preço do objeto do desejo será mais caro,
a resposta à questão
sobre o que mais vale à pena fazer, no fim das contas, acaba sendo
tão relativa quanto à
necessidade de cada indivíduo e a sua capacidade de controlar a
própria ansiedade para obter
o bem desejado. O maior erro do consumidor, na visão dos analistas,
é basear a decisão da
forma de pagamento muito mais na própria capacidade de
comprometimento da renda do que
no valor final do bem.
Segundo o diretor da Corretora Ágora Sênior, Álvaro Bandeira, é fácil
visualizar a diferença ao
analisar os custos de compra de um carro. Um modelo Golf 1.6,
completo, da Volkswagen,
custa R$ 24.300,00 à vista, em uma concessionária de veículos do Rio
de Janeiro, que oferece
um parcelamento em 36 prestações de 1.038,00, com entrada de
10%.
Negocie desconto
Se o indivíduo opta pelo financiamento, na última prestação terá pago
um total de R$
37.368,00 pelo automóvel. Ou seja, mais de uma vez e meia do valor
original, que ainda
poderia ficar um pouco menor se fosse negociado um desconto com a
concessionária porque o
pagamento estaria sendo feito à vista.
Na época da inflação galopante, fazer uma programação de
investimento para comprar um
carro era impossível. No fim do ano, o preço do veículo já teria
disparado e o rendimento da
aplicação não acompanhava. Hoje já não é mais assim e dá para
optar por um planejamento -
acrescentou.
Álvaro Bandeira lembrou ainda que nessa mesma época era comum
as lojas do varejo
comprarem lotes de um determinado produto, que só seriam pagos
90 dias depois, e vendê-los
por um preço menor que o pago na compra. Justamente, porque havia
inflação muito alta, o
valor era menor na hora de pagar 90 dias depois. O mais importante
ali era obter o capital o
mais rápido e correr para o mercado financeiro, para tentar ganhar
uma soma superior que o
pago pelo produto.
- As Lojas Americanas, por exemplo, faziam muito isso. Mas hoje em
dia ficou mais difícil
porque a inflação é baixa, os juros são elevados e a remuneração,
menor. Não compensa o
risco - disse.
Mas os analistas afirmam que a questão financeira não é a única que
deve ser levada em
consideração em uma decisão de compra. A relação custo e benefício,
assim como a de risco e
retorno, também deve ser mensurada. Um exemplo claro é o da
aquisição de um imóvel
próprio.
A Caixa Econômica Federal informou que R$ 2.509,00 é a prestação
mensal de um
apartamento de dois quartos que custe até R$ 150 mil, e que pode
ser encontrado em bairros
como Tijuca, Vila Isabel, Grajaú, Centro, Santa Teresa e Ilha do
Governador, por exemplo.
Pelos critérios deste modelo de empréstimo, que utiliza recursos do
Fundo de Amparo ao
Trabalhador (FAT), o indivíduo pode financiar até R$ 120 mil - ou seja,
precisa ter os R$ 30 mil
restantes - por um prazo máximo de 150 meses. Mas segundo
pesquisa do Sindicato da
Habitação no Rio de Janeiro (Secovi-RJ), o aluguel máximo para o um
imóvel com estas
características pode chegar a R$ 1.200,00, sem considerar as
despesas de condomínio.
Formar poupança
Como a prestação do financiamento é mais de duas vezes o preço do
aluguel, os analistas
dizem que formar uma poupança, com objetivo de adquirir um imóvel
próprio, representa um
custo concorrente para quem paga aluguel. Obter um financiamento
aparece aí como uma
solução viável. E se o indivíduo quiser, e puder, formar uma poupança
paralelamente, esse
custo deixa de ser um peso no orçamento mensal e passa a ser
encarado como uma reserva
de caixa. Ou seja, o indivíduo estaria reduzindo o risco de ficar sem
condições de quitar as
prestações ao longo do financiamento.
- Depende de vários fatores para identificar se o melhor é financiar ou
poupar para comprar à
vista. Em alguns casos, talvez não haja outra saída a não ser
financiar. Um imóvel, por
exemplo, é quase impossível de se comprar à vista. Se a opção for
por um investimento, o
mais provável é levar quase toda a vida para atingir o objetivo. Daí,
acaba sendo normal partir
para um planejamento em que seja possível endividar-se de maneira
organizada, sem
prejudicar o orçamento doméstico. A possibilidade de obter um
financiamento nada mais é do
que o resultado desse planejamento - declarou Rogério Estevão,
diretor de produtos do
Unibanco.
Condições de compra
Para o tesoureiro do Banco Banif Primus, Mauro Paciello, além de
avaliar o grau de
necessidade de aquisição do bem material, é importante identificar se
a oportunidade surgida
pode ser a única. Ou seja, encontrar o imóvel dos sonhos e em
condições que podem ser
custeadas no longo prazo.
- De fato, poupar do zero vai levar muito tempo até que se consiga
juntar os recursos para
comprar uma casa própria. Contudo, se for possível gerar uma
poupança, esta é sempre a
melhor alternativa. Sobretudo porque deixa de existir o risco de se
enrolar financeiramente -
acrescentou.
Paciello recomenda fugir do financiamento para adquirir bens de valor
menor ao de uma casa,
mas entende que evitar endividamentos desnecessários depende
muito do grau de ansiedade
de cada um. Conforme observou, se o indivíduo tiver disciplina para
poupar regularmente o
valor da prestação de um carro ou de uma geladeira em um fundo de
renda fixa conservador,
por exemplo, poderá chegar ao objetivo desejado no mesmo prazo do
financiamento - ou talvez
antes, dependendo do rendimento do ativo - sem correr o risco de se
enrolar financeiramente.
Como comprar na hora certa e pagar menos
Desejo de consumo pode acabar com o orçamento financeiro
O diretor de investimentos do Banco 1.Net, Gabriel Moura, concorda
que formar poupança é
melhor que contrair uma dívida. Moura ressalva apenas que
normalmente o indivíduo não quer
esperar 12 meses para adquirir um bem. Mesmo porque, observa o
diretor, a aquisição desse
bem pode ser urgente.
- O indivíduo precisa de um automóvel, por exemplo, porque o antigo
começou a dar
problemas mecânicos. Aqui não se trata de controlar a ansiedade, e
sim de satisfazer uma
necessidade. Sendo assim, a história é outra - disse.
Uma pesquisa do Unibanco apontou que cerca de 30% dos
investidores no País têm algum
tipo de crédito ou empréstimo. Na avaliação do diretor Rogério
Estevão, isto significa que
muitas pessoas preferem fazer uma compra programada em vez de
recorrer à poupança.
Estevão alega que existem pessoas com facilidade para abrir mão de
uma poupança formada,
mas a maioria fica insegura na hora de gastar o recurso acumulado.
Por isso, completa, se o
indivíduo faz um financiamento não vai ter sentimento de perda ou
insegurança.
Orçamento. "Muitas pessoas vivem com o orçamento mensal
estruturado de uma determinada
maneira, mas quando contraem uma dívida abrem mão dos
supérfluos para redirecionar a
capacidade financeira para o pagamento da dívida. Em outras
palavras, procuram se organizar
para atingir este objetivo de livrar-se da dívida o mais rápido
possível", acrescentou.
Estevão afirma que ninguém deve ter preconceito ou vergonha de
contrair uma dívida através
de uma tomada de crédito. Em países desenvolvidos, alega, se o
indivíduo não tem crédito,
não é cidadão. No caso de uma compra com prazo a partir de seis
meses, diz o diretor, o
consumidor já pode pensar em pagar através de um financiamento.
- Existe aí também a questão do prazer e do bem estar que o produto
proporciona à pessoa, e
isso é muito subjetivo. Se for adquirir um aparelho de som novo, por
exemplo, a economia é
verdadeira se a pessoa opta pela poupança. Mas será que vale à pena
esperar tanto tempo? O
quanto da saúde o indivíduo consome porque não alivia o stress do
dia-a-dia ouvindo música?
- declarou.
Stress. Existe também o outro lado da questão. O stress que a
pessoa pode passar a viver só
de saber que tem o orçamento mensal comprometido por uma dívida.
Se não tiver estrutura
emocional para suportar esta pressão, os analistas recomendam
partir mesmo para a formação
da poupança.
- Depende muito de cada um saber o que é melhor. De qualquer
forma, ao avaliar a forma de
realizar uma compra é preciso ter alguns cuidados e não fazer certas
confusões. Por exemplo,
o cheque especial é um elemento de proteção, e não uma alternativa
de crédito como muitos
imaginam. Se a pessoa opta por um empréstimo pessoal, os juros
serão bem menores -
explicou Estevão.
O diretor do Unibanco sugere a quem decidir tomar um crédito seguir
três dicas: o recurso será
sempre mais barato na instituição financeira em que o indivíduo já
possui tempo de
relacionamento; oferecer uma garantia ou ter investimentos na
instituição pode representar
taxas menores, de 4% caindo para até 2,2%, por exemplo; e compare
a taxa oferecida pela loja
com a do banco na hora de realizar a compra, porque o lojista
costuma cobrar mais caro do
cliente por não o conhecer.
Sem volta. Na hipótese do indivíduo estar pensando que pode ser
uma boa idéia tomar um
crédito para saldar uma dívida ou começar uma aplicação, a
recomendação dos analistas é
nunca optar por este caminho, porque tem volta. O gestor de renda
fixa da área de asset
management do Banco American Express, Ricardo Colin, destacou
que é sempre melhor
priorizar o pagamento da dívida com o capital novo que estiver
entrando na conta corrente.
Nunca invente estratégias mirabolantes que podem acentuar o
problema inicial.
- Toda dívida é sempre muito cara e não existe uma aplicação,
sobretudo com baixo grau de
risco, que proporcione ganhos superiores aos da variação da dívida.
Por isso, amortizar o
débito é sempre a melhor alternativa - complementou.
O peso da tributação
O que faz o custo de um financiamento ser mais elevado que o do
rendimento de uma
aplicação é a lógica de que uma instituição financeira, para ter lucro,
não pode emprestar por
um custo inferior ao custo de captação de recursos.
O presidente da Associação Brasileira dos Bancos Comerciais e
Múltiplos (ABBC), Jorge
Eduardo Prada Levy, explicou que a intermediação para fazer o
recurso financeiro sair da
instituição para o bolso do tomador é muito onerosa. Um dos
componentes que encarece o
crédito, segundo Prada, é a cesta de tributos. Nela, estão os custos
com o Imposto sobre
Operações Financeiras (IOF), o Imposto sobre Operações de Crédito
(IOC), o Imposto de
Renda, o PIS/Cofins e a Contribuição Provisória sobre Movimentação
Financeira (CPMF).
A taxa do crédito também é mais cara em função dos custos
operacional e administrativo do
banco, do risco de inadimplência e do spread (o lucro do banco). Mas
o componente
considerado mais perverso é o recolhimento compulsório. Para
depósitos à vista, 45% do valor
deve ser depositado pela instituição no Banco Central. Nos depósitos
a prazo, o recolhimento é
de 10%, remunerado pelo Certificado de Depósito Bancário (CDB).
- Esse mecanismo é usado pelo Governo, atualmente, para manter a
taxa básica de juros
(Selic) em níveis elevados e desestimular o consumo. Porém, sempre
que a Selic aumenta, a
inadimplência acompanha a alta, porque fica mais difícil para o
tomador devolver o recurso
captado. Cria-se aí um círculo vicioso - declarou Prada.
O presidente da ABBC acredita ser possível reduzir o custo do crédito,
mas, para isso, o
Governo teria que reduzir a Selic e extinguir o IOF e os compulsórios.
"Se isso ocorresse, a
inadimplência cairia, o risco cairia e os bancos poderiam reduzir os
custos. Entraríamos aí em
um ciclo virtuoso", completou.
Spread. Por mais que o Governo viesse a oferecer as condições mais
favoráveis para redução
dos encargos sobre o crédito, o rendimento de uma aplicação nunca
chegaria a ser maior do
que o custo da captação. O economista chefe da Sul America
Investimentos, Luiz Carlos Costa
Rego, explicou que o banco ganha dinheiro exatamente na diferença
entre o empréstimo e a
aplicação, o que constitui o spread bancário. O único instrumento a
favor do tomador, neste
caso, é o da concorrência entre as instituições, que pode fazer a taxa
ficar mais acessível em
determinados momentos.
De acordo com o diretor de investimentos do Banco 1.Net, Gabriel
Moura, as instituições
financeiras nunca concederiam empréstimo se não houvesse a
possibilidade de ganho. O
especialista disse também que o fato de o custo de crédito ser maior
que a rentabilidade de
uma aplicação não é exclusividade do Brasil.
- O tripé de qualquer aplicação é rentabilidade, risco e liquidez.
Quanto menor liquidez, maior a
rentabilidade. Assim como, quanto maior o risco, maior a
rentabilidade. Da mesma forma, as
taxas para empréstimos são maiores porque os créditos são para
várias pessoas e a
inadimplência é muito alta - concluiu.
Dicas para obter taxas menores
>> Busque crédito na instituição financeira com que já tem um
relacionamento e um histórico.
>> O custo do crédito é proporcional ao risco de inadimplência que o
indivíduo representa para
a instituição financeira.
>> Se o crédito é obtido em um banco ou uma financeira que não
conhece o tomador, os juros
serão sempre bem mais elevados.
>> Oferecer uma garantia pode ajudar a obter um crédito com mais
facilidade e custo menor.
Uma taxa de 4% pode cair para algo até 2%, se houver uma garantia
envolvida como um carro
ou uma casa.
>> Ter seguros ou qualquer serviço da instituição financeira também
favorece na análise da
tomada de crédito. O cliente não pode ter outro tipo de financiamento
no banco, porque vai
exceder o limite de endividamento que a instituição estabeleceu.
>> Compare os juros da instituição financeira em que é cliente com
as da loja em que deseja
realizar uma compra. Normalmente o lojista cobra taxas mais
elevadas porque não conhece o
tomador.
Um presente para o futuro
Márcia Abos / OnNews
Educação financeira das crianças evita adultos
gastões
No Dia da Criança, além do presente tradicional, os pais podem
começar a dar a seus filhos
algo diferente neste ano: educação financeira. Não pense que trata-se
de um exagero.
Psicólogos alertam que crianças que aprendem a lidar com dinheiro
desde pequenas tornamse
adultos disciplinados com suas finanças. "A educação financeira
ensina às crianças
responsabilidade e planejamento, ferramentas fundamentais para
viver em nossa sociedade.
Além disso, através do aprendizado financeiro, é possível ensinar
também valores éticos"
explica a psicóloga Lúcia Cristina Zanella, do Hospital das Clínicas de
São Paulo
Em cada fase da vida de seus filhos, os pais devem ensinar conceitos
como planejamento,
poupança, noções de valor (como caro e barato) e a importância de
ter uma reserva de
recursos para situações inesperadas. Para lhe ajudar nessa tarefa, o
ONNEWS conversou
longamente com a psicóloga Lúcia Cristina Zanella que sugeriu os
conceitos financeiros que
devem ser ensinados às crianças durante seu crescimento. Aprenda
com ela:
• Crianças gostam muito de cofres. Usá-los para dar aos pequenos as
primeiras noções
de poupança e planejamento é uma excelente idéia. Aqui dá para
ensinar um conceito
importantíssimo: só com poupança pode-se atingir um objetivo. Que
nesse caso pode
ser comprar um sorvete ou um brinquedo novo.
• Outra lição a ser tirada da utilização do cofrinho: ter independência
para realizar seus
desejos.
• O interessante é notar que muitas crianças até desistem de seu
objetivo. Preferem
manter o cofrinho cheio de moedas, a quebrá-lo.
• Lembre-se: o modelo dos pais é fundamental. Não adianta dizer que
a criança deve
poupar e agir como um "gastão". Crianças têm grande parte do seu
comportamento
influenciado pela imitação. O primeiro e maior exemplo são os pais.
• A idéia de posse e propriedade é complexa para as crianças em
idade pré-escolar.
Nessa fase da vida, elas acreditam que tudo é delas. Devolver ao
dono um objeto
perdido, por exemplo, é uma atitude louvável dos pais e que deve ser
acompanhada
pelas crianças. Elas aprendem que não há valor em ter algo à custa
do prejuízo do
outro.
• A partir de cinco anos de idade, é possível ensinar noções de valor
aos pequenos, como
caro e barato, além da idéia de preservação dos bens.
• Nessa fase da vida, eles podem compreender que os pais trabalham
e, em troca,
recebem dinheiro -- que é usado para adquirir aquilo que a família
precisa para viver.
• Por volta dos sete anos, quando a criança aprende a contar já é
possível começar a dar
uma mesada semanal.
• Mas atenção às quantidades. Uma criança desta idade sabe fazer
contas simples,
envolvendo valores pequenos, como 2+2 ou 2+3.
• O valor da semanada deve ser pequeno, na medida do que a criança
consiga contar,
manipular e administrar.
• Nessa idade, eles irão comprar coisas que custam centavos como
doces e figurinhas,
por exemplo.
• Para receber o dinheiro, o ideal é estabelecer um dia certo e mantê-
lo. Não vale
antecipar ou atrasar o pagamento, para não confundir o
planejamento da criança.
• Os pais devem participar e acompanhar a utilização do dinheiro,
principalmente
ajudando nas contas. Pedir para a criança mostrar o troco e conferi-lo
junto a ela é uma
boa maneira de se aproximar como um ajudante na aventura. Mesmo
os mais velhos
precisam da supervisão e da participação dos pais na gestão dos
recursos.
• Planos a "longo prazo" podem ser encorajados pelos pais. Juntar
duas semanadas para
comprar algo é um bom aprendizado.
• Aos dez anos de idade, a semanada já pode ser reajustada. Pode ser
o suficiente para
comprar um lanche na escola, por exemplo. É hora também de
ensinar a criança a ter
sempre uma pequena quantia de dinheiro para alguma
eventualidade, como comprar
um cartão telefônico para fazer uma ligação necessária ou algo para
comer em um
eventual atraso dos pais para buscá-lo na escola.
• Dependendo do poder aquisitivo dos pais, este valor não precisa ser
parte da mesada.
Pode ser dado separadamente e guardado no fundo da mochila. Mas
não deve ser
gasto em vão: é um fundo destinado apenas para as emergências.
• Crianças gostam de ajudar os outros. Tome-se um exemplo prático.
Quase 90% das
ligações feitas para doar dinheiro para o Criança Esperança partiram
da iniciativa de
crianças, que pediam aos pais para fazer a doação.
• Nesse caso, os pais também podem estimular aos que recebem
mesada a dar
pequenas contribuições mensais para algum fundo ou programa
solidário que a família
participe.
• Os pais devem mostrar e explicar aos filhos, o quanto antes, o que é
e como funciona
um orçamento familiar. Uma criança de dez anos pode até ajudar a
fazer o fluxo de
caixa. Ela irá se sentir muito bem, participando e contribuindo a uma
atividade que gera
o bem-estar de todos.
• A partir de uma planilha é possível mostrar às crianças qual é a
renda familiar e os
gastos mensais.
• Desta forma, a criança aprende quais são as prioridades, o que são
despesas fixas,
gastos variáveis e controle orçamentário. Use explicações simples
para as dúvidas que
surgirem.
• O dinheiro deve ser dado para a criança aprender a administrá-lo e
suprir algumas
necessidades e não para pagar por tarefas ou dar prêmios. Atividades
domésticas são
obrigação de todos da família. Não é aconselhável pagar uma criança
que lavou o
quintal, por exemplo. Se a mãe fizesse o mesmo, não receberia nada.
Cuidar do bemestar
de todos, inclusive de si mesmo, é a melhor motivação neste caso.
Veja também: www.educfinanceira.com.br
Gastar muito é uma doença
Comprar compulsivamente é sinal de doença.
Estourar o orçamento repetidamente é um vício igual ao alcoolismo. A
doença tem até nome: oniomania,
aquele que necessita comprar assim o dependente químico necessita
da droga. O desejo incontrolável de
gastar tem tratamento: inclui acompanhamento psicológico e
medicação. Mas é fundamental que a pessoa
reconheça que está doente e precisa de ajuda.
Além de cortar todas as formas de crédito, como cheques e cartões
de crédito, o ideal é que
alguém da família ou um amigo próximo assuma o controle das
finanças do paciente. Embora
não exista dados estatísticos sobre a doença no Brasil, ela tem
crescido bastante. Já existe até
um grupo de auto-ajuda chamado Devedores Anônimos, que segue a
mesma linha de atuação
do Alcoólatras Anônimos.
Assim como todo dependente, os consumidores compulsivos
demoram a admitir seu vício. No
caso deles é particularmente difícil porque fazer compras é uma
atitude bem vista e até
incentivada pela sociedade. A causa do consumo compulsivo é uma
conjunção de fatores
biológicos e psicológicos. Ao mesmo tempo, com as compras, a
pessoa tenta preencher "o
buraco" provocado por problemas do dia-a-dia.
Gastar demais pode ser sinal de doença
Até o início do ano passado, toda vez que Maria José, 60, ia a uma
consulta médica, carregava
consigo uma série de pacotinhos. Eram presentes para médicos,
enfermeiras e recepcionistas.
Outro hábito dela era reunir sobrinhos e amigos do filho e os levar a
lanchonetes e parques de
diversão. Cada um pagava a sua parte? De jeito nenhum. Maria José
fazia questão que as
despesas ficassem por sua conta.
De presente em presente, ela gastava mais do que ganhava.
Funcionária da área de recursos
humanos e formada em pedagogia e direito, Maria José chegou a
perder um apartamento por
causa do desejo incontrolável de gastar. Quando as prestações do
imóvel venciam, o dinheiro
já havia ido embora.
"O único bem que me restou foi um outro apartamento, que só
consegui terminar de pagar
porque o valor das prestações era descontado do meu salário", diz.
Maria José afirma que sempre teve o mesmo comportamento. "Por
anos a fio participei de uma
ciranda de empréstimos com bancos, administradoras de cartão de
crédito, financeiras e
parentes para rolar as dívidas."
No início do ano passado, já aposentada e com uma renda menor, as
instituições financeiras
fecharam as portas para ela. Seu nome entrou no cadastro de
devedores da Serasa
(Centralização de Serviços Bancários). Na época, seus débitos
somavam mais de R$ 30 mil.
"Foi quando cheguei ao fundo do poço", diz.
O vendedor Carlos Alberto, 41, também não resistia a agradar à
família. "Se eu acompanhava
o meu tio ao supermercado, fazia questão de pagar as suas compras,
mesmo sabendo que ele
ganhava três vezes mais do que eu", diz.
Carlos Alberto conta que o fato de ter dinheiro no banco o
incomodava. Era preciso gastá-lo.
"Não conseguia deixá-lo na conta. Sou alcoólatra, faço tratamento há
sete anos. Na época,
tentava compensar a dívida emocional que tinha com a minha família
com presentes que
fugiam do meu real poder aquisitivo", diz ele, que por pouco não
perdeu a casa onde mora.
Os nomes dos entrevistados acima são fictícios. Eles pediram à
reportagem da Folha que suas
identidades fossem omitidas. Essas pessoas integram o grupo de
auto-ajuda Devedores
Anônimos, que segue a mesma linha de atuação do Alcoólatras
Anônimos. São consumidores
compulsivos, pessoas capazes de ir à bancarrota devido a gastos
desenfreados.
"Essas pessoas são doentes. Elas têm o consumo como vício, da
mesma forma que um
dependente químico necessita da droga ou um alcoólatra, da bebida",
diz o psiquiatra Dartiu
Xavier da Silveira, diretor do Proad (Programa de Orientação e
Atendimento a Dependentes da
Universidade Federal de São Paulo).
Segundo a psicóloga Denise Gimenez Ramos, coordenadora da pós-
graduação em psicologia
clínica da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), para
essas pessoas, o
prazer da compra também é fugaz. "Logo depois elas entram em um
estado de depressão que,
dependendo do caso, pode evoluir para um quadro de tendência
suicida."
Assim como todo dependente, os consumidores compulsivos
demoram a admitir seu vício.
Porém, no caso deles, é particularmente difícil, uma vez que fazer
compras é uma atitude bem
vista e até incentivada pela sociedade.
No Brasil, não há estatísticas sobre o assunto. Nos EUA, estudos
mostram que 1% da
população sofre de consumo compulsivo, cientificamente chamado de
oniomania. No Reino
Unido, as pesquisas indicam que esse percentual é de 3% entre os
adultos e 8% entre os
adolescentes.
A causa do consumo compulsivo, segundo o psiquiatra Silveira, é uma
conjunção de fatores
biológicos e psicológicos. "A pessoa apresenta deficiência do
neurotransmissor serotonina no
organismo", diz. A substância regula, entre outras funções, o humor e
a libido no organismo
humano.
Ao mesmo tempo, com as compras, a pessoa tenta preencher "o
buraco" provocado por
problemas do dia-a-dia. "Conheço mais de um paciente que, ao brigar
com a mulher, em vez
de enfrentar o problema, se posta diante da Internet para fazer uma
série de aplicações
irracionais em Bolsa", afirma o psiquiatra.
O tratamento, explica, inclui acompanhamento psicológico e
medicação. Mas é fundamental
que a pessoa reconheça que está doente e precisa de ajuda. No
início, além de cortar todas as
formas de crédito, como cheques e cartões de crédito, o ideal é que
alguém da família ou um
amigo próximo assuma o controle das finanças do paciente. "Ele só
deve ter em mãos o
dinheiro necessário para o dia", diz.
Paralelamente, diz a psicóloga Denise Ramos, a pessoa deve tentar
identificar as situações
que desencadeiam o consumo compulsivo. "É uma hora difícil, porque
nesse momento ela
acredita que somente as compras podem lhe proporcionar bem
estar."
Quem tem dívida deve cortar cheque e cartão
O auditor fiscal Emerson Roberto Baldissera, 27, está passando por
um processo de
reeducação financeira. Em agosto, cancelou os três cartões de crédito
que possuía. A dívida
dos cartões, somada à do cheque especial, passou de R$ 3.000 para
quase R$ 7.000 no último
ano.
Além de ter sido obrigado a mudar de cidade quatro vezes nos
últimos três anos, devido ao
trabalho, o que causou grandes despesas, ele afirma que, até pouco
tempo atrás, gastava
muito em lazer. "Por final de semana, cerca de R$ 200 iam embora",
diz. No mês, esses
gastos, somados, eqüivaliam a 60% do seu salário líquido.
Baldissera também costumava comprar CDs compulsivamente. Eram
cerca de 20 por mês.
Mas esse hábito ele foi obrigado a abandonar. "Parei de comprá-los
quando, há alguns meses,
tive de vender meu aparelho de som para pagar parte das dívidas."
Em julho, ele renegociou com os credores todos os seus débitos.
"Com os acordos, consegui
reduzir os juros cobrados, além de parcelar os pagamentos", diz. No
mês passado, afirma que
quase não saiu de casa para evitar a tentação de gastar.
O presidente da Andif (Associação Nacional de Defesa dos
Consumidores do Sistema
Financeiro), Aparecido Donizete Piton, concorda que cortar as fontes
de crédito como cheque
especial e cartões, como fez Baldissera, é fundamental para quem já
está endividado. Ele diz
ainda que outra alternativa é brigar na Justiça contra juros abusivos.
A jornalista Flávia Adalgiza, que com base em sua experiência pessoal
escreveu o livro "O
Devedor - A Luta para Vencer a Guerra das Dívidas", recomenda que a
pessoa tome a
iniciativa de procurar os credores para renegociar os débitos. "É
importante mostrar disposição
para pagar", diz.
Flávia montou uma produtora de vídeo no interior de São Paulo no
início dos anos 90. "O
projeto era megalomaníaco. A cidade não comportava um
investimento daquele porte", diz. Por
causa disso e de problemas administrativos, quando ela se deu conta,
já possuía uma dívida
superior a R$ 300 mil.
"É difícil. Nessas horas, a família se afasta, os amigos te isolam,
parece que você é um
leproso. O devedor sente muita vergonha", diz.
De acordo com ela, é fundamental que o devedor tenha coragem de
parar para fazer a conta
de tudo o que deve e para quem. "Chamo esse momento de "pânico
um"." O "pânico dois",
segundo ela, é quando se toma consciência do tamanho do rombo.
O devedor, diz, tem então três alternativas: fugir, morrer ou vencer.
"Geralmente dá para cortar
uma série de gastos, de alimentação a vestuário, sem perder a
dignidade."
Flávia afirma que, mesmo que a economia seja pequena, ela nunca é
desprezível.
Os devedores devem tomar cuidado para não ampliarem a dívida
envolvendo outros membros
da família, sem antes ao menos tentar rever seu planejamento
orçamentário.
O presidente da Andif diz, por exemplo, que tem crescido o número
de mulheres inadimplentes.
"Mas, em 99% desses casos, há um homem por trás." Segundo ele, é
comum que o chefe de
família, ao ter seu nome incluído na lista negra do SPC (Serviço de
Proteção ao Crédito) ou da
Serasa (Centralização de Serviços Bancários), passe a fazer as
compras com o nome da
mulher. Dessa forma, os dois acabam impedidos de comprar a prazo.
Controle começa na infância
A educadora financeira Cássia D'Aquino é categórica: usar o dinheiro
de forma controlada é
algo que pode - e deve- ser aprendido desde criança. "É preciso saber
lidar com a espera.
Afinal, como diz o ditado, o melhor da festa é esperar por ela", diz.
A incapacidade de esperar é uma forte característica dos
compradores compulsivos. E ela
pode se manifestar de diversas formas, não precisa ser apenas pelo
ato de gastar
compulsivamente.
Uma das participantes do grupo Devedores Anônimos, apesar de não
gastar
desenfreadamente, vive com pânico de dívidas. Filha de um gastador
contumaz e de uma mãe
que tentava controlar o pai, diz acreditar que a sua dificuldade em
lidar com dinheiro é fruto da
experiência familiar.
Na educação financeira, segundo Cássia, os pais têm papel
fundamental. "Presentear demais
a criança não traz felicidade, só a deixa ansiosa." Ela sugere que os
pais estabeleçam datas
para presentear os filhos. "Assim a criança passa a entender que
deve esperar para obter o
que quer."
Cássia explica que, entre os seis e dez anos de idade, a criança não
possui maturidade para
lidar com prazos longos, por isso "o ideal é dar o dinheiro
semanalmente".
A partir dos 11 anos, de modo geral, a criança já possui habilidade
para absorver prazos
maiores. "Mas não adianta simplesmente dar o dinheiro sem oferecer
nenhuma orientação",
diz.
Segundo Cássia, os pais devem sentar com os filhos para, juntos,
calcularem quanto da
mesada deve ser separado para os gastos fixos, como condução e o
lanche na escola. Assim,
a criança passará a entender que apenas uma parcela da mesada
poderá ser gasta para saciar
seus desejos. Além disso, ficará claro que eles devem ter limites e
respeitar o orçamento de
determinado período.
Solidariedade combate o vício
Na última quinta-feira à noite, véspera de feriado, no horário marcado
para a reunião do grupo
de Devedores Anônimos, na Igreja Nossa Senhora Perpétua do
Socorro, só havia chegado
uma pessoa. Mas, pouco a pouco, depois de desafiarem o
congestionamento que imobilizava a
cidade de São Paulo, os participantes do grupo foram chegando.
Naquele dia, foram oito.
Geralmente são cerca de 15. "É que tem devedor aqui que está com
dinheiro para viajar",
brinca uma das integrantes.
Depois de lerem trechos de textos que falam sobre o que é
endividamento compulsivo, cada
um começa a falar sobre si. Não há perguntas. Cada participante usa
aquele momento para
fazer um misto de desabafo e reflexão sobre como está se saindo no
processo de abstinência.
Comentam, também, sobre a dificuldade de aprender a viver sem
dívidas. Uma situação que
para eles é completamente nova e, por isso mesmo, assustadora.
A solidariedade ajuda a evitar recaídas. Quando sentem que uma
crise está por vir, eles têm o
hábito de ligar para algum amigo do grupo. Dividindo a agonia,
geralmente conseguem resistir
à compulsão.
Os pequenos passos são comemorados. Inclusive o fato de, sem
culpa, ficar devendo R$ 10
para o dono da banca de jornal porque ele não tinha troco. "Estava
ficando ansiosa com isso,
mas consegui ver que eu não fiz essa dívida porque quis. Depois,
então, separei o dinheiro
para dar a ele", conta uma "D.A.", como se definem os participantes
do grupo.
Ao fim da reunião, eles fazem uma oração pedindo serenidade para
continuar na luta do nãoendividamento.
E desejam "24 horas para todos", em referência ao fato de que a
batalha pela
abstinência não acaba, mas tem de ser vencida diariamente.
VOCÊ X VOCÊ
Gastadores compulsivos e desorganizados nas contas, um alerta:
seu maior inimigo financeiro pode estar diante do espelho
Marta Barbosa
Atire a primeira pedra quem nunca pagou multa na locadora por ter
esquecido de
devolver o filme na data; jamais comprou uma roupa caríssima que
até hoje não
usou ou apostou dinheiro numa ação seguindo apenas a orientação
dos amigos.
Quase todo mundo já cometeu pelo menos um deslize financeiro na
vida. Errar uma
vez não chega a ser um problema. Perigoso é quando esses erros
acontecem com
tanta regularidade que deixam de ser percebidos como sinônimos de
prejuízo.
Tente calcular quanto já perdeu com eles e se verá diante do seu
maior inimigo
financeiro: você mesmo. "Normalmente isso acontece com pessoas
que preferem
usar autodenominações do tipo consumista compulsivo ou
desorganizado
financeiramente do que encarar o problema", diz Cássia D’Aquino,
educadora
financeira de São Paulo. Explicações do tipo "não consigo lidar com o
dinheiro" não
convencem a orientadora. "Qualquer pessoa pode lidar com dinheiro",
afirma
Cássia. "Por pior que seja nossa herança financeira, não existe
segredo."
Mais do que uma questão psicológica, esses comportamentos fazem
parte de uma
teoria financeira que começou a ser estudada nos anos 70 mas só
ganhou
notoriedade no final dos anos 90, com estudos do americano Myron
Scholes, Nobel
de Economia em 1996. Os fundamentos da teoria comportamental,
como é
chamada, mostram que também o mercado financeiro sofre os efeitos
das atitudes
incoerentes do investidor. Os estudos, acompanhados de perto aqui
no Brasil pelo
professor Mauro Halfeld, da Universidade Federal do Paraná, se
referem ao grau de
subjetividade que envolve uma decisão de investimento. Tudo pesa
na definição de
onde e como gastar dinheiro, menos a razão.
Halfeld resume em três os temperamentos mais comuns (e também
mais
perigosos) entre as pessoas que lidam com dinheiro. O
primeiro é a vontade de nunca perder, quando há grande aversão
ao risco. É o típico caso de alguém que prefere investir na poupança,
mesmo com
objetivos de longo prazo, só para não
sofrer os sobressaltos da renda variável. O segundo é
marcado pelo excesso de autoconfiança.
Quando o investidor acha que não precisa de orientação de um
especialista e
decide sozinho uma compra ou uma aplicação. E, por último, está a
confiança sem
limites nas análises de outras pessoas. Tudo certo se a confiança for
nas pessoas
certas, o que nem sempre acontece. É quando um analista de ações é
substituído
pelo colega de trabalho e um palpite do vizinho vale mais que todas
as orientações
de um especialista. Para passar de inimigo a aliado, comece evitando
esses três
comportamentos. Tome fôlego antes de uma decisão, evitando fazer
uma compra
ou aplicação financeira por impulso. Ninguém espera passar de
gastador a
organizado da noite para o dia. Este é um exercício diário. O caminho
é não se
conformar com o eterno perfil de um atrapalhado nas contas.
"O problema é que o lado emotivo é muito forte na vida financeira
das pessoas",
explica Halfeld. "O que poucos investidores percebem é que na
economia tudo
depende da reação dos agentes do mercado e o comportamento do
aplicador é
determinante." Um exemplo de até onde a decisão de um investidor
pode interferir
no mercado são as chamadas "opções da moda". Quantas vezes você
já ouviu de
um amigo ou parente uma indicação de ação com alta rentabilidade
ou de um novo
fundo de investimentos cheio de atrativos? E quantas vezes você já
aplicou por
indicação? Só que nem sempre o que deu certo com uma pessoa, vai
dar com você.
A explicação é muito simples. "Escolher o produto adequado significa
considerar o
seu perfil e as suas necessidades", diz Betty Kitner, diretora do
Financenter, site de
finanças pessoais. Betty é taxativa na orientação: nunca se deve
adquirir um
produto por ‘indicação’ ou sem a orientação de um profissional. Isso
não se aplica
apenas ao mercado de ações. Alguém que resolve comprar um
produto só porque é
barato ou para aproveitar uma liquidação está cometendo o mesmo
erro, em
proporções diferentes, claro.
Agora, imagine alguém que prefere confiar na própria intuição do que
na avaliação
de um profissional. O analista José Costa Gonçalves, da Stock
Máxima Corretora de
Valores, sabe bem o que é isso. Ele lembra quando, no início da
década de 80,
foram lançadas as ações da Itautec. "Recomendei a compra a todos
que me
questionavam porque o mercado previa uma supervalorização." Foi o
que
aconteceu. Em poucas semanas, o ativo variou de R$ 10 até R$ 36.
"Foi quando
recomendei a venda." Gonçalves viu gente que teve o patrimônio
investido
duplicado e até triplicado. Um ano depois, uma investidora procurou
Gonçalves com
a intenção de se desfazer dos papéis que continuavam na sua
carteira. "Mesmo
com minhas recomendações, ela acreditava que a trajetória de
valorização não
seria interrompida", conta o analista. "E perdeu metade do que
aplicou." Nem o
pior inimigo faria melhor.
Fonte: http://www.terra.com.br/dinheironaweb/
Monte um plano para o pagamento de suas dívidas
Procure o contrato da dívida e leia-o com atenção. Verifique se
existem hipóteses e condições
para renegociação de dívidas;
Na renegociação, o credor deverá apresentar a posição dos débitos já
pagos. Mas convém
você juntar todos os recibos de prestação já pagas até aquela data;
Defina qual é a melhor alternativa para você : uma prestação mais
baixa por um prazo mais
longo; uma carência de alguns meses para voltar a pagar
normalmente; uma redução nos
juros, por acha-los injustos; o pagamento antecipado de parcelas
futuras;
Tenha uma proposta definida de renegociação. Conte com a
orientação de um especialista
para realizar as contas necessárias. No caso de antecipação de
pagamentos, peça sempre um
desconto dos juros futuros. Além disso, peça um desconto extra.
Se lhe fizerem uma contraproposta, peça-a por escrito, em detalhes,
e nunca feche qualquer
acordo na primeira reunião. Analise em casa, com calma;
Como devo pagar as minhas compras?
À vista
Compra a vista é sempre a melhor opção, principalmente nos
momentos de crise econômica.
Se você não tem pressa em comprar um produto, poupe o dinheiro.
Em muito menos tempo do
que o prazo de pagamento das prestações, você poderá ter juntado a
quantia suficiente para
comprá-lo à vista.
Mas, mesmo assim, o consumidor precisa estar atento para não ter
prejuízo. É preciso
pesquisar, porque existem diferenças de preço de uma loja para
outra. Por outro lado, ao
comprar a vista o consumidor sempre tem a possibilidade de
negociar, pedir um desconto e
fazer um bom negócio.
À prazo
Comprar um produto em suaves prestações pode ser um bom
negócio, mas é preciso ficar
atento para os seguintes detalhes:
... O vendedor deve informá-lo sobre: o preço do produto, ou serviço,
à vista e a prazo; número
de prestações; a taxa de juros; juros de mora, se houver atraso no
pagamento; outros
acréscimos previstos por lei.;
... É sempre melhor começar pesquisando o menor preço e comprar à
vista;
... Se isso não for possível, prefira a loja cujo total a prazo for menor;
... Verifique se a taxa anunciada é a mesma cobrada no
financiamento. Pois nem sempre as
lojas deixam isso claro para o consumidor, e na maioria das vezes, a
taxa é bem maior;
... As taxas de juros podem variar de uma loja para outra e até
mesmos entre lojas de uma
mesma rede;
... Cuidado: a taxa mensal de juros, paga em “suaves prestações”,
pode ser maior que a
inflação de um ano inteiro;
... Os juros crescem com o aumento do número de parcelas. Por isso,
quanto maior o número
de prestações, mais caro fica produto. Em menos parcelas, a taxa de
juros é menor;
... Para evitar surpresas, peça, sempre, ao vendedor para fazer os
cálculos na hora;
... Algumas lojas costumam vender em três ou quatro vezes sem
juros. Só que, nesse caso, é
bom conferir se é sem juros mesmo. Isto porque algumas lojas já
embutiram os juros das
prestações no preço à vista;
... O preço inicial também é muito importante. Para não cair nessa
armadilha, só pesquisando o
preço à vista em vários estabelecimentos.
É bom saber que:
> A multa por atraso de pagamento não pode ser maior do que 2%
do valor da prestação;
> Você pode adiantar o pagamento da dívida toda ou de parte dela,
com direito a redução
proporcional dos juros e outros acréscimos.
Cartão de Crédito
Todos os cuidados que o consumidor deve ter nas compras à vista e a
prazo, precisam ser
tomados nas compras feitas com cartão de crédito:
Assim como nas compras a prazo, no caso dos cartões de crédito, fuja
dos juros e do excesso
de prestações. Os juros cobrados pelos comerciantes, mesmo altos,
são menores que os do
cartão.
Devido aos juros altos, o cartão não deve ser usado para financiar
compras a prazo, mesmo
com a possibilidade de adiar por até 40 dias o vencimento.
Ele pode ser usado se for parcelado pela loja, ou seja, como se fosse
um cheque pré-datado,
em que, no ato da compra, já se sabe o valor a ser pago em cada
parcela.
Certifique-se de que o cartão que lhe é devolvido pelo lojista depois
da compra é realmente o
seu.
Cuidado com as compras feitas por telefone ou pela Internet Antes de
dar o número do seu
cartão, é melhor certificar-se se o site oferece segurança. Para isso,
basta verificar se no canto
esquerdo inferior da tela há um cadeado fechado.
Cheque pré-datado
É a maneira mais rápida, para comerciantes e consumidores fazerem
crediário
desburocratizado. Só que exige cuidados muito especiais por parte do
emitente do cheque.
De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, o cheque tem o
valor de um contrato –
desde que intermedie uma relação de consumo – e não pode ser
desrespeitado.
Porém, conforme a legislação específica, o banco pode descontá-lo
assim que for apresentado,
já que o cheque é uma ordem de pagamento à vista,
independentemente do trato entre o
emitente e o beneficiário. Aqui está o perigo.
Por isso é preciso tomar alguns cuidados:
... cheque pré-datado deve ser sempre nominal e com a data em que
deverá ser depositado
... nunca deve ser preenchido com o dia da compra;
... também não se deve assinar atrás, porque poderá ser passado
para terceiros, os quais
poderão depositá-lo antes da data;
... Para maior garantia, deve-se fazer constar na nota fiscal o número
do cheque emitido para
pagamento. Se for pré-datado, anote a data em que deve ser
depositado;
... Se o cheque pré-datado for apresentado para desconto no banco
antes da data combinada
com a loja onde foi feita a compra, o beneficiário pode ser
responsabilizado por eventual dano
Sofrido pelo emitente.
Dicas de como não entrar no vermelho
Apesar de cada caso ser um caso, existem algumas regras básicas a
serem seguidas, e que
contribuem para você organizar seu orçamento. Não demanda
grandes conhecimentos, nem
“horas” do seu dia.
“Fazendo seu Planejamento Financeiro, você estará controlando sua
saúde financeira ,
importante não só hoje, mas principalmente para o seu futuro”.
Veja algumas dicas:
1) Organize em uma planilha seu orçamento mensal – todas as
despesas e receitas. Habituese
com o controle de suas finanças na ponta do lápis.
2) Todos os lançamentos são importantes: moradia, alimentação,
saúde, transporte, educação,
lazer, etc. Não esqueça de pequenos gastos como gorjetas, cervejas,
padaria, revista. Um real
aqui, cinco reais ali, que muitas vezes são considerados desprezíveis,
somam uma quantia
relevante no final do mês.
3) Monte seu orçamento de acordo com suas metas e objetivos de
vida (casa própria, estudos,
viagens, etc)
4) Contabilize compras feitas com cartão e cheque pré; elas devem
limitar-se à sua sobra de
caixa mensal, quando houver. Caso não haja, esqueça estes gastos
5) Gaste somente aquilo que ganha; sempre é possível economizar
algum dinheiro,
independente da quantia. Procure reservar de 5 a 10% de sua renda
mensal para uma
poupança, que pode ser sua reserva financeira para emergências, um
plano de previdência e
outros;
6) Não se iluda com parcelas de valor baixo; os juros embutidos
geralmente são abusivos;
7) Evite a utilização do cheque especial; com os altos juros
praticados, sua dívida vira uma bola
de neve e, com o tempo se torna inviável de pagar sem realizar ações
drásticas, como a
liquidação de bens e até a sua perda definitiva;
8) Ao sair, deixe seus cartões de crédito em casa; evite a tentação de
usá-los;
9) Se contratar um financiamento fique atento se o valor das parcelas
se adequam ao seu
orçamento mensal; caso contrário você pode ter problemas em pagá-
las;
10) Poupe dinheiro para comprar à vista, pois provavelmente você
conseguirá um preço
melhor;
11) Pague as contas em dia (evite despesas com multas e juros);
12) Priorize seus gastos: uma poupança de R$ 30,00 por exemplo, é
bem mais importante do
que um plano mais completo de sua assinatura de TV a cabo;
13) Todo “dinheirinho” que sobrar, seja economizando, cortando uma
despesa supérflua ou
deixando de fazer uma compra, guarde para uma futura emergência
(saúde, problemas na
casa, franquia de auto, etc).
A arte de economizar
É o verbo que todos nós deveríamos aprender a conjugar desde
pequenos para viver com mais
tranqüilidade ou, pelo menos, sem tantas dores de cabeça. O mais
importante é ter bom senso
e planejar bem as finanças.
É claro que nem sempre isso é fácil, principalmente quando o salário
é insuficiente até para as
despesas básicas ou quando o desemprego bate à porta. Mas, apesar
de todos os problemas,
pode-se pelo menos começar a traçar uma estratégia para enfrentar
e vencer as dificuldades.
Sempre é tempo de tentar fazer com que o salário renda mais. A
economia começa com um
orçamento da casa e dos seus moradores. Cada um deles deve definir
o que é necessário e o
que é supérfluo. Se uma despesa não traz nenhum tipo de benefício
nem para a pessoa, nem
para a família, o remédio é passar a tesoura. É por isso que todos
devem estar envolvidos
nesse esforço concentrado para chegar a um acordo e manter o
orçamento equilibrado.
Quando a ordem é apertar o cinto, são necessárias algumas
medidas mais drásticas,
como:
• Comprar somente à vista. É melhor esperar um pouco mais e juntar
dinheiro do que
pagar altas taxas de juros. Além disso, nas compras à vista, sempre
pode-se conseguir
um preço mais baixo;
• Pagar as contas em dia para evitar despesas com multas e juros;
• Fugir das dívidas, principalmente do cartão de crédito ou cheque
especial. Isso porque s
vilões do orçamento são as altas taxas de juros, que transformam
uma pequena dívida
numa grande dor de cabeça.
Cuidado também com as tarifas cobradas pelos bancos, que
podem ser evitadas,
como, por exemplo:
• Tirar mais de um extrato por semana
• Solicitar mais de um talão de cheques por mês (normalmente só o
primeiro não é
cobrado);
• Saques em agências 24 horas (caixas eletrônicos). Pode ser mais
rápido, mas você
paga por isso;
• Outros serviços cobrados pelos bancos que devem ser analisadas:
• Cheque avulso;
• Cheque administrativo e DOC;
• ordem de pagamento;
• devolução de cheques por falta de fundos;
• sustação de cheques;
• manutenção de contas inativas etc.
São pequenas coisas que no final do mês pesam no orçamento
doméstico. Dessa forma, é
preferível ir pessoalmente ao banco e realizar os pagamentos. E, mais
importante, manter
organizado e controlado o saldo bancário para não ter surpresas.
Cortar alguns gastos para compensar as despesas extras, que
sempre aparecem,
também ajuda a equilibrar o orçamento. Por exemplo:
consertar um aparelho em vez de comprar um novo, geralmente
fica mais em conta;
diminuir a conta do supermercado, pesquisando preços, tirando
alguns itens ou
substituindo-os por marcas mais baratas;
Comprar nos lugares onde já se conhecem os preços;
Economizar água, energia elétrica e telefone, usando-os de
maneira racional, pode
representar uma diferença de cerca de 20% a 30% no valor das
contas.
Para economizar dinheiro só mesmo gastando menos do que se
ganha e investindo o
que sobra. Mas é preciso fazer sobrar. Uma dica: tudo o que você
economizar, seja
cortando uma despesa supérflua, seja deixando de comprar alguma
coisa, deve ser
anotado e o dinheiro investido, numa caderneta de poupança, num
fundo de
investimento, num plano de previdência.
Enfim, ECONOMIZAR também pode ser uma arte.
Salve seu bolso evitando desperdício
Água
.. Evite banhos demorados. Feche o registro para se ensaboar;
. . Não deixe a torneira aberta enquanto lava as mãos, escova os
dentes ou faz a barba. A utilização de
aeradores (aquelas redinhas ou peneirinhas colocadas no bocal da
torneira) podem reduzir o gasto de
água;
... Evite lavar calçadas, com esguicho. A vassoura produz o mesmo
resultado e sem desperdício de água;
... Conserte torneiras e vazamentos. Para saber se existe algum
vazamento, basta fechar todas as torneiras
e observar no hidrômetro, o indicador de movimento (orientador,
meia-lua, bolinha ou gravatinha). Se
estiver girando, significa que está passando água. Pode-se detectar
os vazamentos com mais facilidade à
noite ou em feriados, quando o consumo da cidade diminui e a
pressão da rede aumenta.
Nas cidades com problemas de abastecimento, as pessoas costumam
usar a mesma água para diferentes
finalidades. Por exemplo, a água usada para lavar roupa é depois
aproveitada para lavar o quintal.
Energia Elétrica
... Verifique a fiação da casa. Fios desencapados, emendas malfeitas,
provocam fuga de energia e o
conseqüente desperdício.
... Não sobrecarregue as tomadas ligando muitos aparelhos a elas.
... Utilize lâmpadas de 60W. Deixe as de 100W para os ambientes que
precisam de iluminação melhor e
apague as luzes ao sair de um cômodo.
... Paredes claras ajudam tornam o ambiente mais claro, evitando o
uso lâmpadas de maior voltagem.
... Desligue o televisor antes de dormir. Se você costuma dormir
vendo TV, prefira televisores que
desligam automaticamente.
... Evite o abre e fecha do freezer e da geladeira. Não guarde
alimentos quentes neles e não deixe
acumular gelo.
... Não use a parte de trás da geladeira para secar roupas.
... Verifique se a borracha de vedação da porta está em bom estado.
Se não estiver, deve ser trocada, para
evitar desperdício de energia.
... Acumule uma boa quantidade de roupas para lavar, secar ou
passar.
... Use os eletrodomésticos de acordo com as instruções do
fabricante.
... Conheça a potência dos eletrodomésticos que você tem em casa,
para saber quanta energia elétrica cada
um consome. Essa informação deve estar impressa no selo de
identificação do produto ou no manual de
instruções. Para calcular o consumo de cada aparelho, basta
multiplicar a potência pelo número de horas
que ele é usado por mês.
Alimentos
... Na hora de comprar frutas, legumes e verduras, dê preferência aos
produtos de épocas, que são mais
frescos e mais baratos.
... Não compre grandes quantidades, mesmo que estejam em oferta.
... Leve apenas o que vai ser consumido em dois ou três dias.
... Escolha os mais firmes e novos, sem partes envelhecidas, rachadas
ou com manchas.
... Não jogue fora as folhas e talos. São partes muito nutritivas e
devem ser aproveitadas no cardápio
diário.
... Verduras e legumes devem ser guardados inteiros. Não os guarde
cortados ou descascados.
... Colocadas em sacos plásticos na parte inferior da geladeira, as
hortaliças conservam-se por mais
tempo. Em temperatura ambiente estragam com mais facilidade. Por
isso devem ser mantidas em local
fresco e arejado.
... Sempre que possível cozinhe os legumes com casca e de
preferência inteiros.
... Não jogue fora a água do cozimento de legumes e verduras. Use-a
para fazer sopa ou molhos.
... Sobras de alimentos já preparados podem se transformar em novos
e deliciosos pratos. Para melhor
aproveitamento, devem ser guardadas em vasilhas limpas, secas e
bem fechadas na geladeira ou em local
fresco.
... Cascas de frutas podem se transformar em deliciosos sucos,
geléias ou compotas.
Criatividade e bom senso são atitudes fundamentais para
evitar o desperdício e salvar o seu bolso.
Dicas de como sair do vermelho
Cortando despesas – administrando melhor o seu dinheiro
Geralmente quando as pessoas pensam em reduzir suas despesas ou
cortar gastos com a
casa, elas começam a se desencorajar porque pensam que deixarão
de ter determinadas
coisas ou não poderão aproveitar as coisas boas da vida. Isto não
deve ser necessariamente
verdade. Você deve pensar da forma correta quando toma a decisão
de cortar despesas para
lhe ajudar a alcançar seus objetivos financeiros, ou você abandonará
o seu plano. Por isso nós
gostaríamos que você encarasse um corte de despesas como uma
coisa boa e que vai lhe
ajudar a melhor utilizar o seu dinheiro.
Você está pronto para poupar e viver com seu novo plano de
despesas se você pensa sobre
suas metas financeiras:
· “eu consigo abrir mão de uma coisa que desejo muito hoje, com o
objetivo de equilibrar
minhas finanças e adquirir quando puder no futuro.”
· “é muito importante ter algum dinheiro para emergências”
· “eu tenho controle sobre o meu dinheiro e minhas decisões”
Você NÃO está pronto para viver com seu novo plano de despesas
se você pensa.....
· sobre benefícios imediatos
· “eu começarei amanhã”
· “eu não consigo fazer planos para o futuro”
· “eu tenho problema com contas”
· “eu vou esperar minhas contas serem pagas”
Dicas para corte nas despesas
Dar um basta as compras feitos por impulso ou por hábito. Evite
produtos supérfluos,
que não lhe proporcionem satisfação. Priorize marcas menos
conhecidas. Compre
produtos que estejam na safra;
Faça uma lista das suas prioridades de consumo, aproveitando
omáximo do dinheiro
que você possui. Os gastos na farmácia também devem ser
controlados;
Tente negociar ou reduzir as grandes despesas. Você pode
renegociar o valor do seu
financiamento imobiliário ou de seu empréstimo bancário, ou liquidar
sua dívida do
financiamento do automóvel. Compre um carro mais simples ou
procure andar de
ônibus, metrô e até de carona com amigos do trabalho que moram
perto de você. Deixe
a vergonha de lado e, não se preocupe o que os outros vão pensar.
Nossa experiência
comprova, que o que mais existe, são pessoas bem vestidas e com
carro do ano, mas
que estão todas endividadas e sem perspectiva futura.
Tente reduzir suas despesas com aluguel Em muitos contratos de
aluguel constam
ajustes e correções períódicas e, baseados principalmente, em índices
como IGP-M ou
IPC-Fipe. Apesar disso, a aplicação desses percentuais de correção no
aluguel muitas
vezes são negociáveis, chegando ao ponto de não haver reajustes.
Devido a elevada
oferta de imóveis no mercado e a queda nas taxas de juros paga em
investimentos, os
valores de aluguel estão caindo e possibilitando aos inquilinos
negociar até uma
redução, mesmo antes do mês de acerto. Portanto, se você é bom
inquilino ( paga
sempre em dia e cuida bem do imóvel ) e está com orçamento
apertado, sugerimos que
negocie com o proprietário do imóvel ou com a corretora.
Como negociar
Na negociação com o proprietário, para reduzir ou ter suspenso o
reajuste do aluguel, o
inquilino deve não só tomar a iniciativa, mas também munir-se de
argumentos que justifiquem
sua proposta. Para isso, é importante que, o inquilino pesquise os
preços das locações de
imóveis semelhantes ao que mora, nos contratos firmados
recentemente. Essa pesquisa fica
mais fácil para quem mora em prédio de apartamentos, já que pode
fazer o levantamento dos
preços no próprio condomínio. Envie uma carta ao proprietário ou
corretora solicitando ou
apresentando sua nova proposta com prazo para a resposta.
Evite almoços fora com a família.
Seja econômico com energia elétrica e telefone. Evite o telefone
celular. Só utilize para
chamadas urgentes e para receber ligações. Controle os gastos com a
internet.
Faça um plano econômico e que atenda suas necessidades na TV a
Cabo;
Se a compra é imprescindível não faça financiamento. Compre à
vista e peça desconto.
Se não cabe no seu orçamento, não compre. Procure alternativas
criativas ou recorra a
cortes de outras despesas para compensar essa nova.
Reduza a quantidade de cartões de crédito; você estará reduzindo o
valor pago nas
anuidades; não é necessário ter uma infinidade deles; escolha um, no
máximo dois, de
preferência com programas de afinidades adequadas ao seu perfil
(milhas em viagens,
descontos, etc)
Não deixe de ir as reuniões de condomínio, pois medidas que
encarecem o condomínio
podem estar sendo aprovadas.
Faça um levantamento de todas as suas despesas com tarifas e
taxas bancárias e
promova um corte radical. Em média, um correntista gasta R$ 250,00
por ano;
Se você possui uma dívida de cheque especial, contrate um
empréstimo pessoal, e
assim estará trocando uma taxa mensal média de 8% por 4%. Você
também pode
negociar com seu credor.
Mesmo endividado, você deve traçar metas; assim que liquidar
uma dívida, comece a
poupar para um determinado objetivo
Abra mão de uma coisa que deseja muito hoje, com o objetivo de
equilibrar suas
finanças e poder adquirir aquilo que quer no futuro”
Como se encontra sua saúde financeira ?
Você.....
gasta tudo o que ganha ?
está organizando as suas finanças ?
está endividado no cheque especial, cartão de crédito,
empréstimos, etc ?
perdeu o controle das suas finanças e precisa de ajuda ?
Se você tem a sensação de nunca ter dinheiro suficiente para tudo o
que quer. Você adoraria
poder gastar mais ? Em geral, você é muito cauteloso, mas às vezes
se vê em apuros,
digamos, se o seu carro tiver algum problema o que vai fazer. Se você
sente-se descontrolado
com o dinheiro que ganha. O dinheiro em suas mãos evapora. Está
endividado e gostaria de
quitar as suas dívidas e ficar com o nome limpo na praça. Gostaria de
poupar para conseguir o
que deseja, como uma casa nova, uma viagem dos seus sonhos.
Preste atenção : Você deve enfrentar a sua situação e perceber que a
solução não é ganhar
mais dinheiro, mas sim, aprender a administrar o dinheiro que possui.
Veja algumas dicas para você aprender a administrar melhor seu
dinheiro.
1- Sempre é possível economizar algum dinheiro, seja qual for a
quantia. O importante é
você começar a poupar.
2- Liste suas metas e objetivos de vida, e coloque no topo da lista de
prioridades. Mesmo
que você esteja endividado, sua prioridade deve ser alcançar suas
metas e sonhos. A
liquidação de uma dívida e o início de uma poupança, deve ser o
caminho a ser seguido.
A grande armadilha da vida é quando você fica esperando sua
situação financeira
melhorar para que comece a realizar seus sonhos e vontades. Está na
hora de ver as
coisas de outra forma. A pergunta que devemos fazer é: O que me dá
alegria? Em que
ocasiões tenho aquela maravilhosa sensação de satisfação? O que
realmente quero na
vida? Não esqueça de incluir como meta de vida uma aposentadoria
tranqüila e de
qualidade.
3- Liste todas as suas despesas do mês (o ideal é dos 03 últimos
meses ) e a sua renda
.Utilize nossa PLANILHA DE ORÇAMENTO FAMILIAR simples, e
ótima para você
controlar suas despesas e receitas.
4- Não se esqueça da despesa de juros e saldo devedor em cartão de
crédito, empréstimo
pessoal, cheque especial e pré-datados. Não se esqueça, também,
dos pequenos
gastos na padaria, uma revista, um lanche, etc. Você pode simular no
nosso Planejador
de despesas, quanto iria acumular, em um período de 5 anos, caso
cortasse alguns
gastos.
Agora você já sabe onde quer chegar e qual a sua atual situação. É
hora de fazer uma boa
análise dos seus gastos.
1. Monte uma estratégia para alcançar as suas metas e sonhos. Para
isso, utilize os
nossos simuladores de investimento e de aposentadoria para calcular:
..
Poupança para adquirir algum bem ou viagem a ser realizada; ...
Programação
para a minha aposentadoria; ... Reserva financeira para emergências;
...
Poupança para pagar os estudos do meu filho; ... Troca do meu
apartamento;
2. Corte todos os gastos que considera supérfluo e que não
acrescentem nada para
alcançar as suas metas. Reúna todos da casa e mostre a nova
situação; a
necessidade de um controle emergencial para alcançar uma saúde
financeira
equilibrada e com perspectivas futuras boas para todos.
3. Se você está endividado, monte um plano para pagamento e
liquidação das
dívidas. Veja algumas dicas na matéria: Como sair do vermelho.
4. Se você possui uma boa saúde financeira, com um orçamento
equilibrado, é hora
de preparar um bom planejamento financeiro para não ser pego de
surpresa. Veja
em Planejamento Financeiro a importância de você programar e
administrar seus
recursos para alcançar seus objetivos e metas financeiras.