Manual de infografia

AB

Por Mário Kanno e Renato Brandão 1998

INFOGR AFIA
DEFINIÇÃO E UTILIZ AÇÃO

O QUE É INFOGRAFIA ¬ É o recurso gráfico que se utiliza de elementos visuais para explicar algum assunto ao leitor. Esses elementos visuais podem ser tipográficos, gráficos, mapas, ilustrações ou fotos. ¬ A função básica da infografia é enriquecer o texto, permitindo que o leitor visualize o assunto em pauta. Sua função secundária é “embelezar” a pauta, tornando-a mais atrativa.

QUANDO USAR ¬ Algumas informações são obviamente mais fáceis de se representar infograficamente –por exemplo, onde fica a Mongólia–, mas, qualquer matéria pode ser acompanhada de um infográfico, seja ele um mapa, uma tabela ou um gráfico. ¬ No entanto, o uso generalizado de infográficos numa mesma edição pode se tornar cansativo ao leitor. E, com o leitor cansado, os infográficos podem perder seu poder de “sedução visual’. Para evitar este risco, cheque sempre as matérias anteriores e posteriores no espelho e faça apenas um ou dois infográficos grandes por edição. Isto vai garantir que a atenção se volte para eles. ¬ Para saber quando e como utilizar corretamente um infográfico é preciso conhecer melhor suas formas de apresentação. Para facilitar, vamos dividi-lo em categorias:

2

INFOGR AFIA
DEFINIÇÃO E UTILIZ AÇÃO

ARTE-TEXTO
• Ficha • Fac-símile • Resumo • Perguntas e respostas • Glossário/Cronologia • Testes • Sobe-desce • Escore • Frases • Lista • Tabela • Organograma/Fluxograma

4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 25 25 26 27 28 29 30 31

GRÁFICOS
• Gráfico de linha • Gráfico de barras • Queijo • Digitando gráficos

MAPA
• Mapa de localização • Mapa de movimentação • Mapa de dados

VISUAIS
• Selo • Passo a passo • “Storyboard” • Arte-foto • Pôster Visual

Estas categorias serão agora explicadas e detalhadas

3

ARTE-TEX TO
DEFINIÇÃO

O QUE É ARTE-TEXTO

¬ Arte-texto tem este nome porque, na maioria das vezes, o texto ocupa a maior parte do espaço. Desprezadas pelos infografistas e sem formato definido na diagramação, as “Artes-texto” têm salvação e são muitos úteis para destacar informações na edição.
QUANDO USAR

¬ Use para ressaltar pontos importantes da matéria. Artes-texto são ótimo material de apoio para reportagens e, em especial, serviços. Por exemplo: Veja o que mudou com a CPMF. Para obter uma “Arte-texto” agradável e eficiente siga a seguinte receita: 1º Escreva o mínimo necessário 2º Divida as informações em tópicos 3º Forneça informação visual (foto, logo, mapa, etc.) 4º Sempre que a matéria merecer investimento, converse com a Editoria de Arte e use títulos que sugiram imagens que possam ser exploradas como ilustração.

4

ARTE-TEX TO
FICHA
¬ Concentra as principais características do “personagem” da matéria. ¬ Este “personagem” pode ser uma pessoa, um carro, um animal, um clube, uma empresa ou um evento. ¬ Com sua linguagem ágil, as fichas localizam rapidamente o foco da matéria e destacam informações que poderiam ficar perdidas no texto. ¬ Fichas não devem simplesmente repetir o que já está no texto. Elas precisam acrescentar e sempre que possível destacar a principal informação. Devem ser pequenas e não precisam contar toda a vida do “personagem”
Test drive
Honda Valkyrie
¬ Total rodado: 100 km

Logotipos valorizam a ficha

O clube
¬ Nome: Associação

Esportiva Araçatuba
¬ Fundação:

15.dez.1972
¬ Sócios: não tem ¬ Presidente: Antonio Edvaldo

Costa, o ‘‘Dunga’’, vereador (PSDB)
¬ Vice-presidente: Helio Correia,

vereador (PFL)
¬ Divisão: Série A-1, grupo 2 ¬ Sede: Araçatuba,

172.467 habitantes Dívida julgada no TJD-SP

O quadradinho (¬) é colocado na Editoria de Arte. Não precisa digitar.

¬ Tipo de trajeto: urbano ¬ Tipo de piso: asfalto em boas

Não use hífem (-), digite dois pontos (:) para separar as informações

condições de conservação ¬ Resumo: moto fabricada pelos japoneses visando conquistar uma fatia do rico mercado norte-americano, que por isso traz todas as características de estilo e desempenho a que esses consumidores estão acostumados A favor
¬ Estilo ¬ Desempenho ¬ Conforto Contra ¬ Pequena capacidade do tanque ¬ Excesso de cromados

R$ 226 mil
para 22 atletas credores

Informações em destaque podem ser usadas para “ilustrar” a ficha

Corinthians
Classificação nos últimos campeonatos

1º 3º

¬ Fundação: 1º.set.1910 ¬ Endereço: r. São Jorge,

1º 777, São Paulo ¬ Estádio: Alfredo 4º 5º Schürig ¬ Medidas do campo: 10º 105 m x 75 m ¬ Presidente: Alberto Dualib 15º ¬ Técnico: Nelsinho ¬ Patrocinador: Excel Econômico 20º 25º 6 derrotas 30º

Médias por jogo em 96 Gols a favor Gols contra Público

Campanha em 96 14 vitórias

1,93 1,03
10.021

Uma ficha de apresentação pode ser bem completa e incluir escores e gráficos

90 91 92 93 94 95 96

10 empates

5

ARTE-TEX TO
FAC-SÍMILE

¬ Reprodução de um ou mais documentos que sejam relevantes para matéria. Serve para provar que a reportagem teve realmente acesso à informação. ¬ Sempre deve ter legenda informando do que se trata e, quando possível, a informação mais importante deve estar em destaque. ¬ Atenção. A legenda deve ser colocada na paginadora.

Destacar o dado relevante para a compreensão da reportagem
Reprodução de página de caderno de campanha da Paubrasil; em destaque, doações em nome de Sylvia Maluf

Fac-símile do contrato assinado em 10 de julho de 1995 entre a corretora Perfil e Wagner Baptista Ramos, ex-coordenador da Dívida Pública do município de São Paulo. No documento, Ramos se compromete a prestar serviços para a empresa, sem fornecer o knowhow para o cálculo do valor das dívidas judiciais

6

ARTE-TEX TO
RESUMO

¬ Poucas pessoas lêem jornal todo dia, e ainda menos, acompanham o cotidiano das grandes reportagens. ¬ A função do resumo é reunir em um pequeno espaço “quem, o que, quando, onde e por que”. ¬ Caracterizando o fato, o infográfico em forma de resumo coloca o leitor em dia com a reportagem. ¬ Na Folha as artes “Para entender o caso” são típicos resumos (mas deveriam ter menos texto). ¬ Escrever pouco é obrigação neste tipo de infográfico. Não tente explicar tudo. Use os resumos para atrair o leitor e não para afastá-lo com excesso de informação. Valorizando os resumos ¬ Destaque personagens e revele o que ainda deve acontecer. ¬ Dividida o resumo em tópicos editorializados (ex: os laranjas, os fantasmas, os senadores..etc..), assim, ele pode ser feito em forma de fluxograma. ¬ Destaque as datas e use fotos nos momentos mais importantes.

Para entender o caso
cena para evitar o racha e articulou um acordo para impedir a formação de blocos: os cargos seriam ocupados por integrantes de todos os partidos ¬ No final de 96, o PTB rompeu o bloco com o PFL governistas e passou a negociar com o PSDB. Petebistas acusaram ¬ Na terça, Inocêncio disse ¬ PSDB e PTB ensaiaram a o líder do PFL, Inocêncio que FHC havia vetado a formação de um bloco para Oliveira, de ter formação de blocos. A obter a maior bancada na descumprido o acordo para informação foi desmentida Câmara (unidos, teriam 116 dividir os cargos pelo líder do PSDB, José deputados). Com isso, Aníbal, que insistia no ¬ A aproximação entre teriam prioridade na bloco com o PTB indicação de presidentes e PSDB e PTB irritou o PFL, que, com a perda da maior ¬ Anteontem, em um relatores das comissões bancada, perderia os especiais S I M jantar na casa do ministro S privilégios na divisão de Sérgio Motta, a idéia do ¬ Nos últimos dois anos, cargos nas comissões bloco foi sepultada. Aníbal PMDB e PFL se revezaram recuou e aceitou a na indicação de ¬ O governo entrou em determinação de FHC
¬ A tentativa de formação de blocos parlamentares deflagrou uma guerra na base governista porque o que está em jogo é o poder de influência dos partidos na Câmara e junto ao presidente

presidentes e relatores das comissões, excluindo do rateio os demais partidos governistas

A

NÃO

Evite texto longos sem intertítulos. Seja didático: divida os passos do resumo para facilitar
Para entender o caso

Intertítulos e datas ajudam a leitura

O precedente O ex-presidente Itamar reajusta os soldos dos oficiais militares em 28,86% . O índice é incorporado aos salários dos servidores do Legislativo e Judiciário
jan 1993

O julgamento no STF O STF reconhece, por 6 votos a 4, o direito de 11 servidores civis do Executivo à incorporação do percentual.
fev 1997

As instâncias inferiores do Judiciário federal seguem o exemplo do STF e determinam o pagamento imediato do reajuste a servidores civis do Executivo A resposta de FHC O presidente FHC assina a medida provisória que restringe o poder da Justiça de determinar pagamentos imediatos que impliquem risco de prejuízos aos cofres públicos
26. mar

Como foram feitos os negócios com títulos públicos
Estados e prefeituras Emitiram títulos para o pagamento de dívidas judiciais (precatórios). Para conseguir vender os papéis no mercado, os governos ofereciam deságio sobre o seu valor. Ou seja, um título que valia R$ 100, era vendido por R$ 80. Corretoras Compravam os papéis que valiam R$ 100 por R$ 80 e os revendiam por R$ 90, por exemplo.Nessa operação, ganharam R$ 10. Isso se repetia algumas vezes, dando lucros sucessivos às empresas que participavam do negócio. É a chamada ‘‘cadeia da felicidade’’. Bancos Faziam parte da ‘‘cadeia da felicidade’’ ou eram sua ponta final. No primeiro caso, por exemplo, compravam um título por R$ 90 e vendiam a outra instituição por R$ 93, com lucro de R$ 3. Quando estavam na ponta final da cadeia, compravam os títulos e ficavam com eles até a data de resgate pelos governos. Nesse prazo, o papel servia de lastro para fundos de investimento dos bancos. No caso do Bradesco, o que o senador Roberto Requião quer saber com a auditoria é se o banco fez um bom negócio para seus clientes ao lastrear seus investimentos com os títulos públicos.

Próximos passos
¬ O presidente do STF diz que vai julgar inconstitucional a MP ¬ O Ministro da Justiça tenta contornar o caso alegando que o reajuste pode prejudicar o Plano Real

Próximos passos coloca o leitor em dia com a notícia O resumo dos fatos foi usado na forma de fluxograma, com um bom resultado (arte-resumo de apoio ao noticiário do dia)

Bradesco
Permitiu lucro de R$ 50,378 milhões para intermediárias do esquema dos títulos, como a IBF Factoring, ao comprar 331.849 títulos de Pernambuco, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Osasco (SP)

Grupo Banestado
Permitiu lucro de R$ 30,324 milhões para intermediárias do esquema ao comprar 196.970 títulos de Alagoas, Pernambuco, Paraná, Santa Catarina, Campinas, Guarulhos e Osasco

Multiplic
Permitiu lucro de R$ 9,272 milhões a intermediárias do esquema ao comprar 65 mil títulos de Santa Catarina

Caixa Econômica Federal
Comprou títulos de Pernambuco em operações que se renovavam diariamente. A CPI ainda não calculou o volume dos lucros ou prejuízos gerados

7

ARTE-TEX TO
PERGUNTAS E RESPOSTAS

¬ Se aproveita do estilo de entrevista para esclarecer dúvidas, resumir acontecimentos ou discursar sobre um assunto. ¬ Um infográfico com perguntas e respostas sobre temas difíceis – Direito Penal, por exemplo– tornam o assunto menos árido e mais agradável. PERGUNTAS SEM RESPOSTAS ¬ Uma variação do perguntas e respostas onde são apresentadas apenas as perguntas. ¬ Serve para fazer o leitor interagir com a reportagem, lançando dúvidas sobre um fato ou um personagem. ¬ Valorizando o perguntas e respostas Ilustre ou dê fotos que mostrem algumas perguntas e/ou respostas

O mínimo: trabalhar esteticamente o número das perguntas e diferenciar com “bold” as perguntas das respostas

18
1 2

perguntas sobre o calendário

4

O que são esses torneios?

6

O que é o calendário?

É a disposição dos torneios e das partidas de futebol ao longo do ano

Quais são os principais torneios disputados por clubes brasileiros?

No primeiro semestre, os campeonatos estaduais, a Copa do Brasil e a Taça Libertadores da América. No segundo semestre, o Campeonato Brasileiro e a Copa Conmebol.

3

Quem organiza e faz o calendário desses torneios?

O estadual reúne, em várias divisões, as equipes profissionais de cada Estado. Em São Paulo, há 16 times na primeira divisão. A Copa do Brasil reúne campeões e vice-campeões dos principais Estados. Contrariando promessa anterior, a CBF convidou 13 clubes para o torneio. O Brasileiro reúne as principais equipes do país. Há 24 times na primeira divisão, 7 deles paulistas. A Libertadores reúne dois representantes de dez países sulamericanos mais o campeão do ano anterior. Pelo Brasil, jogam os vencedores do Brasileiro e da Copa do Brasil. A Conmebol reúne os times mais bem colocados dos campeonatos nacionais dos dez países que não estão na Libertadores.

Quantos jogos um time brasileiro faz por ano?

9

Porque os times jogam tanto?

As grandes equipes, caso cheguem às finais das competições, fazem até 90 partidas por ano. O São Paulo chegou a fazer cerca de cem jogos por ano.

Porque há muitas competições e cada uma tem jogos demais. As entidades que as organizam não se entendem. Como a maior parte dos jogos de campeonato é deficitária, os clubes fazem amistosos para arrecadar dinheiro e fazer frente aos seus gastos.

Qual prejuízo 12 com ooexcesso de jogos?
Entre outras coisas, há grande desgaste físico dos jogadores, o que piora o espetáculo. Os torcedores acabam ainda rejeitando os jogos menos importantes, o que resulta em prejuízo financeiro para o clube.

propostas? 16 Quais são essas

As principais são redução ou até mesmo o fim dos campeonatos estaduais, redução do número de equipes nos principais torneios, estaduais e nacionais, fim de torneios sem expressão, elaboração de um calendário sul-americano unificado.

Sim. Na Europa e na Argentina, a média é por volta de 50. Além disso, os jogos no Brasil são mal distribuídos ao longo do ano. Há equipes que fazem até quatro jogos numa semana.

7

Isso é muito?

10

Por que as entidades que organizam os torneios não se entendem?
Por divergências políticas e nos negócios. Ricardo Teixeira, da CBF, e Eduardo José Farah, da FPF, são adversários. Além disso, há empresas que disputam a comercialização dos torneios.

13 Porque os times aceitam isso? 14 Que tipo de retaliação?

Normalmente por receio de retaliação das entidades que organizam os torneios.

O que é um calendário 17 unificado?
É o que existe na Europa, por exemplo. Existem dias reservados para jogos dos campeonatos nacionais, dias para jogos das Copa, dias para jogos das competições continentais e dias para jogos da seleção. No Brasil, essa coordenação não existe nem entre a CBF e as federações.

Isolamento político, prejuízo econômico nos contratos de TV, perseguição burocrática, nas arbitragens etc.

Os estaduais são organizados pelas federações de cada Estado. A Copa do Brasil e o Brasileiro, pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). A Taça Libertadores e a Conmebol, pela Confederação Sul-americana de Futebol

5

Os clubes disputam outros torneios?

8

Esse acúmulo de jogos é frequente?

Sim, como o Rio-São Paulo, a Supercopa da Libertadores. Além disso, fazem amistosos, no Brasil e no exterior, para arrecadar dinheiro.

Sim. Agora mesmo, há times paulistas fazendo quatro jogos em oito dias. Na semana passada, o Cruzeiro jogou duas vezes no mesmo dia, pelo Estadual e pela Libertadores. O Grêmio já fez três jogos num único dia.

11

Os times não podem se recusar a jogar tanto?

Sim. Pelas Normas Orgânicas da CBF, nenhum jogador pode ser obrigado a jogar duas vezes em menos de 66 horas. Mas, na prática, as equipes nunca protestam.

15

É possível diminuir o número de jogos?

18 férias?

Os jogadores têm

Há várias propostas nesse sentido, mas nada vem sendo feito nos últimos anos. Pelo contrário, tem aumentado o número de torneios caçaníqueis.

Como são regidos pela CLT, deveriam ter um mês de férias por ano. Mas alguns clubes, por problemas de calendário, cassam parte das férias dos jogadores. Além disso, a lei que proíbe jogos nos dez primeiros dias após o fim das férias não é respeitada.

8

ARTE-TEX TO
GLOSSÁRIO/CRONOLOGIA

¬ Glossário e cronologia têm formatos definidos na paginadora (pg. 94 do Manual de Paginadora). ¬ Passe para a Editoria de Arte apenas quando for imprescindível um investimento estético para valorizar a edição da matéria. CRONOLOGIA ¬ Mostra a evolução de um tema ao longo do tempo. Valorizando a cronologia ¬ Edite apenas os fatos que forem importantes para compreensão do assunto. Pesquise fotos e imagens sobre os mais importantes. ¬ Se for possível, ancore as datas em uma imagem central. Por exemplo: os problemas de saúde que o Papa já teve pode estar localizado em seu próprio corpo. GLOSSÁRIO ¬ O glossário duas versões clássicas: 1. Traz o significado de alguns termos “difíceis”, mas imprescindíveis para entender a reportagem. 2. Apresenta vocábulos exdrúxulos, ou gírias, que ajudam a caracterizar os personagens – surfistas, boys, tribos. Valorize o glossário ¬ Ilustre o personagem da tribo. Use balões, como os de HQ, para diagramar os textos.

Os tropeços do prefeito
1º.jan.97
Pitta, eleito com 57% dos votos no segundo turno, recebe o cargo de prefeito de São Paulo de seu padrinho político, Paulo Maluf (27.fev.97) Começa a suspeita de que a Secretaria das Finanças abrigaria funcionários que coordenavam as emissões fraudulentas de títulos. Pedro Neiva Filho, ex-assessor de Ramos que havia sido levado à prefeitura por Pitta, pede demissão da Secretaria das Finanças. Ele foi apontado pela CPI como envolvido no escândalo dos precatórios

4

O amigo

(28.fev.97) Ramos é afastado da Coordenadoria da Dívida Pública de São Paulo (13.mar.97) Outros dois ex-subordinados a Pitta na Secretaria das Finanças (Nivaldo Furtado de Almeida e Maria Helena Cella) são incluídos pela CPI na lista de participantes do esquema

5

Os subordinados

(31.jan.97) A Folha divulga relatório reservado do BC em que é sugerido que houve ‘‘máfé’’ em operações de compra e venda de títulos municipais feitas entre 94 e 96 pela prefeitura, quando Pitta era secretário das Finanças, e que teriam causado prejuízo de R$ 10,39 milhões aos cofres públicos municipais

1

A denúncia

(fev.97) Pitta nega que a operação tenha sido desvantajosa para a prefeitura. Diz que a operação foi necessária para manter a credibilidade dos títulos da prefeitura no mercado

2

A resposta

(20.fev.97) Após depoimento à CPI dos Precatórios, Wagner Baptista Ramos é apontado como o mentor das fraudes envolvendo a emissão de títulos; quando Pitta era secretário das Finanças, Ramos era seu subordinado (coordenador da Dívida Pública de SP); ele confessou à CPI ter recebido, nessa época, dinheiro da corretora Perfil

3

Os precatórios

(17.mar.97) É revelado que o Banco Vetor pagou despesa no valor de R$ 6,1 mil em nome de Nicéa Pitta, primeira-dama de São Paulo, junto a uma locadora de automóveis, em março de 96 (18.mar.97) Pitta diz que carro foi usado por um primo e sua filha, que teriam vindo para São Paulo por motivos de saúde, e que seu auxiliar Pedro Neiva Filho lhe havia dito que o carro fora cedido como ‘‘cortesia’’ pela locadora

6

A mulher e o carro

(18.mar.97) O Tribunal de Contas do Município entrega à CPI relatório em que o ex-prefeito Paulo Maluf é acusado de ter usado, em 96, para outras finalidades, R$ 607,076 milhões arrecadados por meio da emissão de títulos para pagar precatórios

7

O desvio

(18.mar.97) Ronaldo Ganon, um dos sócios do Banco Vetor, diz à CPI ter encontrado Pitta em 1995; o prefeito havia dito, na véspera, que jamais tivera contatos com o banco

8

As contradições

(20.mar.97) A CPI divulga ter encontrado um ofício de setembro de 95 em que Pitta determina ao Banco do Brasil que venda R$ 70 milhões em títulos ao Banco Vetor

9

A carta

(22.mar.97) A Folha revela que a prefeitura emitiu títulos para pagar precatórios posteriores a 1988 –o que a Constituição não permite

10 Novos títulos

Cronologia bem aproveitada misturando charge e texto

A Prefeitura de SP emitiu

R$ 947 mi
para pagar precatórios em 1995 e 1996

Exemplo de glossário com “personagens”

Glossário integrado ao mapa ficou esteticamente bem resolvido
Alguns quilombos do Vale do Ribeira
Localização dos quilombos
SP Iporanga Eldorado
Registro Miracatu

As novas gírias
”O cara é um Jorge, fácil de ser crocodilado.’’
holiday: grande festa suada: coisa vagabunda, sem valor

Termos e expressões
¬ A troco de bóia: Trabalhar gratuitamente, em troca de comida ¬ Abuto: Tipo de cipó

São Paulo

Maiores áreas Em hectares Pilões Maria Rosa São Pedro Ivaporunduva 8.189 3.912 3.442 2.775

ou de outra região
¬ Florestal: Guarda florestal, que aplica multas por desmantar ¬ Folha de batata: Usada

¬ Mono: Macaco branco ¬ Remédio amargoso:

Remédio forte, amargo
¬ Remédio mateiro: Ervas medicinais encontradas na mata ¬ Trepeca: Pedaço sólido

PR Curitiba
Rio Ribeira de Iguape

grosso, de uso medicinal (apressa a cicatrização)
¬ Conto: A palavra antiga para 1 milhão de réis designa hoje R$ 1,00

para aliviar a dor de dente
¬ Garrar a doer: Sentir uma dor muito aguda ¬ Jataí: O mesmo que

Maria Rosa

Jorge: bobo, idiota Crocodilar: trapacear, enganar

Pilões Iporanga Bombas Audiá São Pedro Galvão Nhumguara Praia Grande João Surrá André Lopes Pedro Cubas Eldorado

¬ Cortadura: Um corte

de madeira que serve de banco par sentar
¬ Tutuca: Profusão de tiros de arma de fogo ¬ Varação: Transporte de

acidental na pele
¬ Cozinhada: O mesmo que cozido, ensopado ¬ Desmatação: Desmatamento ¬ De fora: Pessoa branca

jatobá; dissolvido em água fervente, cura verme do intestino
¬ Matão: Mata Atlântica ¬ Meia quarta: Medida

Ivaporunduva Sapatu Poça

“Pensei que ia ser holiday, mas só tinha comida suada

Rio Ribeira de Iguape

tradicional, que equivale a cinco quilos

algum objeto pesado pelo mato
¬ Vivente: Pessoa, bicho

Fontes: Procuradoria da República em São Paulo, Instituto de Terras (Secretaria da Justiça)

9

Ilustrações: Osvaldo Pavanelli; Arte: Mário Kanno/Editoria de Arte/Folha Imagem

ARTE-TEX TO
TESTES

¬ Genuína forma de interatividade entre o leitor e a matéria. Os testes são uma forma divertida de transmitir informações. ¬ Suas formas mais frequentes são múltipla escolha e verdadeiro ou falso ¬ Apesar de não transmitir seriedade, um teste sobre os envolvidos no “Collorgate”, por exemplo, seria uma forma agradável de redigir um resumo.

O uso de ilustrações como elemento de integração para um teste
Você tem perfil para trabalhar por conta própria?
1
Quanto à sua reserva financeira, você diria que: Quantas pessoas você conhece, no seu campo de trabalho, que são autônomas?

a) tem dinheiro suficiente para se manter durante seis meses; b) recebeu uma polpuda indenização trabalhista, três vezes superior a seu último salário; c) tem dinheiro na poupança para despesas de emergência; d) não tem quase nenhum recurso aplicado em bancos; e) não poderia se manter com o que tem nem por um mês

7

Teste seus conhecimentos sobre ”As Panteras”
1 Quais panteras posaram nuas na ‘‘Playboy’’? a. Shelley Hack b. Tanya Roberts c. Bo Derek d. Farrah Fawcett e. Cheryl Ladd 2 Qual era o título original de
‘‘Charlie’s Angels’’ (‘‘As Panteras’’)? a. The Towsend Girls b. The Alley Cats c. Threesome d. Blond, Brunette & Smart

a) nenhuma; b) mais de duas; c) mais de dez; d) menos de três; e) menos de duas

11 No último ano, você:
a) participou, por sua iniciativa, de mais de quatro curtos ou palestras; b) fez alguns cursos porque a empresa o obrigou; c) não participou de nenhum curso ou palestra; d) fez um curso, fundamental para seu aprimoramento profissional; e) preferiu ficar longe de atividades educacionais e quer continuar assim

7 Relacione a pantera com a cor de seu carro a. Kelly Garret b. Jill Munroe c. Sabrina Duncan
x. Branca y. Laranja z. Amarela

2

Você é o tipo de pessoa que:

3 Relacione a pantera com seu
filme a. Cheryl Ladd b. Kate Jackson c. Farrah Fawcett d. Shelley Hack e. Tanya Roberts v. O Homem da Casa w. 007 na Mira dos Assassinos x. Sem Regras para Amar y. Noivo Neurótico, Noiva Nervosa z. Férias Muito Loucas

8 Quem interpretou o namorado de Kelly na primeira fase do seriado? SSIM a. Ryan O’Neal b. Tom Selleck c. Kevin Costner d. Burt Reynolds 9 Antes de substituir Farrah
Fawcett, Cheryl Ladd cantava em qual seriado? a. The Archies b. The Flintstones c. Josie and the Pussycats d. Scooby-Doo

A

Sem fotos ou ilustrações o teste fica sem graça. Não atrai o leitor

a) adora estar cercado de gente; b) gosta de ficar sozinho; c) prefere ficar longe de multidões; d) sente falta de alguém com quem conversar quando passa o dia sozinho; e) telefona todo dia para um amigo qualquer

Quantas empresas poderiam lhe oferecer trabalho autônomo?

8

a) mais de cinco; b) por enquanto, só uma; c) nenhuma; d) mais de dez; e) duas ou três

12 Que tipo de trabalho você poderia
oferecer a empresas?
a) na minha área, não tenho como fazer isso; b) ainda não pensei nisso; c) projetos por mim sugeridos em áreas de relevância nas empresas; d) conhecimento técnico que não se encontra com facilidade no mercado; e) nada muito diferente do que outros autônomos já oferecem

3

No trabalho, você:

NÃO

a) não suporta quando o telefone não pára de tocar; b) não gosta de ir a reuniões e de apresentar trabalhos c) tem medo da crítica dos chefes; d) conhece poucos colegas intimamente; e) gosta de ter alguém com quem trocar idéias

Como autônomo, 9 poderia ganhar, depois de seis meses de trabalho:
a) o dobro do salário atual; b) provavelmente menos do que ganho agora; c) as possibilidades de ganho são ínfimas; d) não sei; e) um pouco mais do que ganho agora

4 Como você seu classificaria salário:
a) é ruim, comparado com a média do mercado; b) melhor, impossível; c) é vergonhoso, muito abaixo do que o mercado paga; d) é suficiente para cobrir as despesas da casa; e) não é suficiente para cobrir gastos fixos, como aluguel e contas

10 Em termos de crescimento
profissional, há mais possibilidades:
a) de ser promovido na empresa; b) de passar a fazer um trabalho na empresa que julgo interessante; c) de crescer mais como autônomo; d) nunca pensei nisso; e) de ser demitido até o fim do ano

13 Com relação a chefes, você:
a) frequentemente discorda do que dizem, mas não demonstra; b) não entende por que pessoas tão incapazes ocupam esses cargos; c) tem um bom relacionamento; d) prefere agradá-los a externar suas idéias e entrar em choque com eles; e) acha que eles o prendem em seu crescimento profissional

4 Qual pantera quase perdeu seu papel no programa piloto? a. Farrah Fawcett b. Jaclyn Smith c. David Doyle d. Kate Jackson 5 Quem nunca apareceu num
episódio de ‘‘As Panteras’’? a. Kim Bassinger b. Michelle Pfeiffer c. Jamie Lee Curtis d. Tommy Lee Jones

10 Qual pantera era
divorciada? a. Tiffany Welles b. Kris Munroe c. Sabrina Duncan d. Kelly Garrett

pudesse: 14 Selargaria tudo hoje e a)
passaria a trabalhar em casa; b) pediria transferência para outro departamento ou para outra função na empresa; c) conversaria com seu chefe sobre suas chances reais de crescimento na empresa; d) estudaria o mercado por uns dois meses e, aí, se tornaria autônomo; e) decidiria o que você gostaria de fazer em termos profissionais

11 Relacione a pantera e a razão
por ter deixado a série a. Jill Munroe b. Sabrina Duncan c. Tiffany Welles x. Voltou para casa y. Casou e ficou grávida z. Foi participar de corridas de carro

Se você trabalhasse por conta própria, seu escritório estaria localizado:

5

6 Relacione a pantera com o local
onde fez treinamento a. Kris Munroe b. Jill, Sabrina e Kelly c. Julie Rogers d. Tiffany Welles w. Boston x. San Francisco y. Los Angeles z. Uma escola de modelos

a) em casa; b) na casa de um parente ou amigo; c) não sei; d) em um escritório alugado; e) aqui e ali, conforme as necessidades

12 Em uma cena clássica de
‘‘As Panteras’’, qual animal Kris Munroe teve de enfrentar para salvar sua vida? a. Jacaré b. Urso c. Canguru d. Tarântula

a) computador, impressora, telefone, fax e carro; b) só telefone; c) telefone e fax; d) nenhum dos itens da alternativa a; e) computador, impressora, telefone, fax, telefone celular e carro

6

Você possui:

Resultados e gabaritos devem ser fáceis de ler no infográfico

Perguntas

Respostas: 1 - b e c; 2 - b; 3 - ev, cw, ax, dy, bz; 4 - b; 5 - d; 6 - bw, cx, dy, az; 7 - az, bx, cy; 8 - b; 9 - c; 10 - c; 11 - az, by, cx; 12 - a

Pontuação
a 5 1 5 5 5 4 0 4 5 0 4 0 2 3 Respostas b c d 3 1 0 5 3 2 3 2 4 0 4 2 3 0 2 2 3 0 4 5 3 1 0 5 1 4 0 1 5 0 1 0 5 1 5 4 5 3 1 0 2 5 e 0 0 0 3 1 5 1 3 3 4 0 2 4 1

Resultados
Mais de 50 pontos O que você está esperando para se tornar autônomo? Você tem características, recursos e um campo de trabalho para isso Entre 35 e 49 pontos Reflita muito antes de fazer com que o endereço do escritório seja o de sua casa Entre 25 e 35 pontos Você precisa amadurecer mais profissionalmente antes de decidir trabalhar por conta própria Menos de 25 pontos Essa não é para você. Mais importante do que pensar em ser um autônomo, no seu caso é fundamental refletir sobre os rumos da carreira e o que deseja em termos de crescimento profissional

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14

Fonte: Simon Franco Consultoria em Recursos Humanos

10

ARTE-TEX TO
SOBE-DESCE

¬ Infográfico onde é associado um determinado valor –ganhou, perdeu, ficou na mesma– a cada um de seus itens. Esses itens podem ser pessoas, partidos políticos, aplicações, etc. ¬ Em geral, cada ítem tem uma vinheta e um pequeno texto detalhando a razão da ascensão ou queda ¬ Um sobe-desce sobre uma mudança ministerial, por exemplo, pode mostrar os partidos que foram mais beneficiados. ¬ A vantagem de usar o sobe-desce em grandes mudanças é que ele dá uma visão mais ampla. Ele não mostra apenas os envolvidos nas mudanças, mas todos os afetados por elas.

11

ARTE-TEX TO
ESCORE

¬ Usado quando um número é a principal informação e merece ser destacado em seu tamanho (corpo). ¬ A Folha tem formatos na paginadora para escores, mas, como as frases, os escores podem integrar outros infográficos ou terem formatos infográficos para cadernos especiais. ¬ Tenha certeza de que o número que quer incluir no infográfico é expressivo e merece ser destacado.
Na história do Oscar,

2
atrizes negras foram premiadas (Hattie McDaniel, por “... E o Vento Levou”, eWhoopi Goldberg, por “Ghost”)

Exemplo de escore diferenciado para a cobertura do Oscar Exemplos de escores diferenciado para o caderno do aniversário de São Paulo

“Os outros brasileiros têm inveja dos paulistanos”

50%
concorda

Fonte: Datafolha

45%
dos negros citaram a violência e a falta de segurança como a principal desvantagem de morar em SP

71%
dos entrevistados soube responder corretamente a data de aniversário de São Paulo

12

ARTE-TEX TO
FR ASES

¬ Usadas para transmitir opiniões sobre um tema qualquer. Quando tratar de temas polêmicos é importante citar quando e onde a frase foi pronunciada. ¬ A Folha tem formatos na paginadora para frases, mas elas podem integrar outros infográficos ou terem formatos infográficos para cadernos especiais. ¬ É vital que sejam frases curtas e, se for mais de uma, todas com tamanho igual. Fotos dos personagens são muito importantes nestes casos. ¬ Os infográficos de frases podem ser aproveitados para conflitar opiniões sobre temas polêmicos

Celebridades captam a atenção do leitor. Bom uso de frases

O que os craques pensam sobre investir em imóveis
‘‘Minha primeira opção de investimento sempre foram os imóveis. Atualmente alugo salas comerciais.’’ Túlio, 26, Corinthians, mora em casa alugada no Morumbi (zona oeste de SP)
‘A procura por locação de imóveis já foi melhor, mas investir no setor ainda é mais seguro do que em outros negócios.’’ Paulo Nunes, 25, Grêmio, mora em apartamento próprio em Porto Alegre (RS) ‘‘Eu tinha dois apartamentos alugados em Campinas, mas vendi para montar uma franquia.’’ Zetti, 32, Santos, mora em apartamento alugado em Santos (SP)

‘‘Investir em imóveis é mais seguro. Principalmente para mim, que não posso tomar a frente dos meus negócios.’’ Neto, 30, Corinthians, mora em apartamento próprio em Campinas (SP)

‘‘Os imóveis são minha aposentadoria. É difícil se aventurar em outros negócios, principalmente quando se está jogando.’’ Careca, 36, jogador sem clube, mora em um apartamento dúplex próprio em Campinas (SP)

Os alvos do ministro das Comunicações
Malan Lula d. Luciano

Moreira Franco
(relator da reforma administrativa)

O PT é o cúmulo do reacionarismo. O PT não é democrático. Eles deveriam ler um pouco, só lêem livros socialistas

Eu sou feliz porque não dependo do Kandir e do Malan
(comentando a liberação de verbas pela equipe econômica)

Covas

Precisa manter a Vale por quê? Para dar dinheiro para alguns municípios? Para a CNBB e o d. Luciano(Mendes de Almeida, ex-presidente da entidade) receberem a sua graninha?

Sempre é bom dar um sentido editorial ao infográfico. No caso, “alvos de Motta” foi bem aproveitado misturando ilustração, texto e foto

Maluf
(O teto de) R$ 10,8 mil é um escândalo. Um escárnio para a população brasileira. Isso é uma vergonha

Jacques Chirac

Eu tenho vergonha quando vejo um caso desse na televisão (...)Eu, por mim, tinha demitido todo mundo. Aliás, minha atitude seria outra

PT e PDT
É surrealista dizer que a Telesp não tem concessão (de telefonia). Isso só entra na cabeça de jerico. Mas o que eu vou fazer? Alguns partidos têm jericos
(referência a ação movida pelos partidos)

Motta tinha razão. Disse que a prefeitura estava quebrada e estava quebrada. Que o Cingapura era uma ficção, fechou. Que o PAS ia parar, parou. Que as obras iam parar, pararam. Agora, eu não esperava que a capacidade criativa desses caras fosse tão grande

A France Telecom é mais ineficiente que a Telebrás. É um paquiderme burocrático, produto daquele Estado francês, que é um Estado absolutamente burocratizado

13

ARTE-TEX TO
LISTA

¬ Pode ser o ranking das 10 maiores empresas, os ganhadores do Oscar, os namorados de Madonna ou a programação do festival de cinema. Um infográfico em forma de lista alivia o texto e facilita a vida do leitor. ¬ Quanto maior for o número de itens na lista, menor deve ser o seu detalhamento. É bom que cada item fique separado pelo menos uma linha do outro. ¬ Em alguns casos a lista pode ser dada em forma de tabela. Na dúvida converse com a Editoria de Arte. Valorizindo as listas ¬ Use destaques fotográficos ou integre a lista à uma imagem principal. ¬ Se a lista for muito extensa, agrupe os itens e utilize vinhetas e intertítulos. ¬ No caso de rankings, não esqueça de colocar na ordem e indicar 1º, 2º, 3º…

Discografia de Baby
Com os Novos Baianos
Folha Imagem

“É Ferro na Boneca!”, 70 “Acabou Chorare”, 72 “Novos Baianos F.C.”, 73 “Novos Baianos”, 74 “Vamos pro Mundo”, 74 “Caia na Estrada e Perigas Ver”, 76 “Praga de Baiano”, 77 “Farol da Barra”, 78 Solo “O Que Vier Eu Traço”, 78 “Pra Enlouquecer”, 79 “Ao Vivo - 14th Montreux Jazz Festival”, 80 “Canceriana Telúrica”, 81 “Cósmica”, 83 “Krishna Baby”, 84 “Sem Pecado e sem Juízo”, 85 “Ora pro Nobis”, 91 “Um”, 97 Com Pepeu Gomes “Baby e Pepeu”, 82

Programação
¬ Hoje

‘‘Segredos e Mentiras’’, às 14h30, 16h50, 19h10 e 21h30 ¬ Amanhã ‘‘Como Nascem os Anjos’’, desde 15h30 ¬ Sexta ‘‘Kansas City’’, desde 15h30 ¬ Sábado ‘‘Os 12 Macacos’’, às 14h30, 16h50, 19h10 e 21h30 ¬ Domingo ‘‘Razão e Sensibilidade’’, às 14h, 16h30, 19h e 21h30 ¬ Dia 17 ‘‘O Judeu’’, desde 15h30 ¬ Dia 18 ‘‘O Corpo’’, desde 15h30 ¬ Dia 19 ‘‘A Comédia de Deus’’, às 15h, 18h e 21h ¬ Dia 20 ‘‘A Excêntrica Família de Antônia’’, desde 15h30 ¬ Dia 21 ‘‘Poderosa Afrodite’’, desde 15h30 ¬ Dia 22 ‘‘Os Suspeitos’’, desde 15h30 ¬ Dia 23 ‘‘Guantanamera’’, desde 15h30 ¬ Dia 24 ‘‘Jerusalém’’, às 15h, 18h e 21h ¬ Dia 25 ‘‘Quem Matou Pixote?’’, desde 15h30 ¬ Dia 26 ‘‘Leni Riefenstahl - A Deusa

Imperfeita’’, às 14h, 17h20 e 20h40 ¬ Dia 27 ‘‘O Monge e a Filha do Carrasco’’, desde 15h30 ¬ Dia 28 ‘‘Jenipapo’’, desde 15h30 ¬ Dia 29 ‘‘Terra e Liberdade’’, desde 15h30 ¬ Dia 30 ‘‘Os Últimos Passos de um Homem’’, às 14h30, 16h50, 19h10 e 21h30 ¬ Dia 31 ‘‘Além das Nuvens’’, às 15h, 17h10, 19h20 e 21h30 ¬ Dia 1º/4 ‘‘Fargo’’, desde 15h30 ¬ Dia 2 ‘‘Underground - Mentiras de Guerra’’, às 15h, 18h e 21h ¬ Dia 3 ‘‘Trainspotting - Sem Limites’’, desde 15h30 ¬ Dia 4 ‘‘Páginas da Revolução’’, desde 15h30 ¬ Dia 5 ‘‘Crumb’’, às 15h, 17h10, 19h20 e 21h30 ¬ Dia 6 ‘‘O Livro de Cabeceira’’, às 14h30, 16h50, 19h10 e 21h30

¬ Melhor diretor

Murilo Salles (‘‘Como Nascem os Anjos’’) ¬ Melhor ator Cassiano Carneiro (‘‘Quem Matou Pixote?’’) ¬ Melhor atriz Marília Pêra (‘‘Tieta do Agreste’’) ¬ Melhor filme estrangeiro ‘‘Segredos e Mentiras’’ ¬ Melhor diretor Mike Leigh (‘‘Segredos e Mentiras’’) ¬ Melhor ator Jonathan Pryce (‘‘Carrington - Dias de Paixão’’) e Kevin Spacey (‘‘Os Suspeitos’’) ¬ Melhor atriz Brenda Blethyn (‘‘Segredos e Mentiras’’)

Mike Leigh (‘‘Segredos e Mentiras’’) ¬ Melhor ator Nicolas Cage (‘‘Despedida em Las Vegas’’) ¬ Melhor atriz Brenda Blethyn (‘‘Segredos e Mentiras’’)

Os Imperdíveis ‘‘Segredos e Mentiras’’ ‘‘Os 12 Macacos’’ ‘‘Guantanamera’’ ‘‘Leni Riefenstahl - A Deusa Imperfeita’’ ‘‘Além das Nuvens’’ ‘‘Fargo’’ ‘‘Trainspotting - Sem Limites’’ ‘‘Crumb’’ ‘‘Terra e Liberdade’’ ‘‘Como Nascem os Anjos’’

Votação do Público
¬ Melhor filme brasileiro

‘‘Como Nascem os Anjos’’
¬ Melhor diretor

Votação da Crítica
¬ Melhor filme brasileiro ‘‘Como Nascem os Anjos’’

Murilo Salles (‘‘Como Nascem os Anjos’’) ¬ Melhor ator Cassiano Carneiro (‘‘Quem Matou Pixote?)’’ ¬ Melhor atriz Marília Pêra (‘‘Tieta do Agreste’’) ¬ Melhor filme estrangeiro ‘‘Segredos e Mentiras’’ ¬ Melhor diretor

Cena do filme “Fargo”

14

ARTE-TEX TO
TABEL A

¬ Montagem de texto em colunas paralelas associando uma coluna à outra. ¬ Tabelas são listas mais sofisticadas, onde é permitido fazer comparações detalhadas entre os itens. ¬ Uma tabela pode ser feita só com texto, ou com textos e números.

O que Maluf ainda não esclareceu
O que o ex-prefeito diz
Dinheiro O dinheiro chegou aqui de maneira sadia, ao menor custo financeiro, sem comissão a ninguém e sem nenhum deságio pornográfico como aconteceu em outras operações estaduais e municipais.(...) Houve o deságio do dia, do custo financeiro do dia Nós não demos para nenhuma corretora vender os deságios que a Folha anunciou. Os títulos foram todos custodiados, todos, no Banespa e, posteriormente, com a intervenção do BC no Banespa, uma parte deles foi para o Banco do Brasil A prefeitura, como fizeram Santa Catarina, Alagoas e Pernambuco, usou uma empresa de consultoria ou consultoria entre aspas para ganhar dinheiro, para conseguir a aprovação dos precatórios no Banco Central? A prefeitura, não O Banco Central entregou um estudo (sobre a emissão de títulos para o Senado, e o Senado aprovou (...) A aprovação de São Paulo foi absolutamente diversa da dos outros Estados A Prefeitura de São Paulo é a única, é o único dos grandes poderes, e nisso eu incluo o governo federal e o governo do Estado de São Paulo, que está em dia com o pagamento dos precatórios Então, sobre o Tribunal de Contas (do Município, que apontou desvio do dinheiro.(...) Quando você emite um título, o título está em carteira, ou no Banco do Brasil ou no Banespa. É muito provável que, num determinado dia, entrou dinheiro do IPTU e naquele dia se precisou pagar um precatório porque a Justiça mandou. E é bem possível que, no outro dia, o dinheiro que estava no precatório, que não é carimbado, pagou algum outro tipo de conta

O que o ex-prefeito não diz
Relatório do BC cita uma série de operações do município em que houve deságios considerados muito altos, inclusive um de 85,35% avaliado como “absurdo’’. Ao todo, o BC aponta prejuízo de R$ 10,39 milhões à prefeitura entre dezembro de 94 e abril de 96 devido a deságios em operações com títulos Todas as operações com títulos do município sob suspeita de deságio excessivo foram determinadas, por escrito, pela Secretaria das Finanças

Deságio

Consultoria

As pessoas que deram consultoria aos outros Estados trabalhavam na Prefeitura de São Paulo

TABELA DE TEXTO
¬ É difícil, mas cada coluna vertical deve ter o mesmo volume de texto para cada um dos itens horizontais. Isto evita que a tabela crie espaços em branco. ¬ Às vezes é melhor montar várias fichas e usar uma imagem, gráfico ou mapa que possa uni-las em um só tema.

Senado

Todas as emissões de títulos passam pelo BC e pelo Senado. No caso da Prefeitura de São Paulo, o primeiro parecer do BC foi contrário à operação A Prefeitura de São Paulo recorreu à Justiça para tentar baixar o valor dos precatórios do ano passado. Com isso, suspendeu os pagamentos. Até ontem, a prefeitura estava acertando precatórios cujos pagamentos estavam previstos no Orçamento de 96 Segundo o TCM, em 95 a prefeitura arrecadou R$ 947,470 milhões com a venda de títulos, mas pagou apenas R$ 147,181 milhões em precatórios. Sobraram, portanto, cerca de R$ 800 milhões no caixa. Em 96, foram pagos R$ 120 milhões em precatórios, mas no final do ano havia apenas R$ 73,4 milhões em caixa. Ou seja, em 12 meses, mais de R$ 600 milhões foram utilizados para finalidades que não o pagamento de precatórios. Na CPI, o secretário das Finanças de São Paulo, José Antônio de Freitas, disse que o dinheiro não havia deixado o caixa Por esse argumento, os Estados mencionados por Maluf também seriam inocentes, uma vez que todas as emissões de títulos foram aprovadas pelo Senado A PF e o Ministério Público fizeram inquéritos para investigar suspeitas de ilegalidades no financiamento das campanhas de Maluf em 90 e 92. As investigações resultaram em denúncia à Justiça Federal em São Paulo. Mas o Supremo Tribunal Federal acatou a tese da defesa de Maluf de que se tratava de questão eleitoral e não de crime comum. O caso foi remetido à Justiça Eleitoral Não há relação entre as supostas irregularidades na negociação de títulos e a intenção de federalizar os papéis. Os governadores também quiseram federalizar seus títulos para reduzir custos. No caso da prefeitura, nem todos os títulos seriam federalizados

Precatórios

TCM

TABELA DE NÚMEROS
¬ Normalmente, alguns dados comparativos de uma tabela são mais relevantes para a reportagem. Indicar estes dados é importante para a sua devida valorização na elaboração do infográfico. ¬ O número de colunas verticais não deve ser maior que o número de linhas. Colunas em excesso dificultam a leitura, os itens acabam ficando muito longe um do outro. ¬ Quando usar números, cada coluna deve estar reduzida à mesma grandeza –mil km/h, por exemplo. ¬ Evite colunas cheias de zeros ou números muito longos, diminua a ordem de grandeza.
Grau de satisfação de morar em SP
Em %

Constituição

Quem julga isso (se a prefeitura poderia emitir títulos para pagar precatórios posteriores a 88, contrariando a Constituição) é o Senado, que aprova ou não aprova

Financiamento Não há nenhuma prova, nenhum processo judicial de que diga que houve financiamento de campanha eleitoral campanha pela Paubrasil. Isto é mera repetição da imprensa

Federalização

Foi março, abril, quando foi assumido compromisso de federalizar os títulos de São Paulo. Se o prefeito quis federalizar os títulos, quis justamente reduzir o custo financeiro

IMPORTANTE: o texto da tabela deve ser digitado por coluna vertical. Cada item horizontal deve ter o mesmo volume de texto para evitar desalinhamentos

49 Um pouco 41 Muito
satisfeito satisfeito Região Centro Zona norte Zona sul Zona leste Zona norte Não sabe

Muito satisfeito 52 52 48 48 42 36 35 50 50

Um pouco satisfeito 36 45 54 47 56 37

Nada satisfeito 11 6 11 11 8 13

É possível destacar os números mais importantes da tabela tornando-a menos monótona

10 Nada
satisfeito

Homens gostam mais da cidade Homens Mulheres 43 40 48 48 49 49 55 55 53 53 40 9 11 10 9 12

Quarentões aprovam SP 36 De 16 a 25 anos 38 De 26 a 40 anos 49 41 anos ou mais 49
Fonte: Datafolha

15

ARTE-TEX TO
ORGANOGRAMA/FLUXOGRAMA

¬ Definem posições hierárquicas ou de relacionamento entre personagens. ¬ Pode mostrar a hierarquia da Secretaria de Segurança ou os relacionamentos pessoais dos envolvidos no assinato de PC, por exemplo. ¬ Extremamente útil para apresentar vários personagens que estão envolvidos em um mesmo caso. ¬ Deve ser acompanhado de fotos, quando tratar de personagens, ou de logotipos, quando tratar de empresas, instituições e clubes.

O encolhimento do PAS em São Paulo
Postos fechados, corte de programas e atendimento reduzido Unidade Pronto Atendimento Médico (PAM) São Jorge PAM Juscelino Kubitschek PAM São Carlos BONI 4 - Cohab José Bonifácio UBS Cidade Ipava UBS Liberdade Distrito de Saúde da Vila Prudente Centro de Convivência de Vila Prudente Hospital-Dia e Saúde Mental para Crianças de Vila Prudente Hospital Dia e Saúde Mental para Adultos de Vila Prudente Unidade de Atendimento Domiciliar Jd. Sapopemba UBS Teotonio Vilela UBS Jardim Grimaldi UBS Parque Santa Madalena Módulo 2 (Butantã) 5 (Itaquera) 5 (Itaquera) 5 (Itaquera) 10 (C. Limpo) 1 (Centro) 3 (Saúde) 3 (Saúde) 3 (Saúde) 3 (Saúde) 3 (Saúde) 3 (Saúde) 3 (Saúde) 3 (Saúde) O que era Unidade Básica de Saúde (UBS) Atendimento ambulatorial 24 horas Ambulatório de especialidades Ambulatório de especialidades Unidade Básica de Saúde Unidade Básica de Saúde Unidade Básica de Saúde Unidade de Saúde Mental Hospital-Dia e Unidade de Saúde Mental Hospital Dia e Unidade de Saúde Mental Atendimento domiciliar para idosos e inválidos Unidade Básica de Saúde Unidade Básica de Saúde Unidade Básica de Saúde O que virou fechado passou a atender 12 horas virou posto 12 horas só faz vasectomia desativada desativada semidesativado desativado desativado desativado desativado semidesativada semidesativada semidesativada

Raio X do sistema
Secretaria Municipal das Finanças
Controle de Recursos Diretrizes

Prefeitura
Políticas e estratégias

Grupo Inter-secretarial
Ações políticas

Secretaria Municipal da Saúde Conselho de Gestão
Recursos RH RH

Auditorias Controles qualitativo e quantitativo Infra-estrutura física e equipamentos

Cooperpas

Coopermed Hospitais Ambulatórios Hospitais-dia

Módulo de Atendimento
Operacionalização

Quando usar apenas o organograma, destaque os elementos envolvidos na reportagem

Postos de Saúde

Centros de Convivência

Fontes: Sindicatos de servidores, médicos, Câmara e prefeitura

População

Organizar os textos através de setas e ligações hierárquicas permite visualizar onde ocorreu a participação dos personagens envolvidos.

Como funcionou o esquema dos precatórios
Quem emitiu os títulos
São Paulo (SP)
¬ Emissões de títulos da prefeitura

Valor das emissões
Celso Pitta ¬ Na prefeitura: era secretário das Finanças; hoje, é o prefeito de São Paulo ¬ No esquema: a CPI dos Precatórios quer descobrir se Pitta tinha conhecimento do esquema, no qual estavam envolvidos funcionários a ele subordinados; Pitta nega qualquer envolvimento

Bancos e corretoras
Banco Vetor ¬ Comandou o lançamento dos títulos para o pagamento de precatórios de SC e PE. Com as duas operações, lucrou R$ 55,4 milhões a título de comissão. Repassou R$ 34,4 milhões à corretora Perfil. Um de seus sócios, Ronaldo Ganon, disse à CPI já ter encontrado Pitta. Banco pagou locação de automóvel em nome de Nicéa, mulher de Celso Pitta Corretora Perfil Banco Maxi-Divisa ¬ Foi o responsável pela emissão do governo de Alagoas, pela qual recebeu R$ 14 milhões como comissão. É suspeito de ter desenvolvido a “tecnologia do esquema”

paulistana, inclusive para pagar precatórios, teriam causado prejuízo de cerca de R$ 10,39 milhões ¬ O ex-coordenador da Dívida Pública do município, Wagner Baptista Ramos, afirmou que parte do dinheiro teria sido usado para outras finalidades Pernambuco
¬ O governo estadual usou pouco

R$ 947,48
milhões
entre 95 e 96

mais de 5% do dinheiro obtido com a emissão para o seu fim legal –pagar precatórios ¬ O restante teria sido usado para outras finalidades, conforme o secretário estadual da Fazenda, Eduardo Campos, neto do governador Miguel Arraes (PSB) Alagoas
¬ A lista de precatórios

O esquema dentro da Prefeitura de SP

R$ 502
milhões
em junho de 96
Wagner Baptista Ramos ¬ Na prefeitura: era coordenador da Dívida Pública ¬ No esquema: assessorou as emissões de diversos governos estaduais e prefeituras. Já admitiu ter US$ 1,396 milhão depositado no exterior como comissões recebidas por meio da corretora Perfil

¬ Recebeu R$ 41,023 milhões

Distribuidoras Negocial e Split
¬ São suspeitas de, com a

apresentada pelo governo estadual para justificar a emissão teria sido forjada ¬ Parte do dinheiro arrecadado teria sido usada para pagar dívidas com empreiteiras e bancos, e não precatórios, sua utilização legal Santa Catarina O governo estadual é suspeito de ter falsificado documentos com o objetivo de justificar uma emissão maior ¬ O governador Paulo Afonso Vieira (PMDB) já admitiu ter usado parte do dinheiro para outros fins
¬

dos bancos Vetor e MaxiDivisa. Seus donos, Gérson Martins, Luis Calabria e Rubens Sensi da Silva, disseram à CPI que repassaram o dinheiro seguindo orientações de Wagner Baptista Ramos

Perfil, serem as responsáveis pela ‘‘lavagem’’ do dinheiro desviado pelo esquema; R$ 2 bilhões teriam sido ‘‘lavados’’ por meio da agência paulistana do Beron (Banco do Estado de Rondônia)

R$ 301
milhões
em novembro de 95
Nivaldo Furtado de Almeida ¬ Na prefeitura: exfuncionário da Prodam, trabalhava com Ramos na Coordenadoria da Dívida Pública. Também trabalhou com Pitta na Eucatex ¬ No esquema: especialista em informática, era o responsável pelas planilhas de cálculos dos precatórios a serem emitidos Maria Helena Cella ¬ Na prefeitura: era diretora de contabilidade da Secretaria das Finanças ¬ No esquema: junto com Nivaldo de Almeida, era responsável pelos cálculos dos precatórios. Fez viagens a Alagoas e Pernambuco custeadas pelo Banco Vetor Pedro Neiva Filho ¬ Na prefeitura: era o principal assessor de Ramos na Coordenadoria da Dívida Pública. Foi trazido à prefeitura por Pitta ¬ No esquema: participou de reuniões com governos que fizeram emissões; ‘‘entregou’’ seus colegas Maria Helena Cella e Nivaldo de Almeida à CPI

Os “Laranjas”
¬ Empresas, cuja maioria só existia no papel, agenciadas pela Perfil, Negocial e Split para ‘‘lavar’’ o dinheiro desviado. As principais são: IBF Factoring (de Ibraim Borges Filho), SMJT (de Sérgio Derneka), Tradetronic (de Alexandre e Marcelo Desimoni Mota), Boa Safra (de Fausto Solano Pereira), Ianes, Hannover e outras

R$ 301,2
milhões
em julho de 96

16

GRÁFICOS
DEFINIÇÃO

QUANDO USAR GRÁFICOS

¬ Se a intenção é mostrar um monte de números use uma tabela, mas, para dar um verdadeiro valor comparativo entre os números, os gráficos são a solução mais adequada. ¬ Através de um gráfico o leitor pode ter a imagem visual de maior ou menor, de subida ou descida, e comparar imediatamente as grandezas em questão. Para obter um gráfico eficiente siga a seguinte receita: 1º Passe apenas os dados necessários para a compreensão da matéria. Números e evoluções em excesso confundem. 2º Edite os títulos, use verbos. Por exemplo, ao invés de “A evolução da balança comercial” use “Aumenta o déficit na balança”. 3º Para gráficos mais importantes, converse com a Editoria de Arte e use figuras de imagem que possam expressar a tendência do gráfico; use esta imagem no título da arte. Por exemplo: “O naufrágio da balança comercial” pode ser usado num gráfico casando a imagem de um navio afundando. 4º Destaque informações do gráfico que sejam momentos citados na matéria. Por exemplo: uma evolução da balança comercial pode ter destacados os momentos em que ocorreram mudanças nas alíquotas. 5º Forneça informação visual (logotipos, fotos)

17

GRÁFICOS
GRÁFICO DE LINHA

¬ É a melhor maneira de visualizar evoluções ao longo de um espaço de tempo. ¬ Por convenção, a variação do tempo fica sinalizada na parte horizontal e a variação do índice na escala vertical. ¬ O gráfico de linha pode ser feito com uma ou mais linhas variando num mesmo período. Quando usar mais de uma linha, tenha certeza de que a legenda está bem clara. ¬ É importante que pelo menos o número final da linha do gráfico seja dado em destaque para facilitar a compreensão da escala. Em alguns casos é bom informar ao leitor o valor e o porquê de eventuais “picos” na linha do gráfico. ¬ Para se destacar alguns pontos do gráfico, fotos e um pequeno histórico são elementos importantes.

A evolução do PIB* nos anos 90
Em % 4,20 0,35 -4,35
1990 1991 1992
Fonte: IBGE

6,00 4,28

2,91

-0,83

1993

1994

1995

1996

* Produto Interno Bruto

Gráficos de linha transmitem imediatamente a imagem de queda ou ascenção.

Avaliação de FHC na cidade de São Paulo
Resposta estimulada e única, em % 68 dos entrevistados 60 50 (expectativa 40 antes da 30
posse)

83%
dez/95

consideram o Plano Real bom

Ótimo/bom

56 33 10

Regular

Não tente comparar muitas coisas ao mesmo tempo. Três ou quatro linhas de evolução ficam mais fáceis de serem acompanhadas

20 20 10 5 dez/94

fev/95

mar/96

Ruim/péssimo mai/96 dez/96 fev/97

O calote do consumidor
Número de registros recebidos pelo SCPC*
200

187.426

Escalas são produzidas na Editoria de Arte, mas devem ser lembradas na hora da revisão

150 100 50 0

Jan Fev Mar Abr Mai Jun

Jul Ago Set Out Nov Dez Jan

96
*Serviço Central de Proteção ao Crédito Fonte: Associação Comercial de São Paulo

97

18

GRÁFICOS
GRÁFICO DE BARR AS

¬ É a melhor maneira de visualizar comparações, e pode ser usado também para representar evoluções. Nos formatos vertical, horizontal ou inclinado (desde que esteja na escala). ¬ Barras ajudam a comparar países, investimentos, gols, vagas, etc. Servem para qualquer editoria e são fáceis de ilustrar.Você pode “cortar” a escala para valorizar as diferenças desde que sinalize a escala correta à esquerda do gráfico. ¬ Barras horizontais podem ser usadas para valorizar tabelas, destacando a informação mais importante.

Aumento de mortes violentas
Variação de homicídios e mortes por lesões corporais, entre 80 e 94, em % 282 267 206 188 178

177

182
155

Campinas Sorocaba São Paulo S. J. dos Araraquara Ribeirão S. J. do Estado Campos Preto Rio Preto (16 cidades)
Fontes: NEV-USP

Morar em SP
Em %

Barras verticais permitem uma comparação visual imediata das grandezas
51
15 6 5 4 3 3 2 1 5 4

Vantagens
Oportunidade de trabalho Opções de comércio e serviço Custo de vida Opções de cultura e lazer Sistema de saúde Sistema de transporte Sistema educacional Relações sociais Sistema habitacional Não há vantagem Outras respostas

Barras horizontais são ideais para comparações entre muitos itens não cronológicos

Desvantagens
Violência/falta de segurança Trânsito Falta de oportunidade de trabalho Má qualidade do meio ambiente Sistema habitacional Superpopulação Sistema de Transporte Falta de tempo das pessoas População carente Sistema de saúde precário Custo de vida Clima/chuva/frio Falta solidariedade/individualismo Enchentes/alagamentos Cidade é muito grande Nenhuma desvantagem Outras respostas

39
10 8 8 5 5 4 3 2 1 1 1 1 1 1 6 5

A avaliação de SP
Ótimo/bom
Em %

Regular

Ruim/péssimo

Iluminação de ruas e avenidas

Sistema educacional 29

Condições de moradia 34

37
33

39
26

53
34 12

Fonte: Datafolha

Lazer e cultura

50
29 18 Limpeza de ruas e avenidas 26 Segurança pessoal 11 29 Trânsito 6 18

Exemplo de como se pode apresentar vários gráficos em uma mesma arte sem ser cansativo
Ótimo/bom Regular Ruim/péssimo
Fonte: Datafolha

37 37

59

76

Custo de vida 24

Sistema de saúde 23

Preservação ambiental 20 33

Conservação de asfalto 18 30

Qualidade do meio ambiente 14 39

50
25

39 42
38

51

45

19

GRÁFICOS
GRÁFICO DE QUEIJO

¬ É a melhor maneira de visualizar divisões dentro de um universo num momento. Por exemplo: quantos são a favor da reeleição - 50% a favor, 45% contra e 5% não sabem. ¬ Use para mostrar até 5 divisões. Um queijo dos partidos no Congresso, por exemplo, teria mais de 10 divisões, e ficaria difícil visualizar as menores diferenças. Quando for o caso junte os menores em “outros” e anexe uma tabela mostrando as porcentagens exatas. ¬ Raramente são úteis para mostrar evoluções. Prefira gráficos de linha ou barras

Maioria se mudaria de SP
Em %

Mudaria

Quem se mudaria Entre os que disseram que se mudariam de SP, em % Bairro Centro Zona norte Zona sul Zona leste Zona norte Não sabe Cor Brancos Pardos Negros Sexo Homens Mulheres

59% 41%
Não mudaria

52 51 65 61 54 52

60 59 47 61 58

Fonte: Datafolha

20

GRÁFICOS
COMO PASAR OS TEX TOS

TÍTULO
¬ Uma linha curta e direta sobre o assunto, de preferência com verbo (aumenta, diminui)

LINHA FINA
¬ Uma linha especificando os índices (variação quadrissemanal) e a ordem de grandeza usada (em %, US$ milhões, etc.)

PERÍODO
¬ Um período por parágrafo; exemplo: MAI/95 JUN JUL

NÚMEROS DO GRÁFICO
¬ Reduza os números à mesma grandeza e coloque um número por parágrafo; exemplo: 415 324 234 Quando for usar mais de um comparativo, coloque a legenda logo no início da coluna: Importações 415 324 234 Exportações 324 234 415

ASTERISCOS, OBSERVAÇÕES E FONTE
¬ Texto corrido separado por ponto e espaço, nesta ordem

21

MAPA
DEFINIÇÃO

QUANDO USAR MAPAS ¬ Mapas são elementos de forte impacto visual e de grande importância para a valorização de uma reportagem. ¬ Sua função básica é responder: onde? Um bom mapa, no entanto, pode ser acompanhado de outros tipos de infografia para responder quem, quando e por quê. ¬ Na maioria dos casos, as informações para produzir o mapa podem ser fornecidas com antecedência para a Editoria de Arte, que ficaria aguardando apenas as informações mais quentes para finalizar o infográfico.

22

MAPA
MAPA DE LOC ALIZ AÇÃO

¬ Funciona como uma ficha, só que o destaque é o mapa. Útil quando se quer valorizar geograficamente o local de uma reportagem. ¬ Deve ser usado principalmente para locais desconhecidos. Pode ou não ser acompanhado de texto dando o raio X do local. Deve ter o local principal em destaque. ¬ Quando usar raio X do local, deve apresentar dados geográficos e sociais. Para facilitar a compreensão destes dados, pode fazer comparações. Por exemplo: população de Londres comparada com a de São Paulo

Onde fica o garimpo
Raio X
¬ Produção de cassiterita

do garimpo: 14.400 toneladas
¬ Produção brasileira:

AM garimpo Bom Futuro MT

¬ Área da jazida: 35 km2

de Rio Ma

ou 5.000 campos de futebol
¬ População no

Porto Velho Ariquemes RO

garimpo: 3.000
¬ Crianças

trabalhadoras com menos de 14 anos: 300 Bolívia
¬ Adolescentes

trabalhadores de 14 a 18 anos: 400
Fontes: Comissão de Combate ao Trabalho Infantil de Rondônia

Onde fica
MONGÓLIA RÚSSIA CHINA TIBETE NEP AL ÍNDIA Myanma CORÉIA DO NORTE Pequim CORÉIA DO SUL

Exemplo de mapa de localização com ficha Sem ficha, o mapa mantém sua eficiência para assunto de menor destaque

TAIWAN Hong Kong

Onde ficam os radares fotográficos
Anhanguera
Pte. Freguesia do Ó Pte. do Limão Pte. da Casa Verde Pte. da Vila Guilherme Pte. Anhanguera Pte. do Tatuapé

Dutra

Radar móvel Radar fixo

Castelo Branco
Pte. do Piqueri

Marginal Tietê Estádio do Canindé

Próximas vias a receber os radares
¬ Av. Raimundo Pereira de Magalhães ¬ Estrada do M’Boi Mirim ¬ Ligação Leste-Oeste ¬ Av. Washington Luís ¬ Av. 23 de Maio ¬ Av. Aricanduva ¬ Av. Alcântara Machado ¬ Av. Professor Luís Inácio de Anhaia Melo ¬ Av. Braz Leme ¬ Av. Radial Leste ¬ Av. Rubem Berta ¬ Av. Sumaré

Ma

rgin

São Paulo
al P inh eiro s
Pte. Eusébio Matoso (pista local) Pte. Eusébio Matoso (pista expressa)

Raposo Tavares

Pontos de referência devem ser colocados no mapa para facilitar a leitura geográfica do mapa

Régis Bittencourt

Pte. Morumbi (pista expressa)

A Ba v. do nd s eir an te s

Observação: Os três radares da Marginal Pinheiros são fixos. Os três da Marginal Tietê e os dois da avenida dos Bandeirantes são móveis e funcionam em esquema de rodízio, pelos pontos marcados

Como funcionam
Móveis Detectores de raio laser colocados sobre tripés acionam a câmera, que registra o veículo que estiver acima da velocidade permitida Fixos O veículo passa por sensores instalados sob o asfalto Caso a velocidade seja maior do que a permitida, os sensores acionam as câmeras fotográficas

R. G i R. A l Ean es ntô nio Go mi

Vd. Santo Amaro

Vd. Jabaquara

de

Qual o valor da multa

R$ 72,86
Velocidade máxima permitida
¬ 80km/h nas pistas expressas das marginais ¬ 60km/h nas pistas locais das marginais e na avenida Bandeirantes

Fonte: CET

ira

40.000 toneladas

23

MAPA
MAPAS DE MOVIMENTAÇÃO

¬ Explicam mudanças ou movimentações que podem ou não estar acontecendo em determinada região. ¬ Setas, destaques e referências de imagem e fotografia enriquecem o material visual. Se você quer explicar uma movimentação, explique de onde está saindo, para onde vai, quantos vão, etc. ¬ Explicando conflitos São os mapas que ajudar entender uma reportagem. Pode tratar dos bósnios ou dos morros do Rio de Janeiro. Informações que devem ser fornecidas para a Editoria de Arte. • Composição de forças. • Quem são os líderes. • Armas envolvidas com fichas técnicas e fotos. Destaque para as mais potentes. • Movimentação de tropas. • Objetivos a serem alcançados. • Comparação com outros conflitos ajuda a facilitar a grandeza do conflito. • Cronologia dos acontecimentos bem sintética. ¬ Explicando o trânsito Um mapa de trânsito deve conter as seguintes informações: • Sentido de tráfego • Horários de pico de trânsito (quando o enfoque for em desvios) • Mãos dos desvios. • Referências conhecidas do local ou próximas do local. • Posicionamento com relação ao centro da cidade
Veja como fugir dos congestionamentos
Os novos radares
Registradores fotográficos de infração ao semáforo vermelho instalados próximos a escolas Av. Conceição, 860 (EEPG Prof. Narbal Fontes)
¬ ¬ Av. Heitor Penteado X Cristiano Viana (EESG Prof. Antônio Alves Cruz) ¬ R. do Oratório, 2.651 (Externato Nossa Senhora Menino)

A ação na Albânia
A partir de Tirana, Durrës, Vlorë e Sarandë, os soldados devem acompanhar comboios por todo o país França 1.000 homens em unidades mecanizadas navais, mais helicópteros, blindados e outros veículos. Os franceses devem garantir o envio de suprimentos do porto de Durrës a Tirana Itália 2.000 a 2.500 homens, incluindo infantaria mecanizada, páraquedistas, blindados leves, unidades da Marinha e Exército e apoio aéreo Romênia 400 homens Turquia 500 homens Grécia 700 homens, provavelmente agindo no sul, onde há uma grande minoria grega Dinamarca Diz que considera uma possível participação Áustria Se compromete a enviar soldados e policiais, mas só vai definir detalhes após uma decisão final sobre a participação italiana

Durrës

Tirana

ALBÂNIA
Vlorë Sarandë

Espanha 300 homens, que devem agir na região de Durrës e incluem um unidade de infantaria leve

Ícones identificando os tipos de movimentação colaboram para compreensão do mapa

Serviço eficiente de trânsito precisa ter o sentido de tráfego em questão

Colégio Dante Alighieri Al. Casa Branca

Colégio São Luís Av. Paulista

Escola Morumbi 1

Escola Morumbi 2

Quanto custa desobedecer

Av. Brigadeiro Faria Lima

R. Guadalupe
Av. Nov e de Julh o

R$ 72,86 Estacionar em fila dupla
¬

Al. Jaú

R. Luís Coelho

R. Haddock Lobo

R. da Consolação

Av. Nova Faria Lima

e idad Av. C

im Jard

R. Augusta

R. Bela Cintra

R. Peruíbe

Passar pelo semáforo vermelho Transitar na contra mão Transitar em velocidade superior a permitida no local
¬ ¬ ¬

Al. Itú

R. Venezuela

Av. Brasil
R. N icara

R. Peixoto Gomide

R. Tabapuã

R$ 54,64 a calçada Estacionar veículo sobre
¬ ¬ Estacionar junto ao ponto de embarque de ônibus ¬ Estacionar sobre o canteiro divisor das pistas

gua

R. Albuquerque Lins

Av. Anchieta X R. Salvador Pires de Lima (Colégio Modelo)
¬

Av. 23 de Maio

1 Av. Higienópolis 2

R. Rio de Janeiro

Av. Luiz Anhaia Melo X R. Sebastião Melo (EEPG Prof. Luiza M. C. Souza)
¬

Piores horários

R. M aest ro Ca rdim

R. Maranhão

às 7h e 8h

Av. Eusébio Matoso X R. Bento Frias (Colégio Pentágono)
¬

R. Taquari, 459 (EMPG Dr. Fábio da Silva Prado e Universidade São Judas)
¬

Av. Paulista

R. do Paraíso Av. de Berna Cam rd pos ino

às 12 e 13h (*)

R. Dr. Veiga Filho

¬ Transitar em local ou horário não permitido ¬ Estacionar sem o cartão de Zona Azul ¬ Desobedecer a faixa de pedestre ¬ Fazer conversão proibida em esquinas ou em canteiros de vias

R$ 43,71

A partir de hoje, há

Colégio Maria Imaculada
Colégio Entrada de Colégio

às 16h30 e 18h
* considerado o horário mais crítico

250mil
Fonte: Secretaria Municipal dos Transportes

1 - Colégio Rio Branco 2 - Colégio Nossa Senhora do Sion

carros a mais nas ruas da cidade

¬ Levar criança menor de 10 anos no banco dianteiro ¬ Falta do uso do cinto de segurança

R$ 217, 04

24

MAPA
MAPA DE DADOS

¬ Cruza informações em forma de texto ou gráficos com localizações geográficas. ¬ Pode servir para juntar, por exemplo, fichas dos países do Mercosul. ¬ Quando usado com fichas, destaque uma informação numérica importante na pauta para ser destacada em forma de gráfico; por exemplo, o PIB dos países do Mercosul ¬ Um mapa de dados com muitos locais em destaque pode ter cores-legenda diferenciando os dados estudados de cada local; por exemplo, amarelo para os locais com renda até R$200 e vermelho para os acima de R$ 201. Cores-legenda facilitam a visualização geográfica das diferenças.

Indústria leva mais empregos para Minas
Saldo de empregos com carteira assinada em 1996

RR

AP

Mais empregos

Mais de 41 mil

AM

PA

MA PI

CE RN PB PE AL SE

De 40 mil a 41mil

AC RO MT

TO BA GO DF MG MS SP PR SC RS RJ ES

De 10 mil a 25mil

R$ 269
Menos empregos
foi o salário médio de contratados e demitidos pela indústria no Estado de Minas Gerais em 96

De zero a 10 mil

Negativo

R$ 504
foi o salário médio de contratados e demitidos pela indústria no Estado de São Paulo em 96

61.788criados empregos foram
em Minas. Vinte mil a mais que os 40.885 criados em SP

A evolução do emprego formal em São Paulo e Minas
Saldo = contratações - demissões (ao longo de 1996) 100.000 50.000 Minas Gerais 4.504 0 -2.849 -50.000 -100.000 -150.000

Marcas brasileiras que são exportadas
EUA
¬ Grendene

Europa
¬ Grendene ¬ Hering ¬ Natura ¬ Café do Ponto

(Grendha, Rider e Melissa) ¬ Lacta ¬ Garoto

Legendas coloridas localizam visualmente -19.856 a distribuição dos dados São Paulo
FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV -124.974 DEZ

Japão Oriente Médio
¬ Lacta ¬ Lacta ¬ Bandeirante

JAN

Fonte: Elaboração própria a partir de dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho (módulo 2)

México
¬ Grendene ¬ Garoto

¬ Café do Ponto

Mercosul
¬ Grendene ¬ Hering ¬ Natura ¬ Café do Ponto ¬ Bandeirante ¬ Garoto ¬ Todeschini ¬ Lacta

Marcas que se preparam para entrar no exterior Marca Mercado Perdigão Mercosul Forum EUA Zoomp Argentina e Uruguai Omino América Latina Mafisa América Latina

Austrália
¬ Café do Ponto

Quanto as empresas vendem para o exterior*
Empresa Grendha Rider Melissa Hering Natura Café do Ponto Bandeirante Garoto Lacta Todeschini

Movimentações de 2 milhões a 3 milhões de pares calçados calçados econômicas ficam de 2 milhões a 3 milhões de pares 500 mil calçados mais claras sobre uma pares confecção em malhas – cosméticos base geográfica de 1,5 milhão a 1,6 milhão de unidades
café brinquedos chocolates chocolates biscoitos – – – – –

Setor

Volume por ano

Valor anual (US$ milhões)

– – – – 4 0,95

Evolução da dengue no Brasil
20
Nº de casos da doença em sua forma clássica

103.127

1995 1996
58.505

25

(*) números de 1996. Fonte: empresas

Gráfico de barras ganha movimento e permitecomparação instantânea entre as regiões

4,1 0,1

3.221 1.923

Norte
24.934

Nordeste
14.509 35.111 30.913

Centro-Oeste

Bahia teve aumento de

Sudeste
3.116 4.635

40,23%
no número de casos notificados

Sul

25

VISUAIS
DEFINIÇÃO

O QUE SÃO INFOGRÁFICOS VISUAIS ¬ Neste tipo de infográfico, a imagem é a informação mais importante. ¬ A parte difícil de fazer um infográfico visual é que nem sempre a imagem visual está clara, pronta. Exige maior investimento e envolvimento do infografista e da reportagem. Precisa de uma pauta bem objetiva e de mais tempo para pesquisa e acabamento. ¬ Normalmente ele vai usar vários outros tipos de infográficos (tabelas, fichas, gráficos) para acompanhar a imagem principal. Mas a chave de seu sucesso vai ser a escolha da imagem principal, que deve representar o foco da reportagem. QUANDO USAR ¬ Todas as grandes pautas merecem um infográfico visual bem elaborado. Ele vai dar o espírito de “conhecer por dentro” à reportagem. ¬ Planejamento, uma imagem principal bem escolhida, informações de apoio e espaço de sobra para o infografista diagramar com liberdade são os ingredientes de um bom infográfico visual

26

VISUAIS
SELO

¬ O selo serve para destacar uma série de reportagens ou uma sequência de páginas de um mesmo assunto. ¬ Para cobertura de eventos o selo é um recurso muito aconselhável. (ex- Eco92, Copas, Olimpíadas e outras coberturas que permanecem no noticiário por um longo período). ¬ Quando um selo vai companhar uma cobertura extensa, logos ou referências fotográficas são importantes. ¬ É importante que a decisão de se usar ou não um selo seja tomada no começo da cobertura ou série de reportagens.

Olho no Congresso

Rio 2004

Folha

Fenasoft

27

VISUAIS
PASSO A PASSO

¬ Definem posições hierárquicas ou de relacionamento entre personagens. ¬ Pode mostrar a hierarquia da Secretaria de Segurança ou os relacionamentos pessoais dos envolvidos no assinato de PC, por exemplo. ¬ Extremamente útil para apresentar vários personagens que estão envolvidos em um mesmo caso. ¬ Deve ser acompanhado de fotos, quando tratar de personagens, ou de logotipos, quando tratar de empresas, instituições e clubes.

Passo-a-passo de como fazer as unhas
1 Corte as unhas 2 Lixe como quiser: arredondada ou quadrada

3 Empurre a cutícula com uma espátula

4 Tire a cutícula com um alicate

Referências são fundamentais para qualquer tipo de passo a passo. O infografista não consegue advinhar exatamente como são os oabjetos citados.

5 Passe o esmalte

6 Passe o palito com algodão nas bordas da unha para retirar o excesso de esmalte

MAC 7 - kanno hemoglobina vegetal. mais • ciencia • back up
Como são feitos plantas e animais transgênicos
Conheça a técnica do DNA recombinante Gene
É um trecho do DNA, uma fita dupla em espiral que fica nos cromossomos, os quais estão no núcleo da célula. Cada trecho do DNA dá as instruções para o corpo fabricar substâncias –chamadas proteínas– para seu funcionamento DNA célula

cromossomo

Como é a técnica básica
Os cientistas recortam os pedaços do DNA humano que contêm o genes que dizem como fabricar a substância desejada em cada caso –como a hemoglobina, proteína do sangue que conduz o oxigênio pelo organismo, que pode ser usada em ‘‘sangue artificial’’

1

O pedaço de DNA humano é colado a pedaços de DNA de outros organismos (plantas, animais, microorganismos): esses pedaços de DNA contêm instruções para regular a produção do DNA humano e ‘‘ensiná-lo’’ a se orientar no organismo para onde será transferido

2

Esse gene fundido é colado no DNA de uma bactéria. Esse DNA é chamado plasmídio

3

plasmídio DNA humano

Os genes fundidos e colados no plasmídio precisam chegar dentro da planta, do animal ou do microorganismo que passará a produzir as proteínas humanas. Para que isso ocorra, os cientistas chamam um ‘‘táxi’’. Esse ‘‘táxi’’ pode ser uma bactéria que possa infectar a planta ou animal, mas sem causar dano. Essa bactéria-táxi, com genes e plasmídio dentro dela, é injetada numa planta, por exemplo

4

Dentro da planta, o plasmídio, que carrega o gene humano fundido aos genes ‘‘sinalizadores’’, sai da bactéria e se mistura ao DNA da planta ou animal que passará a produzir a proteína humana. Isto é, os genes desse ser transgênico agora têm as instruções para fazer a proteína humana

5

Passo a passo fica mais fácil explicar e entender o assunto em pauta. Use o mínimo de passos necessários.Í

¬ ‘‘Tesoura’’
Uma substância chamada enzima é usada como tesoura biológica. Cada uma dessas enzimas, chamadas endonucleases de restrição, cortam um pedaço específico dos genes

DNA "auxiliar"

plasmídio cortado

plasmído recombinante

bactéria DNA recombinante

plasmídio recombinante (com pedaço do DNA recombinante)

bactéria-táxi

28

VISUAIS
“STORYBOARDS”

¬ Quando se pretende mostrar a ação de um fato, um bom recurso é o “storyboard”. ¬ Quanto mais preciso, mais atraente ele será. Referências como retrato dos personagens, tipos de carros usados, armas usadas, percursos seguidos, horário da ação, número de pessoas em cena são de fundamental importância. ¬ Mapas, fotos e fichas dos personagens podem servir para melhor ilustrar um “storyboard”.

A morte de Daniella Perez segundo Guilherme

1 A convite de Daniella, Pádua vai à rua Cândido Portinari (Barra da Tijuca, zona sul do Rio) conversar sobre o fim do caso amoroso que vinham mantendo. Pádua leva ao encontro a mulher, Paula Thomaz _abaixada no banco traseiro do carro_, para mostrar que o romance estava encerrado.

Como as quadrilhas de piratas agem

2 Daniella chega ao local em seu Escort. Ela e Pádua descem para conversar. Paula fica ouvindo escondida. A conversa é interrompida por Paula, que desce do Santana e passa a ofender a atriz.

BA Local onde a quadrilha age

DF

Belo Horizonte Ladrões abordam motorista do caminhão na saída do terminal de cargas e o ‘‘seduz’’ a participar do roubo

1

Caminhão é levado para um local onde um especialista abre o contêiner sem romper o lacre

2

Quadrilha retira parte da carga para não dar diferença no peso do caminhão e motorista segue viagem

3

SP

Fonte: DIG (Delegacia de Investigações Gerais) e Delegacia Seccional da Baixada Santista

Mapa de localização integrado ao “story-board” enriquece as informações visuais

3 Daniella reage e as duas iniciam uma briga. Pádua tenta separá-las. Segura Daniella pelo pescoço e empurra Paula com a mão esquerda.

4 Daniella desmaia e cai. Pádua perde o equilíbrio e cai sobre ela. Paula pula sobre os dois para agredir a atriz.

5 Pádua afasta Paula e tenta reanimar Daniella, que não apresenta sinais de respiração ou batimentos cardíacos.

Referências fotográficas permitem um “story-board” mais próximo aos fatos, dando maior credibilidade. Se o personagem ilustrado fosse loiro, por exemplo, todas as outras informações ficariam desacreditadas.

3 Pádua acha que Daniella morreu e decide adulterar as placas do carro com fita isolante. Enquanto ele mexe nas placas, Paula se aproxima de Daniella e a agride com golpes de uma tesoura que estava no carro.

29

VISUAIS
ARTE-FOTO

¬ A informação principal está na imagem fotográfica. A infografia vai destacar e traduzir em texto esta informação. ¬ Pode partir de fotos já existentes ou fotos pautadas para a montagem da arte. ¬ Pode usar escores, frases, fichas, gráficos e ilustrações que se misturem organicamente com a imagem fotográfica.

Simulador de torcida
Para simular o impacto da torcida na arquibancada, a USP usou um equipamento que faz a estrutura de concreto balançar

1

O equipamento consistia num motor que fazia vibrar um bloco de concreto por meio de um braço hidráulico A vibração do bloco fazia a arquibancada balançar e os movimentos eram registrados em computador

2 3

5,7 toneladas
era o peso do bloco

A foto precisa ser parte integrante do infográfico. Fundos fotográficos sem ligação direta com a informação não caracterizam uma arte-foto
Fonte: Péricles Brasiliense Fusco/USP

Entenda o erro de projeto nas bases do Morumbi
Falha foi detectada pela Escola Politécnica da USP Arquibancadas

Numeradas superiores Numeradas inferiores Bloco Tubulões

Editoria de Arte/Folha Imagem

Local do problema

Gigantes

Bloco

Fotomontagens eletrônicas misturando ilustração e fotografia são um ótimo recurso de informação visual.

cargas

1
Origem
O projeto original do Morumbi não previa barras de aço horizontais na estrutura que sustenta as arquibancadas

2
Fissuras
Por causa desse problema, os pulos da torcida na arquibanca, durante anos, provocaram fissuras nos blocos da fundação Fissuras

3
O que foi feito
No ano passado, o São Paulo corrigiu o erro de projeto colocando barras de aço horizontais nos blocos Cintas de amarração

Bloco

30

VISUAIS
PÔSTER VISUAL

¬ Combina vários tipos de infografia para traduzir visualmente a matéria. Normalmente tem uma grande imagem principal, e as informações de apoio gravitam em torno dela. ¬ A imagem principal pode ser uma foto ou uma ilustração. É importante que seja ancorada com textos explicativos ¬ Depois de uma primeira montagem: 1. Cheque se os textos estão didáticos e bem ancorados com a imagem principal

Conheça o Hale-Bopp
¬ Perfil
¬ Descoberta ¬ Cauda

23 de julho de 1995 pelo diretor do Southwest Institute for Space Research, Alan Hale, e pelo astrônomo amador Thomas Bopp (EUA)
¬ Última visita à Terra

Cerca de 137 milhões de km de comprimento, embora pareça pequena, vista da Terra. O Hale-Bopp tem duas caudas: uma de gás e outra de poeira
¬ Núcleo

Conheça o cometa Hale-Bopp cometa ¬ Anatomia do
Núcleo Cauda de gás
Cerca de 40 km de diâmetro (aproximadamente a extensão do rio Tietê dentro de São Paulo, que é de 45 km)

Possivelmente, há 4.200 anos, ou seja, em 2.203 a.C., quando os primeiros povos começaram a povoar a Mesopotâmia e fundar as chamadas cidades-Estado
¬ Idade

Cabeleira

Como todos os cometas, tem a mesma idade do Sistema Solar, cerca de 4,5 bilhões de anos
¬ Cor

HaleBopp

Cauda de poeira

Uma das caudas é amarelada. A outra, azulada

1º.abr.97
(ponto mais próximo do Sol, onde ganha seu brilho máximo)

2.dez.96 1.jan.97 2.nov.96

2. Se não há informações em excesso. Isto pode desviar a atenção do assunto central. Em alguns casos, é mais eficiente dividir a arte em duas ou três. 3. Se a ordem de leitura está óbvia. É melhor definir claramente (com vinhetas ou caixas) cada passagem de leitura para o leitor não se perder na arte.
Perigeu

31.jan.97

¬ Maior que o Halley
Hale-Bopp
2.mar.97

Halley
8km 76 anos 63 milhões de km

SOL
30.jul.97

Núcleo (diâmetro) Órbita

40 km 4.200 anos 196 milhões de km

Mercúrio
30.jun.97

Menor distância à Terra

Lua

Vênus

Terra 1º.abr.97
(posição da Terra)

1º.mai.97

31.mai.97

¬ A órbita do Hale-Bopp
Elíptica (lembra o formato de um ovo), é a trajetória do cometa ao redor do Sol; o HaleBopp deverá levar cerca de 4.200 anos para completar toda a órbita; ou seja, ele só retornará à Terra daqui a 4.200 anos, se ele ainda existir

Marte

¬ Estimativa da luminosidade

Periélio

Terra

Terá o brilho aproximado do planeta Vênus, também chamado de estrela-d’alva, visível no céu como um ponto azulado

SOL

¬ A menor distância do Sol
O periélio ou a menor distância do Hale-Bopp em relação ao Sol ocorrerá em 1º de abril, quando ele passará a 137 milhões de km da estrela; nesse ponto, a velocidade do cometa, que é variável, alcançará o seu máximo: 44km/s

¬ A menor distância da Terra
O perigeu ou a menor distância que o cometa teve em relação à Terra ocorreu ontem, quando ele passou a 196 milhões de km do planeta; ou seja, ele passou mais perto do Sol do que da Terra

¬ Como fotografar o cometa
1. Use uma câmera de 50 mm que tenha um diafragma que possa ficar aberto por vários minutos e um tripé, para a foto não sair tremida 2. Ajuste o foco para o infinito 3. Escolha um filme asa 400 ou maior, mais sensível à luz

A imagem principal serve como elemento de integração do infográfico e aumenta seu impacto visual

¬ A passagem do Hale-Bopp no Brasil
Cidade Melhor dia para ver 29/4 3/5 4/5 9/5 10/5 6 a 16/5 10/5 10/5 12/5 16/5 18/5 A partir de que horário* 19h15 18h26 18h23 18h31 19h04 18h32 18h39 18h53 19h 18h53 19h01 Lua no horizonte*** Não Não Não Não Sim Não Sim Sim Sim Sim Sim Altura** (em graus) 11,8 Fortaleza Belém Recife Salvador Brasília Vitória Rio de Janeiro São Paulo Curitiba Florianópolis Porto Alegre

¬ Como ver
Noroeste altura Linha do horizonte Norte Leste

10,5 10,2 8,9 8,4 7,3 7,0 6,8 6,5 6,2 5,7

Oeste Sul

¬ Dicas
1. Ao contrário do eclipse solar, a visão a olho nu não causa danos aos olhos 2. Você terá uma melhor visão com binóculo ou luneta 3. Só é possível observá-lo fora da cidade, pois é preciso localizar a linha do horizonte 4. Os melhores Estados para ver o cometa estão no norte e nordeste, pois o cometa estará mais alto no céu. A expectativa é que o melhor local seja Fortaleza 5. O cometa não parece uma estrela. Parece uma mancha branca. Em São Paulo ele estará praticamente perpendicular ao horizonte

Saiba o que é cromossomo
Célula humana
membrana citoplasma

* Momento em que o céu estará completamente escuro, e as previsões indicam que ele vai aparecer *** Se o satélite estiver acima do horizonte, a visão do cometa será prejudicada Fonte: Ronaldo Rogério de Freitas Mourão, do Museu de Astronomia do Rio de Janeiro

** Em relação à linha do horizonte

O que é
Contêm as instruções para o funcionamento, a reprodução e a produção de proteínas na maioria dos seres vivos. As células humanas contêm 46 cromossomos (50% é herdado da mãe, 50%, do pai). As únicas células que contêm 23 cromossomos são as células sexuais: espermatozóide (no homem) e óvulo (na mulher)

núcleo

Do que é formado
¬ Cromossomos Formados basicamente pela molécula de DNA super-retorcida e condensada e por proteínas

Informações secundárias podem ser dispostas em forma de tabela, gráfico, ficha, etc.

Genes Trecho do cromossomo com instrução para fabricar uma proteína

O DNA (ácido desoxirribonucléico)
Lembra uma “escada retorcida“. O ‘‘corrimão’’ é formado por um açúcar chamado desoxirribose e por um fosfato. Os ‘‘degraus’’ são formados pelas bases nitrogenadas, cujas siglas são A, T, C e G. Elas se ligam duas a duas (A com T e C com G) através de uma ligacão química chamada ponte de hidrogênio

‘‘degraus’’

‘‘corrimão’’ C A T

G C G

31

PAUTA E EDIÇÃO INFOGRÁFIC A

PAUTA Qualquer assunto pode render um infográfico. A questão é saber quando investir e qual a melhor abordagem. Para fortalecer a pauta é preciso responder as seguintes perguntas: 1º A matéria é realmente importante? 2º A edição tem espaço para o infográfico? 3º Existe tempo hábil para produção do infográfico?
questões, deve-se escolher qual tipo de infografia será usado como tema central, e qual deve ser a imagem central do infográfico. Nesta parte do processo é fundamental que a Arte já esteja participando em dupla com a reportagem para definir as primeiras providências a serem tomadas: • O que vai ser tratado como tema principal e o que vai ser dado como material de apoio no infográfico

1

• Existe alguma “imagem” editorial que fortaleça a pauta? • Acionar o Banco de Dados e Reportagem para conseguir informações e referências. • Ver se existe a possibilidade/necessidade de mandar um infografista ao local (este procedimento se mostra mais importante quando é preciso mostrar o cenário geral, que uma foto apenas não consegue captar) para saber qual o volume de texto será possível usar, se a ordem de leitura do infográfico está clara, e se podemos acrescentar ou suprimir alguma informação. ¬ Reportagem e Arte podem trabalhar paralelamente na apuração, checagem e acabamento até a montagem com os dados, textos e imagens finais.

2

CRIAÇÃO/EDIÇÃO Checadas estas primeiras

3

PRODUÇÃO Iniciar a construção do infográfico

Banco de Dados

1
PAUTA

2
CRIAÇÃO/EDIÇÃO (Reportagem/arte) Reportagem

3
PRODUÇÃO (Repórter/infografista) FINAL

Fotografia

NÃO ESQUEÇA • É muito mais eficiente dividir a responsabilidade da pauta infográfica com a Arte do que passar um monte de dados e esperar que a Arte descubra o que você quer dizer com isto. • Antes de começar a digitar um monte de tabelas, converse com a Arte sobre a pauta, os dados e referências disponíveis. Algumas coisas que você vê como tabela ficam melhor em um gráfico, ou um mapa.

32

GR ANDES COBERTUR AS

¬ São grandes eventos (Copa, por exemplo), normalmente, pré-pautados, com datas, horários e participantes envolvidos já defindidos. Não espere começar acontecer, antecipe. ¬ Elaborore um projeto gráfico para a cobertura. Não conte com uma “página gráfica” sem um projeto gráfico e editorial definidos. ¬ Defina que tipo de artes será necessário para acompanhar o dia-a-dia da cobertura (artes-fixas). Por exemplo: agenda, tabela de resultados, destaques do dia. Defina quem vai cuidar destas artes. ¬ Elabore artes frias sobre os temas do evento.Você vai ter bastante antecedência. Enriqueça sua cobertura com infográficos bem elaborados e deixe-os prontos. Além do mais, estas artes podem ser úteis para ilustrar as artes quentes. ¬ Com o cronograma do evento na mão, você pode produzir artes que dependam apenas de um resultado, uma frase ou uma foto para esquentar o material. ¬ Além das artes planejadas, é importante ter infográficos quentes sobre os acontecimentos do dia. ¬ Não espere o evento terminar para começar a elaborar o grande infográfico de balanço do evento.Você já sabe com que tipo de informação vai poder contar. Reserve espaço e prepare um chassi com antecedência.

33

ARTE-TEX TO
ORGANOGR AMA/FLUXOGR AMA

34

A IMPORTÂNCIA DO PL ANEJAMENTO TO ARTE-TEX
ORGANOGR AMA/FLUXOGR AMA

• Planejamento é fundamental para conseguir bons infográficos. • Infografia de verdade é um processo mais demorado que ilustração e diagramação. • Isto não quer dizer que sirva apenas para notícias frias. Desde a pauta matutina até o fechamento é possível fazer muita coisa. • Definida a pauta, converse com a Arte, ela também precisa se planejar para o investimento. • O responsável pela passagem e recebimento da arte tem que saber do que estão falando. Qual a finalidade da Arte. Caso contrário, não vai ser o infografista ou o leitor que irão desvendar o mistério • Simplicidade é didatismo. Uma grande arte não é uma arte grande. Use apenas os dados e referências necessários. Não complique. • Defina quais profissionais (reportagem, foto e arte) serão responsáveis. • É importante que os processo de produção iniciados pela manhã tenham respaldo da edição final. Pauta e edição precisam funcionar em extrema sintonia. • Dê um feed-back.Veja como ficou, converse com os envolvidos. Os assuntos se repetem. Na próxima cobertura o resultado vai ser melhor.

35

DESIGN, ESTILO E ARTE-TEX TO EDIÇÃO
ORGANOGR AMA/FLUXOGR AMA

Não confunda infografia com uma ilustração cercada de textinhos por todos os lados. Ilustração e design são ferramentas para transmitir visualmente as informações do infográfico. Cada elemento usado deve ter uma função definida para ajudar a cumprir este objetivo.

• Destaque com fotos recortadas: dão sempre um desenho diferente no infográfico, principalmente se estão bem casados com o resto da arte. • Perspectivas inusitadas: a mídia impressa é acostumada a representar todas as figuras de lado, como os egípcios. Perspectivas criam um certo estranhamento e captam a atenção. • Diagramação diferenciada: fotos e arte são quadradas ou retangulares. Aproveite a modulação e faça diagramações diferentes ”invadindo” os módulos de texto.

ATRAPALHAM
• Fundos rebaixados e/ou confusos: podem atrapalhar a leitura. Deixe o texto livre de interferências. • Cores carnavalescas: excesso de cores contrastantes pode distrair a ordem de leitura desejada. prefira cores sóbrias. Use cores carnavalescas apenas quando o assunto da matéria permitir. • Ilustrações calhaus: evite usar ilustrações só para completar eventuais sobras de espaço. Faça com que a ilutração se misture com o texto. Se preciso, peça um destaque para “ancorar” uma informação na ilustração. • Destaques em excesso: podem confundir a ordem de leitura. Dê hierarquia aos destaques. Use apenas um dois grandes destaques e deixe o resto em segundo plano. • Desalinhamento horizontal: denota falta de acabamento. Corte os textos e padronize as vinhetas deixando todas em uma linha. • Má qualidade fotográfica: fotos de vídeo com movimento, por exemplo, são de péssima qualidade e nunca devem ser usadas em tamanho grande. Fotos PB em artes coloridas também tem resultado ruim. Se a foto for antiga, use-a em tom sépia. AJUDAM • Efeito 3D: não é preciso usar um programa de três dimensões para gerar uma imagem deste tipo. O jornal é 2D, qualquer imagem que simule uma terceira dimensão prende o leitor • Ilustração ancorada: uma ilustração bem feita, com estilo e presa nas informações principais deve ser explorada no maior tamanho possível na edição. É agradável e informativa.

POSIÇÃO NA PÁGINA
Sempre que possível cheque a posição do infográfico na página.Veja também as fotos que serão usadas. É útil para saber a importância do infográfico para a matéria e se as cores estão de acordo.

36

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful