P. 1
_MÉTODO_DE_ESCULTURA_EM_BLOCO_DE_CERA-INCISIVO_CENTRAL_SU_PERIOR-21

_MÉTODO_DE_ESCULTURA_EM_BLOCO_DE_CERA-INCISIVO_CENTRAL_SU_PERIOR-21

|Views: 8.691|Likes:
Publicado porCleisson Sampaio

More info:

Published by: Cleisson Sampaio on Mar 08, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/13/2014

pdf

text

original

MÉTODO DE ESCULTURA EM BLOCO DE CERA O método é um auxiliar no treinamento da escultura dental.

Deve ser visto como a obtenção de um esboço para se chegue à anatomia. O conhecimento da forma dental e das proporções que os detalhes anatômicos possuem é de fundamental importância. O método utilizado é do quadriculado em épura (representação no plano, mediante projeções de uma figura no espaço). Este método baseia-se na projeção ortogonal das faces proximais e vestibulares dos dentes em bloco de cera. OBJETIVOS - Facilitar a compreensão e o aprendizado da escultura dental. - Levar os alunos de odontologia o conhecimento sobre anatomia dental, desenho e escultura que será utilizado no dia a dia do Cirurgião-Dentista nos trabalhos de reconstrução de dentes cariados, fraturados e reposição de dentes perdidos.

SEQUÊNCIA DOS PASSOS PARA ESCULTURA DENTAL DO INCISICO CENTRAL SUPERIOR - 21 1- Desenhar as faces vestibular e proximal (M) de acordo com a Fig.1 em papel milimetrado, dividindo as porções coronária e radicular.
Vista proximal (M) Vista vestibular

Fig. 1 – Projeção ortogonal - Desenho geométrico do incisivo central superior Esquerdo (21) 2- Traçar no bloco de cera a linha divisória coroa/raiz (cervical). 3- Utilizando-se o Hollenback, fazer a projeção da face proximal (M) para o bloco de cera, perfurando o papel e certificando-se que a linha cervical coincida com a previamente desenhada na cera. Não deixar de registrar o contorno de qual face está sendo representada no bloco.

Fig. 2 – Contorno geométrico da mesial do dente 21.

4Com o canivete de gume reto recortar o excesso do bloco de cera, tangenciando o contorno da vista M, com o cuidado para não inutilizá-la. Estes recortes devem ser paralelos. 5- Observando o paralelismo, desenhar a vista V na face correspondente. A inscrição da face V deve ser por projeção do recorte e não por superposição direta, evitando assim, o encurtamento do dente.

Fig. 3 - Desenho da face vestibular, após o recorte da face proximal

6- Repetir o desgaste do excesso de cera mantendo o paralelismo. Após o recorte das projeções é importante observar se as vistas por vestibular e palatina estão na mesma proporção assim como a vista mesial e distal. Observar também se a posição das bossas e da linha de colo estão corretas. 7- Marcar as bossas V,M,P e D, que são os pontos mais proeminentes de cada face. No incisivo central superior, inscrever na face V duas linhas longitudinais, dividindo esta em 3 porções. Estas são correspondentes aos lóbulos de desenvolvimento. Unir estes pontos com linhas diagonais que irão representar as regiões expulsivas. Definir as linhas de colo que cruzarão as linhas longitudinais para o corte das áreas retentivas. Fig. 4 - Demarcação das bossas e linhas longitudinais. A linha longitudinal proximal parte do bordo incisal. Une-se o encontro das linhas longitudinais com as linhas de colo e bossa.

8- Com o Le Cron posicionar o instrumento para que a lâmina possa unir os pontos determinados pelas intersecções da vestibular/lpalatina com as proximais (M e D).

Remover esse excesso de cera do vértice da cúspide em direção à linha equatorial. Obtemos dessa forma o esboço da região expulsiva da coroa do dente. 9- Posicionar o Le Cron a partir da linha equatorial em direção a linha cervical e remover o excesso de cera obtendo assim a região retentiva do dente e o término da escultura geométrica, Fig 6. A B Fig. 5 – Obtenção da região expulsiva e retentiva da coroa do dente e término da escultura geométrica (A). Vista vestibular dos recortes expulsivos e retentivos (B).

Fig 6 - Observar que por lingual, a porção expulsiva requer pouco recorte. Por lingual, há apenas uma linha longitudinal. Observar a posição da demarcação das linhas de colo com colo e bossa com bossa.

Fig. 7 - O limite do recorte da parte retentiva não deve chegar à linha longitudinal (seta), para não se perder volume do dente durante o arredondamento. O recorte expulsivo nos incisivos é muito pequeno.

Fig. 8 - Vista disto-vestibular da fase geométrica concluída

10- A escultura anatômica será obtida por meio da observação do macromodelo, através do arredondamento das arestas, eliminação das linhas auxilares e definição de lóbulos, cíngulo e colo. Fig. 9 - Vista palatina após o arredondamento

11- Limpar os resíduos de cera com uma escova de dente macia. A superfície lisa e brilhante será obtida passando uma gase embebida em xilol.

SEQUÊNCIA DOS PASSOS PARA ESCULTURA DENTAL DO CANINO SUPERIOR ESQUERDO – 23 1- Desenha-se as faces V e prosimal (M) de acordo com a fig. 12, empapel milimetrado, dividindo as porções coronária e radicular. Vista proximal (M) Vista vestibular

Fig. 1 – Projeção ortogonal – Desenho geométrico do canino superior esquerdo (23) 2- Traçar no bloco de cera a linha divisória coroa/raiz (cervical). 3- Com o Hollenback, fazer a projeção da face proximal (M) para o bloco de cera, perfurando o papel. Verificar se a linha cervical coincide com a desenhada anteriormente na cera. Não deixar de registrar o contorno de qual face está sendo representada. 4- Com o canivete de gume reto, recortar o excesso de cera, tangenciando o contorno da vista M. Os recortes devem ser paralelos. 5- Inscrever a face V por projeção.

6- Repetir o desgaste do excesso de cera mantendo o paralelismo e a proporção da vistas vestibular/palatina e mesial/distal. Observar se a posição das bossas e da linha de colo estão corretas. 7- A partir da futura ponta da cúspide, inscrever as linhas longitudinais em cada uma das faces. Inscrever linhas horizontais nos pontos mais proeminentes das faces vestibular , palatina e proximais (bossas). A B Fig. 2 - Projeção da face vestibular no recorte proximal (A). Recorte da projeção vestibular e demarcação das linhas longitudinais e vestibular, lingual e proximais a partir da ponta de cúspide. Demarcação das linhas de bossa (B).

8- Unir as linhas verticais e horizontais determinando pontos que quando unidos por linhas diagonais, irão formar a futura linha equatorial determinado assim as áreas de maior contorno do dente. 9- Marcar as bossas V,M,P e D. Nas faces proximais, mesial e distal as referidas bossas coincidem com as áreas de contato. 10- Posicionar o Lê Cron e remover o excesso de cera do vértice da cúspide em direção à linha equatorial (esboço da região expulsiva da coroa do dente). À partir da linha linha equatorial em direção a linhacervical, remover o excesso de cera obtendo assim a região retentiva do dente.

Fig.3- Demarcar as bossas vestibular e proximal. Unir bossa V com M e colocom colo.

Fig. 4 - Vista vestibular do recorte expulsivo e retentivo. Observar que os recortes ficam aquém da intersecção da linha longitudinal com alinha do colo

Fig. 5- Vista do recorte da porção expulsiva e retentiva da face mesial, vista por lingual. Observar que nesta face o recorte também chega apenas próximo da intersecção da linha longitudinal com a linha do colo. Vista proximal do final do recorte geométrico. 11- Obter a escultura anatômica através da observação de macromodelo. Arredondar as arestas e eliminar as linhas auxiliares e definir cíngulo e colo. Limpar os resíduos de cera e deixar a superfície lisa.

Fig. 6 - Vista vestibular e lingual do final da escultura.

SEQUÊNCIA DE PASSOS PARA ESCULTURA DENTAL DO PRIMEIRO PRÉ MOLAR SUPERIOR ESQUERDO - 24 1- Desenhar as faces V e proximal (M) de acordo com a fig. 18, em papel milimetrado dividindo as porções coronárias e radicular. 2- Este dente tem 2 detalhes anatômicos importantes: o tamanho menor da cúspide lingual em relação ao da vestibular e o deslocamento dela para mesial. 3- Três passos devem ser seguidos para obtenção desses detalhes: - Linha longitudinal lingual deslocada para mesial - Antes de realizar o corte geométrico da face oclusal, diminuir o volume da cúspide lingual. Desgaste maior em distal. - Deslocar a aresta transversal da cúspide lingual para a mesial

Fig. 7 – Projeção Ortogonal – Desenho geométrico do pré molar superior esquerdo (24)

4- Inserir a vista mesial do pré molar superior esquerdo no bloco de cera da mesma forma que nos dentes anteriores. 5- Recortar o excesso do bloco de cera até atingir contorno da vista M. O paralelismo deve ser observado. 6- Desenhar a vista V e recortar o excesso de cera.

Fig. 8- Desenho da face vestibular após o recorte da projeção proximal

7- Marcar as linhas de maior contorno ocluso-apicais, partindo do vértice das futuras cúspides nas faces V e P. Na M e D, será marcado uma linha para cada cúspide a partir de seu vértice. 8- Marcar as bossas V,P,M e D. As bossas M e D representam as áreas de contato. Unir o encontro das linhas longitudinais com as linhas de colo e bossa, para determinar as regiões retentivas e expulsivas.

Fig. 9- Marcação das linhas de bossa, linha do colo e as linhas longitudinais à partir das pontas de cúspide

9- Partindo do vértice de cada cúspide, respeitando as linhas de maior contorno ocluso apicais, remover o excesso de cera em direção a linha equatorial. Obtemos assim o esboço da região expulsiva da coroa do dente: repetir esse recorte nos quatro quadrantes. 10- A partir da linha equatorial e novamente respeitando as linhas de maior contato ocluso apicais, cortar o excesso de cera em direção a linha cervical, obtendo dessa forma a região retentiva do dente. Da mesma forma que o passo anterior repetir esse recorte nos quatro quadrantes.

Fig. 10 - Recorte da porção expulsiva mesial e retentiva.

A

B Fig. 11 - Vista vestibular com o recorte retentivo e expulsivo. Observar o comprimento das arestas longitudinais, a distal é maior que a mesial (A). Detalhe da parte expulsiva mesial recortada (B).

Fig.12- Vista por oclusal após o recorte axial. Observar que a cúspide lingual encontra-se com muito volume.

11- Desenhar o contorno oclusal marcando-se as arestas longitudinais e transversais. 12- Definir as arestas medianas a partir das pontas das cúspides e as fóssulas proximais. 13- Recortar as vertentes internas mesiais e a vertente interna da crista marginal transversal. Notar que a aresta da cúspide lingual está deslocada para mesial. Fig. 13- Aspecto da vista oclusal após o recorte dos excessos axiais.

14- Demarcar os sulcos principais e fóssulas com o Hollenback em inclinação de 45º. Remover a cera formando as vertentes triturantes e também delimitando as fóssulas e sulcos principais. 15- Fazer o ajuste da anatomia através da observação do macromodelo. O pré molar deverá apresentar os seguintes acidentes anatômicos característicos: face V semelhante ao canino, linha do colo sinuosa, cúspide V mais robusta que a P e sulcos secundários.

Fig. 14- Final da fase geométrica e fase de arredondamento.

A

B

C Fig. 15- Vista oclusal geométrica (A) e após o arredondamento (B). Vista próximo-oclusal (C ).

SEQUÊNCIA DE PASSOS PARA ESCULTURA DO SEGUNDO MOLAR INFERIOR A seqüência de escultura utilizando-se o auxílio do método geométrico é, basicamente, a mesma para todos os dentes. Nos dentes posteriores, a dificuldade pode estar no envolvimento da face oclusal. Foi escolhido o 2º molar inferior por apresentar a face oclusal mais simples. A sua característica principal é a existência de 4 cúspides construídas inicialmente de mesmo tamanho. 1- Desenhar as faces V e proximal (M).

Fig. 1 – Projeção ortogonal- Desenho geométrico do 2º molar inferior

2- Traçar no bloco de cera a linha cervical. Fazer a projeção da face proximal e os devidos recortes. 3- Desenhar a face V e remover o excesso de cera, mantendo o paralelismo. A B C

Fig. 2- Desenho da face M com demarcação da linha do colo(A). Recorte da projeção mesial no bloco de cera(B). Desenho da vista Vestibular (C).

4- Assim como nos incisivos, após o recorte das projeções, é importante observar o paralelismo das vistas vestibular; lingual e proximais. 5- Demarcar as bossas V eL, as linhas de colo, traçar as linhas longitudinais a partir da ponta das cúspides, seguindo o longo eixo do dente duas para cada face. 6- Demarcar a intersecção das linhas longitudinais e transversais (colo e bossa). 7- Demarcar o ponto de encontro das linhas longitudinais com as bossas proximais e une-se este ponto com o ponto de encontro das linhas longitudinais e das bossas vestibulares mais próximas. 8- Unir agora o encontro dessas mesmas linhas longitudinais com a linha do colo, tanto por proximal, como por vestibular.

Fig.3 - Após a união de "bossa com bossa" e "colo com colo", recortaremos a porção retentiva e expulsiva

9- Recorte da porção expulsiva mésio-vestibular, recorte da parte retentiva mésio vestibular. É importante observar que as linhas de demarcação são respeitadas, pois elas são o limite do contorno. Repetir os recortes expulsivos e retentivos nos quatro quadrantes.

Fig. 4- Recorte da porção expulsiva e recorte da porção retentiva

10-

Unir as pontas de cúspides vestibulares e linguais.

11-Traçar a direção do sulco vestibular (até a metade do terço médio da face vestibular), traçar a direção do sulco lingual, abrangendo o terço oclusal. 13- Recortar as vertentes que formam os sulcos V eL, tendo como referência a união das cúspides (arestas longitudinais) e as linhas longitudinais.

Vista oclusal após recorte da porção expulsiva e retentiva. Observar que aresta longitudinal (a) esta mais vestibularizada, o mesmo ocorre por lingual

O posicionamento correto desse detalhe anatômico (a) é o primeiro passo para a escultura da vertente externa. outra linha que se traça neste momento é a referência do sulco ocluso-vestibular (b) e oclusolingual

A

B

Escultura da vertente mesio vestibular (A) Escultura da vertente disto vestibular (B)

Reposicionamento das arestas longitudinais

O recorte da face oclusal tem a seguinte seqüência:
• • • • •

Demarcar as arestas longitudinais Traçar a base das vertentes internas (que são também os limites das vertentes internas da crista marginal transversal) Recortar as vertentes mesiais Recortar as vertentes distais Recortar as vertentes internas da crista marginais transversais Nesta fase os sulcos principais mésio-distal e vestíbulo lingual(s) e as arestas longitudinais vestibular e lingual (a2), encontram-se posicionados. O importante é definir a posição das arestas das vertentes internas, no exemplo a aresta interna da cúspide mesial (a)

Marcação dos limites das arestas internas(a), o triângulo formado está na parte mais extrema do dente no limite de cera e vamos aprofundá-lo até o vértice

Após a determinação do local e direção da aresta, recortamos em 2 planos, formando uma única aresta

O mesmo procedimento é feito em todas as vertentes internas da cúspide

Vista vestibular do final dos cortes geométricos. Vista lingual do final dos cortes geométricos

Vista lingual do final dos cortes geométricos

Observar que as linhas de referência não foram tocadas, o que vai propiciar um dente do tamanho planejado

Inicio da fase de arredondamento. fase de arredondamento, é a fase final da escultura, torna-se bastante fácil, entretanto, o conhecimento da anatomia é fundamental para que se proceda esse passo

vista vestibular e vista proximal

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->