Você está na página 1de 222
Curso CLP - 5 Módulo Básico usando o software RS Logix 5 Curso PLC-5 usando

Curso CLP - 5

Curso CLP - 5 Módulo Básico usando o software RS Logix 5

Módulo Básico usando o software RS Logix 5

Curso CLP - 5 Módulo Básico usando o software RS Logix 5 Curso PLC-5 usando o
Índice Página

Índice

Página

1. DEFINIÇÃO DE CLP ou PLC

1.1 – IEC (International Eletric Commitee)

001

1.2 – Prática

001

1.3 – Histórico e características do CLP

001

1.4 – Aparência do PLC-5 (Família 5 da Allen Bradley)

002

1.5 – Arquitetura de um Controlador Lógico Programável (CLP)

003

1.6 – Arquitetura do CLP-5

005

1.7 – Funcionamento do CLP

006

1.8 – Ciclo de Operação do CLP (SCAN)

007

1.9 – Interrupção do ciclo de operação

008

2.

COMPONENTES BÁSICOS DO HARDWARE DO CLP-5

2.1 – Chassis

009

 

2.1.1 – Mini-seletoras do Chassi Principal

010

2.1.2 – Jumper de seleção da Fonte de alimentação do chassi

011

2.2 – Fonte de alimentação

012

2.3 – Módulo Controlador ou CPU

015

 

2.3.1 – Definição da Estação DH+ do canal 1A

022

2.3.2 – Configuração da Porta Serial

023

2.3.3 – Modos de operação do CLP-5

027

2.3.4 – Leds sinalizadores de STATUS do CLP-5

029

2.3.5 – Instalação e Remoção da Bateria do Controlador

030

2.3.6 – Instalação dos módulos de memória EEPROM

032

2.4 – Sistemas de E/S

033

 

2.4.1 – Módulos de E/S da plataforma 1771

033

2.4.1.1 – Módulo de ED – lógica SINK

034

2.4.1.2 – Módulo de ED – lógica SOURCE

034

2.4.1.3 – Módulo de SD – lógica SINK

035

2.4.1.4 – Módulo de SD – lógica SOURCE

035

2.4.2 – Módulos de Entradas Digitais

036

2.4.3 – Módulos de Saídas Digitais

037

2.4.4 – Módulos de E/S Analógicas da plataforma 1771

038

2.4.4.1 – Módulos de Entrada Analógica

038

2.4.4.2 – Módulos de Saída Analógica

040

3. REDE DE E/S LOCAL ESTENDIDA USANDO OS CLP-5/40L ou CLP-5/60L042

4. REDE DE E/S REMOTAS (RIO)

4.1 – Conceito

044

4.1.1

– Características gerais da rede

044

4.2 – Meio físico

045

4.3 – Velocidades

045

4.4 – Módulo Adaptador de E/S Remotas – 1771-ASB

045

Índice Página

Índice

Página

 

4.4.1 – Configuração do jumper

046

4.4.2 – Configuração das mini-seletoras SW1 e SW2

046

4.4.3 – Configuração das mini-seletoras do Chassi de E/S remotas

048

4.4.4 – Diagrama de interligação do cabo na borneira do 1771-ASB

049

4.4.5 –Leds sinalizadores de STATUS do módulo 1771-ASB

049

4.5 – Interligação entre dispositivos na rede RIO

052

4.6 – Subsistema de E/S remotas FLEX I/O

053

5.

REDE DATA HIGHWAY PLUS (DH+)

5.1 – Conceito

 

055

 

5.1.1

– Características gerais da rede

055

5.2 – Meio físico

056

5.3 – Velocidade

056

5.4 – Protocolo

056

5.5 – Número máximo de estações DH+ por rede

056

5.6 – Interfaces de micros para rede DH+

 

5.6.1 – Interface para desktop (1784-KTX)

057

5.6.2 – Interface para notebook (1784-PCMK0)

057

5.7 – Transferência de dados entre controladores

058

5.8 – Interligação entre dispositivos na rede DH+

058

6.

REDE ETHERNET INDUSTRIAL (TCP/IP)

6.1 – Conceito

 

059

6.2 – Meio físico

059

6.3 – Velocidade

059

6.4 – Topologias

060

 

6.4.1 – Barramento

060

 

6.4.2 – Anel

060

 

6.4.3 – Estrela

061

6.5 – Protocolo

 

061

6.6 – Acesso

061

6.7 – Endereço de IP

062

6.8 – Arquitetura do Sistema de Automação na Bacia de Campos

062

6.9 – Controladores com porta Ethernet TCP/IP incorporada

063

6.10 – Interface Ethernet – 1785-ENET

064

7.

REDE MODBUS – RTU

7.1 – Conceito

 

065

7.2 – Meios físicos e padrões elétricos

066

7.3 – Princípio básico de comunicação em Modbus

066

7.4 – Módulo de comunicação Modbus para CLP-5

067

 

7.4.1

– Características do módulo 3100-MCM

067

Índice Página

Índice

Página

8. MEMÓRIA DO CLP-5

8.1 – Conceitos básicos

 

8.1.1 – BIT

069

8.1.2 – BYTE

069

8.1.3 – REGISTRO ou PALAVRA

069

8.1.4 – REGISTRO de PONTO FLUTUANTE

069

8.2 – Organização da memória do CLP-5

8.2.1 – Generalidades

070

8.2.2 – Arquivos de Programas

070

 

8.2.2.1 – Arquivos reservados

070

8.2.2.2 – Arquivo de Programa Principal

071

8.2.2.3 – Arquivos de transição e de Passo do SFC

071

8.2.2.4 – Arquivos de subrotinas

072

8.2.2.5 – Arquivo de Interrupção com Temporização selecionável

072

8.2.2.6 – Arquivo de Rotina de Falha

072

8.2.2.7 – Transferência de Arquivos de Programa

073

8.2.3 – Arquivos de Dados

074

 

8.2.3.1 – Arquivos utilizados com maior freqüência

075

8.2.3.2 – Estendendo o Arquivo Imagem de E/S (CLP-5/15)

077

8.2.3.3 – Agrupamento de Arquivos do mesmo tipo

077

8.2.3.4 – Elementos de Arquivo

078

8.2.3.5 – Tipos de Dados

080

8.2.4 – Endereçamento Lógico

 

8.2.4.1

– Endereçamento Lógico Direto

082

8.3

– Endereçamento no CLP-5

8.3.1 – Endereçamento de E/S

085

 

8.3.1.1 – Definições básicas

085

8.3.1.2 – Tipos de endereçamentos de chassis

086

8.3.2 – Endereçamento do Arquivo de Status

087

8.3.3 – Exemplos de Endereçamento Lógico Direto

088

8.3.4 – Endereçamento Indireto

089

8.3.5 – Exemplos de endereçamento Direto e Indireto

090

8.3.6 – Endereçamento Indexado

091

8.3.7 – Exemplo de endereçamento indexado

093

8.3.8 – Constantes de Programa

093

8.3.9 – Visualização dos números de Ponto Flutuante

094

9.

RS LOGIX 5

 

9.1 – Introdução

 

095

9.2 – Procedimentos de operação do software RS Logix 5

096

 

9.2.1 – Abrindo uma aplicação existente

096

9.2.2 – Modificando uma linha de programa em OFF LINE

096

9.2.3 – Modificando uma linha de programa em ON LINE

097

9.2.4 – Gerando um backup de uma aplicação

099

9.2.5 – Restaurando um backup de uma aplicação

100

Índice Página

Índice

Página

9.2.6 – Configuração do driver serial RS-232 através do RS LINX

102

9.2.7 – Configuração do driver Ethernet através do RS LINX

106

9.2.8 – Transferindo uma aplicação para o CLP (Download)

110

9.2.9 – Salvando uma aplicação do CLP (Upload)

112

9.2.10 – Acessando a tabela de Dados do CLP

114

9.2.11 – Referência cruzada

117

9.2.12 – Acessando a tabela de FORCES do CLP

121

9.2.13 – Acessando a tabela de FALHAS do CLP

125

9.2.14 – Identificando falhas de E/S

127

10. LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO

10.1 – Padronização IEC

129

10.2 – Linguagem gráfica

10.2.1 – Diagrama de lógica de relés (LADDER)

129

10.2.2 – Diagrama de Blocos de Funções (FBD)

129

10.2.3 – Gráfico seqüencial de Funções (SFC)

129

10.3 – Linguagem textual

10.3.1 – Lista de instruções (IL)

129

10.3.2 – Texto estruturado (STX)

Basic (BAS)

129

10.3.3 –

129

10.3.4 – Linguagem C

129

10.4 – Linguagem LADDER

11. INSTRUÇÕES BÁSICAS DO CLP-5

11.1 – Instruções do Tipo RELÉS

131

11.1.1 – Generalidades

131

11.1.2 – Instruções Examine

11.1.2.1 – Examine se Energizado (XIC)

131

11.1.2.2 – Examine se Desenergizado (XIO)

132

11.1.3 – Instruções Energizar / Desenergizar saída

11.1.3.1 – Energizar saída (OTE)

132

11.1.3.2 – Energizar saída com retenção (OTL) e

Desenergizar Saída com retenção (OTU)

133

11.1.4 – Instruções de ramificação

11.1.4.1 – Ramificação de entrada

135

11.1.4.2 – Ramificação de saída

135

11.1.5 – Instrução de Inversão (INV)

136

11.2 – Instruções de Temporizadores e Contadores

11.2.1 – Generalidades

137

11.2.2 – Descrição

137

11.2.3 – Instruções de Temporizador

11.2.3.1 – Temporizador na Energização (TON)

139

11.2.3.2 – Temporizador na Desenergização (TOF)

141

Índice Página

Índice

Página

143

11.2.4 – Instruções de Contador Crescente / Decrescente (CTU e CTD) 146

11.2.3.3 – Temporizador Retentivo (RTO)

11.2.5 – Instrução de Rearme de Temporizador / Contador (RES)

150

11.3 – Instruções Aritméticas, Lógicas e de Movimentação

11.3.1 – Generalidades

151

11.3.2 – Descrição

151

11.3.3 – Parâmetros das Instruções

151

11.3.4 – Bits de Estado Aritmético

152

11.3.5 – Tipos de Dados

152

11.3.6 – Instrução de Adição (ADD)

153

11.3.7 – Instrução de Subtração (SUB)

153

11.3.8 – Instrução de Multiplicação (MUL)

154

11.3.9 – Instrução de Divisão (DIV)

154

11.3.10 – Instrução de Raiz Quadrada (SQR)

155

11.3.11 – Instrução de Negação (NEG)

155

11.3.12 – Instrução de Zeramento (CLR)

156

11.3.13 – Instrução de Conversão para BCD (TOD)

156

11.3.14 – Instrução de Conversão de BCD (FRD)

157

INSTRUÇÕES LÓGICAS Recordação de “Portas Lógicas”

158

Aplicação das Operações Lógicas em Plataformas

159

11.3.15 – Instrução Lógica E (AND)

160

11.3.16 – Instrução Lógica OU (OR)

161

11.3.17 – Instrução Lógica OU Exclusivo (XOR)

162

11.3.18 – Instrução Lógica Complemento (NOT)

163

11.3.19 – Instrução de Movimentação (MOV)

164

11.3.20 – Instrução de Movimentação com Máscara (MVM)

164

11.3.20.1 – Parâmetros da instrução

164

11.3.20.2 – Operação

165

11.3.21 – Instrução de Cálculo (CPT)

166

11.3.21.1

– Parâmetros da instrução

166

11.4 – Instruções de Comparação

11.4.1 – Generalidades

168

11.4.2 – Descrição

168

11.4.3 – Parâmetros da instrução

168

11.4.4 – Instrução Igual a (EQU)

169

11.4.5 – Instrução Diferente de (NEQ)

169

11.4.6 – Instrução Menor que (LES)

170

11.4.7 – Instrução Menor ou Igual a (LEQ)

170

11.4.8 – Instrução Maior que (GRT)

171

11.4.9 – Instrução Maior ou Igual a (GEQ)

171

11.4.10 – Instrução Testar Limite (LIM)

172

11.4.10.1

– Parâmetros da instrução

172

11.4.11 – Instrução Igual Mascarado (MEQ)

173

Índice Página

Índice

Página

11.4.11.1 – Parâmetros da instrução

174

11.4.12 – Instrução de Comparação (CMP)

175

12. REDUNDÂNCIA DE CPU´s

12.1 – Conceito

176

12.2 – Operação básica

176

12.3 – Módulo de Backup de Comunicação – 1785-BCM

177

12.3.1 – Leds sinalizadores de STATUS do 1785-BCM

178

12.3.2 – Diagrama de interligação entre os módulos 1785-BCM Primário e Secundário

179

13. EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

Exercício sobre configuração de E/S

180

Exercício 2

183

Exercício 3

186

Exercício 4

189

Exercício 5

192

Exercício 6

195

Exercício 7

198

Exercício 8

201

Exercício 9

204

Exercício 10

207

Exercício 11

210

FIGURAS

Figura 1.A – Vista do Controlador CLP-5

002

Figura 1.B – Vista do Chassi do CLP-5

005

Figura 1.C – Funcionamento do CLP

006

Figura 1.D – Ciclo de SCAN

007

Figura 1.E – Interrupção do ciclo de operação

008

Figura 2.A – Tamanhos de Chassis

009

Figura 2.B – Vista do chassi sem cartões e localização da chave de configura- -ção do mesmo e jumper de seleção da fonte de alimentação

010

Figura 2.C – Módulo Fonte de Alimentação

012

Figura 2.D – Fonte de Alimentação externa

012

Figura 2.E – Vista Frontal do módulo Fonte de Alimentação

013

Figura 2.F – Vista Frontal da Fonte de Alimentação Externa

013

Figura 2.G – Vista Frontal dos Controladores CLP-5/15 e CLP-5/25

017

Figura 2.H – Ajuste das mini-seletoras dos Controladores CLP-5/15 e CLP-5/25 018

Figura 2.I – Vista Frontal dos Controladores CLP-5/11 e CLP-5/20

019

Figura 2.J – Vista Frontal dos Controladores CLP-5/30; -5/40; -5/60 e -5/80

020

Figura 2.K – Ajuste das mini-seletoras dos Controladores 5/11;-5/20;-5/30;-5/40 -5/60 e -5/80

021

Índice Página

Índice

Página

Figura 2.L – Vista Frontal dos Controladores CLP-5/20E; -5/40E e -5/80E

024

Figura 2.M – Vista Frontal dos Controladores CLP-5/40L e CLP-5/60L

025

Figura 2.N – Vista Frontal dos Controladores CLP-5/20C; -5/40C e -5/80C

026

Figura 2.O – Instalação da Bateria

031

Figura 2.P – Instalação dos módulos de memória EEPROM

032

Figura 2.Q – Conexão do tipo entrada SINK

034

Figura 2.R – Conexão do tipo entrada SOURCE

034

Figura 2.S – Conexão do tipo saída SINK

035

Figura 2.T – Conexão do tipo saída SOURCE

035

Figura 2.U – Vista Frontal do módulo de ED 1771-IBN

036

Figura 2.V – Vista Frontal do módulo de SD 1771-OW16

037

Figura 2.W – Controle de nível do tanque

038

Figura 2.X – Conversor A/D

039

Figura 2.Y – Conversor D/A

040

Figura 3.A – Desenho da rede de E/S Local estendida

043

Figura 3.B – Desenho de conexão dos cabos entre os módulos 1771-ALX

043

Figura 4.A – Desenho de interligação da rede de E/S Remotas

044

Figura 4.B – Vista do módulo adaptador de E/S remotas – 1771-ASB

045

Figura 4.C – Vista do chassi sem cartões e localização da chave de configura- -ção do mesmo e jumper de seleção da Fone de alimentação

048

Figura 4.E – Montagem do módulo adaptador e base para módulos sobre Trilho DIN

054

Figura 5.A – Desenho de interligação da rede DH+

056

Figura 5.B – Placa 1784-KTX

057

Figura 5.C – Placa 1784-PCMK

057

Figura 6.A – Vista Frontal do módulo 1785-ENET

064

Figura 7.A – Desenho da rede serial Modbus-RTU

065

Figura 7.B – Vista Frontal do módulo 3100-MCM

067

Figura 7.C – Comunicação entre PLC-5 e módulo 3100-MCM

068

Figura 8.A – Arquivos com elementos de uma Palavra

078

Figura 8.B – Arquivo de Ponto Flutuante

078

Figura 8.C – Arquivos de Temporizador e Contador

079

Figura 8.D – Arquivo de Controle

080

Figura 8.E – Formato geral do Endereço Lógico Direto

082

Figura 8.F – Exemplo de Endereço Indexado

093

Figura 10.A – Tipos de linguagens de programação

129

Figura 11.A – Instrução Examinar se Energizado (XIC)

131

Figura 11.B – Instrução Examinar se Desenergizado (XIO)

132

Figura 11.C – Instrução Energizar Saída (OTE)

133

Figura 11.D – Instrução Energizar Saída com Retenção (OTL)

134

Figura 11.E – Instrução Desenergizar Saída com Retenção (OTU)

134

Índice Página

Índice

Página

Figura 11.F – Exemplo de ramificação interna

135

Figura 11.G – Exemplo da Instrução INV

136

Figura 11.H – Palavras da Tabela de Dados para Temporizadores e Contadores

137

Figura 11.I – Palavra de controle da instrução de Temporizador

138

Figura 11.J – Temporizador na Energização (TON) – Diagrama de Tempo

140

Figura 11.K – Temporizador na Desenergização (TOF) – Diagrama de Tempo

142

Figura 11.L – Temporizador Retentivo (RTO) – Diagrama de Tempo

145

Figura 11.M – Formato das instruções CTU e CTD

146

Figura 11.N – Palavra de Controle da Instrução de Contador

147

Figura 11.O – Diagrama de tempo do Contador Crescente e Decrescente

149

Figura 11.P – Instrução de rearme de temporizadores e contadores

150

Figura 11.Q – Formato da instrução de Adição (ADD)

153

Figura 11.R – Formato da instrução de Subtração (SUB)

153

Figura 11.S – Formato da instrução de Multiplicação (MUL)

154

Figura 11.T – Formato da instrução de Divisão (DIV)

154

Figura 11.U – Formato da instrução de Raiz Quadrada (SQR)

155

Figura 11.V – Formato da instrução de Negação (NEG)

155

Figura 11.W – Formato da instrução de zeramento – (CLR)

156

Figura 11.X – Formato da instrução TOD

156

Figura 11.Y – Formato da instrução FRD

157

Figura 11.Z – Formato da instrução AND

160

Figura 11.AA – Formato da instrução OR

161

Figura 11.BB – Formato da instrução XOR

162

Figura 11.CC – Formato da instrução NOT

163

Figura 11.DD – Formato da instrução MOV

164

Figura 11.EE – Formato da instrução MVM

164

Figura 11.FF – Exemplo da instrução MVM

165

Figura 11.GG – Formato da instrução CPT

166

Figura 11.HH – Formato da instrução QUE

169

Figura 11.II – Formato da instrução NEQ

169

Figura 11.JJ – Formato da instrução LES

170

Figura 11.KK – Formato da instrução LEQ

170

Figura 11.LL – Formato da instrução GRT

171

Figura 11.MM – Formato da instrução GEQ

171

Figura 11.NN – Formato da instrução LIM

172

Figura 11.OO – Exemplo da Instrução LIM

173

Figura 11.PP – Formato da instrução MEQ

173

Figura 11.QQ – Exemplo da instrução MEQ

174

Figura 11.RR – Formato da instrução CMP

175

Figura 12.A – Sistema de Redundância usando o módulo 1785-BCM

177

Índice Página

Índice

Página

TABELAS

Tabela 2.1 – Fontes de Alimentação em um Chassi do Controlador

014

Tabela 2.2 – Especificações dos Controladores CLP-5

016

Tabela 2.3 – Endereçamento do número da Estação DH+ do Controlador

022

Tabela 2.4 – Configuração da Porta serial do Controlador

023

Tabela 2.5 – Modelos de Módulos de Entradas Digitais

036

Tabela 2.6 – Modelos de Módulos de Saídas Digitais

037

Tabela 4.1 – Diagnósticos do módulo adaptador 1771-ASB

050

Tabela 8.1 – Organização de Memória para Arquivos de Dados

074

Tabela 8.2 – Mapa de Memória dos Tipos de Arquivos

076

Tabela 8.3 – Arquivo de Status do CLP-5

081

Tabela 8.4 – Endereço de Palavra (Arquivos T, C e R)

083

Tabela 8.5 – Endereço de Bit (Arquivos T, C e R)

084

Tabela 11.1 – Bits de estado aritméticos

152

Tabela 11.2 – Operação Lógica E

160

Tabela 11.3 – Operação Lógica OU

161

Tabela 11.4 – Operação Lógica OU Exclusivo (XOR)

162

Tabela 11.5 – Operação Lógica NOT

163

Tabela 11.6 – Símbolos de operações da instrução CPT

167

Tabela 11.7 – Símbolos e Tipos de operações da instrução CMP

175

Tabela 12.1 – Leds indicadores de status do módulo 1785-BCM

178

1. DEFINIÇÃO DE CLP ou PLC 1.1 – IEC ( International Electric Committee ) É

1. DEFINIÇÃO DE CLP ou PLC

1.1 – IEC ( International Electric Committee )

É um sistema eletrônico operando digitalmente, projetado para uso em

ambiente industrial, usando memória programável para armazenar instruções

orientadas para o usuário.

Este sistema eletrônico é usado para fazer lógica seqüencial, temporização e contagem de eventos e controle de máquinas ou processos, através de interfaces de entradas e saídas.

1.2 - PRÁTICA

A sigla CLP significa Controlador Lógico Programável. No termo em inglês é usada a sigla PLC que significa Programmable Logic Controller.

É um equipamento de controle de processos e máquinas, programável

através de um computador e apropriado para aplicações industriais em operações sequenciais, intertravamento, alarme e segurança.

É usado para controle automático de subsistemas dentro de uma

plataforma (Exemplo: Fogo e gás / Separador de óleo e gás / Geradores /

Emergência / intertravamento de válvulas de segurança, etc

)

A aquisição de dados de um CLP é feita normalmente utilizando-se de uma IHM ou Sistema Supervisório (ESC ou ECOS).

1.3 - Histórico e características do CLP

§ Criado em 1969 para a General Motors dos Estados Unidos;

§ Fácil de programar e reprogramar (software);

§ Facilidade de manutenção e reparo;

§ Robustez mesmo em ambiente hostil (industrial);

§ Menor tamanho que sistema com relés eletromecânicos convencionais;

§ Aumenta a produtividade;

§ Aceitar entradas e saídas para diferentes níveis de tensão (Vac / Vcc);

§ Modular e expansível

§ Confiabilidade aumentada quando se utiliza um sistema de redundância.

1.4 - Aparência do PLC-5 (Família 5 da Allen Bradley) § Apresenta configuração modular e

1.4 - Aparência do PLC-5 (Família 5 da Allen Bradley)

§

Apresenta configuração modular e expansível sendo selecionado e montado pelo usuário de acordo com suas necessidades

Figura 1.A – Vista do Controlador PLC-5

suas necessidades Figura 1.A – Vista do Controlador PLC-5 APOSTILA do Curso PLC-5 usando o software
1.5 - Arquitetura de um Controlador Lógico Programável ( CLP ) Supervisão IHM Sensores mecânicos

1.5 - Arquitetura de um Controlador Lógico Programável ( CLP )

Supervisão

IHM

Controlador Lógico Programável ( CLP ) Supervisão IHM Sensores mecânicos Sensores capacitivos I T
Sensores mecânicos Sensores capacitivos I T Sensor de Temperatura I P Sensor de Pressão
Sensores mecânicos
Sensores mecânicos

Sensores capacitivos

I T
I
T

Sensor de Temperatura

I P
I
P

Sensor de Pressão

Variáveis de Saída da Planta Variáveis de Saída da
Variáveis de Saída da
Planta
Variáveis de Saída da
Variáveis de Saída da Planta Variáveis de Saída da Planta MEDIÇÃO DE GRANDEZAS Variáveis de Entrada

Planta

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS

Variáveis de Entrada do CLPVariáveis de Saída da Planta MEDIÇÃO DE GRANDEZAS C ontrolador L ógico P rogramável Variáveis de

Controlador

Lógico

Programável

Variáveis de Saída do CLPde Entrada do CLP C ontrolador L ógico P rogramável Contatores e Relés Convencionais Solenóides de

Contatores e Relés Convencionais Solenóides de válvulas Lâmpadas / Sirenes

Contatores e Relés Convencionais

Contatores e Relés Convencionais Solenóides de válvulas Lâmpadas / Sirenes

Solenóides de válvulas

Contatores e Relés Convencionais Solenóides de válvulas Lâmpadas / Sirenes

Lâmpadas / Sirenes

Solenóides de válvulas Lâmpadas / Sirenes Variáveis de Entrada na Planta Comandos ABRE / FECHA

Variáveis de Entrada na Planta Comandos ABRE / FECHA Comandos LIGA / DESLIGA Comandos PROPORCIONAIS

CIRCUITOS DE ENTRADAS

PLANTA OU

PROCESSO

INDUSTRIA

q São circuitos que fazem a interface com sinais de entrada de campo (Exemplos:

chaves de nível, sensores de nível, transmissores de pressão, temperatura, botões liga / desliga, emergência, abandono, etc)

CIRCUITOS DE SAÍDAS

q São circuitos que fazem a interface com sinais de saída de campo (Exemplos:

solenóides, sirenes, comandos para válvulas proporcionais, etc)

CPU

q Unidade Central de Processamento. É o cérebro do CLP. É responsável pela execução do programa aplicativo (ladder) que controla a(s) planta(s) dentro da plataforma. (Exemplo: Controle dos geradores, fogo e gás, separador de óleo / gás, etc )

FONTE DE ALIMENTAÇÃO q É utilizada para a energização do barramento do rack permitindo a

FONTE DE ALIMENTAÇÃO

q É utilizada para a energização do barramento do rack permitindo a alimentação dos circuitos eletrônicos da CPU e módulos instalados no rack.

TERMINAL DE PROGRAMAÇÃO

q

É um microcomputador onde é instalado um software de configuração,

programação e documentação do PLC-5. Este software é chamado de RS Logix 5

e

roda em ambiente Windows (sistema operacional).

q

Este terminal será utilizado como ferramenta de diagnósticos e manutenção do CLP.

q

Geralmente o terminal de programação comunica-se com o CLP através da rede Ethernet / TCP-IP (Em caso de plataformas onde o sistema já está instalado), podendo também comunicar-se com o CLP através da porta serial, utilizando o protocolo DF1 (Full Duplex)

MEMÓRIA

 

q

É

o local onde os dados e programas do CLP são armazenados.

q

Existem 02 tipos de memórias:

Memória volátil ou não retentiva => O conteúdo desta memória é apagado quando não existe tensão aplicada. Exemplo: memória RAM (Random Access Memory) No PLC-5 o programa e dados são armazenados na memória RAM com backup através de bateria de lítio.

Memória não volátil ou retentiva => O conteúdo desta memória fica armazenado mesmo quando não existe tensão aplicada. Exemplo: memória EEPROM (Electrical Erasable Programmable Read Only Memory)

1.6 - Arquitetura do CLP-5 A arquitetura do CLP-5 acompanha o mesmo padrão utilizado por

1.6 - Arquitetura do CLP-5

A arquitetura do CLP-5 acompanha o mesmo padrão utilizado por qualquer sistema de controle baseado em CLP, sendo basicamente constituída por:

n

Chassis de 4, 8, 12 ou 16 slots

n

Módulo Processador (CPU)

n

Interface de Entradas e Saídas Digitais e Analógicas

n

Módulos Especiais (Interfaces de redes, Cartão de pulsos de alta freqüência, etc)

n

Memórias

n

Fontes de alimentação

n

Dispositivos de programação (RS Logix 5)

Figura 1.B – Vista do Chassis do CLP-5

(RS Logix 5) Figura 1.B – Vista do Chassis do CLP-5 n Estrutura metálica onde são

n

Estrutura metálica onde são encaixados os módulos do CLP e a Fonte de alimentação;

n

Utiliza um barramento dedicado para sinais de alimentação, controle e dados de comunicação entre a CPU e os demais módulos;

n

No Chassis são inseridos os seguintes cartões:

n

Fonte de alimentação

n

CPU

n

Módulos de entradas e saídas (E/S ou I/O)

n

Módulos de comunicação

1.7 - Funcionamento do CLP 1 – O Processador do CLP lê continuamente os status

1.7 - Funcionamento do CLP

1 – O Processador do CLP lê continuamente os status dos módulos de entrada e atualiza a memória de imagem das entradas ( Tabela Imagem das Entradas );

2 – O Processador do CLP executa continuamente a lógica de programa do usuário,

baseada nas informações da memória de imagem das entradas. A medida que o CLP executa cada linha de programa ele atualiza a sua memória de imagem das saídas (Tabela Imagem das Saídas);

3 – O Processador do CLP ativa ou desativa os canais dos cartões de saída, baseados nos status da memória imagem das saídas.

Figura 1.C – Funcionamento do CLP

Módulo de entrada

Figura 1.C – Funcionamento do CLP Módulo de entrada Equipamento de entrada Processador do CLP resolve
Figura 1.C – Funcionamento do CLP Módulo de entrada Equipamento de entrada Processador do CLP resolve
Figura 1.C – Funcionamento do CLP Módulo de entrada Equipamento de entrada Processador do CLP resolve

Equipamento de entrada

Processador do CLP resolve continuamente o programa lógico do usuário baseado nos status da tabela de imagem da entrada

Processador do CLP atualiza continuamente os status da tabela de imagem da saída baseado na solução do programa lógico do usuário

Processador do CLP lê continuamente os status do módulo de entrada e atualiza a imagem de entrada

Programa lógico do usuário

e atualiza a imagem de entrada Programa lógico do usuário Tabela de imagem de saída Processador

Tabela de imagem de saída

Processador do CLP ativa ou desativa continuamente os status do módulo de saída de acordo com os status da tabela de imagem da saída

Módulo de saída

os status da tabela de imagem da saída Módulo de saída APOSTILA do Curso PLC-5 usando
1.8 - Ciclo de Operação do CLP ( SCAN ) O ciclo de operação de

1.8 - Ciclo de Operação do CLP ( SCAN )

O ciclo de operação de um CLP consiste em uma série de operações seqüenciais e repetidas, a menos que a lógica do seu programa altere o ciclo normal de operação.

Figura 1.D – Ciclo de SCAN

Housekeeping (Atualização da memória interna de diagnósticos) 1 5 2 Serviços de SCAN Comunicação 4
Housekeeping
(Atualização da
memória interna
de diagnósticos)
1
5
2
Serviços de
SCAN
Comunicação
4
3
Atualização das saídas

Descrição:

Leitura das

Entradas

Execução do

programa

aplicativo

(LADDER)

1- Tempo requerido pela CPU para varrer e ler todas as entradas.

2- Tempo requerido pela CPU para executar todas as instruções presentes no programa aplicativo. Este tempo depende das instruções utilizadas.

3- Tempo requerido pela CPU para varrer e escrever em todas as saídas.

4- Parte do ciclo de operação em que ocorre a comunicação com o terminal de programação. 5- Housekeeping é o tempo gasto com atualização dos registros internos de

diagnósticos.

Observação:

O SCAN é medido em milisegundos (ms). Para se medir o tempo de SCAN de uma aplicação é necessário utilizar-se de um terminal de programação (microcomputador rodando o software RS Logix 5) e estabelecer comunicação com a CPU e acessar a janela de Diagnósticos do CLP.

1.9 - Interrupção do ciclo de operação O ciclo de operação (SCAN) de um CLP

1.9 - Interrupção do ciclo de operação

O ciclo de operação (SCAN) de um CLP pode ser interrompido por uma rotina de programa específica. ( Exemplos: cálculo e totalização de vazão; controle de uma malha PID de temperatura e/ou pressão ).

Existem dois tipos de rotinas que podem interromper o ciclo normal de operação de um CLP

a) Rotina de interrupção por tempo (STI)

b) Rotina de interrupção por evento (PII)

A rotina de interrupção por tempo é executada em intervalos de tempo pré- definidos pelo programador ou usuário ( Exemplo: A totalização de vazão deve ser feita a cada 1000 ms ).

A rotina de interrupção por evento é executada somente quando um evento ocorrer (Exemplo: quando uma chave de nível atuar, o CLP executa uma rotina de controle de nível )

Figura 1.E – Interrupção do Ciclo de Operação

PPRROOCCEESSSSAAMMEENNTTOO DDOO PPRROOGGRRAAMMAA

M E E N N T T O O D D O O P P R
M E E N N T T O O D D O O P P R

lleeiittuurraa ddooss ssiinnaaiiss ddee eennttrraaddaa

RRoottiinnaa ddee iinntteerrrruuppççããoo

aattuuaalliizzaaççããoo ddaass ssaaííddaass

2. COMPONENTES BÁSICOS DO HARDWARE DO CLP-5 2.1 - CHASSIS O Chassis é o bastidor

2. COMPONENTES BÁSICOS DO HARDWARE DO CLP-5

2.1 - CHASSIS

O Chassis é o bastidor utilizado para o encaixe dos seguintes módulos:

Fonte de Alimentação

CPU ou módulo adaptador

Módulos de entrada / saída

Módulos especiais

Existem três tipos de chassis quanto sua denominação:

Chassis Principal Chassis de Expansão Local

Local expandida (1771-ALX) e módulos adicionais de E/S Chassis de Expansão Remota à Aquele que abriga o módulo adaptador de E/S Remotas (1771-ASB) e os módulos adicionais de E/S

à Aquele que abriga a CPU à Aquele que abriga o módulo adaptador de E/S

O Chassis contém um barramento dedicado AB (Allen Bradley). Este barramento é dividido em sinais de controle, sinais de transferência de dados e sinais de alimentação.

Existem quatro modelos de Chassis:

1771- A1B

à 04 slots + slot da CPU

1771- A2B

à 08 slots + slot da CPU

1771- A3B

à 12 slots + slot da CPU

1771- A4B

à 16 slots + slot da CPU

Figura 2.A – Tamanhos de chassis

1771-A1B

1771-A2B

da CPU Figura 2.A – Tamanhos de chassis 1771-A1B 1771-A2B 1771-A3B 1771-A4B APOSTILA do Curso PLC-5

1771-A3B

1771-A4B

– Tamanhos de chassis 1771-A1B 1771-A2B 1771-A3B 1771-A4B APOSTILA do Curso PLC-5 usando o software RS
2.1.1 – Mini-seletoras do Chassis Principal ( com CLP-5) No “backplane” (placa de fundo) do

2.1.1 – Mini-seletoras do Chassis Principal ( com CLP-5)

No “backplane” (placa de fundo) do Chassis existe um conjunto de 08 mini- seletoras utilizadas para a configuração do mesmo. A configuração destas mini- seletoras depende do tipo de Chassis a ser empregado na configuração do sistema (Principal, Expansão Local, Expansão Remota).

Mostraremos primeiramente a configuração do Chassis Principal, ou seja, aquele que abriga o Módulo Controlador (CPU).

Figura 2.B – Vista do chassis sem cartões e localização da chave de configuração do mesmo e jumper de seleção da fonte de alimentação

Jumper de Seleção da Fonte de Alimentação

SW-1 SW-2 SW-3 SW-4 SW-5 SW-6 SW-7 SW-8
SW-1
SW-2
SW-3
SW-4
SW-5
SW-6
SW-7
SW-8

Mini-

Posição

Descrição

seletora

SW-1

ON

Saídas permanecem no seu último estado quando ocorre uma falha no hardware (1)

OFF

Saídas são desenergizadas quando ocorre uma falha de hardware

(1)

SW-2

OFF

Esta mini-seletora deve permanecer sempre desligada

SW-3

OFF

Esta mini-seletora deve permanecer sempre desligada

 

OFF

OFF

Define o endereçamento do Chassis para 02 ranhuras

SW-4 /

OFF

ON

Define o endereçamento do Chassis para 01 ranhura

SW-5

ON

OFF

Define o endereçamento do Chassis para ½ ranhura

ON

ON

Não permitido

SW-6 /

OFF

OFF

Transfere programa aplicativo da memória EEPROM para a memória RAM do Controlador na Energização (2)

SW-7

ON

ON

Transfere da EEPROM para a memória RAM do Controlador se a memória do mesmo não for válida

ON

OFF

Não transfere (3)

SW-8

OFF

Proteção da memória RAM do Controlador desabilitada

ON

Proteção da memória RAM do Controlador habilitada (4)

Notas: (1) Independentemente do ajuste da mini-seletora, as saídas são desenergizadas quando: - o controlador

Notas:

(1)

Independentemente do ajuste da mini-seletora, as saídas

são

desenergizadas quando:

- o controlador detecta um erro de run-time

- ocorre uma falha na placa de fundo do Chassis de E/S

- o modo teste ou programação é selecionado

- um bit do arquivo de status é ajustado para desenergizar uma gaveta local.

(2) Se um módulo de memória EEPROM não estiver instalado, o indicador PROC pisca e o controlador energiza o bit S:11/9 (bit 9) da palavra de falha grave do CLP.

(3) Uma falha no controlador ocorre se a memória do controlador (indicador PROC aceso) não for válida

(4) Não é possível limpar a memória do controlador quando esta mini-seletora está na posição ON, ou descarregar um novo programa no CLP (download). É possível apenas alterar linhas de programa no modo de edição ON LINE.

2.1.2 – Jumper de seleção da Fonte de Alimentação no Chassis de E/S

No “backplane” (placa de fundo) do Chassis existe também um “jumper” de seleção do tipo de Fonte de Alimentação que será instalada no Chassis.

Existem 02 tipos de fonte de alimentação:

a) Placa fonte de alimentação que é colocada em uma ranhura (slot) do Chassis b) Fonte de Alimentação externa que é montada no lado esquerdo do Chassis

Deste modo este “jumper” é usado para selecionar se o chassis receberá uma placa fonte de alimentação ou será energizado através de uma fonte externa.

Posição do jumper

Descrição

Y

Quando se utiliza Fonte de alimentação interna (módulo fonte de alimentação)

N

Quando se utiliza Fonte de alimentação externa

Observação: Não é possível energizar um único chassis com um módulo fonte de alimentação e uma fonte de alimentação externa.

2.2 - FONTE DE ALIMENTAÇÃO A Fonte de alimentação é utilizada para energização do Módulo

2.2 - FONTE DE ALIMENTAÇÃO

A Fonte de alimentação é utilizada para energização do Módulo Controlador (CPU) ou módulo adaptador, módulos de E/S e módulos especiais encaixados em um Chassis.

Existem 02 tipos de Fontes de alimentação que podem ser utilizados no Sistema de Controle usando PLC-5:

a) Módulo Fonte de alimentação: É uma fonte de alimentação interna porque está instalada em uma ou duas ranhuras de um chassis. b) Fonte de alimentação: É uma fonte de alimentação montada na lateral esquerda do chassis. Não utiliza ranhuras para cartões de E/S.

Figura 2.C – Módulo Fonte de alimentação

de E/S. Figura 2.C – Módulo Fonte de alimentação Figura 2.D – Fonte de alimentação externa

Figura 2.D – Fonte de alimentação externa

Fonte de

Alimentação

– Fonte de alimentação externa Fonte de Alimentação APOSTILA do Curso PLC-5 usando o software RS
Figura 2.E – Vista frontal do módulo Fonte de Alimentação LED indicador de alimentação Conector

Figura 2.E – Vista frontal do módulo Fonte de Alimentação

LED indicador de alimentação

Conector paralelo

Chave LIGA / DESLIGA

Fusível da Fonte

Conexão da alimentação

LIGA / DESLIGA Fusível da Fonte Conexão da alimentação Figura 2.F – Vista frontal Fonte de

Figura 2.F – Vista frontal Fonte de alimentação externa

Conexão da alimentação

Chave LIGA / DESLIGA

Fusível da Fonte

Chave seletora de Tensão LED indicador de alimentação

Chave seletora de Tensão LED indicador de alimentação APOSTILA do Curso PLC-5 usando o software RS
Chave seletora de Tensão LED indicador de alimentação APOSTILA do Curso PLC-5 usando o software RS
Chave seletora de Tensão LED indicador de alimentação APOSTILA do Curso PLC-5 usando o software RS
Chave seletora de Tensão LED indicador de alimentação APOSTILA do Curso PLC-5 usando o software RS
Chave seletora de Tensão LED indicador de alimentação APOSTILA do Curso PLC-5 usando o software RS
Chave seletora de Tensão LED indicador de alimentação APOSTILA do Curso PLC-5 usando o software RS
Tabela 2.1: Fontes de alimentação em um Chassis com o Controlador     Corrente Corrente

Tabela 2.1: Fontes de alimentação em um Chassis com o Controlador

   

Corrente

Corrente de Saída (A) quando em paralelo com:

Localização da Fonte de Alimentação

Fonte

Alimentação

de saída

de entrada

(A)

P3

P4

P4S

P4S1

P5

P6S

P6S1

1771-P3

120

Vca

 

3

6

11

11

       

Ranhura

1771-P4

120

Vca

 

8

11

16

16

       

Ranhura

1771-

                   

P4S

120

Vca

 

8

11

16

16

Ranhura

1771-

                   

P4S1

100

Vca

 

8

16

Ranhura

1771-

                   

P4R

120

Vca

8

/ 16

Ranhura

1771-P5

24 Vcc

 

8

       

16

   

Ranhura

1771-

                   

P6S

220

Vca

 

8

16

Ranhura

1771-

                   

P6S1

200

Vca

 

8

16

Ranhura

1771-

                   

P6R

220

Vca

8

/ 16

Ranhura

1771-P7

120/220

               

Externa (1)

Vca

 

16

1771-

120/220

                 

PS7

Vca

 

16

Externa (1)

(1) Não se pode utilizar uma fonte de alimentação externa e um módulo fonte de

alimentação

para

fornecer

alimentação

ao

mesmo

chassis,

pois

não

são

compatíveis.

2.3 – Módulo Controlador ou CPU A CPU é o cérebro do CLP-5. É responsável

2.3 – Módulo Controlador ou CPU

A CPU é o cérebro do CLP-5. É responsável pela varredura das E/S, execução do programa aplicativo que controla o processo (cada subsistema de uma plataforma) e diagnósticos do sistema.

Existem vários modelos de CPU´s da família PLC-5. As diferenças básicas entre as CPU´s são:

a) Capacidade de memória (programa + dados)

b) Capacidade de controle de E/S digitais e/ou analógicas

c) Velocidade de processamento (freqüência do microprocessador).

Cada chassi ou bastidor permite apenas 01 CPU instalada na ranhura mais à esquerda. As demais ranhuras são reservadas para módulos de E/S e/ou especiais.

Modelos de Controladores para plataforma PLC-5:

Processador

Código de catálogo

CLP-5/11

1785-L11

CLP-5/15 (*)

1785-LT

CLP-5/20

1785-L20

CLP-5/25 (*)

1785-LT2

CLP-5/30

1785-L30

CLP-5/40

1785-L40

CLP-5/60

1785-L60

CLP-5/40L

1785-L40L

CLP-5/60L

1785-L60L

CLP-5/80

1785-L80

(*) Os Processadores CLP-5/15 e CLP-5/25 são CPUs pertencentes à plataforma antiga (primeiros processadores da família CLP-5) e os demais processadores são pertencentes à nova plataforma.

Tabela 2.2: Especificações dos Controladores CLP-5         Números      

Tabela 2.2: Especificações dos Controladores CLP-5

       

Números

     

Controlador

Capacidade

De E/S

Número

total de

Gavetas

de E/S

Configurações

Da Gaveta

das

Gavetas

de E/S

(2)

Modos de

comunicação

de E/S

Remota

Configuração

Automática

de E/S

Memória do

Controlador

CLP-5/15

512

(3)

4

 

1

– 4 local,

0

- 3

Adaptador e

Sim

6K / 14K (1)

 

0 – 3 remotas

 

Scanner

CLP-5/25

1024

(4)

8

 

1

– 4 local,

0

- 7

Adaptador e

Sim

13K / 21K

 

1 – 7 remotas

 

Scanner

(1)

CLP-5/11

512

(5)

4

 

1

– 4 local 1 remota

0

- 3

Adaptador e

Sim

8K

     

Scanner

CLP-5/20

512

(5)

4

 

– 4 local, 3 remotas

1

0

- 3

Adaptador e

Sim

16K

   

Scanner

CLP-5/30

1024

(4)

8

 

1

– 4 local,

0

- 7

Adaptador e

Sim

32K

 

1 – 7 remotas

 

Scanner

CLP-5/40

2048

(6)

16

 

1 – 4 local, 1 – 15 remotas

0

- 17

Adaptador e

Sim

48K

   

Scanner

CLP-5/40L

2048

(6)

16

 

1 – 4 local,

0

- 17

Adaptador e

Sim

48K

 

1 – 15 local

 

Scanner

expandida e

 

remota

CLP-5/60

3072

(7)

24

 

1

– 4 local,

0

- 27

Adaptador e

Sim

64K

 

1

– 23 remota

 

Scanner

CLP-5/60L

3072

(7)

24

 

1 – 4 local

0

- 27

Adaptador e

Sim

64K

 

1 – 23 local

 

Scanner

expandida e

 

remota

CLP-5/80

3072

(7)

24

 

1

– 4 local

0

- 27

Adaptador e

Sim

100K

 

1

– 23 remota

 

Scanner

(1) Expansão de memória com módulo de expansão 1785-MS (2) Todos os números das gavetas de E/S estão em notação OCTAL. (3) 512 entradas e 512 saídas, utilizando módulos de 16 ou 32 pontos (4) 1024 entradas e 1024 saídas, utilizando módulos de 16 ou 32 pontos (5) 512 E/S, utilizando módulos de E/S de 32 pontos com endereçamento de ½ ranhura no chassis de E/S (6) 2048 entradas e 2048 saídas, utilizando módulos de 16 ou 32 pontos (7) 3072 entradas e 3072 saídas, utilizando módulos de 16 ou 32 pontos

Observação:

Memória de 1K = 1024 words (1024 palavras ou registros de 16 bits).

Figura 2.G – Vista Frontal dos Controladores CLP-5/15 e CLP-5/25 (Plataforma antiga) Indicador de comunicação

Figura 2.G – Vista Frontal dos Controladores CLP-5/15 e CLP-5/25 (Plataforma antiga)

Controladores CLP-5/15 e CLP-5/25 (Plataforma antiga) Indicador de comunicação Ativa / em Falha (verde /
Controladores CLP-5/15 e CLP-5/25 (Plataforma antiga) Indicador de comunicação Ativa / em Falha (verde /
Controladores CLP-5/15 e CLP-5/25 (Plataforma antiga) Indicador de comunicação Ativa / em Falha (verde /
Controladores CLP-5/15 e CLP-5/25 (Plataforma antiga) Indicador de comunicação Ativa / em Falha (verde /
Controladores CLP-5/15 e CLP-5/25 (Plataforma antiga) Indicador de comunicação Ativa / em Falha (verde /
Controladores CLP-5/15 e CLP-5/25 (Plataforma antiga) Indicador de comunicação Ativa / em Falha (verde /

Indicador de comunicação Ativa / em Falha

(verde / vermelho)

de comunicação Ativa / em Falha (verde / vermelho) Indicador de Bateria Fraca (vermelho) Indicador de
de comunicação Ativa / em Falha (verde / vermelho) Indicador de Bateria Fraca (vermelho) Indicador de

Indicador de Bateria Fraca (vermelho)

Indicador de E/S Remota ativa / falha (verde / vermelho)

Indicador do Modo de operação (verde)

Indicador operação / falha no controlador (verde / vermelho)

Indicador Force

(âmbar)

Compartimento

da bateria

Conexão com o Terminal de Programação

Conexão com a REDE DH+

Conexão com a REDE de E/S remota

Conector para

Tipo do

Descrição

conector

Terminal de Programação

9

pinos, D-shell

Conecta

um

terminal

de

 

programação diretamente ao controlador. Possui conexão paralela com o conector de 3 pinos

da rede DH+

Comunicação com a rede DH+

3

pinos

Estabelece a conexão com a rede DH+

Rede E/S remota

3

pinos

Estabelece a conexão com as gavetas de E/S remotas.

Figura 2.H – Ajuste das mini-seletoras dos Controladores CLP-5/15 e CLP-5/25 Vista superior do Controlador

Figura 2.H – Ajuste das mini-seletoras dos Controladores CLP-5/15 e CLP-5/25

Vista superior do Controlador

CLP-5/15 e CLP-5/25 Vista superior do Controlador SW1 Vista inferior do Controlador SW3 SW2 Utilize a

SW1

Vista inferior do Controlador

SW3 SW2
SW3
SW2

Utilize a mini- seletora

Para:

SW1

-definir o número da estação do controlador na rede DH+ -selecionar o modo de operação (adaptador ou scanner) para o controlador

 

determinar o número de palavras da tabela de dados reservadas para estabelecer a comunicação entre um controlador principal e o controlador CLP-5 operando como adaptador.

-

SW2

número do primeiro grupo da gaveta na qual o CLP-5, operando como adaptador, está instalado.

-

determinar o número da gaveta de E/S do CLP-5, operando como adaptador.

-

SW3

-

conectar um resistor de terminação na linha do controlador quando

este for o último dispositivo da rede DH+ e/ou rede de E/S remota.

Figura 2.I – Vista Frontal dos Controladores CLP-5/11 e CLP-5/20 CLP-5/11 Chave seletora de Modo

Figura 2.I – Vista Frontal dos Controladores CLP-5/11 e CLP-5/20

CLP-5/11

Frontal dos Controladores CLP-5/11 e CLP-5/20 CLP-5/11 Chave seletora de Modo de operação Slot para instalação

Chave seletora

de

Modo de

operação

e CLP-5/20 CLP-5/11 Chave seletora de Modo de operação Slot para instalação do módulo de memória

Slot para

instalação do

módulo de

de Modo de operação Slot para instalação do módulo de memória EEPROM (opcional) Porta serial Canal

memória EEPROM

(opcional)

Porta serial

Canal 0

Indicador de

status do

canal 1A

(verde/verme

-lho)

Canal 0 Indicador de status do canal 1A (verde/verme -lho) Conexão do terminal de programação quando
Canal 0 Indicador de status do canal 1A (verde/verme -lho) Conexão do terminal de programação quando
Canal 0 Indicador de status do canal 1A (verde/verme -lho) Conexão do terminal de programação quando

Conexão do terminal de programação quando o canal 1A

está configurado para rede DH+

Canal 1A

Porta DH+

fixa

Porta de

comunicação

Canal 1A

CLP-5/20

1A Porta DH+ fixa Porta de comunicação Canal 1A CLP-5/20 LED indicador de BATERIA FRACA (vermelho)
1A Porta DH+ fixa Porta de comunicação Canal 1A CLP-5/20 LED indicador de BATERIA FRACA (vermelho)
1A Porta DH+ fixa Porta de comunicação Canal 1A CLP-5/20 LED indicador de BATERIA FRACA (vermelho)

LED indicador de BATERIA FRACA (vermelho)

LED indicador de Operação / Falha no Controlador (verde / vermelho)

LED indicador de FORCE (âmbar)

LED indicador do canal 0 (verde)

Compartimento

de bateria

Indicador de status do canal

1B

(verde/vermelho)

Porta de comunicação Canal 1B

Canal /

Tipo do canal / conector

Descrição

Modo de

Conector

comunicação

 

default

   

Porta serial opticamente isolada. Suporta os seguintes padrões elétricos seriais:

Ponto-a-ponto DF1 (2400 bps, sem paridade, 1 stop bit, verificação de erro BCC e sem handshaking)

0

25 pinos, D-shell

RS-232, RS-422 e RS-423. Porta com protocolo ASCII ou DF1 (ponto-a- ponto, escravo ou mestre).

   

Portas de comunicação configuráveis pelo usuário. Permitem que o CLP-5 opere como Scanner, adaptador ou estabeleça comunicação com a rede DH+ (Data Highway Plus). O canal 1A do CLP-5/20 é uma porta DH+ fixa.

DH+:

canal 1A

1A

 

1B

3 pinos

Scanner: canal 1B

Terminal de

 

Possui conexão paralela com o conector de 3 pinos dos canais 1A .

DH+

Programação

8 pinos, mini-DIN (2 conectores)

Figura 2.J – Vista Frontal dos Controladores CLP-5/30 , CLP-5/40 , CLP-5/60 e CLP-5/80 CLP-5/40

Figura 2.J – Vista Frontal dos Controladores CLP-5/30, CLP-5/40, CLP-5/60 e CLP-5/80

CLP-5/40 , 5/60 ou 5/80

CLP-5/30

Chave seletora de modo de operação

, 5/60 ou 5/80 CLP-5/30 Chave seletora de modo de operação Indicador do canal 2A (verde

Indicador do canal 2A (verde constante)

Conexão do Terminal de programação quando o canal 2A estiver configurado para DH+

Indicador do canal 2B (verde constante)

Porta serial

Canal 0

Indicador do canal 2B (verde constante) Porta serial Canal 0 Porta de comunicação Canal 2A Porta

Porta de

comunicação

Canal 2A

Porta serial Canal 0 Porta de comunicação Canal 2A Porta de comunicação Canal 2B Indicador do

Porta de

comunicação

Canal 2B

Indicador do canal 1A (verde constante)

Canal 2B Indicador do canal 1A (verde constante) Instalação do módulo de memória EEPROM Conexão do
Canal 2B Indicador do canal 1A (verde constante) Instalação do módulo de memória EEPROM Conexão do

Instalação do

módulo de

memória EEPROM

Conexão do Terminal de programação quando o canal 1A estiver configurado

para DH+ Porta de comunicação Canal 1A

Compartimento

de bateria

Porta de

comunicação

Canal 1B

1A Compartimento de bateria Porta de comunicação Canal 1B LED indicador de BATERIA FRACA (vermelho) LED
1A Compartimento de bateria Porta de comunicação Canal 1B LED indicador de BATERIA FRACA (vermelho) LED
1A Compartimento de bateria Porta de comunicação Canal 1B LED indicador de BATERIA FRACA (vermelho) LED

LED indicador de BATERIA FRACA (vermelho)

LED indicador de Operação / Falha no Controlador (verde / vermelho)

LED indicador de FORCE (âmbar)

LED indicador do canal 0 (verde)

Porta serial

Canal 0

Indicador do canal 1B (verde constante)

Canal /

Tipo do canal / conector

Descrição

Modo de

Conector

comunicação

 

default

   

Porta serial opticamente isolada. Suporta os seguintes padrões elétricos seriais:

Ponto-a-ponto DF1 (2400 bps, sem paridade, 1 stop bit, verificação de erro BCC e sem handshaking)

0

25 pinos, D-shell

RS-232, RS-422 e RS-423. Porta com protocolo ASCII ou DF1 (ponto-a- ponto, escravo ou mestre).

1A

 

Portas de comunicação configuráveis pelo usuário. Permitem que o CLP-5 opere como Scanner, adaptador ou estabeleça comunicação com a rede DH+ (Data Highway Plus).

DH+:

canal 1A

1B

Scanner: canal 1B Canais não utilizados: 2A e 2B

2A

3 pinos

2B

Terminal de

8 pinos, mini-DIN (2 conectores)

Possui conexão paralela com o conector de 3 pinos dos canais 1A e 2A. Utilizam-se estes conectores quando os canais 1A e 2A estiverem configurados para rede DH+

 

Programação

Figura 2.K – Ajuste das mini-seletoras dos Controladores CLP-5/11 , CLP-5/20 , CLP- 5/30, CLP-5/40,

Figura 2.K – Ajuste das mini-seletoras dos Controladores CLP-5/11 , CLP-5/20 , CLP- 5/30, CLP-5/40, CLP-5/60 e CLP-5/80

Vista lateral do Controlador

CLP-5/40, CLP-5/60 e CLP-5/80 Vista lateral do Controlador SW1 Vista inferior do Controlador SW2 Utilize a

SW1

Vista inferior do Controlador

lateral do Controlador SW1 Vista inferior do Controlador SW2 Utilize a mini- seletora Para: SW1 -

SW2

Utilize a mini- seletora

Para:

SW1

- definir o número da estação do canal 1A na Rede DH+

SW2

- definir a configuração do padrão elétrico para a porta serial 0. Os padrões elétricos disponíveis são compatíveis com EIA RS-232C, RS-423 ou RS-422.

2.3.1 – Definição da Estação DH+ do canal 1A Utilize o grupo de mini-seletoras SW1

2.3.1 – Definição da Estação DH+ do canal 1A

Utilize o grupo de mini-seletoras SW1 para configurar o endereço da Estação DH+ do Controlador para o canal 1A quando este canal for utilizado para conexão à rede DH+.

Este ajuste é lido pelo Processador na energização e quando a memória do controlador apresenta uma falha que depois é removida.

Importante: O ajuste default (de fábrica) da mini-seletora para o canal 1A é o endereço 0 da estação DH+

1. Localize o grupo SW1 (figura 17)

2. Ajuste as mini-seletoras 1-6 de acordo com a tabela

3. Ajuste a mini-seletora 7 em D (desligada), pois não é utilizada.

Tabela 2.3: Endereçamento do número da Estação do Controlador na rede DH+

Número

da

 

Mini-seletora

 

Número

da

 

Mini-seletora

 

estação

1

2

3

4

5

6

estação

1

2

3

4

5

6

0

L

L

L

L

L

L

20

L

L

L

L

D